O JORNAL NA SALA DE AULA: UM RECURSO DIDÁTICO POTENCIALIZADOR DOS TEMAS TRANSVERSAIS PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O JORNAL NA SALA DE AULA: UM RECURSO DIDÁTICO POTENCIALIZADOR DOS TEMAS TRANSVERSAIS PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO"

Transcrição

1 O JORNAL NA SALA DE AULA: UM RECURSO DIDÁTICO POTENCIALIZADOR DOS TEMAS TRANSVERSAIS PARA ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO RODRIGUES, Marcio de Oliveira Mestrando em Educação/PUCPR VOSGERAU, Dilmeire Sant Anna Ramos Profa. Mestrado em Educação/PUCPR Resumo: Este artigo tem como finalidade relatar a primeira fase de uma pesquisa sobre a integração do jornal na sala de aula. Ele apresenta uma discussão de como o jornal na sala de aula poderia estar associado aos temas transversais dos Parâmetros Curriculares Nacionais e como as empresas de comunicação voltadas à produção de mídia impressa diária se esforçam para tentar formar os professores para essa integração, através do Programa Jornal e Educação. Neste momento da pesquisa, procuramos desvendar o trabalho independente de professores da rede estadual de ensino do Paraná, que se utilizam da técnica do uso do jornal, e através desta técnica acabam por inserir os temas transversais no cotidiano escolar, aproximando a escola do mundo real, ajudando os alunos a se aproximarem da realidade do entorno da escola e do mundo à sua volta, otimizando ainda os materiais didáticos tradicionais, ao acrescentar o jornal como instrumento pedagógico. Neste trabalho, argumenta-se ainda que os temas transversais dos PCNs, são um caminho para que os alunos possam se inserir na vida nacional, ganhando respeito de todos na medida em que se reconheçam como cidadãos. Ao cumprir esta função, a escola está respondendo aos anseios de uma sociedade que tem buscado, nas últimas décadas, reforçar a igualdade entre os atores sociais, independente de sua condição sócio-econônica e cultura. O objetivo desta pesquisa é mostrar que os temas transversais dos PCNs são melhor trabalhados e ganham o respaldo da sala de aula quando o professor domina a técnica de utilizar o jornal como instrumento pedagógico. Palavras-chave: jornal, temas transversais, cidadania, contexto real e escola. Introdução Em 1997, o Ministério da Educação lançou uma série de cadernos de orientação aos professores, denominados Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Estes volumes, tinham como propósito, criar um leque de opções aos profissionais de ensino para que estes pudessem cumprir sua função de adequar a vida dos alunos à realidade à sua volta. Não apenas isso. A função dos PCNs era firmar um modelo de atuação, que obrigasse o professor a levar para dentro da sala de aula a realidade à sua volta. Afinal, a escola não pode se isolar do mundo, estabelecer critérios e continuar a adotar a postura positivista, de estancar compartimentos de conhecimento, como eram há poucos anos atrás as disciplinas - na aula de português não se falava em matemática, que não abordava educação física que jamais quis ouvir falar de geografia e assim por diante. Uma maneira de fomentar o desenvolvimento da educação, por meio dos PCNs, seria levar para dentro da sala de aula o jornal. Meio de comunicação versátil e atual, a mídia impressa diária é uma maneira de aproximar os alunos da realidade. Assim, encurtamos a lacuna que existe entre os livros didáticos, as apostilas e outros recursos usuais, que demoram ao menos um ano para serem renovados, da realidade à nossa volta. Não que o jornal seja um instrumento perfeito. Ele contém em suas edições, independente do tamanho (seja em número de exemplares ou área de abrangência), importância ou grau de penetração, informações

2 tendenciosas, falhas de gramática e às vezes até mesmo erros de concordância, além de uma série de outros defeitos. Mas, em nossa maneira de entender, é até positivo que isso seja exposto aos futuros cidadãos, pois, através de sua leitura diária, eles vão poder entender o que estes veículos, e até mesmo outros, carregam defeitos e vícios que eles encontrarão no mundo à sua volta, em suas relações individuais e coletivas ao longo de suas vidas. A formação do cidadão pelo jornal Trabalhar o jornal na sala de aula, se transformou numa ação relativamente comum e, em certo grau, bem desenvolvida. Professores e educadores têm à sua disposição uma série de instrumentos para viabilizar esta prática. Programas desenvolvidos por empresas jornalísticas e secretarias de educação (nas esferas municipal e estadual), ações individuais de professores que se encantaram pela técnica, e exemplos de atividades semelhantes, que podem ser encontradas na web, fazem do jornal um instrumento desconstruído e de fácil manuseio para os professores dos ensinos fundamentais e médio. Mas se nossa pesquisa inicial, era apenas a inclusão do jornal na sala de aula, hoje podemos dizer que encontramos um caminho mais específico para isso, como o entrelaçamento entre o jornal e o desenvolvimento de temas transversais. Qual seria então, o papel de colocar, dentro de uma sala de aula, um veículo de comunicação de massa? Com que objetivo deveríamos fazer uma prática que deveria ser corriqueira para muitos professores brasileiros, transformar-se num desafio cotidiano? Podemos começar a responder essas questões, primeiro pelo fato de a nossa escola, em geral, ser muito criticada por seu distanciamento da realidade (seria verdadeira essa afirmação?). Segundo porque, com a utilização de um "multiplicador de cidadania", como é o caso do jornal, instrumento que nos leva a questionar o cotidiano à nossa volta, conhecer a realidade mais de perto e interagir com mais consciência com as pessoas, para que possamos alcançar algo que ficou latente quando o Brasil foi redemocratizado em 1988, ao ser proclamada a "Constituição Cidadã", onde foram abertos várias vias para que o País se desenvolvesse, mas que, pela falta de regulamentação, ou pela ausência de vontade política, fica-se adiando o momento certo de se alcançar esta tão esperada "igualdade de direitos e oportunidades entre as pessoas". Foi a partir da Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 1988, que nós brasileiros tivemos pela primeira vez, colocado num papel com a força de Lei, que os três poderes constituídos, qual sejam o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, se transformaram em instrumentos de garantias sociais e não fins em si mesmos. Estes três poderes, existem para garantir os direitos sociais e individuais. "Os fundamentos do Estado democrático de direito são: a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa, o pluralismo político (artigo 1.º da Constituição Federal)." A razão pela qual, depois de tantos anos de exceção, os homens designados pelo poder do povo (que emana do povo) que depositou nas urnas suas esperanças de mudança escreveram uma Lei onde há o privilégio a favor de "construir uma sociedade livre, justa e solidária... erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação" (artigo 3.º da Constituição Federal), se deve à necessidade de conquistarmos,

3 coletivamente, uma nação mais justa. Longe de ser, através da força da Lei, expressão da realidade, essas diretrizes se tornaram fundamentos e princípios norteadores de metas a serem alcançadas. "Sabe-se da distância entre as formulações legais e suas aplicações, e da distância entre aquelas e a consciência e a prática dos direitos por parte dos cidadãos. O fundamento da sociedade democrática é a constituição e o reconhecimento de sujeitos de direito." (PCNs, Introdução) Porém, a definição de quem é ou deve ser reconhecido como sujeito de direito (quem tem direito a ter direitos) é social e histórica e recebeu diferentes respostas no tempo e nas diferentes sociedades. Direitos humanos são direitos essencialmente coletivos, como o direto à paz e a um ambiente saudável. Assim, a cidadania deve ser compreendida como produto de histórias sociais protagonizadas pelos grupos sociais. É neste sentido, que o jornal pode e deve ser utilizado como instrumento de fomento da cidadania. O homem que conhece sua realidade e a sociedade onde vive e convive, tem outro parâmetro para analisar o mundo à sua volta. Para tanto, esta pesquisa se destina a tentar desvendar, no seu principal momento, em que medida o trabalho que está sendo desenvolvido do uso de jornal na sala de aula, visando os temas transversais, altera o modo como os alunos encaram sua realidade e se posicionam como cidadãos? A Pedagogia e a Integração do Jornal Mesmo não fixando a inclusão do jornal em sala de aula a uma abordagem específica, supomos que esta prática, se bem planejada, poderia favorecer algumas abordagens centradas na aprendizagem como as freqüentemente citadas em formações continuadas de professores, tais como: a abordagem Construtivista de Piaget (1974), a Pedagogia Inclusiva de Freire (FREIRE e FAUNDEZ, 1988), Aprendizagem por projetos de Dewey (1952) e a Educação pelo Trabalho proposta por Freinet (1976), entre outras. A abordagem construtivista (PIAGET, 1974), nos leva a reconhecer os jovens, em idade escolar, como passíveis de receber esta carga de desafio: eles estão preparados desde o nível mais primitivo da existência, caracterizado por trocas bioquímicas até o nível das trocas simbólicas", acreditamos ser o jornal uma alternativa para construção do conhecimento. No caso do socioconstrutivismo, no jornal (como instrumento) podemos encontrar elementos capazes de auxiliar a ativação das três dimensões que, segundo Jonnaert citado por Vosgerau (2002), influenciam a construção do conhecimento: a dimensão construtivista a sua construção individual do conhecimento devido aos processos metacognitivos; a dimensão interativa o conhecimento produzido pela interação entre o aprendiz e o facilitador, normalmente em situação de ensino-aprendizagem; dimensão social a troca realizada fora do âmbito educacional. Na Pedagogia Inclusiva proposta por Freire (FREIRE e FAUNDEZ, 1988), privilegia-se a pergunta como o

4 ponto de partida para o aprender a aprender. E o noticiário diário está recheado de temas e assuntos do mundo à sua volta. No caso da Aprendizagem por Projetos, o jornal poderia ser o instrumento para aproximar realidade à sala de aula, apresentando ao aluno o mundo conforme ele é. O jornal como uma tecnologia da informação e comunicação, apresenta: potencial para tornar a educação mais significativa, mas desde que seja dada oportunidade aos alunos de se envolverem em atividades significativas e autênticas e/ou responder a desafios e problemas. Devem, portanto, constituírem-se ferramenta ao serviço do processo de ensino-aprendizagem e instrumento que propicia resolver problemas e desenvolver projetos, favorecendo a articulação entre diversas áreas do conhecimento e proporcionando a produção de novos conhecimentos. (RAZERA, 2004, p.1) Na Educação para o trabalho proposta por Freinet (1976), o autor desconfia da realização da escola tradicional. Um de seus passos foi criar (como precursor) um jornal produzido pelos alunos, para estreitar os laços entre eles e o entorno da escola (pais, professores e colaboradores). Ou seja, foi Freinet quem primeiro compôs a teia que liga o mundo real ao banco escolar. A escola poderá fazer muito isso. Mas ser-lhe-á necessário antes conhecer e julgar à sua medida esse presente e esse passado, descobrir aquilo que eles trazem em si de dinâmico e de construtivo, e fazer surgir também as grandes linhas de vida, as essenciais forças subterrâneas que serão as alavancas indispensáveis para as criações que se impõem. Duas tarefas igualmente urgentes a realizar com método, mas também com a noção exata da nossa humildade, das nossas fraquezas e das nossas grandezas. (Freinet, 1976, p. 69) Partindo destas proposições, pensamos ser possível a construção de conhecimento a partir da utilização do jornal na sala de aula. Não apenas isso, mas também dar sentido ao que foi proposto quando foram criados os Parâmetros Curriculares Nacionais, como uma maneira de produzir cidadania a todos os alunos, independente de suas condições sócio-econômicas e culturais. Neste sentido, contamos hoje em dia, no Brasil, com instrumentos legais para aproximar teoria e prática, como a Lei /2003 de Santa Catarina, por exemplo, na qual foi instituído o Programa Leitura de Jornais e Revistas em Sala de Aula, como atividade multidisciplinar, integrando a grade curricular. Logicamente, que devemos levar em consideração que os trâmites burocráticos fazem com que estes dispositivos legais não tenham uma aplicação imediata - a Lei acima citada ainda não recebeu uma complementação para virar prática, por parte da Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina. Todavia, é importante ponderar que a Associação Nacional de Jornais (ANJ, 2005) desenvolve o Programa Jornal e Educação, trabalho que versa sobre as experiências de procedimentos para o uso do jornal na sala de aula, de viés fundamental nesta pesquisa. A entidade ANJ disponibiliza um importante atalho para que os professores se sintam apoiados neste tipo de ação de ensino-aprendizagem, pois entidade desenvolve o Programa, o qual auxilia professores a desenvolverem o uso do jornal em sala de aula, e incentiva as empresas associadas que ainda não possuem seus programas, a criá-los. Observando estas informações, nos propomos a analisar, dentro do limite proposto por esta pesquisa quando definiu suas fontes de coleta de dados, descobrir qual o melhor caminho para transformar o uso do jornal na sala de aula num multiplicador da cidadania, por meio da discussão dos temas transversais pelos alunos que integram essa verificação científica.

5 Considerações Finais Suprir os anseios da Nação, não é coisa para se realizar no período de uma gestão, desta nossa relativamente recente e ainda defeituosa democracia. A cada quatro anos, alteram-se os detentores do poder. Os políticos recebem do povo, uma série de tarefas. A maior de todas é fazer com que cada brasileiro se transforme num cidadão. A educação é uma função meio desta missão e não pode fugir de sua responsabilidade. Diariamente, nos vemos diante de problemas em nossas escolas. Mas é chegada a hora de se tomar uma atitude propositiva: os problemas existem, são muitos, mas não podemos deixar que eles nos vençam. É preciso vencê-los, tomando como base a ação. O jornal na sala de aula eleva um simples veículo de comunicação de massa à condição de instrumento pedagógico. Essa técnica ou ação, faz parte do cotidiano em vários países desenvolvidos. Pode também se tornar uma ação corriqueira na educação do Brasil O jornal é um produto de nosso cotidiano. Como produto, tem seus prós e contras. Mas, se tem defeitos, tem vantagens em relação a outros instrumentos didáticos: sua celeridade na condução da informação e sua pluralidade nos temas abordados/contidos. Melhor ainda. Estes defeitos, em caso de bem utilizados pelos professores, podem evidenciar a necessidade de integração dos temas transversais propostos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais. Assim, conseguiríamos alcançar uma nação mais socialmente mais justa e economicamente mais equilibrada. Para finalizar, escolhi uma pequena frase de Celestin Freinet: "Aproximando as crianças dos conhecimentos da comunidade elas podem transformá-los e, assim, modificar a sociedade em que vivem. Esse é um trabalho de cidadania, de democratização do ensino."

6 Referências bibliográficas ANJ Associação Nacion. Conceito do Programa Jornal e Educação, fev, Disponível em: BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais, Constituição da República Federativa do Brasil, DEWEY, John. Experiência e educação: atualidades pedagógicas. São Paulo: Ed. Nacional, FARIA, Maria Alice. O jornal na sala de aula; 11.ª edição - São Paulo: Contexto, FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. 6 ed. São Paulo: Cortez, HAMZE, Amélia. Disponível em: JONNAERT, Philippe. Compétences et sociocontructivisme : Un cadre théorique. Paris: De Boeck & Larcier S.A, LIMA, Gracia Lopes, do Núcleo de Pesquisa em Comunicação e Educação da USP. PIAGET, Jean. O Direito à Educação no Mundo Atual. José Olympio, p. 31. RAZERA, J.C.C. A utilização de recursos telemáticos em projetos de aprendizagem: possibilidades e limites de execução. Edutec - Revista Electrónica de Tecnología Educativa. Num. 18, novembro, Site Web visitado em 15/03/2005: VOSGERAU, D.S.A.R. Reconception d une formation à l intégration des TIC à l enseignement à partir de l analyse d une pratique, de ses fonctionnalités et de ses dysfonctions. Montréal - Canadá, f. Tese (Doutorado) Université de Montréal.

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A INTEGRAÇÃO DO JORNAL NA SALA DE AULA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A INTEGRAÇÃO DO JORNAL NA SALA DE AULA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A INTEGRAÇÃO DO JORNAL NA SALA DE AULA Márcio de Oliveira Rodrigues 1 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Resumo: Neste artigo propomos a discussão de um projeto de

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e

Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das demandas sociais concentração de poder e PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL - PNEF A EDUCAÇÃO FISCAL COMO EXERCÍCIO DE CIDADANIA CONTEXTO Nova ética emergindo de crises mudança no sistema de emprego exclusão/marginalização social aumento das

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014

EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA. Abril / 2014 EDUCAÇÃO FISCAL PARA A CIDADANIA Abril / 2014 Reflexão Inicial Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. (Paulo Freire) Mundo em Crise 30 mil crianças morrem

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA

OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA OS TEMAS TRANSVERSAIS GÊNERO E DIVERSIDADE NAS AULAS DE GEOGRAFIA SILVA, Sueley Luana da Especialista em Geografia do Brasil pela UFG/CAC, aluna do Programa de Mestrado em Geografia/UFG/CAC/Bolsista Capes.

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ

A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ 2 A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ Thais Gama da Silva UFPR Araci Asinelli-Luz - UFPR Resumo: O protagonismo social dos(as) adolescentes

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária

Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Desenvolvimento de Competências Múltiplas e a Formação Geral na Base da Educação Superior Universitária Paulo Gabriel Soledade Nacif, Murilo Silva de Camargo Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

PROJETO LER E PENSAR: O JORNAL EM SALA DE AULA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O APRENDIZADO DA LEITURA E DA ESCRITA.

PROJETO LER E PENSAR: O JORNAL EM SALA DE AULA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O APRENDIZADO DA LEITURA E DA ESCRITA. PROJETO LER E PENSAR: O JORNAL EM SALA DE AULA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O APRENDIZADO DA LEITURA E DA ESCRITA. MARY NATSUE OGAWA (SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CURITIBA), KATIA SANTOS LIMA (SCRETARIA

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA 3. O tema: Capacitação e formação continuada como ingredientes indispensáveis ao sucesso do profissional da educação. A exposição e a defesa das ideias do autor do texto

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Ministério Público do Trabalho

Ministério Público do Trabalho Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional do Trabalho da Nona Região www.prt9.mpt.gov.br A realidade Fundamentos Jurídicos Declaração Universal dos Direitos do Homem, que diz que o reconhecimento

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS *

DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * DA IMPORTÂNCIA DE SUBSTITUIR A EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESCOLA POR ATIVIDADES FÍSICAS E/ OU ESPORTIVAS REALIZADAS EM ACADEMIAS, CLUBES, ESCOLINHAS * ANEGLEYCE T. RODRIGUES, FERNANDO MASCARENHAS, RÚBIA-MAR NUNES

Leia mais

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia.

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia. DIDÁTICA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE DIREITOS HUMANOS NO COTIDIANO ESCOLAR: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Resumo Aida Maria Monteiro Silva 1 Universidade Federal de Pernambuco A temática da Educação em Direitos

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento do Programa «Pólos Florestais»

Leia mais

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE

CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE CONCURSO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS NA FORMAÇÃO DOCENTE SEGUNDA EDIÇÃO DO PRÊMIO PAULO FREIRE Esta iniciativa objetiva conhecer e compartilhar práticas inovadoras na Formação e Desenvolvimento Profissional

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2009

REQUERIMENTO N o, DE 2009 REQUERIMENTO N o, DE 2009 (Do Sr. WASHINGTON LUIZ) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo ao Ministério da Educação a inclusão de conteúdos de empreendedorismo nos currículos das disciplinas

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem

A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem A colaboração, a investigação e a reflexão contínuas são os pilares que podem sustentar esta aspiração. 2. COMO CONCRETIZAR A MUDANÇA O Projecto Educativo de Escola (PEE) pode constituir um instrumento

Leia mais

Divulgação de Projetos Escolares em Blogs: uma avaliação de sua utilização na disciplina Física

Divulgação de Projetos Escolares em Blogs: uma avaliação de sua utilização na disciplina Física Divulgação de Projetos Escolares em Blogs: uma avaliação de sua utilização na disciplina Física Adriana Oliveira Bernardes adrianaobernardes@uol.com.br UENF (Universidade do Norte Fluminense) Resumo: A

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES

Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES O Ateliê de Idéias é uma organização social, sem fins lucrativos, fundada em 2003, que tem como missão desenvolver

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA.

O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA. O SEU DIA COMO PROFESSOR : UMA ATIVIDADE QUE EXTRAPOLA A SALA DE AULA. Ana Paula Carvalho Nogueira Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. anacarvalhonogueira@gmail.com

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS VIANNA JÚNIOR INTERNET COMO INSTRUMENTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Lúcia Helena de Magalhães 1 Maria Cristina de Oliveira 2 Resumo Este artigo

Leia mais

JOGOS PARA O ENSINO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL E AS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS INCLUINDO ALUNOS CEGOS E SURDOS

JOGOS PARA O ENSINO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL E AS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS INCLUINDO ALUNOS CEGOS E SURDOS JOGOS PARA O ENSINO DO SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL E AS QUATRO OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS INCLUINDO ALUNOS CEGOS E SURDOS José Anderson Ferreira Silva Universidade Estadual de Santa Cruz matematico_anderson@hotmail.com

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO MARIA MAZUR A INFORMÁTICA E A MÍDIA IMPRESSA: COMO ELAS PODEM Prudentópolis 2013 MARIA MAZUR A INFORMÁTICA

Leia mais

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO O ORIENTADOR FRENTE À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIENCIA NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Flávia Fernanda Vasconcelos Alves Faculdades Integradas de Patos FIP flaviavasconcelos.edu@hotmail.com INTRODUÇÃO Observa-se

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais