ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - NAMYR CARLOS DE SOUZA FILHO 5 de março de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - NAMYR CARLOS DE SOUZA FILHO 5 de março de 2013"

Transcrição

1 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - NAMYR CARLOS DE SOUZA FILHO 5 de março de 2013 APELAÇÃO Nº ( ) - VITÓRIA - 10ª VARA CÍVEL APELANTE :MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL APELADO : AGF- BRASIL SEGUROS S/A RELATOR SUBSTITUTO DES. EWERTON SCHWAB PINTO JUNIOR REVISOR DES. ÁLVARO MANOEL ROSINDO BOURGUIGNON R E L A T Ó R I O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO formalizou a interposição do RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL (fls. 486/499), em face da respeitável SENTENÇA (fls. 466/476) proferida pelo douto Juízo da 10ª Vara Cível de Vitória - ES, nos autos da Ação Coletiva de Consumo, com pedido de medida liminar, em face de AGF BRASIL SEGUROS S/A, que indeferiu o pedido autoral em relação à necessidade de serem mantidas as condições inicialmente pactuadas com os segurados da Apólice de Seguro de Vida Coletivo nº , pelo fato de ter a Recorrida enviado cartas padronizadas aos beneficiários, conclamando-os ao ajuste dos termos do Contrato, conquanto impossibilitada de renová-lo por mais uma vigência sem a observância das novas regras impostas pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. A Sentença proferida pelo Juízo a quo reconheceu que os Contratos de Seguro de Vida em grupo têm prazo certo, cessando seus efeitos tão logo expirado o período de vigência. Neste particular, não poderiam ser renovado compulsoriamente, sob o risco de lhe subtrair a liberdade contratual. Com base nesse fundamento, julgou improcedentes, in totum, os pedidos carreados na Inicial. Contrarrazões Recursais apresentadas às fls. 502/524. É o relatório, no essencial. Remetam-se os autos ao Excelentíssimo Senhor Desembargador Revisor, nos termos do artigo 551, caput, do Código de Processo Civil. Vitória/ES, 13 de dezembro de 2012.

2 Ewerton Schwab Pinto Júnior DESEMBARGADOR SUBSTITUTO V O T O S O SR. DESEMBARGADOR EWERTON SCHWAB PINTO JUNIOR (RELATOR):- Conforme relatado, MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO formalizou a interposição do RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL (fls. 486/499), em face da respeitável SENTENÇA (fls. 466/476) proferida pelo douto Juízo da 10ª Vara Cível de Vitória - ES, nos autos da Ação Coletiva de Consumo, com pedido de medida liminar, em face de AGF BRASIL SEGUROS S/A, que indeferiu o pedido autoral em relação à necessidade de serem mantidas as condições inicialmente pactuadas com os segurados da Apólice de Seguro de Vida Coletivo nº , pelo fato de ter a Recorrida enviado cartas padronizadas aos beneficiários, conclamando-os ao ajuste dos termos do Contrato, conquanto impossibilitada de renová-lo por mais uma vigência sem a observância das novas regras impostas pela Superintendência de Seguros Privados - SUSEP. Essencialmente, afirma a Recorrida que não há qualquer abusividade no aviso de não renovação dos Contratos em referência, na medida em que não poderá ser compelida à manutenção de um vínculo ad eternum, principalmente quando suas configurações não mais se ajustam ao modelo traçado pela SUSEP. É evidente, portanto, que a controvérsia cinge-se em analisar a legalidade do ato de rescisão unilateral do Contrato de Seguro de Vida, intentada pela Recorrida através do envio de cartas padronizadas aos segurados. Alega a Recorrida que o fato decorreu das alterações normativas promovidas pela própria Superintendência de Seguros Privados, sobretudo após a regulamentação da Resolução nº 117/04, do Conselho Nacional de Seguros Privados, que alterou e consolidou as regras de funcionamento e os critérios para operação das coberturas de risco, oferecidas em plano de seguro de pessoas. Dispõem o artigo 30 e o artigo 31, da sobredita Resolução, in verbis: Art. 30. As apólices poderão ser renovadas automaticamente uma única vez, e por igual período, desde que haja previsão expressa nas condições gerais do respectivo plano, sendo as renovações posteriores realizadas de forma expressa. (Grifei) Art. 31. A renovação expressa da apólice coletiva que não implicar em ônus ou dever para os segurados poderá ser feita pelo estipulante. (Grifei)

3 Da análise dos dispositivos supra transcritos, é possível observar que a hipótese de renovação automática poderá ocorrer sem a anuência expressa do segurado. Assim sendo, a manutenção do vínculo será presumida pelo beneficiário se, após decurso de anos, a situação permanecer inalterada, com o pagamento regular e constante do Prêmio. In casu, percebe-se que o Contrato de Seguro de Vida estabelece, como condições gerais - item 8.2 (fl.105) -, que o seguro terá renovação, anual e automaticamente, mediante pagamentos consecutivos e initerruptos dos Prêmios do seguro. Nesses termos, é conveniente concluir que o consumidor-segurado, ao considerar o tempo de vigência do pacto, poderá supor que o simples pagamento do Prêmio promoverá, por si só, a sua renovação automática. E é o que a literalidade da norma diz. Não obstante, a própria SUSEP emitiu a Circular nº 317, de 12 de janeiro de 2006 (regulamenta os critérios para a operação das coberturas de risco oferecidas em planos de seguro coletivos de pessoas), complementando a referida Resolução nº 117/04, do Conselho Nacional de Seguros Privados. Assim, preconizando em seu artigo 11: Art. 11. Para os seguros que não tenham cobertura vitalícia, deverá constar da proposta de contratação, da proposta de adesão, da apólice, do certificado individual e das condições gerais, em destaque, a seguinte informação: Este seguro é por prazo determinado tendo a seguradora a faculdade de não renovar a apólice na data de vencimento, sem devolução dos prêmios pagos nos termos da apólice. (Grifei) A rigor, o artigo 4º, da sobredita Resolução, dispõe o seguinte, verbatium: Artigo 4º. O contrato de seguro pode ser rescindido a qualquer tempo mediante acordo entre as partes contratantes, com a anuência prévia e expressa de segurados que representem, no mínimo, três quartos do grupo segurado. (Grifei) Verifica-se, no entanto, que o Contrato de Seguro de Vida em grupo, oferecido pela Recorrida, não dispôs, expressamente, sobre a hipótese de o pacto permanecer em vigência por prazo certo de determinando, o que facultaria à Seguradora proceder à renovação ou não do Contrato. Nesse sentido, dispõe a Cláusula 8.2 do Contrato sub judice (fl. 105), a saber: 8. Início de Vigência e Renovação do Seguro: (...) 8.2. O seguro terá renovação, anual e automaticamente, mediante pagamentos consecutivos e initerruptos dos Prêmios do seguro. Desta feita, em não havendo um termo ad quem pré-definido, constando no pacto,

4 apenas, a circunstância de o Contrato ser renovado anual e automaticamente, em sendo legítima a rescisão unilateral após a vigência anual, restaria configurada a manutenção de um vínculo descoberto da necessária segurança jurídica essencial às relações de trato sucessivo. De fato, a liberdade de contratar deve ser exercida nas razões e no limite da função social do Contrato. Nesse particular, especialmente pela natureza dos Contratos de massa, é de se esperar a renovação. Ao contrário dos demais seguros de dano, o Contrato de Seguro de Vida merece atenção em razão de seu interesse garantido, a saber, a vida do consumidor-segurado. Na essência dos contratos cativos de longa duração, a relação se estabelece pela confiança, no convívio reiterado após anos, na manutenção do potencial econômico e na qualidade dos serviços. Portanto, a própria capacidade de adaptação, ligada à cooperação entre os contratantes, é aqui especialmente necessária, básica. Objetivamente, infere-se dos autos que a consumidora-segurada, Sra. Gilseia Maria de Oliveira - que levou ao conhecimento do parquet a matéria -, firmou contrato com a Recorrida, iniciando sua vigência em 06 de agosto de 2000 (fl. 99). Não obstante, após 06 (seis) anos de vínculo contratual, vê-se compelida à rescisão unilateral pela Seguradora, quando não efetuada a adequação do valor de seu Prêmio à nova formatação exigida pela SUSEP. Não convém, sob esse aspecto, a alegação da Recorrida de que as mudanças no mercado, sobretudo para atender às medidas de reenquadramento do segurado pela evolução da idade, impeçam a manutenção de sua Apólice sob as condições de cobertura e valores inicialmente pactuados. Reitera-se, a natureza do Contrato de Seguro de Vida pede uma formatação que já preveja tais circunstâncias, seja buscando definir o prazo determinado de vigência, expressamente, ou garantindo a transparência do acordo desde o momento inicial da assinatura pelo segurado. Nessa esteira, devem ser obedecidos os princípios de boa-fé objetiva, lealdade e da função social dos contratos. A previsibilidade do conteúdo da prestação, portanto, é necessária para que não haja a supressão dos fundamentos principiológicos em detrimento de normas. A eficácia e a adequação devem permanecer inalteradas ao longo do tempo. Na letra do artigo 421 e do artigo 422, do Código Civil, há regramento diretamente vinculado à atividade securitária, por injunção expressa do artigo 765, do mesmo diploma legal, in litteris: Artigo 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Artigo 422. Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em sua execução, os princípios de probidade e boa-fé.

5 Artigo 765. O segurado e o segurado são obrigados a guardar na conclusão e na execução do contrato, a mais estrita boa-fé e veracidade, tanto a respeito do objeto como das circunstâncias e declarações a ele concernentes Importante dizer que, com o decorrer dos anos, o envelhecimento dos segurados e a ocorrência de sinistros não são fatos imprevisíveis, devendo as Companhias de Seguro estruturar um contrato sob um regime financeiro apto à formação de fundos de reserva, suficiente para suportar a carteira de seguros. Sob esse fundamento, seria inadmissível a justificativa apresentada pela Recorrida de que o Prêmio cobrado pelo seguro não bastará à garantia do risco. É que a redução da margem de lucro, pelo envelhecimento dos consumidores-segurados, impõe que as Companhias ajam dessa forma, o que não se mostra legítimo. Muito mais dificultosa será a contratação de seguro similar por aquele que já se encontra avançado em idade. Pondera-se, conforme mencionado, que a liberdade contratual deverá ser exercida nos limites da função social do contrato. Destarte, a não renovação do Contrato de Seguro de Vida impõe-se como conduta comercial desleal e abusiva, deixando de proteger toda uma massa de segurados e beneficiários hipossuficientes em termos contratuais. A questão revela-se de substancial importância, conquanto os Tribunais Pátrios já vêm enfrentando o tema sob esse mesmo viés. Nesse sentido, segue julgado do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, in verbis: EMENTA: DIREITO DO CONSUMIDOR. CONTRATO DE SEGURO DE VIDA, RENOVADO ININTERRUPTAMENTE POR DIVERSOS ANOS. CONSTATAÇÃO DE PREJUÍZOS PELA SEGURADORA, MEDIANTE A ELABORAÇÃO DE NOVO CÁLCULO ATUARIAL. NOTIFICAÇÃO, DIRIGIDA AO CONSUMIDOR, DA INTENÇÃO DA SEGURADORA DE NÃO RENOVAR O CONTRATO, OFERECENDO-SE A ELE DIVERSAS OPÇÕES DE NOVOS SEGUROS, TODAS MAIS ONEROSAS. CONTRATOS RELACIONAIS. DIREITOS E DEVERES ANEXOS. LEALDADE, COOPERAÇÃO, PROTEÇÃO DA SEGURANÇA E BOA FÉ OBJETIVA. MANUTENÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO NOS TERMOS ORIGINALMENTE PREVISTOS. RESSALVA DA POSSIBILIDADE DE MODIFICAÇÃO DO CONTRATO, PELA SEGURADORA, MEDIANTE A APRESENTAÇÃO PRÉVIA DE EXTENSO CRONOGRAMA, NO QUAL OS AUMENTOS SÃO APRESENTADOS DE MANEIRA SUAVE E ESCALONADA. 1. No moderno direito contratual reconhece-se, para além da existência dos contratos descontínuos, a existência de contratos relacionais, nos quais as cláusulas estabelecidas no instrumento não esgotam a gama de direitos e deveres das partes. 2. Se o consumidor contratou, ainda jovem, o seguro de vida oferecido pela recorrida e se esse vínculo vem se renovando desde então, ano a ano, por mais de trinta anos, a pretensão da seguradora de modificar abrutamente as condições do seguro, não renovando o ajuste anterior, ofende os princípios da boa fé objetiva, da cooperação,

6 da confiança e da lealdade que deve orientar a interpretação dos contratos que regulam relações de consumo. 3. Constatado prejuízos pela seguradora e identificada a necessidade de modificação da carteira de seguros em decorrência de novo cálculo atuarial, compete a ela ver o consumidor como um colaborador, um parceiro que a tem acompanhado ao longo dos anos. Assim, os aumentos necessários para o reequilíbrio da carteira têm de ser estabelecidos de maneira suave e gradual, mediante um cronograma extenso, do qual o segurado tem de ser cientificado previamente. Com isso, a seguradora colabora com o particular, dando-lhe a oportunidade de se preparar para os novos custos que onerarão, ao longo do tempo, o seu seguro de vida, e o particular também colabora com a seguradora, aumentando sua participação e mitigando os prejuízos constatados. 4. A intenção de modificar abruptamente a relação jurídica continuada, com simples notificação entregue com alguns meses de antecedência, ofende o sistema de proteção ao consumidor e não pode prevalecer. 5. Recurso especial conhecido e provido. (STJ. REsp /MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 23/03/2011, DJe 29/04/2011) Tal orientação também vem sendo adotada por este Egrégio Tribunal de Justiça, a saber: EMENTA: CIVIL E PROCESSUAL CIVIL - APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DECLARATÓRIA - SEGURO DE VIDA - REAJUSTE DO PRÊMIO - MODIFICAÇÃO DE FAIXA ETÁRIA - DESPROPORÇÃO - ILEGALIDADE - IMPROVIMENTO. 1. Não colhendo a empresa seguradora a manifestação de vontade do segurado a cada novo contrato, para que a renovação assim se concretize, resta configurada a hipótese de contrato uno, que vai sendo prorrogado automaticamente, de modo que a intenção da empresa seguradora em modificá-lo unilateralmente, com aumento do valor do (...) (...) prêmio, sem a necessária contraprestação equivalente, afigura-se abusiva frente às disposições do Código de Defesa do Consumidor, mais especificadamente, dos artigos 4º, inciso III, art. 47, art. 51, incisos IV, IX, X e XI, bem como vulneram o princípio da boa-fé objetiva insculpido nos arts. 113, 422 e 765, ambos do Código Civil. 2. O contrato de seguro de vida pertence à categoria denominada de "contratos cativos de longa duração", cuja relação entre as partes, além do longo tempo, baseia-se na responsabilidade e confiança, pelo que devem ser redobrados os deveres de cooperação, de boa-fé e de lealdade, mas, sobretudo, deve ser levada em conta a previsibilidade do conteúdo da prestação, cuja adequação e eficácia devem permanecer inalteradas ao longo do tempo. 3. A mera alegação de modificação de faixa etária, coadunada com o suposto aumento de risco, não vinga como argumento apto a autorizar o aumento abrubto do prêmio securitário, pois, consoante já deixou assentado o Colendo Superior Tribunal de Justiça: Constatado prejuízos pela seguradora e identificada a necessidade de modificação da carteira de seguros em decorrência de novo cálculo atuarial, compete a ela ver o consumidor como um colaborador, um parceiro que a tem acompanhado ao longo dos anos. Assim, os aumentos necessários para o reequilíbrio da carteira têm de ser estabelecidos de maneira suave e gradual, mediante um cronograma

7 extenso, do qual o segurado tem de ser cientificado previamente. Com isso, a seguradora colabora com o particular, dando-lhe a oportunidade de se preparar para os novos custos que onerarão, ao longo do tempo, o seu seguro de vida, e o particular também colabora com a seguradora, aumentando sua participação e mitigando os prejuízos constatados. (TJES, Classe: Apelação Civel, , Relator: ANNIBAL DE REZENDE LIMA - Relator Substituto : JANETE VARGAS SIMOES, Órgão julgador: PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL, Data de Julgamento: 02/10/2012, Data da Publicação no Diário: 15/10/2012) EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. 1) RATIO ESSENDI. REDISCUSSÃO DA CONTROVÉR- SIA. IMPOSSIBILIDADE. 2) PREMISSA EQUIVOCADA. SUPOSTA EQUIPARAÇÃO DE CONTRATO DE SEGURO DE PESSOA COM PLANO DE SAÚDE. INOCORRÊNCIA. ITEM 4 DA EMENTA DO ACÓRDÃO EMBARGADO. MERO REFORÇO. ESCOR- REITA FUNDAMENTAÇÃO DO VOTO CONDUTOR. LEITURA DAS NOTAS TAQUIGRÁFICAS. 3) CLÁUSULA CONTRA- TUAL. NÃO RENOVAÇÃO DE APÓLICE DE SEGURO DE VIDA. CONDUTA ILÍCITA. VIOLAÇÃO À BOA-FÉ. PROIBIÇÃO DO VENIRE CONTRA FACTUM PROPRIUM. AUSÊNCIA DE MÁCULA NO JULGADO. RECURSO IMPROVIDO. 1. Os embargos de declaração constituem recurso de rígidos contornos processuais, consoante disciplinamento inserto no artigo 535 do CPC, exigindo-se, para seu acolhimento, estejam presentes os pressupostos legais de cabimento, o que não se verifica na hipótese, eis que a pretensão de simples rediscussão da controvérsia contida nos autos não dá margem à sua oposição. 2. É manifesta a improcedência dos presentes aclaratórios, eis que não partiu o julgador de premissa equivocada. Ou seja, não houve equiparação dos planos de saúde aos contratos de seguros de pessoa. O item 4 da ementa (fl. 397), ao reportar-se a determinado julgado do C. STJ com menção a plano de saúde, apenas serve de reforço a toda a fundamentação inserida no voto condutor. 3. Repise-se que por se tratar de contrato de adesão cujo escopo principal é a continuidade no tempo, não há como se admitir a validade de cláusula que permita a não renovação do contrato pelo segurador. Afinal, é decorrência lógica da boa-fé objetiva a proibição do venire contra factum proprium, ou seja, a vedação da conduta da parte que entra em contradição com conduta anterior, como ocorre no caso do segurador que, para se livrar do risco assumido, opta, subitamente, por não renovar a apólice que, por anos, era renovada automaticamente. (...) (...) A simples reciprocidade da não renovação não torna lícita tal previsão contratual, haja vista que, tratando-se de contrato de seguro de vida que pressupõe a continuidade no tempo, o interesse da não renovação é, por excelência, da seguradora. Recurso improvido. (TJES, Classe: Embargos de Declaração Agv Instrumento, , Relator : RÔMULO TADDEI, Órgão julgador: TERCEIRA CÂMARA CÍVEL, Data de Julgamento: 11/09/2007, Data da Publicação no Diário: 25/09/2007) Nesses termos, a faculdade de a Recorrida rescindir unilateralmente o Contrato, por meio de mera Notificação, mostra-se abusiva, ainda que igual direito seja conferido ao consumidor, conquanto lhe estabelece vantagem excessiva, especialmente pelas peculiaridades do Contrato de Seguro de Vida. Tratando-se de Contrato de Adesão,

8 que tem como escopo principal a continuidade no tempo, não há como se admitir a rescisão com o intuito de que o segurado contrate novo seguro, em condições mais onerosas. Impõe-se, a propósito, trazer à colação o entendimento apontado na Decisão acostada às fls. 392/394, proferida pelo Eminente Desembargador Samuel Meira Brasil Júnior, no Recurso de Agravo de Instrumento (Processo nº ), interposto pela Recorrida contra o decisum que deferiu o pedido liminar, na origem, conforme a transcrição a seguir: Apesar das considerações da ora Agravante, tenho que, ao menos em cognição sumária, essa nova contratação securitária revelou-se abusiva no tocante aos reajustes realizados, bem como tenho que essas determinações não decorreram de uma exigência da SUSEP. Consoante expôs a SUSEP no parecer de nº 8689/2006 (fls. 205/210), a correspondência da AGF aos segurados contém algumas informações inverídicas sobre a atuação da referida autarquia, situação que inclusive ensejou a aplicação de penalidade contra a seguradora. A referida autarquia assinalou que as normas da SUSEP não obrigaram o reenquadramento etário do prêmio e não proibiram a comercialização de cobertura referente a invalidez por doença, apenas determinaram que o conceito de invalidez fosse bem especificado e transparente para os consumidores. De igual modo, a SUSEP não determinou a readequação nos moldes propostos pela AGF - Brasil Seguros, tais como a não renovação da apólice e a proposta de nova apólice com diferentes bases técnicas. A partir disso, revela-se cabível o acolhimento da pretensão indenizatória formulada pelo Recorrente, na peça inicial - item 5 (fl. 50), em especial pelo caráter punitivo da medida, porquanto evidenciado o desrespeito da Recorrida às regras estabelecidas pela própria SUSEP em defesa dos consumidores. Em recente julgado, o Egrégio Superior Tribunal de Justiça manifestou-se de igual forma, a saber: EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. SEGURO DE VIDA. RESCISÃO UNILATERAL DO CONTRATO. RECUSA IMOTIVADA DE RENOVAÇÃO. DANOS MORAIS. OCORRÊNCIA REEXAME FÁTICO-PROBATÓRIO. SÚMULA 07/STJ. 1. Face o entendimento pacificado pela Segunda Seção desta Corte, é abusiva a negativa de renovação do contrato de seguro de vida, mantido sem modificações ao longo dos anos, por ofensa aos princípios da boa fé objetiva, da cooperação, da confiança e da lealdade, orientadores da interpretação dos contratos que regulam relações de consumo. 2. A rescisão imotivada do contrato, em especial quando efetivada por meio de conduta desleal e abusiva - violadora dos princípios da boa-fé objetiva, da função social do contrato e da responsabilidade pós-contratual - confere à parte prejudicada o direito à indenização por danos materiais e morais". (REsp /SP, Rel. MIN. NANCY ANDRIGHI). 3. A elisão das conclusões do aresto impugnado, comprovando a ocorrência dos

9 danos morais, demandaria o revolvimento dos elementos de convicção dos autos, soberanamente delineados pelas instâncias ordinárias, providência vedada nesta sede especial a teor da súmula 07/STJ. 4. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO. (STJ. AgRg nos EDcl no Ag /RS, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 16/08/2012, DJe 21/08/2012) Verica-se, in casu, que não incidiu a prescrição ânua para as ações dessa natureza - que objetivam haver a indenização por danos morais, bem como a restituição de Prêmios -, nos termos do verbete sumular nº 101, do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, porquanto ajuizada a demanda em 25 de junho de 2007, sendo a referida comunicação de cancelamento dos seguros feita no mês de setembro de O Egrégio Superior Tribunal de Justiça se posicionou nos seguintes termos: EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL. SEGURO DE VIDA. NÃO RENOVAÇÃO DE CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO POR DELIBERAÇÃO DA SEGURADORA. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS E RESTITUIÇÃO DE PRÊMIOS. PRESCRIÇÃO ÂNUA. SÚMULA N. 101-STJ. 1. Prescreve em um ano a ação que postula indenização por danos morais e restituição de prêmios pagos pelo segurado participante de apólice de seguro de vida em grupo cujo contrato não foi renovado, por vontade da seguradora, ao término do prazo. (REsp /PB, Rel. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, Quarta Turma, DJe 18/05/2011). 2.Agravo Regimental improvido. (STJ. AgRg no AREsp /SP, Rel. Ministro SIDNEI BENETI, TERCEIRA TURMA, julgado em 15/05/2012, DJe 28/05/2012) Restará acolhida, portanto, a pretensão à restituição dos valores pagos a maior ou indevidamente pelos segurados, na modalidade simples - por não restar configurada má-fé da Recorrida -, a serem individualmente computados em fase de Liquidação, conforme estabelecido no artigo 95 e artigo 97, ambos do Código de Defesa do Consumidor, in litteris: Artigo 95. Em caso de procedência do pedido, a condenação será genérica, fixando a responsabilidade do réu pelos danos causados. Artigo 97. A liquidação e a execução de sentença poderão ser promovidas pela vítima e seus sucessores, assim como pelos legitimados de que trata o art. 82. Conquanto não restou evidenciado, nos autos, a prova do dano moral efetivamente sofrido pelos consumidores, capazes de gerar relevante abalo psíquico, não deverá ser condenada a Recorrida à reparação indenizatória nesses termos. Isto posto, em consonância com os entendimentos jurisprudenciais dominantes retro, conheço do Recurso de Apelação Cível e dou-lhe parcial provimento, para reformar a Sentença de piso, nos seguintes termos: a) determinar à Recorrida que conceda prazo, por 90 (noventa) dias, aos consumidores-segurados para que, querendo, optem pela renovação do Contrato de Seguro de Vida, sem que haja perda das garantias constantes da última Apólice em vigor, ficando estabelecida que, tanto o valor das indenizações, como dos prêmios mensais, poderão ser simetricamente

10 reajustados de acordo e nos limites da variação da correção monetária, verificada no período dos doze meses anteriores, aplicando-se como fator de atualização o INPC-IBGE; b) condenar a Recorrida à abstenção de imposição aos segurados de reajustes ou modificações na cobertura, em razão da idade, sob qualquer pretexto, ou condicionar a existência do vínculo contratual à aceitação do reajuste por faixa etária, proibindo, ainda, o cancelamento ou rescisão unilateral dos Contratos de Seguro de Vida, pelos motivos invocados para a aplicação do Programa de Readequação da Carteira de Seguros de Pessoas; c) Em relação aos Contratos que já foram cancelados unilateralmente pela Recorrida ou não renovados, pelos mesmos motivos acima mencionados, seja concedida a opção, pelo mesmo prazo de 90 (noventa) dias, para que os segurados renovem, nas condições anteriormente pactuadas, permitida a atualização monetária nos termos acima autorizados; d) condenar, ainda, a Recorrida, à devolução, na modalidade simples, dos valores cobrados indevidamente e pagos a maior pelos segurados que, por força da comunicação de rescisão unilateral do pacto, tenham aderido aos novos planos, devendo tais valores serem calculados em fase de Liquidação, nos termos do artigo 95, do Código de Defesa do Consumidor. É como voto. Ewerton Schwab Pinto Júnior DESEMBARGADOR SUBSTITUTO

11 * O SR. DESEMBARGADOR ÁLVARO MANOEL ROSINDO BOURGUIGNON :- Voto no mesmo sentido * O SR. DESEMBARGADOR JOSÉ PAULO CALMON NOGUEIRA DA GAMA :- Voto no mesmo sentido * D E C I S Ã O Vistos, relatados e discutidos estes autos, APELAÇÃO Nº ( ), em que são as partes as acima indicadas, ACORDA o Egrégio Tribunal de Justiça do Espírito Santo (Segunda Câmara Cível), na conformidade da ata e notas taquigráficas da sessão, que integram este julgado, em, À UNANIMIDADE, DAR PROVIMENTO PARCIAL AO RECURSO. * * *

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.311 - SP (2011/0144262-4) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : VIRGÍNIO ARAÚJO FILHO E OUTROS : EMERSON RIBEIRO DANTONIO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.311 - SP (2011/0144262-4) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : VIRGÍNIO ARAÚJO FILHO E OUTROS : EMERSON RIBEIRO DANTONIO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO : FERNANDA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.376.550 - RS (2012/0256822-0) RELATOR : MINISTRO MOURA RIBEIRO RECORRENTE : COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL ADVOGADOS : CANDIDO RANGEL DINAMARCO E OUTRO(S) MAURO FITERMAN E

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.322.914 - PR (2012/0097003-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADA S : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : ROBERTO GETULIO MAGGI : CARLOS FREDERICO REINA COUTINHO E OUTRO(S) : SUL AMÉRICA

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6)

Brasília (DF), 25 de novembro de 2013(Data do Julgamento) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RECURSO ESPECIAL Nº 1.411.293 - SP (2013/0341500-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MAGALY APARECIDA SALORNO : ANA APULA PICCHI DANCONA VIVIANE DUARTE GONÇALVES E OUTRO(S) : SUL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça S EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. CIRURGIA BARIÁTRICA. PEDIDO MÉDICO. NEGATIVA DE AUTORIZAÇÃO. DANO MORAL. DECISÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.218.980 - RS (2009/0152036-0) RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA EMENTA PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. AGRAVO REGIMENTAL. VIOLAÇÃO DO ART. 535, INCISO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.061.500 - RS (2008/0119719-3) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO CITIBANK S/A ADVOGADO : EDUARDO GRAEFF E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINA FARINA RUGA ADVOGADO : MARCOS

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.050455-8/001 Númeração 0504558- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 19/05/2015 29/05/2015 EMENTA:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELANTE: APELADO: RELATOR: CÂMARA: JANDIRA BORGES DA SILVA HSBC SEGUROS BRASIL S/A DESEMBARGADOR CAMARGO NETO 6ª CÍVEL EMENTA: 1. APELAÇÃO.

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO

A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO Voltaire Marensi César Lara Peixoto No Recurso Especial 1.356.725/RS, publicado em 12.06.2014, a Terceira Turma do egrégio Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.416.409 - PB (2013/0368812-9) RELATÓRIO O SR. MINISTRO OG FERNANDES: Trata-se de recurso especial interposto pela Fazenda Nacional, com fundamento na alínea "a" do inciso III do art.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.280.171 - SP (2011/0144286-3) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO MASSAMI UYEDA : A C DE A : ANNA CRISTINA BORTOLOTTO SOARES E OUTRO(S) : B L C DE A E OUTRO : CLEBER SPERI EMENTA

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

Ronei Danielli RELATOR

Ronei Danielli RELATOR Apelação Cível n. 2014.020063-4, de Rio do Campo Relator: Des. Ronei Danielli SEGURO DE VIDA. SUICÍDIO. PERIODO DE CARÊNCIA PREVISTO NO ART. 798 DO CÓDIGO CIVIL. NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO DA VOLUNTARIEDADE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 976.125 - SP (2007/0182780-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito civil. Lei 9.656/98. Demissão, sem justa causa, de aposentado que participou, por mais de dez anos, de

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO 4. * 8 3(21 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2003.018359-0/001 i a Vara Cível da Comarca da Capital RELATOR : Des. MANOEL

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 APELAÇÃO CIVEL Nº 0020860-15.2004.8.08.0024 (024040208605) - VITÓRIA - VARA ESPECIALIZADA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.084.748 - MT (2008/0194990-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : AGRO AMAZÔNIA PRODUTOS AGROPECUÁRIOS LTDA : DÉCIO JOSÉ TESSARO E OUTRO(S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA INTERES. : MARIA DE HOLANDA E SILVA E OUTROS EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. DESAPROPRIAÇÃO.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AGRAVO NO RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO DPVAT. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OMISSÃO, CONTRADIÇÃO OU OBSCURIDADE.

Leia mais

RELATÓRIO. Gabinete do Desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição

RELATÓRIO. Gabinete do Desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição APELAÇÃO CÍVEL Nº 17724-47.2014.8.09.0051 (201490177248) COMARCA DE GOIÂNIA APELANTE : UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO APELADA RELATOR : ANNA LETÍCIA MIRANDA SANTIAGO : DES. ALAN SEBASTIÃO

Leia mais

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A

Desembargador SEBASTIÃO COELHO Acórdão Nº 732.640 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020148016AGI Agravante(s) SINDICATO DOS ODONTOLOGISTAS DO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.097.758 - MG (2008/0236409-4) RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE : JOSÉ ALVES CAMPOS ADVOGADO : JAYME MOREIRA ANDRADE E OUTRO(S) RECORRIDO : COMPANHIA DE SEGUROS MINAS BRASIL

Leia mais

Trata-se de recurso apelatório, (fls. 114/136) aviado pela Unimed João Pessoa - Cooperativa de Trabalho

Trata-se de recurso apelatório, (fls. 114/136) aviado pela Unimed João Pessoa - Cooperativa de Trabalho PELAÇÃO. CÍVEL N 9 200.2009.008608-9 / 001. Relator :Des. José Di Lorenzo Serpa Apelante :Unimed João Pessoa Cooperativa de Trabalho Médico (Adv. Márcio Meira C. Gomes e Outro) Apelada :Antonieta da Costa

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20110710091144ACJ

Leia mais

(15 i JIVr1 \PI \ 5. fpr5: 441.-w PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA

(15 i JIVr1 \PI \ 5. fpr5: 441.-w PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA (15 i JIVr1 \PI \ 5 N. 441.-w A fpr5: PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA PRESIDÊNCIA RECURSO ESPECIAL N. 030.2009.000801-9/001. RECORRENTE : Marcos Valerio de Sousa Bandeira. ADVOGADOS : Hugo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.246.396 - RS (2011/0066530-4) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : ANGELINO LUIZ RAMALHO TAGLIARI E OUTRO(S) :

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.045.616 - DF (2008/0069652-2) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADA : MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR : NEUZA JOSE RIBEIRO : MARCOS ATAIDE CAVALCANTE E OUTRO(S) : BRB CLUBE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO JORGE SCARTEZZINI EMENTA PROCESSO CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO - NEGATIVA DE PROVIMENTO - AGRAVO REGIMENTAL - SEGURO - ALEGAÇÃO DE DOENÇA PRÉ-EXISTENTE - MÁ-FÉ - REEXAME DE PROVA SÚMULA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. 0208784-57.2012.8.19.0001 Apelante: SERGIO LUIZ DE LUCAS Apelado: SULAMERICA SEGUROS DE PESSOAS E PREVIDENCIA S.A. Relatora: DES. ELISABETE FILIZZOLA

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO 2ª Vara Federal de Taubaté SP

PODER JUDICIÁRIO 2ª Vara Federal de Taubaté SP 2ª VARA FEDERAL DE TAUBATÉ - SP Autos n 0000406-44.2015.403.6121 - AÇÃO DE PROCEDIMENTO ORDINÁRIO AUTOR: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SUBSEÇÃO DE TAUBATÉ RÉU: UNIMED DE TAUBATÉ COOPERATIVA DE TRABALHO

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES APELAÇÃO Nº 85735/2011 CLASSE CNJ 198 COMARCA CAPITAL Fls. APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. APELADA: DIRCE MARIA NONATO DE MORAES Número do Protocolo: 85735/2011 Data de Julgamento: 1812012 EMENTA APELAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 550.302 - DF (2003/0167033-6) RELATOR : MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR AGRAVANTE : JOÃO DA SILVA CARNEIRO ADVOGADO : ADILSON RAMOS E OUTRO AGRAVADO : GISELE EVELEEN HRDINA

Leia mais

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO CÍVEL. LICITAÇÃO E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. CGTEE. CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS JURÍDICOS ESPECIALIZADOS NAS ÁREAS TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA. TÉRMINO DO PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. AUSÊNCIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CÍVEL D E C I S Ã O

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CÍVEL D E C I S Ã O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERCEIRA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0335989-11.2008.8.19.0001 18ª Vara Cível da Comarca da Capital Apelante: Elizabeth Cândido Chaves Apelada: AGF Seguros

Leia mais

- A nossa legislação civil estabelece que os contratos de seguros

- A nossa legislação civil estabelece que os contratos de seguros 5, 12, 4:1 14; PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DESEMBARGADOR MANOEL PAUUNO DA LUZ ACÓRDÃO-" Apelação Cível n 200.2004.050561-8/001 zia Vara da Fazenda Pública da Capital.

Leia mais

RELATOR : MARGA INGE BARTH TESSLER APELANTE : HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE APELADO : OREGIO MARIA VEDOIA ADVOGADO : Tiago Gornicki Schneider

RELATOR : MARGA INGE BARTH TESSLER APELANTE : HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE APELADO : OREGIO MARIA VEDOIA ADVOGADO : Tiago Gornicki Schneider APELAÇÃO CÍVEL Nº 5070425-67.2014.4.04.7100/RS RELATOR : MARGA INGE BARTH TESSLER APELANTE : HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE APELADO : OREGIO MARIA VEDOIA ADVOGADO : Tiago Gornicki Schneider EMENTA

Leia mais

- Compete à seguradora comprovar a alegação de má-fé do segurado quando do preenchimento da proposta de seguro, o que não ocorreu na espécie.

- Compete à seguradora comprovar a alegação de má-fé do segurado quando do preenchimento da proposta de seguro, o que não ocorreu na espécie. ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2009.023358-4/001. Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Apelante: Vida Seguradora S/A (Adv. Teresa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AGTR Nº 74178 - PB (2007.05.00.005494-7) AGRAVANTE(S) : CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO(S) : ISAAC MARQUES CATÃO e outros AGRAVADO(S) : ANA PATRÍCIA SAMPAIO DE ALMEIDA e cônjuge ADVOGADO(S) : JAIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 557.197 - RJ (2014/0189759-0) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO AGRAVANTE : TELEFÔNICA BRASIL S.A ADVOGADOS : FABIANO DE CASTRO ROBALINHO CAVALCANTI E OUTRO(S) ANDRÉ

Leia mais

VI CONGRESSO DO MERCOSUL DE DIREITO DE FAMÍLIA - IBDFAMRS

VI CONGRESSO DO MERCOSUL DE DIREITO DE FAMÍLIA - IBDFAMRS RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. QUEIXA-CRIME. CONTEÚDO. OFENSA À HONRA. AUSÊNCIA. DANO MORAL. INEXISTÊNCIA. RESPONSABILIDADE DAS PARTES PELA CONDUTA DO ADVOGADO. INEXISTÊNCIA. PRECEDENTES DO STJ.

Leia mais

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso

XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso XV Exame de Ordem 2ª Fase OAB Civil - ProfessorAoVivo Qual a peça Juquinha? Prof. Darlan Barroso 2ª Fase OAB - Civil Juquinha Junior, representado por sua genitora Ana, propôs ação de investigação de paternidade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.188.091 - MG (2010/0056466-0) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : SANDRA MARIA RAMOS BRAGA ADVOGADO : RENATO SIFFERT GIRUNDI DO NASCIMENTO E OUTRO(S) RECORRIDO : PORTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.154.988 - MT (2009/0168081-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : BANCO DO BRASIL S/A : FRADEMIR VICENTI DE OLIVEIRA E OUTRO(S) : FRANCISCO XAVIER

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO / - juurrilis P. ' PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2009.017147-7/ 001 RELATOR: Des. Manoel Soares Monteiro APELANTE: PREVI

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.153.218 - SP (2009/0135019-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA PROCESSO CIVIL. REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL. CÓPIA DE PROCURAÇÃO. INSTRUMENTO PÚBLICO. PRESUNÇÃO DE VALIDADE.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 809.962 - RS (2006/0007992-0) RELATOR : MINISTRO LUIZ FUX RECORRENTE : COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN ADVOGADO : OSVALDO ANSELMO REGINATO E OUTROS RECORRIDO : JARBAS

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.267.905 - PR (2011/0172938-4) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : ORLANDO FERREIRA PAZ NETO E OUTROS ADVOGADO : PÉRICLES LANDGRAF ARAÚJO DE OLIVEIRA E OUTRO(S)

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

PROCESSO: 0001148-91.2010.5.01.0018 RO

PROCESSO: 0001148-91.2010.5.01.0018 RO Acórdão 4ª Turma REDUÇÃO DE AULAS FALTA DE COMPROVAÇÃO DE DIMINUIÇÃO DE ALUNOS A alegação de redução de alunos que justifique a diminuição de aulas, in casu, não foi comprovada. Como pode ser observado

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BRADESCO AUTO RE COMPANHIA DE SEGUROS APELADO: HAMILTON DE CARVALHOFERREIRA Número do Protocolo: 45610/2012 Data de Julgamento: 19-9-2012 E M E N T A SEGURO OBRIGATÓRIO (DPVAT) - LEI N. 11.482/07

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.374.048 - RS (2013/0073161-8) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL : EMERSON DA SILVA

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA 'TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Cível n2 200.2009.027892-61001 Origem : 13 2 Vara Cível da Comarca da Capital Relator : Desembargador Frederico Martinho da Nóbrega

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.133.338 - SP (2009/0065099-4) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : SABRINA LOUREIRO BIERMEIER E OUTRO : RONALDO LOBATO E OUTRO(S)

Leia mais

Processo: 0016178-37.2012.808.0347 Requerente: FABIANO CEZAR NEVES DE OLIVEIRA, JORGETE NEVES DE OLIVEIRA Requerido(a): UNIMED VITORIA SENTENÇA

Processo: 0016178-37.2012.808.0347 Requerente: FABIANO CEZAR NEVES DE OLIVEIRA, JORGETE NEVES DE OLIVEIRA Requerido(a): UNIMED VITORIA SENTENÇA RIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO VITÓRIA VITÓRIA - 6º JUIZADO ESPECIAL CÍVEL AVENIDA João Baptista Parra - Ed Enseada Tower. - Sl 1401(Cartório e Sala de Instrução), Sl 1702-A(Sala

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - DAIR JOSÉ BREGUNCE DE OLIVEIRA 26 de agosto de 2014 REEXAME NECESSÁRIO Nº 0031154-87.2008.8.08.0024 (024080311541) - VITÓRIA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.221.056 - SC (2010/0208613-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO GILSON DIPP (Relator): Cuida-se de agravo interno interposto pelo Instituto Nacional do Seguro Social, contra

Leia mais

3 351ity, '1211. ,ffl O. :Y/ r Gabinete do Desembargador TRIBUNAL DE JUSTIÇA

3 351ity, '1211. ,ffl O. :Y/ r Gabinete do Desembargador TRIBUNAL DE JUSTIÇA 4~~1~1~,- - _ - - - -- 1 1 j : 3 351ity, '1211 "71:\ ikl ESTADO DA PARA(BA t UM I PODER JUDICIÁRIO - 1. TRIBUNAL DE JUSTIÇA,ffl O. :Y/ r Gabinete do Desembargador 1891 III, / Marcos Cavalcanti de Albuquerque

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 960.280 - RS (2007/0134692-2) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : POLIEDRO CONSTRUÇÕES LTDA E OUTROS ADVOGADO : AYRTON LIMA FREITAS E OUTRO(S) RECORRIDO : GERALDO

Leia mais

Gilberto Gomes de Oliveira RELATOR

Gilberto Gomes de Oliveira RELATOR Apelação Cível nº 2011.063602-9, de Joaçaba Relator: Des. Gilberto Gomes de Oliveira SEGURO DE VIDA EM GRUPO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CONCEDIDA PELO INSS. PRESCRIÇÃO ÂNUA. ART. 206, 1º, II, 'B' DO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 963.454 - SC (2007/0143805-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO PROCURADOR INTERES. : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : SÉRGIO ALEXANDRE SODRÉ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 403.750 - SP (2013/0327430-1) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO OG FERNANDES : COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO - SABESP

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENEVIDES

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENEVIDES ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENEVIDES ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL n. 073.2012.000311-3/001 r Vara de Cabedelo. Relator : Dr. Wolfram da Cunha Ramos, juiz convocado

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça : UNIMED DE ARAÇATUBA - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO EMENTA PLANO DE SAÚDE. INADIMPLÊNCIA DO SEGURADO SUPERIOR A 60 (SESSENTA) DIAS. NOTIFICAÇÃO PRÉVIA. RESCISÃO UNILATERAL. POSSIBILIDADE. 1. A rescisão

Leia mais

Jurisprudência/STJ - Acórdãos Processo. Relator(a) Órgão Julgador. Data do Julgamento. Data da Publicação/Fonte. Ementa

Jurisprudência/STJ - Acórdãos Processo. Relator(a) Órgão Julgador. Data do Julgamento. Data da Publicação/Fonte. Ementa Processo REsp 1188289 / SP RECURSO ESPECIAL 2010/0058499-2 Relator(a) Ministro HERMAN BENJAMIN (1132) Órgão Julgador T2 - SEGUNDA TURMA Data do Julgamento 14/08/2012 Data da Publicação/Fonte DJe 13/12/2013

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 668.042 - PR (2015/0042833-7) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO AGRAVANTE : JOSE VIOLADA FONTES ADVOGADO : JAIR APARECIDO ZANIN AGRAVADO : ITAU UNIBANCO S.A ADVOGADOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 1ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20130020241390AGI Agravante(s) GOLDEN CROSS ASSISTENCIA INTERNACIONAL

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 100.321 - MT (2011/0227285-6) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO RAUL ARAÚJO : JOSÉ VALMIR BARBOSA DE ALMEIDA : WILSON MOLINA PORTO : TOKIO MARINE BRASIL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 940.320 - SP (2007/0078868-6) EMBARGANTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADORA : HELENA DIAS LEÃO COSTA E OUTRO(S) EMBARGADO : GILBERTO PERES GARCIA

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0071.07.034954-4/001 Númeração 0349544- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Bitencourt Marcondes Des.(a) Bitencourt Marcondes 25/03/2009 30/04/2009

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.346.468 - MT (2010/0153850-4) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : TOKIO MARINE BRASIL SEGURADORA S/A : RENATO C CORRÊA DA SILVA

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0038505-77.2008.8.19.0001 APELANTE: OFC CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA APELADO: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 10.093 - MA (2012/0205425-3) RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA RECLAMANTE : BRADESCO SEGUROS S/A ADVOGADA : ANA PAULA DE PAULA E OUTRO(S) RECLAMADO : QUINTA TURMA RECURSAL CÍVEL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS PROCESSO: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 183923/RN (99.05.45463-2) APTE : POTY REFRIGERANTES LTDA ADV/PROC : MANUEL LUÍS DA ROCHA NETO E OUTROS APDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Leia mais