Interação usuário-sistema: um estudo empírico sobre a proatividade no uso de sistemas de informação 1. Resumo. 1. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interação usuário-sistema: um estudo empírico sobre a proatividade no uso de sistemas de informação 1. Resumo. 1. Introdução"

Transcrição

1 Interação usuário-sistema: um estudo empírico sobre a proatividade no uso de sistemas de informação 1 Autoria: Maira Petrini e Marlei Pozzebon Resumo Entre as mais freqüentes formas de avaliação do sucesso de um sistema de informação, satisfação do usuário, freqüência do uso, percepção da qualidade e da utilidade do sistema podem ser citados como representativas. No caso dos sistemas voltados para o suporte do processo decisório, considera-se a natureza do uso (percepção da qualidade e da utilidade) mais relevante que a freqüência de uso do mesmo. Teóricos e práticos nas áreas de EIS (Executive Information Systems) e DSS (Decision Support Systems) buscam desenvolver sistemas que efetivamente auxiliem a tomada de decisão. A rapidez com a qual mudanças no ambiente externo afetam as empresas requerem o desenvolvimento de eficientes estratégias de aquisição de informações internas e externas. Tendo em vista este elenco de questões, o presente trabalho relata a condução de uma pesquisa empírica na área de sistemas executivos que resultou em recomendações concretas para a prática dos profissionais da área. A partir da implementação de um protótipo de um sistema EIS baseado em um modelo conceitual voltado para comportamentos proativos na recuperação de informações, buscou-se investigar como as características dos sistemas de informação afetam e influenciam usos e comportamentos dos seus usuários. O trabalho de campo permitiu avaliar a influência do protótipo construído sobre o comportamento do usuário, permitindo a formulação de recomendações e sugestões para o desenvolvimento de sistemas que funcionem como um convite, e não um obstáculo, à exploração proativa de informações. 1. Introdução Uma série de fatores interdependentes desenham o complexo cenário empresarial atual. Entre eles, pode-se citar o processo de globalização, que gera uma maior interdependência entre as nações; o surgimento da economia digital, baseada em conhecimento e inovação como chaves para a competitividade; o conceito de empowerment enquanto um novo enfoque organizacional; e a tecnologia da informação, resultado da união entre informática e telecomunicações, alavancando transformações organizacionais. Trata-se de um cenário cada vez mais competitivo, no qual busca-se aumentar eficiência, produtividade, lucros. Essa busca muitas vezes está associada a decisões que movem as organizações a investirem em sistemas de informação. Mas para que isso possa vir a ser uma verdade, ou seja, para que esse investimento possa ter condições de trazer reais benefícios, faz-se necessário o efetivo uso dos sistemas. Como desenvolver sistemas de informação efetivos? A efetividade de um sistema depende do seu uso. No contexto organizacional, as conseqüências do uso de um sistema de informação são resultado da concreta interação entre usuários e o sistemas. Ou seja, o foco não é somente o sistema, nem somente os usuários, mas a interação entre eles dentro de um contexto específico, que se traduz nos usos que são feitos dos sistemas pelos usuários em determinadas circunstâncias. Considerando-se que a efetividade de um sistema de informação resulta da interação com o homem, esse artigo descreve o resultado de uma pesquisa empírica que, através da implementação de um modelo de sistema de informação, investigou essa interação, buscando identificar como determinados usos podem ser favorecidos pelas características do 1

2 sistema. Ou seja, como as características do sistema podem afetar ou influenciar comportamentos e usos do mesmo. Outro aspecto importante a ser ressaltado no presente trabalho é a busca de um conhecimento cumulativo nas pesquisas brasileiras em sistemas de informação. Existe uma tendência na área de sistemas de informação, como também em outras áreas da Administração, em propor a cada nova pesquisa um novo modelo conceitual. Isso significa a ausência de esforços em testar os modelos já existentes. Essa prática, mesmo propiciando diversidade e riqueza, dificulta o amadurecimento da área como disciplina cientifica. A presente pesquisa significa a continuidade de um trabalho que vem sendo desenvolvido ao longo dos últimos quatro anos. Ela não parte de um novo modelo, mas de um modelo conceitual proposto em pesquisas previamente conduzidas no Brasil, resultado de um trabalho que visou estabelecer um campo de possibilidades na interação entre usuários e informações, criando condições para a proatividade. Buscando estabelecer concretamente um elo entre a teoria e a prática, esta pesquisa retoma e implementa o modelo conceitual, desenvolvendo um protótipo e avaliando sua influência sobre o comportamento dos usuários na recuperação de informações. Buscouse estabelecer associações entre comportamentos dos usuários, proativos ou não, e determinadas características dos sistemas de informação. A seção 2 apresenta mais detalhadamente o estudo, seus objetivos, preparação e planejamento. A seção 3 apresenta o desenho de pesquisa e a condução do trabalho de campo. Na seção 4 são apresentados os resultados referentes à revisão do modelo conceitual e à influência do sistema sobre os usuários. Como conclusão, a potencial contribuição do estudo e suas inerentes limitações são discutidas na última seção. 2. A Pesquisa: Objetivos e Planejamento O objetivo geral da pesquisa foi viabilizar tecnicamente um sistema EIS Executive ou Enterprise Information System - baseado em um modelo conceitual com características voltadas para comportamentos proativos na recuperação de informações. O primeiro passo foi a revisão de literatura, que teve dois grandes focos: (1) tecnologias emergentes (conceitos, métodos e ferramentas) e as arquiteturas que as integram (2) o conceito de proatividade e a associação desse conceito com a recuperação de informações. Através da implementação e um protótipo baseado em um modelo conceitual e sua inserção em um contexto organizacional bem definido, pôde-se avaliar sua influência sobre o comportamento dos usuários. Um interativo processo de observação e refinamento propiciou a busca de evidências que relacionassem as características do sistema com a proatividade. Na próxima seção discorremos mais detalhadamente sobre os dois focos da revisão de literatura e sobre o modelo conceitual de sistema de informação proposto: suas características e a categorização das mesmas. 2.1 Tecnologias Emergentes Em áreas como tecnologia da informação e telecomunicações, o surgimento de novas tecnologias é cada vez mais acelerado. No início dos anos 50, quando a indústria da informática começou a se firmar, já se falava na sua potencial contribuição em todos os níveis organizacionais, partindo da completa automatização das áreas operacionais ate as áreas gerenciais e estratégica. Vislumbrava-se sistemas que suprissem os executivos com informações capazes de gerar um diferencial competitivo e, consequentemente, alavancar maior sucesso para as empresas. Entretanto, o que se pôde verificar foi uma tendência em restringir-se às áreas mais operacionais das organizações. Somente agora, valendo-se da conjunção de diferentes tecnologias como bancos de dados de documentos, interfaces gráficas 2

3 mais sofisticadas, sistemas operacionais de rede mais versáteis, discos rígidos de grande capacidade de armazenamento e velocidade de acesso, entre outras, emergem condições de viabilizar a antiga promessa. No sentido de ampliar nosso conhecimento para viabilizar tecnicamente o protótipo da maneira mais aderente possível ao modelo proposto, foi realizada uma revisão de literatura abordando mais profundamente algumas das tecnologias emergentes (Quadro 1) que prometem oferecer aos decisores sistemas para o monitoramento do negócio através de comparações e análises com as quais se possa prever situações futuras e bem gerenciar situações diferentes. O objetivo principal desta etapa do trabalho foi um melhor entendimento das tecnologias emergentes, seus conceitos, métodos e alternativas de ferramentas que as implementassem (PETRINI, 1999). Data Warehouse Data Mart Data Mining ODS - Operational Data Store OLAP - On-Line Analytical Processing Aplicações baseadas na Web (Intranet, extranet) Quadro 1: Revisão de literatura das tecnologias emergentes 2.2 A Proatividade e o Comportamento na Recuperação de Informações BATEMAN E CRANT (1993) exploraram a proatividade no comportamento organizacional e introduziram a medida de personalidade proativa. Esta medida de disposição pessoal para comportamentos proativos identificou diferenças entre as pessoas e em que grau suas ações influenciam o ambiente. Segundo definição dos autores, pessoas proativas demonstram iniciativa, identificam oportunidades e tomam decisões. Enfim, agem e persistem até alcançar mudanças significativas. Em contraste, pessoas que não são proativas exibem padrões opostos, falhando na identificação de oportunidades de mudança. A disposição para a proatividade é uma tendência para iniciar e manter ações que alteram diretamente o ambiente ao redor. O estudo realizado por CRANT (1996) veio ao encontro da abordagem interacionista 2 (BANDURA, 1977; SCHNEIDER, 1983), ao apontar a disposição proativa como uma diferença individual onde pessoas podem e fazem intencionalmente alterações em seu ambiente. No entanto, o foco foi a predisposição individual, não foi explorado como o ambiente pode influenciar o comportamento das pessoas. O fato de que este aspecto da abordagem interacionista não tenha sido o foco do estudo em questão não significa que ele não exista. Pelo contrário, se fatores situacionais podem influenciar a disposição para um comportamento proativo, acreditamos que os sistemas de informação encontram-se entre estes elementos situacionais e, consequentemente, a forma como os sistemas de informação são concebidos também pode influenciar que determinados tipos de comportamentos se manifestem ou não. Não se espera que os sistemas modifiquem as características individuais dos usuários, mas é de fundamental importância que eles não limitem ou funcionem como um obstáculo. Ao contrário, queremos sistemas que estimulem e convidem à proatividade. Tendo em vista que os conceitos de proatividade encontrados na literatura referem-se ao comportamento das pessoas de uma maneira geral, nossa pesquisa buscou definir mais precisamente estes conceitos na área de sistemas de informação, buscando estabelecer uma relação direta entre proatividade e o comportamento das pessoas enquanto usuários de 3

4 sistemas de informação, mais especificamente, a maneira pela qual os usuários recuperam as informações. VANDENBOSCH & HUFF (1997) apresentam um estudo que analisa diferentes maneiras pelas quais os sistemas EIS podem ser usados pelos executivos. Através do exame de sete organizações, os autores procuram o relacionamento entre diferenças individuais, contexto organizacional, e características do sistema de um lado, e o comportamento na recuperação de informações e percepções do desempenho organizacional de outro. A questão de pesquisa estuda como e porque o comportamento dos executivos na recuperação de informações varia e qual o impacto dessas variações tendo em vista o tipo de sistema de informação que ele dispõe. Explora-se se existe relação entre diferenças individuais, características do sistema e contexto organizacional com o modo de recuperar informação, e se estes, por sua vez, relacionam-se com as percepções de aumento de desempenho. Os dois modos mais comuns de uso do EIS são a exploração de dados 3, na qual se navega pelos dados a fim de compreender tendências ou melhorar a compreensão dos negócios, e a busca focada 4, na qual se procura respostas para questões específicas e problemas bem definidos ou verificar resultados de performance da empresa. De acordo com VANDENBOSCH & HUFF (1997), ao navegar pelo sistema sem um objetivo definido, o executivo inicia um processo de criação de novas suposições e hipóteses, explorando problemas em maior profundidade e promovendo o desenvolvimento de um maior número de possíveis soluções. Trata-se, em última análise, de identificar oportunidades e agir sobre elas; mostrar iniciativa, agir e persistir até alcançar mudanças? Ou seja, reencontramos a definição de BATEMAN & CRANT sobre personalidades proativas. Emerge a oportunidade de estabelecer uma associação entre os conceitos de comportamento ativo e passivo com os modos de recuperação de informação. HUBBER (1991) definiu exploração de dados como um comportamento pessoal exibido quando as pessoas navegam intencionalmente através de informações, sem um problema particular para resolver ou questão para responder, caracterizando-o como uma postura ativa, intencional. No entanto, vale ressaltar que esses termos têm sido utilizados para descrever um continuum de modos na recuperação de informações. Ou seja, eles não são exclusivos, podendo um mesmo usuário apresentar ambos comportamentos. Os conceitos e definições abordados acima permitiram estabelecer uma associação entre as formas de recuperação de informação e a proatividade: usuários que exibem um comportamento proativo na recuperação das informações são aqueles que, dentro do continuum, combinam formas de busca focada e de exploração de dados, enquanto que os usuários que exibem um comportamento reativo não realizam exploração de dados, restringindo-se a buscas focadas (POZZEBON 1998) (Figura 1). A predisposição para um comportamento de exploração de dados aparenta ser uma condição necessária para este uso do EIS. Entretanto, isto não é uma garantia. As características do sistema e as influências sociais também afetam o modo pelo qual o EIS é usado e o impacto disto na empresa. Sem integração, flexibilidade ou fortes influências sociais para um uso do EIS voltado para a exploração de dados, é provável que, mesmo executivos com a predisposição para tal comportamento, não investiguem as informações em seu EIS (VANDENBOSCH & HUFF, 1997). Eis a contribuição da presente pesquisa: dado que não podemos influenciar diretamente o comportamento dos usuários (ao menos não é essa nossa área de conhecimento), podemos fazê-lo indiretamente, concebendo e disponibilizando 4

5 sistemas de informação que não inibam a proatividade, mas ao contrário, que mostrem-se como um convite a ela. Figura 1: Associação entre proatividade e comportamento na recuperação de informações 2.3 Modelo Conceitual O protótipo de EIS implementado baseou-se no modelo proposto por POZZEBON (1998) (Anexo 1). A partir da identificação de um conjunto inicial de características através da revisão de diversos trabalhos nesse campo (TURBAN & WALLS, 1995; ELAM & LEIDNER, 1995; VOLONINO, WATSON & ROBINSON, 1995; TURBAN, 1995; CHI & TURBAN, 1995; RAINER & WATSON, 1995), foram adicionados outros elementos emergentes visando agregar valor ao conjunto e que permitiram caminhar na direção de intencionalmente influenciar o comportamento dos usuários (POZZEBON & FREITAS, 1997). Buscando-se uma forma de categorização, todos os elementos pesquisados foram enquadrados em uma das três categorias elencadas como essenciais em um sistema de informação (Quadro 1). A classificação das características nas três categorias (apresentação, flexibilidade e integração) transformaram-se em requisitos do modelo de sistema. Organizadas em uma grade de análise, estas características foram utilizadas como instrumento para coleta de dados na pesquisa de campo. a) a lógica do acesso e armazenamento dos dados, que representa a entrada ou o input do sistema, englobando aqueles elementos relacionados com o contato do sistema com os dados e fontes de informação; b) a lógica do processamento dos dados, englobando todos aqueles elementos relacionados com as funcionalidades e capacidades técnicas do sistema; c) a lógica da apresentação das informações resultantes, que representa a saída ou output do sistema, englobando aqueles elementos relacionados com o contato do usuário com o sistema, mais precisamente com sua interface. Quadro 1: Categorias para a classificacao das caracteristicas de um SI Além das características técnicas do sistema, POZZEBON (1998) elaborou o modelo conceitual combinando contribuições das duas linhas de pesquisa referentes à proatividade discutidas na seção 2.2. Trata-se dos trabalhos de BATEMAN & CRANT (1993), com foco nas predisposições pessoais, e de VANDENBOSCH & HUFF (1997), com foco nos comportamentos de recuperação de informações. A tese defendida pela linha de pesquisa que conduzimos propõe que as características do sistema podem ser controladas e definidas de forma a criar um ambiente favorável a determinadas situações. Buscamos aumentar nossa experiência em torno da interação entre usuário e sistema no que se refere à possibilidade de que determinados usos do sistema possam ser favorecidos pelas características técnicas dos mesmos. Ou seja, as condições que promovem o uso do sistema de forma proativa podem ser 5

6 conscientemente estabelecidas. Por exemplo, flexibilidade e integração, duas características apontadas por VANDENBOSCH & HUFF (1997) como significativas no uso do EIS para a exploração de dados, fazem parte das características desejáveis apontadas no modelo conceitual proposto por POZZEBON (1998). 3. A Pesquisa e o Estudo de Campo O método de investigação utilizado foi o estudo de campo, no qual os pesquisadores medem variáveis independentes e dependentes em seu contexto natural, onde nenhum controle ou manipulação está envolvida (VANDENBOSCH & HUFF, 1997). Desta forma, estando as variáveis a serem observadas e mensuradas associadas a comportamentos na recuperação de informação, adotou-se o método de estudo de campo por considerá-lo adequado às questões de pesquisa, aos pressupostos formulados e aos objetivos da mesma (PETRINI, 1999). Uma série de critérios foram utilizados para a definição de cada momento da pesquisa com rigor metodológico e pertinência. Os principais elementos estão representados a seguir (Figura 2). Figura 2: Principais elementos da pesquisa A empresa selecionada não somente apresentava um sistema EIS em utilização, como mostrou-se totalmente aberta à realização da pesquisa de campo. Trata-se de uma empresa do setor de autopeças que iniciou suas atividades Os produtos fabricados são materiais de fricção, especificamente, lonas de freios para veículos pesados (caminhões e ônibus). Atualmente, distribui seus produtos exclusivamente para o mercado de reposição (lojas de autopeças, oficinas, concessionários e frotistas). Possui fábricas em Caxias do Sul e São Leopoldo (RS), e representantes espalhados pelo território nacional, responsáveis pela comercialização. O quadro atual é de 110 funcionários. O faturamento no ano de 1998 ficou em torno de 12 milhões de dólares, dos quais 5% direcionados para o mercado externo. Nos últimos anos o faturamento encontra-se em ascensão e sua participação no mercado, considerado altamente competitivo, é de 10%, enquanto o líder no mercado conta com 60%. Em 1992, a empresa passou por um processo de reestruturação societária, que acabou ocasionando uma mudança organizacional interna. Surge a necessidade de informar seus números de forma transparente e confiável ao novo sócio. Esses fatos foram essenciais para dar início a uma gestão profissional, compelindo a organização a definir de forma mais clara sua estrutura e modificando a forma de atuação dos gestores nos escopos industrial, comercial 6

7 e administrativo. Anteriormente a esta data, a organização praticamente não dispunha de informações para controle de forma oportuna. Havia uma desorganização nos controles financeiros, e as informações contábeis eram geradas com muito atraso, tornando-se praticamente obsoletas. Dentro deste cenário, o processo de informatização da organização sofreu duas grandes mudanças: a aquisição de um software de ERP (Enterprise Resource Planning) e o desenvolvimento de um sistema EIS. O sistema de EIS fez-se necessário no sentido de possibilitar o fluxo de informações mais rapidamente para os decisores, oportunizando à organização dar seus primeiros passos rumo à geração de informações cada vez mais eficazes para auxiliar o processo decisório de seus gestores. Partindo-se do modelo conceitual proposto por POZZEBON (1998), foi realizada sua implementação técnica sob a forma de um protótipo (PETRINI, 1999). Com o intuito de verificar o efeito das características do sistema sobre o comportamento do usuário, foi desenvolvido o desenho de pesquisa apresentado na Figura 3. Figura 3: Desenho de pesquisa O primeiro momento da pesquisa foi marcado pela categorização do sistema EIS em uso na empresa selecionada e dos usuários do mesmo. Com o objetivo de categorizar o sistema já em uso na empresa e atribuir-lhe uma pontuação baseada em suas características técnicas, foi aplicada uma grade de análise (Tabela 1) (instrumento de coleta e análise de dados baseado na categorização das características dos sistemas de informação em três níveis). Grade de Análise - Características do Sistema Apresentação Possui Interface Gráfica Com Usuário Possui telas de ajuda e facilidades de operação Possui combinação de recursos gráficos Possui bom tempo de resposta Possui interface pré-customizada, com possibilidades de customização posterior Flexibilidade Possibilita técnicas típicas dos EIS: drill down, alarmes, semáforos, relatórios de exceção Possibilita técnicas típicas dos SAD: simulações, projeções, previsões, criação de cenários, curvas de tendências, análises what-if Possibilita técnicas típicas da tecnologia OLAP: processamento analítico em tempo real, análise multidimensional e análises ad hoc Possibilita técnicas de parametrização, dosadas com características de pré-customização e customizabilidade Integração Integra dados externos e internos (de toda as áreas da empresa) Integra dados contextuais (análises e percepções sobre indicadores e gráficos) Tem interface com sistemas especializados em dados informais 7

8 Armazena dados históricos e atuais, agregados e detalhados, implementando o conceito de armazém corporativo de dados Tabela 1 Grade de Analise Quanto aos usuários, foram conduzidas entrevistas semi-estruturadas que focalizaram como o sistema é usado, porque é usado de determinada forma e quais os benefícios decorrentes do seu uso. Procurou-se, primeiramente, entrevistar o analista responsável pelo sistema, com o objetivo de coletar suas percepções sobre o perfil de cada usuário, a forma como eles utilizam o sistema e a quantidade de demandas oriundas deles. Após seguiram-se entrevistas com os mesmos. Estas entrevistas buscaram avaliar a proatividade em relação ao uso do sistema, baseadas no comportamento de recuperação de informações. Ou seja, o objetivo foi identificar o comportamento na recuperação das informações representado por atitudes de exploração de dados ou busca focada por parte dos usuários. Baseando-nos no modelo conceitual e norteados pela análise das entrevistas, o protótipo foi concebido e implementado. Chega-se, então, ao segundo momento da pesquisa, quando fez-se uma nova medição similar à descrita no primeiro momento. A pontuação obtida pelo sistema inicial na grade de análise foi de 45 pontos, enquanto o protótipo atingiu 81 pontos (PETRINI, 1999). A pontuação do sistema representa sua proximidade em relação ao modelo conceitual em estudo. Buscou-se verificar mudanças no comportamento dos usuários em relação à busca de informações frente a um sistema com maior pontuação na grade de análise. Sendo assim, o segundo momento foi marcado pela disponibilidade de um sistema de informação mais próximo do modelo teórico se comparado ao sistema existente anteriormente. Neste contexto, após 5 semanas de observação do novo sistema em uso, uma série de novas entrevistas foram realizadas. O intuito foi identificar variações no comportamento dos usuários do protótipo no que se refere à recuperação das informações, dado que o sistema que eles utilizam havia sido alterado com esse propósito. A partir disso, as entrevistas em profundidade foram realizadas individualmente (duração de 4 a 5 horas por entrevista). Etapas Passos Primeiro Momento Caracterização do Sistema Inicial Aplicação das Entrevistas com os Usuários Análise das Entrevistas Implementação do Protótipo Descrição do Protótipo Segundo Momento Caracterização do Protótipo Aplicação e Análise das Entrevistas Resultados Revisão Crítica do Modelo Influência do Protótipo sobre o Comportamento dos Usuários Tabela 2: Etapas e Passos da Pesquisa de Campo 4. Os Resultados Obtidos A Tabela 2 acima resume os principais passos da pesquisa de campo que possibilitaram atingir os resultados descritos a seguir. Os resultados permitiram atingir os dois objetivos específicos do estudo, quais sejam a revisão crítica do modelo proposto (apresentada no 8

9 Anexo 2) e a avaliação da influência do protótipo construído sobre o comportamento dos usuários na recuperação de informações (segundo a percepção dos usuários e a observação dos pesquisadores). 4.1 Revisão Crítica do Modelo Conceitual Foram identificadas três principais contribuições como resultado da revisão crítica do modelo: (1) Necessidade de um grau mínimo de pré-customizabilidade na categoria flexibilidade. A flexibilidade no cruzamento de informações está relacionada com a capacidade de parametrização do sistema. Tem sido consensualmente aceito entre os designers de sistema que quanto maior o grau de flexibilidade, melhor será a qualidade de um sistema. No entanto, a pesquisa empírica realizada aponta restrições a esta premissa. Concluiu-se que um acentuado grau de flexibilidade pode influenciar de forma desfavorável, ou seja, pode ser percebido não como um leque de opções, mas como uma fonte de ambigüidades. A pesquisa empírica nos conduziu à conclusão de que se faz necessário um grau mínimo de précustomização. Em outras palavras, o sistema pode apresentar um conjunto pré-definido de consultas mais freqüentes e ainda assim preservar a sua capacidade de posterior customizabilidade. O grau de parametrização de um sistema EIS possibilita diversas alternativas para montar relatórios, criar comparativos e realizar análises instantâneas. Nosso estudo não indica que o grau de parametrização deva ser diminuído, mas que a précustomização seja realizada de forma a convidar o usuário a explorar as potencialidades do sistema gradativamente, de acordo com sua curiosidade, necessidade e interesse. (2) Necessidade de compartilhamento de informações, incluindo informações textuais. A incorporação de dados contextuais mostrou-se importante como apoio à tomada de decisão na medida que permitem o trabalho em equipe. As conclusões e observações decorrentes de análises a partir dos indicadores e gráficos disponibilizados pelo sistema EIS, no modelo anterior ao protótipo, restringiam-se ao domínio pessoal de cada usuário. Ou seja, nenhum usuário poderia compartilhar destas conclusões através do sistema. Exemplificando, a partir da análise de um gráfico da evolução de vendas um gerente detectou que, na região sul, em um determinado mês, houve uma grande queda nas vendas. A explicação para o fato residia em uma campanha promocional de um concorrente local. No entanto, justamente por ser local, essa informação ficava restrita ao domínio do gerente de vendas da região sul. Os gerentes de outras regiões, possivelmente não tinham o entendimento da causa na queda das vendas. A possibilidade de incorporar dados contextuais altera totalmente este cenário. O gerente da região sul pode adicionar a explicação do fenômeno junto ao gráfico correspondente. Trata-se de um verdadeiro compartilhamento de informações, no qual as pessoas não só visualizam as informações, mas também podem produzir outras informações a partir das mesmas e compartilhá-las. Outra característica importante relacionada com o compartilhamento das informações está relacionada com a possibilidade de diferentes grupos se comunicarem e trabalharem de forma cooperativa, promovendo mais eficácia e agilidade. Essa observação é um indício da necessidade de características técnica relacionadas à tecnologia de groupware. O conceito de trabalho em grupo visa facilitar a comunicação e coordenação de pessoas que trabalham em diferentes locais. Os recursos de software permitem que os usuários arquivem, organizem e compartilhem informações dentro e entre os grupos de trabalho, otimizando processos e reduzindo a quantidade e circulação de papéis, o que garante maior segurança e 9

10 confidencialidade das informações. Ou seja, o foco é na utilização do sistema como uma ferramenta para disponibilizar as informações e permitir a discussão e colaboração em torno delas para apoiar a tomada de decisão. (3) Necessidade de ampla abrangência das informações da empresa. O uso mais ou menos intensivo do sistema está associado ao escopo de informações contempladas pelo mesmo. A falta de informações sobre todas, ou a maior parte, das atividades da empresa, faz com que o EIS seja preterido em prol de outras fontes de informações. Acreditamos que uma ampla abrangência de informações deve ser um requisito do modelo conceitual revisado. Por quê? Porque na análise das percepções dos usuários, tanto no primeiro como no segundo momento, reincidiram observações sugerindo que, mesmo uma característica técnica considerada importante para a utilização do sistema através da exploração de dados, ode ter seu potencial desperdiçado se não existe um uso intensivo do sistema, o que promove a familiaridade com o mesmo. No momento que o sistema se mostra como um ambiente integrado, ele centraliza as informações de toda a empresa sob a mesma interface, a mesma forma de navegação, a mesma organização e estrutura. Quanto mais o usuário o utiliza, mais familiarizado fica e, consequentemente, melhores condições são criadas para um efetivo aproveitamento do sistema. Existe um efeito em cadeia entre a abrangência das informações contempladas pelo EIS e a freqüência de utilização do mesmo. Uma maior freqüência permite uma melhor familiarização com o sistema, característica que no longo prazo pode permitir uma navegação mais natural e intuitiva. 4.2 Influência do Protótipo sobre o Comportamento dos Usuários Ainda com base no aprendizado decorrente da pesquisa de campo, conseguiu-se estabelecer uma relação entre as características técnicas e o comportamento dos usuários na recuperação das informações. Os resultados da pesquisa demonstraram que a predisposição para exploração de dados parece ser uma condição necessária para tal comportamento. Mas as características do sistema também afetam como o mesmo é usado. A análise das entrevistas aponta três principais resultados: (1) Reforço no comportamento devido a percepção de maior produtividade. Para um melhor entendimento desse resultado, resgatamos uma questão levantada no decorrer das entrevistas realizadas no primeiro momento da pesquisa. Foi identificado que alguns usuários utilizavam um roteiro para orientá-los na navegação do sistema, o que nos levou a formular uma pergunta: será que o fato da navegação ser difícil, poderia induzir os usuários a utilizarem um roteiro? O que verificou-se foi que o único usuário que, além de busca focada, utilizava exploração de dados, também mencionou uma certa dificuldade na navegação, mas, mesmo assim, navegava pelo sistema. Ou seja, apesar da característica técnica do sistema não ser favorável à proatividade, a característica de personalidade (predisposição para a exploração de dados) foi suficiente para habilitar tal comportamento. Com o protótipo, o qual apresentou características técnicas mais favoráveis à proatividade, reforçou-se o comportamento de exploração de dados em quem já o praticava. O tempo destinado na exploração de dados aumentou devido à percepção de uma maior produtividade quando isso era feito. (2) Grau de familiaridade e utilização. 10

11 Dois dos usuário que apresentavam predisposição para exploração de dados exibiram a seguinte mudança de comportamento após as alterações do sistema: um deles passou a demostrar esse comportamento rotineiramente (agora denominado usuário-1), enquanto que o outro eventualmente (usuário-2). Parece-nos que são as características técnicas do sistema criando condições e estimulando a proatividade na recuperação das informações. Mas por que essa diferença? Por que o usuário-1 navega rotineiramente pelo sistema, enquanto que o usuario-2 somente eventualmente? A análise das entrevistas, bem como o acompanhamento e observação do uso do sistema pelos usuários, forneceram-nos indícios ou sinais que consideramos relevantes para o entendimento da questão. Desde a primeira aplicação das entrevistas, o usuário-1 demonstrou familiaridade com sistema. O grau de maturidade apresentado por ele a respeito de entendimento de como a ferramenta poderia lhe ser útil foi superior ao usuário-2, inclusive dando sugestões bem objetivas do que poderia ser alterado no sistema para estimular a exploração de dados. Somado a isso, o usuário-2 teve uma utilização do protótipo bem menor, uma vez que parte do período destinado para isso, o mesmo encontrava-se em férias. (3) Características pessoais se sobrepõem as do sistema. Nos usuários que não apresentaram predisposição, não se verificou alteração no comportamento dos mesmos na recuperação de informações. Esta afirmação, embora pareça evidente, faz-nos lembrar que embora não possamos alterar predisposições no comportamento dos usuários, podemos desestimular comportamentos quando os mesmos se manifestam. 5. Conclusões do Estudo O estudo aqui apresentado identificou um conjunto de tecnologias emergentes, buscando, com isso, ampliar nosso conhecimento e habilidade em viabilizar tecnicamente um protótipo da maneira mais aderente possível ao modelo conceitual proposto. Ao mesmo tempo, focou-se o conceito de proatividade, relacionando-o com o comportamento do usuário na recuperação de informações: usuários que exibem um comportamento proativo na recuperação das informações são aqueles que, dentro do continuum, combinam formas de busca focada e de exploração de dados, enquanto que os usuários que exibem um comportamento reativo não realizam exploração de dados, restringindo-se a buscas focadas. Após a revisão da literatura, partiu-se para a realização da pesquisa de campo, que foi marcada por dois momentos. No primeiro, estudou-se as percepções, dos usuários e do pesquisador, sobre o comportamento na recuperação de informações no sistema inicialmente em uso. No segundo, buscou-se avaliar as mesmas percepções sobre o uso de um protótipo, mais próximo de um modelo conceitual desenvolvido no sentido de criar condições para a recuperação de informações através da exploração de dados. Consideramos relevante, no sentido de alertar para os possíveis problemas em trabalhos dessa natureza, uma observação relacionada com a seleção do local para a pesquisa de campo. Considerando que um EIS lida com informações relevantes da empresa, e que, de uma maneira geral, já encontramos uma certa resistência no meio empresarial, por motivos até mesmo culturais, em apoiar pesquisas científicas e acadêmicas, essa resistência assume dimensões ainda maiores quando passamos a lidar, alterar e manusear com um sistema que contém informações tão valiosas. Como parte da aprendizagem obtida com esse trabalho, acreditamos que essa tarefa teria sido muito mais fácil se tivéssemos realizado um experimento de laboratório, uma vez que controles são inerentes a esse método e, por outro 11

12 lado, estudos em ambientes naturais dificultam a realização de observações controladas. Entretanto, manteve-se a opção por uma pesquisa de campo, por acreditarmos que o estudo do EIS fora de seu campo natural teria profundidade e riquezas limitadas. Na nossa avaliação, a familiarização com o ambiente, o contexto em que se insere a organização, sua história e elementos de sua cultura mostraram-se indispensáveis. Dois objetivos nortearam o trabalho: revisar o modelo conceitual e avaliar a influência do protótipo construído sobre o comportamento dos usuários na recuperação de informações - segundo a percepção dos mesmos e do pesquisador. No primeiro momento das entrevistas, levantou-se algumas questões que se mostraram aderentes a esses objetivos. No segundo, houve um esforço em respondê-las. Na revisão do modelo conceitual, as três categorias apresentação, flexibilidade e integração - mostraram-se relevantes para a possibilidade de comportamentos proativos. Especificamente em relação à categoria flexibilidade, reforçou-se a importância da implementação da pré-customizabilidade, no qual o sistema apresenta um conjunto pré-definido de consultas mais freqüentes, mas preserve a customizabilidade, permitindo a construção de outras consultas, quando as mesmas se fizerem necessárias. Ou seja, o mito de "quanto mais flexível, melhor" não comprovou-se na prática. A Figura 4 apresenta o modelo conceitual revisado com os resultados da pesquisa empirica. Interface Gráfica com Usuário (padrão GUI) Bom Tempo de Resposta Combinação de Recursos Gráficos Apresentação Telas de Ajuda e Facilidades de Operação Pré-customização, com possibilidades de customização posterior 12

13 Integração Dados Históricos e Atuais, Agregados e Detalhados Armazém de Dados Detalhados Cor Faturamento ren tes Centro Custo His tó ri cos Evolução Diária Faturamento Consolidados Faturamento Global Evolução Anual Faturamento In ter na Ex ter na Formal Vendas da Empresa Vendas dos Concorrentes Informal Análise das Vendas Boato/Vídeo Novo Produto Interface com sistemas especializados em dados informais Dados Internos X Externos & Formais X Informais Mkt Vendas Financ. Máxima abrangência de informações da empresa Figura 4 Modelo conceitual revisado apos pesquisa empirica Outra contribuição importante está relacionada à necessidade dos usuários de que o sistema promovesse o conceito de trabalho em grupo, muito associada ao compartilhamento de informações. O foco é na utilização do sistema como uma ferramenta para disponibilizar as informações e permitir a discussão em torno delas para apoiar a tomada de decisão. Outra constatação adicional e relevante refere-se à intensidade do uso do sistema. Parte das razões apresentadas pelos usuários que apresentaram predisposição para exploração de dados para não utilizarem o sistema dessa maneira, relaciona-se ao fato de que eles não têm suficiente entendimento do sistema. O grau de utilização do sistema não está somente associado às características do sistema, mas também à abrangência das informações contempladas no mesmo. A centralização da maior parte das informações da empresa sob a mesma interface, a mesma forma de navegação, a mesma organização e estrutura facilita o aprendizado e a familiarização com o sistema por parte do usuário, promovendo melhores condições para um efetivo aproveitamento do sistema. No decorrer deste trabalho, reforçamos o conceito da associação de que um comportamento proativo, ao ser relacionado com a recuperação de informações, sendo definido como a combinação de buscas focadas com exploração de dados. Em um extremo estão aqueles usuários que exploram o sistema de forma intuitiva e, em outro, aqueles que regularmente utilizam uma particular seqüência de telas. Um comportamento reativo, na recuperação de informações, seria aquele restrito a buscas focadas. Os resultados corroboraram a idéia de VANDENBOSCH & HUFF (1997) de que a predisposição para um comportamento de exploração de dados seria considerada condição necessária, embora não determinante, para o uso do EIS dentro do continuum busca focada/exploração de dados. Nossa principal conclusão nos leva à afirmar que o sistema pode ser utilizado como uma ferramenta de convite e estímulo a um dado comportamento, mais do que de obstáculo e bloqueio, considerando-se o fato das características pessoais se sobreporem às do sistema. Parte-se do fato de que as características dos sistemas são controláveis e, portanto, pode-se manipulá-las quando da implementação de um protótipo ou sistema. Entretanto, é difícil estabelecer uma relação causa-efeito determinista que possa predizer o comportamento dos usuários em função única e exclusiva das características de um sistema. Um sistema de informação significa um potencial de uso, um leque de opções, não uma garantia de mudança. Existe a interação entre pré-disposições individuais, estímulos ambientais e 13

14 características técnicas que influencia cada resultado final. Conhecer mais profundamente como esta interação acontece constitui um dos grandes desafios do pesquisador na área de tecnologia de informação. Acreditamos que a pesquisa aqui descrita significa uma contribuição para o avanço da pesquisa e prática em projetos de sistemas de informação. Referencias Bibliográficas BANDURA, A. Social Learning Theory. Prentice Hall, NJ, BATEMAN, T.S. e CRANT, J.M.. The Proactive Component of Organizational Behavior: A Measure and Correlates, Journal of Organizational Behaviour, vol. 14, 1993, p CHI, R.T. & TURBAN, E. Distributed Intelligent Executive Information Systems. Decision Support Systems, vol. 14, 1995, p CRANT, M. The Proactive Personality Scale as a Predictor of Entrepreneurial Intentions. Journal of Small Business Management, July ELAM, J.J. & LEIDNER, D.G. EIS Adoption, Use and Impact: the Executive Perspective. Decision Support Systems, vol.14, 1995, p HUBER, G.P. Organizational Learning: The Contributting Process and the Literatures. Organization Science, Vol 2, No. 1, 1991, p PETRINI, M. A viabilidade técnica e o enriquecimento de um modelo de E.I.S - Enterprise Information System com características para comportamentos proativos na recuperação de informações. Dissertação de Mestrado. Escola de Administração, PPGA Programa de Pós- Graduação em Administração, UFRGS, junho de POZZEBON, M. Um Modelo de EIS (Enterprise Information System) que identifica características para comportamentos proativos na recuperação de informações. Dissertação de Mestrado. Escola de Administração, PPGA Programa de Pós-Graduação em Administração, UFRGS, março de POZZEBON, M. & FREITAS, H. Pela Aplicabilidade - com maior rigor científico - dos estudos de caso em Sistemas de Informação. Anais do XXI encontro da ANPAD. Angra dos Reis, RAINER, R.K. & WATSON, H. What does it Take for Sucessfull Executive Information Systems? Decision Support Systems, vol.14, 1995, p SCHNEIDER, B. Interactional Psychology and Organizational Behaviour Research Organizational Behavior, vol. 5, 1983, p TURBAN, E. Decision Support and Expert Systems. Rio de Janeiro, Prentice-Hall, TURBAN, E. & WALLS, J.G. Executive Information Systems - a Special Issue. Decision Support Systems, vol. 14, 1995, p VANDENBOSH, B. & HUFF, S. L. Searching and Scanning: How Executives Obtain Information from Executive Information Systems. MIS Quaterly, March, 1997, p

15 VOLONINO, L.; WATSON, H.J.. & ROBINSON, S. Using EIS to Respond to Dynamic Business Condition. Decision Support Systems, vol. 14, 1995, p Agradecemos a preciosa contribuicao do Prof. Henrique Freitas nas duas dissertacoes de mestrado que deram origem a este trabalho. Esta pesquisa contou com o apoio financeiro do CNPq. 2 Perspectiva psicológica interacionista (BANDURA, 1977; SCHNEIDER, 1983), cujo postulado é que as pessoas influenciam seus ambientes e vice-versa. 3 O termo original em inglês utilizado foi scanning. 4 O termo original em inglês utilizado foi focus search. 15

A definição de categorias para o estudo de comportamentos proativos na recuperação de informações Resumo: 1. Introdução

A definição de categorias para o estudo de comportamentos proativos na recuperação de informações Resumo: 1. Introdução A definição de categorias para o estudo de comportamentos proativos na recuperação de informações Autores: Marlei Pozzebon, Henrique M. R. de Freitas e Maira Petrini Resumo: Este estudo explora o relacionamento

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de

Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de 1 Identificar as mudanças que acontecem na forma e no uso de apoio à decisão em empreendimentos de e-business. Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Descrever

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO:

ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: ATENÇÃO: ESTE ARTIGO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO PARA FINS COMERCIAIS. DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE SER REFERENCIADO COMO: Fabre, Jorge Leandro; Carvalho, José Oscar Fontanini de. (2004). Uma Taxonomia para Informações

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI)

Uma estrutura (framework) para o Business Intelligence (BI) Uma estrutura conceitural para suporteà decisão que combina arquitetura, bancos de dados (ou data warehouse), ferramentas analíticas e aplicações Principais objetivos: Permitir o acesso interativo aos

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações

Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Evolução dos Sistemas de Informação nas Organizações Cristiane Mello 1, Maria F. Marinho 1, Antônio Luiz S. Cardoso 1,2 1 Escola de Administração Universidade Federal da Bahia (UFBA) 41.100-903 Salvador

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1

Como melhorar a tomada de decisão. slide 1 Como melhorar a tomada de decisão slide 1 P&G vai do papel ao pixel em busca da gestão do conhecimento Problema: grande volume de documentos em papel atrasavam a pesquisa e o desenvolvimento. Solução:

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes

Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes Introdução Com o advento da tecnologia e o maior acesso do público em geral a Internet, o aprendizado on-line (e-learning) tem sido cada vez mais procurado por profissionais

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral

Sistemas de Apoio à Decisão. Vocabulário e conceitos Vista geral Sistemas de Apoio à Decisão Vocabulário e conceitos Vista geral Decisão A escolha de uma entre várias alternativas Processo de tomada de decisão (decision making) Avaliar o problema Recolher e verificar

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Sistema de Informação

Sistema de Informação Sistema de Informação É um conjunto de partes coordenadas, que buscam prover a empresa com informações, com o objetivo de melhorar a tomada de decisões. Conjunto organizado de pessoas, hardware, software,

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

O Desenvolvimento de Sistemas de Informação como campo privativo do Administrador

O Desenvolvimento de Sistemas de Informação como campo privativo do Administrador O Desenvolvimento de Sistemas de Informação como campo privativo do Administrador Com o advento da Escola Clássica da Administração, Taylor e Fayol proporcionaram para o mundo corporativo um método científico

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD)

CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) 1 CAPÍTULO 7. SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO (SAD) SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO (SSD) A necessidade dos SAD surgiu em decorrência de diversos fatores, como, por exemplo: Competição cada vez maior entre as

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação

Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Ontologia para Gestão de Competências dos Profissionais em Tecnologia da Informação Paulo Roberto Corrêa Leão; Káthia M. Oliveira; Eduardo A. D. Moresi Universidade Católica de Brasília (UCB) SGAN 916

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Solução em Software e Automação Comercial

Solução em Software e Automação Comercial Solução em Software e Automação Comercial EMPRESA A Aps Informática é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltados para a gestão empresarial localizada em Recife, Pernambuco. Desde 1992 no mercado,

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais