Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil."

Transcrição

1 Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil.

2 OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate Sul: as estruturas planejadas, as vantagens e as consequências.

3 INTRODUÇÃO MODALIDADES DE SIMULAÇÃO VIVA Envolve pessoas reais, operando sistemas reais (armas, viaturas e equipamentos), no mundo real. Utiliza emissores e receptores laser para simular os efeitos do engajamento e combate tático. A simulação pode ser monitorada em tempo real através de um centro de controle de exercício.

4 INTRODUÇÃO MODALIDADES DE SIMULAÇÃO VIRTUAL Envolve pessoas reais, operando sistemas simulados ou gerados por computador. Substitui armamentos ou veículos cujo uso e operação exijam apurado grau de técnica e elevados custos para o treinamento. Os meios deste tipo de simulação normalmente são reunidos em espaço único para melhor aproveitamento.

5 INTRODUÇÃO MODALIDADES DE SIMULAÇÃO CONSTRUTIVA Envolve tropas simuladas, operando sistemas simulados, controlados por pessoas reais. Conhecida como jogos de guerra, sua finalidade é adestrar Estados Maiores (staff) na tomada de decisões. A ênfase é a interação entre Estados Maiores, que se enfrentam como forças oponentes, sob uma direção.

6 PRINCIPAIS EMPRESAS PRODUTORAS DE SIMULADORES Espanha E U A Israel França Suiça Alemanha Suécia Brasil

7 EMPREGO DUAL DA SIMULAÇÃO Simulador para Viatura Capacidade 3/4 Toneladas Simulador de Carro de Auto Escola Simulador para Viatura Capacidade 5 Toneladas Simulador de Caminhão Comercial SIMULAÇÃO Simulador de Tiro para Aplicação Militar Simulador de Tiro para Empresas de Segurança Simulador para Carro de Combate sobre Lagartas Simulador de Trator sobre Lagartas

8 EMPREGO DUAL DA SIMULAÇÃO Simulador para Helicóptero Militar Simulador para Helicóptero de Táxi Aéreo Simulador para Aeronave Militar Simulador para Aeronave Comercial SIMULAÇÃO Simulador de Tiro para Aplicação Militar Simulador de Tiro para Polícias Civis e Militares Simulador para Embarcação Militar Simulador para Navio Cargueiro Comercial

9 PRECEDENTES DO CENTRO DE TREINAMENTO DE COMBATE - SUL (?) 2012 Criação do Centro de Treinamento de Combate Sul Estratégia Braço Forte Estratégia Nacional de Defesa 2011 PROFORÇA PRORASAM Criação do Núcleo do Centro de Adestramento e Avaliação Sul (Portaria 211/EME, 26 Dez 2012)

10 O QUE É UM CENTRO DE TREINAMENTO DE COMBATE? É uma Organização Militar voltada a proporcionar as melhores condições de treinamento para o combate. Reúne, em um único local, pessoal especializado, metodologia e doutrina adequadas, estruturas e equipamentos específicos e outras ferramentas que proporcionem melhor adestramento tático e preparação técnica às tropas (meios de simulação).

11 MISSÃO RECEBIDA USUÁRIOS Desenvolver estudos no sentido de criar uma Organização Militar capaz de contribuir no adestramento de tropas de diferentes naturezas***, por meio da imitação do combate, com ênfase na utilização de meios de simulação integrados. *** 3 Divisões de Exército; 8 Brigadas; 3 Artilharias Divisionárias; 42 Unidades; 3 naturezas: blindada, mecanizada e motorizada.

12 VISÃO DE FUTURO Tornar-se REFERÊNCIA MUNDIAL como Centro de Treinamento para tropas embarcadas, por meio dos SISTEMAS DE SIMULAÇÃO VIVA, VIRTUAL E CONSTRUTIVA e servir de modelo para a criação de estruturas similares em outros Comandos Militares de Área do Exército Brasileiro. Possibilitar a UTILIZAÇÃO CONJUNTA COM OUTRAS FORÇAS ARMADAS nacionais e com Nações Amigas, em especial as da UNASUL. MANTER-SE NA VANGUARDA DA TECNOLOGIA APLICADA ao treinamento de tropas para o combate.

13 A CIDADE DE SANTA MARIA Localização geo-estratégica; 2º maior efetivo militar do país; Cidade Capital do Blindados ; Centro de Instrução de Blindados; Base Aérea de Santa Maria (VANT). Monumento Capital dos Blindados

14 A CIDADE DE SANTA MARIA Existência de uma gama de universidades e faculdades; Pólo tecnológico atraente para investidores e empresas; Existência do Santa Maria Tecnoparque (ADESM); Abundante mão-de-obra especializada recém-formada.

15 VANTAGENS PARA A REGIÃO SUL E PARA O BRASIL Fomento a economia da região; Industrialização voltada para Produtos de Defesa (PRODE); Aproveitamento da mão de obra especializada oriunda das universidades locais; A instalação de empresas na região gerando divisas. Santa Maria / RS Porto Alegre / RS

16 A DIMENSÃO DO DESAFIO Simulação Construtiva Simulação Virtual Simulação Viva Integração das modalidades de simulação no Centro de Controle do Exercício - C Con Ex

17 A DIMENSÃO DO DESAFIO

18 A DIMENSÃO DO DESAFIO CISM Santa Maria/RS CIBSB Rosário do Sul/RS

19 MAGNITUDE DAS SOLUÇÕES CTC Altmark Alemanha (simulação VIVA) CENAD San Gregorio - Espanha Militares: 700 Civis: 400 TOTAL: 1.100

20 INSTALAÇÕES FÍSICAS VISUALIZAÇÃO Casarão NuCAA - Sul

21 SISTEMA DE APOIO DE FOGO SAFO (VIRTUAL) Sistema de Apoio de Fogo (SAFO) Obras Setembro de 2013

22 TRANSFORMAÇÃO DO ATUAL CAESC 2 EM CAS-PC (CONSTRUTIVA) Centro de Aplicação de Exercícios de Simulação de Combate CAESC 2 Santa Maria/RS Centro de Adestramento e Simulação com Postos de Comando (CAS-PC) utilizando o Sistema COMBATER

23 PROPOSTA DO PROJETO FASEAMENTO E MODULARIDADE A A + 4 A + 7 A + 10 PESSOAL MATERIAL FUNCIONAMENTO INSTALAÇÕES SUPORTE LOG/ADM MODULARIDADE: Cada estágio completado no projeto pode ser plenamente utilizado em suas capacidades assim que finalizado. Exemplos: Espanha, França e Alemanha

24 FASEAMENTO E MODULARIDADE DO PROJETO METAS CURTO PRAZO MÉDIO PRAZO LONGO PRAZO Tempo/Pessoal ± 4 anos / 350 militares ± 7 anos / 500 militares ± 10 anos / 850 militares SIMULAÇÃO VIVA - Exercício para Companhia no CISM (120 militares e 20 viaturas); - FT SU x Pel ForOp (instrumentação parcial); - Cia ForOp (2 Pel CC + 2 Pel Fuz); - Meios de controle móveis. - Exercício para Companhia no CISM (120 militares e 20 viaturas); - FT SU Ref (Ap) x Pel ForOp (completamente instrumentados); - Btl ForOp (1 Cia Fuz Bld + 1 Esqd CC); - Início do sensoriamento de Saicã. - Exercício para Batalhão/Regimento em Saicã (500 militares e 50 viaturas); - FT U x FT SU ForOp (completamente instrumentados); - Btl ForOp (4 SU 2 Inf / 2 Cav); - Estrutura fixas em Rosário do Sul. SIMULAÇÃO VIRTUAL - Consolidação do SAFO; - Aquisição de simulação de apoio à instrução (estandes de Fz/Pst); - Aquisição de simuladores de Vtr. - Simulação tática nível SU (VBS 3); - Incremento no apoio à instrução (armas AC, pistas de treinamento). - Incrementação da simulação de Vtr - Simulação tática nível U (VBS 3); - Consolidação dos meios de simulação apoio à instrução; - Consolidação do Pav Sml Virtual. SIMULAÇÃO CONSTRUTIVA INTEGRAÇÃO SIMULAÇÕES - Início da construção do CAS-PC; - Exercício para EM GU/U. - Construção acantonamentos CAS-PC; - Exercício para EM GU/U. - Incremento nos acantonamentos; - Exercício para EM GU/U. - Aquisição de experiência. - Operação do C Con Ex - Combinações de Simulações;

25 PROPOSTA DO PROJETO PESSOAL (INTEGRAÇÃO) CTC Sul Estado Maior Divisão Administrativa Divisão de Simulação e Exercícios Batalhão Força Oponente Companhia de Comando Seção Administrativa Seção de Simulação Viva Companhia de Fuzileiros Blindada Seção de Informática e Comunicações Seção de Simulação Virtual Companhia de Fuzileiros Mecanizada Seção de Apoio Seção de Simulação Construtiva Esquadrão de Carros de Combate Seção de Análise e Doutrina Esquadrão de Cavalaria Mecanizada Em 10 anos 850 militares

26 A TRANSFORMAÇÃO DOS CAMPOS DE INSTRUÇÃO Estande de tiro de CC com receptores laser Pista de maneabilidade de viaturas Pista de progressão para combatente a pé Técnicas de entrada para ambiente urbano

27 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS Órgãos de Direção Geral e Setorial e Comando Militar de Área envolvidos Organizações Militares do Exército Brasileiro visitadas, envolvidas e em coordenação de projetos

28 PREMISSAS BÁSICAS DO PROJETO - Foco no TREINAMENTO em todos os níveis dos usuários do Centro; - Local propício à aplicação da DOUTRINA e ao trabalho INTERARMAS; - Busca de ESTRUTURAS de APOIO à instrução individual/coletiva; - MOBILIDADE dos MEIOS para atender campos de instrução distintos; - INTEGRAÇÃO e CONECTIVIDADE dos sistemas de simulação; - FASEAMENTO e MODULARIDADE dos subprojetos desenvolvidos; - ECONOMIA de MEIOS para otimização de recursos orçamentários; - FLEXIBILIDADE para atender mudanças dos futuros cenários; - INTEROPERABILIDADE com outras forças armadas nacionais e estrangeiras; - *OPORTUNIZAR o DESENVOLVIMENTO de TECNOLOGIAS NACIONAIS para a área de produtos de defesa.

29 DEMANDAS TECNOLÓGICAS DO PROJETO Desenvolvimento e produção de meios com alto agregado de tecnologia nas áreas de: - Sistemas de comunicação; - Monitoramento; - Automatização de alvos; - Manutenção de redes; - Manutenção em TI; - Simuladores LVC (software/hardware); - Sistemas de conectividade; - Suprimento de informática; - Sistemas de geo-referenciamento; - Sistemas de geo-localização; - Desenvolvimento de software; - Desenvolvimento de sensores ópticos; - Emissores laser; - Sistemas de antenas; - Filmagem; - Construção civil; - Manutenção e suprimento para viaturas; - Equipamentos de proteção individual; - Material para segurança; - Material para combate a incêndio.

30 CONCLUSÃO O Centro de Treinamento de Combate Sul é um local onde se materializará o ideal de transformação do Exército Brasileiro; Proporcionará excelência nos níveis de adestramento das tropas; Elevará o Brasil como referência mundial em treinamento militar; Empregará tecnologia de última geração tornando científico os dados do adestramento. Representará a implantação de uma mentalidade inovadora e visão de futuro; Tornar-se-á um vetor de crescimento regional; Implicará em significativa economia de recursos relativos à munição e combustível, além de evitar o desgaste prematuro do material de emprego militar. Centro de Treinamento de Combate Sul Telefone: 55 (55)

31 Centro de Treinamento de Combate Sul

BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR

BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR O Exército Brasileiro através do Plano Básico de Estruturação do Exército, cuja execução abrange o período de 2003 a 2007 vem realizando grandes

Leia mais

A Guerra Eletrônica no Mundo

A Guerra Eletrônica no Mundo O ENSINO DE GUERRA ELETRÔNICA NO CIGE Perspectivas para o futuro Pedro Eduardo de Sousa Dias, Cap Com Ch Sec Psq do CIS Flávio Oliveira da Silva Netto, Cap Com Instr CIGE A Guerra Eletrônica no Mundo Nos

Leia mais

ANEXO B RELAÇÃO DE OM

ANEXO B RELAÇÃO DE OM DEPARTAMENTO DECEx Departamento de Educação e Cultura do Exército Diretoria de Especialização e Extensão Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural do Exército Escola de Educação Física do Exército Escola

Leia mais

INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 BRABATT 2/14 REALIZA O EPCOEM NO CCOPAB

INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 BRABATT 2/14 REALIZA O EPCOEM NO CCOPAB Pelotas, RS, 8 de janeiro de 2011 Edição Especial INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 Brasília - DF. No período de 5 a 9 de julho de 2010 ocorreu, no Ministério da Defesa, o estágio para comandantes e

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2

ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 ASTROS II O EFICIENTE SISTEMA DE ARTILHARIA DE FOGUETES BRASILEIRO 2 Sendo o produto de maior êxito desenvolvido pela Avibrás, e o que mais lhe rendeu recursos, meio bilhão de dólares em exportações, o

Leia mais

Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR

Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR Viatura Blindada Especial Lançadora de Pontes Leopard 1 BR VBE L Pnt lançando a ponte Fonte: o autor Por Ígor Berta O Exército Brasileiro adquiriu como Carro de Combate as viaturas da família Leopard.

Leia mais

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro.

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMANDANTE DO EXÉRCITO ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO DO COMANDANTE Gabinete do Comandante do Exército Secretaria-Geral do Exército Centro de Inteligência do Exército Centro de Comunicação Social do Exército

Leia mais

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Mais uma compra de ocasião e outro erro estratégico Conforme publicado no Boletim do Exército 11/2013, de 15 de março de 2013, o Exército Brasileiro através da Portaria

Leia mais

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS

TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS TRATOR ARTICULADO BV-206D O MAIS ESTRANHO VEÍCULO DO CORPO DE FUZILEIROS NAVAIS Sem sombra de dúvida o trator articulado BV-206D é o veículo mais estranho atualmente em uso pelo Corpo de Fuzileiros Navais

Leia mais

BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher

BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher Número XV - Port-au-Prince - Haiti 1ª quinzena de março de 2014. BRABAT comemora Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher foi celebrado pelos integrantes do BRABAT 19 no dia 8 de março,

Leia mais

1. Relatório de Informações Doutrinárias Operacionais RIDOP / COTER 2. Experimentações Doutrinárias 2015 3. Sistema de Lições Aprendidas/COTER 4.

1. Relatório de Informações Doutrinárias Operacionais RIDOP / COTER 2. Experimentações Doutrinárias 2015 3. Sistema de Lições Aprendidas/COTER 4. 1. Relatório de Informações Doutrinárias Operacionais RIDOP / COTER 2. Experimentações Doutrinárias 2015 3. Sistema de Lições Aprendidas/COTER 4. Desafios Doutrinários 5. Portal do Preparo Divisão de Acompanhamento

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

Entrevista com o Chefe do DECEx

Entrevista com o Chefe do DECEx Entrevista com o Chefe do DECEx OGeneral de Exército Ueliton José Montezano Vaz é natural da Cidade do Rio de Janeiro. Foi declarado aspirante a oficial da Arma de Comunicações em 15 de dezembro de 1973

Leia mais

S I S F R O N SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS C R E D N / C D. 06 Mai 14 SENSORES

S I S F R O N SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS C R E D N / C D. 06 Mai 14 SENSORES S I S F R O N C R E D N / C D 06 Mai 14 SENSORES SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO DE FRONTEIRAS O SISFRON é um sistema de sensoriamento, apoio à decisão e apoio à atuação integrada, para fortalecer a

Leia mais

BRABAT 1/16 embarca para a Missão de Paz

BRABAT 1/16 embarca para a Missão de Paz Informativo Eletrônico do Comando Militar do Planalto 16 a 31 de março - 2012 - ano III - edição 43 C M BRABAT 1/16 embarca para a Missão de Paz P P r o f i s s i o n a l i s m o e E n t u s i a s m o

Leia mais

Informativo do 10º Batalhão Logístico

Informativo do 10º Batalhão Logístico Batalhão Marquês de Alegrete MANTER SUPRIR TRANSPORTAR SALVAR Editorial Quartel em Alegrete, RS, 30 de setembro de 2014. O Informativo se propõe a ser um veículo de comunicação das atividades do 10º Batalhão

Leia mais

Impressões sobre o EXERCÍCIO MAPLE RESOLVE 2015

Impressões sobre o EXERCÍCIO MAPLE RESOLVE 2015 Impressões sobre o EXERCÍCIO MAPLE RESOLVE 2015 Jorge Francisco Souza Junior, Tenente Coronel de Cavalaria do Exército Brasileiro, Mestre em Operações Militares e possui o Curso de Altos Estudos do Exército.

Leia mais

Boletim do Exército Nº 51/2003. Brasília - DF, 19 de dezembro de 2003. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO

Boletim do Exército Nº 51/2003. Brasília - DF, 19 de dezembro de 2003. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO Nº 51/2003 Brasília - DF, 19 de dezembro de 2003. BOLETIM DO EXÉRCITO Nº 51/2003 Brasília - DF, 19 de dezembro

Leia mais

Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1

Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1 Esquadrão HU-1 participa da operação anfíbia UANFEX-1 No período de 31 de março a 8 de abril, o 1 Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-1), operando com uma aeronave UH-12 Esquilo embarcada na

Leia mais

Realização Apoio Patrocínio 3 G A AAé Caxias do Sul Criação da Unidade de Artilharia Antiaérea, em 1950. Inicialmente estes alvos eram fornecidos pela FAB. Os B25 rebocavam um alvo chamado Biruta. 1972:

Leia mais

ENTREGAS OCOP SUBPROJETOS: 1.1 VIATURAS

ENTREGAS OCOP SUBPROJETOS: 1.1 VIATURAS ENTREGAS OCOP SUBPROJETOS: 1.1 VIATURAS Qnt Descrição 6.500 Viaturas acima de 1,5 ton 20 Ambulância Operacional 4x4 20 Pickup Militar Hilux 10 Reboque Cisterna Combustível 1.500 Litros 10 Reboque Cisterna

Leia mais

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES Origem Localização Localizado no bairro de São Cristóvão, no antigo aquartelamento da 5º Brigada de Cavalaria Blindada (5º Bda C Bld), o Museu Militar Conde de Linhares

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA. Fig 1:VBC CC LEOPARD 2A4

ANÁLISE COMPARATIVA. Fig 1:VBC CC LEOPARD 2A4 LEOPARD 1A5 Vs LEOPARD 2A4 ANÁLISE COMPARATIVA HISTÓRICO O projeto do Leopard começou na Alemanha em novembro de 1956. O veículo deveria ser leve, resistir a tiros rápidos de 20mm e ter proteção contra

Leia mais

O FIM DE UM CICLO: CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A1 NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1996 2011

O FIM DE UM CICLO: CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A1 NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1996 2011 O FIM DE UM CICLO: CARROS DE COMBATE LEOPARD 1A1 NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1996 2011 A partir do momento em que os Leopard 1 A1 estão sendo definitivamente retirados do serviço ativo, ficando uma quantidade

Leia mais

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO

ERA INDUSTRIAL ERA DO CONHECIMENTO ERA INDUSTRIAL TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO Talvez a guerra não vos interesse, mas a -se se por vós. ERA DO CONHECIMENTO - ADAPTAÇÃO e MODERNIZAÇÃO seriam lentas e insuficientes. - Demandava-se um processo

Leia mais

M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM

M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM M-60 A3 TTS e LEOPARD 1 A5 APROVEITAR MELHOR O QUE SE TEM Os M-60 A3TTS poderiam constituir uma reserva estratégica ou serem enviados para Roraima, reforçando os meios blindados do Exército naquela sensível

Leia mais

Visita a Tropa de Reforço

Visita a Tropa de Reforço Sociedade Amigos da Marinha SOAMAR RIO Presidente Dr Silvio Campos Visita a Tropa de Reforço 13 nov 2013 Prof. Israel Blajberg 2º. Diretor Social iblaj@telecom.uff.br Um programa de visitas de estudo tem

Leia mais

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados

Quadros de Lotação de Pessoal Militar (QLPM) ou em outro documento legal semelhante. X Cargos que Independem de QM são cargos que podem ser ocupados PORTARIA Nº 785, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1998 Aprova as Instruções Gerais para a Qualificação Militar das Praças (IG 10-01) O MINISTRO DE ESTADO DO EXÉRCITO, de acordo com o que dispõe o art. 8º da Lei nº

Leia mais

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE 2015 5º BIL na operação anhanguera-2015 2 EDITORIAL Nesta edição do nosso Informativo O Itororó apresentaremos as principais atividades realizadas pelo 5º Batalhão de Infantaria

Leia mais

TENDÊNCIAS TECNOLOGICAS PARA LOGÍSTICA. GILBERTO SOUZA DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS PRIME INTERWAY GILBERTO.SOUZA@PRIMEINTERWAY.COM.

TENDÊNCIAS TECNOLOGICAS PARA LOGÍSTICA. GILBERTO SOUZA DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS PRIME INTERWAY GILBERTO.SOUZA@PRIMEINTERWAY.COM. JUN, 2013 TENDÊNCIAS TECNOLOGICAS PARA LOGÍSTICA. GILBERTO SOUZA DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS PRIME INTERWAY GILBERTO.SOUZA@PRIMEINTERWAY.COM.BR 1 PARA REFLEXÃO: Qual foi a maior potência Industrial

Leia mais

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS

O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS O SISTEMA DE COMANDO DE INCIDENTES ICS Ten Cel BM QOC/91 André Luiz Teixeira Morgado Comandante do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos - GOPP Conhecer o ICS; Finalidade da Palestra Assegurar

Leia mais

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2 A INDÚSTRIA DE DEFESA E SEGURANÇA NO BRASIL 2013 ROTEIRO ABIMDE e a Base Industrial de Defesa Cenário Nacional Transferência de Tecnologia Protecionismo e Comércio Internacional Defesa e Desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO EMPREGO DAS FORÇAS ARMADAS NA SEGURANÇA INTEGRADA AMPARO LEGAL Art 142/CF 88....destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa

Leia mais

20ºBIB recebe primeiros M113BR

20ºBIB recebe primeiros M113BR 20ºBIB M113BR recebe primeiros No dia 11 de dezembro, foi realizada a entrega do primeiro lote de Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal (VBTP) M113BR ao 20º Batalhão de Infantaria Blindado (BIB),

Leia mais

EM JULHO DE 1941, o Gen George S.

EM JULHO DE 1941, o Gen George S. A Harmonia em Combate: Como Treinar a Brigada de Combate para a Manobra de Armas Combinadas Coronel Michael R. Fenzel e Tenente-Coronel Shane Morgan, Exército dos EUA EM JULHO DE 1941, o Gen George S.

Leia mais

INFORMATIVO DOZE DE OURO

INFORMATIVO DOZE DE OURO INFORMATIVO DOZE DE OURO ABRIL 2013/24 EDITORIAL O IDO do início de abril destaca algumas das atividades que conferem ao Btl o conhecido reconhecimento no âmbito da 4ª RM: Capacitação dos Quadros para

Leia mais

O 5º BIL NA OPERAÇÃO SÃO FRANCISCO FORÇA DE PACIFICAÇÃO MARÉ

O 5º BIL NA OPERAÇÃO SÃO FRANCISCO FORÇA DE PACIFICAÇÃO MARÉ INFORMATIVO DO 4 TRIMESTRE DE 2014 MISSÃO CUMPRIDA! O 5 BIL NA OPERAÇÃO SÃO FRANCISCO FORÇA DE PACIFICAÇÃO MARÉ 2 O 5 BIL é uma das mais antigas e tradicionais Unidades do Exército Brasileiro. Os seus

Leia mais

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01

Anexo I - Plano de Classificação de Documentos 33.01.01.01 Anexo I - Plano de Classificação de Documentos Secretaria de Estado de Segurança - SESEG Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro - PMERJ 33 - Competência: Exercer a polícia ostensiva e a preservação

Leia mais

Gen Bda Mosqueira Diretor de Fabricação mauroguedes@globo.com EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE FABRICAÇÃO

Gen Bda Mosqueira Diretor de Fabricação mauroguedes@globo.com EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE FABRICAÇÃO EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE FABRICAÇÃO "Ciência, Tecnologia, Inovação e Suporte Logístico: possibilidades, estratégias e reais situações para o Exército Brasileiro

Leia mais

CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA

CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA CAMINHÕES RUSSOS NO EXÉRCITO E FORÇA AÉREA BRASILEIRA O Exército e a Força Aérea estão operando uma pequena quantidade de caminhões russos modelo URAL 375 (denominação nas publicações ocidentais) 6x6 e

Leia mais

Raphael Pereira de Morais

Raphael Pereira de Morais Raphael Pereira de Morais Cidade: Brasilia - DF Data de Nascimento: 20/07/1987 Estado Civil: Solteiro Telefone: (61) 3465-1047 (61) 8176-5855 E-mail: rp.morais2013@bol.com.br FORMAÇÃO ACADÊMICA Superior

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMO / 9ª DE - 9ª RM 4ª BRIGADA DE CAVALARIA MECANIZADA (4ª DC/1949) BRIGADA GUAICURUS

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMO / 9ª DE - 9ª RM 4ª BRIGADA DE CAVALARIA MECANIZADA (4ª DC/1949) BRIGADA GUAICURUS MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMO / 9ª DE - 9ª RM 4ª BRIGADA DE CAVALARIA MECANIZADA (4ª DC/1949) BRIGADA GUAICURUS TOMADA DE CONTAS ANUAL DE 2005 RELATÓRIO DE GESTÃO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO

INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO INDICADORES DE GESTÃO ORGÃO FUNDO DO EXÉRCITO Para medir os resultados do Programa 0750 Apoio Administrativo, na Ação 2000 Administração da Unidade e do Programa 0620 Adestramento e Operações Militares

Leia mais

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e

I - as ações decorrentes sejam realizadas de maneira progressiva, ativando-se, inicialmente, um núcleo do Batalhão; e Art. 3º Determinar que o Estado-Maior do Exército, os órgãos de direção setorial e o Comando Militar da Amazônia adotem, em suas áreas de competência, as providências decorrentes. Art. 4º Estabelecer que

Leia mais

NA ÚLTIMA SEMANA do inverno

NA ÚLTIMA SEMANA do inverno Projeto de Força do Futuro Coronel Ramon Marçal da Silva, Exército Brasileiro NA ÚLTIMA SEMANA do inverno norte-americano, cem líderes do Exército dos Estados Unidos da América (EUA) e do Departamento

Leia mais

ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO

ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO ARTILHARIA DE CAMPANHA DO EXÉRCITO BRASILEIRO Cezar Carriel Benetti, Major de artilharia; Aluno do 2º ano do Curso de Comando e Estado-Maior da ECEME. Mestre em Operações Militares (EsAO) e especialista

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS BRIGADA MECANIZADA GRUPO DE CARROS DE COMBATE

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS BRIGADA MECANIZADA GRUPO DE CARROS DE COMBATE S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL EXÉRCITO PORTUGUÊS BRIGADA MECANIZADA GRUPO DE CARROS DE COMBATE 1. INTRODUÇÃO a. As Forças Armadas Portuguesas têm presentemente a necessidade do acompanhamento tecnológico

Leia mais

MACRO SETORES DA FEIRA

MACRO SETORES DA FEIRA O Evento A ISC Brasil é a principal ferramenta para estar em contatos com usuários finais corporativos, iniciar novos projetos, gerar negócios, estreitar relacionamentos, criar parcerias e acessar os principais

Leia mais

tecnologia engenharia aeronáutica y

tecnologia engenharia aeronáutica y tecnologia engenharia aeronáutica y Ilustração mostra uma futura aptidão do novo KC-390: reabastecer aviões militares em pleno voo 62 z novembro DE 2014 Projeto global Embraer desenvolve novo avião militar

Leia mais

A atuação do COMDEFESA FIERGS na indústria gaúcha Comitê da Indústria de Defesa e Segurança COMDEFESA

A atuação do COMDEFESA FIERGS na indústria gaúcha Comitê da Indústria de Defesa e Segurança COMDEFESA A atuação do COMDEFESA FIERGS na indústria gaúcha Comitê da Indústria de Defesa e Segurança COMDEFESA Santa Maria, 01 de outubro de 2013. Visão de Desenvolvimento Mobilização da Indústria Gaúcha para oportunidades

Leia mais

CFOR INFANTARIA COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA II INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 75 HORAS PLANO DE DISCIPLINA

CFOR INFANTARIA COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA II INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 75 HORAS PLANO DE DISCIPLINA CPOR / NPOR CFOR INFANTARIA ELABORADO EM 013 COMBATE E SERVIÇO EM CAMPANHA II INSTRUÇÕES PECULIARES CARGA HORÁRIA: 75 HORAS PLANO DE DISCIPLINA Aprovado pelo BI/DESMil nº 081, de 4 de outubro de 013. 1.

Leia mais

Presentation Title Presentation Subtitle

Presentation Title Presentation Subtitle Presentation Title Presentation Subtitle SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 ASPECTOS LEGAIS 3 ASPECTOS ESTRATÉGICOS 4 SISFRON Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica,

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

A INDEPENDÊNCIA É PARA TODOS

A INDEPENDÊNCIA É PARA TODOS A INDEPENDÊNCIA É PARA TODOS A INDEPENDÊNCIA É PARA TODOS A independência do Brasil não aconteceu apenas uma vez, em 1822. Ela acontece todos os dias, quando lutamos por direitos como igualdade, democracia,

Leia mais

No dia 3 de janeiro de 2014, foi. realizada a formatura de despedida de

No dia 3 de janeiro de 2014, foi. realizada a formatura de despedida de INFORMATIVO Nº 1-1º TRIMESTRE DE 2014 - LORENA - SP No dia 7 de janeiro de 2014, foi realizada a formatura de despedida de militares da Unidade. Na ocasião deixaram o convívio do Regimento Itororó o 1º

Leia mais

S.W.A.T. para executivos. International Training

S.W.A.T. para executivos. International Training International Training INTRODUÇÃO SWAT é um acrônimo em inglês para Special Weapons And Tactics (Armas e Táticas Especiais). Nos Estados Unidos, SWAT é o nome dado a uma unidade de polícia altamente especializada

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio

Construção de Navios-Patrulha Oceânicos. Desenvolvimento de Míssil Nacional Antinavio Programa 0626 Reaparelhamento e Adequação da Marinha do Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1N470000 Construção de Navios-Patrulha Oceânicos Produto: Navio construído Unidade de Medida: unidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

Informativo do 20º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Março de 2014 - Ano 2 - Nº 14 EDITORIAL ENTREGA DE DOAÇÕES

Informativo do 20º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Março de 2014 - Ano 2 - Nº 14 EDITORIAL ENTREGA DE DOAÇÕES Informativo do º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Março de 14 - Ano 2 - Nº 14 Prezados leitores, O mês de março teve início com a incorporação dos novos soldados recrutas do Regimento

Leia mais

SASDE no. Sasdeanos visitaram Santiago, capital do Chile, e participaram da semana das Fiestas Pátrias Págs. 2 e 3

SASDE no. Sasdeanos visitaram Santiago, capital do Chile, e participaram da semana das Fiestas Pátrias Págs. 2 e 3 SASDE no Chile Sasdeanos visitaram Santiago, capital do Chile, e participaram da semana das Fiestas Pátrias Págs. 2 e 3 Operação Desafio Aeromóvel Mais do que o conhecido modelo do programa Soldado por

Leia mais

IX Simulação para o Ensino Médio

IX Simulação para o Ensino Médio IX Simulação para o Ensino Médio (2003-2004) Teatro de Operações do Oriente Médio Felipe Silva Rocha Giovana Carnio Beltrame Gustavo Ferreira dos Santos Vicente Gustavo Lopes Ferreira Henrique Moric Vilela

Leia mais

Proposta de Estruturação do Sistema de Guerra Cibernética no Âmbito das Forças Armadas. Autor

Proposta de Estruturação do Sistema de Guerra Cibernética no Âmbito das Forças Armadas. Autor Proposta de Estruturação do Sistema de Guerra Cibernética no Âmbito das Forças Armadas Autor Marcelo Paiva Fontenele - Maj Centro Integrado de Guerra Eletrônica CIGE Brasília, DF. Currículo Marcelo Paiva

Leia mais

PRIMÓRDIOS DA MOTORIZAÇÃO NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1919 a 1940 (I)

PRIMÓRDIOS DA MOTORIZAÇÃO NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1919 a 1940 (I) PRIMÓRDIOS DA MOTORIZAÇÃO NO EXÉRCITO BRASILEIRO 1919 a 1940 (I) Introdução Com o fim da primeira guerra mundial (1914-18) e a consolidação do uso de veículos para fins militares, nos principais exércitos

Leia mais

índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento

índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento índice A Empresa Nossa Infra Estrutura Porque utilizar Simulação Benefícios do Treinamento Metodologia de Ensino Simuladores Sistema de Treinamento Modalidades de Treinamento Avaliação Profissional Nossos

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras

Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras 1. INTRODUÇÃO 2. PLANO ESTRATÉGICO DE FRONTEIRAS 3. O SISFRON a. ESTUDO DE VIABILIDADE b. ASPECTOS TÉCNICOS c. SUBSISTEMAS d. O PROJETO PILOTO 4. CONCLUSÃO

Leia mais

ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN)

ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN) ESCOLA NAVAL X CONGRESSO ACADÊMICO SOBRE DEFESA NACIONAL (CADN) 03SET2013 PALAVRAS INICIAIS SUMÁRIO BREVE HISTÓRICO MISSÃO E ORGANIZAÇÃO O ENSINO O CORPO DE ASPIRANTES CONCLUSÃO PALAVRAS INICIAIS SUMÁRIO

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA 2011

MODERNIZAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA 2011 MODERNIZAÇÃO DA MARINHA BRASILEIRA 2011 Nota do Editor: No decorrer deste artigo há menção de diversos navios, submarinos e viaturas blindadas. Para se conhecer melhor cada um dos navios comentados, clique

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS Sem alteração 1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS GABINETE DO COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 006-RES, DE 5 DE JUNHO DE 2002. Aprova a Diretriz Estratégica de Garantia da Lei e da

Leia mais

COMDEFESA RS Comitê da Indústria de Defesa e Segurança Sistema FIERGS

COMDEFESA RS Comitê da Indústria de Defesa e Segurança Sistema FIERGS COMDEFESA RS Comitê da Indústria de Defesa e Segurança Sistema FIERGS OBJETIVO DO COMDEFESA FIERGS: Mobilização da Indústria Gaúcha para oportunidades no setor de defesa e segurança. FONTE: FONTE: FONTE:

Leia mais

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP)

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP) Perspectivas para o desenvolvimento de uma indústria Sul- Americana de material de defesa: o Conselho de Defesa Sul- Americano como catalisador da cooperação regional. José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Seminário Internacional de VANT 2010 VANT Quem Opera? Cel Av R1 Alexandre Lessa Destaques das Palestras da Conferência Anual de Treinamento e Simulação em VANT em Londres,

Leia mais

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres 2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres O objetivo deste trabalho é estudar a localização dos grupamentos logísticos no Exército de Campanha. No entanto, para ocorrer o entendimento da modelagem

Leia mais

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO Cel Cláudio Moreira Bento(X) HOMENAGEM AOS HERÓIS DA CONQUISTA DE MONTE CASTELO No transcurso, em 21 fevereiro de 2015 do 67º aniversário da vitória brasileira

Leia mais

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus,

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, Unidades Especializadas de Polícia do Exército Polonês General Boguslaw Pacek, Exército Polonês Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, não há medo de agressão armada por parte de estados

Leia mais

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria. A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Termos comuns: SOFT POWER O Poder Suave: situação na qual um

Leia mais

Como uma brigada blindada conquistou Bagdá

Como uma brigada blindada conquistou Bagdá Como uma brigada blindada conquistou Bagdá ALEX ALEXANDRE DE MESQUITA, Major de Cavalaria do Exército Brasileiro, Mestre em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado-Maior do Exército em 2007/2008,

Leia mais

EE-3 JARARACA 4x4 UM CONCEITO ESQUECIDO

EE-3 JARARACA 4x4 UM CONCEITO ESQUECIDO EE-3 JARARACA 4x4 UM CONCEITO ESQUECIDO A idéia de se produzir um veículo leve blindado 4x4 para o Exército Brasileiro não é nova, ela remonta ao início dos anos 70, quando a primeira idéia surge no Parque

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicada no Diário Oficial nº 1.880 de 10 de setembro de 1998 LEI COMPLEMENTAR Nº 027 DE 09 DE SETEMBRO

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br

APRESENTAÇÃO. www.maissolucoeslogisticas.com.br APRESENTAÇÃO www.maissolucoeslogisticas.com.br Acreditamos que as pequenas e médias empresas de transporte, armazenagem, operadores logísticos e empresas de e-commerce podem ter processos eficientes, uma

Leia mais

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge

Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs) no contexto do monitoramento agrícola Lúcio André de Castro Jorge lacjorge@gmail.com VANTS NA AGRICULTURA Vantagens sobre aeronaves convencionais e satélites Custo

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores:

Leia mais

ARTILHARIA ANTIAÉREA SOBRE LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO: algumas tentativas e muitas frustrações

ARTILHARIA ANTIAÉREA SOBRE LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO: algumas tentativas e muitas frustrações ARTILHARIA ANTIAÉREA SOBRE LAGARTAS NO EXÉRCITO BRASILEIRO: algumas tentativas e muitas frustrações Introdução A origem da artilharia antiaérea brasileira remonta aos anos de 1930, onde foi empregada com

Leia mais

PLANOS DE PATROCÍNIO

PLANOS DE PATROCÍNIO PLANOS DE PATROCÍNIO APRESENTAÇÃO DO SEMINDE O foco estratégico do Seminário é: aproximar empresas que atuam no Setor de Defesa, Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira, bem como

Leia mais

A Cooperação entre a Universidade Federal de Santa Maria e as Forças Armadas do Brasil: um balanço

A Cooperação entre a Universidade Federal de Santa Maria e as Forças Armadas do Brasil: um balanço A Cooperação entre a Universidade Federal de Santa Maria e as Forças Armadas do Brasil: um balanço Resumo Augusto César Dall Agnol Bóris Zabolotsky Guilherme de Almeida Pastl Leila Bartz Luísa Zanini da

Leia mais

CAPACIDADE DE DETECÇÃO E CONTROLE DE AMEAÇAS QBNR (EXÉRCITO BRASILEIRO)

CAPACIDADE DE DETECÇÃO E CONTROLE DE AMEAÇAS QBNR (EXÉRCITO BRASILEIRO) CAPACIDADE DE DETECÇÃO E CONTROLE DE AMEAÇAS QBNR (EXÉRCITO BRASILEIRO) O B J E T I V O Apresentar a capacidade de detecção e controle de ameaças Químicas, Biológicas, Organização Nucleares, Radiológicas

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS ESCRITÓRIO DE PROJETOS DO EXÉRCITO 03.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GESTÃO DE PORTFÓLIO ESTRUTURA DO EPEX ESTRUTURA DA SACI PEE CONCLUSÃO INTRODUÇÃO Port

Leia mais

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO CONHECER O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DO EXÉRCITO E A SITUAÇÃO ATUAL DOS PROJETOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO E DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP). - BRASIL ALMEJANDO SER ATOR GLOBAL

Leia mais

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação: Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010 DOU de 14.12.2010 Altera a Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, que disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias destinadas

Leia mais

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14 SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL FIEP - 21 Jul 14 Base Industrial de Defesa Aspectos Relevantes Base Industrial de Defesa 1. Introdução 2. Aspectos Relevantes

Leia mais

O&M Organizações e Métodos I

O&M Organizações e Métodos I UFF Universidade Federal Fluminense O&M Organizações e Métodos I UNIDADE I INTERODUÇÃO À O&M Fabio Siqueira 1. Apresentação do professor 2. Teste de sondagem (reconhecimento da turma) 3. Apresentação dos

Leia mais

Ciência sem Fronteiras Acordo CNPq CISB Saab. Bruno Rondani CEO

Ciência sem Fronteiras Acordo CNPq CISB Saab. Bruno Rondani CEO Ciência sem Fronteiras Acordo CNPq CISB Saab Bruno Rondani CEO Sobre o CISB Sobre o CISB Programas e projetos: Microgrid (Energia Desenvolvimento Urbano) Polynol (Energia) Sede em São Bernardo do Campo,

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais