JMeter x WebLoad. Uma análise de duas soluções para execução de testes de desempenho para você decidir qual é a melhor para sua empresa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JMeter x WebLoad. Uma análise de duas soluções para execução de testes de desempenho para você decidir qual é a melhor para sua empresa."

Transcrição

1 JMeter x WebLoad_ Ferramentas para Teste de Desempenho JMeter x WebLoad Uma análise de duas soluções para execução de testes de desempenho para você decidir qual é a melhor para sua empresa. O artigo fornece ao leitor uma visão geral sobre testes de desempenho, uma técnica muitas vezes esquecida, mas essencial para o sucesso de uma aplicação. O processo de criação e execução é ilustrado em duas importantes ferramentas: o Webload e o JMeter. Ao final é feito um breve comparativo entre as duas ferramentas discutindo as vantagens e desvantagens de cada uma. No mundo dos negócios, quando se fala em competitividade, logo se espera ter como um dos fatores diferenciais, o desempenho. E isso se torna imprescindível quando se tem um sistema que não pode conter erros; que não pode falhar em momentos cruciais; quando o desempenho é a chave para expectativas tanto do ponto de vista da imagem da sua empresa quanto da necessidade de cumprir possíveis requisitos que os clientes venham exigir nos projetos. Como exemplo, imagine um site de compras onde o cliente precisa aguardar muito tempo para carregar a página desejada ou ainda o site fica fora do ar porque não suportou uma determinada quantidade usuários. É neste momento que os testes Tarcísio Fonseca Leonardo Costa Rodrigo Aragão Leonaldo Andrade São alunos do curso de Sistemas de Informação na Universidade Federal de Sergipe, campus Itabaiana. Participam do projeto de pesquisa no LabPS Laboratório de Produtividade de Software financiado pela Infox e Instituto Nacional de Engenharia de Software(INES). Marcos Barbosa Dósea Membro efetivo do corpo docente do Departamento de Sistemas de Informação na Universidade Federal de Sergipe, onde ministra disciplinas na área de Engenharia de Software e Desenvolvimento Web, coordenador Regional do Projeto Laboratório de Produtividade de Software e consultor na área de Melhoria de Processos de Desenvolvimento de Software. / 48

2 de desempenho entram para garantir as necessidades citadas, e é com base nesse tema que trilharemos o artigo. Muitos acreditam que a área de testes se resume a simplesmente testar botões de um software. No entanto esta área é muito mais densa e robusta do que se possa imaginar. A área de testes está envolvida em todo o ciclo de vida de uma aplicação, o que otimizará todo o processo de desenvolvimento, e que implicará numa melhor utilização dos recursos para elevar a qualidade dos resultados, sendo este o produto final. Uma vertente desta área é o teste de desempenho, que é um tipo de teste que visa determinar a capacidade de resposta, o rendimento e/ou escalabilidade de um sistema sob uma determinada carga de trabalho. No entanto, para realizar os testes de desempenho, é de suma importância obter uma ferramenta adequada para sua equipe. Para ter noção da importância das ferramentas de testes de desempenho, imagine você e sua equipe tentando cronometrar o tempo de resposta de uma página ou ter que simular 100 usuários simultâneos, um em cada computador. Como facilitadores, já existem no mercado, diversas ferramentas gratuitas ou proprietárias para realização desses testes. Neste artigo, serão apresentadas, através da criação de um teste simples, duas dessas ferramentas: o JMeter (gratuita) e o Webload (proprietária). No final do artigo é feita uma breve comparação entre as soluções apresentadas. Por que se preocupar com os testes de software? Software são parte do nosso dia-a-dia, desde aplicações comerciais, como sistemas bancários, até produtos de consumo, como carros. A maioria das pessoas já teve alguma experiência com um software que não funcionou como esperado. Software que não funciona corretamente pode levar a muitos problemas, incluindo financeiros, além de comprometer a reputação das empresas, podendo, inclusive, influenciar a integridade das pessoas. Os defeitos ocorrem porque os seres humanos são passíveis de falha e porque existe pressão no prazo, códigos complexos, complexidade na infraestrutura, mudanças na tecnologia e/ou muitas interações de sistema. Rigorosos testes em sistemas e documentações podem reduzir os riscos de ocorrência de problemas no ambiente operacional, e contribui para a qualidade dos softwares se os defeitos encontrados forem corrigidos antes da implantação dos sistemas em produção. O teste de software pode também ser necessário para atender requisitos contratuais ou legais ou determinados padrões de mercado. Na definição da norma ISO 8402/94, a qualidade de software é a totalidade de características de um produto e software que lhe confere a capacidade de satisfazer necessidades explícitas e implícitas. Com a ajuda do teste é possível medir a qualidade do software em termos de defeitos encontrados, por características e requisitos funcionais ou não funcionais do software. O resultado da execução dos testes pode representar confiança na qualidade do software caso sejam encontrados poucos ou nenhum defeito. Um teste projetado adequadamente e cuja execução não encontra defeitos reduz o nível de riscos em um sistema. Por outro lado, quando os testes encontram defeitos, a qualidade do sistema aumenta quando estes são corrigidos. Através do entendimento da causa-raiz dos defeitos encontrados em outros projetos, os processos podem ser aprimorados de modo a prevenir reincidência de erros e, consequentemente, melhorar a qualidade dos sistemas futuros. Testes devem ser integrados como uma das atividades de garantia da qualidade. Para mais informações sobre características dos softwares, veja a norma ISO/IEC Ela é uma norma ISO para qualidade de produto de software, que se enquadra no modelo de qualidade das normas da família A norma brasileira correspondente é a NBR ISO/IEC Testes de Desempenho Por que realizar o teste de desempenho no seu sistema? O teste de desempenho é normalmente feito para ajudar a identificar gargalos no sistema, estabelecer uma base para testes futuros, apoiar o esforço de ajuste de desempenho, determinar o cumprimento das metas de desempenho e exigências; e/ ou recolher outros dados relacionados ao desempenho para ajudar os stackholders a tomar decisões relacionadas à qualidade global do aplicativo que está sendo testado. Além disso, os resultados de testes de desempenho e análise podem ajudá-lo a estimar a configuração do hardware necessário para suportar o aplicativo. No mais alto nível, os testes de desempenho são quase sempre realizados para tratar um ou mais riscos relacionados às despesas, custos de oportunidade, continuidade e/ou reputação corporativa. Algumas razões mais específicas para a realização de testes de desempenho incluem:»» Prever ou estimar as características de desempenho de uma aplicação em produção e avaliar se deve ou não abordar questões de desempenho com base nessas previsões. Estas previsões são igualmente valiosas para os stakeholders tomarem decisões sobre se um aplicativo está pronto para lançamento ou capaz de lidar com o crescimento futuro, ou se exige uma melhoria no desempenho ou uma atualização no hardware antes da liberação. 49 \

3 » Fornecimento de dados que indique a probabilidade de insatisfação do usuário com as características de desempenho do sistema. O tipo mais comum de teste de desempenho para aplicações web tem o propósito de determinar ou validar a velocidade a escalabilidade e/ou estabilidade. Em termos de qualidade, uma aplicação web deve possuir:» Confiabilidade» Recuperabilidade» Segurança» usabilidade» Performance Por que é diferente testar aplicação web? O mundo web para quem faz testes é diferente. Pois, este não é trivial. Temos que verificar se tudo está funcionando. O link está funcionando? O aplicativo suporta a carga de usuários desejada? Quanto mais se conhece do ambiente web, melhor podemos fazer o teste. O especialista em testes deve conhecer tecnologias relativas a:» Linguagens de Scripting: ASP, xml, HTML etc.» Bancos de Dados: ORACLE SQL etc.» Servidores de Aplicação: IIS, Apache etc.» Protocolos de Transferência de Dados: TCP/IP, HTTP, FTP etc.» Conhecer diversos navegadores Web.» Saber testar diversos pontos como: performance, segurança, integridade da base de dados etc.» Tecnologias de automação de testes.» Saber testar o aplicativo em diversas plataformas, como Windows e Linux, etc. Prioridades O especialista envolvido em teste de aplicação web deve dar prioridade a:» desenvolver um plano de testes o mais completo possível;» estruturar testes funcionais por componentes web;» priorizar os testes dos componentes em função do risco de falha desses componentes; e» iniciar o mais breve possível os teste dos componentes de alta prioridade e ir testando até os de baixa prioridade. Nas próximas seções são apresentadas duas das diversas ferramentas existentes na Web para execução dos testes de desempenho: JMeter e WebLoad. Ferramentas JMeter O JMeter é uma aplicação desktop projetada para a realização de testes de desempenho e estresse em aplicações cliente/servidor, tais como aplicações Web. É uma ferramenta de código aberto, feita em Java. A ferramenta permite a criação de testes para os protocolos HTTP, JDBC, FTP, SOAP, dentre outros. Ela também suporta a criação de testes funcionais, mas neste artigo só daremos ênfase ao teste de desempenho. Os testes podem ser escritos manualmente (por meio da criação manual das requisições HTTP) ou gravados automaticamente enquanto você navega na aplicação simulando um usuário real (por meio de um Proxy Server). Existem outras ferramentas que podem gerar os scripts e exportá-los para o JMeter como o BadBoy (http://www.badboy.com.au/). O download do JMeter pode ser feito no link: Elementos do JMeter Os elementos principais e mais utilizados do JMeter serão apresentados nessa seção junto com um exemplo prático. O site que iremos usar no exemplo é o da universidade Federal de Sergipe (ufs), instituição de ensino dos autores deste artigo. A execução do JMeter é feita por meio do arquivo ApacheJMeter.jar encontrado no caminho jakarta- -jmeter-2.5 > bin > ApacheJMeter. A figura 1 mostra o arquivo que deve ser executado. Área de Trabalho A Área de Trabalho serve como armazenamento temporário de elementos. Os itens associados a este Figura 1. Arquivo para executar o JMeter. Figura 2. Adição do Servidor HTTP Proxy. / 50

4 elemento não são considerados como parte do plano de testes. No nosso exemplo vamos adicionar o servidor HTTP Proxy, mostrado na figura 2. Com ele, iremos gravar automaticamente todas as requisições necessárias para o teste. Plano de Teste Na figura 3 é mostrado o Plano de Teste do JMeter, que pode ser renomeado e pode-se adicionar comentários sobre o teste que o usuário irá realizar. um Plano de Teste descreve uma série de passos que o JMeter irá executar. Grupo de Usuários um Grupo de usuários é onde é definido o número de usuários que se deseja simular, quantas vezes os usuários devem enviar requisições ao servidor e o tempo de inicialização entre cada usuário. Na figura 4 é mostrada a adição do Grupo de usuários em um Plano de Teste. Na figura 5 é mostrada a tela de Grupo de usuários, onde no campo Número de usuários Virtuais (threads) define-se o número de usuários que se deseja simular. No campo Tempo de Inicialização (em segundos) é definido o tempo de demora entre o início de cada usuário. O Contador de Iteração é um campo onde é inserida a quantidade de vezes que o grupo de usuários realizará o teste. O JMeter possui no Grupo de usuário a opção Agendador onde pode ser agendado o horário que o teste deve iniciar e terminar automaticamente, mas no nosso exemplo não será utilizado esse recurso. A opção só foi selecionada para demonstração, então, lembre-se de desmarcá-la antes de executar seus testes. Servidor HTTP Proxy Como já foi mencionado antes, o Servidor HTTP Proxy grava automaticamente as requisições HTTP feitas em um navegador (perderia-se muito tempo caso fosse necessário gravar cada requisição manualmente). Agora serão gravadas as requisições do exemplo. Primeiro, deve-se alterar a Configuração de Conexão do navegador que será utilizado para Configuração manual de proxy como mostrado na figura 6. No segundo passo, deve-se iniciar o Servidor HTTP Proxy. Em seguida, já no navegador, digite a url da aplicação a ser testada. Como já dito antes, iremos utilizar o site da ufs (www.ufs.br). Na figura 7 é mostrada a página inicial. No exemplo deste artigo, usamos os links da página inicial e acadêmico presencial (www.presencial. ufs.br), mas poderia ser utilizada qualquer outra url. Figura 3. Plano de Teste do JMeter. Figura 6. Configuração da conexão do navegador. Figura 4. Adição do Grupo de Usuários. Figura 5. Grupo de Usuários e modificações feitas para o exemplo. Figura 7. Página inicial do site da UFS. 51 \

5 Depois de completada todas as requisições, o servidor HTTP Proxy pode ser interrompido. Observe na figura 8 que as requisições HTTP foram todas registradas. O JMeter grava diversas requisições e em diferentes formatos, por isso é necessário excluir as requisições que não são necessárias para o Plano de Teste. Testador O Testador é um componente que representa cada requisição que o JMeter fará ao servidor quando o plano de teste for executado. O JMeter contém vários tipos de Testadores, como, por exemplo, requisição FTP, requisição HTTP (a mais utilizada pelos testadores), requisição JDBC, dentre outros. As requisições do exemplo poderiam ter sido adicionadas manualmente, mas isso seria algo muito improdutivo se no exemplo existissem, por exemplo, 20 urls diferentes para serem testadas. Por isso, o ideal é usar o Servidor HTTP Proxy. A figura 9 mostra como é feita a adição de uma requisição HTTP manualmente e a figura 10 os principais elementos dela. Asserções O componente Asserções serve para validar as respostas das requisições HTTP. Existe um conjunto de asserções para as mais diversas funções, mas em testes para servidores Web, duas asserções são muito utilizadas: Asserção de Resposta e Asserção de Duração. No exemplo foi usado Asserção de Duração para definir o tempo máximo que o sistema tem para responder a uma requisição. Caso a obtenção da resposta demore mais que o tempo definido, a asserção falhará. Essa Asserção é muito utilizada, pois a partir dela podemos verificar o atendimento a um dos principais requisitos de desempenho: o tempo de resposta das requisições. Na figura 11 é mostrada como é feita a Figura 10. Principais elementos de uma Requisição HTTP. Figura 11. Adição e configuração da Asserção de Duração. Figura 8. Requisições salvas pelo Servidor HTTP Proxy. Figura 12. Associação do Ouvinte. Figura 9. Adição de uma Requisição HTTP. Figura 13. Adição dos Ouvintes. / 52

6 adição da Asserção de Duração e como é configurada. Ouvinte Os Ouvintes são relatórios onde os resultados do Plano de Teste são salvos. Os resultados podem ser mostrados em uma árvore, tabelas ou gráficos. No Plano de Teste pode ser utilizada qualquer quantidade de ouvintes. Dependendo do lugar em que o ouvinte esteja associado podem ser obtido diferentes resultados. A figura 12 mostra os diferentes resultados que serão obtidos. Os Ouvintes Ver Resultados em Tabela e Relatório de Sumário foram utilizados no exemplo, e foram associados ao Grupo de usuários: usuários LabPS Exemplo. Como o exemplo faz uso de Asserção de Duração foi adicionado também os Resultados de Asserção, que permitem visualizar os resultados das asserções que falharam e o porquê da falha. A figura 13 mostra a adição dos Ouvintes. Temporizador O JMeter permite a simulação de uma parada para ler um texto ou olhar uma figura numa página web através do Temporizador. Existem vários temporizadores no JMeter, mas vamos explorar apenas alguns. O exemplo não faz uso de nenhum Temporizador. O Temporizador Constante permite que você estabeleça um intervalo em milissegundos (padrão) entre os usuários. O Temporizador Aleatório Uniforme permite simular uma parada aleatória dentro dos limites inferior e superior que forem informados. Execução do Teste Antes de executar o teste, lembre-se de Salvar o Plano de Teste. As próximas figuras mostram os resultados dos testes nos diferentes tipos de Ouvintes que foram adicionados. WebLOAD Após a análise do JMeter, seguiremos com o WebLOAD. Antes disso, é importante salientar que há Figura 14. Resultados obtidos exibidos em Ver Resultados em Tabela. duas versões do WebLOAD, a versão Professional e a versão Open Source. O WebLOAD Open Source Load Generation Engine é um projeto Open Source patrocinado pela empresa RADview Software. No site da ferramenta (www. webload.org), você poderá baixá-la nas duas versões e ainda poderá analisar uma tabela comparando as duas versões da ferramenta. Lembrando que a versão Professional é apenas de avaliação para 30 dias e possui apenas a capacidade de gerar cinco usuários virtuais. Se desejar observar a ferramenta em ação, poderá ver os vídeos disponíveis no próprio site da RadView (www.radview.com). Com o WebLOAD, é possível verificar a escalabilidade e integridade de sua aplicação Web. A ferramenta faz isso pela geração de carga que é composta de clientes virtuais que simulam situações reais de tráfego. Os exames dos clientes permitem refinar o processo de testes, agindo como um único usuário, que mede o desempenho de atividades específicas, e fornece estatísticas de desempenho individual do aplicativo. As Agendas desenvolvidas podem ser executadas no WebLOAD para emular clientes virtuais nos testes de carga. Então, como o WebLOAD trabalha? O WebLO- AD testa as aplicações Web através da geração de clientes virtuais que simulam as cargas do mundo real. Os clientes virtuais imitam as ações dos usuários humanos através da realização de ações típicas na sua aplicação web. Você pode criar os scripts de testes baseados em JavaScript (as chamadas agendas) que definem o comportamento dos clientes virtuais, e então, o WebLOAD executa esses scripts de teste monitorando a resposta estatisticamente por meio de gráficos que apresentam os resultados do teste em tempo real. A arquitetura de funcionamento do WebLOAD é dividida em três partes, e para uma melhor compreensão da ferramenta, iremos executar um tutorial para a criação de uma agenda e executá-la. Neste manual, ensinaremos a criar uma agenda com o WebloAd ide e executar a carga com o WebLOAD Console. O WebLOAD Analytics apenas apresenta os dados em modo gráfico e, se você desejar, poderá exportar os relatórios em vários formatos. O primeiro passo na criação de uma agenda é gravar suas ações interagindo com aplicação web. Figura 15. Resultados obtidos exibidos em Relatório de Sumário. Figura 16. Resultados obtidos exibidos em Resultados de Asserção. 53 \

7 1. Abra o WebLOAD IDE e crie um novo projeto. A janela principal do WebLOAD IDE abrirá no modo de edição para começar a criar o script [Agenda] como na figura 17. Figura 17. WebLoad IDE (Agenda). 2. Na janela principal, no modo de edição, clique em Run > Start Recording para começar a gravação. uma janela do navegador Internet Explorer será aberta, na barra de endereço digite o endereço eletrônico da aplicação a ser testada e o WebLOAD IDE irá gravar todas as ações que você executar no navegador web. Observe a notificação de gravação na barra de status do WebLOAD IDE, como mostrado na figura 18. IDE, acesse o menu Tools > Open WebLOAD Console para criar um novo modelo de carga. 1. Ao abrir o WebLOAD Console, selecione criar um novo modelo usando o assistente WebLO- AD Console e clique em ok. Avance até chegar à opção Agenda/Mix, como na figura Na tela Agenda/Mix, clique no botão [...] e navegue em seu sistema para localizar a agenda criada anteriormente usando WebLOAD IDE. Selecione a agenda e clique em abrir. 3. Na tela Seleção de Host Selection, note que seu computador é automaticamente listado como o padrão de carga da máquina na coluna Host computers. Porém, o localhost na coluna também é a máquina do usuário. Sendo assim, apenas avance como mostrado na figura 21 e depois avance novamente. 4. Selecione a opção Individual Scheduling. 5. Em Individual Scheduling, na coluna To, coloque o tempo de execução da aplicação de 5 minutos (00 days 00:05:00), e a quantidade de usuários que irá simular a aplicação, depois Figura 18. Notificação de gravação. 3. Suas ações serão gravadas e aparecerão na Agenda Tree do Webload IDE. Se na Agenda Tree houver scripts com links desconhecidos, pode ser que seja tráfego gerado por plug-ins ou extensões do próprio navegador. 4. Quando encerrar as ações, clique em Run > Stop Recording para encerrar a gravação. Em seguida, salve a agenda. Ao final da gravação, sua Agenda pode ser vista como na figura 19. Figura 20. Selecionando a Agenda. Figura 19. Exemplo do script gerado. Configurando um modelo de carga utilizando o Assistente WebLOAD Console Depois de gravar a agenda, no próprio WebLOAD Figura 21. Selecionando Hosts. / 54

8 Análise comparativa Figura 22. Resultados gráficos no WebLoad Analytics. selecione em Append e avance até finalizar o processo de criação de carga. 6. Após concluir a configuração, o teste irá iniciar automaticamente. Análise de resultados de teste com o WebLoad Analytics Você pode ver os resultados dos testes em tempo de execução, ou após a sessão de teste ter sido concluída. Dados sobre a carga (Load Size), Requisições por Segundo (hist. Per second), o tempo de rodada (Round time) e Vazão (throughput) aparecem na janela de exibição de gráfico por padrão, com uma legenda que aparecerá caso você coloque o mouse sobre a linha desejada. Cada ponto de dados representa uma fatia de 20 segundos (que pode ser modificado no canto superior do gráfico). Os gráficos são todos normalizados em escala para que eles possam ser visualizados em uma única janela. Clique com o botão direito do mouse em qualquer ponto de dados para ver mais opções. O WebLOAD Analytics cria relatórios de análise com base em seus dados de sessão. Mesmo depois de completar uma sessão, você pode usar esses dados para criar tantos relatórios predefinidos e personalizados. Você pode criar carteiras, que são conjuntos de relatórios personalizados para rodar em outras sessões. Você também pode exportar relatórios para PDF, Excel, RTF, HTML e TxT. A figura 22 mostra os resultados apresentados pelo WebLoad Analytics. Estes resultados são de fácil interpretação. Possuem barras laterais, mostrando diversas escalas para interpretação dos gráficos, como carga (Load Size) e vazão (Throughput). Na parte inferior da figura, os dados também são mostrados por tipo e momento específico na execução. Figura 23. Tabela comparativa. Considerações finais Ao final deste artigo, esperamos que você tenha compreendido a importância da área de testes de software na sua vida profissional e que ela faz parte do conjunto de práticas necessárias para a qualidade desejada do seu projeto. um componente fundamental da área de teste de software para aplicações web é a utilização de boas ferramentas, pois elas irão otimizar seu processo de teste de uma maneira extremamente eficiente, proporcionando resultados precisos e reais que irão influenciar diretamente no desempenho ou performance de sua aplicação. As duas ferramentas apresentadas cumprem bem os objetivos do teste de desempenho e esperamos que os breves comparativos realizados neste artigo ajudem-nos a realizar uma análise mais detalhada de qual solução é mais adaptada ao negócio da sua empresa. > Syllabus > Site da Radview > Site do Webload > Site do JMeter /referências > Performance Testing Guidance for Web Applications > aspx?wa=wsignin1.0 > TESTE DE SOFTWARE: UMA ABORDAGEM DO MPT.BR CYNTIA MARIA CHABARIBERY MALFA (monografia) > ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBRISO/IEC Engenharia de software Qualidade de produto Parte 1: Modelo de qualidade > MOLINARI, Leonardo. Teste de Software: Produzindo Sistemas Melhores e Mais Confiáveis. 4 ed. São Paulo: Érica, \

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 05 FERRAMENTAS TESTE DE CARGA E GERÊNCIA DE TESTE Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 05 Ferramentas para gerência dos testes Ferramentas

Leia mais

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse Teresina, 28 de maio de 2008 1 Sumário 1. Introdução...03 2. Conceitos Iniciais 2.1 O que é Teste de Software?...04 2.2

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

MANUAL DO PVP SUMÁRIO

MANUAL DO PVP SUMÁRIO Manual PVP - Professores SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 6 2 ACESSANDO O PVP... 8 3 TELA PRINCIPAL... 10 3.1 USUÁRIO... 10 3.2 INICIAL/PARAR... 10 3.3 RELATÓRIO... 10 3.4 INSTITUIÇÕES... 11 3.5 CONFIGURAR... 11

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services Microsoft Corporation Publicação: 14 de março de 2005 Autor: Tim Elhajj Editor: Sean Bentley Resumo Este documento fornece instruções

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB

PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB Sumep Julho/2006 PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB Objetivo

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Demonstre colaboração de Intranet com SharePoint Server 2013 Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas neste documento,

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE

❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE ❶ No Sistema Gênesis, na Aba ESTOQUE a) Checagem de Estoque - Verifique o estoque dos produtos desejados. b) Listar produtos com a quantia de estoque mínimo atingido: ESTOQUE / RELATÓRIO / ALERTA DE COMPRA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software

MANUAL DO ANIMAIL 1.0.0.1142 Terti Software O Animail é um software para criar campanhas de envio de email (email Marketing). Você pode criar diversas campanhas para públicos diferenciados. Tela Principal do sistema Para melhor apresentar o sistema,

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Configurando o IIS no Server 2003

Configurando o IIS no Server 2003 2003 Ser ver Enterprise Objetivo Ao término, você será capaz de: 1. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0 Configurando o IIS no Server 2003 Instalando e configurando o IIS 6.0 O IIS 6 é o aplicativo

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

DRIVE CONTÁBIL NASAJON

DRIVE CONTÁBIL NASAJON DRIVE CONTÁBIL NASAJON Módulo Gestão de Documentos Versão 1.0 Manual do Usuário 1 Sumário Os Módulos do Gerenciador de NFe: Informações Básicas Primeiro Acesso: Requisitos Acesso ao Drive Contábil Nasajon

Leia mais

Como Gerar documento em PDF com várias Imagens

Como Gerar documento em PDF com várias Imagens Como Gerar documento em PDF com várias Imagens Para Gerar documento em PDF com várias Imagens, temos que seguir dois passos: 1. Inserir Imagens no Word 2. Gerar PDF a partir de documento do Word 1- Inserir

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp.

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Após ter criado um diretório virtual, quer seja de http ou de ftp, você pode configurar uma série de opções para este diretório. As configurações

Leia mais

CERTIDÕES UNIFICADAS

CERTIDÕES UNIFICADAS CERTIDÕES UNIFICADAS Manual de operação Perfil Cartório CERTUNI Versão 1.0.0 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Departamento de Inovação Tecnológica Divisão de Tecnologia da Informação Sumário LISTA DE FIGURAS... 2

Leia mais

Atualizaça o do Playlist Digital

Atualizaça o do Playlist Digital Atualizaça o do Playlist Digital Prezados Clientes, Nós da Playlist Software Solutions empresa líder de mercado no desenvolvimento de software para automação de rádios - primamos pela qualidade de nossos

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 09 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima Laboratório de Engenharia e Desenvolvimento de Sistemas LEDS/UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP GUIA DE INSTALAÇÃO Plataforma Windows Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes

Leia mais

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword

Linux. Educacional. Tutorial Buzzword Linux Educacional Tutorial Buzzword Para trabalhar com o programa Buzzword online, é necessário que crie uma conta no site. Para isso acesse o endereço - https://buzzword.acrobat.com/ Para criar uma conta

Leia mais

TUTORIAIS COMO ABRIR UM DNS. Prof. Celso Masotti

TUTORIAIS COMO ABRIR UM DNS. Prof. Celso Masotti TUTORIAIS COMO ABRIR UM DNS Prof. Celso Masotti São Paulo - 2009 A estrutura completa de um nome para navegação é: www.dns.dpn.cctld Não entendeu? E se eu colocar dessa forma? www.parafusos.com.br I -

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com

Servidor IIS. Sorayachristiane.blogspot.com Servidor IIS Servidor IIS IIS Serviço de informação de Internet; É um servidor que permite hospedar um ou vários sites web no mesmo computador e cria uma distribuição de arquivos utilizando o protocolo

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

Tutorial Gerar arquivo PDF. Gerando um documento pdf com várias imagens 1- Inserir imagem no Word

Tutorial Gerar arquivo PDF. Gerando um documento pdf com várias imagens 1- Inserir imagem no Word Tutorial Gerar arquivo PDF. Com o objetivo de simplificar e diminuir o tamanho de arquivos anexos nos projetos, elaboramos um pequeno tutorial mostrando como gerar um único arquivo no formato pdf contendo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR SAF SUL Qd. 02, Bl. E/F, Ed. Premium Torre II Auditório Sala 05 Telefone: (61) 3315 9052

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Hal Zucati Microsoft Corporation Publicado em: Setembro de 2012 Atualizado em: Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 Manual do Usuário Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 1. CONFIGURAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA ACESSO... 4 2 GUIAS... 11 2.1 DIGITANDO AS GUIAS... 11 2.2 SALVANDO GUIAS... 12 2.3 FINALIZANDO UMA GUIA... 13

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Parceiro Oficial de Soluções Zabbix no Brasil

Parceiro Oficial de Soluções Zabbix no Brasil Apresentação A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se ao desenvolvimento e criação de

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Boletim técnico Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Índice Um novo enfoque no teste de desempenho: a solução HP LoadRunner 3 A solução HP LoadRunner e a terminologia dos testes de desempenho

Leia mais

Introdução. Nesta guia você aprenderá:

Introdução. Nesta guia você aprenderá: 1 Introdução A criação de uma lista é a primeira coisa que devemos saber no emailmanager. Portanto, esta guia tem por objetivo disponibilizar as principais informações sobre o gerenciamento de contatos.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

MicrovixPOS Configurações Iniciais do IE e Testes de Desempenho da Internet

MicrovixPOS Configurações Iniciais do IE e Testes de Desempenho da Internet MicrovixPOS Configurações Iniciais do IE e Testes de Desempenho da Internet Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data Autor Descrição 13/06/2012

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O

Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Roteiro de Instalação da NF-e no Sistema CalcExpress S U M À R I O Instalação da Aplicação Java...2 Instalação do Emissor...5 Instalação do Framework...7 Instalação das DLL s URL, SCHEMAS, CADEIA DE CERTIFICADO

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características...5 Configuração necessária para instalação...6 Conteúdo do CD de Instalação...7 Instruções para Instalação...8 Solicitação da Chave de Acesso...22 Funcionamento em Rede...26

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5

Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 Manual do Teclado de Satisfação Online Web Opinião Versão 1.0.5 09 de julho de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Sumário. 1. Instalação GVcollege... 4. 1.1. GVsetup... 4. 1.1.1. Instalação com Banco de dados... 6. 1.2. Configurações... 10

Sumário. 1. Instalação GVcollege... 4. 1.1. GVsetup... 4. 1.1.1. Instalação com Banco de dados... 6. 1.2. Configurações... 10 Sumário 1. Instalação GVcollege... 4 1.1. GVsetup... 4 1.1.1. Instalação com Banco de dados... 6 1.2. Configurações... 10 1.2.1. APS Licence Service... 11 1.2.2. APS Licence File... 11 1.2.3. DBXconfig...

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Publicação de uma pesquisa na web

Publicação de uma pesquisa na web Publicação de uma pesquisa na web Pré-requisitos: Lista das questões Formulário multimídia A publicação de pesquisas na web possibilita que pesquisas sejam respondidas de qualquer computador com acesso

Leia mais

5.3.2.7 Lab - Configurações do Navegador no Windows 7

5.3.2.7 Lab - Configurações do Navegador no Windows 7 5.0 5.3.2.7 Lab - Configurações do Navegador no Windows 7 Introdução Imprima e preencha este laboratório. Neste laboratório, você realizará as configurações do navegador Microsoft Internet Explorer. Equipamento

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Como implantar um Help Desk

Como implantar um Help Desk 7 Passos Como implantar um Oito passos usando Software Sumário Passo 1 - Cadastros Básicos...3 Passo 2 Catálogo de Serviços...4 Passo 3 Base de Conhecimento...5 Passo 4 Níveis de Suporte Técnico...6 Passo

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos

Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Tutorial para acesso ao Peticionamento Eletrônico e Visualização de Processos Eletrônicos Este tutorial visa preparar o computador com os softwares necessários para a utilização dos sistemas de visualização

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Principais Característic

Principais Característic Principais Característic Características as Software para agendamento e controle de consultas e cadastros de pacientes. Oferece ainda, geração de etiquetas, modelos de correspondência e de cartões. Quando

Leia mais

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br

Rua Minas Gerais, 190 Higienópolis 01244-010 São Paulo/SP Brasil Fone (11) 3017.3600 Fax: (11) 3017.3633 www.abnt.org.br GUIA DO VISUALIZADOR SUA EMPRESA ONLINE NO MUNDO DA NORMALIZAÇÃO SUMÁRIO 1 O QUE É ABNTCOLEÇÃO...3 1.1 CONFIGURAÇÕES MINIMAS DESEJAVEL...3 1.1.2 SEGURANÇADE REDE...3 2 COMO ACESSAR A SUA COLEÇÃO...4 2.1

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Testes em aplicações WEB Uma Visão Geral Programa de Capacitação em Testes de Software Desktop system WEB system Ambiente de aplicativo da Web Rede de

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Utilização do MG-Soft Web

Manual de Instalação, Configuração e Utilização do MG-Soft Web Manual de Instalação, Configuração e Utilização do MG-Soft Web V 1.7 www.pinaculo.com.br (51) 3541-0700 Sumário 1. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO MG-SOFT WEB... 3 1.1. INSTALAÇÃO... 3 1.1.1. IIS Express para

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE Manual de Utilização do MSDN-AA Software Center Aracaju/SE 2009 Sumário Apresentação... 3 1. Solicitando ativação no MSDN-AA... 3 2. Acessando o Portal

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft Manual de Instalação e Configuração MG-Soft V 1.5.3 www.pinaculo.com.br (51)3541-0700 Sumário Apresentação... 3 1. Instalando o MG-Soft Server... 3 1.1. Liberar as portas do Firewall... 3 1.2. Autorun...

Leia mais

MANUAL COMPLEMENTAR PARA INSTALAÇÃO DOS SISTEMAS SIM E SINASC EM AMBIENTES COM WINDOWS 7 (32 BITS)

MANUAL COMPLEMENTAR PARA INSTALAÇÃO DOS SISTEMAS SIM E SINASC EM AMBIENTES COM WINDOWS 7 (32 BITS) MANUAL COMPLEMENTAR PARA INSTALAÇÃO DOS SISTEMAS SIM E SINASC EM AMBIENTES COM WINDOWS 7 (32 BITS) Introduçã o Este documento tem como objetivo auxiliar o processo de instalação da versão Local dos Sistemas

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services 3.0

Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services 3.0 Guia passo a passo de introdução ao Microsoft Windows Server Update Services 3.0 Microsoft Corporation Autor: Susan Norwood Editor: Craig Liebendorfer Resumo Este guia fornece instruções para começar a

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Atualizaça o do Maker

Atualizaça o do Maker Atualizaça o do Maker Prezados Clientes, Nós da Playlist Software Solutions empresa líder de mercado no desenvolvimento de software para automação de rádios - primamos pela qualidade de nossos produtos,

Leia mais

GUIA DE INÍCIO RÁPIDO NHS NOBREAK MANAGER 4.0 TOPOLOGIA MÍNIMA DE REDE PARA A INSTALAÇÃO E USO DO SOFTWARE COM GPRS

GUIA DE INÍCIO RÁPIDO NHS NOBREAK MANAGER 4.0 TOPOLOGIA MÍNIMA DE REDE PARA A INSTALAÇÃO E USO DO SOFTWARE COM GPRS GUIA DE INÍCIO RÁPIDO NHS NOBREAK MANAGER 4.0 TOPOLOGIA MÍNIMA DE REDE PARA A INSTALAÇÃO E USO DO SOFTWARE COM GPRS CONFIGURAÇÃO DO GPRS 1. Entre no site da NHS na página de homologação do NHS NOBREAK

Leia mais

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico

SGCD 2.0 Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Sistema Gerenciador de Conteúdo Dinâmico Atualizado em 24/08/2011 No final de 2007, o Serviço Técnico de Informática da UNESP Marília, disponibilizou para a comunidade acadêmica e administrativa o Sistema

Leia mais