CLAUDIA MORENO BELLAS INFORMAÇÃO GOVERNAMENTAL: PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CLAUDIA MORENO BELLAS INFORMAÇÃO GOVERNAMENTAL: PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO"

Transcrição

1 CLAUDIA MORENO BELLAS INFORMAÇÃO GOVERNAMENTAL: PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Sistema de Gestão da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Orientador: Prof. Fernando Toledo Ferraz, D.Sc. Niterói 2004

2 CLAUDIA MORENO BELLAS INFORMAÇÃO GOVERNAMENTAL: PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Sistema de Gestão da Universidade Federal Fluminense, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre em Sistemas de Gestão. Área de concentração: Sistema de Gestão pela Qualidade Total. Aprovada em 19 de maio de 2004 BANCA EXAMINADORA: Prof. Fernando Toledo Ferraz, D.Sc. Universidade Federal Fluminense Prof. Luiz Perez Zotes, D.Sc. Universidade Federal Fluminense Profª Phyllis Catharina Romijn, Ph. D. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro

3 Compartilho a conclusão deste trabalho com José Luiz, companheiro em todos os momentos, pela energia propulsora que sua presença produz na minha vida e dedico à Patrícia e Priscila, filhas queridas, que fazem tudo ficar mais leve, cheio de frescor e risos.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a meu Pai, Deus Jeová, por conspirar para meu ingresso no mestrado. Sua companhia, orientação e inspiração na duração de todo o trabalho e ainda a seleção de colegas tão especiais para composição de minha turma. Pessoas que farão para sempre parte de uma lembrança especial de ser visitada, onde conheci bons profissionais e ganhei amigos. Agradeço à Dra. Phyllis Catharina Romijn pesquisadora da PESAGRO que abriu espaço na sua agenda para participar da fase de conclusão deste trabalho. Agradeço ao Prof. Dr. Fernando Toledo Ferraz pela orientação que proporcionou o aprimoramento deste trabalho e ao Prof. Dr. Luiz Perez Zotes, com quem tive a gratificante oportunidade de trocar idéias sobre este tema. Agradeço à Carla Elaine M. de Vasconcelos Carvalho bibliotecária do Ministério do Planejamento que gentil e prontamente atendeu todas as solicitações de consultas à biblioteca, no decorrer do desenvolvimento deste trabalho. Agradeço à Cecília, minha mãe e a querida tia Zeny, duas mulheres incríveis que com suas vidas nos ajudaram a construir a nossa, ensinando fibra, coragem, tolerância, perseverança, honestidade, amor, fé e sempre nos colocaram em suas orações. Às minhas irmãs Cleyde e Carla sempre me incentivando a seguir adiante e valorizando o meu trabalho. Aos amigos Gerda e Ernani Vasconcellos, cujos ensinamentos e presença carinhosa deixaram marcas, valores estruturais para meu desenvolvimento e vida. Aos meus amigos de toda a vida, que, com sua presença e amor, pequenos gestos ou palavras, contribuíram para a minha chegada em mais esta etapa.

5 Conhecimento, sem visão e força moral, gera tecnocratas. Força moral, sem visão e conhecimento, gera ideólogos. Visão, sem força moral e conhecimento, gera demagogos. Warren Bennis

6 RESUMO Este trabalho procura sinalizar circunstâncias que envolvem observação, registro, guarda e captura de dados e formação de grupos de dados que, associados, são partes para composição de informações e, através de sistemas, colaboram para sustentar ações da Administração Pública. Tem como objetivo de entender como, no processo de composição da informação nas bases da organização, se localizam fragilidades que afetam o resultado final das informações que apóiam decisões governamentais. PALAVRAS-CHAVE: Informação, Administração Pública e Decisões Governamentais.

7 ABSTRACT This work searches circumstances that signal the involvement of observation, registration, maintenance and capture of data and formation of groups of data, that, associated, are parts for the composition of information that, through systems, collaborate to sustain actions of the Public Administration. It has as main objective the understanding as where, in the process of composition of the information at the base and tips of the organization, are located fragilities that affect the final result of the information that support government decisions. KEYS-WORDS: Information, Public Administration and Government Decisions.

8 LISTA DE SIGLAS A C CAPES CNPq CPD D E EIS IFES LGT MIS N R SAD SI SsIs SIE SIG SPT I I NR INSS I R TRT-SP Articulada Circulante Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Conselho Nacional de Pesquisa Centro de Processamento de Dados Disponível Estanque Executive Information Systems Instituição Federal de Ensino Superior Lei Geral de Telecomunicações Management Information System Não Registrada Sistema de Apoio à Decisão Sistema de Informação Sistemas de Informações Sistema de Informações Executivas Sistema de Informações Gerenciais Sistemas de Processamento de Transações Informação Informação Não Registrada Instituto Nacional de Seguridade Social Informação Registrada Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 12 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVAS DA DISSERTAÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVVOS ESPECÍFICOS JUSTIFICATIVA E IMPORTÂNCIA DO TEMA DELIMITAÇÃO DO ESTUDO METODOLOGIA ADOTADA Levantamento de Casos Limitações da Metodologia Adotada Mapa do Processo AMOSTRA 19 3 REVISÃO DA LITERATURA E CONCEITOS A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL CONCEITOS E DEFINIÇÕES Dados / Informação / Conhecimento Dados Informação Decisão O Sistema de Informações 32 4 PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO GRUPOS DE DADOS Armazenamento Registro Mental Registro em Papel Registro em Meio Eletrônico Atualização Utilização Combinação dos Modos Anteriores 47

10 4.2 CLASSIFICAÇÃO DE TIPO DE INFORMAÇÃO RELACIONANDO A 50 TIPO DE DADO De Acordo com a Forma de Armazenamento, de Guardar Dados De Acordo com a Atualização, Data de Registro do Dado De Acordo com a Utilização De Acordo com a Disponibilidade De Acordo com a Conseqüência COERÊNCIA DA INFORMAÇÃO Qualidade no Acerto da Informação Homogeneidade Forma ÁREA DE INFLUÊNCIA NA BUSCA DA EFICIÊNCIA NA 56 INFORMAÇÃO 4.5 INFORMAÇÃO SETORIAL, ORGANIZACIONAL, GOVERNAMENTAL Informação Setorial Informação Organizacional Informação Governamental Número de Partes e Distância na Informação Informações Privilegiadas e Desconhecimento da Realidade TIPOS DE INORMAÇÕES 68 5 APLICAÇÃO DO MODELO E DISCUSSÃO EXEMPLOS INFORMAÇÕES GOVERNAMENTAIS: ÁREA DE CONCENTRAÇÃO Informações Registradas Informações Não Registradas CONCLUSÕES PRIMEIRA E PRINCIPAL CONCLUSÃO 108 DEFINIÇÃO DE INFORMAÇÃO EFICIENTE

11 6.2 SEGUNDA CONCLUSÃO 108 SUGESTÃO DE ESCALA PARA MEDIR EFICIÊNCIA NA INFORMAÇÃO 6.3 TERCEIRA CONCLUSÃO 109 DECISÃO DISCRICIONÁRIA E IDIOSSINCRÁTICA 6.4 QUARTA CONCLUSÃO 109 EVIDÊNCIAS DA EXISTÊNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ESTANQUES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 6.5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 110 REERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 112

12 12 1 INTRODUÇÃO A evolução na área de informação, associada às ciências de telecomunicações, introduziu agilidade e novas possibilidades na geração de canais para troca e conhecimento em todos os ângulos da comunicação humana. Somando-se a esse processo ocorreu a revolução conseqüente das formas de registrar, arquivar e acessar dados. A capacidade introduzida de organizar, selecionar e distribuir instantaneamente uma infinidade de itens causa a conseqüente geração de ferramentas que transformam as formas de trabalho no mundo inteiro. A partir de então as distancias geográficas não representam mais barreiras para comunicação e trocas instantâneas de dados e tamanho de arquivos também não representa mais dificuldade de busca e acesso rápido a informações. Na busca de colaborar no trato dos serviços públicos e para melhor corresponder a anseios e necessidades da sociedade, a Administração Pública imprime esforços para a plena utilização de tecnologias que ora se apresentam. Vive assim momento de transição e adaptação a desafios trazidos através de circunstâncias resultantes, que afetam profundamente suas atividades inserindo diferentes conceitos que influenciam desde cultura até rotina organizacional, incluindo novos processos e equipamentos. Um breve fato que serve para ilustrar com bom humor a necessidade de informações de qualidade baseadas em dados confiáveis no ambiente organizacional: Ao final de uma palestra, o executivo encontra um grande guru da administração e pergunta: Oh guru, como eu posso garantir o sucesso para minha empresa? O guru responde: Informação. Então o executivo faz outra pergunta: Oh guru, o que eu mais devo temer? O guru responde: Dados. (Singh 1997). As arrumações para guarda e acesso à dados são uma seqüência evolutiva, conseqüência de necessidades de informações das empresas frente à competição, acompanhada de avanços tecnológicos.

13 13 As empresas normalmente não sofrem de falta de dados, mas de uma abundância e redundância de dados inconsistentes. A forma como é guardado o dado, como é registrado, está intimamente ligada a intenção de sua aplicação e como será capturado para fazer parte de determinado tipo de utilização. Funciona como uma hierarquia de complexidades. Há a situação de dado simples registro, dados gerando dados, esses gerando outros e então aparecem várias definições para cada tipo, de acordo com sua localização dentro da hierarquia. À guisa de contribuir para a consciência do que ocorre quanto a registros de dados e informações circulantes, durante esse período em que a estrutura administrativa do Estado convive com organizações públicas em vários níveis introduzidas na assimilação das novas tecnologias para desenvolvimento de suas atividades, este trabalho discorre sobre a composição de informações, disponíveis para tomada de decisão dos gestores do Serviço Público brasileiro neste período de inserção. O olhar deste trabalho foca dados, caracterizando-os e propõe a classificação de informações. O universo a ser analisado é um sub-conjunto, tomado como representativo de outros segmentos do universo do Serviço Público. Busca-se acrescentar detalhes e dar ênfase à forma de composição e disponibilidade do conjunto de informações que se oferecem para a administração, nos seguimentos operacionais e de gestão, reflexo para o atendimento de necessidades do setor público.

14 14 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVAS DA DISSERTAÇÃO 2.1 OBJETIVO GERAL Verificar a composição de informações da Administração Pública na busca de colaborar para o cumprimento do estabelecido na Carta Maior 1 com o Princípio da Eficiência. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Verificar, através de observações em uma Instituição Pública, como se formam as informações através de dados retirados de vários sistemas informacionais existentes dentro das organizações governamentais, em fase de absorção de novas tecnologias. b) Analisar como o estado da arte dos dados, de acordo com a forma de registro e a captura para reunião, definem classes de informações e sua confiabilidade. c) Mostrar como a informação que contém lacunas prejudica processos administrativos e acrescenta motivos para a lentidão da máquina pública. d) Mostrar que tipo de informação está disponível para a administração gerir seus atos, tomar decisões, analisar processos de agrupamento de dados e definir níveis de precisão na composição de informações. 1 Carta Maior ou Constituição da República.

15 JUSTIFICATIVA E IMPORTÂNCIA DO TEMA A proposta desse trabalho se justifica pelo desafio que representa para a Administração Pública obter informações precisas e confiáveis, seja em relação a recursos humanos, técnicos, patrimoniais ou nos demais setores de administração do conjunto. Mesmo utilizando as melhores ferramentas analíticas possíveis, sempre haverá falhas de interpretação, tanto no trabalho do analista quanto no que seu cliente, o gerente, consegue transmitir sobre a informação que deverá ser gerada. De acordo com Gane e Sarson, (1983):... não existe ferramenta analítica que possibilite ao analista saber o que o usuário pensa mas não diz. Os problemas são apontados em todas as instâncias do Serviço Público: Conforme Silveira (2003), para a Administração Pública federal, Outro grande desafio é a informação gerencial. A organização por programa dá a transparência, mas também demanda informação. E num ambiente nosso, atual, de políticas descentralizadas, onde muitas delas vão ao município, há necessidade de uma infra-estrutura de informação, com capacidade de capturar, sentir e medir a informação que vem lá da ponta para a administração do governo federal. Conforme Abrucio (2003), o segundo tópico mais relevante dentre os principais problemas dos governos estaduais é a organização das bases de dados: Para muitas questões simplesmente não há informações disponíveis, tornando impossível o planejamento das políticas públicas a presença desse problema, dada sua magnitude, chega a ser uma situação de Calamidade Pública.

16 16 E sobre a disponibilidade de informações como instrumento de apoio à decisão nas IFES - Instituições Federais de Ensino Superior, diretores de CPD - Centros de Processamento de Dados (2002), relataram: As IFES não dispõem desses instrumentos ágeis, confiáveis, preciosos, abrangentes, integrados e tratamento de dados e informações que as tornem aptas sequer a ter uma visão global e acurada de si próprias. Administração Pública é um serviço direcionado à sociedade e tem como premissa proporcionar o bem social. A busca do interesse público se faz presente em todas as instâncias do conjunto administrativo governamental nas esferas federal, estadual ou municipal. Em países de estrutura federativa, uma informação completa de governo, de interesse para o cidadão (nas áreas de saúde, educação, tributos etc.) é composta pela agregação de informações oriundas dos níveis de governo federal, estadual, e municipal, (Mello, 2000). Como o geral se compõe pela associação de partes, este trabalho escolhe, por meio de seleção e do olhar pontual, descrever como situações acontecidas no ambiente micro geram modificações na composição das informações do macro, seja ocasionando deformações ou criando lacunas. Discute-se sobre conseqüências relativas à freqüência na utilização de informações que aqui podem ser classificadas como pouco eficientes: no favorecimento à tomada de decisão de forma idiossincrática e discricionária, como essa utilização impede o confronto de dados e oculta informações sobre discrepâncias, dificulta controle e possibilita proliferação de atos de improbidade e falta de licitude. E também, propiciando espaço para aqueles do Serviço Público que desejam praticar atos de improbidade. O universo a ser analisado é um sub-conjunto tomado como representativo de outros segmentos do universo do Serviço Público. Busca-se dar ênfase à forma de composição e disponibilidade do conjunto de informações que se oferecem para a administração, nos

17 17 seguimentos operacionais e de gestão, reflexo para o atendimento de necessidades do Setor Público. 2.4 DELIMITAÇÃO DO ESTUDO Esta dissertação discorre sobre informação governamental, detalhando a formação das informações através de decomposição para análise de partes. Tem como foco desenvolver considerações sobre informações resultantes de diferentes maneiras presentes na administração pública na forma de registrar, guardar, capturar e agrupar dados. Parte de considerações sobre a base de registros e sugere uma classificação de tipos de informação resultante. Trata de sistemas de informações no que diz respeito a considera-los na forma de movimentação relacionada à base de registros. Limita-se a discorrer sobre a base de registros de dados, subsídios para composição de informações no conjunto de sistemas de informações governamentais. Não analisa a estrutura de sistemas existentes no meio eletrônico nem os problemas analíticos que esses possam gerar. 2.5 METODOLOGIA ADOTADA Considerando-se a necessidade de escolha de uma estratégia de pesquisa abrangente, pela complexidade do tema, optou-se pela metodologia de Pesquisa Explicativa: Estudo de Caso. Conforme Yin (2001), essa estratégia é muito utilizada para pesquisas em Administração Pública. Afirma que o tópico das decisões é o foco principal dos estudos de caso e cita Schramm (1971),... a essência de um estudo de caso, a principal tendência em todos os tipos de estudo de caso, é que ela tenta esclarecer uma decisão ou um conjunto de decisões: o motivo pelo qual foram tomadas, como foram implementadas e com quais resultados.

18 Levantamento de Casos Os casos aqui descritos foram levantados na experiência profissional e durante a experiência de vida da autora e serão analisados a luz da classificação proposta Limitações na Metodologia Adotada As limitações e dúvidas citadas na literatura por alguns pesquisadores, relativas a essa metodologia de pesquisa histórica e bibliográfica são, segundo Yin (2001), a possibilidade de influência nas conclusões pela aceitação, por parte do pesquisador, de evidências equivocadas ou visões tendenciosas e ainda sobre o método qualitativo de investigação ser passível de questionamentos quanto à generalização a partir de casos únicos. Localizado nesta direção o trabalho não se propõe envolver todo o Sistema de Informações, concentra-se no que tange a dados, registros base de composição de informações Mapa do Processo Buscou-se mostrar como a base de registros institucionais é montada, sua disponibilidade e correspondência no auxílio à administração. Sendo assim foram seguidas as seguintes etapas: - Inicia-se com uma pesquisa para identificação da estrutura governamental brasileira, conceitos e leis do Serviço Público bem como características e formas de registros existentes nas organizações e segmentos de estudos desse trabalho. Para registrar desde a história até o desenho da arte atual das organizações institucionais e cenários envolvidos, foi utilizada principalmente pesquisa na internet em instituições do governo, documentos eletrônicos e literatura formal.

19 19 - Em seguida foi feita leitura criteriosa da bibliografia sobre conceitos, com ênfase na utilização e armazenamento de dados para composição de informações. - Depois foram relacionadas evidências, a partir das quais se elaboram grupos para tipos de informação administrativa presente no Serviço Público, relacionados a grau de correspondência com a realidade. Então se elaborou hipóteses que justificam a necessidade de medir a informação. 2.6 AMOSTRA Embora todas as categorias da Administração Indireta sejam tidas como em seu todo formando o aparelho administrativo da União, a Instituição da Administração Indireta de categoria Autárquica foi escolhida para ambiente do trabalho desta pesquisa, por ser este um segmento representativo do Serviço Público e situar-se em um ponto extremo da estrutura administrativa, no que tange à coleta de dados e informações. Assim, vem ao encontro às intenções desse trabalho que pretende descrever sobre a ponta extrema de coleta e fornecimento dos dados na base, origem da composição de informações do Serviço Público. Na categorização, as Autarquias, foram normativamente apontadas como predispostas a executar atividades típicas da Administração Pública 2.(Mello, 2000). O corpo profissional da organização estudada é contratado sob regime da Consolidação das Leis do Trabalho, as disposições legais constam do Estatuto dos Funcionários Públicos Civis da União e da Legislação do Trabalho. O pessoal técnico e administrativo desempenha atividades que não se relacionam diretamente com a função da Instituição e se classifica conforme legislação específica. Aplica-se ao pessoal técnico administrativo o Estatuto dos Funcionários Civis da União, salvo em relação ao regido pela Consolidação das Leis do Trabalho. 2 Grifo da Autora deste trabalho: C. M. Bellas.

20 20 3 REVISÃO DA LITERATURA E CONCEITOS 3.1 A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO BRASIL Tecnologia é o conjunto de conhecimentos que são utilizados para operacionalizar as atividades na empresa para que seus objetivos possam ser alcançados. (Oliveira D., 1993). Para tratar de informação gerencial e governo, faz-se necessário discorrer sobre o setor de telecomunicações, que tem papel importante na TI (Tecnologia de Informações), constituindo-se na via física por onde se fazem a maioria das comunicações do conjunto governamental. Tait (2000), define TI como sendo: computadores, software, redes públicas e privadas de comunicação eletrônica, rede digital de serviços, tecnologia de telecomunicações, protocolos de transmissão de dados e outros serviços. História A história do setor de telecomunicações no Brasil começa do século XIX (Brandão, 1996): ano em que foram regulamentados os serviços de correios e telégrafos ano em que se iniciam os serviços de telegrafia elétrica no Rio de Janeiro ano da chegada desse serviço em Recife e Maceió, na região Nordeste ano da instalação do primeiro telefone no País. No período inicial o telefone foi instalado para utilização somente da comunicação entre as repartições públicas, órgãos militares e corpo de bombeiros começam a ser explorados os serviços de radiotelefonia internacional é criada a Empresa de Correios e Telégrafos. Segundo Siqueira (1993), a evolução do setor de telecomunicações no Brasil, até o início dos anos 90, poderia ser dividida em cinco etapas distintas de desenvolvimento: - Estagnação ( )

21 21 Falta de política para o setor. Final do período com mais de 900 companhias de telefonia e serviços municipais operando no território nacional com dificuldades operacionais e de interligação. Concessões de serviços de telecomunicações distribuídas pelos governos federal, estadual e municipal, gerando crescimento desordenado, oneroso e sem compromisso de qualidade no setor (Telebrás, 2001). Em 1961 criou-se o Conselho Nacional das Telecomunicações CONTEL. - Reorganização ( ) O Código Brasileiro de Telecomunicações CBT, Lei de 27 de agosto de 1962 dá início à etapa de Reorganização, quando havia cerca de 1,2 milhões de telefones para uma população de mais de 75 milhões de habitantes. A densidade de telefones no Brasil até 1964 é de pouco mais de 1 telefone para cada 100 habitantes. Em 16 de setembro de 1965, baseado na Lei, nasce a Embratel cuja principal missão era interligar o território nacional e viabilizar a comunicação internacional automática (Paste, 2000). O Ministério das Comunicações foi criado em 1967 como órgão do poder Executivo Federal, encarregado da elaboração e do cumprimento das políticas públicas do setor de comunicações. Atividades fundamentais nas áreas de: radiodifusão, serviços postais e telecomunicações. Logo o Contel e a Embratel foram vinculados a esse ministério. Conforme Brandão (1996) essas iniciativas criaram uma centralização administrativa fundamental, visto que os órgãos governamentais responsáveis pela coordenação das atividades de telecomunicações estavam pulverizados, o que dispersava as ações no setor. Com a aprovação do CTB o governo passou a monopolizar a concessão dos serviços e centralizou a operação do Sistema de Telecomunicações. - Decolagem ( ) Ou ciclo expansivo conforme Brandão (1996) começou em 1967 e durou até a metade dos anos 70 quando a Telebrás deu início a um plano de dois milhões de linhas telefônicas. A Telebrás Telecomunicações Brasileiras S.A. - nasceu através da Lei de 11 de junho de 1972, vinculada ao ministério das comunicações. Tinha missão de prestar serviços de telecomunicações com qualidade, político, econômico e social do País. Siqueira (1993) relata que o monopólio foi o primeiro modelo de organização das telecomunicações em todo o mundo e, até o início dessa fase, a maioria dos países adotava o regime do monopólio, seja estatal ou privado. Em 1974, o Decreto

22 22 designa a Telebrás concessionária geral para exploração dos serviços públicos de telecomunicações em todo o território nacional. Foi um período de inusitada expansão e extraordinárias transformações (Brandão, 1996; Coutinho et al., 1995). - Turbulência ( ) A fase mais dinâmica e conturbada e se estendeu até o fim do regime militar em 1985 (Siqueira, 1993). Nessa fase houve crescimento com DDD, cabos submarinos, comunicações via satélite, porém surgiram problemas com o monopólio. A prioridade dos investimentos foi reduzida e as tarifas locais corrigidas abaixo dos índices de inflação. Representava um sério problema para as operadoras, resultando em congestionamento de serviços, demanda represada, ociosidade industrial e retrocesso tecnológico. Nesse período a Telebrás consolidou o processo de absorção de empresas que prestavam serviços telefônicos ao País. A incorporação das companhias telefônicas fez a Telebrás ficar responsável pela operação de mais de 95% dos terminais telefônicos. - Crise ( ) Nesse período ocorreram problemas industriais e tecnológicos, elevação na demanda represada, operadoras estatais menos profissionais, politização das diretorias da Telebrás e suas subsidiárias e defasagem dos novos serviços (Siqueira, 1993). Havia carência de infra-estrutura de suporte ao desenvolvimento, porém a partir de 1985 inicia-se a implantação de terminais digitais instalados em São Paulo. Em 1987 a taxa de digitalização era de 2,9%. A partir dessa data foram estabelecidas diretrizes para que todas as centrais de comutação contratadas fossem digitais. A digitalização permitiu integrar diversos serviços numa mesma rede, viabilizando a utilização de um canal para voz, dados e imagem além de multiplicar a velocidade de transmissão e fidelidade dos sinais. As grandes marcas da década de 80, segundo Brandão (1996) foram: atrasos na expansão da rede, troca e implantação de equipamentos, descontinuidades na expansão da digitalização e outros que degradaram e encareceram os serviços do sistema. Em 5 de outubro de 1988 a Constituição ratifica a posição do governo sobre os serviços de telecomunicações no País:

23 23 Artigo 21 Compete à União:... Inciso XI Explorar diretamente ou mediante concessão a empresas sob controle de capital estatal, os serviços telefônicos, de transmissão de dados e demais serviços públicos de telecomunicações, assegurada a prestação de serviços de informações por entidades de direito privado através da rede pública de telecomunicações explorada pela União. O papel e importância das telecomunicações para a economia e a sociedade são um assunto onde não há dúvidas e isso reforça a necessidade de investimentos crescentes na expansão e na modernização do sistema brasileiro. As telecomunicações, como fator de integração regional e social, além de elemento de competitividade, precisam de adequação e atualização de forma contínua, frente às transformações organizacionais e tecnológicas que acontecem nos países industrializados. (Brandão, 1996). Através da Emenda Constitucional número 8 o presidente Fernando Henrique Cardoso inicia o processo para eliminar o monopólio estatal de telecomunicações. Em 1998 faz a privatização do sistema através da LGT Lei Geral de Telecomunicações, aprovada no Congresso Nacional em 16 de julho de Para facilitar dividiu a Telebrás em três empresas locais e mantendo a Embratel como empresa de longa distância. As novas empresas eram a Tele Norte-Leste, a Tele Centro-Sul e a Telesp. A LGT também criou a Anatel Agência Nacional de Telecomunicações para viabilizar as privatizações e depois exercer as atividades de regulamentar, outorgar e fiscalizar. A Anatel foi criada como uma autarquia especial, sendo administrativamente independente, financeiramente autônoma e não subordinada hierarquicamente a nenhum órgão do governo (Anatel, 2001). Estão entre suas principais atribuições: implementar a política nacional de telecomunicações; propor o plano geral de metas para a universalização dos serviços de telecomunicações; atuar na defesa e proteção dos direitos do cliente (usuários dos serviços); propor o plano geral de outorgas; estabelecer restrições, limites ou condições a grupos empresariais para obtenção e transferência de concessões, permissões e autorizações, de forma a garantir a competição e impedir a concentração econômica no mercado; estabelecer a estrutura tarifária de cada modalidade de serviços prestados em regime público.

24 CONCEITOS E DEFINIÇÕES A estrutura administrativa da organização federal está regulada pelo Decreto-lei 200 de e suas alterações posteriores. Divide a Administração Pública em Administração Direta e Indireta. Nos termos desse decreto, a Administração direta é a que se constitui dos serviços integrados na estrutura administrativa da Presidência da República e dos Ministérios (art.4 o, I), e a Administração Indireta é a que compreende as seguintes categorias de entidades dotadas de personalidade jurídica própria: a)autarquias 4 ; b)empresas Públicas; c)sociedades de Economia Mista; d)fundações Públicas. Autarquias são pessoas de Direito Público criadas por lei pelo Estado para auxiliá-lo em suas atividades,.. Pois as Sociedades de economia mista e empresas públicas são pessoas de Direito Privado e as fundações públicas foram configuradas como sujeitos criados para o desenvolvimento de atividades que não exijam execução por órgãos ou entidades de Direito Público (Lei de ). (Mello, 2000) Dado / Informação / Conhecimento É preciso conceituar dado, informação e conhecimento para situar a diferença e relação entre eles. Conforme Tronchin (1998) dados são os componentes básicos a partir dos quais a informação é criada. Informações são dados inseridos em um contexto. Contexto é a situação que está sendo analisada. A partir da informação vem o conhecimento, que permite tomar decisões. 3 Grifo da Autora deste trabalho: C. M. Bellas. 4 Grifo da Autora deste trabalho: C. M. Bellas.

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Material adicional: Sistemas de Informação livro Osistema de Informação : Enfoque Gerencial... livro O Analista de Negócios e da Informação... 1. Conceito de Sistema A palavra sistema envolve, de fato,

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda

Data Warehouse. Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Debora Marrach Renata Miwa Tsuruda Agenda Introdução Contexto corporativo Agenda Introdução Contexto corporativo Introdução O conceito de Data Warehouse surgiu da necessidade de integrar dados corporativos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP

EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP GESTÃO DAS INFORMAÇÕES EVER SANTORO www.eversantoro.com.br DOCENCIA > UNIP CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMAÇÃO EXPOSIÇÃO DA DISCIPLINA Cultura da informação Informação estratégica Conceito ampliado de informação

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais