@IJ)J fa l!ll. Pagina 1 de 23

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "@IJ)J fa f @ l!ll. Pagina 1 de 23"

Transcrição

1 fa l!ll Pagina 1 de 23

2 Histórico das Revisões N.ºRevisão Data Descrição Página 2 de 23

3 /08/06 24/02/07 10/08/07 1º/05/2011 Emissão inicial Primeira revisão Correção ortográfica Segunda revisão Análise crítica dos procedimentos Terceira revisão - Atualizada Página 3 de 23

4 Elaborado: 1º/05/2012 Superintendente e ou Gerente da unidade Análise Crítica e aprovação Representante de direção 1º/05/2012 Revisado: Gerente da Qualidade 1º/05/2012 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO...04 II III. O QUE QUER DIZER ISO?...06 IV. VAMOS SABER UM POUCO DA HISTÓRIA DA SECTEC...06 V. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA SECTEC...08 VI. ESTRUTURA DE RESPONSABILIDADES...10 VII. VISÃO GERAL DA SECTEC...11 VIII. ESCOPO E PADROES APLICAVEIS ( REQUISITOS LEGAIS)...12 IX. DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DA SECTEC...12 Página 4 de 23

5 X. DESCRIÇÃO E INTERAÇÃO DOS PROCESSOS...14 XI. MACROFLUXO DOS PRINCIPAIS PROCESSOS...16 XII. ESTRUTURA DA DOCUMENTAÇÃO...18 I. APRESENTAÇÃO Caro colega, Este é o Manual da Qualidade! Instrumento desenvolvido e definido, para assegurar a nossos clientes, internos e externos, níveis de qualidade e confiabilidade compatíveis com a expectativa dos mesmos. O Sistema de Gestão da qualidade está sendo operacionalizado através da norma ISO 9001:2000 desde Setembro de A implantação da norma é realizada pela equipe da Gerência da Qualidade e pelo Representante da direção que são os responsáveis diretos pela aplicação do Sistema de Gestão da Qualidade e que por isso, tem autoridade e responsabilidade para assegurar que os Página 5 de 23

6 requisitos deste manual sejam implementados e mantidos, através da delegação da Alta direção. Página 6 de 23

7 O conjunto de procedimentos da qualidade, instruções de trabalho, mapeamentos de processos, e manuais, bem como os todos os demais documentos da qualidade que envolvem toda a organização, estão definidos neste manual, para garantir que as atividades sejam realizadas de uma forma planejada e controlada. O desafio atual da implantação do sistema de gestão da qualidade no setor público é manter um novo modelo de administração pública, baseado na humanização e descentralização dos serviços, facilitando o acesso da população aos mesmos, resgatando a cidadania dos usuários, bem como, tornando-os participantes nas tomadas de decisões que afetam suas vidas. Portanto, para se adequar às novas exigências do mercado, torna-se indispensável modernizar a forma de administrar com foco no cliente, visando humanizar o atendimento com a presteza necessária, visto que, o cliente, consciente dos seus direitos, passa a exigir do modelo tradicional de atendimento, serviços de melhor qualidade e rapidez na solução de seus problemas e/ou necessidades. Com este documento queremos oferecer a todos, os conceitos, as normas e os benefícios do Sistema de Gestão da Qualidade com base na ISO 9001:2000, visando propiciar uma atuação ativa e constante, que tenha influência direta no aprimoramento profissional, e na manutenção da Política da Qualidade da SECTEC. Bem vindo ao nosso sistema! Página 7 de 23

8 NBR ISO 9001:2000 Mauro Netto Faiad Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia II. O Sistema de Gestão da Qualidade são atividades coordenadas para orientar e controlar uma organização em relação à qualidade. Página 8 de 23

9 Qualidade é qualquer coisa que possa ser melhorada, seja para aumentar a eficiência humana, diminuir os re-trabalhos, melhorar os resultados, minimizar as perdas, melhorar o atendimento ou conquistar e manter mercados. Qualidade é uma palavra chave que está hoje em toda a parte, em todos os setores em todas as atividades, em todo o mundo. É o conjunto de características e formas de um produto ou serviço que é capaz de atender as necessidades e expectativas do cliente. É a satisfação total do cliente. III. O QUE QUER DIZER ISO? ISO significa Organização Internacional para Normalização (International Organization for Standardization) localizada em Genebra, Suíça. A sigla ISO é uma referência à palavra grega ISO, que significa igualdade. ISO é um sistema de gestão da qualidade aplicável a toda e qualquer organização com o objetivo de aumentar a satisfação dos clientes através da gerência de processos, a ISO 9001:2000 define qualidade como o grau no qual um conjunto inerente de características atende a requisitos. A norma ISO 9001 permite maior controle sobre os resultados do processo. PROCESSO é um conjunto de atividades dentro da organização que se interagem. E a sua perfeita sintonia garante a QUALIDADE. IV. VAMOS SABER UM POUCO DE HISTÓRIA DA SECTEC RAZÃO SOCIAL E ENDEREÇO Órgão: Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Endereço: Rua 82, s/n, 2 andar -Palácio Pedro Ludovico Teixeira, Setor Sul Cidade: Goiânia-Go CEP: Telefones: (62) fax (62) Página 9 de 23

10 Endereço eletrônico: COMO TUDO COMEÇOU... A Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado de Goiás iniciou como um órgão da admistração pública cuja competência era coordenar e promover a execução de políticas e de diretrizes científicas, tecnológicas e de inovação no Estado de Goiás e depois, incluiu a educação superior pública (estadual e municipal). A história da SECTEC como um processo político institucional de organização pode ser compreendido em seus aportes legais que demarcam propositura, descontinuidade e retomadas num horizonte que abarca aproximadamente duas décadas. A Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia foi criada em 9 de maio de 1997 através da LEI Nº , porém em 11 de novembro de 1999, foi extinta e jurisdicionada a Fundação Universidade Estadual de Goiás - FUEG, esta diretamente ligada ao Governador do Estado (LEI Nº ).Em 20 de julho de 2000, a SECTEC através da LEI Nº , foi criada novamente, e a FUEG, foi rejurisdicionada a ela. Hoje, a estrutura organizacional da SECTEC é a constante no Decreto Nº 5.922, de 25 de março de 2004 que também aprovou o seu Regulamento, e na Portaria Nº.460 de 22/12/2005 foi aprovado o Regimento Interno onde estão estabelecidas as competências e atribuições das unidades complementares de sua estrutura organizacional. O governo preocupado em dotar o Estado de Goiás, de um organismo de apoio à pesquisa criou a Fundação de Amparo a Pesquisa FAPEG- através LEI Nº , de 12/12/2005 jurisdicionada a esta secretaria, deixando, portanto de ser competência direta desta pasta as ações ligadas à pesquisa. Página 10 de 23

11 Dessa forma a identidade da SECTEC se desenha na travessia e na construção cotidiana da sua história. Para continuidade desta construção e maior solidez de suas ações, a secretaria está implantando o Sistema de Gestão a Qualidade Através da norma ISO 9001 NOSSOS PRINCÍPIOS» Atender bem o cidadão, cumprindo sua missão.» Democratizar os processos de inserção do cidadão ao mundo da informação» Divulgar com clareza sua atuação» Manter estreita comunicação dos pressupostos teórico-metodológicos» Desenvolver programas de Governo de sua área de atuação» Operacionalizar os programas de desenvolvimento local» Articular parceiros para implementação das políticas de ciência, tecnologia, inovação e educação superior.» Prestar Serviços cm comprometimento e agilidade» Ser uma secretaria Pró-ativa» Ter clareza nas metas e objetivos» Buscar desafios permanentes» Ter foco nos resultados» Qualificar e capacitar seus colaboradores» Incentivar o trabalho em equipe» Propiciar clima de Receptividade e relacionamento claro e objetivo entre os colaboradores» Construir o Planejamento Estratégico de forma participativa» Facilitar o acesso dos colaboradores aos superintendentes, a chefia de gabinete, e ao secretario propiciando segurança e troca de experiência» Manter a equipe motivada e coesa para o desenvolvimento das ações demonstrando capacidade de adaptação às novas situações» Formar líderes com habilidades para atender a diversidade de demandas.» Manter o ambiente de trabalho limpo e organizado. Página 11 de 23

12 » Oferecer aos colaboradores um bom atendimento dos serviços de: Copa e de Higiene de sanitários» Promover condições para que os colaboradores se ajustem as suas necessidades na execução de suas atividades a logística da secretaria sabendo lidar inclusive com os momentos de escassez de recursos» Obter bons resultados dos programas desenvolvidos» Promover o acompanhamento e a avaliação dos resultados alcançados» Buscar a melhoria contínua V. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA SECTEC As unidades administrativas que constituem a estrutura básica e complementar da Secretaria de Ciência e Tecnologia são as seguintes: I Gabinete do Secretário Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia de Goiás Conselho Estadual de Meteorologia Gerência de Comunicação Gerência da Secretaria - Geral Gerência da Assessoria Parlamentar Gerência de Informática II Superintendência Executiva Gerência da Popularização da Ciência Gerência de Articulação e Avaliação Gerência de Captação de Recursos Gerência de Qualidade III Chefia de Gabinete. IV Chefia de Assessoria Técnica e Planejamento Gerência de Planejamento Página 12 de 23

13 Gerência Jurídica V Superintendência de Administração e Finanças Gerência de Orçamento e Finanças Gerência de Recursos Humanos Gerência de Administração e Patrimônio Gerência da Comissão Permanente de Licitação VI Superintendência de Ensino Superior: Gerência do Sistema Estadual de Educação Superior Gerência de Programas Especiais de Educação Superior Gerência de Educação Tecnológica VII Superintendência de Fomento e Apoio à Pesquisa: Gerência de Fomento à Pesquisa Gerência de Programas Especiais Gerência de Ações Locais de C&T VIII Superintendência de Desenvolvimento Científico, Tecnológico e Estudos Climatológicos: Gerência de Estudos Climatológicos Gerência de Estudos Hidrológicos Gerência de Capacitação e Profissionalização Gerência de Inovação e Difusão Tecnológica Gerência de Programas Especiais Página 13 de 23

14 VI. ESTRURA DE RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES DAS LIDERANÇAS DA QUALIDADE Comprometimento da direção A alta direção da SECTEC está comprometida com o desenvolvimento, implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e com a melhoria contínua de sua eficácia mediante: a) a comunicação aos colaboradores da importância em atender aos requisitos dos clientes, como também aos requisitos regulamentares e estatutários; b) o estabelecimento da política da qualidade; c) a garantia de que são estabelecidos os objetivos da qualidade; d) a condução de análises críticas pela Alta Direção; e a) a garantia da disponibilidade de recursos. Página 14 de 23

15 A declaração de Comprometimento, o Plano de Gestão de recursos, Plano de Gestão de pessoas e as ações resultantes das reuniões de análise crítica são a evidencia do atendimento a este item. Responsabilidade e autoridade A alta direção assegura que as responsabilidades e autoridades são definidas no Manual de Cargos e Funções e são comunicadas a todos os setores. Representante da direção A alta direção nomeou a Sr. (a) Camila Moreira, no ato colaboradora do SGQ como Representante da Direção da SECTEC de acordo com a portaria n. xxxx que tem responsabilidade e autoridade para: a) Assegurar que os processos necessários para o Sistema de Gestão da Qualidade sejam instituídos, implementados e mantidos; b) Relatar à alta direção o desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade e qualquer necessidade de melhoria; e c) Assegurar que a conscientização dos requisitos do cliente seja promovida em todos os níveis da organização. A RD conta com a assessoria do Comitê da Qualidade formado por representantes das diversas áreas. A responsabilidade da Representante da Direção inclui a ligação com partes externas em assuntos relativos ao Sistema de Gestão da Qualidade. Página 15 de 23

16 VII. VISÃO GERAL DA SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Foco no cliente A Alta Direção da SECTEC assegura que os requisitos do cliente são determinados e atendidos com o propósito de aumentar sua satisfação. Para tanto, existem critérios definidos em procedimentos específicos para assegurar este requisito. Melhoria contínua A SECTEC busca melhorar continuamente a eficácia do Sistema de Gestão da Qualidade por meio do uso da Política da Qualidade, Objetivos da Qualidade, resultados de auditorias, análise de dados, ações corretivas e preventivas e análise crítica pela direção. VIII.ESCOPO E PADRÕES APLICÁVEIS (REQUISITOS LEGAIS) Escopo: Gestão de Políticas de ciência, tecnologia, inovação e educação superior. Requisitos Legais: Os requisitos legais (estatutários e regulamentares) necessários ao funcionamento do SECTEC são no geral: - Decreto nº , de 25 /03/2004. Página 16 de 23

17 - Lei n de 24/06/ Lei n de 23/01/ Lei 8666/88 compras e licitações. - Lei funcionário público. Exclusões A Organização não exclui nenhum item 7 da norma. Uma vez que realiza serviços, possui processos relacionados a clientes, trabalha com desenvolvimento de projetos, adquiri materiais que impactam na prestação de seu serviço IX- DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO DA SECTEC VISÃO: Ser a secretaria de estado, referência nacional para acesso à ciência, tecnologia e inovação. MISSÃO: Apoiar, fomentar e proporcionar o acesso aos conhecimentos científicos, tecnológicos e às inovações para o pleno exercício da cidadania. VALORES: Credibilidade, Competência, Responsabilidade, Página 17 de 23

18 Atuação em parceria. Compromisso social, Susceptibilidade às mudanças, Inovação, Ética, Transparência, NOSSOS CLIENTES Setor público e privado, comunidade urbana, rural, associações classistas e terceiro setor. NOSSO NEGÓCIO Articular, incentivar e promover o conhecimento e o desenvolvimento da ciência, tecnologia, inovação e educação superior. NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS» Ações locais, regionais, transversais e estruturantes de ciência, tecnologia e inovação;» Formação e capacitação tecnológica nos níveis básico, técnico e superior à comunidade goiana;» Eventos científicos e tecnológicos;» Informações hidrometereológicas;» Infovias;» Pareceres, Análises, Relatórios e Orientações;» Plano Diretor para a Educação Superior;» Projetos de P&D e CT&I;» Telecentros» Laudos técnicos de meteorologia e descargas atmosféricas Página 18 de 23

19 NOSSA POLÍTICA DA QUALIDADE 1. Promover a excelência no apoio, fomento e difusão de ciência, tecnologia e inovação e educação superior atendendo aos requisitos legais e dos clientes, bem como a melhoria contínua do sistema de gestão da qualidade. 2. Direcionar ações focadas nas necessidades dos clientes visando à melhoria e inovação dos serviços ofertados nas áreas da ciência, tecnologia, inovação e educação superior. 3. Manter relação de respeito, ética, transparência, reciprocidade e cordialidade com parceiros e fornecedores, com vistas à eficácia e eficiência. 4. Valorizar as pessoas, ampliando e fortalecendo suas competências em ambiente adequado. NOSSOS OBJETIVOS DA QUALIDADE. Os objetivos da organização estão no plano estratégico da qualidade, traçados no planejamento estratégico da secretaria, os objetivos são desdobramentos das políticas da qualidade e estão em consonância com o planejamento de ação do governo do estado através de programas, ações e metas e serem realizadas. X- DESCRIÇÃO E INTERAÇÃO DOS PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO DE PROCESSOS INTERAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS O Sistema de Gestão da Qualidade da SECTEC foi desenvolvido considerando a abordagem de processo. Tal prática permite a análise e melhoria dos processos e conseqüentemente a busca da eficácia do Sistema de Gestão, através de controles que possibilitem à organização e o funcionamento integrado dos seus processos aumentando assim a satisfação do cliente. Página 19 de 23

20 A SECTEC identificou os seus processos como assim sendo: MACRO-PROCESSOS E PROCESSOS FINALISTICOS INSERIDOS NO ESCOPO MPF01- Difusão e disponibilização de tecnologias da informação. PF01-Viabilização para formação e capacitação tecnológica no nível superior técnica a comunidade goiana PF02-Instituição de parcerias e convênios PF03-Orientação e supervisão de análise dos Centros de Educ.Tecnológica PF04-Levantamento,sistematização e disponibilização de dados e informações PF05-Elaboração de proposta para o estabelecimento de políticas públicas para a educação superior em Goiás MPF02- Formulação e articulação da implementação de políticas de educação superior. PF01-Realização de estudos técnicos PF02- Elaboração de projeto PF03-Implantação de CENTEC (manutenção, instalação e elaboração de projeto de curso) PF04- Elaboração de projeto de implantação de centro de educação à distância PF05- Formação e capacitação tecnológica nos níveis básico e técnico à comunidade goiana PF06- Implantação de ações locais regionais transversais estruturasntes de C&T MPF03-Difusão e Popularização da ciência e da tecnologia. PF01-Divulgação das informações hidrometereológicas e agrometereológicas PF02- Análises técnicas de metereologia e descargas atmosféricas PF03- Apoiar a implantação de telecentros MPF04-Agregação de conhecimentos e tecnologias para o desenvolvimento sustentável. PF01- Formação e capacitação tecnológica nos níveis básico e técnico à comunidade goiana MACRO-PROCESSO E PROCESSOS DE APOIO INSERIDOS NO ESCOPO: MPA01-Apoio Administrativo. SAF PA01- Atendimento/Recepção PA02- Aquisição GESGER PA01- Controle de Documentos de Legais (Portarias e normas) Página 20 de 23

21 PA03- Controle de Estoque PA04- Solicitação de veículo e Controle de Frota PA05- Supervisão dos serviços gerais PA06- Concessão das Diárias ao interior do Estado PA07- Prestação de Contas mensal do movimento orçamentário e financeiro PA08- Prestação de Contas trimestral de despesas com pessoal e com prop.e publicidade PA09- Prestação de Contas anual do movimento orçamentário e financeiro PA10- Prestação de Contas da folha de pagamento PA11- Controle Bancário PA12- Controle de impressão e reprografia PA13- Controle de Patrimônio (material permanente) PA14- Avaliação dos Fornecedores e Clientes RH PA01 - Escala de Férias PA02 Freqüência PA03 - Folha de Pagamento PA04 - Desenvolvimento de R.H PA02- Controle,Emissão e Recebimento de documentos GEINFO PA01-Análise,desenvolvimento e Programação PA02- Help Desk-Suporte PA03- Administração de Redes Computacionais (infovias,intranet) GEQUALI PA01- Manutenção do Sistema de Gestão da Qualidade GECOM PA01- Manutenção e catalogação do banco de imagens PA01- Promover organização de Eventos PA01- Gestão de comunicação interna e externa Página 21 de 23

22 XI. MACROFLUXO DE INTERLIGAÇÃO E INTERAÇÃO DOS PRINCIPAIS PROCESSOS Cópias impressas não têm sua revisão atualizada. Página 20 de 23

23 I I IIPF 01 Fonnu!a91o eartlcula9ao da lm da polfticas de ec1tjca91o superior PF01-VIabllpera l'onna9ioe tecnol6glca no nfvel superior16a11ca a comunldade golana MACROFLUXO DE INTERLIGACAO E INTERACAO DOS PRINCIPAlS PROCESSOS I I I I I I MPF02 - Agregac;ao de conhecimentos e tecnologias para o desenvolvimento sustentavel MPF 03 Difusao e disponibiliza9ao de tecnologia da informa9ao MPF 04 Difusao e populariza9ao de CiEmcias e Tecnologia I I I I I I I PF01 - Realiza9ao de estudos tecnicos PFOS Forma9ao e capaci tayao PF06 - lmplanta9ao PF01 Divulga9ao tecnol6gica nos de ac;6es locais das informac;6es niveis bilsico regionais transversals hidrometereol6gicas e tecnico a estruturantes de C&T e agrometereol6gicas comunidade goiana PF03 -Apoiar a implantac;ao de telecentros I PF01f orma9ao e capacita9ao tecnol6gica nos niveis b8sico e tecnico a com.goiana I IPF02 Apoiar a implanta9ao de telecentros I PF tu1911ode paroeriasecoiiytnlos PF03 Orlenta9lo e suparvlslo de analise dos Cenlroe de Edue8910 Teatal6glca PF04 - Levantamento, dlsponbl llde dadose lllfonne(:lles I PF05 E1abora91o de propoala para o eslabeleclrnent de polltlcasptlbllcaapera aedue8910superior emgol6s I I I PF03 lmplanta9ao de CENTEC (manuten9ao, instala ao e elabora ao de projeto de curso) I PF04 Elabora9ao de : projeto de implanta9ao de centro de educa9ao a dist8ncia PF02 Elabora9ao de projeto PF02 Amllises tecnicas de metereologia e descargas atmostericas MPA 01- APOIO ADMINISTRATIVO LEGENDA OBS: NEGOCIO DA SECTEC-ARTICULAR, INCENTIVAR E PROMOVER 0 CONHECIMENTO E 0 DESENVOLVIMENTO DA CIENCIA, TECNOLOGIA, INOVA<;:AO E EDUCA<;:AO SUPERIOR [3 Processos com ligac;:ao direta E3 Processos com ligac;:ao indireta Macroprocesso Finalfstico Macroprocesso de Apoio Processo Finalfstico Processo de Apoio Cópias impressas não tem sua revisão atualizada. Pagina 21 de 23

24 XII. ESTRUTURA DA DOCUMENTAÇÃO A SECTEC mantém um Sistema de Gestão da Qualidade documentado e provido de elementos para sustentar sua melhoria contínua e eficácia de acordo com os requisitos da norma NBR ISO 9001:2000. A DOCUMENTAÇÃO DO INCLUI: 1 Manual da Qualidade 2 Mapeamentos de processos 3 Procedimentos documentados requeridos pela norma NBR ISO 9001 e necessários à organização para assegurar o planejamento, operação e controles eficazes: *PD01 - Procedimento de controle de documentos, registros e dados da qualidade. *PD02 - Procedimento de elaboração, controle, distribuição e arquivo de correspondência oficial. *PD03 - Procedimento de aquisição de materiais e serviços. *PD04 - Procedimento de gestão de pessoas. *PD05 - Procedimento de comunicação interna e externa. *PD06 - Procedimento de elaboração e controle de processos. *PD07 - Procedimento de relacionamento com o cliente. *PD08 - Procedimento de controle e disponibilização de tecnologia da informação. *PD09 - Procedimento de elaboração e controle de projetos. *PD10 - Procedimento de auditoria interna. *PD11 - Procedimento de controle de produto não conforme e aplicação de ações corretivas e preventivas. *PD12- Procedimento de responsabilidade, autoridade e análise crítica pela direção. *PD 13- Procedimento de planejamento, desenvolvimento, verificação, controle, validação,. Página 22 de 23

25 rastreabilidade, e preservação do sistema de metrologia do Estado de Goiás. 5 Instruções de trabalho IT01-Controle de Almoxarifado IT02-Controle de impressão e reprografia 6 Registros requeridos pela norma NBR ISO 9001:2000 RQ01 Listra Mestra. Página 23 de 23

SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA GERÊNCIA DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE Cópia Controlada - Revisão 02

SUPERINTENDÊNCIA EXECUTIVA GERÊNCIA DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DA QUALIDADE Cópia Controlada - Revisão 02 Página 1 de 18 Histórico das Revisões N.ºRevisão Data Descrição 00 01 02 14/08/06 24/02/07 10/08/07 Emissão inicial Primeira revisão Correção ortográfica Segunda revisão Análise crítica dos procedimentos

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão ISO 9001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 9001 em sua nova versão está quase pronta Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 9000 foram emitidas pela primeira vez no

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SUBPROCESSO: Capacitação e Desenvolvimento de Servidores. 1. Objetivos do. Principais benefícios esperado pelos clientes; Razão da existência

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado.

Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e. buscando a universalização de modo sustentável, desenvolvimento do Estado. MISSÃO Garantir o acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, em cooperação com os municípios, buscando a universalização de modo sustentável, contribuindo para a melhoria da

Leia mais

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006

Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Luiz Ildebrando Pierry Porto Alegre, Maio de 2006 Evolução Estratégica do Movimento Qualidade RS 13 anos de atividade Instalação do Programa Cumulativo Consolidação do Programa como Promotor da Causa Evolução

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO DE AVALIADORES DE SGI PELAS NORMAS DE GESTÃO DE QUALIDADE, SMS E RESPONSABILIDADE SOCIAL 1 MODELOS DE GESTÃO MODELO Busca representar a realidade GESTÃO ACT CHECK PLAN DO PDCA 2 MODELOS DE GESTÃO

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Fortaleza, 2012 INDICE CAPÍTULO I... 3 DO OBJETIVO GERAL... 3 CAPÍTULO II... 3 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CAPÍTULO III... 4 DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

O CASNAV E O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DA MARINHA DO BRASIL

O CASNAV E O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DA MARINHA DO BRASIL O CASNAV E O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DA MARINHA DO BRASIL Seminário das Organizações Reconhecidas PQGF Ciclo 2010 CF (T) Sérgio L. D. Delamare www.casnav.mar.mil.br Sumário Motivação para a palestra Inovações

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br

Excelência. locações e transporte Ltda. www.excelenciaguindastes.com.br www.excelenciaguindastes.com.br A Guindastes e uma empresa de Goiânia Goiás QUEM SOMOS que presta serviço em todo território nacional no segmento de Locação de Guindastes, Locação de Munck, Grupo Geradores,

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais