Índice Introdução.. 04 Projeto, Temática Trienal e Dimensões de Ação Modelo de Organização, Finalidade e Objetivos Chefia Regional...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice Introdução.. 04 Projeto, Temática Trienal e Dimensões de Ação... 11 Modelo de Organização, Finalidade e Objetivos... 26 Chefia Regional..."

Transcrição

1

2

3 Índice Introdução.. 04 Projeto, Temática Trienal e Dimensões de Ação Modelo de Organização, Finalidade e Objetivos Chefia Regional Assistência.. 38 Chefia Regional Adj Comunicação.. 46 Secretaria Regional para os Adultos Secretaria Regional para o Ambiente.. 59 Secretaria Regional para as Atividades.. 64 Secretaria Regional para a Gestão.. 69 Secretaria Regional para a Internacional 74 Secretaria Regional Pedagógica 78 3

4 4

5 Introdução Geração Sem Medo - QUE TODOS SEJAM UM A vida das pessoas orienta-se por ideais. Eles são opções e tornam-se projetos que, por sua vez, passam pelas escolhas quotidianas. O Serviço numa Arquidiocese, como a multissecular de Braga, não pode fugir a este princípio. Quando assumi o múnus episcopal, coloquei-me perante a responsabilidade de concretizar, com sacerdotes e leigos, as palavras de Jesus: Ut Unum Sint, que todos sejam um (Jo 17, 22). In A VOZ DA CATEDRA(L) D. Jorge Ortiga. Arcebispo Primaz 5

6 Introdução Somos uma geração sem medo de construir o futuro. O futuro dos nossos escuteiros, o futuro da nossa Região e o futuro do CNE. E queremos fazê-lo agora, hoje, no presente. Escolhemos como lema para nos acompanhar neste triénio QUE TODOS SEJAM UM, pois pretendemos que cada escuteiro seja capaz de viver o escutismo enquanto caminho de felicidade, em comunhão com Cristo e com a Igreja, fazendo a diferença na comunidade em que se insere, inserido num projeto e numa vida guiada por um ideal comum. Este ideal, o espírito de serviço e a vontade de que todos sejam um, marcarão o nosso quotidiano, para que, no amanhã, os nossos escuteiros continuem a ser jovens ativos e cristãos convictos. Só podemos fazê-lo alicerçado nos valores do passado, num ideal genial e num método extraordinário. Sempre com uma visão clara e partilhada do futuro que queremos construir. Estamos certos que, trabalhando para os nossos escuteiros, e com os nossos escuteiros, podemos ajudá-los a construir um futuro melhor para eles, para o CNE e para o mundo. 6

7 Introdução É nossa vontade promover e aprofundar o sentido e o sentimento de unidade que caraterizam o nosso movimento e, em particular, toda a dinâmica regional. Com tudo isto em pensamento, num segundo momento, também nos inspiramos no lema do Jamboree Mundial do Japão (A Spirit of Unity) e no tema do CNE Somos um CNE que se abraça. A unidade do movimento deve ser transversal e queremos ser exemplo disso. Esta visão, que propomos para toda a Região berço do escutismo em Portugal, traduz-se em cinco fortes dimensões de ação: Unidade Regional Capacitar os Adultos Valorizar a boa aplicação do método Fé Viver, a Anunciar e Contemplar Comunicar Estas dimensões de ação, que mais à frente detalharemos, resultam da determinação de querermos, ainda, ser ativos na construção de estratégias de apoio aos Núcleos e Agrupamentos, potenciando a qualidade da sua ação escutista e o seu impacto, bem como o reconhecimento externo do CNE. Desejamos, também, ser elemento mobilizador, dinamizador e facilitador, com intervenção privilegiada e concertada com as Juntas de Núcleo, no sentido de criar condições para que as sete maravilhas do método escutista sejam uma realidade no quotidiano de cada um dos perto de 16 mil escuteiros e adultos educadores da Região de Braga. Daqui resulta, ainda, a pretensão de colaborar nos processos de construção e avaliação do RSF e da avaliação do projeto educativo. Por fim, mas com vontade de que seja uma prioridade, procuramos sentir Cristo e a nossa identidade cristã, vivendo, diariamente, com a consciência do nosso papel de evangelização, anúncio, exemplo e testemunho de Fé. 7

8 Geração SEM MEDO Inspirados em S. João Paulo II (mais do que um Santo do nosso tempo, foi um Papa Santo para os Jovens), e acompanhados por Abraão, pusemo-nos a caminho, sem medo, com a força dos mais jovens e a experiência dos mais velhos, porque queremos construir o futuro, Sem Medo, com todos. Sabemos quem somos, para onde vamos e o que queremos alcançar... Nós somos uma patrulha sem medo, com o guia, o sub-guia e todos os seus elementos. E como uma patrulha, também nós procurámos a construção e realização dos sonhos... E, por isso, do futuro... De um futuro melhor para os nossos escuteiros. A nossa patrulha caracteriza-se por uma fórmula de juventude com experiência, que nos permite estar mais perto dos nossos escuteiros: Nos Agrupamentos fomos Lobitos, Exploradores, Pioneiros e Caminheiros. Também fomos Chefe de Agrupamento, Chefes de Unidade e membros das Equipas de Animação. E não há espaço mais importante que os Agrupamentos. São estes que nos permitem aprender e melhorar a nossa ação educativa, de forma próxima com os nossos escuteiros. Como somos jovens, temos a vitalidade e a disponibilidade necessárias para a exigência que a missão impõe. Temos experiência nos Núcleos, integrando equipas e participando na organização de projetos. Temos experiência na Junta Regional, enquanto Secretários Regionais e membros de equipas regionais; Assim, conhecemos os Agrupamentos, os Núcleos e a Região, sabemos qual o rumo e onde queremos chegar. Queremos construir um futuro que valorize o passado, com uma visão do amanhã, hoje, aqui, no presente. O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente. 8 Mahatma Gandhi

9 Geração SEM MEDO Secretário Pedagógico João Silva Chefe Regional Hugo Cunha Assistência: Pe. João Paulo Pe. Henrique Pe. Samuel Secretário para a Internacional Luís Mandim Membros da GSM Chefe Regional Adjunto e Comunicação Pedro Santos Secretário para a Gestão Daniel Ferreira Secretária para os Adultos Catarina Ribeiro Secretário para as Atividades Jorge Lopes Secretária para o Ambiente Liliana Costa 9

10 Simbologia Como símbolo, escolhemos a rosa dos ventos. Queremos construir o futuro com um rumo certo e uma orientação bem definida, sem medo de procurar a realização dos sonhos. Braga é a Região Berço do CNE e, também por isso, elemento privilegiado na orientação de todo o Escutismo em Portugal. Queremos continuar a desempenhar este papel fundamental e liderante no desenvolvimento do Escutismo Católico em Portugal. A Rosa dos Ventos representa a unidade, na medida em que todas as ações saem de um ponto comum, de um ideal que partilhamos, em direção aos objetivos específicos. Representa também o respeito pela identidade especifica de todos, dentro de uma dimensão maior que nos une. A Rosa dos Ventos assume e representa o Escutismo enquanto indicação do caminho a seguir por cada escuteiro na sua vida, bem como para a Região e o CNE. 10

11 11

12 Projeto Com o nosso projeto, pretendemos construir o futuro, recentrando a ação. Este não será só um "back to basics (regressar à origem) mas, também, um verdadeiro suporte às estruturas locais e, principalmente, aos Núcleos. Com isso, iremos certamente melhorar o escutismo dos Agrupamentos. Se, para isso, precisarmos de voltar ao essencial e construir a partir daí, assim o faremos. Os escuteiros serão o centro da ação afinal, são eles o futuro. Ao recentrar a ação, desenvolveremos todo o nosso projeto. O fim é o carácter carácter com um propósito. E esse propósito é que a próxima geração seja dotada de bom senso num mundo insensato, e desenvolva a mais elevada concretização do Serviço, que é o serviço ativo do Amor e do Dever para com Deus e o próximo. Baden Powell Depois de a Região ter estado empenhada na renovação do projeto educativo e do sistema de formação, pretendemos ser facilitadores, agregadores e motivadores de uma capaz avaliação do projeto educativo e uma competente implementação do novo sistema de formação. Digo-vos: praticai o bem. Porquê? O que ganhais com isso? Nada, não ganhais nada. Nem dinheiro, nem amor, nem respeito, nem talvez paz de espírito. Talvez não ganheis nada disso. Então por que vos digo: Praticai o bem? Porque não ganhais nada com isso. Vale a pena praticá-lo por isto mesmo. Fernando Pessoa 12

13 Temática trienal Descobrir Para onde vais? Fé Vivida Amar O que vais fazer? Fé Anunciada Servir A quem irás? Fé Contemplada A descoberta, o amor e o serviço... (a Deus, aos nossos escuteiros e às nossas comunidades). Em tudo amar e servir Santo Inácio de Loyola 13

14 Abraão, também conhecido como o Pai dos crentes, oferece-nos uma história de coragem mas, acima de tudo, de Fé. Aceitando o desafio que Deus lhe propôs Deixa a tua terra, a tua família e a casa do teu pai, e vai para a terra que eu te indicar (Gn 12, 1), fez-se ao caminho, sem olhar para trás. partindo à descoberta do seu futuro. É, sem dúvida, uma personagem inspiradora! Tal como ele, aceitemos o desafio de descobrir novos mundos, de deixarmos a nossa zona de conforto e abraçarmos outras causas: vamos deixar-nos guiar pelo Espírito Santo e vamos descobrir o que Deus nos pede. Valor: Descobrir Tema: Para onde vais? Fé Vivida Incitamos-te a descobrir novos rumos, com a coragem que nos caracteriza, com a confiança de que Deus estará sempre connosco. Tal como Abraão, também nós deixamos o nosso mundo seguro e pomo-nos a caminho. Ao pôr os pés a caminho e as mãos à obra, vamos descobrir. Descobrir a aventura de abraçar um novo projeto, nas suas vertentes de crescimento pedagógico, intelectual e, sobretudo, de fé. 14

15 Sabemos que o caminho será longo, cheio de etapas, desafios e encruzilhadas, mas com a certeza de que o Senhor nos confiou o melhor. E tu? Neste ano de fé vivida, como vives a tua fé? Como ouves a tua fé? Como sentes a vontade de Deus? Propomos que te deixes partir à descoberta das respostas a estas questões. Vai! Descobrete! Para onde vais? Da mesma forma que Deus interpela diretamente Abraão, nós inspiramo-nos nessa interpelação e questionámo-nos a nós próprios para onde vamos. E tu? Já pensaste para onde vais? Somos um e, por isso, vamos juntos. Valor: Descobrir Tema: Para onde vais? Fé Vivida Citação bíblica: Deixa a tua terra, a tua família e a casa do teu pai, e vai para a terra que eu te indicar (Gn 12, 1) A fé: se ela não tiver obras, está completamente morta (Tg 2, 17) Cântico para o ano: Vai onde Deus te levar 15

16 São Francisco de Assis não nasceu santo, mas a forma como viveu levou-o à santidade. Após uma juventude de festas e prazeres puramente terrenos, partiu para a guerra, onde foi prisioneiro. Na prisão, passa por um período de doença que o enfraquece física e psicologicamente. Quando, finalmente, recuperou, Francisco não era o mesmo jovem, tinha-se convertido, questionando-se muitas vezes "O que quer Deus de mim? O que quer Ele que eu faça?. Reconhecer no irmão a presença de Deus foi uma das suas maiores virtudes, pelo que deixou família, amigos e bens para se dedicar aos mais necessitados, vivendo assim, literalmente, o "Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo". Valor: Amar Tema: O que vais fazer? Fé Anunciada Para este ano, propomos que, tal como S. Francisco de Assis, nos interroguemos sobre o que Deus quer de nós e fazemos por que a nossa resposta seja um anunciar através de gestos de amor e dedicação ao próximo. Este desafio de amar sem limites é-nos lançado especialmente neste ano, onde refletimos sobre a Fé anunciada. Anunciar Jesus Cristo é dar um testemunho alegre da sua presença em nós, para que se torne presença viva nos outros. Que o anúncio seja o amor. 16

17 O que vais fazer? Tal como S. Francisco, que já se questionava a si próprio O que quer Deus de mim? O que quer Ele que eu faça?, para um segundo ano, deixamos um novo desafio, começando por para onde vais?. Depois de saber para onde vais, perguntamos-te o que vais fazer, para anunciar através de gestos de amor e dedicação ao próximo. Inspirados pelo desafio da citação Assim como Eu fiz, vós façais também., o que vai fazer cada um de nós? Sejam audazes e aceitem o desafio de deixar o mundo um pouco melhor do que o encontraram. Valor: Amar Tema: O que vais fazer? Fé Anunciada Citação bíblica: Assim como Eu fiz, vós façais também. (João 13, 15) Procurai deixar o mundo um pouco melhor de que o encontrastes BP Cânticos para o ano: Oração de São Francisco Cantarei ( que a maneira de chegar ao céu, é amar, é amar ) 17

18 Pier Giorgio Frassati dedicou-se, desde muito novo, a várias obras sociais, de caridade e religiosas, onde defendia que «A caridade não é suficiente: precisamos de reformas sociais». Praticou diversas modalidades, entre as quais montanhismo, na qual aproveitava para se isolar, rezar e refletir na solidão das montanhas. Foi beatificado pelo Papa João Paulo II, como o Homem das Oito Bem- Aventuranças, a 20 de maio de Com Pier Giorgio Frassati, queremos atravessar fronteiras no Servir: servir a igreja, servir o próximo. Os tempos que atravessamos são difíceis porque a perseguição contra a Igreja torna-se mais feroz e cruel que nunca; mas vós, jovens destemidos e bons, não vos intimidais com este pouco, já que sabeis que a Igreja é uma instituição divina e não pode acabar. Valor: Servir Tema: A quem irás? Fé Contemplada No ano da Fé contemplada, recordemos a citação bíblica Feliz de ti que acreditaste (Lc 1, 45) e, tal como Pier, não tenhamos vergonha de assumir a nossa Fé, dando testemunho dela. Através de simples gestos como um sorriso, contagiemos o nosso próximo e mostremos a alegria de acreditar num Deus misericordioso e que nos ama. É tolo quem anda atrás das alegrias do mundo porque são sempre passageiras e trazem dores, enquanto a única alegria verdadeira é a que nos é dada pela fé Caminhando com ele, iremos descobrir o verdadeiro caminho da Fé, transmitindo os nossos valores e mostrando o pleno significado do verbo servir: amar a Deus e ao próximo como a nós mesmos. 18

19 Escolhemos como valor Servir, no ano da Fé Contemplada que, apesar de parecerem antagónicos, o que pretendemos é, com tudo o que fizemos e amamos, ver até onde a fé nos vai levar, seguindo sempre o exemplo de Maria. Pretendemos uma contínua descoberta das maravilhas de Deus, seguindo o exemplo de Maria. A quem irás? Depois de perguntar para onde vais e o que vais fazer, e porque a nossa fé é inabalável, procuramos saber a quem irás. A quem vais servir? Vamos mais além, vamos fazer algo pelo próximo, porque é o próximo que nos vai encher a alma. E que mais pode representar o escutismo e o final do triénio que a felicidade? A felicidade de servir, a felicidade que só encontramos junto do próximo, a felicidade que só o Senhor e a Fé nos pode dar. E contemplamos a fé na felicidade daquele que nos rodeia. Valor: Servir Tema: A quem irás? Fé Contemplada Citação bíblica: A quem iremos Senhor? Só tu tens palavras de vida eterna (Jo 6,6) Feliz de ti que acreditaste (Lc 1, 45) "A melhor maneira de ser feliz é contribuir para a felicidade dos outros" BP Cânticos para o ano: A quem iremos Senhor? As Estrelas e Maria 19

20 Dimensões da ação Unidade Regional Promover o Método Dimensões fundamentais da ação Fé - Viver, Anunciar e Contemplar Comunicar Capacitar os Adultos 20

21 Dimensões da ação Unidade Regional - Queremos reforçar os valores de unidade regional que têm sido construídos e mantidos ao longo dos últimos mandatos. A dinâmica estrutura regional, com um modelo em que os Chefes de Núcleo são Chefes Regionais Adjuntos, a promoção da diversidade regional, da rotatividades das atividades regionais e a representatividade da Região junto dos Núcleos, sempre que solicitada, é um caminho a seguir. - Como projeto de elevada importância e exigência, o ACAREG é mais que uma atividades escutista, é mais que um projeto regional. Por isso, tão importante como a boa aplicação do método, com particular destaque para a vida na natureza, este é um meio privilegiado para promover e ser vivida a unidade regional, no convívio, interação e conhecimento que este permite com os escuteiros de todos os pontos da Região. 21

22 Dimensões da ação Capacitar os Adultos - É responsabilidade da Junta Regional criar condições para que a política de formação de adultos do CNE seja implementada na sua área de influência. Estamos empenhados, não só em manter as boas soluções existentes como em procurar inovar e melhorar a formação dos adultos para que estes estejam melhor preparados para a sua missão enquanto dirigentes do CNE. - Numa época em que a associação vive em plena implementação da renovação do sistema de formação, não queremos abdicar de ter uma palavra ativa na construção deste. Assim, e após sermos Região piloto, continuaremos a implementação, sempre com vontade de ajudar a construir e a melhorar este projeto junto da Equipa Nacional, para que este seja uma mais-valia para o movimento, para a Região e para os adultos. Estamos conscientes que este é um caminho que exige muito esforço para uma maior eficiência na formação de educadores, gestores e formadores no CNE. 22

23 Dimensões da ação Valorizar a boa aplicação do método - Quando nos propomos a recentrar a ação, a voltar às origens, não poderemos nunca desligar-nos da maior invenção do nosso fundador, o Método Escutista. No CNE, após uma renovação do projeto educativo, vamos entrar no processo de avaliação do mesmo. Também aqui queremos ter uma voz ativa e perceber, junto dos Núcleos e dos Agrupamentos, a visão destes sobre este projeto educativo. Num esforço coordenado com os Núcleos, queremos levar ideias de como ajudar na implementação do Método. Queremos que os Agrupamentos (através dos Núcleos) tenham ferramentas de como aplicar no terreno. - Num mandato em que nos propomos oferecer aos nossos jovens e crianças um ACAREG, queremos construi-lo com base na aplicação do Método. Recentrar a ação e construir o futuro, sem nunca esquecer os alicerces do movimento. Na nossa ação, pretendemos proporcionar e usar as atividades regionais enquanto oportunidades educativas de excelência para os nossos escuteiros. - Pretendemos entrar numa dimensão estrutural solidificada, na qual trabalharemos em conjunto, sempre com os nossos escuteiros e o Método como base de pensamento e de ação. Acreditamos numa estrutura independente mas consolidada, que partilha e fortalece nas divergências, sabendo que, no fundo, o nosso projeto é comum: tornar o escutismo um espaço melhor para os nossos escuteiros, tendo sempre em mente que este deve ser concretizado pelas diversas dimensões e ações da Junta Regional. 23

24 Dimensões da ação FÉ - Viver, Anunciar e Contemplar - Acreditamos na nossa profunda identidade Cristã e, como tal, queremos ser irmãos mais velhos, empenhados na construção dos alicerces da nossa igreja: os jovens e as crianças. Com isto, queremos convidar os jovens a não ter medo de viver a sua Fé, a alegria de ser evangelizador e estar em estado permanente de missão. - Queremos ser e fazer de cada escuteiro da nossa Região uma pedra viva, confiante e feliz, no caminho do Homem Novo e da Igreja que com Ele construímos. Todos os dias. «Quero dirigir-me aos fiéis cristãos a fim de os convidar para uma nova etapa evangelizadora marcada por esta alegria e indicar caminhos para o percurso da Igreja nos próximos anos. [ ] Aquilo que pretendo deixar expresso aqui possui um significado programático e tem consequências importantes. Espero que todas as comunidades se esforcem por atuar os meios necessários para avançar no caminho de uma conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como estão. Neste momento, não nos serve uma simples administração. Constituamonos em estado permanente de missão em todas as regiões da Terra.» Papa Francisco 24

25 Dimensões da ação Comunicar - O mundo tem sofrido tremendas variações na forma de comunicar na última década. Hoje percebemos a importância de comunicar, de garantir que os nossos recetores recebem e percebem as nossas mensagens. Queremos que aqueles que estão fora do movimento saibam que somos movimento universal orientado para crianças e jovens, uma fraternidade mundial de vida ao ar livre, defensora da natureza criada por Deus, promotora da paz, da concórdia e da tolerância e orientada para que cada jovem encontre o caminho da sua felicidade. - Queremos comunicar as nossas atividades mas, mais do que isso, queremos comunicar o nosso movimento. Queremos utilizar novas e antigas tecnologias, focados mais do que no meio, no fim, na mensagem, de forma transversal à Junta Regional e ao movimento. 25

26 26

27 Modelo de organização ER Pedagógica Dep. Pedagógico (ACAREG/Avaliaçã o P.E.) Desenvolvimento CAE s (ACE) Chefia e Assistência Regional Direção Representação Desenvolvimento CEM Chefia Regional Adjunta Representação Desenvolvimento Relações Externas ER Internacional AI s Contingentes Projetos ER Gestão Contabilidade Finanças Atividade Financeira Administração Patrulha GSM Chefe Regional 3 Assistentes 1 Chefe Regional Adjunto 6 Secretários/7 Secretarias Patrulha GSM Plenária Chefe Regional 3 Assistentes 10 Chefes Regionais Adjuntos 6 Secretários/7 Secretarias ER Comunicação Comunicação Relações Externas Sede Regional ER Atividades ARAE Festivais Regionais Ceia Formação Para Atividades ACAREG ER Adultos Oferta Formativa Qualidade e Quadro Formadores CEF ER Ambiente Projetos Ambiente CEM Proteção Civil 27

28 Modelo de organização O modelo regional atual é o resultado de um processo evolutivo e adaptativo ao longo de quase duas décadas. Ivo Faria Pretendemos continuar a apostar neste modelo, onde os Chefes de Núcleo, por inerência dos seus cargos, são equiparados a Chefes Regionais Adjuntos, para os respetivos Núcleos. Esta especificidade parte do conceito da Patrulha GSM Plenária, onde a Patrulha GSM se junta com os Chefes de Núcleo e cria a Patrulha GSM Plenária. A unidade regional está manifestada no respeito pela diversidade da Região, impulsionadora da partilha e assente na corresponsabilidade da animação territorial dos Agrupamentos pelos 9 Núcleos. Para que isto resulte, criamos uma equipa que os apoie na aplicação do Método Escutista, não só no terreno como na preparação e promoção da formação e qualificação de Dirigentes. Neste mandato, a responsabilidade é acrescida pela importância e dificuldade da implementação do RSF. Manteremos a aposta na rotatividade das atividades regionais e continuamos com a aposta na dimensão internacional. Juntamos a administração com a parte financeira na gestão e queremos manter os processos administrativos e financeiros consolidados. 28

29 Modelo de organização Relativamente ao património, distribuímo-lo pelas secretarias, não para lhe tirar importância mas, pelo contrário, para reforçar a aposta nas especificidades de cada espaço. O CEF ficará com a Secretaria para os Adultos, pela especificidade da secretaria e do campo. O ACE ficará com a Secretaria Pedagógica, para reforçar a aposta num projeto pedagógico para o campo. A sede regional ficará com a Secretaria da Comunicação porque apostamos na importância histórica daquele edifício. Queremos ter um projeto comunicacional para um edifício histórico. O CEM (Centro Escutista de Montanha), enquanto projeto, ficará no desenvolvimento, uma área da responsabilidade da chefia regional (Chefe. Regional e Chefe. Regional Adjunto) e, após efetivar o seu funcionamento, passará para a Secretaria para o Ambiente. Esta última secretaria é uma aposta nova, numa relação direta do escutismo e a vida na natureza. Neste mandato, com uma aposta forte na Unidade Regional, avaliação do novo projeto educativo, e com o sentimento de que o que fazemos é para um futuro melhor dos nossos escuteiros, iremos realizar um ACAREG. Com a realização do último em 2010 torna-se fulcral, como oportunidade educativa para uma inteira geração de escuteiros. Trabalharemos no mesmo, para que seja uma oportunidade educativa, um momento privilegiado de partilha e unidade regional e um encontro único. Primeiro tive uma ideia, depois divisei um ideal, agora temos um movimento. Se não tivermos cuidado, acabaremos por ter apenas uma estrutura. Baden-Powell 29

30 Modelo de organização Definição da estratégia regional Entre Maio e Julho, realiza-se uma reunião Plenária da Junta Regional, com o objetivo de discutir a proposta do tema e do lema para a Região e ainda para definir a proposta de estratégia e linhas de ação do ano seguinte. Estes elementos devem ter em atenção: Plano Pastoral da Diocese Plano do CNE a nível Nacional Plano Trienal Regional Entre Outubro e Novembro, deverá realizar-se o Conselho Regional Plenário (preferencialmente) ou de Representantes (alternativamente). Nele são apresentados, discutidos e aprovados: Tema e lema para a Região. Estratégia para a Região. Linha de Acão Regional. Grandes atividades Regionais. Plano e Orçamento. 30

31 Modelo de organização Principais atribuições da Junta Regional Promover a formação e qualificação de dirigentes e dirigir o Centro de Formação Calouste Gulbenkian Informação da região sobre atividades, efemérides, eleições e outros assuntos relevantes Relações públicas, especialmente ao nível distrital ou diocesano e junto da comunicação social de âmbito regional Promoção da participação de contingentes regionais em atividades nacionais e internacionais Relacionamento da Região com os órgãos Nacionais da Associação Direção do Apúlia Centro Escutistas e do Campo-escola de Fraião Dinamização de grandes atividades (ARAE, Festivais, JOTA JOTI, ACAREG) 31

32 1. Chefia Regional Gestão equipa Desenvolvimento Unidade Regional Chefe Regional CEM Relações Institucionais /Externas 32

33 1. Chefia Regional Quero que vós Guias de patrulha/equipa, instruais as vossas patrulhas/equipas inteiramente por vossa iniciativa, porque vos é possível conquistar cada um dos rapazes da Equipa e fazer dele um Homem Bom. De nada serve terdes um ou dois rapazes excelentes, se o resto não prestar para nada. Deveis procurar torná-los a todos razoavelmente bons. O meio mais eficaz para o conseguir é o vosso próprio exemplo, porque o que vós mesmos fizerdes, os vossos Escuteiros farão também. Baden-Powell A Chefia Regional, imbuído do espírito de unidade da Região, inspirado no lema que todos sejam um e, fundamentalmente, do espírito do nosso fundador, procurará criar condições para que todas as equipas funcionem bem. Ciente do papel de coordenação de uma equipa de equipas, procuraremos, através do exemplo, trabalhar sem procurar descanso para que a entreajuda, unidade e desenvolvimento da Região, no respeito pela sua representatividade e pluralidade, seja uma realidade. Assim como cada um de nós tem um corpo com muitos membros e esses membros não exercem todos a mesma função, assim também em Cristo nós, que somos muitos, formamos um corpo, e cada membro está ligado a todos os outros. Romanos 12:4-5 33

34 1. Chefia Regional Finalidade 1.1. Promover a entreajuda e unidade entre a Patrulha Geração Sem Medo Objetivos Divulgar e realizar reuniões periódicas para, além das decisões executivas, promover a partilha fraterna e a troca de ideias para fortificar a dinâmica da Equipa Regional Promover e garantir um espirito de união e equipa forte, que possibilite uma entreajuda e solidariedade constante Acompanhar e reunir com todas as equipas da JR. Finalidade 1.2. Promover, no respeito pela sua representatividade e pluralidade, a unidade da Região Objetivos Manter a participação dos Núcleos na definição e acompanhamento do plano anual regional: Realizar reuniões plenárias bimestrais entre a Equipa Regional e os Chefes de Núcleo para acompanhar o andamento das iniciativas regionais e de Núcleo. Procurar que a Equipa Regional tenha, junto dos Agrupamentos e dos Núcleos, uma presença permanente, por forma a aumentar a proximidade e manter o espírito de pertença e de unidade regional: Garantir uma representação da Equipa Regional nas atividades de referência dos Núcleos, sempre que convidada; Motivar uma representação da Equipa Regional nas atividades dos Agrupamentos (ou das suas unidades), sempre que convidada. 34

35 1. Chefia Regional Finalidade 1.2. Promover, no respeito pela sua representatividade e pluralidade, a unidade da Região (cont.) Objetivos Promover a rotatividade e descentralização da realização de atividades regionais pelos Núcleos e Agrupamentos Promoção do ACAREG enquanto espaço privilegiado de oportunidades educativas e de unidade regional Impelir a realização de ações solidárias nas atividades regionais, como ferramenta de promoção da unidade da Região. Finalidade 1.3. Manter e/ou promover a entreajuda e a cooperação da Região com a estrutura nacional e com as restantes Regiões Objetivos Participar, de forma construtiva, nas diversas reuniões e encontros promovidos pela Junta Central e os seus departamentos Convidar e promover a representação das Juntas de Núcleo, sempre que possível, em encontros com a Junta Central, para os quais a Junta Regional esteja convocada. 35

36 1. Chefia Regional Finalidade 1.3. Manter e/ou promover a entreajuda e a cooperação da Região com a estrutura nacional e com as restantes Regiões (cont.) Objetivos Cooperar ativamente com a Junta Central, ou com os seus departamentos, em momentos, projetos e iniciativas para as quais nos seja solicitado um contributo ou para os quais reconheçamos um interesse estratégico especial Promover o diálogo e a colaboração com outras Regiões, através de diferentes ações, tais como: Participação de secções e Agrupamentos de outras Regiões em atividades da Região de Braga; Procurar sinergias e oportunidades para a participação de escuteiros da nossa Região em projetos fora da nossa Região; Análise da possibilidade de troca de experiências e oportunidades referente à ação pedagógica e formativa; Analisar a possibilidade e oportunidade na organização e gestão de contingentes mistos a participar em atividades internacionais. 36

37 1. Chefia Regional Finalidade 1.4. Promover o desenvolvimento da Região Objetivos Analisar, estrategicamente, em conjunto com os Núcleos e os Agrupamentos, a fortificação do CNE na Região, equacionando: Criar estratégias alternativas para a fortificação do movimento na Região; Apoiar na eventualidade e oportunidade de abertura de novos Agrupamentos; Adotar medidas para evitar a contingência de suspender Agrupamentos; Promover uma melhor comunicação externa com vista a melhorar a imagem da associação Finalidade 1.5. Promover a conclusão do projeto e instalação do Campo de Montanha Objetivos Promover a conclusão do projeto de instalação do novo Centro Escutista de Montanha (CEM) Criar um plano de intervenção na criação de infraestruturas para o CEM Definição de uma estratégia de rentabilização e, fundamentalmente, de uso do espaço. 37

38 2. Assistência Regional Apoio à Formação no CEF Assistência Regional Atividades Gerais Ligação com os Assistentes 38

39 2. Assistência Regional QUE TODOS SEJAM UM - Fundamentação Bíblica Que todos sejam um como tu ó Pai és um em mim e Eu um em ti, e por isso creia o mundo que Tu me enviaste (Jo 17, 21). É pela unidade que o mundo vai acreditar na comunidade cristã, como caminho de salvação. Unidos na fração do pão e nas orações, punham tudo em comum (Act 2, 42). Esta união, em todos os aspetos da vida, constituía, para a primeira comunidade de Jerusalém, a sua razão de ser. Num só coração e numa só alma (Act 4, 32). Esta expressão revelava que a comunhão entre todos constituía a grande força que as comunidades cristãs tinham em ambientes que não lhes eram favoráveis. Por causa desta comunhão de vida, muitos outros acreditavam e aderiam à comunidade dos crentes. Uma só fé, um só Batismo, um só Deus que é Pai de todos (Ef 4, 5). Esta foi sempre uma fórmula simples que identifica o ser Igreja na mais profunda comunhão com todos. Cristo não pode nunca estar dividido (1 Cor 1, 13). Na comunidade de Corinto, alguns tinham escolhido como referência Pedro ou Paulo ou Apolo. O Apóstolo teve que dizer-lhes que a referência para o cristão é apenas Cristo, o centro da unidade. Unidade na diversidade de dons, de vocações, de funções e de carismas (1 Cor 12, 20). A comunhão na Igreja não contraria a normal diversidade dos seres humanos. Cada um põe tudo o que tem ao serviço da comunidade viva que revela Cristo Ressuscitado. Somos o Corpo de Cristo (1 Cor 12, 12). A expressão máxima da comunhão pode estar nesta alegoria de Paulo que compara a Igreja com o Corpo Místico de Cristo em que todos estão ligados à cabeça, mas, ao mesmo tempo, estão de mãos dadas com os outros, sem qualquer distinção. 39

40 2. Assistência Regional A CHAVE DA UNIDADE O Escuteiro não pode pensar a salvação como alguma coisa incompatível com o mundo em que vive, como se fosse necessário sacrificar a vida terrena para ser salvo. É saber-se no mundo, mas sem ser do mundo. E como se exprime isto? No Amor. O Amor é expresso, precisamente, na união de um corpo constituído por muitas partes. - A Comunidade Cada um de nós é criado exactamente à imagem e semelhança de Deus. E quem é Deus? Pois, é comunidade, são três. São relação! E não há outra possibilidade que não seja a relação para que nós, imagem de Deus, sejamos sempre e cada vez mais semelhança de Deus. Daqui, podemos perceber como é central na vivência cristã o nosso empenho pessoal na construção do Mundo (criação de Deus) que necessariamente se traduz no cuidado pelos nossos irmãos (somos o mesmo corpo). - A Caridade No fim de contas, tratar daqueles que estão ao meu lado é tratar de mim próprio. Ser disponível para aqueles que precisam de mim, é ser disponível para mim próprio. S. Clemente escreve à comunidade dos irmãos em Corinto: A caridade une-nos a Deus. (...) Na caridade o Senhor leva-nos a Si. Pela caridade que teve por nós, Jesus Cristo nosso Senhor, segundo a vontade de Deus, deu por nós o seu sangue, a sua carne pela nossa carne e a sua alma pela nossa alma. (Primeira carta de Clemente aos Coríntios, 49). É por isto que a Caridade, o Amor, nos une a Deus. Jesus deu-se a nós, integralmente, e é Ele o nosso modelo. É Ele a porta e o caminho. 40

41 2. Assistência Regional - A Fraternidade Nas incontáveis expressões do sofrimento, das divisões e traumas humanos, reconhecemos o rosto de Cristo, do Homem-Deus que, na cruz, grita o abandono do Pai. Nele encontramos a chave para recompor a unidade entre Deus e os homens. É, principalmente, nessas expressões do sofrimento que se descobrem os sinais da vontade de Deus que nos conduzem a iniciar um trilho que, pela diversidade da sua composição, assumirá a forma de um povo, de um "laboratório" para um mundo unido na fraternidade. ORAÇÃO PELA UNIDADE REGIONAL Peço-Te, Senhor Jesus, que continues a guiar os nossos passos nos caminhos do encontro, do diálogo, da escuta acolhedora. Peço-Te também que nos ajudes a rejeitar qualquer ideia feita e esta constante tentação de possuir a verdade. Que todos os nossos dias tenham o Teu jeito de caminhar até junto do outro, certo de que és sempre Tu quem nele se revela. E porque nos disseste que onde dois ou três se reunirem em Teu nome, Tu estarás sempre no meio deles, imploro-te, Senhor, que não olhes aos nossos pecados, mas tenhas em conta a nossa fé e nos dês a união e a paz. 41

42 2. Assistência Regional Finalidade 2.1. Viver pelas obras a nossa fé Participar e dar assistência espiritual em todos os cursos de formação que se realizarão no Campo- Escola de Fraião. Finalidade 2.2. Comunicar e levar a Alegria da Palavra de Deus Objetivos Transmitir a todos, no âmbito das formações, a importância da Palavra de Deus, para que o anúncio seja credível e fiel na nossa identidade cristã. Finalidade 2.3. Contemplar as maravilhas e obras de Deus Objetivos Levar a todos aqueles que passam pelo Campo-Escola, nos momentos de encontro com Jesus Cristo, a dar maior relevância e valor aos momentos de oração, de um modo especial e significativo, na Eucaristia. Finalidade 2.4. Permanecer na Alegria Objetivos Levar a que haja um bom espírito de amizade e de alegria entre todos os responsáveis e participantes dos cursos, não esquecendo o lema deste ano: «que todos sejam um». 42

43 2. Assistência Regional Finalidade 2.5. Criar laços de verdadeira comunhão Objetivos Realizar um bom espírito de comunhão com os diretores dos vários cursos, ajudando-os no âmbito da pedagogia da fé, a trabalharem o imaginário de Abraão, numa fé amadurecida e testemunhada com a vida. Finalidade 2.6. Promover um encontro com os assistentes dos 9 Núcleos da Região de Braga Objetivos Auscultar problemáticas subjacentes à dinâmica eclesial do escutismo nos Núcleos; Reunir os Assistentes de Núcleo, no Campo-Escola Elencar medidas de melhoria de boas práticas no campo da Assistência; Reunir os Assistentes de Núcleo, no Campo-Escola. Finalidade 2.7. Promover um (a três) encontros com os assistentes dos Agrupamentos da Região, e/ou por Núcleos Objetivos Dar a conhecer a figura de Abraão como modelo, fornecendo com contributos práticos e pedagógicos com aplicabilidade nos Agrupamentos; Reunir os Assistentes de Agrupamento. 43

44 2. Assistência Regional Finalidade 2.7. Promover um (a três) encontros com os assistentes dos Agrupamentos da Região, e/ou por Núcleos (cont.) Objetivos Introduzir os Assistentes na dinâmica do RSF e nas 7 maravilhas do método escutista. Reunir os Assistentes de Agrupamento. Finalidade 2.8. Apoiar e enriquecer as atividades regionais Objetivos Acompanhar e intervir para que as grandes atividades regionais Abertura Escutista, Festival Monsenhor Américo e Escurtas se revistam dos objetivos que a Região e a diocese propõem para este ano; Apoiar e enriquecer, desde o seu inicio, o ACAREG, enquanto oportunidade de enriquecimento da área espiritual; Constituir uma equipa de assistentes que dêem garantias de presença e acompanhamento de todos os passos do ACAREG; Acompanhar e participar nas atividades de Núcleo e de Agrupamento, sempre que convidado. 44

45 2. Assistência Regional Finalidade 2.9. Promover a palavra da assistência como veículo privilegiado da palavra de Deus para os nossos escuteiros Publicações, em ritmo mensal, que poderão ser instrumento de trabalho nas reuniões de piedade e de secção; Publicação de material de apoio atualizado para as celebrações Litúrgicas, tais como Eucaristias de Piedade, Promessas e outras celebrações da Eucaristia ou da Palavra. Finalidade Promover uma melhor articulação e uma maior presença e participação do CNE na ação da Pastoral Juvenil Objetivos Articulação do CNE com a Pastoral Juvenil promoção de atividades em conjunto e mutuo auxilio. 45

46 3. Chefia Regional Adj. Comunicação Desenvolvimento Chefe Regional Adj. Comunicação Relações Externas 46

47 3. Chefia Regional Adj. Comunicação Esta área de trabalho, com 3 pelouros acima identificados, assume 3 prioridades: - Melhor representação externa; - Comunicação mais eficiente; - Mais escuteiros, melhor escutismo. Sabemos que o sucesso não depende, apenas, da estrutura regional que suporta a ação. Em qualquer organização, e por maioria de razão no Escutismo, é a união, a visão partilhada, a estratégia comum e focada que garantem o sucesso. Por isso, o que propomos neste documento baseia-se num pressuposto fundamental que é válido para todas as ações: qualquer estratégia, plano ou ação serão concertados, enriquecidos e realizados com os Núcleos e, através destes, com os Agrupamentos da nossa Região. O Escutismo Católico Português merece a nossa união. 47

48 3. Chefia Regional Adj. Comunicação Finalidade 3.1. Escutismo, uma diferença com valor acrescentado. Objetivos Representar os escuteiros da Região de Braga nos órgãos não escutistas, potenciando a sua ação e o seu impacto Construir oportunidades de formação e empowerment das lideranças para as questões das relações externas Constituir e dinamizar um Comité Regional para Comunicação e Relações Externas Criar e promover uma política de relações externas do Escutismo na Região. Finalidade 3.2. Unidos na missão, fortes na comunicação. Objetivos Criar e promover uma política de comunicação na Região Construir oportunidades de formação e empowerment das lideranças para as questões da comunicação Consolidar e potenciar as estratégias e os meios de comunicação regional existentes Criar campanhas de comunicação escutista de nível regional com estratégias bottom-up Dotar a Região de um Gabinete de Imprensa que promova uma estratégia regional, em estreita cooperação com os Núcleos, para a relação com os órgãos de Comunicação Social locais. 48

49 3. Chefia Regional Adj. Comunicação Finalidade 3.2. Unidos na missão, fortes na comunicação. (cont.) Objetivos Criar recursos de uniformização de imagem e comunicação na Região Constituir e dinamizar um Comité Regional para Comunicação e Relações Externas. CReCRE. Finalidade 3.3. Mais escuteiros, melhor escutismo. Objetivos Criar e implementar uma estratégia de desenvolvimento do Escutismo para a Região Construir oportunidades de formação e emporwerment das lideranças para as questões do desenvolvimento Construir, realizar e avaliar um plano regional de desenvolvimento e apoio às unidades locais Criar e dinamizar o Comité Regional para o Desenvolvimento com responsáveis de núcleo Criar ferramentas de apoio aos Núcleos e Agrupamentos. 49

50 4. Adultos Centro de Formação Calouste Gulbenkian Sec. Reg. para os Adultos Campo Escola de Fraião Qualidade da Formação 50

51 4. Adultos A Secretaria Regional para os Adultos apresenta-se como uma secretaria que visa a educação e formação dos candidatos a Dirigente e Dirigentes da Região de Braga. É nosso objetivo principal proporcionar momentos formativos de qualidade que visem dotar os adultos de conhecimentos, competências e atitudes que melhorem a sua ação junto e em prol dos jovens. A ação desta secretaria assentará em três vertentes: os processos educativos e formativos, a qualidade da formação e o espaço privilegiado para que a formação ocorra. Assim, a Secretaria Regional para os Adultos divide-se em: Departamento para o Centro de Formação Calouste Gulbenkian (D_CFCC), centrado em proporcionar e gerir os processos e recursos para a educação e formação dos adultos da Região de Braga. Departamento para a Qualidade da Formação (D_QF), que zela pela qualidade da oferta formativa e dos seus intervenientes, garantindo que a mesma cumpre as diretrizes nacionais e que responde às necessidades existentes na Região de Braga. Departamento para o Campo-Escola de Fraião (D_CEF), que gere a infraestrutura CEF, enquanto espaço privilegiado para atividades escutistas e para o alojamento do CFCC. 51

52 4. Adultos Neste triénio, o Departamento para o Centro de Formação Calouste Gulbenkian assentará a sua ação na dinamização e implementação da reforma do sistema de formação, tanto do seu percurso inicial como da formação contínua, a inicial, previsivelmente, no próximo ano escutista. Pretendemos que o processo se torne claro e acessível a todos os candidatos a dirigente e dirigentes da Região de Braga. O Departamento para a Qualidade da Formação preocupar-se-á com a criação das normas regionais para a formação tanto na garantia do seu respeito pelas normas nacionais como na adaptação à realidade da Região de Braga, A sua ação será, também, centrada na criação de diretrizes para a dinamização e animação de momentos formativos. No final do triénio, pretende-se a dinamização de um momento de oportunidades formativas para todos os dirigentes da região. O Departamento para o Campo-Escola de Fraião, responsável pela gestão e manutenção da infraestrutura e património terá a sua ação centrada na implementação das obras de requalificação do espaço destinado à formação e de criação de infraestruturas de apoio à zona de acampamento. Em parceria com a Secretaria Regional Pedagógica, a equipa regional para o CEF, irá criar o projeto educativo para o campo. Na dinamização do ACAREG, a Secretaria Regional para os Adultos irá contribuir para que o ACAREG seja uma oportunidade de boas práticas educativas e formativas para os dirigentes da região. 52

53 4. Adultos Finalidade 4.1. Contribuir para a entreajuda e unidade entre a Patrulha Geração Sem Medo Objetivos Auxiliar na ação das restantes Secretarias Regionais, sobretudo na criação de oportunidades de formação e partilha para os Dirigentes. Finalidade 4.2. Potenciar o sentimento de unidade regional entre os adultos da Região de Braga Objetivos Apoiar os Núcleos na construção de momentos formativos e proporcionar a partilha dos mesmos pelos diferentes Núcleos da Região Realização do Tronquinhos, enquanto momento de partilha entre os formadores e diretores de formação da Região de Braga Criação de momento de partilha de experiências, boas práticas e diretrizes futuras entre todos os adultos da Região de Braga. Finalidade 4.3. Contribuir para a realização do ACAREG enquanto promotora de ideias e oportunidades para a ação dos adultos Objetivos Apoiar na realização do ACAREG enquanto oportunidade de partilha de boas práticas pedagógicas e de exemplo para a ação dos adultos. 53

54 4. Adultos Finalidade 4.4. Garantir o adequado estado de conservação e funcionamento do Campo-Escola de Fraião Objetivos Definir, juntamente com o Diretor do Campo-Escola de Fraião, a estratégia de ação e de promoção das condições de utilização do CEF e sua melhoria Dotar o CEF de condições físicas e estruturais adequadas ao acolhimento do CFCG. Finalidade 4.5. Proporcionar uma oferta formativa clara, acessível e adequada às necessidades e realidade regional Objetivos Elaborar um manual de normas administrativas e financeiras inerentes aos procedimentos de inscrição e em frequência de momentos de formação, adaptados à recente Reforma do Sistema de Formação Criar uma ferramenta que permita uma consulta do estado do processo formativo de cada candidato a Dirigente e, de igual forma, uma melhor gestão do mesmo Uniformizar a mística e simbologia inerente à formação regional Conhecer os adultos da Região de Braga, através de um estudo de caracterização das suas competências e formação. 54

55 4. Adultos Finalidade 4.5. Proporcionar uma oferta formativa clara, acessível e adequada às necessidades e realidade regional (cont.) Conhecer as necessidades de formação dos adultos da Região de Braga Dinamizar os momentos formativos inerentes ao percurso inicial Proporcionar momentos de formação contínua no percurso de educadores e, em parceria com a Junta Central, nos percursos de gestores e de formadores. Finalidade 4.6. Garantir o cumprimento das diretrizes nacionais na oferta formativa regional Objetivos Criar um dossier técnico pedagógico acerca da dinamização de momentos de formação para proporcionar aos diretores dos respetivos momentos Avaliar a oferta formativa da Região de Braga à luz das diretrizes nacionais, elaborando propostas e sugestões de melhoria da mesma Reunir com diretores de formação e diretores de momentos formativos para debater assuntos relacionados com a educação e formação dos adultos da Região de Braga Realizar uma revisão prévia dos relatórios dos momentos de formação, antes do seu envio para aprovação pela Junta Central 55

56 4. Adultos Finalidade 4.7. Aumentar a oferta formativa, sobretudo de cariz técnico não escutista, com vista ao enriquecimento das competências dos adultos da Região de Braga Objetivos Desenvolver contactos para elaborar protocolos com estruturas de educação ou formação de adultos existentes na comunidade, entre outros, a Cruz Vermelha Portuguesa, o IEFP e Centros de Formação Criar um documento de normas para a animação e dinamização de momentos formativos Criar um momento de avaliação e comprometimento com o plano anual de formação. Finalidade 4.8. Garantir a proporcionalidade e adequação da bolsa de formadores e diretores de formação à realidade da Região de Braga Objetivos Adequar a bolsa de formadores e diretores de formação às necessidades da Região de Braga, em parceria com a Junta Central Criar um documento de normas para a animação e dinamização de momentos formativos Criar um momento de avaliação e comprometimento com o plano anual de formação Criar uma bolsa de formadores e diretores de formação que permita uma validação e reconhecimento do percurso enquanto formador e/ou diretor de formação. 56

57 4. Adultos Finalidade 4.8. Garantir a proporcionalidade e adequação da bolsa de formadores e diretores de formação à realidade da Região de Braga (cont.) Objetivos Avaliar a pertinência da criação de colégios de especialidade de formadores Caso o resultado anterior seja positivo, diligenciar pela criação e implementação dos colégios de especialidade Finalidade 4.9. Manter e/ou promover a entreajuda e a cooperação da Secretaria Regional para os Adultos com a estrutura nacional Objetivos Participar, de forma construtiva, nas diversas reuniões e encontros promovidos pela Junta Central e, em especial, pelo Departamento Nacional dos Adultos Cooperar, ativamente, com o Departamento Nacional dos Adultos em momentos, projetos e iniciativas para as quais nos seja solicitado um contributo ou para os quais reconheçamos um interesse estratégico especial. 57

58 4. Adultos Finalidade Tornar acessível a todos os recursos documentais do arquivo bibliotecário do CEF e do arquivo de recursos do CFCC Objetivos Inventariar a bibliografia e recursos documentais dos momentos formativos e estudar soluções para que todos os adultos tenham acesso a esses recursos Inventariar boas práticas de animação, pedagógicas e de gestão e torná-las acessíveis a todos Inventariar e tornar disponível a biblioteca do CEF. Finalidade Melhorar a assistência espiritual aos Agrupamentos Objetivos Proporcionar, em colaboração com a Assistência Regional, momentos de formação e de partilha para Assistentes de Agrupamento. 58

59 5. Ambiente Ambiente Sec. Reg. Ambiente Proteção Civil CEM 59

60 5. Ambiente A Secretaria Regional para o Ambiente apresenta-se como uma secretaria nova, que visa promover, de forma mais elementar, os recursos naturais envolventes da nossa Região. Pretendemos que os escuteiros e Dirigentes utilizem o ambiente como oportunidade educativa e ferramenta de desenvolvimento de progresso escutista, realizando atividades, de forma segura, em locais privilegiados, em contacto direto com a natureza, com consciência da educação ambiental e conservação da natureza. É nossa intenção potenciar os conhecimentos e competências de saúde, bem-estar e segurança, quer na preparação quer na realização de atividades, em colaboração com as secretarias dos Adultos e Atividades. Queremos, ainda, colaborar no projeto pedagógico e de edificação do Centro Escutista de Montanha (CEM) e dotá-lo de todas as condições para proporcionar aos nossos escuteiros oportunidades educativas diferentes das que têm atualmente, em colaboração com a Chefia Regional e a Secretaria Pedagógica. 60

61 5. Ambiente Finalidade 5.1. Implementar e dinamizar projetos de cariz ambiental na Região Objetivos Divulgar os projetos ambientais do Corpo Nacional de Escutas Desenvolver e dinamizar projetos ambientais de âmbito regional, Promover, nas atividades regionais, a sustentabilidade, proteção e sensibilização ambiental Em parceria com a Secretaria Regional para os Adultos, reforçar o projeto pedagógico do CEF, com vista à oferta pedagógica de cariz ambiental Em parceria com a Secretaria Regional Pedagógica, reforçar o projeto pedagógico do ACE, com vista à oferta pedagógica de cariz ambiental, nomeadamente através de um projeto ambiental marítimo Promover um plano de sustentabilidade ambiental para o ACAREG, em conjunto com a coordenação da atividade. Finalidade 5.2. Incentivar as boas práticas e reciclagem em atividades escutistas Objetivos Elaborar um manual de reciclagem e boas práticas em atividades escutistas Divulgar o manual pelos Agrupamentos e centros escutistas. 61

62 5. Ambiente Finalidade 5.3. Dinamizar atividades e tornar o CEM num centro ambiental de excelência Objetivos Criar oferta Pedagógica Ambiental para o CEM, de forma a torná-lo num centro ambiental por excelência na Região e no país Divulgar o CEM como um centro escutista de excelência ambiental a nível nacional e internacional Promover o CEM como espaço para a realização de atividades típicas. Finalidade 5.4. Garantir o adequado estado de conservação e funcionamento do CEM Objetivos Definir um diretor para o CEM e desenvolver uma estratégia de ação e promoção do CEM Definição de uma estratégia de sustentabilidade financeira e, fundamentalmente, de uso do espaço, juntamente com a Chefia Regional. Finalidade 5.5. Fomentar o bem-estar e segurança dos escuteiros nas atividades (em parceria com a Secretaria de Atividades Regionais) Objetivos Divulgar alguns princípios de segurança aplicáveis à vida ao ar livre Promover a avaliação da área da segurança na programação de uma atividade. 62

63 5. Ambiente Finalidade 5.6. Promover a colaboração e o acompanhamento da Região com a Proteção Civil Objetivos Representar a Região nas estruturas distritais da Proteção Civil Apoiar a Proteção Civil nas suas ações a nível local, especialmente naquelas diretamente relacionadas com o movimento escutista Representar a Região, sempre que solicitados, para reuniões e trabalhos da Proteção Civil, juntamente com a Junta Central. 63

64 6. Atividades Unidade Regional Formação para Atividades Sec. Reg. Atividades ARAE Festivais 64

65 6. Atividades Para o próximo triénio, pretendemos consolidar a participação qualitativa e massiva nas atividades regionais, onde queremos envolver, cada vez mais, os Núcleos, quer no planeamento quer na execução dos projetos, garantindo assim que serão tidos em conta todos os aspetos que possam condicionar as atividades e que estas irão cada vez mais ao encontro das necessidades dos nossos escuteiros. Pretendemos, também, que haja um aumento qualitativo nas participações, quer de unidade quer de Agrupamento, nas diferentes atividades regionais. Vamos, portanto, centrar esforços e criar condições para que tal aconteça, desenvolvendo assim oportunidades educativas e de crescimento pessoal únicas. Acreditamos, ainda, que as atividades escutistas, sejam elas de unidade, Agrupamento ou outras, devem garantir sempre o desenvolvimento, em segurança, dos nossos escuteiros. Para isso queremos, durante o próximo triénio, cooperar com os Dirigentes da Região e permitir-lhes desenvolverem os seus conhecimentos técnicos e educativos, quer na preparação quer na realização de atividades, contribuindo assim para uma maior uniformização regional no que concerne às atividades. 65

66 6. Atividades Finalidade 6.1. Contribuir para a entreajuda e unidade entre a Patrulha Geração Sem Medo Objetivos Garantir, através de atividades e encontros, a unidade da Equipa Regional Suscitar a partilha de conhecimentos e experiências entre as várias secretarias e os membros que delas fazem parte Auxiliar na ação das restantes secretarias regionais, principalmente no apoio às suas atividades. Finalidade 6.2. Dinamizar as atividades regionais enquanto oportunidades educativas de excelência para os escuteiros da Região Objetivos Criar oportunidades educativas apelativas para além das inerentes às atividades regionais Fazer, e divulgar previamente, um levantamento de todas as oportunidades educativas, por área e trilho, proporcionadas pelas atividades regionais, da preparação à avaliação, em cada secção; Desenvolver as atividades regionais de forma a que estas, ou as atividades inseridas nelas, possam servir de referência para os Núcleos e Agrupamentos Criar condições para um aumento qualitativo das participações dos Agrupamentos e unidades nas atividades regionais. 66

67 6. Atividades Finalidade 6.3. Capacitar os Dirigentes da Região para melhor realizarem atividades ao ar livre Objetivos Dotar os Dirigentes de conhecimentos técnicos Dotar os Dirigentes de conhecimentos e experiência em prevenção e segurança Criar ferramentas de apoio para Dirigentes e escuteiros sobre segurança e técnica. Finalidade 6.4. Consolidar a participação qualitativa e massiva da Região e realizar, juntamente com os Núcleos, as atividades regionais Objetivos Estimular os Núcleos a preparar os projetos para as atividades regionais Garantir, sempre que possível e juntamente com os Núcleos, a existência de um plano alternativo de forma a que as atividades regionais não sejam condicionadas Envolver os Núcleos nas fases de divulgação e inscrição das atividades regionais, de forma a que estes motivem os Agrupamentos e Unidades a participar Criar ferramentas de divulgação das atividades regionais que possam ser usadas pelos Núcleos Criar um calendário trienal para todas a atividades regionais Participar ativamente, no Comité Regional Pedagógico, de forma a promover a participação nas atividades regionais e contribuir para o enriquecimento do programa educativo. 67

68 6. Atividades Finalidade 6.5. Cooperar e ser agente ativo nos projetos desenvolvidos pela Junta Regional Objetivos Ajudar na preparação do ACAREG, através da partilha do know-how em atividades regionais Contribuir para a promoção do ACAREG enquanto espaço privilegiado de oportunidades educativas Criação de um momento de partilha de experiências, boas práticas e diretrizes futuras entre todos os adultos da Região de Braga. 68

69 7. Gestão Unidade Regional Gestão Orçamental SIIE Sec. Reg. para a Gestão Modelo Administrativo Departamento Financeiro ACAREG 69

70 7. Gestão A Secretaria Regional para a Gestão pretende, sem medo, seguir o lema escolhido e sermos um, ao trabalhar na unificação de métodos e ferramentas de trabalho em todas as estruturas da Instituição e trabalhar na persecução do rigor, transparência, controlo e participação ativa no trabalho administrativo-financeiro regional, para que, dentro na nossa Região, possamos recentrar a ação naquilo que realmente identifica e distingue o nosso Movimento. Áreas essenciais na Secretaria Regional para a Gestão: - Modelo Administrativo: Centralização, classificação e simplificação das informações Administrativas, no sentido de assegurar o seu acesso rápido, intuitivo e completo. - SIIE: Enfoque na sua dinamização, transformando-a numa ferramenta indispensável como base de dados de trabalho local e regional. - Gestão Orçamental: Apostar na simplificação financeira, permitindo a todos uma perceção fácil da contabilidade regional e garantindo a apresentação de contas regularmente. - Departamento Financeiro ACAREG: Criação de uma equipa de acompanhamento de proximidade em todas as fases do acampamento, assegurando um controlo orçamental rigoroso. 70

71 7. Gestão Finalidade 7.1. Contribuir para a entreajuda e unidade entre a Patrulha Geração Sem Medo Objetivos Auxiliar na ação das restantes secretarias regionais, sobretudo na criação de oportunidades de formação e partilha para os Dirigentes. Finalidade 7.2. Promover a simplificação de modelos administrativos Objetivos Centralização e classificação da informação administrativa Regional, de forma a garantir que os escuteiros da Região de Braga disponham de toda a informação acedendo apenas a um local Elaboração das ordens de Serviço ordinárias atempadamente e extraordinárias sempre que necessário Conclusão da migração dos endereços eletrónicos dos Agrupamentos e Núcleos para o Google Apps. Finalidade 7.3. Divulgação contínua do SIIE Objetivos Promover formação e mobilizar os Agrupamentos e Núcleos para a contínua utilização da plataforma SIIE, em conjunto com a Secretaria Regional para os Adultos, quer no que respeita aos dados dos recursos humanos quer como ferramenta de trabalho financeiro das estruturas. Garantir a continuidade da entrega da totalidade dos Censos pelo SIIE, articulando com os Núcleos as datas de entrega, de forma a cumprir com os prazos estabelecidos. 71

72 7. Gestão Finalidade 7.4. Melhorar a compreensão relativa ao Controlo e Gestão Orçamental e seu funcionamento Objetivos Produção dos relatórios de contas anuais, desenvolvendo metodologias de controlo, de forma a poder apresentar semestralmente os resultados da execução orçamental Elaboração, em conjunto com os restantes secretários, dos orçamentos das várias Secretarias Regionais, desenvolvendo um acompanhamento de proximidade, em especial com a Secretaria para os Adultos na vertente da formação, de maneira a visar uma maior rapidez no binómio documentação/pagamentos Aumentar a rapidez do processo entre a entrega de documentação e o seu respectivo tratamento/pagamento Articular com os Núcleos e Secretários a uniformização da apresentação de contas Finalidade 7.5. Promover a autonomia financeira da ação Regional Objetivos Incrementar as candidaturas aos programas de apoio e financiamento das Atividades Regionais, internos e externos, abrangendo o apoio de igual forma a nível de Agrupamento e Núcleo Desenvolvimento de novas formas de financiamento Regional Rentabilização, nomeadamente através da imagem do Património Regional, concretamente dos Centros Escutistas, em conjunto com as Secretarias responsáveis pelos mesmos e a Secretaria da Comunicação, bem como o desenvolvimento do plano económico inicial para o Centro Escutista de Montanha. 72

73 7. Gestão Finalidade 7.5. Promover a autonomia financeira da ação Regional (cont.) Objetivos Iniciar o desenvolvimento do plano Financeiro inicial para o Centro Escutista de Montanha. Finalidade 7.6. Planeamento Financeiro do ACAREG Objetivos Elaboração do orçamento da atividade, apostando na sobriedade dos custos do acampamento, na sua sustentabilidade e nas parcerias estratégicas de fornecimentos Criação de equipa própria de acompanhamento da execução orçamental, de forma a prevenir eventuais desvios orçamentais e promovendo, sempre que possível, reduções de custos nas diferentes áreas. Finalidade 7.7. Estreitar relações entre as diversas estruturas escutistas. Objetivos Promover dois encontros anuais com os secretários de Núcleo das áreas Administrativas e Gestão, aproximando as estruturas com vista à participação ativa na gestão regional Participar ativamente nas reuniões em que a Secretaria tem assento nos órgãos nacionais, conforme agenda nacional Desenvolver uma estreita relação com as diversas Juntas Regionais, de modo a divulgar os nossos Centros Escutistas e a potenciar atividades conjuntas. 73

74 8. Internacional AI s Relação com S. I. e Interlocutores de Núcleo Sec. Reg. Internacional Contingentes Luz da Paz de Belém Jota-Joti 74

75 8. Internacional A Secretaria Regional para a Internacional pretende que a sua ação se centre, essencialmente, em quatro pontos: - As atividades internacionais são fonte de novas e enriquecedoras experiências, pelo que é importante promover a participação regional dos jovens para que, à semelhança de Abraão (1º crente a deixar tudo e seguir a voz de Deus), não tenham receio e partam à descoberta de um mundo novo; - No entanto, e para que as experiências de uns sejam fonte de inspiração para outros, é nosso objetivo reformular a atual base de dados de projetos de atividades internacionais levados a cabo pelos Núcleos / Agrupamentos / secções; - Outro ponto importante que queremos dinamizar é a participação dos Agrupamentos em atividades que julgamos de referência, tais como o Jota Joti e a Luz da Paz de Belém, para que os mais jovens as possam experienciar e, daí, retirar valores essenciais à vida em comunidade; - Por último, não podemos esquecer a pedagogia. Neste ponto, pretendemos promover a nível regional o enriquecimento pedagógico das atividades escutistas internacionais, para que cada jovem, após descobrir um mundo novo e amar toda a obra da criação, seja capaz de se colocar ao serviço do próximo. 75

76 8. Internacional Finalidade 8.1. Contribuir para a entreajuda e unidade entre a Patrulha Geração Sem Medo Objetivos Auxiliar na ação das restantes secretarias regionais, sobretudo na criação de oportunidades de formação e partilha para os Dirigentes. Finalidade 8.2. Promover a participação regional nas atividades internacionais como forma de enriquecer os nossos escuteiros. Objetivos Proporcionar a participação em atividades internacionais como oferta de oportunidades educativas, de progresso e de contacto com outras culturas, e como meio para o desenvolvimento de características importantes na formação da personalidade do escuteiro Construir um diagnóstico sobre a atuação ao nível internacional nas Juntas de Núcleo, através da realização de reuniões semestrais com responsáveis dos Núcleos Acompanhar e apoiar a participação dos Clãs em atividades de referência como o Jamboree Mundial em 2015, no Japão, e o Roverway 2016, em França. Finalidade 8.3. Fomentar uma base de dados de projetos de atividades internacionais levados a cabo pelos Núcleos/Agrupamentos/secções. Objetivos Reformular a atual base de dados existente de atividades internacionais, transferindo-a para uma base virtual. 76

77 8. Internacional Finalidade 8.4. Promover e realizar atividades de referência como o Jota Joti e Luz da Paz de Belém Objetivos Continuar a apostar nestas atividades, como oportunidades educativas para os nossos escuteiros, dado o sucesso destas atividades em anos anteriores. Finalidade 8.5. Promover a nível regional o enriquecimento pedagógico das atividades escutistas internacionais. Objetivos Divulgar, através dos meios de comunicação existentes, os projetos e iniciativas internacionais. Garantir, em articulação com a Junta Central, que os projetos de atividades escutistas internacionais continuem a ter parecer da Junta Regional e, se possível, com a participação dos Núcleos. Divulgar, junto dos Agrupamentos, as várias etapas do processo de realização de uma atividade escutista internacional. 77

78 9. Pedagógica Equipa do Método CAE s ACE CEF CEM Sec. Reg. Pedagógico ACAREG Comité Regional Pedagógico Programa Educativo 78

Testemunhos de Esperança PLANO E ORÇAMENTO. Corpo Nacional de Escutas Núcleo Cego do Maio Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Esposende

Testemunhos de Esperança PLANO E ORÇAMENTO. Corpo Nacional de Escutas Núcleo Cego do Maio Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Esposende Testemunhos de Esperança 2013 PLANO E ORÇAMENTO Corpo Nacional de Escutas Núcleo Cego do Maio Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Esposende Caros Escuteiros, O ano 2013 ficará marcado pela Porta da Fé, no

Leia mais

Plano de Acção de Núcleo 2009/2011

Plano de Acção de Núcleo 2009/2011 Pl de Acção de 2009/2011 «Nas Pegadas de Paulo Criamos Caminhos» CNE Douro Sul 1 Introdução «Nas Pegadas de Paulo» Queremos criar um claro espírito de patrulha, rica pela diversidade de opiniões, idades

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral Advento 2014 (Campanha de Preparação para o Natal) A ALEGRIA E A BELEZA DE VIVER EM FAMÍLIA. O tempo do Advento, que devido ao calendário escolar

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE

CRIANÇAS E ADOLESCENTES MISSIONÁRIOS NA CARIDADE Vicente de Paulo dizia: "Que coisa boa, sem igual, praticar a Caridade. Praticá-la é o mesmo que praticar todas as virtudes juntas. É como trabalhar junto com Jesus e cooperar com ele na salvação e no

Leia mais

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016

Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Ata do Lançamento do Ano Pastoral FAMÍLIA SALESIANA 2015/2016 Aos dezanove dias do mês de Setembro de dois mil e quinze realizou-se em Fátima, na Casa Nossa Senhora do Carmo, o encontro de apresentação

Leia mais

Glória! Glória! Glória! Glória ao Senhor! Glória pelos séculos sem fim!

Glória! Glória! Glória! Glória ao Senhor! Glória pelos séculos sem fim! Page 1 of 6 GUIÃO DA CELEBRAÇÃO DA 1ª COMUNHÃO 2006 Ambientação Irmãos: Neste Domingo, vamos celebrar e viver a Eucaristia com mais Fé e Amor e também de uma maneira mais festiva, já que é o dia da Primeira

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ AMAI-VOS Domingo passado, ao celebrar o tema da misericórdia, tive a oportunidade de estar com milhares de pessoas tanto na Catedral Metropolitana como no anúncio e instalação do Santuário da Misericórdia,

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

Plano de Formação da CVX-P

Plano de Formação da CVX-P da CVX-P Apresentado à VIII Assembleia Nacional CVX-P Fátima, Outubro 2004 Introdução... 2 Etapa 0: Acolhimento... 3 Etapa 1: Iniciação... 5 Etapa 2: Identificação... 6 Etapa 3: Missão... 7 1 Introdução

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

A GEMINAÇÃO 20/10/2013

A GEMINAÇÃO 20/10/2013 A GEMINAÇÃO 20/10/2013 CENTRO DE SANTA BAKHITA BAIRRO KALOSSOMBEKWA BENGUELA ANGOLA REVERENDO E ESTIMADO PE. RÚBENS! Diante dos povos, manifestou Deus a salvação Sl 97 A Providência de Deus, que concorre

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014

Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014 Vozes do fogo Mensagem da II Assembleia Internacional da Missão Marista Nairóbi, 16-27 de setembro de 2014 Preambulo Há cerca de 150.000 anos, por obra de Deus Pai, surgiu nesta terra africana o primeiro

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Tema 01 - Dimensão Psico - afetiva (processo da personalização. Quem sou Eu? )

Tema 01 - Dimensão Psico - afetiva (processo da personalização. Quem sou Eu? ) Tema 01 - Dimensão Psico - afetiva (processo da personalização. Quem sou Eu? ) Titulo 04 - Técnicas de Elaboração e Acompanhamento de Projeto Pessoal de Vida Dom Eduardo Pinheiro da Silva, sdb (Mestre

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 05/06 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO. Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC de 8 junho de 04;

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

ORAÇÃO EM FAMÍLIA Quaresma e Tempo Pascal

ORAÇÃO EM FAMÍLIA Quaresma e Tempo Pascal 1 PARÓQUIA DE Nª SRª DA CONCEIÇÃO, MATRIZ DE PORTIMÃO ORAÇÃO EM FAMÍLIA Quaresma e Tempo Pascal (O Ícone da Sagrada Família deve ser colocado na sala, num lugar de relevo e devidamente preparado com uma

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida

ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida Nós e as EJNS testemunho pessoal Somos a Isabel e o Paulo, casámos no dia 30 de Maio de 1992, temos duas filhas, a Patrícia com 18 anos e a Inês com 16 anos,

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO ORIENTAÇÕES GERAIS Bem-vindos à nova estação dos GFs: a estação do evangelismo! Nesta estação queremos enfatizar pontos sobre nosso testemunho de vida

Leia mais

Secretaria Regional para as Atividades Regionais. Atividades Regionais, oportunidades educativas sensacionais! ABERTURA REGIONAL DO ANO ESCUTISTA

Secretaria Regional para as Atividades Regionais. Atividades Regionais, oportunidades educativas sensacionais! ABERTURA REGIONAL DO ANO ESCUTISTA Secretaria Regional para as Atividades Regionais Atividades Regionais, oportunidades educativas sensacionais! ABERTURA REGIONAL DO ANO ESCUTISTA 2013 Não tenhas medo Atividades Regionais, oportunidades

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

Plano Estratégico da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia para o Quinquénio 2013-2017

Plano Estratégico da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia para o Quinquénio 2013-2017 Plano Estratégico da União Portuguesa dos Adventistas do Sétimo Dia para o Quinquénio 2013-2017 O presente documento tem como objetivo apresentar, os valores, as linhas orientadoras, a estratégia e o plano

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária Caro jovem,, Que alegria saber que como você muitos jovens estão encontrando um caminho para a oração pessoal e diária. Continue animado com a busca de um relacionamento mais pessoal

Leia mais

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...).

ANO B. DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia. (Outras intenções: adultos e crianças baptizados nesta Páscoa...). 122 ANO B DOMINGO II DA PÁSCOA ou da Divina Misericórdia (Se estiverem presentes adultos que tenham sido baptizados na última Páscoa, as intenções da oração dos fiéis poderão hoje ser propostas por eles).

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA

SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA SALESIANOS DO ESTORIL - ESCOLA PROJETOS DE VOLUNTARIADO CRID MIMAR As professoras: Ana Paula Ramalho Paula Cristina Baptista Maria João Coelho Pinto Susana Costa 5.º ANO A 6.º ANO B 7.º ANO A SAIR DE NÓS

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA

PLANO DIOCESANO DE PASTORAL 2015 2018 IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA IGREJA DE AVEIRO, VIVE A ALEGRIA DA MISERICÓRDIA O nosso Plano alicerça-se no símbolo do lava-pés (Jo 13, 11-17) O LAVA-PÉS Nele se inspira a espiritualidade de serviço que dá sen do a toda a ação pastoral

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO

Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Diocese de Aveiro IGREJA DIOCESANA RENOVADA NA CARIDADE É ESPERANÇA NO MUNDO Plano Diocesano de Pastoral para o quinquénio 2008-2013 A PALAVRA DO SR. BISPO PONTO DE PARTIDA 1. INICIAMOS UMA NOVA PERSPECTIVA

Leia mais

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE

PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE PROVÍNCIA MARISTA DO BRASIL NORTE Espiritualidade Apostólica Marista Ir. José Milson de Mélo Souza Ano de Deus Pai LADAINHA DE SÃO MARCELINO CHAMPAGNAT (Ir. José Milson) V. Senhor, tende piedade de nós.

Leia mais

20ª Hora Santa Missionária

20ª Hora Santa Missionária 20ª Hora Santa Missionária Tema: Missão é Servir Lema: Quem quiser ser o primeiro seja servo de todos Preparação do ambiente: cartaz do Mês missionário, Bíblia e fitas nas cores dos continentes, cruz e

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS

CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS CURSO PARA CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇA E COORDENADORES DE GRUPOS JOVENS Apresentação A JUVENTUDE MERECE ATENÇÃO ESPECIAL A Igreja Católica no Brasil diz que é preciso: Evangelizar, a partir de Jesus Cristo,

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família

TESTEMUNHAS. atores e destinatários do projeto catequese/família TESTEMUNHAS atores e destinatários do projeto catequese/família Os testemunhos partilhados foram recolhidos a partir de um pequeno questionário realizado, no mês de maio de 2012, junto das famílias dos

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

Hora Santa pela santificação do Clero

Hora Santa pela santificação do Clero Hora Santa pela santificação do Clero Solenidade do Sagrado Coração de Jesus - 12 de Junho de 2015 1. ABERTURA Animador: Caríssimos irmãos e irmãos, neste dia em que a Igreja celebra a Solenidade do Sagrado

Leia mais

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA

www.comunidadepedraviva.com.br TRILHO PEDRA VIVA TRILHO PEDRA VIVA ROTEIRO PARA PLANTAÇÃO DE VIDAS Um provérbio chinês nos lembra : se sua visão é para um ano, plante trigo; se sua visão é para uma década, plante árvores; se sua visão é para toda a vida,

Leia mais

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014

SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 SAGRADA FAMÍLIA 28 de dezembro de 2014 Maria e José levaram Jesus a Jerusalém a fim de apresentá-lo ao Senhor Leituras: Genesis 15, 1-6; 21,1-3; Salmo 104 (105), 1b-2, 3.4-5.6.8-9 (R/ 7a.8a); Carta aos

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

Servidores da Caridade

Servidores da Caridade Homilia da Missa Crismal 2011 Servidores da Caridade António Marto Catedral de Leiria 21 de Abril de 2011 Cantarei eternamente a bondade do Senhor A liturgia da Missa Crismal encerra uma beleza espiritual

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015

PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015 Proposta: PLANO ESTRATÉGICO PARA A CÁRITAS EM PORTUGAL 2013-2015 INTRODUÇÃO O amor ao próximo, radicado no amor de Deus, é um dever, antes de mais, para cada um dos fiéis, mas é-o também para a comunidade

Leia mais

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP Caderno de Estudo: Avaliação 7º Plano de Pastoral Orgânica (20102010-2013) 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP A p r e s e n t a ç ã o Eu vim, ó Deus, para fazer a Vossa

Leia mais

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007)

Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Chamados Para a Comunhão de Seu Filho (Mensagem entregue pelo irmão Stephen Kaung em Richmound- Virginia-USA no dia 11 de fevereiro de 2007) Por favor, poderiam abrir em primeira aos Coríntios, a primeira

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO

CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO CELEBRAÇÃO DO MATRIMÓNIO Assinatura do Registo A assinatura do Registo será colocada na Liturgia, conforme prática local ou critério do Oficiante. Celebração da Santa Ceia No caso de ser pedida a Celebração

Leia mais

Política Internacional do CNE

Política Internacional do CNE Política Internacional do CNE 13 de abril de 2013 A. A Dimensão Internacional no Escutismo 1. O Escutismo é um movimento de educação não formal de jovens, baseado na adesão voluntária dos seus membros,

Leia mais

Dá-me de beber! João 4,7

Dá-me de beber! João 4,7 SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS 18 a 25 Janeiro de 2015 Dá-me de beber! João 4,7 CONSELHO PORTUGUÊS DE IGREJAS CRISTÃS COMISSÃO EPISCOPAL MISSÃO E NOVA EVANGELIZAÇÃO CELEBRAÇÃO DE CULTO ECUMÉNICO

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA

CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA PARÓQUIA DE SANTA MARIA DE BORBA CELEBRAÇÃO DA FESTA DA PALAVRA Feliz o homem que ama a Palavra do Senhor e Nela medita dia e noite (Sl 1, 1-2) 4º ANO da CATEQUESE 17 de Janeiro de 09 ENTRADA PROCESSIONAL

Leia mais

A Fé que nos gloriamos de professar (continuação)

A Fé que nos gloriamos de professar (continuação) A Fé que nos gloriamos de professar (continuação) Fé cristã: Costume ou Decisão Pessoal É uma decisão livre, da consciência de cada um! As raízes da fé cristã A fé cristã não começou connosco. A fé que

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Cinco marcas da Missão (Conselho Consultivo Anglicano e Conferência de Lambeth até 1988)

Cinco marcas da Missão (Conselho Consultivo Anglicano e Conferência de Lambeth até 1988) Cinco marcas da Missão (Conselho Consultivo Anglicano e Conferência de Lambeth até 1988) Conforme a visão anglicana, a missão da Igreja consiste na proclamação do Evangelho, no ensino, no batismo, na formação

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

Carta Pastoral 2013-2014

Carta Pastoral 2013-2014 Carta Pastoral 2013-2014 O Sínodo Diocesano. Em Comunhão para a Missão: participar e testemunhar Estamos no momento decisivo do Sínodo da nossa diocese de Viseu. Pela sua importância, para o presente e

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

Primeiro vamos preparar todos o material de jogo:

Primeiro vamos preparar todos o material de jogo: Nesta Quaresma o Secretariado da Catequese desafia-te. Desafia-te a desafiares-te, desafia-te a desafiares a tua família para este pequeno/grande desafio. Primeiro vamos preparar todos o material de jogo:

Leia mais

EUCARISTIA PÃO DE VIDA NOVA

EUCARISTIA PÃO DE VIDA NOVA HORA SANTA EUCARÍSTICA EUCARISTIA PÃO DE VIDA NOVA O texto inspira-se no da Comissão Pastoral-Missionária do Grande Jubileu do Ano 2000, editado entre nós com o título Eu sou a vida do mundo (Paulinas,

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DISCIPLINA: UNIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANIFICAÇÃO ANUAL - ANO LETIVO: 2015-2016 1 A PESSOA HUMANA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA

Leia mais

Paróquia, torna-te o que tu és!

Paróquia, torna-te o que tu és! Paróquia, torna-te o que tu és! Dom Milton Kenan Júnior Bispo Aux. de S. Paulo. Vigário Episcopal para Reg. Brasilândia Numa leitura rápida da Carta Pastoral de Dom Odilo, nosso Cardeal Arcebispo, à Arquidiocese

Leia mais

Acampamentos Católicos

Acampamentos Católicos Acampamentos Católicos O Acampamento Católico é uma nova forma de evangelizar. Utiliza uma metodologia de evangelização nascida na EVANGELIZAÇÃO 2000 (movimento católico da década de 80), como parte de

Leia mais