SOFTEXRECIFE Balanço Social e Ambiental Exercício

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTEXRECIFE Balanço Social e Ambiental Exercício 2007 1"

Transcrição

1 SOFTEXRECIFE Balanço Social e Ambiental Exercício

2 O SOFTEXRECIFE apresenta o seu Balanço Social e ambiental com base no ano Esta é a segunda apresentação deste documento, vez que no ano passado foi apresentada a versão baseado no ano de O Balanço Social é um documento que permite demonstrar o comprometimento da organização com a sociedade e o meio ambiente. Uma parte dos seus dados são, substancialmente, extraídos dos registros contábeis e a outra parte das ações com repercussão social e ambiental desenvolvidas ao longo do ano base. Esse demonstrativo é um importante instrumento de gestão nas organizações públicas e privadas. O Balanço Social foi elaborado em consonância com as Normas Brasileiras de Contabilidade e apresenta um conjunto de informações contábeis, administrativas, financeiras, sociais e ambientais de expressiva relevância para a sociedade e para a gestão no que se refere ao processo de tomada de decisões. Sua estrutura é composta de informações gerais sobre a entidade, sobre suas atividades operacionais, atividades não operacionais, atividades sociais e, por fim, o balanço social em dados. Este trabalho, de forma definitiva, integra o sistema de informações da entidade sobre as ações, os projetos sociais e a cultura organizacional, na linha da prestação de contas com a mais nítida clareza e absoluta transparência. José Cláudio de Oliveira Diretor Presidente 2

3 Apresentação O SOFTEXRECIFE caracteriza-se como uma instituição de educação, ensino e pesquisa e de apoio ao desenvolvimento do arranjo produtivo de Tecnologia da Informação e Comunicação de Pernambuco.. No momento a entidade conta com mais de 70 empresas associadas, o que significa uma parcela importante das empresas que formam o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação em Pernambuco. 3

4 Histórico O SoftexRecife Centro de Excelência em Tecnologia de Software do Recife é uma sociedade civil sem fins lucrativos, criada em 8 de novembro de Em junho de 2006 foi reconhecida como OSCIP - Organização da Sociedade Civil de Interesse Público nos níveis municipal, estadual e federal. Em dezembro/07 obteve o registro junto ao CATI-Conselho de Atividades de Tecnologia da Informação do MCT-Ministério da Ciência e Tecnologia. A entidade tem sua origem vinculada ao Programa Softex2000, representando a consolidação institucional do Núcleo Softex do Recife, organização criada logo no início do Programa, em maio de 1993 (foi o sexto núcleo a ser criado no país, dos cerca de 20 hoje existentes). Do Conselho Deliberativo do SoftexRecife fazem parte: a UFPE-Universidade Federal de Pernambuco, a ASSESPRO-PE, a SUCESU-PE, o Governo do Estado, o CESAR Centro de Estudos de Sistemas Avançados do Recife, a Prefeitura da Cidade do Recife, a Federação de Indústria de Pernambuco, o Porto Digital, O SEPROPE Sindicato das Empresas de Processamento de Dados do Estado de PE e uma representação das empresas associadas. 4

5 Introdução O setor de Tecnologia da Informação em Pernambuco já desponta como uma atividade de expressão entre as que hoje compõem a economia estadual, sendo um dos pólos de destacado potencial de crescimento no estado. Segundo dados disponibilizados pelo NGPD Núcleo de Gestão do Porto Digital, em sua área de abrangência, que é o bairro denominado de Recife Antigo, o setor emprega atualmente cerca de 3,6 mil pessoas em cerca de 107 organizações, respondendo por aproximadamente 3,5% do PIB estadual. Neste contexto o SOFTEXRECIFE é um ente ativo, atuando de forma proativa e colaborativa com todas as entidades envolvidas neste esforço comum. 5

6 Nossa missão Aumentar a competividade das empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. Buscar instrumentos para fomentar o desenvolvimento do setor de software no Estado. Promover produtos e serviços inovadores na área de software. Apoiar a comercialização de software no país e no exterior. Desenvolver recursos humanos visando a melhoria da capacidade empresarial. Contribuir para ampliar a diversidade de fontes de investimentos do setor. Incrementar redes de negócios. Instituir e gerir programas de serviço voluntário de cunho social. Instituir e gerir programas de bolsas e de pesquisa. Proporcionar a integração social e a democratização da informação. Desenvolver programas de capacitação para portadores de necessidades especiais para acesso à informática.. Desenvolver núcleos de treinamento de integração social com a comunidade carente. Promover o combate à desigualdade social e aos preconceitos de gênero, etnia, credo e classe, através da informática. 6

7 Nossa visão Tornar-se cada vez mais, um grande centro difusor da cultura da qualidade e uma referência em teste de software e com isso contribuir para a consolidação da reputação do Recife como um centro de produção de TI e disseminador dos benefícios da tecnologia para a inserção e promoção social.. O SOFTEXRECIFE é, na verdade, uma comunidade viva de empresas da área de Tecnologia da Informação que dispõe de um espaço institucional para se aperfeiçoar e promover o seu crescimento e inserção no mercado e na sociedade local, nacional e internacional. Em face desse papel é, junto com outras instituições, elemento chave de uma estratégia em curso, para consolidar a cidade do Recife em um pólo reconhecido e respeitado de geração, produção e difusão de Tecnologia da Informação. 7

8 Nossa estrutura Estamos instalados em um imóvel no bairro do Recife, em área abrangida pelo Porto Digital, ocupando uma área de 300 m2. Nossas instalações administrativas contemplam: duas salas de coordenadoria, uma secretaria, um setor financeiro, um auditório com capacidade para 30 pessoas e uma sala para reuniões. Conta com 06 computadores, impressoras copiadoras e projetores para apresentações. Nossas instalações técnicas são compostas de: um Laboratório do Projeto NEXT Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas, um Laboratório do Projeto Implantação do MPS.BR e um Laboratório de Treinamentos. As instalações técnicas contam em sua estrutura com: 04 servidores, Os laboratórios contam com 04 servidores e 31 computadores, todos ligados em rede e com acesso a internet de banda larga. Contam ainda com ferramentas de desenvolvimento e apoio de última geração, tais como: Microsoft Action Pack Microsoft Registered User TestComplete Ferramenta de Testes Automatizados Testlink Ferramenta de Gerenciamento de Testes Trend Micro Office Scan Ferramenta anti-vírus 8

9 Atualmente o SOFTEXRECIFE está finalizando a construção de um Centro de negócios para as empresas de tecnologia da informação, o ITBC. Esse empreendimento está sendo construído no bairro do Recife e objetiva oferecer às empresas de TIC um local apropriado com o que há de mais moderno em termos de comunicação de voz e dados para as empresas se instalarem. Além de servir como um empresarial agregador de empresas de TIC, ele terá ainda como mérito o fato de propiciar condições para que estas empresas, convivendo em um mesmo ambiente, possam trocar informações, identificar sinergias e realizarem negócios em parcerias. A entrega de deste empreendimento, prevista para meados de 2009, será um marco importante na consolidação do Pólo digital do Recife, dada a atual escassez de imóveis para locação. 9

10 Nosso capital humano Temos um setor administrativo, que atualmente conta com uma equipe de 03 funcionários, 01 Coordenador Geral, 01 Coordenador Administrativo-Financeiro e 01 Gerente de Tecnologia. Com a aprovação de dois projetos na chamada RHAE - Recursos Humanos para Atividades Estratégicas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq, o SOFTEXRECIFE passou a contar também com equipes de bolsistas que compõe o projeto NEXT e o projeto de Implantação do MPS.BR em Pernambuco. O resultado deste programa foi a criação de uma avançada unidade de pesquisa e desenvolvimento na área de Teste de Software, atendendo várias empresas associadas na implementação de projetos de melhoria de seus produtos. Esta unidade, reconhecida pela sua excelência, apresentou em diversos eventos seu modelo para entidades congêneres. Estas equipes são formadas por 20 profissionais compostos de: Gerentes de projetos, Pesquisadores, Engenheiros de qualidade, de testes e de processos. Os componentes, nas diferentes funções, possuem titulação que vão de graduados até doutores. Uma vez que o modelo é de atuar como um integrador de soluções, o SOFTEXRECIFE, exceção feita a Unidade de Testes de Software, não dispõe de unidades de pesquisa e desenvolvimento de outras naturezas, posto que isso é realizado sempre em parceria com as empresas associadas. 10

11 Fontes de financiamento Os recursos do SOFTEXRECIFE são provenientes da contribuição das empresas a ele associadas, de convênios firmados com organismos públicos e de serviços prestados, tanto ao setor privado, como ao setor público. Entre os serviços prestados destacamos: O oferecimento de cursos especializados para atender necessidades específicas das empresas, cursos estes que não interessam comercialmente às empresas formadoras de mão de obra em tecnologia da informação. Consultoria para habilitação das empresas na obtenção da certificação MPS-BR. Consultoria no desenvolvimento de programas de teste para software das empresas associadas. Para tanto dispomos de um laboratório especializado, equipado com equipamentos e ferramentas de última geração, sendo o único no Nordeste. Gestão de um programa de Mestrado Profissional em Ciência da Computação em parceria com a FADE-Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da UFPE. Neste contexto, o SOFTEXRECIFE atua como um grande integrador de soluções e competências, reunindo empresas que, se tivessem que atuar isoladamente em certos tipos de serviços, teriam grandes dificuldades. Isso confere ao SOFTEXRECIFE um grande poder aglutinador e ao mesmo tempo difusor de novas soluções. Cabendo, portanto, também, neste exercício de integração, o papel de garantir um padrão de qualidade para os mesmos. 11

12 Conselho Técnico Científico O SOFTEXRECIFE possui em sua estrutura um órgão interno que é o Conselho Técnico- Científico. Seu objetivo é a assessoria na análise e reflexão sobre assuntos técnicos, científicos e estratégicos de interesse da entidade. Sendo formado por instituições de ensino, Centros de pesquisa e tecnologia nacionais ou internacionais e profissionais e/ou pesquisadores que atuem na área. Atualmente deste conselho participam: Profissionais e/ou pesquisadores Prof. Paulo Freire Cunha Prof. Hermano Perreli de Moura Profa. Cristine Martins Gomes de Gusmão Prof. Nelson Souto Rosa Entidades FACEPE Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico de Pernambuco FIR Faculdades Integradas do Recife GTTI Grupo de Gestores de Tecnologia da Informação 12

13 Atividades operacionais em 2007 Projeto ATI O objetivo deste contrato foi o de implantação e manutenção de uma Solução Integrada de Tecnologia da Informação e Comunicação para a implementação do Governo Digital. O SOFTEXRECIFE foi escolhido para realizar este projeto mercê da sua capacidade em prover soluções integradas e montar consórcios agregando um grande leque de expertise. Essa capacidade em agregar expertise e mobilizar empresas em torno de uma solução integrada constitui hoje um grande ativo intangível do SOFTEXRECIFE que agrega valor para o seu contratante. Projeto ITBC Centro de Negócios de Tecnologia da Informação O projeto do ITBC, ora em fase de conclusão da obra, trata-se de um investimento próprio amparado em financiamento firmado com o BNDES-Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social em no valor de R$ ,00. Este projeto, além de sua importância como centro empresarial, reforçando a estrutura vocacional do bairro, inserida na região demarcada como Porto Digital, atende também os objetivos Sócio-ambientais do SOFTEXRECIFE, vez que o investimento será integralmente realizado na recuperação de um imóvel antigo localizado em edifício existente em área de preservação histórica. A estimativa de conclusão do projeto é para meados de 2009, ocasião em que serão oferecidas aos associados áreas para locação. Trata-se de um projeto planejado para abrigar empresas de TIC, disponibilizando no empreendimento, para tanto, estruturas e equipamentos da mais moderna tecnologia. 13

14 Mestrado Profissional O SOFTEXRECIFE é uma instituição de educação, ensino, pesquisa e, dentro destes objetivos, se encontra a missão de promover o pólo local de Tecnologia da Informação. Uma das carências apontadas para um crescimento mais rápido deste pólo, tem sido diagnosticada como uma oferta insuficiente de uma mão-de-obra qualificada nas suas mais diversas áreas. Consciente desta necessidade imperiosa, o SOFTEXRECIFE associou-se num convênio com o Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, com objetivo de oferecer um Curso de Mestrado profissional Strictu Senso em Ciência da Computação. O Centro de Informática projetou um curso de mestrado que atendesse as necessidades de capacitação do pólo local de Tecnologia da Informação e, ao mesmo tempo respeitando todos os cânones acadêmicos. O resultado disto foi uma grade curricular equilibrada que se tornou atrativa para os profissionais já com experiências na área, mas que necessitavam aprofundar os seus conhecimentos nesta área caracterizada por um alto dinamismo. O Curso de Mestrado iniciou no mês de novembro/2006 e tendo como prevista uma duração de 24 meses, sendo ministrado pelos professores e nas instalações do Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco. Esta primeira turma foi formada com 40 alunos, alguns deles de outros estados, atraídos que foram pela qualidade deste projeto de curso. Em novembro/2007 iniciou-se uma segunda turma, também com 40 alunos. 14

15 PROGRAMA DE BOLSAS SOFTEX O SOFTTEXRECIFE tem na promoção da inovação e formação de capital humano no pólo local de Tecnologia da Informação, um dos seus grandes objetivos. Estando assim, sempre na busca da melhor forma de atender as necessidades das suas empresas associadas. É entendimento geral que um dos pontos de fragilidade do pólo de Tecnologia da Informação é a carência de recursos humanos qualificados. Foi dentro desse espírito que o SOFTEXRECIFE criou o seu PROGRAMA DE BOLSAS DE PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. No ano de 2007, quando foi criado, o programa implementou 101 bolsas em 11 projetos de pesquisa e desenvolvimento, integrando nestes a participação de 12 instituições associadas. CONVÊNIO FINEP/MUSEU OLINDA VIVA O SOFTEXRECIFE firmou convênio com a Financiadora de Estudos e Projetos FINEP com vistas ao desenvolvimento de uma solução tecnológica que complementa a infraestrutura necessária à atração e recepção turística de Olinda. Trata-se de uma solução composta por um conjunto de aplicações acessíveis através de internet, de handhels [palm ou pocket PC] e de celulares com múltiplas possibilidades de transmissão de conteúdo sejam pela própria internet ou por interfaces wireless presentes nos handhelds e também nos celulares. Parte do recurso foi liberado em 2007, quando o trabalho de desenvolvimento foi iniciado. A conclusão do mesmo está prevista para meados de

16 PROMIMP-PETROBRÁS O SOFTEXRECIFE firmou contrato com a PETROBRAS, para a criação de um ambiente informatizado na WEB para geração de comunidades virtuais com os parceiros do PROMINP, objetivando a integração dessas comunidades e pessoas físicas que serão mapeadas pelo cadastramento sócio-profissional nos municípios componentes da área de abrangência da refinaria Abreu e Lima a ser construída no estado de Pernambuco, e possibilitando a convergência das diversas informações em um único ambiente de colaboração e comunicação. Este trabalho foi iniciado em 2007 e tem previsão de conclusão para o mês de abril de Como parceiros beneficiados por esse projeto teremos FIEPE, SENAI, FECOMÉRCIO, SESI, IEL, Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado de Pernambuco, Estaleiro, Petrobras, Petroquímica de Suape e os Municípios de Pernambuco: Abreu e Lima, Araçoiaba, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Escada, Goiana, Igarassu, Ipojuca, Itamaracá, Itapissuma, Jaboatão dos Guararapes, Moreno, Olinda, Paulista, Recife, Rio Formoso, São Lourenço da Mata, Sirinhaém, Timbaúba, Vitória de Santo Antão. TERMO DE PARCERIA COM A PCR-PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE O SOFTEXRECIFE firmou um termo de parceria com a PCR, para a criação de uma novo modelo de gestão da infra-estrutura do Recife, destinada a acelerar mudanças no modelo tradicional de gestão pública, visando a busca por inovação, uma gestão compartilhada com a participação do cidadão que ajudará a alta administração a ter embasamento para tomadas de decisões, redução de custos públicos e acompanhamento efetivo das ações da municipalidade. Em síntese, o projeto visa, a busca da inclusão social com o aumento da eficiência da máquina pública utilizando como meio novos processos de gestão e um instrumental técnológico que venha a suprir as necessidades deste novo modelo de gestão pública. 16

17 O projeto de um novo modelo de gestão da infra-estrutura do Recife compreende a busca de programas que propiciem a inclusão social com eficientização da máquina pública englobando as seguintes ações integradas: i. Munir a Secretaria de Serviços Públicos e seus órgãos subordinados: EMLURB, CSURB, CTTU, GUARDA MUNICIPAL - de ferramentas informatizadas para apoio a gestão, englobando softwares e bases de dados consolidadas para planejamento e controle operacional englobando os seguintes elementos: ii. Tratamento das informações do cadastro da base de iluminação pública para realização de um cadastro técnico geo-referenciado do parque de iluninação pública: Visando capacitar a EMLURB na participação de programas de financiamento da eficientização da iluminação pública e para o software de gestão da manutenção da iluminação pública iii. Apoio de Suporte e Manutenção dos Telecentros/infocentros instalados pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico no PID Projeto de Inclusão Digital, e disponibilização dos sistemas produzidos pelo projeto, permitindo descentralizar e ampliar os serviços de atendimento ao cidadão criando assim a visão de gestão compartilhada e ao mesmo tempo realizar a inclusão digital e social da população e comunidades carentes com uso do computador, internet e sistemas de atendimento ao cidadão. 17

18 NEXT - NÚCLEO DE EXCÊLENCIA EM TESTE DE SISTEMAS O ano de 2007 foi de consolidação na área de teste servida pelo NEXT. Diante disto além do programa de capacitação, que é perene, também fortalecemos a atuação junto as empresas no conceito de mentoring em teste de software. Foram realizados 11 cursos, de capacitação em processos de desenvolvimento e teste de software, totalizando que envolveu 204 participantes. Alem destas atividades, foram despendidas mais de horas, em projetos de mentoring em teste de software. Os cursos foram ministrados como parte do trabalho de difundir a cultura de qualidade e teste de software no pólo local de Tecnologia da Informação. A sua execução foi realizado na maior parte pela própria equipe do NEXT. Neste ano de 2007 o projeto NEXT empreendeu as seguintes ações: CURSOS REALIZADOS O grupo técnico do NEXT organizou e realizou nas nossas instalações os seguintes cursos no ano de 2007 (alguns deles foram realizados conjuntamente com empresas ou entidades parceiras): Fundamentos de Teste de Software - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 30 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 2 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 28 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 28 18

19 Qualidade de Software - Área de conteúdo: Qualidade - Carga horária: 12 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 2 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 22 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 22 Introdução a gerencia de configuração - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 12 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 12 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 12 Preparatório para exame de certificação BSTQB - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 30 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 13 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 13 Definição e Melhoria de Processos de Software - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 12 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 11 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 11 19

20 Implementadores do MPS.Br - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 12 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 25 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 25 Introdução ao nível F do MPS.Br - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 8 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 16 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 16 Garantia da Qualidade - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 4 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 16 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 16 20

21 Medição - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 4 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 16 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 16 Introdução ao nível G do MPS.Br - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 16 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 20 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 20 Gerência de Requisitos - Área de conteúdo: Engenharia de Software - Carga horária: 8 horas - Número de turmas (quantidade de vezes que o curso foi ministrado): 1 - Total de participantes (soma dos participantes em cada turma): 25 - Total de aprovados (soma dos aprovados em cada turma): 25 21

22 MENTORING EM TESTE DE SOFTWARE O objetivo destes projetos foi capacitar as equipes da MV Sistemas e TCI Informática, nas melhores práticas no contexto de testes de software, especialmente na automação de testes, de forma a proporcionar ganhos de produtividade e da qualidade do produto da empresa. As frentes do trabalho a serem executadas foram organizadas conforme relacionadas a seguir: Capacitação: capacitar as equipes das empresas no corpo de conhecimento relacionado a testes de software. Melhoria do processo: promover melhorias no processo atual da empresa, de forma a adicionar as melhores práticas de testes. A melhoria do processo deverá se basear nos modelos de qualidade para a área de software, o CMMI e o MPS.BR, bem como nas melhores referências da engenharia de software. Automação de testes: capacitar as equipes na automação de testes, usando a ferramenta de teste TestComplete. TESTE DE CARGA E STRESS PARA A PETROBRAS O escopo deste trabalho foi realizar testes de carga no sistema de cadastramento sócioprofissional, simulando em laboratório o acesso concorrente do volume de usuários esperados, bem como testar o seu limite de serviço. A avaliação envolveu especificamente o cadastramento das pesquisas, que é um fator preponderante quanto a questão de desempenho do sistema. 22

23 CONSULTORIA EM TESTE DE CARGA NO CESAR Realização de mentoring de teste de carga através de técnico do NEXT junto à equipe do CESAR, com a finalidade de repassar conhecimento na utilização da ferramenta Apache JMeter. As atividades a serem desenvolvidas serão definidas de acordo com as necessidades específicas do CESAR. AVALIAÇÃO DE SISTEMA PARA A FITEC O NEXT realizou avaliação de sistema desenvolvido pela FITec, no tocante a performance. Identificando pontos de melhora de desempenho, propondo soluções e implementando, quando aplicável as soluções encontradas. PARTICIPAÇÃO NO II ENCONTRO BRASILEIRO DE TESTE DE SOFTWARE (EBTS) OUT/2007 O NEXT participou como palestrante do II Encontro Brasileiro de Teste de Software, onde apresentou case de sucesso de mentoring na implantação de uma célula de teste de software, numa empresa de desenvolvimento de software, para mais de 300 participantes do Brasil e exterior. GESTÃO DE PROJETOS O SOFTEXRECIFE conta hoje com uma equipe de Gerentes, com certificação PMP para gestão executiva de projetos. No ano de 2007 contamos com 2 projetos de grande porte e a expectativa para 2008, é que venhamos gerir mais 4 projetos, consolidando com isto mais um serviço prestado aos nossos associados. 23

24 MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS/BR Grupos de Certificação O MPS.BR é um modelo de melhoria de processo de software, criado pelo SOFTEX Nacional, baseado no CMMI e ISO e voltado para pequenas e médias empresas. Por ter um custo menor e uma melhor distribuição nos níveis de capacitação, ele é mais adequado a realidade das empresas de desenvolvimento de software brasileiras. A sociedade SOFTEX em todo Brasil é a responsável pela disseminação do modelo no país e em outros paises de América do Sul. O SOFTEXRECIFE implementou o primeiro grupo de certificação do MPS.BR, no mês de março/2006 e certificou 3 empresas durante o ano de 2007(MV Sistemas, NEUS e Provider Sistemas). Em 2007 foram formados 2 grupos de empresas para certificação nos níveis G e F. O grupo formado para o nível G é composto de 5 empresas(facilit, Vinic, Simplestec Multisolution e Phoebus) e para o nível F por 4 empresas(in Forma, MV Sistemas, Procenge e PROVIDER). A previsão é que as empresas comecem as avaliações no segundo semestre de 2008 e que finalizem no primeiro semestre de Projeto de implantação do MPS.BR em Pernambuco Este Projeto foi submetido e aprovado dentro das ações de fomento à pesquisa e Inovação do RHAE CNPq com o custeio parcial através de Bolsas de pesquisas. O objetivo primordial deste projeto consiste na elevação do padrão de qualidade das empresas componentes do pólo de tecnologia de Informação e Comunicação de Pernambuco, tornando-as com isto capaz de atingir mercados mais amplos (nacional e internacional), gerando assim condições para ampliar suas escalas de operações. 24

25 Os principais resultados deste projeto serão os seguintes: Avaliação do primeiro grupo de empresas no nível G do MPS.BR, com pelo menos 6 empresas obtendo sucesso na avaliação em 16 meses; Consolidação do modelo MPS.BR em Pernambuco através da formação de novos grupos para avaliação MPS.BR; Formação de capital humano para implementação do modelo; Divulgação e Incentivo da cultura da qualidade de software entre as empresas locais; Habilitação de uma empresa avaliadora MPS.BR em Pernambuco. O projeto tem como meta prioritária ter pelo menos 6 empresas do grupo sejam avaliadas como nível G do MPS.BR dentro do prazo de 16 meses contados a partir do início do projeto. Este grupo inicial ajudará a produzir as condições necessárias para formação de novos grupos conduzindo a consolidação do MPS.BR no estado e no país. Estas condições estruturantes ajudarão a superar as barreiras da falta de pessoal qualificado nas empresas, e da pequena quantidade de consultores habilitados para implementação do modelo. O projeto será desenvolvido em quatro fases: Preparação, Definição de Processos, Institucionalização dos processos e avaliação das empresas. PROVAS REALIZADAS Dentro do projeto de disseminação do MPS.BR, forma realizadas em Recife provas para introdução e implementação do modelo em Pernambuco, onde participaram mais de trinta técnicos. Esta ação visa a formação de corpo técnico especializado na implementação do MPS.BR localmente. Foi formada em 2007 a primeira turma de implementadores de Pernambuco, com a certificação de 10 técnicos. Prova de Introdução, Implementadores e avaliador do MPS.BR 25

26 Ações não operacionais em 2007 REGISTRO NO CATI-Conselho de Atividades de Tecnologia da Informação do MCT- Ministério da Ciência e Tecnologia. O SOFTEXRECIFE requereu e obteve este registro Este reconhecimento habilita a entidade a buscar recursos oriundos da Lei de informática para pesquisa e desenvolvimento. MODELO DE COMPRAS Com a finalidade de nortear os procedimentos de aquisição de materiais e serviços, a entidade formalizou um modelo de compras próprio. Este passou a vigorar nas aquisições realizadas a partir de março/2007. AUDITORIA CONTÁBIL DO SOFTEXRECIFE Dando sequência ao processo de tornar cada vez mais transparente a entidade, além da definição da diretoria de realizar anualmente a auditoria dos números do SOFTERECIFE por uma empresa externa especializada. A entidade resolveu, também, auditar trimestralmente os números de cada projeto da qual participa ou partipou. Em 2007 foram realizadas auditorias trimestrais do Termo de Parceria realizado com a PCR-Prefeitura da Cidade do Recife. A empresa escolhida, cuja contratação foi realizada através de nosso modelo de compras, foi a Baker Tilly International, empresa com filial em Recife-PE e responsáveis técnicos inscritos na CVM-Comissão de Valores Mobiliários. 26

27 PADRONIZAÇÃO DE ACOMPANHAMENTO DOS PROJETOS Definimos normas e procedimentos para acompanhamento técnico e financeiro para acompanhamento dos projetos. Contabilização e guarda de documentação individualizada por projeto Acompanhamento gerencial para avaliação do cumprimento técnico de cada projeto. Modelo de prestação de contas padronizado 27

SOFTEXRECIFE Balanço Social e Ambiental Exercício 2006

SOFTEXRECIFE Balanço Social e Ambiental Exercício 2006 SOFTEXRECIFE Balanço Social e Ambiental Exercício 2006 1 O SOFTEXRECIFE apresenta pela primeira vez seu Balanço Social com base no ano 2006. O Balanço Social é um documento que permite demonstrar o comprometimento

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE AUDITORIA NO TERMO DE PARCERIA ENTRE A SOFTEX E A PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE NO PERÍODO DE JULHO A SETEMBRO DE 2007 Í N D I C E Páginas 1 PARECER DA AUDITORIA... 3 e 4 2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE DO RECIFE SOFTEXRECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE DO RECIFE SOFTEXRECIFE CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE DO RECIFE RELATÓRIO SOBRE O EXAME DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO SOCIAL FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Centro de Excelência em Tecnologia de Software do Recife

Centro de Excelência em Tecnologia de Software do Recife Centro de Excelência em Tecnologia de Software do Recife Localização estratégica Localizado na Ilha do Recife, área denominada de Porto Digital, onde concentra-se o Polo Tecnológico do Estado de Pernambuco.

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE AUDITORIA NO TERMO DE PARCERIA ENTRE A SOFTEX E A PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE NO PERÍODO DE ABRIL A JUNHO DE 2007 Í N D I C E Páginas 1 PARECER DA AUDITORIA... 3 e 4 2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO... 5

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Congresso Pernambucano de Municípios

Congresso Pernambucano de Municípios Congresso Pernambucano de Municípios O desenvolvimento dos municípios sustenta o crescimento do Brasil. José Coimbra Patriota Filho Presidente da Amupe RPPS: Sustentabilidade e Compensação Previdenciária

Leia mais

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1

FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Nome da iniciativa inovadora: FORMULÁRIO RELATO DA INICIATIVA INOVADORA 1 Painel de BI (Inteligência nos negócios) para publicação dos dados associados ao controle estadual Responsável pela Iniciativa

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

Balanço Social 2010/2009

Balanço Social 2010/2009 Balanço Social 2010/2009 APRESENTAÇÃO Fundada em 1954, a Confederação Brasileira de Voleibol representa a entidade máxima do voleibol no país. A instituição é filiada ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB)

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o Fundo Municipal de Turismo - Fumtur - e dá outras providências. Terça-feira, 30 de Junho de 2015 Ano:XXI - Edição N.: 4832 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo LEI Nº 10.823, DE 29 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre a Política Municipal de Turismo, institui o

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 18 ÍNDICE DA PROPOSTA Apresentação da Empresa... 3 Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 6 Consultoria... 6 Capacitação...

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Projeto 3.10 - Residência em Software

Projeto 3.10 - Residência em Software Projeto 3.10 - Residência em Software Augusto Sampaio 1. Objetivos e justificativas O Programa de Residência em Software no Estado de Pernambuco iniciou em fevereiro de 2002 com o objetivo de treinar e

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização

Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo. Organização e Realização Programa SEBRAE SP & SUCESU-SP de Competitividade da MPE de Software e Serviços da cidade de São Paulo Organização e Realização Perfil do Público Alvo Empresários e executivos de MPE de Software e Serviços

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA ESTADUAL DE FOMENTO AOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DO ESTADO DE SÃO PAULO Juliana Arnaut de Santana 1 Dalton Siqueira Pitta Marques 2 1 INTRODUÇÃO Com a finalidade de normatizar a atuação do estado

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional

Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Política Metropolitana Integrada de Formação e Qualificação Profissional Objetivos Objetivo Geral: Ampliar capacidade da força de trabalho se inserir no processo de desenvolvimento econômico da RMBH, com

Leia mais

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE GESTÃO METROPOLITANA DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE CONSÓRCIO DE TRANSPORTES DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARA QUE O CONSÓRCIO? Aperfeiçoar a gestão

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008 APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP Junho/2008 Foco Estratégico 1.Aumento da participação de mercado com os produtos atuais. 2.Conquista e manutenção

Leia mais

Lei Mun. Viçosa/MG 2.204/11 - Lei do Município de Viçosa/MG nº 2.204 de 27.12.2011

Lei Mun. Viçosa/MG 2.204/11 - Lei do Município de Viçosa/MG nº 2.204 de 27.12.2011 Lei Mun. Viçosa/MG 2.204/11 - Lei do Município de Viçosa/MG nº 2.204 de 27.12.2011 DOM-Viçosa: 29.12.2011 Dispõe sobre a criação do Programa Municipal de Apoio a Inovação Tecnológica, as medidas de incentivo

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

BEM-VINDO AO BALANÇO SOCIAL 2009. TEMOS A SATISFAÇÃO DE MOSTRAR A VOCÊ NOSSAS AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS E SEUS RESULTADOS NO ÚLTIMO ANO.

BEM-VINDO AO BALANÇO SOCIAL 2009. TEMOS A SATISFAÇÃO DE MOSTRAR A VOCÊ NOSSAS AÇÕES SÓCIO-AMBIENTAIS E SEUS RESULTADOS NO ÚLTIMO ANO. 29 Balanço Social BEMVINDO AO BALANÇO SOCIAL 29. TEMOS A SATISFAÇÃO DE MOSTRAR A VOCÊ NOSSAS AÇÕES SÓCIOAMBIENTAIS E SEUS RESULTADOS NO ÚLTIMO ANO. Aproveitamos para compartilhar a notícia de que pelo

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 42 anos de existência

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLUÇÃO CS nº xx/2009 REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLVE: O Conselho Superior do Instituto Federal Farroupilha,

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

A consolidação do modelo

A consolidação do modelo C A P Í T U L O 2 A consolidação do modelo Nos últimos anos, o balanço social modelo Ibase tornou-se a principal ferramenta por meio da qual as empresas são estimuladas a conhecer, sistematizar e apresentar

Leia mais

Instruções para o Questionário Online

Instruções para o Questionário Online Instruções para o Questionário Online Este é um pequeno guia para o preenchimento do questionário de Monitor de Cooperativas Mundial. O questionário está disponível em www.euricse.eu/en/worldcooperativemonitor

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR

NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR NEATS NÚCLEO DE ESTUDOS AVANÇADOS DO TERCEIRO SETOR 1 APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão Financeira do GESC Instrutor do Curso de Contabilidade

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

Visão Geral da Certificação CERTICS

Visão Geral da Certificação CERTICS Projeto 0113009300 - Implementação da CERTICS - Certificação de Tecnologia Nacional de Software IX Workshop Anual do MPS WAMPS 2013 Visão Geral da Certificação CERTICS Palestrante: Adalberto Nobiato Crespo

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS

TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS TERMO DE DOAÇÃO COM ENCARGOS, QUE CELEBRAM ENTRE SI A UNIÃO FEDERAL, POR INTERMÉDIO DO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES E O MUNICÍPIO DE BURI, NO ESTADO DE SÃO PAULO. A união, por

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991

LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991 LEI Nº 5.674, DE 21 DE OUTUBRO DE 1991 Publicada no DOE(Pa) de 25.10.91. Alterada pelas Leis 6.007/96, 6.375/01, 6.619/04, 6.719/05, 7.242/09. Regulamentos: Decretos 2.037/97, 5.011/01, 1.565/09. Disposições

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Definições

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Definições UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI Curso de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Planos e Projetos REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Definições Art.1º O Laboratório de Planos e Projetos (LAPP) agrega

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

*,)(*UXSRGH,QVWLWXWRV )XQGDo}HVH(PSUHVDV. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGH HSDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

*,)(*UXSRGH,QVWLWXWRV )XQGDo}HVH(PSUHVDV. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGH HSDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV *,)(*UXSRGH,QVWLWXWRV )XQGDo}HVH(PSUHVDV 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGH HSDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV São Paulo, 19 de fevereiro de 2002 Aos Administradores

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

PROGRAMA SINERGIA/CETURB-GV FORTALECENDO O RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE. Alice Carreiro Ribeiro Lírio; Gilmar Pahins Pimenta.

PROGRAMA SINERGIA/CETURB-GV FORTALECENDO O RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE. Alice Carreiro Ribeiro Lírio; Gilmar Pahins Pimenta. PROGRAMA SINERGIA/CETURB-GV FORTALECENDO O RELACIONAMENTO COM A SOCIEDADE. Alice Carreiro Ribeiro Lírio; Gilmar Pahins Pimenta. Companhia de Transportes Urbanos da Grande Vitória-CETURB-GV Avenida Nossa

Leia mais

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM

INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM INSTITUTO COMUNITÁRIO GRANDE FLORIANÓPOLIS - ICOM DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006 E DE 2005 E RELATÓRIO SOBRE A REVISÃO LIMITADA A BDO International é

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

Planejamento Estratégico Inova Metrópole

Planejamento Estratégico Inova Metrópole UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN INSTITUTO METRÓPOLE DIGITAL IMD INOVA METRÓPOLE Planejamento Estratégico Inova Metrópole Natal/ RN 2013 Sumário 1. Apresentação do Instituto Metrópole Digital...

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br

Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas. Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Eng. Alison Rabelo arabelo@next.org.br Objetivo do Núcleo O - Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas - tem como objetivo a melhoria contínua da qualidade

Leia mais

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL -

Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - Edital FAPESB/SECTI/SECOMP/SEBRAE/IEL/REDE SOCIAL 001/2006 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO - EMPREENDEDOR SOCIAL - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB e a Secretaria

Leia mais

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia

Apoio: BIT Company Franchising Rua Fidêncio Ramos, 223 conj. 131 13º andar Vila Olimpia Nome da empresa: BIT Company Data de fundação: Julho de 1993 Número de funcionários: 49 funcionários Localização (cidade e estado em que estão sede e franquias): Sede em São Paulo, com franquias em todo

Leia mais