UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VRG COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD Coleção Educação a Distância Série Livro-Texto Edimara Daronco MARKETING DE SERVIÇOS E RELACIONAMENTOS Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil

2 2008, Editora Unijuí Rua do Comé rcio, Ijuí - RS - Brasil Fone: (0 55) Fax: (0 55) Editor: Gilmar Ant onio Bedin Editor-adjunto: Joel Corso Capa: Elias Ricardo Schüssler Designer Educacional: Jociane Dal Molin Responsabilidade Editorial, Gráfica e Administrativa: Editora Unijuí da Universi dade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí; Ijuí, RS, Brasil) Catalogação na Publicação: Biblioteca Universitária Mario Osorio Marques Unijuí D224g Daronco, Edimara. Marketing de serviços e relacionamentos / Edimara Daronco. Ijuí : Ed. Unijuí, p. (Coleção educação a distância. Série livro-texto). ISBN Marketing. 2. Serviços. 3. Marketing d e relacionamentos. I. Título. II. Série. CDU :

3 Sumário EaD CONHECENDO A PROFESSORA... 5 APRESENTAÇÃO... 7 O QUE VAMOS ESTUDAR... 9 UNIDADE 1: SERVIÇOS REVISÃO: Conceitos e Características dos Serviços Seção 1.1 O Que são Serviços? E o que Mesmo os Difere dos Produtos? Seção 1.2 Características dos Serviços Seção 1.3 Qualidade em Serviços UNIDADE 2: SERVIÇOS: Importância dos Serviços e Sua Evolução no Brasil e no Mundo Seção 2.1 Importância dos Serviços Seção 2.2 A Evolução dos serviços UNIDADE 3: TIPOS DE SERVIÇOS E A SUA RELAÇÃO COM OS BENS Seção 3.1 Tipos de Serviços Seção 3.2 Diferenças entre Marketing de Serviços e de Bens Seção 3.3 A História dessa Di ferenciação como é Vista Hoje: produtos x serviços Seção 3.4 Necessária Participação do Cliente e suas Implicações Seção 3.5 Intangibilidade e suas Implicações UNIDADE 4: QUALIDADE EM SERVIÇOS Seção 4.1 Qualidade e Satisfação dos Serviços Seção 4.2 Escala Servqual Seção 4.3 Escala Servperf UNIDADE 5: O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE SERVIÇOS Seção 5.1 Características do Processo de Compra de Serviços Seção 5.2 O Comprador de serviços

4 UNIDADE 6: RECUPERAÇÃO DE SERVIÇOS E A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTO Seção 6.1 Como Recuperar Serviços? Seção 6.2 Marketing de Serviços x Marketing de Relacionamento UNIDADE 7: MARKETING DE REL ACIONAMENTO: História e Conceitos Iniciais Seção 7.1 Origens e História do Marketing de Relacionamento Seção 7.2 Conceitos de: Marketing, Relacionamento e Marketing de Relacionamento Seção 7.3: Marketing como Processo de Troca: fundamentos do Marketing de Relacionamento UNIDADE 8: MARKETING DE RELACIONAMENTO: Trocas Relacionais, Tipos de Trocas e Etapas do Marketing de Relacionamento Seção 8.1 Dimensões das Relações: trocas discretas e relacionais Seção 8.2 Os Tipos de Trocas Seção 8.3 Modelos de Desenvolvimento de Relacionamento UNIDADE 9: PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES, ATRIBUTOS DE MANUTENÇÃO E O PODER E O CONFLITO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO Seção 9.1 Principais Motivações para o Marketing de Relacionamento Seção 9.2 Atributos Necessários para a Manutenção de Relacionamentos Seção 9.3 Marketing de Relacionamento, Poder e Conflito UNIDADE 10: TECNOLOGIA E O MARKETING DE RELACIONAMENTO Seção 10.1 O que vem a ser CRM? Seção 10.2 Benefícios do CRM Seção 10.3 Aplicações do CRM Seção 10.4 Estabelecimento do CRM REFERÊNCIAS

5 Conhecendo a Professora EaD EDIMARA DARONCO É natural de Cruz Alta/RS, onde cursou o Ensino Fundame ntal e Mé dio na Escola Santíssima Trindade. Filha de Edemar e Lourdes Daronco, empresári os do ramo do comércio vareji sta de materiais de construção, logo cedo teve um contato dire to com esse meio, o que a levou a cursar Administração. Então, com 16 anos, ingressou no curso de Administração na Unijuí. Com o término do curso em 1997 continuou suas atividades na empresa da família, mas mesmo com essa atuação, consideravase muito jovem para parar de estudar. Foi no outro ano então, no final de 1998, que ingressou no curso de Mestrado em Administração na UFRGS, com ênfase em Marketing, um sonho que se consolidava. Em agosto de 2001 ingressou na Unijuí como docente do Departamento de Estudos da Administração DEAd a partir de um concurso para professor do plano de carreira, ainda na condição de mest randa, pois naquele mesmo ano, em dezembro, defendeu sua dissertação e recebeu a titulação de Mestre em Administração com ênfase em Marketing. Paralelamente também atuava como docente do curso de Administração da Ulbra campus Carazinho, RS. Logo se desligou dessa última instituição e passou a atuar no Instituto de Ensino Superior de Santo Ângelo Iesa e na Unicruz, sempre no curso de Administração. Atualmente sua carreira acadêmica concentra-se como docente da Unijuí, alocada ao DEAd, com 20 horas de de dicação, e como hora-aula da Unicruz nos seus cursos de Graduação em 5

6 Administração, nos compone ntes de Teorias da Administração, Marketing e Vendas. Em cur sos de Pós-Graduação trabalh a ne s- tas duas instituições e em outras da região. Participa do Conselho Regional de Administração CRA-RS sendo representante da entidade, como forma de integração do meio acadêmico ao meio empresarial. Já foi coordenadora-adjunta do curso de Administração da Unijuí no campus Panambi, RS, onde exerceu suas atividades em 2006 e É prata da casa na casa pelo fato de a Unijuí ter feito parte da sua formação acadêmica e pela atuação profissional nesta instit uição. Edimara reside em Cruz Alta, RS, é casada com Mauricio Bastos Finger, que atua como servidor público federal Justiça Federal. Ainda não possui filhos, este é um sonho a ser realizado nos próximos anos. Com essa breve descrição espera ter se tornado um pouco mais conhecida e desta forma contribuir para a construção do conhecimento de outros acadêmicos. 6

7 Apresentação EaD Tendo em vista a dinâmica do ambiente em que as empresas estão inseridas, considerando a velocidade das mudanças políticas, econômicas e sociais, a abertura dos mercados, as novas tecnologias, que têm propiciado para as empresas maior conectividade e interação, a acirrada concorrência, a preocupação ambiental, as fusões entre as empresas, dentre outras tendências que se manifestam, torna-se necessário que as organizações mudem e se adaptem rapidamente a essas novas realidades a fim de se tornarem competitivas no mercado em que atuam. Isso tudo tem levado as organizações a buscarem formas de atuação que as diferenciem dos seus concorrentes, como uma alternativa de sobrevivência e manutenção dos seus negócios. Em função dessa perspectiva atual, as empresas estão cada vez mais se aprimorando por meio de estratégias inovadoras, investim entos em tecnologia, valorização das pessoas nas organizações e, ainda, concentrando suas ações em melhor atender às exigências dos seus clientes, buscando atingir padrões m undiais. Isso tem exigido das empresas verdadeiras redefinições de sua cadeia de valores, visando a atingir vantagens competitivas a longo prazo no mercado. Segundo Porter (1986), nesse processo se encontram e se adquirem vantagens competitivas em atividades de relevância estratégica para potenciais de diferenciação. Uma destas atividades, que deve fornecer as bases necessárias para uma vantagem competitiva, é o desenvolvimento do relacionamento comprador-vendedor. Principalmente quando se atua em setores nos quais o serviço pode vir a ser o grande diferenciador, pois a qualidade dos produtos de marcas similares, em muitos setores, é muito parecida, bem como o preço e a sua disposição no mercado, então o que poderia ser um alavancador e trazer a devida diferença é o trabalho que se faz no serviço ao cliente. Nesse sentido, cabe às organizações buscar formas de integração empresarial por meio do marketing de relacionamento, a fim de desenvolverem parcerias duradouras entre compradores e vendedores, para, assim, fornecerem serviços diferenciados para se manterem com- 7

8 petitivas numa economia globalizada. As empresas devem reavaliar seus relacionamentos com fornecedores, a partir da compreensão de que o sucesso a longo prazo depende da qualidade da relação que as empresas mantêm com suas estruturas fornecedoras. Diant e dessas preocupações, o pre sente componente curricular denominado de Marketing de Serviços e Relacionamentos tem por finalidade fazer com que você, aluno, num primeiro momento tenha conhecimento destas ênfases do marketing e, a partir disso, possa fazer uma reflexão de modo a vir a aplicar nas suas atividades a teoria aprendida. Cabe salientar que só é possível trazer neste momento este componente curricular, tendo em vista que você já deve ter domínio dos conceitos tratados nos demais componentes de marketing estudados até então, e com isso, possa vir a entender essas novas possibilidades de aplicabilidade da área do marketing. 8

9 O Que Vamos Estudar EaD Para que possamos dar conta do que se propõe este componente curricular e atingir nossos objetivos, organizamos o conteúdo em dez unidades, de maneira que se possa progredir nos conhecimentos de forma lógica e numa construção evolutiva. As seis primeiras unidades tratarão mais especificamente dos serviços e as quatro últimas abordarão o relacionamento. Obviamente que os conceitos de serviços e de relacionamentos se inter-relacionam, conforme veremos a seguir, uma vez que os serviços têm uma grande propensão de desenvolver relacionamentos com os clientes. Assim temos: UNIDADE 1: SERVIÇOS REVISÃO: Conceitos e Características dos Serviços Nesta unidade se buscará retomar os conceitos já tratados no livro-texto de Gestão de Marketing sobre as diferenças entre produtos e serviços e se buscará elucidar um pouco mais o que são as características dos serviços e o que envolve essa abordagem. É uma unidade que vem a alicerçar as demais que se seguirão, fazendo uma abordagem básica para que se possa entender o que se aprofundará no decorrer deste componente de Marketing de Serviços e Relacionamento. UNIDADE 2: SERVIÇOS IMPORTÂNCIA DOS SERVIÇOS E SUA EVOLUÇÃO NO BRASIL E NO MUNDO A segunda unidade tem a preocupação de demonstrar a importância do setor de serviços para nossa economia e também busca mostrar um pouco da sua história e evolução em termos nacionais e mundiais. UNIDADE 3: TIPOS DE SERVIÇOS E A RELAÇÃO DOS SERVIÇOS COM OS BENS Esta unidade analisará as diferentes tipologias dos serviços, demonstrando que os serviços diferem entre si em função da sua tangibilidade e do público a que se destina o consumo final ou o consumo organizacional, e ainda abordará a relação existente entre os produtos e os serviços. 9

10 UNIDADE 4: QUALIDADE EM SERVIÇOS Nesta unidade abordaremos superficialmente a escala para medição da qualidade dos serviços e também a escala de mensuração da performance dos serviços, trazendo essas possibilidades para que se possa medir os servi ços em termos de percepção dos clientes. Não nos aprofundaremos muito nesta linha, porque nosso intento é apenas demonstrar o que se tem neste sentido para você aluno. UNIDADE 5: O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE SERVIÇOS Assim como se estuda o comportamento do consumidor de produtos, temos nesta unidade o comportamento do consumidor de serviços, pois devido às diferenciações entre bens e serviços, o consumidor também age e reage de forma diferente. UNIDADE 6: RECUPERAÇÃO DE SERVIÇOS E A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTO Nesta unidade veremos que a recuperação de um servi ço deficitário na percepção do cliente é imprescindível para o sucesso da organização, e para isso contamos com a construção de relacionamentos como forma de estender as relações. UNIDADE 7: MARKETING DE RELACIONAMENTO: História e Conceitos Iniciais A sétima unidade tratará do Marketing de Relacionamento, trazendo sua história e os conceitos preliminares para que se possa passar para as unidades posteriores. UNIDADE 8: MARKETING DE RELACIONAMENTO: Trocas Relacionais, Tipos e Etapas Nesta unidade trataremos das trocas relacionais, fazendo um comparativo com as trocas transacionais e depois disso as tipologias possíveis de serem de senvolvidas no contexto do Marketing de Relacionamento e ainda as etapas para que se possa vir a construir essas relações. 10

11 UNIDADE 9: PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES, ATRIBUTOS DE MANUTENÇÃO E O PODER E O CONFLITO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO A unidade nove tem a preocupação de trazer os principais motivos que levam as organizações a se relacionarem, bem como o que devem fazer no sentido de se manterem nestas relações. Por fim, também se trará a questão do conflito e do poder neste contexto. UNIDADE 10: TECNOLOGIA E O MARKETING DE RELACIONAMENTO A última unidade traz o que se pode fazer no intento de se fomentar o estabelecimento de relações com o uso da tecnologia da informação. Abordaremos o CRM a Gestão do Relacionamento com o Cliente. Assim, nesta unidade discorremos acerca deste assunto, iniciando com os conceitos de CRM, os benefícios do CRM, aplicações do CRM e a instituição do CRM. 11

12

13 Unidade 1 EaD SERVIÇOS REVISÃO: Conceitos e Características dos Serviços Iniciamos a primeira unidade do componente curricular Marketing de Serviços e de Relacionamentos retomando um pouco alguns aspectos que vimos no componente Gestão de Marketing e que nos servirão de base para entendermos o que temos de tratar neste momento. Esta unidade, portanto, tem um caráter de retomada de conceitos trabalhados, para nas próximas unidades irmos mais a fundo no estudo do marketing dos serviços e do marketing de relacionamento. Então, cabe relembrar inicialmente que a entrega do serviço (estudado dentro dos níveis de canal, visto no P Praça, também chamado de Distribuição) possui um canal direto, ou seja, não há intermediários nesta relação. O que significa que os consumidores compram diretamente de quem está prestando ou vendendo aquele dado serviço. Este canal, além de ser considerado direto, é também chamado de nível zero, por não possuir nenhum intermediário. Por ex.: quando se contrata uma corrida de táxi, se vai direto ao motorista e se combina o destino desejado, já adquirindo o serviço, ocorrendo diretamente a sua prestação, sem intermediação. Além deste ponto a ser re tomado temos de relembrar as principais características dos serviços e no que eles diferem dos produtos. Assim, iniciamos pelo mix de marketing já estudado no componente de Gestão de Marketing, no qual explicava que o trabalho de marketing iniciava por uma oferta, e que esta oferta poderia vir a ser um produto, de cunho tangível, um serviço, não palpável, ou ainda uma mistura dos dois, ou seja, um produto com algum tipo de serviço atrelado a ele. E nesta linha estudamos no componente Gestão de Marketing as principais diferenças entre os produtos e os serviços e as possíveis adequações da teoria do marketing para adaptar-se a um ou a outro caso. 13

14 Dentro desta unidade sobre os Serviços tr aremos os seguintes temas: a definição de serviços e as principais diferenças entre produtos e serviços, as características dos serviços e a qualidade em serviços. Seção 1.1 O Que são Serviços? E o Que Mesmo os Difere dos Produtos? Para que possamos retomar um pouco este assunto, traremos novamente o conceito de produto e serviços e logo a seguir as principais característi cas dos serviços, pois assim teremos os subsídios necessários para adentrarm os na temática dos serviços. PRODUTO é qualquer coisa que possa ser oferecida a um mercado para atenção, aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os SERVIÇOS consistem em atividades, benefícios ou satisfações que são ofertadas para venda e que são essencialmente intangíveis. 14

15 Pelos conceitos expostos percebe-se que a oferta no mercado ocorre sob a forma de um produto, pois os produtos são combinações de partes físicas, tangíveis, e partes intangíve is. O que queremos dizer é que o produto é justamente aquilo que se oferece ao mercado para suprir uma demanda deste. O que ocorre na prática, porém, é que às vezes este produto vem na forma de um Ta ngível Significa algo que pode ser tocado, ou seja, palpável. In tan gível Significa algo que não pode ser tocado, ou seja, intocável. serviço, é aí que temos a distinção entre eles, apesar de serem ambos oferta, ou seja, o que se está oferecendo ao mercado. O grande desafio dos profissionais de marketing é identificar a parte intangível do produto e conseguir torná-lo tangível, ou seja, é a arte de vender produtos intangíveis ou mesmo em parte intangíveis. Vejamos um exemplo: Um relógio da marca Rolex tem uma parte tangível constituída de seus atributos ou características físicas, que proporcionam um desempenho cobiçado em todo o mundo. O Rolex, no entanto, tem uma parte intangível que é o status proporcionado a quem o usa. Muitas vezes a parte intangível pode tornar-se mais importante que a parte tangível. A noção de intangibilidade de um produto está associada aos benefícios que os produtos na parte intangível possam proporcionar. Por isso, é preciso tornar o benefício o mais atraente possível ao consumidor. Como? Acima de tudo conhecendo bem o produto e seus atributos e sabendo identificar o que as pessoas-clientes ou consumidores esperam que o produto faça por elas um benefício. É isso que as pessoas compram. Por exemplo, os clientes, na compra de uma cadeira, que é um bem tangível, também a compram pelo seu conforto, comodidade, design, be leza, etc. 15

16 Essa satisfação, portanto, pela qual um produto ou serviço deve atender, poderá vir a derivar de um produto tangível, como uma barra de sabão e seus benefícios, ou de um serviço propriamente, como um bom corte de cabelos. Pelo que se pode perceber é extremamente difícil definir o que são serviços. Grönroos (1993) afirma que um serviço é um fenômeno complexo tendo vários significados, variando de serviço pessoal a serviço como um produto. A grande variedade de serviços hoje disponíveis também contribui para a dificuldade de se definir o que seja, realmente, serviço ao cliente. Para elucidar, Bateson e Hoffman (2001, p. 34) explicam a questão de uma forma simples: um produto é algo que um consumidor compra e leva embora com ele ou consome ou, de alguma outra maneira, usa. Se não é físico, se não é algo que se pode levar embora ou consumir, então temos um serviço. Já Kotler (2000, p. 448) define serviços como qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra e que não resulta na propriedade de nada. Por fim, ainda definindo serviços, Las Casas (2002, p. 17) afirma que os serviços constituem um a transação realizada por uma empresa ou por um indivíduo, cujo objetivo não está associado à transferência de um bem. Diante dessa preocupação inicial em tentar definir e conceituar o que seja serviço propriamente, pensamos que o que apresentamos anteriormente seja o suficiente para dar essa noção inicial. Cabe-nos então, passar para a revisão das características dos serviços. 16

17 Seção 1.2 Características dos Serviços Para formular a estratégia de marketing de serviços, a empresa deve levar em consideração as seguintes características dos serviços: Intangibilidade: o serviço não tem aparência, nem consistência física, não pode ser tocado, cheirado e sentido. O cliente possui apenas lembranças ou resultados, como um cabelo bem cortado ou um maior conhecimento adquirido. Variabilidade: por se r realizado por pessoas, tor na-se difícil mant er alto grau de padronização pe rmanente. Por exemplo, hoje você corta seu cabelo, daqui a um tempo volta no mesmo salão de beleza, com a mesma cabeleireira e pede o mesmo corte, que não necessariamente ficará idêntico ao de tempos atrás, pois o mesmo é realizado por pessoas e não por máquinas, que são programadas e sempre trabalham com uma certa uniformidade. Perecibilidade: é impossível armazenar o serviço, não podemos comprar uma massagem e levar para consumir em casa, por exemplo, como compramos um bem. Então, os serviços só podem ser usados no momento em que são oferecidos. Ausência de estoque: em decorrência da sua perecibilidade, como é produzido no momento da aquisição não se acumula estoque. Simultaneidade entre a produção e o consumo, estamos consumindo na medida que o serviço é produzido e influenciamos esta produção enquanto consumidores. Envolvimento do cliente no processo, pois estamos participando como receptores deste serviço, e acabamos nos envolvendo e opinando sobre como gostamos e gostaríamos que fosse realizado. O cliente pode estar a par da produção dos serviços. Desta forma, então, as pessoas constituem parte do serviço. 17

18 As dificuldades para os clientes avaliarem: como é algo intangível, fica difícil haver comparações. Quando se têm dois produtos nas mãos torna-se mais fácil olhar para um e para o outro, verificar os pontos positivos e negativos de cada um, e a relação custo-benefício para escolher o mais adequado. Assim, serviços são mais difíceis de serem medidos, testados ou verificados antes da entrega. O sistema de entrega pode ser feito por meio de um canal físico ou eletrônico (Internet). A partir dessas características podemos classificar os serviços. Estes podem ser diferenciados e classificados de acordo com as seguintes características: Relação com os clientes Perecibilidade Intangilibilidade Inseparabilidade Esforço do cliente Uniformidade Vejamos cada uma dessas características a seguir. Relação com os clientes: em muitos casos, os profissionais de marketing têm uma relação pessoal contínua com seus clientes. Esse relacionamento é especialmente provável quando o provedor do serviço é um profissional liberal, como um médico, um advogado ou um consultor. Em conseqüência disso, o sucesso de uma organização de ser viços muitas vezes depende de sua capacidade de desenvolver relações com os clientes e de prestar serviços de qualidade. Perecibilidade: serviços são perecíveis, ou seja, se um serviço não for usado quando oferecido, não pode mais sê-lo. Por exemplo, se ninguém marcar hora com o massagista para as 19 horas de quinta nenhuma massagem será vendida nesse horário. 18

19 Intangibilidade: muitas compras efetuadas por nós incluem bens tangíveis e intangíveis. Por exemplo, a compra de um terno pode incluir ajustes; uma refeição num restaurante inclui comida e serviço de mesa, e um seminário pode incluir palestras e material de escritório. Do lado dos bens está a propriedade de algum objeto, seja este uma caneta ou um prédio comercial. Do lado dos serviços estão os benefícios intangíveis, como tornar-se bem instruído. Por exemplo, o transporte aéreo é um ser viço baseado em algo intangível (transportar pessoas de um destino para outro de avião), mas inclui bens tangíveis, como comida e bebida, etc. Inseparabilidade: em muitos casos, o serviço não pode ser separado da pessoa do vendedor. Por exemplo, um médico é necessário para executar uma cirurgia plásti ca, assim como é preciso um consultor para prestar assessor ia a uma determinada empresa. Esforço do cliente: os clie ntes participam muitas vezes numa certa medida da produção de muitos tipos de serviços. Se você for fazer um corte de cabelo irá passar determinado tempo no salão com um cabeleireiro fazendo o citado corte. Claro que nem todos os serviços demandam o mesmo grau de esforço do cliente. Uniformidade: a qualidade dos serviços pode variar mais do que a qualidade dos bens. Os serviços são executados, na maioria das vezes, por pessoas, e adaptados a cada cliente, portanto não há como se ter a mesma uniformidade na produção dos produtos. Essa classificação se faz importante, pois há uma influência destas no desenvolvimento de estratégias de marketing em sua prática. É importante conhecer essas distinções entre bens e serviços para poder ter essa visão, e a partir dessa poder adaptar o que vimos nesta unidade, caso a caso. Para Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000), os bens têm dominância do tangível, possuindo propriedades físicas que podem ser sentidas, provadas e vistas antes da decisão de compra do cliente, enquanto os serviços têm dominância do i ntangível e, portanto, não possuem propriedades que os clientes possam avaliar antes da compra. 19

20 Seção 1.3 Qualidade em Serviços Zeithaml e Bitner (2003), Czinkota (2001), Bateson e Hoffman (2001), Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000) apresentam dessa forma as dimensões da qualidade em serviços: Confiabilidade Responsividade Segurança Empatia Tangibilidade Fitzsimmons e Fitzsimmons (2000) afirmam que estas cinco dimensões são empregadas pelos clientes para fazer julgamentos sobre a qualidade dos serviços, baseando-os na comparação entre o serviço esperado e o serviço percebido (o serviço esperado ainda sofre influências da propaganda boca-a-boca, das necessidades pessoais e das experiências passadas). A diferença entre a qualidade do serviço esperado e o serviço percebido é uma medida de qualidade do serviço. A satisfação, então, poderá ser negativa ou positiva. Cada uma dessas dimensões será mais bem trabalhada na Unidade 4, apresentada posteriormente. A qualidade de um ser viço é definida pelo cliente. Sua mensuração é um desafio, pois a satisfação do cliente é determinada por muitos fatores intangíveis. A realização de pesquisas com os clientes para medir a qualidade revela os pontos fortes e fracos dos serviços de uma empresa sob a perspectiva daqueles que os experimentam (Berr y, 1996). Outra questão relevante, que também cabe destacar, é que tendo conhecimento dessas características que compõem os serviços surge um enorme desafio para os profissionais de marketing que trabalham com serviços no sentido de torná-los mais visíveis e palpáveis, para tentar amenizar a intangibilidade. 20 Quando se compra um bem, e se têm ele em mãos, se pode cheirar, tocar, sentir e perceber se nos serve ou não, se é o que procuramos ou não, diferentemente do serviço.

21 Sendo assim, para vender um serviço é necessário torná-lo o mais visual e atrativo possível, por exemplo, elaborando um folder ilustrativo contendo outros trabalhos realizados para outros clientes, pois assim se oferece uma certa segurança ao cliente, que poderá ter uma idéia mais clara do que irá comprar. A partir dessa exposição inicial citaremos a seguir algumas atividades no setor de serviços para que você possa ter ainda mais presente o que essa noção envolve: bancos, poupança e financeiras restaurantes, hotéis, bares e pensões seguradoras notícias e entretenimento transportes (de carga e de passageiros) assistência médica educação atacado e varejo 21

22 lavanderias consertos e manutenção profissionais (ex.: advogados, engenheiros, arquitetos, consultores, etc.) Tendo então esses aspectos retomados quanto aos serviços, no estudo que já fizemos, vamos adiante no sentido de compreendermos com maior profundidade o estudo do marketing de serviços. Com suas próprias palavras, a partir dessa revisão inicial sobre os serviços, responda às seguintes questões: a) defina serviços b) apresente a distinção entre produtos e serviços c) cite os principais desafios para quem comercializa serviços Vamos lá!!!!!!! 22

23 Unidade 2 EaD SERVIÇOS: Importância dos Serviços e Sua Evolução no Brasil e no Mundo PIB O PIB (Produto Interno Bruto) represen ta a so ma das riquezas produzid as pelo país e é formad o p elo desemp enho da agropecuária, indú stria e serviços. Agora que já temos uma idéia mais fundamentada do que seja o estudo do marketing dos serviços, abordaremos nesta unidade a importância do setor dos serviços e, nesse sentido, a evolução dos serviços, uma vez que sua importância, no decorrer dos tempos, nem sempre foi como é vista recentemente. Seção 2.1 Importância dos Serviços O setor de serviços, ou também chamado setor terciário, vem tendo participação crescente no Produto Interno Bruto (PIB) das grandes economias mundiais, tanto que de acordo com estatísticas recentes cerca de 70% do Produto Nacional Bruto e dos empregos nos Estados Unidos concentram-se no setor de serviços. No Brasil ocorre a mesma tendência. Em São Paulo, por exemplo, 52% dos empregados no setor formal da economia estavam alocados no setor de serviços em 1998 (Dias et al, 2003). Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geograf ia e Estatística (IBGE) de 2007, o setor de serviços representa 65,8% da economia do Brasil. Comparando aos demais setores, só para termos parâmetros, a indústria representa 28,7%, enquanto o setor agropecuário contribui com 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB). 23

24 Commod ity Produto primário, especialmen te um de grande participação n o mercado internacional, como café, algodão, minério de ferro, etc. No ano de 2007 o crescimento dos serviços foi de 4,7%. Este aumento do setor foi puxado pelos setores da intermediação financeira e dos seguros (13%), dos serviços de informação (8%), do comércio (7,6%), do transpor te, da armazenagem e do correio (4,8%), dos serviços imobiliários e do aluguel (3,5%), segundo dados do IBGE de Podemos afirmar que o setor de serviços vem se desenvolvendo gradativamente, hoje representando expressiva parcela da economia, conforme os números apresentados anteriormente, pois vivemos e trabalhamos numa economia centrada em serviços e sensível a eles. Cabe destacar que os produtos industrializados estão se transformando em co mmodities, s alientando assim a qualidade e a variedade dos serviços complementares como fatores que cada vez mais fazem a diferença entre o sucesso e o fracasso no mercado. Além disso, é oportuno lembrar que quanto mais se desenvolve uma sociedade, mais esta irá necessitar de serviços. Hoje, por exemplo, as pessoas não têm mais tempo para lavar o carro em casa. Surgiram então com força as lavagens de carro por todo o lado. Também não há mais tempo, com a mulher trabalhando fora, de fazer comida em casa, fomentando os restaurantes de comida caseira a quilo, e muitos outros afazeres, tais como: cuidar do jardim, lavar a roupa, limpar a casa, etc. De acordo com o Strategic Planning Institute, de Cambridge, Massachusetts, citado por Albrecht e Zemke (2002, p. 27), as empresas que enfatizam e prestam serviços de alta qualidade aumentam com mais rapidez a participação no mercado e apresentam retorno sobre as vendas mais alto do que aquelas nas quais os serviços, além da qualidade questionável, são preocupações secundárias e de baixa prioridade. 24

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços

Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços. Marketing de Serviços Marketing Prof. Raimundo Donizete de Camargo Objetivos Definir ; Conhecer as diferenças básicas entre Produtos (Bens e Serviços); Analisar uma visão geral do Setor de Serviços; Conhecer o processo de Prestação

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

Marketing. Entender e Atender o Mercado. Vendas Propaganda

Marketing. Entender e Atender o Mercado. Vendas Propaganda Cláudio Silvestre Marketing Vendas Propaganda Pesquisa Experimentação Design Definição de Preço Estratégia de distribuição Estabelecimento de Parcerias Etc... Entender e Atender o Mercado Razões do Marketing

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO

Prof. Marcelo Mello. Unidade I GERENCIAMENTO Prof. Marcelo Mello Unidade I GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Objetivos gerenciamento de serviços Utilizar modelos de gestão e desenvolvimento voltados para o segmento de prestação de serviços em empresas de

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS

SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS SECOVI SIMPLIFICANDO O MARKETING SERVIÇOS Marketing O que é para você? Como se faz? Quais os pontos chaves? Quais as maiores dificuldades? Marketing Vendas? Promoção? Publicidade? Marketing Simplificar

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço

Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Marketing de Serviços Parte 02 O envolvimento do cliente em encontros de serviço Os tipos de encontro de serviço Um encontro de serviço é um período de tempo durante o qual clientes interagem diretamente

Leia mais

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra.

Tema: O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender. tomada de decisão do jovem na hora da compra. Radar Jovem 2015 Tema: Já sabemos que o jovem é um dos consumidores que mais possui poder aquisitivo do país*. O que, como, quando e quanto compra é o que precisamos entender agora. Nesse estudo iremos

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Tendências Empresariais. Gestão Empresarial. Aula 6. Mudança. Velocidade da Mudança. Aceleração da História. Gestão da Mudança

Tendências Empresariais. Gestão Empresarial. Aula 6. Mudança. Velocidade da Mudança. Aceleração da História. Gestão da Mudança Gestão Empresarial Tendências Empresariais Aula 6 Prof. Elton Ivan Schneider tutoriacomercioexterior@grupouninter.com.br Comércio Exterior Mudança Quando decorei todas as respostas da vida, mudaram todas

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços Capítulo 8 Estratégia de Produtos e Serviços 1 O Que é um Produto? Um Produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e para satisfazer um desejo ou uma necessidade.

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico;

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; O escopo da precificação e os métodos mais comuns, incluindo as principais táticas; Uma sugestão: amplie seu nível de

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

O varejo e a era da disrupção

O varejo e a era da disrupção 10Minutos Varejo Total Retail 2015 - Pesquisa anual da PwC com os consumidores O varejo e a era da disrupção Destaques Os consumidores estão definindo sua própria abordagem de relacionamento com o varejo,

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Marketing Turístico e Hoteleiro

Marketing Turístico e Hoteleiro 2 CAPÍTULO II Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Significado do Marketing em Hotelaria e Turismo Capítulo II Sumário As características especiais do Marketing em Hotelaria e Turismo O ambiente

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início Investimentos em máquinas Faça certo desde o início Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Muito mais rápido. 12 minutos podem reduzir 12 meses Se você estiver

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Programa de Serviços

Programa de Serviços Programa de Serviços Um Parceiro da Heidelberg Sucesso e segurança para o convertedor de rótulos A maior diversidade de substrato. Um marca de qualidade emerge: um sistema de máquina Gallus garante a mais

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

As características e elementos dos serviços

As características e elementos dos serviços Estratégia da empresa. As características e elementos dos serviços Capítulo 2 Ambiente Outros atores Concorrentes Parceiros Estratégia de operações Preço O famoso framework Lucratividade de Corrêa & Caon

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

5. Tendências na Gestão de Pessoas *

5. Tendências na Gestão de Pessoas * 5. Tendências na Gestão de Pessoas * Trabalho há mais de dez anos como coach e consultora de desenvolvimento humano e organizacional. Minha formação acadêmica é em Engenharia Eletrônica, e antes da grande

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção Gestão de Operações Introdução a Engenharia de Produção Operações e Produtividade Produção: criação de bens e serviços Gestão de operações: conjunto de atividades que criam os bens e serviços por meio

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais A U L A 5 Pesquisas quantitativas etapas iniciais Metas da aula Apresentar as condições para realização de pesquisas quantitativas; estabelecer os procedimentos que norteiam as pesquisas de mercado com

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais