PATRÍCIA DOS SANTOS AS MANCHETES SENSACIONAIS E O INFOTENIMENTO: UMA ANÁLISE DO JORNAL MEIA HORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PATRÍCIA DOS SANTOS AS MANCHETES SENSACIONAIS E O INFOTENIMENTO: UMA ANÁLISE DO JORNAL MEIA HORA"

Transcrição

1 PATRÍCIA DOS SANTOS AS MANCHETES SENSACIONAIS E O INFOTENIMENTO: UMA ANÁLISE DO JORNAL MEIA HORA Viçosa MG Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV 2013

2 PATRÍCIA DOS SANTOS AS MANCHETES SENSACIONAIS E O INFOTENIMENTO: UMA ANÁLISE DO JORNAL MEIA HORA Monografia apresentada ao Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da Universidade Federal de Viçosa, como requesito parcial para obtenção do título de Bacharel em Jornalismo. Orientadora: Profa. Laene Mucci Daniel. Viçosa MG Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV 2013

3 Universidade Federal de Viçosa Departamento de Comunicação Social Curso de Comunicação Social/ Jornalismo Monografia intitulada As manchetes sensacionais e o infotenimento: Uma análise do jornal Meia Hora, de autoria da estudante Patrícia dos Santos, aprovada pela banca examinadora constituída pelos seguintes professores: Profa. Ms. Laene Mucci Daniel Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV Profa. Ms. Mariana Lopes Bretas Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV Profa. Dra. Mariana Procópio Ramalho Xavier Curso de Comunicação Social/ Jornalismo da UFV Viçosa, 10 de abril de 2013

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente aos meus pais, por todo amor e apoio que eles dedicaram a mim na minha decisão de cursar jornalismo na UFV. Agradeço também às minhas irmãs, que sempre estiveram ao meu lado, mesmo que distantes, com palavras de carinho e de força nos momentos mais difíceis da minha graduação. À minha avó, por ser um exemplo de vida para mim e por ter sempre acreditado no meu potencial, me incentivando a ser uma pessoa cada vez melhor. Aos amigos que fiz em Viçosa, por terem me proporcionado grandes alegrias e momentos inesquecíveis nesta jornada. À professora Laene Mucci, pelas orientações e pelos ótimos conselhos. Aos demais professores, pela minha graduação. Enfim, a todos que contribuíram durante estes quatro anos na minha formação pessoal e profissional. Obrigada!

5 RESUMO O jornalismo de infotenimento se tornou uma das grandes tendências da atualidade graças às mudanças sociais e tecnológicas pelas quais o mundo passou. Atualmente, ele pode ser observado em diversos meios de comunicação, inclusive o impresso. Para exemplificar suas características e formas, escolhemos o jornal carioca Meia Hora como o objeto de estudo desta pesquisa, demonstrando a presença do infotenimento nas capas e manchetes sensacionais de um jornal popular. Assim, também apresentamos como o jornalismo infotenimento pode estar ligado ao jornalismo popular impresso, voltado para as classes C e D, e como ele pode influenciar este público, especificamente. Para atingir tais objetivos, foram feitas tabelas que analisam qualitativamente e quantitativamente as características do Meia Hora, a partir de bases teóricas que conceituam o infotenimento e o jornalismo popular. PALAVRAS-CHAVE: jornalismo de infotenimento; jornalismo popular; impresso; manchetes; humor; sensacionalismo. ABSTRACT The infotainment journalism has become one of today s major trends thanks to the social and technological changes the world has passed through. Currently it can be seen in many media outlets, including newspaper press. To illustrate its features and shapes, Rio s newspaper Meia Hora was chosen as the object of this research, demonstrating the presence of infotainment and sensational headlines on the covers of a popular newspaper. Thus, we also present how infotainment journalism can be connected to the popular printed journalism, facing the social classes C and D, and how it can influence this audience specifically. To achieve these objectives, charts were made to analyze qualitatively and quantitatively the characteristics of Meia Hora, using theoretical bases to conceptualize popular infotainment and journalism. KEY-WORDS: infotainment journalism; popular journalism; newspaper; headlines; humor; tabloid press.

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURAS 1 e 2: Capas dos dias 17/01/2013 e 07/01/2013, página 25 FIGURAS 3 e 4: Capas dos dias 28/10/2008 e 28/07/2010, página 27 FIGURAS 5 e 6: Capas dos dias 19/08/2010 e 20/08/2010, página 28 FIGURA 7: Capa do dia 12/05/2010, página 29 FIGURA 8: Capa do dia 11/01/2013, página 30 FIGURA 9: Ilustração da Zona Óptica Primária, página 31 FIGURA 10: Comentários no Facebook, página 33 FIGURA 11: Capa do dia 15/01/2013, página 35 FIGURA 12: Capa do dia 12/01/2013, página 38 FIGURA 13: Capa do dia 18/01/2013, página 40 FIGURA 14: Capa do dia 03/01/2013, página 42 FIGURAS 15 e 16: Capas dos dias 05/01/2013 e 20/01/2013, página 44 FIGURA 17: Capa do dia 26/01/2013, página 47 FIGURAS 18 e 19: Capas dos dias 04/01/2013 e 28/01/2013, página 51 LISTA DE TABELAS TABELA 1: Disposição dos elementos na capa, página 36 TABELA 2: Tamanho da manchete, página 38 TABELA 3: Valores-notícia do jornalismo popular, página 41 TABELA 4: Capacidade de entretenimento, página 43 TABELA 5: Critérios de presença de entretenimento na manchete, página 46 TABELA 6: Natureza da manchete, página 48 TABELA 7: Conteúdo de infotenimento, página 50

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 8 CAPÍTULO 1: O ENTRETENIMENTO NO JORNALISMO A imprensa popular e o jornalismo de infotenimento Histórico do jornalismo de infotenimento O jornalismo de infotenimento no Brasil CAPÍTULO 2: O JORNAL MEIA HORA As capas do jornal Meia Hora CAPÍTULO 3: CLASSIFICANDO AS CAPAS E AS MANCHETES DO MEIA HORA Classificação quanto à disposição dos elementos na capa Classificação quanto ao tamanho das manchetes Classificação das manchetes pelos valores-notícia do jornalismo popular Classificação por capacidade de entretenimento da manchete Classificação pela presença do entretenimento nas manchetes Classificação quanto à natureza da manchete Classificação pelo conteúdo de infotenimento apresentado nas manchetes CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 59

8 INTRODUÇÃO Não há como ignorar as mudanças pelas quais a sociedade passou, principalmente nos últimos anos, afetando diretamente os hábitos e o modo de viver das pessoas. Atualmente, observa-se que os meios de adquirir informação e diversão podem estar mais interligados do que nunca, pois o entretenimento se tornou um dos principais recursos para atrair o olhar do público no jornalismo. Por isso, analisar e discutir de que forma essas novas tendências vão se assumindo na mídia é essencial para ver os rumos que o jornalismo, brasileiro e mundial, está tomando. Deste modo, escolhemos um jornal impresso e diário, extremamente popular e originário da cidade do Rio de Janeiro, como o objeto de estudo deste trabalho, o jornal Meia Hora. Neste trabalho, partimos do pressuposto de que o Meia Hora pratica o jornalismo popular em suas publicações diárias e procuramos confirmar a hipótese de que há neste veículo características do jornalismo de infotenimento (informação + entretenimento), comprovando a tendência da mídia atual. A idéia é observar também como as características do entretenimento, que estão conquistando cada vez mais espaço nos meios de comunicação, podem ser englobadas em um jornal, sem com que ele perca a sua raiz principal: a de informar e de prestar serviço à população, no caso, carioca. Para isso, utilizamos de bases teóricas que dão embasamento aos argumentos utilizados nas análises e nas considerações finais. Algumas dessas bases são de autoria da Márcia Franz Amaral, que explica os conceitos e caminhos para o jornalismo popular, da autora Fabia Angélica Dejavite, que fala sobre o surgimento e a consolidação do jornalismo de infotenimento na mídia, identificando suas especialidades, e do autor Danilo Angrimani, que especifica o que é o sensacionalismo e como ele pode atuar no jornalismo impresso e diário. Além dessas bases teóricas, também foram utilizados os conhecimentos dos autores José Ferreira Júnior e Antonio Celso Collaro sobre os métodos de diagramação das capas de jornal e o modo como isto pode influenciar na visão que leitor terá do veículo de comunicação. Nas análises deste trabalho, foram utilizadas as manchetes principais das capas do Meia Hora do mês de janeiro, ou seja, do período de 01/01/2013 a 31/01/2013. Em cada uma dessas capas, foi observada, portanto, a manchete principal, que teria o maior poder de atração do olhar dos leitores e o maior grau de importância quanto ao conteúdo; e como essas manchetes se encaixam nos conceitos que foram apresentados sobre o jornalismo popular, o 8

9 jornalismo de infotenimento, sobre a diagramação das capas, e até mesmo, sobre a natureza do conteúdo das manchetes, o qual diz sobre a intenção delas (ser séria ou fazer rir). A partir daí, procuramos mostrar de que forma essas características são trabalhadas para chamar a atenção do público, a fim de garantir as vendas e a sobrevivência do veículo no mercado, e como elas podem influenciar o cotidiano e a qualidade de vida dos seus leitores. Todas as análises foram feitas a partir de tabelas realizadas no programa Excel, que incluem a descrição da manchete analisada, as categorias nas quais ela se encaixa e o total do número de manchetes observadas. Essas tabelas estão disponíveis somente em formato digital no CD-ROM incluso no trabalho, juntamente com as capas em PDF, devido à sua dificuldade de impressão. Os resultados obtidos a partir dessas tabelas foram colocados no decorrer do capítulo 3. Além das análises, traçamos também um histórico do entretenimento no jornalismo mundial e brasileiro para mostrar que desde o início da prática jornalística, esse gênero se fez presente de diversas formas. Atualmente, ele se assume como um dos mais importantes gêneros no jornalismo em geral, isto é, de todos os meios (impresso, audiovisual, digital). Também contextualizamos o início do jornal Meia Hora no mercado, as questões que envolveram o seu surgimento e, até mesmo, a conquista do seu sucesso no Rio de Janeiro, apresentando quais medidas foram tomadas para manter o jornal funcionando e atraindo cada vez mais público. Um importante passo nesta pesquisa foi a realização de uma entrevista com o atual editor-chefe do jornal Meia Hora, Humberto Tziolas, que, desde o início do jornal, esteve presente na redação, assumindo diversos cargos desde então. A partir desta entrevista, foi possível extrair informações valiosas sobre as intenções do veículo e suas opiniões quanto à prática de um jornalismo popular e de um jornalismo de infotenimento. Assim, abordamos assuntos como a importância da utilização do humor e do sensacionalismo nas manchetes, o processo criativo diário das capas do jornal e os objetivos mercadológicos por trás de todas essas decisões, que acabam por influenciar a política editorial do jornal. Através dessa entrevista, tivemos a oportunidade de responder muitas questões sobre o posicionamento do jornal em relação às suas práticas, esclarecendo dúvidas e enriquecendo a pesquisa. Em grande parte das análises, as informações passadas pelo editor foram utilizadas, complementando e, às vezes, contradizendo os resultados obtidos quantitativamente pelas tabelas. Isso foi importante, pois mostra a contradição do que o próprio jornal deseja e tem como ideais e como ele age na prática. 9

10 Durante este trabalho, também foi possível observar como o jornal acredita estar influenciando os seus leitores, em seus hábitos e em seus conhecimentos, e como ele imagina estar fazendo diferença na sociedade em que está inserido, no caso, a cidade do Rio de Janeiro. Através destas opiniões e das análises, foi possível tirar conclusões que irão nos dizer sobre os desejos do jornal Meia Hora (se apresentar ao público como um jornal de qualidade e credibilidade ou como um jornal voltado, principalmente, ao entretenimento e diversão) e sobre o que é o jornalismo de infotenimento na prática, traçando o objetivo principal deste trabalho, que é mostrar, em um veículo impresso de grande circulação, como o infotenimento pode aparecer na parte mais importante de um jornal: a manchete de capa. 10

11 CAPÍTULO 1 O entretenimento no jornalismo O surgimento do entretenimento no jornalismo está intimamente relacionado com o início do sensacionalismo. De acordo com Angrimani (1995), os primeiros registros de notícias sensacionais, que traziam fait divers 1 com histórias fantásticas e fatos curiosos que agradavam a todos, surgiram entre 1560 e 1631 na França, em jornais como o Nouvelles Ordinaires e o Gazette de France. Também há registros de notícias sensacionalistas no primeiro jornal dos Estados Unidos, o Publick Occurrences, em Este jornal, que só teve apenas uma edição, trazia termos coloquiais em suas matérias e, algumas vezes, uma cascata, que significa uma história inventada usada para preencher jornal (ANGRIMANI, 1995). Mas foi a partir do final do século XIX que o gênero sensacionalista conquistou a imprensa. Com as novas tecnologias que aperfeiçoaram as técnicas de impressão e com o aprimoramento do telefone e do telégrafo, foi possível desenvolver novos métodos de produção que facilitaram a publicação de fatos inéditos com uma maior rapidez. Assim, muitos jornais que antes priorizavam temas considerados mais sérios, como política e economia, se transformaram em veículos mais preocupados em dar espaço a assuntos relacionados aos dramas das pessoas comuns, ou seja, daqueles que são os seus leitores diretos (AMARAL, 2006; BARBOSA, 2007). Dejavite (2006) comenta sobre o primeiro jornal que realmente abordou o entretenimento como um fator importante para o jornalismo impresso. Fundado por Benjamim Day, o New York Sun de 1833, se diferenciou dos demais e chamou a atenção de classes menos letradas, abordando temas sensacionais e polêmicos, como assassinatos, crimes, curiosidades, bizarrices, entre outros assuntos. Sua linha editorial era dedicada essencialmente às massas que estavam iniciando sua vida em sociedade, aprendendo a ler e começando a serem incluídas em eventos sociais, após a Revolução Industrial (DEJAVITE, 2006). O New York Sun era um típico penny press 2, ou um jornal de tostão, como é traduzido no Brasil, possuindo o formato de tabloide e trazendo notícias que divertiam e que eram empolgantes para os seus leitores. 1 Fait Divers são notícias que implicam em um acontecimento insólito ou extraordinário, e que seja circunstancial. 2 Penny press eram tabloides sensacionalistas destinados ao público popular e que custavam centavos (penny em inglês). 11

12 Isso demonstra que desde o início da prática jornalística no mundo, temas populares que despertam a curiosidade e o interesse humano, principalmente aqueles que provocam sensações no leitor como horror, choque e diversão, foram bastante explorados para atrair atenção das pessoas e, consequentemente, promover o aumento de vendas destes jornais. Um exemplo disto é a circulação espantosa que o Sun teve quando ele surgiu no cenário comunicacional destoando dos outros jornais que possuíam um caráter editorial mais sério e complexo. Em 1837, o New York Sun distribuía cerca de 30 mil exemplares diariamente pela cidade, número maior que a soma de tiragens de todos os outros jornais diários de Nova York da época (DEJAVITE, 2006). No entanto, Angrimani (1995) lembrou de um ponto histórico onde o jornalismo sensacionalista se tornou ainda mais conhecido. Foi no final do século XIX que também surgiram dois jornais americanos que tiveram grande sucesso de público. São eles o New York World, editado por Joseph Pulitzer, o criador do prêmio de jornalismo mais famoso do mundo, o Pulitzer, e o Morning Journal, editado por William Hearst. Marcados pelo forte sensacionalismo e pela rápida ascensão, os dois jornais concorriam entre si pelo maior número de vendas (chegando a alcançar o número de um milhão de exemplares por dia) e passaram a ser designados como imprensa amarela 3, que aqui no Brasil acabou se transformando na expressão imprensa marrom. Estes dois jornais conseguiram deixar como legado alguns de seus atributos para outros veículos com a mesma proposta editorial que ainda surgiriam, como a tipografia exagerada, com letras garrafais e cores fortes, o uso de muitas imagens e de uma linguagem coloquial que pretendia imitar a oralidade. Já Amaral (2006) acredita que as raízes do jornalismo popular e sensacional, voltado para a massa e com características do entretenimento, estão no melodrama e no folhetim. É a partir das particularidades do melodrama que os jornais reuniram as ferramentas para alcançar e chamar a atenção de um público menos letrado e menos acostumado à leitura. Em sua origem, na França e na Inglaterra do século XVIII, o melodrama é um espetáculo popular com narrativas inspiradas na literatura oral e que precisa render financeiramente. Ou seja, ele lembra a base da política editorial de um jornal sensacionalista e popular. Sua estratégia é o apelo aos sentidos, seguindo uma direção totalmente contrária aos jornais destinados à burguesia da época, onde reinavam ideologias políticas e assuntos complexos. Mas a partir da metade do século XIX, com o desenvolvimento da imprensa, o melodrama se transforma no folhetim e torna-se a peça essencial da industrialização da 3 A imprensa amarela ou imprensa marrom são expressões utilizadas para designar veículos que buscam elevar sua audiência através do exagero ou, até mesmo, da invenção de fatos e acontecimentos. 12

13 imprensa na Europa. Em seu início, era destinado principalmente ao entretenimento (com piadas, críticas e até dicas de beleza) e localizava-se no rodapé da primeira página dos jornais. Mais tarde, dramaturgos franceses como Alexandre Dumas e Eugene Sue, conseguiram tornar esse modelo de escrita em uma verdadeira febre da população, criando histórias seriadas. O folhetim representa a conquista de novos públicos para os jornais, pois traz elementos do cordel, com o herói todo-poderoso e situações que demonstram a luta entre o bem e mal, e faz críticas diretas ou indiretas a problemas sociais, vivenciados pelos leitores dos jornais. Entre as suas características estão a linguagem acessível, o suspense e os diálogos breves (AMARAL, 2006). Essa incorporação do folhetim, que retrata bem a classe popular a partir de suas particularidades, já estava relacionada com a necessidade do mercado de ampliar o seu público e, consequentemente, vender mais. Dessa forma, o jornalismo que era feito, no início de sua existência, com uma matriz ideológica de valores iluministas e que privilegiava a formação intelectual do seu leitor, sofre transformações que irão trazer consequências possíveis de serem vistas até os dias de hoje em toda a mídia. É o jornalismo que busca trazer a informação junto com a leveza do entretenimento, proveniente da estética melodramática, atraindo cada vez mais a atenção de públicos variados (em vez de privilegiar a elite), e marcando o que seria um início do jornalismo de infotenimento (AMARAL, 2006; DEJAVITE, 2006). Ainda assim, mesmo com tanta popularidade e sucesso de vendas, os jornais de penny press eram vistos como maus exemplos do jornalismo por intelectuais da época, exatamente por apelar aos instintos mais baixos do homem (GABLER, 1999, p. 72 apud DEJAVITE, 2006, p. 58). No Brasil, segundo Amaral (2006), o sensacionalismo surge, justamente, através dos folhetins, a partir de Inicialmente, eles também ocupavam o espaço do rodapé da primeira página e, mais tarde, na década de 1920, o espaço dedicado para o gênero aumenta e surgem as notícias sensacionalistas, especialmente as que se dedicavam aos casos policiais, ganhando destaque na maioria dos jornais diários do Rio de Janeiro. As redações eram divididas em dois setores: um destinado a informações locais e outro ao serviço de telégrafo que recebia informações do interior dos estados e do estrangeiro. O trabalho do repórter se tornou o mais importante de toda a redação, pois ele sempre estava em busca do ineditismo, do furo que faria da sua narrativa uma história cativante, capaz de atrair a atenção para aquela edição do jornal e que emocionaria o público. Ainda assim, como observa Barbosa (2007), 13

14 mesmo naquela época, o repórter deveria estar sempre comprometido com a verdade, mesmo que ele se utilizasse de alguns recursos para mexer com as emoções do leitor. A edição fantasiosa deve, entretanto, ser apresentada dentro de determinados parâmetros, onde a verossimilhança é o principal deles. É preciso construir narrativas atendendo a esses dois aspectos: a realidade e a fantasia. Os elementos passionais não podem ser ocultados, sob a pena de não despertar o interesse do leitor, mas ao mesmo tempo não é possível exagerar nas tintas descritivas, sob a pena de transportar a notícia para o lugar do folhetim. (BARBOSA, 2007, p. 50). Alguns exemplos de impressos que foram importantes nesta época de transição e de valorização do sensacionalismo foram o Jornal do Brasil, o Correio da Manhã e o O Paiz. Todos estes adaptaram o seu estilo narrativo ao gosto do leitor, multiplicando sua estratégia para atingir um público com menor grau de instrução e, sobretudo, menor poder aquisitivo (BARBOSA, 2007). A partir daí, outros jornais se inspiraram no estilo de narrativa sensacionalista, sendo possível ver exemplos até atuais. É necessária, entretanto, a consciência de que o jornalismo popular não é sinônimo de sensacionalismo. De acordo com Marcondes Filho (apud AMARAL, 2006, p ), sensacionalismo é: O grau mais radical da mercantilização da informação. Na verdade, vende-se nas manchetes aquilo que a informação interna não irá desenvolver melhor. [...] As notícias da imprensa sensacionalista sentimentalizam as questões sociais, criam penalização no lugar de descontentamento e constituem-se num mecanismo reducionista que particulariza os fenômenos sociais. Algo que se faz necessário ressaltar é que o jornalismo popular não se resume às características do sensacionalismo, como o exagero na carga emocional das reportagens, a valorização de informações pouco contextualizadas, a exploração do extraordinário, entre outros atributos que são utilizados nesse gênero especialmente para atrair a atenção dos leitores e aumentar as vendas de exemplares. Na realidade, o termo sensacionalismo, hoje, possui uma carga bastante pejorativa, justamente pelo seu histórico em jornais do passado, que se tornaram conhecidos entre o público graças à banalização da violência, da sexualidade e do bizarro em suas manchetes. Assim, caracterizar um jornal de sensacionalista implica que o mesmo é um meio dedicado a somente provocar sensações, e esta definição não se aplica obrigatoriamente ao trabalho do jornalismo popular (AMARAL, 2006; DEJAVITE, 2006). É como Amaral (2006, p. 24) afirma, atualmente, os jornais preocupam-se com que o leitor 14

15 tenha um sentimento de pertencer à determinada comunidade, percebendo que o jornal faz parte do seu mundo. Dessa forma, o importante no jornalismo popular não está ligado necessariamente à informação exagerada e chocante, ou, até mesmo, à curiosidade por assuntos tabus, mas sim em estar próximo à realidade do seu público-alvo, seja ele das classes A e B ou C e D, às vezes, dando visibilidade para os sentimentos e particularidades dos personagens, mas não exclusivamente a isso. 1.1 A imprensa popular e o jornalismo de infotenimento Definir o que pode ser notícia e o que não pode, a partir da noção de valor-notícia, depende muito de como o jornal ou o meio comunicativo enxerga o seu público-alvo. O veículo de comunicação, por sua vez, realiza pesquisas mercadológicas ou segue algumas normas que foram preestabelecidas por manuais para formar uma ideia de como é o seu público, conseguindo de uma forma geral informações que traduzem o que ele deseja e necessita (AMARAL, 2006). Ainda assim, os veículos de comunicação acabam por considerar, mesmo que automaticamente, alguns estereótipos daquele público que ele acredita ser o seu alvo principal. Por exemplo, no jornalismo popular, considera-se que o público, ou seja, o povo das massas, está muito ligado à sua realidade. Isso quer dizer que os impressos dirigidos a essa camada social tendem a priorizar o que pertence ao cotidiano do leitor e aquilo que afeta diretamente a ele. É como diz Amaral, Os jornais imaginam que o leitor gosta de se ver, contar suas histórias e as injustiças cometidas contra si, mas é alguém a quem os assuntos públicos e coletivos só importam enquanto estiverem concretamente relacionados ao seu quintal (2006, p. 62). A partir desse pressuposto, a autora estabelece alguns critérios que serviriam como base para a imprensa popular designar o que pode vir a ser notícia, sendo eles fatos que teriam maior probabilidade de agradar o leitor da massa. O primeiro critério seria a capacidade de entretenimento do fato, o que Amaral (2006, p. 63) explica dizendo que tudo o que prende e atrai o olhar, seja uma cena escandalosa, ridícula ou insólita tem potencial para ser notícia. Amaral faz uma relação estreita da capacidade de entretenimento com o sensacionalismo, afirmando que o gênero de entretenimento não provoca somente o prazer por parte do leitor, mas também a sensação e a 15

16 emoção. Assim, ela classifica em, pelo menos, quatro categorias as histórias que possuem capacidade de entretenimento para se transformarem em notícia. São elas: a) Histórias de gente comum encontrada em situações insólitas ou histórias de homens públicos surpreendidos no dia-a-dia da sua vida privada (Bala perdida mata menino após sua festa de aniversário Extra, 05/09/2005 ou Malu Mader teve medo de morrer Diário de S. Paulo, 29/08/2005). b) Histórias em que se verifica uma inversão de papéis (Policial deu sua farda para ladrão O Dia, 05/09/2005). c) Histórias de interesse humano (Pitbull ataca menina de três anos Diário de S. Paulo, 23/09/2005 ou Doméstica envenena bebê de três meses com água sanitária Agora São Paulo, 06/09/2005). d) Histórias de feitos excepcionais e heroicos (Menino herói: Ramão não perdeu totalmente a visão de um olho Diário Gaúcho, 17/04/2002). (AMARAL, 2006, p.64) Amaral (2006) também afirma que a proximidade, seja ela pelo conteúdo, pelos personagens ou pela linguagem, é um fator importante, já que um dos objetivos mais contundentes da imprensa popular é conseguir estar próximo do seu leitor, trazendo elementos que estejam dentro do seu cotidiano e promovendo uma identificação. Assim, Amaral (2006) categoriza a proximidade: a) Pelo conteúdo: São as classes C, D e E que caracterizam o público-alvo da imprensa popular, e como já foi citado antes, os temas que dizem respeito ao dia-a-dia dessas pessoas são os que mais interessam. Dessa forma, a informação local vem primeiro em relação à informação nacional, sendo esse local aquele em que se vive e não necessariamente um espaço geográfico. b) Pela proximidade com os personagens: É importante que o fato noticiado tenha impacto na vida de uma pessoa comum, podendo tornar-se comentário (alimento das relações sociais) entre o público. Por isso, não é incomum ver a personalização de problemas e soluções, dando um caráter pessoal à matéria. O único cuidado que se deve ter, nesses casos, é o de não se individualizar demais a história, fazendo com que ela perca seu contexto social e, consequentemente, sua relação com as vidas de outras pessoas. c) Pela linguagem: Muitas vezes a imprensa popular se preocupa em se comunicar com o leitor da forma mais simples e próxima à oralidade possível. A utilização de recursos como o discurso direto e de um vocabulário que não seja o formal, mas sim, um reconhecido pela população, servem para dar mais autenticidade ao jornal. Além disso, criam a impressão de uma situação similar a que foi vivida, dando um caráter mais palpável às pessoas presentes no texto. 16

17 Por fim, Amaral (2006) também classifica a utilidade que uma matéria jornalística possui na vida do leitor como um valor-notícia, pois matérias que trazem informações que possam servir às pessoas como manual de sobrevivência estão sendo requisitadas cada vez mais. Assim, questões nas quais as pessoas são alienadas socialmente, como os direitos básicos na saúde, segurança ou educação, e também referências de como é possível viver melhor (como estar em forma, ser um profissional competente e etc.) entram como pautas imprescindíveis para satisfazer as necessidades do público. Além da importância de definir o que são valores-notícia na imprensa popular, é interessante também designar quais são as características do jornalismo de entretenimento, ou melhor, de infotenimento (informação + entretenimento), pois este tipo de jornalismo está cada vez mais presente na mídia atual, graças à concorrência do impresso com outras mídias e à busca incessante pelo interesse do leitor alvo (DEJAVITE, 2006). Assim, Dejavite (2006) tenta definir os conteúdos que podem ser considerados como jornalismo de infotenimento, porém essa é uma questão complexa, já que o conceito de infotenimento é especificamente uma junção de duas funções, podendo englobar diversos gêneros que contém ambos os elementos. De qualquer forma, Dejavite (2006) traça alguns fatores que caracterizam a presença do entretenimento no jornalismo. São eles o sensacionalismo, a personalização, a dramatização de conflito e, geralmente, o uso de fotos, infográficos, tabelas, entre outros recursos visuais nas matérias. Para ser mais específica quanto às editorias que podem ser classificadas como de infotenimento, Dejavite (2006) detalha quais são os temas que estão relacionados com o gênero: Arquitetura; Artes; Beleza (cuidados com o corpo); Casa e Decoração; Celebridades e Personalidades (perfil dos artistas, fofocas); Chistes e Charges (matérias pequenas com caráter caricatural que satirizam um acontecimento); Cinema; Comportamento (atitudes do indivíduo no meio social); Consumo (lançamentos, novidades, promoções); Crendices (religiões, mitos); Cultura (patrimônio, folclore, datas comemorativas, etc.); Curiosidades (tragédias, acidentes, crimes, catástrofes, atentados, assassinatos, etc.); Espetáculos (tudo que chama a atenção publicamente); Eventos; Esportes; Formação Pessoal (matérias relacionadas a empreendedorismo, exemplo: Faça você mesmo ); Gastronomia; Fotografia (informa, emociona e distrai o leitor sem a necessidade do texto); Indústria editorial (literatura); Ilustrações/Infográficos/Tabelas/Boxes/Gráficos; Informática; Jogos e diversões; Moda; Música; Previsão do tempo; Publicidade; Rádio; Revista; Televisão e Vídeo (produção, 17

18 minisséries, telenovelas, etc.); Turismo/Lazer/Hotelaria; Vendas e Marketing (tanto de produtos quanto de empresas). Mesmo se utilizando dessa classificação, Dejavite (2006) deixa claro que há conteúdos tidos como sérios (matéria que aprofunda, investiga, critica e transmite informações novas), e isso também serve para os veículos de comunicação, que podem conter características do infotenimento. [...] Por exemplo, quando uma charge de um jornal satiriza um assunto que está na manchete da primeira página, dando-lhe uma nova exterioridade por meio de dados acrescidos pelo ponto de vista do chargista ou, então, por um ângulo não explorado. Aparentemente, neste caso, aquilo que se denominou conteúdo sério (a política) apresenta-se com uma roupagem não-séria (a charge) (DEJAVITE, p. 95). Dessa maneira, Dejavite (2006) deixa clara a sua intenção em desmistificar quaisquer preconceitos quanto ao caráter jornalístico de uma reportagem de infotenimento. Mesmo abordando assuntos que se classificam como notícias leves e divertidas, esse gênero também é sinônimo de um jornalismo ético e de qualidade e, por isso, não deve ser tomado como um jornalismo menor somente por explorar o entretenimento. 1.2 Histórico do jornalismo de infotenimento Após a chegada do século XX, a insatisfação com o conteúdo dos jornais mais populares tornou-se ainda mais evidente por parte das classes alta e média da sociedade (DEJAVITE, 2006). A autora afirma que a imprensa que se considerava respeitável deixou clara a distinção das funções entre um jornalismo de qualidade, dedicado a criar cidadãos bem informados, e o jornalismo popular ou sensacionalista, que procura o espetáculo ou fatos com características incomuns para escandalizar. Porém, o desenvolvimento tecnológico, que trouxe novos meios de comunicação como o rádio, a televisão e a internet, mudou por completo esse cenário, forçando os jornais impressos a se adaptarem para continuarem sobrevivendo e sendo consumidos pelos seus leitores. A televisão trouxe uma nova direção para a notícia. O entretenimento foi o discurso escolhido para caracterizar-se. A partir disso, converteu tudo que aparecia na tela em diversão, inclusive a notícia. Em pouco tempo, tornou-se um dos mais importantes meios de diversão e entretenimento nas sociedades ocidentais (DEJAVITE, 2006, p.60). 18

19 Dessa forma, o impresso se viu obrigado a modificar algumas de suas estratégias para não sucumbir ao poder de distração da televisão. O emprego cada vez maior de recursos artísticos e visuais, principalmente nas capas dos jornais, tornou-se comum e, hoje em dia, é possível ver claramente como a utilização de cores, gráficos, tabelas e imagens trabalham para atrair a atenção do leitor e para fazê-lo se interessar pelo conteúdo. Isso também se reflete na configuração das páginas, que se tornou um importante modo de direcionar a atenção do leitor da informação mais interessante para a menos relevante. É através do layout 4 que também se traduz a intenção do que o veículo deseja comunicar (DEJAVITE, 2006). [...] O jornal tem empregado, com maior ênfase, alguns recursos que deixam a notícia mais fácil de ser entendida e ainda agradável ao ser lida, como a fotografia, os gráficos, os infográficos e as ilustrações, cujo objetivo também é entreter (DEJAVITE, 2006, p. 61). Essa intenção em entreter pode ser também observada na mudança de paradigma quanto às classificações por editorias e nos valores-notícias de um jornal. Assuntos que antes eram considerados desinteressantes ou, até mesmo, fúteis, passam a ganhar cada vez mais espaço nas páginas. Exemplos disso são as colunas sociais, que tendem a aumentar de tamanho todos os anos, com informações sobre a vida e o trabalho das celebridades, especialmente as provenientes da TV. Até mesmo os jornais considerados de maior prestígio já se renderam à cobertura de assuntos do gênero, muitas vezes dando o destaque nas capas a esses temas (DEJAVITE, 2006). Desse modo, a fronteira que separa o jornalismo do entretenimento nunca esteve tão difícil de ser observada, pois as duas ações, a de informar e a de entreter, tornaram-se essenciais para a prática jornalística atual, em qualquer meio comunicativo da mídia. Isso aconteceu devido às transformações culturais e tecnológicas da sociedade que permitiram mudanças significativas no meio de trabalho, como a entrada da mulher no mercado, a flexibilidade dos horários e a facilidade de se realizar tarefas com a ajuda da tecnologia atual. Essas mudanças acabaram por proporcionar mais tempo livre aos empregados e mudaram as visões de mundo das pessoas (AMARAL, 2006; DEJAVITE, 2006). Em seu tempo livre, as pessoas desejam se distrair e romper, pelo menos por um pequeno momento, com a sua realidade, através da leitura de informações leves e divertidas, como a vida das celebridades, receitas culinárias, matérias sobre turismo ou lazer, etc. É o que diz a autora: 4 Layout é o plano de trabalho tipográfico que prevê os tipos, medidas, ilustrações etc., da composição. 19

20 [...] O entretenimento é retratado pela função de escape. Para os autores dessa corrente, o receptor recorre aos meios de comunicação para fugir das rotinas mundanas, dos problemas e das frustações da vida real, liberando emoções interiorizadas (DEJAVITE, 2006, p. 54). Mas não é por causa da necessidade de ser entretido que o receptor será impedido de absorver informações que sejam importantes para o seu cotidiano. É aí que surge o conceito de infotenimento para determinar como essas duas funções, a de informar e a de entreter, podem ser englobadas. De acordo com Dejavite (2006, p. 72), o jornalismo de INFOtenimento é o espaço destinado às matérias que visam informar e divertir como, por exemplo, os assuntos sobre o estilo de vida, as fofocas e as notícias de interesse humano as quais atraem, sim, o público. Ou seja, uma matéria pode ao mesmo tempo informar entretendo ou entreter passando alguma informação. Uma das grandes preocupações de intelectuais, que vão contra a tendência do jornalismo de infotenimento, é a crença de que estas duas vertentes, o jornalismo e o entretenimento, são de éticas completamente distintas e que sua fusão não seria possível por essa razão. Sabe-se que, tradicionalmente, o jornalismo tem a função de formar a opinião pública a partir da veracidade de informações e o entretenimento destina-se a chamar a atenção das pessoas e divertir, além de permitir a exploração da ficção (RAMOS, 2003). Mas Dejavite (2006) contrapõe essa afirmação dizendo que o jornalismo de infotenimento é acima de tudo uma prática jornalística e, portanto, necessita seguir os valores éticos que a prática exige. Além disso, não há separação ética entre o jornalismo e o entretenimento nesses casos, pois cada vez mais é possível observar que a preferência das pessoas é justamente a mistura dos dois, o que configura o infotenimento. [...] É inútil tentar definir se dada comunicação é informativa, persuasiva ou tem meramente a função de entreter, já que a comunicação de massa possui todas essas características. (BERLO, 1999 apud DEJAVITE, 2006, p ). Ainda de acordo com Dejavite (2006) ao consumir um conteúdo, as pessoas estão sempre buscando se distrair. Sendo assim, separar a informação da diversão não faz nenhum sentido, já que o entretenimento é simplesmente a ausência de tédio. Ou seja, o oposto do entretenimento não é o conhecimento informativo, e sim, o conteúdo que não agrada ou interessa ao leitor. 20

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2

Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico. Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Revista Ênfase: informação e entretenimento no jornalismo acadêmico Nayara Pessini COSSI 1 Alex Sandro de Araujo CARMO 2 Maicon Ferreira de SOUZA 3 Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel, PR. RESUMO O presente

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

AGÊNCIA DE COMUNICAÇÃO

AGÊNCIA DE COMUNICAÇÃO Internationali Negotia Felipe Caian AGÊNCIA DE COMUNICAÇÃO MODELO INTERNACIONAL DO BRASIL Brasília - DF 2015 1 Conhecendo a Agência de Comunicação 1.1 Apresentação A Agência de Comunicação (AC) é a ponte

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1

Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Estação Centro: planejamento gráfico e diagramação do jornal-laboratório da FAPSP 1 Washington Anibal CORREA 2 Egberto Gomes FRANCO 3 Daniel Ladeira de ARAÚJO 4 Miguel VALIONE JUNIOR 5 Faculdade do Povo,

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015

São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 2015 REGULAMENTO I - AS CATEGORIAS São 30 as categorias do Prêmio Abril de Jornalismo 11 de Matéria Completa 3 de Texto 4 de Arte 4 de Fotografia 5 Digitais 2 Especiais Prêmio Roberto Civita Prêmio Matéria

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG

JornaVista: entrevista em quadrinhos 1. Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG JornaVista: entrevista em quadrinhos 1 Bruna de FARIA 2 Alessandra de FALCO 3 Universidade Federal de São João del Rei, São João del Rei, MG RESUMO O presente trabalho pretende apresentar como se deu a

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba.

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. Objetivos: Capacitar os pontos focais de cada Comitê Afluente que trabalhem diretamente

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira.

Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Em 2012, a Abril Mídia lançou a 1ª edição do HOTEL PRO, uma publicação focada nas necessidades da indústria hoteleira. Um grande sucesso editorial, ela vai agora para a segunda edição (com lançamento em

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4 Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹ Marcela Lorenzoni² Camila Costa Toppel³ Camila Petry Feiler 4 Francielle Ferrari 5 Cícero Lira 6 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES JORNALISMO

M I N I S T É RI O D OS D ES B RA V A DO R ES JORNALISMO M I N I S T É RIO DOS D E S B RA V A DO R E S Esta é mais uma publicação do site, Guias de estudo para as especialidade do Clube de Desbravadores Volume 28 1ª Edição: Disponível em www.mundodasespecialidades.com.br

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015. Correio Lageano 02 de dezembro

CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015. Correio Lageano 02 de dezembro CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015 Correio Lageano 02 de dezembro FALANDO EM VINHOS SITE SITE TURISMO E NEGÓCIOS PORTAL DA ILHA SITE REVISTA DESTAQUE DEZEMBRO R7 R7 ou R7.com é um portal de notícias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM COMUNICAÇÃO

Leia mais

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores**

3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** 16 revistas 3,3 milhões de exemplares* por mês e 8,7 milhões de leitores** Fonte: *IV (Out/09 a Set/10) E **Ipsos-Estudos Marplan/EGM- Out/09 a Set/10 Leitores Ambos, 10/+ anos Audiência Líquida das Revistas

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

APRESENTAMOS A REVISTA JOYTCE PASCOWITCH

APRESENTAMOS A REVISTA JOYTCE PASCOWITCH APRESENTAMOS A REVISTA JOYTCE PASCOWITCH /REVISTA JOYCE PASCOWITCH Comportamento, notícias exclusivas, tendências e personagens marcantes sempre passaram pelo olhar afiado e inteligente de Joyce Pascowitch.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO ALINE BASSANESI DANYMEIRE RAMOS CARVALHO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO ALINE BASSANESI DANYMEIRE RAMOS CARVALHO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/JORNALISMO ALINE BASSANESI DANYMEIRE RAMOS CARVALHO PRÉ-PROJETO DA REVISTA FEMINIS/ A CONQUISTA DA MULHER NO ESPAÇO MASCULINO

Leia mais

Apresentação. Público. Abrangência / Tiragem Atibaia / 3.000 exemplares impressos / edição on line

Apresentação. Público. Abrangência / Tiragem Atibaia / 3.000 exemplares impressos / edição on line CMídia Kit 2015 Apresentação O que é A revista Circulô Conceitual é um periódico quadrimestral, distribuído gratuitamente em locais estratégicos da cidade. Chega para suprir as necessidades e interesses

Leia mais

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações

Publicidade. Monitoramento: Percepções sobre Publicidade. Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Crédito da imagem: ronnestam.com Anúncio Upex Publicidade Relatório de Monitoramento de Marcas e Conversações Introdução Foram realizadas buscas na mídia social Twitter, através de ferramenta de monitoramento

Leia mais

Guia de Entretenimento da cidade de São Paulo

Guia de Entretenimento da cidade de São Paulo O Aplicativo VEJA SP O aplicativo VEJA São Paulo foi lançado em maio de 2010, com o objetivo de ser o melhor e mais completo Guia de Entretenimento da cidade de São Paulo. Para isso, seu conteúdo reune

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo

Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Comunicação Organizacional no Terceiro Setor: a experiência do Brasil Vivo Adalberto NUNES (Universidade de Brasília) 1 Élida SANTOS (Universidade de Brasília) 2 Gabriel PONTES (Universidade de Brasília)

Leia mais

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro

Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Vítor Quartezani 1 Imprensa esportiva e a construção da imagem do torcedor brasileiro Trabalho de Conclusão de Curso em Forma de Projeto

Leia mais

Projeto de Assessoria ao Estúdio Ale Kalaf 1

Projeto de Assessoria ao Estúdio Ale Kalaf 1 Projeto de Assessoria ao Estúdio Ale Kalaf 1 Daniela GUALASSI 2 Ana Lúcia TIBALDI 3 Jéssica Tamyres dos SANTOS 4 Patrícia PAIXÃO 5 Faculdade do povo, São Paulo, SP RESUMO Este paper discorre sobre a criação

Leia mais

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971.

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. PREFÁCIO Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. Queda do dólar afeta o bolso de catadores manchete do jornal Diário Gaúcho, de Porto Alegre, em 12/08/2005.

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor 5 a e 8 a SÉRIES 12. JORNAL DE ONTEM A vida no Egito e México antigos Áreas: H, LP, G, PC SOFTWARES NECESSÁRIOS: ENCICLOPÉDIA MICROSOFT ENCARTA 2000 MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT EXCEL 2000 MICROSOFT PUBLISHER

Leia mais

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: CULTURA E COMPORTAMENTO EM PAUTA Fashion Journalism in Bahia: Culture and Behavior on question Alves, Larissa Molina; Estudante; Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Kulto

Entrevista sobre o Programa Kulto Entrevista sobre o Programa Kulto Ficha de Identificação Nome: Rute Gil Empresa: Estado do Sítio Cargo/Função: Produtora e Guionista Programa: Kulto Questões 1. Qualidade - Na sua opinião, o que pode ser

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

Despensa, cultura armazenada: Jornalismo opinativo em revista 1

Despensa, cultura armazenada: Jornalismo opinativo em revista 1 Despensa, cultura armazenada: Jornalismo opinativo em revista 1 Camila de Oliveira MACHADO 2 Angélica MUJAHED 3 Laura SLIVA 4 Cícero LIRA 5 Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Curitiba,

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Jornal Laboratório Páginas Abertas - Produzido pela Central de Produções Jornalísticas (CPJ), do Curso de Jornalismo do Centro Universitário Newton Paiva 1. Uma Parceria com o Pré-Vestibular Lima Barreto

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Outdoor 1. Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP

Outdoor 1. Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP Outdoor 1 Michel KOGA 2 Felippe de MAMBRO 3 Barbara LAVORENTI 4 Thalita CHIARINI 5 Maurilio ZANONI 6 Francisco de ASSIS 7 Ingrid PIETROBOM 8 Luiz CALADO 9 Charles VENTAROLI 10 Natália MORAES 11 Silvia

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1

Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Primeiro Contato Histórias reais de um mundo desconhecido 1 Gabriela VICENTINO 2 Ivo STANKIEWICZ 3 Kelly Cristina SILVA 4 Mylena GAMA 5 Otávio Fernando LOPES 6 José Carlos FERNANDES 7 Pontifícia Universidade

Leia mais

Você quer falar. MídiaKit 2015. de duas rodas? É fácil! andando na frente

Você quer falar. MídiaKit 2015. de duas rodas? É fácil! andando na frente Você quer falar com o segmento de duas rodas? É fácil! MídiaKit 2015 Use a REVISTA DUAS RODAS Muito mais que uma revista 40 Anos andando na frente Liderança Absoluta de ponta a ponta A história de Duas

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva

2007 Para Francisco livro em 2008 cinemas em 2015 Hoje Vou Assim 2013, lançou o livro Moda Intuitiva CR I S G U E R R A p u b l i c i tá r i a, e s c r i to r a e pa l e s t r a N t e PERFIL Começou sua trajetória na internet em 2007, escrevendo o blog Para Francisco, que virou livro em 2008 e irá para

Leia mais

MÍDIA KIT VAREJO PROMOCIONAL. meio & mídia

MÍDIA KIT VAREJO PROMOCIONAL. meio & mídia MÍDIA KIT VAREJO PROMOCIONAL 2015 O QUE É A CULT A revista Cult trouxe um novo conceito e quando chegou ao mercado, em 2005, agitou a mídia impressa com sua proposta inovadora. Já nasceu corajosa e trazendo

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1

Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1 Redação CURSO E COLÉGIO TEXTO 1 Você e um grupo de colegas ganharam um concurso que vai financiar a realização de uma oficina cultural na sua escola. Após o desenvolvimento do projeto, você, como membro

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE 1º Período TEORIA DA COMUNICAÇÃO I Conceitos de comunicação e de comunicação social. Contexto histórico do surgimento da

Leia mais

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com

Sobre o site. mídia kit. www.nivelepico.com 2013 Sobre o site O Nível Épico é um site de entretenimento que tem como objetivo manter o público informado sobre as últimas novidades da cultura pop. Fundado em 2010, traz conteúdos sobre cinema, literatura,

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Mídia Kit Jornal Correio

Mídia Kit Jornal Correio Mídia Kit Jornal Correio Com mais de 77 anos de tradição, o Jornal Correio faz parte da história de Uberlândia e não para de evoluir. De olho no que acontece no país e no mundo, é um jornal moderno, completo

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo.

O PROGRAMA. Colunistas fixos irão falar sobre moda, gastronomia, tecnologia, cinema e estilo. O PROGRAMA Claquete, sua revista eletrônica de entretenimento. Claquete: Sua revista eletrônica de entretenimento. Com seu bom humor e curiosidade característicos, Otávio Mesquita apresenta os bastidores

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Introdução. Pra quem é esse ebook?

Introdução. Pra quem é esse ebook? Introdução Se você está lendo esse ebook é porque já conhece o potencial de resultados que o marketing digital e o delivery online podem trazer para a sua pizzaria. Bem como também deve saber que em pouco

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade

10 passos para ganhar a mídia. Estudantes Pela Liberdade 10 passos para ganhar a mídia Estudantes Pela Liberdade 2013 10 passos para ganhar a mídia Aqui estão 10 passos para atrair a atenção da mídia para o seu grupo. Siga todos esses passos efetivamente, e

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

Um olhar carioca conectado ao novo tempo global

Um olhar carioca conectado ao novo tempo global A FOLHA CARIOCA Um olhar carioca conectado ao novo tempo global Folha Carioca, um novo conceito na mídia impressa carioca: revista gratuita, com distribuição inteligente, alto padrão gráfico e qualidade

Leia mais

www.reacaonatural.com.br

www.reacaonatural.com.br Lançamento do novo Portal REAÇÃO NATURAL acesse leia ouça assista interaja conscientize-se REAJA! portal em defesa do Planeta PERGUNTAS FREQÜENTES O Reação Natural é uma ONG? Não. O Reação Natural é um

Leia mais

Proposta de publicidade

Proposta de publicidade Proposta de publicidade Olá, prezado (a) Vimos por meio deste apresentar nosso Jornal e a nossa proposta de publicidade para seu negocio ou serviço, que segue-se adiante. Informação é fundamental nos dias

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

UESB ASSESSORIA DE COMUNICACAO

UESB ASSESSORIA DE COMUNICACAO ASSESSORIA DE COMUNICACAO Assessoria de Comunicacão 14. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO No ano de 2007, a Assessoria de Comunicação (Ascom) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia deu prosseguimento ao

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais