A DINÂMICA DA MONTADORA DE CANETAS - UMA SIMULAÇÃO BASEADA EM JOGOS DE EMPRESAS NO ENSINO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DINÂMICA DA MONTADORA DE CANETAS - UMA SIMULAÇÃO BASEADA EM JOGOS DE EMPRESAS NO ENSINO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO"

Transcrição

1 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A DINÂMICA DA MONTADORA DE CANETAS - UMA SIMULAÇÃO BASEADA EM JOGOS DE EMPRESAS NO ENSINO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Tarcísio Althoff (UDESC) Tiago Alexandre Colzani (UDESC) Silene Seibel (UDESC) A utilização de simulações no ensino superior vem se difundindo como uma alternativa altamente eficaz na assimilação dos conceitos teóricos. Estas atividades trazem para dentro da sala de aula a sensação de um ambiente real, onde os acadêmmicos podem aplicar, de forma prática, os conceitos apresentados nas aulas expositivas.baseada na teoria de jogos de empresas, a Dinâmica da Montadora de Canetas é uma simulação que tem por objetivo demonstrar a situação de uma fábrica durante a implantação da manufatura enxuta, destacando os pontos positivos que o sistema traz em relação à produção convencional.este artigo traz a operacionalização bem como uma aplicação da dinâmica em uma turma de engenharia de produção, onde são analisados os resultados obtidos pelas fábricas simuladas. Ao final uma pesquisa revela, a partir da visão dos acadêmicos, as vantagens da metodologia proposta em relação ao ensino tradicional. Palavras-chaves: Dinâmica de ensino, manufatura enxuta, simulação

2 1. Introdução Este artigo traz a adaptação da metodologia de ensino denominada jogos de empresas, ao ensino de técnicas de engenharia de produção, mais especificamente a filosofia de produção denominada por Womack (1990) como sistema enxuto de produção. Os jogos de empresas têm como característica principal o uso da simulação de situações reais em um ambiente acadêmico, a fim de que os alunos participantes tenham a possibilidade de tomar decisões e empregar as técnicas absorvidas de forma teórica à realidade prática. Segundo Tubino e Schafranski (2000), a simulação através de jogos permite que idéias e conceitos, passíveis de serem aplicados na prática, sejam testados de uma maneira mais simples, possibilitando a avaliação dos impactos desses e a escolha das estratégias mais adequadas para cada situação. Em contrapartida o sistema de produção enxuto apresenta uma filosofia muito ligada ao conhecimento tácito e a prática do empirismo por parte dos operadores de um sistema fabril, sendo que os conceitos são de difícil assimilação em um contexto acadêmico totalmente expositivo. Sob esse enfoque, observa-se que a integração de um método de ensino baseado em jogos de empresas com a temática da filosofia de produção enxuta traz um grande avanço no que tange o ensino da engenharia de produção, aliando uma metodologia que remete o ensino da administração e da formação gerencial a um assunto técnico relacionado à engenharia. Este trabalho apresenta toda a operacionalização de uma dinâmica que faz uso da simulação de uma linha de montagem de canetas visando demonstrar as diferenças entre a produção em massa e o sistema de produção enxuto. Para tanto, descreve uma aplicação desta dinâmica demonstrando a diferença percebida pelos alunos quanto aos sistemas produtivos em questão, e demonstra a opinião dos participantes da dinâmica quanto às vantagens que essa metodologia traz ao ensino da engenharia de produção em comparação com os métodos tradicionais. 2. Os princípios do sistema enxuto de produção Na década de 1940, no Japão, uma fabricante de carros, chamada Toyota, tentava emergir depois do caos enfrentado durante a segunda guerra mundial. Com poucos recursos para investir a Toyota se viu obrigada a adaptar os conceitos de produção que visualizara nas empresas norte-americanas para uma forma que evitasse todos os desperdícios que a superprodução enfrentava. Além disso, o mercado japonês era marcado por necessitar de uma grande variedade de veículos, já que cada nicho da sociedade necessitava de um modelo específico. Era necessário produzir de uma forma mais ágil, flexível e barata. (DENNIS, 2008) Frente a essas dificuldades, a Toyota identificou ações que considerava desperdícios no sistema de produção em massa, e como conseqüência buscou suas eliminações. Foram estabelecidas uma série de técnicas que tinham por objetivo produzir apenas o que o cliente quer, baseados em uma filosofia de melhoria contínua, foco no que agrega valor do ponto de vista de quem compra o produto e principalmente na valorização do capital humano da empresa, visto que o conhecimento intrínseco dos operadores é de suma importância ao desenvolvimento de um sistema fabril. (SHINGO, 1996) Foi estabelecida uma produção puxada pela área de vendas, onde a fábrica só produziria caso 2

3 houvesse a necessidade real do produto, ao contrário da produção ocidental que considerava desperdício parar máquinas por qualquer motivo. Um novo conceito de fluxo de materiais foi criado, visando a eliminação do tempo de parada entre os processos, possibilitando uma redução ímpar no inventário e um aumento significativo na agilidade ao mudar o produto a ser fabricado frente à ausência de grandes lotes. O princípio de controle de qualidade também foi modificado, visto que cada colaborador passou a ser responsável pela sua própria operação, melhorando a qualidade final do produto e reduzindo o desperdício de retrabalho e de produtos defeituosos sendo processados. O trabalho das máquinas foi separado do trabalho humano, sob o ponto de vista de que era desperdício pessoas esperarem paradas o processamento ser feito por máquinas. Ao mesmo tempo o trabalho mecanizado de alta especialidade foi reduzido ao máximo, estabelecendo maquinários mais simples, ágeis e menos custosos. (OHNO, 1997) Estava estabelecido um novo conceito de produção, posteriormente chamado de produção enxuta. Uma filosofia de produzir bens que revolucionou a maneira da engenharia de manufatura enxergar a fábrica, estabelecendo uma forma menos custosa, mais rápida e mais flexível de produzir. (WOMACK & JONES, 1990) 3. A prática atrelada ao ensino teórico Em uma visão tradicional temos a concepção do ensino atrelado a incansáveis aulas expositivas em sala de aula, onde um professor ministra a teoria aos alunos e cobra o aprendizado através de provas e trabalhos. Os estudantes normalmente têm a oportunidade de perguntar e fazer comentários, fato que ocasiona discussões em torno do tema abordado, e normalmente agrega valor a aula, mas na maioria das vezes eles simplesmente não o fazem, se resumindo em tomar anotações e ouvir. Essa é a realidade do ensino unilateral, aplicado pela grande maioria dos colégios e universidades, onde os elementos culturais são repassados aos alunos pelos professores, da mesma maneira teórica que acontece há vários séculos de desenvolvimento cultural. (KALLÁS, 2003) Essa visão não se demonstra totalmente equivocada visto que a produção intelectual, principalmente se tratando de ensino superior, se desenvolve exponencialmente a cada ano, mas de alguma maneira ela acaba se tornando incompleta quando o assunto é a prática, que é exigida aos recém graduados pelo mercado de trabalho. Há a necessidade de ensinar algo mais que a simples teoria, já que a formação esperada pelas empresas já inclui o senso prático do saber o que e como fazer, como se no primeiro emprego o profissional já tivesse a carga de conhecimento que um emprego anterior teria lhe proporcionado. (GODOY, 1997) Portanto, torna-se necessário abordar o ensino superior de maneira que melhor preparem os graduandos a atuarem da forma como lhes é exigido pelas empresas. Segundo Sauaia (1995), um meio que já é empregado há vários anos em alguns cursos específicos de ensino superior e que é muito bem aceito por alunos e professores, por combinar satisfação e aprendizagem, é o uso de dinâmicas de ensino ou jogos de empresas. De acordo com a definição de Zoll apud Godoy & Cunha (1998) os jogos de empresas são um "(...) exercício em que, num dado contexto empresarial se tomam decisões econômicas válidas para um período de tempo fixado, são comunicados os resultados dessas decisões e então se tomam novas decisões para o período de tempo subseqüente". Nesses jogos é criada uma situação fictícia onde grupos de estudantes são instigados a tomar decisões de caráter tanto técnico quanto administrativo, a fim de atingir um objetivo prédeterminado, que normalmente é secundário, visto que o real objetivo a ser atingido é o 3

4 crescimento intelectual dos participantes frente à situação imposta sobre o tema apresentado. Esse tipo de simulação representa um recurso valioso que, se bem explorado, pode contribuir grandemente para o avanço do ensino em todos os níveis, principalmente no ensino superior. (SAUAIA, 1995) 4. As origens do emprego de simulações no aprendizado Os primeiros registros de utilização dos jogos atrelados ao ensino se dão por volta do ano 3000 a.c. na China, onde um jogo de guerra chamado Wei-Hai era utilizado para treinar soldados em situações práticas. Na Índia por volta da mesma época, um jogo com a mesma finalidade chamado Chaturanga também era utilizado como forma de treinamento de soldados. (SAUAIA, 1995). Na década de 1950 essas simulações começaram a ser utilizadas em universidades americanas, mais especificamente no ensino de executivos nos cursos de pós-graduação. Devido ao seu caráter prático, e da fácil assimilação dos conceitos abordados, os jogos de empresas logo se tornaram uma alternativa ao ensino tradicional, representando uma metodologia de ensino que se mostra eficiente, dinâmica e principalmente prática. Em 1963 uma pesquisa feita pela Universidade do Texas constatou que 20% do tempo dedicado ao ensino em cursos de políticas de negócios, nos Estados Unidos, já era utilizado com o emprego de jogos de empresas. (SAUAIA, 1995) Segundo Gramigna (1993), os primeiros jogos de empresas aplicados no Brasil foram traduções dos modelos americanos, feitas por faculdades de administração, ainda em meados da década de 80. Desde então os jogos de empresas vem se difundindo como uma técnica diferenciadora no processo de ensino brasileiro. O Exame Nacional de Cursos, feito pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) em 2002, mostrou que seis das catorze universidades paulistas de administração que conseguiram conceito A no exame, utilizam com regularidade em suas grades a metodologia dos jogos de empresas e dinâmicas de ensino. Tal método, fortemente caracterizado pela aprendizagem vivencial, apresenta diversos elementos que complementam as técnicas de ensino tradicional. O caráter lúdico dos jogos somado ao ambiente fortemente participativo e centrado no educando, proporciona a eles uma possibilidade de aprendizagem satisfatória e efetiva, aliando a teoria apresentada nas aulas expositivas à aplicação prática no jogo. (GRAMIGNA, 1993) 5. A adaptação da metodologia de jogos de empresas ao ensino de engenharia de produção Com a evolução da metodologia do ensino superior sob uma forma geral, os jogos de empresas saíram da exclusividade dos cursos com temática gerencial e administrativa, e foram implantados em outras cadeias de ensino, tal como psicologia, marketing, economia, entre outras áreas. Gramigna (1993) apresenta a seguinte sugestão para classificar os diferentes tipos de jogos: Jogos de Comportamento são aqueles cujo tema central permite que se trabalhem temas voltados às habilidades comportamentais; Jogos de Processo são os jogos onde a ênfase maior é dada às habilidades técnicas; Jogos de Mercado são os que reúnem as mesmas características dos jogos de processo, mas são direcionados para atividades que reproduzem situações de mercado. Dentre as classificações impelidas, os jogos voltados ao ensino de engenharia se enquadram 4

5 melhor em jogos de processos. Diversos pesquisadores vêm utilizando jogos no ensino de áreas técnicas. Tommelein (1999) fez uso de um jogo de dados para demonstrar um determinado fluxo de trabalho, enquanto Santos et al (2002) utilizaram um jogo para simular técnicas de programação por linhas de balanço. Especificamente na área abordada por este artigo, temos a aplicação de Saffaro et al (2003), que promoveram a simulação de um sistema de produção baseado nos princípios do sistema enxuto utilizando peças tipo Lego, e Pinho et al (2005), que desenvolveram uma dinâmica de ensino denominada Montagem Interativa de Bloquinhos com o mesmo objetivo. Souza e Silva (2003) utilizou pela primeira vez uma dinâmica que promovia a montagem de canetas com a finalidade de instigar uma discussão estratégica entre os participantes em uma turma de pós-graduação sobre as diferenças entre a produção em massa e a produção enxuta, enquanto Silveira (2005) usa um método parecido para mostrar as diferenças entre os dois tipos de manufatura. Costa & Jungles (2006) desenvolveram uma dinâmica de montagem de canetas enfocando o mapeamento do fluxo de valor, preenchendo uma lacuna deixada pelos artigos anteriores quanto aos resultados numéricos da simulação. 6. O ensino do sistema de produção enxuto através da Dinâmica da Montadora de Canetas A dinâmica proposta consiste em simular uma montadora de canetas durante a implantação do sistema de produção enxuto, em três situações: a primeira situação se refere a uma fábrica com sistema de produção tradicional, que apresenta os desperdícios descritos por Ohno (1997) como sendo característicos da produção em massa. A segunda simula um fábrica com implantação dos princípios iniciais do sistema de produção enxuto, como fluxo contínuo, foco no cliente e redução de desperdícios. Já a terceira simulação faz uso de todos os conceitos remetidos ao sistema em questão conhecidos pelos participantes. Os produtos a serem manufaturados são fardos de cinco canetas da mesma cor, unidos por um elástico conforme Figura 1, e há três modelos de produto, sendo eles definidos pela cor das canetas enfardadas, variando entre azul, preto e vermelho como demonstra a Figura 2. Figura 1 - Produto manufaturado na simulação 5

6 Figura 2 - Modelos de produtos manufaturados A formação das equipes responsáveis por simular cada fábrica é feita respeitando um número ideal de dez participantes por equipe, e um máximo de catorze. Aos participantes são delegadas funções presentes na simulação, e essas funções, bem como seu responsável em cada equipe, são documentadas em uma planilha a fim de que fique clara a responsabilidade de cada um durante a aplicação do jogo. A simulação do funcionamento da fábrica acontece de forma que cada dia útil simulado tem a duração de um minuto real. Cada mês na dinâmica possui 20 dias úteis e a montadora é simulada por três meses, sendo que cada mês corresponde a uma das etapas propostas. As funções propostas pela dinâmica incluem participantes responsáveis por analisar os indicadores da empresa quanto à qualidade dos produtos entregues e ao número de acidentes, sendo estes definidos por problemas como embalagem frouxa ou tampas mal conectadas, e quedas de produtos dentro durante algum manuseio, respectivamente. As demais funções estabelecem responsáveis quanto à movimentação de materiais, planejamento e controle da produção, operadores e auxiliares, sendo estes últimos os responsáveis pela montagem dos produtos. É importante salientar que o movimentador de materiais é o único habilitado a efetuar estas movimentações, e que o planejador de produção é o responsável por disparar ordens de produção à fábrica. Além das funções internas de cada fábrica, também é necessário o estabelecimento de um ou dois clientes, e um fornecedor para cada montadora simulada. Cabe ao fornecedor a organização da matéria prima em lotes de vintes peças, contemplando tampas, corpos e cargas. Fica determinado que todo o produto retirado do fornecedor passa a ser contabilizado como estoque da fábrica. Cabe aos clientes solicitar um fardo de canetas por minuto de simulação, respeitando uma seqüência de variação na cor desses pedidos pré-estabelecida pelos instrutores da dinâmica. Entretanto essa seqüência de pedidos não deve ser de conhecimento dos demais participantes, sendo que o único dado que eles recebem sobre os pedidos é uma previsão de demanda, sob a forma de proporção de pedidos de cada cor. Em cada entrega são analisados quesitos referentes à qualidade do produto, seqüência correta de entrega e o cumprimento do prazo estabelecido. Para o bom andamento da dinâmica, foi criado uma descrição da situação da fábrica para cada rodada, a fim de ilustrar as limitações e características impostas pelas regras. A primeira rodada, que simula uma fábrica tradicional, possui alguns problemas já conhecidos produção em massa, como tempo de troca de ferramenta muito elevado, layout estabelecido por processo, sistema de informações pouco flexível, caro e de difícil utilização por parte dos funcionários de nível operacional, e liderança autocrática, onde o conhecimento fabril vem da 6

7 engenharia e de níveis superiores. Devido a situação ilustrada da situação da montadora, algumas regras devem ser seguidas pelos participantes. O layout fabril deve ser conforme mostra a Figura 3, com ilhas de produção seguindo o agrupamento dos centro de trabalho por tipo de processo. Figura 3 - Layout estabelecido para a primeira rodada de simulação A parte operacional do sistema é composta de quatro operadores com as seguintes funções: o primeiro insere a carga no corpo; o segundo testa a funcionalidade da carga; o terceiro coloca a tampa no sistema; o quarto embala os produtos acabados em fardos de cinco peças utilizando as borrachas. A produção funciona em lotes de 20 peças, devido à condição imposta de alto tempo de troca de ferramental, e todas as operações só devem ser realizadas frente a existência de uma ordem de produção expedida pelo planejado de produção. A segunda rodada apresenta uma fábrica em processo de implantação de melhorias. A descrição da situação da fábrica contempla que a direção entendeu que o layout por produto facilitaria a organização da empresa. O sistema de informação também foi simplificado facilitando a interface com os usuários, e os operadores passam a ter mais direito de opinião, representando uma redução na autocracia da direção da empresa. Porém as mudanças sobre o tempo de troca de ferramentas das máquinas ainda não foram executadas, impactando diretamente na flexibilidade da produção da montadora. Em conseqüência a estas mudanças, nesta rodada o layout fica liberado a critério de cada equipe participante e as ordens de produção não precisam mais acompanhar os lotes, evidenciando o incentivo a criação de fluxo contínuo na movimentação dos materiais. Porém os lotes continuam a ser de vinte peças, caracterizando uma produção empurrada e com a 7

8 necessidade de previsão de demanda. A equipe tem a partir desta rodada a possibilidade de conversar com clientes e fornecedores para possíveis mudanças na forma de fornecimento e também para melhorias no que diz respeito ao relacionamento com o cliente, salientando o princípio de que a cadeia de valor de um produto quebra as barreiras físicas de uma fábrica, e se estende a todos os envolvidos no processo. Já a terceira rodada a simulação é baseada em uma situação de fábrica que permite que sejam aplicados todos os conceitos da manufatura enxuta. Os tempos de troca de ferramentas foram diminuídos ao ponto de que não há mais a necessidade de haverem lotes na produção, e as equipes têm liberdade para utilizar todo o conhecimento para desenvolver novas técnicas e melhorias para maximizar os resultados da empresa. Frente à falta de lotes é incentivada aos participantes a implantação de um sistema puxado de produção, que visa aumentar a flexibilidade e diminuir o inventário em processamento. Após cada uma das rodadas são colhidos dados, que inseridos em uma planilha permitem uma análise de desempenho das equipes ao final da dinâmica. Os itens analisados das empresas simuladas são compilados, atribuindo custos ou receitas aos itens a fim de trazer um resultado financeiro ao desempenho de cada equipe. A avaliação deve ser baseada na área ocupada pela empresa, mão de obra, estoques, quantidade de pedidos entregues, atrasos, rejeições e acidentes. Para que haja um resultado qualitativo do desempenho ao longo das rodadas, as pessoas envolvidas no processo, como auditores, clientes ou colaboradores, além do professor orientador da disciplina, podem atribuir notas quanto ao funcionamento geral das fábricas simuladas em cada rodada. Depois da reunião dessas informações, é desenvolvida uma discussão sobre os assuntos referentes a sistemas de produção, gerenciamento de estoques, relacionamento com clientes, e demais assuntos que venham a agregar conhecimento aos acadêmicos. Os dados coletados devem ser expressos sob uma forma de fácil entendimento por parte dos participantes, através do uso de gráficos e comparações visuais. O fluxograma da Figura 4 apresenta as fases da aplicação da dinâmica proposta. 8

9 Introdução 1ª Rodada 2ª Rodada 3ª Rodada Avaliação e Conclusão Objetivos da dinâmica Explanação da situação da fábrica e regras Explanação da situação da fábrica e regras Explanação da situação da fábrica e regras Comparação dos resultados de cada rodada Atribuição e explanação das funções aos participantes Aplicação da rodada Discussão sobre melhorias pelos participantes Discussão sobre melhorias pelos participantes Comentários sobre os princípios aplicado e oportunidades de melhorias Explanação das regras gerais Coleta de dados Aplicação da rodada Aplicação da rodada Apresentação dos resultados Coleta de dados Coleta de dados Apresentação dos resultados 7. Exemplo de aplicação Figura 4 - Fluxograma com as etapas de aplicação da dinâmica A dinâmica descrita foi aplicada em uma turma do curso de graduação em engenharia de produção, referenciada à disciplina de sistemas produtivos, e contou com 26 participantes. A ementa da disciplina contempla os princípios do sistema enxuto de produção, e por este motivo os alunos participantes já tinham uma boa noção da parte teórica que a dinâmica tinha como objetivo apresentar na prática. Foram organizadas três seções de duas aulas por seção, totalizando 6 horas-aula empregadas na aplicação da dinâmica. Em cada uma das seções foi aplicada uma etapa da simulação proposta, bem como sua avaliação e discussão com os participantes. A Figura 5 apresenta uma aplicação das simulações descritas. 9

10 Figura 5 - Simulação de uma linha de montagem de canetas As equipes obtiveram um resultado crescente em cada rodada, conforme demonstra a Tabela 1, que apresenta os dados retirados diretamente da simulação. Fábrica 1 Fábrica 2 Rodada 1 Rodada 2 Rodada 3 Rodada 1 Rodada 2 Rodada 3 Área (m²) Mão de Obra (pessoas) Estoque inicial (pç) Estoque final (pç) Pedidos entregues (pç) Atrasos (pç) Rejeições (pç) Acidentes (evento) Rodada 1 Rodada 2 Rodada 3 Rodada 1 Rodada 2 Rodada 3 Auditor Cliente Colaboradores Professor Tabela 1 Planilha de coleta das informações referentes às rodadas da simulação A avaliação qualitativa representada pelas notas atribuídas representou um aumento considerável na avaliação ao decorrer das rodadas, conforme apresenta o gráfico da Figura 6, que demonstra a evolução em termos do desempenho fabril das equipes após a implantação dos conceitos da manufatura enxuta. 10

11 Figura 6 - Gráfico referente notas atribuídas pelos envolvidos na dinâmica em cada rodada Quanto à avaliação financeira, gerada através da coleta de dados em cada rodada da dinâmica, novamente o desempenho das equipes melhorou substancialmente, onde podemos perceber aumento considerável nos resultados líquidos, conforme mostra a Tabela 2. Fábrica 1 Fábrica 2 Rodada 1 Rodada 2 Rodada 3 Rodada 1 Rodada 2 Rodada 3 Receita Bruta 4.500, , , , , ,00 Atrasos (3.000,00) 0,00 (300,00) (3.000,00) (300,00) 0,00 Rejeições (1.800,00) 0,00 (200,00) (1.800,00) (200,00) 0,00 Matéria Prima Consumida (1.800,00) (6.000,00) (6.000,00) (4.500,00) (6.000,00) (6.000,00) Resultado Operacional Bruto (2.100,00) 9.000, , , , ,00 Mão de Obra (4.800,00) (3.840,00) (2.400,00) (4.800,00) (3.840,00) (2.400,00) Custo de estocagem (2.100,00) (1.600,00) (500,00) (1.300,00) (700,00) (200,00) Transportes (825,00) (900,00) (445,00) (825,00) (805,00) (540,00) Aluguel (280,00) (420,00) (196,00) (280,00) (364,00) (252,00) Indenizações Trabalhistas (3.000,00) (600,00) (600,00) (2.400,00) (1.200,00) 0,00 Variação Estoque (5.100,00) 1.500, ,00 (300,00) 1.800, ,00 Lucro operacional líquido (18.205,00) 3.140, ,00 (7.955,00) 3.391, ,00 Tabela 2 Dados financeiros das equipes calculados para cada rodada Visto que o objetivo do sistema enxuto de produção é reduzir desperdícios, é possível verificar claramente nessa simulação como isto ocorreu, pois em todas as rodadas a demanda solicitada pelo cliente, e conseqüentemente a receita de vendas máxima a ser obtida foram as mesmas. Dessa forma toda a melhoria nos resultados líquidos em cada rodada se deu através da redução de perdas em inventário, movimentação, área, indenizações trabalhistas, retrabalhos e excesso de produção. 11

12 8. Avaliação da metodologia pelos partipantes Com a finalidade de obter uma opinião quanto a metodologia proposta foi realizada uma pesquisa de avaliação com os participantes. A pesquisa, feita sob a forma de um formulário com questões objetivas e dissertativas, avaliou itens referentes ao conteúdo da atividade, metodologia e recursos didáticos, sendo que o objetivo principal da avaliação foi obter resultados quanto ao modelo de ensino através de dinâmicas. Segundo os resultados da pesquisa, o conteúdo da atividade apresentou grande relevância, demonstrando que os participantes consideraram o tema adequado ao curso e que ele tem grande importância para a vida profissional de engenheiros de produção. A metodologia utilizada foi elogiada no que tange o equilíbrio entre a teoria e a prática, a forma de avaliação dos resultados de cada empresa simulada e o nível de conhecimento prático adquirido. Tanto os materiais para as dinâmicas quanto o material utilizado para a apresentação e explicação do caso foi considerado de boa qualidade, o que mostra a importância de ter apresentações e dinâmicas bem estruturadas, com o objetivo de conseguir obter comprometimento por parte da equipe. A divisão do calendário de atividades em três dias não obteve muita aceitação, logo é interessante avaliar a possibilidade de reservar um dia para o acontecimento da dinâmica, proporcionando assim a fácil visualização e comparação de cada simulação. A dinâmica de ensino foi considerada de grande importância para agregar conhecimento aos acadêmicos e todos assinalaram que recomendariam este curso a outras pessoas o que mostra que foi grande o envolvimento de todo o grupo. Por fim um questionamento sobre as vantagens e desvantagens da metodologia proposta em relação às aulas expositivas demonstrou que a maioria dos alunos acredita no aumento da experiência prática, possibilitando uma atuação mais assertiva ao se deparar com uma situação real durante suas vidas profissionais, e na maior assimilação dos conceitos referentes ao assuto, como as grandes vantagens do uso de dinâmicas de ensino. 9. Conclusão A utilização de técnicas de ensino baseadas em jogos de empresas no ensino da engenharia de produção apresenta bons resultados quanto ao desenvolvimento intelectual dos participantes, pois proporciona um melhor entendimento da teoria utilizando o recurso da simulação como aplicação prática do conteúdo. As dinâmicas trazem para dentro da sala de aula a sensação de aprender em um ambiente real, facilitando a assimilação dos conceitos a serem aplicados na vida profissional dos acadêmicos. Uma dificuldade no preparo e realização de dinâmicas é prever as reações dos participantes frente às situações propostas. Devido a essa razão fica clara a importância de vivenciar outras simulações ao organizar uma dinâmica de ensino, a fim de obter experiência com a metodologia e visar melhores resultados. Outro ponto a ser observado na organização é a administração do tempo dos trabalhos, visto que a divisão da aplicação da dinâmica proposta em três dias impôs grandes espaços entre cada simulação, fato que dificultou a assimilação dos resultados e a comparação entre as etapas. Os acadêmicos de engenharia de produção que participaram da simulação reagiram de forma evolutiva com o desenrolar da dinâmica e encontrando alternativas para resolver os problemas apresentados, e fazendo uso dos conhecimentos e ferramentas do sistema de produção enxuto, objetivando o foco no cliente e a redução de desperdícios, demonstrando claramente a 12

13 assimilação desses conceitos ao longo da simulação. Quando se faz o uso de técnicas de ensino baseadas em jogos e simulações, é essencial promover uma discussão entre os participantes quanto aos resultados obtidos. É a partir destas discussões que surge a oportunidade de agregar conhecimento aos alunos, instigando a análise da situação real, promovendo o crescimento do senso intuitivo que somente a experiência proporciona e comparando a teoria acadêmica aos resultados alcançados com a prática. Referências COSTA, A.C.F. & JUNGLES, A.E. O Mapeamento do Fluxo de Valor Aplicado a uma Fábrica de Montagem de Canetas Simulada. In: XXVI ENEGEP - Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXVI, DENNIS, P. Produção lean simplificada. Tradução Rosália Angelita Neumann Garcia Porto Alegre: Bookman, 2008 GODOY, A.S. Revendo a Aula Expositiva. In: MOREIRA, D. A. (org.), Didática do ensino superior: técnicas e tendências, São Paulo, Pioneira, GODOY, A.S. & CUNHA, M.A.V.C. Ensino em Pequenos Grupos. In: MOREIRA, D. A. (org.), Didática do ensino superior: técnicas e tendências, São Paulo, Pioneira, GRAMIGNA, M.R.M. Jogos de Empresa. São Paulo, Makron Books, KALLÁS, D. A Utilização de Jogos de Empresas no Ensino da Administração. In: VI SEMEAD - Seminários em Administração, VI, OHNO, T. O sistema Toyota de produção: Alem da produção em larga escala Tradução Cristina Schumacher Porto Alegre, Bookman, PINHO, A.F.; LEAL, F. & ALMEIDA, D. Utilização de Bloquinhos de Montagem LEGO para o Ensino dos Conceitos do Sistema Toyota de Produção In: XXV ENEGEP - Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXV, SAFFARO, F.A. ET AL. Discussão de princípios da lean production através de um jogo didático. In: III SIBRAGEC - Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção, III, SANTOS, D.G. ET AL O ensino de linha de balanço e variabilidade através de um jogo didático. IX ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, IX, SAUAIA, A. C. A. Satisfação e Aprendizagem em Jogos de Empresas: Contribuições para a Educação Gerencial. São Paulo, FEA-USP, Tese de Doutorado, SHINGO, S. O sistema Toyota de produção do ponto de vista da engenharia de produção Tradução Eduardo Schaan. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, SILVEIRA, J.P. ET AL Fábrica de canetas- Aprendendo conceitos de produção a partir de jogos em equipe. IV SIBRAGEC - Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção, IV, SOUZA E SILVA, M.F. ET AL Sistema de produção puxado e sistema de produção empurrado: simulação através de jogo didático de montagem de canetas, associando idéias e conceitos ao ambiente da construção civil. III SIBRAGEC - Simpósio Brasileiro de Gestão e Economia da Construção, III, TOMMELEIN, I.D. & CHOO, H.J. Parade of trades: a game for understanding variability and dependence. Construction Engineering and Management Program, Civil and Environmental Engineering Department, University of California, Berkeley, TUBINO, D & SCHAFRANSKI, L.E. Simulação Empresarial em Gestão da Produção. Manual de Simulação. Universidade Federal de Santa Catarina, WOMACK, J.P. & JONES, D.T. A máquina que mudou o mundo: baseado no estudo do Massachsetts Institute of Technology sobre o futuro do automóvel.tradução de Ivo Korytowski. Nova Ed. Ver. E atual. Rio de Janeiro: Elsevier,

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

Relatório de Boas Práticas

Relatório de Boas Práticas Relatório de Boas Práticas Nome da empresa: WEG EQUIPAMENTOS ELETRICOS S/A CNPJ: 07.175.725/0010-50 Responsável pela prática: Natalino Petry Cargo / Função: Chefe da seção QPOP E-Mail: natalinop@weg.net

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores

Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores PROGRAMA INSTITUCIONAL DE ACÕES AFIRMATIVAS RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES (AGOSTO/2009 A AGOSTO/2010) Promovendo a Inclusão Digital Por Meio do Projeto Multiplicadores Paulo Eduardo Boeira Capeller Dr(ª).

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS Jéssica Ayumi Uehara Aguilera 1 j.ayumi@hotmail.com Alessandra Querino da Silva 2 alessandrasilva@ufgd.edu.br Cintia da Silva

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA FACULDADE TECNOLOGIA TUPY CURITIBA

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA FACULDADE TECNOLOGIA TUPY CURITIBA SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA FACULDADE TECNOLOGIA TUPY CURITIBA IDENTIFICAÇÃO Curso: Tecnologia em Gestão da Qualidade PLANO DE ENSINO Período/Módulo: Básico Disciplina/Unidade Curricular: Fundamentos

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Kanban na Fábrica de Software

Kanban na Fábrica de Software Kanban na Fábrica de Software Casimiro Beleze (UEM) casimirobeleze@hotmail.com Lafaiete H. R. Leme (UEM) lafaiete@din.uem.br Resumo: Este trabalho apresenta um enfoque diferenciado para o gerenciamento

Leia mais

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima...

ÍNDICE. Estruturação e Organização da Matéria Prima... ÍNDICE Apuração de Custos Estruturação e Organização I - Custos de Produção Custos Diretos Estruturação para a Apuração de Custo Matérias Primas, Produtos Químicos... Estruturação e Organização da Matéria

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO

UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO UMA EXPERIÊNCIA COM A MODELAGEM MATEMÁTICA POR MEIO DO ESTUDO DA RITALINA NO ORGANISMO Renata Karoline Fernandes Universidade do Norte do Paraná/Universidade Estadual de Londrina renatakaroline@hotmail.com

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Logística 4ª Série Operações de Terminais e Armazéns A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Formação & Desenvolvimento. A Evolução do seu Marketing Slide 1

Formação & Desenvolvimento. A Evolução do seu Marketing Slide 1 Formação & Desenvolvimento A Evolução do seu Marketing Slide 1 Formação e Desenvolvimento em em Vendas Consultivas no SMG Obrigado por seu interesse na área de Formação e Desenvolvimento do SMG! Este material

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos.

Apresentação da disciplina, conteúdo, metodologia e diretrizes de trabalhos. IDENTIFICAÇÃO Nome do Curso: Administração de Empresas. Disciplina: Organização, Sistemas e Métodos. Número da Disciplina: 4520. Carga Horária Semanal: 2 h/a. Carga Horária Semestral: 40 h/a. Período Letivo:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais