Jornal Brasileiro de Psiquiatria Brazilian Journal of Psychiatry

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornal Brasileiro de Psiquiatria Brazilian Journal of Psychiatry"

Transcrição

1 EDITORA DIA GRA PHIC Jornal Brasileiro de Psiquiatria vol nº 3 Maio - Junho 2003 Jornal Brasileiro de Psiquiatria Brazilian Journal of Psychiatry Órgão Oficial do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro IPUB ISSN CODEN JBPSAX volume 52 mai/jun Publicação bimestral Alcebíades Gomes Festa Junina, 1964 Óleo sobre tela 3

2 Jornal Brasileiro de Psiquiatria ISSN CODEN JBPSAX volume 52 mai/jun 2003 J.bras.psiquiatr. 52 (3): , 2003 Publicação bimestral Órgão Oficial do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro IPUB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PESQUISA Av. Venceslau Brás, 71 Fundos Rio de Janeiro RJ Brasil Tel: (5521) Fax: (5521) DIRETOR Márcio Versiani JORNAL BRASILEIRO DE PSIQUIATRIA EDITOR João Romildo Bueno EDITORA ASSISTENTE Gláucia Azambuja de Aguiar EDITORES ASSOCIADOS E. Portella Nunes Filho João Ferreira da Silva Filho EDITOR EXECUTIVO Newton Marins CORPO EDITORIAL Naomar de Almeida Filho Márcio Amaral Thomas A. Ban Othon Bastos J. M. Bertolote Neury José Botega Marco Antônio Alves Brasil Max Luiz de Carvalho Roosevelt M.S. Cassorla Juarez Oliveira Castro Aristides Cordioli Jurandir Freire Costa Paulo Dalgalarrondo Carlos Edson Duarte Luiz Fernando Dias Duarte Wiiliam Dunningham Claudio Laks Eizerick Helio Elkis Eliasz Engelhardt Rodolfo Fahrer Marcos Pacheco de Toledo Ferraz Ivan Luis de Vasconcellos Figueira Josimar Mata de Farias França Ricardo Gattass Wagner F. Gattaz Valentim Gentil Filho Clarice Gorenstein Mauro Gus Luiz Alberto Hetem Miguel Roberto Jorge Flávio Kapczinski Julio Licinio Carlos Augusto de Mendonça Lima Maurício Silva de Lima Pedro A. Schimidt do Prado Lima Ana Carolina Lobianco Mário Rodrigues Louzã Neto Theodor S. Lowenkron Nelson Maculan Jair de Jesus Mari Paulo Mattos Celine Mercier Eurípedes Constantino Miguel Filho Talvane M. Morais Antônio Egídio Nardi Irismar Reis de Oliveira Marcos Palatinik Antônio Pacheco Palha Roberto Ayrton Piedade João Ismael Pinheiro Ana Maria Fernandes Pitta José Alberto Del Porto Branca Telles Ribeiro Fábio Lopes Rocha Jane de Araújo Russo Luiz Salvador de Miranda Sá Jr. Benedetto Saraceno Itiro Shirakawa Jorge Alberto Costa e Silva João Ferreira da Silva Filho Fábio Gomes de Matos e Souza Ricardo de Oliveira Souza Yves Thoret Gilberto A. Velho Walter Zin Antonio W. Zuardi Programação Visual e Produção Gráfica DIA GRA PHIC EDITORA Diagraphic Editora Av. Paulo de Frontin 707 Rio Comprido CEP Rio de Janeiro-RJ Telefax: (21) Pede-se permuta Se solicita el canje Exchange requested Man bittet um Austausch On prie l échange Si prega lo scambio 071 CIP-BRASIL-CATALOGAÇÃO NA FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ Jornal brasileiro de psiquiatria / Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro. V.1, nº 1 ( ). Rio de Janeiro: ECN-Ed. Científica Nacional, 2000 v.50 Mensal Editado pela Diagraphic a partir do V.49 (10-12), 2000 Descrição baseada em: V.47, nº12 (1998) ISSN Psiquiatria - Periódicos brasileiros. I. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Psiquiatria CDD CDU

3 Nossa Capa Alcebíades Gomes Festa Junina, 1964 Óleo sobre tela Junho merece um retorno (não o eterno...) às obras de Alcebíades Bide recém-restauradas. Por esta época, Alcebíades estava em fase muito produtiva, incentivado que era pelos monitores da praxiterapia, principalmente por Otacília, também pintora e excelente profissional, do grupo de Luiz Cerqueira. Cerqueira escreveu um artigo correlacionando as melhoras sintomáticas observadas nos pacientes tratados com sua produção artística, tanto em qualidade como em quantidade, e Bide era um dos casos mais bem analisados no estudo. Apesar de o diagnóstico de esquizofrenia residual indicar, à época, pouca possibilidade de reinserção familiar ou de interação social, Cerqueira acreditava na arte como ponte para vencer esta crença. Bide tinha sintomas controlados com doses baixas de neurolépticos associados a fenobarbital noturno. De tempos em tempos, ensimesmava-se, tornava-se arredio e chegava mesmo a perder sua permanente polidez e lhaneza no trato. Deixava de fazer obséquios aos médicos e funcionários. Quando ia à praxiterapia, pouco produzia, rabiscava alguma coisa com lápis de cor, saia rápido. Estas situações eram acompanhadas de insônia, irritabilidade e, por vezes, agressividade. Quando as doses de neuroléptico eram ajustadas, os sintomas voltavam a ser controlados; Alcebíades voltava ao normal: Está tudo ótimo, muito bem mesmo. Sua produção artística retornava ao nível anterior. Carnavais, festas juninas, maracatus e danças de roda iam se sucedendo, substituindo os rostos e as paisagens descoloridos. Interessante notar que Cerqueira já dizia que certas pessoas, como Alcebíades, conseguiam criar coisas tão bonitas apesar da doença, e não porque eram doentes. Em outras palavras, a esquizofrenia não torna ninguém genial J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

4 Sumário Paulo Borini; Romeu Cardoso Guimarães; Sabrina Bicalho Borini Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico: padrões de uso e aspectos demográficos e epidemiológicos Illicit drug users admitted in psychiatric hospital: patterns of usage, demographic and epidemiologic aspects Paulo César Ribeiro Barbosa; Paulo Dalgalarrondo O uso ritual de um alucinógeno no contexto urbano: estados alterados de consciência e efeitos em curto prazo induzidos pela primeira experiência com a ayahuasca The ritual use of a hallucinogen in an urban context: altered states of consciousness and short-term effects induced by the first ayahuasca experience Paulo Dalgalarrondo; Clarissa de Rosalmeida Dantas; Cláudio Eduardo Muller Banzato; Mário Eduardo Costa Pereira Delírio: características psicopatológicas e dimensões comportamentais em amostras clínicas Delusion: psychopathological characteristics and behavioral dimensions in clinical samples Diana de Oliveira Frauches; Maria Margarida Pereira Rodrigues Estudantes de medicina e suas atitudes em relação à Aids em Vitória (ES) Medical students and their attitudes towards Aids, in Vitória, Espírito Santo, Brazil Clareci Silva Cardoso; Waleska Teixeira Caiaffa, Marina Bandeira, Arminda Lucia Siqueira, Inara Kellen Fonseca, José Otávio Penido Fonseca Qualidades psicométricas da escala de qualidade de vida para pacientes com esquizofrenia: escala QLS-BR Psychometric qualities of the quality of life scale for schizophrenic patients: scale QLS-BR Cíntia S. Fuzikawa, Elizabeth Uchôa, Maria Fernanda Lima-Costa Teste do relógio: uma revisão da literatura sobre este teste para rastreamento de déficit cognitivo Clock drawing test: a review on this cognitive screening test Pedro Gabriel Delgado; Renata Weber Idéias, Debates e Ensaios Configurações dos serviços de atenção diária até 2001: um estudo com 295 serviços Errata: No artigo Mania e Gravidez: Implicações para o Tratamento Farmacológico e Proposta de Manejo, publicado no JBP 2003; 52(2): , a forma correta da referência nº 7 é: Baptista T, Araujo H, Ruda P, Hernández L. Congenital neuroblastoma in a boy born to a woman with bipolar disorder treated with carbamazepine during pregnancy. Prog Neuro-Psychopharmacol Biol Psychiatry, 1998; 22: Fontes de referência e indexação: Academia de Ciências da Rússia Biological Abstracts BLDSC British Library Document Supply Center CAS Chemical Abstracts Service of American Chemical Society Chemical Abstracts Embase/Excerpta Medica EMDOCS Embase Document Delivery Service IBICT Sumários Correntes Brasileiros INIST Institute de L information Scientifique et Technique KNAW Library of The Royal Netherlands Academy of Arts and Sciences LILACS Index Medicus Latino-Americano NISC Pennsylvania, Inc. Periódica CICH-UNAM Psychoinfo American Psychological Association Ulrich s International Periodicals Directory UMI University Microfilms International 166 J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

5 Carta ao Editor Senhor editor, Gostaria de dar os meus parabéns pela publicação do artigo Revisitando a psicopatologia, de Nivaldo Duarte Marins, no Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 52(1): 35-41, Já era hora de mostrar que psicopatologia não é peça de museu, como pensam psiquiatras americanófilos agarrados ao spet-scan, à ressonância magnética, ao estudo exclusivo dos fármacos (subsidiados pelos laboratórios multinacionais), que entendem que a clínica não é soberana. Sim, psicopatologia é fundamental e, se não o fosse, não haveria tantos excelentes psiquiatras contemporâneos, franceses, italianos, espanhóis, portugueses e brasileiros. Infelizmente não são estes os que triunfam doutrinariamente sobre aqueles que pensam que a psicopatologia está ultrapassada. Por causa disso ainda vai chegar o dia no qual, por falta de um mínimo de conhecimento de psicopatologia, vão chamar esquizofrenia de bipolar, arteriosclerose cerebral de doença de Alzheimer, psicose sintomática de sabe-se lá o quê. Aliás, já chegou. Os americanos não bombardeiam somente o Iraque: suas bombas de há muito caem na psiquiatria, destroçando o todo e criando estes pechisbeques do saber, que substituem Nobre de Melo e Jaspers por DSM IV, como se este último fosse a bíblia da psiquiatria, e não um mero catalogão com códigos para alimentar telas de computador. Podem ter charme cibernético, mas não passam de cobre e vidro, em vez de ouro e diamante, como se julgam. Parabéns, professor Nivaldo Duarte Marins, o seu artigo é bom e oportuno. Guido Arturo Palomba Psiquiatra forense; presidente da Academia de Medicina de São Paulo 168 J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

6 Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico: padrões de uso e aspectos demográficos e epidemiológicos Illicit drug users admitted in psychiatric hospital: patterns of usage, demographic and epidemiologic aspects Paulo Borini 1 ; Romeu Cardoso Guimarães 2 ; Sabrina Bicalho Borini 3 Recebido em: Aprovado em: R e s u m o Foram estudados 406 pacientes, 382 (94%) do sexo masculino, usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico. Informações sobre as características demográficas e epidemiológicas, tipos de droga, idade de início, padrões e rotas de uso foram obtidas através de instrumento anamnéstico estruturado. No mesmo intervalo de tempo, a prevalência de uso de drogas ilícitas foi muito maior entre os homens do que entre as mulheres. Em ambos os sexos, cerca de metade dos pacientes tinha idade abaixo dos 20 anos e 80%, abaixo dos 30 anos. O início do uso ocorreu antes dos 20 anos de idade em 80% dos homens e em 90% das mulheres. A cor da pele não esteve relacionada com a prevalência de uso. O crack, isoladamente ou associado à maconha, foi a droga de uso mais prevalente: 37,2% e 25,7%, respectivamente, por homens; 58,3% e 29,2%, respectivamente, por mulheres. Eram 207 usuários de monodroga (51%) e 199 de polidroga (49%), sendo a primeira ligeiramente mais freqüente entre as mulheres. A quantidade de droga consumida por cerca de 98,6% dos usuários de crack, 96,2% dos de maconha e 91,7% dos de cocaína era menor ou igual a 15g, 10g e 5g, respectivamente. Os homens consumiam crack e maconha em quantidades significativamente maiores que as mulheres. Tolerância foi observada apenas com relação ao crack. Unitermos uso de droga; drogas ilícitas; padrões de uso; demografia; epidemiologia S u m m a r y Illicit drug users admitted into psychiatric hospital were studied, totaling 406 patients, 382 (94%) of males. Their demographic and epidemiologic characteristics, and information on types of drugs, age at start of usage, patterns and routes of intake were obtained through structured anamnestic instrument. Illicit drug usage was much greater among men than among women in the same period. About half of the patients, of both sexes, were below 20 and 80% below 30 years of age. Usage started before age 20 in 80% of men and 90% of women. There was no skin color effect on prevalence of usage. Most prevalent was the usage of crack, singly or associated to marijuana: 37.2% and 25.7%, respectively, among men; 58.3% and 29.2%, respectively, among women. Monodrug users were 207 (51%) and of polydrug 199 (49%), the former kind being slightly more frequent among females. Daily amounts consumed were up to 15g of crack, by 98.6% of users; 10g of marijuana, by 96.2% of users; and 5g of cocaine, by 91.7% of users. Consumption of crack and cocaine were significantly higher in males than in females. Only crack usage depicted tolerance. Uniterms drug usage; illicit drugs; pattern of usage; demography; epidemiology 1 Professor assistente da Faculdade de Medicina de Marília; médico clínico do Hospital Espírita de Marília, Marília-SP. 2 Professor adjunto do Departamento de Biologia Geral, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte-MG. 3 Acadêmica em Iniciação Científica, Faculdade de Medicina, Universidade de Marília, Marília-SP. J.bras.psiquiatr. vol. 52 (3): ,

7 Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico Borini et al. Introdução Desde 1995 tem ocorrido acentuado aumento no número de internações de usuários de drogas ilícitas no Hospital Espírita de Marília (HEM). É muito provável que tal fato seja reflexo do surto epidêmico de uso que vem grassando em nosso meio desde os meados dos anos 80. Tem sido admitido, pela incidência crescente e pela relevância dos problemas a ela relacionados, que o uso e a dependência de drogas virão a constituir as doenças psiquiátricas características do início do século entrante. Esta ascensão tem trazido problemas para os serviços públicos, desde o sistema de justiça criminal até os serviços sociais e de saúde, demandando remodelações conceituais e estruturais destes, incluindo a interação em suas ações. Nos EUA tem sido observada enorme demanda de cuidados hospitalares por parte dos usuários de drogas ilícitas em decorrência de substancial morbidade nesta população 27. Para os hospitais psiquiátricos, com as características do HEM, têm sido drenados os usuários pertencentes a famílias de menor poder aquisitivo. A maioria das hospitalizações se faz para desintoxicação, embora uma proporção significativa delas seja de indivíduos, em geral menores de idade, encaminhados por autoridades do ministério público, seja por cometerem pequenos delitos ou por solicitação dos familiares, que se sentem impotentes para controlar a situação. Esses novos clientes, com perfis psicoemocionais e comportamentais bastante diferentes dos usuários exclusivos de álcool, têm trazido problemas para as instituições hospitalares adaptadas para tratamento de alcoolistas. No Brasil, os aspectos demográficos e epidemiológicos de usuários de drogas ilícitas têm sido abordados em estudos que envolvem grupos específicos da população, principalmente estudantes 1,3, 6, 8-11, 20, 21, 28. Tem sido realçado que os levantamentos epidemiológicos, realizados por auto-relatos ou por entrevistas auto-administradas, ainda que obtidos de modo sigiloso, não apresentam um quadro acurado da prevalência do uso de drogas em geral e de certas drogas em particular 18. Já foi observado que, em entrevistas sucessivas, os usuários pesados de determinadas drogas se mostravam mais dispostos a discutir o envolvimento com elas do que os usuários que relatavam níveis mais baixos de consumo 19. Embora a indicação de internação para desintoxicação seja controversa, considerada não-de- sejável 30 por alguns, o estudo de pacientes em regime de internação hospitalar permite conhecer aspectos particulares da epidemiologia das drogas e, com mais detalhes, formas e padrões de uso. O conhecimento dos padrões de uso de drogas, por sua vez, permite: classificar os usuários para a constituição de grupos homogêneos quanto aos tipos de drogas; estabelecer o nível de consumo de cada uma das drogas; identificar as razões de uso; avaliar a gravidade do quadro da dependência; estabelecer critérios que permitirão avaliar a eficácia dos esquemas terapêuticos, assim como os resultados da terapêutica pela mudança do padrão e estabelecer correlações entre padrão de consumo e doenças orgânicas. Em nosso meio, poucos são os estudos envolvendo dependentes de drogas ilícitas internados em hospitais para tratamento da dependência 12, 32, 35. As estatísticas hospitalares e as informações obtidas dos internados constituem fontes de dados úteis para futuras avaliações dos custos socioeconômicos e conseqüências do tratamento, permitindo formular ou reformular políticas de tratamento e prevenção. O objetivo deste estudo é investigar e descrever os padrões de uso de drogas ilícitas de usuários internados e avaliar sua associação com características sociodemográficas desses usuários. Metodologia Foram estudados, depois da aprovação do comitê de ética do hospital e de consentimento informado dos pacientes, com exclusão dos que apresentavam retardo mental, alucinações e déficit auditivo, 382 pacientes do sexo masculino (187 internados durante o período compreendido entre outubro de 1996 e dezembro de 1997 e 195 internados entre janeiro de 1998 e dezembro de 1998). Durante este último período, foram incluídas também 24 pacientes do sexo feminino, compondo o total de 406 usuários de drogas ilícitas que preenchiam os critérios diagnósticos para dependência química (CID ). Os pacientes foram examinados clinicamente (anamnese e exame físico) e os dados sobre os aspectos relativos aos tipos de drogas usadas e rotas de uso, idades atual e de início da dependência (idade em que o uso tornou-se constante) e padrão de uso foram obtidos por entrevista semi-estruturada baseada no Addiction Severity Index (ASI) 14, realiza- 172 J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

8 Borini et al. Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico da pelo primeiro autor. A avaliação da quantidade de droga consumida diariamente gramas, nos casos de cocaína, crack, maconha e álcool, e tempo de inalação (em horas somadas dos episódios de inalação de cola de sapateiro), no caso do tolueno foi obtida através de auto-relato e pela confrontação deste com a informação dos gastos diários na aquisição da droga (na ocasião, quando havia equivalência entre o real e o dólar americano, o grama de maconha custava R$ 1,00; o de crack, R$ 10,00; o de cocaína, R$ 15,00 a R$ 20,00 e a lata de cola de sapateiro, de diversos tamanhos, de R$ 2,00 a R$ 3,00). A avaliação do consumo diário de álcool, na maioria dos casos na forma de aguardente de cana, foi feita por auto-relato sobre quantidade e freqüência de uso. Os dados são apresentados como média ± desvio padrão. Comparações estatísticas foram realizadas através do teste qui-quadrado com correção de Yates ou teste bicaudal de Fisher para as variáveis qualitativas e teste t de Student ou análise de variância (Anova) para variáveis quantitativas. Adotou-se o nível de significância de 5%. Os dados foram processados e analisados pelo programa estatístico Epi-Info 6.0. Observou-se que a maconha e o crack eram consumidos por aspiração bucal da fumaça de cigarro e cachimbo, respectivamente; cocaína, na grande maioria dos nossos casos, por inalação nasal por meio de tubos; e tolueno (no nosso estudo, cola de sapateiro) por inalação, depois de retirado da lata e colocado em saco, usualmente de material plástico. O tolueno, muito mais freqüentemente que as outras drogas, era consumido em grupos, sendo que a lata de maior tamanho tem substância para aproximadamente cinco usuários e era consumida ao cabo de duas a três horas. A maioria dos pacientes pertencia a classe socioeconômica baixa. As características demográficas e epidemiológicas são apresentadas na Tabela 1. A proporção sexual nas internações, considerando o período em que ambos os sexos foram incluídos no estudo, foi de aproximadamente oito homens para uma mulher. Diferenças entre os sexos quanto a idade média, idade de início do uso e tempo de uso não foram significativas. Cerca da metade dos usuários do sexo masculino e pouco menos da metade dos usuários Resultados Tabela 1 Características demográficas e epidemiológicas de usuários de drogas ilícitas, de ambos os sexos, internados em hospital psiquiátrico Variável Homens Mulheres Número de pacientes Internações/ano (1998) Idade média (anos) 21,6 ± 1,6 22,6 ± 8,3 Faixa etária n % Acumulado n % Acumulado ,1 4 16, ,1 7 29,2 45, ,4 77, , ,5 3 12,4 83, , ,7 100 Idade de início do uso 16,1 ± 3,3 16,4 ± 5,9 Faixa etária de início do uso n % Acumulado n % Acumulado ,3 1 4, , ,3 37, ,9 80, ,2 91, ,3 93,2 1 4,2 95, ,2 97,4 1 4, ,6 100 Cor da pele n % n % População # Leucodérmicos , ,5 64% Feodérmicos 99 25, ,4% Melanodérmicos 66 17,3 3 12,5 6,7%* # População da Região Sudeste do Brasil (IBGE 1999); p obtido por testes qui-quadrado e t de Student; *p < 0,05. J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

9 Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico Borini et al. do sexo feminino tinham idades abaixo dos 20 anos e, em torno de 80% dos indivíduos de ambos os sexos estavam abaixo dos 30 anos de idade. Cerca de 45% dos homens e 37% das mulheres iniciaram o uso de drogas em idades abaixo dos 15 anos, e a grande maioria (80% dos homens e 90% das mulheres), abaixo dos 20 anos. As taxas de distribuição por cor da pele dos pacientes de ambos os sexos foram semelhantes. A comparação entre as taxas de distribuição por cor entre indivíduos internados e a da população da Região Sudeste do Brasil mostrou comparecimento significativamente maior de melanodérmicos entre os internados. O crack, isoladamente ou associado à maconha, foi a droga de uso mais prevalente para ambos os sexos. Cerca de metade dos homens fazia uso de uma só droga e a outra metade, de polidrogas. Entre as mulheres observou-se taxa de prevalência de monousuárias discretamente maior que a de poliusuárias (Tabela 2). O consumo de crack e de maconha por parte dos homens foi significativamente maior que o das mulheres (p = 0,026; IC 95% 0,28 a 4,32 e p = 0,001; IC 95% 2,81 a 7,35, respectivamente) (Tabela 2). Entre os homens, a idade média dos usuários de cocaína era significativamente maior que a dos usuários de crack, maconha e tolueno, enquanto que a idade média dos usuários de crack era significativamente maior que a dos usuários de tolueno. Não se observou diferença significativa entre as idades médias de usuários de maconha e crack, quer quando usados isoladamente ou de modo associado. Com relação à idade de início do uso, também se observou que a idade média dos usuários de cocaína era significativamente maior que a dos usuários de crack, maconha e tolueno, e que a dos usuários de crack era, por sua vez, significativamente maior que a de usuários de maconha e tolueno. O tempo de uso dos usuários de cocaína era significativamente maior que o de usuários de crack e tolueno (Tabela 3). A análise de usuários de polidrogas mostrou que as idades médias dos usuários de crack/álcool e crack/maconha/álcool eram significativamente maiores que a dos usuários de crack/maconha e maconha/tolueno. A idade de início de uso dos usuários de crack/álcool era significativamente maior que a dos demais grupos, inclusive do grupo crack/maconha/álcool. O tempo de uso do grupo crack/maconha/álcool foi significativamente maior que os dos grupos crack/maconha, crack/ álcool e maconha/tolueno. A quantidade de álcool consumida foi semelhante para todos os grupos em que esta droga fazia parte do consumo (Tabela 4). Tabela 2 Prevalência de uso de drogas, lícitas e ilícitas, e padrões de uso de homens e mulheres internados em hospital psiquiátrico Homens Mulheres p Monodroga n % n % Crack , ,3 NS Maconha 31 8,1 Cocaína 12 3,1 Tolueno 8 2,1 Total , ,3 NS Polidroga Crack + maconha 98 25,7 7 29,2 NS Crack + álcool 44 11,5 3 12,5 NS Crack + maconha + álcool 25 6,5 Maconha + álcool 14 3,7 Maconha + tolueno 8 2,1 Total , ,7 NS Tempo de uso de crack 5,4 ± 2,4 5,9 ± 6,5 NS Consumo de crack (g) 5,7 ± 5 3,4 ± 2,2 0,026 Consumo de maconha (g) 6,2 ± 5,7 1,1 ± 0,4 0,001 Consumo de álcool (g) 253 ± ± 138 NS p obtido por testes qui-quadrado e t de Student; NS = não-significativo. 174 J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

10 Borini et al. Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico Tabela 3 Idade e padrão de uso de monodroga por pacientes do sexo masculino Crack (Cr) Maconha (M) Cocaína (Co) Tolueno (T) p n = 142 n = 31 n = 12 n = 8 Idade (anos) 20,6 ± 5,8 19,2 ± 5,4 29,7 ± 9,2 13,9 ± 2,5 0,001 Idade de início do uso (anos) 16,6 ± 4,9 13,9 ± 4 21,8 ± 8 11,4 ± 2,4 0,001 Tempo de uso (anos) 4 ± 4,4 5,3 ± 4,2 7,8 ± 6,3 2,4 ± 1,8 0,001 Consumo diário (g) 5,7 ± 5 4,1 ± 3,3 4,8 ± 8 3,1 ± 1,8 NS p obtido por Anova = idade: Co > Cr, M, T; Cr > T; idade de início: Co > Cr, M, T; Cr > M, T; tempo de uso: Co > Cr, T. Tabela 4 Idade e padrões de uso de polidrogas por pacientes do sexo masculino Crack + Crack + álcool Maconha + Crack + maconha Maconha + maconha (CrM) (CrA) álcool (MA) + álcool (CrMA) tolueno (MT) p n = 98 n = 44 n = 14 n = 25 n = 8 Idade (anos) 19,3 ± 5,1 25,9 ± 6,5 22,8 ± 6,6 25,1 ± 6,3 17,5 ± 4,1 0,001 Idade de início do uso 15,2 ± 4,1 20,7 ± 7,9 15,2 ± 4,7 15,5 ± 3,9 14,6 ± 2 0,001 Tempo de uso 4,1 ± 3,9 5,2 ± 4,4 7,6 ± 6,2 9,6 ± 7,5 2,9 ± 2,9 0,001 Consumo diário 1ª droga 6,2 ± 5,7 4,2 ± 2,9 5,1 ± 5,5 6,3 ± 7,9 4,6 ± 0,9 2ª droga 5,1 ± 6,6 253 ± ± 236 4,8 ± 3,7 3 ± 2,4 3ª droga 305 ± 141 Crack foi a droga-índice nos grupos adequados; p obtido por Anova = idade: CrA = CrMA > CrM, TM; idade de início: CrA > CrM, MA, CrMA, TM; tempo de uso: CrMA > CrM, CrA, TM. Discussão Não houve diferenças estatisticamente significantes nas comparações entre o consumo diário de crack isoladamente e o de crack associado à maconha ou ao álcool. O mesmo foi observado na comparação entre o consumo de maconha isoladamente e de maconha associada ao álcool (Tabelas 3 e 4). A quantidade de droga consumida por cerca de 98,6% dos usuários de crack, 96,2% dos de maconha e 91,7% dos de cocaína era menor ou igual a 15g, 10g e 5g, respectivamente (Tabela 5). Relacionando-se tempo de uso e quantidade média de droga consumida por usuário (Figura Figura), podem-se observar: aumento da quantidade média de crack consumido a partir do terceiro ano de uso; redução do consumo de maconha após o terceiro ano de uso; aumento de consumo de cocaína após o quarto ano de uso. Algumas características da amostra estudada devem ser destacadas. Os dados são limitados a uma única instituição e os resultados podem não ser passíveis de generalização para outros hospitais psiquiátricos. O recorte amostral pode ter sido influenciado por seleção de classe socioeconômica ou pelo padrão de uso no tocante ao tipo e quantidade de droga usada. Diferenças regionais quanto a prevalência de internações e tipos de drogas mais consumidas já foram observadas 32, e as quantidades das diferentes drogas consumidas pelos nossos pacientes poderiam ser, segundo observação anterior 7, expressões de elevado consumo diário. O número de pacientes do sexo feminino em nossa amostra pode não ter sido suficiente para fornecer comparações estatisticamente fidedignas, mas os dados, em consonância com outros observados em estudos brasileiros 10, 22, 35, indicam que o número de usuários de drogas ilícitas do sexo masculino que se submetem a internação em hospital psiquiátrico para tratamento da dependência é muito maior que o de indivíduos do sexo feminino. A razão média no ano de 1998, de oito homens para cada mulher, é muito próxima da observada em outro estudo nacional 32, dele apenas diferindo quanto ao tipo de droga de uso mais prevalente. Esta observação pode decorrer do fato de que estudos epidemiológicos populacionais apontam para uma pequena percentagem de mulheres entre os consumidores de drogas ilegais Entretanto a observação em estudo epidemiológico brasileiro que aponta para semelhanças nas prevalências de uso de droga, na adolescência, para ambos os sexos 21, le- J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

11 Usuários de drogas ilícitas internados em hospital psiquiátrico Borini et al. Tabela 5 Consumo e prevalência de consumidores de drogas ilícitas Crack Maconha Cocaína Quantidade (g) n % Acumulado n % Acumulado n % Acumulado , , , ,8 91,6 4 15,4 96, , , > , ,3 100 Consumo diário (g) Crack Maconha Cocaína > 5 Duração do hábito (anos) Figura Relação entre a média diária de consumo e o tempo de duração do hábito vou outros autores a pensar que tal desproporção decorreria do fato de que as conseqüências comportamentais do uso de drogas no sexo feminino são menos evidentes que no masculino 22. Além disso, à semelhança do que ocorre com alcoolistas do sexo feminino, os aspectos socialmente negativos podem fazer com que mulheres usuárias de drogas ilícitas procurem tratamento com menor freqüência que homens 4. A observação de que o consumo de crack e maconha por parte da mulher foi significativamente menor que a dos homens poderia também ter influenciado nas diferentes prevalências de internações. A taxa de prevalência do tipo de drogas mais usadas tem variado ao longo dos anos e, também, em função da idade dos usuários, não só no Brasil como em outros países. No Brasil, as primeiras observações estatísticas apontavam o uso de inalantes como as primeiras e preferenciais drogas de uso 26, 28, enquanto que em outras, estas drogas ocupavam o segundo lugar 2. A maconha, que, no nosso meio, já ocupou o primeiro lugar na preferência por drogas ilícitas por parte dos adolescentes, ultrapassando o uso de tolueno, ocupa o segundo ou terceiro lugar quando usada isoladamente 20. No México, na Colômbia e no Japão, o uso de inalantes ainda é apontado como a forma mais prevalente de abuso de substâncias 24. Para ambos os sexos, observamos que cerca de metade dos pacientes tinha idades abaixo de 20 anos e a grande maioria (88,5% para os homens e 83,3% para as mulheres) estava dentro da faixa etária de 15 a 30 anos. Em percentuais, mesmo considerando a pequena diferença entre os limites de faixa etária considerados, foram significativamente maiores que os apontados por Noto et al. 32. Cerca de 80% dos homens e 90% das mulheres iniciaram o uso antes dos 20 anos de idade. A idade média e a idade de início de uso dos usuários de tolueno foi significativamente menor em relação às mesmas variáveis dos outros grupos, confirmando observação anterior de ser o tolueno a primeira droga de uso 20. O tempo de uso do tolueno foi, relativamente ao de outras drogas, bastante curto, sugerindo que os seus usuários logo migram para outros tipos de drogas ditas mais pesadas. Neste estudo, o crack, isoladamente ou associado à maconha, foi a droga de uso mais prevalente para ambos os sexos. A taxa de usuários exclusivos de crack, do sexo masculino, por nós observada (37,2%) ficou muito próxima da apontada pela Divisão de Prevenção e Educação (Dipe) do Departamento de Investigações sobre Entorpecentes (Denarc) observada no período compreendido entre janeiro e agosto de 1998 com relação aos usuários, de ambos os sexos, na faixa etária de 19 a 30 anos de idade (33,7%) 17. Por outro lado, verificamos semelhanças entre as nossas taxas de prevalência das principais drogas consumidas em maior quantidade e/ou freqüência e as observadas em estudo envolvendo adolescentes usuários de drogas em tratamento ambulatorial 39. Estas observações sugerem que a taxa de internação guarda relação com taxas observadas em levantamento epidemiológico populacional em outros estudos, 176 J.bras.psiquiatr. Vol. 52 Nº

Perfil do usuário de crack no Brasil

Perfil do usuário de crack no Brasil Lígia Bonacim Dualibi Prof. Dr. Marcelo Ribeiro Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas - INPAD Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD Universidade Federal

Leia mais

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa

Consumo de álcool por adolescentes e gênero. Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Consumo de álcool por adolescentes e gênero Tatiane Vilela Coelho Raínne Costa Sousa Área de pesquisa Saúde pública Importância do fenômeno Álcool Droga psicotrópica atua no sistema nervoso central Possui

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

Violência e doença mental: fato ou ficção?

Violência e doença mental: fato ou ficção? EDITORIAL 1 Violência e doença mental: fato ou ficção? Wagner F. Gattaz O episódio recente envolvendo os crimes de Francisco de Assis Pereira, o maníaco do parque, despertou na população e nos profissionais

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

Keywords: Alcohol. Prevalence. University students.

Keywords: Alcohol. Prevalence. University students. 1 PREVALÊNCIA DE USO DO ÁLCOOL ENTRE ESTUDANTES DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA RESUMO Rita Ivana Barbosa Gomes * Elba Gomide Mochel ** Estudo epidemiológico, de caráter descritivo, com o propósito de estimar

Leia mais

Comportamentos de Risco Entre Jovens. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Sandro Mitsuhiro

Comportamentos de Risco Entre Jovens. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Sandro Mitsuhiro Comportamentos de Risco Entre Jovens Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Sandro Mitsuhiro 1. Por que esse estudo é relevante? Esse estudo procura investigar o engajamento

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS Diego Pereira Alves de Moraes 1 ; Leonardo Rodrigo Baldaçara 2 1 Aluno do Curso de Medicina;

Leia mais

O Crack na Cidade de Salvador

O Crack na Cidade de Salvador O Crack na Cidade de Salvador Esdras Cabus Moreira Centro de Estudos e Tratamento do Abuso de Drogas CETAD/UFBA (vimeo.com/48998209) Realmente, o Brasil perde somente para os Estados Unidos

Leia mais

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack.

MÓDULO 2. Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. MÓDULO 2 Neste módulo você conhecerá a epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas e os padrões de consumo do álcool e crack. Você aprenderá alguns conceitos relacionados à temática, como os padrões

Leia mais

Material e Método. Resultados

Material e Método. Resultados Uso de Drogas entre Adolescentes e Jovens Mulheres: uma revisão da literatura Autoras: Patrícia Castro de Oliveira e Silva doutoranda em psicossociologia de comunidades e ecologia social, Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Saúde - USP POLÍTICA DO PROGRAMA DE ENFRENTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E DROGAS NA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Medicina - GREA Hospital Universitário Coordenadoria

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas

Centro Regional de Referência ES. CURSO 1: Atualização sobre Intervenção Breve e Aconselhamento Motivacional em Crack e outras Drogas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS O ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS Av. Marechal Campos, 1468 Maruípe Vitória-ES CEP. 29040-090 Fone: (27) 3335.7492

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES.

PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. PRÁTICAS EDUCATIVAS PARENTAIS E O USO DE DROGAS ENTRE OS ADOLESCENTES ESCOLARES. Marta Mulhule, 1 Mayra Martins 2 RESUMO: Objetivo: identificar as práticas educativas dos pais na percepção dos adolescentes

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Antes de conhecer algumas informações fornecidas pela Epidemiologia, vamos relembrar alguns conceitos:

Antes de conhecer algumas informações fornecidas pela Epidemiologia, vamos relembrar alguns conceitos: Módulo1:: CAPÍTULO 2: Epidemiologia do uso de substâncias psicoativas no Brasil: peculiaridades regionais e populações específicas José Carlos Fernandes Galduróz Antes de conhecer algumas informações fornecidas

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza O SUICÍDIO O suicídio, um problema de saúde pública, é responsável

Leia mais

CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES

CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES CONSUMO DE ÁLCOOL E ALCOOLISMO ENTRE ADOLESCENTES Estéfani Gonçalves de Souza 1 RESUMO Com o objetivo de estimar a prevalência de consumo de álcool e do alcoolismo entre estudantes adolescentes de escola

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012.

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. Nº 74 Fevereiro de 2014 O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Pesquisa sobre crack no Brasil: situação atual e pontos para o futuro. Flavio Pechansky, Felix Kessler, Anderson Ravy Stolf e Sibele Faller

Pesquisa sobre crack no Brasil: situação atual e pontos para o futuro. Flavio Pechansky, Felix Kessler, Anderson Ravy Stolf e Sibele Faller Pesquisa sobre crack no Brasil: situação atual e pontos para o futuro Flavio Pechansky, Felix Kessler, Anderson Ravy Stolf e Sibele Faller Fontes de financiamento Diretor e Professor, CPAD Salário pela

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos

Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos Experiência com o tratamento de Dependentes Químicos INSTITUTO BAIRRAL DE PSIQUIATRIA Dr. Marcelo Ortiz de Souza Dependência Química no Brasil (CEBRID, 2005) População Geral: 2,9% já fizeram uso de cocaína

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010.

INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. INCIDÊNCIA DE AIDS POR SEXO NO ESTADO DE MINAS GERAIS, NO PERÍODO DE 2007 A 2010. AIDS INCIDENCE BY SEX IN STATE OF MINAS GERAIS, FROM 2007 TO 2010. Larissa de Oliveira Abrantes 1 ; Amanda Cristina Souza

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE PEDAGOGIA ANTONIO BATISTA ALVES NETO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE PEDAGOGIA ANTONIO BATISTA ALVES NETO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE PEDAGOGIA ANTONIO BATISTA ALVES NETO POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PREVENÇÃO DO USO DE DROGAS NO BRASIL: limites e perspectivas

Leia mais

I PRINCIPAIS RESULTADOS GERAIS DO BRASIL - 2005

I PRINCIPAIS RESULTADOS GERAIS DO BRASIL - 2005 32 Brasil I PRINCIPAIS RESULTADOS GERAIS DO BRASIL - 2005 I Dados Gerais 1. População brasileira: 169.799.170 habitantes* (atualmente quase 180 milhões) 2. População das 108 cidades brasileiras pesquisadas

Leia mais

Principais Resultados Estudo Comparativo: Brasil - 2001 e 2005

Principais Resultados Estudo Comparativo: Brasil - 2001 e 2005 303 Principais Resultados Estudo Comparativo: - 2001 e 2005 304 I ESTUDO COMPARATIVO: BRASIL 2001 E 2005 I Dados Gerais 1. População brasileira: 169.799.170 habitantes*. 2. População das 108 cidades brasileiras

Leia mais

PERFIL DOS MEDICAMENTOS ANSIOLÍTICOS ATENDIDOS NA FARMÁCIA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ NO ANO DE 2008

PERFIL DOS MEDICAMENTOS ANSIOLÍTICOS ATENDIDOS NA FARMÁCIA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ NO ANO DE 2008 1 PERFIL DOS MEDICAMENTOS ANSIOLÍTICOS ATENDIDOS NA FARMÁCIA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ NO ANO DE 2008 VERÔNICA DE FÁTIMA FERREIRA MONTEIRO 1 1 Farmacêutica, aluna do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DESENVOLVIMENTO DE AGUARDENTE DE GOIABA: TESTE DE CONCEITO LUCAS SILVEIRA TAVARES 1, JOSÉ GUILHERME LEMBI FERREIRA ALVES 2 AMANDA OLIVERI SOARES 3, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 4, RENATO SILVA LEAL 5, DANIEL

Leia mais

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil

Educação em Saúde: Dependência Química. Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Educação em Saúde: Dependência Química Módulo 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil MODULO 1: A dimensão do problema das drogas no Brasil Epidemiologia do consumo de substâncias psicoativas no

Leia mais

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites?

Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Diferentes Abordagens em Dependência Química: Quais os limites? Cláudia Fabiana de Jesus Psicóloga e Mestre em Psicologia da Saúde Estimular a reflexão sobre os limites das abordagens Repensar sobre os

Leia mais

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório

Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência ao Empregado: para onde encaminhar. Ambulatório XXI Congresso Brasileiro da ABEAD Do Uso à Dependência: a integração das políticas públicas com a clínica 08 a 11 de setembro de 2011 - Recife/PE Encontro de Empresas Mesa redonda: Programa de Assistência

Leia mais

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17

Sumário. Prefácio... 15 Introdução... 17 Sumário Prefácio... 15 Introdução... 17 1. QUÊS E PORQUÊS... 21 1) O que é droga?... 21 2) O que é vício?... 21 3) O que é dependência?... 22 4) O que é abuso?... 24 5) Que drogas levam a abuso ou dependência?...

Leia mais

A importância das Dimensões do risco Percebido nas Compras de Produtos e de Serviços na Internet

A importância das Dimensões do risco Percebido nas Compras de Produtos e de Serviços na Internet Eduardo Vianna Barreto A importância das Dimensões do risco Percebido nas Compras de Produtos e de Serviços na Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Área: 924.573,8km 2. 1. População

Área: 924.573,8km 2. 1. População Área: 924.573,8km 2 1. População Capitais Habitantes* Belo Horizonte MG 2.238.526 Rio de Janeiro RJ 5.857.904 São Paulo SP 10.434.252 Vitória ES 292.304 Total 18.822.986 *IBGE, censo 2004. 2. Estudantes

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

A Mulher Dependente de Substâncias Psicoativas

A Mulher Dependente de Substâncias Psicoativas A Mulher Dependente de Substâncias Psicoativas Dependência de substâncias psicoativas Consenso na literatura sobre a importância de se estudar o subgrupo das mulheres nas suas Características Evolução

Leia mais

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS A PROMOÇÃO A SAÚDE E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS Prof. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva Profª. Drª. Marluce Miguel de Siqueira Orientadora VITÓRIA 2013 INTRODUÇÃO O consumo de substâncias

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA Talvane M. de Moraes Médico especialista em psiquiatria forense Livre Docente e Doutor em Psiquiatria Professor de psiquiatria forense da Escola da Magistratura

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

2008 - Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a classificação final de Muito Bom Por Unanimidade.

2008 - Mestrado em Psicologia Clínica pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a classificação final de Muito Bom Por Unanimidade. Dados Pessoais Nome: Ana Luísa de Matos Dias Quinta Gomes Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 24 de Abril de 1980 E-mail: bisagomes@gmail.com Formação Académica 2008/Actualmente - Doutoranda

Leia mais

ANÁLISE DO CUSTO DOS ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS: A CO- PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE E DO MINISTÉRIO DA SAÚDE.

ANÁLISE DO CUSTO DOS ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS: A CO- PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE E DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. 1 ANÁLISE DO CUSTO DOS ANTIPSICÓTICOS ATÍPICOS: A CO- PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE E DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. Katarina Melo Chaves 1, Aurigena Antunes de Araújo Ferreira 2, Gerlane Coelho

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

Modelo de Prevenção. Atenção Adequada. Workshop Saúde Mental, PFDC, 9/10/2008

Modelo de Prevenção. Atenção Adequada. Workshop Saúde Mental, PFDC, 9/10/2008 Modelo de Prevenção & Atenção Adequada Workshop Saúde Mental, PFDC, 9/10/2008 Manicômio Manicômio: Hospital de doidos ; Manicômio Judiciário. Asilo: Casa de assistência social onde são recolhidas para

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇA MENTAL NA POPULAÇÃO USUÁRIA DOS SERVIÇOS DE UMA UNIDADE DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM PADRE PARAÍSO, MINAS GERAIS.

PREVALÊNCIA DE DOENÇA MENTAL NA POPULAÇÃO USUÁRIA DOS SERVIÇOS DE UMA UNIDADE DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM PADRE PARAÍSO, MINAS GERAIS. PREVALÊNCIA DE DOENÇA MENTAL NA POPULAÇÃO USUÁRIA DOS SERVIÇOS DE UMA UNIDADE DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM PADRE PARAÍSO, MINAS GERAIS. Luis Antonio Ribeiro 1, Suzana Gomes dos Santos 2, Marcos Tadeu

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES

USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES USO DE DROGAS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES Bianca Oliveira Garcia da Silva (Estudante de Psicologia) email: bia_podih@hotmail.com, Bruna Alves (Estudante de Psicologia) email: bruna-psi@hotmail.com, Ana

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Kamila Karoliny Ramos de Lima 1, Josimar dos Santos Medeiros 2. Resumo Entre as principais doenças de evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS EDITAL DE SELEÇÃO Nº 83/2015 PROFESSOR SUBSTITUTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS EDITAL DE SELEÇÃO Nº 83/2015 PROFESSOR SUBSTITUTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

O IMPACTO DA INTERNAÇÃO EM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO NO COMPORTAMENTO DO FUMANTE DE TABACO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

O IMPACTO DA INTERNAÇÃO EM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO NO COMPORTAMENTO DO FUMANTE DE TABACO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PSICOLOGIA - ISSN 1806-0625 PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE GARÇA/FASU - MANTIDA PELA ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA ANO IV, NÚMERO,

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ABEAD/2002 TÓPICO 6.

DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ABEAD/2002 TÓPICO 6. DIRETRIZES SOBRE COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS EM DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ABEAD/2002 TÓPICO 6. DEPENDÊNCIA AO ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE Apresentação: Dr. Marcos Zaleski

Leia mais

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Elias Dias Lopes Filho Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como requisito

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

O crack em números: Usuários de crack reunidos no centro de São Paulo em. imagem de janeiro (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP)

O crack em números: Usuários de crack reunidos no centro de São Paulo em. imagem de janeiro (Foto: Yasuyoshi Chiba/AFP) Brasil tem 370 mil usuários regulares de crack nas capitais, aponta Fiocruz Estudo indireto com 25 mil pessoas mediu consumo por 6 meses em 2012. Nordeste lidera lista em números absolutos, e 14% do total

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae

Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae Fevereiro/2014 Tamires Marinho Pessoa Curriculum Vitae Dados pessoais Nome Tamires Marinho Pessoa Filiação Fabio Nario Pessoa e Najla Jurema Almeida Marinho Nascimento

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS MARTOS, Natália Martinez; HALBE, Ricardo natymm@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: O número

Leia mais

CRACK. Alexandre de Araújo Pereira. Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED

CRACK. Alexandre de Araújo Pereira. Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED CRACK Alexandre de Araújo Pereira Psiquiatra Mestre em Educação Médica ENSP/UECE Docente da Faculdade de Ciências Médicas UNIFENAS BH/ IPEMED Breve histórico do uso de drogas Pré História 4.000 à 5.000

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA

PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA PROTOCOLO DE TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE GRUPO PARA FOBIA SOCIAL CIRCUNSCRITA (2007) Gustavo J. Fonseca D El Rey Coordenador do Programa de Fobia Social do Centro de Pesquisas e Tratamento de Transtornos

Leia mais

USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS.

USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS. 98 Biofar, Rev. Biol. Farm. Campina Grande/PB, v. 9, n. 2, p. 98-106 junho/agosto, 2013 USO DE DROGAS LÍCITAS E ILÍCITAS ENTRE OS ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS. Ana Carolina Silva Alves 1, Kamila

Leia mais

O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil

O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil O avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Professor Titular de Psiquiatria da UNIFESP INPAD-CNPq (Instituto Nacional de Políticas do Álcool e Drogas) ABP Associacão

Leia mais

PROJETO RESSURGIR. Eliane Rodrigues dos Santos de Paula 1 ; Felipe Custódio Pinto 2 ; Marcely Mattos da Cunha 3.

PROJETO RESSURGIR. Eliane Rodrigues dos Santos de Paula 1 ; Felipe Custódio Pinto 2 ; Marcely Mattos da Cunha 3. PROJETO RESSURGIR Eliane Rodrigues dos Santos de Paula 1 ; Felipe Custódio Pinto 2 ; Marcely Mattos da Cunha 3. Resumo No decorrer do ano de 2009, pude observar que o papel do serviço de saúde do Instituto

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO DE FAMILIARES DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM GRUPO DE AJUDA, NA CIDADE DE SÃO PAULO

PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO DE FAMILIARES DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM GRUPO DE AJUDA, NA CIDADE DE SÃO PAULO PERFIL SÓCIO-DEMOGRÁFICO DE FAMILIARES DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM GRUPO DE AJUDA, NA CIDADE DE SÃO PAULO COORDENAÇÃO GERAL: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira ORIENTAÇÃO: Dr. Sandro Sendin Mitsuhiro, Maria de

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

PERFIL DE USUÁRIOS DE DROGAS EM CENTROS TERAPÊUTICOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

PERFIL DE USUÁRIOS DE DROGAS EM CENTROS TERAPÊUTICOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PERFIL DE USUÁRIOS DE DROGAS EM CENTROS TERAPÊUTICOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE RESUMO Bruno Moura Lacerda 1 Germana Mariz Queiroga Veras Pinto 2 Sarah Mariz Queiroga Veras Pinto 3 O uso indiscriminado

Leia mais

Perfil do Consumo de Crack

Perfil do Consumo de Crack Unidade 3 - Perfil do Consumo do Crack 61 Perfil do Consumo de Crack Andréia Campos Romanholi; Marcos Vinícius Ferreira dos Santos Fala Professor: Caro aluno, Percebe-se um aumento no consumo de cocaína

Leia mais

ASPECTOS DA PARTICIPAÇÃO DAS FAMÍLIAS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO NA ENTIDADE DE TRATAMENTO VIVER CLARA MOREIRA

ASPECTOS DA PARTICIPAÇÃO DAS FAMÍLIAS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO NA ENTIDADE DE TRATAMENTO VIVER CLARA MOREIRA ASPECTOS DA PARTICIPAÇÃO DAS FAMÍLIAS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DO DEPENDENTE QUÍMICO NA ENTIDADE DE TRATAMENTO VIVER CLARA MOREIRA Ana Cléria C. Bernades Deberaldini Marta Elena de Sousa Reis SAO PAULO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ - UNIVÁS

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ - UNIVÁS UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ - UNIVÁS Características da adesão ao tratamento dos usuários de álcool e outras drogas acolhidos no ASM de Poços de Caldas/MG, em 2007 Autora: Dilma Franco Fátima de Assis

Leia mais

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES.

TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E LIMITAÇÕES. 1 Laboratório de Psicologia Experimental Departamento de Psicologia UFSJ Disciplina: Métodos de Pesquisa Quantitativa TEXTO 10: ANÁLISE DE DADOS, CRONOGRAMA,RESULTADOS ESPERADOS, CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004 DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL Neurosur, Santa Cruz, 2004 Diagnóstico de demência em população com heterogeneidade educacional Prevalência de demência em população

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR

SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR SENSIBILIZAÇÃO E PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS NO AMBIENTE ESCOLAR Welton Alves Ribeiro Júnior 1 ; Robécia Graciano de Souza 2 ; Lúcia Maria de Almeida 3; Silvia Beatriz Fonseca de Melo 4. Centro Universitário

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

DOUTORAMENTOS 2013 1

DOUTORAMENTOS 2013 1 DOUTORAMENTOS 2013 1 Em 2013 doutoraram-se seis profissionais do CHP. Os doutoramentos realizaram-se nas áreas científicas de Bioética (1), Ciências Médicas (2), Metabolismo (1), Engenharia Biomédica (1),

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E COMPARAÇÃO DA POPULAÇÃO INTERNADA EM DOIS HOSPITAIS DE DIA DO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA Gustavo Jesus 1 ; Rui Durval 2

CARACTERIZAÇÃO E COMPARAÇÃO DA POPULAÇÃO INTERNADA EM DOIS HOSPITAIS DE DIA DO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA Gustavo Jesus 1 ; Rui Durval 2 CARACTERIZAÇÃO E COMPARAÇÃO DA POPULAÇÃO INTERNADA EM DOIS HOSPITAIS DE DIA DO CENTRO HOSPITALAR PSIQUIÁTRICO DE LISBOA Gustavo Jesus 1 ; Rui Durval 2 1 Médico interno de psiquiatria no Centro Hospitalar

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

A mutação de diagnósticos em psiquiatria

A mutação de diagnósticos em psiquiatria Editorial / Editorial Saúde Mental Mental Health A mutação de diagnósticos em psiquiatria Diagnosis shifting in psychiatry A questão resultante da ambiguidade fundamental em psiquiatria (quem é doente

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA O programa tem por objetivo capacitar profissionais para a promoção de saúde, prevenção, identificação e tratamento do uso nocivo de substâncias psicoativas.

Leia mais

Internação Gratuita para Dependente Químico

Internação Gratuita para Dependente Químico Guia Prático para Conseguir Tratamento Gratuito na Rede Pública de Saúde e em Clínica Particular Sumário Como conseguir em Clínica Particular Introdução O que você vai ler neste ebook Drogas: questão de

Leia mais