ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO"

Transcrição

1 Autos n Ação: / : : ESTADO DE SANTA CATARINA Vistos etc. ANTONIO LUIZ DOS SANTOS, qualificado nos autos, ajuizou ação ordinária de reconhecimento de direito contra a AGF BRASIL SEGUROS S/A, identificada nos autos, alegando, em síntese, que contratou com a ré seguro de vida em grupo, com as coberturas de morte natural, morte acidental, invalidez permanente por acidente e por doença, em 22/07/1974, quando trabalhava na Fundição Tupy S/A, sendo o prêmio de seguro descontado do Demonstrativo Mensal de Pagamento. Aduz que, quando se desligou da empresa, manteve o plano de seguro de vida, aderindo, em 18/03/1993, ao novo contrato. Em 28/02/1998, passou a perceber o auxílio-doença, em face de complicação de quadro clínico de doença cardíaca e, após passar por constantes perícias no órgão previdenciário oficial, foi concedido em definitivo a aposentadoria por invalidez em 29/03/2000. Ressalte-se que não houve qualquer recomendação pericial para que o autor entrasse em processo de readaptação ou reabilitação profissional. Argumenta que, em 10/05/2000, comunicou a ré de sua aposentadoria por invalidez, através de aviso de sinistro e relatório do médico assistente, que atestou e confirmou a invalidez decretada pelo INSS, o qual declara ser a invalidez definitiva, estando o paciente totalmente incapaz para o trabalho. Em resposta a ré solicitou a remessa de novos exames médicos, bem como, outro relatório do médico assistente informando o início da doença, diagnóstico e período de tratamento. Após a análise dos documentos enviados, informou a negativa da cobertura do seguro. Diante de tal negativo, postula em juízo o reconhecimento de direito a indenização correspondente à R$ ,28 ( setenta e dois mil, quatrocentos e vinte e seis reais e vinte e oito centavos), valor este atribuído à causa. Juntou documentos (fls. 07/26) A ré foi citada e ofertou contestação, em forma de contestação (fls. 40/64), acompanhada de documentos (fls. 65/87), alega, em síntese, que a contratação dos seguro foi celebrada com omissão do segurado, ora autor, por ocasião do seu pedido de seguro, na data de 18/03/1993, de que já encontrava-se acometido de doença cardíaca, da qual já vinha se tratando desde de julho de 1992, sendo preexistente ao seguro, e por ter agido de má-fé, implica na exoneração da seguradora de indenizar o segurado, pelo fato de tê-la induzido ao erro quando preencheu o novo contrato de seguro. No mais, alega que a moléstia da qual o autor é portador o inabilita apenas parcialmente para o trabalho, estando apto, porém, a exercer outras atividades laborativas. Em se tratando de invalidez permanente por doença, particulariza, para fins de cobertura, somente a incapacidade total e não a parcial, pois é imperativo a negação do feito, por estar disciplinado no art do Código Civil que, quando o segurador limitar ou particularizar os riscos, por outros não responderá. Por fim, requereu a improcedência da demanda. Réplica (fls. 90/92), alega que, a questão posta em juízo está prevista no art do Código Civil. Esclarece que não restou evidenciado nos presente autos a má-fé do autor, de modo a autorizar a exoneração do pagamento da verba securitária. No mais, afirma que contratou o seguro de 22/07/1974 à 04/03/1993, portanto, mais de 18 anos e que em momento algum foi requerido pela ré nenhum exame médico ou atestado de saúde, que comprovaria seu real estado. 1 Em manifestação a petição de fls. 90/92 alega a ré

2 que, em virtude da rescisão contratual de trabalho que o autor realizou com sua ex-empregadora, realizou-se um novo contrato com a seguradora, portanto, as informações prestadas anteriormente ao novo contrato não são válidas. No mais, reafirma que o autor faltou com a verdade ao não informar que possuía problemas de saúde, sendo omisso ao contratar a nova apólice de seguro, não merece respaldo as pretensões do autor (fls. 96/99). Audiência de conciliação (fls. 100), a qual restou infrutífera. É o relatório. D E C I D O. O feito comporta o julgamento antecipado, posto inexistir necessidade de produção de provas em audiência (artigo 330, inciso I, do CPC), diante da matéria tratada nos presentes autos. A propósito: " Presentes aos condições que ensejam o julgamento antecipado da causa, é dever do juiz, e não mera faculdade, assim proceder." (STJ-4ª Turma, Resp RJ, rel. Min. Sálvio de Figueiredo, j , DJU , p ). Trata-se de ação ordinária de reconhecimento de direito, postulada por Antônio Luis dos Santos em face de AGF Brasil Seguros S/A, objetivando o recebimento do valor da apólice de seguro, referente a invalidez permanente por doença. Estando presentes os pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo, bem como as condições da ação (possibilidade jurídica do pedido, interesse de agir e legitimidade de partes), passo a análise do mérito. Do cotejo dos autos restaram cabalmente demonstrados os fatos constitutivos do direito do autor. A ré, a fim de se eximir do pagamento da indenização, sustenta que, em razão da rescisão contratual de trabalhor com sua ex-empregadora, o autor realizou-se um novo contrato com a seguradora, portanto, as informações prestadas anteriormente não são válidas, sustentando a existência de doença preexistente. Depreende-se dos autos que foi realizado um contrato de seguro entre o autor e a ré, iniciado no ano de 1974 e renovado em O autor após diagnosticado problemas de saúde de natureza cardíaca, passou a perceber ao auxílio-doença em 28/02/1998. Com a realização de perícias, através do órgão previdenciário oficial, constatou-se o agravamento de seu quadro clínico, fato que resultou na sua aposentadoria por invalidez em 29/03/2000 (fls. 12). A seguradora alega que após a realização do novo contrato de seguro, o autor se omitiu de informar que apresentava problemas cardíacos, não tendo esta portanto o dever de lhe indenizar. Porém, o Dr. Sérgio Luiz Sprotte Kormann, em atestado de fls. 19, afirma que, o autor teve de fato um infarto anterior a 07/92, porém o quadro clínico agravou-se progressivamente e somente em 1994 foi operado e afastado de suas atividades. 2 Nota-se que no momento em que o autor renovou o contrato com

3 a seguradora, ou seja, 18/03/1993 estava apresentando problemas médicos, entretanto, diante da progressividade do agravamento de seu quadro clínico, apenas se tornou inapto ao trabalho em 1994, data posterior ao contrato, nota-se que o autor não agiu de má-fé, pois o fato de ter sofrido um infarto em 1992 não o impede de trabalhar e de se recuperar. Portanto a alegação de que o autor agiu de má-fé, ao realizar novo contrato, sabendo que estava em fase de tratamento não se mantém. Acrescente-se que, ao contrário do sustentado pela ré, o último contrato deve ser entendido como confirmação dos anteriores e, portanto, igualmente, não haveria que se falar em doença preexistente. Consta da declaração de fls. 21: "Declaramos para os devidos fins, que o Sr. ANTONIO LUIZ DOS SANTOS, (...), ex-funcionário, trabalhou no período de ( à ) e participou da apólice de seguro de vida em grupo atribuída pela empresa a todos seus funcionários com desconto mensal do prêmio em folha de pagamento. Na época do seu desligamento ( ),a empresa tinha como seguradora a BRASIL SEGUROS". Observe-se que, o autor se desligou da empregadora em 04/02/1993 e o contrato individual com a ré foi firmado em 18/03/1993 (fls. 08), ou seja, escolheu a mesma seguradora e em tempo exíguo, pois tinha a expectativa legítima de que estaria dando continuidade ao contrato anterior, firmado em Acrescente-se que, conforme alegação do autor a ré nunca lhe solicitou a realização de exames, portanto, a expectativa legítima do autor deve ser mantida. "O caso dos tomates 'Contrato. Tratativas. Culpa in contrahendo. Responsabilidade civil. Responsabilidade da empresa alimentícia, industrializadora de tomates, que distribui sementes, no tempo do plantio, e então manifesta a intenção de adquirir o produto, mas depois resolve, por sua conveniência, não mais industrializa-lo, naquele ano, assim causando prejuízo ao agricultor, que sofre a frustração da expectativa de venda da safra, uma vez que o produto ficou sem possibilidade de colocação. Provimento, em parte do apelo, para reduzir a indenização a metade da produção, pois uma parte da colheita foi absorvida por empresa congênere, às instâncias da ré. Vote vencido, julgando improcedente a ação'. (Ap. Civ , Canguçu, TJRGS, 5ª Câm. Civ. Rel. Des. Ruy Rosado de Aguiar Jr. J. em , por maioria, publicado in RJTJRGS 154/378). (...) A questão foi solvida, em segundo grau de jurisdição, mediante a concreção do princípio da boa-fé objetiva consistente na afirmação do dever da pré-contratante de não fraudar as expectativas legitimamente criadas, pelos seus próprios atos. Veja-se excertos da fundamentação do voto do relator: 'Decorre do princípio da boa-fé objetiva, aceito pelo nosso ordenamento (Clóvis do Couto e Silva, Estudos de Direitos Civil Brasileiro e Português, p. 61), o dever de lealdade durante as tratativas e a conseqüente responsabilidade da parte que, depois de suscitar na outra a justa expectativa de celebração de um certo negócio, volta atrás e desiste de consumar a 3 avença'.

4 A tese exposta no voto também buscou recurso doutrinário em lição de Mario Júlio de Almeida Costa, como segue: 'Entende-se que, durante as fases anteriores à celebração do contrato quer dizer, na fase negociatória e na fase decisória -, o comportamento dos contraentes terá que pautar-se pelos cânones da lealdade e da probidade. De modo mais concreto: apontam-se aos negociadores certos deveres recíprocos, como, por exemplo, o de comunicar à outra parte a causa da invalidade do negócio e, ao lado de tais deveres, ainda, em determinados casos, o de contratar ou prosseguir as negociações iniciadas com vistas à celebração de um acto jurídico. Através da responsabilidade pré-contratual tutela-se diretamente a fundada confiança de cada uma das partes em que a outra conduza as negociações segundo a boa-fé; e, por conseguinte, as expectativas legítimas que a mesma lhe crie, não só quanto à sua validade e eficácia, mas também quanto à sua futura celebração. Convém salientar, porém, que o alcance teleológico desta disciplina ultrapassa a mera consideração dos interesses particulares sem causa. Avulta, com especial evidência, a preocupação de defesa dos valores sociais da segurança e da facilidade do comércio jurídico' (Direito das obrigações, 4. ed., p )" (Judith Martins-Costa, A boa-fé no Direito Privado, RT, 1999, pág. 473/475). Segundo Fernando de Noronha (O direito dos contratos e seus princípios fundamentais: autonomia privada, boa-fé, justiça contratual. São Paulo: Saraiva, 1994, pág.17) na sociedade massificada em que vivemos até mesmo os contratos são produzidos em série, sendo que "neste contrato massificado, a autonomia da vontade e a liberdade contratual passam a ser a autonomia e a liberdade de apenas uma das partes o predisponente das cláusulas gerais dos contratos". Os princípios contratuais clássicos determinados no auge do Liberalismo, sob os imperativos da liberdade individual e igualdade formal, sofreram profunda limitação de seu alcance e de seu conteúdo diante da adoção de novos princípios contratuais que pretendem realizar o ideário do Estado social. Nesse sentido, conforme o mencionado doutrinador: "a ordem jurídica refletirá necessariamente os compromissos políticos, as contradições econômicas, os contrastes e as harmonias sociais, as convicções morais e religiosas, e até as ideologias dominantes: o direito espelha a sociedade em que se insere" (obra citada,pág. 21). Deste modo, afirma o autor que "é preciso repensar o contrato", com o que elege como princípios contratuais prioritários a autonomia privada, a justiça contratual e a boa-fé. Segundo ele os princípios fundamentais em matéria de contratos correspondem a três valores apontados pelos 'ingleses de Cambridge' Stein e Sahnd como 'valores jurídicos da civilização ocidental: ordem, justiça e liberdade', e concorda com a tríade como 'o quadro de valores que intentam implantar os sistemas jurídicos ocidentais', vistos não como únicos valores que operam no direito, porém considerados de 'nível mais elevado, 'os três valores de base' ou fundamentais que ' se defrontam e se limitam reciprocamente'. Para Noronha, em matéria de contratos, também há o conflito entre ordem, justiça e liberdade, correspondendo a cada um desses valores consecutivamente; o princípio da autonomia privada, da justiça contratual e da boa-fé, sendo que o princípio da boa-fé representa um verdadeiro cerceamento à autonomia privada, representando uma verdadeira "função de controle", limitando a conduta dos contraentes com intuito de evitar o 4 abuso de direito ou exercício ilegítimo dos mesmos o que ocasionaria a ilicitude ou

5 antijuricidade (obra citada, pág. 167). Assim, a boa-fé objetiva é o dever das partes de agir conforme certos parâmetros de honestidade e lealdade, a fim de se estabelecer o equilíbrio das posições contratuais, sendo que hoje para os contratos de longa duração aplica-se a Teoria do Contrato Relacional, privilegiando a solidariedade, confiança e cooperação. Para Rogério Zuel Gomes, em sua dissertação para obtenção do título de Mestre - A Importância do Princípio da Boa-Fé Objetiva na Construção da Teoria Contratual Contemporânea, o contrato relacional é resultado da proliferação de fórmulas contratuais de massa, sendo sua principal característica a criação de relações jurídicas complexas de longa duração, as quais passam a ter fundamento em deveres de cooperação mútua e de boa-fé. E continua sua tese demonstrando que a Teoria dos Contratos Relacionais, assim posta, mostra-se como verdadeira limitadora da autonomia privada, onde o contrato deixa de ser algo isolado e descontínuo, como entendia a Teoria Clássica, para alcançar uma sociedade mais justa e solidária (função social), em consonância com os ditames constitucionais. (gn) Valendo transcrever: "A Teoria dos Contratos Relacionais tem como um de seus principais fundadores o norte-americano Ian Macneil e deriva da multiplicidade de alterações em processos produtivos, de fluxos financeiros e se relaciona com elementos constitutivos de produtos e serviços ligados à impossibilidade de redução de incertezas e neutralização de riscos a níveis minimamente aceitáveis. Nota-se que a relação contratual obedece a uma dinâmica exógena, cuja influência torna-se inegável às partes contratantes, à medida que tal relação passa a ter fundamento em deveres de cooperação mútua e de Boa-fé. Fenômeno contratual decorrente da massificação das relações interpessoais, o Contrato Relacional é resultado da proliferação de fórmulas contratuais de massa (Contratos de Adesão), visando ao fornecimento de serviços especiais no mercado. Sua principal característica é a criação de relações jurídicas complexas de longa duração, importando, em função dessa complexidade, em dependência dos clientes Consumidores. (...) É da necessidade recíproca de manutenção do vínculo contratual relacional que surge uma das principais diferenças em relação aos Contratos descontínuos, ressaltando-se que a necessidade não precisar ocorrer de ambos os lados. Nos Contratos descontínuos prepondera o maior interesse na rescisão do vínculo com a devida restituição do que foi eventualmente pago. Nos Contratos Relacionais, em função da característica do objeto contratual, as partes não teriam interesse na ruptura do vínculo contratual. (...) Nesse tipo contratual o conceito de Boa-fé e confiança recíproca torna-se extremamente importante, especialmente porque nessa relação as obrigações que emergem não são conformes à Teoria Contratual Clássica. Sob a ótica dessa teoria, o Contrato é visto como algo isolado e descontínuo. Atualmente, nos Contratos, pactuam-se também procedimentos e regras de atuação correta, que unem as partes e que irão se especificando no decorrer do seu cumprimento. A obrigação de correção e a conduta de Boa-fé, observa, Trabucchi, impõem um espírito de colaboração o qual, atualmente, deve guiar o ordenamento jurídico moderno de forma substancial. 5 A Teoria dos Contratos Relacionais, assim postos, mostra-se

6 como mais uma forma de limitar a autonomia privada. Como observa Macedo Júnior, é certo que o reconhecimento das relações de poder nos contratos não nega o princípio da liberdade contratual. Por outro lado, não é menos correto que o seu reconhecimento abala sensivelmente os pressupostos clássicos da liberdade contratual e o papel do Estado como agente regulador e disciplinador das relações contratuais. Ora, se há um dever de cooperação recíproca orientado pelo Princípio da Boa-fé Objetiva, por óbvio, a Automonia Privada, com maior intensidade neste modelo contratual, resta ainda mais abalada quanto maior a essencialidade do objeto do Contrato. (...) Nos Contratos Relacionais, as expectativas de continuidade do vínculo são compartilhadas pelos contratantes, de modo que, se tal vínculo é rompido de forma unilateral e abruptamente, a parte prejudicada encontraria muita dificuldade para celebrar um novo Contrato, com o mesmo objeto, com um terceiro parceiro contratual. Esse modelo contratual traz em sua essência a geração de expectativa de parceria mútua, inspirado pela confiança gerada no decorrer de seu cumprimento. Assim, ainda que a ruptura do vínculo encontre respaldo legal ou contratual, ela deverá ser analisada sob a perspectiva contratual relacional e do Princípio da Boa-fé Objetiva. (...)" (pág. 73/76). direito: E passa a mencionar a boa-fé como função limitadora do abuso do "As principais modalidades de abuso de direito manifestam-se de formas distintas e podem classificar-se da seguinte forma: venire contra factum proprium, supressio, surrectio e tu quoque. A venire contra factum proprium consiste na proteção de uma das partes contratuais em relação ao comportamento contraditório ao da outra parte. A parte, pelo seu comportamento, faz com que a outra desenvolva uma expectativa. Bem observa Wieachker que independente de má-fé ou negligência culpável, basta a mera criação de expectativa. Noronha complementa aduzindo que o exercício de um direito é inadmissível quando desa forma a pessoa se põe em contradição com o sentido que razoavelmente, segundo a boa-fé, se podia inferir da sua conduta. A prática de ato contraditório à conduta reiterada e inequívoca do contratante fere a lealdade e confiança ínsita às relações contratuais. A supressio consiste no não exercício de um direito durante um determinado lapso de tempo não poderá mais sê-lo, por contrariar a Boa-fé. (...) A surrectio também está ligada a um comportamento reiterado por uma das partes contratuais, infundindo na outra expectativa de um direito que extrapola o conteúdo do Contrato. Porém, é a criação de uma situação nova, de um direito que extrapola os direitos conferidos pelas cláusulas que compõem o Contrato, não podendo este ser impedido. A tu quoque, atualmente bem mais difundida, consiste na impossibilidade de aquele que descumpriu dispositivo legal ou contratual exigir da outra parte o cumprimento do Contrato. (...)" (pág. 124/125). Continua a dissertação demonstrando a boa-fé como fator de otimização de comportamento contratual, do qual decorrem deveres anexos: "Da otimização do comportamento contratual decorrem deveres denominados anexos que, ao contrário do que ocorria na Teoria Contratual 6 Clássica, se verificam na fase pré-contratual, contratual e pós-contratual.

7 (...) Os deveres anexos têm relação fundamental com a conduta dos contratantes, a qual deve ter seu comportamento norteado pela Boa-fé e independe de existência de vínculo contratual, podendo, portanto, serem impostos, antes, durante e depois do exaurimento da relação contratual" (pág. 135/136). Os contratos relacionais para Cláudia Lima Marquês são chamados de "contratos cativos de longa duração", pois os serviços possuem indiscutível importância atual e futura (Contratos no Código de Defesa do Consumidor, RT, 4ª ed., 2002, pág. 79). A Teoria dos Contratos Relacionais (relational contracts) "(...)destaca os elementos sociológicos que condicionam o nascimento e a estabilidade destes contratos complexos e longa duração. Assim, desde a fase pré-contratual já nasce para as partes expectativas legítimas, sobrevindo a fase contratual de realização da confiança despertada (execução), prolongando-se no tempo, até sobrevir a extinção do vínculo, sendo que todas as fases contratuais devem se pautadas pelo princípio geral da boa-fé objetiva. "Boa-fé objetiva significa, portanto, uma atuação 'refletida', uma atuação refletindo pensando no outro, no parceiro contratual, respeitando-o seus interesses legítimos, suas expectativas razoáveis, seus direitos, agindo com lealdade, sem abuso, sem obstrução, sem causar lesão ou desvantagem excessiva, cooperando para atingir o bom fim das obrigações: o cumprimento do objetivo contratual e a realização dos interesses das partes" (Claudia Lima Marques, obra citada, pág. 181/182). A boa-fé objetiva tem seu objetivo na segurança da relação contratual, na tutela das expectativas legítimas de ambas as partes: credor e devedor (Fernando Noronha, obra citada, pág. 132). Aliás, o próprio Clovis Belivaqua, ao comentar o artigo do Código Civil de 1916, relativo ao dever de boa-fé nos contratos de seguro, já reconhecia que: "Diz-se que o seguro é um contrato de boa fé. Aliás todos os contratos devem ser de boa fé" (grifamos) (Código dos Estados Unidos do Brasil Comentador por Clóvis Bevilaqua, Obrigações, Tomo 2ª, vol. V. 3ª edição, Francisco Alves, 1934, pág. 203). Para Fernando Noronha (obra citada, pág.83) "muito se tem escrito sobre o princípio da boa-fé, como dever imposto às partes de agirem de acordo com determinados padrões de correção e lealdade, sobretudo depois que dois principais Códigos Civis germânicos, o alemão e o suíço, lhe consagraram preceitos específicos, em época oportuna". parte do autor. Desta forma, não há falar-se em doença preexistente e má-fé por No mais, cinge-se o ponto nevrálgico da lide em uma única indagação: para a configuração da ocorrência do risco coberto pelo contrato de seguro basta a invalidez permanente para o trabalho, considerando-se 7 qualquer espécie de atividade laboral e

8 ou apenas aquela exercida pelo autor por ocasião da doença. Outrossim, inexiste, pois, qualquer cerceamento de defesa no julgamento antecipado, consoante já se manifestou exaustivamente o Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Assim, é certo que as partes firmaram apólice de seguro com cobertura de doenças que causassem a invalidez total e permanente, todavia, ao contrário do sustentado pela ré, tanto a doutrina como a jurisprudência, dizem que a invalidez deve ser entendida como aquela que incapacita o segurado não para o exercício de todo e qualquer trabalho, mas de continuar exercendo a atividade que tinha até a data do sinistro. E desta forma deve a cláusula 3.4 das condições gerais, que regem o contrato de seguro, ser interpretada. Desta feita, submete-se o caso dos autos às regras de interpretação específicas das relações de consumo. Sobre o assunto, dispõe o Código de Defesa do Consumidor: "Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance". "Art. 47. As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor [grifei]". Destaco, ainda, que no caso em tela não há como se invocar o art do Código Civil de 1916 em favor da seguradora, visto que a hipótese sub judice é justamente da falha da apólice ao limitar ou particularizar os riscos do seguro, diante da interpretação a ser dada. Destarte, analisando a documentação trazida aos autos, há subsídios para concluir que o autor está incapacitado total e permanentemente para o trabalho, tanto que o deferimento da aposentadoria por invalidez pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) faz prova suficiente da invalidez para o trabalho, única relevante para o caso em exame, diante do notório excesso de zelo do Instituto em conceder tais benefícios. "APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO - SEGURO - SENTENÇA QUE RECONHECEU A PRESCRIÇÃO ÂNUA - INOCORRÊNCIA - APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AOS CONTRATOS SECURITÁRIOS - 5 ANOS - NEGATIVA DE COBERTURA AO ARGUMENTO DE ESTAR O SEGURADO CAPACITADO PARA O EXERCÍCIO DE OUTRAS ATIVIDADES - DESNECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO DE INABILITAÇÃO PARA O LABOR - SEGURADO APOSENTADO PELO ÓRGÃO OFICIAL (INSS) - VALOR PAGO A MENOR - DEVER DE INDENIZAR - OBRIGAÇÃO CONTRATUAL - SENTENÇA REFORMADA - RECURSO PROVIDO. É de 5 anos o prazo de prescrição da pretensão indenizatória do segurado contra a seguradora, a teor do art. 27 do CDC, começando a fluir da data do pagamento a menor. Se o despacho que determina a citação é anterior ao quinquênio legal, não prescreveu a pretensão. A aposentadoria pelo INSS, por invalidez, eis que precedida de perícia médica idônea e oficial, é prova suficiente da incapacidade laborativa, para fins de recebimento de seguro. O segurado faz jus à percepção de diferença de valor pago a menor pela 8 seguradora, devidamente contratado, previsto em apólice de seguro de vida

9 em grupo [grifei]".apelação cível , de Forquilhinha. Relator: Des. Wilson Augusto do Nascimento. Julgado em 03 de junho de 005). "DIREITO DO CONSUMIDOR - COBRANÇA - CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO E ACIDENTES PESSOAIS [...]- LESÕES NA COLUNA VERTEBRAL QUE OCASIONARAM A SUA APOSENTADORIA POR INVALIDEZ PERMANENTE PELO ÓRGÃO OFICIAL (INSS) - NEGATIVA DE COBERTURA SOB O ARGUMENTO DE QUE A APÓLICE NÃO ABRANGIA OS RISCOS DECORRENTES DE ESFORÇO FÍSICO - ACIDENTE PROVENIENTE DE ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DA COLUNA DE ORIGEM TRAUMÁTICA - CLÁUSULA CONTRATUAL QUE EXPRESSAMENTE PREVÊ ESSE TIPO DE RISCO - INTERPRETAÇÃO FAVORÁVEL AO CONSUMIDOR - EXEGESE DOS ARTS. 46, 47 E 54,  4º, DO CÓDIGO CONSUMERISTA - INDENIZAÇÃO DEVIDA - RESPONSABILIDADE OBJETIVA E SOLIDÁRIA DA SEGURADORA ESTIPULANTE - OBRIGAÇÃO DESTA EM EFETUAR O PAGAMENTO DA APÓLICE EM SEU VALOR INTEGRAL - SENTENÇA MANTIDA - RECURSO DESPROVIDO 1. O contrato de seguro constitui relação de consumo e, sendo assim, o prazo prescricional da pretensão do segurado contra a seguradora é de cinco anos, ex vi do artigo 27 do Código de Defesa do Consumidor. 2. As cláusulas contratuais oriundas de relação de consumo devem ser interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor, ex vi do disposto nos arts. 46, 47 e 54,  4º, do CDC. 3. "A aposentadoria por invalidez constitui prova hábil ao reconhecimento da incapacidade laborativa do segurado, posto ser consabido que a concessão do benefício é precedida por longo período de acompanhamento e exames" (AC n.⺠, Des. Wilson Augusto do Nascimento) [grifei]. 4. "Assume a condição de responsável solidário pelo pagamento do seguro o estipulante que, devendo atuar na proteção dos interesses do segurado, promove a captação de clientes, recebendo os bônus e amealha provas no interesse da seguradora, a cujo grupo econômico se integra, visando excluir os ônus correspondentes ao adimplemento da indenização inscrita na apólice" (AC n.⺠Des. Cesar Abreu)" (Apelação Cível , de Joinville. Relator: Des. Marcus Tulio Sartorato. Julgado em 11 de fevereiro de 2005). Aliás, o deferimento do benefício previdenciário não é a única prova da invalidez total e permanente que consta dos autos, existindo o atestado firmado pelo médico particular (fls.19), ao qual também atribui-se valor probatório, conforme a jurisprudência: "Atestado por parecer médico de que o segurado está incapacitado total e definitivamente para exercer qualquer atividade remunerada, sendo-lhe até deferida aposentadoria por invalidez, constitui-se evidente hipótese de incidência estabelecida na apólice de seguro, e por isso deve ser indenizado" (Apelação Cível , da Capital, Rel. Des. Carlos Prudêncio). Em razão do exposto, não há como a Seguradora AGF Brasil Seguros S/A se furtar de sua obrigação de honrar o pagamento da quantia pactuada, diante da expectativa legítima do consumidor. Diante da modificação ocorrida no procedimento do cumprimento 9

10 de sentença, desnecessária a fixação de astreinte, posto que deve incidir a multa prevista no artigo 475-J do CPC. Ante o exposto, resolvo o mérito e JULGO PROCEDENTE o pedido, para condenar a ré ao pagamento do valor da apólice de seguro, de R$ ,28 ( setenta e dois mil, quatrocentos e vinte e seis reais e vinte e oito centavos), corrigido a partir da negativa (10/07/2000 fls. 20). Pelo princípio da sucumbência condeno a ré ao pagamento das custas e eventuais despesas processuais, além de honorários advocatícios à parte adversa que fixo em 10% do valor da condenação. Sobre todas as verbas incidirão juros moratórios legais a partir da citação, de 0,5% ao mês até 10/01/2003 e a partir daí de 1% ao mês. P. R. I. (SC), 14 de agosto de

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE

DECISÃO MONOCRÁTICA CONTRATO DE SEGURO DE VIDA E INVALIDEZ PERMANENTE EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. INOCORRÊNCIA. SEGURADO COM LESÃO NEUROLÓGICA QUE DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO N.º 0402603-95.2008.8.19.0001 APELANTE: SULAMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDENCIA APELADO: FRANCISCO DE SOUZA COELHO JUNIOR RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO

APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 199375-88.2008.8.09.00029 (200891993754) CATALÃO APELANTE: APELADO: RELATOR: CÂMARA: JANDIRA BORGES DA SILVA HSBC SEGUROS BRASIL S/A DESEMBARGADOR CAMARGO NETO 6ª CÍVEL EMENTA: 1. APELAÇÃO.

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO

Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO Autos nº: 201403216112 SENTENÇA I? RELATÓRIO ALEX DA SILVA CALDEIRA propôs ação de cobrança de seguro por invalidez decorrente de doença em face de ITAÚ SEGUROS S/A, já qualificados, afirmando que foi

Leia mais

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

11è 8 3(21 . * ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO 4. * 8 3(21 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 200.2003.018359-0/001 i a Vara Cível da Comarca da Capital RELATOR : Des. MANOEL

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Comarca de Itajaí 2ª Vara Cível. Vistos etc.

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Comarca de Itajaí 2ª Vara Cível. Vistos etc. Autos n 0020587-81.2012.8.24.0033 Ação: Procedimento Ordinário/PROC Requerente: Elio Candido Siemann Requerido: Sul América Seguro Saúde S.A e outro Vistos etc. 1. Cuida-se de ação indenizatória para pagamento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE JOINVILLE JUÍZO DE DIREITO DA 1 a VARA CÍVEL

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE JOINVILLE JUÍZO DE DIREITO DA 1 a VARA CÍVEL 1 Autos n. 038.04.021238-3 1 Trato de pedido cautelar formulado por Sunshine do Brasil Indústria Química e Comércio Ltda., em face do Banco do Brasil S/A., alegando, em síntese, que em 24.10.2003 firmou

Leia mais

DECISÃO MONOCRÁTICA CONSUMIDOR.

DECISÃO MONOCRÁTICA CONSUMIDOR. DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº. 197021-30/2010-0001 APELANTE: SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO SAÚDE APELADO: ELZA RODRIGUES PARENTE SILVEIRA RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO MONOCRÁTICA

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. A prescrição anual prevista

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 965.983-0/6 São Paulo Agravante: Companhia de Seguros Minas Brasil Agravada: Carmen Gianetti Mesa AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PRESCRIÇÃO. A prescrição anual prevista

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APELAÇÃO CÍVEL Nº 2008.001.56923 APELANTE: BRADESCO SAÚDE S/A APELADA: VÂNIA FERREIRA TAVARES RELATORA: DES. MÔNICA MARIA COSTA APELAÇÃO

Leia mais

Henry Petry Junior RELATOR

Henry Petry Junior RELATOR Apelação Cível n. 2011.050060-7, de Guaramirim Relator: Des. Henry Petry Junior APELAÇÃO CÍVEL E PROCESSUAL CIVIL. SEGURO DE VIDA. AÇÃO DE COBRANÇA. IMPROCEDÊNCIA NA ORIGEM. - AUXÍLIO-DOENÇA. CONCESSÃO

Leia mais

SENTENÇA. DIOMÉRIO GONÇALVES MOURA ajuizou ação de cobrança. securitária em face da ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A aduzindo, em síntese,

SENTENÇA. DIOMÉRIO GONÇALVES MOURA ajuizou ação de cobrança. securitária em face da ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A aduzindo, em síntese, Autos nº 201400366962 SENTENÇA DIOMÉRIO GONÇALVES MOURA ajuizou ação de cobrança securitária em face da ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A aduzindo, em síntese, ser beneficiário de seguro de vida em grupo contratado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 9ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000760XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0057XXX- 94.2009.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante COOPERATIVA HABITACIONAL PLANALTO, é apelado

Leia mais

ACORDAM, em Segunda Câmara de Direito Civil, por unanimidade de votos, dar provimento ao recurso. Custas na forma da lei.

ACORDAM, em Segunda Câmara de Direito Civil, por unanimidade de votos, dar provimento ao recurso. Custas na forma da lei. Apelação Cível n. 2008.047728-1, de Urussanga Relator: Des. Mazoni Ferreira APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO - CONTRATO DE SEGURO DE VIDA - AUTORA/SEGURADA - MORTE DO CÔNJUGE - REQUERIMENTO

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.13.050455-8/001 Númeração 0504558- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 19/05/2015 29/05/2015 EMENTA:

Leia mais

Gilberto Gomes de Oliveira RELATOR

Gilberto Gomes de Oliveira RELATOR Apelação Cível nº 2011.063602-9, de Joaçaba Relator: Des. Gilberto Gomes de Oliveira SEGURO DE VIDA EM GRUPO. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ CONCEDIDA PELO INSS. PRESCRIÇÃO ÂNUA. ART. 206, 1º, II, 'B' DO

Leia mais

Nº 70051718773 COMARCA DE LAJEADO A C Ó R D Ã O

Nº 70051718773 COMARCA DE LAJEADO A C Ó R D Ã O Apelação cível. Seguros. Ação de cobrança. Seguro de carga. Agravamento do risco configurado. Negativa de pagamento da cobertura securitária embasada em cláusula contratual que determina a necessidade

Leia mais

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação

Sentença. 1. Relatório. Relatório dispensado (artigo 38 da Lei 9.099/95). 2. Fundamentação Processo : 2013.01.1.151018-6 Classe : Procedimento do Juizado Especial Cível Assunto : Contratos de Consumo Requerente : CELSO VIEIRA DA ROCHA JUNIOR Requerido : EMPRESA EBAZAR Sentença 1. Relatório Relatório

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.02.841809-3/001 Númeração 8418093- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 13/11/2013 19/11/2013 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé.

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 15 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: Princípios: Boa fé Objetiva; Fases do Contrato: Formação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000853162 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1012384-11.2014.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante ALEX VOLTOLINI, é apelado MOLISE

Leia mais

R E L A T Ó R I O A EXMA. SRA. DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA BARBOSA MAGGI (RELATORA CONVOCADA): É o relatório.

R E L A T Ó R I O A EXMA. SRA. DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA BARBOSA MAGGI (RELATORA CONVOCADA): É o relatório. APELAÇÃO / REEXAME NECESSÁRIO 6263 - PE (20088300010216-6) PROC ORIGINÁRIO : 9ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO R E L A T Ó R I O A EXMA SRA DESEMBARGADORA FEDERAL NILCÉA MARIA (RELATORA CONVOCADA): Trata-se

Leia mais

Processo: 0016178-37.2012.808.0347 Requerente: FABIANO CEZAR NEVES DE OLIVEIRA, JORGETE NEVES DE OLIVEIRA Requerido(a): UNIMED VITORIA SENTENÇA

Processo: 0016178-37.2012.808.0347 Requerente: FABIANO CEZAR NEVES DE OLIVEIRA, JORGETE NEVES DE OLIVEIRA Requerido(a): UNIMED VITORIA SENTENÇA RIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO VITÓRIA VITÓRIA - 6º JUIZADO ESPECIAL CÍVEL AVENIDA João Baptista Parra - Ed Enseada Tower. - Sl 1401(Cartório e Sala de Instrução), Sl 1702-A(Sala

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.311 - SP (2011/0144262-4) RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : VIRGÍNIO ARAÚJO FILHO E OUTROS : EMERSON RIBEIRO DANTONIO : COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO : FERNANDA

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Fórum João Mendes Júnior - 18º Andar, sala 1806, Centro - CEP 01501-900, Fone: 2171-6315, São Paulo-SP Registro: 2015.0000075537 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso Inominado nº 1008924-47.2014.8.26.0016, da Comarca de São Paulo, em que é recorrente CHAMALEON EVEN EMPREENDIMENTOS

Leia mais

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa.

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 040.2008.000891-1/001. Relator: Marcos William de Oliveira, Juiz Convocado em substituição ao Des. José Di

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores LUIS MARIO GALBETTI (Presidente sem voto), MIGUEL BRANDI E RÔMOLO RUSSO. fls. 300 Registro: 2015.0000529177 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1106882-72.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANA LIGIA PAES NASCIMENTO, é apelado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA CLASSE: APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO: 2009.022404-7 RELATOR: SÉRGIO IZIDORO HEIL DATA: 16/03/2010

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA CLASSE: APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO: 2009.022404-7 RELATOR: SÉRGIO IZIDORO HEIL DATA: 16/03/2010 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SANTA CATARINA CLASSE: APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO: 2009.022404-7 RELATOR: SÉRGIO IZIDORO HEIL DATA: 16/03/2010 RELATOR: DES. SÉRGIO IZIDORO HEIL APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA DE

Leia mais

APELAÇÃO COM REVISÃO N º 729.743-0/7 - SÃO PAULO Apelante: Companhia de Seguros do Estado de São Paulo - COSESP Apelado : José Rodrigues Sanchez

APELAÇÃO COM REVISÃO N º 729.743-0/7 - SÃO PAULO Apelante: Companhia de Seguros do Estado de São Paulo - COSESP Apelado : José Rodrigues Sanchez APELAÇÃO COM REVISÃO N º 729.743-0/7 - SÃO PAULO Apelante: Companhia de Seguros do Estado de São Paulo - COSESP Apelado : José Rodrigues Sanchez SEGURO DE VIDA EM GRUPO. PROVAS. RESPONSABILIDADE. As Seguradoras,

Leia mais

23 a Câmara Cível / Consumidor do Tribunal de Justiça

23 a Câmara Cível / Consumidor do Tribunal de Justiça Apelação nº 0001938-89.2009.8.19.0008 Apelante: ITAÚ SEGUROS S.A Apelado: SELMA SILVA DE ABREU DIAS Relator Des. SÉRGIO RICARDO DE ARRUDA FERNANDES AÇÃO DE RITO SUMÁRIO. DIREITO DO CONSUMIDOR. CONTRATAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Voto nº 23951 10ª Câmara Seção de Direito Privado Apelação com Revisão n 4002213-20.2013.8.26.0562 Comarca: Santos Ação: Compromisso de Venda e Compra e Repetição de indébito Apte(s).: API Assessoria Consultoria e Intermediação

Leia mais

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. DOENÇA PROFISSIONAL. AUSÊNCIA DO NEXO DE CAUSALIDADE. PROVA PERICIAL. Para se reconhecer a doença profissional, o que é possível mesmo após a ruptura do contrato, ainda

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

PROCESSO: 0135500-11.2004.5.01.0013 - RTOrd. Acórdão 10a Turma

PROCESSO: 0135500-11.2004.5.01.0013 - RTOrd. Acórdão 10a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gabinete Juiz Convocado 4 Av. Presidente Antonio Carlos, 251 6º Andar - Gab.52 Castelo Rio de Janeiro 20020-010 RJ

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.273016-1/001 Númeração 2730161- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Marcos Lincoln Des.(a) Marcos Lincoln 11/02/2015 23/02/2015 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY. fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000230468 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0015157-53.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

Deferido o pleito antecipatório (fl. 17).

Deferido o pleito antecipatório (fl. 17). COMARCA DE PORTO ALEGRE 15ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL 2º JUIZADO Rua Márcio Veras Vidor (antiga Rua Celeste Gobato), 10 Nº de Ordem: Processo nº: 001/1.08.0156898-0, 001/1.08.0214498-9 e 001/1.08.0113910-8

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 2216384-69.2011.8.19.0021 APELANTE: TERESA RAMOS DE SANTANA APELADO: RICARDO ELETRO DIVINOPOLIS LTDA APELADO: ZTE DO BRASIL COMERCIO SERVIÇOS E PARTICIPAÇÕES LTDA RELATOR: DES. FERNANDO

Leia mais

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Anna Paula Dias da Costa. Vistos.

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Anna Paula Dias da Costa. Vistos. fls. 194 SENTENÇA Processo Digital nº: 1017080-32.2015.8.26.0002 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: XXXXXX Garcia e outro Requerido: Itaquiti

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0035092-08.2012.8.19.0004 APELANTE: BANCO BRADESCO S/A APELADO: BRUNO GARCIA DE SÁ RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO DO CONSUMIDOR AÇÃO SOB O RITO SUMÁRIO

Leia mais

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL TERCEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N º 42.390-7/2009, DE VITÓRIA DA CONQUISTA. APELANTE: UNIBANCO AIG SEGUROS S/A. APELADO: GERALDO BASTOS GUIMARÃES E OUTRO. RELATOR: JUIZ JOSEVANDO SOUZA ANDRADE SUBSTITUINDO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014455-71.2010.8.19.0209 APELANTE 1: UNIMED RIO COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO DO RIO DE JANEIRO LTDA. APELANTE

Leia mais

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Resp 866359 Resp 1029454 Resp 1029454 Resp 770053 Resp

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL

QUINTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 45610/2012 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BRADESCO AUTO RE COMPANHIA DE SEGUROS APELADO: HAMILTON DE CARVALHOFERREIRA Número do Protocolo: 45610/2012 Data de Julgamento: 19-9-2012 E M E N T A SEGURO OBRIGATÓRIO (DPVAT) - LEI N. 11.482/07

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente sem voto), DE SANTI RIBEIRO E ELLIOT AKEL.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores LUIZ ANTONIO DE GODOY (Presidente sem voto), DE SANTI RIBEIRO E ELLIOT AKEL. ACÓRDÃO Registro: 2011.0000324840 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0068021-37.2009.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante UNIMED - SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

Leia mais

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias.

A apelante aduziu serem devidas as verbas relativas às férias não gozadas e, por conseqüência, aos terços constitucionais decorrentes das férias. ESTADO rj'à PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Ga6inete d Desembargador José Lorenzo Seipa APELAÇÃO CÍVEL N 055.2005.000.156-3/002 Relator Miguel de Britto Lyra Filho, Juiz Convocado em substituição ao Des. José

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008485-93.2014.8.19.0001 APELANTE 1: TELMA REGINA MANHÃES SALLES DOS SANTOS APELANTE 2: SUL AMERICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS APELADOS: OS MESMOS RELATORA: DES. SANDRA SANTARÉM CARDINALI

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 314 SENTENÇA Processo Digital nº: 1120876-70.2014.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Compra e Venda Requerente: Marcelo Mendes dos Reis Fracari Requerido: Cyrela Polinésia Empreendimentos

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

Vigésima Sétima Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro APELAÇÃO CÍVEL Nº 0460569-74.2012.8.19.0001 APELANTE: ALINE ALMEIDA PERES APELADO: INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA DE REABILITAÇÃO LTDA RELATOR: DES. FERNANDO ANTONIO DE ALMEIDA APELAÇÃO CÍVEL DIREITO

Leia mais

lllllll Illlllllll lllll S *02766739*

lllllll Illlllllll lllll S *02766739* .8 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA ^ ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N I lllllll Illlllllll lllll S *02766739* ^S APELAÇÃO CÍVEL

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2010. Desembargador ROBERTO FELINTO Relator DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº 0355516-46.2008.8.19.0001 Apelante 1 : AZZURRA PARIS VEÍCULOS LTDA. Apelante 2 : SUL AMÉRICA COMPANHIA NACIONAL DE SEGUROS Apelados 1 : OS MESMOS Apelado 2

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 447.888 - RO (2002/0084713-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : ADMINISTRADORA E CORRETORA DE SEGUROS - RONSEG ADVOGADO : ODAILTON KNORST RIBEIRO RECORRENTE : SUL AMÉRICA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO PROCESSO nº 0001042-63.2013.5.12.0004 RECORRENTE: ROSANGELA ALVES DE SOUZA MARCELO RECORRIDO: LOJAS RENNER SOCIEDADE ANONIMA

Leia mais

APELAÇÃO DESPROVIDA. Nº 70044406015 COMARCA DE NOVA PETRÓPOLIS A C Ó R D Ã O

APELAÇÃO DESPROVIDA. Nº 70044406015 COMARCA DE NOVA PETRÓPOLIS A C Ó R D Ã O APELAÇÃO CÍVEL. ACIDENTE DE TRABALHO. SÓCIO COTISTA. CONTRIBUINTE INDIVIDUAL. AUXÍLIO-ACIDENTE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. Sendo o autor contribuinte individual, por ser sócio cotista de empresa de responsabilidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 26ª CÂMARA CÍVEL/CONSUMIDOR Proc. nº 0008489-07.2014.8.19.0042 APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR RECURSO...: APELANTE (S)...: APELADO (S)...: JUÍZO DE ORIGEM.: JDS. DES. RELATOR: APELAÇÃO CÍVEL CONSUMIDOR BRUNO MACEDO BASTOS. BANCO SANTANDER BRASILO S/A. 3ª VARA CÍVEL DE PETRÓPOLIS. RICARDO ALBERTO

Leia mais

:,,, r,,..., ir airsaic ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. JÚLIO PAULO NETO

:,,, r,,..., ir airsaic ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DES. JÚLIO PAULO NETO Cuida-se de agravo interno interposto pela COSESP Companhia de Seguros do Estado da São Paulo contra decisão de fls. 144/147 a qual negou seguimento à apelação cível por ela intentada por estar em confronto

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 2 Registro: 2015.0000086160 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0011047-84.2013.8.26.0011, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ORDALIA REGINA DA SILVA BUSO, são

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ 2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 2010.70.60.000409-7 Relatora: Juíza Federal Andréia Castro Dias Recorrente: EDENIZE PEREIRA DA SILVA Recorrido: INSTITUTO

Leia mais

EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA EM GRUPO CLAÚSULA CONTRATUAL INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA LIMITAÇÃO DOS RISCOS COBERTOS PELO SEGURO.

EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA EM GRUPO CLAÚSULA CONTRATUAL INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA LIMITAÇÃO DOS RISCOS COBERTOS PELO SEGURO. EMENTA: AÇÃO DE COBRANÇA - SEGURO DE VIDA EM GRUPO CLAÚSULA CONTRATUAL INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA LIMITAÇÃO DOS RISCOS COBERTOS PELO SEGURO. Se a apólice exclui qualquer tipo de doença profissional ou acidente

Leia mais

DESPROVIMENTO DO RECURSO.

DESPROVIMENTO DO RECURSO. DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N 59430/07 APELANTE: ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ITAPERUNA APELADO: CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE ITAPERUNA RELATORA: DES CELIA MARIA VIDAL MELIGA

Leia mais

RELATÓRIO IV - APELACAO CIVEL 2010.51.01.018449-4. Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (...)

RELATÓRIO IV - APELACAO CIVEL 2010.51.01.018449-4. Art. 585. São títulos executivos extrajudiciais: (...) Nº CNJ : 0018449-85.2010.4.02.5101 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ALUISIO MENDES APELANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS ADVOGADO : ROBERTO DONATO BARBOZA PIRES DOS REIS E OUTROS APELADO : COMPANHIA

Leia mais

A Segunda Câmara de Direito Civil decidiu, por votação unânime, negar provimento aos recursos. Custas legais.

A Segunda Câmara de Direito Civil decidiu, por votação unânime, negar provimento aos recursos. Custas legais. Apelação Cível n. 2012.056758-3, de Videira Relator: Des. João Batista Góes Ulysséa APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE COBRANÇA. SEGURO DE VIDA EM GRUPO. NEGATIVA DE COBERTURA. SENTENÇA DE IMPROCEDÊNCIA. AGRAVO RETIDO.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO APELAÇÃO CÍVEL (AC) Nº 296203/AL (2000.80.00.003296-1) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : NATHALIE PAIVA TEIXEIRA CAMBUY SODRE VALENTIM E OUTROS APTE : PREVI - CAIXA PREVIDENCIARIA

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 APELAÇÃO CIVEL Nº 0020860-15.2004.8.08.0024 (024040208605) - VITÓRIA - VARA ESPECIALIZADA

Leia mais

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Ariane de Fátima Alves Dias Paukoski Simoni

SENTENÇA. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Ariane de Fátima Alves Dias Paukoski Simoni fls. 380 SENTENÇA Processo Digital nº: 1018632-69.2014.8.26.0001 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Planos de Saúde Requerente: Edelurdes Teixeira da Costa Requerido: Unimed de Guarulhos - Cooperativa

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO N 200.2010.014.773-1/001 ORIGEM: 8' Vara Cível da Comarca da Capital. RELATOR:

Leia mais

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO. Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO. Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000 OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000 Agravante: Waldemar Monteiro Fidalgo Agravado: CABERJ Caixa de Assistência à Saúde

Leia mais

PROCESSO: 00185-2007-043-01-00-0 RTOrd

PROCESSO: 00185-2007-043-01-00-0 RTOrd ACÓRDÃO 9a Turma PROCESSO: 00185-2007-043-01-00-0 RTOrd SEGURO DE VIDA EM GRUPO. CONTRATAÇÃO DE EMPRESA SEGURADORA. NÃO CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES POR PARTE DA EMPREGADORA-ESTIPULANTE. EFEITOS. Todo e

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONCURSO DE INGRESSO NA MAGISTRATURA PROVA ESCRITA RESOLUÇÃO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL 23.07.2006 SENTENÇA SOBRE MATÉRIA CÍVEL João e Maria, casados

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE.

É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE. É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE. Apelação cível. Prestação de serviços. Contratação de pacote turístico. Autora que cancelou a viagem poucos dias antes do embarque

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000073868 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9141018-46.2006.8.26.0000, da Comarca de Campinas, em que é apelante UNIMED CAMPINAS COOPERATIVA DE TRABALHO

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 2 0002156-94.2010.8.26.0297, da Comarca de Jales, em que é apelante LÚCIA ALVES SANT ANA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 382 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03520294* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

367 PROCESSO ELETRÔNICO

367 PROCESSO ELETRÔNICO DÉCIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL PROCESSO ELETRÔNICO (kl) APELAÇÃO Nº. 195804-83/2009-0001 APELANTE: GAMA SAÚDE S. A. APELADO: ALBANO DE SOUZA MARQUES APELANTE: RELATOR: DES. LINDOLPHO MORAIS MARINHO DECISÃO

Leia mais

- Compete à seguradora comprovar a alegação de má-fé do segurado quando do preenchimento da proposta de seguro, o que não ocorreu na espécie.

- Compete à seguradora comprovar a alegação de má-fé do segurado quando do preenchimento da proposta de seguro, o que não ocorreu na espécie. ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2009.023358-4/001. Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa. Apelante: Vida Seguradora S/A (Adv. Teresa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade/uf)

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade/uf) Modelos Âmbito Jurídico - Contratos 00024 - Inicial de concessão de aposentadoria por invalidez B-32 EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DE (cidade/uf) Reqte.: (nome do requerente)

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 39382-69.2010.8.09.0051 (201090393822) GOIÂNIA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 39382-69.2010.8.09.0051 (201090393822) GOIÂNIA APELAÇÃO CÍVEL Nº 39382-69.2010.8.09.0051 (201090393822) GOIÂNIA APELANTE: APELADO: RELATOR: CÂMARA: RAIMUNDO JOAQUIM QUEIROZ E OUTRO (S) WANDER ROSA JÚNIOR MARCUS DA COSTA FERREIRA JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

' Gabinete do Deerii argador Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelação Cível n 2004.003685-4 DECISÃO.

' Gabinete do Deerii argador Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelação Cível n 2004.003685-4 DECISÃO. ' Gabinete do Deerii argador Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelação Cível n 2004.003685-4 DECISÃO. AUREOLINA LACERDA E MEDEIROS E OUTROS insnrgem-se contra decisão do juiz da 2" Vara da Comarca de Manco,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000032304 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0000527-46.2013.8.26.0664, da Comarca de Votuporanga, em que é apelante SEBASTIÃO DE PIERRE SOBRINHO, é apelado

Leia mais

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5001294-77.2011.404.7110/RS AUTOR : CELI KONSGEN REICHOW ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO

AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5001294-77.2011.404.7110/RS AUTOR : CELI KONSGEN REICHOW ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO AÇÃO ORDINÁRIA (PROCEDIMENTO COMUM ORDINÁRIO) Nº 5001294-77.2011.404.7110/RS AUTOR : CELI KONSGEN REICHOW ADVOGADO : WILLIAM FERREIRA PINTO : ROBERT VEIGA GLASS : GETÚLIO JAQUES JÚNIOR RÉU : INSTITUTO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2011.0000299990 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 9000322-04.2010.8.26.0037, da Comarca de Araraquara, em que é apelante/apelado DORIVAL CAVICHIONI JUNIOR (JUSTIÇA

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os autos.

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos os autos. ADMINISTRATIVO. CONCURSO PÚBLICO. VALORA- ÇÃO DE TÍTULOS. ENTIDADE PRIVADA. REMUNERA- ÇÃO PAGA PELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS). ADMISSIBILIDADE. 1. Admite-se a valoração, em concurso público do Município

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE FERNANDÓPOLIS FORO DISTRITAL DE OUROESTE JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL fls. 1 CONCLUSÃO Aos 12 de julho de 2013, faço os presentes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. LUIZ GUSTAVO ROCHA MALHEIROS. Eu (Daniela Dacyszyn Leme Macedo), Escrivã Judicial II Substituta, digitei.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0132.07.009709-3/001 Númeração 0097093- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Batista de Abreu Des.(a) Batista de Abreu 27/11/2014 10/12/2014 EMENTA:

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.12.351388-9/001 Númeração 3513889- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Rogério Medeiros Des.(a) Rogério Medeiros 05/11/2013 14/11/2013 EMENTA:

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO

APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da Comarca de. LIMEIRA, em que são apelantes e reciprocamente apelados RIO f PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÒRDÃO/DECISAOMONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 541.479-4/5-00, da

Leia mais

Inteiro Teor (869390)

Inteiro Teor (869390) : Acórdão Publicado no D.J.U. de 19/10/2005 EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DA RMI. IRSM DE FEVEREIRO/94 (39,67%). NÃO RETENÇÃO DE IRRF. JUROS MORATÓRIOS. 1. Os salários de contribuição devem ser reajustados,

Leia mais

GUILHERME COUTO DE CASTRO

GUILHERME COUTO DE CASTRO RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : ANDRE LUIS CARDOSO E OUTROS APELADO : HUMBERTO PACHECO DE ANDRADE E CONJUGE ADVOGADO : DENIZE

Leia mais