Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia"

Transcrição

1 Iluminação Pública e Sistema de Gestão de Energia 14 Março 2006 Auditório da Câmara Municipal de Mirandela Vítor Lopes

2 EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Região constituída por 5 municípios: Santa Maria da Feira (1) São João da Madeira(2) Arouca (3) Oliveira de Azeméis (4) Vale de Cambra (5) Entre os rios Douro (a norte) e Vouga (a sul) 277,000 habitantes; 860km 2 Grande dinamismo socio-económico

3 EDV ENERGIA Agência de Energia do Entre o Douro e Vouga Missão: Tornar o EDV numa região sustentável Impulsionar a protecção ambiental e o desenvolvimento económico Promover práticas de eco-eficiência e a utilização racional dos recursos Envolvimento dos agentes da sociedade no processo de mudança:

4 ÍNDICE Estado da Situação Iluminação Pública Novos Circuitos Circuitos Existentes Resultados Futuro Sistema de Gestão de Energia Modelo de Funcionamento Objectivos Problemas Descrição dos Serviços Problemas Resultados Algumas Conclusões

5 CONSUMOS MUNICIPAIS DO EDV Sistema de Iluminação Pública Instalações municipais - Escolas Primárias - Equipamentos Desportivos - Edifícios Serviços - Equipamento Urbano -SMAS - AGUA ENERGIA COMBUSTIVEIS RESÍDUOS

6 ILUMINAÇÃO PÚBLICA

7 EDIFÍCIOS MUNICIPAIS

8 DIAGNÓSTICO Custos elevados e crescentes 3 Anos + Ausência de informação - 20 X % Inexistência de mecanismos de gestão de energia ELEVADO POTENCIAL DE POUPANÇA

9 ILUMINAÇÃO PÚBLICA

10 IP - PROBLEMAS 55% de Lâmpadas de Vapor de Mercúrio Cadastro Desactualizado Gestão Deficiente da Rede Ausência de Práticas de Eficiência

11 IP NOVOS CIRCUITOS Guia Técnico de Qualidade de Serviço de Iluminação Pública GARANTIR EFICIÊNCIA

12 IP - CIRCUITOS EXISTENTES 35 PTs 150 circuitos Cadastro Técnico Candidatura ao Soluções Propostas Programa - MAPE Investimento = (50% MAPE) Payback = 3 anos

13 IP RESULTADOS Intervenção em 1300 Pontos de Luz + Introdução de 20 Reguladores de Fluxo ; 600MWh ; 300 ton CO2

14 IP FUTURO Concurso para 100 Reguladores de Fluxo Pacote de Telegestão Controlo da Operações da Rede de IP Controlo das Horas de Funcionamento

15 SISTEMA DE GESTÃO DE ENERGIA

16 SGE MODELO DE FUNCIONAMENTO Fornecedores de serviços e bens energéticos

17 SGE - OBJECTIVOS Aumento da eficiência administrativa Diminuição dos custos de exploração das instalações Disponibilização de informação de consumos e custos com energia Detecção de desvios de consumos e custos Optimização das operações de manutenção Promoção da utilização eficiente e eficaz de energia REDUÇÃO CUSTOS + AUMENTO DA QUALIDADE

18 SGE - PROBLEMAS Tarifários não optimizados Obras de abastecimento mal planeadas Instalações abandonadas com contratos activos Contratos temporários usados como definitivos Contratos pagos pela câmara sem necessidade

19 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS 1. Cadastro Técnico 2. Gestão Contratual 3. Optimização Tarifária 4. Sistema de Informação 5. Gestão da Procura

20 Cadastro Técnico 951 Instalações Levantamento de informação técnica Levantamento de inconformidades Mecanismo de actualização Integração com os SIG

21 GESTÃO CONTRATUAL Gestão de contratos de fornecimento: Pedido de abastecimento Celebração de novos contratos Alterações de contratos Rescisão de contratos

22 OPTIMIZAÇÃO TARIFÁRIA Analise mensal de oportunidades Integração com o MIBEL Introdução de Renováveis Indicadores de energia

23 SISTEMA DE INFORMAÇÃO

24 GESTÃO DA PROCURA INTERVENÇÕES NO EDV EDIFICIOS Nº Escolas 12 Equip. Desportivos 7 Serviços 6 Total 25

25 REMODELAÇÕES ESCOLA DO PARQUE Redução nas Redução nas Medidas Propostas Investimento ( ) Necessidades de Arrefecimento Necessidades de Aquecimento [%] [kwh] [%] [kwh] 1 Colocação de Palas Sombreadoras nas Fachadas Sul e Sudoeste do R/C Colocação de Pavimento Vinílico nas Salas de JI do R/C Colocação de Caixilharia Simples em Alumínio + Envidraçado Duplo em Todos os Envidraçados Ventilação Natural das Salas de Aula através de Grelhas de Insuflação/Extracção de Ar Total

26 PROJECTO PILOTO - Piscina de Oliveira de Azeméis Sistema Combinado de Biomassa/Solar Local: Oliveira de Azeméis Caldeira de Alimentação Automática a Peletes/Estilha de 400 kw Consumo Anual Previsto de Biomassa = 230 t 208 m 2 de Área de Colectores Solares p/ AQS dos Balneários e Aquecimento da Água da Piscina Depósito de Acumulação de Água Quente de 7000 l Vantagens em relação ao Gás Propano CO2(ton.) Energia( /MWh) Poup.( /ano) Central Biomassa 232,4 79, Central Solar Térmico 4 4,

27 RESULTADOS Oliveira de Azeméis Qtd Potencial Poup. Rescisão de Contratos ,00 Alterações de Contrato ,06 /ano Novos Contratos 12 Totais ,06 E AINDA SEM POUPAR ENERGIA

28 IP ALGUMAS CONCLUSÕES Sistema de Gestão desadequado Larga margem para poupança Controlo das horas de funcionamento Substituição do Vapor de Mercúrio por Vapor de Sódio Reguladores de Fluxo - 30% no valor da Tensão Guia Técnico de qualidade de Serviço de Iluminação Pública

29 SGE - ALGUMAS CONCLUSÕES Sistema de Gestão (Recolha, medição, tratamento de dados) Ter acesso a informação em tempo o mais real possível Indicadores (Rácios de Consumo de energia por ocupante, por m2.) Desagregação de Consumos ( Por tipo de edifício; Por utilização Final) Evolução (Registo de Manutenções, Orçamentações) Integração de sistemas (Gestão água, Combustíveis, Resíduos)

30 Loja da Eco-Eficiência Edifício Rainha 2ºandar loja 21 Telef: Fax:

Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020. Projetos ILUPub & EDIPub

Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020. Projetos ILUPub & EDIPub Eficiência Energética no Alto Alentejo: 2014_2020 Projetos ILUPub & EDIPub Eficiência Energética no Alto Alentejo OBJETIVO: Reduzir o consumo e os custos energéticos dos Municípios do Alto Alentejo METODOLOGIA:

Leia mais

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes

Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Gestão de Energia e Incorporação de Soluções Eficientes em Residências de Estudantes Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Rui Rafael Braga Rodrigues Ribeiro Professor Coordenador: Prof. Doutor

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo)

Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) Eficiência Energética em Edifícios (Alto Alentejo) = Como as autarquias encaram a problemática da eficiência energética = TIAGO GAIO tiago.gaio@areanatejo.pt Otimização de Soluções Construtivas Coimbra,

Leia mais

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO

AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE. CLÁUDIO CASIMIRO AUDITORIAS ENERGÉTICAS BENEFÍCIOS PARA A COMPETIVIDADE CLÁUDIO CASIMIRO claudio.casimiro@ceeeta.pt A única coisa que sabemos sobre o futuro é que será diferente Peter Drucker Paradigma Actual - UE Nos

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos

O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos O Operador de Rede de Distribuição como facilitador na promoção da eficiência energética e a implementação no terreno de diferentes projectos João Torres EDP Distribuição Coimbra, 8 de Setembro de 2011

Leia mais

(Anexo 1) Folha de Apoio a Auditoria Baseline. Iluminação

(Anexo 1) Folha de Apoio a Auditoria Baseline. Iluminação Anexos 61 62 (Anexo 1) Folha de Apoio a Auditoria Baseline Iluminação Balastros Eletrónicos -1 Lâmpadas Fluorescentes Tubulares -1 Fatura fornecida: Balastros Ferromagnéticos -2 Lâmpadas Fluorescentes

Leia mais

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 4 Eficiência Energética e Uso Racional de Energia slide 1 / 22 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA & USO RACIONAL DE ENERGIA DEFINIÇÕES: Uso racional da energia:

Leia mais

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro

A quem se destina. Principais Benefícios. Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro FORMAÇÃO FORMAÇÃO A quem se destina Empresas que pretendam reduzir os seus consumos energéticos localização: Norte Centro Principais Benefícios Conhecimento do perfil energético da empresa; Verificação

Leia mais

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar

Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão - Caso Prático Construção Sustentável ReHabitar Marvão, 29 th May A ECOCHOICE é uma empresa de consultoria de referência na área da construção sustentável em Portugal, satisfazendo as necessidades

Leia mais

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil

REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Perspetiva da Engenharia Civil Manuela Almeida Universidade do Minho 12.as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO

Leia mais

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Medidas de Eficiência Energética e Planos de Racionalização do Consumo de Energia Fernando Cunha Sistemas de Energia CTCV 25 de fevereiro de 2014 1 Unidade de Sistemas de Energia SGCIE Revisão do D.L.

Leia mais

Apresentação da AMES

Apresentação da AMES Apresentação da AMES = Objectivos, Visão e Missão = Seminário Serviços Energéticos e contratos de Performance de Energia Guimarães, 14 de Fevereiro de 2011 AGÊNCIA MUNICIPAL DE ENERGIA DE SINTRA Associação

Leia mais

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq.

O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção. João Mariz Graça, Arq. O Edifício Solar XXI um exemplo de sustentabilidade na construção João Mariz Graça, Arq. joao.mariz@lneg.pt Introdução conceito de sustentabilidade Bom desempenho Ambiental ciclo de vida do edifício; Fase

Leia mais

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas

Enquadramento. Estratégia Europa 2020: Seminário Energia e Ambiente - Empresas Seminário Energia e Ambiente - Empresas Enquadramento Estratégia Europa 2020: Reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em pelo menos 20 % relativamente aos níveis 1990 Aumentar para 20 % a quota

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

Cogeração em ambiente urbano

Cogeração em ambiente urbano Cogeração em ambiente urbano MAIO 2010 Miguel Gil Mata 1 Índice Cogeração Conceito Energia térmica vs energia eléctrica Estratégia energética Regulamentação nacional Externalidades Cogeração em ambiente

Leia mais

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas

Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Impactos internos da aplicação do SGCIE Num mercado altamente competitivo, o factor de produção energia pode ser decisivo para subsistência das empresas Tipicamente o potencial de poupança energética nas

Leia mais

ECO.AP. 29 de Março de 2011

ECO.AP. 29 de Março de 2011 ECO.AP 29 de Março de 2011 1 O SUCH como Empresa de Serviços Energéticos 2 Energia Concluído o quadro legislativo aplicável à formatação e execução de contratos de gestão de eficiência energética, a celebrar

Leia mais

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO

LUSÁGUA LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. AQUAPOR MISSÃO TÍTULO DO DOCUMENTO LUSÁGUA A LUSÁGUA - Serviços Ambientais, S.A. é a empresa do grupo AQUAPOR vocacionada para a prestação de serviços relacionados com a gestão integral do ciclo urbano da água, gestão

Leia mais

AUDITORIA ENERGÉTICA Apresentação de Resultados. Palácio de Belém

AUDITORIA ENERGÉTICA Apresentação de Resultados. Palácio de Belém AUDITORIA ENERGÉTICA Apresentação de Resultados Palácio de Belém Lisboa, 30 Janeiro 2008 Agenda Enquadramento do trabalho Comportamento térmico dos edifícios Aquecimento das águas sanitárias (GALP) Monitorização

Leia mais

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho

Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação. Funchal, 4 Junho Responsabilidade Social e Ambiental na Edificação Funchal, 4 Junho 2 instrumentos para a Responsabilidade Social, Económica e Ambiental na Edificação Declaração de conformidade que visa verificar o cumprimento

Leia mais

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre MECANISMO DE FINANCIAMENTO Programa Operacional Regional do Norte ON.2, DESIGNAÇÃO DA OPERAÇÃO NORTE-10-0156-FEDER-000132 - Rede Desportiva de Ribeira de Pena- Requalificação do pavilhão Municipal EIO

Leia mais

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS

FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS FACHADAS DE DUPLA PELE e REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS DE EDIFÍCIOS ANTIGOS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO

Leia mais

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR

A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR A Certificação de Sistemas Integrados Caso LIPOR Ciclo de Seminários Técnicos T Eficiência na Gestão de Resíduos duos Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto População

Leia mais

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

1. SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS 35088-(36) Diário da República, 2.ª série N.º 234 3 de dezembro de 2013 Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013 Nos termos e para os efeitos do Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto e respetiva regulamentação,

Leia mais

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe MINISTERIO DE INFRAESTRUTURAS RECURSOS NATURAIS E ENERGIA Direção Geral dos Recursos Naturais e Energia Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe Junho de 2015 Sumário Introdução : Energias renováveis

Leia mais

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética;

Energia e Ambiente. Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Energia e Ambiente Desenvolvimento sustentável; Limitação e redução dos gases de efeito de estufa; Estímulo da eficiência energética; Investigação de formas novas e renováveis de energia; Potenciar as

Leia mais

Grandes consumidores de energia

Grandes consumidores de energia Grandes consumidores de energia 1 Para o Metropolitano de Lisboa, no seu caminho rumo à sustentabilidade, a eficiência energética tem um duplo impacto significativo, na medida que a redução de consumo

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE Ciclo 2002 / 2003

Programa de Eficiência Energética PEE Ciclo 2002 / 2003 Tipo: Iluminação Pública. Nome: Eficientização Energética em Sistema de Iluminação Pública. Reduzir o desperdício de energia elétrica, por meio da aplicação de equipamentos de iluminação mais eficientes,

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público

SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público SEMINÁRIO A gestão eficiente de energia no setor público 16 Novembro Teatro Aveirense - Aveiro Os Modelos ESE Sofia Tavares EDP Comercial Agenda 1 2 ESE Empresas de Serviços Energéticos O conceito Eco.AP

Leia mais

CALDEIRAS Winter 201 5

CALDEIRAS Winter 201 5 CALDEIRAS 201 Winter 5 30 CALDEIRAS COMPACTAS 31 CALDEIRAS COMPACTAS SZM A nova gama de caldeiras compactas Solzaima foi desenvolvida utilizando as mais modernas tecnologias e integra componentes de elevada

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

Iluminação Natural Solução Definitiva! ENERGIA SOLAR - Luminárias

Iluminação Natural Solução Definitiva! ENERGIA SOLAR - Luminárias Iluminação Natural Solução Definitiva! Imagens Ilustrativas ENERGIA SOLAR - Luminárias Somos especialistas na linha profissional de luminárias públicas auto alimentadas pela força solar. É o sistema de

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL

INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL INVESTIGAÇÃO EM ECO SUSTENTABILIDADE DA HABITAÇÃO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE ECOLÓGICA PRINCÍPIOS DE EDIFICAÇÃO SUSTENTÁVEL ESTRATÉGIAS DE ACTUAÇÃO Arq. Joana Mourão 28.11.2011 Solo Recursos Naturais

Leia mais

Eficiência Energética e Gestão da Procura no Contexto da Regulação do Sector Eléctrico

Eficiência Energética e Gestão da Procura no Contexto da Regulação do Sector Eléctrico Eficiência Energética e Gestão da Procura no Contexto da Regulação do Sector Eléctrico Pedro Verdelho Conservação de Energia & Energias Renováveis 18 de Novembro de 2005 Entidade Reguladora dos Serviços

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO NA ÁREA ESPECÍFICA DE SCIE ASPECTOS GERAIS O curso com uma duração de 128 horas é constituído pelas sessões a seguir indicadas. 1 Parte I Teórico prática 1.1

Leia mais

Em tempos de superação...

Em tempos de superação... Em tempos de superação... Eficiência energética Compra de Energia FEHOSP 2016 Humberto Rodrigues da Mata Mensagem da presidência Norteados pela eficiência, realizamos em 2015 mudanças estruturais em prol

Leia mais

COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE.

COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE. COMO AS EMPRESAS DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PODEM CONTRIBUIR PARA O DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA VERDE. Segundo a Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável (ENDS) a Sustentabilidade pressupõe

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.748515, -9.140355 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DOS CALDEIREIROS, 11 E 13, Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DOS CALDEIREIROS, 11 E 13, Localidade PORTO Válido até 11/05/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DOS CALDEIREIROS, 11 E 13, Localidade PORTO Freguesia CEDOFEITA,ILDEFONSO,SÉ,MIRAGAIA,NICOLAU,VITÓRIA Concelho PORTO GPS 41.144714, -8.612529 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Projectores AEGIS da Bosch Iluminação de Segurança

Projectores AEGIS da Bosch Iluminação de Segurança Projectores AEGIS da Bosch Iluminação de Segurança 2 Projectores AEGIS Projectores AEGIS Iluminação de Segurança A tecnologia de luz constante com patente pendente compensa a degradação dos LEDs. A tecnologia

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Engineering Solutions Consulting. Consulting

Engineering Solutions Consulting. Consulting Engineering Solutions Consulting Consulting Missão e compromisso A nossa missão é proporcionar uma abordagem inovadora, diferenciadora e que aporte valor, com uma equipa jovem, dedicada, empenhada e qualificada,

Leia mais

Centro logístico 100% LED. Jerónimo Martins. Iluminação LED. Case study

Centro logístico 100% LED. Jerónimo Martins. Iluminação LED. Case study Iluminação LED Jerónimo Martins Case study Centro logístico 100% LED O Grupo Jerónimo Martins tem como orientação estratégica a incorporação de preocupações ambientais e sociais, e a redução do consumo

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil

Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil 1 Ordem dos Engenheiros Encontro Nacional de Engenharia Civil Estratégia Nacional de Energia Barragens e Mini-Hídricas Luís Braga da Cruz (FEUP) PORTO 21 de Maio de 2011 2 Índice 1. Estratégia Nacional

Leia mais

MORADIAS CASCADE CASCADE RESORT

MORADIAS CASCADE CASCADE RESORT MORADIAS CASCADE Como proprietário de uma das exclusivas Villas, oferecemos-lhe adicionalmente um serviço de 5 estrelas no Cascade Resort. Será sempre bem recebido e poderá desfrutar das facilidades do

Leia mais

A Cogeraçãoem Portugal

A Cogeraçãoem Portugal A Cogeraçãoem Portugal Desafios e Oportunidades Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com jcosta@dem.isel.pt Seminário Gás Natural Os Desafios do Futuro, Lisboa 11 de Outubro de 2011 A Cogeração

Leia mais

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas

Plano de Adaptação às Alterações Climáticas Plano de Adaptação às Alterações Climáticas O Município de Alfândega da Fé tem vindo a desenvolver ações no sentido alcançar uma maior sustentabilidade energética e ambiental, que têm expressão em áreas

Leia mais

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010

PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 PLANO NACIONAL DE ACÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA RESULTADOS 2010 0 Execução acima dos objectivos Será superada a meta a 2015, mantendo a actual tendência de crescimento Economias energéticas acumuladas

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS

ENVELOPE ESTRUTURAS SISTEMAS PREDIAIS Disposição final Planejamento Uso e Operação ENVELOPE ESTRUTURAS Projeto SISTEMAS PREDIAIS Construção Implantação PPI Conceituação Planejamento Definição Módulo escopoi Documentação Estudos de Projeto

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME)

SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 17 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) REFERENCIAL IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Albatros2 Interface Gráfico do Utilizador UI400 Guia de Consulta Rápida

Albatros2 Interface Gráfico do Utilizador UI400 Guia de Consulta Rápida Albatros2 Interface Gráfico do Utilizador UI400 Guia de Consulta Rápida CE1C2348pt 2014-04-23 Building Technologies Bem-vindo! Bem-vindo! Utilize o botão de controlo (botão navegador) para operar a unidade

Leia mais

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG

Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado. Paula Trindade LNEG Compras Públicas Ecológicas: o papel do consumidor Estado Paula Trindade LNEG Conferência Consumo Sustentável e Alterações Climáticas Alfragide, 26 Novembro 2009 Potencial das Compras Públicas Sustentáveis

Leia mais

CAP. III. DECivil GESTEC UMA VISÃO DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EM EDIFÍCIOS FERNANDO BRANCO

CAP. III. DECivil GESTEC UMA VISÃO DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EM EDIFÍCIOS FERNANDO BRANCO CAP. III UMA VISÃO DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EM EDIFÍCIOS FERNANDO BRANCO 1. INTRODUÇÃO Suponha então que um dono de obra lhe dizia:...snr. PROJECTISTA QUERIA QUE ME PROJECTASSE UM EDIFÍCIO SUSTENTÁVEL!

Leia mais

Sistema de Certificação Energética 1

Sistema de Certificação Energética 1 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Transposição da Directiva Comunitária Regulamentação dos edifícios

Leia mais

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia

Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia ENERGY FOR YOUR FUTURE Eficiência Energética e Sistemas de Produção de Energia Escola Secundária do Fundão Fevereiro 2015 Hélio Fazendeiro QUEM SOMOS A Starenergy é uma empresa especializada que presta

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO. Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos

DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO. Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos DIVERSIFICAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SOLAR TÉRMICO Sistema de Incentivos PME e Pessoas Colectivas de Direito Privado sem Fins Lucrativos Junho 2010 1 Enquadramento Nos últimos 2 anos o investimento superou

Leia mais

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente

Soluções de Eficiência PME. Iluminação Eficiente A iluminação apresenta uma elevada importância no consumo elétrico A iluminação é um elemento essencial na vida moderna, apresentando um peso relevante no consumo de energia elétrica a nível mundial. Também

Leia mais

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016

Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética. São Paulo, 28 de outubro de 2016 Otimize suas operações com Soluções Inteligentes em Eficiência Energética São Paulo, 28 de outubro de 2016 Combinamos os recursos de nossa organização global com as oportunidades de um mundo novo, aberto

Leia mais

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe

Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe MINISTERIO DE INFRAESTRUTURAS RECURSOS NATURAIS E ENERGIA Direção Geral dos Recursos Naturais e Energia Energias Renováveis em São Tomé e Príncipe Junho de 2015 Sumário 1/3 I. Caracterização do setor energético

Leia mais

Fonte:

Fonte: Fonte: www.cm-seixal.pt O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Freguesia da Zona Aldeia não de habitacional Paio Pires 3 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 4 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Construído

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada COVÃO FUNDO,, Localidade MARMELETE. Freguesia MARMELETE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada COVÃO FUNDO,, Localidade MARMELETE. Freguesia MARMELETE Válido até 08/08/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada COVÃO FUNDO,, Localidade MARMELETE Freguesia MARMELETE Concelho MONCHIQUE GPS 37.371711, -8.642856 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do Registo

Leia mais

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*:

A Planivis incorpora nas suas construções modulares materiais sustentáveis, nomeadamente*: Princípio construtivo: O conceito de construção modular, assenta na execução de módulos com uma estrutura metálica mista, 100% reciclável, de aço laminado a quente (aço pesado ) e aço leve galvanizado.

Leia mais

Luxial. Afinados até à perfeição. Downlights. 2 ETAP Luxial

Luxial. Afinados até à perfeição. Downlights. 2 ETAP Luxial Luxial Luxial Afinados até à perfeição Downlights 2 ETAP Luxial Design inteligente Os downlights Luxial são reconhecidos pela sua forma e acabamento simples, fundindo-se desta forma no tecto. Além disso,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA RAMPA DO SOL FERIAS, LOTE 42, Localidade CARVOEIRO LGA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA RAMPA DO SOL FERIAS, LOTE 42, Localidade CARVOEIRO LGA Válido até IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA RAMPA DO SOL FERIAS, LOTE 42, Localidade CARVOEIRO LGA Freguesia LAGOA E CARVOEIRO Concelho LAGOA (ALGARVE) GPS 37.104015, -8.468175 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES

INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES INTERLIGAÇÕES & EXPORTAÇÕES Compromisso para o Crescimento Verde: Energia 2 Dezembro 2014 0 As metas da UE para 2030 3 objectivos de política energética METAS (%) 2030 UE POLÍTICA ENERGÉTICA DA UE OBJECTIVOS

Leia mais

1. NOTA INTRODUTÓRIA. A Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro, associação juvenil

1. NOTA INTRODUTÓRIA. A Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro, associação juvenil Relatório de Actividades 2009 1. NOTA INTRODUTÓRIA A Associação Desportiva e Recreativa do Loureiro, associação juvenil cujas as preocupações estatutárias são o bem estar, a promoção cultural, desportiva,

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ESCASSEZ DE ÁGUA E EFICIÊNCIAS ENERGÉTICA E HÍDRICA NO CICLO URBANO DA ÁGUA AQUAPOR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA HÍDRICA E ENERGÉTICA Otimização Energética Grupo AQUAPOR Edifício do auditório

Leia mais

1. Tarifas referentes à prestação de serviços de fiscalização. 2. Tarifas de execução de ramais, nos termos das al. a) e c) do n.º 1 do Art.º.

1. Tarifas referentes à prestação de serviços de fiscalização. 2. Tarifas de execução de ramais, nos termos das al. a) e c) do n.º 1 do Art.º. 2010 ART.º. 1 FIXAÇÃO E ACTUALIZAÇÃO DE TARIFAS Todas as tarifas abrangidas pelo presente regulamento serão fixadas pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, precedendo proposta do Conselho de Administração

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda

Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda Célia Laranjeira Gil Nadais Município de Águeda 11 Municípios 1 Comunidade Intermunicipal 1 Projeto de Sustentabilidade A RUCI da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro, visa desenvolver uma estratégia

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUAECO 2ª GERAÇÃO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUAECO 2ª GERAÇÃO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUAECO 2ª GERAÇÃO SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistema eficiente de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio ao Cliente

Leia mais

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 LANXESS Porto Feliz Uma importante unidade da área de produção de IPG

Leia mais

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT

O futuro do mercado dos serviços energéticos. Cláudio Monteiro, SMARTWATT 0 O futuro do mercado dos serviços energéticos Cláudio Monteiro, SMARTWATT 1 De que depende o futuro de Serviços Energéticos? 2 Depende da valorização da eficiência por parte dos consumidores Depende da

Leia mais

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia

10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia 10º ANO FÍSICA - Módulo Inicial Situação energética Mundial e degradação de energia PROBLEMAS ENERGÉTICOS DA ACTUALIDADE O avanço científico e tecnológico da nossa sociedade provocou o aumento acelerado

Leia mais

Instalações de Microprodução Procedimentos de Certificação

Instalações de Microprodução Procedimentos de Certificação 1 Siglas e Definições 2 Limite anual de potência de ligação registada 3 Evolução da tarifa 3.1 Regime bonificado 3.2 Regime geral 4 Cálculo do valor da tarifa de venda de energia 5 Como proceder para inscrever

Leia mais

A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA

A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA A NOSSA ATIVIDADE Prestação de serviços nas seguintes actividades: > Projecto, construção e manutenção de redes de distribuição de energia de

Leia mais

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335

JUNTAS DE FREGUESIA, INSTITUIÇÕES E AGREMIAÇÕES PRIVADAS DE BENEFICÊNCIA, CULTURAIS, DESPORTIVAS E OUTRAS DE INTERESSE PÚBLIC O. Escalão único 2,1335 ÁGUA* CONSUMO DE ÁGUA CONSUMO DOMÉSTICO 1º Escalão (0 5 m 3 /mês) 0,4628 2º Escalão (6 15 m 3 /mês) 0,8421 3º Escalão (16 a 25 m 3 /mês) 1,3993 4º Escalão (superior a 25 m 3 /mês) 2,2546 COMÉRCIO, INDÚSTRIA,

Leia mais

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER

Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT FEDER Seminário Final do Projeto Aveiro, 30/05/2012 Eficiência Hídrica para Edifícios e Espaços Públicos O Caminho para a Gestão Sustentável da Água POVT-09-142-FEDER-000022 Victor M. Ferreira 1 O desafio Em

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Beja, Portugal, September 2013

Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Beja, Portugal, September 2013 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Beja, Portugal, 11-13 September 2013 Marcos António Nogueira Rui Pedro Henriques Plano de Ação para a Energia Sustentável de Beja Pacto dos Autarcas Europeus

Leia mais

Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012

Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012 Plano de Promoção de Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Cristina Correia de Barros Setúbal, 13 Março 2012 Agenda O PPEC Objectivos e promotores elegíveis Exemplos de medidas elegíveis: tangíveis

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SÍTIO DO FUNCHAL,, Localidade LAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SÍTIO DO FUNCHAL,, Localidade LAGOS Válido até 02/03/2026 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SÍTIO DO FUNCHAL,, Localidade LAGOS Freguesia LAGOS (SÃO SEBASTIÃO E SANTA MARIA) Concelho LAGOS GPS 37.111662, -8.705533 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas

Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas Docapesca Portos e Lotas, S.A. ID&I para um Futuro Sustentável das Atividades Marítimas Paço de Arcos, 11 de Março de 2014 Matosinhos, 18 de julho de 2013 Uma empresa ao serviço do setor 6 Delegações 22

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

Uma solução inovadora para o Controlo de Perdas de Água

Uma solução inovadora para o Controlo de Perdas de Água Uma solução inovadora para o Controlo de Perdas de Água PONTOS CHAVE Criação de competências para reduzir as perdas de água, mantendo os níveis de eficiência em valores sustentáveis Controlo Activo de

Leia mais

Identificação e implementação de boas práticas de racionalização de energia na ITV a experiência do CITEVE

Identificação e implementação de boas práticas de racionalização de energia na ITV a experiência do CITEVE Identificação e implementação de boas práticas de racionalização de energia na ITV a experiência do CITEVE 18 Nov./08 Eugénia Coelho ecoelho@citeve.pt www.citeve.pt 1 Enquadramento Os custos de energia

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CAPITÃO MANUEL BALEISÃO DO PASSO, LT13, 2ºDTO,, Localidade MAFRA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CAPITÃO MANUEL BALEISÃO DO PASSO, LT13, 2ºDTO,, Localidade MAFRA Válido até 29/06/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CAPITÃO MANUEL BALEISÃO DO PASSO, LT13, 2ºDTO,, Localidade MAFRA Freguesia MAFRA Concelho MAFRA GPS 38.937372, -9.346703 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso em Iluminação

Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso em Iluminação Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso em Iluminação Abilux Associação Brasileira da Indusria de Iluminação Fórum ANEEL, Brasília 28 de Maio de 2015 Avanços Tecnológicos e Experiências de Sucesso

Leia mais

SISTEMA DE DETECÇÃO E EXTINÇÃO DE INCÊNDIOS

SISTEMA DE DETECÇÃO E EXTINÇÃO DE INCÊNDIOS SISTEMA DE DETECÇÃO E EXTINÇÃO DE INCÊNDIOS CADERNO DE ENCARGOS 2009/LIP-CC-15 Lisboa, Março de 2009 PARTE ADMINISTRATIVA ARTIGO 1.º Obrigações do adjudicatário São obrigações do adjudicatário, entre outras,

Leia mais

Alguns questionamentos

Alguns questionamentos Alguns questionamentos Quais são as principais preocupações das administradoras e operadores prediais em relação ao desempenho do sistema de Ar Condicionado? - Atender a carga térmica (subdimensionamento

Leia mais

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio

ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio ESPAÇOS DO CIDADÃO Decreto-Lei n.º 74/2014, de 13 de maio De forma a garantir que a prestação digital de serviços públicos não implica a exclusão de quem não saiba ou não possa utilizar os serviços públicos

Leia mais

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade

MINERAIS HIDROGEOLÓGICOS ENERGÉTICOS. de acordo com a finalidade Materiais (sólidos, líquidos ou gasosos), ou suas propriedades (calor interno da Terra ou radioatividade), provenientes da Terra e que o Homem pode utilizar em seu benefício. de acordo com a finalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais