PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO"

Transcrição

1 COLÉGIO ESTADUAL SÃO FRANCISCO DE ASSIS PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CAMPO LARGO 2010

2 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇAO DA ENTIDADE ESCOLAR Identificação da Instituição: Modalidade: Mantenedora: Ato de Autorização de Funcionamento: Reconhecimento do Estabelecimento e do Curso do Ensino Fundamental: Reconhecimento do Ensino Médio: Turno: Horário Escolar: Horários das aulas: Turmas: Número de alunos por turno: Número de alunos por turma: Condições Físicas e Materiais: Materiais do Laboratório: Acervo de Mapas: Patrimônio da FUNDEPAR: Através do Programa Dinheiro Direto da Escola, o Colégio adquiriu: Patrimônio da APM: Relação do Corpo Docente: Relação da Equipe Técnico-administrativo: OBJETIVOS GERAIS: MARCO SITUACIONAL Histórico de Campo Largo: Aspectos Físicos do Município: Histórico da Instituição: Perfil da Comunidade: Diagnóstico da Realidade:...22

3 5 MARCO CONCEITUAL Filosofia Educacional: Concepção de homem: Concepção de sociedade: Concepção de trabalho: Concepção de educação: Campo e Educação do Campo: Concepção de currículo: Concepção de avaliação: Concepção de gestão: Concepção de Inclusão MARCO OPERACIONAL Plano de Formação Continuada para os Professores: AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DO P.P.P MATRIZ CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ CURRICULAR DO ENSINO MÉDIO DISCIPLINAS DO ENSINO FUNDAMENTAL BASE NACIONAL COMUM LÍNGUA PORTUGUESA MATEMÁTICA HISTÓRIA GEOGRAFIA CIÊNCIAS EDUCAÇÃO FÍSICA ARTES ENSINO RELIGIOSO DISCIPLINAS DA PARTE DIVERSIFICADA DO ENSINO FUNDAMENTAL LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA INGLES LÍNGUA PORTUGUESA ARTE EDUCAÇÃO FÍSICA...189

4 11.5 QUÍMICA BIOLOGIA FÍSICA MATEMÁTICA GEOGRAFIA HISTÓRIA SOCIOLOGIA FILOSOFIA DISCIPLINAS DA PARTE DIVERSIFICADA DO ENSINO MÉDIO LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS...286

5 1 - APRESENTAÇÃO Pensar num projeto de educação implica pensar o tipo e qualidade de escola, concepção de homem e da sociedade que se pretende construir. O Projeto Político Pedagógico é a própria organização do trabalho pedagógico escolar como um todo em suas especificidades, construído e vivenciado por todos os envolvidos com o processo educativo da escola. É uma ação intencional e um compromisso definido coletivamente, o qual se relaciona em uma dimensão política, pois articula o compromisso sócio-político aos interesses da comunidade, e outra dimensão em que define as ações educativas, pois reside na possibilidade de se efetivar a intenção escolar que é a formação do cidadão. Portanto, os inúmeros problemas educacionais e o verdadeiro papel da educação formal são motivos de ampla discussão, necessitando de um esforço coletivo para vencer as barreiras e entraves que inviabilizam a construção de uma escola pública que eduque de fato para o exercício pleno de cidadania e seja instrumento de real transformação social. Nesse sentido, considera-se o Projeto Político-Pedagógico como um processo permanente de reflexão e discussão de problemas escolares, na busca de alternativas viáveis à efetivação de sua intencionalidade, propiciando a vivencia democrática necessária para participação de todos os membros da comunidade escolar e o exercício da cidadania, que atende as exigências legais da Constituição Federal, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBM), das Diretrizes do Conselho Estadual de Educação do Paraná (CEE), das Diretrizes e Princípios da Secretaria de Educação do Estado do Paraná, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e da Lei de 09/01/2003, sobre diversidade e inclusão social, assumindo um pacto pela qualidade de ensino e não enxergar o Projeto Político-Pedagógico apenas como um cumprimento da lei. Diante desse compromisso de um ensino de qualidade, o Colégio estadual São Francisco de Assis sente-se desafiado a construir um Projeto Político-Pedagógico abordando alguns princípios que norteiam a escola pública e gratuita: igualdade de

6 condições para acesso e permanência na escola; qualidade de ensino para todos; gestão democrática, que inclui a ampla participação dos representantes dos diferentes segmentos da escola nas decisões e ações administrativo-pedagógicas desenvolvidas; com a finalidade de formar cidadãos conscientes e críticos, capazes de compreender a realidade, atuando na busca da superação das desigualdades e do respeito humano. (...) Na dimensão pedagógica reside a possibilidade de efetivação da intencionalidade da escola, que é a formação do cidadão participativo, responsável, compromissado, crítico e criativo. Pedagógico, no sentido de se definir as ações educativas e as características necessárias às escolas de cumprirem seus propósitos e sua intencionalidade (Veiga, 1995). 2 ORGANIZAÇAO DA ENTIDADE ESCOLAR 2.1 Identificação da Instituição: Nome Colégio Estadual São Francisco de Assis Endereço Estrada Nair Ferreira Leal da Trindade, s/nº Três Córregos - Campo Largo / PR CEP: Modalidade: Ensino Fundamental e Ensino Médio 2.3 Mantenedora: GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DA ÁREA METROPOLITANA SUL Av. Iguaçu, 420 Rebouças CEP: Curitiba/PR Fone: / 2818 FAX: Ato de Autorização de Funcionamento: Res. Nº 258/98 DOE de 05/03/ Reconhecimento do Estabelecimento e do Curso do Ensino Fundamental:

7 Res. Nº 3307/03 DOE de 03/12/ Reconhecimento do Ensino Médio: Res. Nº 2894/04 DOE de 17/09/ Turno: Diurno: Manhã e tarde Horário Escolar: Manhã: 7:30 as 11:50 horas Tarde: 13:00 às 17:20 horas Horários das aulas: MANHÃ TARDE 1ª aula- 7:30 às 8:20 1ª aula -13:00 às 13:50 2ª aula - 8:20 às 9:10 2ª aula- 13:50 às 14:40 3ª aula- 9:10 às 10:00 3ª aula-14:40 às 15:30 Recreio- 10:00 às 10:10 Recreio as ª aula- 10:10 às 11:00 4ª aula- 15:40 às 16:30 5ª aula- 11:00 às 11:50 5ª aula- 16:30 às 17: Turmas: Período da Manhã: Ensino Fundamental - 5ª A, 6ªA, 7ª A, 8ª A Ensino Médio - 1ªA, 2ªA, 3ªA

8 Período da Tarde: Ensino Fundamental - 5ª B, 5ª C, 6ª B, 7ª B, 8ª B Ensino Médio - 1ªB, 2ªB, 3ªB 2.11 Número de alunos por turno: Manhã: 190 Tarde: Número de alunos por turma: E.F. E.M. TURNO TURMA N DE ALUNOS Manhã 5ª Serie A 27 Tarde 5ª Serie B 29 Tarde 5ª Serie C 29 Manhã 6ª Serie A 30 Tarde 6ª Serie B 29 Manhã 7ª Serie A 32 Tarde 7ª Serie B 31 Manhã 8ª Serie A 29 Tarde 8 Série B 32 Manhã 1º Ano A 31 Tarde 1º Ano B 27 Manhã 2º Ano A 18 Tarde 2º Ano B 18 Manhã 3º Ano A 23 Tarde 3º Ano B Condições Físicas e Materiais: O Colégio Estadual São Francisco de Assis funciona no mesmo prédio da Escola Municipal Augusto Pires de Paula, o prédio é municipal e através de uma parceria entre o governo e o município foram cedidas neste ano de 2010 quatro salas de aula, uma sala para biblioteca, um laboratório que foi extinto no ano de 2006 pela direção municipal, uma sala onde funciona secretaria, supervisão, sala de professores e direção, as demais dependências, (cozinha, quadras de esportes, depósito de merenda), são usadas pelas duas escolas.

9 No ano de 2008 foram construídas mais quatro novas salas e dois banheiros Materiais do Laboratório: ÍTEM QTD PRODUTOS Estante metálica revestida em PVC para 12 tubos de 15mmx150mm Estante metálica revestida em PVC para 12 tubos de 15mmx Tripé de ferro com 120 mm de diâmetro e 200 mm de altura Suporte metálico com base retangular e haste de 20 cm Bico de bunsen, com registro, regulador e espalhador de chama, com botijão de gás de 2kg (vazio), válvula de segurança com adaptador para botijão e 2 metros de mangueira aprovados pela ABNT e braçadeiras Tela amianto de aproximadamente 16x16cm Imã em forma de barra (retangular), com cerca de 80x22x10mm Bússola de 5cm, em caixa plástica e com tampa, com mostrador indicando os pontos cardeais (norte, sul, leste e oeste), e colaterais (nordeste, sudeste, noroeste e sudoeste), com agulhas aferidas e não bloqueadas Anéis metálicos (argolas), com diâmetro de 5cm, 7cm, 10cm e 13cm, com mufa, adaptáveis ao suporte universal e compatível com o tamanho da vidrarias Cabo para bisturi de metal nº Espátula inox, espátula colher, comp. 120 mm Lâmina nº23 ou nº24, para cabo de bisturi nº Garra giratória para condensador Liebig 300 mm com mufa Garra universal com mufa para bureta Pinça de madeira para tubos de ensaio Pinça de inox ponta fina e reta, com 130 mm (tipo relojoeiro) Pinça de inox ponta romba com aprox. 160 mm Caixa de lâminas p/ microscopia, de 26x76x12mm, c/50 unidades Caixa de lâminas p/microscopia, de aproximadamente 20x20mm, c/100 unidades Lupas manuais, de vidro, com cerca de 80 mm de diâmetro, capacidade de aumento de 2,5x ou mais, cabo de plástico ou madeira Lentes de acrílico, convexo, biconvexo, plano convexo, côncavo, bicôncavo, plano côncavo, côncavo-convexa, com cerca de 50mm de

10 diâmetro. Conjunto com 14 lentes (duas de cada tipo) Placa de petri de vidro, com tampa, de 100x20mm Lamparina a álcool, de vidro, com pavio, abafador e capacidade de 100 ml Escova para tubos de ensaio 15x50 mm Escova para tubos de ensaio 25x200 mm Tubos de ensaio de vidro 15x150 mm Tubos de ensaio de vidro 25x200 mm Bastão de vidro 5x300mm Becker de vidro, forma baixa, de 600 ml Becker de vidro, forma baixa, de 250 ml Becker de vidro, forma baixa, de 100 ml Graal com pistilo, capacidade de 180 ml, diâmetro de 100 mm Funil de plástico, diâmetro de 11 cm Funil de vidro, diâmetro de 75 mm, haste curta Balão de destilação de 250 ml, com saída lateral Balão volumétrico com rolha de polietileno-50 ml Balão volumétrico com rolha de polietileno-250 ml Bureta graduada 25ml com torneira teflon Cápsula de porcelana média 75x80mm Condensador Liebig 300mm Erlenmeyer grad. De boca estreita de 125ml Erlenmeyer grad. De boca estreita de 250ml Papel filtro qualitativo, 125 mm com 100 discos Pincel de pelo fino nº Pipeta graduada de 10ml Pipeta graduada de 5ml Pipeta volumétrica de 10ml Proveta com suporte plástico, de 100ml Proveta com suporte plástico, de 50ml Rolha de borracha com diâmetro condizente pa erlenmeyer de 125ml Rolha de borracha c/ furo p/ termômetro (-10ºC + 100ºC) usado em balão volumétrico e 250ml Rolha de borracha c/ furo p/ conexão entre balão de destilação (250ml) e o condensador de 300mm Rolo de pavio para lamparina a álcool de 2m Vareta (tubo) de vidro de 5x500mm Vidro relógio, com diâmetro de 80mm Fio de níquel cromo nº 22, 0,6mm - 1m Frasco de conta-gotas plástico, de 50ml p/ solução Frasco lavador, tipo pissete plástico, de 250ml Pipetador de borracha com três vias.

11 60 04 Tubo látex nº203 adaptável ao condensador de 300mm Lâminas preparadas p/ microscopia. Kit de no mínimo 30 lâminas contendo: citologia animal e humana, histologia animal, vegetal e humana, zooplancton, arthopoda. Deverá acompanhar completo manual de instruções pedagógicas em português. OBS: Os materiais de laboratório foram adquiridos através da FUNDEPAR, quando a Escola iniciou suas atividades educacionais em Acervo de Mapas: 05 Mapa do Brasil político regional rodoviário; 01 Mapa Mundi Físico; 01 Mapa rodoviário de Campo Largo; 01 Região Metropolitana de Curitiba; 05 Mapa político rodoviário e escolar do Paraná; 02 América do Sul político; 01 Mapa mural Brasil, América do Sul, Paraná; 01 Planisfério político; 01 Tratamento de esgotos; 01 Ciclo de água 01 Mapa Mundi político Patrimônio da FUNDEPAR: Desde a sua criação em 1998 recebeu os seguintes materiais da Fundepar: Em 1998: 02 caneca alumínio 2 litros; 02 escumadeira alumínio cabo 40 cm; 01 caçarola alumínio 9,5 litros; 01 caldeirão alumínio 6,8 litros; 02 lixeiras plásticas 6,0 litros;

12 01 fogão semi-industrial 4 bocas com forno c.tec. 01 arquivo de aço com 4 gavetas; 03 escrivaninha com 3 gavetas; 01 mesa escrivaninha Esc. Mod.Mm FMI 1; 04 mesa de leitura e biblioteca; 01 mesa de reunião mod. MR-FMI-1; 28 cadeira monobloco; 30 conj. carteira esc. Mod. FDE 14; 60 cart. de aluno FDE / 3 verde; 60 cad. de aluno FDE / 3 verde; 01 duplicadora álcool Facit. Em 1999: 01 freezer horizontal 302 litros; 01 geladeira DES 285 litros VENAX; 02 botijões vazio- 13 kg; 01 armário de aço 16 portas; 01 cadeira estofada fixa c-1. Em 2000: 36 conj. cart/cad. MOD FDE 14; 100 caneca polip 300 ml; 96 colher de sobremesa inox; 100 pratos fundos em polip c/aba. Em 2005: 02 Televisão DVD 01 Vídeo - Cassete

13 Em 2006: 01 DVD Em 2008: 01 impressora HP OFFICEJET C impressora HP Deskjet Radio Através do Programa Dinheiro Direto da Escola, o Colégio adquiriu: 01 duplicadora marca copiatic; 01 quadro mural verde 90x56; 01 bule; 01 chaleira. Em 2001: 40 conj. cart/cad. MOD. FDE/4; 02 caldeirão alumínio cap. 10 litros; 02 caldeirão alumínio cap. 19 litros; 02 caldeirão alumínio cap. 38 litros; 01 caldeirão alumínio cap. 45 litros; 01 caldeirão alumínio cap. 65 litros; 01 panela pressão 10 litros c/borrachas 02 medidor graduado; 01 televisor a cores 20 Cineral; 2.18 Patrimônio da APM: A APM, do Colégio através de promoções conseguiu comprar: - rádio gravador ventiladores 01 - impressora

14 01 - vídeo cassete, marca PANASONIC Relação do Corpo Docente: NOME RG DISCIPLINA QUE LECIONA Ângela M. Durães Ribeiro Diretora FORMAÇÃO Letras e Espanhol PÓS- GRADUAÇÃO Psicopedagogia Madalena dos Santos B. Castagnoli Pedagoga Pedagogia Educação Especial Eloiza Terezinha Pedagoga Pedagogia (Não tem) Magalhães Castagnolli Jaqueline Verner História História e Ensino Religioso História e Geografia do Paraná Lauro Schultz Bittencourt Matemática Matemática (Não tem) Debora Sabin Arte Artes Visuais (Não tem) Franciele Rompava Física Matemática (Não tem) Educação Educação Margareth Aparecida Pinto Física Física Técnico em Desporto área Voleibol Cibely Cristina Durães Scussel Química Biologia (Não tem) Educação Técnico em Rafael Noriller Educação Física Voleibol Física Geografia Geografia

15 (Espaço, Janete de Castro Souza Geografia Sociedade e Meio Ambiente) Marcos Pedro de Souza Língua Portuguesa Letras Língua Portuguesa Teoria e Prática História e Rosemari Aparecida Ensino História (Não tem) Kanarski Religioso Arielma da Luz Matemática Matemática (Não tem) Zenilda Maria de Souza Inglês, Língua Letras e Inglês Portuguesa Lindacir Lucia Vicelli Geografia Geografia Letras Juarez de Rodrigues de Inglês Português Souza Inglês LEM Letras Adilson Costa Duarte Espanhol Interdisciplinaridad e na Escola Geografia (Espaço, Sociedade e Meio Ambiente) Língua Portuguesa Literatura Brasileira e a Construção do Texto Simone de Matos Ciências Ciências (Não tem) Vanilson Lopes de Andrade Biologia Ciências (Não tem)

16 2.20 Relação da Equipe Técnico-Administrativo: NOME RG FUNÇÃO FORMAÇÃO Cursando o Ensino Janete Cordeiro de Secretária Superior Andrade (Pedagogia) PÓS- GRADUAÇÃO (Não tem) Loeni dos Santos Técnico Administrativo Pedagogia (Não tem) Andreia da Luz de Castro Pedro de Jesus Vieira Técnico Administrativo Cursando o Ensino Superior (Pedagogia) (Não tem) Técnico Administrativo Ensino Médio (Não tem) Antonia Ana K. Ferreira Serviços Gerais Ensino Fundamental (Não tem) Alenice Gonçalves da Luz Aríete das Chagas Maia Ivone Silva Rosinéia Ap. Moreira Sirlete Aparecida Moreira Serviços Gerais Serviços Gerais Serviços Gerais Serviços Gerais Serviços Gerais Ensino Fundamental Ensino Fundamental Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Médio (Não tem) (Não tem) (Não tem) (Não tem) (Não tem)

17 3 OBJETIVOS GERAIS: De acordo com o Programa de Reformulação Curricular, elaborado pela equipe da Superintendência da Educação da Secretaria de Estado de Educação, como orientações gerais ficam estabelecidas: I Igualdade de condições para o acesso e a permanência na escola, vedada qualquer forma de discriminação e segregação; II - A articulação das propostas educacionais com o desenvolvimento econômico, social, político e cultural da sociedade; III - A defesa da educação básica e da escola pública, gratuita de qualidade como direito fundamental do cidadão; IV - A articulação de todos os níveis e modalidades de ensino; V - A compreensão dos profissionais da educação como sujeitos epistêmicos; VI - Buscar ações efetivas para romper com a velha dicotomia entre fazer e pensar; Nesta perspectiva, conceber o Projeto Político Pedagógico enquanto instrumento crítico de transformação, a escola passa a ser vista como a mais importante peça do sistema educacional em que os resultados podem ser alcançados. Considera-se, portanto, a construção do Projeto Político Pedagógico da escola como um esforço coletivo que adotem como princípios básicos: A educação de qualidade como direito de todo cidadão; A valorização do professor e de todos os profissionais da educação; Gestão democrática, ou seja, ser um processo participativo de decisões; Atendimento às diferenças e à diversidade cultural.

18 4 MARCO SITUACIONAL 4.1 Histórico de Campo Largo: CAMPO LARGO teve como primeiro proprietário das terras que hoje constitui o Município, o português Coronel Antônio Luiz, conhecido como o Tigre. Sua residência era na Fazenda Nossa Senhora da Conceição do Tamanduá, onde construiu a Capela consagrada à Nossa Senhora da Conceição, a mais antiga dos Campos Gerais, e que existe até hoje. Após o falecimento do Coronel Antônio Luiz, as terras passaram a pertencer a diversas pessoas e a povoação teve início no ano de Em 1.819, o Capitão João Antônio da Costa, residente em Curitiba, doou as terras para quem quisesse ali se estabelecer e ofereceu ao povoado uma imagem de Nossa Senhora da Piedade, que mandara vir da Bahia, em Em 1.821, foi iniciada a construção do Bispo de São Paulo. Em 02 de fevereiro de 1.826, a imagem de Nossa Senhora da Piedade, foi colocada na Igreja e a primeira missa foi celebrada pelo Padre José Joaquim Ribeiro da Silva. A construção da Igreja Primaz de CAMPO LARGO, só foi concluída no ano de A Lei nº 219 de 02 de abril de 1870 criou o Município de CAMPO LARGO da Piedade, desmembrando de CURITIBA. A instalação oficial do Município deu-se em 23 de fevereiro de e o primeiro Juiz de Direito da Comarca, foi o Dr. Antônio Joaquim de Macedo Soares, que mais tarde foi Presidente do Supremo Tribunal Federal. Em 12 de outubro de 1.918, foi iniciada a construção da Igreja Matriz atual, pelo Padre Otávio Júlio dos Santos e inaugurada e 1.936, pelo Padre Aloísio Domanski, que mais tarde recebeu o título de Monsenhor. Pela dedicação ao trabalho e espírito de luta, os imigrantes foram cultivando a terra, produzindo alimentos, suas próprias ferramentas, vestuário, utensílios domésticos, construindo casas. Aproveitaram e aprimoraram, aqui, seus conhecimentos, usando técnicas de cultivo e conservação de alimentos. Traziam consigo suas raízes, seus costumes, suas tradições e cultuavam a fé religiosa, a moral e os bons costumes.

19 A influência dos imigrantes está presente, nos alimentos: uva, sucos, conservas de frutas e verduras, salame, queijos, carnes, massas e outros; nas festas religiosas; no artesanato: madeira, couro, móveis; no estilo das igrejas e casas, dos móveis e utensílios domésticos; no vocabulário e hábitos sociais; no lazer. Hoje Campo Largo é uma das mais prósperas cidade do Paraná e tem nas indústrias sua principal fonte de emprego e arrecadação. 4.2 Aspectos Físicos do Município: Localização - O Município de CAMPO LARGO, faz parte da área metropolitana, está localizado no Primeiro Planalto e a sede está situada a 32 km de CURITIBA. Superfície km² ( de acordo com o IBGE ) Limites - Ao norte, Castro; a nordeste, Itaperuçu; a leste, Campo Magro; a sudeste, Curitiba; ao sul, Araucária; a sudoeste, Balsa Nova; a oeste, Palmeira; a noroeste, Ponta Grossa. Pontos Extremos - Rio Ribeira, ao norte; Rio Itaqui, ao sul; Rio Passaúna, a leste; Serra de São Luiz do Purunã, a oeste. Distritos - Bateas, Ferraria, Três Córregos, e São Silvestre. Rios - Os mais importantes são: Rio Açungui, Rio Verde, Rio Itaqui, Rio Passaúna. Altitude m acima do nível do mar. Clima - Subtropical úmido, com verões frescos e ausência de estações secas. A temperatura média em julho, mês mais frio é inferior a 18º C e em janeiro, mês mais quente é inferior a 22º C. A temperatura média anual é de 17º C. Formação Geológica - Granitos, calcáreos, quartzitos e filitos. Principais Minerais - Argila, areia, calcário e água mineral. Vegetação - Pastagens naturais, campos e matos, onde se encontra o pinho, a imbuía, a bracatinga, o eucalipto e a erva-mate. População habitantes ( IBGE 1.996). Bairros - Bom Jesus, Botiatuva, Nossa Senhora Aparecida, Lagoa, Rondinha, Nossa Senhora do Pilar, Itaqui.

20 Vilas - Vila Rivabén, Vila Elizabeth, Vila Solene, Vila de Lourdes, Vila Otto. Colônias - Colônia Campina, Colônia D. Pedro II, Colônia Antonio Rebouças, Colônia Mariana. Povoados - Timbutuva, Figueredo, Fazendinha, Guabiroba, Salgadinho, Vargedo, Pinhal. Praças - Atílio de Almeida Barbosa, Getúlio Vargas, João Antonio da Costa, Praça Polônia. Ruas Principais - XV de Novembro, Marechal Deodoro, Rui Barbosa, Xavier da Silva, Barão do Rio Branco, Avenida Padre Natal Pigatto, Avenida Centenário, 7 de Setembro, D. Pedro II, Gonçalves Dias. 4.3 Histórico da Instituição: O Colégio Estadual São Francisco de Assis foi criado com a estadualização do Ensino Fundamental a partir de 29 de janeiro de 1998, pelo decreto nº 258/98, passando a denominar-se Escola Estadual São Francisco de Assis Ensino Fundamental, com a implantação do Ensino Médio em 1999 passou a denominar-se Colégio Estadual São Francisco de Assis Ensino Fundamental e Médio, através da Resolução 932/2000. O Colégio São Francisco de Assis funciona no mesmo prédio da Escola Municipal Augusto Pires de Paula, através de uma parceria firmada entre o Governo do Estado e Prefeitura Municipal que cedeu 6 salas de aula, 1 sala de laboratório e 1 sala que funciona como sala dos professores e direção. Algumas dependências são utilizadas pelos alunos e funcionários dos dois Estabelecimentos de Ensino (biblioteca, secretaria, cozinha, lavanderia, depósito de merenda, quadras de esportes, banheiros, etc.) No período da manhã temos 6 turmas, sendo 2 do Ensino Fundamental, e 4 turmas do Ensino Médio, a tarde temos 6 turmas do Ensino Fundamental. O Colégio é constituído pela seguinte equipe: um diretor, 15 professores, 3 auxiliares administrativos, 3 auxiliares de serviços gerais.

21 Os professores, funcionários e alunos utilizam o transporte escolar para chegar ao colégio, todos os professores e funcionários almoçam no estabelecimento com a alimentação fornecida pelo município. O transporte escolar é feito em conjunto para ambas as escolas, sendo pago pelo Município e pelo Estado. A maioria dos alunos do colégio usa o transporte escolar, o colégio não funcionaria sem ele, pois quase todos os alunos e funcionários moram em localidades que ficam a mais de 10 km do colégio. 4.4 Perfil da Comunidade: COLÉGIO ESTADUAL SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO, localizado no Distrito de Três Córregos, a 45 km da sede do Município de Campo Largo, fazendo parte integrante da área Metropolitana de Curitiba, tem sua clientela formada por alunos com idade entre 10 a 19 anos, que residem na sede do Distrito e nas localidades de Santa Cruz, Jacuí, Barreiro, Taquara, Florestal, Conceição das Chagas, Açungui, Ribeirão, Gramadinho, Itaiacoca, Geada e Cerne, sendo que a grande maioria mora em casa própria, de madeira, com horta. Em relação ao nível sócio-econômico, a maioria das famílias dos alunos possui o primeiro grau incompleto. Quanto à renda familiar, a maioria das famílias encontra-se na faixa de 01 a 02 salários mínimos. As mães são donas de casa e trabalham na agricultura e os pais, agricultores ou quebradores de pedras. A maioria dos alunos, fora do horário escolar, ajuda seus pais na roça ou quebrando pedras para ajudar no orçamento e, como forma de lazer praticam esportes, fazem leituras, andam de bicicleta, assistem televisão ou pescam. O Colégio São Francisco de Assis é o centro de cultura da região e é utilizado para divulgar e difundir todas as iniciativas de implantação e implementação de propostas de crescimento para a região. As festas são bastante populares nesta região, onde devido as distancias entre as residências, além do lazer, também são utilizadas como ponto de encontro da

22 comunidade para a troca de idéias, e debates sobre a dificuldade dos moradores e buscar soluções para estas dificuldades Diagnóstico da Realidade: Vivemos na realidade da Educação no Campo, onde num âmbito nacional atendemos a uma necessidade diferenciada com relação a outras entidades. A Escola é considerada o centro da região, e a mesma procura atender a todos os projetos indicados para esta comunidade. Um exemplo é o projeto do Estado do Programa do Leite, onde este é distribuído na própria escola, para que possa atender toda a comunidade; projetos para as famílias e também projetos promovidos pelo próprio município como para as questões da saúde (campanhas) e outras mais. A maioria dos alunos, fora do horário escolar, ajuda seus pais na roça ou quebrando pedras para ajudar no orçamento, portanto muitas vezes estão cansados e desanimados durante as aulas. Frente a tantos desafios, o mais preocupante é em relação aos períodos de fortes chuvas que dificultam o funcionamento do transporte escolar. A grande maioria de nossos alunos mora a mais de 10 km da escola. Todas as estradas de acesso estão precárias e as fortes chuvas dificultam que o transporte escolar funcione. Desta forma, a tomada de consciência pelos professores em relação a sua atuação implicará na realização de um planejamento elaborado o mais flexível possível. A velocidade com que a informação se desloca e de um mundo em constante mudança, temos um desafio em lidar com jovens que não vêem sentido no que estão aprendendo. Querem aprender, mas não querem aprender o que lhes é ensinado. E assim, entra o papel do professor: construir sentido, transformar o obrigatório em prazeroso, selecionar criticamente o que devemos aprender, numa era impregnada de informações. Diante desse quadro, os professores assumem o compromisso de desenvolver suas práticas de forma que estimulem e desafiem os alunos na apreensão dos conhecimentos científico-tecnológico, histórico, filosófico e social.

23 A questão da evasão e repetência é considerada um dos fatores relevantes para a educação, Devemos tomar cuidados também com o vocabulário utilizado pelos próprios alunos, reflexos da própria família e cultura local, procurando aos poucos demonstrar as mudanças necessárias. O Programa Paraná Digital também é uma grande conquista para a escola e para a comunidade escolar, principalmente pelo fato da escola estar incluída na zona rural e o acesso às tecnologias ser restrito. Sendo assim, com o Laboratório de informática é objetivo de a escola possibilitar aos alunos o conhecimento e o acesso a esta tecnologia, visando à ampliação do conhecimento nas diversas áreas, buscando uma melhor visão de mundo e motivação para melhorar suas condições de vida. Neste sentido, nossa missão vai muito além dos propósitos educacionais, pois devemos atender as necessidades da própria comunidade, sabendo que tudo que é realizado na escola, reflete na maioria das famílias do distrito. Portanto, nosso contexto escolar exige do professor um posicionamento diferenciado do papel da educação frente aos desafios advindos. Aqui, realmente acontece a tão desejada relação entre escola e comunidade, aproveitando a questão do transporte e da localização, mas ainda estamos longe da perfeição.

24 5 MARCO CONCEITUAL 5.1 Filosofia Educacional: A concepção sobre o ensinar e o aprender, historicamente, tem sido o resultado de disputas ideológicas de diversos segmentos que vêem a escola como espaço de legitimação de poder. A história da educação nos indica isso, quando se tem a dualização da escola por parte da lógica de mercado a escola pública como um espaço de preparação de mão-0de-obra especializada e adaptada, e a escola privada como via de formação da elite que governará e controlará a classe trabalhadora. Nessa perspectiva, o ser humano não é só um produto de seu contexto social, mas também um agente ativo na criação desse contexto. (REGO, 1995, p. 85). Libâneo (1994) analisa como a sociedade se organiza e como encaminha as práticas educativas na dinâmica das relações sociais travadas em determinado contexto histórico. Para este autor, a existência humana se desenvolve na dinâmica das relações sociais e da ação prática dos homens no conjunto destas relações. Em seu entendimento, as relações sociais podem ser transformadas pela ação prática concreta dos homens, fato fundamental para se compreender a organização da sociedade, a existência das classes sociais e o papel que a educação desempenha em determinada sociedade. O autor realiza um breve esboço da evolução histórica da educação, da escola e das formas de organização da sociedade que nos permite compreender como a existência humana tem sido produzida na dinâmica destas relações sociais, em diferentes contextos. Segundo Libâneo (1994), nas formas primitivas de relações sociais os homens trabalhavam e usufruíam coletivamente do trabalho comum. Na sociedade escravista surge a exploração do trabalho alheio onde os meios de trabalho e os trabalhadores escravos eram considerados propriedades daqueles que possuíam a terra. Na sociedade feudal, os trabalhadores (servos) são obrigados a trabalhar gratuitamente às terras do senhor feudal ou a pagar-lhes tributos. Alguns séculos depois, na sociedade capitalista, ocorreu uma divisão entre os proprietários dos meios de produção e os que vendem a sua força de trabalho, os trabalhadores que vivem do salário.

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE VOTORANTIM EE PROF SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÂO EE PROF.ª MARIA IGNÊS ARAÚJO PAULA SANTOS" PLANO DE GESTÃO QUADRIÊNIO 2014/2018 1. Identificação e Caracterização da Escola 1.1 - Identificação EE Profª. Maria Ignês Araújo

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010

LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 LEI PAULISTA DE INCENTIVO AO ESPORTE PIE PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESPORTE DECRETO 55.636/2010 ESCOLA DE Pedal Batatais Histórico da Entidade e Descritivo de Atividades Fundada em 1999 por JOSÈ REGINALDO

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Inayá Bittencourt e Silva*

PROJETO PEDAGÓGICO. Inayá Bittencourt e Silva* PROJETO PEDAGÓGICO Inayá Bittencourt e Silva* Elaborar um sistema pedagógico é definir um projeto de sociedade e tirar dele as conseqüências pedagógicas B. Charlot A elaboração de um Projeto Pedagógico

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico

Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Processos Gestão do Projeto Político-Pedagógico Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA JOÃO PAULO M. DE SOUZA MÔNICA SANTOS RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE SETEMBRO DE 2012 EREM LUIZ DELGADO RECIFE

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR PLANO DE TRABALHO DOCENTE: O PAPEL DA EQUIPE PEDAGÓGICA E A INTERLOCUÇÃO COM O PROFESSOR P L A N E J A M E N T O Projeto PolíticoPedagógico Proposta Pedagógica curricular Plano de Trabalho Docente Plano

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Ministério da Educação Secretaria da Educação Básica Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica Qualidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1

CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 CONSIDERAÇÕES REFERENTES AO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO (PPP) Resumo DE UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE SANTA MARIA 1 Eunice Piccin 2 Fabiano Bolzan Scherer² Fernanda Dalosto Moraes² Marcos Vinicius Conceição

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais

Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais Fundamentos e Tendências da Educação: perspectivas atuais Poplars on the River Epte Claude Monet, 1891 Vandeí Pinto da Silva NEPP/PROGRAD ... as circunstâncias fazem os homens tanto quanto os homens fazem

Leia mais

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRÓ-MATATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Regina Luzia Corio de Buriasco * UEL reginaburiasco@sercomtel.com.br Magna Natália Marin Pires* UEL magna@onda.com.br Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino*

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 426/2008

RESOLUÇÃO Nº 426/2008 RESOLUÇÃO Nº 426/2008 Regulamenta a Educação Básica na Escola do Campo, no âmbito do Estado do Ceará. O Conselho Estadual de Educação - CEE, no uso de suas atribuições contidas na Lei Estadual nº 11.014,de

Leia mais

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

HISTÓRIA. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos HISTÓRIA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em História PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO A definição

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais