Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser"

Transcrição

1 Os requisitos para os programas: um por todos e todos por um? É importante comparar os documentos que orientam os laboratórios para a acreditação de provedores de ensaios de proficiência, exemplifica pequenas diferenças nos textos das normas que, na prática, ocasionam maiores problemas, e propõe um Sistema de Gestão Integrado para Laboratórios (SGIL) [Paulo Afonso Lopes da Silva] Um laboratório de calibração ou de ensaio, para ser acreditado pelo Inmetro de acordo com a norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 [1], deve demonstrar a competência técnica na realização dos ensaios e calibrações por meio da participação satisfatória em atividades de ensaio de proficiência. Pelo menos uma dessas atividades deve ser evidenciada objetivamente pelo laboratório antes de solicitar a acreditação, por ser uma das melhores maneiras para acompanhar o seu desempenho. Os programas de ensaios de proficiências (PEPs) são coordenados por um provedor, para quem o Inmetro conduz, desde 2009, um programa-piloto de acreditação com término previsto para este ano de 2011 [2]. Nele, os provedores de EP devem atender aos requisitos do documento ILAC-G13:8/2007 [3], com os adicionais do próprio Inmetro [4], e também devem ter concluída, pelo menos, uma rodada de ensaio de proficiência. Além dos requisitos a serem atendidos, há exigências formais de documentação, estabelecidas não somente pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005, como também pela ILAC-G13:08/2007 e, desde 1 de fevereiro de 2010, pela norma ISO/IEC 17043:2010 [5], todas com o objetivo de melhorar a qualidade dos resultados emitidos por um laboratório. Dependendo do documento segundo o qual o organismo acreditador basear-se-á para conduzir a auditoria, observa-se que, nas normas, os requisitos diferem entre si, mesmo que em número pequeno, para o mesmo aspecto a observar. Diferenças, aparentemente simples, criam dificuldades como, por exemplo, na decisão de como numerar os itens do Manual da Qualidade, porque a ordem dos requisitos técnicos e gerenciais das normas 17025:2005 e 17043: 2010 está invertida, contradizendo a política de se terem os Manuais da Qualidade o mais harmonizados possíveis. Gerenciar múltiplos requisitos resulta em esforços desnecessários para os laboratoristas e seus gerentes pelos trabalhos redundantes a fazer, entre outros, nas capacitações, nas auditorias internas e externas, e na redação de procedimentos e de relatórios. Desse modo, ao invés da simplicidade no desenvolvimento da implementação do sistema da qualidade, os laboratórios são também obrigados a usar tabelas de referência cruzada entre todas as normas aplicáveis para facilitar a comprovação da evidência objetiva de cada um dos requisitos. Quando situação semelhante ocorreu com as certificações ISO à medida que novas regulamentações surgiram, também se verificou uma intersecção de exigências. No início, havia apenas a ISO 9001 [6], mas com a evolução dos conceitos de preservação ambiental, manutenção da segurança e saúde no trabalho e responsabilidade social, outros sistemas de gestão foram se agregando aos sistemas de garantia da qualidade. Como as inserções desses novos sistemas foram concluídas em momentos distintos e por pessoas diferentes, um resultado indesejável ocorreu: aumento dos custos envolvidos, monetários ou não, como de pessoal e de tempo de dedicação aos novos requisitos. Para os laboratórios de calibração e ensaios, a ABNT ISO/ IEC 17025:2005 requer que hajam procedimentos de controle da qualidade para acompanhar a validade dos ensaios e calibrações. Isto significa que os laboratórios devem verificar seus controles da qualidade baseados nos desempenhos internos, item 5.9, que se aplica a todo teste, tecnologia ou parâmetros do escopo de acreditação para demonstrarem atendimento a esses requisitos. Em complemento às atividades de controle da qualidade dos laboratórios, há um requisito distinto: todos os laboratórios participarem de programas de ensaios de proficiência, porque os resultados deles são um indicador da competência do laboratório e parte integral do processo de acreditação. Como os laboratórios usam os resultados dos EPs de modo mais crescente para demonstrarem suas competências, tornouse necessária a existência de um padrão comum para operar os programas de ensaios de proficiência. Esta necessidade é satisfeita, hoje, pela norma ISO/IEC 17043:2010, substituta do ISO/IEC Guide 43:1997 [7]. Para a acreditação dos provedores de EPs, o Inmetro exige o cumprimento dos requisitos do documento ILAC-G13:08/2007 do the International Laboratory Accreditation Cooperation 72 Dezembro/Janeiro 2012

2 (www.ilac.org), mesmo após ter sido publicada a norma ISO/ IEC 17043:2010. Serão os requisitos iguais ou apenas similares? Até que ponto pequenas diferenças influenciam o desempenho do laboratório? Para outros organismos certificadores as normas básicas são as mesmas? Comecemos com o mais simples: entende-se que o objetivo do item Definições das normas seja uniformizar o significado de cada nome em determinado contexto. Se elas se referem ao mesmo tema, devem ser as mesmas em todos os documentos-base. Entretanto, não é o que ocorre, conforme os dois exemplos a seguir: a) termo proficiency testing a.1) ISO/IEC 17043:2010.: no item 3.7, é a evaluation of participant performance against pre-established criteria by means of interlaboratory comparisons. a.2) ILAC-G13:8/ proficiency não é listada, apenas aparecem os termos test item, testing round e testing scheme a.3) ISO/IEC 17025:2005 [8] não lista o termo. a.4) ISO 13528:2005 [9] no item 3.2, é a determination of laboratory testing performance by means of interlaboratory comparisons Além das diferenças nas definições, inclui-se a expressão against pre-established criteria na b) termo proficiency testing provider b.1) ISO/IEC 17043:2010.: no item 3.9, é a organization which takes responsibility for all tasks in the development and operation of a proficiency testing scheme b.2) ILAC-G13:8/2007 no item 1.3.7, o Provider é A body (organisation or firm, public or private) that undertakes the design and conduct of a proficiency testing scheme. a.3) ISO/IEC 17025:2005 não lista o termo. a.4) ISO 13528:2005 não lista o termo. Mais ainda, os documentos adicionais que podem ser consultados para as demais definições são variados, conforme a Tabela 1. Tabela 1 Documentos a consultar para definições e esclarecimentos Documento Consultar ISO/IEC 17043:2010 ISO/IEC 17000:2004 [10], ISO/IEC Guide 99:2007 [11] ILAC-G13:8/2007 ISO/IEC Guide 43-1:1997 ISO/IEC 17025:2005. ISO/IEC 17025:2005 ISO/IEC 17000:2004 VIM [12] ISO 13528:2005 ISO [13] ISO [14] ISO [15] Consideremos, agora, requisitos de dois tópicos do ILAC-G13, da ISO/IEC e da ISO/IEC Dezembro/Janeiro

3 a) Management system a.1) ILAC-G13:8/ The provider of a proficiency testing scheme shall establish, implement and maintain a management system appropriate to its scope of activities including the type, range and volume of proficiency testing that it provides. a.2) ISO/IEC 17043: The proficiency testing provider shall establish, implement and maintain a management system appropriate to its scope of activities, including the type, range and volume of proficiency testing that it provides. a.3) ISO/IEC 17025: The laboratory shall establish, implement and maintain a management system appropriate to the scope of its activities. Observe-se que as duas primeiras são mais detalhadas que a terceira. b) Documents b.1) ILAC-G13:8/ The provider shall define and document its policies, programs, procedures and instructions to the extent necessary to assure the quality of all aspects of proficiency testing. The system s documentation shall be communicated to, understood by, available to, and implemented by the appropriate personnel. b.2) ISO/IEC 17043: The proficiency testing provider shall define and document its policies, programmes, procedures and instructions to the extent necessary to assure the quality of all aspects of proficiency testing. The system s documentation shall be communicated to, understood by, available to, and implemented by the appropriate personnel. b.3) ISO/IEC 17025: The laboratory shall document its policies, systems, programmes, procedures and instructions to the extent necessary to assure the quality of the test and/or calibration results. The system s documentation shall be communicated to, understood by, available to, and implemented by the appropriate personnel. Neste caso, os três requisitos são iguais. Cada organismo acreditador tem seus detalhes a observar, as diferenças influem na estrutura do sistema de qualidade dos laboratórios. Como exemplo de dificuldade, aparentemente simples, é a de numerar os itens do Manual da Qualidade, porque a ordem dos requisitos técnicos e de direção da e da são invertidos, o que ocasiona um problema na redação do Manual da Qualidade para o PEP que deve ser o mais harmonizado possível com o da organização a que o laboratório está subordinado. Acrescente-se incluir a estimativa da incerteza de medição dos resultados dos participantes. De acordo com a ISO/IEC 17025, essa estimativa é obrigatória para os laboratórios acreditados; isto é comum para a calibração, mas não para ensaios, entre os quais os microbiológicos, tendo como conseqüência a incerteza não ser estimada de modo consistente em muitos laboratórios. Mais ainda, os requisitos de rastreabilidade do valor designado a referências nacionais ou internacionais quando possível, têm 74 Dezembro/Janeiro 2012

4 diferentes importâncias se na calibração ou se nos ensaios. Com interpretações diferentes dos documentos-base, informações importantes poderão ser perdidas. Atualmente, a norma 17043:2010 está em vigor desde 1/2/2010. Entretanto, o Inmetro, pela NIT- DICLA-048 de fev/2010 considera ainda o ILAC-G13:8/2007 como a base para seus avaliadores auditarem os laboratórios que buscam acreditação. Tanto os laboratórios quanto o Inmetro sabem que o objetivo é melhorar a qualidade dos resultados e atender todo o sistema de maneira ideal, mas seguir estritamente o escrito pode conduzir a resultados não ótimos, e ocorre uma incoerência: um laboratório, dinâmico e com velocidade para seguir as mudanças nos dias de hoje, e à frente no atendimento aos requisitos internacionais da norma atual 17043: 2010 pode não ser acreditado pelo Inmetro, que segue um documento de 2007, oriundo de uma organização com 28 participantes (até abril de 2011). Para evitarem-se esses problemas, propõe-se um sistema integrado de acreditação, de modo semelhante ao Sistema de Gestão Integrados. Sistema de gestão integrado para laboratórios Na literatura sobre integração de sistemas de gestão, poucos tratam especificamente da integração dos sistemas de gestão da qualidade, do meio ambiente, da segurança e saúde no trabalho e da responsabilidade social como, por exemplo, [16]. Além disso, tais estudos não apresentam casos práticos de integração, restringindose a identificar requisitos comuns, bem como metodologias para a implementação. Integrar múltiplos sistemas de gestão tem as seguintes vantagens: Reduções nos custos de auditorias: embora não exista uma auditoria que certifique um sistema de gestão integrado, todos os custos envolvidos na preparação para essa auditoria podem ser reduzidos ao se realizar uma auditoria combinada; Capacitações facilitadas: não capacitar o pessoal do laboratório para cada norma e sim para um único sistema que congrega todas; Minimização de documentos: fontes múltiplas de consultas reduzidas a uma única Economia do tempo dos gestores, envolvidos apenas nas análises críticas de uma norma, e Comunicação mais transparente: a integração torna a comunicação mais simples e minimiza possíveis conflitos. Como deve haver uma mudança cultural profunda em que os atores organizacionais devem eliminar os paradigmas negativos e apreender novos conhecimentos, ferramentas de gestão e ações para alcançar os objetivos desejados, este artigo sugere a construção de um referencial para servir de base para novas investigações relativas a um Sistemas de Gestão Integrado para Laboratórios (SGIL). Em 2001 a ISO publicou o ISO Guide 72 [17], que adota um padrão, onde os seus comitês técnicos devem seguir diretrizes e Dezembro/Janeiro

5 políticas para a confecção ou revisão dos sistemas de gestão, visando a manutenção da compatibilidade dos sistemas. Pode-se notar essa preocupação no objetivo do Guia, que pretende estabelecer uma orientação para a metodologia (processo), manutenção (reavaliações), terminologia, estrutura e elementos comuns das normas de sistema de gestão para garantir a compatibilidade entre eles, bem como o alinhamento e aumentar a facilidade de utilização. O ISO Guide 72:2001 define compatibilidade de sistemas como sendo o seguinte: No caso de um sistema de gestão normalizado a compatibilidade significa que os elementos comuns (requisitos) das normas podem ser implementados por organizações de uma forma compartilhada (integrada), no todo ou em parte, sem uma duplicação desnecessária ou a imposição (geração) de conflitos entre requisitos ([17], p. 3) Desse modo, a escolha de sistemas integrados de gestão para laboratórios inicia-se pela ISO 17025, pelo fato de ser a norma mais abrangente e cujos requisitos devem ser atendidos pelos acreditados. A partir dela, as demais, de acordo com uma hierarquia, obrigatória no caso de contradições e omissões. Enquanto não se publica uma norma única, propõe-se um Sistema de Gestão Integrado para Laboratórios (SGIL), com as seguintes etapas: Passo 1. ISO/IEC 17025: atender aos requisitos Passo 2. ISO/IEC 17043: a) atender aos requisitos não constantes da b) nas contradições, seguir a Passo 3. NIT-DICLA-026: a) atender aos requisitos não constantes dos Passos 1 e 2 b) nas contradições, seguir os passos anteriores Passo 4. ILAC-G13:8/2007: a) atender aos requisitos não constantes dos Passos 1, 2 e 3 b) nas contradições, seguir os passos anteriores Passo 5. NIT-DICLA-048: a) atender aos requisitos não constantes dos Passos 1, 2, 3, e 4 b) nas contradições, seguir os passos anteriores Enfim, gerenciar múltiplos sistemas de gestão resulta em esforços desnecessários por parte dos laboratórios e seus gerentes. Trabalhos redundantes para implantações, implementações, melhorias, capacitações, auditorias internas e externas, documentos, relatórios, análises e outras situações acontecem quando sistemas de gestão, passíveis de acreditação, são administrados como elementos distintos, já que auditorias são realizadas por organismos diversos. Além da redução de custos, a pluralidade de documentos resultantes dos requisitos de tais sistemas é diminuída drasticamente com uma gestão integrada. Políticas, manuais e procedimentos agora não mais serão desenvolvidos com exclusividade para cada norma e sim para uma política única, um manual único e procedimentos coerentes com a política e manual estabelecidos pelo sistema de gestão do laboratório como um todo. As normas deveriam ser elaboradas para harmonizarem as metodologias utilizadas pelos laboratórios, para orientá-los e servirem como um guia de fácil entendimento e implementação para os laboratórios provedores de EPs. A pluralidade de documentos resultantes dos requisitos de sistemas distintos é diminuída drasticamente com um sistema integrado. A solução a curto prazo é incluir os detalhes para atender a cada um dos organismos acreditadores. Embora isto se possa conseguir a longo prazo, deve-se começar a mudança de modo imediato, para que a ênfase do trabalho no laboratório seja nos seus resultados, não na redação de POPs individuais para atenderem às exigências de cada organismo acreditador. 76 Dezembro/Janeiro 2012

6 Verificar o impacto dos requisitos das normas a partir da hierarquia proposta. Se não importantes, permanecer; caso contrário, sugerir à ISO a sua inclusão na próxima revisão da norma. O objetivo é a qualidade dos resultados para os clientes, e a forma não deve prejudicar para a parte laboratorial. Com essas realizações, ter-se-á a mudança no subtítulo deste artigo para um por todos e, realmente, todos por um!. Referências [1] ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005, Requisitos Gerais para Competência de Laboratórios de Ensaio e Calibração, [2] INMETRO. NIT-DICLA-026. Requisitos sobre a Participação dos Laboratórios de Ensaio e de Calibração em Atividades de Ensaio de Proficiência. Rev. 06, Jan/2010. [3] ILAC-G13:08/2007 ILAC, Guidelines for the Requirements for the Competence of Providers of Proficiency Testing Schemes, [4] INMETRO. NIT-DICLA-048. Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência em Fase Piloto. Rev. 01, Fev/2010. [5] ISO/IEC 17043:2010. Conformity assessment -- General requirements for proficiency testing, [6] ABNT NBR ISO 9001:2008. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos, [7] ISO/IEC Guide 43:1997, Proficiency testing by interlaboratory comparisons Part 1: Development and operation of proficiency testing schemes; Part 2: Selection and use of proficiency testing schemes by laboratory accreditation bodies, [8] ISO/IEC 17025:2005 General requirements for the competence of testing and calibration laboratories, [9] ISO 13528:2005 Statistical Methods for use in proficiency testing by interlaboratory comparison, 2005 [10] ISO/IEC 17000:2004 Conformity assessment Vocabulary and general principles, 2004 [11] ISO Guide 99:2007, International vocabulary of metrology -- Basic and general concepts and associated terms (VIM), [12] VIM - International vocabulary of basic and general terms in metrology [13] ISO 3534:2006 Statistics Vocabulary and symbols, Part 1: General statistical terms and terms used in probability, [14] ISO 3534:2006 Statistics Vocabulary and symbols, Part 2: Applied statistics, [15] ISO :1994. Accuracy (trueness and precision) of measurement methods and results -- Part 1: General principles and definitions, [16] CERQUEIRA, J. P. Sistemas de gestão integrados: ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001, SA 8000, NBR Conceitos e aplicações. Qualitymark. Rio de Janeiro, [17] ISO Guide 72:2001, Guidelines for the justification and development of management system standards, Paulo Afonso Lopes da Silva é do Instituto Militar de Engenharia e membro da Academia Brasileira da Qualidade (ABQ) = Dezembro/Janeiro

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E

ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E ACREDITAÇÃO FLEXÍVEL - REQUISITOS E MAIS VALIAS Lisboa, 21 de Maio de 2013 Experiência do Laboratório de Ensaios APEB Acreditação Flexível Intermédia João André jandre@apeb.pt 1 Outubro 2012 Entrega da

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS: ÁREA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS, PRESSOSTATO Programa PEP REDE 1401 Rodada 021/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003,

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação

Coordenação Geral de Acreditação Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES AOS LABORATÓRIOS QUÍMICOS NO ATENDIMENTO DOS REQUISITOS DA ABNT NBR ISO/IEC 17025 E POLÍTICAS DE ACREDITAÇÃO DA CGCRE Documento de caráter orientativo (DOQ-Cgcre-035)

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS...

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2 COORDENAÇÃO DO PROGRAMA E POLÍTICA DE CONFIDENCIALIDADE... 4 3 ITEM DA COMPARAÇÃO, PARÂMETROS E RESULTADOS... COMPARAÇÃO ENTRE ORGANISMOS EM INSPEÇÃO: ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, MEDIÇÕES DE ESPESSURA POR ULTRASSOM Programa PEP REDE 1406 Rodada 012/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 30/03/2015) SUMÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS -

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM CROMATOGRAFIA IÔNICA - ÂNIONS - ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Programa de Proficiência Página 2 de 9 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA...

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS DE ELETRODOMÉSTICOS E SIMILARES: FERRO ELÉTRICO DE PASSAR ROUPA Apoio: Programa PEP REDE 1505 Rodada 047/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 31/08/2015)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO

RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO RELATÓRIO FINAL DO 8º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VAZÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 Relatório do PEP 008/010

Leia mais

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015)

(Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS ELÉTRICOS E ÓPTICOS: LÂMPADAS Apoio: Programa PEP REDE 1503 Rodada 036/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado em 25/08/2015) F.PEP-4.6-003, rev. 002 Origem:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA

RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA RELATÓRIO FINAL DO 4º PROGRAMA DE SAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP 004/2010

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

Proficiência. www.gruposaas.com.br

Proficiência. www.gruposaas.com.br Proficiência www.gruposaas.com.br Página 2 de 9 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 BENEFÍCIOS DO PROGRAMA... 3 3 CONFIDENCIALIDADE... 3 4 ENVIO DOS RESULTADOS... 4 5 ORIGENS DE AMOSTRA... 4 6 ESCOPO

Leia mais

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE

1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE ELETRICIDADE GRANDEZA: TENSÃO CONTÍNUA E ALTERNADA, CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA E RESISTÊNCIA ELÉTRICA PROCESSO CERTIFICADO ISO

Leia mais

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. RELATÓRIO DE 2015 MOD01 rev13 APOIO:

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. RELATÓRIO DE 2015 MOD01 rev13 APOIO: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- RELATÓRIO DO PROGRAMA

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME

RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME RELATÓRIO FINAL DO 2º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL VOLUME PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:2008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-200 Relatório do PEP

Leia mais

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração

Ganhos do Plano de Calibração. Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Ganhos do Plano de Calibração Celso P. Saraiva Resp. Técnico Lab. Calibração Desenvolvimento Definições básicas em Metrologia; Propriedades das distribuições normais; O que calibrar? Como estabelecer um

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Programa Piloto de Ensaios de Proficiência em Análises de Compostos Voláteis em Águas

Programa Piloto de Ensaios de Proficiência em Análises de Compostos Voláteis em Águas Programa Piloto de Ensaios de Proficiência em Análises de Compostos Voláteis em Águas Marília Rodrigues 1, Filipe Albano 1, Élida Teixeira 2, Paulo Brabo 2 1 Rede Metrológica RS; 2 CPRM - LAMIN E-mail:

Leia mais

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA

REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE ENSAIO E DE CALIBRAÇÃO EM ATIVIDADES DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA NORMA No NIT-DICLA-026 APROVADA EM MAI/08 Nº 01/06 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação

Acreditação de Laboratórios. Acreditação de Laboratórios. Acreditação Acreditação de Laboratórios Acreditação Acreditação de Laboratórios Como Acreditar Laboratórios Vantagens da Acreditação Documentos Básicos para Acreditação Reconhecimento Internacional Acreditação A acreditação

Leia mais

O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações

O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações O sistema de gestão da qualidade aplicado em laboratórios de ensaios e calibrações Lucia Lima dos Santos (CEPEL) e Fernando B. Mainier (UFF) RESUMO Atualmente observa-se a importância da gestão da qualidade

Leia mais

Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios. 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB

Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios. 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB Laboratory Quality Management System: Private and Public scenarios 0liveira M CDTS-Fiocruz /Rede TB O que é Gestão da Qualidade?????? A gestão da qualidade pode ser definida como sendo qualquer atividade

Leia mais

Acreditação Panorama Brasil

Acreditação Panorama Brasil Acreditação Panorama Brasil 28 de novembro de 2013 Victor Pavlov Miranda Gestor de Acreditação Divisão de Acreditação de Laboratórios - Coordenação Geral de Acreditação INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM BIODIESEL

PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA EM BIODIESEL ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014/2015 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014/2015 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS

A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ENSAIO E CALIBRAÇÃO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS RELAÇÕES COMERCIAIS Lucia Lima dos Santos (UFF)

Leia mais

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM

Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Programa de Capacitação Interna - I Jornada PCI - CETEM Marta Brandão Tozzi Bolsista, Química Industrial, M. Sc. Maria Alice Goes Orientadora, Engenheira Metalúrgica, D. Sc. Resumo O CETEM é acreditado

Leia mais

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO

PROGRAMA DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM CALIBRAÇÃO DE PESOS PADRÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de

Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência e de Produtores de Materiais de Referência no Brasil Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2008. Renata Martins Horta Borges. Divisão de Acreditação de

Leia mais

Última atualização: 17/08/2015. Apoio:

Última atualização: 17/08/2015. Apoio: ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE COMPARAÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA Programa PEP REDE 1302 Rodada 019/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado 20/08/2015)

Leia mais

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020?

Como ter confiança em um Organismo de Inspeção? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? É necessária certificação ABNT NBR ISO 9001 ou acreditação ABNT NBR ISO/IEC 17020? O que buscar quando há uma necessidade 3 Como ter confiança em um Organismo 4 Como a acreditação do organismo de inspeção

Leia mais

F.PEP-4.6-003, rev. 002 Proc. de Origem: P.PEP 4.8 PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 Página 1 de 13

F.PEP-4.6-003, rev. 002 Proc. de Origem: P.PEP 4.8 PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 Página 1 de 13 COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS BIOLÓGICOS: ÁREA DE SAÚDE ANIMAL, DIAGNÓSTICO DE ANEMIA INFECCIOSA EQUINA Programa PEP REDE 1402 Rodada 002/2015 (Instruções aos Participantes, atualizado 05/03/2015)

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2016 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2016 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA PILOTO DE ENSAIO

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas.

Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas. Programa piloto de acreditação de produtores de materiais de referência: compilação de pontos observados nas avaliações realizadas. Renata Martins Horta Borges Divisão de Acreditação de Laboratórios Coordenação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas

Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Leticia de A. P. Rodrigues Msc Ciência de Alimentos, doutoranda em Química Analítica Metrologia Química e volumétrica - MQV SENAI Lauro de Freitas Definição de rastreabilidade metrológica VIM, 2012 Propriedade

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 521 Edição 1.0, 2015-02 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre Equipamentos para utilização em Atmosferas Explosivas (Sistema IECEx) Esquema IECEx

Leia mais

GUIA PARA A APLICAÇÃO DA ISO/IEC 17020 ÍNDICE ALTERAÇÕES

GUIA PARA A APLICAÇÃO DA ISO/IEC 17020 ÍNDICE ALTERAÇÕES GUIA PARA A ÍNDICE 1 Introdução 2 2 Guia para a :2012 3 Introdução 3 Termos e definições 3 Requisitos gerais Imparcialidade e independência 4 Requisitos de estrutura Requisitos administrativos 4 Requisitos

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014 MOD04 rev10

PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2014 MOD04 rev10 ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Comparação de requisitos para a gestão de qualidade em laboratórios segundo NBR ISO/ IEC 17025 e Boas Práticas de Laboratório (BPL)

Comparação de requisitos para a gestão de qualidade em laboratórios segundo NBR ISO/ IEC 17025 e Boas Práticas de Laboratório (BPL) ISSN 2177-4420 09 Comparação de requisitos para a gestão de qualidade em laboratórios segundo NBR ISO/ IEC 17025 e Boas Práticas de Laboratório (BPL) Apresentação Os laboratórios têm passado por intensas

Leia mais

NBR ISO/IEC 17025:2005

NBR ISO/IEC 17025:2005 Competence Recognition Certificate Engequímica Assessoria Projetos e Engenharia Química Ltda Ensaios Químicos End Av. São João 1628 - Caxias do Sul/ RS O laboratório citado acima está conforme os critérios

Leia mais

EMISSÕES EM MOTOCICLOS: PRIMEIRO ENSAIO DE PROFICIÊNCIA. E-mails: prsilva@inmetro.gov.br, vscunha@inmetro.gov.br,

EMISSÕES EM MOTOCICLOS: PRIMEIRO ENSAIO DE PROFICIÊNCIA. E-mails: prsilva@inmetro.gov.br, vscunha@inmetro.gov.br, EMISSÕES EM MOTOCICLOS: PRIMEIRO ENSAIO DE PROFICIÊNCIA Paulo R. M. Silva 1, Valnei S. Cunha 1, Werickson F. C. Rocha 1, Gabriel F. Sarmanho 1, Joyce C. Andrade 2 and Marcello Depieri 3 1 Inmetro - Divisão

Leia mais

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS:

COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL EM ENSAIOS MECÂNICOS E ENSAIOS QUÍMICOS: Áreas de Metalurgia, Produtos Metálicos, Máquinas e Equipamentos Apoio: Programa PEP REDE 1405 Rodada 010/2015 (Instruções aos Participantes,

Leia mais

ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira

ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation. ENplus. Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira ENplus Handbook, Part 5 - Scheme Organisation ENplus Sistema de Certificação de Qualidade para Pellets de Madeira Manual ENplus Parte 5: Organização do Sistema Versão 3.0, Agosto 2015 Manual ENplus, Parte

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto SGQ SGQ Sistema de Gestão da Qualidade Sistema (Definição do dicionário Michaelis) 1- Conjunto de princípios

Leia mais

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11. Última atualização: 27/01/2015. Apoio: CORSAN e DMAE

EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008. PLANO DE AÇÃO PARA O ANO DE 2015 MOD04 rev11. Última atualização: 27/01/2015. Apoio: CORSAN e DMAE ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ PROGRAMA DE ENSAIOS

Leia mais

ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática

ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática ENSAIO DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA : Uma Aplicação Prática 1 Conceição Fonseca, Alice Oliveira, Rui Lucas - CTCV FÓRUM SPQ EXPO EXPONOR 26 de Setembro de 2013 1. RESUMO

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

Emissões Gasosas 2014

Emissões Gasosas 2014 Ensaio de Aptidão Emissões Gasosas 2014 Misturas Gasosas de Propano em Nitrogénio Programa de Execução Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Entidades Envolvidas e Funções... 3 4. Procedimento...

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO

RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO RELATÓRIO FINAL DO 5º PROGRAMA DE ENSAIO DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL MASSA PESO PADRÃO PROCESSO CERTIFICADO ISO 9001:008 pela SGS Certificadora Certificado BR 98/0139 8-set-00 SUMÁRIO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DA QUALIDADE EM LABORATÓRIO Leonardo César Amstalden Gerente da Qualidade Laboratório T&E Analítica Rua Lauro Vannucci 1260 Campinas - SP (19) 3756-6600 SISTEMA DA QUALIDADE Um

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

GUIA PARA A ACREDITAÇÃO EM METROLOGIA DE MASSA ÍNDICE ALTERAÇÕES

GUIA PARA A ACREDITAÇÃO EM METROLOGIA DE MASSA ÍNDICE ALTERAÇÕES METROLOGIA DE ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Referências Bibliográficas 2 3. Definições 2 4. Procedimentos de calibração 2 4.1. Calibração de Pesos e Medidas Materializadas de Massa 3 4.2. Calibração de Instrumentos

Leia mais

Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade

Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade Acreditação de Organismos de Avaliação da Conformidade João Carlos Antunes de Souza Chefe da Divisão de Credenciamento de Laboratórios dicla@inmetro.gov.br Acreditação Atestação realizada por terceira

Leia mais

Análise Crítica de Certificados de Calibração

Análise Crítica de Certificados de Calibração Análise Crítica de Certificados de Calibração João Carlos Antunes de Souza Ana Cristina D. M. Follador Chefe da Divisão Chefe do de Núcleo Acreditação de Avaliação de Laboratórios- de Laboratórios DICLA/CGCRE/INMETRO

Leia mais

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços.

Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. NORMA BRASILEIRA NBR ISO 10019 Primeira edição 20.08.2007 Válida a partir de 20.09.2007 Diretrizes para a seleção de consultores de Sistemas de Gestão da Qualidade e uso de seus serviços. Guidelines for

Leia mais

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores NBR ISO 27001

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores NBR ISO 27001 Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores 1 É a norma de certificação para SGSI ( Sistemas de Gestão da Segurança da Informação), editada em português em abril de 2006 e que substituiu a BS 7799-2.

Leia mais

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Elisa Rosa dos Santos Assessora Técnica na Divisão de Acreditação de Laboratórios Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Acreditação de Laboratórios

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio

REGRA DE CERTIFICAÇÃO PRODUTO. Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Doc:700-RC-001 Página: 1/11 Elaborado por: Karen C. Martins Verificado por: Arnaldo Barbúlio Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 09/12/2013 1 OBJETIVO Esta Regra de Certificação estabelece os

Leia mais

Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica.

Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica. Pensar o futuro. Acreditação dos Serviços de Anatomia Patológica. INSA-PNAEQ/Labquality Oy/Ordem dos Médicos Rui Manuel Santos Silva Farmacêutico Analista Clínico Consultor A GARANTIA DA QUALIDADE É UM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Suelí Fischer Beckert

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Suelí Fischer Beckert UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Suelí Fischer Beckert SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES EM LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO PRESTADOR DE SERVIÇOS:

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE-UFRN PROGRAMA DE RECURSOS HUMANOS DA ANP-PRH 43 ENGENHARIA DE PETRÓLEO RELATÓRIO FINAL Metodologia para Implantação de Sistema de Gestão da Qualidade em Laboratórios

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

Cesar Lima - Gerdau Açominas.

Cesar Lima - Gerdau Açominas. Cesar Lima - Gerdau Açominas. A Gerdau Açominas. - Usina siderúrgica integrada. - Capacidade instalada de 3.000.000 t./ano de aço liquido. - Produz 2.750.000 t./ano de acabados em forma de blocos, placas,

Leia mais

Programa de acreditação para laboratórios de Perícias Forenses

Programa de acreditação para laboratórios de Perícias Forenses Programa de acreditação para laboratórios de Perícias Forenses Xerém - RJ 28 de julho de 2010 Marcos Aurélio Lima de Oliveira Coordenador Geral de Acreditação Convênio Inmetro/SENASP Termo de Cooperação

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28 o. andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Cgcre. Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência

Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Cgcre. Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência Documentos do Sistema de Gestão da Qualidade da Cgcre Acreditação de Provedores de Ensaios de Proficiência Rio de Janeiro (RJ), 01 e 02 / 09 / 2011 Suzana Saboia de Moura Divisão de Desenvolvimento de

Leia mais

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos

Proposta de Nota Técnica Cgcre. Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Proposta de Nota Técnica Cgcre Verificação intermediária das balanças utilizadas por laboratórios que realizam ensaios químicos e biológicos Ana Cristina D. M. Follador Coordenação Geral de Acreditação

Leia mais

Requisitos Boas Práticas/OCDE. Memorando de Entendimento. Rede de Informações. Gestão da Rede Global. Elementos Principais da Rede Global

Requisitos Boas Práticas/OCDE. Memorando de Entendimento. Rede de Informações. Gestão da Rede Global. Elementos Principais da Rede Global Plano de Acreditação das Atividades dos Centros de Recursos Biológicos no Brasil Elizabeth Cavalcanti, Waldemar Souza, Renata Almeida Inmetro/Cgcre/Dconf Petrópolis 16,17,18 set 2013 Elementos Principais

Leia mais

Ensaio e Certificação

Ensaio e Certificação Seminário sobre as experiências basileiras na implementação das Diretivas WEEE e RoHS Ensaio e Certificação 08/02/2011 Marcos Aurélio Lima de Oliveira Cgcre/Inmetro O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Raquel Nogueira (Cgcre, Inmetro) Maurício A. Soares (Cgcre, Inmetro)

Raquel Nogueira (Cgcre, Inmetro) Maurício A. Soares (Cgcre, Inmetro) ISSN 1984-9354 PROGRAMAS DE ACREDITAÇÃO E RECONHECIMENTO DA COORDENAÇÃO GERAL DE ACREDITAÇÃO (CGCRE) DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA (INMETRO): SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

Leia mais

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 385, de 23 de outubro de

Leia mais

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 1º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA AREA DE PRESSÃO FORA DAS INSTALAÇÕES PERMANENTES Rodada 01 Revisão 02 22 de Novembro de 2013

Leia mais

A influência do sistema de gestão de laboratórios nos resultados dos ensaios de proficiência da construção civil

A influência do sistema de gestão de laboratórios nos resultados dos ensaios de proficiência da construção civil A influência do sistema de gestão de laboratórios nos resultados dos ensaios de proficiência da construção civil Resumo Morgana Pizzolato Carla Schwengber ten Caten João Alziro Herz da Jornada A participação

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Políticas de Segurança Tópicos 1. Necessidade de uma Política de Segurança de Informação; 2. Definição de uma Política de

Leia mais

O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA: UM AVAL PARA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM - BUREAU VERITAS JAIR ROSA CLAUDIO - BUREAU VERITAS

O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA: UM AVAL PARA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM - BUREAU VERITAS JAIR ROSA CLAUDIO - BUREAU VERITAS 17 º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITARISTA E AMBIENTAL O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA: UM AVAL PARA A CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL MICHEL EPELBAUM - BUREAU VERITAS JAIR ROSA CLAUDIO - BUREAU

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA

SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE INFORMAÇÕES PARA LABORATÓRIO DE METROLOGIA Alysson Andrade Amorim Luiz Soares Júnior Universidade Federal do Ceará, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013

Relatório de Ensaio Nº FLA 0003/2013 Página 1 de 6 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletroeletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaios Laboratório

Leia mais

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA

PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA PROTOCOLO DO 6º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE MASSA Revisão 00-24 de novembro de 2014 Fol. 1 de 8 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES iniciou suas atividades

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

ENSAIO DE PROFICIÊNCIA PARA ANÁLISE DE METANO EM AR SINTÉTICO RELATÓRIO FINAL 1ª RODADA

ENSAIO DE PROFICIÊNCIA PARA ANÁLISE DE METANO EM AR SINTÉTICO RELATÓRIO FINAL 1ª RODADA ENSAIO DE PROFICIÊNCIA PARA ANÁLISE DE METANO EM AR SINTÉTICO RELATÓRIO FINAL 1ª RODADA ORGANIZAÇÃO PROMOTORA DO ENSAIO DE PROFICIÊNCIA Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

Leia mais

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO

RM 62 REQUISITOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE LABORATÓRIOS EM ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA SUMÁRIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem o objetivo definir os requisitos sobre a participação de laboratórios

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros Everton J. De Ros A ISO 9001 Revisão 2015 Cronograma Publicação Prevista em setembro de 2015 Jun 2012 Nov 2012 Jun 2013 Jan 2014 Set 2014 Jan 2015 Set2015 Minuta Design Spec & WD Design Spec & WD1 aprovada

Leia mais

Ensaios de Proficiência executados com base em valor de consenso: um estudo de caso na área ambiental no programa da Rede Metrológica RS

Ensaios de Proficiência executados com base em valor de consenso: um estudo de caso na área ambiental no programa da Rede Metrológica RS Ensaios de Proficiência executados com base em valor de consenso: um estudo de caso na área ambiental no programa da Rede Metrológica RS Proficiency Testing based on consensus value: a case in environmental

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE RM 80 MANUAL DE INSTRUÇÃO SOFTWARE PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REVISÃO: 02 AGO/2013 MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DOS RESULTADOS NO SISTEMA ON-LINE PROGRAMAS DE COMPARAÇÕES

Leia mais