Normas Municipais de Segurança do Trabalho NSM-2 e NSM-3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Normas Municipais de Segurança do Trabalho NSM-2 e NSM-3"

Transcrição

1 Normas Municipais de Segurança do Trabalho NSM-2 e NSM-3 Equipe: Divisão de Engenharia de Segurança do Trabalho - DEST Responsável: João Batista de Oliveira Departamento de Assistência à Saúde do Servidor - DASS Secretaria Municipal de Administração SMA

2 Normas Municipais de Segurança do Trabalho (NSM-2 e NSM-3) 1. Introdução 2. Breve Relato sobre a NR-15 (Atividades e Operações Insalubres) 2.1. Atividades Insalubres 2.2. Critério Legal de Análise 2.3. Graus de Insalubridade 2.4. Valor do Adicional 2.5. Eliminação ou Neutralização da Insalubridade 3. Breve Relato sobre a NR-16 (Atividades e Operações Perigosas) 3.1. Atividades Perigosas ou Periculosas 3.2. Critério Legal de Análise 3.3. Valor do Adicional 3.4. Cessação do Direito de Percepção 4. Área de Competência da Divisão de Engenharia de Segurança do Trabalho (DEST) 5. As Normas Municipais de Segurança do Trabalho e seus Objetivos 6. Justificativa ou Exposição de motivos para elaboração dos Decretos Municipais que criaram as Normas Municipais de Segurança do Trabalho (NSM-2 e NSM-3) 7. Normas Municipais de Segurança do Trabalho NSM-2 e NSM-3 8. Conclusão 9. Bibliografia 10. Anexos - Anexo 1 Publicação das Normas Municipais de Segurança do Trabalho no Jornal Tribuna de Minas - Anexo 2 Decretos Municipais Sancionados pelo Prefeito de Juiz de Fora e Secretário Municipal de Administração, criando as Normas Municipais de Segurança do Trabalho.

3 Normas Municipais de Segurança do Trabalho NSM-2 e NSM-3 1. Introdução: As atividades da Divisão de Engenharia de Segurança do Trabalho (DEST) são essencialmente baseadas nos critérios técnicos estabelecidos pelas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho (MTA), baixadas pela Portaria nº de 08 de Junho de No que se refere exclusivamente ao pleiteio dos adicionais de riscos (insalubridade e periculosidade), nos sustentamos tecnicamente nas normas regulamentadoras: NR-15 Atividades e Operações Insalubres; NR-16 Atividades e Operações Perigosas 2. Breve Relato sobre a NR-15 (Atividades e Operações Insalubres): 2.1. Atividades Insalubres Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde acima dos limites de tolerância, fixados em razão da natureza e da intensidade e do tempo de exposição aos seus efeitos Critério Legal de Análise: O critério legal de análise estabelecido por essa norma para a caracterização das condições de insalubridade são: Critério Quantitativo (Qt) É aquele que a intensidade (concentração) do agente nocivo é superior aos limites de tolerância (Lt). Critério Qualitativo (Ql) É aquele em que o agente nocivo não tem limite de tolerância estabelecido e a insalubridade é caracterizada pela sua presença, através de laudo de inspeção do local de trabalho. A mesma portaria, define o limite de tolerância do seguinte modo:

4 Limite de Tolerância (Lt) É a concentração ou intensidade máxima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição do agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante a sua vida laboral. Considerando, pois, o disposto na NR-15 no que concerne à insalubridade, a DEST através do seu corpo técnico deverá: A) Avaliar pelo critério quantitativo as atividades ou operações desenvolvidas com a presença dos seguintes agentes nocivos: Anexo 1 Ruído contínuo ou intermitente Anexo 2 Ruído de impacto Anexo 3 Calor Anexo 5 Radiações ionizantes Anexo 8 Vibrações Anexo 11 Gases e Vapores Anexo 12 Poeiras Minerais B) Comprovar, através de laudo de inspeção, nas atividades, operações ou local de trabalho a presença (critério qualitativo) de um ou mais agentes nocivos: Anexo 6 Trabalho sob condições hiperbáricas Anexo 7 Radiações não ionizantes Anexo 9 Frio Anexo 10 Umidade Anexo 13 Agentes químicos Anexo 14 Agentes biológicos 2.3. Graus de Insalubridade: A NR-15 da Portaria n.º 3.214/78/MTA estabelece os seguintes graus de insalubridade, em função da natureza do agente: Grau máximo Grau médio Grau mínimo 2.4. Valor do Adicional:

5 O exercício do trabalho em condições de insalubridade assegura ao servidor a percepção de adicional sobre o salário base do servidor, nos percentuais abaixo, de acordo com o grau de insalubridade do agente nocivo, conforme dispõe o item-2 da NR-15 da Portaria n.º 3214/78: Grau máximo...40% Grau médio...20% Grau mínimo...10% Os anexos, agentes de insalubridade e seus respectivos graus, os percentuais do adicional e o critério de caracterização estão resumidos no seguinte quadro: Anexos Agentes Insalubres Grau Adicional Critério 01 Ruído contínuo ou intermitente Médio 20% Qt 02 Ruído de impacto Médio 20% Qt 03 Calor Médio 20% Qt 04 Radiações ionizantes Máximo 40% Qt 05 Pressões hiperbáricas Máximo 40% Qt 06 Radiações não-ionizantes Máximo 40% Ql 07 Vibrações Médio 20% Qt 08 Frio Médio 20% Ql 09 Umidade Médio 20% Ql 10 Gases e Vapores Mín./Méd./Máx. 10/20/40% Qt 12 Poeiras Minerais Máximo 40% Qt 13 Agentes Químicos Mín./Méd./Máx. 10/20/40% Ql 14 Agentes Biológicos Méd./Máx. 10%/40% Ql Qt = Critério quantitativo Ql = Critério qualitativo Eliminação ou Neutralização da Insalubridade: A NR-15 da Portaria n.º 3.214/78 MTA nos itens a seguir citados, dispõe sobre a eliminação ou neutralização da insalubridade: A eliminação ou neutralização da insalubridade determinará a cessação do pagamento do adicional respectivo A eliminação ou neutralização da insalubridade deverá ocorrer:

6 A) Com a adoção de medidas de ordem geral, que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; B) Com a utilização de Equipamentos de proteção individual (E.P.I.). As medidas de eliminação ou neutralização dos agentes de insalubridade são referentes à melhoria das condições ambientais e de proteção ao ambiente são as que visam eliminar o problema na sua fonte. Não sendo possível o controle ambiental busca-se a proteção individual, através do uso do E.P.I., que visa diminuir a intensidade do agente nocivo aos limites de tolerância préestabelecidos. A Norma Regulamentadora (NR-6), da Portaria n.º 3.214/78 MTA, estabelece: Item 6.6: Obrigações do Empregador : Obriga-se o empregador, quanto ao E.P.I., a: a) adquirir o tipo adequado à atividade do empregado; b) fornecer ao empregado somente E.P.I. aprovado pelo MTA e de empresas cadastradas no DNSST/MTA; c) treinar o trabalhador sobre seu uso adequado; d) tornar obrigatório o seu uso; e) substituí-lo imediatamente, quando danificado ou extraviado; f) responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica; g) comunicar ao MTA qualquer irregularidade observada no E.P.I.. Item 6.7: Obrigações do Empregado : Obriga-se o empregado, quanto ao E.P.I., a: a) usá-lo apenas para a finalidade a que se destina; b) responsabilizar-se por sua guarda e conservação; c) comunicar ao empregador qualquer alteração que torne impróprio o seu uso; 3. Breve Relato sobre a NR-16 (Atividades e Operações Perigosas): 3.1. Atividades Perigosas ou Periculosas:

7 São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do trabalho, aquelas que por sua natureza ou método de trabalho, impliquem em contato permanente com: Inflamáveis Radiações Ionizantes Eletricidade (A Lei 7.396/85 institui o adicional de periculosidade para os empregados que exercem suas atividades no setor de energia elétrica em condições perigosas) Critério Legal de Análise: O critério legal estabelecido por essa norma para caracterização das atividades ou operações perigosas, serão descritos a seguir: A NR-16 e seus anexos, da Portaria n.º 3.214/78 MTA, estabelecem os critérios de caracterização das atividades e operações envolvendo inflamáveis e explosivos. O Decreto n.º , de 14 de Outubro de 1986, fixa os critérios de caracterização das atividades e operações com energia elétrica (Atividades/Áreas de Risco). A Portaria n.º 3.393, de 17 de Dezembro de 1987, considera que a exposição do trabalhador às radiações ionizantes ou às substâncias radioativas, nas condições do Quadro de Atividades e Operações com Radiações Ionizantes ou Substâncias Radioativas, anexo à NR-16, é uma atividade perigosa Valor do Adicional: O trabalho em condições de periculosidade assegura ao trabalhador a percepção de adicional de 30% incidente sobre o salário base, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participações nos lucros ou dividendos da empresa Cessação do Direito de Percepção: O direito ao adicional de periculosidade ou insalubridade cessará com a eliminação dos riscos à saúde ou integridade física e também de acordo com normas expedidas pelo Ministério do Trabalho (MTA). 4. Área de Competência da Divisão de Engenharia de Segurança do Trabalho (DEST): Desenvolver, administrar e inspecionar as atividades de prevenção de acidentes, cumprindo os dispositivos legais vigentes;

8 Orientar e assessorar os diversos órgãos da instituição de forma a garantir o desempenho dos mesmos, na aplicação dos programas de segurança estabelecidos; Elaborar e propor normas, instruções e regulamentos no que tange à Segurança do Trabalho; Manter, programa de inspeção de segurança visando levantar os riscos de acidentes, recomendar medidas corretivas e acompanhar o processo de execução até seu final; Investigar os acidentes, elaborar e por em prática procedimentos específicos, incluindo atribuições a todos quantos possam vir a participar nas investigações; Emitir parecer conclusivo sobre as causas dos acidentes e medidas aplicáveis para prevenir ocorrências semelhantes; Manter registros de acidentes e todos os detalhes necessários aos estudos estatísticos e funcionais, da prevenção de acidentes; Elaborar programas e ministrar treinamento geral e específico, abordando assuntos prevencionistas; Promover campanhas internas de prevenção de acidentes e doenças do trabalho e meio ambiente; Emitir laudos periciais; Coordenar a implantação e continuidade das CTCCTs. 5. As Normas Municipais de Segurança do Trabalho e seus Objetivos:

9 Norma de Segurança Municipal n.º 1 (NSM-1): Através do Decreto n.º de 24/06/1997, trata da organização e funcionamento das Comissões Técnicas de Controle das Condições de Trabalho CTCCT, no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora, suas Autarquias e Fundações Públicas. Esta Norma foi uma adaptação da Norma Regulamentadora n.º 5 (NR-5) Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA, da Portaria MTA n.º de 08/06/1978, visto a necessidade de dar continuidade ao trabalho que já vinham sendo desenvolvidos pelas CIPA s anteriores. Atualmente, já foram criadas as CTCCT na Secretaria Municipal de Obras SMO, DEMLURB e, posteriormente, também serão nas demais Unidades Administrativas da PJF. Objetivo da CTCCT: Observar e relatar as condições de riscos de acidentes nos ambientes de trabalho e solicitar medidas para reduzir até eliminar os riscos existentes e/ou neutralizálos, proporcionando assim, mais segurança aos servidores da PJF. Norma de Segurança Municipal n.º 2 (NSM-2): Através do Decreto n.º de 15/05/2000, trata da observância e aplicação legal, no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora, suas Autarquias e Fundações Públicas, dos dispositivos relativos à Segurança e Medicina do Trabalho, em conformidade com a Portaria MTA n.º de 08/06/1978. Objetivo: A partir da sanção desta Norma, os dispositivos e procedimentos técnicos relativos à Segurança e Medicina do Trabalho dos servidores municipais tais como, Prevenção e Combate à Incêndios, Máquinas e Equipamentos, Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho, Equipamentos de Proteção Individual, Ergonomia, etc., totalizando 29 (vinte e nove) Normas Regulamentadoras, passaram a ser o fundamento legal para a aplicação dos referidos dispositivos.

10 Norma de Segurança Municipal n.º 3 (NSM-3): Através do Decreto n.º de 15/05/2000, cria os procedimentos técnicos legais para concessão e a revisão dos adicionais de insalubridade e de periculosidade no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora. Objetivo: A competência desta Norma abrange vários tópicos, tais como: 1) Solicitação de vistoria de avaliação ou reavaliação técnica para caracterização de insalubridade ou de periculosidade deverá ser feito pelo servidor interessado junto ao expediente ou órgão equivalente de sua Secretaria, através de formulário específico e padronizado (SVART) pela DEST; 2) Vistoria de Avaliação ou Reavaliação Técnica compete a Divisão de Engenharia e Segurança do Trabalho DEST/DASS/SMA efetuar In loco tal vistoria, para coleta de dados e demais informações funcionais objetivando subsidiar a elaboração do Laudo Técnico Conclusivo respectivo. *Avaliação: consiste na solicitação inicial e única. Exemplo: o servidor não recebe o adicional (insalubridade ou periculosidade) e deseja saber se tem direito ou não de recebêlo. *Reavaliação: consiste na verificação a pedido da Secretaria de origem, Chefe Imediato ou pela DEST (quando na alteração ou mudança de função ou local de trabalho do servidor) das atuais condições de trabalho objetivando regularizar eventuais distorções no enquadramento legal, mantendo ou cancelando a percepção do adicional. 3) Elaboração e emissão do laudo Técnico Pericial Conclusivo feito pela DEST, após análise técnica criteriosa, e encaminhado à DAC/DRH/SMA para procedimentos cabíveis. 4) Irregularidades constitui ato fraldatório, omissivo ou comissivo, passível das penalidades administrativas, a serem aplicadas pela Secretaria Municipal de Administração SMA e Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos SMNJ, a conduta irregular nas etapas descritas acima.

11 6. Justificativa ou Exposição de motivos para elaboração dos Decretos Municipais que criaram as Normas Municipais de Segurança do Trabalho (NSM-2 e NSM-3): No desenvolvimento das atividades da Divisão de Engenharia e Segurança do Trabalho DEST/DASS/SMA, faz-se necessário, freqüentemente, observar e aplicar as Normas Regulamentadoras NR, do Ministério do Trabalho (MTA), afim de adotar medidas e recomendações dentro dos procedimentos técnicos e preceitos legais sobre Segurança do Trabalho. Perfazendo um total de vinte e nove Normas Regulamentadoras, citaremos apenas as mais comumente utilizadas: NR-1 Disposições Gerais; NR-2 Inspeção Prévia; NR-3 Embargo ou Interdição; NR-4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho; NR-5 Aplicada pela Norma de Segurança Municipal n.º 1 (NSM-1), que regulamentou o Art. 73 da Lei Municipal n.º de 31/07/95 através do Decreto n.º de 24/07/97, que dispõe sobre a criação das Comissões Técnicas de Controle das Condições de Trabalho CTCCT; NR-6 Equipamento de Proteção Individual - EPI; NR-8 Edificações; NR-9 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA; NR-10 Instalações e serviços em eletricidade; NR-11 Transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais; NR-12 Máquinas e equipamentos; NR-15 Atividades e operações insalubres; NR-16 Atividades e operações perigosas; NR-17 Ergonomia; NR-21 Trabalho a céu aberto; NR-23 Proteção contra incêndios; NR-24 Condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho; NR-25 Resíduos Industriais; NR-26 Sinalização de segurança;

12 Com a mudança do Estatuto dos Servidores Públicos da Administração Direta do Município de Juiz de Fora, suas autarquias e fundações públicas através da Lei n.º sancionada em 31 de Julho de 1995, que estabeleceu o regime Jurídico Único para os respectivos servidores, os assuntos relativos à Segurança e Medicina do Trabalho ficaram sem uma referência legal, uma vez que as leis e procedimentos normativos regimentares à Segurança e Medicina do Trabalho eram celetistas, ou seja, objeto contido nas Consolidações das Leis do Trabalho (CLT) do Ministério do Trabalho (MTA). Como não foram criadas normas municipais em substituição a legislação pertinente à Segurança e Medicina do Trabalho até então observada e aplicada, ficando a DEST/DASS/ SMA sem os parâmetros técnicos legais, obrigando-nos a manter a aplicação dos procedimentos supracitados. Apenas fazendo pequenas citações dos poucos artigos específicos ao assunto contidos na Lei n.º de 31 de Julho de 1995, a DEST/DASS/SMA utiliza-se das Normas Regulamentadoras do MTA para consulta e aplicação legal no desenvolvimento de suas atividades competentes, de caráter eminentemente técnico, quais sejam: Avaliações/Inspeções Técnicas das condições ambientais de trabalho sobre as atividades insalubres e/ou perigosas existentes, seus riscos específicos, bem como as medidas e alternativas de eliminação ou neutralização dos mesmos, emitindo Laudos Técnicos Periciais conclusivos; elaboração e emissão de Laudos Técnicos para fins de instrução à concessão de Aposentadorias Especiais e seus respectivos DSS-8030, para o INSS; Parecer técnico através da emissão de relatórios específicos a fim de instruir à Divisão de Medicina do Trabalho e Perícia Médica, Divisão de Serviço Social, Divisão de Atenção à Saúde, todas integrantes do DASS, e aos demais órgãos da PJF quanto às condições de trabalho; análise de métodos e processos de trabalho, identificação dos fatores de risco de acidentes e doenças ocupacionais ou do trabalho, nexo-causal e a presença de agentes ambientais e suas fontes geradoras nocivos à saúde dos servidores; avaliações ambientais quantitativas com mensuração dos níveis de agentes nocivos (ruído, temperatura, iluminação e produtos químicos) e qualitativa (agentes biológicos), propondo a eliminação, neutralização e/ou monitoramento/controle desses agentes; avaliação dos resultados alcançados através da execução dos procedimentos de segurança e higiene do trabalho, de maneira a integrar o processo prevencionistas, beneficiando assim, a integridade física e a saúde do servidor; executar normas de segurança referentes a projetos de construção, ampliação, reforma, arranjos físicos e fluxos, com vistas à observância das medidas de segurança e higiene do trabalho, dentre uma série de outras atividades afins.

13 Outrossim, tendo em vista as distorções e situações inusitadas que nos deparamos no decorrer de nossas atividades, ressaltamos a imprescindível necessidade de um maior rigor da Secretaria Municipal de Administração enquanto à cobrança, organização e controle das Secretarias da Administração Direta em todo o processamento para avaliação, reavaliação técnica dos adicionais de insalubridade e de periculosidade que vão desde a sua petição até o pagamento ou cancelamento dos referidos adicionais. Face ao exposto, a DEST/DASS/SMA com base nos Artigos 66, 67 e 68 do Cap. VIII Seção IV do Decreto n.º de 05/12/1998 que aprova o Regulamento da Secretaria de Administração, elaborou as minutas dos Decretos, que determinaram a criação das Normas Municipais de Segurança do Trabalho NSM-2 e NSM-3 que em nosso entendimento significa passos importantes no que se refere ao pagamento dos adicionais de insalubridade e periculosidade, ações trabalhistas e cíveis, aposentadorias especiais, taxas de seguro de acidente do trabalho, além de benefícios indiretos como a qualidade de vida no ambiente de trabalho aumento do rendimento e principalmente satisfação da necessidade básica de Segurança no Trabalho. 7. Normas Municipais de Segurança do Trabalho (NSM-2 e NSM-3): Decreto N.º de 15 de maio de Aprova a Norma de Segurança Municipal n.º 2 (NSM- 2) que determina a observância e aplicação legal, no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora, Autarquias e Fundações Públicas, dos dispositivos relativos à Segurança e Medicina do Trabalho. O Prefeito de Juiz de Fora, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 86, VI, da Lei Orgânica Municipal, e considerando o disposto na Lei Municipal n.º 8.710, de 31 de julho de 1995, que institui o regime jurídico único ao qual se refere o caput do art. 37 da Constituição Federal de 1988, na Lei Federal n.º 6.514, de 22 de dezembro de 1997, que alterou o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho e o disposto na

14 Portaria n.º 3.214, baixada pelo Ministério do Trabalho em 8 de junho de 1978, que aprovou as Normas Regulamentadoras NR do Capítulo V do Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar, DECRETA: Art. 1º - Fica aprovada a Norma de Segurança Municipal n.º 2 (NSM-2), pela qual devem ser observados e aplicados, no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora, Autarquias e suas Fundações Públicas, os dispositivos relativos à Segurança e Medicina do Trabalho, em conformidade com a Lei Federal n.º 6.514, de 22 de dezembro de 1997, que alterou o Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho e com a Portaria n.º 3.214, de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho, que aprovou as Normas Regulamentadoras NR do Capítulo V do Título II da Consolidação das Leis do Trabalho e legislação complementar. Art. 2º - O presente Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Prefeitura de Juiz de Fora, 15 de maio de TARCÍSIO DELGADO GERALDO MAGELA GUEDES Prefeito de Juiz de Fora Secretário Municipal de Administração Decreto N.º de maio de 2000.

15 Aprova a Norma de Segurança Municipal n.º 3 (NSM- 3) que cria os procedimentos para a concessão e a revisão dos adicionais de insalubridade e de periculosidade, no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora. O Prefeito de Juiz de Fora, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 86, VI, da Lei Orgânica Municipal, considerando o disposto no Decreto n.º 6.712, de 15 de maio de 2000, que aprova a Norma de Segurança Municipal n.º 2 (NSM-2); na Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades e Operações Insalubres) da Portaria MTb n.º 3.214, de 8 de junho de 1978; na Norma Regulamentadora n.º 16 (Atividades Perigosas), seus anexos e legislação complementar, DECRETA: Art. 1º - Fica aprovada a Norma de Segurança Municipal n.º (NSM-3), que cria procedimentos para a concessão e a revisão dos adicionais de insalubridade e de periculosidade, no âmbito da Administração Direta do Município de Juiz de Fora, que com este baixa. Art. 2º - O presente Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Prefeitura de Juiz de Fora, 15 de maio de TARCÍSIO DELGADO GERALDO MAGELA GUEDES Prefeito de Juiz de Fora Secretário Municipal de Administração NORMA DE SEGURANÇA MUNICIPAL Nº 3 (NSM-3)

16 Procedimentos para a Concessão e a Revisão dos Adicionais de Insalubridade e de Periculosidade Título I Da Competência Art. 1º - À Divisão de Engenharia e Segurança do Trabalho - DEST/DASS/SMA, cumpre observar as prescrições da Seção IV do Capítulo VIII do Título II do Decreto n.º de 05/12/1996, que aprovou o Regulamento da Secretaria Municipal de Administração - SMA. Título II Da Solicitação de Vistoria de Avaliação Técnica Art. 2º - A solicitação de Vistoria de Avaliação Técnica, em formulário específico e padronizado da DEST/DASS/SMA para caracterização de insalubridade ou de periculosidade, deverá ser feita pelo servidor interessado à Seção de Expediente ou órgão equivalente da sua Unidade Administrativa de lotação, tendo todos os seus campos preenchidos corretamente em letra de forma ou datilografia, sem emendas, rasuras ou ressalvas, objetivando a melhor identificação e localização do solicitante (setor de trabalho, cargo, função, resumo das atividades realizadas, etc.), a fim de proporcionar facilidade e agilidade ao seu processamento, sendo devolvidos à Secretaria de origem aqueles que não atendam ao mínimo estabelecido. Art. 3º - Após o preenchimento do formulário específico, a Seção de Expediente ou órgão equivalente da Unidade Administrativa de lotação do solicitante deverá enviá-lo protocolado, e sem intermediação, à DEST/DASS/SMA, para o processamento e a execução da Vistoria de Avaliação Técnica necessários à elaboração e à emissão do Laudo Técnico Pericial conclusivo, fundamentado na NR-15 (Atividades e Operações Insalubres) ou na NR-16 (Atividades e Operações Perigosas), seus respectivos anexos e legislação complementar, ambos da Portaria n.º 3.214/78, do Ministério do Trabalho. Título III

17 Da Vistoria de Avaliação Técnica para Instrução de Laudos/Relatórios Técnicos Periciais Art. 4º - Compete à Divisão de Engenharia e Segurança do Trabalho - DEST/ DASS/SMA efetuar, In loco: I - a Vistoria de Avaliação Técnica das atividades, métodos e processos de trabalho, para fins de caracterização de insalubridade ou de periculosidade, efetuando a elaboração e a emissão de Laudos Técnicos Periciais conclusivos acerca das solicitações para concessão de adicionais ou de seu cancelamento; II - a Vistoria de Avaliação Técnica das atividades, métodos e processos de trabalho, para fins de elaboração e emissão de Laudos Técnicos de Aposentadorias Especiais e seu respectivo DSS-8030; III - a Vistoria de Avaliação Técnica das atividades, métodos e processos de trabalho, para fins de instrução de diagnósticos médicos de nexo causal e/ou reabilitação funcional, em conjunto com a Divisão de Medicina do Trabalho e Perícia Médica, Divisão de Atenção à Saúde e Divisão de Serviço Social, todas integrantes do DASS/SMA; IV - a Vistoria de Avaliação Técnica quantitativa e qualitativa de riscos ambientais, com elaboração e emissão de relatórios técnicos, propondo medidas de eliminação, neutralização e/ou monitoramento/controle dos mesmos; V - a Vistoria de Avaliação Técnica das atividades funcionais e dos locais de trabalho, atendendo a solicitação escrita do responsável pelo órgão interessado. Parágrafo Único - As vistorias mencionadas nos incisos do caput deste artigo deverão ser realizadas em consonância rigorosa com as prescrições estabelecidas pela Portaria n.º 3.214/78 do MTb e suas Normas Regulamentadoras NR. Art. 5º - A Vistoria de Avaliação Técnica dos agentes insalubres ou perigosos será, obrigatoriamente, realizada "In loco", e dela constará: verificação das atividades funcionais realizadas e das condições gerais do local de trabalho; II - entrevistas com o servidor interessado e seus chefes superiores; III - avaliações ambientais qualitativas e quantitativas, quando necessário, para mensuração dos níveis dos agentes nocivos presentes. 1º - As informações obtidas serão relacionadas em formulário específico e padronizado da DEST/DASS/SMA (Formulário de Vistoria de Avaliação ou de Reavaliação Técnica), que deverá ser assinado pelo servidor avaliado e obrigatoriamente visadas por

18 seu superior hierárquico imediato e pelo chefe da Seção de Expediente ou órgão equivalente da sua Unidade Administrativa de lotação, todos declarando a confirmação das informações vistoriadas. 2º - O formulário mencionado no parágrafo anterior ficará arquivado na DEST/DASS/SMA, para processamento e execução de revisões periódicas, para o fim de evitar a percepção indevida ou em desacordo com a legislação vigente. Título IV Da Análise Técnica Legal para Elaboração e Emissão de Laudos Técnicos Periciais Conclusivos Art. 6º - Compete exclusivamente à Divisão de Engenharia e Segurança do Trabalho - DEST/DASS/SMA a análise técnica legal sobre as informações obtidas na Vistoria de Avaliação Técnica, bem como a elaboração e a emissão de Laudos Técnicos Periciais conclusivos. Art. 7º - Caberá a uma Comissão de Avaliação composta por um Engenheiro de Segurança do Trabalho e três Técnicos em Segurança do Trabalho, todos devidamente habilitados e qualificados, proceder à análise técnica, à elaboração e à emissão do Laudo Técnico Pericial conclusivo concedendo ou não o Adicional requerido, em conformidade com as Normas Regulamentadoras pertinentes, seus Anexos e respectiva legislação complementar. Parágrafo único - Quando necessário, e por solicitação do Presidente da Comissão de Avaliação, um Médico do Trabalho indicado pela DMTPM/DASS/SMA comporá a referida Comissão. Art. 8º - O Laudo Técnico Pericial conclusivo será enviado à Divisão de Administração e Controle de Recursos Humanos - DAC/DRH/SMA, que o remeterá ao Departamento de Planejamento, Administração e Desenvolvimento de Recursos Humanos - DRH/SMA para conhecimento e autorização de pagamento, em seguida devolvendo-o a DAC/DHR/SMA para os procedimentos complementares cabíveis. 1º - Autorizado o pagamento do adicional, a DAC/DHR/SMA, encaminhará o Laudo conclusivo à Divisão de Remuneração de Recursos Humanos - DIR/DRH/SMA para que

19 seja efetuada sua programação e o lançamento do valor correspondente na planilha de pagamentos, como vantagem temporária da remuneração do servidor interessado. 2º - O adicional cessará com a eliminação das condições ou dos riscos que deram origem à sua concessão, não se incorporando, portanto, à remuneração do servidor. 3º - Tanto nos casos de deferimento quanto de indeferimento do adicional requerido, a DAC/DRH/SMA deverá dar conhecimento da conclusão do Laudo Técnico Pericial ao servidor interessado, ao chefe imediato e ao chefe da Seção de Expediente ou órgão equivalente da Unidade Administrativa de lotação. Título V Da Vistoria de Reavaliação Técnica para Manutenção ou Cancelamento dos Adicionais de Insalubridade ou de Periculosidade Art. 9º - A Vistoria de Reavaliação Técnica consiste na verificação "In loco" das atividades, métodos, processos de trabalho e demais informações funcionais que caracterizaram e geraram para o servidor o direito à percepção de Adicionais de Insalubridade ou de Periculosidade. Parágrafo único A Vistoria a que se refere o caput deste artigo será realizada tanto para confirmação das características anteriores quanto para a coleta de novas informações, na forma descrita no art. 5º desta Norma, objetivando a regularizar eventuais distorções no enquadramento legal, a manter ou a cancelar da percepção do adicional. Art Havendo qualquer alteração funcional que implique em mudança de cargo, função, local de trabalho (transferências, remanejamentos, redistribuição, cessão) ou licenças, o chefe imediato ou o próprio servidor deverá, no ato da alteração funcional, comunicá-la obrigatoriamente à Seção de Expediente ou órgão equivalente da sua unidade administrativa de lotação.

20 Art. 11 No caso do artigo anterior, a Seção de Expediente ou órgão equivalente verificará, junto à DAC/DRH/SMA, se o servidor percebe ou não algum adicional. 1º - Caso o servidor perceba adicional, o valor correspondente será automaticamente cancelado pela DIR/DRH/SMA. 2º - A Seção de Expediente ou órgão equivalente encaminhará imediatamente à DEST/DASS/SMA um requerimento de Vistoria de Reavaliação Técnica do atual cargo, função ou local de trabalho, observando os requisitos de preenchimento constantes do art. 2º e observando o procedimento descrito no art. 3º desta Norma. Art As Vistorias de Reavaliação Técnica serão realizadas periodicamente, a critério da DEST/DASS/SMA, ou quando comprovadamente forem constatadas quaisquer alterações ou distorções que não forem comunicadas, sendo, neste caso, realizada vistoria de caráter emergencial e corretivo. Título VI Das Irregularidades Art Constitui ato fraudatório, omissivo ou comissivo, passível das penalidades administrativas a serem aplicadas pela Secretaria Municipal de Administração e Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos através da legislação vigente, a conduta irregular que se caracterize em qualquer dos seguintes casos: I - constatação, pela DEST/DASS/SMA, e por quaisquer meios, que apesar da não exposição a condição insalubre ou perigosa, o servidor ainda esteja percebendo os Adicionais de Insalubridade ou de Periculosidade; II - constatação, pela DEST/DASS/SMA, da percepção indevida e irregular dos Adicionais de Insalubridade ou de Periculosidade por qualquer servidor sem a respectiva comprovação através do Laudo Técnico Pericial conclusivo;

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21

CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21 CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21 ORIGEM DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 05/10/88 CAPÍTULO II -

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Município de Pedra Lavrada Gabinete do Prefeito LEI Nº0138/2014, DE 20 JANEIRO DE 2014. DISPÕE SOBRE: INSTITUI O SERVIÇO ESPECIALIZADO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHOR E DA TRABALHADORA - SESST NO MUNICÍPIO DE PEDRA LAVRADA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SEGURANÇA 02 sem 2009 PROF. DANIEL BRAATZ DEP/UFSCar TEXTO 03 Normas Regulamentadoras do trabalho, trabalho rural..objetivos ESPECÍFICOS Apresentar o modelo legal de organização,

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

O Adicional de Periculosidade

O Adicional de Periculosidade 1 O Adicional de Periculosidade 1 - O Adicional de Periculosidade 1.1 Introdução 1.2 Conceito 1.3 Legislação 1.3.1 - A questão das substancias radioativas e radiação ionizante 1.4 - Da caracterização 1.5

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 026/12 ENTIDADE SOLICITANTE: Secretaria Municipal

Leia mais

LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) -

LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) - U4 lllji!íi'i- ) UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL - Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (NIMA) - Laudo 082-010/2012 2012 INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE RADIAÇÃO IONIZANTE,

Leia mais

10','~ LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL - CENTRO DE RECURSOS HUMANOS - CRH - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X

10','~ LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL - CENTRO DE RECURSOS HUMANOS - CRH - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X 10',' UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL - - Laudo 12-004/2011 2011 ADICIONAL ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DE PERICULOSIDADE GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X de Documento ltipo

Leia mais

SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE

SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE OBJETIVO: 1 - Este formulário tem o objetivo de uniformizar os encaminhamentos de solicitações de Laudo de Insalubridade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) Atualizada até 26/05/2014 Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras Matéria: Legislações e Normas Técnicas Professor: Gustavo Fonseca Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras A Constituição Federal de 1988 estabeleceu a competência privativa

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

1 O servidor somente poderá receber um adicional ou gratificação de que trata esta Orientação Normativa.

1 O servidor somente poderá receber um adicional ou gratificação de que trata esta Orientação Normativa. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2010. Estabelece orientação sobre a concessão dos adicionais de insalubridade,

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. Estabelece orientação sobre a concessão dos adicionais de insalubridade,

Leia mais

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 Dispõe sobre a especialização de Engenheiros e Arquitetos em Engenharia de Segurança do Trabalho, a profissão Técnico de Segurança do Trabalho e dá outras providências.

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Org. Marcos Garcia Hoeppner Advogado Autor da Coleção Síntese Jurídica e do Minidicionário Jurídico NR Normas Regulamentadoras Relativas à SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO (Capítulo V, Título II, da CLT)

Leia mais

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1

LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE/ PERICULOSIDADE N 012/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 012/2013 SAE C.S. SANTA MARTA. SMS LAUDO PERICIAL

Leia mais

Segurança do Trabalho Introdução

Segurança do Trabalho Introdução Segurança do Trabalho Introdução Joinville, fevereiro de 2015 Introdução A Segurança no Trabalho é a ciência que estuda as possíveis causas dos acidentes e incidentes originados durante a atividade laboral

Leia mais

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1.

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA

Leia mais

LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS

LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS LEGISLAÇÃO: RESUMO DAS NRs NORMAS REGULAMENTADORAS Portaria Nº 3.214/78, SSST Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho, atualmente, DSST Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho, do Ministério

Leia mais

Insalubridade. Conceito

Insalubridade. Conceito Insalubridade Conceito As atividades insalubres são aquelas que, por sua própria natureza, condições ou métodos de trabalho, expõem as pessoas a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física pelo Instituto

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI)

Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) Legislação sobre equipamentos de proteção individual (EPI) A legislação que trata de EPI no âmbito da segurança e saúde do trabalhador é estabelecida pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A Lei

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3257.4685 /3274.7841 / 3091.0306 87578392 / 8778.4561 Normas Regulamentadoras Portaria nº 3.214 de 08 de Junho de 1978.

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1 Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n.º 1, 2, 3, 5, 11

Leia mais

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO

Matéria: Normas Regulamentadoras Aula 01: Integração e Código de ética do Técnico em Segurança PLANO DE CURSO PLANO DE CURSO Capítulo v da CLT e o meio ambiente do trabalho e a competência das empresas na saúde e segurança do trabalho; Código de ética do técnico em segurança Norma regulamentadora 1 disposições

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL IFGOIÁS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL IFGOIÁS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL IFGOIÁS Rua 75, nº 46, Centro CEP: 74.055-110 Goiânia-GO Tel.: (62) 32272878 Fax: (62) 3213-1451 PARECER Nº 332/2009 INTERESSADO:

Leia mais

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho);

b. Acidente em viagem a serviço da empresa; d. Doenças profissionais (provocadas pelo tipo de trabalho); ASPECTOS LEGAIS SOBRE A SEGURANÇA D O TRABALHO E SUA IMPLICAÇÃO PARA A EMPRESA NA SUA GESTÃO JURÍDICA. SEGURANÇA DO TRABALHO São os conjuntos de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Passo Fundo

Prefeitura Municipal de Passo Fundo ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 2. OBJETIVO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar e emitir os Laudos

Leia mais

FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS

FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS FACULDADE SUL BRASIL CAMPUS DE TOLEDO CURSO DE TECNOLOGIA EM SEGURANÇA NO TRABALHO KATIUSSIA PEREIRA DOS SANTOS ANÁLISE DE ACORDO COM AS NORMAS REGULAMENTADORES NA PREFEITURA MUNICPAL DE SÃO PEDRO DO IGUAÇU

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009.

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. Pág. 1 de 6 LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. CRIA COMISSÃO DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPA E A COMISSÃO GERAL DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPAG, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno

SEGURANÇA NO TRABALHO. Eng. Daiana Paterno SEGURANÇA NO TRABALHO Eng. Daiana Paterno ATUALMENTE?? PORQUE? O cenário atual da Segurança e Saúde no Trabalho no Brasil ainda é muito distante do desejável. A Previdência Social registra, anualmente,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*)

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*) CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO Nº 84, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 (*) Dispõe sobre as diretrizes para a realização de ações de promoção da saúde ocupacional e de prevenção de

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO À SEGURANÇA DO TRABALHO 1. Introdução Segundo a Organização Mundial da Saúde: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças, levando-se em conta que o homem é um ser que se

Leia mais

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ÍNDICE GERAL PARTE I Constituição da República Federativa do Brasil (parcial) Consolidação das Leis do Trabalho (parcial) Trabalho Rural Lei 5.889, de 8 de junho de 1973 (parcial) Lei 8.213, de 24 de julho

Leia mais

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 Regulamenta a profissão de Nutricionista e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015

PPRA E PCMSO EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES. Elizabeth Sadeck Burlamaqui 09.01.2015 EXIGÊNCIAS E COMPATIBILIDADES PCMSO (NR-7) estabelece que o programa deverá ser desenvolvido sob a responsabilidade de um médico coordenador (OBRIGATORIAMENTE MT, podendo este repassar responsabilidades

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI

NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI NORMA PROCEDIMENTAL SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO E USO DO EPI 1. FINALIDADE: Regulamentar a utilização do Equipamento de Proteção Individual EPI, no âmbito do DEMLURB, a fim de proporcionar melhores

Leia mais

LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ã 2011 - - CAMPUS: VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA Laudo 001/2011 ADICIONAL ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DE PERICULOSIDADE GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X SERViÇO MÉDICO UNIVERSITÁRIO RUBENS BRASIL NÚCLEO

Leia mais

COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP

COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP COMO ELABORAR CORRETAMENTE O PERFIL PROFISSIOGRÁFICO PREVIDENCIÁRIO - PPP *Jaques Sherique O primeiro passo para a elaboração correta de um Sistema de Perfil Profissiográfico Previdenciário é a manutenção

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

DECRETO Nº 17.394, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011.

DECRETO Nº 17.394, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. DECRETO Nº 17.394, DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Institui normas e procedimentos administrativos para aposentadoria especial dos servidores, no âmbito da Administração Centralizada, Autárquica, Fundacional

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004. INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 01, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2004. Institui o Regimento Interno do Programa Saúde no Serviço Público. O COORDENADOR DO PROGRAMA SAÚDE NO SERVIÇO PÚBLICO, usando das prerrogativas conferidas

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL ESTUDO ESTUDO APOSENTADORIA ESPECIAL VERÔNICA ROCHA Consultor Legislativo da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO FEVEREIRO/2004 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa

Leia mais

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Virtual Machine ME CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF

PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO. Antonio Carlos Castellar de Castro. Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF PPP FERRAMENTA PARA A PREVENÇÃO Antonio Carlos Castellar de Castro Companhia Hidroelétrica do São Francisco CHESF RESUMO O advento do Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP em 01/01/2004 no nosso

Leia mais

Aposentadoria Especial e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP PERGUNTAS E RESPOSTAS

Aposentadoria Especial e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 Aposentadoria Especial e o Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que se entende por aposentadoria especial? R. É benefício decorrente do trabalho realizado em condições

Leia mais

PROJETO DE LEI. Engº Celso Atienza Membro do Conselho Consultivo da ANEST

PROJETO DE LEI. Engº Celso Atienza Membro do Conselho Consultivo da ANEST PROJETO DE LEI Engº Celso Atienza Membro do Conselho Consultivo da ANEST (Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho) e Presidente da ANDEST (Associação Nacional dos Docentes dos Cursos

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional

Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Manual de Regulamentação Saúde e Segurança Ocupacional Normas Regulamentadoras (NR) As Normas Regulamentadoras (NR s), criadas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), tem como objetivo estabelecer

Leia mais

ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Norma Regulamentadora nº 16

ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Norma Regulamentadora nº 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Norma Regulamentadora nº 16 CLT: Art. 193 a 197 Atualizada com a Lei 12.740/2012 Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER

SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA ADMINISTRATIVO FINANCEIRA COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Gerência de Segurança Ocupacional SEGURANÇA DO TRABALHO: Aplicações ao Servidor Público do DER

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ORIENTAÇÕES PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONDIÇÕES ESPECIAIS 1. Contribuição

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

"'hifu' UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL UNIDADE- CPD - Centro de Processamento de Dados.

'hifu' UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL UNIDADE- CPD - Centro de Processamento de Dados. "'hifu' m UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LAUDO DE CONCESSÃO DE ADICIONAL UNIDADE- CPD - Centro de Processamento de Dados Laudo 10-005/2011 2011 INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE RADIAÇÃO IONIZANTE, GRATIFICAÇÃO

Leia mais

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho O Instituto GERIR, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, classificado como

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº 02/2011 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER UNIFORME UCCI N 033/2010 ÓRGÃO: Chefia da UCCI GABINETE DO PREFEITO

Leia mais

DECRETO Nº. 044/2013

DECRETO Nº. 044/2013 DECRETO Nº. 044/2013 DISPÕE SOBRE HOMOLOGAÇÃO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS, ESTABELECENDO ROTINAS NO ÂMBITO DA PREFEITURA

Leia mais

Denilson Cazuza dos Santos

Denilson Cazuza dos Santos LEGISLAÇÃO E NORMAS. SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Denilson Cazuza dos Santos denilsoncazuza@terra.com.br NORMAS APLICAVEIS CF - Constituição Federal 88 Código Civil, art. 186 e 927 Código Penal ART.

Leia mais

CLT LEI Nº 12.740, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2012.

CLT LEI Nº 12.740, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2012. Diferenças entre adicional de Insalubridade e Periculosidade Artigo 193 da CLT segurança patrimonial e pessoal. Franca 25/02/2014 CLT LEI Nº 12.740, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2012. Art. 193. São consideradas

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul, LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL, AS INFRAÇÕES E PENALIDADES AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE PORTO LUCENA E INSTITUI TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. LEO MIGUEL

Leia mais