Secovi, Sinduscon e Sindtur estudam EDITORIAL pesquisa sobre mercado imobiliário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secovi, Sinduscon e Sindtur estudam EDITORIAL pesquisa sobre mercado imobiliário"

Transcrição

1 Ribeirão Preto, Maio 2015 Ribeirão Preto - SP - Abril de 2014 Secovi, Sinduscon e Sindtur estudam EDITORIAL pesquisa sobre mercado imobiliário O infindável debate sobre a terceirização, tema que tramita há 17 anos no Congresso Nacional, é exemplo de como o apego a uma legislação ultrapassada contribui para a redução de oportunidades de desenvolvimento. Embora a terceirização seja generalizada no mundo inteiro, inclusive no Brasil, a falta de legislação específica provoca insegurança jurídica para empresas e para um universo de 12 milhões de trabalhadores que já se encontram nessa situação. página 2 Para representar os condomínios está nascendo o SINCORP Amauri Reis, morador e ex-sindico do Edificio Humaitá, comandando o processo de criação de um sindicato específico para o setor condominial de Ribeirão Preto adianta os passos já dados dentro desse objetivo. página 8 O economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, e a equipe do Departamento de Economia e Estatística daquele Sindicato reuniram-se, na sede da entidade, com o presidente do Sindtur Aguinaldo Rodrigues da Silva, e o diretor Regional do SindusCon-SP, Fernando Paoliello Junqueira para acertar detalhes visando a elaboração de uma pesquisa sobre o mercado imobiliário de Ribeirão Preto. página 6 Mitos e verdades sobre a regulamentação da Terceirização A Terceirização é um fenômeno, um fato social amplamente consagrado e por esse motivo depende da criação de normas que a regulem à luz dos valores da nossa sociedade. A ausência de regras claras gera insegurança jurídica, ambiente de negócios desfavorável, trabalhadores desprotegidos e, por consequência, interpretações díspares, aumento dos conflitos e das demandas judiciais. páginas 4 e 5 SENAC, Fundação Bradesco e Sindtur unidos no Porteiro Amigo do Idoso Um projeto visando treinar os porteiros para atender cada vez melhor as pessoas da terceira idade nos edifícios de Ribeirão Preto - patrocinado pela Fundação Bradesco será realizado em Ribeirão Preto numa parceria entre o Sindtur e o SENAC. Essa parceria, definida em conversas entre o presidente Aguinaldo Rodrigues da Silva e Luci Johannsen Genovez (gestora de negócios do SENAC), prevê, para o segundo semestre deste ano (em agosto, setembro e outubro) a realização de cursos específicos (com carga de 12 horas cada um). página 8 OPINIÃO INFORME JURÍDICO SEGURANÇA EVENTO Relação da MP 664 com o setor de Serviços Controvérisas sobre a remuneração do síndico Inscrições para a Higiexpo 2015 Página 2 Página 3 A importância da Medicina e Segurança do Trabalho Página 6 Página 7

2 2 Jornal dos Prestadores de Serviços Maio 2015 EDITORIAL Quem tem medo da terceirização? O infindável debate sobre a terceirização, tema que tramita há 17 anos no Congresso Nacional, é exemplo de como o apego a uma legislação ultrapassada contribui para a redução de oportunidades de desenvolvimento. Embora a terceirização seja generalizada no mundo inteiro, inclusive no Brasil, a falta de legislação específica provoca insegurança jurídica para empresas e para um universo de 12 milhões de trabalhadores que já se encontram nessa situação. A suposta preocupação quanto à garantia de direitos trabalhistas vem emperrando as discussões, embora o substitutivo ao Projeto de Lei 4.330/2004, proposto pelo deputado relator Arthur Maia, contenha dispositivos que até superam a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Não leva a reduções de valores, salários ou direitos, mas propõe mecanismos como fiança, retenção de valores contratuais e responsabilidade da empresa contratante em relação à garantia dos direitos dos trabalhadores. Como afirma o professor José Pastore (O Estado de S. Paulo - 24/3/2015), a combinação de tecnologia com terceirização alavancou a competitividade das empresas, reduziu o preço dos bens e serviços para os consumidores e gerou muitos empregos para os trabalhadores. A formalização das regras não significa a precarização do emprego. Ao contrário: pode até permitir que os serviços especializados sejam melhor remunerados. Como defende a CNC, FE- BRAC, FECOMERCIO-SP e a totalidade das demais federações, a aprovação do projeto contribuirá para a estabilidade macroeconômica e estimulará a produtividade. O PL nº 4330/04 traz garantias e segurança jurídica para as empresas contratantes e contratadas mas, principalmente, para os trabalhadores terceirizados. A terceirização é uma forma moderna de organização e o mundo inteiro terceiriza para ganhar eficiência. Com a regulamentação do trabalho terceirizado, o Brasil irá se alinhar às mais modernas práticas trabalhistas do mundo, o que contribuirá para aumentar nossa competitividade em comparação com outros países. Por outro lado, é impossível falar sobre terceirização sem analisar um fenômeno mais abrangente: a globalização. Com a velocidade das transformações econômicas e sociais nos últimos anos, as empresas passaram a se organizar de formas diferentes para se manterem competitivas no mercado global e atenderem às necessidades da sociedade.ww No mundo globalizado, os negócios se estruturam independentemente do local onde estão, em regiões Relação da MP 664 com o setor de Serviços Edgar Segato Neto Presidente da Federação Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços de Limpeza e Conservação (Febrac) Nesta quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou duas alterações no texto-base da Medida Provisória nº 664/2014, que altera o acesso a benefícios previdenciários. Um dos destaques aprovados retira a responsabilidade das empresas ao pagamento dos primeiros 30 dias do auxílio doença. Com isso, permanece a regra atual em que a empresa é responsável pelo benefício do empregado até o 15º dia de afastamento. A MP ainda será votada pelo Senado. No entanto, a vitória nesta primeira fase já é um avanço para as empresas. Caso a proposta para retirar o destaque não fosse aprovada, geraria um aumento nos custos dos serviços do setor de asseio e conservação em, aproximadamente R$ 7 milhões por mês. Nós vivemos em um país onde é possível conseguir um atestado pagando 10 reais. Caso a responsabilidade pelo custo fosse repassada para as empresas, o número de atestados falsificados aumentaria consideravelmente. No modelo atual, o trabalhador demora um certo período para receber o dinheiro do governo devido aos exames e perícias necessárias. Passando a responsabilidade para as empresas, o funcionário receberia normalmente o salário como se nada tivesse acontecido, podendo incentivar a cultura dos atestados falsos. A justificativa do governo para a alteração é a suposta economia de R$ 15 bilhões ao ano para "Nós vivemos em um país onde é possível conseguir um atestado pagando 10 reais" os cofres públicos. No entanto, com o aumento nos custos das empresas, o valor seria repassado aos contratos e, no caso do segmento de limpeza em que o poder público é um dos principais contratantes, seria um tiro no próprio pé. Apesar de ter sido uma vitória apertada na Câmara, 229 votos contra 220 e 1 abstenção, no Senado, acreditamos que não haja problemas para a votação devido à maioria dos senadores também ser empresários e, com isso, terem conhecimento prático do que a medida impacta. e países distintos, ou até são formados em microunidades de maneira virtual. As empresas trabalham umas para as outras, fornecendo bens ou serviços especializados integrados à cadeia de produção. Algumas empresas estão no início do processo produtivo, outras no meio e outras na ponta, fornecendo o produto ou serviço para o consumidor final. Portanto, a aprovação deste projeto, agora no Senado Federal, irá representar uma nova oportunidade para o país, pois segurança Descontos e Benefícios aos associados Sindtur Filie-se O Sindtur oferece convênio médico e odontológico com valores diferenciados para filiados. Mais informações: (16) Expediente Aguinaldo Rodrigues da Silva presidente do SINDTUR e do COMTURP (Conselho Municipal de Turismo) jurídica e institucional reduz riscos em investimentos, aumenta a competitividade e promove a criação de mais e melhores empregos. Faculdade Barão de Mauá 10% em cursos de graduação - exceto medicina Ateneu Barão de Mauá 20% pré-escola, ensino fundamental e médio Faculdades COC/Estácio 10% FAAP 10% Instituição Universitária Moura Lacerda 5% no Colégio e 5% na Faculdade CNA 20% SENAC 10% nos cursos de qualificação Profissional e técnico; 20% nos cursos livres idiomas(em horários não promocionais), Extensão universitária, pós-graduação (lato sensu) Grande Hotel São Pedro e Grande Hotel Campos do Jordão - 10% sobre diárias vigentes (baixa temporada) 5% nos pacotes de finais de semana (baixa temporada Editora SENAC 20% aquisição de livros e outros produtos PragTech Controle de Pragas Urbanas 10% Emissão de Certificado Digital Autofax/Serasa 15% ASSISTENCIA JURÍDICA Orientações gratuitas aos associados. Maiores informações pelo ou Planos Odontológicos e de Saúde com preços especiais facebook.com/sindtur.ribeiraopreto Esta é uma publicação mensal do SINDTUR Sindicato de Turismo e Hospitalidade de Ribeirão Preto Rua José Leal, Alto da Boa Vista Ribeirão Preto - SP (16) / Presidente: Aguinaldo Rodrigues da Silva Jornalista Responsável: Jarbas Cunha - Mtb Diagramação: ABS Mídia - Impressão: Nova Enfim Gráfica e Editora - Artigos assinados são de responsabilidade de seus autores.

3 Maio 2015 Jornal dos Prestadores de Serviços 3 INFORME JURÍDICO Controvérsias sobre a remuneração do Síndico A remuneração do condômino que se investe na figura de síndico não raro é palco de inúmeras discussões em assembléias, em especial acerca de sua legalidade, da falta de parâmetros no ordenamento jurídico para sua fixação, e principalmente sobre a incidência previdenciária sobre referido ganho. Antes de adentrar aos assuntos de maior notoriedade, imprescindível ressaltar que o conceito de remuneração do síndico estende-se desde o pagamento propriamente dito para exercício da função (pró-labore), como também a isenção do pagamento da quota condominial, independentemente do percentual desta isenção. Ambas as hipóteses são formas de remuneração e, portanto, se equivalem como conceito de remuneração. No que tange à sua legalidade, a remuneração do sindico, quando não prevista em convenção condominial, encontra respaldo jurídico no art. 22, 4º, da Lei nº 4.591/64, ao estabelecer que Ao síndico,..., será fixada a remuneração pela mesma assembléia que o eleger, salvo se a Convenção dispuser diferentemente. Porém, é recomendável que na assembléia que fixar a remuneração do síndico, quando ela paga sob a forma de isenção da quota condominial, que seja também deliberado o âmbito de abrangência da isenção, ou seja, se referida isenção restringirá às despesas ordinárias do condomínio ou se também albergará as despesas extraordinárias, não deixando esta interpretação a cargo do próprio sindico ou da administradora do condomínio. Vale frisar que o condomínio antes de deliberar acerca da remuneração do síndico, imprescindível a consulta prévia à convenção do condomínio condominial. No silêncio desta, a remuneração será decidida pela assembléia que elege o síndico. Contudo, há casos em que a convenção a proíbe, sendo nestes casos vedada sua deliberação em assembléia. No que pertine ao valor a ser pago a titulo de remuneração, não há no ordenamento jurídico brasileiro parâmetros máximos ou mínimos pré-estabelecidos, bem como não há métodos de pagamento pré-especificados (benefícios, ajuda de custo, isenção, pagamento em pecúnia, etc.), delegando tal função aos próprios condomínios tal encargo, desde que observado o princípio da razoabilidade. Por fim, o mais tortuoso dos aspectos da remuneração do síndico está na hipótese de incidência da contribuição previdenciária sobre referido ganho, principalmente quando pago sob a forma de isenção da quota condominial. Para a Previdência Social, o síndico é um contribuinte individual quando remunerado propriamente dito ou isento da taxa condominial. A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) no ano de 2006, em decisão unânime, negou ao Sindicato das Empresas de Compra e Venda Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais do Rio Grande do Sul o reconhe- Nova lei dos Domésticos O que efetivamente muda? Dr. Roberto Rodrigues cimento da inexigibilidade da contribuição social sobre o pagamento do pró-labore aos síndicos de condomínios imobiliários, bem como a isenção da taxa condominial devida a eles, mantendo atualmente o mesmo entendimento em julgamento de casos análogos. Segundo o Ministro do STJ, Não há mais discussão acerca da legalidade da cobrança da contribuição social a partir da vigência da citada norma [LC 84/96], a qual determinou expressamente como contribuinte o síndico eleito para desempenhar serviços em condomínios, passando a ser devido no percentual de 20% da remuneração. Dúvida freqüentemente formulada por condôminos filiados ao SINDTUR/SINDI- CORP é sobre a incidência da contribuição previdenciária sobre isenções concedidas ao síndico aposentado. No caso em questão a resposta é sim, ou seja, a contribuição previdenciária deverá ser recolhida normalmente, ainda que o síndico já esteja aposentado, devendo realizar nova inscrição como contribuinte individual. Para os síndicos que não estejam ainda aposentados, os valores relativos ao período de contribuição serão computados para fins de apuração da aposentadoria Diante ao exposto, mostra-se recomendável o recolhimento da contribuição previdenciária sobre a remuneração do sindico, independentemente da forma como efetivamente paga, de modo a evitar eventuais chateações futuras com o Fisco, que por certo, quando e se ocorrerem, virão acompanhadas de multa, juros e correção monetária pela falta de pagamento no momento oportuno. No último dia 06 de maio de 2015, o parlamento brasileiro, enfim, aprovou o texto final da nova Lei dos Domésticos, regulamentando assim a Emenda Constitucional 72 promulgada no dia 02 de abril de Embora a nova norma, dependa ainda da sanção presidencial, para transformar-se em Lei, podendo ser objeto de veto pela Presidente da República e um ou outro dispositivo, estima-se que o texto aprovado pelo parlamento seja acolhido em sua totalidade, sendo necessário o total conhecimento das mudanças que virão com sua sanção. Com a aprovação da Emenda Constitucional 72/2013 vários direitos trabalhistas já foram incorporados aos domésticos, que passaram agora a ter limitação de jornada de trabalho, horas extras, adicionais noturnos, intervalos para repouso e descanso, auxílios previdenciários dentre outros. O FGTS, também passou a ser obrigatório em favor de todos os empregados domésticos, mas o empregador somente passará a ter obrigação de promover a inscrição e de efetuar os recolhimentos depois da entrada em vigor de um Regulamento a ser editado nos próximos 120 dias contados da publicação da lei. Seguido a Lei, ainda será regulamentado o regime unificado de pagamento de tributos, de contribuições e dos demais encargos do empregador doméstico, o chama do Simples Doméstico, que será efetivado mediante registro em sistema eletrônico a ser disponibilizado em portal na internet. O Simples Doméstico assegurará o recolhimento mensal, mediante documento único de arrecadação, dos seguintes encargos tributários pelo vinculo doméstico: I - de 8%a 11% de contribuição previdenciária, a cargo do empregado doméstico; II - 8% de contribuição patronal previdenciária (era 12%, houve portanto uma diminuição do percentual em favor dos patrões para compensar outras exigências); III - 0,8% para financiamento do seguro contra acidentes do trabalho; IV - 8% de recolhimento para o FGTS; V - 3,2% para garantir o antecipado recolhimento do acréscimo de 40% sobre o FGTS em caso de despedidas sem justa causa dos empregados do lar; e, por fi m, VI - imposto sobre a renda retido na fonte, se incidente. Com esse novo sistema de arrecadação, os empregadores domésticos, que até então pagavam apenas 12% do salário a título de contribuição previdenciária, passarão a ter a carga tributária de 20% sobre o que pagarem aos seus empregados, sendo estes: 8% de INSS + 8% de FGTS + 3,2% a título de 40% sobre o FGTS + 0,8% de SAT, totalizando o importe de 20% sobre os vencimentos. Como se não bastasse a majoração significativa dos tributos, o patrão doméstico arcará ainda com o pagamento do salário família de seus empregados, para posteriormente proceder a compensação perante o órgão previdenciário. De acordo com a Portaria Interministerial MPS/MF nº 13, de 9 janeiro de 2015, valor do salário-família será de R$ 37,18 mensais, por filho de até 14 anos incompletos ou inválido, para quem ganhar até R$ 725,02. Já para o trabalhador que receber de R$ 725,02 até R$1.089,72, o valor do salário-família por filho de até 14 anos de idade ou inválido de qualquer idade será de R$ 26,20, por mês. Notadamente houve a efetiva majoração dos encargos domésticos além das obrigações já impostas na Emenda 72/2013, o que certamente refletirão no orçamento familiar impactando assim no número de vínculos empregatícios domésticos no país. Renata Scarpini Advogada do escritório Roberto Rodrigues Ainda será regulamentado o regime unificado de pagamento de tributos, de contribuições e dos demais encargos do empregador doméstico

4 4 Jornal dos Prestadores de Serviços Maio 2015 A importância da regulamentação da Terceirização Mitos e verdades Na sua essência, a terceirização é uma forma de organização e gestão do processo produtivo de uma empresa, pois incrementa a produtividade, aumenta a especialização profissional, reduz controles internos, permite a melhor supervisão de outras áreas, simplifica a estrutura empresarial, reduz perdas e custos fixos, além de incentivar a modernização tecnológica das empresas, elevando a competitividade geral. Do ponto de vista social, gera empregos e aumenta a necessidade da qualificação dos empregados, induzindo ao aumento de renda e por consequência a melhoria da vida de cada um. É portanto um fenômeno, um fato social amplamente consagrado e por esse motivo depende da criação de normas que a regulem à luz dos valores da nossa sociedade. A ausência de regras claras gera insegurança jurídica, ambiente de negócios desfavorável, trabalhadores desprotegidos e, por consequência, interpretações díspares, aumento dos conflitos e das demandas judiciais. Com a discussão em torno de um marco legal da terceirização, estamos vivendo um momento especial, revelando que o Brasil está apto a trocar conceitos vagos e imprecisos por uma legislação clara e eficiente na conjugação dos interesses do trabalhador com o desenvolvimento econômico da nação. Esse assunto vem sendo discutido não só nas instancias politicas como legislativo e agora o Senado, mas também em entidades representativas do empresariado como a C.N.C., FEBRAC., FE- COMERCIO-SP e demais instituições interessadas, como forma de esclarecer a sociedade e dirimir dúvidas que por ventura ainda venham a ter. Por todo o exposto, e com o objetivo de apresentar as reais mudanças provocadas pelo PL 4.330, de modo a evitar que argumentos de quem fez uma leitura incompleta, apressada ou equivocada do PL não prosperem, elencamos abaixo os principais pontos a serem esclarecidos de forma clara e responsável, sem demagogia nem viés ideológico: 1) O PL autoriza a generalização plena e irrefreável da terceirização, no âmbito privado e público. Não é verdade. A Lei não alcança os órgãos da administração direta, os fundos especiais, as autarquias, as fundações públicas e demais entidades controladas direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O substitutivo prevê que a Lei se aplica apenas às empresas privadas, às empresas públicas, às sociedades de economia mista e suas subsidiárias e controladas (Art. 1., Parágrafos 1. e 2. ). Além disso, a terceirização só poderá ser feita por empresa especializada, que possua qualificação técnica comprovada e capacidade econômica compatível com a execução do serviço contratado (Art. 2., Inciso III). É vedada a intermediação de mão de obra (Art. 4., Parágrafo 3. ). O serviço tem prazo para ser executado (Art. 5., Inciso II). 2) O PL negligencia e abandona os limites à terceirização. Não é verdade. Os limites estão dados pela especialização, necessidade de se comprovar a qualificação técnica e de apresentar capacidade econômica compatível com a execução do serviço. Além disso não atinge a administração pública. Por outro lado, retira o principal foco de insegurança para as empresas, a complexa definição do que vem a ser atividade fim ou atividade meio. A terceirização bem feita e que dá resultado avançou sobre as atividades desempenhadas pelas empresas devido ao seu caráter de parceirização, onde a contratada e a contratante operam como parceiros em um ambiente de corresponsabilidade, ou seja, não pode ser tratada como mera compra e venda de serviços. Portanto, não há discussão séria e produtiva acerca de um conceito vago como atividade meio ou fim, já que absolutamente ninguém é capaz de defini-la em todos os tipos de negócio. Isso resulta em múltiplas interpretações com riscos e desproteção tanto para os trabalhadores quanto para as empresas, pois a maior parte das demandas trabalhistas decorrentes da terceirização se deve justamente à dificuldade em definir claramente qual função é a principal e quais são acessórias. Um exemplo é o setor de papel e celulose, em que a base da indústria florestal é formada essencialmente por empresas de serviços especializados, que agrupam as várias fases do processo, desde o desenvolvimento de mudas (engenharia genética) até os produtos industrializados. A cadeia envolve inclusive a agricultura familiar na fase de plantio, com a orientação e a parceria da empresa que possui o know- -how. Essa é a realidade do mundo em que vivemos hoje, já que a empresa não pode fazer tudo sozinha, incorrendo em custos elevadíssimos de P&D, maquinário imobilizado, especialização e demais aspectos relacionados à cadeia produtiva e sazonalidade do negócio. 3) A terceirização representa perda de direitos trabalhistas. Essa afirmação é totalmente falsa e leviana. Todos os direitos constitucionais dos trabalhadores estão garantidos pela Constituição Federal de 1988, que trouxe uma importante novidade em relação às cartas anteriores: elencou os direitos sociais relacionados ao trabalho em título próprio, elevando-os à categoria de direitos fundamentais (Título II, Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo II, Dos Direitos Sociais, arts. 6. ao 11), garantindo elevado status a importantes direitos individuais (aviso prévio, décimo terceiro, adicional noturno, etc.) e coletivos. Desse modo, não há direitos fundamentais sem que os direitos sociais e trabalhistas sejam respeitados. 4) A Terceirização provocará gravíssima lesão social de direitos trabalhistas e previdenciários, deflagrando impressionante redução de valores, direitos e garantias trabalhistas e sociais. Nem de longe isso é verdade. Para começar, o PL supre uma lacuna legal ao garantir a proteção de todos os direitos trabalhistas, constitucionais e da CLT a mais de 12 milhões de terceirizados. Ele também prevê a contribuição obrigatória e, portanto, o acesso desse contingente à Previdência Social. São mais de 12 milhões de trabalhadores, 22% da força de trabalho brasileira, segundo o IBGE, que passarão a ter aposentadoria por tempo de serviço, seguro desemprego, licença maternidade e paternidade e auxílio doença, entre outros benefícios. Ainda segundo o IBGE, mais de 30% desses trabalhadores estão na total informalidade. Isso significa que os fiscais do trabalho e a Justiça do Trabalho ganham um instrumento para incorporar mais de 3,5 milhões de trabalhadores ao FGTS e à Previdência. Além disso, o PL oferece garantias inéditas para que tanto o governo quanto o trabalhador evitem calotes das empresas. O trabalhador terceirizado passa a ser o único a contar com uma cláusula anticalote (Art. 5., Parágrafos 1. e 2. ), formada ou por seguro, ou por fiança bancária ou por caução em dinheiro e destinada ao pagamento da rescisão. O PL também transforma a empresa contratante em fiscal do bom cumprimento das obrigações trabalhistas e previdenciárias da terceirizada. E, finalmente, se a fiscalização e o cumprimento dessas obrigações não acontecerem, já coloca a contratante como responsável solidária (Art. 15) das pendências trabalhistas e previdenciárias, ou seja, uma dupla garantia. Explicando melhor, trabalhadores e Estado podem cobrar de duas empresas e não mais de uma, e só então em caso negativo, da segunda. Além de tudo, esse será um excelente instrumento para que os fiscais do trabalho e a Justiça do Trabalho possam zelar corretamente pelos direitos dos trabalhadores e punir, com regras objetivas, as empresas transgressoras. 5) O PL esvazia o conceito constitucional e legal de categoria. De maneira alguma. Bancários continuarão sendo bancários, metalúrgicos não irão virar prestadores de serviços em metalurgia e nem comerciários deixarão de ser comerciários. O PL não interfere na estrutura sindical. Na verdade, no que diz respeito à estrutura sindical, é visível que o modelo de enquadra-

5 Maio 2015 Jornal dos Prestadores de Serviços 5 mento sindical vigente fragmenta a organização sindical, pois tem como princípio a categoria profissional e não os ramos ou setores de atividade econômica. Isso sim precisa ser discutido com seriedade. O fato é que parte do próprio movimento sindical se adequou a uma realidade da sociedade ao criar sindicatos de empregados em empresas terceirizadas, estruturados e aptos a representar as diversas categorias por meio das convenções coletivas (CF, Art 7., inciso XXVI). O SEAC/MS representa legal e legitimamente os serviços terceirizáveis há mais de 20 anos, inclusive mantendo juntamente com os sindicatos laborais estruturas tripartites com os órgãos fiscalizadores para o melhor acompanhamento dos trabalhadores, além de um centro de capacitação e treinamento para a classe trabalhadora. Independentemente dessa realidade, nesse quesito o PL protege mais uma vez o trabalhador em seu Art. 8. quando estabelece que quando o contrato se der entre duas empresas da mesma atividade econômica, a vinculação será pelo sindicato que representa os trabalhadores da contratante, na forma do art. 511 da CLT. Pergunta-se então, por que a contratante contrataria funcionários estratégicos junto a uma terceira empresa, tendo que pagar tudo que eles têm direito, como se empregados seus fossem, mais o lucro e custo da prestadora, ficando sobre sua dependência, sendo obrigada a transferir informações, treinamentos, assumindo responsabilidades, etc.? 6) O PL promove profundo e rápido rebaixamento do valor social do trabalho. Ao contrário. O PL permite a rápida formalização de mais de 3,5 milhões de trabalhadores. Também amplia as garantias, direitos e benefícios do trabalhador terceirizado, dando segurança legal e financeira a 22% da força de trabalho do Brasil, ou mais de 12 milhões de trabalhadores ou ainda, se computadas suas famílias, mais de 40 milhões de brasileiros. O PL transforma o terceirizado no trabalhador mais protegido do Brasil e acaba com a discriminação em relação a primarizados de uma mesma empresa, na medida em que obriga as empresas contratantes a dar aos prestadores de serviço a mesma alimentação, os mesmos serviços de transporte, o mesmo atendimento ambulatorial e as mesmas medidas de proteção à saúde e segurança no trabalho (Art. 12) dados a seus empregados. Isso significa que o PL promove a profunda e rápida valorização do trabalho para 12 milhões de pessoas que muitas vezes são tratadas como trabalhadores de segunda categoria, sem contudo prejudicar os demais, que estarão evoluindo dentro da cadeia produtiva em função da especialização. 7) O PL afetará negativamente o mercado interno de trabalho e de consumo. Ao contrário. Ao incorporar direitos, garantias e benefícios a mais de 12 milhões de trabalhadores, o PL contribui positivamente para alavancar o consumo. Ao dar segurança jurídica às empresas contratantes, ele vai criar um ambiente econômico mais maduro e previsível, que resultará na geração de mais postos de trabalho. Segundo o IBGE, nos últimos 12 anos, um em cada três novos postos de trabalho, nas principais capitais do Brasil, foi criado por serviços terceirizados. Essa é uma tendência da sociedade e é por isso que esses trabalhadores precisam urgentemente de uma Lei que lhes dê proteção, garantindo seus direitos. A aprovação desta Lei é a melhor medida possível para assegurar as recentes conquistas e avanços do nosso mercado de trabalho e de consumo. Grande parte dos terceirizados forma a chamada nova classe média. 8) O PL irá provocar severo problema fiscal para o Estado. Ao contrário. Ao obrigar as empresas terceirizadas a ter capital compatível com o serviço e ao proibir a intermediação de mão de obra, o PL acaba com o chamado gato e dificulta sobremaneira a criação de empresas fantasmas, as campeãs de exploração do trabalhador e do calote nos trabalhadores e no Estado. Além disso, dá condições para que fiscais e juízes do trabalho consigam a formalização imediata de mais de 3,5 milhões de trabalhadores cujas empresas nada contribuem para a Previdência ou o Estado. 9) O PL vai provocar o esvaziamento das grandes empresas. A terceirização é uma realidade e o PL é o instrumento para resolver seus dois principais problemas: a insegurança jurídica em que vivem as empresas que contratam prestadores de serviço e os mais de 12 milhões de terceirizados considerados atualmente trabalhadores de segunda categoria, sem seus devidos direitos e benefícios. Durante os onze anos em que longos e produtivos debates reuniram todos os lados da questão, empresários, sindicalistas, governo, especialistas do trabalho e parlamentares, a realidade prática das empresas brasileiras provou que o que aconteceu foi o contrário do esvaziamento das grandes empresas. Nos empregos novos gerados nos últimos anos, foram contratados dois trabalhadores para cada terceirizado, o que prova que as empresas preferem ter seus próprios funcionários, eles aprendem a cultura da empresa, onde podem fazer carreira e crescer profissionalmente. A terceirização é fundamental para trabalhos especializados. Portanto, no que se refere ao risco de pulverização de grandes empresas em pequenas prestadoras, além de a realidade dessa década não permitir tal afirmação, é preciso considerar ainda que, caso esse risco se apresente no futuro, o Estado dispõe de instrumentos legais em número e em qualidade suficientes para evitar, e mesmo corrigir, o problema. 10) A terceirização provocará sobrecarga adicional e significativa ao SUS, na medida em que deve elevar o número de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais. Essa é uma leitura equivocada do problema, na medida em que transforma a consequência em causa. O PL ajuda enormemente a resolver o problema criando condições para a fiscalização. No seu artigo 12 prevê que quando os serviços forem executados nas dependências da contratante ou em lugar por ela designado, a empresa contratante é responsável por dar as mesmas proteções à saúde e a mesma segurança no trabalho que gozam seus funcionários regulares. Além disso, o PL reforça a notificação de acidentes, na medida em que obriga a contratante a comunicar ao sindicato da categoria qualquer acidente de trabalho em suas dependências. Com informações mais precisas, sindicatos e autoridades poderão atuar mais fortemente para reduzir o número de acidentes, uma vez que as regras de segurança no trabalho e de combate ao trabalho insalubre precisam ser cumpridas por todas as empresas, independentemente de serem contratantes ou prestadoras de serviço. O fato é que os números estatísticos comumente apresentados pelos inimigos da Terceirização são mascarados e pouco confiáveis, pois se baseiam em valores absolutos pequenos que transmitem uma idéia errônea de volume que não condiz com a realidade se uma Petrobrás terceiriza praticamente todas as atividades, é evidente que o número relacionado a terceiros seja maior. O próprio IBGE declara que é um ponto difícil de ser medido, dados os diversos níveis de terceirização, ou seja, não existe uma produção estatística que monte vínculos entre tomadores e prestadores de serviços. A Lei também ajuda nesse ponto. 11) A Lei da terceirização resolverá todos os problemas. Evidente que não. E nem tem essa pretensão, pois nenhuma lei tem o condão de regrar absolutamente tudo de forma eficaz. Não há como tratar diferentes negócios e suas peculiaridades, particularidades e realidades locais com a mesma medida e da mesma forma. Além disso, as relações de trabalho no Brasil seguem um modelo excessiva e predominantemente legislado, elevando muito o grau de judicialização dos conflitos. A saída é a negociação coletiva com a atuação dos sindicatos nos espaços de regulação do trabalho, conforme preceitua a CLT em seus arts. 511 e 513 e a própria Constituição Federal de 1988 primeira Constituição brasileira a tratar especificamente da negociação coletiva, valorizando-a e tornando obrigatória a participação dos sindicatos, conforme se verifica pelos incisos VI, XIII, XIV, XXVI do art. 7. e inciso VI do art. 8.. Entender e privilegiar o caráter regulatório das convenções coletivas é o caminho para fortalecer as classes trabalhadoras, na medida em que concretiza os direitos individuais e coletivos já consolidados e amplia os seus limites. O Ministro do STF, Luís Barroso, enaltece esse modelo imposto pela Constituição de 1988, que é o de valorização das negociações coletivas e acordos coletivos de trabalho. Para ele A negociação coletiva tem um caráter emancipatório do trabalhador, liberando-o do paternalismo excessivo sem deixá-lo desamparado. 12) Por que o conceito de especialização é tão importante. E os salários? A prestação de serviços entre empresas gera novas e diversas atividades, e isso garante um benefício econômico fantástico por conta da economia de escala exigida. Assim, uma quantidade cada vez maior de empresas passam a atuar dentro da cadeia produtiva, cada qual na área onde detém maior conhecimento e especialização, resultando em produtos e serviços melhores e mais acessíveis, tanto no mercado livre quanto no regulado, neste último na forma de melhores tarifas. Esse modelo dinâmico cria condições favoráveis para o empreendedorismo, geração de emprego e renda, capacitação constante e valorização do trabalhador. Além disso, serviços especializados geram efeito de transbordamento de um setor para outro, motivando a eficiência e a consequente melhora da economia. Prova disso é o setor de Tecnologia da Informação, onde a terceirização alcança quase 70% das relações de trabalho com remunerações acima da média salarial nacional. Essa é a prova contundente de que a Terceirização não faz com que trabalhadores ganhem menos. Na verdade, os menores salários decorrem do fato de que esse modelo tem ocorrido em maior escala nos serviços de limpeza/conservação e segurança, nos quais a remuneração é normalmente mais baixa.

6 6 Jornal dos Prestadores de Serviços Maio 2015 Secovi, Sinduscon e Sindtur preparam pesquisa sobre o mercado imobiliário de Ribeirão Preto No último dia 11 de maio, uma segunda-feira,, o economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, e a equipe do Departamento de Economia e Estatística daquele Sindicato receberam, na sede da entidade, o presidente do Sindtur (Sindicato de Turismo, Hospitalidade, Serviços, Mercado Imobiliário e Condomínios de Ribeirão Preto), Aguinaldo Rodrigues da Silva, e o diretor Regional do SindusCon-SP, Fernando Paoliello Junqueira. Na ocasião, dentre outros assuntos relacionados ao setor, esteve em pauta as dificuldades que as empresas enfrentam e a necessidade da implantação de uma pesquisa sobre o mercado imobiliário de Ribeirão Preto. Segundo Fernando Junqueira, há grande carência de informações e a pesquisa pode contribuir para subsi- diar as empresas e até os órgãos públicos na tomada de decisões. O presidente do Sindtur. Aguinaldo Rodrigues da Silva, concorda: o levantamento de dados do mercado - explicita - será benéfico para as atividades do setor na região. Não só apoio a iniciativa como também me disponho a participar do projeto, ajudando a promover a aproximação com empresários e órgãos ligados ao setor. Ficou acertada a realização conjunta de evento, no final de junho, reunindo os principais empresários da região de Ribeirão Preto. Na oportunidade, o economista-chefe do Secovi-SP apresentará um panorama do mercado imobiliário nacional, além de dados das cidades do interior de São Paulo onde são realizados estudos de mercado. Importância da Segurança e Medicina do Trabalho No próximo dia 21 de maio, das 8h30 às 10h00, no Sindtur (rua José Leal, 1340) consultores e gestores do grupo Confidere e do SENAC estarão abordando e discutindo - com profissionais de RH, Departamento Pessoal, Financeiro e Gestores em Geral os seguintes temas: 1) Importância da Segurança e Medicina do Trabalho na redução de Passivos Trabalhistas; 2) Importância da Identificação, Eliminação ou controle dos Riscos Ambientais; A pesquisa pode contribuir para subsidiar as empresas e até os órgãos públicos na tomada de decisões. Antecipe suas inscrições Expo Center Norte São Paulo Pavilhão Amarelo. 4, 5 e 6 de Agosto PARTICIPAÇÃO GRATUIT A. Explore todas as oportunidades de negócios do maior evento de limpeza profissional da América Latina. Inscreva-se antecipadamente até 14/07 e receba a credencial em seu endereço, sem filas. É fácil, rápido e gratuito! 3) Redução dos Acidentes de trabalho; 4) Diminuição dos impactos gerados em folha de pagamento a integração do e-social; com 5) Capacitação Profissional - Identificação das necessidades de Treinamento e capacitação previstos em Requisitos Legais. Informações e confirmação de presença pelo telefone ou pelo Fique informado sobre as novidades e toda programação: Cursos técnicos gratuitos Inovações Desfile de uniformes Patrocínio Realização Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional Acesse o site para mais informações. Evento Simultâneo Revista Oficial Patrocinador Institucional 25º Congresso Internacional do Mercado Profissional de Limpeza Anuncie no Jornal dos Prestadores de Serviços Ligue (16)

7 Maio 2015 Jornal dos Prestadores de Serviços 7 Cursos de abril tiveram 100% de avaliações positivas Novas turmas para portaria, controle de acesso e zelador estão agendadas para junho Em abril 2015 o Sindtur realizou os treinamentos para portaria/controle de acesso e zelador e mais uma vez, obteve 100% de avaliações positivas dos participantes. Os depoimentos dados ao final dos treinamentos mostraram a satisfação dos treinados com o conteúdo didático e o atendimento por parte do Sindtur. Novas turmas estão agendadas para junho/15 e as inscrições já estão abertas. Para Fecomércio, aumento na Selic confirma previsão de juros superior a 13% ainda neste semestre A quinta elevação consecutiva da taxa Selic - que passa de 12,75% para 13,25% - concretiza a previsão da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) de uma taxa de juros superior a 13% ainda no primeiro semestre. Para a Entidade, a atitude do Banco Central reafirma uma postura mais agressiva ao combate à inflação, que ultrapassa os 8% em 12 meses. De acordo com a Federação, o Banco Central não pode hesitar e deixar que o IPCA permaneça muito tempo acima da meta e não tomar nenhuma atitude sobre o fato. É necessário também rigor e rapidez na elevação da taxa Selic para que a aceleração pontual não se propague por muito tempo e seja mantido o sinal de que o Banco Central busca uma convergência do IPCA para 4,5% ao longo dos próximos dois anos. A FecomercioSP classifica como perverso o atual momento econômico, pois consumidores e empresários terão de conviver com taxas de juros muito altas, ainda que o ritmo de investimentos e de consumo das famílias já seja muito baixo. Essa talvez seja a pior combinação de fenômenos que uma economia possa presenciar - que leva o nome de estagflação. Para a Entidade, nesse ambiente, somente a política fiscal aliada à política monetária é que tornará o combate inflacionário menos doloroso. Com a solidez do equilíbrio macro, o IPCA virá para baixo, com o menor custo social possível. Isso é bom para o Brasil a longo prazo, mesmo sendo bastante penoso no momento.

8 8 Jornal dos Prestadores de Serviços Maio 2015 Sincorp nasce para representar o segmento condominial em Ribeirão Preto Atuante como síndico em duas gestões por ele comandadas e vivendo, desde o ano 2000, a realidade do dia a dia do condomínio como morador do Edifício Humaitá, José Amauri dos Reis (que é tenente coronel da reserva da PM de Minas Gerais) assumiu a responsabilidade de liderar a criação de um sindicato exclusivo para atender esse segmento empresarial de Ribeirão Preto: o SINCORP. Os primeiros passos estão sendo dados e a expectativa é bastante positiva pois é inconcebível uma cidade do porte da nossa e com a quantidade de condomínios nela existentes, não possuir uma representação legítima. Nesta entrevista ele revela como anda o processo da criação desse novo sindicato patronal. O que o motivou a encabeçar esse movimento pela cria- ção do Sincorp? José Amauri dos Reis - O motivo foi que Ribeirão Preto, uma cidade com mais de 600 mil habitantes, não pode prescindir de representação própria. A seu ver, Ribeirão Preto comporta um sindicato específico para os condomínios? Amauri - Sem dúvida nenhuma, comporta. Qual a receptividade que o senhor tem encontrado no contato com representantes dos condominos de RP? Amauri - Boa por parte de alguns, e desinteresse por parte de outros. Em que estágio se encontra o processo de legalização desse novo sindicato? Amauri - Encontra-se em estágio inicial. O senhor acredita que esse processo deverá ter tramitação rápida? Qual a sua expectativa? Amauri - Farei o possível para que tenha tramitação rápida, mas sei que é muito difícil na esfera pública. Já há uma diretoria previamente escolhida para gerir esse futuro sindicato? Amauri - Totalmente, não, mas pretendemos proceder a uma eleição democrática. Quais as vantagens para os condominios de ribeirão preto de um sindicato próprio? Amauri - Resolver in loco seus próprios problemas e defender pra valer o interesse de seus condôminos e condomínios. Por que o Sincorp é mais viável que o Sindcorp? Amauri - Porque a legislação vigente prevê sindicato específico, local. Conto com o apoio dos Síndi- cos/condôminos desta progressista Cidade, neste inabalável empenho e desejo de fazer o melhor para Ribeirão Preto. Entrevista/Luci Genovez Porteiro Amigo do Idoso objetiva valorizar a cidadania Um projeto visando treinar os porteiros para atender cada vez melhor as pessoas da terceira idade nos edifícios de Ribeirão Preto - patrocinado pela Fundação Bradesco será realizado em Ribeirão Preto numa parceria entre o Sindtur e o SENAC. Essa parceria, definida em conversas entre o presidente Aguinaldo Rodrigues da Silva e Luci Johannsen Genovez (gestora de negócios do SENAC), prevê, para o segundo semestre deste ano (em agosto, setembro e outubro) a realização de cursos específicos (com carga de 12 horas cada um). Nesta entrevista, Lucy esclarece os objetivos e a filosofia desse projeto inovador encampado, em Ribeirão Preto, pelo SENAC e pelo SINDTUR. Qual o objetivo da Fundação Bradesco ao criar esse projeto? Luci Genovez - O objetivo é oferecer informações e instrumentos práticos que tornem os porteiros observadores ainda mais atentos para a segurança e o bem-estar dos moradores idosos. Depois de capacitados, os participantes serão multiplicadores de boas práticas com a população idosa e estarão aptos a sugerir melhorias nos prédios em que trabalham. Como nasceu a parceria Senac-Fundação Bradesco? Luci - A sociedade de modo geral tem dificuldades em lidar com pessoas que possuem diferentes formas de tratar com a vida e com o tempo. Esse descompasso leva a discriminar e desvalorizar o idoso. Sensível a esta questão, a Bradesco Seguros, que desde 2006 promove ações em torno da longevidade com apoio da Bradesco Vida e Previdência, em uma iniciativa pioneira, criou o Programa Porteiro Amigo do Idoso, para melhorar ainda mais a relação dos profissionais que atuam nas portarias dos condomínios de apartamentos com os idosos, população em processo de expansão. Segundo estudo do IBGE Projeção da População do Brasil, esse grupo de brasileiros já representa 10% da população, devendo chegar a 30% do total em Trata-se de um projeto de âmbito nacional coordenado pelo Senac Rio que acontece desde Quantas turmas o SENAC pretende formar em Ribeirão Preto com o apoio do Sindtur? Luci - A unidade do Senac de Ribeirão Preto ofertará 03 turmas do Programa: PORTEIRO AMIGO DO IDOSO. Datas das turmas: Agosto 18, 19 e 20; Setembro 22, 23, e 24; Outubro 20, 21 e 22; carga horária de 12; das 13 às 17h00; Periodicidade: 03 encontros de 4 horas; 25 vagas por turma, no total de 75. Quando serão abertas as inscrições para os eventuais interessados? Luci - Todos os interessados deverão retirar o requerimento de matricula e a ficha de Encaminhamento no Sindtur. A ficha de encaminhamento deverá ser assinada pelo sindico do condomínio autorizando a participação. Haverá algum tipo de ônus para os participantes? Luci - O programa é gratuito, sem ônus para os participantes. Qual a vantagem do porteiro em participar do curso e se tornar um amigo do idoso? Luci - Refletir sobre como é ser idoso e entender a importância do trabalho do porteiro na melhoria da qualidade de vida da população de terceira idade que vive em condomínios é um ganho para comunidade como um todo e em especial para o condomínio onde ele trabalha. Além desse projeto, há outros que o SENAC cogita de realizar com o Sindtur? Lucy -Estamos sempre conversando na tentativa de viabilizar a ampliação do trabalho conjunto. "Depois de capacitados, os participantes serão multiplicadores de boas práticas."

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO

CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AO TRABALHADOR TERCEIRIZADO Mais segurança e benefícios para 40 milhões de brasileiros Chegou a vez do trabalhador terceirizado. Depois de nove anos de debates, negociações

Leia mais

MOVIMENTO PELA PROTEÇÃO DOS TRABALHADORES TERCEIRIZADOS PROTEÇÃO JÁ AOS TERCEIRIZADOS CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES TERCERIZADOS

MOVIMENTO PELA PROTEÇÃO DOS TRABALHADORES TERCEIRIZADOS PROTEÇÃO JÁ AOS TERCEIRIZADOS CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES TERCERIZADOS MPTT MOVIMENTO PELA PROTEÇÃO DOS TRABALHADORES TERCEIRIZADOS PROTEÇÃO JÁ AOS TERCEIRIZADOS CARTILHA DA LEI DE PROTEÇÃO AOS TRABALHADORES TERCERIZADOS Índice Entenda a lei de proteção ao trabalhador terceirizado

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

NOVA LEI DAS DOMESTICAS

NOVA LEI DAS DOMESTICAS NOVA LEI DAS DOMESTICAS DEVERES DAS DOMÉSTICAS Se a doméstica trabalhar menos que o contrato, posso descontar do salário? O desconto é linear? Independentemente de trabalhar menos, ela recebe o mesmo valor

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM

Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no REDOM Email enviado em 09/09/2015 pedindo a presidente Dilma Rousseff pedindo mudanças no De: Mario Avelino [mailto:marioavelino@domesticalegal.org.br] Enviada em: quarta-feira, 9 de setembro de 2015 23:50 Para:

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330.

C A R T I L H A. final do Projeto de Lei nº 4330. C A R T I L H A Perguntas e Respostas sobre a redação final do Projeto de Lei nº 4330. Esta cartilha elaborada pelo Departamento Jurídico do Sindeprestem e pela Fenaserhtt tem o propósito de detalhar o

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 SEESS - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE CONTAGEM, BETIM E REGIÃO. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Entre o SEES - SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES

RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES RECENTES DÚVIDAS DO REGIME PRÓPRIO FORMULADAS PELOS SERVIDORES DE AMERICANA - PROFESSORES 1) Já completei 25 anos como professora em sala de aula, tenho hoje 45 anos de idade, com esta idade vou aposentar

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA:

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 DA ABRANGÊNCIA: Cláusula 1ª - Esta convenção coletiva de trabalho que entre si celebram, de um lado o Sindicato dos Médicos de Anápolis e, do outro lado, o Sindicato

Leia mais

CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO

CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO CONDOMÍNIO - DIREITOS E DEVERES DOS EMPREGADOS E DO SÍNDICO Objetivo: Mostrar os direitos e os deveres de cada um: atribuições, responsabilidades, o que é permitido e o que é vedado, bem como expor aspectos

Leia mais

Cartilha. Lei de estágio 11.788/08. Cartilha de estágio 1

Cartilha. Lei de estágio 11.788/08. Cartilha de estágio 1 Cartilha Lei de estágio 11.788/08 Cartilha de estágio 1 Cartilha de estágio 2 Cartilha Nube Lei de Estágio 11.788/08 Olá! Há dez anos no mercado, o Nube, Núcleo Brasileiro de Estágios, é um agente de integração

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Projeto Legalize sua doméstica e pague menos INSS = Informalidade ZERO CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Realização Jornal Diario de Pernambuco

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AL000123/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023370/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46201.002929/2011-79 DATA DO

Leia mais

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização

Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização São Paulo, 28 de Abril de 2015 Projeto de Lei nº. 4.330/14 Terceirização Objetivos da Terceirização Aumentar a produtividade e reduzir custos. Aumento de qualidade em razão da especialização das empresas

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

As bandeiras de luta do movimento sindical atual, o seu significado e importância para os trabalhadores

As bandeiras de luta do movimento sindical atual, o seu significado e importância para os trabalhadores As bandeiras de luta do movimento sindical atual, o seu significado e importância para os trabalhadores 40 HORAS SEMANAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL A luta pela redução da jornada acontece desde os primórdios

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO

PARÁGRAFO ÚNICO PARÁGRAFO PRIMEIRO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA PERANTE O EXMO. DR. DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO QUE ENTRE SI FAZEM O SINDICATO DOS AUXILIARES DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, LOCALIZADO À

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

Como contratar seu empregado

Como contratar seu empregado MEI - Microempreendedor Individual: Como contratar seu empregado O que você precisa para contratar o seu empregado? Para você que já se tornou MEI Microempreendedor Individual e precisa contratar um empregado,

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015

C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 C L I P P I N G DATA: 18.09.2015 Setor de serviços cresceu 2,1% em julho, menor taxa da série para o mês Alta acumulada em 12 meses também é a menor da série histórica do IBGE. Rondônia teve maior alta,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

O Futuro do emprego Doméstico PROJETOS DE LEI LEGALIZE SUA DOMÉSTICA E PAGUE MENOS INSS

O Futuro do emprego Doméstico PROJETOS DE LEI LEGALIZE SUA DOMÉSTICA E PAGUE MENOS INSS PROJETOS DE LEI LEGALIZE SUA DOMÉSTICA E PAGUE MENOS INSS 1 1 Formalização de 2 milhões de empregados domésticos nos próximos 12 dias. 2 Erradicar o Trabalho Infantil Adolescente de 410 mil crianças e

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE

A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE 1 A OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO REGIME DE APURAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA, QUANDO DESFAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE Wagner Balera PUC-SP EQUIDADE V - Equidade na Forma de Participação

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Data-Base 1º de maio de 2015

Data-Base 1º de maio de 2015 PRÉ-PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2015 Data-Base 1º de maio de 2015 Pré-Pauta de Reivindicações 2015 Agroindústrias do setor de carnes e leite, Cooperativas Agropecuárias, Clinicas Veterinárias, Laboratórios

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis.

O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. O esocial e os desafios junto à fiscalização previdenciária, trabalhista e tributária. Necessidade de organização e consequências previsíveis. Renan Cesco de Campos VIII Fórum de Relações Trabalhistas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

SINDPD/SC SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE SANTA CATARINA.

SINDPD/SC SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE SANTA CATARINA. PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2012/2013 GRUPO I CLÁUSULAS ECONÔMICAS CLÁUSULA 1 ª. REAJUSTE SALARIAL Em 01.08.2012, os salários dos trabalhadores serão reajustados em 100% (cem por cento) do Índice do Custo

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

5 MILHÕES LEGAIS EM 2010 WWW.DOMESTICALEGAL.ORG.BR/VOTE SÓ FALTAM OS DEPUTADOS FEDERAIS, O PRESIDENTE LULA E VOCÊ!

5 MILHÕES LEGAIS EM 2010 WWW.DOMESTICALEGAL.ORG.BR/VOTE SÓ FALTAM OS DEPUTADOS FEDERAIS, O PRESIDENTE LULA E VOCÊ! CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA OS SENADORES APROVARAM 5 MILHÕES DE DOMÉSTICAS LEGAIS EM 2010 Sem carteira assinada Com carteira assinada 4.8 milhões de domésticas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento

Legislação não transfere à Administração Pública a responsabilidade por seu pagamento Legislação Fiscal Lei nº 8.666/1993 Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de terceiros

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Empregado doméstico, direitos e deveres Leto Horongozo Corá RESUMO O empregado doméstico figurado pela Lei 5.859/78, não se caracterizando como trabalhador rural e nem urbano, pois

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais

INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO

INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO INFORME DO ACOMPANHAMENTO LEGISLATIVO 1. MONITOR DA REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇAO DO TRABALHO Proposição Ementa Resumo Tramitação PL 4330/2004, de autoria do deputado Sandro Mabel (PMDB GO), apresentada

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N 0 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. Autor: Deputado

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

Cartilha do Estagiário das FaFEM

Cartilha do Estagiário das FaFEM Cartilha do Estagiário das FaFEM Apresentação Dúvidas Freqüentes Resumo dos principais pontos da lei 11.788 Legislação reguladora dos estágios: Lei Federal 11.788 de 25/09/2008 Apresentação As FaFEM, no

Leia mais

Designação Profissional CERSIM Corretor Especialista da Rede Secovi de Imóveis REGULAMENTO

Designação Profissional CERSIM Corretor Especialista da Rede Secovi de Imóveis REGULAMENTO Designação Profissional CERSIM Corretor Especialista da Rede Secovi de Imóveis REGULAMENTO As Diretorias do SECOVI SP (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 (quinta-feira) 15 Obrigação Salário- Maternidade Salário-Família Folha de Pagamento Código Receita 1007 1163 Fato Gerador e Fundamento Legal Parto e aborto espontâneo, conforme certidão

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Do Sr. Sandro Mabel) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei regula

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

ADMINISTRADORA DE CONDOMÍNIOS

ADMINISTRADORA DE CONDOMÍNIOS ADMINISTRADORA DE CONDOMÍNIOS A participação das administradoras e das fornecedoras de mão de obra e serviços especializados em condomínio é, hoje em dia, um elemento essencial na administração moderna,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico

Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Perguntas e Respostas do esocial Empregador Doméstico Versão 2.0 21/10/2015 Alterações em relação à versão anterior Alterado: itens 11, 13, 22, 29, 30, 33, 34, 40, 45, 47 e 50 Incluído: itens 12, 14, 15,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000096/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064426/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.042751/2011-40 DATA DO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal

Legislação. Lei Complementar n 150/2015. Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Simples Doméstico Legislação Lei Complementar n 150/2015 Art. 7, parágrafo único, da Constituição Federal Quem é empregado doméstico? Art. 1 o da LC n 150/2015 Ao empregado doméstico, assim considerado

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

SEMINÁRIO DE TERCEIRIZAÇÃO: QUESTÕES POLÊMICAS SOBRE A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS

SEMINÁRIO DE TERCEIRIZAÇÃO: QUESTÕES POLÊMICAS SOBRE A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS Inicialmente, agradecemos a oportunidade de apresentarmos o presente seminário. No presente e-mail, seguem as informações gerais do seminário e demais especificações para sua análise. SEMINÁRIO DE TERCEIRIZAÇÃO:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ

Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ Dpto. Jurídico do Direito Administrativo da ANSEF/RJ É bom saber... LEI Nº 12.618, DE 30 DE ABRIL DE 2012. Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de

Leia mais

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 OS NOVOS DIREITOS... 4 DIREITOS DE EFICÁCIA IMEDIATA...

Leia mais

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório.

www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. www.bicharalaw.com.br 2015 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. APRESENTAÇÃO Fundado em 2001 Mais de 130 advogados e 360 colaboradores

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO SEMINÁRIO ESPECIAL PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO A ELABORAÇÃO DA PLANILHA PASSO A PASSO: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO, JURISPRUDÊNCIA E MEMÓRIA DE CÁLCULO DE CADA RUBRICA

Leia mais

Empregado Doméstico Normatização da Profissão

Empregado Doméstico Normatização da Profissão Empregado Doméstico Normatização da Profissão 3 DE JUNHO DE 2015 CONTSUL A Lei complementar nº150, publicada no DOU de 02.06.2015, dispôs sobre o trabalho doméstico no que tange ao contrato de trabalho,

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Curso DIREITO PREVIDENCIÁRIO Turma 4 Local: Santa Maria - RS Dias 28 e 29 de agosto de 2008 (quinta e sexta-feira) SUMÁRIO: 1. Informações Gerais 2. Programa 3. Currículo da Ministrante 1. Informações

Leia mais

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas

ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas ORIENTAÇÃO PROFESSOR - Normas Conheça as regras especiais do contrato de trabalho do professor O professor no exercício do magistério em estabelecimento particular de ensino mereceu tratamento especial

Leia mais