UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD Coleção Educação a Distância Série Livro-Texto Edimara Daronco MARKETING DE SERVIÇOS E RELACIONAMENTOS Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil

2 2008, Editora Unijuí Rua do Comé rcio, Ijuí - RS - Brasil Fone: (0 55) Fax: (0 55) Editor: Gilmar Ant onio Bedin Editor-adjunto: Joel Corso Capa: Elias Ricardo Schüssler Designer Educacional: Jociane Dal Molin Responsabilidade Editorial, Gráfica e Administrativa: Editora Unijuí da Universi dade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí; Ijuí, RS, Brasil) Catalogação na Publicação: Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques Unijuí D224g Daronco, Edimara. Marketing de serviços e relacionamentos / Edimara Daronco. Ijuí : Ed. Unijuí, p. (Coleção educação a distância. Série livro-texto). ISBN Marketing. 2. Serviços. 3. Marketing d e relacionamentos. I. Título. II. Série. CDU :

3 Sumário EaD CONHECENDO A PROFESSORA... 5 APRESENTAÇÃO... 7 O QUE VAMOS ESTUDAR... 9 UNIDADE 1: SERVIÇOS REVISÃO: Conceitos e Características dos Serviços Seção 1.1 O Que são Serviços? E o que Mesmo os Difere dos Produtos? Seção 1.2 Características dos Serviços Seção 1.3 Qualidade em Serviços UNIDADE 2: SERVIÇOS: Importância dos Serviços e Sua Evolução no Brasil e no Mundo Seção 2.1 Importância dos Serviços Seção 2.2 A Evolução dos serviços UNIDADE 3: TIPOS DE SERVIÇOS E A SUA RELAÇÃO COM OS BENS Seção 3.1 Tipos de Serviços Seção 3.2 Diferenças entre Marketing de Serviços e de Bens Seção 3.3 A História dessa Di ferenciação como é Vista Hoje: produtos x serviços Seção 3.4 Necessária Participação do Cliente e suas Implicações Seção 3.5 Intangibilidade e suas Implicações UNIDADE 4: QUALIDADE EM SERVIÇOS Seção 4.1 Qualidade e Satisfação dos Serviços Seção 4.2 Escala Servqual Seção 4.3 Escala Servperf UNIDADE 5: O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE SERVIÇOS Seção 5.1 Características do Processo de Compra de Serviços Seção 5.2 O Comprador de serviços

4 UNIDADE 6: RECUPERAÇÃO DE SERVIÇOS E A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTO Seção 6.1 Como Recuperar Serviços? Seção 6.2 Marketing de Serviços x Marketing de Relacionamento UNIDADE 7: MARKETING DE REL ACIONAMENTO: História e Conceitos Iniciais Seção 7.1 Origens e História do Marketing de Relacionamento Seção 7.2 Conceitos de: Marketing, Relacionamento e Marketing de Relacionamento Seção 7.3: Marketing como Processo de Troca: fundamentos do Marketing de Relacionamento UNIDADE 8: MARKETING DE RELACIONAMENTO: Trocas Relacionais, Tipos de Trocas e Etapas do Marketing de Relacionamento Seção 8.1 Dimensões das Relações: trocas discretas e relacionais Seção 8.2 Os Tipos de Trocas Seção 8.3 Modelos de Desenvolvimento de Relacionamento UNIDADE 9: PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES, ATRIBUTOS DE MANUTENÇÃO E O PODER E O CONFLITO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO Seção 9.1 Principais Motivações para o Marketing de Relacionamento Seção 9.2 Atributos Necessários para a Manutenção de Relacionamentos Seção 9.3 Marketing de Relacionamento, Poder e Conflito UNIDADE 10: TECNOLOGIA E O MARKETING DE RELACIONAMENTO Seção 10.1 O que vem a ser CRM? Seção 10.2 Benefícios do CRM Seção 10.3 Aplicações do CRM Seção 10.4 Estabelecimento do CRM REFERÊNCIAS

5 Conhecendo a Professora EaD EDIMARA DARONCO É natural de Cruz Alta/RS, onde cursou o Ensino Fundame ntal e Mé dio na Escola Santíssima Trindade. Filha de Edemar e Lourdes Daronco, empresári os do ramo do comércio vareji sta de materiais de construção, logo cedo teve um contato dire to com esse meio, o que a levou a cursar Administração. Então, com 16 anos, ingressou no curso de Administração na Unijuí. Com o término do curso em 1997 continuou suas atividades na empresa da família, mas mesmo com essa atuação, consideravase muito jovem para parar de estudar. Foi no outro ano então, no final de 1998, que ingressou no curso de Mestrado em Administração na UFRGS, com ênfase em Marketing, um sonho que se consolidava. Em agosto de 2001 ingressou na Unijuí como docente do Departamento de Estudos da Administração DEAd a partir de um concurso para professor do plano de carreira, ainda na condição de mest randa, pois naquele mesmo ano, em dezembro, defendeu sua dissertação e recebeu a titulação de Mestre em Administração com ênfase em Marketing. Paralelamente também atuava como docente do curso de Administração da Ulbra campus Carazinho, RS. Logo se desligou dessa última instituição e passou a atuar no Instituto de Ensino Superior de Santo Ângelo Iesa e na Unicruz, sempre no curso de Administração. Atualmente sua carreira acadêmica concentra-se como docente da Unijuí, alocada ao DEAd, com 20 horas de de dicação, e como hora-aula da Unicruz nos seus cursos de Graduação em 5

6 Administração, nos compone ntes de Teorias da Administração, Marketing e Vendas. Em cur sos de Pós-Graduação trabalh a ne s- tas duas instituições e em outras da região. Participa do Conselho Regional de Administração CRA-RS sendo representante da entidade, como forma de integração do meio acadêmico ao meio empresarial. Já foi coordenadora-adjunta do curso de Administração da Unijuí no campus Panambi, RS, onde exerceu suas atividades em 2006 e É prata da casa na casa pelo fato de a Unijuí ter feito parte da sua formação acadêmica e pela atuação profissional nesta instit uição. Edimara reside em Cruz Alta, RS, é casada com Mauricio Bastos Finger, que atua como servidor público federal Justiça Federal. Ainda não possui filhos, este é um sonho a ser realizado nos próximos anos. Com essa breve descrição espera ter se tornado um pouco mais conhecida e desta forma contribuir para a construção do conhecimento de outros acadêmicos. 6

7 Apresentação EaD Tendo em vista a dinâmica do ambiente em que as empresas estão inseridas, considerando a velocidade das mudanças políticas, econômicas e sociais, a abertura dos mercados, as novas tecnologias, que têm propiciado para as empresas maior conectividade e interação, a acirrada concorrência, a preocupação ambiental, as fusões entre as empresas, dentre outras tendências que se manifestam, torna-se necessário que as organizações mudem e se adaptem rapidamente a essas novas realidades a fim de se tornarem competitivas no mercado em que atuam. Isso tudo tem levado as organizações a buscarem formas de atuação que as diferenciem dos seus concorrentes, como uma alternativa de sobrevivência e manutenção dos seus negócios. Em função dessa perspectiva atual, as empresas estão cada vez mais se aprimorando por meio de estratégias inovadoras, investim entos em tecnologia, valorização das pessoas nas organizações e, ainda, concentrando suas ações em melhor atender às exigências dos seus clientes, buscando atingir padrões m undiais. Isso tem exigido das empresas verdadeiras redefinições de sua cadeia de valores, visando a atingir vantagens competitivas a longo prazo no mercado. Segundo Porter (1986), nesse processo se encontram e se adquirem vantagens competitivas em atividades de relevância estratégica para potenciais de diferenciação. Uma destas atividades, que deve fornecer as bases necessárias para uma vantagem competitiva, é o desenvolvimento do relacionamento comprador-vendedor. Principalmente quando se atua em setores nos quais o serviço pode vir a ser o grande diferenciador, pois a qualidade dos produtos de marcas similares, em muitos setores, é muito parecida, bem como o preço e a sua disposição no mercado, então o que poderia ser um alavancador e trazer a devida diferença é o trabalho que se faz no serviço ao cliente. Nesse sentido, cabe às organizações buscar formas de integração empresarial por meio do marketing de relacionamento, a fim de desenvolverem parcerias duradouras entre compradores e vendedores, para, assim, fornecerem serviços diferenciados para se manterem com- 7

8 petitivas numa economia globalizada. As empresas devem reavaliar seus relacionamentos com fornecedores, a partir da compreensão de que o sucesso a longo prazo depende da qualidade da relação que as empresas mantêm com suas estruturas fornecedoras. Diant e dessas preocupações, o pre sente componente curricular denominado de Marketing de Serviços e Relacionamentos tem por finalidade fazer com que você, aluno, num primeiro momento tenha conhecimento destas ênfases do marketing e, a partir disso, possa fazer uma reflexão de modo a vir a aplicar nas suas atividades a teoria aprendida. Cabe salientar que só é possível trazer neste momento este componente curricular, tendo em vista que você já deve ter domínio dos conceitos tratados nos demais componentes de marketing estudados até então, e com isso, possa vir a entender essas novas possibilidades de aplicabilidade da área do marketing. 8

9 O Que Vamos Estudar EaD Para que possamos dar conta do que se propõe este componente curricular e atingir nossos objetivos, organizamos o conteúdo em dez unidades, de maneira que se possa progredir nos conhecimentos de forma lógica e numa construção evolutiva. As seis primeiras unidades tratarão mais especificamente dos serviços e as quatro últimas abordarão o relacionamento. Obviamente que os conceitos de serviços e de relacionamentos se inter-relacionam, conforme veremos a seguir, uma vez que os serviços têm uma grande propensão de desenvolver relacionamentos com os clientes. Assim temos: UNIDADE 1: SERVIÇOS REVISÃO: Conceitos e Características dos Serviços Nesta unidade se buscará retomar os conceitos já tratados no livro-texto de Gestão de Marketing sobre as diferenças entre produtos e serviços e se buscará elucidar um pouco mais o que são as características dos serviços e o que envolve essa abordagem. É uma unidade que vem a alicerçar as demais que se seguirão, fazendo uma abordagem básica para que se possa entender o que se aprofundará no decorrer deste componente de Marketing de Serviços e Relacionamento. UNIDADE 2: SERVIÇOS IMPORTÂNCIA DOS SERVIÇOS E SUA EVOLUÇÃO NO BRASIL E NO MUNDO A segunda unidade tem a preocupação de demonstrar a importância do setor de serviços para nossa economia e também busca mostrar um pouco da sua história e evolução em termos nacionais e mundiais. UNIDADE 3: TIPOS DE SERVIÇOS E A RELAÇÃO DOS SERVIÇOS COM OS BENS Esta unidade analisará as diferentes tipologias dos serviços, demonstrando que os serviços diferem entre si em função da sua tangibilidade e do público a que se destina o consumo final ou o consumo organizacional, e ainda abordará a relação existente entre os produtos e os serviços. 9

10 UNIDADE 4: QUALIDADE EM SERVIÇOS Nesta unidade abordaremos superficialmente a escala para medição da qualidade dos serviços e também a escala de mensuração da performance dos serviços, trazendo essas possibilidades para que se possa medir os servi ços em termos de percepção dos clientes. Não nos aprofundaremos muito nesta linha, porque nosso intento é apenas demonstrar o que se tem neste sentido para você aluno. UNIDADE 5: O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE SERVIÇOS Assim como se estuda o comportamento do consumidor de produtos, temos nesta unidade o comportamento do consumidor de serviços, pois devido às diferenciações entre bens e serviços, o consumidor também age e reage de forma diferente. UNIDADE 6: RECUPERAÇÃO DE SERVIÇOS E A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTO Nesta unidade veremos que a recuperação de um servi ço deficitário na percepção do cliente é imprescindível para o sucesso da organização, e para isso contamos com a construção de relacionamentos como forma de estender as relações. UNIDADE 7: MARKETING DE RELACIONAMENTO: História e Conceitos Iniciais A sétima unidade tratará do Marketing de Relacionamento, trazendo sua história e os conceitos preliminares para que se possa passar para as unidades posteriores. UNIDADE 8: MARKETING DE RELACIONAMENTO: Trocas Relacionais, Tipos e Etapas Nesta unidade trataremos das trocas relacionais, fazendo um comparativo com as trocas transacionais e depois disso as tipologias possíveis de serem de senvolvidas no contexto do Marketing de Relacionamento e ainda as etapas para que se possa vir a construir essas relações. 10

11 UNIDADE 9: PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES, ATRIBUTOS DE MANUTENÇÃO E O PODER E O CONFLITO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO A unidade nove tem a preocupação de trazer os principais motivos que levam as organizações a se relacionarem, bem como o que devem fazer no sentido de se manterem nestas relações. Por fim, também se trará a questão do conflito e do poder neste contexto. UNIDADE 10: TECNOLOGIA E O MARKETING DE RELACIONAMENTO A última unidade traz o que se pode fazer no intento de se fomentar o estabelecimento de relações com o uso da tecnologia da informação. Abordaremos o CRM a Gestão do Relacionamento com o Cliente. Assim, nesta unidade discorremos acerca deste assunto, iniciando com os conceitos de CRM, os benefícios do CRM, aplicações do CRM e a instituição do CRM. 11

12

13 Unidade 1 EaD SERVIÇOS REVISÃO: Conceitos e Características dos Serviços Iniciamos a primeira unidade do componente curricular Marketing de Serviços e de Relacionamentos retomando um pouco alguns aspectos que vimos no componente Gestão de Marketing e que nos servirão de base para entendermos o que temos de tratar neste momento. Esta unidade, portanto, tem um caráter de retomada de conceitos trabalhados, para nas próximas unidades irmos mais a fundo no estudo do marketing dos serviços e do marketing de relacionamento. Então, cabe relembrar inicialmente que a entrega do serviço (estudado dentro dos níveis de canal, visto no P Praça, também chamado de Distribuição) possui um canal direto, ou seja, não há intermediários nesta relação. O que significa que os consumidores compram diretamente de quem está prestando ou vendendo aquele dado serviço. Este canal, além de ser considerado direto, é também chamado de nível zero, por não possuir nenhum intermediário. Por ex.: quando se contrata uma corrida de táxi, se vai direto ao motorista e se combina o destino desejado, já adquirindo o serviço, ocorrendo diretamente a sua prestação, sem intermediação. Além deste ponto a ser re tomado temos de relembrar as principais características dos serviços e no que eles diferem dos produtos. Assim, iniciamos pelo mix de marketing já estudado no componente de Gestão de Marketing, no qual explicava que o trabalho de marketing iniciava por uma oferta, e que esta oferta poderia vir a ser um produto, de cunho tangível, um serviço, não palpável, ou ainda uma mistura dos dois, ou seja, um produto com algum tipo de serviço atrelado a ele. E nesta linha estudamos no componente Gestão de Marketing as principais diferenças entre os produtos e os serviços e as possíveis adequações da teoria do marketing para adaptar-se a um ou a outro caso. 13

14 Dentro desta unidade sobre os Serviços tr aremos os seguintes temas: a definição de serviços e as principais diferenças entre produtos e serviços, as características dos serviços e a qualidade em serviços. Seção 1.1 O Que são Serviços? E o Que Mesmo os Difere dos Produtos? Para que possamos retomar um pouco este assunto, traremos novamente o conceito de produto e serviços e logo a seguir as principais característi cas dos serviços, pois assim teremos os subsídios necessários para adentrarm os na temática dos serviços. PRODUTO é qualquer coisa que possa ser oferecida a um mercado para atenção, aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os SERVIÇOS consistem em atividades, benefícios ou satisfações que são ofertadas para venda e que são essencialmente intangíveis. 14

15 Pelos conceitos expostos percebe-se que a oferta no mercado ocorre sob a forma de um produto, pois os produtos são combinações de partes físicas, tangíveis, e partes intangíve is. O que queremos dizer é que o produto é justamente aquilo que se oferece ao mercado para suprir uma demanda deste. O que ocorre na prática, porém, é que às vezes este produto vem na forma de um Ta ngível Significa algo que pode ser tocado, ou seja, palpável. In tan gível Significa algo que não pode ser tocado, ou seja, intocável. serviço, é aí que temos a distinção entre eles, apesar de serem ambos oferta, ou seja, o que se está oferecendo ao mercado. O grande desafio dos profissionais de marketing é identificar a parte intangível do produto e conseguir torná-lo tangível, ou seja, é a arte de vender produtos intangíveis ou mesmo em parte intangíveis. Vejamos um exemplo: Um relógio da marca Rolex tem uma parte tangível constituída de seus atributos ou características físicas, que proporcionam um desempenho cobiçado em todo o mundo. O Rolex, no entanto, tem uma parte intangível que é o status proporcionado a quem o usa. Muitas vezes a parte intangível pode tornar-se mais importante que a parte tangível. A noção de intangibilidade de um produto está associada aos benefícios que os produtos na parte intangível possam proporcionar. Por isso, é preciso tornar o benefício o mais atraente possível ao consumidor. Como? Acima de tudo conhecendo bem o produto e seus atributos e sabendo identificar o que as pessoas-clientes ou consumidores esperam que o produto faça por elas um benefício. É isso que as pessoas compram. Por exemplo, os clientes, na compra de uma cadeira, que é um bem tangível, também a compram pelo seu conforto, comodidade, design, be leza, etc. 15

16 Essa satisfação, portanto, pela qual um produto ou serviço deve atender, poderá vir a derivar de um produto tangível, como uma barra de sabão e seus benefícios, ou de um serviço propriamente, como um bom corte de cabelos. Pelo que se pode perceber é extremamente difícil definir o que são serviços. Grönroos (1993) afirma que um serviço é um fenômeno complexo tendo vários significados, variando de serviço pessoal a serviço como um produto. A grande variedade de serviços hoje disponíveis também contribui para a dificuldade de se definir o que seja, realmente, serviço ao cliente. Para elucidar, Bateson e Hoffman (2001, p. 34) explicam a questão de uma forma simples: um produto é algo que um consumidor compra e leva embora com ele ou consome ou, de alguma outra maneira, usa. Se não é físico, se não é algo que se pode levar embora ou consumir, então temos um serviço. Já Kotler (2000, p. 448) define serviços como qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra e que não resulta na propriedade de nada. Por fim, ainda definindo serviços, Las Casas (2002, p. 17) afirma que os serviços constituem um a transação realizada por uma empresa ou por um indivíduo, cujo objetivo não está associado à transferência de um bem. Diante dessa preocupação inicial em tentar definir e conceituar o que seja serviço propriamente, pensamos que o que apresentamos anteriormente seja o suficiente para dar essa noção inicial. Cabe-nos então, passar para a revisão das características dos serviços. 16

17 Seção 1.2 Características dos Serviços Para formular a estratégia de marketing de serviços, a empresa deve levar em consideração as seguintes características dos serviços: Intangibilidade: o serviço não tem aparência, nem consistência física, não pode ser tocado, cheirado e sentido. O cliente possui apenas lembranças ou resultados, como um cabelo bem cortado ou um maior conhecimento adquirido. Variabilidade: por se r realizado por pessoas, tor na-se difícil mant er alto grau de padronização pe rmanente. Por exemplo, hoje você corta seu cabelo, daqui a um tempo volta no mesmo salão de beleza, com a mesma cabeleireira e pede o mesmo corte, que não necessariamente ficará idêntico ao de tempos atrás, pois o mesmo é realizado por pessoas e não por máquinas, que são programadas e sempre trabalham com uma certa uniformidade. Perecibilidade: é impossível armazenar o serviço, não podemos comprar uma massagem e levar para consumir em casa, por exemplo, como compramos um bem. Então, os serviços só podem ser usados no momento em que são oferecidos. Ausência de estoque: em decorrência da sua perecibilidade, como é produzido no momento da aquisição não se acumula estoque. Simultaneidade entre a produção e o consumo, estamos consumindo na medida que o serviço é produzido e influenciamos esta produção enquanto consumidores. Envolvimento do cliente no processo, pois estamos participando como receptores deste serviço, e acabamos nos envolvendo e opinando sobre como gostamos e gostaríamos que fosse realizado. O cliente pode estar a par da produção dos serviços. Desta forma, então, as pessoas constituem parte do serviço. 17

18 As dificuldades para os clientes avaliarem: como é algo intangível, fica difícil haver comparações. Quando se têm dois produtos nas mãos torna-se mais fácil olhar para um e para o outro, verificar os pontos positivos e negativos de cada um, e a relação custo-benefício para escolher o mais adequado. Assim, serviços são mais difíceis de serem medidos, testados ou verificados antes da entrega. O sistema de entrega pode ser feito por meio de um canal físico ou eletrônico (Internet). A partir dessas características podemos classificar os serviços. Estes podem ser diferenciados e classificados de acordo com as seguintes características: Relação com os clientes Perecibilidade Intangilibilidade Inseparabilidade Esforço do cliente Uniformidade Vejamos cada uma dessas características a seguir. Relação com os clientes: em muitos casos, os profissionais de marketing têm uma relação pessoal contínua com seus clientes. Esse relacionamento é especialmente provável quando o provedor do serviço é um profissional liberal, como um médico, um advogado ou um consultor. Em conseqüência disso, o sucesso de uma organização de ser viços muitas vezes depende de sua capacidade de desenvolver relações com os clientes e de prestar serviços de qualidade. Perecibilidade: serviços são perecíveis, ou seja, se um serviço não for usado quando oferecido, não pode mais sê-lo. Por exemplo, se ninguém marcar hora com o massagista para as 19 horas de quinta nenhuma massagem será vendida nesse horário. 18

19 Intangibilidade: muitas compras efetuadas por nós incluem bens tangíveis e intangíveis. Por exemplo, a compra de um terno pode incluir ajustes; uma refeição num restaurante inclui comida e serviço de mesa, e um seminário pode incluir palestras e material de escritório. Do lado dos bens está a propriedade de algum objeto, seja este uma caneta ou um prédio comercial. Do lado dos serviços estão os benefícios intangíveis, como tornar-se bem instruído. Por exemplo, o transporte aéreo é um ser viço baseado em algo intangível (transportar pessoas de um destino para outro de avião), mas inclui bens tangíveis, como comida e bebida, etc. Inseparabilidade: em muitos casos, o serviço não pode ser separado da pessoa do vendedor. Por exemplo, um médico é necessário para executar uma cirurgia plásti ca, assim como é preciso um consultor para prestar assessor ia a uma determinada empresa. Esforço do cliente: os clie ntes participam muitas vezes numa certa medida da produção de muitos tipos de serviços. Se você for fazer um corte de cabelo irá passar determinado tempo no salão com um cabeleireiro fazendo o citado corte. Claro que nem todos os serviços demandam o mesmo grau de esforço do cliente. Uniformidade: a qualidade dos serviços pode variar mais do que a qualidade dos bens. Os serviços são executados, na maioria das vezes, por pessoas, e adaptados a cada cliente, portanto não há como se ter a mesma uniformidade na produção dos produtos. Essa classificação se faz importante, pois há uma influência destas no desenvolvimento de estratégias de marketing em sua prática. É importante conhecer essas distinções entre bens e serviços para poder ter essa visão, e a partir dessa poder adaptar o que vimos nesta unidade, caso a caso. Para Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000), os bens têm dominância do tangível, possuindo propriedades físicas que podem ser sentidas, provadas e vistas antes da decisão de compra do cliente, enquanto os serviços têm dominância do i ntangível e, portanto, não possuem propriedades que os clientes possam avaliar antes da compra. 19

20 Seção 1.3 Qualidade em Serviços Zeithaml e Bitner (2003), Czinkota (2001), Bateson e Hoffman (2001), Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000) apresentam dessa forma as dimensões da qualidade em serviços: Confiabilidade Responsividade Segurança Empatia Tangibilidade Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000) afirmam que estas cinco dimensões são empregadas pelos clientes para fazer julgamentos sobre a qualidade dos serviços, baseando-os na comparação entre o serviço esperado e o serviço percebido (o serviço esperado ainda sofre influências da propaganda boca-a-boca, das necessidades pessoais e das experiências passadas). A diferença entre a qualidade do serviço esperado e o serviço percebido é uma medida de qualidade do serviço. A satisfação, então, poderá ser negativa ou positiva. Cada uma dessas dimensões será mais bem trabalhada na Unidade 4, apresentada posteriormente. A qualidade de um ser viço é definida pelo cliente. Sua mensuração é um desafio, pois a satisfação do cliente é determinada por muitos fatores intangíveis. A realização de pesquisas com os clientes para medir a qualidade revela os pontos fortes e fracos dos serviços de uma empresa sob a perspectiva daqueles que os experimentam (Berr y, 1996). Outra questão relevante, que também cabe destacar, é que tendo conhecimento dessas características que compõem os serviços surge um enorme desafio para os profissionais de marketing que trabalham com serviços no sentido de torná-los mais visíveis e palpáveis, para tentar amenizar a intangibilidade. 20 Quando se compra um bem, e se têm ele em mãos, se pode cheirar, tocar, sentir e perceber se nos serve ou não, se é o que procuramos ou não, diferentemente do serviço.

21 Sendo assim, para vender um serviço é necessário torná-lo o mais visual e atrativo possível, por exemplo, elaborando um folder ilustrativo contendo outros trabalhos realizados para outros clientes, pois assim se oferece uma certa segurança ao cliente, que poderá ter uma idéia mais clara do que irá comprar. A partir dessa exposição inicial citaremos a seguir algumas atividades no setor de serviços para que você possa ter ainda mais presente o que essa noção envolve: bancos, poupança e financeiras restaurantes, hotéis, bares e pensões seguradoras notícias e entretenimento transportes (de carga e de passageiros) assistência médica educação atacado e varejo 21

22 lavanderias consertos e manutenção profissionais (ex.: advogados, engenheiros, arquitetos, consultores, etc.) Tendo então esses aspectos retomados quanto aos serviços, no estudo que já fizemos, vamos adiante no sentido de compreendermos com maior profundidade o estudo do marketing de serviços. Com suas próprias palavras, a partir dessa revisão inicial sobre os serviços, responda às seguintes questões: a) defina serviços b) apresente a distinção entre produtos e serviços c) cite os principais desafios para quem comercializa serviços Vamos lá!!!!!!! 22

23 Unidade 2 EaD SERVIÇOS: Importância dos Serviços e Sua Evolução no Brasil e no Mundo PIB O PIB (Produto Interno Bruto) represen ta a so ma das riquezas produzid as pelo país e é formad o p elo desemp enho da agropecuária, indú stria e serviços. Agora que já temos uma idéia mais fundamentada do que seja o estudo do marketing dos serviços, abordaremos nesta unidade a importância do setor dos serviços e, nesse sentido, a evolução dos serviços, uma vez que sua importância, no decorrer dos tempos, nem sempre foi como é vista recentemente. Seção 2.1 Importância dos Serviços O setor de serviços, ou também chamado setor terciário, vem tendo participação crescente no Produto Interno Bruto (PIB) das grandes economias mundiais, tanto que de acordo com estatísticas recentes cerca de 70% do Produto Nacional Bruto e dos empregos nos Estados Unidos concentram-se no setor de serviços. No Brasil ocorre a mesma tendência. Em São Paulo, por exemplo, 52% dos empregados no setor formal da economia estavam alocados no setor de serviços em 1998 (Dias et al, 2003). Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geograf ia e Estatística (IBGE) de 2007, o setor de serviços representa 65,8% da economia do Brasil. Comparando aos demais setores, só para termos parâmetros, a indústria representa 28,7%, enquanto o setor agropecuário contribui com 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB). 23

24 Commod ity Produto primário, especialmen te um de grande participação n o mercado internacional, como café, algodão, minério de ferro, etc. No ano de 2007 o crescimento dos serviços foi de 4,7%. Este aumento do setor foi puxado pelos setores da intermediação financeira e dos seguros (13%), dos serviços de informação (8%), do comércio (7,6%), do transpor te, da armazenagem e do correio (4,8%), dos serviços imobiliários e do aluguel (3,5%), segundo dados do IBGE de Podemos afirmar que o setor de serviços vem se desenvolvendo gradativamente, hoje representando expressiva parcela da economia, conforme os números apresentados anteriormente, pois vivemos e trabalhamos numa economia centrada em serviços e sensível a eles. Cabe destacar que os produtos industrializados estão se transformando em co mmodities, s alientando assim a qualidade e a variedade dos serviços complementares como fatores que cada vez mais fazem a diferença entre o sucesso e o fracasso no mercado. Além disso, é oportuno lembrar que quanto mais se desenvolve uma sociedade, mais esta irá necessitar de serviços. Hoje, por exemplo, as pessoas não têm mais tempo para lavar o carro em casa. Surgiram então com força as lavagens de carro por todo o lado. Também não há mais tempo, com a mulher trabalhando fora, de fazer comida em casa, fomentando os restaurantes de comida caseira a quilo, e muitos outros afazeres, tais como: cuidar do jardim, lavar a roupa, limpar a casa, etc. De acordo com o Strategic Planning Institute, de Cambridge, Massachusetts, citado por Albrecht e Zemke (2002, p. 27), as empresas que enfatizam e prestam serviços de alta qualidade aumentam com mais rapidez a participação no mercado e apresentam retorno sobre as vendas mais alto do que aquelas nas quais os serviços, além da qualidade questionável, são preocupações secundárias e de baixa prioridade. 24

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO Prof. Marcelo Mello Unidade I GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Objetivos gerenciamento de serviços Utilizar modelos de gestão e desenvolvimento voltados para o segmento de prestação de serviços em empresas de

Leia mais

Marketing. Entender e Atender o Mercado. Vendas Propaganda

Marketing. Entender e Atender o Mercado. Vendas Propaganda Cláudio Silvestre Marketing Vendas Propaganda Pesquisa Experimentação Design Definição de Preço Estratégia de distribuição Estabelecimento de Parcerias Etc... Entender e Atender o Mercado Razões do Marketing

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

SPD II - 2012. Sistemas Produtivos II

SPD II - 2012. Sistemas Produtivos II SPD II - 2012 A Produção exerce um papel estratégico nas organizações, o qual precisa ser compreendido claramente. A configuração dos processos produtivos depende de características de produtos e mercados,

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

As características e elementos dos serviços

As características e elementos dos serviços Estratégia da empresa. As características e elementos dos serviços Capítulo 2 Ambiente Outros atores Concorrentes Parceiros Estratégia de operações Preço O famoso framework Lucratividade de Corrêa & Caon

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

intangível e o Gestão de Negócios Eletrônicos em Empresas Informativas Entendendo Entendendo www.ricardoalmeida.adm.br

intangível e o Gestão de Negócios Eletrônicos em Empresas Informativas Entendendo Entendendo www.ricardoalmeida.adm.br Gestão de Negócios Eletrônicos em Empresas Informativas www.ricardoalmeida.adm.br ricardoalmeida@ricardoalmeida.adm.br Apoio: Entendendo É difícil definir o termo serviço o porque, invariavelmente, ele

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS Marketing O que é para você? Como se faz? Quais os pontos chaves? Quais as maiores dificuldades? Marketing Vendas? Promoção? Publicidade? Marketing Simplificar

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços Capítulo 8 Estratégia de Produtos e Serviços 1 O Que é um Produto? Um Produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e para satisfazer um desejo ou uma necessidade.

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

Administração. Introdução. Atividades Industriais 5/9/2012. Gestão de Operações e Qualidade I. Profa: Ma. Patricia Brecht Innarelli

Administração. Introdução. Atividades Industriais 5/9/2012. Gestão de Operações e Qualidade I. Profa: Ma. Patricia Brecht Innarelli Administração Profa: Ma. Patricia Brecht Innarelli Gestão de Operações e Qualidade I Introdução Está relacionada às atividades de produção de bens físicos ou a produção/prestação de serviços. De acordo

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Lean Business e Lean Office

Lean Business e Lean Office 1 Pós Graduação em Engenharia Produção Ênfase na Produção Enxuta Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Disciplina: Lean Business e Lean Office SISTEMAS PRODUÇÃO Um conjunto (finito!) elementos - humanos,

Leia mais

MARKETING COOPERATI VO

MARKETING COOPERATI VO MARKETING COOPERATI VO UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD Coleção Educação a Distância Série

Leia mais

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Plano de negócio Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Estrutura do plano de negócio Capa Sumário 1. Sumário executivo 2. Analise estratégica 3. Descrição da empresa 4. Produtos e serviços 5. Plano

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Marketing de Serviços

Marketing de Serviços 2 Marketing de Serviços Marcos Kahtalian 1 Um Panorama do Serviço Vivemos em uma economia de serviços. As estatísticas variam um pouco, mas de modo geral é possível atribuir 70% de toda a riqueza mundial

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

Fiorella Del Bianco. ... há alguma diferença? Tema: definição de serviços, suas características e particularidades.

Fiorella Del Bianco. ... há alguma diferença? Tema: definição de serviços, suas características e particularidades. Fiorella Del Bianco Tema: definição de serviços, suas características e particularidades. Objetivo: apresentar as características dos serviços com o objetivo de possibilitar o desenvolvimento de estratégias

Leia mais

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02

Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Conceituação e Entendimento da Gestão Estratégica Parte 02 Agenda: Organização X Empresa Empresas de Serviços Classificação Tipos de Clientes Ciclo de Vida Por que gerenciar estrategicamente uma empresa

Leia mais

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão

Sistemas de Informação. O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Sistemas de Informação O uso de sistemas de informações como ferramentas de gestão Objetivos Impactos na gestão das empresas: Macro mudanças no ambiente Novas tecnologias de comunicação e informática Macro

Leia mais

O que significa Gestão de Operações?

O que significa Gestão de Operações? O que significa Gestão de Operações? Introdução à Gestão de Operações QUESTÕES BÁSICAS Quais são as similaridades entre todas as operações produtivas? Como as operações produtivas diferem umas das outras?

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

MÓDULO BÁSICO. PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação

MÓDULO BÁSICO. PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação MÓDULO BÁSICO PROFESSOR GREGÓRIO VARVAKIS E PROFESSOR PAULO DIAS Introdução à Gestão da Inovação Realização: INTRODUÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO SUMÁRIO UNIDADE 1 Inovação: o que é e quais os tipos? 1.1 O

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. 1 ANÁLISE DA QUALIDADE DE SERVIÇO PERCEBIDA: aplicação do modelo SERVQUAL em uma Instituição de Ensino. RESUMO Camila Rezende Bambirra 1 Ronaldo Maciel Guimarães 2 Este artigo tem como objetivo Identificar

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742

Data Warehouse - DW ADM. MARTÍN GLASS CRA/MT 4742 Data Warehouse - DW Data Warehouse (Armazém de Dados) é um depósito integrado de informações, disponíveis para análise e para a construção de filtros de busca; Centraliza informações localizadas em diferentes

Leia mais

Curso Gestão da Qualidade Qualidade de Serviços

Curso Gestão da Qualidade Qualidade de Serviços Gestão da Qualidade Qualidade em Serviços Clientes Diferentes... Expectativas Diferentes Resultados Diferentes 1 Parte 1 Serviços: Definições e Características Gerais O Crescimento dos Serviços País 1980

Leia mais

Módulo 15. Novos modelos de distribuição

Módulo 15. Novos modelos de distribuição Módulo 15. Novos modelos de distribuição No mercado existem as chamadas destinações de compra, assim denominadas por conter uma determinada aglomeração de estabelecimentos comerciais que se tornam áreas

Leia mais

Serviços: conceitos, características, natureza

Serviços: conceitos, características, natureza Serviços: conceitos, características, natureza Os diversos setores de serviços constituem, certamente, a parte da economia das nações que mais se desenvolve atualmente no mundo, atuando em segmentos tradicionais,

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior por Maurício Garcia*, agosto de 2005 A influência do modelo público A maioria das instituições privadas de ensino superior copiou,

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

Informações Financeiras. Sistema de Franquias

Informações Financeiras. Sistema de Franquias Informações Financeiras Sistema de Franquias Sistema de Franquias Somos uma loja que nasceu em Porto Alegre, somos especialista em moda masculina, e, em satisfazer e encantar os clientes. Com nosso sistema

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO LAVANDERIA ESPECIALIZADA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros.

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros. Administração da Produção Prof. Paulo Medeiros. Evolução Histórica A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam a transformação de um bem tangível, ou serviço, em outro com maior

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO GALERIA E CENTRO DE ARTES 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada.

O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada. O que é MARKETING? As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer alguma coisa. Deviam preocupar-se mais com os custos de não fazer nada. Philip Kotler O objetivo do marketing é tornar a venda supérfula.

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria

Introdução à Gestão Financeira e Controladoria Mario da Silva Oliveira O único propósito de um negócio é criar um cliente! (Peter Drucker) O único propósito de um negócio e fazer com que ele retorne! (Walker & Lundberg) 1 1. A Conceituação do Empreendimento

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E-COMMERCE - FLORICULTURA VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Item 2 - Marketing. Item 2.2- Marketing em empresas de serviços

Item 2 - Marketing. Item 2.2- Marketing em empresas de serviços Item 2 - Marketing Item 2.2- Marketing em empresas de serviços Item 2 - Marketing Item 2.2 - Marketing em empresas de serviços: SETOR DE SERVIÇOS Item 2 - Marketing Item 2.2 - Marketing em empresas de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Marcelo Ivanir Peruzzo

Marcelo Ivanir Peruzzo 5 Web Marketing Marcelo Ivanir Peruzzo É comum as pessoas utilizarem o termo marketing nas mais variadas situações, como na política: Ele está fazendo uma jogada de marketing para conquistar o cargo de

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO Os 4 Ps CONCEITO DE PRODUTO E SERVIÇO Um produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo. Serviço é qualquer ato ou desempenho, essencialmente

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

E X E M P L O S I N O V A Ç Ã O

E X E M P L O S I N O V A Ç Ã O E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 1 3 Exemplos de Inovação... 3 Inovação de produto (Bens / Serviços)... 3 Exemplos de inovações de produto... 4 Bens... 4 Serviços... 4 Diferenças entre bens e serviços...

Leia mais

Conceito de Marketing

Conceito de Marketing Conceito de Marketing Marketing é uma função organizacional e uma série de processos para a criação, comunicação e entrega de valor para clientes, e para a gerência de relacionamentos com eles de forma

Leia mais

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIAS DE MARKETING DA EDUCAÇÃO INFANTIL DO COLÉGIO EVANGÉLICO PANAMBI

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIAS DE MARKETING DA EDUCAÇÃO INFANTIL DO COLÉGIO EVANGÉLICO PANAMBI 1 UNIJUÍ Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação Curso de Administração Campus Panambi DIAGNÓSTICO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais