MEDIR COM LUZ Isabel Godinho DMET 20 maio 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIR COM LUZ Isabel Godinho DMET 20 maio 2015"

Transcrição

1 MEDIR COM LUZ Isabel Godinho DMET 20 maio 2015

2 Resumo Dia Mundial da Metrologia - Convenção do Metro Conceitos Metrológicos da Luz Luz na Metrologia No IPQ Na Sociedade Perspetivas de I&D Isabel Godinho DMET

3 3 Dia Mundial da Metrologia AG Nações Unidas, a UNESCO e outros organismos científicos anunciaram 2015 como o Ano Internacional da Luz e das Tecnologias baseadas na Luz Reconhecimento do papel essencial e transversal da Luz e das Tecnologias baseadas na Luz, na vida quotidiana, na ciência, na tecnologia e na cultura O dia 20 de maio é consagrado pela comunidade metrológica internacional como o Dia Mundial da Metrologia As Medições e a Luz celebrando a assinatura da Convenção do Metro em Paris

4 Portugal assinou a Convenção do Metro grupo de 17 países signatários Convenção do Metro Estabelece o quadro para a colaboração global na ciência da medição e suas aplicações aos setores da industria, do comércio e social Objetivo - Uniformidade Mundial de Medição continua tão importante hoje como era em ª CGPM H. de Macedo Delegado Português 4

5 5 Convenção do Metro Cópias n 10 do metro e do quilogramapadrão atribuídos a Portugal

6 6 Convenção do Metro A adoção de um Sistema de Unidades de medida Sistema Internacional de Unidades (SI) Decreto-Lei n.º 128/2010, de 3 de dezembro A existência de uma infra-estrutura denominada Laboratório Nacional de Metrologia (LNM) em cada país, para desenvolver, manter e disseminar os padrões nacionais de medida apropriados às respetivas necessidades nacionais

7 7 Convenção do Metro Esse sistema compreende: A adoção de um Sistema de Unidades de medida Sistema Internacional de Unidades (SI) A existência de uma infra-estrutura denominada Laboratório Nacional de Metrologia (LNM) em cada país, para desenvolver, manter e disseminar os padrões nacionais de medida apropriados às respetivas necessidades nacionais

8 8 Sistema Internacional de Unidades - SI Redefinição do SI - prevista para 2018 Unidades de base do SI definidas através de constantes físicas e atómicas, realizadas através de efeitos quânticos Metrologia baseia-se em padrões universais e imutáveis independentes do tempo e do espaço quilograma - constante de Planck h kelvin - constante de Boltzmann k ampere - carga elementar e mole - constante de Avogadro N A

9 9 Convenção do Metro Esse sistema compreende: A adoção de um Sistema de Unidades de medida Sistema Internacional de Unidades (SI) A existência de uma infra-estrutura denominada Laboratório Nacional de Metrologia (LNM) em cada país, para desenvolver, manter e disseminar os padrões nacionais de medida apropriados às respetivas necessidades nacionais

10 10 Metrologia Científica Metrologia Aplicada Metrologia Legal Museu de Metrologia 52 Domínios laboratoriais 31 Técnicos (85 % com grau universitário) m 2 Laboratoriais Calibrações 160 Preparações e Certificações de Materiais de Referência 1050 Verificações de Controlo Metrológico 183 Capacidades de Medição e Calibração 21 Matrizes 150 Comparações Interlaboratorias Internacionais e 102 Nacionais Departamento de Metrologia 3,5 M de Receitas Correntes 727 Entidades Qualificadas para o Controlo Metrológico Legal 300 Clientes de Metrologia Aplicada 21 Aprovações de Modelo 39 Diplomas Regulamentares em Vigor Museu: espólio peças e documentos; 1964 Visitantes Museu (ensino básico)

11 11 A luz tem um lugar central na vida e na cultura humana, desde a utilização do fogo pelos povos primitivos, sendo a pintura e a escultura uma das manifestações mais comuns Todas as artes mais recentes historicamente que a pintura e a escultura - cinema, fotografia, banda desenhada, são dependentes da luz e da visão Conceitos Metrológicos da Luz Astronomia e os instrumentos a ela associados que permitiram determinar a posição das estrelas

12 12 Durante muito tempo, o estudo da luz vindo das estrelas foi a única fonte de informação sobre o movimento e a constituição dos astros Foi também a partir dessas primeiras observações que se deduziram as primeiras medições do tempo, dando posteriormente origem aos calendários Conceitos Metrológicos da Luz A invenção do microscópio (Hans Janssen 1590) e do telescópio (Galileu Galilei ), marcaram a revolução científica do século XVI e XVII, impulsionando o desenvolvimento da biologia e das ciências da Terra

13 13 A evolução do conhecimento sobre a formação das imagens potenciou a teoria da ótica de Fourier, que está na origem da holografia e dos discos digitais No início do século XX, o estudo das propriedades da luz esteve na base da invenção e do desenvolvimento e da teoria da relatividade e da mecânica quântica Conceitos Metrológicos da Luz

14 14 Conceitos Metrológicos da Luz A noção de quantum de energia permitiu explicar a distribuição espectral da luz emitida por um corpo incandescente base das conceções atuais da estrutura e das propriedades da matéria

15 15 Conceitos Metrológicos da Luz Os progressos neste último domínio levaram à invenção do laser (Gordon Gould- 1957) e ao estudo das propriedades não-lineares da interação luz-matéria Light Amplification through Stimulated Emission of Radiation + Ne _ Para concentrar o ganho 3 % para He-Ne

16 A ótica integrada tem seguido os passos da eletrónica, tornando possível o transporte por fibra ótica, de grandes quantidades de informação, com perdas residuais de energia em percursos da ordem de vários milhares de km O sinal é transformado em luz, através de conversores integrados nos transmissores: Laser - fibras monomodo telecomunicações > 1 km LED - fibras multimodo diâmetro superior, telecomunicações curta distância ou para transmitir uma quantidade elevada de potência Conceitos Metrológicos da Luz 16

17 17 Conceitos Metrológicos da Luz É possível considerar três modelos para descrever os domínios da metrologia da luz : Modelo da ótica geométrica feixe de luz A luz movimenta-se em linha reta, dando origem aos raios luminosos Os raios luminosos constituem um instrumento ideal para definir alinhamentos, referenciar posições e medir ângulos São materializados por um feixe laser, que pode percorrer distâncias da ordem da dezena até à centena de metros Aplicações da ótica geométrica: medição do índice de refração Refratometria: utilizada, por exemplo, na determinação da concentração de açúcar na indústria vitivinícola

18 18 Conceitos Metrológicos da Luz Modelo da ótica ondulatória Ótica física ou Ótica quântica A luz é uma radiação eletromagnética caracterizada por uma variação periódica de um vetor luminoso perpendicular à direção de propagação, definida pela frequência n, energia E, ou comprimento de onda l As radiações visíveis - consideradas nos fenómenos da ótica permitem interpretar e efetuar medições interferométricas de elevada exatidão Frequência: 395 THz a 790 THz Comprimento de onda : 380 nm a 760 nm Energia: 1,7 ev a 3 ev

19 19 Conceitos Metrológicos da Luz As aplicações da velocidade da luz obedecem às leis da ótica geométrica mas também ao modelo ondulatório: LIDAR (Light Detection And Ranging): tecnologia ótica de deteção remota que mede propriedades da luz refletida de modo a obter a distância e informação de objetos medição de distâncias em geodesia, em estudos atmosféricos, telemetria ou identificação de alvos no setor militar RADAR (Radio Detection And Ranging): deteção objetos a longas distâncias Formação de imagens

20 Conceitos Metrológicos da Luz A interferometria é uma das técnicas mais exatas determinação de uma fração do comprimento de onda associado à radiação emitida pelo laser nm Interferómetro Michelson Espelho Referência Espelho Medição 2 feixes interferem com uma amplitude que depende da fase 20

21 21 Conceitos Metrológicos da Luz Espelho Referência Alvo Estático: Medição Distância através medição FASE d l 2 2 Alvo Movimento: Contagem FRANJAS d = (f f / f) (l / 8) Espelho Medição

22 22 Conceitos Metrológicos da Luz O caráter vetorial das ondas introduz métodos baseados sobre os estados de polarização da luz que influenciam o seu comportamento quando em interação com a matéria, dando origem à polarimetria (a ciência da medição da polarização da luz) e à elipsometria (polarimetria das superfícies) A ação sobre a luz polarizada pode ser intrínseca ao material ou induzida, dando origem à fotoelasticimetria (técnica para medir deformações)

23 23 Conceitos Metrológicos da Luz O terceiro modelo considera as medições das grandezas derivadas da energia associada à luz, quer através da visão, ou de recetores físicos Fotometria: está associada à iluminação Espectrofotometria: é uma das ferramentas mais eficazes de análise, utilizada na astronomia, na ciência dos materiais e na biologia Pirometria: medição de temperatura sem contacto Colorimetria - medição das cores: aplicações nos setores das tintas e corantes, alimentar, saúde e artes Optoelectrónica: associada à informática - tem criado novas perspetivas para comunicações mais fiáveis e com melhor desempenho Medição da luz iluminância Unidade SI: lux fluxo luminoso Unidade SI: lúmen intensidade luminosa Unidade SI: candela

24 24 Conceitos Metrológicos da Luz A implementação de fontes e de detetores monofotónicos tem possibilitado o desenvolvimento de uma nova tecnologia quântica, baseada em tecnologias de ótica quântica Max Planck (1899): refere que luz podia ser quantificada - modelou a radiação do corpo negro, assumindo que a troca de energia entre a luz e a matéria ocorria em quantidades discretas quanta Criptografia Quântica - Teletransporte Quântico - Computação Quântica

25 25 metro (m) - Unidade de Base do Sistema Internacional da Grandeza Comprimento O comprimento do trajeto percorrido pela luz, no vazio, durante um intervalo de tempo de 1/ do segundo. (17ª CGPM, 1983) Realização da definição do metro Luz na Metrologia - IPQ comprimento de onda no vazio l, de uma onda plana eletromagnética de frequência f, obtido a partir da medição de f utilizando a relação l = c 0 / f Incerteza relativa de calibração Uma só frequência padrão (473 THz)

26 oscilador de césio 26 Prémio Nobel da Física em 2005 Roy Glauber - descrição teórica da física quântica aplicada à ótica John Hall Theodor Hänsch - pesquisa e desenvolvimento na área de espectroscopia laser com a técnica de geração de pentes de frequências de femtosegundo e sintetização de frequências óticas Evolução das técnicas de medição e consequentemente a evolução da realização prática da definição do metro Luz na Metrologia - IPQ Sintetizador de Frequências Óticas (SFO), permite a geração de qualquer frequência do espectro ótico (em vez de apenas uma, como a emitida por laser He-Ne), com uma incerteza relativa próxima da do oscilador de césio (10-15 ) O SFO relaciona uma frequência ótica com uma frequência de 10 MHz, emitida pelo

27 Sintetizador Frequências Óticas Luz na Metrologia - IPQ Laser Femtosegundo (Gerador de Impulsos) Ti:Safira, capacidade de emitir um feixe laser pulsado com l de 800 nm, com impulsos inferiores a 12 fs separados por uma frequência de repetição, + Interferómetro não linear + Fibra ótica não linear microestruturada f rep f 0 f beat f laser = n f r f o f beat n c l f r n - número de modos acoplados, que para uma determinada frequência de repetição, contribuem para o batimento Laser externo 27

28 28 Luz na Metrologia - IPQ Sintetizador de Frequências Óticas Realização prática do metro Laser IPQ2 Laser IPQ3 Blocos-padrão Interferómetros Máquinas de medição de coordenadas Paquímetros Relógios atómicos 10 MHz Incerteza 10-13

29 29 Comparação de Lasers Luz na Metrologia - IPQ Consiste em medir a frequência de batimento produzida pela sobreposição dos dois feixes sintonizando em duas frequências distintas, da risca do espectro de absorção da célula de 127 I 2, e medindo a frequência de batimento. Conhecendo a frequência de um dos lasers e medindo a frequência de batimento obtémse a frequência do outro laser Frequência de batimento f beat = f LR -f L

30 Luz na Metrologia - IPQ candela (cd) - Unidade de Base do Sistema Internacional da Grandeza Intensidade Luminosa A intensidade luminosa, numa dada direção, de uma fonte que emite uma radiação monocromática de frequência Hz e cuja intensidade energética nessa direção é 1/683 watt por esterradiano Laboratório de Fotometria do Instituto Português da Qualidade é responsável pela manutenção do padrão nacional da candela e de grandezas derivadas, assegurando a disseminação e a rastreabilidade metrológica dos resultados de medição ao SI Banco fotométrico (3,5 m) do Laboratório de Fotometria do IPQ

31 Luz na Metrologia - IPQ Fotometria e Radiometria realização do padrão nacional da candela e calibração de instrumentos de medição fotométricos e radiométricos (lâmpadas-padrão e fotómetros) Refratometria padrões nacionais de índice de Refração (Calibração refratómetros para fase líquida, Certificação de soluções padrão) Radiofrequêcia Ensaios de Controlo Metrológico de cinemómetros de fiscalização de limites de velocidade rodoviária Padrões nacionais do metro e do segundo + padrões internacionais Lâmpadas, fotómetros, luxímetros Espectrofotómetros, filtros, 31

32 Laboratório de Fotometria Luz na Metrologia - IPQ CMC na KCDB do BIPM (desde ) Calibração de Lâmpadas em Intensidade Luminosa, entre 50 cd e 1000 cd Calibração de Fotómetros Calibração de Luxímetros em iluminância, entre 5 lx e 1000 lx U rel = 1,6 % EURAMET PR-K3a Luminous Intensity 32

33 33 Luz na Metrologia - IPQ aceleração (a) Unidade derivada do Sistema Internacional - m s -2 A rastreabilidade nacional assegurada pela implementação de um sistema experimental de calibração absoluta de acelerómetros, por interferometria laser com deteção homodina excitação sinusoidal e interferómetro de Michelson permitindo determinar o valor de aceleração em função do número de máximos ou mínimos de intensidade do sinal ótico Intervalo de medição: 40 Hz Hz Valores de incerteza expandida < 1 %

34 34 Luz na Metrologia - IPQ d = (f f / f ) (l / 8) d l 2 2 a = (2 f) 2 d Franjas espaciais - alternância sinusoidal de máximos e mínimos de intensidade.

35 Aplicações LASER Luz na Metrologia - Sociedade Medicina - A utilização do laser em cirurgia de elevada precisão, oftalmologia, estética, e aplicações médicas de tratamentos e diagnóstico Militar e Defesa Laser e dispositivos de elevada potência utilizados para afetar, por ação direta, os alvos e levar à sua destruição Marcação de alvos Sistemas de defesa contra mísseis, foguetes e morteiros 35

36 36 Luz na Metrologia - Sociedade Segurança - Imagens holográficas de identificação e segurança Cultura - leitura de DVD e CD por laser revolucionou a produção, banalizando o consumo na sociedade moderna

37 37 Luz na Metrologia - Sociedade Telecomunicações Lasers ultravioleta para fabricar microestruturas eletrónicas - chips de computador Lasers de díodo de pequenas dimensões - telecomunicações de banda larga através de fibras óticas Códigos de Barras Tecnologia de leitura de códigos de barras generalizados a variados tipos de identificações

38 Perspetivas de I&D 38

39 39 Perspetivas de I&D Iluminação otimizada das cidades através de iluminação de estado sólido - LED Produção de energias limpas Tecnologias Fotovoltaicas Solares Estudo das alterações climáticas medição direta da energia solar a partir de satélites, apoiando a compreensão da contribuição da irradiância solar na alteração do clima

40 40 Perspetivas de I&D Em 2004, mais de 10 % da energia elétrica produzida era utilizada para a iluminação, maioritariamente com lâmpadas de incandescência eficiência energética 5 % emitem 27 % de radiação na região espectral do visível Em 2012 (indicação da Comissão Europeia), as lâmpadas por incandescência passaram a ser substituídas por lâmpadas fluorescentes (Hg) e lâmpadas de halogénio, de maior eficiência energética Dispositivos emissores de luz - LED Dispositivos emissores de luz (LED) - lâmpadas de estado sólido (SSL) dobro da eficiência energética das lâmpadas fluorescentes

41 41 EURAMET - EMRP Perspetivas de I&D ENG05 Lighting - Metrology for Solid State Lighting (IPQ) Contribuiu para a implementação em grande escala e aplicação de SSL e para poupança de energia através do desenvolvimento, validação e divulgação de metrologia adequada para a caracterização inequívoca de produtos de iluminação de estado sólido ENG62 MESaIL - Metrology for efficient and safe innovative Lighting Estudo e desenvolvimento da metrologia de OLED / matrizes OLED e SSL pulsada e satisfazer as necessidades metrológicas para sistemas LED nano-estruturados e flexíveis. OLED (organic light-emitting diode) em que a camada de emissão eletroluminescente é um filme orgânico que emite luz em resposta a uma corrente elétrica. Esta camada de semicondutor orgânico fica situado entre dois elétrodos (1 transparente) - usados em écrans digitais

42 EURAMET - EMRP SIB58 Angles - Angle metrology Realização prática da mensuranda radiano e a disseminação da unidade: desenvolvimento da metrologia angular (autocolimadores, refletores), sistemas de posicionamento angular para disseminação da unidade de ângulo plano - radiano, através do método da divisão do círculo - incertezas de calibração < 0,01 SIB60 Surveying - Metrology for long distance surveying Perspetivas de I&D Melhorar a rastreabilidade e reduzir a incerteza da medição de longas distâncias ( 600 m) melhorar a base metrológica associada à Topografia, Geodesia e Ciências da Terra Laser Femtosegundo Metrologia de Longas Distâncias: Incerteza 10-7 para distâncias de 50 m 42

43 43 EURAMET - EMRP Perspetivas de I&D SIB02 Comparing clocks across Europe Utilização de fibra ótica (em vez de satélites): Desenvolvimento de métodos para comparar remotamente relógios óticos, separados por distâncias de até 1500 km Objetivo: reduzir a contribuição da ligação por fibra ótica para a incerteza da calibração de frequência contribuir para a redefinição do segundo e a disseminação do tempo atómico através de fibra ótica, contribuindo para backups de sincronismo GPS em redes de energia e redes móveis de telecomunicações

44 44 Perspetivas de I&D EMRP Call Energy

45 45 Perspetivas de I&D EMRP Call Environment

46 46 EMRP Call Energy & Environment Perspetivas de I&D

47 47 EMRP Call Energy & Environment Perspetivas de I&D

48 Obrigada pela vossa atenção Isabel Godinho IPQ

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

MEDIR COM LUZ - PERSPETIVAS

MEDIR COM LUZ - PERSPETIVAS MEDIR COM LUZ - PERSPETIVAS O. Pellegrino IPQ - Instituto Português da Qualidade, Rua António Gião, 2, 2825-513 Caparica Portugal opellegrino@ipq.pt RESUMO As abordagens energéticas e fotónicas, como alternativas

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Metrologia. Metrologia

Metrologia. Metrologia Metrologia Sumário da Aula JN3 1 1ª Parte: Categorias da Metrologia Metrologia Industrial e Científica Metrologia Legal Rastreabilidade e calibração 2ª Parte: Unidades Metrológicas Conceitos Básicos e

Leia mais

Teorias da luz. Experiências

Teorias da luz. Experiências Teorias da luz. Experiências Jaime E. Villate Departamento de Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Exposição na Biblioteca da FEUP 21 de Abril a 13 de Junho de 2005 1 A luz é um fenómeno

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2

TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU. d 1. diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm. (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 TIPOS DE FIBRA FIBRA MULTIMODO ÍNDICE DEGRAU d 1 diâmetro do núcleo de 50 µm a 200 µm (tipicamente 50 µm e 62,5 µm) d 2 diâmetro da fibra óptica (núcleo + casca) de 125 µm a 280 µm (tipicamente 125 µm)

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DA LUZ - 2015

ANO INTERNACIONAL DA LUZ - 2015 ANO INTERNACIONAL DA LUZ - 2015 FOTÔNICA: A NOVA REVOLUÇÃO DO SÉCULO 21 APRESENTAÇÃO No princípio era o vidro, com o qual foi, e continua sendo, possível fazer tantas coisas, entre elas uma tecnologia

Leia mais

Tópicos que serão explorados na aula

Tópicos que serão explorados na aula Tópicos que serão explorados na aula 1. Padrão de Comprimento 2. Natureza da Luz 3. Tipos de Interferômetros a Laser 4. Aplicações em Engenharia Mecânica 4.1. Metrologia (Deslocamento, Erros de Retilineidade,

Leia mais

METROLOGIA -CONSTRUTORA DA CONFIANÇA NA SOCIEDADE

METROLOGIA -CONSTRUTORA DA CONFIANÇA NA SOCIEDADE METROLOGIA -CONSTRUTORA DA CONFIANÇA NA SOCIEDADE Eduarda Filipe Directora do Departamento de Metrologia do IPQ Dia da Metrologia Em 20 de maio de 1875, faz agora 138 anos, foi assinada a Convenção do

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

PLANIFICAÇÕES. Módulo F3 Luz e PowerPoint; 10h (12 sessões Avaliação

PLANIFICAÇÕES. Módulo F3 Luz e PowerPoint; 10h (12 sessões Avaliação PLANIFICAÇÕES CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE MULTIMÉDIA PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE FÍSICA 10º ANO DE ESCOLARIDADE MATERIAIS MODALIDADES METAS/OBJETIVOS ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS CURRICULARES E DE PROGRAMÁTICOS

Leia mais

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL 1. Objectivo Estudo da interferência óptica. Medição do comprimento de onda da radiação de um laser

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Biologia

Biofísica Bacharelado em Biologia Biofísica Bacharelado em Biologia Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 4 Luz como uma onda, refração, polarização, difracão e interferência. Formação de imagens e instrumentos óticos. Objetivos: Nesta

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 201 2/2013 Física e Química A Bloco II (11ºano) Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 1. Suponha que um balão de observação está em

Leia mais

METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos

METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos METROLOGIA Infraestrutura para a competitividade nacional e do bem-estar dos cidadãos Eduarda Filipe Directora do Departamento de Metrologia do IPQ Caparica, 30 de outubro de 2014 Sumário 1. Introdução

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS

SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA. Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS SENSITOMETRIA - 2º Ano - FOTOGRAFIA 2010-2011 Capitulo 1 - CONCEITOS FUNDAMENTAIS 1.A Conceitos Matemáticos Fundamentais Coordenadas Cartesianas e representação gráfica de uma função Função Seno e Co-seno

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem:

1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: C.F.Q. 8ºA Outubro 1 1. Analisa a seguinte imagem e responde às questões que se seguem: 1.1. Qual é o detetor de luz? O olho. 1.2. Qual é o recetor de luz? A bola. 1.3. De que cor veremos a bola se ela

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS

EXTERNATO MATER DOMUS EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: 02 /03/2015 ASSINATURA DO

Leia mais

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2

são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» 1 mais intensa que F» 2 Física Unidade Movimentos na Terra e no spaço QUSTÕS PROPOSTS 4. Duas forças F» e F» 2 são aplicadas num objeto cuja massa é 8,0 kg, sendo F» mais intensa que F» 2. s forças podem atuar na mesma direção

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro

Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Metrologia Química Importância, Escopo, Desafios, Impactos e Atividades no Inmetro Dra. Vanderléa de Souza Chefe da Divisão de Metrologia Química Objetivo principal da Metrologia Química Prover confiança

Leia mais

Fontes Ópticas - Tipos e principais características -

Fontes Ópticas - Tipos e principais características - Fontes Ópticas Tipos e principais características As principais fontes ópticas utilizadas em comunicações ópticas são o LED (light emitting diode) e o LD (Laser diode que funciona segundo o princípio LASER

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

Laboratório de Estrutura da Matéria I

Laboratório de Estrutura da Matéria I Laboratório de Estrutura da Matéria I Interferência e difração com microondas PRINCÍPIO E OBJETIVOS Fenômenos óticos de interferência e difração são investigados com uso de feixes de microondas e objetos

Leia mais

Física IV. Interferência

Física IV. Interferência Física IV Interferência Sears capítulo 35 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Interferência Arco-íris = Bolha de sabão refração interferência Princípio da superposição Quando duas ou mais ondas se superpõem,

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo

IFRS Campus POA. Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite. Prof. Sergio Mittmann. Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira. Caroline Silva Tolfo IFRS Campus POA Elétrica Aplicada Turma Redes II Noite Prof. Sergio Mittmann Grupo : Nilo Cesar Ferreira Alvira Caroline Silva Tolfo Claudia Silva Machado Marcelo Lucas A Fibra Óptica é um filamento extremamente

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil

Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução Os lasers estão em toda parte, numa grande variedade de produtos e tecnologias. Aparelhos de CD, brocas de dentista,

Leia mais

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma.

OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a dispersão da luz em um prisma. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA CURSO DE FÍSICA LABORATÓRIO ÓPTICA REFLEXÃO E REFRAÇÃO OBJETIVO Verificar as leis da Reflexão Verificar qualitativamente e quantitativamente a lei de Snell. Observar a

Leia mais

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon

SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS. ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon SENSORES DISCIPLINA DE MATERIAIS ELÉTRICOS ALUNOS: André Sato Érico Noé Leandro Percebon Indrodução SENSORES são dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA

HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA HIGIENE DO TRABALHO LUMINOTÉCNICA ÍNDICE I A iluminação no trabalho I.1 A aplicação norma regulamentadora NR 17 do Ministério do Trabalho I.2 Iluminação de Interiores NBR 5413 da ABNT I.3 Como selecionar

Leia mais

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428 Aula 8 Fótons e ondas de matéria II Física Geral F-428 1 Resumo da aula anterior: Planck e o espectro da radiação de um corpo negro: introdução do conceito de estados quantizados de energia para os osciladores

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC.

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE CAMPUS UNIVERSITÁRIO BAIRRO MARTELOS JUIZ DE FORA MG CEP 36.036-900 - TELEFAX: (3)10-3755 e-mail: vestibular@ufjf.edu.br PARÂMETROS DE CORREÇÃO VESTIBULAR /FÍSICA

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B.

Física Experimental - Óptica - luz policromática e laser - EQ045B. Índice Remissivo... 5 Abertura... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos algarismos 199 são destinadas ao professor.... 8 All of the basic

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES

COLÉGIO ESTADUAL TEOTÔNIO VILELA EFM PROFESSOR: ALTAILSO JOSÉ RIBAS DISCIPLINA: FÍSICA SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 CONTEÚDOS ESTRUTURANTES SÉRIE: 2 ª BIMESTRE: 1º ANO: 2012 S Termologia Termometria Dilatação de sólidos e líquidos Calorimetria Mudanças de estado Estudo dos gases Termodinâmic a S ESPECÍFICOS OBJETIVOS METODOLOGI A Temperatura

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA

CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA CAPÍTULO 3 INSPEÇÃO E METROLOGIA 3.1. INSPEÇÃO Conjunto de procedimentos técnicos com a finalidade de classificar o produto ou lote de produtos em aceito ou rejeitado. Pode ser efetuada em: Produtos acabados

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA

ITelefonia celular CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA I CONHEÇA BEM ESSA TECNOLOGIA e Apresentação O Brasil tem hoje duas vezes mais telefones celulares do que fixos. Essa preferência do consumidor pela telefonia móvel tem boas razões: o preço dos aparelhos,

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL T1 Propriedades físicas de um filme fino magnético Difracção raios X, Microscopia Força Atómica, Magnetometria SQUID Rui Borges Centro de da UL Estudo de um filme fino de óxido magnético depositado por

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles,

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, Encoders ópticos O que é: Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, os pulsos podem ser convertidos

Leia mais

Kit de ótica. Material. Montagem

Kit de ótica. Material. Montagem Som, Luz e Materiais Kit de ótica Um pouco de história Embora as propriedades óticas de ampliação e redução de objetos convexos e côncavos transparentes fossem conhecidas desde a Antiguidade, as lentes,

Leia mais

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação

LENTES E ESPELHOS. O tipo e a posição da imagem de um objeto, formada por um espelho esférico de pequena abertura, é determinada pela equação LENTES E ESPELHOS INTRODUÇÃO A luz é uma onda eletromagnética e interage com a matéria por meio de seus campos elétrico e magnético. Nessa interação, podem ocorrer alterações na velocidade, na direção

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Aluna: Laura Rigolo Orientador: Prof. Dr. Pedro C. de Holanda Coordenador Prof. Dr.

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.5 Medição

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo

DIODO SEMICONDUTOR. íon negativo. elétron livre. buraco livre. região de depleção. tipo p. diodo DIODO SEMICONDUOR INRODUÇÃO Materiais semicondutores são a base de todos os dispositivos eletrônicos. Um semicondutor pode ter sua condutividade controlada por meio da adição de átomos de outros materiais,

Leia mais

Física Interação e Tecnologia

Física Interação e Tecnologia Apontamentos das obras LeYa em relação as Orientações Teórico-Metodológicas para o Ensino Médio do estado de PERNAMBUCO Física Interação e Tecnologia 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Alguns experimentos de óptica básica Este item é composto por um conjunto de peças avulsas que permitem

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

TERAPIA FOTODINÂMICA

TERAPIA FOTODINÂMICA TERAPIA FOTODINÂMICA Terapia Fotodinâmica Estudo e desenvolvimento de novas tecnologias. Seu uso por podólogos brasileiros é anterior a 1995. Usado por podólogos em outros países, desde a década de 80.

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Métodos Instrumentais de Análise

Métodos Instrumentais de Análise Métodos Instrumentais de Análise Química (Licenciatura) & Eng. Alimentos Segundo Semestre/2014 Prof. Wendell 1 Introdução à Química Analítica SINAL MÉTODO INSTRUMENTAL Emissão de radiação Absorção de radiação

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio 1. (Ufu 2006) João corre assoviando em direção a uma parede feita de tijolos, conforme figura a seguir. A frequência do assovio de João é igual a f(inicial). A frequência da onda refletida na parede chamaremos

Leia mais

1.3.1 Interferometria Laser em Óptica Volumétrica

1.3.1 Interferometria Laser em Óptica Volumétrica Em 1880, Maxwell previu que se houvesse movimento da terra através do éter, deveria resultar uma variação da velocidade da luz proporcional ao quadrado da razão entre a velocidade da terra e a velocidade

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo

Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo Curso de Óptica Aplicada TE 4 O laser e fibras ópticas Documento de preparação do Trabalho Prático de Grupo TE4 O laser e fibras ópticas Finalidade A finalidade deste documento é contribuir para que todos

Leia mais