A FORMAÇÃO DO EDUCADOR E O JORNAL DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO DO EDUCADOR E O JORNAL DE PESQUISA"

Transcrição

1 A FORMAÇÃO DO EDUCADOR E O JORNAL DE PESQUISA Joaquim G. Barbosa Doutor em História e Filosofia pela PUC/SP Prof. do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Metodista de São Paulo Prof. do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar O resumo enviado para este encontro havia denominado de professor-educador-pesquisador o profissional ao qual estarei me referindo para discorrer sobre sua formação e o jornal de pesquisa como instrumento importante nesse processo. Em várias oportunidades anteriores já me referi deste modo composto professor-educador 1 ; educador-pesquisador 2 e administrador-educadorpesquisador 3 num esforço de recuperar o conceito de educador para além dos diferentes papéis em que atua como professor, administrador, orientador, coordenador... Tendo em vista os labirintos de nossa história educacional por onde se esvaiu a idéia, o sentido do educador na perspectiva da alteração do outro e de si próprio em relação, me faz pensar que A especialidade a ser recuperada é, definitivamente, a de educador. Todos aqueles que atuam no campo da educação, seja lecionando, administrando, orientando, supervisionando, coordenando, terão de se apresentar formados para realizarem o ato educativo em toda sua complexidade e em qualquer uma destas situações, pois, em cada uma delas, estará sempre presente uma relação entre sujeitos 4. Até por conta dos inúmeros sentidos que no decorrer da história educacional brasileira a idéia de professor, administrador e pesquisador foram se alterando e ao mesmo tempo se cristalizando é que precisamos de duas ou mais palavras para expressar uma idéia nova ou recolocar no tempo atual um conceito já esmaecido pelo tempo social. Assim ao referir-me professor-educadorpesquisador não significa referir-se a três personagens distintos mas sim, a um profissional que, no desempenho dos diferentes papéis no interior da instituição educativa como o trabalho com conteúdos da ciência na sala de aula; o estabelecimento de processos coletivos no sentido da produção de resultados; a realização conjunta de um processo indagativo e interrogativo da realidade em que atua incluindo-se neste campo de atuação pois se trata de interrogar e interpretar uma realidade da qual faz parte... Enfim: em todas estas perspectivas pode-se inferir o olhar e o atuar do profissional da educação, esta entendida como o caminho percorrido pelo sujeito para construção de sua própria autoria enquanto sujeito no mundo. 5 Entendendo a educação nos termos acima e ainda, considerando que nós educadores precisamos ser reeducados, tendo em vista que nossas aprendizagens anteriores não dão conta, nem de nossas angústias atuais enquanto cidadãos e ser humano deste tempo muito menos da complexidade de nossas tarefas como profissionais da educação, é que proponho recuperar um pouco do caminho percorrido por mim enquanto autor desse meu processo formativo, lembrando que educador e educando ambos fazem parte de um mesmo processo no qual o educador é o profissional com condições teóricas e existenciais para enxergar e lidar com estes dois sujeitos um perante o outro. Inicio registrando que as reflexões aqui apresentadas se enraízam em uma experiência datada que foi a realização de minha tese de doutorado De professor a ator social: os andaimes de uma 1 BARBOSA, J.G. Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EdUFSCar, 1998, p BARBOSA, J.G. Reflexões em torno da abordagem multirreferencial. São Carlos: EdUFSCar, BARBOSA, J.G. Administrador-educador-pesquisador: uma idéia possível. HISPECI&LEMA, Bebedouro, v.2,1977, p.31 a BARBOSA, J.G. Multirreferencialidade nas ciências... p BARBOSA, J.G. Autores cidadãos: a sala de aula na perspectiva multirreferencial. São Carlos: São Paulo EdUFSCar, EdDUMESP, 2000, p. 88

2 construção, em Já pelo título é possível identificar três preocupações centrais que desde aquele momento me acompanham até o presente. A primeira delas, a questão da autoria. Neste texto da tese a que me refiro, por um lado, considero o professor enquanto ator corrigido pelos próprios membros da banca examinadora que me alertavam com a afirmação de que, navegando pelo texto na forma apresentada, tratava-se muito mais de autor e de sujeito social do que ator e, por outro lado, também está presente o tempo todo a dimensão do pesquisador em seu esforço de se tornar sujeito de sua produção quando propõe dar conta desse processo de investigação de fora e de dentro de si; o imbricamento da dimensão cidadã com a de pesquisador e vice-versa, ou a não dicotomia entre o processo de construção da autoria acadêmica, da autoria social-existencial do pesquisador. Ao se realizar uma pesquisa acadêmica é preciso não se separar o exercício desta do sujeito social que a realiza. Realizando uma pesquisa exercitamos a cidadania, ou seja, autor de um texto, de uma reflexão, é também autor de uma forma de expressão no social. A escrita é uma forma de ver-se e expressar-se socialmente. Não realizamos uma pesquisa, uma dissertação ou uma tese de doutorado para contribuir com a educação amanhã ou noutro lugar. Nós nos constituímos e nos formamos educadores hoje, pela forma como vivemos nossos processos sociais de vida, seja numa sala de aula, seja dirigindo uma escola ou, ainda, realizando uma pesquisa. Conclui aquele meu trabalho de tese, referindo-me a reconstrução histórica do se fazer professor-trabalhador-sujeito naquele espaço e tempo social, dizendo que é possível não diferenciar a busca de autonomia (acadêmica) por parte do autor, da busca de autonomia (social) dos atores (autores) na medida em que, na raiz, trata-se de um mesmo processo de autorização 7. Em resumo, trata-se de avançar para um exercício de se politizar não só a dimensão econômica ou salarial, ou ainda, política no sentido restrito enquanto inscrição num partido ou sindicato, mas está em jogo o desafio de se politizar a própria existência incluindo as diferentes e múltiplas formas de ser e de se expressar. Em outras palavras, é preciso não descuidar da necessidade da atuação no campo da política e na dimensão econômica da vida como, também, da necessidade de se voltar para a lucidez na vida social e da vida subjetiva, não perdendo de vista que continuamos portadores de inconscientes e, como tal, altera-se muito. Outra questão já presente no título de grande importância é a questão do movimento, do processo, sem o que não é possível compreender a educação nem a pesquisa em educação. No texto da tese me expresso: de professor a ator social. Tanto no texto da tese quanto aqui poderíamos gastar inúmeras páginas e tempo para falar sobre a presença deste personagem professor no decorrer da história; a passagem de uma identidade quase religiosa e mítica para uma presença marcante enquanto força de trabalho e ativamente presente fazendo a história da educação e do ensino nas diferentes regiões deste país. Na época, já afirmava que meu único desejo era mostrar o professor da escola pública de Mato Grosso, no seu movimento de existir, tal como se produz e se destrói (...) no seu micro espaço de cidadania e trabalho 8. Naquela oportunidade inicio a pesquisa, preocupado com o professor enquanto trabalhador e sua inserção na estrutura social enquanto tal, e o concluo muito mais preso às sutilezas do mundo próximo a si, relacional, onde este ator/autor/sujeito social se debate e procura dar sentido para sua própria existência enquanto sujeito e cidadão. A esta altura de meu texto incluo o conceito de implicação por ter sido minha porta de entrada no estudo da perspectiva multirreferencial que, posteriormente, viria a trabalhar tendo como referência à produção de pesquisadores e pensadores da Universidade de Paris VIII. Resumidamente, implicado significa permitir-se inserido no objeto das ciências humanas e, como conseqüência, o desvelamento deste objeto somente ocorre não ignorando o sujeito observador, mas com sua inclusão. Naquele momento tinha conhecimento do trabalho de Devereux 9 6 BARBOSA, J.G. De professor a ator social: os andaimes de uma construção. Estudo sobre a luta política dos professores da escola pública em Mato Grosso, de 1979 a 1989.Tese de doutorado, São Paulo: PUC, BARBOSA, idem, p BARBOSA, J. G. De professor a ator social... p DEVEREUX, G. De la ansiedad al método en las ciências de comportamento.méxico: Siglo Veintiuno, 1985.

3 quando afirma que nas ciências sociais, o fundamental é o que ocorre dentro do observador, ou seja, suas próprias reações contratransferenciais enquanto ser humano concreto. Para ele discutir a questão da objetividade e da subjetividade nas ciências sociais, biológicas e humanas, é iludir-se quando se pensa desenvolver filtros cada vez mais sofisticados para eliminar as interferências do observador. A questão se coloca não a partir da eliminação dos filtros, mas eliminação da ilusão de que eles suprimem toda a subjetividade e neutralizam por completo a angústia do pesquisador. Para o autor, os dados nas ciências do comportamento são de três ordens: a) o comportamento do sujeito pesquisado; b) o contexto onde ocorre a observação e c) o comportamento do observador, suas angústias, suas manobras de defesa, suas estratégias de pesquisas, suas decisões. Tendo como referência as idéias deste autor e também aquelas apresentadas por Renè Barbier quando, didaticamente, apresenta o conceito de implicação a partir de três níveis o psico-afetivo, o histórico-existencial e o estrutural-profissional, concluía para mim que os resultados de nossas pesquisas, queiramos ou não, se apresentam profundamente marcados pela história psíquica-afetiva do pesquisador, sua personalidade mais profunda, seus impulsos libidinais, sua história de vida, sua formação profissional e sua inserção na estrutura social. Nesta direção de entendimento que, logo no inicio do texto da tese já alertava o leitor para o que iria encontrar, ou seja, o resultado de duas aventuras e dois processos o tempo todo se sobrepondo, diferenciando e se alternando: aquele vivido pelos professores da escola básica do Estado de Mato Grosso e o meu enquanto professor/pesquisador. Concluía que deveríamos caminhar teoricamente, numa concepção de educação na direção de dar conta do simbólico, do imaginário, do inconsciente presentes no terreno movediço das relações cotidianas que ocorrem no interior de uma escola. Para tanto a questão que se colocava para mim é um entendimento teórico e metodológico que possibilite e insira o profissional da educação em sua realidade histórica considerada numa perspectiva de práxis. Trata-se do esforço contínuo de entender a complexidade e a dialeticidade que se põe no instituído, com o propósito de descobrir e explorar os descaminhos, os desvios, os momentos instituintes de uma nova realidade. A terceira idéia é a de andaimes. A idéia é simples: ao falarmos de construção necessariamente temos que falar de andaimes. É através deles que se torna possível construir. Na pesquisa não nos colocamos sensíveis em darmos conta do aparato que dará sustentação às nossas afirmações e conclusões. De novo, às voltas com os conceitos de contratransferência e o de implicação mencionados acima. Mais, ainda uma outra coisa. Ao nos referirmos aos andaimes, aquilo que dá sustentação à construção e que será dispensado depois dela pronta, há também os restos de materiais, os pedaços de madeira, os monturos... Tudo aquilo que será dispensado e descartado e que, todos nós, fazemos questão de ocultarmos e darmos um fim para que não macule nossa construção. Depois da tese concluída, aprendi com Castoriadis e apreciei muito: Ao contrário da obra de arte, aqui não há edifício terminado e por terminar, tanto e mais que os resultados, importa o trabalho de reflexão e talvez seja, sobretudo isto que um autor pode oferecer, se é que ele pode oferecer alguma coisa. A apresentação do resultado como totalidade sistemática e burilada, o que na verdade ele nunca é (...) só reforça no leitor a ilusão nefasta para a qual ele, como todos nós, já tende naturalmente, de que o edifico foi construído para ele e doravante basta habitá-lo se assim lhe apraz. Construir catedrais ou compor sinfonias não é pensar. A sinfonia, se existe sinfonia, deve o leitor criá-la em seus próprios ouvidos. 10 Logo de início da tese, em meus objetivos, já anunciava que me propunha não só apresentar este movimento de construção de uma identidade profissional por parte daquele professor em questão mas, também, tentar demonstrar, no retorno, as conseqüências e as implicações da prática política sobre a prática pedagógica 11. Meu propósito apresentava uma segunda face que era verificar o que e em que sentido muda, na escola e na sala de aula, a atuação desse profissional 10 CASTORIADIS, A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982, p BARBOSA, J.G. De professor a ator social... p.11.

4 que se fez novo e diferente enquanto sujeito no cenário social e político. Neste sentido é interessante a fala da professora Maria da Conceição D Incao, componente da banca examinadora, por entender que ela sintetizou de forma límpida o que estou pretendendo destacar aqui. Em suas palavras: Acho que o caminho é insistir nessa coisa da relação. Você chega tranqüilamente nessa proposta quando propõe entender o professor, e é muito bonito, como um sujeito que se faz no próprio trabalho. A questão da educação, da comunicação, propriamente dita, do saber ou se o trabalho pedagógico apresenta uma característica que é só dele e que pode ser desalienador ou não. Se eu entendi, você traz para o debate é como esse saber é apropriado, isto é, não é o saber que é alienado ou alienante, é a forma de apropriação do saber que pode ser alienadora. Assim, você chega em sua proposta de sala de aula, de educação e penso que a partir daí, do momento em que começa a pensar a educação como uma relação e o professor como um sujeito que se constitui nesse processo reconstruindo, porque já existe um saber construído, a questão é como ele se apropria desse saber. 12 A partir de percurso assim percorrido me vi apaixonado por estudar o micro espaço da sala de aula e da formação acadêmica tendo em vistas estes pressupostos ou, melhor dizendo, os pressupostos da perspectiva multirreferencial já que neste período posterior a tese a partir de 1992, já foi possível ter acesso a um conhecimento um pouco mais aprofundado ou através de textos ou por meio de intercâmbio com os profissionais de Paris VIII iniciando com a vinda de Renè Barbier (1992), depois Alain Coulon (1995), Jacques Ardoino (1995 e 1998) e Guy Berger (2000). Como resultado desse processo de intercâmbio acadêmico fomos nos constituindo em um grupo interinstitucional de pesquisa. 13 O que apresento a seguir são três processos formativos realizados com alunos da graduação e pós-graduação na Universidade Federal de São Carlos. 1. Complexidade e heterogeneidade na sala de aula No primeiro semestre de 1999 fui o responsável pela disciplina Princípios e métodos do trabalho acadêmico científico junto à turma ingressante ao curso de Pedagogia da Universidade Federal de São Carlos. Tratava-se de alunos recém saídos do segundo grau, de diferentes cursinhos preparatórios para vestibular enfim, de alunos que pisavam pela primeira vez numa geografia de universidade. A primeira questão que me colocava era como fugir do padrão, já um tanto consagrado, de desenvolver a disciplina na forma de como se fazer resenhas, de como estudar as técnicas do trabalho, dito científico. Decidi que seria pouco conduzir a disciplina nesta perspectiva e não colocar o aluno em contato com questões importantes que a ciência tem enfrentado no interior de si mesma quando palavras de ordem como paradigma, mudança de paradigma, complexidade, modernidade, pós-modernidade, se fizeram presentes. Em um primeiro momento foi desenvolvido o que denominamos de "matematização da representação do mundo" com o objetivo de colocar o aluno em contato com a ciência que se estabeleceu a partir das contribuições decisivas de Descartes e Newton e cujo principal legado, no dizer de John Henry, foi "a ascensão da abordagem matemática na busca de compreensão do mundo natural desde o século XVI até o final do século XVII". 14 Autores como CAPRA 15, NÓBREGA 16 e DAMÁSIO 17 se fizeram presentes. 12 Conferir BARBOSA, J.G. Autores cidadãos... p Grupo Interinstitucional de Estudos e Pesquisas Multirreferenciais em Educação (GRIME), envolvendo as Universidades Federais de São Carlos, Salvador, Maceió e de Brasília além da Universidade Metodista de São Paulo,, tem realizado seu trabalho em três direções: intercâmbio com profissionais da Universidade Paris VIII; publicação de livros (BARBOSA, 2000 e 1998(a)e(b) ; BORBA (1997) e MACEDO (2000) ver bibliografia e orientações de dissertações e teses nos diferentes programas de pós-graduação. 14 HENRY, J. A revolução científica e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: Zahar, 1998, p.34.

5 No contraponto a esta primeira parte propus uma segunda, denominada paradigma da complexidade, onde autores como MORIN 18 e PELLANDA &PELLANDA 19 estiveram também presentes trazendo para o centro do debate sobre a ciência e o conhecimento, a idéia da complexidade das ciências humanas e do sujeito observador nela incluído: A subjetividade marca profundamente o novo paradigma. Isto tem conseqüências epistemológicas profundas. A ciência fin de siècle nos alerta, cada vez mais, para a autoorganização e para o papel do sujeito na construção da realidade. 20 Por último, concluídas estas duas unidades propus a discussão da perspectiva multirreferencial. Para trabalhar esta perspectiva foram debatidos autores como Jacques Ardoino, Cornelius Castoriadis, Renè Barbier, todos presentes na coletânea coordenada por BARBOSA 21 e também autores nacionais como Sérgio Borba, João Martins, Roberto Macedo e Teresinha Fróes, também presentes em outro trabalho organizado por mim 22. É importante destacar que conceitos como implicação, autorização, negatricidade, multirreferencialidade, bricolagem dentre outros, foram debatidos com os alunos com o esforço de uma compreensão também subjetiva e existencial do estudado. A idéia central desse processo era a de que se formar na escola significa formar-se enquanto pessoa e cidadão ao mesmo tempo. Tratava-se de exercitar a não dualidade da formação versus instrução que para Castoriadis como se pode formar alunos como seres autônomos no sentido verdadeiro e pleno do termo, se esses seres não aprendem a amar o saber, portanto, se eles não aprendem. É quase uma tautologia" 23. No início do curso propus aos alunos que fizessem o jornal de pesquisa anotando idéias, relações e percepções, que fossem surgindo no decorrer da leitura e da discussão em sala. Depois de um período de aula, no final do primeiro bimestre, solicitei que me entregassem um pequeno texto organizado a partir das próprias anotações. Este texto foi lido por mim, comentado e devolvido aos alunos. No final do segundo bimestre, portanto, final do semestre letivo, propus que o trabalho final se constituísse de três partes: a) texto do primeiro bimestre reelaborado a partir dos comentários do professor e da releitura dos textos quando fosse o caso; b) texto que apresentasse um diálogo entre os autores lidos no segundo bimestre tendo em vista o propósito do curso e c) o desenvolvimento de um item apresentando possíveis relações entre os autores estudados em sala e aqueles estudados em outras disciplinas cursadas no semestre. Foi marcada uma data na qual todos os alunos puderam entregar seus trabalhos levando em conta as regras de organização do trabalho acadêmico e científico, a esta altura, também debatido em sala através das normas da ABNT, com a presença de uma profissional do curso de Biblioteconomia e Ciências da Informação da UFSCar. Depois de concluído o curso e de ter avaliado os trabalhos apresentados, solicitei a três alunos do programa de pós-graduação em educação, para que fizessem uma leitura e uma apreciação 24. O resultado de tudo este esforço de aprendizagem encontra-se no prelo para publicação. 15 CAPRA, F. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix,1995; principalmente as páginas A máquina do mundo newtoniana. 16 NÓBREGA, C. Em busca da empresa quântica. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996; principalmente as páginas DAMASIO, A R. O erro de Descartes: emoração, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 1996; principalmente as páginas 276 a MORIN, E.. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, PELLANDA, N.M.C.&PELLANDA, L.E.C. Psicanálise hoje: uma revolução do olhar.petrópolis: Vozes, Idem, p BARBOSA, J.G. Multirreferencialidade nas ciências BARBOSA, J. G. Reflexões em torno da multirreferencialidade CASTORIADIS in BARBOSA, J.G. Multirreferencialidade nas ciências... p Os pós-graduandos a que me refiro são: Alex Fabiano Correia Jardim (formação em Filosofia); Francisca Romana Giacometti Paris (formada em Pedagogia) e Francisco Amaro Monteiro Junior (sociólogo); os três mestrandos do Programa de Pesquisa e Pós Graduação da UFSCar, área de Fundamentos.

6 2. Estágio pesquisa Nesta segunda experiência proponho apresentar o trabalho realizado com alunas e alunos formandas(os) na Habilitação em Administração Escolar do curso de Pedagogia da UFSCar. Nesta experiência as mesmas idéias fundantes que venho colocando em destaque até aqui, se entrelaçam e se processam simultaneamente: a idéia de processo, de pesquisa, de reflexão e de formação. 25 O eixo norteador desta proposta de estágio tem a formação para a pesquisa como estratégia formativa de um profissional capaz de se sintonizar com as demandas atuais da realidade educacional brasileira e ousar propor interpretações e encaminhamentos possíveis para os problemas identificados. Nesse sentido, a pesquisa não é entendida pelo seu caráter simplesmente formalista enquanto exercício de regras de montagem e aplicação de questionários, mas na perspectiva de problematização da realidade educacional, criação de propostas indagativas e interpretativas com o propósito de ir além de uma realidade escolar endurecida e tão natural como a nossa e, ao mesmo tempo, o exercício de se ver enquanto sujeito social capaz de propor respostas criativas e criadoras para o seu fazer cotidiano. A experiência prática do que venho denominando estágio-pesquisa, iniciou-se em Naquele ano, o grupo de alunas, num total de vinte e três, se definiu por este encaminhamento do estágio e os passos que se seguiram foram: definição do problema a ser pesquisado de interesse do aluno(a); elaboração do projeto de estágio na forma de pesquisa; ida à campo para coleta dos dados e elaboração do relatório. No segundo semestre daquele ano, na disciplina Tópicos especiais em administração escolar, aprofundamos o trabalho realizado durante o estágio e produzimos, em conjunto, um texto relatando a experiência 26. Algo semelhante ocorreu com as turmas posteriores concluintes do curso de Pedagogia, resultando também em textos elaborados a partir da observação e reflexão sobre a experiência de estágio 27. O estágio-pesquisa tem apresentando dois aspectos fundamentais: um pedagógico, quando se constitui numa experiência diferente de se aproximar e conhecer a escola; de se exercitar nas tarefas de como se construir um projeto de pesquisa, dentre outros, e um aspecto de formação administrativa quando o aluno decide desde o problema que propõe pesquisar, as estratégias, os encaminhamentos, os redirecionamentos... Enfim: exercita a tomada de decisões, a qualidade do processo, dos resultados e a integração de seu trabalho com a vida da escola e dos profissionais que lá trabalham. 3. A sala de aula e formação para autoria Aqui proponho apresentar a experiência realizada com os alunos da pós-graduação em educação da UFSCar, no decorrer do segundo semestre de Também se referiu a uma disciplina desenvolvida durante aquele semestre cuja bibliografia básica eram os textos sobre multirreferencialidade tentando uma aproximação com a formação do administrador educacional. O nome da disciplina era Estudos avançados em administração educacional. Fazia parte também do grupo de alunos aqueles interessados em se prepararem para ingressarem no Programa, os chamados alunos especiais que, como os regulares cumpriam todas as tarefas para futuro aproveitamento dos créditos caso fossem aprovados dentro de um período de dois anos. 25 O trabalho a que me refiro foi realizado no período de 1996 a 2000, incluindo três turmas de formandos da Pedagogia da UFSCar. Tratava-se de um trabalho que envolvia duas disciplinas Estágio Supervisionado em Administração Escolar e Tópicos Avançados em Administração Escolar no decorrer de um ano letivo. 26 A experiência estágio-pesquisa foi realizada com os formandos em 1996; 1998 e Este texto a que me refiro, organizado pela turma que se formou em 1966, encontra-se publicado in: BARBOSA, J.G. Estágio pesquisa: uma experiência formativa. HISPECI&LEMA, Bebedouro, 1998, v.3, p Inúmeros destes trabalhos foram apresentados em congressos científicos tanto na UFSCar quanto fora.

7 Desta experiência toda ela registrada no livro Autores cidadãos: a sala de aula na perspectiva multirreferencial 28, faço um destaque especial para o jornal de pesquisa. Duas eram as condições para participação do curso: de um lado, a necessidade de se trabalhar um problema de pesquisa e, de outro, o desenvolvimento do próprio jornal de pesquisa. Quanto a primeira condição, para aqueles alunos especiais não envolvidos com pesquisas de dissertação ou tese, dediquei uma hora por dia no final de cada aula, para que cada aluno estabelecesse uma aproximação a um determinado tema com o objetivo de problematizá-lo e, assim, poder participar do curso. A idéia era criar a oportunidade para que pudessem vivenciar conceitos como implicação, bricolagem, autoria, relacionando-os a um problema de pesquisa, a fim de que pudesse experienciar a própria formação a partir da angústia do pesquisador diante de uma realidade distante por um lado e próxima, por outro, na medida que a problematiza. No caso específico da disciplina em questão, o jornal de pesquisa foi colocado como instrumento de avaliação em uma dupla perspectiva. Em um sentido, foi solicitado ao aluno que no final do curso apresentasse o próprio jornal de pesquisa, como foi elaborado, respeitando a cronologia de como foi produzido e, em outro sentido, que o aluno entregasse um ensaio a respeito de seu problema de pesquisa, evidentemente, aproveitando, naquilo que fosse possível, seu jornal de pesquisa. Houve um acompanhamento por parte do professor no processo de anotações, angústias e inseguranças, vivido pelos alunos. Em um curso programado para ser realizado em quinze encontros, no décimo terceiro, todos já se encontravam com os próprios textos concluídos e prontos para serem debatidos com os colegas de turma, o que aconteceu nos dois últimos encontros. Assim, a publicação Autores cidadãos, possibilitou socializar todo um processo individual e coletivo de elaboração do jornal de pesquisa, o qual se inicia com uma escrita pessoal e se conclui com a publicação e socialização da mesma 29. A seguir, um pouco do meu jornal de pesquisa de então. Com pequenas correções o objetivo é apresentar minha angústia enquanto professor ao por em prática um processo com estas características. 23/08/99. Combinei com os alunos que todos deveriam realizar o seu jornal de pesquisa e como instrumento de avaliação teríamos no final do curso dois textos: o jornal de pesquisa e um ensaio a partir do vivido no decorrer do curso e do material registrado no próprio jornal de pesquisa.o curso teve seu inicio no dia 19 de agosto de Hoje quando escrevo é 23 de agosto, uma segunda feira, dia em que ocorreu a qualificação do João Batista sobre o tema multirreferencialidade e educação. 30 São 20:20. Decidi que também faria o jornal de pesquisa e também me proponho construir os dois textos: o jornal e o ensaio. Por que? Estou bastante apreensivo com a proposta que fiz aos alunos do curso. Algumas das razões: Em primeiro lugar trata-se de uma traição aos próprios alunos e aos meus colegas de departamento quando pensam que estaria oferecendo um conteúdo um tanto clássico sobre administração educacional e eu me enveredo por este caminho exposto no programa da disciplina. Em segundo lugar, trata-se de um referencial um tanto recente o qual vem sendo debatido a partir de 1992, mais propriamente a partir de novembro de 1995 quando vem ao Brasil o professor Jacques Ardoino... Portanto, um referencial epistemológico novo colocado perante um grupo de estudos como este traz, no mínimo, algumas implicações: a) há uma tensão de minha parte quanto à responsabilidade de condução de um processo acadêmico desta natureza, ao menos razoável, no tocante a apresentação dos conceitos e principalmente no tocante a apropriação e, se posso dizer, a 28 BARBOSA,J.G. Autores cidadãos: a sala de aula Nesta perspectiva de socialização do jornal de pesquisa é preciso registrar o trabalho de Karla Paulino Tônus (1999), que traz em anexo ao seu trabalho de dissertação o jornal de pesquisa realizado no decorrer do processo. (Ver bibliografia). 30 Trata-se da defesa de tese de doutorado de MARTINS, João Batista. Abordagem multirreferencial: contribuições epistemológicas e metodológicas para o estudo dos fenômenos educativos. São Carlos: UFSCar, Tese defendida em 20 de março de 2000.

8 (re)criação (para si) dos conceitos: b) há, sem dúvida, um desdobramento no que se refere ao entendimento de práticas até então com outro sentido e significado como, por exemplo, a própria concepção de aula, de aprendizagem, de professor, de aluno, de relação professoraluno, etc. Daí o desafio: como encarar uma teoria e uma prática de cara nova? Além de considerar que o grupo, inclusive eu professor, trazemos algumas marcas bastante profundas construídas na relação social, cujas marcas, enquanto nos possibilita uma identidade para atuarmos no social, para integrarmos nossa individualidade talvez, por isso mesmo, nos impõe obstáculos (ou contra-pontos) quanto à apropriação do diferente... Algumas questões me ocorrem: será que conseguiremos nos apropriarmos da relação em ato, aquela que ocorre na sala de aula e, por nos apropriarmos dela, será que conseguiremos pensá-la e realiza-la de forma que seja prazerosa ao mesmo tempo em que produtiva? Vou parar por aqui hoje. Confesso que estou tenso, inseguro, ao mesmo tempo em que, desafiado a propor esta reflexão conjunta em ato... 24/08/99 Ainda estou preso no que registrei ontem em meu jornal de pesquisa. Faltou colocar com maior clareza o que decidi e porque decidi. Decidi cumprir o ritual proposto como qualquer um dos alunos realizando o jornal de pesquisa, o texto e apresentar o meu problema para pesquisa. De uma proposição assim já é possível compreender o entendimento diverso que estou tendo do que seja ser professor, do que seja ser aluno. Todos cumprimos as mesmas tarefas... O meu papel preponderante é o de construtor e de condutor de processos... O problema que proponho pesquisar poderia ser resumido mais ou menos da seguinte forma: como seria na prática a implantação de uma proposta diferente como a idéia da pesquisa se constituir em processo formativo? Neste sentido proponho entender esta sala de aula enquanto objeto de estudo para refletir as implicações, os encontros e desencontros de uma prática diferenciada do que comumente se entende enquanto tal. Há muitas idéias inovadoras na literatura pedagógica brasileira, o desafio é como transformá-las em recursos práticos de intervenção na realidade... Estou um pouco confuso pensando em muitas coisas ao mesmo tempo. Neste momento quero interromper estas anotações e pensar de forma mais sistematizado esta minha proposta de pesquisa... 26/08/99 Hoje aconteceu a segunda aula. O meu sentimento maior é o quanto de maturidade e competência é necessário para introduzir um debate com temas novos como sensibilidade, subjetividade, coisas da pessoa, e também, a partir de uma abordagem nova como a multirreferencialidade. Estou tentando caminhar com muito cuidado e segurança (O que seria entender como segurança neste momento?) não só pensando nos resultados, mas tentando apreender e refletir sobre este processo novo para todos nós. Em nosso debate na sala rolou algo semelhante a isso quando alguém observou temas como estes não cabem na escola. Normalmente o professor diria, após uma conversa semelhante nestes termos: Bem, agora voltemos à aula! É como se isso não pudesse ser considerado aula. Fiquei pensando: esta nossa escola resultado de uma forma de pensar a partir do paradigma cartesiano do penso, logo existo, nesta nossa escola por não permitir tais temas acaba por negar espaço para a pessoa humana. É uma escola desumana neste sentido. Mais do que psicanalizar o professor, ou algo semelhante, é preciso reconsiderar a ciência pedagógica, aquela que sustenta esta escola desumana que aí está e, à luz de psicanálise e dos novos conhecimentos da ciência, incorporar o sujeito desejante e complexo além do sujeito pensante cartesiano. Estou gostando muito de fazer este meu jornal de pesquisa!

9 BIBLIOGRAFIA BARBIER, René. A pesquisa-ação na instituição educativa. Rio de Janeiro: Zahar, BARBOSA, Joalquim G. De professor a ator social: os andaimes de uma construção. Estudo sobre a luta política dos professores da escola pública em Mato Grosso: 1979 a Tese de doutorado. São Paulo: PUC, BARBOSA, Joaquim G. Administrador-educador-pesquisador: uma idéia possível. HISPECI&LEMA, v. 2, Bebedouro, BARBOSA, Joaquim G. (Coordenador) Multirreferencialidade nas ciências e na educação. São Carlos: EdUFSCar, BARBOSA, Joaquim G. (organizador) Reflexões em torno da abordagem multirreferencial. São Carlos: EdUFSCar, BARBOSA, Joaquim G. e alunas da Pedagogia da UFSCar. Estágio-pesquisa em administração escolar: uma experiência formativa. HISPECI&LEMA, v.3, Bebedouro, BARBOSA, Joaquim G. (coordenador) Autores cidadãos: a sala de aula na perspectiva multirreferencial. São Carlos: São Paulo: EdUFSCar, EdUMESP, BARBOSA, Joaquim G. Estágio-pesquisa e a formação do administrador educacional. São Carlos: UFSCar, (Relato de uma experiência) BORBA, Sérgio da Costa. Multirreferencialidade na formação do professor-pesquisador: da conformidade a complexidade. Maceió, CAPRA, F. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix, CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, DAMÁSIO, António R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, DEVEREUX, G. De la ansiedad al metodo en las ciencias de comportamento. México: Siglo Veintiuno, HENRY, John. A revolução científica e as origens da ciência moderna. Rio de Janeiro: Zahar, MACEDO, MACEDO, Roberto Sidnei. A etnopesquisa crítica e multirreferencial nas ciências humanas e na educação.salvador: EdUFBA, MARTINS, João B. Abordagem multirreferencial: contribuições epistemológicas e metodológicas para o estudo dos fenômenos educativos. São Carlos: UFSCar, Tese de doutorado. MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, NÓBREGA, Clemente. Em busca da empresa quântica. Rio de Janeiro: Ediouro, PELLANDA, N.M.C. e PELLANDA, Luiz E. C. (org) Psicanálise hoje: uma revolução do olhar. Petrópolis: Vozes, TONUS, karla Paulino.Encantos e desencantos na educação: um estudo sobre a teoria das inteligências múltiplas à luz da multirreferencialidade. Dissertação. São Carlos: UFSCar, 1999.

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação Rita Monteiro Universidade Católica Portuguesa Abril 2014 Fontes / Referências Roldão (2013, 2008, 2007, 2004) Alarcão (1998) Shulman (2005,

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel.

A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL. Palavras Chave: Modelagem Matemática; Educação de Jovens e Adultos (EJA); Internet Móvel. A MODELAGEM MATEMÁTICA E A INTERNET MÓVEL Márcia Santos Melo Almeida Universidade Federal de Mato Grosso do Sul marciameloprofa@hotmail.com Marcos Henrique Silva Lopes Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática

X Encontro Nacional de Educação Matemática PESQUISA-AÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Autor: Maristela Alves Silva Projeto Observatório da Educação- UFSCar-SP maristelamarcos@hotmail.com Resumo: Este texto se reporta

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência FILOSOFIA PARA CRIANÇAS 1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência O Prof. Dr. Matthew Lipman, filósofo e educador norte-americano, criou o Programa Filosofia para Crianças no final

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1

ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON1 ESTUDO DE PROJETOS E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE NATAÇÃO/EDUCAÇÃO FÍSICA SUBSIDIADA POR PRINCÍPIOS E CONCEITOS DA TEORIA DE HENRI WALLON 1 Ana Martha de Almeida Limongelli (PED/PUC-SP) Introdução: O presente

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL

UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL UM PRODUTO EDUCATIVO PARA FAZER EDUCAÇÃO AMBIENTAL Se, na verdade, não estou no mundo para simplesmente a ele me adaptar, mas para transformá-lo [...] devo usar toda possibilidade que tenha para não apenas

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA.

Jardim Helena São Miguel Paulista PROJETO DE REGÊNCIA EM TURMAS DO ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA. De acordo com às determinações constantes do Plano de Estágio Supervisionado, submeto à apreciação de V.Sª o plano de aula que foram desenvolvidas no Estágio de Licenciatura em Matemática no período de

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica

Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Ensinar ciências fazendo ciência com professores e alunos da educação básica Pavão, Antonio, C.¹, Rocha, Claudiane, F..S.², Silva, Ana, P.³ Espaço Ciência - www.espacociencia.pe.gov.br pavao@ufpe.br¹,

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ALUNO BOLSISTA SUBPROJETO DE 2011. 2 Semestre de 2011 Ministério da Educação Secretaria de Educação Média e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Maria Rosane Flach Rosangela Beatriz Dienstmann

Leia mais

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014

Gabriel Pereira Janner. Word e Excel Básico e Avançado. Dom Pedrito 2014 1 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Dom Pedrito 2014 2 Gabriel Pereira Janner Word e Excel Básico e Avançado Trabalho cujo objetivo passar conhecimento básico e avançado na Disciplina

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais