Automação de Testes de Desempenho e Estresse com o JMeter

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Automação de Testes de Desempenho e Estresse com o JMeter"

Transcrição

1 Capítulo 1 Automação de Testes de Desempenho e Estresse com o JMeter Ismayle de Sousa Santos, Pedro de Alcântara dos Santos Neto Resumo A atividade de teste é uma das atividades relacionadas à garantia da qualidade de software. Existem vários tipos de testes, mas no cenário atual, em que a maioria dos sistemas está voltada para a Web, os testes de desempenho e estresse têm um destaque especial. É através deles que podemos verificar, dentre outras coisas, a performance e a capacidade de recuperação de falhas do sistema. O custo dos testes, entretanto, é geralmente alto, não sendo raro que esse custo chegue a 40% do esforço total de um projeto. Por isso a importância do uso de ferramentas de automação de testes. O objetivo deste curso é apresentar os conceitos relacionados aos testes de desempenho e estresse, bem como a utilização do JMeter, uma ferramenta de automação apropriada para esse tipo de teste Introdução O desenvolvimento de sistemas de software envolve uma série de atividades em que a possibilidade de injeção de erros são enormes. Por conta disso, o teste de software é um elemento crítico na garantia da qualidade de um produto, atuando como uma revisão final da especificação, desenho e geração de código. Ao realizarmos testes durante o desenvolvimento de software adicionamos valor ao produto, uma vez que o teste corretamente executado tende a descobrir falhas, que devem ser corrigidas, aumentando assim a qualidade e confiabilidade de um sistema [7]. Apesar de sua importância, os testes muitas vezes não são executados visto que a realização dessa atividade é geralmente bastante onerosa em um desenvolvimento. Dependendo do tipo de sistema a ser desenvolvido, ela pode ser responsável por mais de 50% dos custos [7]. Para se ter uma idéia dos custos envolvidos, de acordo com um relatório publicado pelo NIST [6], U$ ,00 é o valor relativo ao custo de falhas em softwares desenvolvidos nos Estados Unidos, apenas em Esse mesmo relatório estima que mais de 37% desse custo (U$ ,00) poderia ter sido eliminado se a infraestrutura para teste fosse melhorada.

2 O teste de software é a verificação dinâmica do funcionamento de um programa utilizando um conjunto finito de casos de teste, adequadamente escolhido dentro de um domínio de execução infinito, contra seu comportamento esperado [3]. Nesse conceito existem alguns elementos chaves: dinâmica: o teste exige a execução do produto, embora algumas de suas atividades possam ser realizadas antes do produto estar operacional; conjunto finito: o teste exaustivo é geralmente impossível, mesmo para produtos simples; escolhido: é necessário selecionar testes com alta probabilidade de encontrar defeitos, preferencialmente com o mínimo de esforço; comportamento esperado: para que um teste possa ser executado é necessário saber o comportamento esperado, para que ele possa ser comparado com o obtido. Com base no que foi exposto anteriormente é possível notar a importância da utilização de ferramentas que automatizem a criação e execução dos testes. Neste trabalho apresentamos uma visão geral sobre os testes de desempenho e estresse, destacando como automatiza-lo a partir do uso da ferramenta JMeter. Utilizamos a seguinte estrutura neste trabalho: na próxima seção apresentamos os conceitos de testes de desempenho e estresse; em seguida, o JMeter e seus principais componentes são descritos; por fim, descrevemos um exemplo da utilização do JMeter em um sistema, além de concluirmos o trabalho com algumas observações relacionadas a tal tipo de teste Testes de Desempenho e Estresse Testes de desempenho consistem em testar um sistema quanto aos seus requisitos de desempenho. Alguns exemplos desses requisitos são[2]: Latência, que é o tempo entre uma requisição e a completude e resposta da operação requisitada; Vazão (throughput), o número de operações que o sistema é capaz de completar em um dado período de tempo; Escalabilidade, a quantidade de usuários simultâneos que o sistema pode lidar; Uso de recursos de máquina, como memória e processamento. Para a correta execução desse tipo de teste é necessário que haja um conjunto bem definido de objetivos para esses requisitos, do contrário, esses testes serão medições cegas [8]. Apesar de um teste de desempenho completo e ideal depender da existência de um sistema totalmente integrado e funcional, no contexto sobre o qual o mesmo irá funcionar, testes de desempenho são freqüentemente aplicados em todos os passos do processo de teste [7]. Isso está fundamentado na máxima que diz que quanto mais cedo uma falha é detectada, mais eficiente e barata é a sua solução, principalmente levando em

3 consideração o fato de que a maioria dos problemas críticos de desempenho advém de decisões feitas em estágios iniciais do ciclo de desenvolvimento do software [2]. Testes de estresse normalmente são feitos juntamente com testes de desempenho, não raro havendo confusão entre os mesmos. Enquanto o teste de desempenho tem como objetivo testar se determinado sistema é capaz de lidar com a carga definida nos requisitos, o teste de estresse consiste em submeter o sistema a situações anormais de uso [5], como grandes quantidades de carga, comportamento anormal de portas em um servidor, redução dos recursos computacionais disponíveis, entradas não realistas de dados. Assim, é possível observar o comportamento do sistema durante essas situações críticas, identificando falhas potencialmente difíceis de serem encontradas em situações normais, mas não toleráveis, como o vazamento de informações confidenciais de um banco de dados em mensagens de erro, por exemplo [1]. Testes de desempenho e estresse geralmente são onerosos. Eles demandam instrumentação de software e hardware, além de testadores hábeis e com bom conhecimento nas ferramentas escolhidas. São testes caros, porém importantes, pois em softwares de médio a grande porte, os principais problemas relatados após a entrega do software estão relacionados à degradação de desempenho ou a incapacidade do sistema de lidar com a vazão exigida. Isso acontece porque é comum o software ser largamente testado quanto à funcionalidade, mas não ter seu desempenho apropriadamente testado [8]. Além disso, com a consolidação dos sistemas Web, questões relativas ao desempenho e comportamento sob estresse ganharam ainda mais visibilidade. Isso porque no contexto de alta competitividade como é o atual, a performance desses sistemas reflete diretamente na satisfação ou não do seu público JMeter O Apache JMeter, cuja tela principal é apresentada na Figura 1.1, é uma aplicação desktop projetada para a realização de testes de desempenho e estresse em aplicações cliente/servidor, tais como aplicações Web. Ele pode ser usado para simular cargas de trabalho em um servidor, rede, aplicações ou mesmo em um objeto, testando sua robustez. O seu desenvolvedor original foi Stefanno Mazzochi, membro da Apache Software Foundation, mas hoje a ferramenta, que é Open Source, é resultado do trabalho de milhares de pessoas [4]. Por ser uma ferramenta inteiramente escrita em Java, o JMeter é compatível com qualquer ambiente capaz de suportar a máquina virtual Java versão 1.4 ou superior. O JMeter também permite a criação de testes para diversos protocolos, como HTTP, JDBC, FTP, SOAP, dentre outros, podendo inclusive ser utilizada para testar objetos implementados em Java. Além de poder ser usado para criação e execução de testes de desempenho e estresse, o JMeter também permite a realização de testes funcionais. Isso é possível graças aos vários tipos de asserções que ele possui e que podem ser usadas para verificar os resultados das requisições enviadas ao objeto de teste. Essas asserções aceitam inclusive expressões regulares, o que lhes agrega mais poder e flexibilidade. No JMeter, a organização dos elementos que compõe o teste é feita através de uma árvore hierárquica, cuja raiz é o Plano de Teste (TestPlan). Na Figura 1.1 é possível

4 Figura 1.1. Tela principal do Apache JMeter. observar a árvore mencionada. Alguns elementos da árvore de teste são hierárquicos, como os Listeners (relatórios) e as Assertions (asserções), pertencendo e referenciando a outros elementos da ordem hierárquica superior. Outros elementos, como os Samplers (requisições), são primariamente ordenados e, portanto, a ordem na qual aparecem verticalmente na árvore determina sua ordem de execução. Essa organização também é refletida no arquivo XML gerado pela ferramenta para a persistência dos elementos. Nesse arquivo, ilustrado na Figura 1.2, cada elemento do script de teste corresponde a um elemento na estrutura XML. Quanto a execução dos testes com o JMeter, ela pode ser feita de duas formas: em uma máquina só ou de forma distribuída, na qual o esforço do teste é distribuído dentre diversas máquinas. A partilha do esforço do teste é uma característica muito importante e muitas vezes necessária para a correta execução dos testes de desempenho e estresse. É através dela que os testadores podem conseguir uma maior fidelidade na recriação de cenários de teste, pois com a distribuição da execução do teste entre várias máquinas evita-se gargalos tanto de processamento quanto de caminhos na rede do sistema sob teste Componentes do JMeter Um Plano de Testes é para o JMeter um conjunto de elementos que descrevem uma série de passos que serão executados. Assim, um teste bem definido geralmente incorpora vários componentes do JMeter. Para adicionar, deletar, copiar ou mover um elemento

5 Figura 1.2. Trecho do arquivo XML gerado pelo JMeter. (componente) de um script de teste, basta clicar com o botão direito do mouse sobre o elemento e escolher a opção desejada. Um componente também pode "conter"outro componente. Nesse caso, diz-se que um é o "filho", o que está a uma hierarquia inferior, e o outro é o "pai", que está em uma hierarquia superior a do filho e com o qual o filho está ligado. Na Figura 1.1, por exemplo, o primeiro "Duration Assertion"é filho da requisição nomeada de "Login", todos os elementos da mesma hierarquia ou inferior ao dessa requisição são filhos do Thread Group, que é por sua vez filho do Test Plan. O JMeter possui vários componentes que podem ser usados na criação dos testes. Essa sessão, entretanto, abordará apenas aqueles mais usados e diretamente ligados à criação e execução de testes automatizados para sistemas Web Elementos Básicos Os elementos denominados aqui como "Básicos", são os componenetes do JMeter que devem estar presentes em todos os testes criados/executados com ele. Os elementos referidos são. Test Plan: componente que representa o plano de teste;

6 WorkBench: é uma espécie de "área de trabalho". Assim, todos os elementos que forem seu filho não serão executados: eles são utilizados apenas como área de armazenamento temporário, para a composição do teste; Thread Group: contém a configuração do grupo de usuários virtuais, onde cada usuário corresponde a uma thread que é lançada e controlada pelo JMeter e que simula a navegação do usuário na aplicação sob teste. Os dois primeiros elementos citados anteiormente estão presentes no script de teste desde o momento em que o JMeter é iniciado. Já o Thread Group deve ser adicionado manualmente. A primeira ação a ser feita após a adição do Thread Group é configurar o Test Plan, ilustrado na Figura 1.3. Figura 1.3. Test Plan - plano de teste Nele é possível definir um nome identificador para o Plano do Teste, adicionar comentários, criar variáveis globais, que são visíveis por todas as requisições do plano de teste em questão, além de permitir a definição de parâmetros ou comportamentos comuns a todos os testes. Além disso, o Test Plan contém duas caixas de seleção (checkbox): "Functional Testing", que se selecionada faz com que o JMeter grave os dados retornados do servidor para cada requisição feita. Essa opção interfere significamente no desempenho da ferramenta e, portanto, não deve estar marcada no caso de um teste de desempenho ou estresse.

7 "Run each Thread Group separately", com o qual pode-se definir se os grupos de usuários virtuais serão executados simultaneamente ou sequencialmente. Como supracitado, o Thread Group, ilustrado na Figura 1.4, representa um grupo de usuários virtuais. Podemos ter vários Threads Groups ligados ao Test Plan, e todos os outros elementos, com exceção do WorkBench, devem ser adicionados como filho de algum Thread Group. Figura 1.4. Thread Group - grupo de usuários virtuais Na criação de testes com o JMeter, após configurar o Test Plan, o testador deve configurar o Thread Group, ou seja, deve definir suas propriedades. "Number of threads": o número de threads que executarão os testes, ou seja, o número de usuários virtuais. Cada thread irá executar o plano de teste de forma independentemente das outras threads que estão executando, por isso threads múltiplas são usadas para simular conexões concorrentes na aplicação sob teste; "Ramp-Up Period": define a frequência de lançamento das threads. Se forem definidas 10 threads e um ramp-up de 100s, então o JMeter levará 100s para iniciar todas as threads, ou seja, uma thread será iniciada a cada 10s. "Loop Count": define quantas vezes o plano de teste será executado. Logo, caso seja marcado o checkbox "Forever", o teste entrará em execução infinta e o valor definido no Loop Count será desconsiderado.

8 "Scheduler": através do qual pode-se definir um horário para o início e término da execução dos testes. Ao contrário das citadas anteriormente, a configuração dessa propriedade é opcional Sampler Samplers são componentes que representam cada requisição que o JMeter fará ao servidor quando o plano de teste for executado. No caso de um sistema Web, cada operação ou mudança de página corresponde a uma requisição. O JMeter contém vários tipos de Samplers, como por exemplo, FTP Request, HTTP Request, JDBC Request, dentre outros. Cada Sampler contém várias propriedades que podem ser configuradas. Como o objetivo deste artigo é apresentar a automação de testes de desempenho e estresse para aplicações web, apresentamos a seguir apenas o HTTP Request (Requisição HTTP) HTTP Request O HTTP Request permite o envio de requisições HTTP/HTTPS ou arquivos para um servidor Web. Na Figura1.5 apresentamos um exemplo de um HTTP Request adicionado a um Plano de Teste. Figura 1.5. HTTPRequest - Requisição HTTP Dentre as propriedades desse elemento podemos destacar:

9 "Name": o nome da requisição; "Server": URL ou endereço ip do servidor Web; "Port": a porta a ser usada. Por default ela já está configurada como 80. "Protocol": define se a requisição é HTTP, HTTPS or FILE (para enviar arquivo ao servidor); "Method": define o método de submissão dos dados. Os principais métodos são o GET, no qual os dados são enviados na própria URL, e POST, onde os dados são enviados "ocultamente"na requisição, ou seja, não são visíveis na URL; "Path": o path da página testada; "Send Parameters With the Request": no qual adicionamos todos os parâmetros e os seus respectivos valores para serem enviados junto com a requisição; Logic Controllers Os Logic Controllers são usados para alterar a execução do plano do teste. Com eles é possível, por exemplo, selecionar qual requisição será enviada dentre um conjunto de requisições, repetir a execução de requisições e executar requisições somente sob certas condições. Serão apresentados aqui os principais controladores lógicos: "Simple Controller", "Loop Controller", "Once only Controller", "Interleave Controller" e "If Controller" Simple Controller Os Simple Controllers são elementos que não causam nenhuma alteração na execução dos testes, sendo utilizado somente para organizar a árvore do plano de teste. Com ele o usuário pode agrupar Samplers e outros elementos de forma a deixar o teste mais organizado e inteligível. Uma ilustração dessa situação pode ser visualizada na Figura 1.6, onde três Simpler Controller são usados para agrupar as requisições de forma a permitir a fácil identificação de quais delas são executadas em cada um dos dois casos de uso, Login ou Usuario, do sistem sob teste Loop Controller O Loop Controller (Figura 1.7) é o componente no qual é possivel determinar quantas vezes um certo grupo de requisições deve ser executado. Esse elemento atua independentemente da propriedade "Loop Count"do Thread Group. Assim, se o plano de teste foi configurado para ser executado três vezes e existe uma "requisição A"que está como filho de um Loop Controller configurado para ser executado 2 vezes, então a requisição em questão será executada 3 2 = 6 vezes.

10 Figura 1.6. SimpleController - Controlador Simples Figura 1.7. LoopController - Controlador de Loop Once Only Controller O Once Only Controller, ilustrado na Figura 1.8, permite que as requisições controladas por ele, assim como seus filhos, sejam executados uma única vez por cada thread. Dessa forma, a requisição que está sobre o efeito desse elemento só será executada na primeira iteração do teste. Testes que requerem um único login para estabelecer a sessão podem ser criados utilizando uma requisição que faça o login como filho de um Once Only Controller. Assim, o login só é executado apenas uma vez por cada thread.

11 Figura 1.8. OnceOnlyController - Controlador de execução única Interleave Controller O Interleave Controller é usado para alternar entre seus filhos a cada iteração, com base na ordem em que eles estão dispostos. No exemplo ilustrado na Figura 1.9, apresentamos um teste que foi configurado para iterar duas vezes, tendo a seguinte sequência de execução: Requisição A, Requisição B, Requisição A, Requisição C. Figura 1.9. InterleaveController - Controlador de Alternância O JMeter também possui o Random Controller, que é similar ao Interleave Controller. A única diferença entre eles é o fato desse não alternar entre as requisições com base na ordem em que foram colocadas. O Random Controller simplesmente escolhe aleatoriamente um dos seus filhos a cada iteração If Controller Com o If Controller é possível colocar uma condição que será avaliada para definir se o seu filho vai ser executado ou não. No exemplo ilustrado na Figura 1.10, a "requisição A"só será executada se a variável "var"tiver valor menor que 10. É importante observar também como é feita a referência a variáveis no JMeter: devemos utilizar o nome da variável (var) entre chaves e precedida de cifrão ($).

12 Figura ifcontroller - Controlador IF Listeners Para visualizar os resultados dos testes é necessário adicionar um Listener ao plano de teste. Os Listeners capturam os dados das informações durante a execução dos testes e criam relatórios e gráficos com os resultados obtidos. Além de exibir os resultados, os listeners também possibilitam a geração de um arquivo, que pode ser inclusive uma planilha eletrônica, contendo tais resultados. Existem vários tipos de Listeners, mas apenas três serão abordados a seguir : "View Results Tree", "Assertion Results" e "Graph Results" View Results Tree O View Results Tree é um listener que mostra uma árvore com as respostas de todos os samplers, permitindo assim que o testador veja o resultado de cada sampler que foi executado. Através dele, o usuário também toma conhecimento do tempo gasto para obtenção da resposta, além de outras informações associadas à requisição, como por exemplo, a URL acessada e os parâmetros enviados. Esse elemento também permite visualizar o resultado de várias formas diferentes, como por exemplo, no formato texto, HTML ou XML. A Figura 1.11 ilustra a utilização desse listener. A partir da figura podemos observar que esse Listener é ideal para visualizar o que exatamente o usuário final deveria de acordo com cada requisição Assertion Results O Assertion Results permite uma visualização do resultado das asserções que falharam. Além de indicar qual requisição teve falha na asserção, ele indica qual asserção falhou (Response ou Duration), e o porquê da falha. No exemplo ilustrado na Figura 1.12, por exemplo, ele mostra que o Response Assertion da "requisição A"falhou, pois ele procurou pela palavra "teste"e não a encontrou na página resultante da execução dessa requisição Graph Results O Graph Results, ilustrado na Figura 1.13, gera um gráfico que plota os tempos de todas as requisições, o desvio padrão, a média e a taxa de requisições realizadas por segundo. O

13 Figura View Results Tree - Visualizador dos Resultados em árvores Figura Assertion Results - Visualizador dos Resultados das Asserções testador tem a possibilidade de optar por quais desses dados ele quer visualizar no gráfico e esse Listener, assim como os outros, permite a indicação de um arquivo para exportar a visualização gerada Configurations Elements Os Configurations Elements são elementos que podem adicionar ou modificar dados das requisições. Os principais Configurations Elements utilizados em testes para aplicações Web são o "HTTP Cookie Manager", usado para manter a sessão, e o "HTTP Request

14 Figura Graph Results - Visualizador dos Resultados em um Gráfico Defaults", para definir o servidor que será usado por todas as HTTP Requests da sua hierarquia ou inferior HTTP Cookie Manager Esse elemento, ilustrado na Figura 1.14, pode ser usado de duas formas: sem preencher nenhum valor ou configurando o Cookie manualmente. No primeiro caso, esse componente guarda e envia os cookies como um browser e atua como se houvesse um Cookie Manager para cada thread. Isso quer dizer que após o JMeter receber a resposta de uma requisição, se ela contiver um cookie, esse será armazenado e enviado para as próximas requisições para o mesmo site. Já no segundo, quando o testador adiciona manualmente um cookie, o Cookie Manager servirá para compartilhar o mesmo cookie entre todas as threads.

15 Figura HTTP Cookie Manager - Gerenciador do Cookie de requisições HTTP HTTP Request Defaults Esse elemento permite a definição de propriedades para serem utilizados por todos os HTTP Request da sua mesma hierarquia ou e, uma hierarquia inferior. Se um teste contiver, por exemplo, 30 requisições para um mesmo site, então elas provavelmente acessarão o mesmo servidor. Assim, ao invés de definirmos em cada HTTP Request o servidor, colocamos o endereço do servidor apenas no HTTP Request Defaults, ilustrado na Figura 1.15, restanto às HTTP Requests definir apenas os path e os parâmetros das páginas testadas. Figura HTTP Request Defaults - Padrão das Requisições HTTP

16 Assertions Os Assertions permitem a validação das respostas recebidas do servidor que está sendo testado. Com as assertions, o testador obtém a certeza de que a aplicação está retornando o resultado esperado. Isso porque ela faz com que o JMeter procure determinado texto dentro do conteúdo retornado de uma requisição. Se o texto não for encontrado a asserção falhará. Em testes para servidores Web, duas assertions são muito utilizadas: "Response Assertion"e "Duration Assertion" Response Assertion O Response Assertion faz com que o JMeter procure por um determinado texto, definido pelo testador, na requisição obtida como resposta. A procura por esse texto é feito utilizando-se o sistema de expressão regular presente na ferramenta. Caso o texto não seja encontrado, a asserção falhará e aparecerá no Assertion Results em vermelho, aparecendo destacado no View Results Tree, caso esses elementes estejam adicionados a um plano de teste. Na Figura 1.16, por exemplo, temos uma Response Assertion que possui um único objetivo, que é encontrar a palavra "teste"na reposta da requisição a qual ele está associado. Figura Response Assertion - Asserção na Resposta Duration Assertion O Duration Assertion, ilustrado na Figura 1.17, é usado para definir o tempo máximo que o sistema tem para responder a uma requisição. Caso a obtenção da resposta demore mais que o tempo definido, a asserção falhará. Essa assertion é muito utilizada, pois a partir dela podemos verificar o atendimento a um dos principais requisitos de desempenho: o tempo de resposta das requisições.

17 Figura Duration Assertion - Asserção do Tempo de Resposta Timers Por default, o JMeter envia as requisições das threads sem pausar um tempo entre elas. Isso significa que as requisições serão disparadas rapidamente, uma seguida da outra. Como os usuários sempre analisam os resultados obtidos antes de executar a próxima ação, Timers devem ser usados para simular paradas entre as requisições, tornando-as mais realistas. Existem vários tipos de timers, mas para simplificar, apresentamos aqui apenas o mais simples deles, o "Constant Timer", ilustrado na Figura Esse timer define o tempo em milisegundos que cada thread deve aguardar entre as requisições. Figura Constante Timer - Tempo constante entre as requisições Pre-Processors Um Pre-Processor é um elemento que executa certas ações antes da requisição ser enviada. Eles são utilizados para modificar características ou atualizar valores de variáveis das requisições antes que estas sejam executadas. Dentre os Pre-Processors disponíveis temos o Counter, ilustrado na Figura 1.19, que representa um contador que pode ser referenciado em qualquer lugar do Plano de Testes. Ele pode ser usado, por exemplo, para colocar um valor único em um certo campo em cada iteração. Para isso, basta colocar como valor desse campo uma string qualquer seguido da referência à variável que contém o valor do contador, o "Reference Name"do contador. Suponhamos, por exemplo, que temos como parâmetro de uma requisição, um campo com nome "login", cujo valor deve ser único toda vez que essa requisição for executada. Uma possível solução seria acrescentar um contador, definir suas propriedades (valor inicial, vamor máximo, incremento, nome da

18 variável) e colocar "login${cont}", onde "cont"é o nome da variável do contador, como valor do campo "login". Figura Counter - Contador Post-Processors Um Post-Processor é um elemento que executa uma ação depois que uma requisição é executada. Geralmente eles são utilizados para processar os dados recebidos da requisição e os seus resultados são utilizados para modificar as requisições seguintes. Dentre os Post-Processors, destacamos o Regular Expression Extractor, ilustrado na Figura 1.20, que permite ao testador extrair valores da resposta proveniente do servidor a partir de expressões regulares. Figura Regular Expression Extractor - Extrator de Expressões Regulares 1.5. Criando testes de desempenho e estresse automatizados Esta sessão tem por objetivo apresentar um pequeno exemplo de utilização da ferramenta para a automação de testes de desempenho e estresse de um sistema Web. O objeto de teste referido é uma parte de um gerador (sistema) de páginas Web para usuários leigos. A função desse gerador é tornar simples a criação de páginas, seguindo um formato préestabelecido. Os usuários do sistema podem criar menus laterais, notícias, destaques,

19 usuários para administrar as páginas e links para outras páginas e arquivos. Esse sistema possui no total 8 casos de uso, mas iremos abordar aqui apenas o caso de uso Usuários, que corresponde as operações de inclusão, alteração, busca e remoção de um usuário desse sistema. Para iniciar a criação desse teste, primeira coisa a ser feita é a inserção do Thread Group e configuração do nosso Test Plan. Com base nos requisitos definidos para esse sistema, configuramos o teste para 100 usuários simultâneos a serem disparados em 50 segundos. Também colocamos o teste para repetir por três vezes, para assim confirmarmos os padrões de comportamento do sistema, como por exemplo, a identificação de que certa operação sempre demora mais que o esperado. Para mantermos o teste organizado adicionamos quatro Simpler Controllers, cada um nomeado com a operação cujas requisições filhos irão realizar. O resultado pode ser visualizado na Figura Figura Plano de Teste do caso de uso Usuário Em seguida, adicionamos os listeners, o View Resulsts in Tree e o Graph Results. E como os testes seriam todos para um mesmo servidor, acrescentamos também o HTTP Request Defaults, configurando-o com o endereço do servidor que será testado e o HTTP Cookie Manager, pois para acessar o sistema é preciso logar e é necessário manter a sessão do usuário logado para permanecer no sistema. O estado do Test Plan com essas cofigurações é ilustrado na Figura Por fim, basta colocar as requisições que realizam as operações, bem como as asserções para verificar o atendimento aos requisitos de desempenho. Primeiro criamos a requisição "Login", cuja função é fazer o usuário virtual logar na página. Como já tinhamos configurado o HTTP Request Default, só precisamos agora definir o path e os parâmetros da página testada, que no caso da requisição "Login"são os campos login e senha. Existem caraterísticas importantes que devem ser observadas nesse ponto. Em primeiro lugar, o path supracitado não é qualquer path do sistema. O path em questão é o path que tratará os dados provenientes da requisição. Logo, para a configuração correta, muitas vezes é necessário olhar o código-fonte da página ou algum documento que tenha

20 Figura Plano de Teste do caso de uso Usuários com as configurações gerais toda a configuração dela, a fim de descobrir qual página receberá aqueles dados. Na página de login do usuário, por exemplo, verificamos que a página que trata os dados é a própria página que os recebe. Assim, o path dessa requisição é o mesmo path onde o usuário insere os dados. Isso pode ser facilmente visualizado através do código-fonte da página onde o usuário insere o login e a senha, ilustrado na Figura Nele observamos que a ação do formulário que recebe o login e a senha está em branco, oncluindo então que ela própria recebe e trata o login e a senha. Outro detalhe que merece ser mencionado está relacionado aos re-direcionamentos de alguns sistemas Web. No sistema utilizado neste trabalho, por exemplo, quando o usuário efetua a operação de login, o sistema redireciona para a mesma página, se o login falhar, ou para a página principal caso o login seja bem sucedido. O problema é que se a opção Follow Redirects não estiver marcada, o JMeter não "seguirá"esse redirecionamento e, portanto, continuará na mesma página para o qual os dados foram enviados. Assim, devemos desmarcar a opção Redirect Automatically, que não segue os re-direcionamentos que vem como resposta de uma requisição, e marcar a opção Follow Redirects. Além disso, devemos colocar como método de submissão aquele utilizado pela página (GET,POST,...) e adicionar os parametros necessários. No nosso exemplo, a partir do código-fonte, ilustrado na Figura 1.23, identificamos que o método utilizado é o POST e observamos que os campos necessários não eram somente "login"e "senha". Para o correto funcionamento da requisição é necessário colocar também o campo "enviado". Isso porque os campos hidden são usados pela página para identificar a submissão de

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 05 FERRAMENTAS TESTE DE CARGA E GERÊNCIA DE TESTE Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 05 Ferramentas para gerência dos testes Ferramentas

Leia mais

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse Teresina, 28 de maio de 2008 1 Sumário 1. Introdução...03 2. Conceitos Iniciais 2.1 O que é Teste de Software?...04 2.2

Leia mais

Utilizando JMeter para realizar testes de carga em aplicações Web. Robinson Castilho castilho@bacarin.com.br Bacarin Software Ltda JUGMS

Utilizando JMeter para realizar testes de carga em aplicações Web. Robinson Castilho castilho@bacarin.com.br Bacarin Software Ltda JUGMS Utilizando JMeter para realizar testes de carga em aplicações Web Robinson Castilho castilho@bacarin.com.br Bacarin Software Ltda JUGMS Agenda Apresentação Motivação Visão Geral JMeter Principais elementos

Leia mais

Os custos da realização dos Testes de Desempenho e Estresse

Os custos da realização dos Testes de Desempenho e Estresse Os custos da realização dos Testes de Desempenho e Estresse Iure de Sousa Fé 1, Ismayle de Sousa Santos 1, Pedro de Alcântara dos Santos Neto 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade

Leia mais

Manual de Utilização da Ferramenta JMeter

Manual de Utilização da Ferramenta JMeter FAPEG UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA PAPPE INTEGRAÇÃO Manual de Utilização da Ferramenta JMeter Goiânia 2013 Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons

Leia mais

JMeter x WebLoad. Uma análise de duas soluções para execução de testes de desempenho para você decidir qual é a melhor para sua empresa.

JMeter x WebLoad. Uma análise de duas soluções para execução de testes de desempenho para você decidir qual é a melhor para sua empresa. JMeter x WebLoad_ Ferramentas para Teste de Desempenho JMeter x WebLoad Uma análise de duas soluções para execução de testes de desempenho para você decidir qual é a melhor para sua empresa. O artigo fornece

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp.

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Após ter criado um diretório virtual, quer seja de http ou de ftp, você pode configurar uma série de opções para este diretório. As configurações

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

4 Metodologia e Implementação

4 Metodologia e Implementação 4 Metodologia e Implementação Como estudado no capítulo 3, as redes IEEE 802.11b possuem diversas vulnerabilidades decorrentes da fragilidade dos mecanismos de autenticação, confidencialidade e integridade

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Testes em aplicações WEB Uma Visão Geral Programa de Capacitação em Testes de Software Desktop system WEB system Ambiente de aplicativo da Web Rede de

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Análise Comparativa de Ferramentas de Teste para Aplicações em Banco de Dados

Análise Comparativa de Ferramentas de Teste para Aplicações em Banco de Dados Análise Comparativa de Ferramentas de Teste para Aplicações em Banco de Dados Cynthia G. Pierazo¹, Letícia B. M. Rodrigues¹, Hélio R. Soares ¹, Sônia P. Santana¹ 1 Instituto de Informática Centro Universitário

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Manual do Instar Mail Sumário

Manual do Instar Mail Sumário Manual do Instar Mail Sumário 1 - Apresentação do sistema... 2 2 - Menu cliente... 2 3 - Menu Importação... 5 4 - Menu Campanhas... 9 5 - Menu banco de arquivos... 16 6 - Menu agendamento... 16 7 - Menu

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

TestExpert A sua comunidade de teste e qualidade de software

TestExpert A sua comunidade de teste e qualidade de software TestExpert A sua comunidade de teste e qualidade de software Início Blogs Blog de eudescosta Ferramenta de Testes: JMeter ter, 17/06/2008-08:53 eudescosta V ou falar agora um pouco sobre o jmeter, uma

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha

Desenvolvimento WEB II. Professora: Kelly de Paula Cunha Desenvolvimento WEB II Professora: Kelly de Paula Cunha O Java EE (Java Enterprise Edition): série de especificações detalhadas, dando uma receita de como deve ser implementado um software que utiliza

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais

Consultar Tabelas Administrativas

Consultar Tabelas Administrativas STN Coordenação-Geral de Sistemas e Tecnologia de Informação Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Secretaria do Tesouro Nacional STN Documentação de Serviços de Interoperabilidade

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Manual da Ferramenta Metadata Editor

Manual da Ferramenta Metadata Editor 4 de março de 2010 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 3 3 Visão Geral 3 3.1 Instalação............................. 3 3.2 Legenda.............................. 4 3.3 Configuração Inicial........................

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento pode conter

Leia mais

MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste

MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste Agosto - 2005 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO...3 2 APLICAÇÃO...3 3 ESTRUTURA DO ROTEIRO...3 4 DESCRIÇÃO DO ROTEIRO...4 4.1 PLANEJAR

Leia mais

Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar

Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiatecnicasteste.odt Número de páginas: 22 Versão Data Mudanças Autor 1.0 17/09/07 Criação. Ariel

Leia mais

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras 1. Introdução O que é a Consulta ao SCR via Web Service? A consulta ao SCR via Web Service permite a consulta da posição consolidada

Leia mais

MANUAL DO INSTAR-MAIL 1.0. Pagina de login e senha do Instar-Mail

MANUAL DO INSTAR-MAIL 1.0. Pagina de login e senha do Instar-Mail 1º Passo: Acesse o seguinte endereço http://www.smtp.com.br/sg/cliente/logar.php MANUAL DO INSTAR-MAIL 1.0 2º Passo: Será apresentada uma tela solicitando o seu login e senha: Sendo assim: Digite o seu

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c

manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c manual Versão 0.3 Português do Brasil (Brazilian Portuguese) FunTester 0.7c Versões deste documento 0.3 Melhoria da Introdução; Descritos detalhes sobre Instalação e Extensões de Arquivos; Descritos tópicos

Leia mais

Proxy. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama

Proxy. Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama Krishna Tateneni Tradução: Lisiane Sztoltz Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Proxies 4 1.1 Introdução.......................................... 4 1.2 Uso..............................................

Leia mais

IMPORTANTE: O PNM4R2 não entra em estado funcional enquanto o Windows não

IMPORTANTE: O PNM4R2 não entra em estado funcional enquanto o Windows não Manual Instalação Positivo Network Manager Versão 4R2 para Integradores O produto Positivo Network Manager Versão 4R2 (PNM4R2) consiste de uma plataforma do tipo cliente servidor, sendo o cliente, os microcomputadores

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB

PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB Sumep Julho/2006 PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB Objetivo

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

JWebTester - Ferramenta para Testes de Aceitação Automatizados em Aplicações Web

JWebTester - Ferramenta para Testes de Aceitação Automatizados em Aplicações Web JWebTester - Ferramenta para Testes de Aceitação Automatizados em Aplicações Web Marcelo Aita Riss 1, João Carlos Damasceno Lima 2, Iara Augustin 2, Julio Correa 1, Tiago Antônio Rizzetti 2, Edmar Araujo

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Manual do Software: UFV BEER GAME. [Jogue sem moderação] Versão 1.4

Manual do Software: UFV BEER GAME. [Jogue sem moderação] Versão 1.4 Manual do Software: UFV BEER GAME [Jogue sem moderação] Versão 1.4 Como ler esse manual: Esse manual está dividido em duas partes. Na primeira parte é apresentada uma descrição do Beer Game (Jogo da Cerveja)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO DE LABORATÓRIO / ÁREA INFORMÁTICA 26. Considerando o sistema de numeração Hexadecimal, o resultado da operação 2D + 3F é igual a: a) 5F b) 6D c) 98 d) A8 e) 6C 27. O conjunto

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento Profissional em Teste de Software

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento Profissional em Teste de Software TERMO DE REFERENCIA Prestação de Serviços de Treinamento Profissional em Teste de Software Junho 2013 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviço(s) de treinamento de em Teste de Software

Leia mais

Características do Software

Características do Software Questionamentos Por que tanta demora para entregar? Por que os prazos se atrasam? Por que os custos são altos? Por que não achar todos os erros antes de entregar? Por que dificuldade em medir o progresso

Leia mais

Arquitetura de uma Webapp

Arquitetura de uma Webapp Arquitetura de uma Webapp Arquitetura J2EE Containers e componentes MVC: introdução Frederico Costa Guedes Pereira 2006 fredguedespereira@gmail.com Plataforma J2EE World Wide Web e a Economia da Informação

Leia mais

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR

MANUAL E DICAS ASSISTENTE VIRTUAL (AV) ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 POR MANUAL E DICAS DO ASSISTENTE VIRTUAL (AV) POR ADS DIGITAL (WWW.ADSDIGITAL.COM.BR) VERSÃO DO ASSISTENTE VIRTUAL: 1.3.1 ÍNDICE Introdução...3 Requisitos e Restrições do Assistente...3 Diferenças da Versão

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

2ª Parte Objetivos do Teste

2ª Parte Objetivos do Teste 2ª Parte Objetivos do Teste O teste de software geralmente é conduzido por objetivos, que podem ou não ser claros Diferentes propriedades podem ser verificadas Teste Funcional Ø Também conhecido como teste

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações

Sistemas de Telecomunicações Departamento de Engenharia Electrotécnica Sistemas de Telecomunicações 2014/2015 Trabalho 1: Aplicação sobre sockets procurador web Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores http://tele1.dee.fct.unl.pt

Leia mais

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A

Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Manual Digifort Evidence Versão 1.0.1 Rev. A Índice ANTES DE VOCÊ COMEÇAR... 4 PRÉ-REQUISITOS... 4 SCREEN SHOTS... 4 A QUEM SE DESTINA ESTE MANUAL... 4 COMO UTILIZAR ESTE MANUAL... 4 Introdução... 5 INSTALANDO

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Guia de Inicialização para o Windows

Guia de Inicialização para o Windows Intralinks VIA Versão 2.0 Guia de Inicialização para o Windows Suporte 24/7/365 da Intralinks EUA: +1 212 543 7800 Reino Unido: +44 (0) 20 7623 8500 Consulte a página de logon da Intralinks para obter

Leia mais

Web Design Aula 11: Site na Web

Web Design Aula 11: Site na Web Web Design Aula 11: Site na Web Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Criar o site em HTML é interessante Do que adianta se até agora só eu posso vê-lo? Hora de publicar

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

J820. Testes de interface Web com. HttpUnit. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org)

J820. Testes de interface Web com. HttpUnit. argonavis.com.br. Helder da Rocha (helder@acm.org) J820 Testes de interface Web com HttpUnit Helder da Rocha (helder@acm.org) O que é HttpUnit API Java para comunicação com servidores HTTP Permite que programas construam e enviem requisições, e depois

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 04 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 04 Automação de testes funcionais Ferramentas

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Índice Resumo sobre este documento... 3 Integrando o IBM HTTP Server com o IBM WebSphere Application Server... 3

Leia mais

O atacante pode roubar a sessão de um usuário legítimo do sistema, que esteja previamente autenticado e realizar operações que o mesmo poderia.

O atacante pode roubar a sessão de um usuário legítimo do sistema, que esteja previamente autenticado e realizar operações que o mesmo poderia. Explorando e tratando a falha de Cross-site-scripting (XSS) 1 D E D E Z E M B R O D E 2 0 1 5 Muito pouco falada e com alto nível crítico dentro das vulnerabilidades relatadas, o Cross-site-scripting (XSS)

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Linguagem de Programação III Aula 2 Revisão Parte II

Linguagem de Programação III Aula 2 Revisão Parte II Linguagem de Programação III Aula 2 Revisão Parte II Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) Campus Charqueadas Revisão de PHP

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal)

Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Manual de Utilização do PLONE (Gerenciador de página pessoal) Acessando o Sistema Para acessar a interface de colaboração de conteúdo, entre no endereço http://paginapessoal.utfpr.edu.br. No formulário

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri

Criação de Applets com o JBuilder Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Apresentar o processo de criação em uma interface gráfica para a Internet; Fornecer subsídios para que o aluno possa compreender onde aplicar Applets; Demonstrar a criação de uma Applet

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso

Se observarmos nos diferentes livros. Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Planejamento de Testes a partir de Casos de Uso Arilo Cláudio Dias Neto ariloclaudio@gmail.com É Bacharel em Ciência da Computação formado na Universidade Federal do Amazonas, Mestre em Engenharia de Sistemas

Leia mais

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS

CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA CONTRA CONTROLE DE ACESSOS E MODULARIZADOR DE SISTEMAS MANUAL

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais