GEAN ALEX PEREIRA PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COMPUTACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GEAN ALEX PEREIRA PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COMPUTACIONAIS"

Transcrição

1 GEAN ALEX PEREIRA PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COMPUTACIONAIS Joinville 2006

2 GEAN ALEX PEREIRA PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COMPUTACIONAIS Relatório Final de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado ao Curso de Graduação em Ciência da Computação, da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC. Orientador: Rogério Eduardo da Silva MSc. Joinville 2006

3 GEAN ALEX PEREIRA PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COMPUTACIONAIS Relatório Final de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado ao Curso de Ciência da Computação da UDESC, como requisito para a obtenção do grau de bacharel em Ciência da Computação. Aprovado em 29 de Junho 2006 BANCA EXAMINADORA Rogério Eduardo da Silva MSc. Isabela Gasparini MSc. Marcelo da Silva Hounsell PhD. Salvador Antonio dos Santos MSc.

4 Dedico este trabalho a meus pais, por estarem sempre presentes e pelas oportunidades de estudo.

5 Resumo O processo de desenvolvimento de jogos é uma tarefa complexa por envolver diversos aspectos, tais como: criação de cenários, enredo, personagens, história, uso de novas tecnologias etc., que exigem grande capacidade técnica, artística e profissional. Neste trabalho apresentam-se os diversos processos envolvidos nas fases de projeto e desenvolvimento de jogos, sendo que na primeira fase, a de projeto, encontram-se as descrições dos elementos que o compõem, bem como as formas de projetá-lo e um modelo de documentação, cuja elaboração servirá como referência durante o desenvolvimento do jogo. Na fase seguinte, a de desenvolvimento são apresentadas, de modo geral, as tecnologias e metodologias a serem utilizadas na implementação do jogo. São apresentadas, assim, no decorrer deste trabalho, as formas de elaboração e desenvolvimento de jogos computadorizados, bem como, um estudo de caso utilizando as metodologias estudadas. Palavras-chaves: Jogos eletrônicos, projeto, desenvolvimento

6 Abstract The process of development of games is a complex task for involving several aspects, such as: creation of sceneries, plot, characters, history, use of new technologies etc., that they demand great capacity technical, artistic and professional. In this work they come the several processes involved in the project phases and development of games. And in the first phase, the one of project, they are the descriptions of the elements that compose it, as well as the forms of projecting it and a documentation model, whose elaboration will serve as reference during the development of the game. It is still, in the following phase, to the one of development they are presented, in general, the technologies and methodologies to be used in the implementation of the game. They are presented, like this, when elapsing of this work, the elaboration forms and development of computerized games, as well, as a case study using the studied methodologies. Keywords: Electronic games, design, development

7 Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um ano e são melhores. Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, há os que lutam toda a vida. Esses são os imprescindíveis. Bertolt Brecht.

8 Lista de Abreviaturas 3D 3DGS ABRAGAMES AV AVE GUI HUD IA IHC MIT PC RPG RV UFMG UFRGS UFPE UNICAMP Três Dimensões 3D Game Studio Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos Ambiente Virtual Ambiente Virtual de Ensino Graphical User Interface Head up Display Inteligência Artificial Interface Humano-Computador Massachusetts Institute of Technology Personal Computer Role Playing Game Realidade Virtual Universidade Federal de Minas Gerais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade Federal de Pernambuco Universidade Estadual de Campinas 5

9 Sumário Lista de Figuras 11 1 Introdução 14 2 Fundamento de Jogos Histórico dos jogos computacionais Tipos e gêneros de jogos Quanto à capacidade de simulação Quanto a tecnologia Reconhecimento como esporte e profissão Situação do mercado nacional O Futuro dos Jogos Conceitos e Definições Jogos Interatividade Jogabilidade - Gameplay O que os jogadores desejam de um jogo O que os jogadores querem O que os jogadores esperam Interface Humano-Computador (IHC) Experiência do usuário Metolodologias de Desenvolvimento Metodologia Maiêutica

10 3.2 Metodologia Clássica Extreme Programming (XP) Game Design Ciclo de desenvolvimento de um jogo Vantagens Conclusão do Capítulo Projeto de Jogos Designação da equipe Fases do Projeto de Jogos Idéia do jogo Estabelecendo o Foco do Jogo Conceito do Jogo - Game Concept Identificando itens da fase de projeto Documentação do projeto de jogos Descrição dos elementos Mecanismos do jogo Elementos do jogo História Definição dos Mapas Level Design Menu do jogo Áudio Jogos de Aventura-Ação Características Básicas dos Jogos de Aventura-Ação Conclusão do Capítulo Desenvolvimento de Jogos 75 7

11 5.1 Arquitetura dos jogos Recursos Tecnológicos OpenGL (Open Graphics Library) DirectX Linguagens de programação Softwares Modelagem Edição/criação de Áudio Motor de jogo - Game engine Conclusão do Capítulo Estudo de Caso - The Quest Conceito do Jogo (Game Concept) Documentação do Projeto História Roteiro do Jogo Mecanismos do jogo Definição dos Elementos do jogo Detalhamento dos Cenários (Level Design) Definição do Menu Desenvolvimento - The Quest Softwares Motor do Jogo - Game Engine Modelagem dos Cenários Modelagem dos Personagens/Objetos Editores de Imagens Editores de Áudio

12 7.1.6 Animações Objetos/Personagens Utilizados Personagens Principais Códigos Criação dos Cenários Labirinto: Resultados Objetivos propostos/executados Estudo de Caso - Projeto The Quest Desenvolvimento do The Quest Motor de jogos - 3D Game Studio Conclusão Trabalhos Futuros Referências Bibliográficas 127 A Documento - Conceito do jogo 133 B Folha de Trabalho (Worksheet) dos jogos de Aventura/Ação 135 C Projeto dos Cenários 137 D Lista de Sites 145 D.1 Modelos/Objetos D.2 Músicas/Efeitos Sonoros D.3 Imagens D.4 Tutoriais - 3D Game Studio E Perguntas 146 9

13 F Fluxogramas 149 G Códigos implementados/utilizados 153

14 Lista de Figuras 2.1 Tomb Raider IV (esq.) - Counter Strike 1.6 (dir.) F1 - EA-Sport Age of Empires II (esq.) - Commandos I (dir.) Fifa 2004 (esq.) - Tiger Woods 2005 (dir.) Final Fantasy Definição de jogos Fases da metodologia Clássica Ciclo de desenvolvimento de um jogo Diagrama - Equipe de desenvolvimento de um jogo Exemplo de câmera na terceira-pessoa Exemplo de câmera na primeira-pessoa Exemplo de câmera ao utilizar a arma na primeira pessoa Esboço do personagem Atomic Sam Esboço do inimigo Arctic Immobilizer Blimp Importância da história de acordo com o gênero Jogo Max Payne I Exemplo de fluxograma das fases de um jogo Exemplo de fluxograma do menu Jogo Rayman II Jogo Pac-man Jogo Quake III

15 5.1 Arquitetura de um jogo Qualidade X Tamanho do Aquivo (PEDERSEN, 2003) Arquitetura (geral) do Motor de Jogos Editor de Níveis (Level) do 3D Game Studio Editor de Modelos e Mapas do 3D Game Studio Botão 1 (A) e Botão 2 (B) Piso falso Plataforma móvel Interruptor Modelo das perguntas Ator - Pedro Item - Vida Item - Esferas (Bônus) A e B Item - Energia Menu - The Quest Modelagem do Cenário (Labirinto) Tela principal Apresentação da história Apresentação da história Perguntas Armadilha Armadilha Texturas utilizadas no The Quest C.1 Legenda C.2 Fase de Treinamento - Labirinto

16 13 C.3 Castelo - Lado Externo C.4 Castelo - Primeiro Andar C.5 Castelo - Segundo Andar C.6 Castelo - Terceiro Andar C.7 Jardim C.8 Mapa Completo do Jogo E.1 Perguntas 1 e E.2 Perguntas 3 e E.3 Perguntas 5 e E.4 Perguntas 7 e E.5 Perguntas 9 e F.1 Fluxograma da fase de treinamento (labirinto) F.2 Fluxograma primeira e segunda fase F.3 Fluxograma da terceira fase F.4 Fluxograma da última fase G.1 Bonus 1-10 Pontos G.2 Bonus 2-15 Pontos G.3 Código - Plataforma móvel G.4 Exemplo de criação de um painel G.5 Movimento das flechas

17 14 1 Introdução Os jogos estão presentes entre os homens desde a antiguidade, em que se busca no jogo uma forma de se descontrair e aliviar as tensões causadas pelos problemas do dia a dia. O fato é que o jogo, sendo eletrônico ou não, é capaz de proporcionar nas pessoas sentimentos de alegria, descontração e competitividade. Segundo Winckler e Martins (2003),... em nosso cotidiano utilizamos várias formas de jogo: os dos sentidos, em que a curiosidade nos leva ao conhecimento; os jogos corporais expressos na dança, nas cerimônias e rituais de certos povos; o jogo das cores, da forma e dos sons, presente na arte dos imortais; o jogo do olhar. Enfim, ele está presente em diversos lugares. A intensidade do poder do jogo é tão grande que nenhuma ciência conseguiu explicar a fascinação que ele exerce sobre as pessoas. É devido a esse poder que os jogos têm sobre os seres humanos, que o mercado desse produto, atualmente, movimenta milhões de dólares por ano, tornando-o um negócio lucrativo, fazendo, dessa forma, que aumentasse o interesse de diversos países, inclusive o Brasil. Atualmente, a indústria nacional de jogos está investindo neste segmento. O Governo (através de incentivos), as empresas nacionais e a Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos - ABRAGAMES, estão conseguindo aos poucos melhorar a situação do Brasil nesse mercado. Prova disso, é o crescimento de mais de 5% na produção de jogos e o faturamento de aproximadamente 300 milhões de reais no ano de 2004 (CERCHIARO; ALMEIDA, 2005). Sendo assim, este trabalho tende a contribuir com as pesquisas que estão sendo feitas nessa área, sendo que o objetivo geral é avaliar os processos envolvidos nas fases de projeto e desenvolvimento de jogos computacionais, discorrendo desde a fase inicial (concepção) até o produto final (jogo). E como objetivos específicos têm-se: o estudo dos fundamentos dos jogos, das metodologias de projeto e desenvolvimento de jogos computadorizados, avaliando com maior detalhamento a Game Design, bem como, o desenvolvimento do estudo de caso, o jogo The Quest. O trabalho esta dividido da seguinte maneira: no capítulo 2 tem-se uma rápida descrição sobre as metodologias de desenvolvimento de software e de jogos. No próximo

18 1 Introdução 15 capítulo (3), apresenta-se a fundamentação: histórico, gêneros e tipos existentes, situação do mercado nacional, entre outros. Em seguida, no capítulo 4 e 5, são apresentados assuntos referentes aos processos envolvidos na fase de projeto e desenvolvimento de jogos: definições, conceitos e elementos que compõem essas fases. Posteriormente, nos capítulos 6 e 7, apresentam-se o estudo de caso The Quest com a sua documentação do projeto, bem como os resultados de sua implementação. Por fim, apresenta-se as considerações finais e trabalhos futuros.

19 16 2 Fundamento de Jogos Este capítulo destina-se a apresentar uma fundamentação teórica sobre jogos. O intuito da abordagem deste assunto é fornecer informações referentes à história dos jogos, apresentar sobre suas classificações e categorias, fazer uma breve análise do mercado de jogos, bem como discorrer sobre o seu futuro. 2.1 Histórico dos jogos computacionais Existem muitas contradições entre os historiadores, quando o assunto se refere ao primeiro jogo desenvolvido. Alguns, afirmam que o primeiro jogo foi desenvolvido pelo físico Willy Higinbothan 1, no início da década de 50, e tinha como finalidade incentivar o uso dos computadores de seu laboratório, Brookhaven National Laboratories. O jogo de tênis simples desenvolvido por ele, era visualizado em um osciloscópio e processado por um computador analógico, logo fez sucesso e começou a ser cobiçado pelo público que freqüentava o laboratório a fim de poder jogá-lo. Posteriormente o jogo foi aperfeiçoado, a nova versão podia ser visualizada em um monitor de 15 polegadas (OUTERSPACE, 2005). Entretanto, outros historiadores, de acordo com MIT (2005), afirmam que o primeiro jogo a ser criado foi o Spacewar. Desenvolvido em 1961 por Stephen Russell 2, a primeira versão deste jogo era totalmente desenvolvido em assembly sendo processado em um computador PDP-1 da empresa DEC, tinha como objetivo principal incentivar o uso deste computador. Após uma longa fase de contradições, atualmente aceita-se que o inventor do primeiro jogo eletrônico foi Willy Higinbotham. Os jogos eletrônicos passaram por diversas transformações e evoluções com o decorrer do tempo. A seguir apresenta-se uma rápida abordagem sobre os principais fatos ocorridos na história dos jogos (OUTERSPACE, 2005), (OLHO DIGITAL, 2003): 1967: Ralph Baer é reconhecido como o pai dos consoles após patentear o chasing game, um rudimentar jogo de Ping Pong; /russel/

20 2.1 Histórico dos jogos computacionais : Surge o primeiro Arcade (fliperama), desenvolvido por Nolan Bushnell; 1972: Nasce o primeiro console caseiro o MAGNAVOX ODYSSEY 100. No mesmo ano surge a famosa ATARI; 1976: Com o surgimento dos consoles programáveis, inicia-se a nova geração dos videogames; 1977: ATARI é vendida para empresa Warner Communications e passa a ser conhecida como ATARI VCS; 1979: Surge o primeiro portátil, o Milton Bradley Microvision; 1982: Surgimento da terceira geração dos consoles, com melhores gráficos. No mesmo ano é lançado o primeiro videogame vetorial, e que vinha acompanhado de um monitor; 1984: Devido a enorme quantidade de jogos e consoles disponíveis no mercado, houve uma queda nas vendas ocasionando o fato que ficou conhecido como o crash de 1984, levando várias empresas a falência; 1985: A NINTENDO revoluciona o mercado com o lançamento do console NES e com uma política arrojada onde garantia a venda dos seus produtos; 1988: A SEGA entra no mercado com o primeiro console 16 bits, o Mega Drive; 1989: A NINTENDO lança seu primeiro portátil o GameBoy; 1990: Surge o Super NINTENDO Entertainment System (SNES), com efeitos gráficos e sonoros mais evoluídos, sendo capaz de gerar imagens com até 256 cores; 1993: ATARI tenta reconquistar o mercado com o primeiro console 64 bits; 1994: A SONY lança o famoso Playstation, que era projetado para manipular polígonos e ambientes virtuais 3D; 1998: O último console da SEGA é lançado, o Dreamcast; 2001: A Microsoft Corporation, desenvolve seu primeiro console o Xbox, com uma arquitetura semelhante à de um PC; 2005: SONY(Playstation) e a Microsoft (Xbox), são as principais indústrias de console. Sendo que algumas das empresas que antes desenvolviam consoles continuaram no mercado de jogos, porém no ramo de desenvolvimento de jogos, como Atari e Sega.

21 2.2 Tipos e gêneros de jogos 18 Atualmente os jogos eletrônicos rendem milhões de dólares a seus desenvolvedores, sendo considerado uma excelente oportunidade de negócio (ABRAGAMES, 2004). E, segundo Pettinga (2002), os jogos serviram/servem como forma de incentivo, onde as pessoas têm seus primeiros contatos com o computador. E ainda a própria interface utilizada nos jogos ajudou a modelar a interface dos microcomputadores, surgindo assim o conceito de GUI (Graphic User Interface), desenvolvida pela Xerox PARC 3, e que foi posto em prática de maneira mais simplificada pela Apple 4 no seu Macintosh, em A seguir, surge o modelo de área de trabalho desktop e a organização visual dos dados através de ícones, pastas, e facilidade de manuseio através da utilização do mouse. Os jogos digitais têm apresentado bons resultados desde seu início. Desde então, a evolução tecnológica dos jogos tem acompanhado a evolução dos computadores, ou seja, os jogos servem, de certa maneira, como uma forma de testar os recursos computacionais. Por fim, nos dias atuais as tecnologias envolvidas no desenvolvimento de jogos estão diretamente ligadas com a indústria de hardwares relacionadas a jogos. 2.2 Tipos e gêneros de jogos De acordo com Grubba (1997), os jogos podem ser divididos em dois grupos principais, o primeiro grupo relacionado à capacidade de simulação que o jogo promove e o segundo relacionado com a tecnologia (arquitetura) envolvida Quanto à capacidade de simulação Ao descrever um determinado jogo, deve-se associá-lo a um gênero (tipo) como, ação, aventura, simulação, educativo, estratégia, entre outros. Podem ocorrer casos onde os jogos se enquadrem em mais de um gênero, sendo conhecidos como jogos híbridos. E ainda, segundo Bittencourt (2005)...não existe um consenso sobre uma taxonomia dos jogos computadorizados, mas a classificação dos jogos permite determinar um conjunto de características comuns que facilita o desenvolvimento dos enredos, dos motores e das interfaces gráficas. A seguir serão apresentadas as descrições dos principais gêneros de jogos, de 3 PARC 4

22 2.2 Tipos e gêneros de jogos 19 acordo com Pedersen (2003): Aventura/Ação: surgiram por volta dos década de 80, e são caracterizados por apresentarem enigmas que surgem ao longo da exploração do mundo virtual. Em jogos deste gênero, o jogador começa com um número mínimo de itens (armas, suprimentos, objetos), sendo que o objetivo é permitir que o jogador explore o cenário a procura de novos itens e a soluções de enigmas que possam levá-lo às próximas fases. É caracterizado também por apresentar uma estória que acompanha o jogo como, por exemplo, salvar uma princesa que foi raptada, ou ir a procura de um tesouro escondido por piratas a séculos passados. E ainda, o jogo é formado por cenários (2D ou 3D) que geralmente não têm por objetivo principal representar o mundo real, ou seja, geralmente este tipo de jogo é formado por personagens que fazem parte de um mundo imaginário. Como exemplo de jogos de aventura e ação tem-se o Tomb Raider desenvolvido pela empresa EIDOS 5 e Counter Strike desenvolvido pela VALVE 6 (Figura 2.1). Figura 2.1: Tomb Raider IV (esq.) - Counter Strike 1.6 (dir.) Simulação: tem por finalidade representar e simular situações, ações ou tarefas vivenciadas na realidade, ou seja, é uma tentativa de recriar experiências do mundo real. Desde 1950, as forças armadas dos Estados Unidos utilizam simuladores com o intuito de servir como treinamento para o exército, onde podem ser simuladas situações de guerra, de vôo, de dirigir um tanque ou até mesmo simular operação de controle de uma base nuclear. Por exemplo, nos jogos de simulação de corrida de Formula-1 (Figura 2.2), os jogadores tem dificuldades, atitudes e emoções semelhantes às que teriam se estivessem realmente dirigindo o veículo. Sendo que, assim como na real

23 2.2 Tipos e gêneros de jogos 20 idade, para se obter um bom resultado na corrida é preciso antes ajustar o carro de acordo com as condições da pista e do tempo. Figura 2.2: F1 - EA-Sport Estratégia: estes jogos requerem do jogador uma maior concentração, pensamento e planejamento. Os jogos de estratégia se diferem dos demais por apresentarem as regras e objetivos ao jogador, porém ele (jogador) tem a liberdade de escolher qual a melhor estratégia a ser seguida para se cumprir os objetivo do jogo. Este pode ser jogado em tempo real e contra adversários reais, ou até mesmo contra jogadores controlados pelo computador utilizando técnicas de inteligência artificial (IA). Como exemplo de jogos de estratégia, tem-se o Age of Empires desenvolvido pela Microsoft 7 e o Commandos desenvolvido pela empresa EIDOS (Figura 2.3) Figura 2.3: Age of Empires II (esq.) - Commandos I (dir.) Esportivos: têm por objetivo geral simular uma partida de um esporte qualquer. Sendo que, existem basicamente duas variações desse gênero. A primeira, o jogador tem como desafio administrar o esporte em questão, por exemplo, administrar um time de futebol, e o segundo, onde o jogador pertence a ação do esporte por exemplo, controlar um jogador de futebol ou de golf (Figura 2.4), ambos desenvolvidos pela 7

24 2.2 Tipos e gêneros de jogos 21 EA-Sport 8. Figura 2.4: Fifa 2004 (esq.) - Tiger Woods 2005 (dir.) RPG (Role-Playing Games): Neste tipo de jogo, a cooperação e a criatividade do jogador são as principais características. Os jogos são compostos por grandes cenários e longas histórias, onde os participantes devem ir à busca de tesouros, objetos mágicos, maneiras de aumentar o seu poder e buscar experiências para o personagem a fim de poder destruir os inimigos que estão presentes no cenário. Este tipo de jogo é muito difundido pela internet devido a sua facilidade de ser jogado na opção multiplayer (jogar pela rede com diversos jogadores). Como exemplo de jogos deste estilo temos o Final Fantasy desenvolvido pela Square Enix 9 (Figura 2.5). Figura 2.5: Final Fantasy 2 Educativos: geralmente voltados ao público infantil, estes jogos enfatizam a aprendizagem através do ato de jogar. Segundo Dante e Barone (1998) os jogos educativos computadorizados possuem, como uma de suas principais vantagens, um grande potencial para o processo de ensino e aprendizagem, por despertarem naturalmente o interesse dos alunos. Ou seja, através do ato de jogar tem-se a possibilidade de aprender, sobre diversos assuntos de maneira descontraída. Os jogos educativos 8 9

25 2.2 Tipos e gêneros de jogos 22 podem ser utilizados para o ensino de diversas disciplinas (matemática, geografia, história, português, línguas estrangeiras, entre outras), e ainda são capazes de estimular o raciocínio humano, como nos jogos de tabuleiros, por exemplo o xadrez. Segundo Bongiolo, Braga e Silveira (1998) os jogos educativos devem expor os objetivos de maneira clara, bem como, propor regras ao invés de impô-las Quanto a tecnologia Existem basicamente quatro classificações quanto a tecnologia envolvida nos jogos. Os jogos podem ser das plataformas: arcade, console, computadorizada ou móvel. Arcades: Considerada umas das mais populares e antigas plataformas, o arcade, conhecido no Brasil como Fliperama, são máquinas de grande porte que executam jogos de diversos gêneros. Utilizadas geralmente com finalidade comercial, entre as décadas 80 e 90, eram disponibilizadas para o público em shoppings, lanchonetes ou em casas de jogos. Entretanto, apesar de ter sido excelência dos jogos eletrônicos, atualmente com a difusão dos consoles e dos jogos de computadores, sua importância decaiu, sendo atualmente pouco utilizado (ARANHA, 2004). Apesar de não ter a mesma difusão de antigamente, a Universidade do Estado de São Paulo (USP) em parceria com o Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC), inicia em 2002 um projeto que visava o desenvolvimento de um fliperama 100% nacional. O projeto que foi finalizado em 2005 foi intitulado de GP Brasil, sendo que o simulador foi inteiramente produzido com base em software livre, utilizando o sistema operacional Linux e bibliotecas abertas para a manipulação dos gráficos, dos sons e da simulação física (LIPAS, 2005). Consoles: Devido à quantidade de jogos, preço acessível e fácil portabilidade, o videogame esta na lista das plataformas mais vendidas. Inicialmente apresentava baixos recursos gráficos, como o Atari-VCS (um dos primeiros consoles). Porém atualmente, com o desenvolvimento tecnológico e com o crescente interesse do público a este tipo de tecnologia, seus gráficos foram aperfeiçoados, chegando a competir com os computadores domésticos. Por exemplo, alguns consoles, como o Playstation 2 são capazes de processar cerca de 65 milhões de polígonos por segundo (indicação de qualidade e detalhamento de imagens), e que podem ser mais rápidas em cálculos

26 2.2 Tipos e gêneros de jogos 23 matemáticos que o nosso próprio computador pessoal, chegando à casa de 6.2 GigaFLOPS (bilhões de operações em ponto flutuante por segundo) (JARABECK, 2003). Plataforma Móvel: O uso desta tecnologia iniciou-se em 1990, com o surgimento dos minigames. Estes, eram equipamentos que tinham a capacidade de conter um ou mais jogos na memória, e que, apesar das primeiras versões não apresentarem gráficos de alta definição obtiveram grande sucesso devido a sua fácil mobilidade e por apresentarem diversas opções de jogo (OUTERSPACE, 2005). Os dispositivos móveis, assim como os demais equipamentos, foram evoluindo com o passar dos anos, atualmente estão envolvidas tecnologias de ponta em sua construção, apresentando grande capacidade de processamento de imagem e áudio, possibilitando assim que novos softwares principalmente os jogos desfrutem destes recursos. Jogos de Computador (PC): Após o surgimento do computador pessoal, que pode ser adquirido por um custo menor e o surgimento das GUI (Graphic User Interface) que permite que os usuários utilizem os PCs de maneira mais fácil e simplificada, a indústria de jogos eletrônicos começou a investir no mercado de jogos para este tipo de equipamento. De acordo com Feldman (2004), os computados são os dispositivos que mais sofreram evoluções tecnológicas, e vem atingindo também grande quantidade de usuários. Porém, ainda perde para os consoles no quesito entretenimento. Alguns fatores como a dificuldade de manipular os jogos, custo e pirataria são responsáveis pela migração que está ocorrendo dos PC s para os consoles. Segundo Nuke (2004) o mercado de jogos para consoles tende a expandir cerca de 8 bilhões de dólares nos próximos anos enquanto o mercado para computadores tende a diminuir cerca de 1 bilhão. Porém mesmo com esta tendência negativa em relação aos computadores, o mercado de jogos para computadores tende a obter lucros elevados. Segundo Wardell (2003) a demanda de jogos para esta plataforma está realmente mudando, porém não esta morrendo. Pois, existem jogos que somente são capazes de rodar nos PC s devido ao alto requisito de hardware que o jogo exige, e ainda, pode-se afirmar que os jogos são os grandes incentivadores para o surgimento e aperfeiçoamento das tecnologias computacionais, são eles, os responsáveis principalmente pelo avanço das placas gráficas e de áudio (LOWOOD, 2004). A seguir serão citadas algumas vantagens e desvantagens dos jogos para

- Aula 03_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 03_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 03_2012-1 Design de Games Só temos GAMES quando há: contexto interessante, direcionados a um objetivo e limitado por regras. Os games da era pós-digital se apoiam em

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 03 Game Design Document Edirlei Soares de Lima Game Design Document Um Game Design Document (GDD) é um documento que descreve todos aspectos

Leia mais

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH RAMARI, L.; FERNANDES, F.N. RESUMO O artigo apresenta o funcionamento de jogos na plataforma 2D, descrevendo os principais tipos de jogos e mostrando os passos básicos

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 02 Introdução ao Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo?

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo? Introdução

Leia mais

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game.

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game. Design de Games: A importância da estética utilizada na interface de um game. Edival Oliveira Lago Filho* Resumo: O artigo tem como objetivo, refletir sobre a importância da estética aplicada sobre o design

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA

TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA TÍTULO: AMBIENTE VIRTUAL PARA O ENSINO DE LÓGICA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE GUARULHOS

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS. O que era o MS-DOS? Como funcionava o MS-DOS? 26/09/2015

O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS. O que era o MS-DOS? Como funcionava o MS-DOS? 26/09/2015 O Inicio TODAS AS VERSÕES DO WINDOWS Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br Também temos ciência de que as primeiras versões do Windows não passavam de uma interface gráfica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS. Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho

DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS. Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho 2 Caravieri Modesto Professor de Programação e Banco de Dados I IFSP (SALTO Analise e Desenvolvimento

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL INFLUÊNCIA DOS JOGOS NO CAMPO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL Marcelo de Souza 1 bsi.marcelo@gmail.com Prof. Adilson Vahldick, Inteligência Artificial RESUMO: O desenvolvimento de jogos é um campo que atrai

Leia mais

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)?

Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Profa. Tatiana Aires Tavares tatiana@lavid.ufpb.br Tema: Por que estudar IHC (Interação Humano Computador)? Criar desejos... Resolver problemas do nosso dia-a-dia Facilitar a vida da gente Tornar possível...

Leia mais

3 Jogos Sérios e Educação O avanço tecnológico tem transformado e contribuído para a melhoria da prestação de serviço em diversas áreas. No contexto educacional, novos sistemas e equipamentos têm sido

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Microsoft Office 2007

Microsoft Office 2007 Produzido pela Microsoft e adaptado pelo Professor Leite Júnior Informática para Concursos Microsoft Office 2007 Conhecendo o Office 2007 Visão Geral Conteúdo do curso Visão geral: A nova aparência dos

Leia mais

Configurações do Windows para Leitores de Tela

Configurações do Windows para Leitores de Tela MÓDULO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL - CEFET BG SIEP (SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA) Configurações do Windows para Leitores de Tela Desenvolvido por Celio Marcos Dal Pizzol e

Leia mais

Game Design: Creepy Castle

Game Design: Creepy Castle Game Design: Creepy Castle Flee or Die Todos Direitos Reservados 2013 Allan Elias Ramos Versão #1.0 12/04/2013 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. VISÃO GERAL DO JOGO 4 QUANTO AO TIPO DE OBJETOS MANIPULADOS 4 QUANTO

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

RPG BUILDER: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DE JOGOS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³

RPG BUILDER: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DE JOGOS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³ RPG BUILDER: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DE JOGOS ¹ Edirlei E. Soares de Lima ², Pedro Luiz de Paula Filho ³ Resumo Este artigo apresenta o RPG Builder, uma ferramenta para criação de jogos de

Leia mais

Migrando para o Outlook 2010

Migrando para o Outlook 2010 Neste guia Microsoft O Microsoft Outlook 2010 está com visual bem diferente, por isso, criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Leia-o para saber mais sobre as principais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Projeto Gene: Ambiente de Apoio à Aprendizagem de Genética Baseado em Tamagotchi

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

TÍTULO: GAME - INCLUSÃO SOCIAL APAE DE SANTA BÁRBARA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: GAME - INCLUSÃO SOCIAL APAE DE SANTA BÁRBARA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: GAME - INCLUSÃO SOCIAL APAE DE SANTA BÁRBARA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): JACQUEKINE

Leia mais

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos

Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA. Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos META Curso: Desenvolvendo Jogos 2d Com C# E Microsoft XNA Conteudista: André Luiz Brazil Aula 2: IDEALIZANDO O SEU JOGO Apresentar idéias e ferramentas para a criação dos jogos OBJETIVOS Ao final da aula,

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

Software Livre em Empresas. Cesar Bezerra Teixeira

Software Livre em Empresas. Cesar Bezerra Teixeira Software Livre em Empresas Cesar Bezerra Teixeira 2004 Objetivo Apresentar tópicos diversos, para implantação de uma política de utilização de software livre, em empresas. Cesar Bezerra Teixeira 2 Sumário

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Interface gráfica. Figura 1: MS DOS

Interface gráfica. Figura 1: MS DOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sergipe IFS Campus Glória Professora: Jamille Madureira Informática Básica Sistemas Operacionais Sistema operacional é um programa que gerencia o hardware

Leia mais

B2gether. Aprender pode ser divertido

B2gether. Aprender pode ser divertido FASE I (1000 fichas ): Escolha um NOME e proponha uma LOGO para a sua equipe de trabalho durante o semestre. A logomarca pode ser feita na forma de um draft (rascunho). A versão final (arquivo JPEG) deve

Leia mais

Estudo de Caso da Nintendo

Estudo de Caso da Nintendo Estudo de Caso da Nintendo Roberto Paulo da Silva Pinto Junior robertjr@furnas.com.br 1 Universidade Federal Fluminense (UFF), Centro Tecnológico - Niterói, RJ, Brasil 2 Furnas Centrais Elétricas S.A.

Leia mais

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado.

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado. 1 Área de trabalho O Windows XP é um software da Microsoft (programa principal que faz o Computador funcionar), classificado como Sistema Operacional. Abra o Bloco de Notas para digitar e participar da

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS Aline Ferraz da Silva 1 Carine Bueira Loureiro 2 Resumo: Este artigo trata do projeto de Trabalho

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Escola Adalgisa de Barros

Escola Adalgisa de Barros Escola Adalgisa de Barros Sistemas Operacionais Ensino Médio Técnico 1º Ano 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador, controla o fluxo de informações

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE. CURSOS OFERECIDOS Access 2007 Aproximadamente 20 horas O aluno aprenderá criar Banco de Dados de forma inteligente, trabalhar com estoques, número de funcionários, clientes etc. Conhecerá ferramentas aprimoradas

Leia mais

- Aula 02_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 02_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 02_2012-1 Definição para JOGO DIGITAL (GAME) É uma atividade lúdica composta por uma série de ações e decisões, limitado por regras e pelo universo do GAME, que resultam

Leia mais

PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS

PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS PARADIGMAS DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL EM JOGOS ELETRÔNICOS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Késsia Rita da C. Marchi¹, Jaime William Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil joaoabrodrigues@outlook.com

Leia mais

Linguagem de Programação Visual

Linguagem de Programação Visual Linguagem de Programação Visual Unidade 1 Ambiente de desenvolvimento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE O JAVA... 3 AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO... 5 RECURSOS DA FERRAMENTA NETBEANS...

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7

DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7 DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7 1. MOVIMENTAÇÃO ENTRE PASTAS Todo o funcionamento do Windows Explorer gira em torno da sua capacidade de transitar entre as pastas salvas no disco de armazenamento.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Diego Cordeiro Barboza 1, Júlio César da Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, diego.cbarboza@gmail.com

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS

AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS O Windows XP fornece contas de usuários de grupos (das quais os usuários podem ser membros). As contas de usuários são projetadas para indivíduos. As contas de grupos são projetadas

Leia mais

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos

Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Game Design: A segurança da humanidade em suas mãos Todos Direitos Reservados 2013 Bruno Ruaro Confortin Versão # 1.01 22/04/2013 Índice 1. INTRODUÇÃO 4 2. VISÃO GERAL DO JOGO 5 QUANTO AO TIPO DE OBJETOS

Leia mais

Gestão da Qualidade em Projetos

Gestão da Qualidade em Projetos Gestão da Qualidade em Projetos EAP Escopo Uma vez que o documento do escopo do projeto tenha sido preparado e acordado, a próxima etapa na fase de planejamento é criar uma Estrutura Analítica do Projeto,

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Projeto CONDIGITAL A Jornada de PI Guia do Professor

Projeto CONDIGITAL A Jornada de PI Guia do Professor Projeto CONDIGITAL A Jornada de PI Guia do Professor Página 1 de 5 Guia do Professor Introdução A utilização de jogos digitais como objetos de aprendizagem tem sido difundida atualmente como uma forma

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

Auto Treinamento. Versão 10.05.13

Auto Treinamento. Versão 10.05.13 Auto Treinamento Versão 10.05.13 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. CONCEITO DE BUSINESS INTELLIGENCE... 3 3. REALIZANDO CONSULTAS NO BI-PUBLIC... 4 3.2. Abrindo uma aplicação... 4 3.3. Seleções... 6 3.4. Combinando

Leia mais

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES 1. Introdução CTRL-SHIFT é um jogo de puzzle, plataforma 2D e 3D ao mesmo tempo. O jogador navega por um cenário de plataformas 2D, e quando

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Apostilas OBJETIVA - Técnico Judiciário Área Administrativa TRE Tribunal Regional Eleitoral Estado do Maranhão - Concurso Público 2015.

Apostilas OBJETIVA - Técnico Judiciário Área Administrativa TRE Tribunal Regional Eleitoral Estado do Maranhão - Concurso Público 2015. 2º Caderno Índice Planilha eletrônica MS- Excel + exercícios... 02 Computação na Nuvem (cloud computing)... 102 Conceitos de Internet e Intranet + exercícios... 105 Internet Explorer, Firefox e Google

Leia mais

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013)

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Eduardo Bueno Simões Pires 1, Aline da Cunha Simões Pires 2 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem

Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Este roteiro tem como objetivo apresentar o projeto final do curso. Você deverá elaborar um projeto para

Leia mais

A (R)evolução dos Games

A (R)evolução dos Games A (R)evolução dos Games Meu Histórico... Guilherme Camargo, 37 anos Formação em Comunicação Social pela ESPM/97 FGV, Fundação Dom Cabral, Kellogg Marketing Academy + de 15 anos de experiência em consumo

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais