Física E Extensivo V. 8

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Física E Extensivo V. 8"

Transcrição

1 Extensivo V. 8 Exercícios 0) II. Verdadeira. Porque haverá variação do fluxo magnético. III. Verdadeira. 0) E 05) a) 03) de C para D 04) A O campo criado na espira retangular e na circular está aumentando. A corrente induzida cria um campo em sentido contrário. Veja: I. Falsa. Pela regra da mão direita, determinamos a corrente.

2 b) 07) 8 O sentido da corrente induzida é tal que se opõe à causa que lhe deu origem, logo cria um campo no mesmo sentido para que o campo pare de diminuir. Observação: em () o campo estará aumentando a corrente induzida cria um campo em sentido contrário; Em () o campo estará diminuindo a corrente induzida cria um campo no mesmo sentido. Pela regra da mão direita, determinamos o sentido da corrente. 06) C 0. Falsa. Na entrada a força magnética é. Na saída a força magnética é. Logo, a Logo, a corrente induzida cria um campo em sentido contrário. 08) A espira levará menos tempo para frear pois é constantemente freada. 0. Falsa. 04. Verdadeira. Todo fio percorrido por corrente elétrica esquenta (efeito Joule). 08. Verdadeira. 6. Verdadeira. Veja a observação acima. I. Em E teremos a formação de um norte e uma corrente de A para B. Assim uma corrente de C para D aparecerá em E defletindo a bússola (regra da mão direita).

3 II. Com o imã parado, não há indução eletromagnética e, portanto, a bússola mantém-se como na posição inicial. III. Em E teremos a formação de um sul, e uma corrente de B para A será gerada. A situação descrita acarretará uma deflexão oposta à situação I. 09) 0. Verdadeira. O sentido da corrente induzida é tal que se opõe à causa que lhe deu origem. Como esta se deu a partir do aumento de um campo magnético, a corrente induzida cria um campo em sentido contrário. 0. Verdadeira. 04. Falsa. À medida que a espira é introduzida no campo, o módulo do fluxo magnético aumenta. 08. Verdadeira. 6. Falsa. ) A II. Falsa. O contrário: o diodo acenderá e manter-se-á apagado. III. Falsa. O contrário: o diodo apagará e acenderse-á. F = B. i. L. sen 90 o F = B. i. L como i = V R F = B. V R. a 0) A Observação: para que o diodo emita luz, é necessário que o sentido da corrente coincida com a da representação do diodo. I. Verdadeira. O sentido da corrente induzida se opõe à causa que lhe deu origem, diminuindo assim cada vez mais sua amplitude. ) E

4 Como em I a área da espira é maior, o fenômeno da indução será mais intenso e, por consequência, o valor da corrente também será. Já os sentidos serão iguais. O campo gerado no solenoide abaixo é horizontal para direita e está aumentando. A corrente induzida cria um campo no sentido contrário; logo, horizontal para a esquerda. Perceba o sentido da corrente induzida. 3) 94 II. 5) A 0. Falsa. O campo magnético decresce com o aumento da distância. Como as espiras se distanciam do fio, o campo magnético no seu interior diminui. 0. Verdadeira. 04. Falsa.. 4) A I. 08. Verdadeira. A variação do fluxo por tempo será maior ε = t 6. Verdadeira. 3. Falsa. 64. Verdadeira. 6) D Havendo um corrente contínua no circuito de cima, não haverá variação do fluxo magnético no condutor de baixo, assim não haverá registro de corrente elétrica. 7) C Perceba que o condutor em questão, a bobina, trata-se de um condutor aberto. Sendo assim, ao aproximarmos da bobina o ímã, haverá variação do fluxo e consequentemente força eletromotriz induzida, mas não haverá passagem de corrente. 8) E No momento em que a chave C é fechada, o campo magnético gerado por esse solenoide sobre o seguinte está aumentando.

5 9) D 3) C Quando o aro penetra na região do campo, a corrente induzida cria uma força em sentido contrário retardando o tempo de entrada. Quando o aro começa a sair da região onde existe o campo, a corrente induzida cria uma força em sentido contrário retardando o tempo de saída. 4) B 0) A 5) D No momento em que a chave ch é fechada, o campo magnético gerado por essa na bobina B estará aumentando, ocasionando indução e, portanto, aparecimento de corrente induzida. ) Falsa. Na queda a corrente induzida irá gerar um polo norte no solenoide se opondo ao movimento do ímã. 0. Verdadeira. Porque há variação do fluxo magnético. 04. Verdadeira. 08. Falsa. Na entrada no solenoide a força magnética é oposta à força peso, aumentando assim o tempo que o ímã leva para atravessar o solenoide. 6. Verdadeira. Na entrada o fluxo magnético no interior do solenoide estará aumentando, criando assim uma corrente. Da metade inferior até sair completamente, o fluxo dentro do solenoide estará diminuindo, criando uma corrente num sentido oposto ao da entrada. 3. Falsa. Haverá variação no fluxo, portanto f.e.m. induzida. 64. Verdadeira. ) C Vamos aplicar a lei de Lenz pra cada espira e depois sobrepor os efeitos. o indução na espira inferior

6 Pela lei de Lenz, determinamos o sentido da corrente i, observando que em sua face de baixo surge um polo sul. o indução na espira superior Quando as molas M e M fazem o circuito oscilar para cima, o fluxo magnético no interior do circuito diminui. A corrente induzida cria um campo no mesmo sentido da região. 7) E perceba que de 0 a t a corrente I está aumentando, criando na espira uma corrente induzida contínua num certo sentido. perceba que de t a t a corrente I está constante, não havendo indução eletromagnética. Perceba que de t a t 3 a corrente I passa a diminuir criando na espira uma corrente induzida contínua em sentido oposto ao do primeiro trecho. 6) A Sendo i > i, pois o ímã está mais próximo da espira inferior, concluímos que as correntes se subtraem, pois estão em sentidos opostos. 8) A Variação no campo variação no fluxo corrente induzida 9) C Quando o peso W faz as duas molas M e M descerem, o fluxo magnético dentro do circuito aumenta. A corrente induzida cria um campo em sentido contrário ao da região. 30) a) É devida à indução eletromagnética; b) Quando R diminui, a corrente que circula no solenoide da esquerda aumenta, aumentando assim o campo magnético criado por esse no solenoide da direita. Este por sua vez cria um campo em sentido contrário (Lei de Lenz). Perceba:

7 3) C O sentido da corrente induzida é tal que se opõe à causa que lhe deu origem. 3) 35) D I. Falsa. Não haverá corrente circulando em A devido à presença do capacitor, logo não teremos indução eletromagnética. Porém, o capacitor C se carregará. II. Verdadeira. III. Falsa. Num instante inicial, uma pequena corrente i (tempo muito pequeno) passa através do resistor consumindo uma parte da d.d.p. V da bateria. VI. Verdadeira. V. Verdadeira. 33) 3 0. Verdadeira. 34) B 0. Falsa. Lei de Lenz: O sentido se opõe à causa. 04. Verdadeira. ε = t 08. Verdadeira. 6. Falsa. Fluxo magnético constante não gera indução eletromagnética. 3. Falsa. O sentido quando o imã entra é oposto ao de quando sai. 36) 5 0. Verdadeira. 0. Verdadeira. 04. Verdadeira. R = ρ A 08. Verdadeira. 6. Falsa. Os transformadores funcionam com base na lei de Faraday (indução eletromagnética). 3. Falsa. É diretamente proporcional ao quadrado da corrente. 37) D 38) D máquina a vapor gerador lâmpada energia térmica energia mecânica energia elétrica energia térmica e luminosa 39) C V eficaz = V máx t a t3 B na região constante D = 0 i induzido = 0 40) 90 W

8 V eficaz médio = V máx = 60 P média = V médio = R 60 0 = 90 W 4) P média = V médio 800 = V médio R 50 V médio V médio = 00 V 4) 06 V máximo = V médio. = 00 V Assim: f = 60 Hz V (t) = V máx. (π. f. t). [V] V (t) = 00. (π. 60. t). [V] V (t) = 00. (0π. t) [V] 0. Falsa. i = N N. i = Verdadeira. Indução eletromagnética. 04. Verdadeira. 08. Falsa. Não necessariamente. Existem transformadores abaixadores ou aumentadores de tensão. 6. Falsa. i = N N 43) C I. Verdadeira. 44) C II. Falsa. V N = V N. i III. Verdadeira. IV. Verdadeira. Lei de Lenz. 45) 4 0. Verdadeira. 0. Falsa. A indução eletromagnética é ocasionada por valores de correntes variáveis que induzem o aparecimento de correntes induzidas no secundário. 04. Falsa. Um transformador não funciona ligando o primário a uma fonte de tensão contínua. (bateria) 08. Verdadeira. V = V V N N 500 = V = 0 V. 6. Falsa. Tanto a tensão quanto a corrente sofrem transformações. 3. Verdadeira. Ø = B. A. cosθ 46) C V = V N N 0 0 V = 000 V = 550 V V = R. i 550 = i i = 0,75 A 47) E O transformador, para funcionar, precisa ser ligado a uma fonte de tensão alternada. Da forma proposta, haverá fluxo no secundário, porém não haverá indução eletromagnética. 48) D N = N N = N V = 0 V i = A 49) B N N V = V N N 0 V = N N V = 0 V i. N = i. N N = i. N i = A P = V. i P = 0. P = 0 W = 0 V = V V N = V. N N N V = V. 0 V = V 0 50) 05 N < N V < V i > i 0. Verdadeira. 0. Falsa. O transformador não funciona ligado a uma fonte de tensão contínua. 04. Verdadeira. 08. Falsa. i. N = i. N i > i 6. Falsa. 8

9 5) a) V N 5) C = V N 8800 N = 0 N N N = = 40 b) P primário = P secundário + P secundário (conservação da energia) 8000 = P secundário + V. i 8000 = P secundário = P secundário P secundário = V. i = i = i = 400 A 53) C () fusível (proteção) (4) gerador (3) motor ou receptor elétrico () 54) B 55) E Considerando que a usina em questão tenha a eficiência relatada, podemos afirmar que: P = 5 milhões W = J s Essa energia é de origem potencial gravitacional m. g. h = t Considerando que kg de água seja aproximadamente L, podemos considerar que a relação m seja t aproximadamente a vazão desejada (R). R. g. h = R = 0. 0 = R = ,67 /s No entanto isso representa 90% ,67 90% x 00% x ,074 /s Aproximadamente ou na ordem de /s. 56) D I. A turbina se movimenta com a passagem da água (cinética) e essa energia é transformada em elétrica pelo gerador. II. A energia potencial da água é transformada em energia cinética movendo as pás da turbina. 57) E A usina que mais ônus (prejuízo) causou ao meio ambiente na relação entre potência instalada e área devastada é Sobradinho. Sobradinho = 44 km 4, MW Itaipu = 350 km 0, 600 MW Furnas = km, MW 58) A O princípio da conservação da energia é um princípio fundamental da natureza. 59) D Como a potência é diretamente proporcional ao quadrado da tensão, teremos uma maior potência P = V R A lâmpada brilhará mais, até porque é percorrida por mais corrente elétrica. No entanto, aquecerá mais, diminuindo assim sua durabilidade. 60) D I. Verdadeira. II. Verdadeira. III. Falsa. Aumenta o crescimento de bactérias. 6) D I. Verdadeira. II. Verdadeira. III. Falsa. É resfriada no condensador e jogada no rio. 6) E Todos os itens refletem no consumo de energia Energia = número de equipamentos. Potência. Tempo de uso 63) C 4 moradores E reduzido = 300 kwh 300 kwh 00% E 5% chuveiro E = 75 kwh E = P. t 75 kwh = 5 kwh. t t = 5 horas consumidas por mês pelos 4 moradores ou t = 3,75 consumo mensal de cada morador 30

10 64) A t = 0,5 horas diárias de cada morador x 60 t = 7,5 minutos diários de cada morador 65) C Todas as recomendações têm em comum a perda ou o excesso de energia elétrica convertida em calor (efeito Joule). 66) D A energia solar, a energia eólica e a energia mecânica das águas são fontes de energia renováveis. Observação: lembre-se que a instalação das usinas hidrelétricas podem causar sérios impactos ambientais. 67) E 7) A 7) D I. Verdadeira MW. 0,6 = 44 Mw II. Verdadeira.. 0 MW = 0 MW. 0 MW. 0, = 4 MW 44 MW III. Verdadeira MW = 40 MW. 0 MW. 0,4 = 4 MW 44 MW 73) D Dos 50% absorvidos diretamente pela atmosfera, 0% são devolvidos diretamente e mais 4% absorvidos pela água e pelo CO presentes na atmosfera. 74) E V 4% pois é essa parte que se relaciona com a diminuição da água represada. 68) C kwh R$0, kwh x x = R$95, 69) E I. Falsa. P nominal máxima da Usina de Três Gargantas é maior. II. Verdadeira. III. Verdadeira. 70) E 4 turbinas 40 MW (potência instalada) Assim cada turbina tem uma potência máxima de 0 MW. Aos domingos 40 MW. 60% = 44 MW 75) C Perceba uma queda abrupta na evolução do gráfico entre 00 e ) C De 975 a 005 Energia = = 305 GWh Num mesmo intervalo de tempo, ou seja, 30 anos De 005 a 005 E 3056 GWh Chegaremos a um consumo de energia de Gwh (consumo já em 005) (previsão dessa tendência linear) 77) B Para se construir uma hidrelétrica, o investimento é de aproximadamente US$00 por kw; já os parques eólicos exigem US$000 por kw. Perceba que esse investimento é 0 vezes maior do que em uma hidrelétrica. 0

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da

φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da 01 As afirmativas: I) Falsa, pois o ângulo formado entre a normal ao plano da espira é de 60, assim o fluxo eletromagnético é: φ = B A cosθ, em que θ é o ângulo formado entre a normal ao plano da espira

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Introdução às máquinas CA

Introdução às máquinas CA Introdução às máquinas CA Assim como as máquinas CC, o princípio de funcionamento de máquinas CA é advindo, principalmente, do eletromagnetismo: Um fio condutor de corrente, na presença de um campo magnético,

Leia mais

f = B. A. cos a Weber

f = B. A. cos a Weber FLUXO MAGNÉTICO (f) Tesla T f = B. A. cos a Weber Wb metros quadrados m onde a ângulo formado entre n e B UEPG 1 PERGUNTA gera Se vimos que i B, será que o contrário é gera verdadeiro? Isto é, B i? EXPERIÊNCIAS

Leia mais

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica.

Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Sistemas de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Ímã: Princípios de Eletromecânica Ímã é um objeto formado por material ferromagnético que apresenta um campo magnético à sua volta.

Leia mais

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48)

Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC. cel: (48) Ismael Rodrigues Silva Física-Matemática - UFSC cel: (48)9668 3767 Maxwell formulou um conjunto de 4 equações (equações de Maxwell) que desempenham no eletromagnetismo o mesmo papel que as leis de Newton

Leia mais

FÍSICA MÓDULO 11 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Professor Sérgio Gouveia

FÍSICA MÓDULO 11 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Professor Sérgio Gouveia FÍSICA Professor Sérgio Gouveia MÓDULO 11 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. INTRODUÇÃO Faraday e Lenz desenvolveram, a partir de 1831, o estudo do fenômeno da indução eletromagnética. Vamos descrever o fenômeno

Leia mais

I ind. Indução eletromagnética. Lei de Lenz. Fatos (Michael Faraday em 1831): 2 solenóides

I ind. Indução eletromagnética. Lei de Lenz. Fatos (Michael Faraday em 1831): 2 solenóides Lei de Lenz Fatos (Michael Faraday em 1831): solenóides A I ind A I ind ao se ligar a chave, aparece corrente induzida na outra espira I di > 0 ao se desligar a chave, também aparece corrente induzida

Leia mais

Indução eletromagnética: produção de uma força eletromotriz (fem) induzida quando um campo magnético varia com o tempo.

Indução eletromagnética: produção de uma força eletromotriz (fem) induzida quando um campo magnético varia com o tempo. Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 32-2, 32-3, 32-4, 32-5 S. 30-2, 30-3, 30-4, 30-5 T.

Leia mais

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL

PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL PLANOS DE AULA DO MATERIAL INSTRUCIONAL Professor: Alencar Material a ser aplicado a uma turma de 30 alunos do terceiro ano do Ensino Médio em seis períodos de 50 min cada. Plano para 1ª aula Objetivos

Leia mais

Condensador equivalente de uma associação em série

Condensador equivalente de uma associação em série Eletricidade Condensadores São componente constituído por dois condutores separados por um isolador: os condutores são chamados armaduras (ou placas) do condensador e o isolante é o dielétrico do condensador.

Leia mais

Projeto Transformadores

Projeto Transformadores Parte 0 Equipamentos e membros Projeto Transformadores Para esse experimento, precisaremos da seguinte lista de equipamentos: 1 gerador de sinais digital 1 transformador didático (desmontável) 2 galvanômetros

Leia mais

Respostas Caderno de Exercícios 4

Respostas Caderno de Exercícios 4 4 Unidade 9 Eletrodinâmica Parte II capítulo 1 Associação de dispositivos elétricos em circuitos residenciais. D 3. C 4. A 5. D 6. A 7. A 8. D 9. C 10. D 11. D 1. a) i total 5 A b) R$ 7,9 14. D 15. B 16.

Leia mais

Lei de indução de Faraday. Prof. Fábio de Oliveira Borges

Lei de indução de Faraday. Prof. Fábio de Oliveira Borges Lei de indução de Faraday Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil https://cursos.if.uff.br/!fisica2-0117/doku.php

Leia mais

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II

ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II ENGC25 - ANÁLISE DE CIRCUITOS II Módulo V CIRCUITOS ACOPLADOS MAGNETICAMENTE INTRODUÇÃO AOS TRANSFORMADORES UFBA Curso de Engenharia Elétrica Prof. Eugênio Correia Teixeira Campo Magnético Linhas de fluxo

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Dados: ANATEL - DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 1 RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO CORRIGIDO CONFORME A ERRATA Fonte:

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Médio 3 Ano Prof.º: Wesley Disciplina Física Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Médio 3 Ano Prof.º: Wesley Disciplina Física Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Médio 3 Ano Prof.º: Wesley Disciplina Física Aluno (a):. No. Trabalho de Recuperação Data: /12/2016 Valor: Orientações: -Responder manuscrito; -Cópias de colegas, entrega com atraso,

Leia mais

Sétima Lista - Lei de Faraday

Sétima Lista - Lei de Faraday Sétima Lista - Lei de Faraday FGE211 - Física III Sumário O fluxo magnético através de uma superfície S é definido como Φ B = B da A Lei da Indução de Faraday afirma que a força eletromotriz (fem) induzida

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANA. Campus Campo Largo. Geradores Elétricos Prof. Roberto Sales

INSTITUTO FEDERAL DO PARANA. Campus Campo Largo. Geradores Elétricos Prof. Roberto Sales Geradores Elétricos 2017 Conteúdo Tema: Geração de energia Subtema: Geradores químicos e mecânicos Geradores químicos Contextualização conceitual: Circuito equivalente; Equação do gerador; Curva de carga;

Leia mais

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA Em 1819, Oersted ao aproximar uma bússola de um fio percorrido por corrente, observou que a agulha se movia, até se posicionar num plano perpendicular ao fio. Esta

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATEÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 2 que por sua vez, faz parte do CURO de ELETRO AALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá uma

Leia mais

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 09-Setembro Lista de Problemas 15 ant Revisão G4. Temas: Toda Matéria.

FIS1053 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 09-Setembro Lista de Problemas 15 ant Revisão G4. Temas: Toda Matéria. FIS153 Projeto de Apoio Eletromagnetismo 9-Setembro-11. Lista de Problemas 15 ant Revisão G4. Temas: Toda Matéria. 1ª Questão (,): A superfície fechada mostrada na figura é constituída por uma casca esférica

Leia mais

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação

1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação Lista de exercícios 9 - Indução e Indutância 1. Na Figura, o fluxo de campo magnético na espira aumenta de acordo com a equação φ B = 6,0t2 + 7,0t, onde φb está em miliwebers e t em segundos. (a) Qual

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Indução Eletromagnética

Indução Eletromagnética Indução Eletromagnética 1 Aprendemos que uma força eletromotriz (fem) é necessária para produzir uma corrente em um circuito. Até aqui, quase sempre tomamos uma bateria como a fonte de fem. Contudo, para

Leia mais

TRANSFORMADOR MONOFÁSICO. Prof. Nelson M. Kanashiro 1. N0ÇÕES DE ELETROMAGNETISMO I I. Densidade de Fluxo Magnético ou simplesmente Campo Magnético,

TRANSFORMADOR MONOFÁSICO. Prof. Nelson M. Kanashiro 1. N0ÇÕES DE ELETROMAGNETISMO I I. Densidade de Fluxo Magnético ou simplesmente Campo Magnético, TRASFORMADOR MOOFÁSCO 1 0ÇÕES DE ELETROMAGETSMO Os materiais magnéticos, denominados como Magnetitas ou Ímãs Permanentes já eram conhecidos pelos gregos a mais de 2500 anos Certas pedras da região da Magnésia

Leia mais

Física C Extensivo V. 5

Física C Extensivo V. 5 GABAITO Física C Extensivo V. 5 Exercícios 0) a) = 4 + = 6 Ω 06) = Ω b) V = 48 = 6 i = A c) = = 4. = V V = V =. = 6 V d) P = P = 4. = 6 w P = P =. = 08 w e) P total = P + P = 44 w f) gerador ideal P fornecida

Leia mais

EXERCÍCIOS FÍSICA 3ª SÉRIE

EXERCÍCIOS FÍSICA 3ª SÉRIE 3ª SÉRIE PROF. HILTON EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES ELETROMAGNETISMO INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA QUESTÕES OBJETIVAS Indução eletromagnética. Fluxo de indução magnética 1) (UFMG) A figura mostra um circuito composto

Leia mais

Eletromagnetismo II. Prof. Daniel Orquiza. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho

Eletromagnetismo II. Prof. Daniel Orquiza. Prof. Daniel Orquiza de Carvalho Eletromagnetismo II Prof. Daniel Orquiza Eletromagnetismo II Prof. Daniel Orquiza de Carvalho (Capítulo 9 Páginas 277a 284) Lei de Faraday. Lei de Lenz. Eletromagnetismo I 1 Prof. Daniel Orquiza Campos

Leia mais

ALUNO(A): TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO:

ALUNO(A): TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: ALUNO(A): PROVA COMENTADA OBF 014 PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 Professor: Edney Melo Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: 01. A unidade de energia no sistema internacional é o JOULE (J) 0. Uma fonte renovável

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Plano de Estudos Independentes de Recuperação ( No período de férias escolares)

Plano de Estudos Independentes de Recuperação ( No período de férias escolares) Plano de Estudos Independentes de Recuperação ( No período de férias escolares) 3ºANO Física (Prof. Ronaldo) Carga Elétrica Processos de Eletrização. Lei de Coulomb. Campo e Potencial Elétrico. Trabalho

Leia mais

Potência e Energia Elétrica

Potência e Energia Elétrica Potência e Energia Elétrica Para qualquer máquina, em particular, para os aparelhos elétricos, definimos potência como a taxa de transformação ou conversão de energia na forma de calor outra forma de energia,

Leia mais

CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES)

CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES) CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES) Prof. Helton Luiz 2012 O QUE É NECESSÁRIO PARA QUE UM APARELHO ELÉTRICO FUNCIONE? Um brinquedo Um rádio Uma lanterna Uma lâmpada Estes aparelhos só

Leia mais

Electromagnetismo Aula Teórica nº 22

Electromagnetismo Aula Teórica nº 22 Electromagnetismo Aula Teórica nº 22 Departamento de Engenharia Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto PJVG, LMM 1 Breve revisão da última aula O motor de corrente contínua Inductâncias A

Leia mais

2-ELETROMAGNETISMO (Página 24 a 115 da apostila Fundamentos do Eletromagnetismo, do professor Fernando Luiz Rosa Mussoi) (Slides da apresentação

2-ELETROMAGNETISMO (Página 24 a 115 da apostila Fundamentos do Eletromagnetismo, do professor Fernando Luiz Rosa Mussoi) (Slides da apresentação 2-ELETROMAGNETISMO (Página 24 a 115 da apostila Fundamentos do Eletromagnetismo, do professor Fernando Luiz Rosa Mussoi) (Slides da apresentação ão: Geração de Corrente Alternada do professor Clóvis Antônio

Leia mais

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (ITA 2009) Uma haste metálica com 5,0 kg de massa e resistência de 2,0 Ω desliza sem atrito sobre duas barras paralelas separadas de 1,0 m, interligadas por um condutor de resistência

Leia mais

AULAS UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied

AULAS UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Graduação em Engenharia Elétrica AULAS 01-0 UNIDADE 1 MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS (MAE) Prof. Ademir Nied ademir.nied@udesc.br

Leia mais

Prof. A.F.Guimarães Física 3 Questões 10

Prof. A.F.Guimarães Física 3 Questões 10 Questão 1 Numa região do espaço existe um campo magnético tal que é um vetor constante no espaço, porém variável no tempo. Coloca-se neste campo uma espira contida num plano que forma um ângulo com o vetor.

Leia mais

Física: Interação e tecnologia. Conteúdo programático. Encontre bons resultados em aprendizagem. Junte nossa experiência em fazer bons

Física: Interação e tecnologia. Conteúdo programático. Encontre bons resultados em aprendizagem. Junte nossa experiência em fazer bons Junte nossa experiência em fazer bons livros à sua competência para ensinar: Encontre bons resultados em aprendizagem. Física: Interação e tecnologia Conteúdo programático MATERIAL DE DIVULGAÇÃO - ESCALA

Leia mais

Lista de Exercícios. Campo Magnético e Força Magnética

Lista de Exercícios. Campo Magnético e Força Magnética Lista de Exercícios Campo Magnético e Força Magnética 1. Um fio retilíneo e longo é percorrido por uma corrente contínua i = 2 A, no sentido indicado pela figura. Determine os campos magnéticos B P e B

Leia mais

Física C Extensivo V. 4

Física C Extensivo V. 4 GBITO Física C Extensivo V. Exercícios 0) F. lei de Ohm se refere a um tipo de resistor com resistência constante cuja resistência não depende nem da tensão aplicada nem da corrente elétrica. F. penas

Leia mais

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2)

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) SUMÁRIO Sinais Senoidais Circuitos CA Resistivos Circuitos CA Indutivos Circuitos CA Capacitivos Circuitos RLC GERADOR TRIFÁSICO Gerador Monofásico GRÁFICO

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 1

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 1 ESCOL POLITÉCNIC D UNIVERSIDDE DE SÃO PULO PE - Departamento de Engenharia de Energia e utomação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 1 1. Circuitos em corrente contínua 2. Circuitos monofásicos

Leia mais

ELETRICIDADE GERAL E APLICADA. Armando Alves Hosken Neto

ELETRICIDADE GERAL E APLICADA. Armando Alves Hosken Neto ELETRICIDADE GERAL E APLICADA Armando Alves Hosken Neto MAGNETISMO IMÃS: ATRAÇÃO DE CERTOS MATERIAIS (FERRO) MAGNETISMO IMÃ: Dispositivo capaz de atrair Fe, Co, Ni, Aço (ferromagnéticos) MAGNETISMO TIPOS

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2

Questão 1. Questão 3. Questão 2 Questão 1 A autoindutância (ou simplesmente indutância) de uma bobina é igual a 0,02 H. A corrente que flui no indutor é dada por:, onde T = 0,04 s e t é dado em segundos. Obtenha a expressão da f.e.m.

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. 1 O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; -

Leia mais

Indução Electromagnética. Força Electromotriz

Indução Electromagnética. Força Electromotriz Indução Electromagnética Força Electromotriz Escola Secundária Anselmo de Andrade 2011/2012 Fluxo Magnético B A cos N B B : Fluxo Magnético (Wb) : Vector Campo Magnética (T) A A: Área da espira (m 2 )

Leia mais

Física C Extensivo V. 4

Física C Extensivo V. 4 GBITO Física C Extensivo V. Exercícios 0) F. lei de Ohm se refere a um tipo de resistor com resistência constante cuja resistência não depende nem da tensão aplicada nem da corrente elétrica. F. penas

Leia mais

Matriz de referência DE FÍSICA - SAERJINHO ANO ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE FÍSICA - SAERJINHO ANO ENSINO MÉDIO 1 ANO ENSINO MÉDIO MATÉRIA E ENERGIA TERRA E UNIVERSO H01 Reconhecer a equivalência entre massa e energia, descrevendo processos de conversão de massa em energia. H02 Reconhecer a equivalência entre massa

Leia mais

Eletricidade CAP2. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletricidade CAP2. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletricidade CAP2 Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Grandezas elétricas fundamentais Tensão elétrica (DDP) O mesmo que voltagem ou d.d.p. (diferença

Leia mais

Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = Indutor; C = Capacitor

Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = Indutor; C = Capacitor Circuitos em Corrente Alternada contendo R, L e C. R = Resistor; L = ndutor; C = Capacitor No Resistor Considerando uma corrente i( = m cos( ω t + φ) circulando no resistor, teremos nos seus terminais

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética

INDUÇÃO MAGNÉTICA. Indução Magnética INDUÇÃO MAGNÉTIA Prof. ergio Turano de ouza Lei de Faraday Força eletromotriz Lei de Lenz Origem da força magnética e a conservação de energia.. 1 Uma corrente produz campo magnético Um campo magnético

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

Campo Magnético - Lei de Lenz

Campo Magnético - Lei de Lenz Campo Magnético - Lei de Lenz Evandro Bastos dos Santos 22 de Maio de 2017 1 Introdução Na aula passada vimos como uma variação do fluxo de campo magnético é capaz de provocar uma fem induzida. Hoje continuamos

Leia mais

Física. 28)Para exemplificar pares de forças, segundo o princípio da ação-reação, são apresentadas as seguintes situações:

Física. 28)Para exemplificar pares de forças, segundo o princípio da ação-reação, são apresentadas as seguintes situações: Física 26) De um determinado local da superfície da Terra um objeto é lançado verticalmente para cima Considerando as seguintes grandezas físicas envolvidas nesse experimento: 1 velocidade inicial de lançamento,

Leia mais

Fluxo Magnético. Onde: B

Fluxo Magnético. Onde: B FÍSICA Fluxo Magnético Φ B.A.cos θ n Onde: θ B A O fluxo magnético é a medida da quantidade de linhas de indução que atravessam uma superfície em função do tempo. É dado pelo produto entre o campo magnético,

Leia mais

(A) F V F. (B) V F V. (C) F F V. (D) V V F.

(A) F V F. (B) V F V. (C) F F V. (D) V V F. ESCOLA ESTADUAL JOÃO XXIII A Escola que a gente quer é a Escola que a gente faz! NATUREZA DA ATIVIDADE: EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO - ELETROMAGNETISMO DISCIPLINA: FÍSICA ASSUNTO: INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA Educando

Leia mais

1. (Enem 98) Na figura a seguir está esquematizado um tipo de usina utilizada na geração de eletricidade.

1. (Enem 98) Na figura a seguir está esquematizado um tipo de usina utilizada na geração de eletricidade. COLETÂNEA ENEM PROF. SAMUEL DEGTIAR 1. (Enem 98) Na figura a seguir está esquematizado um tipo de usina utilizada na geração de eletricidade. Analisando o esquema, é possível identificar que se trata de

Leia mais

RESOLUÇÃO DO TC DO CLICK PROFESSOR

RESOLUÇÃO DO TC DO CLICK PROFESSOR Resposta da questão 1: Podemos garantir apenas que o feixe de radiação gama (sem carga) não é desviado pelo campo magnético, atingindo o ponto 3. Usando as regras práticas do eletromagnetismo para determinação

Leia mais

Máquinas Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira

Máquinas Elétricas. Odailson Cavalcante de Oliveira Máquinas Elétricas Odailson Cavalcante de Oliveira Campo Magnético Fluxo magnético Permeabilidade Magnética Relutância Experiência de Oersted Densidade do Campo Magnético Solenoide Vetor Força Magnetizante

Leia mais

Capitulo 7 Geradores Elétricos CA e CC

Capitulo 7 Geradores Elétricos CA e CC Capitulo 7 Geradores Elétricos CA e CC 7 Geradores Elétricos CA e CC Figura 7-1 Gerador Elétrico CA A energia elétrica é obtida através da conversão de energia mecânica (movimento) em energia elétrica

Leia mais

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA

MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA MÁQUINAS HIDRÁULICAS AULA 14 TURBINAS HIDRÁULICAS PROF.: KAIO DUTRA Centrais Hidroelétricas A energia hidráulica encontra-se no mares, rios e reservatórios, sob a forma potencial e cinética e podem ser

Leia mais

Prof. Fábio de Oliveira Borges

Prof. Fábio de Oliveira Borges Exercícios Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil http://cursos.if.uff.br/fisica2-2015/ Exercício 01 01)

Leia mais

Princípios de máquinas elétricas força induzida Um campo magnético induz uma força em um fio que esteja conduzindo corrente dentro do campo

Princípios de máquinas elétricas força induzida Um campo magnético induz uma força em um fio que esteja conduzindo corrente dentro do campo Princípios de máquinas elétricas Uma máquina elétrica é qualquer equipamento capaz de converter energia elétrica em energia mecânica, e vice-versa Principais tipos de máquinas elétricas são os geradores

Leia mais

Experimento 8 - Linhas de indução eletromagnética

Experimento 8 - Linhas de indução eletromagnética Experimento 8 - Linhas de indução eletromagnética Conceitos Distribuição das linhas de campo magnético de um condutor retilíneo. Verificar o sentido da corrente utilizando uma bússola. Analise das linhas

Leia mais

EM - ELETROMAGNETISMO. Prof. Eduardo Calsan Depto. de Elétrica EN/TN/MC/AI

EM - ELETROMAGNETISMO. Prof. Eduardo Calsan Depto. de Elétrica EN/TN/MC/AI EM - ELETROMAGNETISMO Prof. Eduardo Calsan Depto. de Elétrica EN/TN/MC/AI Força eletromotriz induzida (f.e.m.i.): analisando um condutor retilíneo em movimento no interior de um campo magnético uniforme,

Leia mais

Aula 10: Indução e Indutância

Aula 10: Indução e Indutância Aula 10: Indução e Indutância Curso de Física Geral III F-38 1 o semestre, 014 F38 1S014 1 Indução Aprendemos que: Uma espira condutora percorrida por uma corrente i na presença de um campo magnético sofre

Leia mais

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT FÍSIC GERL E EXPERIMENTL II PROF JOÃO RODRIGO ESCLRI - 2012 ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSIC II GERDORES E LEI DE POULIETT 1. 4. figura representa um trecho de um circuito percorrido por uma corrente com intensidade

Leia mais

MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS. Fonte: logismarket.ind.br

MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS. Fonte: logismarket.ind.br MÁQUINAS ELÉTRICAS ROTATIVAS Fonte: logismarket.ind.br OBJETIVO Ao final deste capitulo o aluno estará apto a entender e aplicar conhecimentos relativos a Máquinas Elétricas Rotativas As máquinas elétricas

Leia mais

Q t. A corrente elétrica corresponde ao fluxo de elétrons. Os elétrons vão para o polo positivo de um gerador (pilha ou bateria)

Q t. A corrente elétrica corresponde ao fluxo de elétrons. Os elétrons vão para o polo positivo de um gerador (pilha ou bateria) Eletrodinâmica A eletrodinâmica está presente em praticamente todos os lugares da vida moderna. As instalações elétricas e suas lâmpadas, aquecedores fazem parte do cotidiano do homem moderno. Para exames

Leia mais

2 Eletrodinâmica. Corrente Elétrica. Lei de Ohm. Resistores Associação de Resistores Geradores Receptores. 4 Instrumento de Medidas Elétricas

2 Eletrodinâmica. Corrente Elétrica. Lei de Ohm. Resistores Associação de Resistores Geradores Receptores. 4 Instrumento de Medidas Elétricas 2. Eletrodinâmica Conteúdo da Seção 2 1 Conceitos Básicos de Metrologia 4 Instrumento de Medidas Elétricas 2 Eletrodinâmica Corrente Elétrica Resistência Elétrica Lei de Ohm Potência Elétrica Resistores

Leia mais

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas:

Energia É definida como tudo aquilo capaz de realizar ou produzir trabalho. Ela existe em diversas modalidades sob várias formas: 1. Instalações Elétricas de Baixa Tensão: 1.1. Introdução A energia elétrica está presente em inúmeras atividades do ser humano. Ela é sinônimo de desenvolvimento de um país e de padrão de vida de sua

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Índice

Máquinas Eléctricas. Índice Generalidades Luis Pestana Índice Generalidades MATERIAIS E CIRCUITOS MAGNÉTICOS Algumas Leis dos Campos Magnéticos Conceitos básicos dos campos magnéticos Campo criado por uma corrente I Intensidade de

Leia mais

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo Unidade 8 Eletricidade e Magnetismo Eletrostática e Eletrodinâmica Os fenômenos elétricos estão associados aos elétrons. Cargas Elétricas As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas Cargas opostas

Leia mais

Física E Superintensivo

Física E Superintensivo uperintensivo Exercícios ) C ) B C F 3. ubstituindo C 4 o C, temos: 5 9 F 4,8 o F. Podemos verificar que o ponto de fusão do gelo ( o C) é equivalente a 4 o na escala W. Para encontrar o ponto de ebulição,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RN CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RN CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RN CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ ELETROMAGNETISMO 1. (UFRN-11) O inglês Michael Faraday (1791 1867) pode ser considerado

Leia mais

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada

Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada Experimento 4 Indutores e circuitos RL com onda quadrada 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento de indutores associados a resistores em circuitos alimentados com onda quadrada. 2.

Leia mais

TRANSFORMADORES. Introdução

TRANSFORMADORES. Introdução TRANSFORMADORES Introdução Por volta do século XIX, o físico britânico Michael Faraday estabeleceu o fenômeno da indução magnética. Uma das experiências de Faraday consistiu em induzir uma corrente numa

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE

UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE UTFPR DAELN CORRENTE ALTERNADA, REATÂNCIAS, IMPEDÂNCIA & FASE 1) CORRENTE ALTERNADA: é gerada pelo movimento rotacional de um condutor ou um conjunto de condutores no interior de um campo magnético (B)

Leia mais

Planejamento e projeto das instalações elétricas

Planejamento e projeto das instalações elétricas Planejamento e projeto das instalações elétricas 1) A energia elétrica fornecida aos consumidores residenciais é resultado da conexão do consumidor com: a) Sistema elétrico de geração; b) Sistema de compatibilidade

Leia mais

Física C Semiextensivo V. 4

Física C Semiextensivo V. 4 GRITO Física Semiextensivo V. 4 Exercícios 0) a) 0 ; b) 800 W; c) 4,0 Ω; d) 80 V. 0) a) P consumida 00 W V 0 V P V. i 00 0. i i 0 b) P útil? P consumida P útil + P dissipada 00 P útil + 400 P útil 800

Leia mais

Referências bibliográficas: H S. 30-3, 30-7 T. 26-5, 26-6, Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física

Referências bibliográficas: H S. 30-3, 30-7 T. 26-5, 26-6, Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III - Prof. Dr. Ricardo Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 32-5 S. 30-3, 30-7 T. 26-5, 26-6, 28-6 Aula 24 -

Leia mais

UDESC 2017/1 FÍSICA. Comentário

UDESC 2017/1 FÍSICA. Comentário 7/ FÍSICA I. Incorreta. A corrente elétrica induzida é gerada através da variação de campo magnético, logo campo magnético constante não gera corrente elétrica induzida. II. Correta. Se o campo magnético

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-2211: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-2211: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO PEA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO ELÉTRICAS PEA-11: INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO Produção de Forças 1 Introdução à Eletromecânica e à Automação PEA11 Produção de Forças

Leia mais

Resumo de Eletrodinâmica

Resumo de Eletrodinâmica Resumo de Eletrodinâmica i = Corrente Elétrica (A) Δq = quantidade de carga elétrica no fio em movimento (C = coulomb) milicoulomb: microcoulomb: nanocoulomb: n = número de elétrons e = carga elementar

Leia mais

Física IV. Prática 1 Sandro Fonseca de Souza. quarta-feira, 1 de abril de 15

Física IV. Prática 1 Sandro Fonseca de Souza. quarta-feira, 1 de abril de 15 Física IV Prática 1 Sandro Fonseca de Souza 1 1 Normas e Datas Atendimento ao estudante: Terça-Feira de 10:00-11:00 na sala 3006 A (ou na 3050F). Presença é obrigatória as aulas de lab. e os alunos somente

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti INDUTORES: CONCEITOS E DEFINIÇÕES CAMPO MAGNÉTICO Campo Magnético Nem só os imãs possuem campo magnético, mas a corrente

Leia mais

ENEM 2002 QUESTÕES DE FÍSICA

ENEM 2002 QUESTÕES DE FÍSICA ENEM 2002 QUESTÕES DE FÍSICA 01) Na comparação entre diferentes processos de geração de energia, devem ser considerados aspectos econômicos, sociais e ambientais. Um fator economicamente relevante nessa

Leia mais

Eletrotécnica geral. A tensão alternada é obtida através do 3 fenômeno do eletromagnetismo, que diz:

Eletrotécnica geral. A tensão alternada é obtida através do 3 fenômeno do eletromagnetismo, que diz: Análise de circuitos de corrente alternada Chama-se corrente ou tensão alternada aquela cuja intensidade e direção variam periodicamente, sendo o valor médio da intensidade durante um período igual a zero.

Leia mais

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) 20 e Magnetismo

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) 20 e Magnetismo Magnetismo Magnetismo 1. Para ser atraído por um ímã, um parafuso precisa ser: a) mais pesado que o ímã b) mais leve que o ímã c) de latão e cobre d) imantado pela aproximação do ímã e) formando por uma

Leia mais

FÍSICA. kg. s N m. Analisando a alternativa C, nota-se que: . s. = s = J. Resolução. O sistema está inicialmente em repouso (Q 0

FÍSICA. kg. s N m. Analisando a alternativa C, nota-se que: . s. = s = J. Resolução. O sistema está inicialmente em repouso (Q 0 FÍSICA Resolução Obtendo a unidade SI da grandeza definida pelo enunciado, resulta: m. t G = d. p u(g) = kg. s N m. m = kg. s. m = s m kg. s 3 Analisando a alternativa C, nota-se que: J. s W = J. s J s

Leia mais

Engenharia Elétrica Prof. Dr. Giuliano Pierre Estevam

Engenharia Elétrica Prof. Dr. Giuliano Pierre Estevam CONVERSÃO DE ENERGIA Engenharia Elétrica Prof. Dr. Giuliano Pierre Estevam Programa de ensino (Conteúdo programático) -I N T R O D U Ç Ã O A O S I S T E M A E L E T R O M E C Â N I C O ; -P R I N C Í P

Leia mais

Questão 37. Questão 39. Questão 38. Questão 40. alternativa D. alternativa C. alternativa B

Questão 37. Questão 39. Questão 38. Questão 40. alternativa D. alternativa C. alternativa B Questão 37 Certas cargas transportadas por caminhões devem ser muito bem amarradas na carroceria, para evitar acidentes ou, mesmo, para proteger a vida do motorista, quando precisar frear bruscamente o

Leia mais

Física III Escola Politécnica GABARITO DA P3 16 de junho de 2011

Física III Escola Politécnica GABARITO DA P3 16 de junho de 2011 Física III - 4320301 Escola Politécnica - 2011 GABARITO DA P3 16 de junho de 2011 Questão 1 Um solenóide longo de comprimento h e raio R (R

Leia mais

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica Listas de figuras Listas de quadros Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos Condutor e Isolante Tensão e Corrente Elétrica Resistência Elétrica Potência Elétrica Fator de Potência Potência dissipada

Leia mais

MOTORES CC 2 ADRIELLE C. SANTANA

MOTORES CC 2 ADRIELLE C. SANTANA MOTORES CC 2 ADRIELLE C. SANTANA Conjugado Eletromagnético Conjugado Eletromagnético Conjugado motor e Conjugado resistente Na figura a seguir temos duas máquinas idênticas. Uma funciona como gerador e

Leia mais