Sub-Total de Trabalhos do Auditório ,08

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sub-Total de Trabalhos do Auditório 26.493,08"

Transcrição

1 Art0 Descrição dos trabalhos Un Quant. Preços(usd) Total Unitários Totais 5,11 Execução de betão B25 em pilares incluindo arranque inclui cofragem m3 1,27 210,00 266,70 5,12 Execução de betão B25 em laje de cobertura inclui cofragem m3 7,96 210, ,60 5,13 Corte e aplicação de aços A400T em estruturas de betão Kg 1.109,40 2, 2.440,68 5,14 Execução da alvenaria de blocos com espessura cm assentes com argamassa de cimento e areia. un 83,70 25, ,50 5,15 Execução de reboco em paredes interiores e exteriores com argamassa de cimento e areia traço 1:5. m2 159,80 6,00 958,80 5,16 Execução de reboco em tectos com argamassa de cimento e areia traço 1:5. m2 53,10 7,00 371,70 5,17 Execução de impermeabilização da laje com tela asfáltica incluindo betonilha de pendente com argamassa de cimento e areia traço 1:3. m2 70,10 37, ,70 5,18 Fornecimento e montagem da porta em alumínio com 0,90x2,10m para sala de informática incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 3,00 645, ,00 5,19 Fornecimento e montagem de janela de aluminio com 1,x1,00m incluindo aro, caixilhos de correr em vidro e rede, ferragens e acessórios. un 4,00 380,00 1.5,00 5,2 Fornecimento e assentamento de tijoleira cerâmica de 1a qualidade, inclui cimento cola e betume de juntas e betonilha, em pavimento e roda pé. m2 53,10 40, ,00 5,21 Pinturas em paredes exteriores e interiores a duas d e m a is de tinta PVA, sobre uma demão de isolante. m2 159,80 8, ,40 5,22 Pinturas em tectos a duas d e m a is de tinta PVA, sobre uma demão de isolante. m2 53,10 10,00 531,00 5,23 Pinturas em elementos de madeira (portas e janelas) duas d e m ais de tinta óleo, sobre uma demão de isolante. m2 27,90 12,00 334,80 5,24 Instalação da rede eléctrica incluindo sistema de climatização, rede de telecomunicações, sistema de detenção de incêndios bem como montagem de caixas de derivação e aparelhagem, condutores, tubagem, interruptores, candeeiros, de acordo com o projecto da especialidade. vg 1, , ,00 Sub-Total de Trabalhos do Auditório ,08

2 REABILITAÇAO E AMPLIAÇAO DE ANEXOS PARA ORDEM DOS ADVOGADOS DE MOÇAMBIQUE LOCALIZAÇÃO: Av. VLADEMIR LENINE - CIDADE DE MAPUTO RESUMO ORÇAMENTAL CAPITULO DESIGNAÇÃO DOS TRABALHOS VALOR (usd) 1 ESTACIONAMENTO E MURO DE VEDAÇÃO FRONTAL ,65 2 PALA DE ACESSO E LETREIRO 9.504,58 3 REABILITAÇÃO DOS ANEXOS ,73 4 JARDIM 4.530,30 5 CONSTRUÇÃO DO AUDITÓRIO ,08 SUB-TOTAL DOS TRABALHOS ,34!VA 17% ,31 TOTAL DO ORÇAMENTO (usd) ,65

3 Art0 Descrição dos trabalhos Un Quant. Preços (usd) Total Unitários Totais 1 ESTACIONAMENTO E MURO DE VEDAÇÃO FRONTAL 1,1 Montagem do estaleiro, incluindo a placa da obra e posterior remoção e limpeza do estaleiro após a conclusão das obras. Meses 2, , ,00 1,2 Demolição de paredes em alvenaria de blocos de cimento com espessura até cm. m2 26,00 4,00 104,00 1,3 Demolição de pavimento em betonilha afagada e esquartelada do pavimento do passeio incluindo transporte de entulho a vazadouro. m2 119,00 5,00 595,00 1,4 Demolição de lancis de betão incluindo transporte de entulho a vazadouro. ml 23,00 19,00 437,00 1,5 Remoção de grades do muro em tubos de ferro incluindo transporte de entulho a vazadouro. m2 18,70 30,00 561,00 1,6 Remoção de porta de entrada com 0,90x2,10 m em grade de tubo de ferro incluindo transporte de entulho a vazadouro. un 1,00 57,00 57,00 1,7 Remoção de portão de viaturas com 3,15x2,10m em grade de tubo de ferro incluindo transporte de entulho a vazadouro. un 1,00 180,00 180,00 1,8 Regularização da base do pavimento de estacionamento e passeio com solos de empréstimo incluindo aterro e nivelamento, conforme cotas do projecto. m3 32, 17,00 547,40 1,9 Fornecimento e assentamento do pavê tipo H ou Zig Zag em pavimento da zona de estacionamento e passeio incluindo almofada de areia do rio cerca de 5cm, refechamento de juntas com areia fina e todos trabalhos complementares. m2 161,00 30, ,00 1,10 Fornecimento e assentamento do lancil de betão pré-moldado da zona de estacionamento e passeio incluindo preparação de base e trabalhos complementares. ml 34,10 32, ,25 1,11 Execução de grades do muro frontal em tubos de ferro, como especificado pelo projectista incluindo trabalhos complementares. m2 37,00 2, ,00 1,12 Execução da porta para entrada de peões com 0,90x2,10m em grade de tubo de ferro, como especificado pelo projectista incluindo trabalhos complementares. un 1,00 660,00 660,00 1,13 Execução do portão para viaturas com 3,15x2,10m em grade de tubo de ferrocomo especificado pelo projectista incluindo trabalhos complementares. un 1, , ,00 1,14 Execução de reboco em paredes incluindo remates com argamassa de cimento e areia traço 1:5. m2 13, 6,00 79, 1,15 Pinturas em paredes a duas d e m a is de tinta PVA, sobre uma demão de isolante. Sub-Total de Trabalhos de Estacionamento e Mure m2 39,60 8,00 316, ,65 2 PALA DE ACESSO E LETREIRO 2,1 Regularização da base do pavimento de entrada com solos de empréstimo incluindo aterro e nivelamento, conforme cotas do ) projecto. m3 3,3C 17,0C 56,10

4 D escrição dos trabalhos Un Quant. Preços (usd) Total Unitários Totais 3,6 Remoção de porta em madeira contraplacado com 0,75x2,10m > 3Ȯ para wc incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 1,00 110,00 110,00 3,7 Remoção de porta em madeira contraplacado com 0,80x2,10m da sala de formação incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 1,00 118,00 118,00 3,8 Remoção cuidada da janela da recepção com 2,00x1,10m a armazenar em local indicado pela fiscalização. un 1,00 112,00 112,00 3,9 Remoção cuidada da janela da sala com 1,40x1,10m a armazenar em local indicado pela fiscalização. un 1,00 80,00 80,00 3,10 Execução da alvenaria de blocos com espessura 10cm assentes com argamassa de cimento e areia. m2 16,30 17,50 285,25 3,11 Execução da alvenaria de blocos com espessura cm assentes com argamassa de cimento e areia. m2 30,74 25,00 768,50 3,12 Execução de reboco em paredes incluindo remates com argamassa de cimento e areia traço 1:5. m2 47,82 7,00 334,74 3,13 Execução da cobertura em chapa de zinco IBR espessura 0,6mm termolacada incluindo estrutura de fixação. m2 97,35 45, ,75 3,14 Fornecimento e montagem da porta em madeira maciça com 0,90x2,10m para sala de informática incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 1,00 760,00 760,00 3,15 Fornecimento e montagem da porta em madeira maciça com 0,90x2,10m para sala de formação incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 1,00 760,00 760,00 3,16 Fornecimento e montagem da porta em madeira maciça com 0,75x2,10m para wc incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 2,00 650, ,00 3,17 Reparação de porta em madeira contraplacado com 0,90x2,10m para recepção incluindo aro, fechadura, dobradiças e batentes. un 1,00 190,00 190,00 3,18 Reparação de janelas de madeira com 1,40x1,10m incluindo afinar caixilhos e aros, substituição da rede mosquiteira, dobradiças, tranquetas e reguladores. un 4,00 155,00 6,00 3,19 Reparação de janelas de madeira em wc com 0,50x0,60m incluindo afinar caixilhos e aros, substituição da rede mosquiteira, dobradiças, tranquetas e reguladores. un 1,00 42,00 42,00 3,2 Fornecimento e montagem de janela com 0,50x0,60m para wc incluindo aro, caixilhos de rede e vidro, dobradiças, tranquetas e reguladores. un 1,00 140,00 140,00 3,21 Fornecimento e montagem de janela com 1,40x1,10m para recepção incluindo aro, caixilhos de rede e vidro, dobradiças tranquetas e reguladores. un 1,00 590,00 590,00 3,22 Sanita em porcelana de 1a qualidade com autoclismo compacto da Vail Potteries ou equivalente de descarga ao chão levando tampa PVC, torneira de esquadria, bichas e todos acessórios de fixação. un 2,00 380,00 760,00

5 Art0 Descrição dos trabalhos Un Quant. Preços (usd) Total Unitários Totais 2,2 Escavação de terra para caboucos de sapatas corridas e isoladas m3 7, 15,00 108,00 2,3 Rega e compactação em base de fundações m3 42,00 5,00 210,00 2,4 Aterro com solos de empréstimo em pavimento e fundações. m3 3,52 25,00 88,00 2,5 F/a pedra mediana para enrolam ento em base de fundações e pavimento em camada de 10mm. m3 2,97 40,00 118,80 2,6 Execução de betão de limpeza em leito de fundações m3 0,78 180,00 140,40 2,7 Execução de betão B25 em sapatas de pilar inclui cofragem m3 1,27 210,00 266,70 2,8 Execução de betão B25 em vigas estruturais inclui cofragem m3 3,65 210,00 766,50 2,9 Execução de betão B25 em lajes térrea inclui cofragem m3 1,60 210,00 336,00 2,10 Execução de betão B25 em pilares incluindo arranque inclui cofragem m3 2,90 210,00 609,00 2,11 Execução de betão B25 em laje de cobertura inclui cofragem m3 1,87 210,00 392,70 2,12 Corte e aplicação de aços A400T em betão Kg 677,40 2, 1.490,28 2,13 Execução de reboco em paredes e tecto incluindo remates com argamassa de cimento e areia traço 1:5. m2 34,10 6,00 4,60 2,14 Fornecimento e assentamento de tijoleira cerâmica de 1a qualidade, inclui cimento cola e betume de juntas e betonilha, em pavimento e roda pé. m2 21,00 40,00 840,00 2,15 Execução de impermeabilização do tecto com tela asfáltica incluindo betonilha de pendente com argamassa de cimento e areia traço 1:3. m2 23,10 37,00 854, Pinturas em paredes a duas d e m a is de tinta PVA, sobre uma demão de isolante. m2 34,10 8,00 272,80 2,17 Fornecimento e montagem do painel publicitário luminoso com inscrição da "ORDEM DE ADVOGADOS DE MOÇAMBIQUE" incluindo estrutura metálica para fixação. Sub-Total de Trabalhos de Pala e Letreiro un 1, , , ,58 3 REABILITAÇÃO DOS ANEXOS 3,1 Demolição de paredes em alvenaria de blocos de cimento com espessura até cm. m2 28,40 4,00 113,60 3,2 Demolição de pavimento em betonilha afagada e esquartelada incluindo transporte de entulho a vazadouro. m2 58,37 5,00 291,85 3,3 Picagem e remoção do azulejo em paredes incluindo transporte de entulho a vazadouro. m2 24,10 8,00 192,80 3,4 Remoção da cobertura da varanda existente em chapas de zinco incluindo estrutura metálica e transporte de entulho a vazadouro. m2 29,70 10,00 297,00 3,5 Remoção cuidada da loiça sanitária existente (sanita, lavatório e lava-loiça) a armazenar em local indicado pela fiscalização. Vg 1,00 650,00 650,00 "s-pas2v & k

6 A rt0 D escrição dos trabalhos Un Q uant. Preços (usd) Total Unitários Totais 3,23 Lavatorio normal em porcelana de 1a qualidade da aval Potteries" ou semelhante incluindo suportes metálicos, sifão, válvula de descarga, torneira de esquadria, torneira, bichas e todos acessórios de fixação. un 2,00 360,00 7,00 3,24 Poliban de canto em fibraglass ou esmaltada quadrada 800x800mm fundo anti-derrapante incluindo sifão, válvula de descarga, válvula de passagem, torneira, chuveiro, cabine com portinholas de correr em vidro e alumínio e todos acessórios de fixação. un 1,00 450,00 450,00 3,25 Lava-loiça de aço inox de 1 cuba incluindo sifão, válvula de descarga, torneira de esquadria, torneira e todos acessórios de fixação. un 1,00 3,00 3,00 3,26 Porta rolo cromado de fixar na parede da Vaal Potteries e acessórios de fixaçao un 2,00 27,00 54,00 3,27 Saboneteira cromado com acessórios de fixaçao un 3,00 22,50 67,50 3,28 Toalheiro cromado de 60cm un 2,00 18,00 36,00 3,29 Espelho cristal com 600x800mm (colocado por cima do lavatório) em casas de banho. un 2,00 70,00 140,00 3,3 Revisão da tubagem de abastecimento de água em tubos diâm 1" e 3/4" incluindo acessórios de funcionamento e ligação á nova posição da loiça sanitária. Vg 1, , ,00 3,31 Fornecimento e assentamento de varão em aço inox para suporte de deficientes em wc incluindo acessórios. un 2,00 110,00 2,00 3,32 Revisão da rede de esgotos em tubagem upvc da Marley incluindo todos os acessórios ligações, abertura e fechamento de valas e/ou roços, para instalação de tubos diâm. 50, 75 e 110mm incluindo acessórios de funcionamento ligando á rede existente. Vg 1, , ,00 3,33 Fornecimento e assentamento de azulejo cerâmico de 1a qualidade com dimensões de 0x0mm, incluindo cimento cola e betume de juntas e emboço em wc. m2 27,80 30,00 834,00 3,34 Fornecimento e assentamento de azulejo cerâmico de 1a qualidade com dimensões de 0x0mm, incluindo cimento cola e betume de juntas e emboço em copa. m2 17,30 30,00 519,00 3,35 Fornecimento e assentamento de tijoleira cerâmica de 1a qualidade, inclui cimento cola e betume de juntas e betonilha, em pavimento recepção. m2 10,50 40,00 4,00 3,36 Fornecimento e assentamento de tijoleira cerâmica de 1a qualidade, inclui cimento cola e betume de juntas e betonilha, em pavimento de sala de informática. m? 15,90 40,00 636,00 3,37 Fornecimento e assentamento de tijoleira cerâmica de 1a qualidade, inclui cimento cola e betume de juntas e betonilha, em pavimento de copa m2 7,70 40,00 308,00 3,38 Fornecimento e assentamento de tijoleira cerâmica de 1a qualidade, inclui cimento cola e betume de juntas e betonilha, em pavimento de varanda e hall/passagem m2 26,30 40, ,00 3,39 Pinturas em tectos e palas a duas d e m a is de tinta PVA, sobre uma demão de isolante. m2 60,45 10,00 604,50 MS - Pag4 / 6

7 Art0 Descrição dos trabalhos Un Quant. Preços (usd) Total Unitários Totais 3,4 Pinturas em paredes exteriores e interiores a duas d e m a is de tinta PVA, sobre uma demão de isolante. m2 2, 8, ,60 3,41 Pinturas em elementos de madeira (portas e janelas) duas d e m ais de tinta óleo, sobre uma demão de isolante. m2 45,22 12,00 542,64 3,42 Revisão da rede eléctrica existente incluindo adequação á novas instalações, sistema de climatização, rede de informática e telefone, sistema TV, Sistema de detenção de incêndios bem como revisão de quadros eléctricos, caixas de derivação e aparelhagem, condutores, tubagem, interruptores, candeeiros, de acordo com o projecto da especialidade. Sub-Total de Trabalhos dos Anexos vg 1, , , ,73 4 JARDIM 4,1 Demolição de pavimento em betonilha afagada e esquartelada incluindo transporte de entulho a vazadouro. m2 312,70 4, ,80 4,2 Regularização de solos em zona do jardim incluindo espalhamento de 10cm de camada vegetal m3 38,50 17,00 654,50 4,3 Plantio de relva tipo "escalrache Moçambicana" incluindo rega, adubos e tratamento cerca de 15 dias. m2 350,00 5, ,00 4,4 Plantio de árvores diversas como Plumeria Rubra (Frangipan), Teminalia Catapa (Amendoeira Africana) ou outra espécie aprovada pela fiscalização. un 3,00 25,00 75,00 4,5 Fornecimento e assentamento de bancos fixos de betão un 2,00 150,00 300,00 4,6 Fornecimento e assentamento de placas de betão pré-moldado com 40x40cm para passadeiras no jardim Sub-Total de Trabalhos do Jardim un 50,00 10,00 500, ,30 5 CONSTRUÇÃO DO AUDITÓRIO 5,1 Demolição do maciço de pavimento em betão incluindo transporte de entulho a vazadouro. m2 26,50 33,00 874,50 5,2 Regularização da base do pavimento com solos de empréstimo incluindo aterro e nivelamento, conforme cotas do projecto. m2 10,60 17,00 180, 5,3 Escavação de terra para caboucos de sapatas corridas e isoladas m3 6,27 15,00 94,05 5,4 Rega e compactação em base de fundações m3 63,55 5,00 317,75 5,5 Aterro com solos de empréstimo em pavimento e fundações. m3 13,50 25,00 337,50 5,6 F/a pedra mediana para enrolam ento em base de fundações e pavimento em camada de 10mm. m3 1,35 40,00 54,00 5,7 Execução de betão de limpeza em leito de fundações m3 0,87 180,00 156,60 5,8 Execução de betão B25 em sapatas de pilar inclui cofragem m3 0,60 210,00 126,00 5,9 Execução de betão B25 em lajes térrea inclui cofragem m3 5,84 210, ,40 5,10 Execução de betão B25 em vigas estruturais inclui cofragem m3 2,82 210,00 592, MS - Pag.5/6

8 Quarta-feira, 25 de Agosto de 10 I SÉRIE Número 34 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério do Interior: Diploma Ministerial')." 136/10: SUMARIO Concede a nacionalidade moçambicana, por naturalização, a Elizabeth Ann Streat. Diploma Ministerial n." 137/10: Concede a nacionalidade moçambicana, por naturalização, a Hassanatou Barry. Ministério da Função Pública: Diploma Ministerial n. 138/10: Aprova o quadro de pessoal central do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades. MINISTÉRIO DO INTERIOR Diploma Ministerial n." 136/10, de 25 de Agosto O Ministro do Interior, verificado ter sido dado comprimento ao disposto no artigo 14 do Decreto n. 3/75, de 16 de Agosto, no uso da faculdade que lhe é concedida pelo artigo 12 da Lei da Nacionalidade, determina: É concedida a nacionalidade moçambicana, por naturalização, a Elizabeth Ann Streat, nascida a 15 de Setembro de 1957, em Melbourne - Austrália. Ministério do Interior, em Maputo, 30 de Abril de 10. O Ministro do Interior, José Condugua António Pacheco. Diploma Ministerial n." 137/10 de 25 de Agosto O Ministro do Interior, verificado ter sido dado cumprimento ao disposto no artigo 14 do Decreto n. 3/75, de 16 de Agosto, no uso da faculdade que lhe é concedida pelo artigo 12 da Lei da Nacionalidade, determina: É concedida a nacionalidade m oçam bicana, por naturalização, a Hassanatou Barry, nascido a 28 da Agosto de 1952, em Dobola - Guiné. Ministério do Interior, em Maputo, 22 de Abril de 10. O Ministro do Interior, José Condugua António Pacheco. MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA Diploma Ministerial n." 138/10 de 25 de Agosto Havendo necessidade de se aprovar o quadro do pessoal central dp Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, criado peto Decreto n, 38/99, de 10 de Junho, ao abrigo do disposto na alínea g) do n. 1 do artigo 4 do Decreto Presidencial n. 13/ /2Q07, de 16 de Outubro, oúvido o Ministro qúe superintende a área das Finanças, a Ministra da Função Pública determina: Artigo l. É aprovado o quadro de pessoal central do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, constante do mapa em anexo, e que faz parte integrante do presente Diploma Ministerial. Art. 2. O preenchimento do presente quadro de pessoal fica condicionado à existência de disponibilidade orçamental. Art. 3. É revogado o Diploma Ministerial n. 68/00, de 12 de Julho. Art. 4.0 presente Diploma Ministerial entra em vigor na data da sua publicação. Ministério da Função Pública, em Maputo 14 de Dezembro de 09. A Ministra da Função Pública, Vitória Dias Diogo.

9 184 I SÉRIE NÚMERO 34 Funções e carreiras Instituto Nacional de gestão de Calamidades Quadro de pessoal central Direcção- -geral DARH DPM DARIDAS Gabinete de coordenação Total Geral Funções de Direcção, Chefia e Confiança Director-Geral : Director Geral Adjunto <> Director Nacional...: Director Nacional Adjunto Assistente Chefe de Departamento Central Chefe de Repartição Central...: Secretária Executiva...s: Subtotal Carreira de Regime Geral Especialista Técnico Superior de Administração Pública N Técnico Superior de Administração Pública N i : 0 3' Técnico Superior N i2 : 9 41 Técnico Superior N i 1 5 Técnico Profissional em Administração Pública...: Técnico Profissional Técnico Assistente Técnico Auxiliar Administrativo I 5 Auxiliar, ; 1 4 Operário Agente Técnico o 1 Agente de Serviço Subtotal > Carreira de Regime Especial não Diferenciado Especialista em técnico Informação c Comunicação N Especialista em técnico Informação e Comunicação N j Técnico Superior de técnico Informação e Comunicação N1.. 0 Q ; Técnico Superior de técnico Informação e Comunicação N Técnico Profissional de técnico de Informação e Comunicação Subtotal Oficial de R ádio Primeiro-Oficial de R ádio r 0 2 Segundo-Oficial de R ádio í 0 3 Terceiro-Oficial de R ádio i 0 2 Subtotal...; ? Preço 1,00 MT Imprensa N acional de M oça m b iq u e E.P

10 Quinta-feira, 26 de Agosto de 10 I SÉRIE Número 34 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. AVISO A matéria a publicar no «boletim da República» deve ser remetida em cópia devidamente autenticada, uma por cada assunto, donde conste, além das indicações necessárias para esse efeito, o averbamento seguinte, assinado «autenticado: Para publicação no «Boletim da República». Ministério da Justiça; SUMARIO Diploma Ministerial n. 139/10: Aprova es modelos e demais suportes documentais informáticos, para: uso nas Conservatórias, Postos de Registo Civil e Órgãos Especiais do Registo Civií. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diploma Ministerial n. 139/10 da 26 de Agosto O Código do Registo Civil aprovado pela Lei n. 12/04, de 8 de Dezembro, abre espaço para a adopção das novas te c n o lo g ia de inform acão com designio de sim plificar e desburocratizar procedimentos. O processo de informatização em cutos nos registos exige a adequação dos modelos em uso para o registo e emissão de documentos. Nestes termos, e ao abrigo do artigo 28 da Lei i». 12/04, de 8 de Dezembro, determino: Artigo 1. São aprovados os modelos e demais suportes, documentais informáticos, para o uso nas Conservatórias, Postos de Registo Civil e Órgãos Especiais do Registo Civil,, que constituem Anexos 1 à 23 do presente Diploma e que dele fazem parte integrante. Art. 2. Nos serviços do Registo Civil e noutros da índole não ainda abrangidos pela informatização de processos de outorga de documentos, continuam em vigor os modelos aprovados pelo Diploma Ministerial n. 142/05, de 29 de Julho, do Ministro da Justiça. Ministério da Justiça, em Maputo, 18 de Maio de 10. A Ministra da Justiça, Maria Benvinda Levi. [Emblema] Repúblicade Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado..." Conservatória do Registo Civil de ASSENTO DE NASCIMENTO N.0: Nome(s)......! apelido(s) Número de identificação do cidadão....,...sexo...,... hora de nascimento... horas e... minutos, do dia... do mês...do ano de... lugar de nascimento Localidade d e... Distrito de...i.... Provincia.de... Filho(a) de estado t naturalidade...residência habitual... Localidade de... Distrito de... Província de...' e d e... estado......naturalidade.... residência habitual Localidade de...,.... Distrito... Província de Avoenga Paterna:....e Avoenga Materna:... e... Declarantes:... Menções especiais :... Este assento, lavrado com base em declaração directa, depois de lido em voz alta perante todos-e conferido, vai ser assinado pelos declarantes e por mim... Conservador (a), à s... horas e... minutos.do dia de... de... nesta Conservatória Assinaturas; Declarantes, As Testemunhas, O Conservador(a), [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado... * Conservatória do Registo Civil d e... CERTIDÃO NARRATIVA COMPLETA DO REGISTO DE NASCIMENTO Certifico que no livro de assentos de nascimento arquivado nestà Conservatória, referente ao ano d e a folhas

11 184 (2). I SÉRIE NÚMERO 34 que:... existe um registo n,... do qual consta. No dia de......de..., ;., em no distrito de......,,, província de... nasceu um indivíduo do sexo... a quem foi posto o nome completo de..., * filho (a) d e... no estado natural de Distrito de...* Província de......residentè em...:.-: e d e no estado...natural de...distrito d e...província de...!, residente em... s Neto paterno de... ' e de..... e materno d e......,..... %...»... e d e N. Averbamentos Por ser verdade mandei passar a presente, certidão que conferi, assino e vai autenticada com selo branco em uso nesta Conservatória......,...d e de,... Técnico [Emblema] República de Moçambique Ministério, da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado.../ Conservatória do Registo Civil de.. CERTIDÃO DE CÓPIA INTEGRAL DO REGISTO DE NASCIMENTO ASSENTO DE NASCIMENTO N : Nome(s)*...,...*...apelido(s)... Número de identificação do cidadão......, se x o... Hora.de nascimento,... horas e......minutos, do dia do mês... do ano de..., lugar de nascimento... Localidade d e t... Distrito de..., Província de Filho(a) de estado.... naturalidade , residência habitual Localidade de D istrito de Província d e e de estado... naturalidade......residência habitual Localidade de...i......d istrito... Província d e...;...- Avoenga Paterna;......*...i..: e Avoenga M aterna: e D eclarante Menções especiais : Este assento, lavrado com base em declaração directa, depois de lido em voz alta perante todos e conferido, vai ser assinado pélos declarantes e por m im Conservador (a), às...horas e...minutos do dia de... de... nesta Conservatória. N. Averbamentos Assinaturas: Declarantes As Testemunhas O Conservador (a) [Em blem a] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil de... ASSENTO DE PERFILHAÇÃO N. : No d i a...;... d e...do ano de *... nesta conservatória, perante mim conservador u i. compareceu... de... anos de idade, estado civil natural de...e residente em o qual declarou que, por sua livre vontade, reconhece como seu filho(a) do se x o... estado c iv il... nascido (a) a o s... de... de...no Distrito de Província d e O Perfilhante deseja que o Perfilhado adopte a seguinte nova composição, do nome... O Perfilhado... consente a perfilhação. Foram Testemunhas:..., estado.... residência......, estado...residência... Este assento, depois de lido em voz alta perante todos é conferido, vai ser assinado pelo Perfilhante, Perfilhado, pelas Testemunhas e por mim, C onservador (a), às...horas e minutos do dia... de...*... de...nesta Conservatória. Assinaturas: O perfilhante O perfilhado As testemunhas O conservador(a) [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado... * Conservatória do Registo Civil d e... CERTIDÃO NARRATIVA COMPLETA DE REGISTO DE PERFILHAÇÃO ASSENTO DE PERFILHAÇÃO N... Certifico que existe nesta Conservatória um registo de perfilhação do qual consta que No dia..... d e... do ano de nesta Conservatória, perante mim Conservador (a), com pareceu de anos de idade, estado civil... natural de... e residente em......o qual declarou que, por sua livre vontade, reconhece como seu filho (a) dò sexo... *.... nascido aos de...\...de....*... no distrito perfilhado adoptou, o 'apelido......e passa a usar o nome completo de... O perfilhado... consente a perfilhação. No assento constam os averbamentos seguintes:

12 26 DE AGOSTO DE (3) N. Averbamentos Por ser verdade mandei passar a presente certidão que conferi, assino e vai autenticada com seio branco em uso nesta Conservatória.... d e... O Técnico, de..para No registo constam os averbamentos seguintes: N. Averbamento Por ser verdade mandei passar à presente Certidão que conferi, assino e. vai autenticada com selo branco em uso nesta Conservatória. [Emblema] República de Moçambique de. O Técnico, de Direcção Nacional dos Registos e Notariado * Conservatória do Registo Civil de... ASSENTO DE EMANCIPAÇÃO N. : Nome do emancipado:... Data do nascimento:... Naturalidade:... :... Residência habitual:... Filho (á) de...e de No dia...de...do ano de... nesta Conservatória, perante mim... Conservadora), compareceu...estado civil...residência habitual... Distrito de...«...., Província de... e-declarou que reconhece a seu filho(a), acima identificado (a), a capacidade necessária para e por isso lhe concede a emancipação...o emancipado, presente a este acto, declarou aceitar a emancipação concedida. Foram Testemunhas: estado...residência...., estado...residência Este assento, depois de lido em voz alta perante todos e conferido, vai ser assinado pelo emancipante, pelo emancipado, pelas testemunhas e por mim Conservador (a), aos... Assinaturas: de de Emancipante Emancipando [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção nacional) dos Registos e Notariado * Conservatória do Registo Civil de... CERTIDÃO NARRATIVA COMPLETA DE REGISTO DE EMANCIPAÇÃO ASSENTO DE EMANCIPAÇÃO N. :... Certifico que existe nesta Conservatória um registo de emancipação do qual consta que: Por decisão do Conselho de Família proferida e m... d e...d e...no processo que decorreu aos termos no tribunal d e... foi concedida a :...estado civil......d e... anos, natural de... ;.... D istrito...filho (a) d e...e de., pelo (a).... a emancipação... p a ra... No registo constam os averbamentos seguintes: N. Averbamento Por ser verdade mandei passar a presente certidão que conferi, assino e vai autenticada com selo branco em uso nesta Conservatória.... d e... O Técnico de Testemunhas O Conservador (a) [Emblema República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado... * Conservatória do Registo Civil d e CERTIDÃO NARRATIVA COMPLETA DE REGISTO DE EMANCIPAÇÃO ASSENTO DE EMANCIPAÇÃO N. :... Certifico que existe nesta Conservatória um registo de emancipação do qual consta que: No d i a...d e... de...foi concedida a.... estado civil... de... anos, natural d e... Distrito... filho(a) d e... e de... pelo(a)... a emancipação [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil d e... ANO D E...PROCESSO N. :... EDITAL Faz-se saber q u e......d e...anos de idade, filho (a) d e...e de.... nascido e m distrito... ;... província de... '..., residente em... distrito d e... província de......e... de...anos de idade, filho (a) de...;...e de...nascida em... :... distrito... província de... residente em... distrito d e... província de...apresentaram nesta Conservatória uma declaração na qual manifestam o desejo de contrair casamento entre si. Nestes termos são convidadas ás pessoas que souberem de alguma circunstância que constitui impedimento para celebração deste casamento a ' vir declarar no prazo de oito dias úteis, verbalmente ou por escrito de...d e... O Técnico,

13 184 (4) I SÉRIE NÚMERO 34 [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos.registos e Notariado... * Conservatória do Registo Civil de Gratuito Registe sempre o seu filho (a) dentro de 1 dias im ediatos na Conservatória ou no posto de Registo Civil da área do lugar de nascimento ou da residência habitual do registando. Recebido por: Aos... de...de OS QUAIS DECLARARAM: Que com vista ao seu projectado casamento, convencionam o regime de:... Verifiquei a identidade dos declarantes pela exibição dos respectivos documentos de identificação: Bilhete de identificação do nubente n. :... Emitido peto Arquivo de Identificação Civil d e...de... /... /... válido.../... Bilhete de identificação da nubente n. :... Emitido pelo Arquivo de Identificação Civil d e..., de /.../...válido.../.../... O presente auto, depois de lido e conferido, vai ser assinado pelos declarantes e por mim, Conservador (a). A o s...d e...d e... Os Declarantes DECLARAÇAO POSITIVA Foi o Edital que antecede divulgado nesta -Conservatória durante oito dias úteis, e não compareceu alguem a declarar e existência de qualquer circunstância que im peça a celebração do casam ento entre... e... O Técnico DECLARAÇÃO NEGATIVA Foi o Edital que antecede divulgado nesta Conservatória durante oito dias úteis, e foram apresentadas circunstâncias impeditivas perante nós Por Que declarou O Conservador (a) [Em blem a] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado... Conservatória do Registo Civil d e... BOLETIM DE CASAMENTO ASSENTO DE CASAMENTO N. :... Às... horas e... minutos do dia... d e... de... no(a)... contraíram casamento... residente em...:...:... distrito de... província d e..., filho de... e de...,,c o m... residente em distrito d e.... província de... filha de... e de E não havendo mais a tratar vai esta Declaração ser assinada por todos os intervenientes. Não assina... por não saber ou não poder escrever....d e... O Técnico de E m b le m a República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil de AUTO DE CONVENÇÃO ANTENUPCIAL No d i a...d e...d e... nesta conservatória, perante m im... Conservador (a), COMPARECERAM...de...anos de idade, no estado... natural de... ^... com residência habitual e m E...,... d e '......anos de idade, no estado...natural de... com residência habitual e m [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça. Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil d e... ASSENTO DE CASAMENTO N. :... No d i a...d e... de... >... perante mim Conservador (a)/oficiante no... _ no distrito de...província de.... com pareceram os nubentes... e... ;...ele de...anos, natural d e...e residente em......distrito de... província de...filho de e de... e ela de......anos, natural de e residente em distrito de.... província de... filha de...;...e d e......

14 26 DE AGOSTO DE (15) Os nubentes, perante mim, acima mencionado e as testemunhas adiante nomeadas, celebraram o seu casam en to... tendo declarado, previamente, que o celebravam por sua livre vontade e... convenção antenupcial em regime de...'... A(o) nubente declarou adoptar o ap elido do marido / mulher. Foram testemunhas:..., estado... residência......, estado...residência... As testemunhas. d i a...d e...d e Requereram o Divórcio por Mutuo Consentimento e m... de...d e... O casam ento do cônjuges esta registado sob o número......ambos marido e mulher estão registados sob os Assentos de Nascimento números:...*...liv ro... e,... liv ro Esta transcrição cópia fiel da original, depois de conferida vai ser assinada por mim.,... de... de Conservador (a) Este assento, depois de lido, perante todos e conferido, vai ser assinado pelos nubentes, pelas testemunhas e por mim Conservador(a)/Oficiante. Assinaturas: Os Nubentes As Testemunhas O Conservador(a) [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil d e... CERTIDÃO NARRATIVA COMPLETA DE REGISTO DE CASAMENTO ASSENTO DE CASAMENTO N. :... Certifico que existe nesta Conservatória um Assento dé Casamento do qual consta que: No dia de... de... n o... contraíram casamento..., natural de... e......natural d e... ele filho d e... e de.... e ela filha de... e d e... O casamento foi celebrado... convenção antenupcial em regime d e... A(o) nubente declarou adoptar o ap elid o do marido / mulher. No assento constam os averbamentos seguintes: N. Averbamento Por ser verdade mandei passar a presente Certidão que conferi, assino e vai autenticada com selo branco em uso nesta Conservatória de......d e.... O Técnico [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado... * Conservatória do Registo Civil d e... CERTIDÃO DE DIVÓRCIO E SEPARAÇÃO DE PESSOAS E BENS PROCESSO N Nos termos do artigo......transcreve-se o Divórcio por mútuo consentimento entre......e.... proferida no processo ambos devidamente identificados casaram no [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil de.... BOLETIM DE ÓBITO ASSENTO DE ÓBITO N. :... As...;... horas e... minutos do dia de... Jc... faleceu... última residência e m Distrito d e..., Província de... ftlho(a) de e d e de...*...de... O Técnico [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e notariado... a Conservatória do Registo Civil d e ASSENTO DE ÓBITO N. :... Nome completo: Sexo:...idade anos, estado c iv il Caso seja casado, viúvo ou divorciado ménsione o nome... Naturalidade: distrito de... Província d e Última residência: distrito de província de... Filho(a) de: Hora do falecimento: horas,e Dia do Falecimento: do ano de.... L ugar:... distrito de... Causa da morte: Declarante: e. de... minuto* d e província de O falecido, cujo cadáver vai ser sepultado no cem itério de... herdeiros sujeitos a inventário obrigatório bens e... testamento. Este assento, lavrado com base em declaração directa, depois de lido em voz/ alta perante todos e conferido, vai ser assinado pelos declarantes e por mim Conservador

15 184 (6) I SÉ R IE -N Ú M E R O 34 (a), no dia... ;... de Proferida no processo n....d e... nesta Conservatória.... Assinaturas: Declarante Nome completo Estado Residência Habitual O Conservador (a) [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado...* Conservatória do Registo Civil de..... CERTIDÃO NARRATIVA COMPLETA DE REGISTO DE ÓBITO ASSENTO DE ÓBITO N. :... Certifico que existe nesta Conservatória um Registo de Óbito do qual consta que: No dia... de... de... as...horas e... minutos, Distrito d e.... faleceu vítima de......,...:...v..., de...,... anos, de se x o... natural d e... Distrito de..., Província d e... Última residência... filho(a) de......no estad o... e d e...no estado Esta transcrição cópia fiel do original depois de conferida, vai ser assinada por mim......, Conservador (a), do dia... de de Assinaturas: O Conservador(a) [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado... a Conservatória do Registo Civil d e... Pedido de C ertid ão N. : R eq u erente: R espeitante a : Nom e do P a i : Nom e d a M ãe: O falecido ( a )... herdeiros sujeitos* a inventário obrigatório,......bens e...testamento. No assento constam os averbamentos seguintes: N. Averbamento Por ser verdade mandei passar a presente Certidão que conferi, assino e vai autenticada com selo branco em uso nesta Conservatória....d e... O Técnico de Descrição N. de Assento Data de Registo Preço Normal Importância a pagar.. Recebido por, Preço Urgente MT [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado * Conservatória do Registo Civil d e... DIVÓRCIO E SEPARAÇÃO DE PESSOAS E BENS POR MÚTUO CONSENTIMENTO ASSENTO N. :... Nos termos do artigo Transcreve-se [Emblema] República de Moçambique Ministério da Justiça Direcção Nacional dos Registos e Notariado Conservatória do Registo Civil d e... RECIBO N.. V alor: Recebemos do(s) E xm o s) S r.(s)... a quantia de...!... proveniente de... de que passamos o presente recibo. Recebido por Aos de..de Preço 3,00 MT Imprensa N acional de Moçambique, E.P

16 Sexta-feira, 27 de Agosto de 10 I SÉRIE Número 34 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 2 SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. AVISO A matéria a publicar no «Boletim da República» deve ser remetida em cópia devidamente autenticada, uma por cada assunto, donde conste, além das indicações necessárias para esse efeito, o averbamento seguinte, assinado e autenticado: Para publicação no «Boletim da República». SUMARIO Ministérios do Interior e dás Finanças: Diploma Ministerial n. 140/10: Aprova a tabela que fixa as taxas de concessão, renovação ou substituição do Passaporte, Visto e DlREs de leitura bíorrtétrica e electrónica. Comissão Interministerial da Função Pública: Resolução n." 12/10: Aprova os qualificadores profissionais da carreira diplomática, que integra as categorias de Embaixador, Ministro Plenipotenciário, Ministro Conselheiro, Conselheiro,-Primeiro' Secretário, Segundo Secretário e Terceiro Secretário. MINISTÉRIOS DO INTERIOR E DAS FINANÇAS Diploma Ministerial n. 140/10 de 27 de Agosto Havendo necessidade de se aprovar a tabela que fixa as taxas a cobrar pela emissão de Passaporte, Autorização de Residência, V isto de leitura biom étrica e electrónica, e proceder à distribuição do valor resultante da respectiva cobrança, ao abrigo dos Decretos n.** 12/08 e 13/08, ambos de 29 de Abril, bem como a actualização de taxas cobradas por outros serviços, no uso das competências que lhe.s são atribuídas pelo artigo 5 do Decreto n. 13/08, conjugado com os n. 2, alíneas e), f) e g) do artigo 1 e n. 2 do artigo 5 todos do Diploma Ministerial n. 85/94, de 15 de Junho, os Ministros do Interior e das Finanças determinam: Artigo 1 1. E aprovada a tabela que fixa as taxas de concessão, renovação ou substituição do Passaporte, Visto e DIREs de leitura biométrica e electrónica, constante dos Anexos 1 e Os Serviços de Migração cobrarão, aos beneficiários dos documentos e serviços por si emitidos e prestados, as taxas constantes dos Anexos 1 e 2 do presente Diploma que dele fazem parte integrante. Art O valor cobrado pela concessão, renovação ou substituição do Passaporte, Visto e DIREs de leitura biométrica e electrónica previstos neste Diploma é repartido entre o Estado e a entidade adjudicada para o fabrico de Passaporte, Visto e. DIREs de leitura biométrica e electrónica. 2. A parte da receita pertencente ao Estado, tem o seguinte destino: a) 60% para a Direcção Nacional de Migração, destinando- -se à garantia de emolumentos, prémios pecuniários e melhoramento dos serviços; b) 40% para o Orçamento do Estado. Art.. 3. O valor cobrado pela concessão, renovação ou substituição do Passaporte, Visto e DIREs de leitura biométrica e electrónica previstos neste Diploma, deve ser canalizado pelos Serviços Provinciais de Migração à Direcção da respectiva área fiscal, até ao. dia dez do mês seguinte ao da sua cobrança, através da correspondente guia de modelo B. Art. 4. Sempre que se mostre necessário, os Ministros que superintendem as áreas do Interior e das Finanças poderão autorizar, por Diploma, a actualização da distribuição de que trata o artigo 2. A rt..5. As dúvidas suscitadas da aplicação do presente Diploma são esclarecidas por Despacho do Ministro do Interior. Art. 6. O presente Diploma entra imediatamente em vigor. Maputo, 25 de Março de 10.- O Ministro dó Interior, José Condugua António Pacheco. O Ministro das Finanças, Manuel Chang.

17 184 (8) l SÉ R IE -N Ú M E R O 34 Anexo 1 TABELAS DE TAXAS Taxa de Execução Normal Designação Taxa - Sobretaxa Taxa Global' 1 - Passaporte 2 280,00 7, ,00 li - DIREs Dl RE precário , , ,00 DIRE temporário , , ,00 DIRE permanente , , ,00 DIRE vitálicio , , ,00 III - Vistos Visto de trânsito 1 800,00 450, ,00 Visto simples de 1/30 dias 800,00 450, ,00 Visto simples de 30/60 dias 2 700, , ,00 Visto múltiplo (3 meses) 4 500, , ,00 Visto múltiplo (6 meses) 8 100, , ,00 Visto múltiplo ( 12 meses) ,00 700, ,00 Anexo 2 Taxa de Execução Expresso (Em meticais) Designação Taxa Sobretaxa Taxa Global i - Passaporte 2 580, , ,00 I I - Vistos Visto de trânsito 2 025,00 788, ,00 Visto simples de 1/30 dias 2 025,00 788, ,00 Visto simples de 30/60 dias 3 150, , ,00 Visto múltiplo (3 meses) 5 400, , ,00 Visto múltiplo (6 meses) 9 900, , ,00 Visto múltiplo (12 meses) , , ,00 COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA FUNÇÃO PÚBLICA Resolução n. 12/10 de 27 de Agosto H avendo necessidade de aprovar os qualificadores profissionais da carreira diplom ática de regime especial diferenciada, criada pelo Decreto n." 54/09, de 8 de Setembro, sob proposta do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação e ouvido o Órgão Director Central do Sistema Nacional de Gestão de Recursos Humanos, ao abrigo do disposto na alínea c) do n. 1 do artigo 4 do Decreto Presidencial n. 12/08, de 22 de Outubro, a Comissão Interministerial da Função Pública delibera: Artigo 1. São aprovados os qualificadores profissionais da carreira diplomática, que integra as categorias de Embaixador, Ministro Plenipotenciário, Ministro Conselheiro, Conselheiro, Primeiro Secretário, Segundo Secretário e Terceiro Secretário, enquadradas no respectivo grupo salarial constante dos anexos, que fazem parte integrante da presente Resolução. Art. 2. A presente Resolução entra em vigor na data da sua publicação. Aprovada pela Comissão Interministerial da Função Pública, aos 27 de Abril de 10. Publique-se. A Presidente, Vitória Dias Diogo. Qualificadores Profissionais da Carreira Diplomática de Regime Especial Diferenciada Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Embaixador Realiza actividades de natureza diplomática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses superiores do Estado a nível nacional e internacional; Promove e executa a política externa e de cooperação do país; Realiza acções de desenvolvimento e consolidação da política externa e de cooperação do país; Elabora propostas sobre a estratégia de implementação da política externa de cooperação do país; Coordena e dirige acções concretas de política externa e de cooperação do país; Emite pareceres sobre questões relacionadas com a execução da política externa e de cooperação do país; Chefia delegações moçambicanas em conferências e eventos internacionais e em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Preside à conferências e eventos internacionais em representação do país;

18 27 DE AGOSTO DE (9) O rganiza e orienta cursos, sem inários, simpósios e palestras sobre a política externa e de cooperação do país e sobre matérias de política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade similares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de promoção: Possuir pelo menos, três anos de serviço na categoria de Ministro Plenipotenciário, elaborar e apresentar um trabalho analítico sobre o seu percurso nos domínios diplomático e consular; ou Possuir o grau de mestrado em Relações Internacionais ou equivalente em área afim e dois anos de serviço na categoria de Ministro Plenipotenciário, elaborar e apresentar um trabalho analítico sobre o seu percurso nos domínios diplomático e consular, Ter informação de serviço não inferior a Bom nos últimos três anos; Ser aprovado em concurso de avaliação curricular seguido de entrevista profissional. Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Ministro Plenipotenciário - Realiza actividades de natureza diplom ática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses do Estado a nível nacional e internacional; Orienta e executa a política externa e de cooperação do país; Coordena e participa sobre em acções concretas de desenvolvimento e consolidação da política externa e de cooperação do país; E labora propostas sobre as estratégias de im plementação da política externa e de cooperação do país; Realiza estudos analíticos sobre relatórios e outros estudos temáticos no campo da diplomacia e das relações internacionais e em ite os respectivos pareceres; Elabora relatórios sobre questões de interesse para a política externa e de cooperação do país; Chefia delegações moçambicanas em conferências e eventos internacionais e em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Participa e intervém em cursos, seminários, simpósios, palestras e em outros fora nacionais e internacionais sobre a política externa e de cooperação do país e sobre matérias de política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade sim ilares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de promoção: Possuir, pelo menos, três anos de serviço na categoria de Ministro Conselheiro; Ter informação de serviço não inferior a Bom nos últimos três anos; Ser aprovado em concurso de avaliação curricular, seguido de entrevista profissional. Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Ministro Conselheiro R ealiza activ id ad es de natureza d ip lo m ática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses do Estado a nível nacional e internacional; Executa a política externa e de cooperação do país; Participa em acções concretas que contribuem para o desenvolvimento e consolidação da política externa e de cooperação do país; Analisa informação e elabora estudos no âmbito da diplomacia e das relações internacionais e emite os respectivos pareceres; Recolhe, analisa e sistematiza informação relevante com vista a elaboração de relatórios sobre questões de interesse para a política externa e de cooperação do país; Chefia delegações moçambicanas em conferências e eventos internacionais e em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Participa e intervém em cursos, seminários, simpósios, palestras e em outros fora nacionais e internacionais sobre temas de política externa e de cooperação da R epública de M oçam bique e sobre m atérias de política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade sim ilares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de promoção: Possuir pelo menos, três anos de serviço na categoria de Conselheiro; Ter informação de serviço não inferior a Bom nos últimos três anos; Ser aprovado em concurso de avaliação curricular, seguido de entrevista profissional. Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Conselheiro Realiza actividades de natureza diplomática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses do Estado a nível nacional e internacional; Executa a política externa e de cooperação do país; Efectua análises de conjuntura política internacional, prevendo a sua evolução e propõe a posição do país; Em ite pareceres sòbre questões de interesse para a política externa e de cooperação do país, nas áreas específicas do seu trabalho; In v estig a em áreas específicas das relações internacionais e diplomacia; Participa em conferências e eventos internacionais e em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Participa e intervém em cursos, seminários, simpósios, palestras e em outros fora nacionais e internacionais sobre temas de política externa e de cooperação do país e sobre matérias de política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade sim ilares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de promoção: Possuir pelo menos, três anos de serviço na categoria de Primeiro Secretário; Ter informação de serviço não inferior a Bom nos últimos três anos; Ser aprovado em concurso de avaliação curricular, seguido de entrevista profissional.

19 184 (10) I SÉ RIE NÚMERO 34 Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Primeiro Secretário Executa tarefas de natureza diplomática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses do Estado a nível nacional e internacional; Participa na execução da p olítica externa e de cooperação do país; Procede a análise da situação política e sócio- -económica internacional, em geral e sobre a sua área específica de trabalho e elabora propostas nesses domínios; O rganiza e acom panha dossiers de cooperação e submete propostas e pareceres nesses domínios; In v estig a em áreas esp ecífica s das relações internacionais e diplomacia; Elabora relatórios, sínteses e actas sobre as suas actividades e sobre tarefas que lhe são incumbidas e supervisa a elaboração destes documentos; Elabora discursos, redige correspondência oficial e diplom ática e outros docum entos de natureza e complexidade similares; Participa em conferências e eventos internacionais e em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Participa em cursos, seminários, simpósios, palestras e em outros fora nacionais e internacionais sobre temas de política externa e de cooperação e sobre matérias de política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade similares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de promoção: Possuir pelo menos, três anos de serviço na categoria de Segundo, Secretário; Ter informação de serviço não inferior a Bom nos últimos três anos; Ser aprovado em concurso de provas escritas. Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Segundo Secretário Executa tarefas de natureza diplomática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses do Estado a nível nacional e internacional; P articipa na. execução da política externa e de cooperação do país; Procede à análise da situação política e sócio- -económica internacional da sua área específica de trabalho; O rganiza e acom panha dossiers de cooperação e submete propostas e pareceres nesses domínios; Elabora relatórios, sínteses e actas sobre as suas actividades e sobre tarefas que lhe são incumbidas; Participa em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Prepara projectos de discursos, redige correspondência oficial e diplomática e outros documentos de natureza e complexidade similares; Participa em cursos, seminários, simpósios, palestras e em outros fora nacionais e internacionais sobre temas de política externa e de cooperação e sobre matérias de política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade similares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de promoção: Possuir pelo menos, três anos de serviço na categoria de Terceiro Secretário; Ter domínio de, pelo menos, uma das línguas de trabalho das Nações Unidas, União Africana ou SADC, para além da língua portuguesa; Ter informação de serviço não inferior a Bom nos últimos três anos; Ser aprovado em concurso de provas escritas. Conteúdo de trabalho: Grupo salarial 14 Terceiro Secretário Executa tarefas de natureza diplomática e de relações internacionais com vista à protecção dos interesses do Estado a nível nacional e internacional; P articipa na ex ecuç ã o da política externa e de cooperação do país;. Procede à análise da situação política e sócio- -económica internacional da sua área específica de trabalho; Compila informações de política internacional para dossiers de cooperação; E la b o ra m em orandos, b o letin s in fo rm ativ o s, m onografias e outros d o cum entos'de natureza e complexidade similares; E labora relatórios, sínteses:,e actas Sobre as suas actividades e sobre tarefas que lhe são incumbidas; Prepara correspondência oficial e diplomática e outros documentos de natureza e complexidade similares; A ssiste delegações oficiais e outras de que fôr incum bido e serve de canal de ligação destas com o M inistério dos N egócios E strangeiros e Cooperação; Participa em negociações bilaterais e/ou multilaterais; Participa em acções de formação sobre a política externa e de cooperação do Estado Moçambicano e sobre a política internacional; Executa outras tarefas de natureza e complexidade similares, incluindo as que forem suscitadas por imperativos de serviço. Requisitos de ingresso: Possuir, pelo menos, uma licenciatura em Relações Internacionais, Ciências Políticas, Economia, Direito, História, Geografia ou áreas afins e ser aprovado em avaliação c u rricu lar seguida de en trev ista profissional; Ter conhecimento de, pelo menos, uma das línguas de trabalho das Nações Unidas, União Africana ou SADC, para além de domínio da língua portuguesa; Ser aprovado em concurso de provas escritas; Frequenta, com aproveitamento, um curso de integração na carreira diplomática. Preço 2,00 MT im pren sa N acional de. M o ça m biq u e, e.p.

20 Segunda-feira, 30 de Agosto de 10 I SÉRIE Número 34 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE 3. SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, É.P. AVISO A materia a publicar no «Boletim da República» deve ser remetida em cópia devidamente autenticada, uma por cada assunto, donde conste, além das indicações necessárias para esse efeito, o averbamento seguinte, assinado e autenticado- Para publicação no «Boletim da República». SUMARIO Assembleia da República: Comunicado; Relativo ao preenchimento da vaga verificada resultante do falecimento da senhora deputada Elvira Luís Mabunda, pela senhora Zelia da Luz Francisco Muthambe Langa. Comunicado: Relativo ao preenchimento da vaga na Comissão de Petições pela senhora deputada Anacleta Torres Caliano Meque, resultante do falecimento da senhora deputada Elvira Luís Mabunda. \SSEMBLEIA DA REPUBLICA Comunicado Tendo falecido a senhora deputada Elvira Luís Mabunda e por consequência cessado o seu mandato, nos termos da alínea e) do artigo 5 da Lei n. 30/09, de 29 de Setembro, Estatuto do Deputado, ao abrigo do disposto nos n. s 1 e 2 do artigo 12 do diploma legal citado, comunico que: A vaga verificada é preenchida pela senhora Zélia da Luz Francisco Muthambe Langa, deputada suplente da Bancada Parlamentar da Frelim o, eleita pelo Círculo Eleitoral da Cidade de Maputo, com efeitos a partir do dia 15 de Julho de 10. Publique-se. Maputo, 27 de Julho de 10. A Presidente da Assembleia dá República, Verónica Nataniel Macamo Ndlovo Comunicado Tendo falecido a senhora deputada Elvira Luís Mabunda e por consequência cessado o seu mandato, nos termos da alínea e) do artigo 5 do Estatuto do Deputado, aprovado pela Lei n. 30/09, de 29 de Setembro, ao abrigo do disposto nos n.0i 1 e 2 do artigo 12, do diploma citado, conjugado com o ponto VIII do artigo i da Resolução n. 3/10, de 16 de Março, comunico que: A vaga verificada na Comissão de petições é preenchida pela senhora deputada Anacleta Torres Caliano Meque, com efeitos a partir do dia 15 de Julho de 10. Publique-se. Maputo, 27 de Julho de 10. A Presidente da Assembleia da República, Verónica Nataniel Macamo Ndlovo. P reço 1,00 MT Im prensa n a c i o n a l M oçam bique

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

fogos municipais de utilização universal

fogos municipais de utilização universal fogos municipais de utilização universal Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à mobilidade e promovendo as condições de conforto

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA!

MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA! MEMORIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A presente memória descritiva e justificativa refere-se, ao Projecto de um Complexo Habitacional denominado Condomínio Kutolola que contem mais de 210 Residências e áreas

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO E DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE SERPA E A JUNTA DE FREGUESIA DE SALVADOR Entre: A Câmara Municipal de Serpa, representada pelo seu Presidente, João Manuel

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Iniciar o processo de casamento

Iniciar o processo de casamento Casamento Registo Iniciar o processo de casamento Organizar o processo de casamento Condições para contrair casamento Regime de bens Quando celebrar Casar em Portugal com cidadãos estrangeiros Registo

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 1/2004 de 04 de Fevereiro REGULAMENTO DA LEI DA NACIONALIDADE

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 1/2004 de 04 de Fevereiro REGULAMENTO DA LEI DA NACIONALIDADE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO DECRETO LEI N.º 1/2004 de 04 de Fevereiro REGULAMENTO DA LEI DA NACIONALIDADE O Regulamento da Nacionalidade é uma imposição da Lei da Nacionalidade, e foi

Leia mais

Casa Santista. Memorial Descritivo

Casa Santista. Memorial Descritivo Casa Santista Memorial Descritivo 1-FUNDAÇÕES: Serão executadas brocas com até 1,50 metros de profundidade, e vigas baldrame de concreto armado sob alvenaria de nivelamento chapiscada, contra piso em concreto,

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Secretariado do Conselho de Ministros

Secretariado do Conselho de Ministros Secretariado do Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 8/01 de 31 de Agosto Diário da República I Série N.º 40, 31 de Agosto de 001 Considerando que o estatuto orgânico do Secretariado do Conselho de Ministros,

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Face ao quadro legal em vigor, ao abrigo do qual se

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

Jornal da República SUPLEMENTO SUMÁRIO. DIPLOMA MINISTERIAL Nº 13 /2013 de 28 de Agosto

Jornal da República SUPLEMENTO SUMÁRIO. DIPLOMA MINISTERIAL Nº 13 /2013 de 28 de Agosto Quarta-Feira, 8 de Agosto de Série I, N. $.5 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUPLEMENTO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS : SUMÁRIO Modelo de Certificado das Empresas de Construção

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO

CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS POR TEMPO INDETERMINADO Cargo/Carreira/Categoria Atribuições/Competências/Actividades UNIDADE DE AMBIENTE, SERVIÇOS URBANOS, INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS MUNICIPAIS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO Ampliação E.M.E.I. Manoel dos Santos Ribeiro Bairro José Alcebíades de Oliveira GENERALIDADES Execução por Empreitada Global O presente memorial

Leia mais

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO

Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO Regulamento geral das zonas de estacionamento privativo para veículos automóveis em domínio público PREÂMBULO De acordo com as disposições combinadas previstas na alín. u), do nº1, alín. f), do nº2 e na

Leia mais

A- A justiça ao Serviço dos Cidadãos

A- A justiça ao Serviço dos Cidadãos A- A justiça ao Serviço dos Cidadãos 1. Pessoas e Bens Obter Bilhete de Identidade pela primeira vez Renovação do Bilhete de Identidade Obter um Certificado de Registo Criminal Obter um Registo de Nascimento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso externo de Ingresso para preenchimento de um posto de trabalho na categoria de Técnico de Informática do Grau 1, Nível 1, da carreira

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul Secretaria Municipal de Obras Departamento Engenharia

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul Secretaria Municipal de Obras Departamento Engenharia ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 ARQUITETURA 1.1 VEDAÇÕES 1.1.1 Alvenaria de Blocos Cerâmicos Tipo: 10x20x20 Aplicação: todas as Paredes internas e externas 1.2 ESQUADRIAS 1.2.1 Porta de madeira Compensada As

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP

TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP ERRATA Nº 01 ONDE SE LÊ: ANEXO III OBRA : UBS Jd. Das Palmas. Descrição dos Serviços ESCOPO DETALHE UN. Quantidade Preço Unitário Prop. Material Parcial Mat. M.O 01. Gerenciamento

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais

acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais acessibilidade das pessoas com mobilidade condicionada nos fogos municipais Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à PROJECTO

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTO ORGÂNICO DA AGÊNCIA PARA A PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO E EXPORTAÇÕES DE ANGOLA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Denominação e Natureza) A Agência para a Promoção de Investimento e Exportações

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto

Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Decreto-Lei n.º 190/2003 de 22 de Agosto Pela Lei n.º 93/99, de 14 de Julho, a Assembleia da República aprovou o diploma que regula a aplicação de medidas para protecção de testemunhas em processo penal,

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Decreto Lei n.º 16/99 de 22 de Outubro Havendo necessidade de se reestruturar o estatuto orgânico do Ministério da Administração do território no quadro da reorganização

Leia mais

Município. Prefeitura Municipal de Santa Barbara - BA. Sexta-Feira - 13 de Abril de 2012 - Ano VII - N º 40

Município. Prefeitura Municipal de Santa Barbara - BA. Sexta-Feira - 13 de Abril de 2012 - Ano VII - N º 40 do Município Prefeitura Municipal de Santa Barbara - BA Sexta-Feira - - Ano VII - N º 40 PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2012 OBJETO: a execução de obras de reforma dos seguintes

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 Terça Feira, 08 de Junho de 2010 Número 25 SÃOTOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O GOVERNO Decreto-Lei nº 6/2010 Que Altera o Decreto Lei n.º 37/2009 Que Institui o Guichet Único. Decreto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho

Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Decreto Presidencial n.º 152/11, de 13 de Junho Página 1 de 16 Considerando a importância histórica, paisagística, turística e a localização privilegiada do perímetro demarcado do Futungo de Belas, o Conselho

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS

AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS SEMINÁRIO SOBRE AS REGRAS DE EXECUÇÃO DO OGE/2010 E NORMAS E PROCEDIMENTOS A CUMPRIR NO ÂMBITO DO INVENTÁRIO DOS BENS DO ESTADO (IGBE) 14 de Abril de 2010 Apresentação da AQUISIÇÃO, ARRENDAMENTO E ALIENAÇÃO

Leia mais

Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento para atribuição do Título de Especialista no Instituto Superior de Ciências Educativas No âmbito do ensino politécnico é conferido o título de especialista, o qual comprova a qualidade e a

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO 1. Nos termos do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com a redacção dada pela Lei nº 51/2005, de 30 de Agosto, e pela

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

Características técnicas:

Características técnicas: Características técnicas: 1-BASE: 1.1-Habitação/Varanda: A base da Habitação/Varanda será construída em Alvenaria conforme o projecto, com placa pré-esforçado, construída sobre muros de blocos assentes

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Planilha de Orçamento GLOBAL

Planilha de Orçamento GLOBAL Prefeitura Municipal de 1. SERVIÇOS INICIAIS.1 DEMOLICAO ESTRUTURA DE MADEIRA DE TELHADO.2 DEMOLICAO DE ALVENARIA DE TIJOLOS MACICOS (E=15CM).3 DEMOLICAO DE PISO DE TABUAS CORRIDAS.4 RETIRADA DE ESQUADRIAS.5

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP A República de Angola, a República Federativa do Brasil, a República de Cabo Verde, a República da Guiné-Bissau,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MEMÓRIA DE CÁLCULO Objeto: Centro de Referência de Assistência Social CRAS Proprietário: Endereço: Área da Edificação: 165,30 m² Pavimento: Térreo

Leia mais

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Considerando a profunda reconversão por que passa a Administração Pública em ordem a adaptá-la às finalidades prosseguidas pelo processo revolucionário em curso; Considerando

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO 40ª CIRETRAN PRÉDIO-SEDE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO MEMORIAL DESCRITIVO 40ª CIRETRAN PRÉDIO-SEDE MEMORIAL DESCRITIVO 40ª CIRETRAN PRÉDIO-SEDE Local: Município: Área Estim.: 271,18 m² Av. Cascavel, Quadra 39, Lote 14, Bairro Primavera II Primavera do Leste MT SETEMBRO / 2008 SUMÁRIO 1 INFORMAÇÕES GERAIS:

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014

Reitoria. É revogado o Despacho RT-34/2014, de 2 junho. Universidade do Minho, 5 de dezembro de 2014. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-55/2014 Reitoria despacho RT-55/2014 A Universidade do Minho tem vindo a atrair um número crescente de estudantes estrangeiros, que hoje representam um importante contingente da sua comunidade estudantil. Com

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO

Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de Leiria PREÂMBULO DESPACHO N.º /2015 Regulamento do pagamento de propinas e outras taxas de frequência do Instituto Politécnico de PREÂMBULO Considerando a experiência adquirida no Instituto Politécnico de (IP) com a aplicação

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais