Marcel Ercolani Santos O ENSINO DO CRM NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E PUBLICIDADE E PROPAGANDA. Santa Maria, RS 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marcel Ercolani Santos O ENSINO DO CRM NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E PUBLICIDADE E PROPAGANDA. Santa Maria, RS 2012"

Transcrição

1 1 Marcel Ercolani Santos O ENSINO DO CRM NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E PUBLICIDADE E PROPAGANDA Santa Maria, RS 2012

2 2 Marcel Ercolani Santos O ENSINO DO CRM NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E PUBLICIDADE E PROPAGANDA Trabalho Final de Graduação (TFG) apresentado ao Curso de Publicidade e Propaganda. Área de Ciências Sociais, do Centro Universitário Franciscano - Unifra, como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Publicidade e Propaganda. Orientadora: Profª. Me. Claudia Buzatti Souto Santa Maria, RS 2012

3 3 Marcel Ercolani Santos O ENSINO DO CRM NOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E PUBLICIDADE E PROPAGANDA Trabalho Final de Graduação II apresentado ao Curso de Publicidade e Propaganda, Área de Ciências Sociais do Centro Universitário Franciscano Unifra, como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Publicidade e Propaganda. Prof. Me. Claudia Buzatti Souto Orientadora (UNIFRA) Prof. Dr. Angela Lovato Dellazzana (UNISINOS) Prof. Angélica Moreira Pereira (UNIFRA) Aprovado em... de... de 2012

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus pais, exemplos de luta, empenho e dedicação; Agradeço ao Luix por me mostrar a vida como ela é; Agradeço à Lisi por me ajudar a despertar o interesse criativo; Agradeço à Mã pelos valores ensinados; Agradeço aos meus dois irmãos pelos ensinamentos e aprendizagens mútuas; Agradeço aos meus amigos pela cumplicidade; Agradeço à Cris por estar sempre ao meu lado, me dando apoio e suporte; Agradeço aos professores que trilharam comigo esse caminho de cinco anos, em especial à professora Angela que me ajudou a iniciar esta pesquisa e à professora Claudia que aceitou o desafio de orientar um trabalho que já estava em andamento; Por fim, agradeço aos coordenadores Ana Cristina, Alexandre Zamberlan e Cristina Jobim que colaboraram para o sucesso desta pesquisa, além dos alunos dos cursos de Administração, Sistemas de Informação e Publicidade e Propaganda da Unifra que responderam aos questionários deste trabalho.

5 5 RESUMO O marketing de relacionamento surgiu em um cenário recente que contestava a eficiência do marketing convencional para determinados casos. Neste contexto, foi criada a gestão de relacionamento com os clientes, conhecida como CRM, em um processo que integra programas de computador com a alimentação e interpretação dos dados neles armazenados. Sendo assim, este estudo se propõe a avaliar o entendimento dos alunos dos cursos de Administração, Sistemas de Informação e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) em relação ao termo CRM. Para isso, este trabalho apresenta uma abordagem metodológica baseada em pesquisa bibliográfica, entrevistas em profundidade e aplicação de questionários. A partir do tratamento dos dados gerados pelos questionários respondidos e da sua posterior análise, foi possível evidenciar o entendimento dos alunos de cada um dos três cursos citados e verificar se os que relataram conhecer o termo CRM tiveram o primeiro contato com ele na UNIFRA ou em alguma outra situação. Palavras-chave: CRM; Marketing de Relacionamento; Publicidade e Propaganda; Administração; Sistemas de Informação. ABSTRACT The relationship marketing appeared in a recent scenario that challenged the efficiency of conventional marketing for certain cases. In this context, was created the management of relationship with customers, known as CRM, in a process that integrates computer programs with the feeding and interpretation of the data stored on them. Thus, this study aims to evaluate the understanding of students of Administration, Information Systems and Advertising and Marketing of Franciscan University Center (UNIFRA) regarding the term CRM. For this, this work presents a methodological approach based on literature review, indepth interviews and questionnaires application. From the treatment of data generated by the answered questionnaires and its subsequent analysis, was possible to evidence the understanding of students of each one of the three cited courses and check if those who reported knowing the term CRM had the first contact with him in UNIFRA or in some other situation. Keywords: CRM; Relationship Marketing; Advertising and Marketing; Administration; Information Systems.

6 6 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Funções do Marketing de Relacionamento Quadro 2 - Mix de Comunicação Quadro 3 - Emprego do termo CRM... 23

7 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - O que é CRM? Tabela 2 - O que é CRM? Tabela 3 - Respostas dos pesquisados de Administração Tabela 4 - O que é CRM? Tabela 5 - Respostas dos pesquisados de Sistemas de Informação... 53

8 8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Contato com o termo CRM Gráfico 2 Primeiro contato com CRM Gráfico 3 Áreas de interesse de quem sabe o que é CRM Gráfico 4 Áreas de interesse de quem não sabe o que é CRM Gráfico 5 Sabe o que é CRM e prefere Marketing às demais áreas Gráfico 6 Não sabe o que é CRM e prefere Marketing às demais áreas Gráfico 7 Contato com o termo CRM Gráfico 8 Primeiro contato com CRM...49 Gráfico 9 Contato com o termo CRM...51 Gráfico 10 Primeiro contato com CRM...52

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO MARKETING Marketing de relacionamento CRM A UTILIZAÇÃO DO CRM NO PLANEJAMENTO DA CIM O ENSINO DO CRM NO CURRÍCULO DOS CURSOS SUPERIORES DA UNIFRA AS ÁREAS PARA SE TRABALHAR EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA O profissional de Atendimento O profissional de Planejamento O profissional de Direção de Arte O profissional de Redação O profissional de Mídia O profissional de Marketing METODOLOGIA UNIVERSO DA PESQUISA ENTREVISTAS EM PROFUNDIDADE QUESTIONÁRIOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS DADOS ENTREVISTA ADMINISTRAÇÃO ENTREVISTA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA ADMINISTRAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO... 50

10 10 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A QUESTIONÁRIO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO APÊNDICE B QUESTIONÁRIO PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 62

11 11 1 INTRODUÇÃO O conceito de CRM (Customer Relationship Management ou Gestão de Relacionamento com o Cliente) é distinto. Pode tanto representar apenas um software que armazena dados de clientes e de potenciais consumidores, quanto ser considerado uma estratégia de vendas e serviços que cria benefícios ao longo do relacionamento com consumidores individualmente. Portanto, sua definição não é consensual. Kickinger e Casotti (2003) fizeram um levantamento das diferentes definições do termo e encontraram quatro autores que o abordam sob diversos ângulos: Payne (2000); Isaak e Tooker (2001); Gordon (2001); Peterson (2001). Para Greenberg (2001), a ferramenta CRM ganhou notoriedade ao fim da década de 90, quando se percebeu a importância de considerar o fato de que pessoas pensam, sentem, agem e reagem individualmente. Logo, faz-se necessário que cada aplicativo de CRM atenda as necessidades das empresas de forma específica, dependendo exclusivamente de seu público-alvo e dos objetivos a serem alcançados. Deste modo, as empresas têm condições de obter o maior número de informações possíveis sobre o seu público para assim realizar uma comunicação direcionada. Saber como transformar os resultados alcançados pelas pesquisas dos programas em estratégias de comunicação para as empresas é um desafio evidente. Conforme Casali 1 (2002), ferramentas como CRM ou SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) fazem parte da CIM (Comunicação Integrada de Marketing). E para a execução destes instrumentos, a autora defende a tese de que as equipes de CRM devam ser formadas por pessoas que componham as mais diversas esferas do conhecimento, com o objetivo de dominar desde a concepção das ferramentas adotadas, até a análise dos dados que possam ser gerados. Sob a perspectiva das novas tecnologias de informação há necessidade de formação de equipes multifuncionais e multidisciplinares, é a integração da comunicação com outras áreas do conhecimento (CASALI, 2002, p.154). Desta forma, é preciso que as universidades formem profissionais que possuam ciência deste ramo que parece depender de diferentes campos intelectuais. 1 CASALI, Adriana Machado. Disponível em: seleção de textos apresentados nos Grupos de Trabalho ocorridos paralelamente ao V Seminário Internacional de Comunicação, Porto Alegre, RS, Organizado por DORNELLES, Beatriz. Mídia, imprensa e as novas tecnologias. Porto Alegre, RS, EDIPUCRS, 2002.

12 12 A partir da formação de uma equipe multifacetada e que detenha conhecimento acerca do tema CRM, é possível compreender um pouco melhor as exigências dos clientes. Para isso, deve-se primeiramente definir quem realmente são esses clientes. Segundo Greenberg (2001, p.18), eles são seus funcionários, seus parceiros ou os compradores de seus bens e serviços. São também os seus fornecedores. É qualquer pessoa ou entidade de seu relacionamento, em que os negócios estejam envolvidos, de alguma maneira. Com grupos distintos de clientes, o importante é que o tratamento destinado a cada um deles seja adequado e corresponda aos seus anseios. Com a constatação da importância que as equipes, cujos conhecimentos não se detenham em determinados campos, possuem, decidiu-se verificar o conhecimento dos alunos de três cursos da UNIFRA com relação ao conceito de CRM. Os escolhidos foram: Administração, Sistemas de Informação e Publicidade e Propaganda. Através da análise das respostas dos alunos dos cursos de Administração e Sistemas de Informação foi possível examinar o conhecimento em relação à sigla CRM. No curso de Publicidade e Propaganda, além dessa constatação relacionada à sigla, puderam-se averiguar as áreas de maior interesse de atuação dos estudantes concluintes do curso. Para que este trabalho fosse realizado satisfatoriamente, foi necessário deter-se no problema de pesquisa cuja finalidade foi a de conferir, através de um questionário, qual era o conhecimento dos alunos quanto ao conceito de CRM. Seu objetivo principal foi comparar o conhecimento dos acadêmicos de Administração, Sistemas de Informação e de Publicidade e Propaganda da UNIFRA quanto ao conceito da sigla CRM. Além disso, os objetivos específicos foram: levantar dados bibliográficos que refletissem os princípios básicos para um CRM eficiente; evidenciar a presença do CRM nos currículos dos cursos de Administração, Sistemas de Informação e de Publicidade e Propaganda da UNIFRA através de entrevista com coordenadores; verificar se existia, ou não, diferenças de conhecimento do termo CRM entre os alunos dos cursos de Administração, Sistemas de Informação e de Publicidade e Propaganda da UNIFRA. Com este trabalho foi possível compreender que o estudo do conceito da ferramenta CRM como estratégia de marketing para as empresas possui relevância no setor publicitário, pois se trata de uma etapa primordial para o direcionamento das campanhas de comunicação. Partiu-se da hipótese de que acadêmicos do setor de Administração e até mesmo de Sistemas de Informação da UNIFRA possuíam um conhecimento mais amplo sobre os conceitos de

13 13 CRM em relação aos publicitários, uma vez que ainda é um assunto pouco explorado pelo curso de Publicidade e Propaganda desta instituição. Além disso, segundo Feyo, mais de 60% dos projetos de CRM implantados falham em atingir seus objetivos (FEYO, apud ATÍLIO JUNIOR et al. 2005, p.17). Embora os publicitários não sejam os únicos responsáveis por tais índices de insucesso, este trabalho observou como objeto central de estudo a analogia entre a possível falta de conhecimento desses profissionais, em estágio final de formação, relacionada aos programas de CRM e a porcentagem elevada de fracasso na implantação da ferramenta. Por fim, houve o interesse pessoal do autor, que teve o primeiro contato com o tema apenas no mercado de trabalho e decidiu pesquisar com maior profundidade o assunto. As ferramentas de um programa de CRM, quando eficientes, podem guiar toda a comunicação das empresas, mostrando quais atitudes são as mais adequadas para cada situação. Para isso, é preciso estar bem preparado e saber interpretar com eficiência os dados armazenados dos clientes. Portanto, quanto maior for a experiência do profissional com o programa, mais amplas serão as chances de obter sucesso nessa gestão de relacionamento que é auxiliada por aplicativos.

14 14 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 MARKETING O marketing engloba uma série de funções, que juntas, podem guiar o funcionamento de uma empresa. Cobra e Brezzo (2010) destacam que o criador do conceito mix de marketing, ou mistura de marketing, foi o professor Neil Borden, em Este modelo propunha a mistura das variáveis do marketing para a obtenção dos objetivos da empresa e dos consumidores. Esses autores dão sequência nos estudos sobre a união dos elementos de marketing e mencionam a contribuição pioneira de E. Jerome McCarthy. McCarthy considera que cada forma de atender às necessidades dos clientes-alvo consiste em uma combinação ou mistura de decisões em diferentes variáveis do marketing. Sendo assim, ele propõe que seja simplificado o processo, reduzindo as variáveis da mistura comercial a quatro grandes grupos básicos: produto, promoção, praça e preço. Essas quatro variáveis controláveis foram definidas como os 4Ps do marketing. Existem divergências que podem ser encontradas na literatura quanto ao conceito dos 4Ps do marketing e tentam incluir mais alguns termos neste mix 2. Porém, Philip Kotler, autor considerado como referência no assunto na atualidade, considera que apenas os 4Ps da teoria original de McCarthy, englobam os demais termos criados posteriormente. Para Kotler e Armstrong (1999, p.31), o mix de marketing pode ser definido como: O grupo de variáveis controláveis de marketing que a empresa utiliza para produzir a resposta que deseja no mercado-alvo. A promoção, um dos 4Ps do mix de marketing proposto por McCarthy, é considerada uma comunicação persuasiva elaborada pela empresa, para o cliente. Segundo Kotler e Lee (2007, p. 156) A comunicação de marketing é utilizada para informar, educar e, geralmente, 2 (BOOMS; BITNER apud KOTLER, 2001) referindo-se aos 3 Ps adicionais existentes para o marketing de serviços denominados pessoas, prova física e processo, sendo: pessoas o nível de desenvolvimento das pessoas que prestam o serviço como fator fundamental de diferenciação, a ser alcançado por meio de treinamento e motivação; prova física relacionada ao estilo ou modo de tratamento destinado aos clientes em sua experiência de compra, à aparência do local e das pessoas, à velocidade do atendimento ou da prestação do serviço, à limpeza das instalações; processo relacionado ao método utilizado para a prestação do serviço, padronizado ou customizado, através de atendimento direto ou tipo self-service, linhas de conhecimento aplicadas.

15 15 persuadir um mercado-alvo sobre um comportamento desejado. A palavra promoção é usada especificamente no sentido de comunicação persuasiva. Deste modo, o conceito de promoção, dentro do mix de marketing, deve ser relacionado ao conceito de comunicação. O conceito de comunicação tem uma de suas bases em Shannon e Weaver (1949), que propuseram um modelo matemático clássico, aplicado aos circuitos elétricos e eletrônicos, contendo: Emissor fonte da mensagem; Transmissor codifica a mensagem; Mídia canal onde a mensagem é exposta; Decodificação - entendimento do receptor; Receptor destinatário da mensagem. Neste caminho percorrido pela mensagem, do emissor ao receptor, é possível que ocorram ruídos de comunicação e que a sua essência seja perdida ou danificada. Figura 1: Modelo Matemático Clássico de Comunicação. Figura adaptada de Shannon; Weaver (1949, p.2). Além deste modelo criado por Shannon e Weaver, existem outros, como o proposto por Schramm, em 1954, que adiciona o repertório (campo de experiência) e o feedback ao modelo matemático existente. Schramm (1954 apud Oliveira, 1996, p.50) faz uma adaptação do modelo matemático para o campo da Comunicação Social e considera que a fonte e o comunicador são uma pessoa e o receptor e o destino são outra, enquanto o sinal é uma linguagem (mensagem) que é codificada pelo emissor e decodificada pelo receptor. Lasswell (1948 apud Citelli, 2004, p.37) também propõe o seu modelo: who says what to whom through which channel with what effect?. No Brasil, este é um modelo bastante utilizado para o estudo da Comunicação Social e significa quem; diz o quê; para quem; através de que canal; com que efeito? (tradução nossa). Assim, percebe-se que a abordagem do P de promoção considera os modelos comunicacionais e suas alterações para a legitimação do composto de comunicação. Este composto, que está inserido no mix de marketing, pode auxiliar as empresas que decidirem

16 16 utilizar algumas variáveis do marketing em suas estratégias, como o marketing de relacionamento Marketing de relacionamento Marketing de relacionamento é um termo recente, porém muito importante no mundo contemporâneo dos negócios. Para Madruga, a expressão marketing de relacionamento surgiu timidamente na década de 80 na área acadêmica, que contestava a baixa eficácia do marketing convencional para muitas situações, e atualmente começa a tomar o seu lugar de importância nas organizações (MADRUGA, 2010, p.6). Madruga utiliza como definição para marketing de relacionamento [...] atrair, realçar e intensificar o relacionamento com clientes finais, clientes intermediários, fornecedores, parceiros e entidades governamentais e não governamentais, através de uma visão de longo prazo na qual há benefícios mútuos (idem, ibidem). Em uma definição mais genérica, Morgan e Hunt propuseram ampliar o marketing de relacionamento, não o limitando a clientes diretos: O marketing de relacionamento se refere a toda atividade de marketing direcionada a estabelecer, desenvolver e manter trocas relacionais de sucesso (MORGAN; HUNT apud MADRUGA, 2010, p.6). As empresas, de um modo geral, devem atribuir maior importância à gestão de relacionamento com os clientes, para que os tornem fiéis e para que detenham vantagens relacionadas ao poder de decisão dos mesmos. As marcas que proporcionarem experiências benéficas aos seus clientes irão gerar diferenciação e preferência de compra perante as demais, de mesmo segmento, disponíveis no mercado. Assim como o marketing de massa foi a solução no século passado para levar o maior número possível de produtos para o maior número imaginável de clientes, o marketing de relacionamento na atualidade privilegia a interação com o seu cliente, com o objetivo de desenvolver, especialmente para ele, um conjunto de valores que o levarão à satisfação e longevidade do seu relacionamento com a empresa (MADRUGA, 2010, p.6). Para uma gestão de relacionamento eficaz, Madruga defende seis funções básicas do marketing de relacionamento que devem ser respeitadas fazendo com que o foco seja sempre na criação de vantagens mútuas. Assim as funções do marketing são elencadas da seguinte forma:

17 Função básica do marketing de relacionamento Elaboração conjunta de uma nova visão e cultura empresarial voltada para os clientes e parceiros. Construção de objetivos de marketing de relacionamento conectados à visão e sempre de natureza límpida. Estabelecimento das estratégias de marketing de relacionamento voltadas para a criação de valores em conjunto com os clientes. Implementação de ações táticas com foco no relacionamento colaborativo com clientes. Obtenção de benefícios mútuos, isto é, empresas e clientes tiram proveito da cooperação ocorrida em vários momentos de contato. Direção da ação, capacitação e envolvimento dos colaboradores da empresa para relacionamentos superiores. Descrição da função A empresa deseja e age de forma integrada na busca da excelência no relacionamento interno e externo. Os objetivos são entendidos, negociados e acompanhados por toda a organização. As trocas relacionais de sucesso e as estratégias são inúmeras, claras e focadas. Elas são apoiadas por uma infraestrutura que traz segurança e precisão para os funcionários que estão na linha de frente com o cliente. A empresa entende melhor as necessidades do cliente, que se prontifica a fornecer informações valiosas a seu respeito, produtos e serviços. A maior contribuição para gerar diferenciais competitivos no contato com o cliente sempre é dada pelos colaboradores, desde que treinados, encorajados e motivados. Quadro 2 - Funções do Marketing de Relacionamento Fonte: Adaptado de Madruga (2010, p.8). A partir deste quadro demonstrativo, percebe-se que o cliente precisa de vantagens para que retribua à empresa com benefícios. Esta é a base para que o relacionamento se torne o mais duradouro possível, a partir de uma convivência com vantagens mútuas. Outro aspecto que merece destaque quando o assunto é marketing de relacionamento é a diferenciação entre as marcas em termos qualitativos. Weill (2005) afirma que o primeiro referencial de qualidade total surgiu no Japão, em 1951, com o nome de prêmio Deming. Em um cenário de devastação pós Segunda Guerra Mundial, a Europa e a América não precisavam procurar novos modos de organização, pois as condições concorrenciais eram pouco agressivas. A título de exemplo, em 1950, a indústria automobilística americana era responsável por 85% da produção mundial e vendia 6,3 milhões de veículos [Peterson, 1971]. Como na mesma época as importações representavam menos de 0,5% do mercado local, era evidente que as exigências concorrenciais não podiam se expressar livremente. Nessas condições, a qualidade é interpretada simplesmente por meio da oferta da indústria local (WEILL, 2005, p.56). Para criar condições de inovações e poder concorrer com estes mercados, o Japão criou o já citado Prêmio Deming que concedia às empresas certo padrão de qualidade ainda não explorado pelo resto do mundo à época. A empresa que seguisse a cartilha do prêmio em

18 18 seus 10 itens cumpriria uma relação importante entre a política de qualidade e a política geral da empresa (WEILL, 2005, p.58). As rubricas do referencial Deming, segundo Weill são: Políticas Organização Informação Normatização Desenvolvimento e utilização dos recursos humanos Atividades de garantia de qualidade Atividades de manutenção e de controle Atividades de melhora Efeitos Planos para o futuro (WEILL, 2005, p.57). Atualmente, a preocupação com a qualidade dos produtos ou serviços ofertados pelas empresas é uma obrigação. Lupetti (2003, p.43) afirma que a qualidade é um ponto de partida para que a organização sobreviva no mercado. Assim sendo, a diferenciação entre as marcas em termos qualitativos, muitas vezes torna-se irrisória, uma vez que as empresas buscam esta gestão de qualidade como diferenciação desde a Segunda Guerra Mundial, quando o Japão instaurou este sistema para se reestruturar após os danos sofridos nesse conflito. Para Lupetti (2003, p.43), Pensar em qualidade significa que o importante é a experiência do cliente. Isso mostra, mais uma vez, que o relacionamento que a empresa possui com o cliente e suas práticas passadas de convivência merecem destaque como novo fator preponderante que irá diferenciar as marcas no imaginário dos consumidores. 2.2 CRM O CRM (Customer Relationship Management ou Gestão de Relacionamento com o Cliente) é a integração entre tecnologia e processo de relacionamento que surge, entre outras funções, para apoiar as tomadas de decisões das empresas referentes às interações com os consumidores na execução da comunicação direcionada. CRM é a integração de tecnologia e processos de negócios, usada para satisfazer às necessidades dos clientes durante qualquer interação. Especificamente, CRM envolve aquisições, análise e uso do conhecimento de clientes para venda mais eficiente de produtos (BOSE, apud MADRUGA, 2010, p.91).

19 19 Desse modo, o histórico de compras dos clientes é armazenado nos programas de CRM para que as ofertas relevantes sejam feitas em momentos oportunos, quando o cliente estiver mais vulnerável a aceitá-las. Através dessa tecnologia, é possível aplicar o sistema de marketing um a um, onde o foco passa a ser vender a maior quantidade de produtos para um mesmo cliente, e não mais vender o mesmo produto para a maior quantidade possível de clientes. Esse sistema, que atende demandas individuais, se tornou aplicável em grande escala a partir das novas tecnologias de produção, que permitem ajustar cada produto a demandas individuais sem perder economias de escala e, ao mesmo tempo, o desenvolvimento das TICs (tecnologias da informação e comunicação) permitiu chegar a cada cliente com uma mensagem personalizada e interativa. O marketing aproveitou essas novas tecnologias para ajustar suas práticas, e foi assim que se desenvolveu o que chamamos de marketing um a um ou marketing 1:1 (COBRA; BREZZO, 2010, p.89). Com as informações sobre os clientes e clientes potenciais inseridas nesses programas de CRM, a criação de processos comunicacionais eficientes elaborados pelas empresas, tornase mais recorrente. Fazendo uso desses dados, o marketing 1:1 permite uma realimentação dos clientes, de modo que os profissionais de marketing possam aprender mais sobre as preferências desses clientes, para que as ofertas futuras de produtos, as embalagens, as entregas, as comunicações ou mesmo os pedidos possam ser ajustados a essas preferências (ROGERS apud SWIFT, 2001, p.305). É importante, portanto, que seja apresentado ao cliente algo que esteja de acordo com suas necessidades ou desejos, e não simplesmente oferecer o que está sendo mais vendido, afinal, os desejos são individuais e as escolhas emocionais. Poser (2005) cita a mulher contemporânea como exemplo que vai ao encontro dessa tese de que as escolhas são emocionais. De acordo com o autor, as mulheres que são mães e profissionais perdem muito tempo trabalhando fora com reuniões até tarde e viagens, e precisam otimizar o seu tempo gasto com outras atividades para que consigam cumprir todas as suas tarefas. Para isso, é preciso pagar mais caro por alguns serviços como babás em tempo adicional e lavanderia. A questão é que essas mulheres não pagam mais caro por bons serviços, mas sim, por alguns fatores emocionais como agilidade, conforto, segurança e comodidade. Oferecer bens ou serviços que remetam a valores importantes para os clientes é uma maneira de aproximá-los das empresas. Assim, é fundamental que se conheça bem esses compradores potenciais, e com base nos clientes antigos e seus históricos de compras é

20 20 possível fazer uso apropriado desses dados para atingir mais precisamente esse público. As informações que mostram a relação passada entre os clientes e a empresa, poderão estar disponíveis em programas tecnológicos, sendo necessária uma triagem para selecionar os elementos de maior relevância e criar estratégias que se beneficiem desses fatores que já atraíram o consumidor anteriormente. Motivada pela crescente demanda empresarial por tecnologias mercadológicas integradas e automação dos esforços de vendas e marketing, a indústria de softwares lançou, em meados dos anos 90, o CRM, a fim de auxiliar as empresas no gerenciamento, de forma integrada, das interações com os clientes. Gradativamente, novas funcionalidades foram incorporadas ao sistema, que alcançou ampla difusão no meio empresarial, responsável por investimentos na ordem de bilhões de dólares ao ano em todo o mundo (MADRUGA, 2010, p.10). Com o auxílio destes programas de CRM é possível obter grande número de informações referentes aos clientes e adequar a comunicação para todos os consumidores. Gonsales (2010, p.1) cita em seu artigo CRM gestão eficiente do relacionamento com os clientes um exemplo bastante comum de empreendimento que não agrega valor necessário a gestão de relacionamento com o cliente, o supermercado. Quando o melhor cliente se direciona até o estabelecimento para fazer suas compras, ninguém o reconhece. Este é obrigado a enfrentar filas enormes, enquanto o cliente menor, que irá gerar um lucro mínimo ao estabelecimento é capaz de ser atendido através de filas preferenciais, os chamados Caixas rápidos. Como este é um tratamento universal entre os supermercados, os clientes não conseguem perceber o desprestígio que sofrem. Porém, por ser um estabelecimento que não imprime diferenciação em seu relacionamento com os consumidores, também não consegue gerar fidelização e muitas vezes é trocado por motivos mínimos. Para evitar esta situação, as individualidades precisam ser respeitadas, o relacionamento com o consumidor tem papel preponderante na fidelização do público. O CRM será o processo que permitirá desvendar um comportamento mais íntimo dos clientes. Questões emocionais e pessoais estarão intrínsecas nos mais variados campos dos programas e será necessário um olhar minucioso para desvendar tais características. Depois de ter as particularidades de cada consumidor será preciso elaborar um processo de comunicação integrada de marketing coerente com a filosofia da empresa e as necessidades dos consumidores.

21 A UTILIZAÇÃO DO CRM NO PLANEJAMENTO DA CIM A Comunicação Integrada de Marketing (CIM) consiste nas mais diversas formas de comunicação que a empresa possa estabelecer com o cliente. O importante na CIM é utilizar todas as ferramentas de comunicação de forma integrada, ou seja, comunicar a mesma mensagem a todos os envolvidos, bem como ao consumidor final: A CIM é uma expansão do elemento de promoção (neste contexto, comunicação) do mix de marketing. Ela é essencialmente o reconhecimento da importância de comunicar a mesma mensagem para os mercados-alvo. Além disso, é o reconhecimento de que todas as suas variáveis comunicam algo e de que existe uma sobreposição na comunicação que essas variáveis fornecem. Cada uma das variáveis da CIM afeta o programa de marketing como um todo, de modo que, para garantir a eficácia, todas devem ser gerenciadas (OGDEN; CRESCITELLI, 2007, p.3). A CIM é, portanto, uma das variáveis do mix de marketing e está situada no campo da comunicação. Dessa forma, o desafio parece ser o de identificar as ferramentas de comunicação corretas para que as mensagens elaboradas pelas empresas consigam atingir os seus objetivos. Segundo Ogden e Crescitelli (2007), definir e delimitar as ferramentas que serão utilizadas no mix de comunicação de marketing não são tarefas tão simples quanto possam parecer. Devido às inúmeras variáveis, como a mudança nos padrões de comportamento dos clientes, o surgimento de novas tecnologias e o desafio de fazer a mensagem se sobressair em meio a um elevado número de apelos comerciais diários, cria-se um cenário favorável para o surgimento de novas formas de comunicação. Segundo os autores, existem três categorias nas quais as formas de comunicação podem estar situadas. As tradicionais (formas clássicas de comunicação de marketing), as complementares (modalidades de comunicação que, apesar de serem pouco consideradas, são igualmente importantes, frequentes e utilizadas há tempos) e, finalizando, as inovadoras (novas modalidades surgidas com os avanços da tecnologia da informação) (OGDEN; CRESCITELLI, 2007, p.23). A fim de ilustrar melhor este cenário, Ogden e Crescitelli propõem um quadro contendo: modalidades de comunicação; principais características; e meios usuais de divulgação. Estes itens fazem parte do mix de comunicação e são classificados em: tradicionais, complementares e inovadores.

22 22 Quadro 2 - Mix de Comunicação Fonte: Ogden; Crescitelli (2007, p.35). Através do Quadro 2, que divide o mix de comunicação em categorias específicas, a compreensão de cada modalidade pode ser realizada de forma simplificada. O marketing de relacionamento, por exemplo, que segundo o quadro tem como principal característica o contato com clientes alvos, possui uma definição mais abrangente que trata de marketing direto, com ênfase em relacionamento. Para Ogden e Crescitelli (2007, p.94), as promoções realizadas a partir do marketing de relacionamento devem ser dirigidas para clientes específicos, também é muito importante determinar quais clientes serão submetidos ao marketing direto e como eles receberão a mensagem. Dessa forma, os programas de CRM, embora não estejam presentes no quadro proposto pelos autores, estão intrinsecamente compreendidos no campo do marketing de relacionamento e têm a função de auxiliar na segmentação da comunicação.

23 23 Neste contexto, o CRM pode ser muito útil para um planejamento coerente que contemple com maior segurança estes e outros itens que garantirão uma comunicação eficiente. O termo CRM é empregado em diversas situações, portanto foi construído um quadro para melhor visualizar essas definições: Autor Payne (2000) Isaak e Tooker (2001) Gordon (2001) Peterson (2001) Comentários sobre o termo CRM aplicáveis no planejamento da CIM Algumas empresas comumente utilizam CRM para descrever programas de lealdade, help desk, call center entre outros. O CRM tem sido usado como sinônimo de softwares e sistemas que auxiliam e influenciam as alterações entre a empresa e seus consumidores. A origem deste engano com relação ao significado do termo CRM é provavelmente relacionada ao fato de as empresas estarem realizando maciços investimentos em tecnologia para entender os consumidores, o que pode estar reduzindo o CRM à implementação de tecnologia. O CRM é uma estratégia de negócios, mais especificamente uma estratégia de vendas e serviços, que utiliza dados e programas integrados para ser desenvolvida. Esta estratégia demanda mudanças filosóficas em toda a organização e deve ser executada de forma consistente em todos os pontos de contato com o consumidor. Quadro 3 - Emprego do termo CRM Fonte: Adaptado de Kickinger; Casotti (2003, p.44) Percebe-se pela análise do Quadro 3, que existem diferentes definições para o termo, mas é consenso que a tecnologia está diretamente ligada às ferramentas de CRM. Porém, com uma linguagem simples e conotativa, é Gehringer (2001) quem consegue exemplificar de forma objetiva talvez a principal função dos programas de CRM: tratar o cliente como se fosse único. Com este objetivo cumprido, os softwares de CRM ganham importância na hora do planejamento da Comunicação Integrada de Marketing. Os consumidores desejam ser tratados de maneira única e especial pelas empresas, e com todos os dados sobre eles contidos nesses softwares, é possível realizar um planejamento de CIM dirigido para cada cliente ou nicho de clientes. Gehringer (2001) faz uma analogia entre passado e futuro por meio de softwares de CRM que exemplifica o anseio por tratamento exclusivo não como um desejo da sociedade atual, mas sim como um paradigma que já vem de tempos passados: Por que passado e futuro? No caso do futuro, o CRM resolve um problema que ficou encravado por três décadas: o que fazer com os gigantescos bancos de dados que as

24 24 empresas haviam acumulado em seus arquivos? Com o aparecimento da Internet, essas informações puderam ser colocadas à disposição do cliente. Já a parte da volta ao passado é ainda mais interessante. Nos primórdios do comércio, o relacionamento funcionava na base da freguesia: o dono do estabelecimento sabia tudo sobre seus clientes, que eram poucos, e dava tratamento diferenciado a cada um. Quando as corporações passaram a ter dezenas de milhares de clientes, essa relação pessoal foi para o ralo, embora as propagandas continuassem a insistir no ponto do você é único. Como os produtos oferecidos por empresas concorrentes foram ficando cada vez mais iguais em termos de preço, qualidade e prazos de entrega, elas descobriram que o cliente fiel do século 21 é igualzinho ao freguês de caderneta do século 19: gosta de ser tratado como se fosse único. E o CRM, se não faz exatamente isso, pelo menos dá essa impressão (GEHRINGER, 2001, p.1). Com o uso de estratégias de diferenciação na comunicação da empresa em relação aos consumidores a partir do uso de ferramentas como o CRM, é possível aumentar o valor da marca e gerar maior satisfação entre os clientes. A adoção da Gestão do Relacionamento com o Cliente (CRM) como estratégia de fidelização, com uso da tecnologia da informação, pode impulsionar as empresas a clientes cada vez mais lucrativos, direcionando-as a uma maior competitividade (FLORES; RIBEIRO; JÚNIOR, 2007, p.1). Esta é uma realidade que pode ser expandida para além das empresas de grande porte. O importante é que o programa de CRM seja elaborado para cumprir com os objetivos específicos de cada ambiente em que atuará. O segmento atual mais vigoroso e desenvolvido em adoção do CRM é o das médias e grandes empresas. As pequenas empresas possuem um menor nível de entendimento referente à adoção de práticas de relacionamento e tecnologia de CRM (cfme. PEPPERS & ROGERS Group, 2003). Grandes empresas com maiores recursos utilizam softwares e elaboram projetos mais sofisticados. O que deve ser explorada é que as pequenas empresas, mesmo com menor volume de capital, podem utilizar os softwares que já possuem (como planilhas eletrônicas, banco de dados etc.) para uma maior proximidade com o cliente, conhecendo assim, suas características e necessidades (FLORES; RIBEIRO; JÚNIOR, 2007, p.1). Médias e grandes empresas já atentaram para as facilidades geradas por programas de CRM na gestão de relacionamento com os clientes. Para Gehringer (2001, p.1), referindo-se a CRM: essa sigla, que já faz parte da linguagem das empresas de maior porte, vai se tornar um termo comum em todas elas, independentemente do tamanho que tenham. Essa constatação pode ser considerada um alerta para pequenas empresas que desejam crescer e ganhar fatias de mercado ainda inexploradas. Com a utilização de uma ferramenta que gerencia dados e estatísticas com exatidão, tempo e dinheiro podem ser otimizados para investimentos com menor margem de erros possível, auxiliando em um crescimento competitivo de curto prazo, através de uma gestão de relacionamento eficaz.

25 O ENSINO DO CRM NO CURRÍCULO DOS CURSOS SUPERIORES DA UNIFRA Existem cursos específicos de graduação que pesquisam a criação de ferramentas digitais que adicionem rapidez e precisão às tarefas cotidianas, é o caso do curso superior de Sistemas de Informação - SI. A partir de técnicas como as de inteligência artificial, que têm como principal objetivo construir máquinas que sejam capazes de imitar a inteligência humana (TURBAN; McLEAN; WETHERBE, 2002, p.430), o curso de Sistemas de Informação busca aliar os avanços tecnológicos com os recursos computacionais existentes. O Centro Universitário Franciscano - Unifra 3, é um dos pioneiros entre as instituições de ensino superior na cidade de Santa Maria, Rio Grande do Sul, e hoje oferece mais de trinta e dois cursos de graduação, entre eles o de SI. Na página oficial do curso 4, hospedada no site do Centro Universitário Franciscano, consta a seguinte apresentação: O curso de Sistemas de Informação, reconhecido pelo Ministério da Educação pelo processo 510/00, em 10/04/2000 e publicado no Diário Oficial da União em 13/04/2000, forma profissionais na área de Computação com ênfase no mercado de trabalho. Na "sociedade do conhecimento", surgida do desenvolvimento da tecnologia da informação com a tecnologia das telecomunicações, este profissional está apto a atuar como agente e promotor de mudanças. Pode tornar as empresas mais ágeis, flexíveis e abertas no uso adequado dos recursos computacionais na solução dos problemas da organização empresarial (APRESENTAÇÃO A, 2012, p.1). A partir dessa descrição, pode-se perceber que o Curso é bastante focado no mercado das soluções computacionais para as empresas. Com um currículo 5 que embora seja predominantemente de conteúdos relacionados aos conhecimentos específicos de SI, também contempla disciplinas ligadas a outros cursos da área de negócios, tais como: Fundamentos de Administração; Economia; Contabilidade e Custos; e Empreendedorismo. Com essa cobertura curricular, o aluno de Sistemas de Informação adquire conhecimento em áreas que podem auxiliar em seu futuro profissional. Uma das opções que podem ser exploradas posteriormente por esses estudantes é a dos programas de CRM. 3 As informações sobre o Centro Universitário Franciscano estão disponíveis em: <http://www.unifra.br/novo/site/institucional/default.aspx?page=a-unifra>. Acesso em: 04/06/ Curso de Sistemas de Informação oferecido pelo Centro Universitário Franciscano. Disponível em: <http://www.unifra.br/graduacao/grad_objetivo.asp?varcode=414&fig=../graduacao/img/sistemas.gif>. Acesso em: 04/06/ Análise do currículo realizada a partir do quadro de horários do curso de Sistemas de Informação. Disponível em: <http://www.inf.unifra.br/upload/horariosi_2012_01_versao8.pdf>. Acesso em: 05/06/2012.

26 26 Embora o currículo não possua nenhuma disciplina que contenha especificamente a nomenclatura CRM em seu título, acredita-se que este é um conteúdo relevante para os especialistas das áreas de informática. Assim como os acadêmicos que estudam Sistemas de Informação, os estudantes de Administração também podem explorar este nicho de mercado. Através da origem do CRM, pode-se explicar essa ligação entre os dois cursos: Costumo atribuir duas origens para o CRM. A primeira diz respeito à evolução das ferramentas tecnológicas para auxiliar o departamento de marketing da interface com o mercado consumidor, através da integração das diversas funções da organização. A segunda abordagem decorre da evolução da tecnologia de gestão empresarial, que se desenvolveu para integrar as áreas internas da empresa com finalidade diferente: controlar estoques, custos e rentabilidade. São os chamados sistemas de Enterprise Resource Planing (ERP), igualmente difundidos entre empresários do mundo inteiro (MADRUGA, 2010, p.92). Dessa forma, o autor compreende que o administrador que tem como algumas de suas funções: controlar estoques; custos; e rentabilidade das empresas, encontrou no CRM um lugar onde pode guardar esses dados para melhor conduzir as suas tomadas de decisões. Por meio dos softwares de CRM é possível alcançar um controle mais rígido da situação, pois os dados estarão precisamente expostos na tela do computador, o administrador poupará o seu tempo com pesquisas, podendo focar em suas estratégias para alcançar os resultados que desejar. Convém destacar que a profissão de administrador está em evidência no cenário atual de crescimento econômico 6 do Brasil. No ano de 2007, segundo pesquisa 7 divulgada pelo MEC (Ministério da Educação), o curso de Administração foi o que teve maior número de estudantes matriculados no país. Provavelmente com a esperança de um cenário econômico favorável para o futuro, muitos brasileiros estão investindo em carreiras que possibilitem uma independência financeira a partir do próprio negócio. Na cidade de Santa Maria existem várias faculdades que oferecem o curso de bacharelado em Administração, entre elas está a Unifra. Na instituição franciscana, o curso possui enfoque em empreendedorismo, busca-se a formação de profissionais 6 O Brasil possui a sexta maior economia do mundo e tende a consolidar essa posição no cenário mundial, segundo o Ministro da Fazenda, Guido Mantega. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/ /mantega-diz-que-brasil-tende-consolidar-posicao-de-sexta-maior-economia-do-mundo>. Acesso em: 05/06/ Resumo da pesquisa disponível em: <http://educacao.uol.com.br/ultnot/2009/02/03/ult105u7548.jhtm>. Acesso em: 05/06/2012.

27 27 empreendedores capazes de interagirem num mundo em constante transformação por meio de uma sólida formação interdisciplinar, contextualizada, ética e humanística. (APRESENTAÇÃO B, 2012, p.1). A partir desta descrição, pode-se perceber a abordagem principal do curso: formar profissionais preparados para se adaptarem às mudanças ambientais, de um modo geral, em suas próprias empresas. Embora o curso de Administração tenha a pretensão de formar empreendedores, ao analisarmos sua grade curricular 8 verificamos que não se limita apenas a isso. Possui conteúdos variados, como é o caso das disciplinas de Informática Básica; Psicologia Organizacional; Estatística; Marketing. Esse último com uma visão mais ampla, que abrange os 4Ps (produto, preço, praça e promoção). O conceito de promoção, um dos 4Ps do marketing, está muito ligado ao aumento de vendas em um curto prazo, através de uma diminuição drástica de preço, ou aumento físico do produto ofertado mantendo-se o preço. Porém, ela também pode ter outras finalidades cuja prioridade não seja diretamente a venda, como provocar experimentação de novos produtos, atingir novos segmentos de mercados, regularizar excesso de estoques e neutralizar o impacto de ações da concorrência. (OGDEN; CRESCITELLI, 2007, p.77). É nesse contexto que se insere o curso de Publicidade e Propaganda. Com o objetivo 9 de formar comunicadores aptos a atuar no mercado regional, mas também os capacitar para exercer a profissão em qualquer localidade do país e do mundo. (APRESENTAÇÃO C, 2012, p.1). A graduação em Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Franciscano possui um currículo voltado prioritariamente para os meios tradicionais de veiculação de anúncios, tais como: rádio, televisão, jornal e impressos em geral, além das disciplinas de mídia, onde o aluno aprende quais são os meios mais apropriados para veicular cada tipo de mensagem. Além de disciplinas 10 como: Fotografia Publicitária I, Redação Publicitária para Áudio, Produção Audiovisual e Direção de Arte, que estão no currículo do curso de 8 Disponível em: <http://www.unifra.br/graduacao/grad_disciplinas.asp?varcode=517&fig=../graduacao/img/administracao.gif>. Acesso em: 06/06/ Disponível em: <http://www.unifra.br/cursos/apresentacao.asp?curs=14&grad=publicidade%20e%20propaganda&endereco=pu blicidadeepropaganda>. Acesso em: 06/06/ Grade curricular do curso de Publicidade e Propaganda. Disponível em: <http://www.unifra.br/graduacao/grad_disciplinas.asp?varcode=211&fig=../graduacao/img/publicidade.gif>. Acesso em: 06/06/2012.

28 28 Publicidade e Propaganda da UNIFRA e que podem ser consideradas como as disciplinas voltadas para os meios mais tradicionais de anúncios. Na visão de Jones (2002), estão entre os canais tradicionais de comunicação os jornais, as revistas, a televisão e os outdoors. Existem também disciplinas com enfoque no comportamento da sociedade. Esses assuntos são abordados em algumas disciplinas como: Realidade Socioeconômica e Política Brasileira, Comportamento do Consumidor, Sociologia da Comunicação e Pesquisa de Opinião. Essas matérias que ensinam o aluno a compreender melhor o ambiente relacional das distintas camadas sociais são fundamentais para que, posteriormente, ao serem criados os anúncios, obedeçam aos conceitos que possuam maior poder de penetração nos públicos que pretendam atingir. O CRM, mais uma vez, pode prestar sua colaboração nessa situação. É o caso do programa de aplicação com finalidade analítica, que: [...] administra campanhas de marketing e vendas, segmentação de mercado, estudo do comportamento do consumidor e predições sobre compras futuras, entre outras atividades. Ele auxilia, em tempo real, os usuários na captura de informações a respeito dos relacionamentos, reclamações e requerimentos provenientes de todos os canais de contato com o cliente. Essa informação é processada pela ferramenta analítica, permitindo que os profissionais de marketing sejam informados a respeito das necessidades do cliente, seu comportamento de compras e seus valores. As principais funcionalidades servidas pelo CRM analítico são: análise de venda, análise dos serviços prestados, configurador de produto, campanha e informação para força de vendas, campanhas por , data warehouse, ferramenta analítica, ferramenta de relatórios, gerenciamento de campanhas, gerenciamento de territórios, qualidade de dados, qualidade do serviço, segmentação de mercado, entre outras (MADRUGA, 2010, p.107). Dessa forma, exemplifica-se uma das inúmeras contribuições que o CRM pode oferecer aos publicitários. Embora o curso de Publicidade e Propagada do Centro Universitário Franciscano, assim como os demais contidos nessa pesquisa, não apresentem em seus currículos o nome CRM no título de suas disciplinas, espera-se deles uma maior atenção em relação a esses programas. Afinal, o CRM pode ser aplicado nas empresas com diversas finalidades e se os profissionais tiverem um embasamento teórico sobre qual estratégia utilizar para qual propósito, os níveis de sucesso em sua implementação deverão ser maiores e os investimentos nessa área poderão ser feitos com maior segurança.

29 AS ÁREAS PARA SE TRABALHAR EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Embora este estudo busque retratar o panorama dos cursos de Publicidade e Propaganda, Sistemas de Informação e Administração em relação ao CRM, optou-se por um enfoque na área de Publicidade. Afinal, o autor deste trabalho é acadêmico desta graduação, que segundo Predebon et al (2004), continua sendo uma carreira que encanta pelo glamour, porém, o escritor afirma que essa pode ser uma visão enganosa capaz de atrair milhares de novos estudantes todo o ano. Alguns obstáculos impedem uma assimilação mais precisa sobre o campo da publicidade e propaganda e isso colabora para que alguns jovens se iludam e muitas vezes façam uma opção equivocada por essa carreira. Afinal, essa é uma área bastante ampla e, segundo Dias et al (2008), até mesmo profissionais de marketing de grandes empresas têm dificuldades para compreender o universo complicado da teoria sobre propaganda. Ao homem do marketing do cliente [empresa] falta conhecimento mais específico e detalhado sobre a teoria e prática da propaganda e ao homem de propaganda falta, com muita frequência, conhecimento mais sólido de marketing (da realidade da empresa-cliente) (DIAS et al, 2008, p.14). Um homem de propaganda possui conhecimentos que o permitem trabalhar em algumas áreas, seja como freelancer 11 ou em agências de propaganda. As agências geralmente possuem os seguintes setores: atendimento; direção de arte; mídia; redação; planejamento; podendo ainda possuir um departamento de marketing, que cuidará de assuntos em um âmbito mais geral O profissional de Atendimento O termo atendimento talvez não seja o mais adequado para denominar o profissional que gerencia as contas dos clientes da agência, mas é assim que esse profissional é popularmente conhecido. O atendimento é o profissional que serve de elo entre a agência e o cliente, ele participa de todos os contatos entre ambos, sendo o membro mais próximo que a 11 Termo utilizado para profissionais que trabalham sem vínculo empregatício formal. Freelance é o serviço prestado por um profissional (freelancer) temporariamente, sem vínculo empregatício. (LUPETTI, 2000, p.200).

30 30 agência possui de seu público. Predebon et al (2004, p.37) destaca que quem trabalha no atendimento são as pessoas que fazem a ponte de comunicação com o cliente. Porém, para trabalhar no setor de atendimento de uma agência, o profissional precisa ir além de apenas receber o pedido do cliente e apresentar-lhe posteriormente a solução criada pela agência. Essa visão equivocada dos profissionais que trabalham no setor de atendimento é bastante recorrente, Longo (2008, p.306) relata uma experiência vivida por ele nos tempos em que trabalhava como professor em faculdades de comunicação, que permite visualizar melhor o conceito que os leigos possuem do profissional de atendimento, certo dia, um aluno chegou convicto para ele e falou: Professor, estou decidido a trabalhar em Propaganda. Se for preciso iniciarei por baixo, faço qualquer coisa pra começar, quero trabalhar nem que seja em atendimento. Para Longo (2008), esses equívocos estão relacionados ao termo atendimento, que é utilizado no Brasil para denominar os gerentes de contas das agências, e isso denota à atitudes de subserviência e passividade, enquanto o real significado de quem trabalha nessa função é exatamente o oposto. Segundo Predebon (2004), Pessoal do atendimento: São profissionais com ótima cultura geral da atividade e sólido conhecimento (maior que o do cliente, em geral, salvando-se exceções) sobre as tarefas e todos os processos envolvidos na propaganda. Serão levados a explicar as razões de determinadas decisões técnicas, bem como precisarão responder com segurança sobre as mais variadas dúvidas que se originam em todos os escalões do cliente que têm contato com a propaganda. Para o bom exercício de sua função, devem ter boa comunicabilidade e bom-senso acima da média. Precisam dominar a dialética da negociação, pois frequentemente exercem papel de vendedor (de ideias, caminhos, decisões, alternativas) (PREDEBON et al, 2004, p.37). Dessa forma, antes de qualquer outra característica, o profissional de atendimento precisa ser comunicativo e ter alto poder de convencimento. Para isso é preciso que haja confiança por parte do cliente nesse profissional e essa confiança aumenta conforme a percepção do cliente nas qualidades do atendimento for concebida. Portanto, para trabalhar na área de atendimento é preciso um conhecimento profundo dos demais setores da agência para que se possa explicar ao cliente o porquê das estratégias elaboradas para atingir os objetivos propostos, convencendo-o, assim, que as decisões da agência foram acertadas.

31 O profissional de Planejamento Talvez seja este o profissional mais raro da propaganda, pois são poucas as agências que possuem um homem apenas para pensar e planejar as ações que serão desempenhadas futuramente. Geralmente em agências menores o atendimento faz o briefing 12 com o cliente e a partir de então, a criação elabora as peças que julgar necessárias para atingir os objetivos contidos no briefing. Porém, nem todas as agências funcionam dessa forma, em algumas delas existe a área de planejamento e assim como os demais setores da agência, o profissional que nela atua possui determinadas funções que requerem algumas habilidades para serem executadas. De um modo geral, as pessoas que trabalham com planejamento são profissionais que analisam e equacionam os problemas a serem resolvidos pela propaganda (PREDEBON, 2004, p.37). Ribeiro (2008) vai além dessa definição, para ele, o planejamento é composto por três etapas: apropriação da realidade, montagem do problema, para que só então se pense em possíveis soluções. O mais importante para o planejamento é conseguir montar o problema certo, para que não se perca tempo e consiga-se pensar em soluções que realmente serão eficazes para combatê-lo. Segundo Ribeiro (idem, p.22), Einstein dizia que o grande desafio é montar o problema. A partir daí pelo menos mil pessoas podem resolvê-lo. Provavelmente esta seja uma colocação um pouco exagerada para adaptar ao campo da propaganda, porém enaltece a tese da dificuldade de se montar o problema corretamente. Sendo assim, para o planejador é importante que haja um grande interesse em avaliar as possibilidades, conversar com as pessoas que fazem parte de todas as etapas do produto, desde a sua produção até os vendedores e consumidores. Logo, a probabilidade de encontrar o real problema e solucioná-lo será muito maior O profissional de Direção de Arte O diretor de arte faz parte da área de criação da agência e sua principal função é transformar o anúncio visualmente no mais agradável possível, fazendo com que seja adequado ao público que se destina. O diretor de arte é responsável pela concepção visual de um produto, seja ele um filme, um programa de tv, anúncio impresso ou na web. Trata-se de 12 Briefing: resumo de fatos, objetivos e instruções, relativas à criação de uma campanha, um anúncio ou qualquer outro elemento no amálgama de marketing (SILVA, 2005, p.137).

32 32 um profissional generalista que precisa entender um pouquinho de cada área (PAN; COSTA, 2010, p.84). É importante para o diretor de arte emocionar o público com as suas criações, pois a emoção é capaz de mudar o juízo de valor das pessoas, ela faz o público pensar e desejar algo. Criativa é a campanha que consegue que o consumidor não fique indiferente. Que ele se emocione, ria, sorria ou fique com água na boca e, principalmente, que tenha vontade de comprar (IMOBERDORF, 2008, p.120). A partir dos milhares de anúncios diários aos quais o homem está exposto, é fundamental que haja criatividade para fazer com que alguns se sobressaiam e despertem a sensação de desejo no público. Além da criatividade, existem características básicas que Williams (1995) destaca serem importantes para a criação de um bom leiaute, entre elas estão a proximidade, o alinhamento, a repetição e o contraste. Segundo o princípio da proximidade, Williams (1995, p.15) destaca, itens relacionados entre si devem ser agrupados e aproximados uns dos outros, para que sejam vistos como um conjunto coeso e não como um emaranhado de partes sem ligação. Segundo o princípio do alinhamento, Williams (idem, p.27), apresenta que nada deve ser colocado arbitrariamente em uma página. Cada item deve ter uma conexão visual com algo na página. O princípio da repetição, segundo Williams (idem, p.43), indica que algum aspecto do design deve repetir-se no material inteiro. Por fim, no princípio do contraste, segundo Williams (idem, p.53), se dois itens não forem exatamente os mesmos, diferencie-os completamente, o autor ainda expõe que, se eles diferirem apenas um pouco, estará criando-se um conflito. Portanto, para trabalhar em direção de arte é necessário que o profissional além de ser criativo, domine algumas dessas técnicas básicas para o bom desempenho da sua função O profissional de Redação Assim como o diretor de arte, o redator também faz parte da área de criação da agência e embora não deva seguir regras fixas para criar, existem algumas estratégias que podem facilitar sua criação e aumentar a eficácia da mensagem a ser transmitida. Entre essas estratégias, pode-se citar a adequação das mensagens aos meios que estiver inserida, por

33 33 exemplo: em um outdoor advertising 13 é importante que haja predomínio visual, com poucas palavras, afinal este tipo de mídia geralmente está localizada em vias de grande fluxo de veículos e impactam rapidamente os motoristas, impedindo-os de assimilar mensagens maiores e mais complexas. De maneira geral, segundo Guzmán (1993), o texto publicitário tem a finalidade de cumprir três funções: a atribuição de uma identidade ao produto através de um nome, a definição de uma personalidade através de uma gama de atributos e a celebração ou exaltação do nome e da personalidade com o objetivo de criar uma atitude favorável do receptor da mensagem publicitária para o produto, isto é, um júbilo (GUZMÁN, 1993, p.167, tradução nossa). A primeira das funções propostas pelo autor, geralmente não é executada pelas agências de publicidade, pois ela já é decidida anteriormente tanto no setor de marketing das grandes empresas, quanto pelo próprio empresário nos negócios menores. Porém, as outras duas funções do texto publicitário apresentadas por Guzmán, são buscadas frequentemente pelos redatores das agências de propaganda. Portanto, essas são as duas principais funções do publicitário redator, definir uma personalidade que deverá nortear toda a comunicação e exaltar essa personalidade criada, associando-a ao nome do produto, para fortalecer a marca e gerar a preferência do consumidor O profissional de Mídia Ao contrário do que alguns leigos possam imaginar, o profissional de mídia no setor publicitário não é alguém que possua tamanha notoriedade por estar comumente na mídia, aparecendo em programas de elevadas audiências. Ele precisa sim ter um bom relacionamento com os veículos 14 e fornecedores, mas com quem trabalha internamente, nos setores comerciais. Os profissionais de mídia em uma agência são pessoas que estudam o rendimento dos diversos veículos, planejam a distribuição ideal de verba de propaganda e 13 Outdoor advertising: são os painéis de 16 a 32 folhas de papel impressos e coladas em pontos estratégicos das cidades. Normalmente resistem 15 dias ou um pouco mais. Estes são alugados por dia em intervalos também de bi-semanas (SILVA, 2005, p.445). 14 Veículo: meio de divulgação: jornal, revista, rádio, televisão, cinema, outdoor. O mesmo que meio de comunicação (SILVA, 2005, p.445).

34 34 depois fazem o checking verificação e comprovação da propaganda veiculada (PREDEBON, et al, 2004, p.37). Fundamentalmente, o profissional de mídia se baseia em pesquisas para adequar a verba disponível de uma campanha aos resultados que ela visa atingir. Em relação ao profissional de mídia, Benetti (2008), afirma que sua função básica, em face dos objetivos/estratégias de mercado e comunicação, é propor caminhos (estratégias e táticas) para que a mensagem chegue ao públicoalvo. Nesta tarefa o profissional de Mídia procura, através de pesquisas existentes, identificar meios e veículos de comunicação que atinjam o consumidor na qualidade e quantidade (perfil) exigidos pelos objetivos de marketing. Ainda respondendo a esses objetivos e considerando a presença da concorrência, o trabalho de mídia implica recomendar esforços (cobertura/frequência = GRPs por mercado), propor continuidade (semanas/meses no ano) linear ou não e tem ainda a preocupação de colocar a mensagem em espações que deem visibilidade (patrocínios de programas, participação em eventos, uso de vinhetas, uso editorial dos veículos), via merchandising (TV) ou comunicadores (rádio) (BENETTI, 2008, p.186). Para isso, embora os profissionais de mídia não precisem fazer uso da sua criatividade no memento de elaborar peças publicitárias, é preciso utilizá-la em algumas situações, principalmente para otimizar a verba do cliente em ações que trarão maior visibilidade à marca. Outra situação que desafia a capacidade criativa e o bom relacionamento de quem trabalha com mídia é nas negociações com os veículos, é necessário um bom poder de convencimento para conseguir melhores condições de pagamentos, descontos nos valores de confecção ou publicação dos materiais e veiculações por períodos maiores de tempo O profissional de Marketing O profissional de marketing geralmente não trabalha dentro das agências de propaganda, mas é ele quem faz o contato com as agências quando a empresa possui um setor específico de marketing. A propaganda pode ser vista como uma das variáveis do marketing, porém, este é mais amplo e complexo. Segundo Predebon (2004), o marketing pode ser tradicionalmente definido como conjunto de técnicas para criação, fabricação, distribuição e venda de produtos e serviços (PREDEBON, 2004, p.27). Portanto, resumidamente, essas são as funções que este profissional possui. Para cumprir com suas obrigações, quem trabalha nessa área precisa ter a habilidade de detectar as oportunidades do mercado. De acordo com Kotler e Keller (2006, p.4), o objetivo do marketing é conhecer e entender o cliente tão bem que o produto ou o serviço seja

35 35 adequado a ele e se venda sozinho. Portanto, se o profissional da área de marketing estudar o mercado no qual ele estiver inserido e detectar as necessidades e desejos dos consumidores, ele estará criando a base para executar um bom trabalho. Assim, ao constatar uma demanda, este profissional deve saber que precisa supri-la para que torne os clientes satisfeitos e cumpra com os propósitos da empresa. Para Kotler e Keller (2006, p.8), os profissionais de marketing são responsáveis por gerenciar a demanda. Os gerentes de marketing buscam influenciar o nível, a oportunidade e a composição da demanda para atender aos objetivos das organizações. Dessa forma, as empresas que possuem especialistas nessa área para trabalhar exclusivamente em seu benefício, adquirem amplas vantagens ao criar campanhas em parceria com as agências de publicidade. Os resultados dos trabalhos gerados por essa união tendem a ser mais precisos, pois associam os profissionais criativos das agências aos profissionais que detém informações importantes sobre a relação entre a empresa e o mercado.

36 36 3 METODOLOGIA A presente pesquisa buscou evidenciar a presença dos estudos de CRM no ensino superior. A pesquisa teve caráter descritivo e para atingir os objetivos específicos definidos inicialmente foi realizada através de uma abordagem quanti-qualitativa, por meio de questionários. O propósito foi avaliar o conhecimento dos acadêmicos dos cursos de Publicidade e Propaganda, Sistemas de Informação e Administração da UNIFRA, em relação ao conceito que possuem dos programas de CRM. Dessa forma, a pesquisa valeu-se do método comparativo, que de acordo com Michel (2009, p.57), se procede pela investigação de indivíduos, classes, fenômenos ou fatos, com vistas a ressaltar as diferenças e similaridades entre eles. Assim, foi possível avaliar o entendimento dos alunos de cada um dos cursos, conforme escolha da amostragem exposta no tópico seguinte que relata sobre o universo da pesquisa. Primeiramente, através de um delineamento teórico, foram exploradas opiniões distintas de autores que debatem sobre fatores de sucesso e insucesso relacionados aos programas de CRM. Tópicos que relatam a respeito da área de Publicidade e Propaganda inseridos nestes processos de relacionamento receberam tratamento prioritário. Para que os objetivos propostos fossem atingidos, como análise empírica, foram aplicados questionários junto aos acadêmicos que estavam cursando os dois últimos semestres dos cursos de Administração, Sistemas de Informação e Publicidade e Propaganda da UNIFRA durante os meses de setembro e outubro de Optou-se por esse público, pois se espera dele um grau de compreensão maior em relação aos conteúdos abordados no decorrer dos seus cursos, sendo possível, assim, avaliar de forma mais eficiente o entendimento dessa população em relação ao termo CRM. Através de um levantamento inicial, que pode ser melhor visualizado no tópico a seguir, relacionado ao universo da pesquisa, buscou-se verificar o número de questionários que seriam aplicados. Segundo os coordenadores dos cursos aproximadamente 154 alunos se enquadram nos dois últimos semestres dos seus cursos, com previsão de conclusão entre o segundo semestre de 2012 e o primeiro semestre de 2013, sendo 28 de Sistemas de Informação, 46 de Publicidade e Propaganda e 80 de Administração. Por meio da amostragem obtida através da aplicação dos questionários pôde-se quantificar o público que entende, ou já

37 37 ouviu falar sobre o termo e identificar as diferenças de compreensão sobre CRM entre os acadêmicos dos cursos citados. Além da aplicação dos questionários junto aos acadêmicos, foi necessário também buscar informações, através da realização de entrevistas em profundidade com os coordenadores dos cursos de Administração e de Sistemas de Informação. Optou-se por não entrevistar o coordenador de Publicidade e Propaganda, pois o autor deste estudo é acadêmico desta graduação e elegeu outras formas para verificar como o conteúdo sobre CRM é trabalhado. Entrevista em profundidade, segundo Malhotra (2004, p.163) é uma entrevista não-estruturada, direta, pessoal em que um único respondente é testado por um entrevistador altamente treinado, para descobrir motivações, crenças, atitudes e sentimentos subjacentes sobre um tópico. (MALHOTRA, 2004, p.163). Esta entrevista foi usada como parte da pesquisa para averiguar, na visão dos coordenadores, como o assunto CRM é abordado pelos professores e em quais disciplinas é discutido. 3.1 UNIVERSO DA PESQUISA Os cursos pesquisados foram o de Administração, Sistemas de Informação e Publicidade e Propaganda. A ideia inicial do trabalho era aplicar questionários aos alunos que estivessem cursando disciplinas que fizessem parte dos semestres finais das suas matrizes curriculares. Definiu-se, então, que seria interessante para atingir o objetivo de detectar o conhecimento dos estudantes acerca do termo CRM, aplicar os questionários aos alunos que já tivessem concluído a metade das disciplinas dos seus cursos. Para fazer um levantamento de quantos alunos se enquadravam nesse perfil, primeiramente, no mês de junho de 2012, foram enviados s para as coordenações das graduações que se pretendia averiguar. A secretária do curso de Administração respondeu que possuía em média 40 estudantes por turma, o que resultava em aproximadamente 160 alunos considerando-se que o curso é dividido em 8 semestres. O coordenador de Sistemas de Informação relatou que existiam 216 alunos matriculados regularmente, entre eles, 70 já haviam cursado disciplinas do 4º semestre, equivalente ao semestre que representa 50% do curso. Por fim, a coordenadora de Publicidade e Propaganda afirmou que existiam cerca de 150 alunos que se enquadravam nesse universo. Porém, em um segundo momento, após discussões com a banca avaliadora no mês de julho de 2012, quando este ainda era um projeto de pesquisa, decidiu-se optar pela aplicação de questionários apenas para os alunos que estivessem entre os dois últimos semestres das

38 38 suas formações. Essa alteração no universo dos respondentes se deu com a finalidade de abordar estudantes que já possuíssem uma ideia geral mais concreta dos conteúdos ofertados pelos seus cursos, entre eles o CRM, tornando mais relevantes as informações obtidas. Dessa forma, foi feito um segundo contato com os coordenadores no mês de setembro de 2012, a fim de levantar o real universo da pesquisa e marcar uma reunião na qual fosse realizada uma entrevista em profundidade com cada um deles. A partir dos dados disponibilizados pela secretária da graduação de Administração no que relatava cerca de 40 alunos por semestre, presumiu-se que o novo número de alunos aptos a responderem os questionários era de 80. O coordenador do curso de Sistemas de Informação disponibilizou uma tabela que apresentava os alunos que estavam realizando as disciplinas de Trabalho Final de Graduação I e II. Essas disciplinas representam que o estudante já está realizando matérias dos dois semestres finais e entre os matriculados foi possível constatar um universo de 28 pessoas. Já o universo do curso de Publicidade e Propaganda passou a ser de 46 alunos, número que foi encontrado através da lista de aptos a participar do ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), exame que apenas os estudantes concluintes nos dois semestres seguintes de graduação estão aptos a prestar. Assim, somando-se os alunos dos cursos de Administração, Sistemas de Informação e Publicidade e Propaganda que estão cursando os dois últimos semestres das suas respectivas faculdades, encontra-se um universo de 154 estudantes. A partir desse universo, procurou-se aplicar os questionários no maior número possível de alunos que se enquadrassem nesses critérios. Através de uma amostragem por acessibilidade que segundo Gil (2006, p.104), ocorre quando o pesquisador seleciona os elementos a que tem acesso, admitindo que estes possam, de alguma forma, representar o universo, foram aplicados os questionários aos alunos que estavam em sala de aula nos dias de sua execução. No curso de Publicidade e Propaganda, conseguiu-se encontrar 36 estudantes, em Administração foram 21 alunos e em Sistemas de Informação encontraram-se 11 estudantes com o perfil desejado. Convém destacar que no curso de Administração os alunos possuem disciplinas apenas até o 7º Semestre, no 8º e último semestre eles possuem estágio obrigatório, fator que dificulta o acesso a esses acadêmicos.

39 ENTREVISTAS EM PROFUNDIDADE Para a obtenção de informações sobre os cursos de Administração e Sistemas de Informação, foram realizadas entrevistas em profundidade junto aos coordenadores das referidas graduações. O procedimento teve o intuito de apresentar brevemente os objetivos deste trabalho, verificar o universo e a possibilidade de realizar uma abordagem junto aos alunos para responder aos questionários e saber em quais disciplinas o termo CRM era abordado pelos professores. Segundo Gil, Pode-se definir entrevista como a técnica em que o investigador se apresenta frente ao investigado e lhe formula perguntas, com o objetivo de obtenção dos dados que interessam à investigação. A entrevista é, portanto, uma forma de interação social. Mais especificamente, é uma forma de diálogo assimétrico, em que uma das partes busca coletar dados e a outra se apresenta como fonte de informação (GIL, 2006, p.117). O primeiro contato realizado via aconteceu no mês de setembro, porém as entrevistas foram agendadas apenas para outubro, sem nenhum prejuízo para a realização da pesquisa. As entrevistas realizadas cumpriram uma importante função neste estudo, por meio delas foi possível averiguar a visão e a opinião dos coordenadores em relação ao trabalho do CRM em seus cursos por parte do corpo docente, além de sugestões e curiosidades sobre a presente pesquisa, tais como propostas de alterações para o questionário e interesse em seus resultados. 3.3 QUESTIONÁRIOS Os questionários (apêndice A e B) foram elaborados para medir o conhecimento dos alunos contidos no universo dessa pesquisa em relação ao CRM. Ao curso de Publicidade e Propaganda foi elaborado um questionário especial, contendo uma última questão que estava associada às áreas de maior interesse dos respondentes. Nessa questão o aluno deveria enumerar de 1 a 6 de acordo com a sua empatia em atuar no mercado de trabalho, sendo 1 para a área de maior interesse e 6 para a de menor. A partir dessa pergunta buscou-se averiguar o apreço dos alunos por cada um dos campos sugeridos no questionário e a relação entre o conhecimento ou não do CRM em referência a predileção pela área do marketing, uma

40 40 vez que o CRM é uma variável do marketing de relacionamento. As demais perguntas foram iguais para todos os cursos. Para Gil (2006), pode-se definir questionário como a técnica de investigação composta por um número mais ou menos elevado de questões apresentadas por escrito às pessoas, tendo por objetivo o conhecimento de opiniões, crenças, sentimentos, interesses, expectativas, situações vivenciadas etc (GIL, 2006, p.128). Os questionários apresentavam três questões, excepcionalmente o que foi aplicado aos alunos de Publicidade e Propaganda exibia uma quarta questão referente às áreas de interesse no mercado de trabalho. Primeiramente o estudante deveria assinalar a qual semestre pertencia, para que se pudesse ter certeza de que ele se enquadrava nos critérios de amostragem propostos pela presente pesquisa. Após assinalar o seu semestre, as questões 1 e 2 eram de caráter objetivo, aonde os alunos deveriam marcar uma das alternativas propostas. Na questão 3, o estudante deveria dissertar revelando o que era CRM na sua opinião. A partir dessa questão foi possível verificar se os alunos que responderam Sim a questão 1, realmente estavam fazendo uma associação correta entre o termo CRM e o seu real significado. Depois de elaborados os questionários, foram estipuladas, junto à coordenação dos cursos, as datas para a sua aplicação. Nos dias marcados, o pesquisador apresentou-se nas salas de aula e informou a finalidade da pesquisa aos alunos que nela se encontravam. Todos que se enquadravam nos critérios de amostragem do estudo e estavam presentes nos dias da aplicação dos questionários, aceitaram participar e colaborar para que os resultados desse trabalho fossem satisfatórios. Os questionários foram distribuídos individualmente e cada respondente assinalou as alternativas que julgou mais adequadas aos seus conhecimentos. Dessa forma, os questionários foram aplicados nas salas de aula dos cursos selecionados sem que os pesquisados sofressem qualquer tipo de influência causada pelo pesquisador.

41 41 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS DADOS Para assegurar a legitimidade da pesquisa, é importante realizar-se o tratamento dos dados coletados. Segundo D Ambrosio (2009, p.102), qualquer trabalho sem um tratamento estatístico não poderia ser chamado de pesquisa. Sendo assim, analisou-se os dados coletados através dos questionários aplicados aos alunos do 7º e 8º semestres dos Cursos de Publicidade e Propaganda, Sistemas de Informação e Administração da UNIFRA para que fosse possível realizar a mensuração dos resultados. De acordo com Gil (2006, p.91), a mensuração de uma entidade sempre é feita por comparação. medir algo consiste em verificar quantas vezes uma unidade de medida cabe no objeto a medir. Dessa forma, as entrevistas com os coordenadores foram analisadas e os seus relatos apresentados em tópicos que contemplem as principais arguições dos pesquisados. Já as respostas dos questionários, foram analisadas e expostas em gráficos para facilitar o entendimento e a comparação entre os cursos. 4.1 ENTREVISTA ADMINISTRAÇÃO Através de um primeiro contato com a secretária do curso de Administração, foi marcado um encontro com a coordenadora da graduação para o dia 05 de outubro de Neste encontro foi possível realizar uma entrevista em profundidade, na qual buscou-se averiguar alguns itens de suma importância para a presente pesquisa. Após uma breve apresentação pessoal e do trabalho que estava sendo realizado, ao ser questionada em relação às disciplinas que abordavam o termo CRM, a coordenadora citou: Marketing I, Marketing II e Sistemas de Informações Gerenciais, em todas elas apenas a teoria era exibida aos alunos. A coordenadora relatou ainda, que seria difícil aplicar os questionários nos alunos que estavam no 8º (último) semestre do curso, pois eles não frequentam mais as aulas, uma vez que possuem apenas estágio obrigatório e orientações para que escrevam o relatório final de estágio. Ao ler as perguntas do questionário, a coordenadora solicitou que o termo CRM fosse vinculado ao marketing de relacionamento, ou a gestão empresarial, pois em sua visão a questão 1 deixava um universo muito amplo para o aluno. Porém, a ideia do questionário era exatamente a de verificar a associação imediata que o aluno faria sobre o tema, portanto, esta questão não foi alterada. Por fim, a coordenadora indicou os dias e horários que o pesquisador

42 42 poderia aplicar os questionários nos alunos, esta definição considerou o público que se pretendia atingir. 4.2 ENTREVISTA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O primeiro contato realizado com o coordenador do curso de Sistemas de Informação foi através de . Acordou-se então, uma reunião para o dia 03 de outubro de Nesta reunião foi realizada uma entrevista em profundidade, na qual, após apresentar-se, o autor deste estudo expôs os seus objetivos com a entrevista que seria realizada. O coordenador de Sistemas de Informação revelou não possuir muito conhecimento acerca do termo CRM, porém demonstrou-se sempre interessado em colaborar para a obtenção dos objetivos traçados. Após um questionamento relativo às disciplinas em que o termo era abordado, o coordenador fez algumas ligações telefônicas e verificou que o tema era trabalhado na disciplina de Sistemas de Apoio a Decisão. Segundo o seu relato, os alunos estudam por cerca de um mês em laboratório com o auxílio de softwares de CRM que simulam situações reais encontradas no mercado de trabalho. Através de uma tabela disponibilizada pela coordenação, foi possível verificar o número de alunos que se enquadravam no perfil desejado por esta pesquisa. O coordenador relatou que seria difícil encontrar estes estudantes, pois, segundo ele, esses alunos possuíam disciplinas irregulares, não respeitando a grade curricular proposta pelo curso. Dessa forma, foram traçadas algumas possibilidades para que se encontrasse o universo pretendido e o coordenador se propôs a acompanhar o pesquisador nessa aplicação dos questionários no dia 09 de outubro. Como os resultados não foram satisfatórios, o pesquisador resolveu tentar por mais dois dias consecutivos encontrar os alunos que se enquadravam na pesquisa, porém, ainda assim, o curso de Sistemas de Informação foi o que apresentou menor amostragem nesta pesquisa, 11 alunos no total. 4.3 PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nos dias 14 e 18 de setembro de 2012 os questionários foram aplicados aos alunos do curso de Publicidade e Propaganda. A partir de uma amostra de 36 alunos foi possível verificar o número de estudantes que relatou já ter tido contato com o termo CRM. No gráfico 1, a seguir, apresenta-se os resultados obtidos:

43 43 Você sabe o que é ou já ouviu falar sobre CRM? 19,44% 80,56% Sim - 7 participantes Não - 29 participantes Gráfico 1 - Contato com o termo CRM Através do Gráfico 1, pode-se notar que dentre os 36 alunos questionados, somente 7 conhecem a sigla CRM, enquanto 29 não conhecem. Esse foi o índice mais baixo dentre os cursos analisados, menos de 20% dos estudantes pesquisados relataram lembrar-se de algum contato com o termo CRM. Já no Gráfico 2 estão retratados os resultados referentes ao primeiro contato do estudante com o CRM, somente o aluno que assinalou sim à questão 1 respondeu a segunda e a terceira questões:

44 44 O seu primeiro contato com CRM foi: Professor - 4 participantes 14,28% 14,28% 14,28% 57,14% Amigo - 1 participante Palestra - 0 participantes Artigo - 0 participantes Livro - 1 participante Outro - 1 participante Gráfico 2 - Primeiro contato com CRM Infere-se, portanto, que dos sete alunos que responderam sim à primeira questão, quatro relataram que o seu primeiro contato com a sigla CRM foi através do Professor, esse número corresponde à mais da metade dos respondentes aptos a exporem sua experiência nessa pergunta. Também foram mencionados, em menor proporção, com uma referência cada, que o primeiro contato com o CRM foi através de um Amigo, de Livros e de Outros (sala de aula). Essa questão permite perceber que o assunto já foi retratado em sala de aula, porém o interesse dos alunos, ou o método de abordagem dos professores, não foi suficientemente impetuoso para que gerasse lembrança em quase 80% dos questionados. Para verificar se os sete alunos que responderam sim à primeira pergunta realmente sabiam sobre o que se tratava a sigla, foi solicitado que eles explicassem com suas próprias palavras o significado de CRM. O resultado está exposto na tabela que se segue: Relacionamento com o Ferramenta de mídia Outros consumidor Tabela 1 - O que é CRM? Apenas dois participantes associaram o CRM à uma de suas reais funcionalidades, o Relacionamento com o consumidor, sendo que um deles apenas escreveu por extenso o significado da sigla e a sua tradução, e o outro redigiu Relacionamento com o consumidor. Outros dois alunos relataram que o CRM é uma ferramenta de mídia, um disse que a sigla

45 45 significava Custo de alguma coisa e os últimos dois não responderam a essa pergunta, mesmo que tenham afirmado já ter tido algum contato com o termo CRM. O Gráfico 3 apresenta o resultado das áreas de maior interesse para se trabalhar, segundo os pesquisados. Estão elencadas as três áreas de maior interesse dos questionados, que responderam saber o que significa CRM. Optou-se por evidenciar as três áreas destacadas como prioritárias pelos respondentes, pois são os setores que demonstram preferência de atuação dos respondentes depois de formados: Está entre as três áreas de maior interesse dos participantes que sabem o que é CRM: Atendimento - 3 participantes Direção de Arte - 1 participante Mídia - 2 participantes Redação -1 participante Planejamento - 3 participantes Marketing - 5 participantes Gráfico 3 - Áreas de interesse de quem sabe o que é CRM Esta questão permitia ao aluno assinalar mais de uma alternativa e o Marketing foi a área de maior interesse, sendo registrada por cinco dos respondentes, seguida de Atendimento e Planejamento, com três participantes cada uma, a alternativa Mídia foi indicada por dois participantes, enquanto Direção de Arte e Redação por um participante cada. A preferência pela área do Marketing entre os respondentes que assinalaram Sim a primeira pergunta já era previsível, pois o CRM é uma variável do marketing de relacionamento, que, por sua vez, está situado no campo do marketing. Dessa forma, foi possível observar que dos sete pesquisados que responderam saber o que era CRM, mais de 70% têm o marketing como uma de suas áreas preferenciais de atuação. O Gráfico 4 dispõe sobre as três áreas de maior interesse dos participantes que relataram não saber o que significa CRM.

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00)

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) 3 ABRIL ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) DATA: 06 a 10/04/2015 HORÁRIO: 19h às 22h CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Bem tratado ou bem atendido? Momentos da verdade das empresas O perfil do profissional de

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Marketing 4ª Série Gestão do Relacionamento com os Consumidores A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno O Guia do Relacionamento para o corretor moderno Introdução 3 O que é marketing de relacionamento 6 Como montar uma estratégia de relacionamento 9 Crie canais de relacionamento com o cliente 16 A importância

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Olá, meu nome é Fred Silveira, eu sou coach empresarial e ajudo pequenos e médios empresários a conseguirem melhores resultados de suas empresas.

Olá, meu nome é Fred Silveira, eu sou coach empresarial e ajudo pequenos e médios empresários a conseguirem melhores resultados de suas empresas. Autor Olá, meu nome é Fred Silveira, eu sou coach empresarial e ajudo pequenos e médios empresários a conseguirem melhores resultados de suas empresas. Neste e-book, irei compartilhar com você 5 caminhos

Leia mais