TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE ABERTURA DO PROJETO"

Transcrição

1 1 Nome do Projeto 2 Código Projeto Fiscalização do Exercício e Atividade Profissional 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto João Augusto de Lima Estratégico 5 Gestor(a) 6 Programa Igor de Mendonça Fernandes CEEP 7 - Histórico de Revisões no Documento Data Versão Descrição Autor(es) 03/03/ Versão Inicial João Augusto de Lima 8 Objetivo do Projeto Revisar o documento de diretrizes de fiscalização formuladas em 2010 para elaboração e publicação de um documento final ou norma que contemple as diretrizes nacionais, acrescentando diretrizes específicas para a fiscalização de profissionais estrangeiros, bem como atuar nos fluxos processuais da fiscalização com a estruturação de ferramenta de georeferenciamento apoiado a um trabalho de capacitação. 9 Justificativa A busca pela excelência no desempenho da fiscalização, atividade finalística basilar do sistema Confea/Crea, implica num processo de identificação precisa dos padrões de atuação praticados na atualidade, e que virá a subsidiar a formulação e desenvolvimento de novas diretrizes gerais e específicas, a serem adotadas como referencial para os órgãos de fiscalização dos 10 Objetivos Específicos do Projeto Objetivo Específico Indicador Associado Meta Data alvo Fonte de verificação Elaborar e publicar um documento ou proposta de norma contendo as diretrizes para fiscalização a partir da revisão das diretrizes formuladas em Documento ou proposta de norma contendo as diretrizes para a fiscalização. 100% das diretrizes reunidas em um documento específico 01/09/2011 Documento para publicação e divulgação ou proposta de norma concluída.

2 10 Objetivos Específicos do Projeto Objetivo Específico Indicador Associado Meta Data alvo Fonte de verificação Elaborar Procedimentos Operacionais Padrão para suprir carências identificadas junto aos regionais; POPs construídos pelo projeto em conjunto com os parceiros 4 POPs de importância para o Sistema Confea/Crea 01/10/2011 Documentos de procedimento Operacional padrão devidamente avaliados pelos parceiros Promover acesso aos de informações nacionais de interesse da fiscalização (convênios, equipamentos utilizados, contratos vigentes), bem como aos recursos tecnológicos disponíveis, com a finalidade de implantação a nível nacional do georeferenciamento da fiscalização Bancos de dados de convênios e equipamentos postados no site do Confea 1 bancos de dados de convênios e 1 banco de dados de equipamentos 01/08/2011 Bancos alocados no site do Confea. Realizar curso específico à distância para os colaboradores da fiscalização Curso realizado. 1 curso com conteúdos escolhidos pelos regionais. 01/10/2011 Documentação da realização do curso. Realização do segundo seminário nacional de fiscalização PP Seminário de Fiscalização com duração mínima de três dias. Seminário contemplando boas práticas, discussões sobre diretrizes e procedimentos operacionais. 01/08/2011 Documentação relativa à realização do seminário. Elaboração de diretrizes específicas para a fiscalização de profissionais estrangeiros. Diretrizes contemplando a atuação dos para a adequada fiscalização. Diretrizes que contenham objetivos a serem alcançados pelos 01/11/2011 Documento de diretrizes específicas para a fiscalização de profissionais estrangeiros. 11 Produtos 2 - Documento para divulgação ou proposta de norma contendo as diretrizes para a fiscalização; 3 - Procedimentos Operacionais Padrão para áreas deficientes de fiscalização; 4 - Banco de dados de convênios e equipamentos utilizados pela fiscalização; 5 - Estudo sobre georeferenciamento com a descrição das atuais tecnologias disponíveis nos regionais. 6 - Curso a distância contendo tópicos de interesse da fiscalização; 7 - Seminário de Fiscalização e respectiva documentação produzida; 8 - Diretrizes específicas para fiscalização de profissionais estrangeiros.

3 12 Não Escopo Não compete ao projeto a implementação das diretrizes nacionais da fiscalização, que só podem ser implementadas pelos próprios regionais 13 Parte Interessada Representante Relacionamento com o projeto Presidentes, chefes de fiscalização e Contribuição no fornecimento de informações e participação na outros representantes formulação, avaliação e revisão das diretrizes Profissionais e empresas submetidas à fiscalização do Entidades de classe, sindicatos e Identificação de necessidades e críticas aos modelos existentes Sistema Confea/CREA associações Avaliação da edição de norma, colaboração na elaboração de Presidente ou Representante indicado novas dretrizes e revisão das existentes 14 Equipe Básica Papel desempenhado Condução das reuniões e seminário, articulação junto aos Presidentes de e Conselheiros Federais, revisão e crítica das diretrizes, delegação de tarefas aos membrosanálise João Augusto de Lima qualitativa do material produzido nos exercícios anteriores, definição das informações complementares necessárias, elaboração do relatório de padrões atuais, relatório de diretrizes referenciais e organização da premiação de boas práticas. Desenvolvimento de formulário para definição das informações básicas do catálogo de convênio, sistematização temática dos convênios e informações correlatas, sistematização do cadastro de equipamentos utilizados pela fiscalização e situação atual dos contratos, preenchimento dos papéis de trabalho, elaboração do Francisco Rodrigo Brasil (APAR) projeto a ser apresentado à empresa de eventos para realização do Seminário de Fiscalização, acompanhamento dos serviços prestados pela empresa de eventos e da gestão do contrato, operação da mala direta da fiscalização, expedição de ofícios e memorandos, guarda do processo, organização documental e elaboração de relatórios mensais de desempenho. Elaboração dos papéis de trabalho para coleta de informações junto aos, sistematização de informações da AUDI, Maria de Fatima de Sousa Diniz (AUDI) participação nas reuniões com os parceiros, levantamentos em geral, desenvolvimentos de índices de desempenho para a

4 14 Equipe Básica Papel desempenhado fiscalização, cruzamento de informações fornecidas pelos, desenvolvimentos de formas de inserção e cobrança da aplicação das diretrizes e dos princípios da fiscalização e apresentações no Seminário de Fiscalização. Participação e acompanhamento do processo de aperfeiçoamento das diretrizes nacionais de fiscalização, elaboração de propostas de resolução contemplando as diretrizes, pesquisas de legislação vigente sobre fiscalização, Barbara Fernandes Costa (GAC) adaptação de conceitos e diretrizes em dispositivos normativos, coleta desenvolvimento de procedimentos operacionais padrão para a fiscalização, participação nas reuniões com os parceiros e apresentações no Seminário de Fiscalização. 15 Orçamento Previsto 16 Prazo Previsto R$ ,00 31 de Dezembro de Restrições Disponibilidade do Coordenador e dos membros em face das atribuições setoriais; Dependência das informações dos regionais. 18 Premissas Colaboração dos parceiros; Parceria junto ao Projeto CTCC; Reformulção orçamentária. 19 Assinaturas Coordenador Assinatura Data Gestor Assinatura Data

5 Assinatura Data SPP Assinatura Data Presidente Assinatura Data

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA 1 MÓDULO 20: SEGURANÇA NO TRABALHO CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA ANEXOS: 1 Fluxo do Subprocesso Constituir Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA 2 Formulário

Leia mais

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior.

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. PLANO GERAL DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO Com a entrada em vigor da Lei 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC.

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE AGENTES DE DESENVOLVIMENTO SOLIDÁRIO DO PROJETO BRASIL LOCAL ETNODESENVOLVIMENTO E ECONOMIA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014

APRESENTAÇÃO DO CEBC COMO SE ASSOCIAR 2014 APRESENTAÇÃO DO CEBC 201 QUEM SOMOS FUNDADO EM 200, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA,

Leia mais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Coordenação: STN - Arthur Pinto e Welinton Vitor Relatoria: SPI - Andréia Rodrigues Objetivo da Oficina Apresentar experiências

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE Primeira 1/7 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC - Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município:Tupã - SP Eixo tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Associação à Rede Petro BC

Associação à Rede Petro BC Associação à Rede Petro BC O foco da Rede Petro BC é proporcionar a criação de ambientes favoráveis para geração de negócios para seus associados. Atuando como articuladora entre clientes e fornecedores

Leia mais

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir Plano Estratégico da OISC/CPLP 2011-2016 Plano Anual de Trabalho 2015 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação,

Leia mais

Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de

Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de Portaria Conjunta CENP/COGSP/ CEI, de 6 7 2009 Dispõe sobre a Terminalidade Escolar Específica de alunos com necessidades educacionais especiais na área da deficiência mental, das escolas da rede estadual

Leia mais

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES Plano de Cargos, Carreiras e Salários Abril de 2013 CONTROLE DE REVISÕES Versão Data Responsável Descrição 0 15/04/2013 Tríade RH Desenvolvimento e Implantação do Plano 1 26/06/2013 Tríade RH Revisão do

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP -

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP - REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP - 2015 Ficha Catalográfica Preparada pela Faculdade Nacional de Educação e Ensino Superior do Paraná Faculdade Nacional de Educação e Ensino Superior

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado. EDITAL PPGE nº 11/2013

Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado. EDITAL PPGE nº 11/2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado e Doutorado EDITAL PPGE nº 11/2013 Edital para Credenciamento de Novos Docentes para o Programa de Pós -Graduação em

Leia mais

Concursos de Principais alterações face a João Carreira

Concursos de Principais alterações face a João Carreira Concursos de 2014 Principais alterações face a 2013 João Carreira Que novos concursos são lançados hoje? São lançados 6 concursos: 2 Concursos de 2014: Principais alterações face a 2013 TIPOLOGIAS DE PROJETO:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU ANEXO 2 DO EDITAL PIBID UNEB CAPES Nº. 010/2014 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Candidato (a) Matrícula Curso / Depto. UNEB (iniciação à docência) Escola (supervisão) ENDEREÇO:...Nº... BAIRRO:...CIDADE:... CEP.:...

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE

Formulário de Registro Anual do Plano de AEE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Formulário de Registro Anual do Plano de AEE I - Dados referentes ao estudante

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD.

ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. Processo CONSUN Nº 009-2011 ASSUNTO: REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NEAD. PROTOCOLADO EM: 24/03/2011 INTERESSADO: Universidade do Contestado PROCEDÊNCIA: Reitoria COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI O Ministério de Educação (MEC) através da implantação do Sistema nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) constatou a necessidade de incluir, como

Leia mais

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços

Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços Famílias Todos Todos Todas Critério SMS Critério CONJUNTO DE REQUISITOS DE SMS PARA CADASTRO CRITÉRIO DE NOTAS DO SMS Portal do Cadastro SMS MEIO AMBIENTE Certificação ISO 14001 - Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

INTEGRANTE DA PORTARIA Nº 0, DE DE DE

INTEGRANTE DA PORTARIA Nº 0, DE DE DE ANEXO III - R.E.F. MODELO E INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA REF - DA META DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PARA OCUPAÇÃO EM FORMAÇÃO ARTÍSTICA E CULTURAL DO PROGRAMA CENTROS DE ARTES

Leia mais

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Processo Administrativo- Fiscal

Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Especialista em Processo Administrativo- Fiscal Termos de Referência para Serviços especializados de consultoria Individual na área de Processo Administrativo- Fiscal Projeto de Modernização Fiscal do Tocantins (PMF/TO) Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

RESUMO DA CHAMADA MCTI/FINEP/FNDCT AÇÃO TRANSVERSAL APOIO INSTITUCIONAL 03/2016 APOIO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO

RESUMO DA CHAMADA MCTI/FINEP/FNDCT AÇÃO TRANSVERSAL APOIO INSTITUCIONAL 03/2016 APOIO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO RESUMO DA CHAMADA MCTI/FINEP/FNDCT AÇÃO TRANSVERSAL APOIO INSTITUCIONAL 03/2016 APOIO A INSTITUIÇÕES DE PESQUISA NAS DIVERSAS ÁREAS DE CONHECIMENTO EM TERRITÓRIO NACIONAL Salvador Jun/2016 1. OBJETIVO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: DR. JOSÉ LUIZ VIANA COUTINHO Código: 073 Município: JALES/ SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL II SALÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS. 19 a 23 de outubro de 2015 CAMPUS DO VALE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL II SALÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS. 19 a 23 de outubro de 2015 CAMPUS DO VALE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL II SALÃO DE AÇÕES AFIRMATIVAS 19 a 23 de outubro de 2015 CAMPUS DO VALE REGULAMENTO 1. Objetivo O II Salão de Ações Afirmativas da UFRGS tem como objetivo a divulgação

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática

Leia mais

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti

O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti O QUE É O ENADE? Profa. Me. Karen Fernanda Bortoloti 1 http://www.bahianoticias.com.br O QUE É O ENADE? 2 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Integra o Sinaes - Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Chefe do Serviço de Gestão do Desempenho (SEGED) Analisado por: Diretor do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DEDEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Gestão de Pessoas

Leia mais

INICIATIVAS DO SEBRAE NA PRODUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS

INICIATIVAS DO SEBRAE NA PRODUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS INICIATIVAS DO SEBRAE NA PRODUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS 1 JORNADA ESTUDOS DE CASOS DA PEQUENA EMPRESA Concurso cuja proposta é firmar parcerias com instituições de ensino superior e estimular os alunos de

Leia mais

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3

Enquadramento Âmbito de Aplicação Logótipo da FCT... 3 Normas de Informação e Publicitação de Apoios para Beneficiários (Financiamentos exclusivamente por Fundos Nacionais) índice Enquadramento... 2 Âmbito de Aplicação... 2 Logótipo da FCT... 3 Obrigações

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL

INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL INSTITUTO SENAI DE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE E QUIMICA ELABORAÇÃO DO PLANO DE LOGISTICA REVERSA VESTUÁRIO E TÊXTIL SINDICATOS PARTICIPANTES SINDICOURO Sindicato das Indústrias de Artefatos de Couro do

Leia mais

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA

PROC. 04 ANÁLISE CRÍTICA 1 de 7 ANÁLISE CRÍTICA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO ANÁLISE CRÍTICA ANÁLISE CRÍTICA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÕES...

Leia mais

PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA. 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO

PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA. 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO PRÊMIO GESTÃO AMBIENTAL NO BIOMA AMAZÔNIA 1 a Edição 2015/2016 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Realização Apoio Forneça as informações a seguir para participar da 1ª edição 2015/2016 do Prêmio Gestão Ambiental

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL 37 CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO 1/7 EXECUÇÃO: OUTUBRO/2015 A JUNHO/2016. A Reitora do

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança do trabalho Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009

I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO. 1º de outubro de 2009 I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO 1º de outubro de 2009 (112 MUNICÍPIOS) (64 MUNICÍPIOS) (91 MUNICÍPIOS) (16 MUNICÍPIOS) (10 MUNICÍPIOS) (IDH Médio M Nacional = 0,766) Especificação

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP

REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP O PRÊMIO O 1º prêmio BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILEIRA DE OP é uma distinção anual promovida pela Rede Brasileira de Orçamento Participativo

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Visando subsidiar a proposição de propostas a CHAMADA INTERNA DA PROPI/IFTM EDITAL MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 02/2014, apresentamos a seguir os critérios a serem considerados quando da avaliação das mesmas:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - 1. Número e Título do Projeto: BRA 09/004 - Aprimoramento

Leia mais

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais 1 Objetivo Estabelecer e manter procedimentos para o levantamento, identificação, atualização e/ou alteração dos aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços do Porto de Itajaí. Definindo os

Leia mais

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS

II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS II FORMULÁRIO PARA MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE VOLTADOS A PROJETOS DE RESPOSTA A AMEAÇAS IMEDIATAS Com o objetivo de auxiliar no preenchimento deste documento de Manifestação de Interesse, o Centro de Agricultura

Leia mais

Fiscalização de Segurança de Barragens no Setor Elétrico

Fiscalização de Segurança de Barragens no Setor Elétrico Fiscalização de Segurança de Barragens no Setor Elétrico Superintendência de Fiscalização dos Serviços de Geração SFG Lincoln Braga e Souza Foz do Iguaçu-PR 30 de agosto de 2016 2010 2012 2013 2014 2015

Leia mais

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA

EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA EDITAL 086/2014 PRORROGAÇÃO DE PRAZO PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE IDEIAS NOS DIFERENTES SEGMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA O Centro Universitário Metodista IPA e a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, por

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013 A Pró-reitora de Ensino da Universidade Feevale, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação UNIDADE VIII Auditoria em Informática Professor : Hiarly Alves www.har-ti.com Fortaleza - 2014 Tópicos Noções gerais de auditoria na empresa em SI Conceito de auditoria Etapas do processo de auditoria

Leia mais

2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE

2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA 2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE JUNHO DE 2013 PERSPECTIVA Processos Internos TEMA

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve:

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve: BA-Itagibá, 01 de Abril de 2015. Resolução nº. 001/CMDCA/2015 Dispõe sobre a CONVOCAÇÃO da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e outras Providências. O Conselho Municipal dos

Leia mais

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4)

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4) PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Decreto nº.13.528, de 2 de maio de 2014 QUADRO DE DETALHAMENTO DE TAREFAS QDT (ANEXO I) CÓDIGO ATIVIDADE NÍVEL 1 2 3 4 5 6 7 8 Análise e validação das propostas setoriais

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

I. Identificação do participante (da pessoa que for designada para o preenchimento) Escolaridade/Formação (quando tiver nível superior): Advogada

I. Identificação do participante (da pessoa que for designada para o preenchimento) Escolaridade/Formação (quando tiver nível superior): Advogada ANEXO III - FORMULÁRIO DE CONTRIBUIÇÕES I. Identificação do participante (da pessoa que for designada para o preenchimento) Nome Completo: Tamara Amoroso Gonçalves Escolaridade/Formação (quando tiver nível

Leia mais

Realização Parceiros Apoio

Realização Parceiros Apoio Realização Parceiros Apoio Rede Intergovernamental PPP RedePPP: Fundada em Setembro de 2014 a RedePPP - Rede Intergovernamental para o Desenvolvimento de Parcerias Público-Privadas (Rede PPP); Objetivo:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social A publicação Orientações para Conselheiros de Saúde foi desenvolvida pelo Tribunal de Contas da União para fortalecer o controle

Leia mais

Revisão da Portaria de Potabilidade da água para consumo humano

Revisão da Portaria de Potabilidade da água para consumo humano Revisão da Portaria de Potabilidade da água para consumo humano Programa Nacional de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Departamento

Leia mais

Carta de Serviços de TIC

Carta de Serviços de TIC Carta de Serviços de TIC Rio Grande do Norte - Maio/2013 Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte Secretaria de Tecnologia da Informação Carta de serviços de TIC - TRE/RN Rio Grande do Norte

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Agenda de Ações PDA

Agenda de Ações PDA Agenda de Ações PDA - 2013 Planejamento Estratégico O PDA fornece metodologia e facilitadores para a realização de duas reuniões de planejamento, com duração de oito horas cada. Esse processo possibilita

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA.

NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA. NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA. QUEM SOMOS Eletropar CGTE Eletronuclear Distribuição Acre Distribuição Alagoas Cepel Amazonas Nuclear Eletrosul Distribuição Piauí Distribuição Rondônia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Graduação Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo Identificação Versão Nº de folhas 1 de 5 Glossário de Termos

Leia mais

Senhores Membros do Congresso Nacional,

Senhores Membros do Congresso Nacional, Mensagem n o 691 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas Excelências,

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE REPUBLICADA NO DOE DE 04-02-2014 SEÇÃO I PÁG 63-64 RESOLUÇÃO SMA Nº 03, DE 24 DE JANEIRO DE 2014. Estabelece orientações para a instrução de processos de convênios com municípios e entidades da sociedade

Leia mais

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 O Diretor da Faculdade de Tecnologia de São Roque no uso de suas atribuições legais torna público que estão abertas as inscrições para participação

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

Relatório de Acompanhamento do Projeto - RAP

Relatório de Acompanhamento do Projeto - RAP Código do Projeto: 1/2011 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO NOME DO PROJETO: IMPLANTAÇÃO DA MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS DEMANDANTE: SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS DATA DA DEMANDA: 24/02/2012 MOTIVADOR:

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001.

DECRETO Nº , DE 18 DE JULHO DE 2001. DECRETO Nº. 3.872, DE 18 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o Comitê Gestor da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - CG ICP-Brasil, sua Secretaria-Executiva, sua Comissão Técnica Executiva e dá outras

Leia mais

Regulamento Interno Para Bolsas PCI

Regulamento Interno Para Bolsas PCI Regulamento Interno Para Bolsas PCI Introdução Este documento contém a regulamentação para o uso de bolsas do Programa de Capacitação Institucional PCI no. São estabelecidas regras para a solicitação de

Leia mais

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda

Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Plano de Trabalho do Projeto Modelo de Mensuração dos Custos do Ministério da Fazenda Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Analista de Finanças e Controle Coordenador de Análise Contábil Secretaria-Executiva/Ministério

Leia mais

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE

40% 60% AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE AVALIAÇÃO IFRJ EM DEBATE DATA: 14 de março de 2010 LOCAL: Auditório da FIRJAN TEMA: Seminário de Planejamento Estratégico do IFRJ Arranjos Produtivos Locais, Mercado de Trabalho e Indicadores de Gestão.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/OEI/MEC/FNDE/DIPRO/

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato de Gestão nº 010/2013 e nº 017/ SECT, TOMADA DE PREÇO Nº 02/ REDEH TIPO: MELHOR PREÇO E TÉCNICA

TERMO DE REFERÊNCIA. Contrato de Gestão nº 010/2013 e nº 017/ SECT, TOMADA DE PREÇO Nº 02/ REDEH TIPO: MELHOR PREÇO E TÉCNICA A Rede de Desenvolvimento Humano - REDEH, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda sob o nº 39.064.233/0001-93, com sede na Rua Álvaro

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 001/2016 PARA SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) COORDENADO PELO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Publicado no DOE em 5 jul 2016 Institui o Comitê Gestor da Rede para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios do Estado de Minas Gerais - REDESIM-MG.

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais