O TRABALHO DO PROFESSOR NAS CONDIÇÕES DE ADVERSIDADE: ESCOLA, VIOLENCIA E PROFISSÃO DOCENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRABALHO DO PROFESSOR NAS CONDIÇÕES DE ADVERSIDADE: ESCOLA, VIOLENCIA E PROFISSÃO DOCENTE"

Transcrição

1 O TRABALHO DO PROFESSOR NAS CONDIÇÕES DE ADVERSIDADE: ESCOLA, VIOLENCIA E PROFISSÃO DOCENTE PESQUISADORA PROFª DRª RITA AMELIA TEIXEIRA VILELA MESTRADO EM EDUCAÇÃO BOLSISTA DE INICIAÇÃO CIENTÍTICA ULISSES SAMARONE COELHO CURSO: PEDAGOGIA/NOTURNO FIP - PROJETO 2005/2006 AREA DO CONHECIMENTO: /EDUCACAO PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS RELATORIO FINAL DE PESQUISA BELO HORIZONTE, 30 DE SETEMBRO DE

2 RESUMO O objetivo da pesquisa foi realizar um levantamento das dificuldades encontradas pelos professores no desempenho do seu trabalho devido à crescente onda de violência existente na escola atual, bem como verificar quais são as formas de enfrentamento dessa violência por parte da comunidade escolar. A literatura sobre os problemas da profissão docente na atualidade possibilitou, primeiramente, verificar de que formas a questão é abordada nas pesquisas da área. Em periódicos destinados à classe docente da educação fundamental procuramos analisar como a questão da violência na escola é apresenta aos professores e verificamos que ela tem sido apontada como um dos mais graves problemas da escola na atualidade. Através de entrevistas com duas diretoras de escola, com uma professora com cargo em equipe regional que faz atendimento a escolas municipais, e com dois policiais do efetivo de patrulhamento policial às escolas, buscamos evidenciar e entender as condições em que se encontra o ambiente escolar, seja como revelador de um clima social de violência, seja como revelador de um clima que lida de forma preventiva em relação a ela. Foi feito, também, um levantamento sistemático de ocorrências de violência na escola, registradas nos Jornais Estado de Minas e Hoje em Dia, no período de 2000 a 2005, para confrontar esses registros com o quadro revelado pelas escolas. A presente pesquisa proporcionou-nos uma aproximação com a realidade vivida, atualmente, pela escola, e aponta questões relacionadas com a responsabilidade desta e do poder de segurança pública como, ainda, com a falta de capacitação específica do corpo docente para lidar com a violência existente dentro do ambiente escolar e revelou algumas particularidades das implicações da violência com as condições de trabalho dos professores. Mas revelou também, por outro lado, que as escolas pesquisadas não se curvam ao quadro impositivo da violência, procurando formas de superar as dificuldades criadas por essa nova configuração do trabalho escolar. A pesquisa aponta a importância do apoio do poder público, não somente com ações efetivas de segurança e de policiamento escolar, mas, também, para realização de ações pedagógicas preventivas. Palavras-chave: Escola e violência; Violência na escola; Profissão Docente. 2

3 SUMÁRIO I) Introdução: O Objeto da pesquisa e as questõe levadas para a investigação...06 II) A Pesquisa: Tipo de pesquisa e a Metodologia ) Uma Pesquisa Exploratória ) Os Objetivos da Pesquisa ) A Metodologia Utilizada...15 III) A Pesquisa Realizada: Suas evidências e questões apontadas ) O trabalho do professor e a violência na escola: questões atuais da profissão docente ) Os Relatórios da OIT sobre a Profissão Docente: compreender a profissão docente nas atuais condições de trabalho na sociedade ) Estudos sobre adoecimento dos Professores ) Estudos sobre o mal estar docente ) Estudos sobre a síndrome de burnout em professores ) O quadro constado: A configuração da realidade do trabalho do professor sob condições de violência

4 3.2.1 : O cenário da violência na escola, em Belo Horizonte ) A confirmação da violência dentro da escola e contra a escola ) Os cenários particulares de duas escolas, em Belo Horizonte ) Os tipos de violência vividos nas escolas e algumas explicações para eles ) A relação das escolas com as políticas de segurança pública ) Segurança Policial: O policiamento ostensivo na escola aparência e realidade...67 VI) Discussão do quadro de evidências relativas à violência na escola e suas implicações para o trabalho dos professores...77 Conclusão...83 Referências Bibliográficas...86 Anexos...93 Índice dos Quadros Gráficos Quadro N Violência na Escola em Belo Horizonte: 2000/2002 4

5 Quadro N Violência na Escola em Belo Horizonte: 2003/2005 Gráfico N Comparação da Violência na Escola entre os períodos 2000/2002 e 2003/2005 5

6 I) introdução: O Objeto da pesquisa e as questões levadas para a investigação. Chamamos a atenção, inicialmente, para a importância do tema pesquisado no cenário da profissão docente e seus problemas na atualidade, uma vez que esta foi a motivação para a realização da presente pesquisa. Diante do agravamento da crise social e da escalada de violência, várias dimensões do cotidiano do trabalho docente estão, hoje, envolvidas com cenas de violência. A situação de violência social está dentro das escolas e em seu entorno, situação que tem gerado amplo debate na sociedade civil e entre pais e educadores, uma vez que essa nova situação traz implicações para a imagem da escola, para o trabalho nela desenvolvido e para as pessoas que são sua população tradicional professores e alunos. (Zaluar, 1992, 2002; Gonçalves e Spósito, 2002 ). O quadro é internacional e afeta paises pobres e ricos, uma situação que levou a própria UNESCO a tomar liderança na discussão do tema e na responsabilidade de realização de pesquisas visando, não só mapear a situação em diferentes contextos mas, também, a orientar o debate na perspectiva de assumir e demonstrar que, diante do quadro de agravamento da violência na escola, educadores e alunos precisam desenvolver formas de lidar com ela. As pesquisas da UNESCO abrangeram oito países da América Latina e Caribe, com o Brasil incluído, ( Filmus et al, 2003) e dez países europeus ( Derbabieux e Blaya, 2002; Derbabeiex et al 2003). No Brasil, o tema o tema ainda não é explorado como objeto de investigação na proporção exigida pelas dimensões da sua crise social e das evidencias de que a violência social está nas suas escolas. Entretanto, não se pode afirmar que é insipiente ou que isso significa que o tema é excluído das pesquisas dos programas de pós-graduação e nos debates sobre os problemas da educação de hoje. Além das pesquisas desenvolvidas sob o patrocínio e orientação da própria UNESCO, em quatorze capitais de Estados brasileiros 1, que revelam as magnitudes do problema e implicações para as relações escolares ( Abramovay e Rua, 2002), o tema mobilizou, nos últimos 10 1 Estados contemplados na pesquisa de campo: Alagoas, Amazonas; Bahia; Ceará, Espírito Santo, Distrito Federal,Goiás, Mato Grosso, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. 6

7 anos, alguns pesquisadores em importantes instituições acadêmicas. Mesmo que essa produção deva ser considerada pequena em relação à magnitude do problema, ela representa uma oferta de interessantes perspectivas para debate e destaca a pertinência do tema e a urgência de que ações sejam canalizadas para entender o problema e tentar formas enfrentá-lo ( Guimarães E,1996 e 1997; Guimarães A,1990, 1995 e 1996; Paim Costa, 2000; Costa 1993; Paim 1997; Santos 1999; Candau et al, 1999; Spósito,1997, 1999,2000 e 2001; Santos,2001; Camacho, 2000 e 2001; Araújo, 2000 e 2001; Espírito Santo 2002). No interior da ANPEd (Associação Nacional de pesquisa e pós-graduação em Educação) o tema violência na escola, tem sido contemplado de forma apenas esporádica nas suas reuniões anuais. Em 1996, na 19ª Reunião Anual, foi apresentado, no GT de Sociologia da Educação, um primeiro trabalho abordando diretamente o tema 2. No texto Escola, Galera e Narcotráfico: novos padrões de relacionamento entre a escola pública de 1º grau e o meio urbano da cidade do Rio de Janeiro, a autora analisa, em algumas escolas do Rio de Janeiro, localizadas em regiões com reconhecido grau de conflitos sociais, as relações que se estabeleciam a partir de três movimentos distintos, que lhe eram exteriores, mas que lhes conferiam os limites possíveis para o trabalho pedagógico : o narcotráfico; as galeras os grupos de rua, relativamente organizados e constituídos por jovens da periferia urbana; e movimentos juvenis com diferentes formas de mobilização para aglutinar jovens na área pesquisada. A pesquisa conduzida pela autora demonstrou como a ação sistemática desses diferentes movimentos sobre a instituição escolar interfere em sua organização e afeta sua capacidade de cumprir as funções que são atribuídas pela sociedade. Chamou atenção, também, pela situação dos professores que revelaram seu medo e sua impotência diante do controle exercido sobre a escola, pelos líderes da contravenção, para que a escola não atrapalhasse seu movimento e sua liderança (Guimarães, 1997). O trabalho de Guimarães surpreendeu pela ousadia e foi recepcionado pela sua pertinência, pois a situação incomodava. A violência já era evidenciada como fazendo parte do cotidiano de muitas escolas. Presentes ao debate durante a apresentação do trabalho de Guimarães, muitos professores deram testemunho de agressões físicas entre alunos, de violência cometida contra professores e do quadro desolador de violação de 2 Apresentação da tese de doutorado da autora: Guimarães,

8 patrimônio escolar. Desde então, a situação da violência social cresceu e tem ocupado as páginas dos jornais, inclusive com as cenas vividas em instituições escolares. Registre-se, contudo, que não continuou como tema regular de trabalhos apresentados na ANPEd. Apenas cinco anos depois, na Reunião Anual de 2001, uma Mesa Redonda, patrocinada por quatro diferentes grupos de trabalho (Educação Popular, Educação Fundamental, Sociologia da Educação e Educação de Jovens e Adultos ) abordou diretamente o tema Violência e Escola. Apesar da concorrência de público para esta atividade e da pertinência das contribuições dos pesquisadores convidados para a mesa, que fizeram uso de dados estatísticos comprovadores e assustadores sobre a violência na escola, e externaram preocupação com as condições dos professores para lidarem com ela, o tema não teve continuidade neste fórum. Nas Reuniões da ANPEd, realizadas nos anos 2001 e 2002, foi a análise sobre o movimento jovem que mereceu uma atenção especial dos pesquisadores associados aos GTs Educação de Jovens e Adultos e Movimentos Sociais e Educação e Educação Popular, sinalizando uma outra forma de abordar as questões de violência social e suas relações com escola. Um conjunto de trabalhos, apresentados nessas duas reuniões, procurou demonstrar como diferentes formas de organização e de vida dos jovens da periferia urbana, muitas vezes rotuladas de violentas, também podem propiciar uma relação positiva com a escola e com os processos de escolarização. Algumas experiências significativas de escolas, que usam as formas de cultura da juventude para transformar as relações pedagógicas a favor desta clientela, têm merecido destaque. Entretanto, não podemos situar esse tipo de produção como diretamente abordando a questão violência e escola. Classificada dentro de uma outra temática: Juventude e Escola, que prioriza retratar experiências pedagógicas positivas, mesmo no contexto de violência. A dimensão reforçada no conjunto dessa produção, que é de grande relevância, é que a escola, na medida em lida adequadamente com jovens de zonas de risco, possibilitando a elas uma trajetória escolar positiva, pode ser uma boa arma contra a violência. Nas últimas quatro reuniões anuais da associação ( 2002, 2003, 2004 e 2005) o tema Violência na Escola não esteve presente de forma explícita. As aproximações relativas às questões internas na escola se situam na abordagem de problemas relacionados com indisciplina e condutas consideradas inadequadas no ambiente escolar 8

9 (Latermann,2002), e continua presente o debate acerca da necessidade de consideração, pela escola, das condições de vida da juventude e de demandas específicas dessa faixa etária. Nessa perspectiva o debate aborda a alta exposição à violência a que está submetida a população jovem das periferias urbanas. Pelo quadro exposto, a questão da relação entre violência e profissão docente ainda é secundarizada. Confirmando essa situação podemos registrar que a Revista Brasileira de Educação (RBE), editada pela ANPED e, portanto, referência significativa da produção acadêmica da área, registrou no período de 2000 a 2005, apenas um artigo que se aproxima da temática violência na escola e trabalho docente 3. Este é também o único artigo sobre o tema geral violência na escola nessa revista. A RBE tem assumido, desde sua inauguração em 1995, uma política de números intermediários, monotemáticos, dedicados a temas atuais do cenário do debate educacional. O tema violência na escola ainda não foi agraciado. O número especial monotemático de 1997, dedicado às questões da educação da juventude não apresenta pesquisas sobre a violência na escola embora vários dos artigos façam referência à situação de agravamento das condições de vida desse grupo, cada vez mais exposta à violência ( Peralva e Spósito 1997; Abramo 1997; Marques 1997) 4. Além dessa constatação, de que o tema violência na escola e suas implicações na profissão docente é obscurecido no debate na área, outro fator, com implicações particulares da minha atividade profissional, foi crucial para o interesse de pesquisa. A escolha desse tema, portanto, é também, consequente do meu trabalho como profissional da área da educação. Como professora de profissionais de educação em processo de qualificação, nível mestrado, tenho acompanhado o debate acerca das condições atuais da profissão docente, constatando serem alarmantes os registros de violência nas escolas e a inquietação que esse contexto tem trazido a essas instituições e aos professores. Esse quadro exige o debate nos cursos de preparação de educadores, para o que é necessário o melhor conhecimetno da situação. Entretanto, a área carece de produção suficiente para amparar e orientar as discussões e o trabalho dos educadores. 3 RATTO, Ana Lucia Silva.Cenários criminosos e pecaminosos nos livros de ocorrência de uma escola pública. Revista Brasileira de Educação. Maio/ago, 2002, N.20, p Há um número especial da Revista da Faculdade de Educação da USP ( N.27/2001) que destina um editorial uma sessão ao debates sobre violência e escola. Entretanto, os textos publicados não são novos com relação aos estudos aqui já referidos. 9

10 Numa outra perspectiva, eu fui envolvida com a procura sistematizada de informçãoes sobre o tema, uma vez que ele surgiu e cresceu na minha sala de aula no curso de Pedagogia da PUC Minas, na disciplina sob minha responsabilidade: Topicos Especiais em Educação II, prevista para o sexto período 5. Essa é uma disciplina de conteúdo aberto, permitindo ao professor trabalhar com temas emergentes da área. Na minha experiência, essa disciplina tem permitido transpor para a sala de aula, em turmas de sexto período, a cada semestre, a discussão permanente sobre o trabalho dos professores, situando cada vez mais, o cotidiano dos professores num contexto social extremamente adverso ao desenvolvimento de seu trabalho de educador, devido a situações geradas pela violência social. A ementa existente para a disciplina, no currículo do curso, possibilita bastante abertura no trato de conteúdos e de informações e, por isso, favorecem esse tipo de discussão 6. Ao assumir a disciplina, elaborei uma proposta de trabalho, na qual defini como objetivos, possibilitar aos alunos: a) Identificar e analisar questões relevantes, relacionadas como o tema educação e cidadania, dentre algumas que permeiam o cotidiano das escolas, desafiando educadores e a sociedade em geral, na medida em que representam problemas sociais refletidos na escola; b)trabalhar situações nas quais se explicitam a função social da escola na formação integral dos indivíduos: ética e cidadania, relacionadas com ações sociais da vida cotidiana, com a prática pedagógica e com a atuação dos professores. O objeto desta pesquisa foi construído, assim, em sala de aula, ao longo da minha atuação desde 1999, uma vez que optei, como processo didático, construir a proposta do curso nas duas primeiras aulas, através de uma indagação direta aos alunos sobre quais seriam as situações mais cruciais, no cotidiano das escolas de hoje, que eles gostariam de trazer para o debate durante o curso. As questões relacionadas aos desafios que se colocam para os professores nas condições de adversidade, considerando aqui os aspectos de violência urbana e as precárias condições sociais da maioria dos alunos de escolas públicas e de seus familiares, associadas às condições de degradação do trabalho do professor entraram, 5.Disciplina retirada no novo currículo do curso em vigência a partir de Tenho a última turma no presente semestre ( segundo/2006). 6 Ementa da disciplina no currículo do curso: Articulação do referencial teórico com a prática profissional do aluno. Análise de experiências inovadoras no campo da educação. Reflexão sobre a construção da cidadania e democracia, a ética, política educacional, configuração sócio-política da sociedade brasileira. 10

11 assim, na sala de aula como podem evidenciar as unidades de trabalho assumidas no período, apresentadas abaixo: º semestre : Violência urbana e violência na escola depredação de patrimônio, agressões físicas na escola e o papel dos educadores º semestre : Possibilidades e limites de enfrentamento de problemas sociais na escola - violência, drogas e racismo º semestre : Violência urbana e escola : o enfrentamento cotidiano de problemas sociais na escola ( depredação de patrimônio, miséria social, agressão, preconceitos, etc) e as possibilidades e limites da ação educativa º semestre- Civilidade, autoridade e cidadania - papéis sociais de alunos e educadores e a responsabilidade formativa da escola nas condições sociais da atualidade º semestre - O Intra-muros da instituição e a cidadania na escola: convivência escolar como convivência cidadã. Questões relacionadas à violência, indisciplina e limites º semestre - Dificuldades e perspectivas nas relações sociais na escola em condições sociais de adversidade : as relações alunos/alunos; alunos/professores; escola/pais, na realidade social das escolas públicas em áreas de violência urbana º semestre Violência, ética, cidadania e escola: limites e possibilidades da educação para superar os entraves sociais à plena formação de sujeitos e de cidadãos º semestre - Indisciplina e Violência na escola : as fronteiras rompidas e os impasses para os educadores de hoje º semestre - Violência na escola: novas dimensões para o trabalho dos professores e o desafio para a tarefa educativa. 11

12 2003 2º semestre - Ações cidadãs na vida social cotidiana: sentido da escola e relações entre os agentes do processo escolar no enfrentamento da violência na escola º semestre: Indisciplina e violência na escola: suas conseqüências não formativas º semestre: problemas e impasses enfrentados na escola no contexto atual de violência. Violência social e violência na escola e as implicações para o cotidiano dos professores º semestre: O trabalho do professor nas condições de adversidade: violência na escola e a profissão docente º semestre: idem 7 Buscando subsidiar as atividades desenvolvidas em classe foi possível constatar, contato com a literatura que apresenta pesquisas e discussão da profissão docente, que o conhecimento acumulado sobre os problemas que afetam os professores enquanto profissionais, não abordava de forma direta as questões da violência na escola, e não analisava a questão da violência como situação de trabalho dos professores. Os periódicos de circulação entre professores 8, normalmente um tipo de revista que é lida pelo professorado e, portanto, buscados pelas alunas como apoio ao curso, mostraram que têm contemplado situações pontuais dos problemas enfrentados pelos professores em sala de aula, mas também não abordam a perspectiva da relação entre violência e profissão docente (Fruet, 2004; Matias, 2003; Rodrigues, 2003; Tognita,2003). Assim, essa pesquisa colocou a questão no centro do debate sobre a formação docente e parte das seguintes indagações: é possível ao professor lidar com a violência? 7 O mesmo tema constitui as unidades de trabalho nos semestres seguintes, ao mesmo tempo em que a pesquisa era desenvolvida. Registre-se aqui que, a partir do segundo semestre de 2005, o sistema de gestão acadêmica da PUC Minas passou a exigir dos professores a apresentação do plano de curso da disciplina, sempre no semestre anterior à de sua realização, para ser aprovado nos Colegiados de Curso. Isso definiu que, a partir desse momento, não mais foi possível discutir previamente, com os alunos, uma proposta de trabalho para o semestre. Sendo assim, passei a ofertar o curso estruturado no primeiro semestre de 2005, ficando para a decisão com os alunos apenas as estratégias de trabalho pedagógico e acadêmico com o tema. 8 Em Especial as Revistas: Pátio, Nova escola e Presença Pedagógica. 12

13 Como ele tem conseguido (ou não) lidar com essa situação? Em que medida esse novo contexto da escola tem interferido na profissão docente? As questões propostas para encaminhar a pesquisa, de acordo com o que consta no projeto inicial foram as seguintes: Quais as implicações, no trabalho docente e na qualidade de vida dos professores, do contexto de violência social, no qual, hoje se enquadra também uma grande parte das escolas? Como o fator violência social está interferindo, no cotidiano das escolas, impondo limites à competência do professor na realização das suas atividades fins? Até onde pode se configurar a profissão docente como profissão de risco social? A proposta inicial de pesquisa foi elaborada numa perspectiva mais abrangente, pretendendo formar uma equipe ampliada e com financiamento do CNPQ. Entretanto, foi aprovada no mérito junto ao CNPq mas não recebeu financiamento. Assim ela foi redimensionada para ser desenvolvida com a equipe reduzida para apenas a pesquisadora principal e um auxiliar de pesquisa com apoio do fundo de pesquisa da própria PUC ( FIP/Puc Minas) e com duração de apenas um ano no lugar dos dois anos anteriormente previstos. Esperamos que as informações sistematizadas sobre essa situação da realidade do trabalho dos professores sob condições de adversidade, determinadas pela violência nas escolas, possam fomentar outras pesquisas que busquem elementos necessários ao tratamento do tema para melhor orientar professores em formação para lidar com esse novo contexto do trabalho docente. II) A Pesquisa: Tipo de pesquisa, seus objetivos e a Metodologia 2.1) Uma pesquisa exploratória Nas condições de desenvolvimento, configurou-se como um estudo exploratório, visando levantar informações que possam evidenciar a existência de situações que demonstrativas de encontrarem-se os professores expostos a situações de violência, 13

14 dentro da escola e no seu entorno, bem como evidenciar algumas das particularidades desse tipo de violência e discutir suas implicações no trabalho docente. Sendo um estudo exploratório, o que se pretendeu foi sistematizar algumas informações sobre essa realidade do trabalho dos professores sob as condições reinantes de violência na escola, que possam se constituir como fontes essenciais para se pensar em pesquisas futuras mais abrangentes e que permitam desvelar como se tem dado a interferência da violência, presente nas escolas, no trabalho cotidiano do professor, impondo limites à sua competência no cumprimento de suas atividades fins, e que possibilitem também verificar se a profissão docente é, na atualidade, uma profissão de risco. 2.2) Os Objetivos da Pesquisa Tendo em vista a redução do tempo da pesquisa para apenas um ano e de duração e da equipe de pesquisa a ser constituída apenas pelo pesquisador responsável e um aluno bolsista, os objetivos priorizados foram: 1 Procurar identificar, na literatura que discute os problemas da profissão docente na atualidade, como é abordada a questão da violência contra o professor; 2 Procurar identificar, em periódicos destinados à classe docente da educação fundamental, como a questão da violência na escola é apresenta aos professores. 3 Levantar, nos anais das Reuniões Anuais da ANPEd, realizadas entre 2000 e 2005, a presença do tema Violência contra os professores e verificar o recorte dado ao tema; 4 Levantar e sistematizar as informações veiculadas na imprensa, em Belo Horizonte, no período de janeiro de 2000 a dezembro de 2005, sobre a violência na escola e contra os professores; 14

15 5 levantar o registro de ocorrências sobre violência contra professores, nos departamentos de educação nas regionais administrativas da prefeitura de Belo Horizonte e identificar quais procedimentos são adotados para essas situações 9, 6 levantar o registro de ocorrências, sobre violência contra professores em Belo Horizonte, nas corporações da polícia militar e civil, verificar o registro estatístico da situação e identificar quais os procedimentos são adotados para estas situações 10 ; 7 Através de entrevistas com diretores de escola buscar evidenciar e entender as condições em que se encontra o ambiente escolar, seja como revelador de um clima social de violência ou seja como revelador de um clima que lida de forma preventiva em relação a ela. 8 Através dessas entrevistas, procurar averiguar, também, de que forma a escola e os professores têm se portado diante do quadro crescente de violência no seu entorno e no seu próprio ambiente físico. 2.3) A Metodologia utilizada: A dimensão desta pesquisa sobre as implicações da violência no trabalho do professor impôs a opção metodológica por uma investigação de cunho qualitativo. A escolha dessa abordagem metodológica deve ser aquela que é capaz de proporcionar uma visão do contexto, no qual as questões da pesquisa se fazem presentes e, também, devido ao seu estatuto atual nas pesquisas no campo da educação objetivando conhecer o universo escolar em todas as suas nuanças (Zago, et al., 2003). Nestas, a ênfase tem sido colocada na busca de esclarecimento das situações envolvidas 9 - Essa etapa não pode ser desenvolvida como planejado devido a obstáculos apresentados para obtenção das informações. Essa dificuldade será explicitada na apresentação da pesquisa ao ser em relatadas o tipo de informação a que tivemos acesso e suas limitações. 10 Essa etapa não pode ser desenvolvida como planejado devido a obstáculos apresentados para obtenção das informações. Essa dificuldade será explicitada na apresentação da pesquisa ao relatar o tipo de informação obtida a que tivemos acesso bem como as estratégias usadas para conseguirmos informações sobre o quadro geral da violência na escola. 15

16 na questão ou nas questões de investigação. Essa tentativa de esclarecer os significados das particularidades presentes na situação investigada revela quais são as estruturas sociais que se encontram presentes naquela situação e que possibilidades podem ser interpretadas e esclarecidas. A principal característica da pesquisa qualitativa está no fato de que a fonte direta dos dados ou informações necessárias para elucidação do objeto de investigação se apresenta no contexto onde ele deve ser compreendido. Isso exige que o investigador se utilize de diferentes instrumentos de recolha de dados, sendo recomendado que a busca de compreensão do objeto de pesquisa se fundamente na análise de documentos e de literatura sobre pesquisas anteriores. Entrevistas e observação do contexto onde se enquadra o tema são instrumentos essenciais.(bogdan e Biklen, 1994; Goldenberg, 1998; Becker 1997) e, em algumas pesquisas, são insubstituíveis. A pesquisa qualitativa, hoje, assume relevância inquestionável na pesquisa em educação tendo superado as posições vigentes nos anos 1960/70 quando se acreditava que os fenômenos educacionais deveriam ser explicados, sobretudo, através de pesquisas quantitativas e analíticas. O fluxo linear desse tipo de pesquisa não atende às necessidades dos pesquisadores de situações educacionais situadas dentro da escola uma vez que, o que ocorre na área da educação pede explicações de situações multifacetadas que agem e interagem ao mesmo tempo. Essa dinâmica, portanto, devido à sua complexidade, exige da pesquisa a ampla flexibilidade metodológica, outra qualidade presente na pesquisa qualitativa ( Zago, et.al, 2003; Vilela, 2003). Essa flexibilidade permite ao investigador poder redimensionar, a todo instante, os processos de busca de dados e poder buscar, sempre que necessário, aportes teóricos para avaliar a situação de pesquisa garantindo sua continuidade. As características mais evidentes da pesquisa qualitativa são: - As interpretações elaboradas, a partir de pesquisas qualitativas, são indutivas. Os pesquisadores não recolhem dados ou provas para confirmar ou rejeitar hipóteses pré-estabelecidas sobre o objeto investigado. Eles fazem construções explicativas enquanto pesquisam, à medida que os dados particulares e recolhidos vão se agrupando num processo de construção de inter-relações. 16

17 - Os resultados ou as evidências reveladas, a partir desse processo indutivo, não têm a finalidade de se tornar uma lei explicativa, em termos de causa e efeito, do objeto analisado. Como resultado final, considera-se que foi detectado o que é mais importante ou algo que tem uma importância particular na explicação do objeto ou fenômeno estudado. Os pesquisadores qualitativos consideram que descobrir as perspectivas, os significados atribuídos socialmente aos fenômenos estudados são mais importantes do que a generalização dos resultados obtidos. - O processo de construção de conhecimento sobre uma questão social importante, ou sobre grupos sociais, é operado numa forma de diálogo entre os investigadores e seu tema ou objeto de pesquisa, com apoio em literatura sistematizada sobre o tema ou objeto de pesquisa. A opção metodológica teve implicações no desenrolar da investigação, criando possibilidades para reformulação de etapas previstas, diante de situações concretas que emergiram no processo de pesquisa, tanto as relativas aos impedimentos para acesso a dados desejáveis e previstos, quanto as relativas às soluções buscadas para contornar os obstáculos. O desenvolvimento da pesquisa comprovou algumas dificuldades e, de forma particular, evidenciou problemas decorrentes do tema da pesquisa ser focado na violência em escolas. Essas situações serão evidenciadas ao longo da apresenrtação da pesquisa 11. III) A Pesquisa Realizada: suas evidencias e questões apontadas A pesquisa realizada possibilitou levantar e analisar a discussão existente sobre problemas da profissão docente na atualidade e verificar, em trabalho de campo, como é abordada a situação do professor no quadro atual de violência na escola. Assim, foi 11 Tentando manter a fidelidade à abordagem qualitativa, as dificuldades de acesso aos dados, de acordo com o planejado ou desejado, foram contornadas com estratégias para obtenção de informações aproximadas que garantissem a discussão do tema. Assim, optamos por relatar as dificuldades no momento de apresentar as evidências obtidas esclarecendo o que se buscava inicialmente e o que foi obtido. 17

18 possível desvelar algumas situações de como se tem dado a interferência da violência, presente nas escolas, no trabalho cotidiano do professor, impondo limites à sua competência no cumprimento de suas atividades fins. Foi possível trazer à tona, através de levantamentos de registro de incidências de violência nas escola em dois jornais de Belo Horizonte, com ampla circulação; da verificação, em duas escolas da capital sobre sua realidade de violência e sobre suas formas de enfrentamento das situações envolvendo professores; de entrevistas com duas diretoras de escola, com dois policiais e com um membro de equipe de apoio a escolas municipais, elementos importantes para responder às questões propostas na pesquisa. Além disso, através de informações complementares obtidas de policiais do efetivo policial de atendimento às escolas e junto a outros setores que detinham conhecimento a respeito da situação 12, foi possível construir algumas aproximações sobre as particularidades dos processos vividos nas escolas e das possíveis formas de lidar com essa violência, centralizada no ambiente escolar, contra seus atores e, praticada por parte deles. 3.1) O trabalho do professor e a violência na escola: questões atuais da profissão docente Na sua primeira etapa, a pesquisa visou verificar, numa literatura pré-selecionada, o que é abordado sobre as implicações da violência da escola nas condições de trabalho dos professores. Essa revisão mostrou que, partir dos anos 1980, as pesquisas sobre a profissão docente revelam novas tendências. Até o final da década anterior, essas pesquisas contemplaram situações formais sobre o trabalho docente, decorrentes de formas de gestão e de organização do processo de trabalho na escola e sobre modelos ou processos de qualificação inicial e continuada. Muitas delas tinham metas políticas claras, visando criticar ou sustentar programas ou cursos de formação inicial ou de aperfeiçoamento de professores. Do final dos anos 80 à atualidade, desenvolvem-se os estudos de contornos especiais da ocupação. Essa nova produção procura desvendar a 12 Atividades de coleta de informações que não foram planejadas mas se tornaram viáveis dentro da flexibilidade da metodologia da pesquisa. 18

19 natureza do trabalho docente, os processos de profissionalização, os aspectos particulares da vida sócio-cultural dos profissionais, a cultura escolar e as particularidades da vida das instituições e da sala de aula como sendo definidores do como ser e do como agir como professor. Mas a violência na escola e suas implicações na profissão docente permaneceu um tema particamente ausente (Cabrera e Jaen, 1999; Perkin, 1993; Serbino,1998; Barbosa,2003; Pendry, 1990). Devido a isso nossa iniciativa foi procurar localizar uma produção sistematizada sobre problemas ou sobre uma possível indicação de crise na profissão docente. Interessava levantar como a presença da situação de violência na sociedade repercutia no debate das dimensões da crise da profissão docente. Interessava, também, verificar como esses problemas eram abordados em estudos voltados para a busca de entendimento dos problemas da profissão docente. Identificamos quatro perspectivas de discussão desses problemas: os estudos da OIT ( Organização Internacional do Trabalho) sobre a profissão docente como categoria profissional que está afeta a problemas; estudos sobre adoecimento dos professores; os estudos sobre o mal estar docente e as pesquisas recentes sobre a síndrome de burnout em professores, esta última focada no Brasil ) Os Relatórios da OIT sobre a Profissão Docente: compreender a profissão docente nas atuais condições de trabalho na sociedade Estudos realizados pela Organização Internacional do Trabalho, assinalam que, desde 1957, tem sido abordada a situação de comprometimento do trabalho dos professores relacionada com situações particulares do exercício profissional, no quadro de mudanças sociais mais gerais e abrangentes. A referencia a estes estudos, registrada numa publicação posterior da OIT ( Oit, 1991, p.123) revela que é longa a suposição de existência de situações de desgaste do professor que poderiam estar associadas não só ao excesso de alunos em sala de aula, mas a outras influências da jornada e das condições gerais de trabalho, acrescidas da condição de enfrentamento do professor de questões de ordem social e econômica, tais como desprestígio da profissão e a exposição a situações da vida social moderna, consideradas estressantes. 19

20 Nos relatórios subseqüentes sobre o trabalho de professores, divulgados pela OIT em 1981, 1984 e 1991, são explicitados resultados de levantamentos, realizados em diferentes países, que indicam o desgaste dos profissionais, a propensão a exposição contínua a situação de stress, a partir de algumas variáveis como: volume e intensidade do trabalho docente; situações impostas para a carreira, tais como avaliações de desempenho e concursos para cargos de progressão funcional ou de salários; embates da carreira docente como classe profissional; modificações no status social da profissão decorrentes de perdas salariais e de significado social da profissão; modificações nas exigências de jornada de trabalho e de indicadores de competência decorrentes de modificações no trabalho do professor como conseqüências de novas situações sociais ( tais como aumento de número de alunos em classe, perda de autonomia no trabalho e desgaste da relação professor aluno), assim como indicação de quadro de doenças profissionais a que estão mais propensos os professores. Os três relatórios divulgados pela OIT sobre as condições de trabalho dos professores oferecem assim, um conhecimento sistematizado da profissão docente frente às condições degradantes na vida social no final do seculo XX (OIT. Empleo y Condiciones de trabajo Del personal docente. Ginebra. Oficina Internacional del trabajo. 1981;OIT. La situacion del personal docente. Ginebra. Oficina Internacional del trabajo. 1984; OIT. Personal docente: los retos del decenio de Ginebra. Oficina Internacional del trabajo. 1991). Estes estudos, entretanto, desenvolvidos segundo a perspectiva da Sociologia do Trabalho, foram realizados sob as mesmas dimensões dos estudos que investigam outros grupos profissionais, procurando relacionar situações particulares de saúde e doença com as características do trabalho. Eles possibilitam concluir, de um modo geral, através dos perfis confeccionados para os professores e das características da profissão, que o grupo profissional está sujeito, como muitas outras categorias ocupacionais, a stress e adoecimento decorrentes da degradação da qualidade da vida profissional, que estaria associada com a queda de outros indicadores de qualidade de vida da população, em geral. Os relatórios não contemplam dimensões do trabalho docente sob as condições de adversidade social e violência na escola ) Estudos sobre adoecimento dos professores 20

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

OS DESAFIOS DA FUNÇÃO DOCENTE NA ESCOLA DE HOJE

OS DESAFIOS DA FUNÇÃO DOCENTE NA ESCOLA DE HOJE OS DESAFIOS DA FUNÇÃO DOCENTE NA ESCOLA DE HOJE RESUMO Lourdes Keila Casado Pulucena 1 Lucieni Vaz dos Santos 2 Rosana Maria dos Anjos 3 Devido às mudanças trazidas à sociedade humana nos últimos tempos

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA

EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA BR/2001/PI/H/4 EDUCAÇÃO PARA TODOS DECLARAÇÃO DE COCHABAMBA Os Ministros da Educação da América Latina e do Caribe, reunidos a pedido da UNESCO, na VII Sessão do Comitê Intergovernamental Regional do Projeto

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT:

JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, CARRANO, GT: JUVENTUDE E PARTICIPAÇÃO: ANÁLISE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DIRIGIDAS AOS JOVENS NA CIDADE DE NITERÓI BASTOS, Priscila da Cunha UFF CARRANO, Paulo Cesar Rodrigues UFF GT: Movimentos Sociais e Educação

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação 1 Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo Temática: Valorização das/dos profissionais de educação Maria Malta Campos Introdução Há um paradoxo, já reconhecido

Leia mais

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas Maria Izabel Azevedo Noronha Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas SEGUNDO PESQUISA, VIOLÊNCIA EM ESCOLAS DE SP ATINGE 4 EM 10 PROFESSORES E REVELA QUE MAIS DA METADE CONSIDERA SUA

Leia mais

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES

PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES PEDAGOGIA DE PROJETOS MANUAL DE ORIENTAÇÕES 1 APRESENTAÇÃO Educadores(as) da Faculdade Canção Nova, Este Manual tem o propósito de aprimorar a aplicação da Pedagogia de Projetos nos períodos previstos

Leia mais

PROFESSORES APOSENTADOS: QUAIS OS MOTIVOS DO RETORNO À DOCÊNCIA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO?

PROFESSORES APOSENTADOS: QUAIS OS MOTIVOS DO RETORNO À DOCÊNCIA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO? 1 PROFESSORES APOSENTADOS: QUAIS OS MOTIVOS DO RETORNO À DOCÊNCIA NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO? A aposentadoria marca o final da vida profissional. Para alguns ela pode significar a conclusão de toda uma

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: SABERES E PRÁTICAS INTERDISCIPLINARES 1 Luciane Rodrigues de Bitencourt- UPF/Brasil 2 Clóvia Marozzin Mistura UPF/Brasil 3 Luiz Marcelo Darroz UPF/Brasil

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS

RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS RELEMBRANDO OS FÓRUNS DE EJA RJ: PERSPECTIVAS ATUAIS PRISCILA NUNES FRANÇA DE OLIVEIRA (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO), CARLA TATIANA MUNIZ SOUTO MAIOR (UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO).

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1

Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 DECLARAÇÃO NACIONAL DO PARLAMENTO JUVENIL DO MERCOSUL Brasília, Brasil 14-16 setembro de 2010 Grupos 1 e 2 Tema: Inclusão Educativa Agenda dos Adolescentes Brasileiros 1 Exclusão de estudantes com deficiência

Leia mais

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE

MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA DE TEMAS LIGADOS A SUSTENTABILIDADE 1 PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Programa de Bolsa Institucional de Ensino e Aprendizagem Submodalidade Ensino Licenciatura em Matemática (Turno Noturno) MODELAGEM NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: ABORDAGEM CRÍTICA

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

RAMONA SOULIMÁ VIEIRA MASSAFERA

RAMONA SOULIMÁ VIEIRA MASSAFERA RAMONA SOULIMÁ VIEIRA MASSAFERA O FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO (FUNDEB) E O ENSINO DA CIDADANIA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DO DISTRITO

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA INGLESA: UM OLHAR SOBRE SUAS PRÁTICAS DOCENTES

Leia mais

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien.

JUSTIFICATIVA. Grupo de Pesquisa: GEPEL - Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação e Ludicidade. 1 Composição de Guilherme Arantes e Jon Lucien. A LUDICIDADE COMO CAMINHO PARA A RESILIÊNCIA EM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL EM SITUAÇÃO DE ESTRESSE OCUPACIONAL PEREIRA, Fernanda Almeida UFBA GT-04: Didática Resumo Atualmente, no Brasil, estudos

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014)

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) MAINARDI, DIVA MARIA DE OLIVEIRA História e Filosofia da Educação Doutoranda Orientador: Prof. Dr. Cesar Romero Amaral

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: POLÍTICAS E PRÁTICAS CURRICULARES, COTIDIANO E CULTURA CURRÍCULO: POLÍTICAS E PRÁTICAS

EDUCAÇÃO ESCOLAR: POLÍTICAS E PRÁTICAS CURRICULARES, COTIDIANO E CULTURA CURRÍCULO: POLÍTICAS E PRÁTICAS EDUCAÇÃO ESCOLAR: POLÍTICAS E PRÁTICAS CURRICULARES, COTIDIANO E CULTURA CURRÍCULO: POLÍTICAS E PRÁTICAS 1 Profª Maria Inez Salgado de Souza Profª Rita Amélia Teixeira Vilela PPGE-PUCMinas Introdução:

Leia mais

O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: NOVOS OLHARES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM EJA.

O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: NOVOS OLHARES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM EJA. O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA E A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: NOVOS OLHARES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE EM EJA. Regina Magna Bonifácio de ARAÚJO Professora e pesquisadora da

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO

CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO CONCEPÇÃO DE CURRÍCULO EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA: UM ESTUDO DE CASO VAITEKA, SANDRA; FERNANDEZ, CARMEN Instituto de Química da Universidade de São Paulo, Brasil; Programa de Pós Graduação Interunidades

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA.

EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA. EDUCAR PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS: CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROPOSTA DO PROGRAMA EDUCACIONAL DE RESISTÊNCIA ÀS DROGAS E À VIOLÊNCIA. Luciano Blasius 1 lucianoblasius@yahoo.com.br Araci Asinelli-Luz 2 asinelli@ufpr.br

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

O ALUNO, A ESCOLA, O PROFESSOR: RELAÇÕES DO APRENDER

O ALUNO, A ESCOLA, O PROFESSOR: RELAÇÕES DO APRENDER 23 O ALUNO, A ESCOLA, O PROFESSOR: RELAÇÕES DO APRENDER OLIVEIRA-SILVA, Janaina 1 Resumo: Neste artigo abordamos a relação entre três aspectos fundamentais na constituição escolar: o aluno, a escola e

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). ENVELHECIMENTO COMPARTILHADO: PARTICIPAÇÃO DE IDOSAS NO GRUPO DE CONVIVÊNCIA DA COMUNIDADE NOVA PANTANAL Juliana Santos Graciani e Nadia Dumara Ruiz Silveira Pontifícia Universidade Católica- PUC, São

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANÍBAL FERNANDES

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012 EREM ANÍBAL FERNANDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA FRANCISCO DE ASSIS DO NASCIMENTO RITA DE CÁSSIA GUEDES LIMA RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE NOVEMBRO DE 2012

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN)

OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN) OS USOS DA HISTÓRIA NO ENSINO DE MATEMÁTICA EM MOSSORÓ (RN) Resumo: Muitas são as pesquisas que nos mostram a importância do uso da história no ensino de matemática, observamos a necessidade de saber se

Leia mais

O Trabalho Coletivo na Escola

O Trabalho Coletivo na Escola O Trabalho Coletivo na Escola Profa. Dra. Myrtes Alonso 1. A gestão da escola: uma relação pedagógico-administrativa Antes de ingressarmos propriamente no tema enunciado, devemos ter bem claro os modernos

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais