Ministério dos Transportes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério dos Transportes"

Transcrição

1 Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 1 Política Geral, Procedimentos e Definições Página 1/67

2 PARTE A: Generalidades Aplicabilidade Organização/Estrutura Definições...7 PARTE B: Execução das Presentes Normas Aplicabilidade Cumprimento Individual dos Regulamentos Padrões mínimos aceitáveis Investigação de Execução e Pareceres Tratamento Administrativo Autorizado.11 PARTE C: Pessoal Autorizado Aplicabilidade Pessoal Autorizado Atributos do Pessoal Autorizado Direito de Acesso para Fins de Inspecção Fornecimento de Documentos para Inspecção Manutenção de Relatórios, Documentos e Registos 15 PARTE D: Regras Gerais de Administração Aplicabilidade Taxas para Recompensa de Custos Alteração de Designação Alteração de Morada Substituição de Documento Extraviado ou Danificado Falsificação, Reprodução ou Alteração dos Documentos Necessários Entrega, Suspensão ou Revogação de Licença ou Certificado Nova Candidatura após Revogação Nova Candidatura após Suspensão Entrega Voluntária ou Troca de Licença.18 PARTE E: Requisitos Gerais para Despistagem Aplicabilidade Despistagem de Álcool, Drogas e Relatórios Subsequentes..19 PARTE F: Isenções e Desvios Aplicabilidade Autoridade para Aprovar Isenções e Desvios Actuação no Caso de Autorizações não Concedidas Aplicação Informação Geral Pedido Descrição da Petição Pedido Justificação da Petição Processamento do Pedido Resultados da Avaliação Técnica Publicação da Proposta e Avaliação Técnica.23 Página 2/67

3 1.113 Candidatura a Estatuto de Parte Aprovação de Método Alternativo de Cumprimento Desaprovação de Método Alternativo de Cumprimento Publicação e Disseminação de Método Alternativo de Cumprimento Aprovado..24 PARTE G: Validação de Certificados e Autorizações Aplicabilidade Validação Geral Termo de Validade Titulares de Documentos Validados Validação de Certificados de Tipo e Certificados de Tipo Adicionais Validação de Certificados de Navegabilidade Validação de Certificados Médicos Validação de Licenças e Qualificações Validação de Certificados de Operador Aéreo Validação de Organizações Aprovadas Validação de aprovações, autorizações e nomeações.28 PARTE H: Representantes Nomeados Aplicabilidade Processo Formal Selecção Certificação Prazo de Validade dos Certificados Relatórios Prorrogativas Inspecções 31 ANEXOS..32 Anexo 1 de Glossário de Termos.32 Anexo 2 de 1.007: Glossário de Acrónimos/Siglas e Abreviaturas 64 Página 3/67

4 Parte A: Generalidades Aplicabilidade a) Este capítulo define os requisitos de Angola aplicáveis à estrutura e processos aplicáveis a todos os Normativos Técnicos da Segurança da Aviação Civil. b) Estas Normas incluem: (1) Normativo Técnico 1 Política Geral, Procedimentos e Definições (2) Normativo Técnico 2 Registo de Aeronaves (3) Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes (4) Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Navegabilidade (5) Normativo Técnico 5 Organizações de Manutenção Aprovadas (6) Normativo Técnico 6 Instrumentos e Equipamentos Exigidos (7) Normativo Técnico 7 Licenciamento do Pessoal Aeronáutico (8) Normativo Técnico 8 Certificação Médica (9) Normativo Técnico 9 Organizações de Treino Aprovadas (10) Normativo Técnico 10 Operações de Aeronaves (11) Normativo Técnico 11. Operações de Trabalho Aéreo (12) Normativo Técnico 12 Certificação e Administração do Operador Aéreo (13) Normativo Técnico 13 Requisitos para Transporte de Passageiros (14) Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico (15) Normativo Técnico 15 Limites dos Tempos de Serviço do Pessoal Aeronáutico (16) Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo (17) Normativo Técnico 17 Performance, Peso e Balanceamento Página 4/67

5 (18) Normativo Técnico 18 Mercadorias Perigosas (19) Normativo Técnico 19 Investigação e Relatórios de Acidentes de Aviação c) Cada Normativo Técnico de Segurança expõe requisitos técnicos específicos no que se refere a segurança, de forma a garantir que as operações aeronáuticas em Angola respeitam as normas internacionais de segurança aeronáutica. d) Conforme o indicado no mesmo, cada Normativo Técnico aplica se a todas as entidades a operar ou manter o seguinte: (1) Aeronaves registadas em Angola; (2) Aeronaves registadas noutro País Contratante que sejam operadas por uma entidade com licença emitida em Angola e mantidas de acordo com os padrões do país de registo, independentemente do local onde tal manutenção seja efectuada, excepto quando existir qualquer outro acordo; (3) Aeronave de outros Países Contratantes que estejam a operar em Angola Organização/Estrutura a) Os Normativos Técnicos estão divididos em cinco categorias, de forma hierárquica: (1) Normativo Técnico refere se ao assunto principal; (2) Parte refere se a uma divisão do Normativo Técnico; (3) Secção refere se a uma divisão da Parte necessária, de modo a designar um grupo de secções relacionados e identificados com um número romano; (4) Parágrafo refere se a uma norma numerada, com título atribuído e pode ser uma sub parte de uma Parte ou de uma Secção; (5) Alínea refere se ao texto descritivo das normas. Todas as alíneas são identificadas de forma alfanumérica na seguinte ordem hierárquica: a), (1), (i), (A). b) A numeração dos Normativos será a seguinte: (1) O primeiro número da norma de cada Normativo Técnico será 001; Página 5/67

6 (2) Daí em diante, a numeração das normas terá o seguinte formato: 3, 5, 7, 10, deixando os números 1, 2, 4, 6, 8 e 9 para um futuro alargamento das normas, permitindo assim a inclusão de novas normas da ICAO em virtude da crescente complexidade em termos de segurança na aviação aérea a nível mundial; (3) A primeira secção da Parte A de cada norma iniciar se á com o número 001. Todas as partes seguintes iniciar se ão com um número de secção que seja a próxima décima (p.ex. 10, 20, 30). c) As definições utilizadas nas presentes normas serão organizadas da seguinte forma: (1) As definições aplicáveis num Normativo Técnico podem constar do presente; (2) As definições consideradas críticas a um Normativo Técnico podem aparecer no presente e também no Normativo Técnico onde sejam consideradas críticas; (3) As definições aplicáveis a um Normativo Técnico específico constarão apenas do mesmo. d) Os acrónimos/siglas utilizados nas presentes normas serão organizados da seguinte forma: (1) Os acrónimos/siglas aplicáveis num Normativo Técnico podem constar do presente; (2) Os acrónimos/siglas considerados críticos a um Normativo Técnico podem aparecer no presente e também no Normativo Técnico onde sejam considerados críticos; (3) Os acrónimos/siglas aplicáveis a um Normativo Técnico específico constarão apenas do mesmo. e) Existem nos parágrafos, notas que representam excepções, explicações, exemplos de requisitos individuais e referências a anexos de apoio específicos. f) Os parágrafos e as notas podem fazer referências a anexos que oferecem requisitos detalhados de forma a reforçar o propósito do parágrafo. Onde são especificamente referenciados no parágrafo, será com o propósito de ganhar força e efeito legal da mesma. Segundo as regras aqui definidas, o termo anexo aplica se aos requisitos adicionais. g) Nas normas, aplicar se ão os seguintes termos: Página 6/67

7 (1) Será aplica se a um requisito obrigatório; (2) Os termos, nenhuma pessoa poderá, significam que ninguém está autorizado ou obrigado a efectuar um acto conforme o exposto nas normas; (3) Poderá, quando não utilizado na negativa, indica a liberdade de decisão; (4) Fará, indica uma acção da incumbência do INAVIC; (5) Inclui, significa inclui, mas não está limitado a ; (6) Aprovado, significa que o INAVIC reviu o método, procedimento ou política em questão e em consequência emitiu uma aprovação por escrito; (7) Aceitável, significa que o INAVIC reviu o método, procedimento ou política em questão, e não objecta tecnicamente à sua utilização ou implementação proposta; (8) Determinado significa que o INAVIC emitiu uma política ou metodologia por escrito, impondo ou um requisito obrigatório (se a política ou metodologia indicarem será ) ou um requisito à descrição (se a política ou metodologia indicarem poderá ) Definições a) As definições contidas no Anexo 1 de do presente Normativo Técnico aplicam se a todos os requisitos das Normas de segurança da Aviação Civil. b) O INAVIC emprega pessoal técnico qualificado e autorizado a efectuar avaliações, inspecções e conduzir investigações em nome do Estado, e emitir pareceres no que concerne a atribuição de licenças e certificados a indivíduos ou entidades, assim como a correcção de assuntos relacionados com segurança. c) Quando utilizados nestas normas, os seguintes termos e palavras indicam a autoridade delegada nesta organização: (1) Aceitável pelo INAVIC. Quando utilizado nos Normativos Técnicos, identifica documentos, partes de documentos, procedimentos formais, instalações, equipamentos ou pessoas que devem ser avaliados de forma satisfatória numa revisão técnica efectuada pelo INAVIC antes de poderem ser utilizados para fins de aviação; Página 7/67

8 (2) Aprovação. Um documento formal emitido pelo INAVIC, baseado numa avaliação técnica prévia, a qual autoriza a utilização de documentos, partes de documentos ou procedimentos formais em aviação; (3) Aprovado pelo INAVIC. Conforme utilizado nos presentes Normativos Técnicos, esta frase indica um documento, pessoa, instalação, política ou procedimento que requer a emissão de um documento formal, previamente à sua utilização para fins de aviação civil. Presume se que a utilização de palavra aprovado em separado signifique aprovado pelo INAVIC ; (4) Autorização. Um documento formal emitido pela autoridade de aviação civil, com base numa avaliação técnica que confere ao seu titular certas prorrogativas em aviação, conforme a lei, normas ou Normativos Técnicos de Aviação Civil; (5) Autorizado pelo INAVIC. Esta frase indica um requisito que implique uma avaliação técnica e a emissão de um documento ou autorização formal; (6) Certificado. Um documento formal emitido pela autoridade de aviação civil que autoriza o seu titular a desempenhar as funções de aviação conforme o exposto no mesmo; (7) Desvio. Uma excepção oficial a um dos requisitos das presentes normas, atribuída a um grupo de pessoas, aeronaves ou tipo de operações quando o INAVIC determinar que o requisito não é coerente com as normas de segurança da aviação relativas a esse grupo, e que seria do interesse público atribuir tal excepção; (8) Determinado pelo INAVIC. Esta frase indica um requisito onde o INAVIC poderá, através de material de orientação adequado, delinear os passos ou normas necessários de forma a satisfazer o requisito; (9) Dispensa. Uma excepção possível de um requisito das normas, cujos critérios são expostos nas mesmas. (10) Isenção. Uma excepção oficial a um dos requisitos das presentes normas, atribuída pelo INAVIC a um indivíduo, uma aeronave ou organização, quando o candidato demonstrar com êxito que seria no interesse público, que o nível de segurança equivalente será salvaguardado, e que tal isenção não será incoerente com as normas de segurança da aviação pertinentes; (11) Licença. Um documento formal emitido pelo INAVIC que autoriza o titular a desempenhar as funções conforme o exposto no mesmo, sujeito aos privilégios e limitações aplicáveis; Página 8/67

9 (12) Nomeação. Um documento formal emitido pelo INAVIC, baseado num processo de avaliação técnica, o qual autoriza o titular a agir em nome do INAVIC no desempenho das funções conforme o exposto no mesmo; (13) Nomeado pelo INAVIC. Esta frase indica um requisito que requer um processo de avaliação técnica e a emissão de um documento formal pelo INAVIC antes da pessoa estar autorizada a desempenhar uma função ou funções específicas em nome do INAVIC; (14) Qualificação. Uma autorização associada a uma licença ou um certificado, do qual faz parte integrante, detalhando condições, privilégios ou limitações especiais a tal licença ou certificado; (15) Validação. A aceitação de um certificado, licença, aprovação, nomeação ou autorização emitidos por outro País membro da ICAO como base principal da emissão de um certificado, licença, aprovação, nomeação ou autorização, pelo INAVIC, contendo os mesmos privilégios, ou privilégios mais restritivos: i. Tornar (uma licença) válida. A acção tomada por um País membro como alternativa à emissão da sua própria licença, ao aceitar uma licença emitida por outro País membro, sendo esta última equivalente à sua. ii. Tornar (um Certificado de Navegabilidade) válido. A acção tomada por um País membro, como alternativa à emissão do seu próprio Certificado de Navegabilidade, ao aceitar um Certificado de Navegabilidade emitido por outro País membro, sendo este último equivalente ao seu. Parte B: Execução das Presentes Normas Aplicabilidade a) Esta Parte define a delegação de responsabilidades e autoridade no INAVIC de forma a garantir o cumprimento das normas de segurança da aviação em Angola. b) Esta Parte refere acções possíveis de execução. Os procedimentos de execução e penas, por não cumprimento das normas, estão contidos em decreto de execução administrativa. Página 9/67

10 1.013 Cumprimento Individual dos Regulamentos a) Quem não cumprir com algum dos requisitos das normas de segurança da aviação civil, sem justificação razoável, estará sujeito a execução de penas. b) Tal execução, consoante as circunstâncias e factores atenuantes, poderá resultar em: (1) Revogação de licença, certificado, autorização ou prorrogativa; (2) Suspensão de licença, certificado, autorização ou prorrogativa; (3) Coimas monetárias, coordenadas com outras penas, mas separadas destas; (4) Emissão de uma ordem de impedimento de voo de forma a prevenir uma situação eminente de segurança em voo Padrões mínimos aceitáveis d) As presentes Normas de Segurança da Aviação definem os padrões mínimos necessários à emissão de licenças, certificados, autorizações e privilégios. d) Qualquer pessoa, aeronave, componente ou organização que seja titular de uma licença, certificado, autorização ou privilégio emitido/a pelo INAVIC, continuará a cumprir com os padrões mínimos necessários à primeira emissão. d) Se o titular de uma licença, certificado, autorização ou privilégio não conseguir cumprir com os padrões mínimos necessários à sua primeira emissão, terá de entregar tal documento ao INAVIC. d) Se o INAVIC tiver conhecimento de que o titular de licença, certificado, autorização ou privilégio não cumpre com os padrões mínimos para poder deter o documento, o mesmo poderá, consoante as circunstâncias, factores atenuantes ou risco para a segurança aérea: 1) Suspender de emergência a licença, certificado, autorização ou prorrogativa no interesse da segurança pública; 2) Suspender a licença, certificado, autorização ou prorrogativa; 3) Revogar a licença, certificado, autorização ou prorrogativa; 4) Impor coimas monetárias, conforme o exposto em Decreto Lei; Página 10/67

11 5) Variância de licença, certificado, autorização ou prorrogativa existente; 6) Reexame das condições de emissão de licença, certificado, autorização ou prorrogativa; 7) Emissão de uma ordem de impedimento de voo de forma a prevenir uma situação de risco eminente de segurança ou de voo Investigação de Execução e Pareceres a) Se o INAVIC determinar, através de inspecção, incidente, acidente ou qualquer outro método, que existe falta de cumprimento das situações descritas em e 1.015, o mesmo poderá efectuar uma investigação completa. b) Um registo formal de investigação, incluindo os pareceres de resolução da situação, será entregue ao Director Geral para serem tomadas as acções seguintes de forma a resolver a situação de falta de cumprimento. c) O processo para tomada de acções seguintes será sujeito à lei civil de Angola, incluindo quaisquer recursos Tratamento Administrativo Autorizado a) Em substituição do exposto em 1.017, se o INAVIC determinar que é possível obter um cumprimento imediato e duradouro dos requisitos e padrões mínimos das normas através do tratamento administrativo de uma situação descrita em e 1.015, o mesmo poderá ser efectuado desde que tal tratamento implique um registo formal por escrito e que o registo da solução seja guardado. b) Variância de uma autorização ou aprovação formal emitidas previamente é permitida através de tratamento administrativo. Tal variância deve ser emitida e entrar em vigor: (1) Imediatamente e sem recurso se tal for determinado necessário no interesse da segurança pública; (2) Após vinte dias úteis de forma a permitir um recurso das bases ao INAVIC. Página 11/67

12 Parte C: Pessoal Autorizado Aplicabilidade a) Esta Parte define a delegação de responsabilidade e de autoridade no INAVIC de forma a garantir o cumprimento das normas de segurança da aviação em Angola Pessoal Autorizado a) O INAVIC poderá nomear pessoal autorizado a desempenhar funções em seu nome. b) Os inspectores de segurança da aviação destacados para a organização de supervisão de segurança da aviação do INAVIC terão o estatuto de pessoal autorizado, conforme as presentes normas, e ser lhes á emitida uma credencial única para o desempenho das suas funções. c) Apenas as seguintes pessoas poderão deter ou utilizar as credenciais de inspector de segurança da aviação: (1) Pessoal contratado pelo governo da Angola para desempenhar as funções de supervisão de segurança da aviação; (2) Pessoal que utilize a credencial no desempenho de uma função específica em nome da organização de supervisão de segurança da aviação. d) Com o objectivo de exercer as suas responsabilidades conforme as presentes normas, o pessoal autorizado deverá ter sempre na sua posse o meio de identificação de acordo com o exposto na alínea b) Atributos do Pessoal Autorizado a) Uma pessoa autorizada tem, conforme delegado pelo INAVIC, atribuições para: 1) Efectuar actividades de seguimento ou auditoria; 2) Entrar em qualquer aeródromo, hangar ou outro local (onde uma aeronave esteja guardada ou estacionada), aeronave ou instalações de uma organização que esteja a desempenhar tarefas e serviços relacionados com a segurança da aviação, de forma a inspeccionar o/a mesmo/a; Página 12/67

13 3) Inspeccionar qualquer aeronave, equipamento, componente, material, instalações, pessoal ou tripulantes de uma aeronave de forma a garantir o cumprimento das normas de segurança da aviação; 4) Solicitar a qualquer pessoa a emissão de documentos ou qualquer outro artigo sujeito às normas de segurança da aviação; 5) Inspeccionar e copiar qualquer certificado, licença, livro de bordo, documento ou registo que o inspector tenha a atribuição de solicitar, em conformidade com as presentes normas e o que nelas está contido; 6) Impedir o voo de uma aeronave, no interesse da segurança pública, quando existe uma quebra de segurança eminente em situação de voo no que concerne a navegabilidade da aeronave e a capacidade operacional da sua tripulação; 7) Exigir, quando necessário de forma a garantir o cumprimento das normas de segurança da aviação, reexames, avaliações, inspecções, investigações, testes, experiências e testes de voo. b) Ninguém poderá obstruir ou impedir de forma intencional qualquer pessoal autorizado que esteja a exercer as suas atribuições ou a desempenhar as suas funções conforme o exposto nas presentes normas de segurança da aviação. c) Ninguém poderá obstruir ou impedir de forma intencional o acesso, inspecção ou cópia de documentação, que estejam a ser desempenhados por pessoal autorizado conforme as normas de segurança da aviação Direito de Acesso para Fins de Inspecção a) O INAVIC (ou pessoal autorizado) poderá efectuar inspecções, investigações e observações em qualquer local e a qualquer altura em que estejam a decorrer operações, manutenção, treinos ou outras actividades aeronáuticas conforme as presentes normas de segurança da aviação. b) O INAVIC (ou pessoal autorizado) terá acesso livre e ininterrupto a: (1) Qualquer local, público ou privado, onde esteja localizada uma aeronave, com o objectivo de a inspeccionar, ou inspeccionar qualquer documento conforme o exposto nas normas de segurança da aviação; (2) Qualquer aeródromo, com o propósito de inspeccionar o aeródromo ou qualquer aeronave ou ainda qualquer documento sujeito às normas de segurança da aviação; Página 13/67

14 (3) Qualquer aeronave ou cockpit com o objectivo de os inspeccionar, durante o voo: (i) Desempenho da aeronave ou do seu equipamento; (ii) A eficiência da tripulação no desempenho das suas funções. c) Ninguém poderá obstruir ou impedir, de forma intencional, o acesso do pessoal autorizado aos locais descritos na alínea b) Fornecimento de Documentos para Inspecção a) Quaisquer documentos ou relatórios especificados nas Normativos Técnicos, relevantes deste conjunto de normas da aviação, serão fornecidos ao pessoal autorizado, quando os solicitarem. b) Qualquer pessoa envolvida ou que participe na actividade de aviação deverá, dentro de um prazo razoável, após lhe ter sido solicitado por pessoal autorizado, fornecer as licenças, certificados e documentos que é obrigado a possuir, deter, completar ou manter no decurso das suas actividades. c) Para efeitos deste parágrafo, um prazo considerado razoável será: (1) Na altura do pedido, para documentos que devem estar: (i) Na posse da pessoa; (ii) A bordo da aeronave durante o voo. (2) Durante as horas normais de trabalho, para documentos que devem estar: (i) Completados e guardados num aeródromo; (ii) Completados e guardados em instalações da administração; (iii) Mantidos. Página 14/67

15 1.043 Manutenção de Relatórios, Documentos e Registos a) Quaisquer relatórios ou documentos criados durante as actividades, sujeitos às normas de segurança da aviação, serão criados atempadamente e estarão em conformidade com os métodos aplicáveis e incluirão informação conforme o descrito nos Normativos Técnicos relevantes do presente conjunto de normas de segurança da aviação. b) Qualquer pessoa a quem seja atribuída em conformidade com os presentes, a tarefa de manter qualquer documento ou registo, fá lo á até que essa responsabilidade seja transferida para outra pessoa. Parte D: Regras Gerais de Administração Aplicabilidade a) Esta Parte define as regras gerais de administração aplicáveis à documentação emitida pelo INAVIC Taxas para Recompensa de Custos a) O INAVIC cobrará uma taxa, devidamente especificada, para a emissão, renovação ou substituição de cada licença, certificado ou autorização conforme o exposto nas presentes normas. b) O INAVIC cobrará honorários e despesas de deslocação associadas às avaliações ou inspecções técnicas necessárias de organizações, do seu pessoal, equipamento, instalações e registos, incluindo os necessários para efeitos de: (1) Certificação original; (2) Autorizações adicionais; (3) Validação e renovação de certificados. Página 15/67

16 1.055 Alteração de Designação a) O titular de uma licença ou certificado emitido conforme as presentes normas poderá solicitar a alteração da designação na licença ou certificado. Ao solicitar a alteração, o titular deve enviar: (1) A licença ou certificado actual; (2) Cópia de certificado de matrimónio, ordem judicial ou qualquer outro documento que comprove a alteração de nome; (3) Cópia dos documentos de constituição de sociedade ou venda dos activos da mesma. b) O INAVIC devolverá ao seu legítimo proprietário os documentos especificados na alínea a) Alteração de Morada a) O titular de uma licença ou certificado que tenha efectuado uma alteração da sua morada permanente, terá de o comunicar por escrito ao INAVIC, ou no caso do endereço permanente ser de uma caixa postal, deverá fornecer a sua morada de residência num prazo máximo de 30 dias a contar da data de alteração, sob pena de não poder exercer os privilégios da sua licença ou certificado Substituição de Documento Extraviado ou Danificado a) O titular de uma licença, certificado ou outro documento do INAVIC que tenha sido extraviado ou danificado solicitará a sua substituição, por escrito, ao gabinete da Autoridade responsável pelo procedimento. b) Na carta a solicitar a substituição, o titular deve declarar: (1) Nome; (2) Morada postal permanente ou, se a morada postal permanente for de uma caixa postal, a sua morada de residência actual; (3) Número de BI; (4) Data e local de nascimento; Página 16/67

17 (5) Qualquer informação que possua relativamente à escala, número e data de emissão do documento, certificado, licença ou qualificações, consoante o caso. c) Após recepção de um fax do INAVIC a confirmar a emissão do documento extraviado ou danificado, o titular poderá deter ou mostrar, conforme o caso, o fax como forma de substituir o documento extraviado ou danificado, até sete dias após a sua recepção, enquanto aguarda que lhe seja enviado duplicado do documento em questão Falsificação, Reprodução ou Alteração dos Documentos Necessários a) Nenhuma pessoa, no que concerne a licenças, certificados, qualificações ou autorizações, candidaturas aos mesmos ou seus duplicados, conforme o exposto nas presentes normas, poderá: (1) Fazer declarações fraudulentas ou falsas, de forma intencional; (2) Criar uma entrada fraudulenta ou falsa, de forma intencional, no diário de bordo, registos ou relatório, conforme requerido pelas presentes normas, ou utilizado de forma a mostrar cumprimento com os mesmos; (3) Reproduzir documentos para finais fraudulentos; (4) Efectuar alterações aos documentos. b) Qualquer pessoa que cometa um acto proibido de acordo com a alínea a) sujeita se a que a sua licença, qualificação, certificado, qualificação ou autorização seja revogada ou suspensa Entrega, Suspensão ou Revogação de Licença ou Certificado a) As licenças, certificados ou autorizações emitidas em conformidade com as presentes normas perdem a sua validade no caso da sua entrega, suspensão ou revogação. b) O titular de uma licença ou de um certificado emitidos em conformidade com as presentes normas, que tenha sido suspenso/a ou revogado/a, entregará a licença ou certificado ao INAVIC quando tal lhe for solicitado pela mesma. Página 17/67

18 1.067 Nova Candidatura após Revogação a) Uma pessoa cuja licença, certificado, qualificação ou autorização tenham sido revogados não poderá candidatar se a nova licença, certificado, qualificação ou autorização até um ano após a data da revogação, salvo se o INAVIC autorizar algo em contrário Nova Candidatura após Suspensão a) Uma pessoa cuja licença, certificado, qualificação ou autorização tenham sido revogados não poderá candidatar se a nova licença, certificado, qualificação ou autorização durante o período de suspensão, salvo se o INAVIC autorizar algo em contrário Entrega Voluntária ou Troca de Licença a) O titular de uma licença, certificado ou autorização emitido/a conforme as presentes normas, poderá entregá lo/a voluntariamente para efeitos de: (1) Cancelamento; (2) Emissão de uma licença de escala inferior. (3) Outra licença com perda de qualificações específicas. b) Um candidato que solicite a entrega voluntária de uma licença deverá enviar a seguinte declaração, ou equivalente, assinada: O presente requerimento é solicitado por razões pessoais e tenho o pleno conhecimento de que (inserir nome da licença ou qualificação, consoante o caso) pode não ser reemitida se eu não passar com êxito nos testes necessários à sua emissão. Parte E: Requisitos Gerais para Despistagem Aplicabilidade a) Esta parte define os requisitos para despistagem aplicáveis ao pessoal e organizações de aviação que se encontram sujeitos ao exposto nas presentes normas. Página 18/67

19 1.083 Despistagem de Álcool, Drogas e Relatórios Subsequentes a) Um funcionário que desempenhe qualquer função para a qual seja necessária a emissão de uma licença, qualificações ou autorização conforme o exposto nas presentes normas ou por contrato de um titular de um certificado emitido pelo INAVIC poderá: (1) Ser lhe recusado/a a/o licença, certificado, qualificações ou autorização durante um período até um ano após a data de recusa; (2) Ser lhe suspensa/o ou revogada/o a sua licença, certificado, qualificações ou autorização, emitido/a conforme as presentes normas. b) Qualquer pessoa sujeita às presentes normas e que seja condenada por quebrar a lei de algum país devido ao fabrico, processamento, venda, disposição, posse, transporte ou importação de narcóticos, marijuana, ou drogas ou substâncias depressivas ou estimulantes, alternativamente, poderá: (1) Ser lhe recusada a licença, certificado, qualificações ou autorização emitidas conforme as presentes normas, por um período de até um ano após a data de condenação; (2) Ser lhe suspensa ou revogada a licença, certificado, qualificações ou autorização, emitidas conforme as presentes normas. c) Qualquer pessoa sujeita às presentes normas que se recuse a ser submetida a um teste, de forma a avaliar a quantidade de álcool no sangue, quando tal for solicitado por um agente de autoridade policial, ou que se recuse a autorizar o envio dos resultados do teste de despistagem ao INAVIC poderá: (1) Ser lhe recusada a licença, certificado, qualificações ou autorização emitidas conforme as presentes normas por um período de até um ano após a data de recusa de envio dos testes; (2) Ser lhe suspensa ou revogada a licença, certificado, qualificações ou autorização, emitidas conforme as presentes normas. Parte F: Isenções e Desvios Aplicabilidade a) Esta Parte define os procedimentos de emissão, alteração e cessação de isenções ou desvios nos requisitos das normas de aviação. Página 19/67

20 1.093 Autoridade para Aprovar Isenções e Desvios a) De acordo com os procedimentos descritos na presente, o INAVIC poderá aprovar uma isenção, desvio ou renúncia aos requisitos dos Normativos Técnicos. b) Uma isenção, desvio ou renúncia aos requisitos dos Normativos Técnicos só poderá ser autorizada em conformidade com estes procedimentos Actuação no Caso de Autorizações não Concedidas. a) Nenhuma pessoa poderá desencadear, ou fazer com que seja desencadeada, uma acção que vá contra os requisitos descritos nos Normativos Técnicos, salvo se a pessoa possuir uma isenção ou desvio emitido em conformidade com os procedimentos descritos na presente Parte Aplicação Informação Geral a) Informação geral. Cada pedido deve ser efectuado em Português e deve ser: (1) Ser submetido em duplicado e, de forma a ser avaliado atempadamente, pelo menos 60 dias antes da data de entrada em vigor solicitada, para: (i) INAVIC (ii) Direcção de Segurança Operacional (DSO) (iii) Luanda, Angola. (2) O pedido deve incluir: (i) Nome; (ii) Morada, (iii) Morada postal; (iv) Número de telefone; (v) Número de fax (facultativo); (vi) E mail do requerente (facultativo); Página 20/67

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

Organizações de Manutenção Aprovadas

Organizações de Manutenção Aprovadas Normativo Técnico 5 Organizações de Manutenção Aprovadas PARTE A: GENERALIDADES... 3 5.001 APLICABILIDADE... 3 5.003 DEFINIÇÕES... 3 5.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADO AMO... 5 5.010 APLICABILIDADE...

Leia mais

Aprovação de Organizações de Treino

Aprovação de Organizações de Treino Normativo Técnico 9 Aprovação de Organizações de Treino PARTE A: GENERALIDADES... 4 9.001 APLICABILIDADE... 4 9.003 DEFINIÇÕES... 4 9.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 9.007 FREQUÊNCIA DA FORMAÇÃO... 5 PARTE B:

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 d) Possuir formação de base, formação contínua e formação específica na área de prevenção de acidentes, segurança de voo e gestão do sistema

Leia mais

Lei n.º 32/81 de 25 de Agosto Acordo de Transporte Aéreo entre Portugal e a República Popular de Angola

Lei n.º 32/81 de 25 de Agosto Acordo de Transporte Aéreo entre Portugal e a República Popular de Angola Lei n.º 32/81 de 25 de Agosto Acordo de Transporte Aéreo entre Portugal e a República Popular de Angola Aprova o Acordo de Transporte Aéreo entre Portugal e a República Popular de Angola A Assembleia da

Leia mais

Regulamento MOZCAR parte 65 Licenciamento do pessoal dos serviços de tráfego aéreo e oficiais de operações de voo

Regulamento MOZCAR parte 65 Licenciamento do pessoal dos serviços de tráfego aéreo e oficiais de operações de voo Regulamento MOZCAR parte 65 Licenciamento do pessoal dos serviços de tráfego aéreo e oficiais de operações de voo Incluindo a emenda No 1 do 30 de Setembro 2013 SUBPARTE I DISPOSIÇÕES GERAIS 65.01.1 Objectivo

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 12 Certificação e Administração do Operador Aéreo Página 1/91 Índice Parte A: Generalidades.. 6 12.001 Aplicabilidade

Leia mais

REGULAMENTO MOZCAR Parte 175 CERTIFICAÇÃO E OPERAÇÃO DOS SERVIÇOS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO AERONÁUTICA. Incluindo emenda No 1, 4 de Abril 2014

REGULAMENTO MOZCAR Parte 175 CERTIFICAÇÃO E OPERAÇÃO DOS SERVIÇOS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO AERONÁUTICA. Incluindo emenda No 1, 4 de Abril 2014 REGULAMENTO MOZCAR Parte 175 CERTIFICAÇÃO E OPERAÇÃO DOS SERVIÇOS DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Incluindo emenda No 1, 4 de Abril 2014 MOZCAR 175 Rev 1 4 Abril 2014 v 0.3 1 INDICE Conteudo Pagina

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 18 Mercadorias Perigosas Página 1/23 Índice Parte A: Generalidades.4 18.001 Aplicabilidade...4 18.003 Definições.4

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS

COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS As transportadoras europeias elaboraram o Compromisso sobre Prestação de Serviços aos Passageiros das Transportadoras

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 218423502 / Fax:

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Responsabilidade pelas Infracções)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Responsabilidade pelas Infracções) Responsabilidade pelas infracções São responsáveis pelas infracções: o agente sobre o qual recai o facto constitutivo dessa infracção. as pessoas colectivas ou equiparadas. o condutor do veículo quando

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão

Certificação de Sistemas de Gestão Página: 1 de 7 1 - Introdução Fundado em 1828, o Bureau Veritas (BV) é uma organização multinacional cujos serviços abrangem a classificação, verificação e inspecção de navios, aviões, materiais e equipamentos,

Leia mais

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO AS NOVAS REGRAS Dia 17 de Fevereiro entra em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que

Leia mais

Licenciamento do Pessoal Aeronáutico

Licenciamento do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 7 Licenciamento do Pessoal Aeronáutico PARTE A: Generalidades... 10 7.001 Aplicabilidade 10 7.003 Definições 10 7.005 Siglas/Acrónimos 12 PARTE B: Licenças, Qualificações e Autorizações...

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

Autorizações para a prática de trabalho aéreo em avião

Autorizações para a prática de trabalho aéreo em avião CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA? PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 8423500 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 15/98 TELEX 12120 - AERCIV P 1700 LISBOA 01

Leia mais

REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objecto

REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Objecto REGULAMENTO PARA APROVAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento estabelece, ao abrigo do disposto no n.º 4 do artigo 66.º-B do Decreto-Lei

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Procedimentos de voo por instrumentos A elaboração de procedimentos de voo por

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e Seus Componentes Página 1/5 ÍNDICE Parte A: Generalidades..3 3.001 Aplicabilidade..3

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de. REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO. relativo a requisitos de pessoal

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de. REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO. relativo a requisitos de pessoal PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas C Projecto de REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO de [ ] relativo a requisitos de pessoal (Texto relevante para efeitos do EEE) PT PT Projecto de

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

24.11.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 309/51

24.11.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 309/51 24.11.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 309/51 REGULAMENTO (CE) N. o 1108/2009 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2009 que altera o Regulamento (CE) n. o 216/2008 no que se refere

Leia mais

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 02.10. Acreditação de Organizações de Desminagem. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 02.10 Normas Nacionais de Desminagem Acreditação de Organizações de Desminagem Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82 3023470 Fax:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, que entrou em vigor em 28 de Março de 2003,

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone.: 21 842 35 02 / Fax: 21 841 06 12 E-mail: ais@inac.pt Telex:

Leia mais

ACORDO SOBRE TRANSPORTE AÉREO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA

ACORDO SOBRE TRANSPORTE AÉREO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA Decreto n.º 26/2005 Aprova o Acordo sobre Transporte Aéreo entre a República Portuguesa e a República Democrática e Popular da Argélia, assinado em Lisboa em 31 de Maio de 2005 Considerando que se afigura

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas

Regulamento de Bolsas. do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas Regulamento de Bolsas do Instituto Politécnico de Lisboa e Unidades Orgânicas CAPITULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo primeiro Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e

Leia mais

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto)

Capítulo I Disposições gerais. Artigo 1.º (Objecto) AVISO N.º [XX/2015] CENTRAIS PRIVADAS DE INFORMAÇÃO DE CRÉDITO Em linha com a tendência internacional, a legislação financeira nacional consagrou recentemente o figurino das centrais privadas de informação

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes

Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes Normativo Técnico 3 Certificação Original da Aeronave e seus Componentes PARTE A: GENERALIDADES... 3 3.001 APLICABILIDADE... 3 3.003 DEFINIÇÕES... 3 3.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: TIPOS DE CERTIFICADO...

Leia mais

FORMAÇÃO REGULAMENTO

FORMAÇÃO REGULAMENTO FORMAÇÃO REGULAMENTO Data: Julho de 2010 1. Politica e Estratégia A Formação desempenha um papel preponderante no desenvolvimento do indivíduo. É através dela que as pessoas adquirem os conhecimentos necessários

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 196/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as entidades exploradoras dos armazéns e das redes e ramais

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Página 1/56 Índice Parte A: Generalidades.4 4.001 Aplicabilidade.4

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n. 295/98, de 22 de Setembro, que transpôs para o direito interno a Directiva

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 11 Operações de Trabalho Aéreo Página 1/32 ÍNDICE Parte A: Generalidades.4 11.001 Aplicabilidade...4 11.003 Definições.4

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 17 Performance, Peso e Balanceamento Página 1/23 Índice Parte A: Generalidades 3 17.001 Aplicabilidade..3 17.003

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO E TREINO DE SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE Original Página 0 de 37 PREÂMBULO A segurança da aviação

Leia mais

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Regulamento Geral das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Capitulo I Dos Princípios Gerais Artigo 1º Lei Habilitante O presente Regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo das competências conferidas

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

a) O direito de sobrevoar o seu território sem aterrar; b) O direito de fazer escalas, para fins não comerciais, no seu território.

a) O direito de sobrevoar o seu território sem aterrar; b) O direito de fazer escalas, para fins não comerciais, no seu território. DECRETO N.º 26/2005 APROVA O ACORDO SOBRE TRANSPORTE AÉREO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA E POPULAR DA ARGÉLIA, ASSINADO EM LISBOA EM 31 DE MAIO DE 2005 Considerando que se afigura

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968:

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 936-A/99, de 22 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 936-A/99 de 22 de Outubro

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota Justificativa Considerando que em prol dos princípios da descentralização administrativa e da

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

Estatuto do Bolseiro de Investigação

Estatuto do Bolseiro de Investigação Estatuto do Bolseiro de Investigação O Estatuto do Bolseiro de Investigação foi aprovado pela Lei nº 40/2004, de 18 de agosto, alterada e republicada pelo Decreto- Lei n.º 202/2012, de 27 de agosto. O

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade

Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade Normativo Técnico 4 Continuidade do Certificado de Aeronavegabilidade PARTE A: GENERALIDADES... 3 4.001 APLICABILIDADE... 3 4.003 DEFINIÇÕES... 3 4.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 5 PARTE B: CERTIFICADOS DE AERONAVEGABILIDADE...

Leia mais

Requisitos para o Despacho de Voo

Requisitos para o Despacho de Voo Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo PARTE A: GENERALIDADES... 3 16.001 APLICAÇÕES... 3 16.003 DEFINIÇÕES... 3 16.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 3 PARTE B: CONTROLO OPERACIONAL... 4 16.010 CONTROLO

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO

CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO MUNICIPAL DE APOIO AO VOLUNTARIADO Considerando que: O voluntariado está a crescer no nosso país, ganhando cada vez mais expressão e importância, tanto para quem o pratica

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA MINUTA Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA 1. Nos termos do n.º 3 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de

Leia mais

ACORDO SOBRE SERVIÇOS AÉREOS ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO SOBRE SERVIÇOS AÉREOS ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Resolução da Assembleia da República n.º 38/2003 Acordo sobre Serviços Aéreos entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, assinado em Lisboa em 11 de Novembro de 2002 Aprova o Acordo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2007

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2007 Operação de aeronaves de voo livre O Decreto-Lei n.º 238/2004, de 18 de Dezembro,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL

CONDIÇÕES GERAIS. Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL CONDIÇÕES GERAIS Protecção Vida Empresas RAMO VIDA GRUPO - TEMPORÁRIO ANUAL RENOVÁVEL 3 DEFINIÇÕES DISPOSIÇÕES FUNDAMENTAIS

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 16 Requisitos para o Despacho de Voo Página 1/11 Índice Parte A: Generalidades..3 16.001 Aplicações.3 16.003 Definições..3

Leia mais

Decreto-Lei n.º 321/89 de 25 de Setembro

Decreto-Lei n.º 321/89 de 25 de Setembro Decreto-Lei n.º 321/89 de 25 de Setembro O exercício de determinadas actividades comporta uma elevada componente de risco para a generalidade dos cidadãos, justificando a adopção de medidas que, de alguma

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

Requisitos para Transporte de Passageiros

Requisitos para Transporte de Passageiros Normativo Técnico 13 Requisitos para Transporte de Passageiros PARTE A: GENERALIDADES... 4 13.001 APLICABILIDADE... 4 13.003 DEFINIÇÕES... 4 13.005 SIGLAS E ACRÓNIMOS... 4 13.007 TRANSPORTE DE PESSOAS

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 320/02, de 28 de Dezembro, transfere para as câmaras municipais a competência

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 10 Operações de Aeronaves Página 1/121 Índice Parte A: Generalidades..8 10.001 Aplicabilidade 8 10.003 Definições..9

Leia mais

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO

DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO L 262/22 DIRECTIVA 2003/94/CE DA COMISSÃO de 8 de Outubro de 2003 que estabelece princípios e directrizes das boas práticas de fabrico de medicamentos para uso humano e de medicamentos experimentais para

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. REGULAMENTOS DA SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL CONTRA ACTOS DE INTERFERÊNCIA ILÍCITA Índice

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. REGULAMENTOS DA SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL CONTRA ACTOS DE INTERFERÊNCIA ILÍCITA Índice REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REGULAMENTOS DA SEGURANÇA DA AVIAÇÃO CIVIL CONTRA ACTOS DE INTERFERÊNCIA ILÍCITA Índice Índice... 1 DISPOSIÇÕES GERAIS... 8 111.00.1. Designação... 8 111.00.2. Aplicabilidade...

Leia mais

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL

CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA n PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 25/03 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação NORMAS PARA A CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ACTIVIDADES DE INTERESSE PÚBLICO MUNICIPAL Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação O presente conjunto de normas disciplina e regulamenta a concessão de apoio

Leia mais

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga 1 Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga Preâmbulo As condições, sem adequado controle, em que se processa o acesso à vasta área pedonal da cidade de Braga, impõem a

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico15 Limites dos Tempos de Serviço do Pessoal Aeronáutico Página 1/9 Índice Parte A: Generalidades.. 3 15.001 Aplicabilidade...3

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 311/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 1178/2011 DA COMISSÃO de 3 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos técnicos e

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS.

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. Preâmbulo Em 28 de Novembro de 1995, foi publicado o Decreto-Lei

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Projecto de Bruxelas C REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO de [ ] que estabelece regras específicas para a qualificação da tripulação de cabina envolvida em

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança

Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais