Reportagens Televisivas e Estigmas Sociais: As Representações da Arte em Questão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reportagens Televisivas e Estigmas Sociais: As Representações da Arte em Questão"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES Reportagens Televisivas e Estigmas Sociais: As Representações da Arte em Questão Relatório Final de Iniciação Científica Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica / PIBIC Bolsista: Sofia Franco Guilherme Orientadora: Profa. Dra. Rosana de Lima Soares Agosto 2013

2 Prof. Dra. Rosana de Lima Soares Orientadora Sofia Franco Guilherme Bolsista 2

3 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 5 II. OBJETIVOS... 6 III. METODOLOGIA Pesquisa bibliográfica Escolha do o material de análise... 8 IV. ANÁLISES TEÓRICAS Questões do jornalismo cultural Por que o Homer não se interessa por cultura? Em busca de uma definição de Cultura Comunicação e discurso nas mídias V. RESULTADOS DA ANÁLISE DA AMOSTRAGEM Levantamento das reportagens Amostragem selecionada Estrutura e linguagem das reportagens Discursos presentes nas reportagens Relação texto-imagem Fontes de informação VI. CONCLUSÕES VII. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

4 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1: Total de reportagens culturais no ano de Gráfico 2 Número de reportagens culturais em cada telejornal por mês Gráfico 3: Número de reportagens por temática em cada telejornal Gráfico 4: Reportagens por temática no Jornal da Cultura Gráfico 5: Proporção de Temáticas no Jornal do SBT Gráfico 6: Proporção de temáticas no Jornal da Record Gráfico 7: Proporção de temáticas no Jornal Hoje Gráfico 8: Proporção de temáticas no Jornal Nacional Gráfico 9: Fontes de informação das reportagens por temática ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1: Relação texto-imagem na reportagem sobre Morte

5 I. Introdução Os discursos disseminados pela mídia têm papel importante na formação de uma opinião pública e, consequentemente, são capazes de incluir ou excluir formas de produção artística no gosto popular. Este é o tema desta pesquisa de Iniciação Científica que está vinculada à pesquisa Mídias Audiovisuais e Estigmas Sociais Sutileza e Grosseria da Exclusão, desenvolvida pela Profa. Dra. Rosana de Lima Soares desde 2003, com o apoio do CNPq (bolsa produtividade em pesquisa). A pesquisa se volta ao estudo das produções midiáticas em diversos formatos, englobando discursos ficcionais ou referenciais. O projeto maior tem como eixo teórico-metodológico a crítica e desconstrução do conceito de representação midiática, e como objeto de estudo os discursos audiovisuais de caráter referencial que tratam dos estigmas sociais. Nesta pesquisa o recorte escolhido é o discurso jornalístico, na forma de reportagens televisivas, que tem como tema central assuntos de cultura e artes. Para reconhecer qual é o espaço reservado para a cultura no telejornalismo diário buscaremos, num primeiro momento, levantar as reportagens televisivas do tema escolhido exibidas no ano de 2012 nos principais jornais da TV aberta do Brasil. No segundo momento faremos uma análise de algumas destas reportagens para entender de que forma a cultura é representada neste espaço da mídia. A primeira etapa da pesquisa pode ser dividida em dois momentos: o inicio das leituras a partir da pesquisa bibliográfica e a coleta de dados para a amostragem. No primeiro momento foi realizada a pesquisa bibliográfica. A partir das leituras iniciadas redefinimos as linhas mais gerais do projeto e o recorte a ser utilizado para o levantamento de reportagens e constituição de uma amostragem na próxima etapa. No segundo momento fizemos a coleta de dados baseados no recorte determinado. Escolhemos trabalhar com os principais telejornais da TV aberta brasileira, pois o objetivo é compreender como a cultura e representada a para 5

6 a população geral, que não possui conhecimento prévio ou procura se informar sobre este tema especificamente, como seria o público alvo de um programa mais especializado. Os canais de TV fechada estão disponíveis para um público restrito, com poder aquisitivo melhor, pois é preciso ser assinante de alguma operadora de televisão. As emissoras abertas são as que alcançam a maior parte do público de diferentes classes sociais, e, portanto, tem uma audiência bastante diversificada. O telejornalismo diário se propõe a trazer os principais acontecimentos do dia para a população geral, de forma rápida e clara, e não tendo a obrigatoriedade que os impressos têm de trazer uma editoria cultural, muitas vezes deixam estas notícias em segundo plano, ou fora da edição. Porque estas matérias estão ausentes e quando elas aparecem foi um dos questionamentos centrais para o desenvolvimento da pesquisa. As reportagens exibidas nos telejornais Jornal Nacional, Jornal Hoje, Jornal da Record, Jornal do SBT e Jornal da Cultura, foram recuperadas por meio do acervo disponível no site das respectivas emissoras. Depois de coletadas elas foram classificadas de acordo com as temáticas centrais abordadas dentro do grande tema cultura. De cada temática levantada foi escolhida uma reportagem para a análise baseada nos conceitos de análise do discurso e considerando as especificidades do dispositivo audiovisual. Vale ressaltar que, no campo do jornalismo especialmente o televisivo a editoria de cultura ocupa lugar pouco representativo, sendo muitas vezes diluída em programas de variedades, ou tratada em programas voltados a essa temática específica. II. Objetivos O objetivo deste projeto é realizar uma pesquisa e análise teórica sobre as relações entre aceitação e consumo de produtos culturais e sua presença na mídia, especificamente, na televisão. Será observada como a questão da estigmatização social se revela no processo de decisão dos temas culturais que aparecerão na mídia televisiva. Também verificaremos qual a posição ocupada pela editoria de cultura no telejornalismo diário brasileiro. 6

7 inicias: A partir deste objetivo maior foram feitos os seguintes questionamentos A ausência de reportagens televisivas sobre cultura e arte é real? Quais são os temas relacionados à arte que aparecem no telejornalismo brasileiro? O que é considerado arte pelos telejornais? Qual é o lugar que estas matérias ocupam no telejornal? De que forma os temas de cultura são abordados nas reportagens televisivas? III. Metodologias 1. Pesquisa bibliográfica No primeiro momento foi realizada a pesquisa bibliográfica. Os autores foram selecionados no sentido de construir um embasamento sobre o jornalismo cultural e uma definição para o tema cultura e arte trabalhada ao longo da pesquisa. A partir das leituras iniciadas definimos o recorte a ser utilizado para o levantamento de reportagens e constituição de uma amostragem na próxima etapa. Para chegarmos ao nosso objeto de pesquisa decidimos utilizar um conceito mais abrangente de cultura e arte, pois restringi-lo poderia resultar em uma falta de objetos a serem analisados mais tarde. Este conceito foi construído através das leituras selecionadas durante a pesquisa bibliográfica. Os textos principais utilizados neste processo foram: A cultura no Plural de Michel de Certeau, para produzir um conceito mais amplo de cultura, e O poder simbólico de Pierre Bourdieu sobre a criação de um campo artístico e os critérios de apreciação das obras. A respeito dos estigmas também será lida uma bibliografia mais geral para mais tarde relacionarmos este conceito com os temas culturais e artísticos encontrados. Sobre as questões específicas do jornalismo cultural, a principal referência foi o livro de Daniel Piza, Jornalismo Cultural, que coloca alguns dos dilemas enfrentados por este campo do trabalho jornalístico. No entanto, a maior parte dos textos referentes a esta temática são voltados para as mídias 7

8 impressas, que tem uma dinâmica um pouco diferente, principalmente por produzirem cadernos diários voltados para assuntos de cultura e variedades. Sobre o telejornalismo cultural, há uma carência de bibliografia, por isso utilizamos as questões apontadas para o impresso como guia pra apontar problemáticas voltadas para o meio audiovisual. 2. Escolha do material de análise Para decidir quais seriam os programas de televisão dos quais viria a amostragem pensamos nos que teriam a maior audiência, e, portanto maior visibilidade e mais poder de legitimação e representação dos temas tratados: É por conta da visibilidade que as mídias assumem um papel crucial como disciplina e controle, portanto, como promotoras/mantenedoras de escalas de valores, como vigilantes (Gomes, 2003: 77). Escolhemos trabalhar com os principais telejornais da TV aberta brasileira, que têm alcance nacional e tratam de diversos temas da sociedade voltados a um público mais amplo. Assim, poderemos compreender como a cultura é representada para a população geral, que não possui conhecimento prévio ou nem procura se informar sobre este tema especificamente, como seria o público alvo de um programa mais especializado. As reportagens exibidas nos telejornais Jornal Nacional, Jornal Hoje, Jornal da Record, Jornal do SBT e Jornal da Cultura, foram recuperadas por meio do acervo disponível no site das respectivas emissoras. Como podemos perceber pelo próprio nome destes jornais, eles representam a voz do canal em que são exibidos e se pretendem com alto grau de credibilidade para o público, sendo assim um local de legitimação para os fatos neles apresentados. Todos são exibidos nacionalmente, e exceto o Jornal Hoje, são exibidos no horário nobre da televisão. A decisão de incluir o Jornal Hoje no material pesquisado foi feita para que tivéssemos o parâmetro de um programa exibido em um horário alternativo e considerado mais leve do que os jornais noturnos. Como a Globo é a emissora de maior audiência no jornalismo, com o Jornal Nacional, escolhemos outro jornal desta rede, também exibido nacionalmente. 8

9 O Jornal Nacional foi criado em 1969, estrategicamente posicionado entre duas telenovelas, um gênero de grande audiência desde então, para ser um programa de prestígio da Rede Globo. O JN tinha o segundo maior público de telejornalismo mundial na década de 80 do século XX, e sempre teve influência considerável sobre a opinião pública (SILVA, 1985: 40). A coleta dos dados foi realizada através dos sites oficiais das emissoras de televisão pesquisadas. Os sites da Rede Globo, Record e SBT possuem ferramentas de busca que permitem a filtragem de reportagens veiculadas em seus telejornais por meio de palavras-chave, separando cada reportagem por título e temas, além de identificar palavras do texto de apresentação inserido no vídeo. A exceção ao método utilizado foi a TV Cultura, pois o formato de seu site permite apenas que busquemos as edições em blocos separados, sendo que os vídeos são postados com os blocos inteiros de cada dia que o Jornal da Cultura foi ao ar. Portando para o levantamento quantitativo desta emissora em especial foi necessário assistir a todas as edições do Jornal da Cultura do ano de 2012 online, e coletar as reportagens que correspondiam ao tema cultura e arte, proposto nesta pesquisa Total de reportagens culturais no ano de Jornal Nacional Jornal Hoje Jornal da Record Jornal do SBT Jornal da Cultura 0 Gráfico 1: Total de reportagens culturais no ano de

10 60 Número de reportagens culturais em cada telejornal por mês Jornal Nacional Jornal Hoje Jornal da Record Jornal do SBT Jornal da Cultura Gráfico 2 Número de reportagens culturais em cada telejornal por mês Para a segunda etapa da pesquisa foram selecionadas algumas das reportagens recolhidas no levantamento do ano de Nos propusemos a analisá-las a partir das teorias de análise do discurso levando em conta as especificidades do discurso audiovisual. Com o objetivo de compreender como os programas de telejornalismo abordam os temas de cultura e arte, foram escolhidas matérias que têm como tema central artistas e produções culturais da atualidade. Para ilustrar as diversas representações existentes foi feita a análise de reportagens jornalísticas em diferentes telejornais e das diversas categorias temáticas organizadas, de acordo com o levantamento realizado na primeira etapa. A amostragem foi constituída de modo não aleatório, selecionando reportagens televisivas voltadas à temática proposta neste projeto para estabelecer, entre elas, pontos de consonância e dissonância a fim de apontar suas temáticas, recorrências, formatos e modos de enunciação. Ao final, pretendemos apresentar um quadro representativo não apenas da produção jornalística televisiva voltada à arte, bem como às relações entre estigmas sociais e produção cultural. A seleção das reportagens que constituem a amostragem foi feita de modo que cada uma das temáticas levantadas estivesse representada por uma 10

11 reportagem. Além disso, nos preocupamos em manter um equilíbrio quantitativo entre os telejornais e escolher matérias das temáticas que fossem mais recorrentes em cada um deles. Houve a preocupação em selecionar objetos que abordassem diferentes formas de expressão artística, para que pudéssemos abranger a cultura de forma mais ampla. As teorias de análise do discurso são o instrumento principal na interpretação dos objetos. Para isso lemos Patrick Chareaudeau e Dominique Maingueneau, que trabalham com noções mais gerais sobre o discurso das mídias e encaminharam a forma de leitura da amostragem. Como aportes metodológicos para estudar tevê, em especial os telejornais, foram utilizados textos de pesquisadores do audiovisual. A referência inicial é o livro A televisão levada a sério de Arlindo Machado. O autor se propõe a estudar o jornalismo como um gênero televisivo, abordando sua forma de enunciação, ao invés da politicidade de seus conteúdos. Desta maneira ele propõe formas de estrutura narrativa do telejornal, que serviram como base para nossas análises da amostragem. IV. Análises teóricas 1. Questões do Jornalismo Cultural O jornalismo cultural como um todo ainda precisa definir sua posição dentro da atividade e levanta algumas questões sobre a função das reportagens de cultura e do jornalista cultural. O jornalismo cultural deve ser opinativo? Fazer o papel de serviço, disponibilizando uma agenda dos eventos do momento? Ser composto de críticas e resenhas? O que há para ser feito, além disso? Em seu livro Jornalismo Cultural, Daniel Piza discute algumas destas questões se voltando principalmente para as mídias impressas. No entanto, estas discussões podem ser deslocadas também para as mídias audiovisuais, como é a nossa proposta com esta pesquisa. Daniel Piza inicia seu livro resgatando a história do jornalismo cultural e destacando o papel central da crítica para esta atividade. A crítica é claro continua a ser a espinha dorsal do jornalismo cultural. Ele comenta que os 11

12 críticos eram pessoas reconhecidas que exerciam forte influência tanto no público como nos artistas. No caso brasileiro, Paulo Francis é citado como um bom exemplo de comentarista cultural, pois contaminava seus leitores com seu gosto pela arte. Muitos nostálgicos afirmam que o jornalismo cultural não é mais o mesmo e que a prevalência de assuntos como celebridades e sucessos de audiência mostra que os críticos não possuem a mesma influência sobre o sucesso de uma obra. Nos anos 90, o peso das reportagens opinativas diminuiu e o espaço passou a ser ocupado por uma agenda passiva dos eventos culturais. No entanto, Piza acredita na possibilidade de reconquistar um pouco desta influência atualmente: Há espaço para recuperar parte desta influência, pois o bombardeio de dados e informações da era eletrônica criou uma carência ainda maior de análises e comentários, que suplementem argumentos, perspectivas e contextos para o cidadão desenvolver um senso crítico e conectar as disciplinas (PIZA, 2011: 32). Em uma época onde os produtos culturais se tornam cada vez mais acessíveis para o público, o jornalismo desempenha uma função central na difusão destes. Por isso precisa ter um olhar sem preconceitos e fazer a seleção dos fatos reportados utilizando senso crítico. Segundo Piza, os jornalistas não tem conseguido exercer esse papel com clareza e eficácia, por estar em crise quanto aos critérios de avaliação das obras (IDEM, 2011: 45). Uma das questões enfrentadas pelo jornalismo cultural é a divisão entre o que seria cultura e o que seria entretenimento. Este estigma em torno de certas formas de produção cultural, como se eles fossem menos importantes, é prejudicial. De acordo com Piza, isso ocorre porque cultura é associada à intelectualidade inalcançável por grande parte da população, o que faz com que temam a cultura. O autor comenta que os jornalistas tem a capacidade de pegar uma obra de sucesso na audiência e tratá-la de forma mais profunda mostrando que há mais nela do que os consumidores percebem inicialmente. Também podem 12

13 reportar temas considerados complexos demais de uma maneira que o público compreenda: Temas ditos eruditos podem ser tratados com leveza, sem populismo; e temas ditos de entretenimento podem ser tratados com sutileza, sem elitismo (PIZA, 2011: 58). O que os veículos devem levar em conta na hora de selecionar o que será divulgado é seu leitor ou espectador. Cada publicação da imprensa tem um público-alvo e deve se concentrar em falar com ele, sem abrir mão de tentar contribuir com sua formação, com a melhoria de seu repertório (PIZA, 2011: 47). O equilíbrio entre assuntos nacionais e internacionais nas edições é mais uma dificuldade enfrentada pelos jornais. No mundo globalizado de hoje é importante ver que a cultura se interpenetra para se manter viva e ativa, portanto os fatos do exterior também tem relevância no país. No entanto, não podemos olhar para a cultura de fora e virar as costas para as obras produzidas aqui no Brasil, ou tratá-las com menos prestígio. Um tema discutido por Daniel Piza sobre os jornais impressos que pode ser transferido para o telejornalismo é a diferença no tom e abordagem dos assuntos entre os cadernos culturais publicados diariamente e os suplementos especiais que saem semanalmente. Podemos estabelecer um paralelo dessas duas modalidades com os telejornais diários e os programas de nicho, respectivamente. Nos segundos cadernos as matérias são mais superficiais, valorizando as celebridades, e suas reportagens se tornam cada vez mais releases dos eventos. Essa abordagem se parece com aquela dada pelos telejornais diários, que ainda possuem mais uma desvantagem por não terem uma editoria cultural obrigatória todos os dias, como o impresso. Já os suplementos especiais do impresso tendem a trazer análises mais aprofundadas, tratando de temas ligados à erudição (PIZA, 2011: 53). Este tratamento voltado para um público iniciado nos assuntos culturais é esperado pelos programas de televisão especialmente sobre cultura, que tem este público alvo. Por ter suas análises voltadas para os meios impressos, Daniel Piza destaca a diferença destes da TV, por serem capazes de maior aprofundamento e argumentação (PIZA, 2011: 47). Mas precisamos pensar em 13

14 maneiras que a TV possa tentar trabalhar com as questões culturais de forma critica e profunda também, deixando de lado o preconceito em torno deste meio, considerado menos sério e equilibrado. 2. Por que o Homer não se interessa por cultura? Este estigma do telespectador foi retirado da afirmação de William Bonner de que o Jornal Nacional é produzido pensando em um público que tem o perfil do patriarca do seriado de TV norte-americano Os Simpsons. Um homem que assiste à televisão e simplesmente assimila o que vê, sem criticidade alguma. A comparação foi feita em novembro de 2005, durante uma visita de professores universitários aos estúdios da Rede Globo. De acordo com o professor da Universidade de São Paulo, Laurindo Lalo Leal Filho, em relato para a Carta Capital, Bonner teria dito que o telespectador é como Homer porque tem dificuldade de entender notícias complexas e pouca familiaridade com siglas como BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). No dia 06 de dezembro do mesmo ano, a Folha de S. Paulo divulgou uma nota do jornalista em que ele diz que não pensou no personagem de maneira preconceituosa. William Bonner explicou que o exemplo foi dado por Homer representar um pai de família, um trabalhador conservador, sem curso superior, que após uma jornada de trabalho, quer ter acesso às notícias mais relevantes do dia de forma clara e objetiva. Em contraposição a este estereótipo podemos utilizar a pesquisa de Lins da Silva e os trabalhos de Arlindo Machado. Segundo Arlindo Machado, em seu livro A televisão levada a sério, as abordagens políticas a respeito dos programas de TV falham ao presumirem que os espectadores, que são os leitores dos meios audiovisuais, são ingênuos e reproduzem acriticamente a opinião dos programas. Machado afirma, citando Dominique Wolton, que a significação no telejornal é função do contexto cognitivo ou sociocultural do processo de interpretação, razão por que ela sempre transborda de qualquer intenção. (MACHADO, 2000: 100). Desta forma o mesmo telejornal pode ser interpretado diferentemente por espectadores variados, de acordo com seus valores e ideologias além de suas 14

15 estratégias perceptivas ou cognitivas. O telespectador tem autonomia suficiente para selecionar o que é apresentado no fluxo televisual. Em sua pesquisa, Carlos Eduardo Lins da Silva não tem a pretensão generalizante, mas sim o objetivo de mostrar que nem todos os trabalhadores brasileiros telespectadores do Jornal Nacional aceitam as mensagens deste meio de forma passiva e sem senso crítico, desde que haja outra fonte para compor sua representação da realidade. Não havendo o monopólio da representação do real, qualquer pessoa pode ser crítica diante da TV (SILVA, 1985: 135). As mídias selecionam o que será apresentado ao público por motivos externos a ela, mas também por motivos internos a máquina midiática. Segundo Patrick Charaudeau pode-se falar de automanipulação das mídias sob a pressão de suas próprias representações (CHARAUDEAU, 2012: 258). A instância midiática lida com as representações de seu público e com as representações de si mesma, sendo que estas representações de si mesma podem se estender as suas rubricas. O jornal será dividido e organizado para se encaixar na identidade construída para si pela máquina midiática. A divisão de um jornal em editorias é um exemplo do processo de classificação presente na vida social. Tal processo está ligado ao estabelecimento de identidades e diferenças. Segundo Tomaz Tadeu da Silva, A identidade e a diferença são criações sociais e culturais (SILVA, T. T., 2000: 76). As identidades são produzidas em um contexto social a partir da diferenciação de suas características das de outras identidades, portanto diferença e identidade são inseparáveis. As identidades são disputadas e dependem de relações de poder para se estabelecerem. Na disputa pela identidade está envolvida uma disputa mais ampla por outros recursos simbólicos e materiais da sociedade (SILVA, T. T., 2000: 81). No caso da identidade de uma editoria no telejornalismo o recurso envolvido nesta disputa é o espaço e o tempo de exibição das matérias que correspondem a esta rubrica na edição diária do jornal. 15

16 A divisão do espaço midiático em rubricas remete à reconstrução do espaço público operada pelas mídias. As editorias do jornalismo, por exemplo, correspondem aos diversos campos de pensamento da opinião pública em que a informação cultural é o espaço reservado para as discussões sobre o campo artístico, suas produções e atores. (CHARAUDEAU, 2012: 145). Na televisão as divisões temáticas se dão de forma temporal, ou seja, a hierarquia das reportagens de acordo com suas rubricas pode ser percebida pela ordem de apresentação e número de vezes que uma notícia aparece além do tempo de exibição reservado para ela na edição do telejornal. Sendo assim, podemos considerar aqui a disputa por reconhecimento da identidade da editoria de cultura no telejornal. A cultura pode ser considerada como um tema estigmatizado dentre as editorias do telejornalismo. Pelo levantamento feito, o número de matérias encontradas surpreendeu, pois esperamos um número muito pequeno, mas ainda assim a quantidade encontrada é muito inferior a de outras editorias. A sensação de ausência de matérias culturais no telejornalismo diário pode ser um exemplo de como a editoria de cultura ocupa lugar pouco representativo, sendo muitas vezes diluída ao longo do ano. Por este ponto de vista, a editoria de cultura pode carregar o estereótipo de ser menos importante, fútil, e, portanto, servir para ocupar espaço quando não houver outros fatos mais importantes de serem noticiados naquele dia. Outro possível estereótipo é de que a cultura, se fosse discutida com mais profundidade crítica, não seria compreendida pelo telespectador médio dos jornais. Esta visão elitista enxerga a cultura como um tema complexo e mistura o estigma do público com um estereótipo dos temas culturais. 3. Em busca de uma definição de Cultura A construção do conceito de cultura e arte utilizado nesta pesquisa foi feita pensando de forma que não restringisse o nosso objeto de pesquisa, já reduzido por natureza. Por isso buscamos definições mais amplas e abrangentes de cultura, que a vissem de forma plural e sem preconceitos. 16

17 Em A Cultura no Plural, Michel de Certeau afirma que a cultura é plural, ou seja, não existe uma definição de Cultura e sim várias culturas que convivem. Ele visa o intercâmbio entre o popular e o intelectual, sendo que uma forma de cultura não é superior à outra, todas elas possuem seu valor e sua função. Ele ainda destaca que a cultura tomada no singular é extremamente prejudicial para a criatividade. Como apontado por Certeau, o termo cultura pode ser empregado em diferentes situações e em cada uma delas designar um significado. Entre os selecionados pelo autor, os que mais se aproximam da abordagem utilizada nesta análise são as que seguem. Um patrimônio das obras que devem ser preservadas, difundidas e com relação ao qual nos situamos, e dentro disso as criações e criadores que devem ser promovidos. Também o conjunto de mitos, comportamentos e instituições que compõe um quadro de referências próprio de uma sociedade, diferenciando-a das demais. Ou ainda um sistema de comunicação, que organiza os significados e a mídia (CERTEAU, 1995: 194). Mas não é porque a cultura pode ser encontrada em diversas formas e locais de uma sociedade que qualquer atividade humana pode ser reconhecida como tal. Para que sejam verdadeiramente consideradas como cultura é necessário que as práticas sociais tenham significado para o sujeito que as pratica (CERTEAU, 1995: 141). O que faz a arte ser considerada arte, e se diferenciar das outras produções? Sobre a questão da legitimidade conferida às formas de expressão cultural humana e seus produtores podemos utilizar as teorias de Pierre Bourdieu a respeito da criação do campo artístico. Segundo Bourdieu (2001), através da Academia e de instituições que intermediam o acesso à cultura são criadas divisões das formas de representação do mundo que são legítimas ou não. Sendo assim, cria-se um estereótipo das produções artísticas aceitas pelos produtores e consumidores de cultura. Concretamente a produção dos produtores de que o Estado, através das instituições encarregadas de controlar o acesso ao corpo, detém o monopólio, toma forma de um processo de certificação ou, se se prefere, de consagração pelo qual os produtores são instruídos aos seus próprios olhos e aos olhos 17

18 de todos os consumidores legítimos, como produtores legítimos, conhecidos e reconhecidos por todos (BOURDIEU, 2001: 276). A mídia está entre as instituições com autoridade legitimadora na atualidade. Por isso, as reportagens televisionadas, ao selecionarem certas formas de produção cultural para serem apresentadas ao público, estão contribuindo para que estas sejam aceitas e, portanto, consumidas pela população. O valor artístico de uma produção e seu sentido não estão definidos no produto em si, ou em seu produtor, mas no campo artístico que se constrói, conforme a teoria de Bourdieu. O conjunto de agentes e obras, críticos, produtores, consumidores e intermediários que se interessam por arte ou vivem dela, e que lutam por uma representação do real, colaboram para a criação de valor e sentido das obras e artistas (BOURDIEU, 2001: 290). Os conceitos de beleza e outras categorias usadas para compreender e admirar diferentes formas de produções culturais estão ligadas ao contexto histórico e social tanto da produção quanto da apreciação de tal obra. Essas noções estéticas tomam diferentes sentidos em diferentes períodos da história, de acordo com as revoluções artísticas que ocorrem. (BOURDIEU, 2001: 292) 4. Comunicação e discurso nas mídias Para estabelecermos os parâmetros da análise discursiva a ser realizada sobre as reportagens que constituem a amostragem desta pesquisa utilizamos como referência as propostas de Patrick Charaudeau em seu livro O Discurso das Mídias. O modelo de análise se baseia na concepção do ato comunicacional como uma troca entre a instância de produção e a instância de recepção onde deve haver uma cointencionalidade para que o sentido se produza, pois o receptor precisa reconhecer a estruturação feita pelo produtor dos signos e formas da linguagem utilizada. Desta forma são instituídos três lugares de importância na máquina midiática o lugar da produção, representado pelo 18

19 produtor de informação, o lugar da recepção, representado pelo consumidor da informação, e o produto midiático. (CHARAUDEAU, 2012). A instância de produção envolve as práticas profissionais condicionadas pelas relações socioeconômicas da empresa midiática (espaço externoexterno) e as condições de produção da informação, onde são tomadas as decisões a respeito de como o produto será realizado (espaço externo-interno) de acordo com os efeitos que pretendem produzir no público. No entanto, o produtor não tem garantia de que os efeitos pretendidos corresponderão àqueles realmente produzidos no receptor (CHARAUDEAU, 2012: 26). O lugar das condições de recepção é divido em interno-externo e externo-externo. O primeiro é o espaço do receptor ideal, um leitor modelo imaginado pela instância produtora para ser o alvo do produto comunicacional. O segundo é o espaço do receptor real, público consumidor da informação que a interpreta conforme suas circunstâncias de leitura. O lugar do produto midiático concretizado, objeto das análises realizadas nesta pesquisa, é o local onde o discurso esta configurado como texto, verbal ou não. Como explicitado anteriormente, os sentidos pretendidos pelos produtores e os sentidos realmente produzidos nos receptores não são necessariamente coincidentes. Portanto a análise do produto, neste caso das reportagens televisivas, é um exame dos possíveis interpretativos, baseado no estudo das estruturas encontradas na amostragem e nos discursos de representação circulantes nas instâncias de produção e recepção. As mídias são atuantes nas dinâmicas e construção do espaço público onde contribuem na constituição de discursos circulantes. Os discursos circulantes são as somas dos enunciados que definem a sociedade e por meio dos quais os sujeitos de uma comunidade se reconhecem. Dentre as características do discurso circulante, ligadas às funções da representação, a que se relaciona com a nossa questão é sua função de regulação do cotidiano social, que direciona os hábitos de certo grupo social, incluindo as formas de cultura consumidas por seus integrantes. (CHARAUDEAU, 2012: 118). 19

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP MORETTI, Luiza H. A.B. mestranda em Divulgação Científica

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4

POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 POR TRÁS DAS GRADES: A REALIDADE NO PRESÍDIO REGIONAL DE PELOTAS 1 Mateus João MARQUES 2 Marcus SPOHR 3 Margareth MICHEL 4 Resumo: A reportagem mostra a realidade dentro de uma das maiores casas prisionais

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

Pronac Nº 1111032 Você em Cenna é um concurso cultural que irá eleger atores e atrizes amadores de todo o país, que enviarão vídeos de suas performances para votação popular e de júri especializado. Os

Leia mais

Telejornal Sala 221 1

Telejornal Sala 221 1 Telejornal Sala 221 1 Thayane dos Santos MOREIRA 2 Gabriela Barbosa NEVES 3 Kamila Katrine Nascimento de FREITAS 4 Marcelo LIMA 5 Maryjane da Costa PEREIRA 6 Cogenes Felipe Silva de LIRA 7 Zulmira NÓBREGA

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos?

TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? 1 TV Analógica e TV Digital: como conviver com os dois formatos? Willians Cerozzi Balan Setembro/2009 Autores, pesquisadores e profissionais da área de produção em televisão reconhecem que a imagem exerce

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11 1 de 5 21/06/2011 17:55 FESTIVAIS inscrições até junho/11 1ª MOSTRA DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO DA UNICAP A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap é uma atividade integrada à programação de comemoração

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio

Produzir para Rádio. Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio Produzir para Rádio Descrição das atividades do Processo Produzir para Rádio 2 de 12 CJF Conselho de Conteúdo 1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 3 2. DESCRITIVO DO PROCESSO... 5 2.1 ENTRADAS/INSUMOS... 5 2.2 SAÍDAS

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais

BLOCO CIDADANIA: UMA PROPOSTA TELEVISIVA EM DEBATE

BLOCO CIDADANIA: UMA PROPOSTA TELEVISIVA EM DEBATE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1

Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1 Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1 1. Introdução Tamires Ferreira COELHO 2 Elinara Soares Barros de SOUSA 3 Orlando Maurício de Carvalho

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

Metodologias para análise de telejornais: a busca por métodos adequados para analisar noticiários locais 1

Metodologias para análise de telejornais: a busca por métodos adequados para analisar noticiários locais 1 Metodologias para análise de telejornais: a busca por métodos adequados para analisar noticiários locais Resumo Maiara Carvalho BATISTA 2 Universidade Federal do Paraná Este artigo surge da necessidade

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador

As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Ilustração Alessandro Lima As incompletudes da televisão abrem espaço para a imaginação do telespectador Arlindo Machado por Mônica Ramos Arlindo Machado é professor de Comunicação e Semiótica da PUC-SP

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO

GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO 1 GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL - HABILITAÇÃO JORNALISMO ESTRUTURA CURRICULAR O curso de Comunicação Social - habilitação Jornalismo será ofertado, preferencialmente, no turno matutino, terá a duração

Leia mais

as cores locais formando um mosaico de sucesso

as cores locais formando um mosaico de sucesso 3º PRÊMIO DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA UNIMED Regulamento O presente regulamento tem a finalidade de estabelecer as normas aplicáveis ao Prêmio de Comunicação do Sistema Unimed, relativas aos participantes,

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1

Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Cadernos de Reportagem: Incentivo ao Senso Crítico no Jornalismo 1 Vinícius DAMAZIO 2 Luciana PACHECO 3 Gabriel SAMPAIO 4 Sylvia MORETZSOHN 5 Ildo NASCIMENTO 6 Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional

Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional Regulamento Prêmio Sebrae de Jornalismo 6ª edição Nacional 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. O Prêmio Sebrae de Jornalismo (PSJ) é um concurso jornalístico instituído pelo Sebrae Nacional Serviço Brasileiro

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES Coordenação de Jornalismo REGIMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM JORNALISMO Capítulo I Da concepção de estágio O Estágio visa oportunizar

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação

Universidade. Estácio de Sá. Comunicação Universidade Estácio de Sá Comunicação A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como Faculdades

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OBJETIVOS PRODUTOS

CARACTERÍSTICAS OBJETIVOS PRODUTOS INTRODUÇÃO Niterói - cidade considerada digital já em 1999 é uma das mais conectadas em banda larga do país. Na cidade conhecida por seus belos casarões, museus e centros culturais, foi criada em agosto

Leia mais

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba.

O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. O que é: A Oficina de Comunição é um treinamento à distância realizado pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. Objetivos: Capacitar os pontos focais de cada Comitê Afluente que trabalhem diretamente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: artistas locais; cultura; experimentação; fome de quê?

PALAVRAS-CHAVE: artistas locais; cultura; experimentação; fome de quê? Fome de quê? por que a gente não quer só comida 1 Lorena Santiago Simas 2 Fabíola Moura 3 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO O programa Fome de quê? foi elaborado com a intenção de valorizar

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale]

FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] Os Seminários Internacionais Museu Vale FERNANDO PESSOA [Professor de filosofia da UFES e organizador dos Seminários Internacionais Museu Vale] O propósito desta introdução, além de apresentar a oitava

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL

PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL PRÊMIO OAB-GO DE JORNALISMO EDITAL 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O Prêmio OAB-GO de Jornalismo é um concurso jornalístico instituído pela Seção de Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil para premiar matérias

Leia mais

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1

Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações. sociais em Uberlândia. MG. 1 Gente do bem: proposta de atividades comunicativas em rádio e para abordar ações RESUMO sociais em Uberlândia. MG. 1 Kênia Leal PIMENTA 2 Letícia Daniela Gonçalves MEDEIROS 3 Monique França ROCHA 4 Adriana

Leia mais

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Programa Sonora Eletrônica 1. Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Programa Sonora Eletrônica 1 Márcio Farias de MELLO 2 Raquel RECUERO 3 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS RESUMO O uso e a produção áudio-visual no jornalismo hoje, não depende mais exclusivamente

Leia mais

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012. Julho/2012 Rio de Janeiro. www.assespro-rj.org.br/premioempresas

PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012. Julho/2012 Rio de Janeiro. www.assespro-rj.org.br/premioempresas PRÊMIO ASSESPRO-RJ MELHORES EMPRESAS EDIÇÃO 2012 Revisão 2.3 Julho/2012 Rio de Janeiro www.assespro-rj.org.br/premioempresas Assespro-RJ Praça Pio X, 55, 9º andar Cep:20070-900 Rio de Janeiro RJ Brasil

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015. Correio Lageano 02 de dezembro

CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015. Correio Lageano 02 de dezembro CLIPAGEM VF DEZEMBRO 2015 Correio Lageano 02 de dezembro FALANDO EM VINHOS SITE SITE TURISMO E NEGÓCIOS PORTAL DA ILHA SITE REVISTA DESTAQUE DEZEMBRO R7 R7 ou R7.com é um portal de notícias

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Filmes com muitas vontades

Filmes com muitas vontades Filmes com muitas vontades Clarisse Alvarenga Desde a década de 1970, vêm sendo empreendidas algumas tentativas ainda autorais e incipientes, partindo de cineastas brasileiros, como Andrea Tonacci e Aluysio

Leia mais

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE

CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE CARTILHA MONTE SEU PERCURSO DE FORMAÇÃO LIVRE Tutorial básico para realização de atividades de formação livre em campi temporários ÍNDICE Apresentação, 03 Como funcionam os campi temporários?, 04 O que

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS

CULTURA POPULAR E IDENTIDADE REGIONAL: A CONTRIBUIÇÃO DO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL NOS CAMPOS GERAIS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CULTURA POPULAR E IDENTIDADE

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO

MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO Carlos Eduardo Lins da Silva Por Tyciane Cronemberger Viana Vaz Carlos Eduardo Lins da Silva Entre a academia e o mercado Graduação em Jornalismo pela Cásper Líbero Mestrado

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Associação Beneficente de Amparo á Família

Associação Beneficente de Amparo á Família Associação Beneficente de Amparo á Família Perfil A Associação Beneficente de Amparo à Família (ABENAF) é uma Organização Não Governamental (ONG), sem fins lucrativos, que tem como objetivo oferecer cultura,

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

REGULAMENTO. CURTA5 I Festival de Curtas-Metragens do Instituto Federal da Bahia - IFBA

REGULAMENTO. CURTA5 I Festival de Curtas-Metragens do Instituto Federal da Bahia - IFBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Campus Eunápolis COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Av. David Jonas Fadini, s/ n, Juca Rosa, Eunápolis BA CEP 45823-431

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais