SIGLAS ASSISTENCIAIS PADRÃO NORMA Nº 610

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIGLAS ASSISTENCIAIS PADRÃO NORMA Nº 610"

Transcrição

1 Página: 1/12 1- OBJETIVO Definir as siglas e abreviações utilizadas nas documentações assistenciais dos Hospitais Mãe Deus e Giovanni Battista, fornecendo um glossário para consulta aos usuários, investigadores e pesquisadores. 2- DEFINIÇÕES 2.1- Glossário Siglas Padrão dos Hospitais Mãe Deus e Giovanni Battista Sigla Significado AA Ar Ambiente AAA Aneurisma Aorta Abdominal AB Aborto ABC Abocath ABD Abdome ABVO Aceita Bem Via Oral Ausculta Cardíaca (em exame físico) ou alojamento conjunto AC (localização) ACFA Fibrilação Atrial (alterações compatíveis com fibrilação atrial) A Critério Médico (prescrição médica ou evolução assistencial) ou ACM Artéria Cerebral Média (referente a avaliação neurológica) ACO Anticoagulação oral ou anticoagulado ACV Aparelho Cardiovascular AD Água Destilada ADR ou ADRIA Adriamicina AESP Ativida Elétrica Sem Pulso Aspirado Gástrico (em prescrição) ou Anestesia Geral AG (procedimento) AGE Ácidos Graxos Essênciais AI Aceitação Insuficiente AIDS ou SIDA Síndrome da Imunoficiência Adquirida AIG Aquado para a Ida Gestacional AIT Acinte Isquêmico Transitório AFR Aberto (a) em frasco AMT Amniotomia AMX Amniorrexis ou aminiorex Ambos os Olhos (em prescrição) ou Abertura Ocular (em avaliação AO neurológica) AOE Abertura Ocular Espontânea Ausculta Pulmonar (avaliação pulmonar na evolução assistencial) ou Aceitação Parcial (referente a aceitação da alimentação) ou AP Apendicectomia (procedimento cirúrgico) APVO Aceita Pouco Via Oral AR Aparelho Respiratório Ara C Citarabina ARVO Aceita Regular Via Oral Aceleração Transitória (em eletrocardiograma) ou Aspirado Traqueal AT (prescrição) ou Aceitação Total (em dieta)

2 Página: 2/12 ATB ATQ AU AVC AVCH AVCI AVE BAV BCF BCNU BCP BEG BH BHP BHT BI BIA BICA Bleo BMO BNF BPD BR BSA CA CAD Carbo CAT CAU CC CCT CD CDI CF CHAD CI CIA CIUR CME CN CO COE Colono COM CPAP Antibiótico Aspirado Traqueal Quantitativo Altura Uterina Acinte Vascular Cerebral Acinte Vascular Cerebral Hemorrágico Acinte Vascular Cerebral Isquêmico Acinte Vascular Encefálico Bloqueio Atrioventricular Batimento Cardíaco Fetal Carmustina Broncopneumonia Bom Estado Geral Balanço Hídrico Balanço Hídrico Parcial Balanço Hídrico Total Bomba Infusão (em gotejo soroterapia) ou Bolsa Integra (em avaliação obstétrica); Balão Intra-aórtico Bicarbonato Sódio Bleomicina Biópsia Medula Óssea Bulhas Normofonéticas Bloqueio Peridural Bolsa Rota Bloqueio Subaracnói Circunferência Abdominal (medida) ou Câncer (diagnóstico) Cetoacidose Diabética Carboplatina Cateterismo ou cateter Cateter Arterial Umbilical Centro Cirúrgico Colecistectomia Controle Diurese Cardiosfibrilador Implantável Ácido Folínico Concentrado Hemáceas Adulto Cardiopatia Isquêmica Comunicação Interatrial Crescimento Intra-uterino Restrito Centro Material e Esterilização Cateter Nasal Centro Obstétrico Conforme orientação enfermeiro Colonoscopia Conforme orientação médica Pressão Positiva Contínua em Vias Aéreas

3 Página: 3/12 CPM Conforme Prescrição Médica CPRE Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica CPT 11 Irinotecano CRIO Crioprecipitado CRM Cirurgia Revascularização do Miocárdio CSV Controle Sinais Vitais CTE Centro Terapia Endovascular CTX Ciclofosfamida CVC Cateter Venoso Central CVE Cardioversão Elétrica CVP Cateter Venoso Periférico CVU Catéter Venoso Umbilical D1, D2, D3 Corresponnte ao dia da Quimioterapia DAC Doença Arterial Coronariana DAUNo Daunorrubicina DBP Displasia Broncopulmonar DBPOC ou DPOC Doença Broncopulmonar Obstrutiva Crônica DCP Desproporção Cefalo-pélvica DD Decúbito Dorsal DDP ou CDDP Cisplatina DEAMB Deambula DENS Densida DEXA Dexametasona DI Data Internação DIN Dinâmica Uterina DIP Desaceleração Intraparto DIST Diastólica DL Duplo Lúmen DLSCD Duplo Lúmen Subclávia Direita DLSCE Duplo Lúmen Subclávia Esquerda DLD Decúbito lateral direito DLE Decúbito lateral esquerdo DM Diabete Mélito DMG Diabete Mélitus Gestacional DMH Doença da Membrana Hialina DMOS Disfunção Múltiplos Órgãos e Sistemas DOBUTA Dobutamina DOPA Dopamina Doxo Doxorrubicina Descolamento Prematuro Placenta (diagnóstico) ou Data DPP Provável Parto (seguido data) DR Doutor DU Densida Urinária DT Dreno Tórax DTIC Dacarbasina DUM Data da Última Menstruação

4 Página: 4/12 DVA DVE DVP EAP ECG ECGl ECMO ECN ECT EDA EEG EH ou EPS ELA ELIM ENF ENMG ou ENM EP Epi EPISIO EQU ET CO2 ETE ETV EV EXS FA FAB FAF FAV FC FD FE FENTA FID FIE FiO2 FIV FM FO FOP FR FV GEA GFP GIG GNK Derivação Ventrículo Atrial Derivação Ventricular Externa Derivação Ventriculoperitoneal Ema Agudo Pulmão Eletrocardiograma Escala Coma Glasgow Oxigenação Membrana por Circulação Extracorpórea Enterocolite Necrosante Eletroconvulsoterapia Endoscopia Digestiva Alta Eletroencefalograma Encefalopatia Porto-sistêmica Esclerose Lateral Amiotrófica Diurese + Fezes Enfermeira Eletroneuromiografia Embolia Pulmonar Epirrubimicina Episiotomia Exame Qualitativo Urina Concentração final CO2 expirado Eco Trans-esofágico Eco Trans-vaginal Endovenoso Exames Fibrilação Atrial Ferimento por Arma Branca Ferimento por Arma Fogo Fístula Arteriovenosa Frequëncia Cardíaca Femural Direita Femural Esquerda Fentanil Fossa Ilíaca Direita Fossa Ilíaca Esquerda Fração Inspirada Oxigênio Fertilização in Vitro Feto Morto Ferida Operatória Forame Oval Patente Freqüência Respiratória Fibrilação Ventricular Gastroenterite Aguda Grosso, Fechado, Posterior Gran para a Ida Gestacional Granulokine (Filgrastina)

5 Página: 5/12 HAP Hipertensão Arterial Pulmonar HAS Hipertensão Arterial Sistêmica HB Hemoglobina HD Hemodiálise ou Hipocôndrio Direito (em exame físico) HDA Hemorragia Digestiva Alta HDC Hérnia Diafragmática Congênita HDVVC Hemodiálise Venovenosa Contínua HDFVVC Hemodiafiltração Venovenosa Contínua HE Hipocôndrio Esquerdo HED Hematoma Extradural HEP Heparina HFV Ventilação Alta Freqüência HGT Hemoglicoteste HH Hunt-Hess ( escala avaliação neurológica) HIC Hipertensão Intracraniana HIG Higiene HIP Hipertensão Intraparenquimatosa HMC Hemocultura HPIV Hemorragia Peri-intraventricular HPPRN ou HPP Hipertensão Pulmonar Persistente do Recém-Nascido HSA Hemorragia Subaracnóia HSD Hematoma Subdural HT Hematócrito I: Seguido Hora Início (na checagem da prescrição) IAM Infarto Agudo do Miocárdio ICC Insuficiência Cardíaca Congestiva ICE Insuficiência Cardíaca Esquerda IFO Ifosfamida IG Ida Gestacional IGC Ida Gestacional Corrigida IGN Ignorado IM Intramuscular IMC Índice Massa Corpórea IMV Ventilação Mandatória Intermitente INF Interferon ING. D Inguinal Direita ING E Inguinal Esquerda IP Intra Peritonial IRA Insuficiência Renal Aguda IRC Insuficiência Renal Crônica IRpA Insuficiência Respiratória Aguda IT Intra Tecal ITU Infecção do Trato Urinário IV Intravenoso (infusão na veia) ou Intravesical IVAS Infecção Vias Aéreas Superiores JD Jugular Direita

6 Página: 6/12 JE KETA LAB LAC LACG LAM LATM LBA ou BAL LCT LE LES LG LOC MA MAP MC MCC MCPM Med. Ves MEG MF MH MID MIDA MIE ML MLD MLE MsIs MsSs MP MR MRSA MSD MSE MSSA MTX MUC MUH MV NA NEC NEO Jugular Esquerda Ketamin Laboratório Líquido Amniótico Claro Líquido Amniótico Claro com Grumos Líquido Amniótico Meconeal Líquido Amniótico Tinto Meconeo Lavado Broncoalveolar Lesão Cerebral Traumática Laparotomia Exploratória Lupus Eritematoso Sistêmico Lavado Gástrico Lúcido, Orientado, Coerente Médico Assistente Monitorização Ante Parto ( na obstetrícia); Pressão Média das Vias Aéreas ( referente a ventilação) Morte Cerebral Monitoração Cardíaca Contínua Medicado Conforme Prescrição Médica Medicamento Vesicante Mau Estado Geral Movimentação Fetal Máscara Hudson Membro Inferior Direito Midazolan Membro Inferior Esquerdo Monolúmen ou Cateter Monolúmen ou Militros Mono Lúmen Direita Mono Lúmen Esquerda Membros inferiores Membros superiores Marca-passo Multi-resistente Staphylococcus Aureus Resistente a Oxacilina Membro Superior Direito Membro Superior Esquerdo Staphylococcus Aureus Sensível a Oxacilina Metástases ( diagnóstico oncológico) ou Metotrexato (medicação) Mucosas Úmidas e Coradas Mucosas Úmidas Hipocoradas Murmúrio Vesicular (na scrição sons respiratórios) ou Máscara Venturi (dispositivo para oxigenioterapia) Não Aceitou Alimentação (referente a aceitação da alimentação) ou Não Avaliado (para avaliação da dor) ou Não se Aplica Enterocolite Necrosante Neoplasia (diagnóstico) ou Neonato

7 Página: 7/12 NORA NPO NPS NPT NTA NTG OCITO OD OE OLIGO ON OP OPME OS PA PAC. ou PCTE. PAD PAM PAN PAPM PAS PAV ou PAVM PB PC PCA PCDX PCF PCP PCR PCV PDA PE PEEP PEG PEL PFC PIA PIC PICC PIG PIP PL PLAQ PMT Noradrenalina Nada por Via Oral Nitroprussiato sódio Nutrição Parenteral Total Necrose Tubular Aguda Nitroglicerina Ocitocina Olho direito Olho esquerdo Oligodrâmnio Óculos Nasal Occiptopúbis Órteses e Próteses e Materiais Especiais Occiptosacro Pressão Arterial Paciente Pressão Arterial Diastólica Pressão Arterial Média Poliarterite Nodosa Pressão Arterial Pulmonar Média Pressão Arterial Sistólica Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica Perímetro Braquial Paralisia Cerebral (diagnóstico), ou Perímetro Cefálico (medida), ou Pressão Controlada (ventilação mecânica) Persistência do Canal Arterial Precex Persistência da Circulação Fetal Pressão Capilar Pulmonar Parada Cardiorrespiratória ou Proteína C reativa (laboratório) Ventilação em Pressão Controlada (ver PC) Ducto Arterioso Patente Pré-eclampsia Pressão Expiratória Final Gastrostomia Percutânea Endoscópica (procedimento endoscópico) ou Pré-Eclâmpsia Grave (diagnóstico) Pré-Eclâmpsia leve Plasma Fresco Congelado Pressão Intra-Abdominal Pressão Intracraniana Cateter Central Inserção Periférica Pequeno para a Ida Gestacional Pressão Inspiratória Punção Lombar Plaquetas Prematuro

8 Página: 8/12 PN PNA PNCE PNM PNP PNR PNSE PNT ou PNTX PO POI POT PP PPC PPF PPL PS ou PSV PT PV PVC QT ou QTX RCIU RDS REG RET RG RHA RHD RI RID RIE RL RM RMO RN RNBP RNM RNMBP RNPEB ROP ROPREMA ou RUPREMA RR ROSC Peso Nascimento (recém nascido) ou Parto Normal (procedimento) Pielonefrite Aguda Parto Normal com Episiotomia Pneumonia Polineuropatia Paciente Não Reanimável Temos que ter uma política para estes casos Parto Normal sem Episiotomia Pneumotórax Pós Operatório Pós Operatório Imediato Pós Operatório Tardio Placenta Prévia Pressão Perfusão Cerebral Propofol Punho Percussão Lombar Pressão Suporte (ventilação) ou Performance Status Capacida Funcional (fisioterapia ou oncologia) Perímetro Torácico Perdas Vaginais Pressão Venosa Central Quimioterapia Crescimento Intra-Uterino Restrito Síndrome da Angústia Respiratória Regular Estado Geral Retirada ( agulha hubber) Resíduo Gástrico Ruídos Hidroaéreos Ração Hídrica Diária Ritmo Irregular (cardio) Região Inguinal Direita Região Inguinal Esquerda Ringer Lactato Resposta Motora Retirada Múltiplos Órgãos Recém-Nascido Recém-Nascido Baixo Peso Ressonância Magnética Recém-Nascido Muito Baixo Peso Recém-Nascido Peso Extremamente Baixo Retinopatia da Prematurida Rotura Prematura Membranas Ritmo Regular Tempo Retorno Circulação Espontânea (Return of

9 Página: 9/12 spontaneous circulation) RTS Escore Trauma Revisado RTU Ressecção Transuretral Próstata RTX ou RXT Radioterapia RV Resposta Verbal RX Raio X, Radiograma, Radiografia SAM Síndrome da Aspiração Mecônio SaO2, SAT Saturação Oxigênio SARA Síndrome Angustia Respiratória Aguda S/AC Sem Acesso Subcutâneo, ou Superfície Corporal (seguida metro quadrado), SC ou Sem Condições (escala da dor) SCD Subclávia Direita SCE Subclávia Esquerda (SCACSSST Síndrome coronariana aguda com supra segmento SCACSSST S-T) SCASSSST Síndrome Coronariana Aguda sem Supra do Segmento S-T SF Soro Fisiológico ou Solução Fisiológica SG Soro Glicosado SGF Soro Glicofisiológico SIC Segundo Informações Colhidas SIDS Síndrome da Morte Súbita do Recém-Nascido SIHAD Secreção Inapropriada Hormônio Antidiurético SIST Sistólica SN Se Necessário SNC Sistema Nervoso Central SNE Sonda Nasoentérica SNG Sonda Nasogastrica SNP Sistema Nervoso Periférico SOE Sonda Oroentérica SOG Sonda Orogástrica SR Sala Recuperação SRA Sala Recuperação Ambulatorial SRI Sala Recuperação Internados SRO Sala Recuperação Obstétrica SRP Sala Recuperação Pediátrica SRT ou STP Soroterapia SSP Sonda Supra Púbica SV Sinais Vitais SVA Sondagem Vesical Alívio SVD Sonda Vesical Demora SVE Sinais Vitais Estáveis T: Seguido Hora Horário Término (na checagem da prescrição) TA Tensão Arterial TAX Temperatura Axilar TBC Tuberculose

10 Página: 10/12 TCC TCE TCM TEM TEP TET TI TIG TIPS TISS TL TMO TNT TNM TORCH TOT TP TPP TQT TRISS TRM TS TSV TTRN TU TUSS TV TVP TX UCE UCI UF UI UP URO US UTI VAI VAC VAD VAS VATS VBL VCR Tomografia Computadorizada Crânio Trauma Cranioencefálico Trigliceríos Caia Média Temperatura Tromboembolismo Pulmonar Tubo Endotraqueal Tempo Inspiratório Taxa Infusão Glicose Anastomose Portosistêmica Intrahepática Transjugular Escore Intervenções Terapêuticas (Therapeutic Intervention Score System) ou Troca Informações em Saú Suplementar (Guia TISS) Triplo Lúmen ou Cateter Triplo Lúmen Transplante Medula Óssea Tubo Nasotraqueal Sistema Classificação Tumoral Toxoplasma, Sífilis, Rubéola, Citomegalovirus, Herpes Tubo Orotraqueal Trabalho Parto Trabalho Parto Prematuro Traqueostomia Trauma Revised Ínx Score System Trauma Raquimedular Tipagem Sanguínea Taquicardia Supraventricular Taquipnéia Respiratória do Recém-Nascido Tumor Terminologia Única Sistemas Saú Taquicardia Ventricular; Toque Vaginal Trombose Venosa Profunda Transplante Unida Cuidados Especiais Unida Cuidados Intermediários Ultrafiltração Unida Internação Úlcera Pressão Urocultura Ultrassonografia Unida Cuidados Intensivos Vias Aéreas Inferiores Volume Ar Corrente Via Aérea Difícil Vias Aéreas Superiores Viotoracoscopia Vimblastina Vincristina

11 Página: 11/12 VLP VM VN VNI VO VP Violaparoscopia Ventilação Mecânica Vestíbulo Nasal Ventilação Não Invasiva Via Oral Veia Periférica (em acesso vascular) ou Vepesi (curativos) 2.2- Siglas que não vem ser utilizadas A Altura C Conduta D Diurese, Indicação Lado Direito E Indicação Lado Esquerdo F Fezes O Observação S Subjetivo SATTC Saturação Oxigênio V Vômitos Qualquer sigla com apenas uma letra exceto nos horários início e término infusão por exigência do convênio (I ou T seguido hora). 3- NORMAS 3.1- As siglas apresentadas no item 2 são as siglas padrão dos Hospitais Mãe Deus e Giovanni Battista; Todos os profissionais responsáveis por registros assistenciais que utilizarem siglas vem utilizar o padrão finido nesta norma; 3.3- Quando houver necessida criação novas siglas, ve ser apresentada uma proposta para a que avaliará a proposta e caso aprove, ve atualizar esta norma para incorporar esta sigla ao glossário; 3.4- As siglas usadas para significados diferentes nos diversos serviços foram intificados e vem ser contextualizados, conforme scrito no glossário. 4- CONTROLES 4.1- prontuários. 5- AÇÕES DE CONTRAMEDIDA 5.1- Caso seja intificado a utilização invida sigla a comissão prontuário ve solicitar ao gestor médico ou enfermagem responsável pelo setor para que oriente o profissional que efetuou o registro forma invida.

12 Página: 12/12 6- ATUALIZAÇÃO DA VERSÃO Data Nº Descrição da Alteração Editado por Revisado por 13/08/ Emissão do documento 02/04/ Foram atualizadas as siglas e incluído o item 2.2 Siglas que não vem ser utilizadas. 27/06/ Foram incluídas as siglas: COE, COM, CVC, CVP, DD, DL, DLE, DLP, NPG e NPS 13/09/ A relação siglas foi totalmente alterado, incluindo todas as siglas utilizadas em prontuário, conforme recomendado na avaliação da JCI Escritório Projetos Eduardo S. Schenini Aprovação Superintendência Médico Assistencial Dr. Fábio Leite Gastal Diretoria Técnica Luiz Felipe Santos Gonçalves Data Aprovação: Data Aprovação: Data Aprovação:

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza

Patologia por tomografia. Profº Claudio Souza Patologia por tomografia Profº Claudio Souza Patologia Patologia derivado do grego pathos, sofrimento, doença, e logia, ciência, estudo) é o estudo das doenças em geral Conhecimento Dentro da tomografia

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

Nursing Activities Score

Nursing Activities Score Guia de Orientação para a Aplicação Prática do Nursing Activities Score Etapa 1 Padronização dos Cuidados de Enfermagem, nas seguintes categorias: Monitorização e Controles; Procedimentos de Higiene; Suporte

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter

GERENCIAMENTO DOS RISCOS. ASSISTENCIAIS - Neocenter GERENCIAMENTO DOS RISCOS ASSISTENCIAIS - Neocenter Gerenciamento de riscos n Objetivos Ter uma base mais sólida e segura para tomada de decisão; Identificar melhor as oportunidades e ameaças; Tirar proveito

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal Diretrizes Assistenciais Anestesia no Transplante Renal Versão eletrônica atualizada em 2011 Anestesia no Transplante Renal Protocolo 1. Transplante renal intervivos 1.1. Doador: - Medicação pré-anestésica:

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes;

As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; CIRURGIAS CARDÍACAS CIRURGIA CARDÍACA As cirurgias cardíacas são acontecimentos recentes; Na Europa e Brasil, até fins do século XIX não eram realizados procedimentos cirúrgicos na cardiologia; Com o avanço

Leia mais

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal 1 de 5 2070 94 RESULTADO ESPERADO: 2070 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Neonatal Atendimento Cirúrgico Atendimento em Emergência Internação Procedimento Recém-Nascido com desconforto respiratório Como

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO

INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS DO PRONTUÁRIO 1. Dados Gerais da coleta de dados 1. Data da coleta de dados / / 2. Horário de início da coleta de dados : 3. Nome da mãe: 4. Nº do prontuário da mãe:. 5.

Leia mais

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA:

Código: ENFDIG Disciplina: DIDÁTICA GERAL Fase: 5ª Grade curricular: 2000 Pré-requisitos: Psicologia da Educação DESCRIÇÃO DO PROGRAMA: 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO INTENSIVISTA INFANTIL QUESTÃO 21 Sobre a insuficiência cardíaca congestiva, é correto afirmar, EXCETO: a) Os inibidores da fosfodiesterase são uma alternativa

Leia mais

OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR. - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia cerebral

OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR. - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia cerebral OXIMETRIA DE BULBO JUGULAR - indicações: trauma cranioencefálico grave hipertensão intracraniana - cateterização da veia jugular interna - saturação venosa é utilizada como indicador de hipóxia e isquemia

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS

PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS NEONATOLOGIA ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br VIAS AÉREAS e VENTILAÇÃO Intubação Traqueal Seqüência Intubação Traqueal Técnica de Intubação Oxigenação com ambu com O2

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Curso de Graduação em Enfermagem Liga de Enfermagem em Neurologia Acidente Vascular Cerebral Isquêmico em Crianças, as, Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico na Criança

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ ANEXO I EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N 008/2014 PARA CREDENCIAMENTO DE HOSPITAIS E CLÍNICAS HABILITADOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ALTA COMPLEXIDADE, ASSIM COMPREENDIDOS OS CENTROS DE INFUSÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS;

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL. O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013. Dr. João de Lucena Gonçalves CNS

I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL. O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013. Dr. João de Lucena Gonçalves CNS I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013 Dr. João de Lucena Gonçalves CNS ANS - DIDES COPISS GRUPOS DE TRABALHO CONTEÚDO E ESTRUTURA COMUNICAÇÃO

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE HEPÁTICO HISTÓRICO 1967 - Starzl realizou o 1º TX bem sucedido 1970 - Início das atividades na U.F - HCFMUSP 1985-1º TX hepático do hemisfério sul 2001 Transplantes

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 02

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 02 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 02 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E ROTINAS PARA TRANSPORTE DE PACIENTES DE ALTO

Leia mais

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO

REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO:COMPLICAÇÕES E CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO Sara Priscila Constantino de Castro. UNIFACEX. E-mail: sarapryscyla@hotmail.com Ana Elza Oliveira de Mendonça.

Leia mais

b) Três fatores que predispõem o recém-nascido a desenvolver o quadro respiratório descrito. (Valor: 3,0 pontos)

b) Três fatores que predispõem o recém-nascido a desenvolver o quadro respiratório descrito. (Valor: 3,0 pontos) QUESTÃO 1 a) Duas hipóteses diagnósticas. (Valor: 1,0 ponto) 1. Doença pulmonar de membrana hialina (ou doença de membrana hialina), síndrome do desconforto respiratório, insuficiência respiratória por

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

MANUAL DO NURSING ACTIVITIES SCORE - NAS

MANUAL DO NURSING ACTIVITIES SCORE - NAS MANUAL DO NURSING ACTIVITIES SCORE - NAS Débora Feijó Vieira 1, Kátia Grillo Padilha Padilha 2, Lilia de Souza Nogueira² Esse manual, criado com o apoio da Associação Brasileira de Enfermagem em Terapia

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem na Saúde do Adulto Ano letivo 2011 Série 4º Carga Horária Total 270 h/a T 54 h/a P 216 h/a Professor: Jorge de Souza

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO:

ESTADO: CEP: TELEFONE: FAX: DIRETOR TÉCNICO: ANEXO I FORMULÁRIO PARA VISTORIA DO GESTOR NORMAS DE CLASSIFICAÇÃO E HABILITAÇÃO DE CENTRO DE ATENDIMENTO DE URGÊNCIA TIPO I AOS PACIENTES COM AVC (deve ser preenchido e assinado pelo Gestor) (esse formulário

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com

PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com PROF. ESP. Dra Thaiacyra Medeiros thaiacyra.fisio@hotmail.com INTRODUÇÃO AO ATENDIMENTO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA UTI - "unidade complexa dotada de sistema de monitorização contínua que admite pacientes

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA

CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014 PROCESSO SELETIVO UNIFICADO MG PEDIATRIA PROVA GERAL E ESPECÍFICA Luciano Amédée Péret Filho CONCURSO RESIDÊNCIA MÉDICA QUESTÕES COMENTADAS 2010-2014

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Kely Cristina Silva Oliveira Técnica de Enfermagem CTI Pediátrico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DAOP DISCIPLINA DE ESTÁGIO CURRICULAR III- REDE HOSPITALAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DAOP DISCIPLINA DE ESTÁGIO CURRICULAR III- REDE HOSPITALAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO E ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL DAOP DISCIPLINA DE ESTÁGIO CURRICULAR III- REDE HOSPITALAR Relatório de atividades na prática hospitalar: Estágio

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Semiologia e Semiotécnica II Professor: Petrúcia Maria de Matos E-mail: petruciamatos@hotmail.com Código: Carga Horária:

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice 1. Definição/ Avaliação/Profilaxia 1 1.1. Tromboembolismo Venoso 1 2. Descrição do método de avaliação 1 3. Profilaxia

Leia mais

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO O bebé prematuro, em geral com peso inferior a 2.500 gramas, está mais propenso a problemas de saúde tendo em conta que a gravidez encurtada não permitiu o desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 077/2013 Dispõe sobre os valores mínimos de honorários de serviços prestados pelos profissionais de Enfermagem no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul. O CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E

PROGRAMAS DAS PROVAS NÍVEL E PARA TODOS OS CARGOS: PORTUGUÊS: 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios). 2. Domínio da norma do português

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Sumário NORMAS OPERACIONAIS Atendimento ao Cliente Marcação de Exames Alteração no Programa de Atendimento Gestão de Demanda Admitida Ficha de Convênio Atendimento Prioritário

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI

PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DE UTI PROTOCOLO D EREGULAÇÃO DE UTI Introdução A Política Nacional de Regulação traz como responsabilidade das três esferas do governo, em seu âmbito administrativo, o exercício

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves

ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves 1 Anatomia Cerebral 2 3 swallowing, breathing,heartbeat, wakefulness, brainstem, smell, speech, judgement, foresight, pain, heat, hear=deglutição,

Leia mais

COM CORREÇÃO PELO ÍNDICE DE INFLAÇÃO MENSAL - INPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. I Supervisão.

COM CORREÇÃO PELO ÍNDICE DE INFLAÇÃO MENSAL - INPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. I Supervisão. 1 \TABELA DE HONORÁROS MÍNMOS COM CORREÇÃO PELO ÍNDCE DE NFLAÇÃO MENSAL - NPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. ATVDADES AÇÕES DESENVOLVDAS QUADROS VALORES Administrativas Consultoria

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 12 QUESTÃO 17 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal, qual

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais