Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros. Mobilidade Urbana"

Transcrição

1 Serviços de Transporte Rodoviário Interestadual de Passageiros Mobilidade Urbana Superintendência de Serviços de Transportes de Passageiros Gerência de Regulação e Outorga de

2 Estrutura da Apresentação Introdução Atuação da ANTT Exemplo de atuação em regiões metropolitanas e conurbações O caso do Distrito Federal e Entorno Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno Considerações finais

3 Introdução Atuação da ANTT: Esfera de Atuação da ANTT: transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros (Lei nº /01) Área de atuação com maior impacto na Mobilidade Urbana: Serviço de transporte rodoviário semiurbano de passageiros: aquele que, com extensão igual ou inferior a 75 km e característica de transporte rodoviário urbano, transpõe os limites de Estado ou do DF ou da fronteira nacional.

4 Introdução Principais pólos de serviços Semiurbanos Interestaduais Pólo Passageiros/ano DF-GO Timon - Teresina Rio Negro - Mafra Petrolina - Juazeiro SP-MG MG-RJ MT-GO GO-TO GO-MG ES-RJ TOTAL

5 O caso do Distrito Federal e Entorno Transporte semiurbano de passageiros DF - Águas Lindas de Goiás, - Cidade Ocidental, - Girassol (Cocalzinho de Goiás) - Mansões Marajó (Cristalina) - Formosa - Luziânia - Novo Gama - Monte Alto (Padre Bernardo) - Planaltina de Goiás - Santo Antônio do Descoberto - Valparaíso de Goiás

6 O caso do Distrito Federal e Entorno Transporte tipicamente urbano Picos acentuados de demanda no início e fim dos períodos úteis; Predominância de uso para motivos de trabalho e estudo.

7 O caso do Distrito Federal e Entorno Rede de transporte de significativa magnitude e complexa operação. 191 ligações (origens/destinos) 10 municípios goianos; 29 Regiões Administrativas do Distrito Federal 548 linhas viagens semanais passageiros transportados por dia útil Origem UF Destino UF Demanda anual BRASILIA DF VALPARAISO DE GOIAS GO BRASILIA DF AGUAS LINDAS DE GOIAS GO TAGUATINGA DF AGUAS LINDAS DE GOIAS GO BRASILIA DF LUZIANIA GO BRASILIA DF PLANALTINA DE GOIAS GO CEILANDIA DF AGUAS LINDAS DE GOIAS GO GAMA DF NOVO GAMA GO BRASILIA DF NOVO GAMA GO BRASILIA DF CIDADE OCIDENTAL GO BRASILIA DF SANTO ANTONIO DO DESCOBERTO GO

8 Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno Fonte: PDTU/DF (2010, Secretaria de Estado de Transportes GDF) Aumento significativo das manchas urbanas das cidades Goianas no Entorno, bem como o desenvolvimento e aumento das oportunidades de emprego nas cidades satélites Crescimento desordenado da rede de transportes para atendimento às demandas espontâneas (de 37 serviços cadastrados, verificou-se 548 linhas em pesquisa realizada em 2010) Ineficiênci a operacion al Impactos negativos na mobilidad e urbana

9 Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno A questão institucional e os impactos na mobilidade da população O planejamento e gestão da rede de transporte do Distrito Federal é responsabilidade do Governo do Distrito Federal; O planejamento e gestão das redes de transporte dos municípios do Entorno é de responsabilidade dos governos municipais de cada um dos respectivos municípios; A regulação (também com ações de gestão e planejamento) da rede de transporte interestadual, entre do DF e as cidades do Entorno é responsabilidade da ANTT. Porém, na ótica do usuário, o serviço de transporte constitui-se em uma única REDE de transporte.

10 Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno A segregação institucional traz grandes impactos para a mobilidade da população: Sobreposição de linhas, causando intenso tráfego de veículos de grande porte nas vias do DF e GO; Ineficiência na operação dos serviços (horários, frequência), causando elevados custos de operação que são refletidos nas tarifas; Impossibilidade de integração tarifária ou temporal; Diferenças nas legislações normativas dos serviços (ex: gratuidades estabelecidas impacto na mobilidade dos estudantes); Dificuldade de se planejar adequadamente a rede de transportes, pelas informações dispersas ou mesmo a ausência delas (ex: transporte no âmbito dos municípios do Entorno), causando impactos nos tempos de viagem e aproveitamento dos serviços. A resolução desses problemas está associada à uma integração institucional de todos os entes envolvidos: União (ANTT, Ministério dos Transportes, Ministério da Integração); Governo do Estado de Goiás; Governo do Distrito Federal; Prefeituras dos municípios do Entorno do Distrito Federal.

11 Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno A resolução do problema institucional é pré-condição para o planejamento integrado do sistema. Os estudos realizados pela ANTT apontam que o Consórcio entre os entes seria a solução mais sólida e adequada ao sistema. Porém, é um instrumento de complexa instituição e dependente de vários fatores, incluindo, dentre os pontos mais conflitantes: O consenso entre os governos e entidades envolvidas sobre o aporte de recursos e contribuições para a implantação e operação da nova entidade de gestão; A renúncia sobre gestão dos serviços sob suas jurisdições atuais; Reformulação das legislações e estruturas governamentais relacionadas ao transporte em todas as esferas. Apesar do esforço da ANTT em caminhar para esta solução, a legislação estipulou um prazo, através do Dec. Nº 2521/98, até 2008, para que os serviços de transporte interestadual fossem Licitados. Por meio de acórdão com o TCU, a ANTT vem desenvolvendo o procedimento de Licitação deste e dos demais sistemas de transporte interestaduais até o presente momento. O Plano de Outorgas do transporte interestadual semiurbano de passageiros na região do DF e Entorno encontra-se no Ministério dos Transportes para análise e aprovação.

12 Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno Embora a solução de planejamento integrado dos sistemas não tenha sido concretizada, a Licitação dos serviços vislumbrou-se como uma oportunidade para a melhoria dos serviços, buscando o aumento da mobilidade da população através das ações: Alteração do objeto da permissão: De linha, para quotas de exploração (direito e dever de atender a ligação entre um par de regiões que caracterizam uma origem e um destino (área)). Permite o acompanhamento do desenvolvimento das cidades, propiciando uma resposta mais dinâmica às demandas de mobilidade da sociedade. Agrupamento da quotas em lotes. Propiciando um aumento na eficiência operacional dos serviços e o estabelecimento de uma tarifa mais adequada ao sistema. Estabelecimento de novas frequências mínimas para os serviços. Adequando a oferta de serviços à demanda atual e futura com um nível de conforto adequado para a população.

13 Impactos, conflitos e soluções na mobilidade do Distrito Federal e Entorno Estabelecimento de linhas estruturantes para cada quota de exploração. Garantindo atendimento às maiores demandas com operação obrigatória durante todo o dia, aumentando as oportunidades de mobilidade para a população. Aumento da frota do sistema em aproximadamente 22% (de para veículos). Proporcionando melhores condições de conforto durante as viagens. Implantação de normas para a flexibilização operacional, permitindo: Acompanhar a dinâmica urbana quanto a alterações de itinerários, criação e supressão de linhas, frequência, etc... Um grau de integração com os poderes locais do DF e municípios do Entorno, na medida em que exige avaliação prévia e parecer desses entes para a execução das alterações operacionais nos serviços.

14 Considerações finais Essas e outras ações buscam o aumento da mobilidade urbana no sistema de transporte do Distrito Federal e seu Entorno, assim como nos demais sistemas sob regulação da ANTT. Ressalta-se que o caminho mais adequado para os serviços semiurbanos interestaduais é a integração do planejamento e gestão entre os entes envolvidos (esferas federais, estaduais e municipais). Só assim seria possível gerir uma rede integrada que maximize os benefícios para a mobilidade da população.

15 Os investimentos em transporte público não devem ser pensados como a ótica de atender somente um segmento da população. A melhoria traz benefícios para toda a sociedade e para a saúde da cidade. Agencia Nacional de Transportes Terrestre - ANTT Superintendência de Serviços de Transporte de Passageiros SUPAS Gerência de Regulação e Outorga de Transporte de Passageiros GEROT contato: (61)

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

distrito federal DISTRITO FEDERAL 5º Balanço maio/setembro 2O12 O círculo virtuoso do desenvolvimento

distrito federal DISTRITO FEDERAL 5º Balanço maio/setembro 2O12 O círculo virtuoso do desenvolvimento DISTRITO FEDERAL distrito federal O círculo virtuoso do desenvolvimento 5º Balanço maio/setembro 2O12 Apresentação A segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) continua quebrando recordes.

Leia mais

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV

1 Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal//SUPLAV O perfil das mulheres de 10 anos e mais de idade no Distrito Federal e na Periferia Metropolitana de Brasília - PMB segundo a ótica raça/cor 2010 Lucilene Dias Cordeiro 1 1 Secretaria de Estado de Educação

Leia mais

Comitê Gestor do PAC

Comitê Gestor do PAC DISTRITO FEDERAL Apresentação Esta publicação apresenta informações regionalizadas do 4º balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), referente a abril de 2008. Traz, também, dados sobre outros

Leia mais

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF PENSAR BRASÍLIA TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo Brasília/DF, 30 de agosto de 2012 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GOVERNO PARA O DISTRITO FEDERAL Postura de Estado. Visão > Eixo de Desenvolvimento

Leia mais

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)

Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Andrelândia (MG) - São Paulo (SP). A ligação, representada na

Leia mais

Produto Interno Bruto Municipal

Produto Interno Bruto Municipal Produto Interno Bruto Municipal Valor a preços de mercado de todos os bens e serviços finais produzidos num determinado período de tempo. Trabalho realizado em parceria entre as instituições estaduais

Leia mais

Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG)

Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG) Linha: Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Campinas (SP) - Juiz de Fora (MG). A ligação, representada na

Leia mais

1º PLANO DE OUTORGAS/2011

1º PLANO DE OUTORGAS/2011 LICITAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL SEMIURBANO DE PASSAGEIROS 1º PLANO DE OUTORGAS/2011 PROJETO DA REDE NACIONAL DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS PROPASS BRASIL

Leia mais

Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR)

Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR) Linha: Manaus (AM) Caracaraí (RR) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Manaus (AM) Caracaraí (RR), com uma extensão de 642,20 km. A ligação

Leia mais

REAJUSTE SEMIURBANO 2017

REAJUSTE SEMIURBANO 2017 Localidade de destino Localidade de destino AUTO VIAÇÃO OURINHOS OURINHOS(SP) - MARQUES DOS OURINHOS(SP) MARQUES DOS 08061370 INTERESTADUAL ASSIS. REIS(PR) REIS(PR) SP OURINHOS PR MARQUES DOS REIS 1.00

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Objetivos Fundamentais do Sistema de Transporte Público de Passageiros

Objetivos Fundamentais do Sistema de Transporte Público de Passageiros Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos METROFOR TREM DO CARIRI SOLUÇÃO PARA O TRANSPORTE REGIONAL Objetivos Fundamentais do Sistema de Transporte Público de Passageiros Transporte público como

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF

Unidade de Gestão Estratégica. Regional Entorno do DF Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Entorno do DF Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva Manoel Xavier Ferreira Filho Diretor

Leia mais

Linha: Joinville (SC) - Gramado (RS)

Linha: Joinville (SC) - Gramado (RS) Linha: Joinville (SC) - Gramado (RS) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Joinville (SC) Gramado (RS), com uma extensão de 755,20 km. A ligação

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1

CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1 CONCESSÃO DA ESTAÇÃO DE TRANSBORDO CLERISTON ANDRADE (ESTAÇÃO DA LAPA) SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE - SEMOB 1 ESTAÇÃO DA LAPA Inaugurada em 7 de novembro de 1982; Maior terminal rodoviário de Salvador;

Leia mais

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito

Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito Demonstração Internacional da Plataforma de informações de tráfego e de trânsito As grandes cidades e áreas metropolitanas encaram o aumento da demanda nos sistemas de transportes, especialmente nas regiões

Leia mais

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU Mobilidade Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana Prefeitura de Nova Iguaçu Principais Ações Criação do Centro de Operações de Nova Iguaçu CONIG 76 câmeras Principais Ações Centralização

Leia mais

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO PLANOS REGIONAIS DE SANEAMENTO BÁSICO O MCIDADES deve coordenar a elaboração dos Planos de RIDE Lei 11.445/07: Art. 52. A União elaborará, sob a coordenação do Ministério das Cidades: I ( ); II - planos

Leia mais

ESTRUTURA INSTITUCIONAL ANTT MAIO/2011

ESTRUTURA INSTITUCIONAL ANTT MAIO/2011 ESTRUTURA INSTITUCIONAL ANTT MAIO/2011 TEMAS ESTRUTURA/ORGANOGRAMA DA ANTT DIRETORIA (composição e relação com grupos de interesse) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO (Informações) SISTEMA DE INFORMAÇÃO ( Gerenciamento,

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA

SANEAMENTO BÁSICO - LEI /07 - ÁGUA - LEI 11.445/07 - ÁGUA 1 ESGOTO LIXO 2 CHUVA Lei nº 11.445/07, de 5/1/07 Água potável Esgoto sanitário Tratamento do lixo Drenagem da chuva 3 Lei 8.080/90 (promoção, proteção e recuperação da saúde) Art.

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EIXO 4 ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA VERSÃO PRELIMINAR Contexto O mundo vive atualmente o desafio de seguir com seu processo de desenvolvimento socioeconômico com recursos cada vez mais escassos.

Leia mais

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

BENCHMARKING INTERNACIONAL GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS WORKSHOP E VISITAS TÉCNICAS A INFRA ESTRUTURAS DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PORTUGAL 1ª Edição: 05/12 a 09/12/2016 2ª Edição: 06/02 a 10/02/2017 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Eixos estruturantes em um sistema intermunicipal de passageiros.

Eixos estruturantes em um sistema intermunicipal de passageiros. Eixos estruturantes em um sistema intermunicipal de passageiros. Luiz Fernando Câmara Viana¹; Leisy Mikaelly Alves Teixeira²; Elaine Radel³ e Giovanna Megumi Ishida Tedesco 4 ¹ ² e ³ Pesquisadores do Centro

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

Nº 18 FEVEREIRO 2016 ANO 2 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Nº 18 FEVEREIRO 2016 ANO 2 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Nº 18 FEVEREIRO 2016 ANO 2 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA 03 Volta às Aulas Confira dicas para entrar no ritmo desde o começo Viagem em Duas Rodas Viajar de moto requer cuidados 04 À Espera da Sua Visita Zoo de

Leia mais

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza

Regional Nordeste Concessões e Parcerias. Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de 2015 Fortaleza Regional Nordeste Concessões e Parcerias Ampliação das Oportunidades de Negócios 01 de Outubro de Fortaleza Programa de Gestão de PPPs do Estado do Piauí Viviane Moura Bezerra Superintendente de Parcerias

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

APRESENTAÇÃO. de pessoas com o Programa Luz para Todos e mais de 6,4 milhões com o Programa Minha Casa, Minha Vida.

APRESENTAÇÃO. de pessoas com o Programa Luz para Todos e mais de 6,4 milhões com o Programa Minha Casa, Minha Vida. DISTRITO FEDERAL APRESENTAÇÃO Com mais de 40 mil empreendimentos por todo o território nacional, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) completa três anos e quatro meses com alta execução. Até

Leia mais

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Municípios: 14 População: 3.690.547 hab Área: 2.768,45 km 2 ARAÇOIABA SÃO LOURENÇO DA MATA MORENO 49.205 189 90.402 277 15.108 90 CABO DE SANTO AGOSTINHO

Leia mais

ILUSTRÍSSIMOS, PREFEITO MUNICIPAL DE BLUMENAU; PRESIDENTE DO SETERB; SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO URBANO BLUMENAU;

ILUSTRÍSSIMOS, PREFEITO MUNICIPAL DE BLUMENAU; PRESIDENTE DO SETERB; SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO URBANO BLUMENAU; ILUSTRÍSSIMOS, PREFEITO MUNICIPAL DE BLUMENAU; PRESIDENTE DO SETERB; SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO URBANO BLUMENAU; MEMBROS DA COMISSÃO ESPECIAL DE ESTUDOS E PROJETOS DE TRANSPORTE COLETIVO, (CEEPTC). ANDRÉ

Leia mais

Transporte Público Urbano PTR Prof. Orlando Strambi

Transporte Público Urbano PTR Prof. Orlando Strambi Transporte Público Urbano PTR-2577 Prof. Orlando Strambi Planejamento da Oferta de Transporte Público Planejamento da oferta de transporte público atendendo a demanda frequência exemplo de uma linha/sentido

Leia mais

A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP

A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP 1ª ETAPA A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS METROFERROVIÁRIOS OPERADORAS

Leia mais

Inconsistência na estrutura de transporte público das cidades brasileiras

Inconsistência na estrutura de transporte público das cidades brasileiras Inconsistência na estrutura de transporte público das cidades brasileiras Por Mateus Araújo Maia A expansão do meio urbano tem sido um fator desafiador para que a mobilidade seja desenvolvida afim de que

Leia mais

Curso de Gestão da Mobildiade Urbana Ensaio Crítico Turma 19 Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Fortaleza

Curso de Gestão da Mobildiade Urbana Ensaio Crítico Turma 19 Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Fortaleza Curso de Gestão da Mobildiade Urbana Ensaio Crítico Turma 19 Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Fortaleza José Nauri Cazuza de Sousa Júnior(*) A mobilidade urbana é um dos principais temas abordados

Leia mais

Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda.

Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda. Cargas Aéreas e Rodoviárias Ltda. EMPRESA A Trans Ápia é uma empresa especializada em cargas urgentes, porta a porta para todo território nacional, que atua no mercado de transportes aéreo e rodoviário

Leia mais

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 *

A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * A DINÂMICA MIGRATÓRIA NA ÁREA METROPOLITANA DE BRASÍLIA AMIB ENTRE 1991 e 2010 * Lucilene Dias Cordeiro Mônica de Oliveira Marques França Resumo: O estudo pretende analisar o fluxo migratório na Área Metropolitana

Leia mais

Operação e Expansão do Metrô BH

Operação e Expansão do Metrô BH CREA Minas Seminário Internacional Mobilidade Urbana 13/03/2013 Operação e Expansão do Metrô BH METRÔ DE BELO HORIZONTE. Linha 1 Eldorado a Vilarinho Características atuais SUPERINTENDÊNCIA DE TRENS URBANOS

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES Major Events Grandes Eventos 2013 Copa das Confederações 2013 Jornada Mundial da Juventude Católica 2014 Copa do Mundo de Futebol 2016 Jogos Olímpicos Soluções de Mobilidade para

Leia mais

PLANO E PROGRAMA DE ENSINO. Transportes Terrestres Nível: Graduação Vigência: 2016/2

PLANO E PROGRAMA DE ENSINO. Transportes Terrestres Nível: Graduação Vigência: 2016/2 PLANO E PROGRAMA DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Órgão: Faculdade de Direito FD/UnB Nome da Disciplina: Direito dos Transportes Terrestres Nível: Graduação Vigência: 2016/2 Professor: Fernando

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 24/09/2013 Marcelo Barros da Cunha - SefidEnergia Estrutura atual do TCU: controle da desestatização e da regulação

Leia mais

Resultados Consolidados 2013

Resultados Consolidados 2013 Resultados Consolidados 2013 27 de fevereiro de 2014 Relações com Investidores Relações com Investidores pág 1 Disclaimer Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas,

Leia mais

PLANO PARA UNIVERSALIZAR TELECOMUNICAÇÕES EM SAÚDE COM RECURSOS DO FUST VAI PARA CONSULTA PÚBLICA DIA 22

PLANO PARA UNIVERSALIZAR TELECOMUNICAÇÕES EM SAÚDE COM RECURSOS DO FUST VAI PARA CONSULTA PÚBLICA DIA 22 Brasília, 19 de outubro de 2001. PLANO PARA UNIVERSALIZAR TELECOMUNICAÇÕES EM SAÚDE COM RECURSOS DO FUST VAI PARA CONSULTA PÚBLICA DIA 22 Entra em Consulta Pública (nº 325) nesta segunda-feira, dia 22,

Leia mais

NOVO RIACHO GRANDE TEREZA SUSTER TERMINAL DE ÔNIBUS O SISTEMA DE TRANSPORTE DA REGIÃO CHEGANDO MUITO MAIS LONGE.

NOVO RIACHO GRANDE TEREZA SUSTER TERMINAL DE ÔNIBUS O SISTEMA DE TRANSPORTE DA REGIÃO CHEGANDO MUITO MAIS LONGE. NOVO TERMINAL DE ÔNIBUS RIACHO GRANDE TEREZA SUSTER O SISTEMA DE TRANSPORTE DA REGIÃO CHEGANDO MUITO MAIS LONGE. REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO NOVO TERMINAL RODOVIÁRIO INTEGRAÇÃO GRATUITA PELO TERMINAL

Leia mais

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA

II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA II ENCUENTRO INTERNACIONAL INCLUSIÓN SOCIAL EN LOS METROS LA INCLUSIÓN SOCIAL EM SISTEMAS DE TRANSPORTE LA EXPERIENCIA BRASILEÑA LIMA, DICIEMBRE del 2012 Prof. Dr. Emilio Merino INDICE 1. Que es la movilidad

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO E LEGISLAÇÃO DE TRANSPORTES URBANOS (PARA O CARGO DE AUXILIAR DE FISCAL DE TRANSPORTES URBANOS de acordo com o Edital do concurso da Secretaria Municipal de Transporte do Rio de

Leia mais

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária

22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária OBRAS DA LINHA 2 DO SISTEMA METROVIÁRIO SALVADOR E LAURO DE FREITAS Planejamento, concepção e impactos na capital baiana e na Região Metropolitana de Salvador Luís Valença Diretor-presidente da CCR Metrô

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Abaixo tem-se a relação dos 91 municípios considerados e suas respectivas populações estimadas para o ano de 2014.

Abaixo tem-se a relação dos 91 municípios considerados e suas respectivas populações estimadas para o ano de 2014. de Acesso à informação pelo Poder Executivo nos Municípios Goianos. Introdução O presente trabalho é uma compilação dos relatórios diagnósticos disponibilizados pelo Tribunal de Contas dos Municípios do

Leia mais

Estamos encaminhando, para conhecimento de V. Sa, cópia dos seguintes documentos:

Estamos encaminhando, para conhecimento de V. Sa, cópia dos seguintes documentos: Ofício-circular nº 004/2014 Brasília (DF), 13 de fevereiro de 2014. Senhor Associado, Estamos encaminhando, para conhecimento de V. Sa, cópia dos seguintes documentos: ITEM DOCUMENTO DATA/DOU ASSUNTO 1.

Leia mais

Ass. de Comunicação Seção: Geral Pág.: 9 Assunto: Porque eu leio a revista Você S/A?

Ass. de Comunicação  Seção: Geral Pág.: 9 Assunto: Porque eu leio a revista Você S/A? Veículo: Revista Você S/A Data: setembro/2009 Seção: Geral Pág.: 9 Assunto: Porque eu leio a revista Você S/A? Veículo: Revista Foco Data: setembro/2009 Seção: Consuêlo Badra Pág.: 21 Assunto: Great Place

Leia mais

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP. Lucas Alonso 21ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP Lucas Alonso 21ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP O impacto da integração tarifária na mobilidade urbana da RMSP 2 Análise da

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linha de Base

Mobilidade Urbana. Linha de Base Mobilidade Urbana Linha de Base 2015 Ficha Técnica Diretora do Ibict: Cecília Leite Coordenador do Projeto Brasília 2060: Paulo Egler Elaboração do documento: Equipe de Mobilidade Urbana do Projeto Brasília

Leia mais

CIDADE BEM TRATADA: TRATAMENTO E APROVEITAMENTO DE EFLUENTES

CIDADE BEM TRATADA: TRATAMENTO E APROVEITAMENTO DE EFLUENTES CIDADE BEM TRATADA: TRATAMENTO E APROVEITAMENTO DE EFLUENTES CORSAN COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTOCOMPANHIA Sociedade de economia mista criada pela Lei nº 5167, de 21 de dezembro de 1965, com sede

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BACABEIRA-MA - Plano de Trabalho - PLANO DE TRABALHO. Bacabeira-MA PLANO DE TRABALHO Bacabeira-MA 2015 1. INTRODUÇÃO O presente Plano de Trabalho refere-se ao contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Bacabeira e a empresa de consultoria especializada de razão

Leia mais

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES MONOTRILHO CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Execução

Leia mais

Principais desafios para desligamento da TV Analógica e implantação da TV Digital José Alexandre Bicalho

Principais desafios para desligamento da TV Analógica e implantação da TV Digital José Alexandre Bicalho Principais desafios para desligamento da TV Analógica e implantação da TV Digital José Alexandre Bicalho Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 30 de agosto de 2016 Cronograma de Desligamento 2016/2017

Leia mais

A Concessão e sua Gestão

A Concessão e sua Gestão A Concessão e sua Gestão Sumário A LICITAÇÃO A EMPRESA O QUE DEU CERTO SOB A ÓTICA DO ESTADO O QUE DEU CERTO SOB A ÓTICA DO CLIENTE PRINCIPAIS INVESTIMENTOS REALIZADOS PELA CONCESSIONÁRIA DIFICULDADES

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro 13/05/2015 VISÕES DE FUTURO mobilidade urbana na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Divisão de Competitividade Industrial e Investimentos Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Diretoria

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

Combinar Excelência Operacional com Sustentabilidade Financeira

Combinar Excelência Operacional com Sustentabilidade Financeira Combinar Excelência Operacional com Sustentabilidade Financeira Alvaro Caballero Rey / Gerente Comercial e Assuntos Corporativos, Metro de Santiago do Chile, Setembro 2015 Temas 1. Introdução 2. Estratégia

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

Gestão do Espectro Radioelétrico na PETROBRAS & Aplicações Futuras

Gestão do Espectro Radioelétrico na PETROBRAS & Aplicações Futuras Gerência Setorial de Relacionamento com Instituições Regulatórias TIC/CPTC/REG Gestão do Espectro Radioelétrico na PETROBRAS & Aplicações Futuras Eng. Ângelo Canavitsas D. Sc. Coordenador de Administração

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. PROGRAMA ESTADUAL DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS Fórum Concessões

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

Organização da Disciplina. Gestão do Orçamento Público AULA 1. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina

Organização da Disciplina. Gestão do Orçamento Público AULA 1. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina Gestão do Orçamento Público AULA 1 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Planejamento na Administração Pública Fases do planejamento na Administração Pública; Princípios do planejamento na Administração Pública;

Leia mais

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal

Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas - ITS- Distrito Federal Sistema de Transporte Inteligente de Pessoas ITS Conceito Solução / Monitorar e controlar o tráfego / Região Conjunto de Sistemas inteligentes

Leia mais

MANUAL ORIENTADOR DA REVISÃO DAS PRIORIDADES DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PARA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MANUAL ORIENTADOR DA REVISÃO DAS PRIORIDADES DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PARA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MANUAL ORIENTADOR DA REVISÃO DAS PRIORIDADES DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS PARA 2016-2020 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DE INCENTIVO AOS ANTENISTAS SEJA ANTENADO I OBJETIVO

REGULAMENTO DA CAMPANHA DE INCENTIVO AOS ANTENISTAS SEJA ANTENADO I OBJETIVO REGULAMENTO DA CAMPANHA DE INCENTIVO AOS ANTENISTAS SEJA ANTENADO I OBJETIVO 1) A presente campanha que denomina-se Seja Antenado, tem por finalidade, durante o período definido na Cláusula IV, premiar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA BOLETIM DE SERVIÇO UNIDADE: Campus Avançado Cristalina Nº: 03/2016 DATA: 31/03/2016 2016 MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio Mercadante

Leia mais

Transporte como Direito Social

Transporte como Direito Social Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Transporte como Direito Social Setembro 2013 Missão SeMOB Promover a Mobilidade Urbana para contribuir na construção

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

Regulamentação externa e interna

Regulamentação externa e interna Regulamentação externa e interna Dada a extensão das atribuições da APL, S.A. e da sua área de jurisdição, as normas que regem a respetiva atividade ou que têm interesse para a mesma são muito diversas.

Leia mais

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto

A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro. Agosto A REGULAÇÃO DE ATERROS SANITÁRIOS E O APROVEITAMENTO DO BIOGÁS Estado do Rio de Janeiro ~ 16 milhões de habitantes - 92 municípios ~ 16 mil toneladas diárias SITUAÇÃO DO PROGRAMA LIXÃO ZERO MUNICÍPIOS

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA CONCORRÊNCIA CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO EDITAL DE CONCORRÊNCIA

Leia mais

Arquiteta, Doutoranda em Demografia IFCH /Unicamp 2 Essa argumentação, assim como um estudo completo a esse respeito pode ser encontrada em Pacheco,

Arquiteta, Doutoranda em Demografia IFCH /Unicamp 2 Essa argumentação, assim como um estudo completo a esse respeito pode ser encontrada em Pacheco, Estruturação Urbana e Mobilidade intra-regional: A Região do Entorno de Brasília Maria Célia Silva Caiado I. Introdução As principais investigações sobre as transformações na economia brasileira mais recentes

Leia mais

Criação de serviços municipais

Criação de serviços municipais Desafios do Saneamento: Criação de serviços municipais 1.1 Titularidade municipal Constituição Federal estabelece titularidade dos municípios para serviço de saneamento básico CF/88: Art. 30. Compete aos

Leia mais

GESTÃO À VISTA. Percentual de Municípios Envolvidos no Programa ESCOLA SEM DROGAS

GESTÃO À VISTA. Percentual de Municípios Envolvidos no Programa ESCOLA SEM DROGAS GESTÃO À VISTA Percentual de Municípios Envolvidos no Programa ESCOLA SEM DROGAS INDICADOR SITUAÇÃO EM 31/12/212 3 7 21,96 PERCENTUAL (%)) 1 Descrição Programa governamental criado em 1993 em decorrência

Leia mais

MÉTODO PARA CLASSIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL SEMIURBANO DE PASSAGEIROS

MÉTODO PARA CLASSIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL SEMIURBANO DE PASSAGEIROS MÉTODO PARA CLASSIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL SEMIURBANO DE PASSAGEIROS José Expedito Brandão Filho Hugo Alves Silva Ribeiro Cleide Souza de Oliveira Superintendência de

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ)

AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) AGÊNCIA REGULADORA DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO DAS BACIAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ (ARES-PCJ) MARCOS LEGAIS CONSÓRCIO PÚBLICO - CONSTITUIÇÃO FEDERAL (Art. 241 - Emenda nº 19/1998) - LEI FEDERAL

Leia mais

Programa de Concessões de Rodovias Federais do Brasil

Programa de Concessões de Rodovias Federais do Brasil INICIATIVA PARA LA INTEGRACIÓN DE LA INFRAESTRUCTURA REGIONAL SURAMERICANA IIRSA Programa de Concessões de Rodovias Federais do Brasil Taller de Casos Exitosos Bogotá, Colômbia, 4 de novembro de 2008 Engº

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.768, DE 25 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.768, DE 25 DE JUNHO DE 2015 Altera a Resolução ANTT nº 2.130, de 3 de julho de 2007 A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT, no uso de suas atribuições, fundamentada no Voto DAL - 196, de 25 de junho de 2015,

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos XVII Assembleia Geral da CIT 27 e 28/06/2012 - Manaus/AM Sávio Neves Diretor Institucional ANPTrilhos Presidente ABOTTc

Leia mais

Saneamento de Goiás S/A

Saneamento de Goiás S/A Saneamento de Goiás S/A Histórico Saneamento de Goiás S/A 1941 1949 1950 1960 1967 2001 Em 2001 obteve registro de companhia aberta tipo B junto à CVM DES, extinto em 1967 através da Lei 6680, que transformou

Leia mais

Posicionamento Consultoria de Segmentos Cidades satélites código adotado conforme tabela do IBGE

Posicionamento Consultoria de Segmentos Cidades satélites código adotado conforme tabela do IBGE Cidades satélites código adotado conforme tabela do IBGE 17/02/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1. Códigos de Municípios

Leia mais

SISTEMA DE DESEMPENHO DA NAVEGAÇÃO - SDN

SISTEMA DE DESEMPENHO DA NAVEGAÇÃO - SDN AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS SUPERINTENDÊNCIA DE NAVEGAÇÃO INTERIOR Gerência de Desenvolvimento e Regulação da Navegação Interior SISTEMA DE DESEMPENHO DA NAVEGAÇÃO - SDN MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO

CARTA COMPROMISSO ASSUNTOS DE INTERESSE CORPORATIVO CARTA COMPROMISSO O SINDIURBANO-PR (Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Estado do Paraná), o Sindicato mantém histórico de atuação em prol dos interesses, direitos e melhores condições de trabalho

Leia mais

APLICAÇÃO DA TARIFA BÁSICA OPERACIONAL NO SAMAE DE JARAGUÁ DO SUL. Apresentação

APLICAÇÃO DA TARIFA BÁSICA OPERACIONAL NO SAMAE DE JARAGUÁ DO SUL. Apresentação APLICAÇÃO DA TARIFA BÁSICA OPERACIONAL NO SAMAE DE JARAGUÁ DO SUL Apresentação TENDÊNCIA DE TARIFAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Decisões judiciais têm determinado a cobrança de tarifas pelo

Leia mais

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins

ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins ANAC divulga minuta de edital de concessão de Galeão e Confins A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou, nesta quarta-feira (29/05), a minuta do Edital de Leilão e do Contrato

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS

PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA DO RIO DE JANEIRO SEMINÁRIO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA DOS AEROPORTOS PLANO NACIONAL DE DESESTATIZAÇÃO - SUCESSOS E DESAFIOS Índice 1. Desafios da aviação Civil Brasileira 2.

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais