Monitorização Conduz a Eficiência Energética

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitorização Conduz a Eficiência Energética"

Transcrição

1 Monitorização Conduz a Eficiência Energética Jornadas Técnicas OET 11 de Maio de 2012

2 Referência internacional em soluções de monitorização remota, em tempo real dedicadas aos mercados de Energia e Ambiente, Oil & Gas e Saúde. Soluções Hardware Software Serviço e suporte ao cliente

3 Telemetria e Comunicação M2M Instrumentação, Automação e ontrolo Sistemas Embutidos Engenharia de Software Serviço e Suporte ao Cliente

4 Angola Australia Belgium Brazil Canada Chile Egypt France Germany Luxembourg Netherlands Portugal Qatar Romania Spain UK Uruguay USA

5

6

7

8

9 Monitorização e Gestão de Consumos

10 Desenvolve soluções de monitorização e gestão de energia para empresas, residências e utilities, apoiando-as a reduzir o seu consumo energético. Utilities Surge como uma nova área de negócio da ISA Intelligent Sensing Anywhere, direcionada para o mercado da energia com tecnologias e soluções inovadoras. Empresas Unidade de Gestão ISA Residências Monitorização Gestão Suporte

11 Aumento das necessidades e consumos energéticas: 1. Utilização mais intensiva das infra estruturas 2. Mais equipamentos, 3. Maiores necessidades. Escalada dos preços da energia. 1. Pressão dos Mercados e Especuladores 2. Stress Petrolífero Posicionamento Ecológico. 1. Imagem positiva do mercado; 2. Implementação de Políticas de Sustentabilidade;

12 Objetivo da ISA Energy Sustentabilidade das Empresas e do Planeta Desafio Fazer Mais com Menos Energia

13 1. Diversidade de Instalações e Sistemas 2. Utilizadores I. Idade e características construtivas II. Múltiplos sistemas de gestão e controlo com diferentes fins III. Comportamentos térmicos diferentes I. Múltiplos Utilizadores hábitos e costumes II. Normas utilização diferentes III. Comportamentos de utilização de energia ineficientes; IV. Dificuldade de normalização e controlo 3. Diversidade de Equipamentos I. Marcas e Características; II. Consumos Energéticos; III. Idade e Estado de Conservação; IV. Serviço de Operação e Manutenção Integrada;

14 Sistema de informação e gestão de energia que junta numa só ferramenta acessível de qualquer local dados em tempo real relevantes para a correta gestão energética de uma empresa disponibilizando informação relevante sobre a melhor forma de utilizar energia.

15 Energy &Environment Monitoring Wireless Hardware Integration with Automation & Control Systems BMS, BAS, SCADA Electricity, Water and Gas Monitoring Client Interface Unidade de Gestão e Suporte ISA Monitoring Management Energy Policy Definition & Implementation Support

16 Software ienergy Plataforma de recepção, gestão e comunicação de dados Kisense Software de Gestão de Energia. Interface integrador de todos os dados recolhidos nas instalações Hardware ihub Concentrador e transmissor de dados para a plataforma de gestão e comunicação Contadores de Energia Contadores de eletricidade, água e gás. Marca ISA ou de outros fabricantes. ipont T+H Sensores de Temperatura e Humidade. ipont CO2 Sensores de CO2. OPC Server Interface de ligação de sistemas BMS, BAS e SCADA. Netmeter Recolhe dados de contadores com saídas de pulsos e envia para o ihub

17

18

19 Aumento da eficiência na gestão dos recursos energéticos Melhor planeamento da manutenção = maior longevidade dos equipamentos Melhor Informação Maior Eficiência Redução de ineficiências, desperdícios e consumos excessivos Informação dos consumos detalhada em tempo real Redução dos custos energéticos

20 Âmbito da Oferta Auditoria e Certificação SW de monitorização e gestão de energia Serviço de Gestão de Energia Definição, execução e supervisão de política de eficiência energética Serviço de Operação e Manutenção Soluções Financeiras

21 Ponto de Partida - análise do cliente e das instalações. Damos especial enfoque a esta fase. Vai ditar todo o processo de optimização dos consumos e custos energéticos. Com uma metodologia própria, obtemos resultados únicos. Âmbito do Serviço Análise dos consumos; Análise das instalações eletricidade, água e gás; Análise dos equipamentos Análise das condições estruturais e térmicas; Definição e implementação de políticas energéticas em ambiente empresarial;

22 A definição de políticas energéticas podem englobar as seguintes áreas: Implementação de monitorização remota de energia em modo contínuo; Optimização e redefinição de equipamentos e sistemas instalados; Definição Normativa & Alterações Comportamentais; Substituição de equipamentos; Produção de Energia energias renováveis; Comportamento estrutural dos Edifícios ao nível energético;

23 Tornar instalações e infraestruturas mais eficientes energeticamente envolve um processo contínuo. A ISA tem uma unidade de gestão de energia que analisa as instalações, os seus consumos, propõe, executa medidas e monitoriza os resultados. A informação e capacidade de análise do software de gestão de energia complementada com o trabalho no terreno, obtém excelentes resultados e poupanças assinaláveis para os nossos clientes;

24 Propomos alternativas financeiras que facilitam ao cliente o acesso a projectos. Modelo ESCO Contratos de Performance Energética Projetos de Financiamento Europeu Soluções de Financiamento Bancário

25

26

27 Fundado em 1869, O BES é, hoje, um dos maiores bancos privados portugueses representado em 24 países e 4 continentes através de sucursais, escritórios de representação ou empresas participadas tornando o Grupo Espírito Santo o mais internacional dos grupos financeiros portugueses. Um grupo estruturado em diferentes unidades de negócio: Banca Banca de Investimento Capital de Risco, Crédito Especializado e gestão de Ativos Seguros e Outros Sociedades Eminentes Em Portugal o BES tem uma rede instalações de mais de 700 balcões e 19 edifícios.

28 Área Bruta Consumo energético Total Edifícios Centrais ~ m2 ~ Agencias ~ m2 ~ Principais consumos: Iluminação Iluminação Publicitária Climatização Tecnologias de Informação Equipamentos Bancários e Segurança

29 ANÁLISE DO ESTADO ACTUAL Caracterização espacial e temporal Consumos de energia Desagregação de consumo energia eléctrica Indicadores numéricos ((kwh/pessoa e (kwh/m2) Indicação de acções correctivas, boas práticas e mudanças tecnológicas a efectuar

30 Auditoria Preliminar Identificação de Oportunidades de Melhoria 1 - Regulações de Climatização ineficientes 3 - Controlos de iluminação desajustados; 4 - Não regulação dos sistemas existentes; 5 - Recurso permanente a luz artificial mesmo com luz solar; 6 - Políticas de gestão de energia pouco sistemáticas Dependência de Sensibilidades Individuais vs. Políticas Energéticas Sistematizadas; Não agir implica custos acrescidos de 250 K / ano (aumentos de tarifa, não incluindo o IVA) As Oportunidades de Melhoria identificadas justificam a implementação de um Projecto Global de Eficiência Energética

31 Redução dos Custos Energéticos Anuais Retorno do investimento a 2 3 anos Implementar ferramenta de Gestão de Energia para toda a organização Reforçar as competências internas na área da Eficiência Energética Reforçar o posicionamento de lider em sustentabilidade

32 Implementação de Medidas Auditoria Instalação Quick Wins e Gestão de Energia Definição e Proposta de Medidas Gestão e Verificação 2 Meses 3 Meses 1,6 Anos Duração do Contrato Implementação Gestão

33 Adjudicação Auditoria a Agências e Edificios Set Up de Doc de Politicas Inicio instalação nos Edificios Inicio da instalação nas Agências Concluidos 4 primeiros Edificios Concluidas 25% das Agências Concluidas 50% das Agências Concluidos Todos os Edificios Concluidas Todas as Agências Gestão de Energia de todas as instalações Fev Mar Mar Abr Abr Mai Jun Jun Ago Set Ano de implementação de todo o Programa Estratégico; 2011 Poupança estimada 6,2%; 100% 80% 65% 45% 25% % Consumo Total Banco

34 ienergy Plataforma de Gestão e Comunicação de Dados

35

36 Software Hardware ienergy Plataforma de recepção, gestão e comunicação de dados. Realiza a ponte entre os equipamentos e sistemas de monitorizam o dados nas instalções e os interfaces de gestão da ISA e dos clientes. Kisense Software de Gestão de Energia. Interface integrador de todos os dados recolhidos nas instalações. Permite visualizar de forma fácil, rápida um conjunto de operações (análises, eventos, alarmes, comparativos, etc) e atuar nalguns pontos críticos para optimizar consumos e realizar poupanças de energia. ihub Concentrador e transmissor de dados para a plataforma de gestão e comunicação Contadores de Energia elétrica. Podem ser marca ISA ou de outros fabricantes. ipont T+H Sensores de Temperatura e Humidade.

37

38 Auditoria Levantamento energético de todos os edifícios e amostra representativa das agências; Desenvolvimento de relatórios de auditoria com as conclusões; Instalação do sistema de monitorização Equipamentos de monitorização de consumos Equipamentos de monitorização ambiental Temperatura e Humidade; Equipamentos de controlo e atuação remota em agências; Plataforma de gestão e comunicação de dados em datacenter; Software de monitorização e gestão remota; Cockpit com informação dos consumos em cada agência - integração no SI do cliente;

39 Análise Inicial Definição da baseline de consumo (dados de consumo anuais do cliente) Dos consumos medidos pelo sistema de monitorização e gestão instalado; Das oportunidades de poupança detetados; Definição, Implementação e Gestão das Políticas Energéticas adequadas Definição de normativo interno para utilização racional de energia; Relatórios individuais de cada instalação - indicação de medidas de poupança (quick wins e comportamentais) a implementar e quantificação da poupança individual; Elaboração de relatório inicial de poupanças potencias e medidas a implementar (quick wins e comportamenais) Gestão e supervisão da implementação das medidas propostas com gestores de energia do cliente; Verificação das poupanças através do SW de gestão de energia; Relatórios mensais de atividades e poupanças geradas; Formação aos gestores de energia do cliente; Desenvolvimento de conteúdos para campanha interna de alterações comportamentais;

40 Consumo Anual de Energia Target de Poupanças Payback % < 2 Anos 1. 15% de redução dos consumos energéticos em agências 2. 13% de redução dos consumos energéticos em edifícios 3. Normalização da utilização dos equipamentos em todas as instalações da empresa 4. Alteração do comportamento energético dos colaboradores da empresa 5. Visibilidade Institucional e reforço do posicionamento ecológico e ambiental da empresa: I. Orgãos de Comunicação Social e Opinião Pública; II. Clientes;

41 Obrigado pela Atenção! Nuno Torrado Francisco Business Development Director

CDE Agências Bancárias

CDE Agências Bancárias CDE Agências Bancárias Andreia Carreiro Innovation Project Manager acarreiro@isa.pt Agenda 1. ISA Intelligent Sensing Anywhere S.A. ; 2. CDE BES Banco Espirito Santo; 1. Motivação; 2. Objetivos; 3. Dados

Leia mais

Soluções BES Ambiente e Energia Sustentável 2011 (Eficiência Energética; Microgeração e Minigeração) Apresentação a clientes

Soluções BES Ambiente e Energia Sustentável 2011 (Eficiência Energética; Microgeração e Minigeração) Apresentação a clientes Soluções BES Ambiente e Energia Sustentável 2011 (Eficiência Energética; Microgeração e Minigeração) Apresentação a clientes Gestão Marketing da Poupança de Empresas e Institucionais. 1. Enquadramento

Leia mais

síntese dos resultados obtidos

síntese dos resultados obtidos síntese dos resultados obtidos a. consumos de energia A análise detalhada dos consumos energéticos incluiu uma visita técnica realizada no dia 10 de julho de 2013, a análise das faturas de eletricidade

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas

Weglobenergy. Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Sistemas Energéticos em Piscinas Weglobenergy Empresa de Engenharia Integradora de Serviços: Projectos Fiscalização Auditorias Certificações Energéticas e QAI Implementação de medidas de melhoria

Leia mais

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento 2 EDP no Mundo EDP no mundo Video 14 países 11.992 colaboradores Geração: 25.223 MW Canada Estados Unidos Reino Unido Bélgica

Leia mais

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions Soluções Empresariais Business Remote Monitoring Solutions «A energia é hoje um bem escasso e dispendioso. Utilizá-la com rigor, de forma eficiente e sem desperdício, é o nosso desafio todos os dias» Isa

Leia mais

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012

Sistema de Gestão de Energia da AdSA - NP EN ISO 50001:2012 Sistema de Gestão de Energia da AdSA - Manuel Lacerda, David Barão e Cristina Gomes Lisboa,19 de janeiro de 2016 Índice: Sistema de Sustentabilidade Empresarial (SSE) Evolução da Certificação na AdSA Vantagens

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA

Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS SIMULAÇÃO DINÂMICA Evento PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS, SUSTENTABILIDADE E CONFORTO INTERIOR OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS Técnicas de Inspecção e Avaliação do Desempenho de Edifícios Rosário Fino

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido 1 Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Características do projeto Investimento 77.473 Payback 2,2 anos Objetivos Ecoeficiência

Leia mais

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo

Contratos de Desempenho Energético. Jorge Borges de Araújo 0 Contratos de Desempenho Energético Jorge Borges de Araújo 1 Agenda 1. APESE 2. Oportunidades de Eficiência Energética 3. Contratos de desempenho energético (Portugal) 2 1. APESE Associação Portuguesa

Leia mais

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador:

A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012. Vantagens e Mercado. Orador: A certificação de um SGE de acordo com o referencial NP EN ISO 50001:2012 Orador: Vantagens e Mercado Introdução Implementação Vantagens Mercado Outros referenciais legislativos e normativos INTRODUÇÃO

Leia mais

A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde

A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades Programa ECO.AP no Ministério da Saúde Realidade do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS), EPE Vasco Ribeiro Lisboa,

Leia mais

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LINHA BPI/BEI EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. BENEFICIÁRIOS E PROJECTOS ELEGÍVEIS 3. TIPO DE DESPESAS 4. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS 5. SUMÁRIO DAS CARACTERÍSTICAS DA LINHA 6. VANTAGENS PARA

Leia mais

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão:

Residência: Local de trabalho/estudo: Habilitações académicas: Profissão: Inquérito O Plano de Ação para a Energia Sustentável do Concelho de Setúbal (PAESS) é um instrumento fundamental para assegurar o cumprimento, a nível local, do compromisso de atingir e ultrapassar o objetivo

Leia mais

Uma solução inovadora para o Controlo de Perdas de Água

Uma solução inovadora para o Controlo de Perdas de Água Uma solução inovadora para o Controlo de Perdas de Água PONTOS CHAVE Criação de competências para reduzir as perdas de água, mantendo os níveis de eficiência em valores sustentáveis Controlo Activo de

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

2º Encontro Sistemas de Gestão de Energia Benefícios e impactos. Comissão Técnica 184 Normalização no domínio da gestão de energia

2º Encontro Sistemas de Gestão de Energia Benefícios e impactos. Comissão Técnica 184 Normalização no domínio da gestão de energia 2º Encontro Sistemas de Gestão de Energia Benefícios e impactos Comissão Técnica 184 Normalização no domínio da gestão de energia 2º Encontro Sistemas de Gestão de Energia Benefícios e impactos 1. Comissão

Leia mais

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo 1- POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética de Cabo Verde tem por objetivo construir um setor energético seguro, eficiente, sustentável e sem dependência de combustível fóssil. E está assente

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

Energia solar fotovoltaica:

Energia solar fotovoltaica: Energia solar fotovoltaica: Uma solução para o setor energético brasileiro Raphael Duque Objetivos 1. Desafios do Setor de Energia Elétrica Brasileiro; 2. Uma Solução para o Setor Elétrico Brasileiro;

Leia mais

Consolidar o universo da energia

Consolidar o universo da energia Consolidar o universo da energia Consolidar o universo da energia O Novo Banco tem vindo a minimizar a pegada ambiental com enfoque na proteção do ambiente e prevenção das alterações climáticas. As principais

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

Eficiência Energética no Setor dos Transportes

Eficiência Energética no Setor dos Transportes Eficiência Energética no Setor dos Transportes Sistema de Etiquetagem Energética de Frotas SEEF João Paulo Calau 13 de julho, Infraestruturas de Portugal, Almada O que é a ADENE? A ADENE - Agência para

Leia mais

Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda

Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Nelson Fonseca Leite- Presidente 1 São Paulo, 21 de junho de 2017 PAUTA. Panorama do Setor de Distribuição de Energia Elétrica

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade

Qualidade e Sustentabilidade Qualidade e Sustentabilidade Início de atividade em 1988 Localizada em Espinheiro, Penela Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade em 2002 e Segurança Alimentar em 2006 Possui cerca de 120 colaboradores;

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ENERGÉTICA E HÍDRICA NO CICLO URBANO DA ÁGUA AQUAPOR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA HÍDRICA E ENERGÉTICA Otimização Energética Grupo AQUAPOR Edifício do auditório

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES

APRESENTAÇÃO SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AS GRANDES OPORTUNIDADES APRESENTAÇÃO O Jornal água&ambiente organiza o Seminário Eficiência Energética: as grandes oportunidades no próximo dia 26 de Junho de 2012, no Hotel Açores, em Lisboa. Numa altura em que a eficiência

Leia mais

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI

Investimento e financiamento, a relação com a banca. Luís Rêgo, Banco BPI 0 Investimento e financiamento, a relação com a banca Luís Rêgo, Banco BPI 1 Eficiência Energética Enquadramento Legal (1/2) 2 Mercado de serviços energéticos (Directiva 2006/32/CE, de 05 de Abril*) Metas

Leia mais

"A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios

A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios "A iluminação no contexto do sistema de certificação energética dos edifícios Ordem dos Engenheiros Lisboa ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema de Certificação

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro Os Modelos ESE Sofia Tavares EDP Comercial Agenda 1 2 ESE Empresas de Serviços Energéticos O conceito Eco.AP

Leia mais

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos

Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos SECÇÃO 4 Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas da Administração Local Objetivos Específicos: Os apoios têm como

Leia mais

3i Buildings. Intelligent, Interactive and Immersive. Buildings para o telemóvel e interagem com o

3i Buildings. Intelligent, Interactive and Immersive. Buildings para o telemóvel e interagem com o 3i Buildings 3i Buildings Atenta aos desafios colocados às cidades em matéria de sustentabilidade e gestão eficiente de recursos, a Siemens aposta nas tecnologias de informação e comunicação (TIC), para

Leia mais

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O ECOSSISTEMA DA MOBILIDADE.

SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O ECOSSISTEMA DA MOBILIDADE. SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA O ECOSSISTEMA DA MOBILIDADE. Somos uma empresa Portuguesa, cujo projeto se iniciou em 2006 com a oferta de soluções de energia renovável. Atualmente disponibilizamos soluções completas

Leia mais

Seminário Faro. Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável. Faro, 17 de Novembro 2009

Seminário Faro. Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável. Faro, 17 de Novembro 2009 Seminário Faro Certificação energética e da qualidade do ar interior e medidas da construção sustentável Faro, 17 de Novembro 2009 Sistema de Certificação Energética e de QAI Certificados Energéticos e

Leia mais

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS

ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT. e Investimento da Rede de Transporte. Redes Energéticas Nacionais, SGPS ENERGIA O MERCADO DAS INFRA-ESTRUTURAS PDIRT Investimentos Plano de Desenvolvimento em perspetiva e Investimento da Rede de Transporte Redes Energéticas Nacionais, SGPS de Electricidade 2012-2017 (2022)

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

Implantação da ISO Sistemas de Gestão da Energia

Implantação da ISO Sistemas de Gestão da Energia Implantação da ISO 50001 Sistemas de Gestão da Energia Fundação: 1961 Jaraguá do Sul / SC - Brasil ROL 2014: R$ 7,84 Bilhões (51% ME e 49% MI) Colaboradores: 30.664 (75% Brasil) 1.592 Engenheiros Investimentos

Leia mais

A Produção Solar PV em Portugal

A Produção Solar PV em Portugal A Produção Solar PV em Portugal 5 de Maio de 2017 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 10:00 10:10 10:10 10:30 10:30 10:50 Abertura Prof. Dr. Jorge Maia Alves, Faculdade de Ciências da Universidade

Leia mais

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas

Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas Aspectos económicos e ambientais das grandes infraestruturas de electro-produção João Joanaz de Melo FCT-UNL / GEOTA Ciclo Política Ambiental no Sistema Fiscal Português Seminário: o sector energético

Leia mais

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas Seminário Energia e Ambiente - Empresas Enquadramento Estratégia Europa 2020: Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 20 % relativamente aos níveis 1990 Aumentar para 20 % a quota

Leia mais

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT 0 O futuro do mercado dos serviços energéticos Cláudio Monteiro, SMARTWATT 1 De que depende o futuro de Serviços Energéticos? 2 Depende da valorização da eficiência por parte dos consumidores Depende da

Leia mais

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 Panorama político-econômico para a geração de energia eólica e perspectivas ambientais para o setor Saulo Cisneiros

Leia mais

Projeto NetEffiCity. Fev 2017

Projeto NetEffiCity. Fev 2017 Projeto NetEffiCity Fev 2017 Idália Torres Project Manager itorres@vps.energy Lurian Klein Innovation Developer lklein@vps.energy 1. O que é? 2. Âmbito do projeto 3. Impacto do projeto 4. Cenários vislumbrados

Leia mais

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética

O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética O Grupo CPFL Energia e a Eficiência Energética Setembro/2010 AGENDA 1. Quem somos 2. Direcionadores Estratégicos do Grupo CPFL Energia 3. Eficiência Energética no Grupo CPFL Energia 2 O Grupo CPFL Energia

Leia mais

Engenharia Industrial-EM (Mestrado)

Engenharia Industrial-EM (Mestrado) Engenharia Industrial-EM (Mestrado) Complementos de Mecânica dos Fluidos 26/06 14:30 10/07 09:30 Mecânica Computacional 17/06 18:00 06/07 18:00 1 Mecatrónica 09/06 09:30 04/07 11:00 Processos de Ligação

Leia mais

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto

Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Conceito sobre plano de gestão da adaptação Reunião de divulgação de resultados do projeto AdaPT AC:T Hotéis parceiros do projeto Lisboa, LNEC, 25 de maio de 2016 Divulgação Alterações climáticas Definição

Leia mais

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG

As prioridades nacionais para a Eficiência Energética. Cristina Cardoso, DGEG As prioridades nacionais para a Eficiência Energética Cristina Cardoso, DGEG Lisboa, Ordem dos Engenheiros - Infoday da Eficiência Energética 4 de abril de 2017 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: O QUE É? Energy efficiency

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF

Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Programa de Eficiência Energética Início: 2001, com a criação do SGE e automação da RMF Objetivos: Contribuir para a eficientização de todos os sistemas da Cagece e redução das despesas com energia. Conscientizar

Leia mais

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores

Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Sistema de avaliação da qualidade dos serviços de águas e resíduos prestados aos utilizadores Seminário de apresentação da 2.ª geração do sistema de indicadores Adequação da interface com o utilizador

Leia mais

Soluções Globais para Pequenas Centrais Hidroelétricas. Instrumentation, Controls and Electrical. siemens.com/hydro

Soluções Globais para Pequenas Centrais Hidroelétricas. Instrumentation, Controls and Electrical. siemens.com/hydro Soluções Globais para Pequenas Centrais Hidroelétricas Instrumentation, Controls and Electrical siemens.com/hydro Em Véroia, no lado ocidental da planície de Thessaloníki, na Grécia, o rio Aliakmon é utilizado

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Etapas de etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca

Leia mais

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DIRETIVA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PRIORIDADES PARA PORTUGAL João Bernardo, DGEG Workshop QUERCUS: Eficiência Energética Desafios e Oportunidades para Portugal 6/março/2015 Principais normativos de orientação

Leia mais

Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética

Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética Informação em tempo real em projetos de Eficiência Energética A democratização da Eficiência Energética enquanto objetivo de todos, face à escassez cada vez mais premente de recursos, veio criar diversas

Leia mais

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas

Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Metodologia Para Ações de Eficiência Energética, Operacional e Redução de Perdas Marcos Danella 29/julho/2015 Agenda Quem somos Cenários/Diagnósticos de Campo Metodologia Etapa 1 Engajamento do Corpo Diretivo/Gerencial

Leia mais

Eco Bairros. Isabel Santos

Eco Bairros. Isabel Santos Eco Bairros Isabel Santos Janeiro 2012 SERVIÇOS 3 UNIDADES DE NEGÓCIO 3 PÚBLICOS-ALVO ENERGIA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AMBIENTE URBANO SUSTENTÁVEL Todos os sectores de actividade Promotores, Construtores,

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

SECTOR DA INDÚSTRIA DO COURO E DOS PRODUTOS DO COURO

SECTOR DA INDÚSTRIA DO COURO E DOS PRODUTOS DO COURO #6 SECTOR DA INDÚSTRIA DO COURO E DOS PRODUTOS DO COURO INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do sector da indústria

Leia mais

URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica. 18 de Novembro de 2016

URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica. 18 de Novembro de 2016 URSI 2016 Comunicações críticas na operação da rede elétrica 18 de Novembro de 2016 De uma empresa nacional no setor da energia elétrica, a EDP transformou-se numa empresa global com uma forte presença

Leia mais

Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A.

Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A. Evolução do modelo de gestão de energia e medidas de eficiência energética na Águas do Douro e Paiva, S. A. APDA Encontro "Alterações Climáticas Escassez de Água e Eficiências Energética e Hídrica no Ciclo

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO QUEM SOMOS? Uma instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Restaurante do futuro Ambiente e eficiência energética

Restaurante do futuro Ambiente e eficiência energética Restaurante do futuro Ambiente e eficiência energética António Cunha Pereira 17 Abril 2012 Documento compatível com caracteres ecofont - reduzindo o consumo do seu tinteiro em mais de 20%. Mais informações

Leia mais

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios

A Sharewater. Planeta Água. Prêmios A Sharewater A Sharewater tem o objetivo de oferecer soluções completas para a conservação da água, através de projetos, consultoria e desenvolvimento de tecnologia própria. Foi fundada em 8 de maio de

Leia mais

Diodo emissor de luz. Jorge Leite Lneg 25 de Março 2010

Diodo emissor de luz. Jorge Leite Lneg 25 de Março 2010 Diodo emissor de luz Jorge Leite jorgel@jgdomotica.com Lneg 25 de Março 2010 EMPRESA A TEC IT é uma empresa preparada para atender aos mais altos padrões de exigência do mercado. Possuímos know how com

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

Conceito Amplo de Eficiência Energética

Conceito Amplo de Eficiência Energética Conceito Amplo de Eficiência Energética ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Alexandre Sedlacek Moana Presidente ABESCO Conceito Estrito de Eficiência Energética - Realizar

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro A oferta da EDP para o Setor Público António Coutinho EDP Comercial A oferta da EDPC assenta na complementaridade

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Eficiência Natural Jefferson Monteiro Gás Natural Fenosa Sistema FIRJAN Encontro de Gestão

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Emissões de CO2 da energia elétrica Energia em edifícios no PNE 2050 Impacto EE Aumento de consumo Número de domicílios passa

Leia mais

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética.

O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência Energética. SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Workshop Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas PAINEL II O exemplo prático das Energias Renováveis como solução na Gestão de Energia e Eficiência

Leia mais

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda 11 Municípios 1 Comunidade Intermunicipal 1 Projeto de Sustentabilidade A RUCI da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, visa desenvolver uma estratégia

Leia mais

Sector Bancário Processo Dinamização

Sector Bancário Processo Dinamização Sector Bancário Processo Dinamização Enquadramento Processo Casos Práticos Vantagens Sector Bancário PRECAVER SITUAÇÕES DE RISCO Evitar imediatismos, Apostar na Sustentabilidade, Não viver acima das nossas

Leia mais

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique

Plano Integrado de Energia Doméstica. Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Plano Integrado de Energia Doméstica Por Fátima Arthur Ordem dos Engenheiros de Moçambique Resumo Energia doméstica está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento humano. O acesso universal a fontes modernas

Leia mais

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010

e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia O ENERGYIN e a aposta portuguesa na Energia Offshore Lisboa 14 de Maio de 2010 LIS-143096080926 Evolução (quase) disruptiva do paradigma energético Formas

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo)

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) = Como as autarquias encaram a problemática da eficiência energética = TIAGO GAIO tiago.gaio@areanatejo.pt Otimização de Soluções Construtivas Coimbra,

Leia mais

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias EDP Comercial 30 de Abril de 2014 A EDP tem uma abordagem sectorial para os serviços de energia e eficiência energética, por forma

Leia mais

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO

Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO Sistema de Gestão Integrado SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO COMO PILAR ESTRATÉGICO 1 2 3 4 O contexto incentea DESAFIOS DO NEGÓCIO Um Sistema Integrado ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA A Segurança de Informação SUSTENTAÇÃO

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Consumos de projeto Consumo de energia Etiqueta de projeto/construção

Leia mais

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO TÍTULO DO DOCUMENTO LUSÁGUA A LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. é a empresa do grupo AQUAPOR vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a gestão integral do ciclo urbano da água, gestão

Leia mais

ELIPSE E3 MONITORA O DESEMPENHO DAS USINAS SOLARES DA CLEMAR ENGENHARIA

ELIPSE E3 MONITORA O DESEMPENHO DAS USINAS SOLARES DA CLEMAR ENGENHARIA ELIPSE E3 MONITORA O DESEMPENHO DAS USINAS SOLARES DA CLEMAR ENGENHARIA Solução da Elipse Software provê um controle mais efetivo sobre as usinas fotovoltaicas sediadas em Florianópolis e Palhoça, fazendo

Leia mais

LIFE SWSS SMART WATER SUPPLY SYSTEMS

LIFE SWSS SMART WATER SUPPLY SYSTEMS LIFE SWSS SMART WATER SUPPLY SYSTEMS Índice 1. Informação projeto 2. Objetivos 3.Trabalho realizado 3.1. Survey dos casos de estudo 3.2. Modelos hidráulicos 3.3. Modelos preditivos 4.Trabalho futuro 5.Vantagens

Leia mais

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010

Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 Novo Regime Jurídico aplicável à energia produzida em Cogeração Decreto Lei nº 23/2010 José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia Lisboa, 09 de Junho 2010 0 Cogeração de Elevada Eficiência (EE)

Leia mais

Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan

Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan Sustentabilidade e Ambiente em Masterplan Communities Gilberto Jordan CEO Grupo André Jordan Building Energy Symposium 24 e 25 de Novembro de 2015 Fundação Oriente, Lisboa Missão, Visão e Valores Missão

Leia mais

www.cloud4project.com SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO - Objetivo 2. CAD x BIM x CIM - SMART CITIES - Conceitos genéricos - Desafios 3. CONTRIBUIÇÃO DA INTELIGÊNCIA MILITAR - Problemática da gestão da infraestrutura

Leia mais

O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa

O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa O caminho para nzeb na Legislação Portuguesa Workshop LNEG 11 de Dezembro 2015 RUI FRAGOSO DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE EDIFÍCIOS ADENE AGÊNCIA PARA A ENERGIA RUI.FRAGOSO@ADENE.PT Estrutura da apresentação

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminários de Divulgação nos Municípios da CIRA Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-15-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio

Leia mais

edp internacional uma energia capaz de fazer a diferença

edp internacional uma energia capaz de fazer a diferença EDP INTERNACIONAL Praça Marquês de Pombal 12 1250 162 Lisboa Portugal www..pt internacional uma energia capaz de fazer a diferença EDP INTERNACIONAL A EDP Internacional desenvolve projetos de consultoria

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais