UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PESQUISA EDUCACIONAL TURMA IV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PESQUISA EDUCACIONAL TURMA IV"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PESQUISA EDUCACIONAL TURMA IV O PERIÓDICO O JORNAL DE MARINGÁ E A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NA CIDADE DE MARINGÁ NOS ANOS 1960 A 1963 JOANITA DE MELLO NAVAS MARINGÁ 2013

2 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM PESQUISA EDUCACIONAL TURMA IV O PERIÓDICO O JORNAL DE MARINGÁ E A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NA CIDADE DE MARINGÁ NOS ANOS 1960 A 1963 Monografia apresentada por JOANITA DE MELLO NAVAS ao Departamento de Fundamentos da Educação, da Universidade Estadual de Maringá, como um dos requisitos para a obtenção do título de Especialista em Pesquisa Educacional. Orientadora: Profa. Dra. MARCÍLIA ROSA PERIOTTO MARINGÁ 2013

3 3 JOANITA DE MELLO NAVAS O PERIÓDICO O JORNAL DE MARINGÁ E A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NA CIDADE DE MARINGÁ NOS ANOS 1960 A BANCA EXAMINADORA Profa. Dra. Marcília Rosa Periotto (Orientadora) UEM Prof. Dr. Alessandro Rocha - UEM Profa. Ms. Marli de Araújo Futata UEM Maringá, 4 de setembro de 2013

4 4 [...] a função da imprensa é ser o cão-de-guarda público, o denunciador incansável dos dirigentes, o olho onipresente, a boca onipresente do espírito do povo que guarda com ciúme sua liberdade. Karl Marx

5 5 NAVAS, Joanita de Mello.O PERIÓDICO O JORNAL DE MARINGÁ E A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NA CIDADE DE MARINGÁ NOS ANOS 1960 A f. Monografia (Especialização em Pesquisa Educacional Turma IV) Universidade Estadual de Maringá. Orientadora: Dra. Marcília Rosa Periotto. Maringá, RESUMO O presente trabalho investiga o periódico O Jornal de Maringá com o objetivo de abalizar o papel que desempenhou na história da educação da cidade de Maringá entre os anos de 1960 e 1963, momento em que a cidade já dispunha de uma estrutura educacional em desenvolvimento. Considerado primeiro órgão oficial da imprensa maringaense, o periódico O Jornal de Maringá foi fundado pelo radialista Samuel Silveira em 1953, e contou por longo período com a direção de Ivens Lagoano Pacheco. O Jornal de Maringá nasceu junto à cidade e serviu como um dos meios de propagação de ideias que contribuíram na formação do pensamento do povo que nela se estabelecia. Constatou-se que, embora o conteúdo do periódico tendesse a defender os ideais da elite formada precocemente no município, as notícias ligadas à educação no período em estudo constituíam-se em sua maior parte de denúncias da situação precária em que se encontravam as escolas, tanto as mantidas pelo estado ou município, no que se refere a estrutura física e principalmente a desvalorização das professoras que recebiam salários de miséria. Concluiu-se que a cidade de Maringá vivenciou as consequências da expansão industrial e êxodo rural ocorridos no Brasil no período, o que gerou a necessidade de mais escolas para formação de mão de obra especializada. A participação do Estado não deu conta de tal contingente, relegando ao descaso o setor educacional público. Assim, no caso de Maringá a escola particular confessional veio ao encontro da necessidade de oferecer educação de qualidade ao estrato social mais elevado da sociedade maringaense, contribuindo ainda mais para a seletividade social já existente. Palavras-chave: O Jornal de Maringá; História da educação; Imprensa; Maringá.

6 6 NAVAS, Joanita de Mello. THE NEWSPAPERO JORNAL DE MARINGÁ AND THE HISTORY OF EDUCATION IN MARINGÁ, BRAZIL, BETWEEN 1960 AND f. (Monograph Specialization in Educational Research) Universidade Estadual de Maringá. Supervisor Dra. Marcília Rosa Periotto. Maringá PR Brazil, ABSTRACT Current research analyzes the newspaper O Jornal de Maringá and evaluates its role in the history of Education of Maringá, a city in the state of Paraná, Brazil, between 1960 and 1963, where educational structures during the period were actually developing. O Jornal de Maringá, the first newspaper in the city, was founded by the broadcaster Samuel Silveira in 1953, under the long direction of Ivens Lagoano Pacheco. In fact, O Jornal de Maringá was practically born together with the future city and was a means of spreading ideas that foregrounded the formation of the people s worldview. Results show that, although the newpaper s contents tended to defend the municipality s early social elite s ideals, news on education during the period under analysis were mostly denunciations against the precarious situation in which the municipal and state schools were left with regard to premises and especially to teacher degradation by low salaries. Maringá experienced the consequences of industrial expansion and the rural exodus to the towns, as everywhere in Brazil. These social facts triggered the need for more schools for the formation of professionals and qualified workers. The government failed to deal with these problems and almost abandoned the public educational sector. As a consequence, the religious denominational schools started to offer quality educational to people living in the privileged layers of society and thus contributed towards the already extant social selectivity. Keywords: O Jornal de Maringá; History of Education; The press; Maringá.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A IMPRENSA COMO FONTE DE PESQUISA A Imprensa no Brasil A Imprensa no Paraná A IMPRENSA EM MARINGÁ O Jornal de Maringá Notícias sobre Educação no O Jornal de Maringá CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 66

8 8 INTRODUÇÃO O presente trabalho objetiva investigar o periódico O Jornal de Maringá verificando o papel que desempenhou na história da educação da cidade de Maringá entre os anos de 1960 e O recorte temporal justifica-se, em primeiro lugar, pelo fato de ser um período de desenvolvimento da cidade em todos os setores, principalmente da educação, uma das necessidades sociais, o que possibilita investigar as notícias sobre a estrutura educacional em processo de desenvolvimento; em segundo lugar, a possibilidade de contato com estas fontes primárias, apesar da fragmentação dos arquivos encontrados. A imprensa tem sido amplamente utilizada como fonte de pesquisa em história e história da educação. As notícias veiculadas constituem-se como ponto de partida para a reflexão do pesquisador em determinados períodos, contribuindo para a (re) construção da história. Este estudo sobre a imprensa maringaense apresenta como fonte primária O Jornal de Maringá e traz por objeto de reflexão as notícias sobre a educação publicadas entre os anos de 1960 e 1963, buscando-se conferir a história da educação da cidade dentro de sua totalidade. Antes de tal empreendimento, fez-se necessário buscar o entendimento da imprensa no contexto histórico e social, explicitando a sua razão de ser e existir na sociedade. Muitos autores têm se dedicado aos estudos da história da imprensa no Brasil, demonstrando que ela surge como uma necessidade de expressão política na sociedade para formação/educação dos indivíduos à maneira do pensamento dominante. Ao tratar do surgimento da imprensa no Brasil, percebe-se que desde os primeiros jornais veiculados, como é o caso do Correio Braziliense, o objetivo era formar a consciência dos brasileiros com as ideias vigentes na Europa, expressas pelo Iluminismo e que abria portas ao liberalismo econômico. Essas ideias tiveram repercussão no Brasil, culminando na sua independência. A atuação de Hipólito da Costa, como redator do Correio Braziliense é considerada um contributo de peso na separação entre Brasil e Portugal.

9 9 Não se pode desconsiderar outros periódicos nascidos após a independência, que se espalharam por todo o Brasil, encimando um debate em que pontuavam diversos matizes do pensamento liberal. Esses jornais, carregados de intencionalidade política, contribuíram na formação de uma parcela do povo brasileiro num período em que a educação formal era direcionada somente às elites. O discurso realizado na e pela imprensa é carregado de intenções que revelam o tipo de homem que se deseja na sociedade, e a forma como este deve pensar e agir. Isto porque a imprensa é um veículo da classe que domina junto aos meios de produção da vida material. E, para a manutenção de sua dominação, é necessário investir na informação/formação que massifica a sociedade. O Jornal de Maringá foi assim um veículo caracterizado mais pela educação informal do que pela veiculação de notícias, já que nos anos iniciais Maringá ainda não tinha uma estrutura educacional suficiente para todos que chegavam à promissora cidade. Analisando a história de Maringá, percebe-se que as poucas fontes existentes se referem principalmente às memórias dos pioneiros que vivenciaram essa história em tempo real, porém cada um retrata os fatos de acordo com seu ponto de vista e, por isso, encontram-se relatos divergentes. Na maioria dessas memórias, a presença dos indivíduos política e economicamente dominantes surge sempre como os verdadeiros construtores da cidade, relegando os demais, não participantes desse estrato social, ao esquecimento. No entanto, todos consideram Maringá como grande empreendimento da Cia. Melhoramentos Norte do Paraná, que a planejou para ser uma cidade de destaque em todo o Estado. E a fama de cidade promissora por suas terras férteis atraiu pessoas de diversas regiões do país, fazendo-a desenvolver rapidamente, inicialmente com a cultura do café e depois com outras culturas agrícolas. O Jornal de Maringá veiculava essa imagem da cidade como oásis da paz, mas, em maior parte, demonstrava que nem tudo era perfeito e que, na realidade, a cidade era como qualquer outra por apresentar também diversos problemas de ordem social. De certa forma esses problemas estão relacionados com uma visão conservadora muito presente na sociedade do período, movida pelo moralismo católico principalmente proveniente da elite maringaense. Essa elite era formada em grande parte pelos pioneiros que adquiriram grandes propriedades e construíram os

10 10 primeiros comércios e, portanto, passaram a ser vistos como os únicos contribuintes do desenvolvimento da economia local. O estudo em questão busca analisar as notícias que retratam a educação da cidade no O Jornal de Maringá ( ), considerado primeiro órgão da imprensa da cidade. O propósito é verificar o que essas notícias retrataram e que papel desempenhou na construção da história da educação de Maringá, buscandose os seguintes entendimentos: quando surgiu e qual é o papel da imprensa na sociedade? Quais as características da imprensa maringaense materializada em O Jornal de Maringá? Como se encontrava organizada a educação pública e a qual público se destinava? Para alcançar respostas à problematização, fez-se necessário inicialmente levantar as fontes primárias com análise dos dados obtidos. As fontes primárias que se constituem no periódico O Jornal de Maringá encontram-se arquivados na Biblioteca Municipal de Maringá em encadernações que reúnem três meses do matutino, sendo possível encontrar três encadernações por ano. Isso demonstra que muitos números foram perdidos devido à ação do tempo ou má conservação, fatos que reafirma ser este tipo de fonte não valorizado pela sociedade de uma forma geral e pelos administradores públicos em particular. O que se percebe é que não existe uma cultura de conservação do patrimônio público de fontes históricas que possam memorizar o passado. Sem contar que os números mais antigos estão em estado muito delicado e provavelmente não levarão muito tempo para serem descartados. Também houve a necessidade de levantamento bibliográfico sobre a história da cidade, história da imprensa e história da educação do Brasil, para fundamentar os argumentos levantados. Para dar conta da proposta, o trabalho encontra-se organizado em dois capítulos. O primeiro trata da história da imprensa no Brasil e também faz referência à história da imprensa no Estado do Paraná, e debate a imprensa como fonte de pesquisa em história. O segundo capítulo refere-se à história da imprensa maringaense e à análise do O Jornal de Maringá, apresentando um pouco de sua história, as suas características no período em estudo e a análise das notícias relacionadas à educação, veiculadas pelo periódico dentro de um contexto histórico determinado temporalmente.

11 11 1. A IMPRENSA COMO FONTE DE PESQUISA A imprensa é considerada fonte de pesquisa pela historiografia por oferecer informações sobre o cotidiano de determinados espaços e períodos, possibilitando a construção e reconstrução da história. Maria Helena Câmara Bastos (2002) considera a imprensa como fonte privilegiada para pesquisa histórica já que permite investigar os acontecimentos vivenciados no passado. Tânia Regina de Luca (2011) esclarece que somente a partir de 1970 a imprensa é reconhecida como fonte para a pesquisa histórica. Nesse período, já havia estudos significativos sobre a história da imprensa no Brasil e começa-se a dar importância à escrita da história por meio da imprensa. Para a autora: O estatuto da imprensa sofreu deslocamento fundamental ainda na década de 1970: ao lado da história da imprensa e por meio da imprensa, o próprio jornal tornou-se objeto da pesquisa histórica. (DE LUCA, 2011, p. 118). A respeito da ação da imprensa na sociedade, Bastos preconiza que ela age como mediadora cultural e ideológica, promovendo uma ordem social de acordo com os interesses da camada dominante. A imprensa, apresentando [...] um discurso carregado de intenções, constitui verdades, ao incorporar e promover praticas que legitimam e privilegiam alguns conhecimentos em detrimento de outros, produz e divulga saberes que homogeneízam, modelam e disciplinam seu público leitor. (BASTOS, 2002, p. 152). No entanto, a imprensa como parte do cotidiano das pessoas não se materializa como veículo ideológico, levando em conta que o público leitor a utiliza como meio de apropriação de informações atuais, realizando leitura espontânea e prazerosa. Por isso, Bastos chama a atenção para o papel do pesquisador: [...] cabe ao pesquisador fazer uma desmontagem do texto da imprensa a fim de desvelar os significados, as contradições e as diferenças de forma e de conteúdo das falas que produz. Essa desmontagem significa análise do processo e das condições de sua produção/ construção, a partir dos discursos disponíveis [...] (BASTOS, 2002, p. 153).

12 12 Compreende-se que o pesquisador deve manter uma postura ética diante das fontes, analisando-as a partir da compreensão do contexto no qual foi produzido e do público leitor o qual se dirige. Diante de outros estudos utilizando jornais como fonte de pesquisa, Luciano Mendes de Faria Filho afirma que: [...] o jornal foi visto como uma importante estratégia de construção de consensos, de propaganda política e religiosa, de produção de novas sensibilidades, maneiras e costumes. Sobretudo os jornais foram vistos como importante estratégia educativa. (FARIA FILHO, 2002, p. 134). Nessa perspectiva, entende-se que a imprensa interfere direta ou indiretamente na vida dos leitores e também da sociedade como um todo, modelando o modo de agir, de pensar e sentir, enfim, construindo uma cultura homogênea. Por esse motivo, a imprensa como fonte de pesquisa revela que tipo de homem se deseja formar para a convivência social em cada período da história, levando à compreensão das estruturas da sociedade atual. 1.1 A IMPRENSA NO BRASIL Os autores que tratam da história da imprensa no Brasil são unânimes em considerar que a imprensa no Brasil tem início com a chegada da família real portuguesa, marcando oficialmente o período colonial. Assim, é possível considerar que a história da imprensa brasileira se desenvolveu como parte da própria história do país. A imprensa possibilitou ao Brasil acompanhar as transformações que ocorriam, em grande parte, nos países da Inglaterra e Europa, o que influenciou a formação cultural do país, comprovando-se o seu teor educativo. Isabel Lustosa (2003) trata da história da imprensa no Brasil apresentando o papel que ela desempenhou na sociedade como educadora de seu tempo e formadora de opinião. Para a autora, o primeiro jornal a circular no Brasil chamavase Correio Braziliense, publicado por Hipólito da Costa em Londres na Inglaterra no ano de Fora do país e longe da censura real, essa forma de imprensa a circular no Brasil possibilitou a divulgação de notícias veiculadas em nível

13 13 internacional, mas principalmente a expressão do pensamento político de Hipólito e seus projetos para o país. O próprio papel da imprensa naquele contexto era visto de outra maneira. Num tempo em que o acesso à educação era tão menos democrático, em que vivíamos a mudança do mundo a partir das ideias disseminadas pelo Iluminismo ao longo do século anterior, a imprensa se firmava como um importante difusor das chamadas luzes. Naquele contexto, o jornalista se confundia com o educador. Ele via como sua missão suprir a falta de escolas e de livros através de seus escritos jornalístico (LUSTOSA, 2003, p. 15). De acordo com Lustosa (2003), Hipólito da Costa pretendia a formação de uma consciência liberal almejando o progresso social e material do Brasil, consolidar o desenvolvimento capitalista naturalizando os seus ideais. O objetivo do Correio Braziliense era [...] informar os brasileiros do que se passava no mundo, para influir sobre seus espíritos direcionando-os no sentido das ideias liberais, para chamar a atenção para o caráter daninho do absolutismo [...] (2003, p. 17). Lustosa (2003) se refere à história da imprensa no Brasil apresentando o papel por ela desempenhado na sociedade, nas várias fases dessa história, como educadora de seu tempo e formadora de opinião. Para a autora, Hipólito da Costa marcou a história da imprensa brasileira tendo um papel relevante no processo de independência do país. Assim, Vendo coroada de êxito a nossa independência, em 1822, Hipólito da Costa julgou encerrada a sua missão, parando de publicar o Correio Braziliense [...] (2003, p.19-20). Apesar de reconhecer Hipólito da Costa como fundador da imprensa brasileira, Lustosa (2003) revela que o surgimento da imprensa no Brasil se deu logo após a chegada de d. João, em 1808, com a Gazeta do Rio do Janeiro, o primeiro jornal oficial brasileiro. A imprensa oficial no Brasil então surge devido à necessidade de se divulgar notícias ligadas à coroa, sendo que qualquer outro tipo de impressão deveria passar pelos censores reais antes de circular pela sociedade. Marco Morel (2007) compreende que, de uma forma geral, os estudos sobre a história da imprensa apresentam uma contraposição entre a Gazeta do Rio de Janeiro, como jornal oficial e o Correio Braziliense, como crítico do governo português. Porém considera que [...] além desta evidente dicotomia

14 14 oposição/situação, existem convergências entre estes dois periódicos (MOREL, 2007, p. 25). Ressalta o mesmo autor que Hipólito da Costa transcrevia muitas das passagens da Gazeta sem contestá-las, principalmente notícias ligadas à coroa portuguesa já que se encontrava longe do país. Explica que a Gazeta do Rio de Janeiro se posicionou na defesa do liberalismo e da independência do Brasil antes do Correio Braziliense. Dessa forma, Ambos faziam parte do mesmo contexto político e mental e, ainda que com diferenças, partilhavam um universo de referencias comuns (MOREL, 2007, p. 26). Morel (2007) descreve resumidamente sua posição quanto à história da imprensa no Brasil: A historiografia brasileira sobre a imprensa, mais particularmente sobre o surgimento dos periódicos em princípio dos oitocentos. A ênfase no atraso, na censura e no oficialismo como fatores explicativos e característicos destes primeiros tempos da imprensa não me parece, em termos analíticos, suficientes para explicar a complexidade e compreender as características de tal imprensa, gerada numa sociedade em mutação, do absolutismo em crise (MOREL, 2007, p. 26). Para o autor, a imprensa surge do anseio de retratar os acontecimentos sociais do período que era de grandes transformações políticas, sociais e culturais, além da luta pela hegemonia de poder sobre a sociedade e, ao mesmo tempo influir sobre ela. Morel (2007) considera [...] que o surgimento da imprensa periódica no Brasil não se deu numa espécie de vazio cultural, mas em meio a uma densa trama de relações e formas de transmissão já existentes, na qual a imprensa se insere (MOREL, 2007, p. 26). De acordo com o autor, essa transmissão ocorria em espaços diversificados nos quatro cantos da sociedade do período: espaços públicos, associações secretas, família, etc., marcada por várias formas de comunicação. Morel (2007) preconiza que é possível considerar a imprensa brasileira do século XIX como elitista já que, em maior parte, a transmissão ocorria oralmente devido ao analfabetismo. Ressalta ainda que a visão iluminista influenciou a imprensa escrita, mesmo sendo ela marcada por expressões não escritas. Por fim,

15 15 avalia que o estudo da imprensa contribui para a compreensão e transformação da sociedade. Nelson Werneck Sodré (2011) também contribui com a discussão sobre a história da imprensa no Brasil em seus diferentes períodos. Destaca que no período colonial o Brasil não conheceu a universidade e nem a imprensa e isso significava de certa forma, uma proteção dos colonizadores para manter os colonizados em total domínio. No Brasil, como não havia ainda uma cultura própria, os colonizadores não tiveram problemas em impor a sua no processo de exploração. Para Sodré (2011), os livros que entravam no Brasil eram fiscalizados pela polícia o que prova ter havido um controle do conteúdo lido pelos colonos. A maior parte dos livros chegava a navios e eram comercializados clandestinamente no cais pelos próprios marinheiros estrangeiros. Todo material impresso passava por uma perícia e era necessária uma licença para poder circular. As livrarias e livreiros existentes passavam assim, por insistentes e severos confiscos com pena de prisão para os que não cumprissem a lei. Com essa forma de repressão os colonizadores estariam defendendo os seus interesses, impondo a sua cultura e impedindo que os princípios liberais de origem francesa influenciassem os colonos. De acordo com Sodré: O intendente geral da polícia, Paulo Fernandes Viana, baixaria edital, a 30 de maio de 1809, determinando que os avisos, anúncios e notícias de livros à venda, estrangeiros ou nacionais, só fossem publicados depois da aprovação policial (SODRÉ, 2011, p. 34). Sodré (2011) assevera que mesmo tomando todo cuidado, os colonizadores portugueses não conseguiram impedir que as ideias liberais francesas entrassem no Brasil em pequenas doses. Considera que com a chegada da corte joanina, a imprensa aqui existente destacava os [...] acontecimentos europeus que caracterizavam o triunfo da burguesia (SODRÉ, 2011, p. 36). Para o mesmo autor, os colonizadores pretendiam dominar, e para isso, faziase necessário educar o povo impondo a sua cultura. Qualquer ideia contrária poderia ameaçar esse domínio, e por isso havia todo cuidado com a imprensa como veiculadora das ideias do movimento iluminista que ocorria nos países europeus.

16 16 A ignorância, realmente constitui imperiosa necessidade para os que exploram os outros indivíduos, classes ou países. Manter as colônias fechadas à cultura era característica própria da dominação. Assim, a ideologia dominante deve erigir a ignorância em virtude (SODRÉ, 2011, p. 39). Para Sodré (2011), o primeiro jornal oficial foi a Gazeta do Rio de Janeiro, impresso na imprensa oficial, ou seja, na imprensa régia. Tratava-se de um periódico voltado exclusivamente aos interesses da coroa, não oferecendo qualidade no conteúdo impresso e veiculado. O autor considera que no período colonial, o periódico de destaque foi o Correio Braziliense, produzido fora do Brasil por Hipólito José da Costa na fuga contra a censura da corte portuguesa. O Correio Braziliense, considerado o primeiro jornal publicado por um brasileiro circulou no período entre 1808 a 1822 no Brasil. Sodré (2011) considera o Correio Braziliense como um jornal de caráter doutrinário já que veiculava ideias de liberdade e democracia as quais visavamà independência, exatamente o oposto da colonização e, por isso, sofreu incansável perseguição da coroa. Para Sodré (2011, p. 52), o Correio Braziliense não tinha nada de extraordinário além de ser pouco divulgado na colônia, como cita: [...] é preciso frisar quão pouca seria a gente capaz de ler um periódico desse tipo, o doutrinário, no Brasil dos primeiros lustros do século XIX. Apesar de citar esses impressos como jornais do período colonial, Sodré (2011) considera que O que existia era arremedo de imprensa. Ressalta que O atraso da imprensa, no Brasil, aliás, em ultima análise tinha apenas uma explicação: ausência de capitalismo, ausência de burguesia. Só nos países em que o capitalismo se desenvolveu, a imprensa de desenvolveu (SODRÉ, 2011, p. 53). De acordo com Sodré (2011), no fim do período colonial, já no processo de independência, a impressão régia, chamada nesse período de tipografia nacional era regulada de acordo com a lei da liberdade de imprensa de 1822, ano da independência. Diante disso, não havia mais necessidade de censurar os ideais libertários já que a independência era o destino do país. No entanto, houve o estabelecimento de uma nova forma de censura voltado à defesa dos interesses dominantes. Para o autor:

17 17 A classe dominante, ao estruturar o seu aparelho de estado, mostrava que desejava conter a independência nos limites da preservação dos seus interesses [...]. Pretendia manter a estrutura colonial (SODRÉ, 2011, p. 73). Sodré ressalta, ainda, que a imprensa ocupou lugar de destaque no movimento de luta pela independência do Brasil, entre eles os periódicos Constitucional e Reverbero Constitucional Fluminense, que conduziram as reivindicações em favor da independência. No entanto, após a independência, houve um período de luta entre as forças políticas (liberais e conservadores) que desejavam o domínio sobre as leis que a população deveria obedecer. De acordo com Sodré: A luta entre as forças que encontravam condições para emergir e desenvolver atividades políticas generalizou-se em todo o país, assumindo formas particulares em cada caso. O geral, do quadro, estava na autonomia e no grau de profundidade a que seria levada, uma vez que se tratava, agora, de constituir o aparelho de Estado: era problema de poder (SODRÉ, 2011, p. 139). Em meio a esses conflitos, resistências e perseguições, o Brasil não pode ser considerado um país autônomo. A liberdade de expressão estava comprometida, o que dificultava o trabalho da imprensa. Sodré (2011, p. 139) destaca que: [...] éramos muito menos independentes do que parecia, mesmo depois de E tudo isso se refletiria, naturalmente, na imprensa [...]. O autor ainda destaca que houve um esforço das províncias em manter a liberdade de expressão da imprensa. Assim, foram surgindo a partir da independência diversos periódicos, primeiramente nas principais províncias e mais tarde em outras cidades do país, sendo alguns de caráter conservador e outros liberais. E na medida em que estes periódicos surgiam em meio à luta política entre os dois grupos, a liberdade de imprensa foi se estabelecendo, sendo este um momento de grandes conquistas na história da imprensa no Brasil. Para Sodré: A fase da regência foi, realmente, um dos grandes momentos da história da imprensa brasileira, quando desempenhou papel de extraordinário relevo e influiu profundamente nos acontecimentos (SODRÉ, 2011, p. 187).

18 18 De acordo com o autor, houve um aumento significativo na circulação dos jornais diariamente, sendo que no ano de 1832 já havia cerca de cinquenta jornais com denominações diversas, sempre obedecendo a uma orientação ou ideologia. Para o autor: A imprensa definia-se quanto à orientação, nos três campos, o dos conservadores de direita, embalados no sonho da restauração, o dos liberais de direita, que faziam papel de centro, e o dos liberais de esquerda [...] (SODRÉ, 2011, p.190). Esse período foi marcado pela circulação, também, dos chamados pasquins, na segunda metade do século XIX. Diferente dos jornais diários, os pasquins eram informativos escritos somente por um autor e geralmente não passavam do primeiro número. Eram adquiridos na própria tipografia ou em livrarias sendo que a maior parte circulava de forma irregular. Apresentava uma linguagem informal e seu conteúdo defendia a liberdade e a democracia, tratando em grande parte da política. Os pasquins confundiam-se com os jornais exatamente porque naquele período essas formas de imprensa não tinham características muito peculiares, devido à precariedade das técnicas utilizadas na imprensa. No entanto, Sodré (2011, p. 270) destaca que: O papel do pasquim, na história da imprensa brasileira, foi, assim, muito ao contrário do que tem sido indicado, de inequívoca e fundamental importância. As análises de Sodré (2011) indicam que a partir da segunda metade do século XIX ocorreu um desenvolvimento nas técnicas de imprensa, além do surgimento da caricatura como recurso para a imprensa. Nesse período, os pasquins praticamente cessaram de circular. Para Sodré (2011), a imprensa no período do império recebeu as características desse período já que havia por se estabelecer uma nova estrutura política. Para esses tempos, para essa gente, para a estrutura nova que, pouco a pouco, firma-se e se consolida, a imprensa deve estar em suas mãos, deve servi-la, deve contribuir para a consolidação da estrutura escravista e feudal que repousa no latifúndio e que não admite resistência (SODRÉ, 2011, p. 273).

19 19 Porém, ao final da segunda metade do século XIX, a imprensa toma características populares na defesa das ideias abolicionistas e republicanas, o que possibilitaria o avanço no desenvolvimento do país. Sodré (2011) também faz referencia, nesse período, ao desenvolvimento da imprensa literária brasileira, ou seja, a impressão e circulação de livros ou almanaques. Para o autor: A primeira manifestação para ampliar a cultura impressa, ainda insipiente, esforço subordinado à deficiência das técnicas de impressão e resistência colonial do meio para comportar aquela ampliação, fez-se através dos almanaques, que se constituíram os livros de uso e consulta generalizados (SODRÉ, 2011, p. 358). O mesmo autor destaca que a imprensa acompanhou as mudanças políticas ocorridas na sociedade e foi se desenvolvendo junto a ela. Surgiram inúmeros e grandes jornais além de escritores jornalísticos. Nas palavras de Sodré (2011, p. 392): As inovações técnicas na imprensa prosseguirão em 1895, já os jornais definindo-se com estrutura empresarial: aquelas inovações e esta estrutura estão intimamente ligadas. Assim, no final do século XIX, após a consolidação formal da república, a pequena imprensa cede lugar à grande imprensa, agora como empresa jornalística. A passagem do século marca o início de uma nova relação do jornal com os leitores, e isso ocorre devido [...] a ascensão burguesa, ao avanço das relações capitalistas (SODRÉ, 2011, p. 406) que se encontrava em fase de desenvolvimento no país. A imprensa como empresa assume um papel contraditório na opinião do autor, já que ora subordina-se ao poder do Estado, ora se opõe a essa subordinação. Por isso a [...] compra da opinião da imprensa pelo governo torna-se rotina (SODRÉ, 2011, p. 406). Dessa forma, o início do século XX é o momento de reconhecer o grande salto da imprensa no Brasil, o que Sodré (2011) denomina como período da grande imprensa industrial. Como exemplifica: Aos homens de letras, a imprensa impõe, agora, que escrevam menos colaborações assinadas sobre assuntos de interesse restrito do que o esforço para se colocarem em condições de redigir objetivamente reportagens, entrevistas, notícias (SODRÉ, 2011, p. 436).

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. RESUMO O Regime Militar brasileiro, implantado por um golpe de Estado em 1964, durou vinte e um anos e mudou a face do país.

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano

História da Educação. Pedagogia. - Período colonial brasileiro. Professor Edson Fasano Pedagogia Professor Edson Fasano História da Educação O Brasil cresceu isolado do mundo, apenas convivendo com aquele pobre e retrógrado Portugal que não permitiu a criação de um sistema escolar de ensino

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP)

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) RESENHA A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) Marisa Lajolo & Regina Zilberman. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996. (http://www.editoraatica.com.br) Trata-se

Leia mais

CRIAÇÃO E EXPANSÃO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ

CRIAÇÃO E EXPANSÃO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ CRIAÇÃO E EXPANSÃO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MARINGÁ Ivana Veraldo/UEM A escolha do terreno para erigir a cidade de Maringá (Pr) obedeceu a certos critérios: um terreno com privilegiada

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular

Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Universidade Federal do Ceará Coordenadoria de Concursos - CCV Comissão do Vestibular Data: 08.11.2009 Duração: 05 horas Conhecimentos Específicos: Matemática: 01 a 05 Redação História: 06 a 10 Coloque,

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Wendel Uhren Meira 08/11/2012

Wendel Uhren Meira 08/11/2012 Wendel Uhren Meira 08/11/2012 Sequência Didática Trabalho Concludente Tema: A Imigração no Estado de São Paulo e suas diferentes facetas. Justificativa: É fator de grande importância para esse período

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO NO ENSINO SUPERIOR DE 1960 A 1970 NO NORTE NOVO DO PARANÁ - LONDRINA E MARINGÁ

A INFLUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO NO ENSINO SUPERIOR DE 1960 A 1970 NO NORTE NOVO DO PARANÁ - LONDRINA E MARINGÁ A INFLUÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO NO ENSINO SUPERIOR DE 1960 A 1970 NO NORTE NOVO DO PARANÁ - LONDRINA E MARINGÁ RESUMO SANTOS, João Benjamin dos Pontifícia Universidade Católica do Paraná Existem

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003029A - História da Comunicação Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL

TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL TÍTULO: A VIOLAÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA MILITAR BRASILEIRA E A SUA CONSEQUÊNCIA JURÍDICA NO BRASIL ATUAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub

Pensar por si mesmo 1. Monica Aiub Pensar por si mesmo 1 Monica Aiub Esclarecimento [Aufklärung] é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu entendimento sem a direção

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo

Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Classes multisseriadas e nucleação das escolas: um olhar sobre a realidade da Educação do Campo Segundo Fagundes & Martini (2003) as décadas de 1980 e 1990 foram marcadas por um intenso êxodo rural, provocado

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

As Racionalidades no município de Ibiúna (SP): tempos rápidos e tempos lentos.

As Racionalidades no município de Ibiúna (SP): tempos rápidos e tempos lentos. 1 As Racionalidades no município de Ibiúna (SP): tempos rápidos e tempos lentos. Elisângela Couto 1 (Mestranda em Geografia Humana/FFLCH/USP) Júlio César Suzuki 2 (Orientador) Resumo Neste trabalho discutimos

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CARVALHO, Jaciara FE/USP jsacarvalho@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta a tese 1 brasileira Educação Cidadã a Distância: aportes de uma perspectiva

Leia mais

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS

DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO DE... Tema do Pôster DIVISÃO GEOGRÁFICA DE CLASSES SOCIAIS ALUNO: EXEMPLO TURMA: XXXXXXXXXXX CURITIBA 2013 SUMÁRIO

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil

Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil Adoniran Barbosa, reconhecido compositor paulista, ganhou muita notoriedade na São Paulo dos anos 40 interpretando personagens cômicos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

JORNAIS DIGITALIZADOS

JORNAIS DIGITALIZADOS JORNAIS DIGITALIZADOS O acervo de periódicos microfilmados e digitalizados disponibilizado pela Biblioteca Central Zila Mamede BCZM, é abrangente e compreensivo. Tratase de um compilado de dezenas de jornais

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil.

a) Analise a posição assumida por Ribeyrolles quanto à imigração chinesa para o Brasil. HISTÓRI 1 Leia o texto a seguir. Espera-se colonizar com os chineses, os coolies, os malaios e todas essas raças degeneradas do oriente, sorte de lepra humana? Já se experimentou a espécie do Celeste Império.

Leia mais

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo

II - Desenvolvimento. 1. O primeiro mundo. 2. Sociedades de consumo I - Introdução Consideram-se como Norte os países ricos ou industrializados: o primeiro Mundo ou países capitalistas desenvolvidos, em primeiro lugar e também os países mais industrializados do antigo

Leia mais

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO

RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO RESUMO RESENHA DO LIVRO OS BESTIALIZADOS: O RIO DE JANEIRO E A REPÚBLICA QUE NÃO FOI, DE JOSÉ MURILO DE CARVALHO Resenha do livro de José Murilo de Carvalho, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO

SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO SER OU NÃO SER : A PROFISSÃO DOCENTE NAS PERCEPÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DAS ESCOLAS DO CAMPO Univille Universidade da Região de Joinville anahostin@gmail.com INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX.

PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX. PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX. Daniel Mendes Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PEPG em Educação: História, Política,

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais