A IMPRENSA COMO FONTE HISTÓRICA: OS IMPRESSOS JORNAL DO COMÉRCIO E O PROGRESSISTA Fernanda Chaves de ANDRADE 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPRENSA COMO FONTE HISTÓRICA: OS IMPRESSOS JORNAL DO COMÉRCIO E O PROGRESSISTA Fernanda Chaves de ANDRADE 1"

Transcrição

1 A IMPRENSA COMO FONTE HISTÓRICA: OS IMPRESSOS JORNAL DO COMÉRCIO E O PROGRESSISTA Fernanda Chaves de ANDRADE 1 RESUMO: A utilização da História Cultural ampliou as fontes históricas, o que resultou num novo tratamento dos jornais pelos historiadores. Apresentamos alguns aspectos que colaboram para a análise do discurso de jornais da cidade de Campo Grande, durante o período de 1930 a Assim, estudamos fatores que compõem a trajetória de O Progressista e O Jornal do Comércio. Palavras-chave: imprensa; Campo Grande; política ABSTRACT: The use of Cultural History has expanded the historical sources, what resulted a new treatment of newspapers by historians. We presented some aspects that collaborate to the speech analysis of newspapers in the city of Campo Grande, during the period 1930 to Thus, we studied factors that consist the trajetory of O Progressista and O Jornal do Comércio. Key words: press; Campo Grande; politics APRESENTAÇÃO O presente trabalho é resultado das reflexões referentes ao estudo referente ao projeto de pesquisa cujo tema versa sobre as representações da imprensa campograndense acerca do trabalho e do trabalhador durante os anos de 1930 e Campo Grande, no período mencionado, tratava-se do pólo econômico do sul do antigo Estado do Mato Grosso, região hoje que compreende Mato Grosso do Sul. Tal pesquisa teve início com o ingresso da autora no Programa de Pós- Graduação em História da Universidade Federal da Grande Dourados(UFGD), com o apoio, através de bolsa, da Coordenação 1 Cursa o programa de Mestrado da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), sob orientação do Prof. Dr. João Carlos de Souza

2 de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). No decorrer da pesquisa, foi levantado esse texto, onde existe algumas considerações sobre a utilização da imprensa como fonte, elencando como exemplo a análise do perfil dos impressos O Progressita e o Jornal do Comércio, a ser apresentado na Semana Acadêmica do Curso de História e Geografia da Faculdade Barão de Mauá. Ao tratar dos discursos do Jornal do Comércio e de O Progressista, acreditamos não deixar de lado que as representações elaboradas pelos impressos sofrem algumas restrições no campo político, durante regimes autoritários como foi o Estado Novo 2. Isso devido a limitação imposta por de órgãos de censura que muitas vezes cerceavam os discursos da imprensa, propondo uma alternativa do que poderia ser estabelecido no imaginário social 3. Assim, o estudo que se utiliza a imprensa impressa como fonte exige uma metodologia de trabalho que exige atenção. De certa forma, os periódicos podem ser tratados pelos historiadores como fonte e objeto de pesquisa, se considerada a análise de seus discursos tendenciosos, investigando o porquê de suas inclinações políticas, culturais e econômicas. Junto a isso, considerar que a imprensa é um agente social que interfere por meio de suas representações na sociedade em que está inserida, pode auxiliar o historiador no trabalhar com a história da imprensa. Como citado inicialmente, será tratado neste estudo, também, o levantamento tanto do perfil dos homens que dirigem os periódicos campograndenses, como também a origem do dinheiro que financiam esses jornais. Esses dois aspectos permitem certas temáticas serem enfatizadas ou não nas páginas dos periódicos, influenciando a natureza do conteúdo, entre outros. Nesse sentido, veremos que o período de ascensão do varguismo influenciou nos discursos de tais jornais, especialmente na trajetória de seus homens de imprensa e no formato de suas publicações. Desse modo, aspectos ligados à fenômenos de nível nacional interferiram no cotidiano dos impressos, tais como o integralismo, a Revolução de 1932 e o Estado Novo. Compreender a influência de tais fatores são primordiais para a análise do discurso dos jornais mencionados, quais sejam o Jornal do Comércio e O 2 Temos como referência a noção de representação de Roger Chartier (1990). 3 Pensamos a categoria imaginário social conforme o que foi proposto por BAZCKO (1985).

3 Progressista. Dessa forma, iniciaremos pelo primeiro, levando em consideração o grande alcance que ele tinha no antigo Estado de Mato Grosso, bem como em algumas cidades da fronteira Brasil- Paraguai. O Jornal do Comércio demonstrou através de suas páginas ser portador do grupo político que apoiava a família Muller que colocou três dos seus representantes no poder: Fenelon Muller e Julio Muller como interventores do Estado de Mato Grosso e Filinto Muller que ocupou cargos de Chefe de Polícia. O período que vai de 1930 até 1937 foi marcado por disputas pelo poder por grupos locais, e entre essas se encontrava J.F.de Vasconcelos, proprietário do periódico fundado em Durante a pesquisa percebeu-se que tal periódico fez em, alguns momentos, oposição a projeção à ascensão de Vargas durante a Revolução de 1930, o que indica o motivo de fechamento do impresso nos anos de Após a instauração do Estado Novo, a vigilância do Departamento de Imprensa e Propraganda (DIP) e do Departamento Estadual de Imprensa e Propaganda (DEIP), se fez presente nas páginas do periódico, pois se intensificou a propaganda do regime e os aspectos referentes à oposição a Getúlio Vargas desapareceram. Já o periódico O Progressista, sua fundação se deu em 1932, sendo que o processo de edição se deu em Campo Grande com veiculação do jornal em vários pontos do Estado de Mato Grosso. O seu presidente-fundador, Vespasiano Barbosa Martins, foi nomeado prefeito de Campo Grande por quatro vezes, se tornando uma figura política com respaldo pela classe mais abrangente da região sul. A sua vinculação com a Revolução de 1932, ao lado dos paulistas, é um fator que chama atenção e se contrapõe com o apoio que seu impresso fez ao governo varguista do pós Ao nos debruçar no uso da imprensa como fonte/objeto de análise utilizamos as assertivas de De Luca sobre tal questão: A escolha de um jornal como objeto de estudo justifica-se por entender a imprensa fundamentalmente como instrumento de manipulação de interesses e de intervenção na vida social; nega-se, pois, aqui, aquelas perspectivas que a tomam como mero veículo de

4 informações, transmissor imparcial e neutro dos acontecimentos (De LUCA, apud CAPELATO, p. 118) O trecho mencionado acima além de justificar a utilização da imprensa como objeto, vem chamar a atenção dos historiadores aos cuidados ao usá-la como objeto e/ou fonte de estudo. Nesse caso a cautela deve ser tomada ao tentar considera-la como portadora da verdade e como um instrumento que confirma dados obtidos em outas fontes. A partir de tais argumentos acerca da imprensa, procurei ter cautela ao analisá-la, acreditando que ao entender o perfil dos impressos e o contexto que estavam inseridos, o que me permite desconstruir discursos e compreender o porquê das representações criadas pelos periódicos. O Jornal do Comércio e a sua trajetória O estudo que se utiliza a imprensa impressa como fonte exige uma metodologia de trabalho que requer uma série de cuidados. Esse tipo de imprensa pode ser tratada por nós historiadores como fonte e objeto de pesquisa, se paralelamente considerarmos que o jornal não é um transmissor imparcial e neutro dos acontecimentos e tampouco uma fonte desprezível porque permeada pela subjetividade (CAPELATO, 1994, p.21). Junto a isso, considerar que a imprensa é um agente social que interfere por meio de suas representações na sociedade em que está inserida, tendo como conseqüência uma série de ações. Algumas das etapas a serem estudadas aqui, seria o levantamento do perfil dos homens que estão por trás dos periódicos e suas tomadas de posição política, o que permite certas temáticas serem enfatizadas ou não. Nesse ponto, é válido citar a assertiva de Jean-Noel Jeanneney ao afirmar que devemos estudar o dinheiro mais ou menos oculto que irriga a imprensa e também compreender o processo de vida e morte de jornais, afastamento de diretores e incidentes diversos (JEANNENEY, 2003, p.220). Esses fatores são primordiais para se compreender o discurso dos periódicos tratados aqui: o Jornal do Comércio e O Progressista. Dessa forma, iniciaremos pelo primeiro, levando em consideração o grande alcance que ele tinha no antigo Estado de

5 Mato Grosso, bem como em algumas cidades da fronteira Brasil- Paraguai, iniciaremos esse estudo traçando o perfil editorial e o principal objetivo desse jornal no início dos anos de O periódico foi fundado em 13 de abril de 1921, pelo advogado José Jayme Ferreira de Vasconcelos, que exercia também a função de Diretor. O Jornal do Comércio foi um impresso diário 4, o terceiro maior do Estado e o único que circulava diariamente na porção sul de Mato Grosso. No caso de seu diretor, mais conhecido por Jayme F. de Vasconcelos, trata-se de um homem influente e de um longo currículo político. Esse personagem, ocupou vários cargos significativos durante o período aqui estudado , como a polêmica cadeira da Sub- Chefatura de Polícia, em 1930, Procurador Geral do Estado, Deputado Estadual, Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Presidente do Partido da Mocidade, membro da Comissão organizadora do Ante- Projeto da Constituição do Estado de 1935, Deputado da Assembléia Constituinte Estadualalém de participar das lutas paulistas de De certa forma, o periódico fundado e dirigido por ele veio a ser palco de suas aspirações refletindo o cenário político de Mato Grosso, como veremos mais adiante. O Jornal do Comércio demonstrou através de suas publicações ser portador de um determinado grupo político mato-grossense que teve sua projeção nacional: a família Muller. O período que vai de 1930 até 1937 foi marcado por disputas pelo poder por grupos locais, e entre essas se encontrava J.F.de Vasconcelos. Em outubro de 1930 o diretor-fundador, na função de sub-chefe de polícia de Mato Grosso, participou ativamente nessas disputas como foi o caso das perseguições e prisões que efetuou aos correligionários da Aliança Libertadora Nacional (ALN) no Mato Grosso. Isso ocorreu a fim de garantir a estabilidade política do Estado. Algumas das prisões políticas efetuadas em Mato Grosso foram por motivos de estabelecer uma ordem política, que de acordo com o jornal, se dava com o interesse em não desestabilizar o cenário político local daqueles que já detinham o poder, durante a República Velha. Essa repressão aos aliancistas se deu no período de 5 a 24 de Outubro de 1930, isto é, sob o 4 O periódico foi extinto em 1949.

6 regime do estado de sítio, em que as autoridades policiais do Estado se impunha o dever, conforme o entendimento oficial com o alto Comando da Circunscrição Militar da região, de assegurar completa ordem na cidade, impedindo quaisquer pronunciamentos que a pudessem perturbar. Entre os principais líderes que foram presos estão: o advogado Fausto Pereira, Leopoldo dos Santos e dois dos seus companheiros. Jayme Ferreira de Vasconcelos fez um pedido dias antes de seu aniversário para aqueles que foram presos por ele, enquanto sub- chefe, que escrevessem depoimentos acerca do ocorrido, para que fosse publicado. O depoimento de um dos presos, Elmano Soares, demonstra a sua insatisfação com a ação do sub- chefe: Assim, pois, devo ainda frisar que o sucesso alcançado nas urnas pela Aliança Liberal deste município, só se torna possível em face da atitude imparcial e insenta de V.S. para comigo, o que me estimulou deveras a enfrentar desassombrodamente uma situação intolerantemente opressiva. Queira fazer desta o uso que entender (Jornal do Comércio, 22 de março de 1934, p.1) A Revolução de 1930 significava a desestabilização das oligarquias sulistas que ocupavam os cargos políticos e com a incumbência de representar a chefatura de polícia, José Jayme realiza tais prisões. A oposição do dirigente do Jornal do Comércio à ascensão de Getúlio Vargas na política nacional aparece muito clara nos primeiros anos da década de Muitas vezes o impresso se referiu ao presidente pela palavra Ditador já no ano de 1933, identificando seu governo como uma ditadura. No entanto, os textos que tinham tais referências não faziam crítica explicita ao governo de Vargas, mas em 27 de junho de 1933 caracteriza a Revolução de 1930 como um processo que nada trouxe de positivo para a política local (Jornal do Commercio, 27 de junho de 1933, p.1). Em linhas gerais percebemos que a simpatia de J. Jayme F. de Vasconcelos não era muito favorável ao governo varguista até o ano de 1937, quando a instalação do Estado Novo. Em estudos preliminares percebemos que mesmo com tais restrições do impresso com a trajetória do governante, os discursos do periódico modificaram completamente, colaborando com as

7 propagandas políticas do regime estadonovista. De fato, isso ocorreu pela nomeação de Julio Muller como Interventor Estadual, atendendo a aspiração da elite campograndense que muito defendia esse acontecimento. Outra questão que colaborou para a mudança do discurso foi a fiscalização dos órgãos de censura e propaganda, o DIP e o DEIP, que se faziam presente na imprensa de Campo Grande colaborando com o fim da oposição ao varguismo no interior dos impressos no pós 1937 e colaborando financeiramente com tais impressos. Esse processo será estudado minuciosamente em outra publicação. O Integralismo como página marcante Outros fatores marcantes do O Jornal do Comércio foram as influencias do ambiente político, cultural e econômico que vivia o Brasil dos anos de 1930, como podemos perceber ao longo desse estudo. Em particular, uma questão que evidencia é a simpatia que esse impresso teve pelo integralismo: A doutrina integralista que tem no Facismo no Bolchevismo e na Social- Democracia fontes inesgotáveis de experiências, opera interna e eficazmente na nossa ação para fecundar um novo conceito vital e social, dando origem a uma filosofia que será fundamento duma nova sociologia. [...] Quando realizaremos essas aspirações? Não nos interessa. O integralismo saberá preparar a nova geração suficientemente forte para vencer (Jornal do Commercio, 22 de março de 1934, p.1). A simpatia desse periódico pelo integralismo aparece como uma resultante da aspiração que esse tinha por uma proposta nova, além daquela lançada pelos golpistas de Como mencionamos, a elite intelectual do sul do antigo Mato Grosso não apoiou enfaticamente, até 1937, o governo de Vargas, já que esse ameaçava o mando local. Entre a elite intelectual que fazia parte do grupo de mando do sul de Mato Grosso estaria engrossando suas fileiras J. Jayme F. de Vasconcellos, presidente do Jornal do Comércio. Assim, a proposta dos integralistas, onde uma juventude intelectual tomasse o poder, aparecia como uma válvula de escape.

8 O imaginário social do período mostra um espaço onde há lutas sobre o que deve ser pensado e estabelecido na sociedade. É nesse sentido que a propaganda política, inclusive a dos movimentos de influências fascistas, que é o caso do integralismo, fez uso intenso do imaginário social, de forma intensa nos anos de , devido ao desenvolvimento mundial dos meios de comunicação e por ser percebida como um território profícuo para tentar legitimar uma ordem política e social imposta por aqueles que detinham o poder político. Temos aí o uso de objetos imponentes, imagens chamativas, grandes espetáculos, emoções fortes, que foram utilizados inicialmente pelos integralistas, a fim de ganhar adeptos (BAZCKO, 1985, p.302). Então, é nesse cenário que a década de 1930 foi marcada como um período de ascensão das idéias autoritárias de cunho fascista. Na Europa destacam-se o nazi-fascismo, através de Hitler na Alemanha e Mussolini na Itália. Com suas peculiaridades, nasce em São Paulo a Ação Integralista Brasileira (A.I.B.), sob a liderança de Plínio Salgado, com seu lançamento oficial em 7 de outubro de 1932, através do Manifesto de Outubro. A fundação da A.I.B., se dá a partir de um contexto intelectual onde era evidente a crítica ao liberalismo, desde a crise de Assim temos a publicação, neste período de uma série de livros analisando a situação política brasileira numa perspectiva antilberal, bem como o aparecimento, de várias revistas e movimentos ideológicos de orientação política fascista, monarquista ou corporativista comprovam a receptividade das idéias autoritárias na década de 1930 (TRINDADE, 1979, p. 97). Notamos que a formação desse movimento político ocorre sob inspiração do regime italiano, já que no Brasil se vivia um clima de agitação ideológica no âmbito político-nacional desde a crise do liberalismo e da Revolução de De início o movimento veiculava suas idéias em torno do periódico A Razão, como também por meio da Sociedade de Estudos Políticos (S.E.P). O jornal é o instrumento de difusão de suas idéias e a S.E.P., o centro

9 de reflexão ideológica de onde vai nascer o manifesto integralista de 1932 e a Ação Integralista Brasileira (A.I.B.) (TRINDADE, 1979, p. 116). É válido mencionar aqui que seu fundador, Plínio Salgado decide reunir esses jovens e fundar o movimento após uma visita à Itália e de uma conversa com o dirigente do fascismo italiano, ou seja, Benito Mussolini. A Ação Integralista Brasileira foi criada a partir de um grupo de jovens que tinha uma afeição pelo fascismo italiano reunidos, principalmente, em torno de Plínio Salgado. Suas idéias tinham como base a crítica ao liberalismo, ao socialismo, a afeição ao nacionalismo. Seu lema mais veiculado era Deus, Pátria e Família. A A.I.B teve nesse período uma estrutura fortemente hierarquizada, composta por dirigentes nacionais e regionais, que de acordo com o levantamento de Trindade pode ser classificada de acordo com quatro categorias: A primeira correspondente aos dirigentes executivos nacionais: o Chefe, os membros do Conselho Nacional (mais tarde o Conselho Supremo) e os Secretários responsáveis pelos departamentos executivos nacionais. A segunda reúne a direção executiva ao nível regional: os chefes arquiprovinciais e os chefes provinciais: a terceira e quarta englobam os órgãos consultivos, ou seja, a Câmara dos Quarenta no âmbito nacional e Câmara dos Quatrocentos, composto de personalidades integralistas de todas as regiões do país. Este conjunto de órgão execultivos e consultivos, que formam a Corta do Sigma, constitui a camada dirigente no sentido amplo da Ação Integralista (TRINDADE, 1979, p. 130). Dessa maneira, o movimento integralista adentrou no interior do país e ganhou simpatizantes, dos quais faziam parte a juventude que partia do interior do país para estudar em grandes centros do período, como o Rio de Janeiro e São Paulo. Já no caso do Jornal do Comércio, o seu Diretor/ Fundador mantinha estreitas relações com jornalistas do Rio de Janeiro e São Paulo,

10 principalmente através do periódico homônimo Jornal do Comércio do Rio. As atividades de Procurador do Estado de J. Jayme F. de Vasconcellos a partir de 1933, fez também que suas relações com a capital federal de então se estreitasse. Assim, o periódico percebeu o integralismo como o sentido do despertar de uma nova era, convocando sempre a juventude como vemos na seguinte passagem: chama a reunir os moços e todos os bons brasileiros que, diante da insuficiência de ação dos políticos, fecharam-se num círculo de desconfiança e de pessimismo e ai jazem prostrados num indiferentismo letárgico. Convida- os a contemplar no panorama do futuro o raiar de novos dias para o nosso Brasil (Jornal do Commercio, 21 de setembro de 1933, p.1). Foi com essa idéia de convocação de uma juventude disposta a engrossar as fileiras dos ideais conforme o intelectual do mato-grossense, que J. Jayme F. de Vasconcellos cria o Partido da Mocidade, que como o próprio nome cita, convocava a juventude do sul do Estado a militar em prol da posse de Filinto Muller como governador de Mato Grosso. Enfim, foi no período de maior florescimento das idéias fascistas no Brasil que o Jornal do Comércio veio a publicar artigos envolvendo temáticas, como aquela que evoca a idéia de como deveria ser um Estado e o homem integralista. Afinal, as publicações tornaram-se recorrentes em 1933, sendo o segundo semestre repletos de artigos semanais no jornal diário. Ocorre em 1933 o primeiro ato público de relevo da AIB, uma marcha em São Paulo que reuniu cerca de 40 mil adeptos do movimento e marcou o lançamento de Miguel Reale à Assembléia Constituinte. (MAIO; CYTRYNOWICZ, 2003, p.42). O apelo do Jornal do Comércio ao integralismo não se restringiu no ano de 1933, extendendo-se até o ano de 1935, período em que o impresso coloca Gustavo Barroso como o evangelizador da AIB no Brasil (Jornal do Commercio, 29 de Janeiro de 1935). Para o jornal o movimento já era uma ação vitoriosa. O

11 seu programa seria configurado como o despertar do alto espírito patriótico adormecido pela desconfiança nascida da pouca ação política daqueles que estavam no poder ( Jornal do Commercio, 20 de agosto de 1933, p.2). O desaparecimento de artigos relacionados ao integralismo ocorreu, também, devido a constante vigilância voltada para os meios de comunicação. Isso não significa que a presença integralista em Campo Grande foi nula, pois em artigos veiculados pelo O Progressista afirmaram em forma de denúncia a presença deles pela região. Outro fator foi a existência legal da AIB até 1938, pois o fortalecimento do movimento fez com que seus interesses não fossem compactuados pelo Estado Novo. O Progressista: seu perfil No que se refere ao periódico O Progressista, esse foi fundado por Vespasiano Barbosa Martins em 1921 e sua edição se dava em Campo Grande com veiculação a vários pontos do antigo Estado de Mato Grosso. O fundador e presidente do periódico ganhou notoriedade na política matogrossense, já que foi eleito prefeito de Campo Grande por quatro vezes. A primeira vez que assumiu um cargo de notoriedade na vida política campograndense foi em 1918, visto que foi escolhido para o cargo de viceprefeito. A sua atuação ganhou destaque a partir de 1931 quando foi nomeado prefeito de Campo Grande pelo interventor Arthur Antunes Maciel, gestão marcada pela participação do sul de Mato Grosso na Revolução Constitucionalista. A questão da falta de fontes impressas do periódico O Progressista fez com que uma análise minuciosa acerca do processo revolucionário não fosse possível tendo o periódico como fonte e objeto de estudo nesse ponto. Mas, a Revolução Constitucionalista foi estudada por alguns autores e autoras, como Lylia Galetti e Marisa Bittar. Além disso, o Jornal do Comércio no ano de 1933 traz a tona algumas publicações acerca do conflito, sem contar o livro de memórias escrito pela filha de Vespasiano B. Matins, esse chamado Vespasiano meu pai. O movimento paulista de 1932 deve ser compreendido no contexto de uma recomposição de forças de uma sociedade de base agrícola para uma de base urbano-industrial. As oligarquias tradicionais, que foram prejudicadas com a Revolução de 1930 procura, então restaurar seus privilégios (BITTAR,

12 1997, p.111). De 1930 a 1937, a interventoria estadual era questionada constantemente por grupos urbanos e agrícolas locais que detinham o poder político. De certa forma, isso resultou na queda de alguns dos interventores de Mato Grosso. Assim, o sul de Mato Grosso, junto com a circunscrição militar localizada em Campo Grande, apoiou São Paulo contra o governo federal. Nesse contexto, Vespasiano assume o posto do governo constitucionalista de Mato Grosso com sede em Campo Grande, que supostamente seria um governo paralelo com o de Cuiabá liderado pelo Interventor Leônidas Antero de Matos. Quando São Paulo tem suas forças militares derrotadas e, então, perde o conflito, segue-se aí uma derrota política, já que vários líderes foram presos. Vespasiano Barbosa Martins e outros mato- grossenses refugiam-se na Argentina e, posteriormente, no Paraguai, onde viveu sete meses com sua família. Os seus direitos políticos foram cassados e juntamente com essa represália Vespasiano teve seus bens confiscados. No livro de memórias escrito pela sua filha Nelly Martins é mencionada uma entrevista do proprietário do jornal O Progressista, onde diz que não se arrepende da vida difícil que levava no exílio já que lutou contra uma ditadura que para ele estava se eternizando naquele momento. Vespasiano se correspondia com alguns de seus conhecidos em Mato Grosso e na mesma entrevista afirma que imperava o medo naqueles que correspondiam suas cartas. No que se refere a participação dos sul-mato-grossenses na revolução, O Jornal do Comércio fez referência a situação daqueles indivíduos que, por apoiarem São Paulo na Revolução, estavam no exílio. Com um artigo de título Pela Concórdia Nacional, atestava a intenção do artigo em persuadir as autoridades em dar anistia política aos exilados, com a intenção de finalizar as divergências políticas do período: Com a amnistia ampla e generosa, a bandeira branca da paz tremutará reintegrando ao serviço da Pátria e das unidades federadas centenares de brasileiros, dentre os quais, confessemos, com desassombro, figuram notáveis estadistas alguns expoentes da intelectualidade brasileira e uma pleia brilhantissíma de oficiaes, cujas energias,

13 cultura e patriotismo poderão e deverão ainda ser aproveitadas ao serviço da Pátria (Jornal do Commercio, 18 de junho de 1933, p.1). O Jornal do Comércio se referiu ao Vespasiano Martins, que como liderança política campograndense detinha o respeito dos seus correligionários políticos e colegas da imprensa. Ao visitar Campo Grande em 1941, Getúlio Vargas procura conhecer pessoalmente Vespasiano Martins pois a sua trajetória já era conhecida pelo governante. CONCLUSÃO A partir do que foi tratado anteriormente acreditamos que compreender a história da imprensa implica na análise daqueles que estão por trás dos textos publicados, facilitando o estudo dos discursos neles contidos. Ao relacionar as posições políticas dos dirigentes do Jornal do Comércio e de O Progressista, percebemos quais foram suas atitudes diante fatores ligados a acontecimentos que envolviam o cenário nacional. Conforme o que foi delineado acima, notamos que os periódicos não apoiavam enfaticamente o governo varguista no período anterior ao Estado Novo. No entanto, implantada a ditadura de 1937 o discurso da imprensa matogrossense se modifica, já que estava sob a vigilância dos órgãos de propaganda e censura do governo federal, além de ter parte dos anseios locais atendidos. Isso devido o interventor que ascendeu no pós 1937, Julio Muller, ter respaldo da elite política local. Os labirintos da imprensa mato-grossense em geral têm despertado os interesses de muitos pesquisadores, apresentando as peculiaridades da história regional para a historiografia brasileira. BIBLIOGRAFIA BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: ROMANO, Ruggiero (org.). Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, v. 5, p

14 BITTAR, Marisa. Mato Grosso do Sul: do Estado sonhado ao Estado construído ( ) 2v. Tese (Doutorado em História)- FFLCH/ USP, São Paulo, 1997 CAPELATO, Maria Helena R. Imprensa e História do Brasil.2.ed. São Paulo: Contexto/EDUSP, 1994 BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. 9ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006 CHARTIER, Roger. À beira da Falésia: a história entre certezas e inquietude. Porto Alegre: Ed. UFGGS, 2002, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990 DE LUCA, Tânia Regina de. História dos, nos e por meio dos periódicos. In: PINSK, Carla Bassanezi. Fontes Históricas. São Paulo: Contexto,2005 JEANNENEY, Jean-Noel. A Mídia. In: RÉMOND, René. Por uma História Política. Tradução de D. Rocha. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003 MAIO, Marcos Chor ; CYTRYNOWICZ, Roney. Ação Intregralista Brasileira: um movimento fascista no Brasil ( ). In: FERREIRA, Jorge ; Lucília de A. N. DELGADO (Orgs.). O Brasil republicano. O tempo do nacionalestatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, pp PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e História Cultural. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, TRINDADE, Hélgio. Integralismo: O fascismo brasileiro na década de 30. São Paulo: Difel, 1979.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

FERNANDA CHAVES DE ANDRADE PROPAGANDA POLÍTICA E TRABALHISMO NA IMPRENSA CAMPOGRANDENSE DURANTE O GOVERNO VARGAS (1930-1943)

FERNANDA CHAVES DE ANDRADE PROPAGANDA POLÍTICA E TRABALHISMO NA IMPRENSA CAMPOGRANDENSE DURANTE O GOVERNO VARGAS (1930-1943) FERNANDA CHAVES DE ANDRADE PROPAGANDA POLÍTICA E TRABALHISMO NA IMPRENSA CAMPOGRANDENSE DURANTE O GOVERNO VARGAS (1930-1943) FERNANDA CHAVES DE ANDRADE PROPAGANDA POLÍTICA E TRABALHISMO NA IMPRENSA CAMPOGRANDENSE

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

O POLITICO E O RELIGIOSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO DO INTEGRALISMO ENTRE PORTUGAL E PERNAMBUCO Carlos André Silva de Moura

O POLITICO E O RELIGIOSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO DO INTEGRALISMO ENTRE PORTUGAL E PERNAMBUCO Carlos André Silva de Moura O POLITICO E O RELIGIOSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO DO INTEGRALISMO ENTRE PORTUGAL E PERNAMBUCO Carlos André Silva de Moura 2 O POLITICO E O RELIGIOSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO DO INTEGRALISMO ENTRE PORTUGAL

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do

Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do Espírito Santo (DOPS/ES). 1 Pedro Ernesto Fagundes 2 Quem são os inimigos? Imagens e memórias através dos cartazes, panfletos e jornais confiscados pela Delegacia de Ordem Política e Social do Estado do

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Melo Salgueiro, Eduardo "O MAIOR

Leia mais

Trabalhadores do Brasil: Circularidade e apropriação. Pedro Henrique da Silva Carvalho 1

Trabalhadores do Brasil: Circularidade e apropriação. Pedro Henrique da Silva Carvalho 1 116 Trabalhadores do Brasil: Circularidade e apropriação Pedro Henrique da Silva Carvalho 1 FERREIRA, Jorge Luiz. Trabalhadores do Brasil: o imaginário popular: 1930-45. Rio de Janeiro: Fundação Getulio

Leia mais

NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Palavras-chave: História política, futebol, propaganda política.

NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Palavras-chave: História política, futebol, propaganda política. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 173 177 NO CAMPO DO ADVERSÁRIO: FUTEBOL E IDENTIDADE NACIONAL NOS ANOS 1960. Raphael Graciano Barroso 1 Renato Soares Coutinho 2 Palavras-chave:

Leia mais

A nova centralização: o Estado Novo - II

A nova centralização: o Estado Novo - II A nova centralização: o Estado Novo - II A UU L AL A Na aula anterior, você viu como Getúlio Vargas organizou o regime do Estado Novo, em sua face política, cultural e social. Nesta aula, você verá em

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS.

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. Maricélia Cardoso Matos Neves mari.neves@uol.com.br Universidade Federal da Bahia A simples observação do mapa do Brasil mostra a existência

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

A CRISE DE 1929. Linha de montagem Ford T

A CRISE DE 1929. Linha de montagem Ford T O MUNDO ENTRE GUERRAS: A CRISE DO LIBERALISMO RECAPTULANDO -Com o fim da Primeira Guerra Mundial a Alemanha derrotada no conflito, sofreu sérias punições no Tratado de Versalhes que acabou retalhando o

Leia mais

SENTIDO! A EDUCAÇÃO ESCOLAR DURANTE O ESTADO NOVO

SENTIDO! A EDUCAÇÃO ESCOLAR DURANTE O ESTADO NOVO SENTIDO! A EDUCAÇÃO ESCOLAR DURANTE O ESTADO NOVO Pâmela Pozzer Centeno Nunes, estudante de História e bolsista PIBID/CAPES, UNIFRA Orientador: Leonardo Guedes Henn, doutor em História e professor do curso

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

Exacerbado, atual nacionalismo é pregado por quem veste Prada

Exacerbado, atual nacionalismo é pregado por quem veste Prada Para Ana Maria Dietrich, professora da Federal do ABC, grupos que levantam bandeiras do ódio e do preconceito não possuem fundamento e são regidos pela elite brasileira São Bernardo do Campo Professora

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

Palavras-chave: PIBID; Ditadura civil-militar; História Oral; memória; entrevistas.

Palavras-chave: PIBID; Ditadura civil-militar; História Oral; memória; entrevistas. A DITADURA LÁ EM CASA : APRENDENDO HISTÓRIA A PARTIR DE ENTREVISTAS Heloisa Pires Fazion Rebecca Carolline Moraes da Silva (PIBID/História/UEL) Resumo: A ditadura militar tornou-se um fato marcante na

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Introdução. Aspectos Sociais, Políticos e Econômicos na Era Vargas 1930-1945

Introdução. Aspectos Sociais, Políticos e Econômicos na Era Vargas 1930-1945 Introdução Este artigo tem como objetivo caracterizar o período da historia brasileira no período do governo de Getulio Vargas entre os anos de 1930 e 1945, os acontecimentos dentro e fora do país e algumas

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

XVI. A Revolução de 1930

XVI. A Revolução de 1930 XVI. A Revolução de 1930 Queda da Bolsa de Valores de Nova York. A Crise do capitalismo e o Café. Desestruturação do poder tradicional. Consciência trabalhista. Problema de salário é caso de polícia. (Presidente

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Governo Provisório ( 1930/1934 ).

Governo Provisório ( 1930/1934 ). Aula 20 Era Vargas (1930/45) A chamada Era Vargas está dividida em três momentos: Governo Provisório, Governo Constitucional e Estado Novo. O período inaugurou um novo tipo de Estado, denominado Estado

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA Carlos Henrique Ferreira Leite Prof o Dr o José Miguel Arias Neto (Mestrando em História Social UEL) Bolsista CAPES DS 2015/2016 Palavras-chave:

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o texto e responda às questões 1 e 2. O primeiro de maio estava sendo comemorado na vila de esportes do Sindicato dos Têxteis.

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA Maria Cecilia Bueno Fischer 1 Fabiane Carpes 2 Resumo A pesquisa que apresentamos,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013

Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Estudo comparado de duas experiências municipais de ASCOMs releitura à luz dos Planos Municipais de Saúde 2010-2013 Aurea Maria da Rocha Pitta aureapitta@fiocruz.br Grupo de Pesquisa Governos e Sociedade

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Profª. Dda. Maria de Nazaré Tavares Zenaide Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Não bastam boas leis, uma boa Constituição, é preciso que as pessoas

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Apontamentos sobre a escrita da história: a Segunda Guerra Mundial em questão

Apontamentos sobre a escrita da história: a Segunda Guerra Mundial em questão GONÇALVES, Williams da Silva, A Segunda Guerra Mundial. In: FILHO, Daniel Aarão. FERREIRA, Jorge. ZENHA, Celeste (org). O século XX. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2005, p. 165-193.

Leia mais

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL

BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL BEHAVIORISMO NO PARANÁ EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR: O CASO DA UEL Marcelo Mazzotti Bono Belascusa (PIBIC/CNPq/FA/UEM), Carlos Lopes Eduardo (Orientador), e-mail: caedlopes@gmail.com, Carolina Laurenti

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia (1975-1983). Pâmela de Almeida Resende 1 Mestrado em História Social pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Génese e implantação do fascismo. e do nazismo

Génese e implantação do fascismo. e do nazismo Génese e implantação do fascismo FASCISMO: - Regime político que vigorou em Itália de 1922 a 1945 e que influenciou fortemente outros países. - Símbolo: o fascio romano. e do nazismo NAZISMO: - Regime

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS SANTIAGO

UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS SANTIAGO UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS SANTIAGO TRANSFORMAÇÕES NO CONTEXTO POLÍTICO SANTIAGUENSE A PARTIR DO ASSASSINATO DO JUIZ DE DIREITO

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de História Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de História COMENTÁRIO GERAL: Foi uma prova com conteúdos de História do Brasil e História Geral bem distribuídos e que incluiu também questões de História da América

Leia mais

FESTIVIDADES CÍVICAS EM MINAS GERAIS (1937 1945): ESCOLA, CULTURAS E PRÁTICAS

FESTIVIDADES CÍVICAS EM MINAS GERAIS (1937 1945): ESCOLA, CULTURAS E PRÁTICAS FESTIVIDADES CÍVICAS EM MINAS GERAIS (1937 1945): ESCOLA, CULTURAS E PRÁTICAS Aline Choucair Vaz UNIFEMM No período do Estado Novo política e escola estavam muito próximas, acentuadamente em ocasião do

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

HISTORIADOR INSTRUÇÃO PÚBLICA PAULISTA PEDRO VOSS E A. EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA

HISTORIADOR INSTRUÇÃO PÚBLICA PAULISTA PEDRO VOSS E A. EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA EDIÇÃO 173 R E V I S TA D O MAIO E JUNHO DE 2014 HISTORIADOR EX-COMBATENTE RELEMBRA MOMENTOS DA 2a GUERRA CHARLES MILLER O PAULISTANO QUE TROUXE O FUTEBOL PARA O BRASIL SÃO LUIZ DO PARAITINGA 245 ANOS

Leia mais

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007

XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 Associação Nacional de História ANPUH XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA - 2007 A produção da Família Brasileira através de uma Revista produzida em família: um estudo de gênero na experiência da Revista

Leia mais

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação.

Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Memórias da repressão no Cone Sul: relevância do tema na pesquisa em Biblioteconomia e de Ciência da informação. Maria Guiomar da Cunha Frota Escola de Ciência da Informação da UFMG. Brasil Resumo O artigo

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 O GOVERNO CASTELO BRANCO, O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 Reiteradamente caracterizado como "legalista"

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889.

Mas, um golpe de Estado militar instaurou a forma republicana presidencialista, em 15 de novembro de 1889. Brasil no período de transição: Império para República. Éramos governados por um dos ramos da Casa de Bragança, conhecido como família imperial brasileira que constituía o 11º maior império da história

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO MULHERES NA POLÍTICA Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados mostrando a trajetória da mulher brasileira na política. Centro de

Leia mais

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO

SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO SUJEITO COLETIVO NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TURMA DOM JOSÉ MAURO VIANA, Valdecir Lopes Universidade Federal de Minas Gerais Valdecir_viana@yahoo.com.br RESUMO Este texto integra as reflexões

Leia mais

O MEIO CIRCULANTE: O NOSSO DINHEIRO COMO IDEOLOGIA E PROPAGANDA.

O MEIO CIRCULANTE: O NOSSO DINHEIRO COMO IDEOLOGIA E PROPAGANDA. O MEIO CIRCULANTE: O NOSSO DINHEIRO COMO IDEOLOGIA E PROPAGANDA. MARINA CONTIN RAMOS* 1 Em 1942, após anos de debate sobre o assunto, aconteceria no Brasil a primeira renovação do sistema monetário nacional,

Leia mais

Os trinta anos da pós-graduação em Sociologia PPGs de Ciência Política e Sociologia vencem os desafios *

Os trinta anos da pós-graduação em Sociologia PPGs de Ciência Política e Sociologia vencem os desafios * 344 SOCIOLOGIAS NOTÍCIA Os trinta anos da pós-graduação em Sociologia PPGs de Ciência Política e Sociologia vencem os desafios * O auditório do ILEA acolheu em junho cerca de 100 pessoas num evento comemorativo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

Dossiê Sobre o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa 1

Dossiê Sobre o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa 1 Dossiê Sobre o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa 1 Allysson Viana MARTINS 2 Thiago SOARES 3 Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB. RESUMO O relatório trata das atividades desenvolvidas

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal.

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal. HISTÓRIA E IMPRENSA: A IMPORTÂNCIA E A CONTRIBUIÇÃO DOS JORNAIS NO CONHECIMENTO HISTÓRICO Carlos Henrique Ferreira Leite (Universidade Estadual de Londrina - UEL) Resumo: O presente trabalho é parte integrante

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Ideias e ações políticas? Mãos à obra! Você sabe precisar quando a infância termina para dar lugar à adolescência? Mudanças físicas

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Silmara Cássia Barbosa Mélo Universidade Federal da Paraíba silmaracassia2008@hotmail.com Angela Maria Dias Fernandes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H

DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H LOCAL: AUDITÓRIO PRÉDIO 5 DATA DA APRESENTAÇÃO: 7 DE ABRIL 14H Luís Aguiar Santos (Universidade de Lisboa) Antonio de Ruggiero (PUCRS) - Decadência de Portugal e a solução cesarista: um estudo sobre história

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013

Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre. Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Carta Pedagógica da Rede de Educação Cidadã- Acre Rio Branco (AC), Maio a Julho de 2013 Companheiras e companheiros de caminhada, nossas sinceras saudações. Há aqueles que lutam um dia; e por isso são

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Krystila Andressa Costa da Silva Resumo: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o papel do cinema em um dos momentos históricos

Leia mais

MÍDIA E POLÍTICA NA ABERTURA DA DITADURA MILITAR: O TELECURSO 2º GRAU DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO (1977 1981).

MÍDIA E POLÍTICA NA ABERTURA DA DITADURA MILITAR: O TELECURSO 2º GRAU DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO (1977 1981). MÍDIA E POLÍTICA NA ABERTURA DA DITADURA MILITAR: O TELECURSO 2º GRAU DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO (1977 1981). Wellington Amarante Oliveira 1 RESUMO Estetexto tem por objetivo central apresentar os alguns

Leia mais

Ditadura e democracia: entre memórias e história

Ditadura e democracia: entre memórias e história e-issn 2175-1803 Ditadura e democracia: entre memórias e história REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014. Autores:

Leia mais

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71?

1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? Entrevista com Cecília Coimbra (CRP 05/1780), psicóloga, professora da UFF e presidente do Grupo Tortura Nunca Mais/RJ. 1) Qual foi o contexto em que foi criada a lei 5.766/71? No Brasil, de 1970 a 1974,

Leia mais

Populismo e nacional-desenvolvimentismo

Populismo e nacional-desenvolvimentismo CAPÍTULO 11 Populismo e nacional-desenvolvimentismo Entre os anos de 1900 e 1973 o Brasil foi o país de maior crescimento absoluto do PIB: nem Estados Unidos, nem Japão, nem Coréia do Sul, mas o Brasil.

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA JUVENTUDE EM MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL

A PARTICIPAÇÃO DA JUVENTUDE EM MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL A PARTICIPAÇÃO DA JUVENTUDE EM MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO AGOSTO/2002

Leia mais