Monges e Religiosos: Um panorama histórico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monges e Religiosos: Um panorama histórico"

Transcrição

1 Monges e Religiosos: Um panorama histórico EDÍGINA DE JESUS ALINE AUGUSTA ALMEIDA ROCHA MONIQUE HELLEN SANTOS REIS. Palavras-chave: ascetismo, eremítismo, monasticismo e Ordens Religiosas. I - Resumo Este trabalho acadêmico tem como proposta mostrar a origem do monasticismo cristão e toda forma de vida ascética, ou seja, cenobítica. Será abordada a forma dissidente do ascetismo no Oriente e Ocidente, tendo em vista que na primeira será destacado o anacoreta do deserto e por fim a vida cenobítica dos monges no Ocidente. Discutiremos a expansão do movimento monástico tendo como ponto de partida São Bento de Núrsia e as causas que levaram a crise religiosa do século XII, originando novas Ordens. Onde priorizamos a Ordem Cisterciense devido o fervor religioso que apresentavam e sua forma de organização centralizada. Em seguida vai ser exposto o surgimento das Ordens Mendicantes no século XIII, ressaltando a nova ideologia de pobreza e humildade. Por fim abordaremos as conseqüências do quarto Concílio de Latrão e a decadência da vida monástica. Acadêmicas do curso de Licenciatura em História: Aline Rocha Edígina de Jesus Monique Hellen 3º Período 1

2 II-Monasticísmo História Medieval A origem do monasticismo cristão, ou seja, ascetismo individual, surgiu no Egito no século III tendo como figura representativa Antônio.Este deixou a Alexandria para refugiar-se no deserto levando uma vida de ascetismo social.fato este comprovado por Perry Anderson onde anota: Os camponeses egípcios tinham uma tradição de eremitério no deserto, ou anachoresis, como forma de protesto contra a coleta de impostos ou outros males sociais; isso foi adaptado por Antônio numa religiosidade anacoreta ascética no final do século III d.c.. Foi então desenvolvido por Pacômio no início do século IV na forma de cenobitismo comunal nas áreas cultivadas próximas ao Nilo, onde eram recomendados trabalho agrícola e a leitura, assim como a prece e o jejum (ANDERSON, 2004:129). A atitude de refúgio de Antônio serviu de exemplo à primeira geração que encararam o isolamento como necessário ao amadurecimento revolucionário para assim fazer o sucesso do movimento religioso. A idade de ouro do monasticismo remota do século VIII ao século XII, mas é importante destacar duas formas distintas de vida ascética tanto na Europa Ocidental como no Oriente bizantino. Uma delas era a vida eremítica dos anacoretas do deserto, cujo pioneiro foi Santo Antão (c ). A outra foi à vida cenobítica de monges que seguem um regime comum de comunidade de homens e mulheres na região de Tebas no Egito, iniciado por São Pacômio (c ).Durante os séculos V e VI, os mosteiros multiplicaram-se na Itália, Gália, Espanha e Irlanda.Na Gália e Inglaterra anglosaxônica, as fundações monásticas vieram na esteira das missões cristãs aos povos germânicos. O ponto ápice para o crescimento dos mosteiros se deu a partir do século VI; reflexo da experiência de São Bento da Núrsia, que fundou o Mosteiro de Cassino, 2

3 na Itália. A regra monástica de São Bento era ora et labora ore e trabalhe. Bento exigia aos seus monges obediência consideravelmente maior do que a igreja ao seu clero ou aos seus membros laicos. No mosteiro e nas abadias tudo era partilhado: a oração, refeições e o trabalho manual, valorizado e elevado à categoria de oração a serviço de Deus. Os monges trabalhavam nas bibliotecas, nas oficinas e campos, onde desenvolveram técnicas avançadas tornando cultiváveis bosques e terrenos baldios, servindo de exemplo aos camponeses. A combinação de conselhos espirituais judiciosos e de atenção a detalhes práticos garantiu a ordem de São Bento o lugar de destaque, considerado modelo de observância monástica no ocidente. A partir do pontificado de Gregório VII ( ) travou-se uma luta entre o papado e o Império, dando inicio a Querela das Investiduras. A Igreja estava muito aberta a influencias mundanas, tornando-se assim negligente. No Sacro Império Romano Germânico, o clero estava submetido ao imperador, pois era ele que nomeava (investia) os bispos ou forçava a escolha de candidatos que ele queria, muitas vezes sem formação teológica e com o único interesse nas vantagens que o cargo oferecia. O lamentável estado a que descer a Igreja durante o século IX mostrava-se através de escritos de homens de alta hierarquia. Declara um bispo abertamente, expondo a própria Simonia (comércio de cargos eclesiástico): Dei meu ouro e recebi o bispado, mas confio recebê-lo de volta, se souber como proceder. Para ordenar um padre cobrarei em ouro; para ordenar um diácono, cobrarei em prata (...) Paguei bom ouro, mas hei de rechear a bolsa ( OLIMPYO, p.38) Para combater essa corrupção por parte do clero, surgiram muitos movimentos dentro da própria Igreja. Um dos mais importantes foi o da Ordem de Cluny, fundada em 910 na Borgonha. Este movimento ganhou grande impulso no século XI espalhando-se por toda a Europa, tendo a frente GregórioVII que era um 3

4 antigo monge da Ordem de Cluny. Ele propôs a reforma espiritual do clero, acabando com a submissão da Igreja ao imperador, expulsando os bispos indignos, criando o celibato clerical e eliminando a investidura por parte dos leigos. Afirmando assim a autoridade suprema do papado. No entanto o papado havia progredido no sentido administrativo do que no ascetismo apostólico e isso viria influenciar na crise religiosa que ocorreu no século XII, pois a sociedade não estava estática e exigia reformas. Sendo assim a estrutura da vida monástica recebeu diversas críticas, tanto pelas suas extravagâncias como pelos seus ideais. Tiveram início na Itália do Norte no Século XI visto que a partir dai havia sido rompido os laços entre a Igreja e a sociedade, pois os bispos já não eram mais os governantes administrativos das cidades italianas e estas puderam tomar impulso definitivo para o comércio mercantil. Os críticos iniciantes pregavam o retorno ao eremitismo primitivo desenvolvido no deserto egípcio, um destes Pedro Damiano encorajou muitos homens a aceitarem o eremitismo ou o monasticismo não tão complexo como o já existente. Para estes críticos as regalias em torno da simbologia monástica se tornavam supérfluas. Em fins do século XI e tendo como desenrolar todo o século XII ocorreu uma nova mudança no foco religioso, até então para se alcançar à salvação o cristão tinha que renunciar o mundo no qual vivia e se dedicar à oração para expulsar os demônios que os desviavam do caminho, agora a vida de Cristo e seus apóstolos deviam ser tomados como referência e tendo a Igreja como guia para se chegar à salvação. Esta nova mentalidade desencadeou uma mudança na espiritualidade medieval, sendo considerada por muitos historiadores como a crise religiosa do século XII. Como relata Brenda: Este estudo reaviado do Evangelho feito por todo o corpo social da Igreja durante o século XII penetrou o mistério cristão com controvérsias relativas ao comportamento intelectual e institucional, de modo que os cristãos se tornaram coletivamente cada vez mais conscientes do mundo que os rodeava e procuravam racionalizá-lo. Também do ponto de vista individual se verificava uma nova tomada de consciência do próprio homem, relacionada com a condenação que Cristo fizera do pecado no coração e conduziu a um despertar da importância de consciência. (BOLTON, 1986: 20). 4

5 A exemplo da Ordem Cisterciense fundada por Roberto de Molesme, eles ultrapassaram a regra de São Bento, fazendo reviver a forma mais rigorosa do monasticismo pré-beneditino, utilizando o modelo egípcio; buscando fixar-se numa imitação evangélica de Cristo, criticando o modo relaxado como os beneditinos tinham seguido a regra de São Bento. Os Cistercienses priorizavam a criação de organizações que transcediam os conventos individuais, estabelecendo assim um controle centralizado de regras e assembléias.no final do século XII está ordem cresceu e espalhou-se por toda a Europa como forma eficaz e coesa de organização. Este alto grau de autonomia gerou uma forte ligação dos Cistercienses com a Igreja e o Papado devido à forma como defendiam suas práticas religiosas, acabaram tornando-se fundamentais para a cruzada do Papado como evangelizadores e rotulados que estavam sempre prontos para combater as heresias. Outra importante ordem surgiu no século XIII, a dos Mendicantes que tinha como o ideal de vida a combinação da pobreza evangélica pregada por Cristo, o amor criativo e o proselitismo itinerante no mundo. Estava fundamentada nessa ideologia a Ordem dos Dominicanos e dos Franciscanos. É importante ressaltar que havia divergências entre eles: São Domingos que era integrante da Igreja, pregava a necessidade de uma formação teológica para os membros adeptos, pois a missão evangelizadora tinha que ser pronunciada por religiosos, segundo ele o que estava faltando naquele período era justamente pregações; já São Francisco de Assis que não fazia parte desse círculo religioso ressaltava a importância de seguir fielmente o Evangelho porque é a única regra necessária a vida religiosa. Era adepto da vida eremítica e exercia seu ministério junto aos seus seguidores pedindo esmolas nas cidades durante o dia e passando a noite nas florestas. (...) O seu modo de vida era extraordinariamente bem mais duro, na verdade muito mais duro de suportar do que o modo de vida das ordens monásticas mais ascéticas; incluindo os Cartuxos, porque Francisco tinha como objetivo renunciar não só a toda propriedade comunitária, privando assim os seus seguidores da segurança coletiva normal da comunidade cenobítica. Além disso, Francisco pretendia que os seus seguidores combinassem este padrão de pobreza extraordinariamente rigoroso com uma actividade secular de assistência e de sacerdócio ( BOLTON, 1986: 80). 5

6 Com o tempo começou-se a ocorrer modificações na Regra, mesmo com Francisco vivo e com sua morte esse processo tomou impulso. Essas mudanças ocorreram para facilitar a ordem nas suas pregações; com a criação de comunidades permanentes, o relaxamento diante do ideal de pobreza e uma educação aos Franciscanos para melhor pregarem. Ao contrário dos mosteiros, os conventos das Ordens Mendicantes estavam situados nas cidades, os frades passavam de um convento a outro de sua ordem, em função das necessidades do ministério, ou seja, o apostolado de pobreza, humildade e obediência. III- Conclusão A proliferação de Ordens Religiosas, que desde o século V e VI multiplicaram-se por toda Europa, ocasionou o decreto do chamado Quarto Concílio de Latrão em 1215 que tinha como objetivo proibir o surgimento de novas Ordens. Agora os interessados a viverem uma vida cenobítica deveriam escolher uma regra já existente e não mais fundarem outras novas. Desde o momento da sua introdução no Oriente, século III até a Contra- Reforma no século XIV, a vida monástica ocupou um lugar de destaque no Ocidente medieval, mas importância esta restrita a um pequeno número de pessoas pertencentes à classe alta. O que levou a decadência da vocação monástica, que desde o século XIII, não seduzia mais candidatos de valor.durante quase todo o contexto medieval, os mosteiros tinham o prestígio de serem grandes acumuladores do conhecimento, mas a partir do século XIV, estas instituições monásticas passaram a serem consideradas atrasadas e conservadoras em todo os campos de atividade, inclusive na espiritualidade. A prática de doações de crianças para serem educadas como monges, caiu em desuso com a proliferação de formas alternativas de vida religiosa. Monges passaram a freqüentar universidades e o estilo de vida de muitas abadias pouco se distinguia a de um colégio do clero secular. No final do século XV, as críticas a essas comunidades monásticas se intensificaram, tendo a frente Erasmo de Rotterdam humanista que passou a criticar o comportamento eclesiástico e alguns pontos doutrinários como o livre-arbítrio e a importância da liturgia. 6

7 Assim, os vestígios sobre o monasticismo passaram a serem encontrados em lugares que antes haviam sido inteiramente eliminados ou que nunca haviam existido, como as universidades inglesas e americanas responsáveis pelo acervo cultural das formas ascéticas de vida. 7

8 Sobre o fundador da Ordem Francisca Francisco, precursor da Ordem Francisca, nasceu na cidade de Assis na Itália. Filho de Pedro Bernardone pertencia a uma família rica, cuja renda advinha do próspero comércio de tecidos realizado pelo seu pai, grande comerciante da região. Quando Francisco nasceu, a Europa medieval passava por profundas mudanças, a população crescia e os antigos feudos transformavam-se em cidades. Em Assis, novas culturas eram introduzidas no campo, manufaturas começavam a se desenvolver e conseqüentemente o comércio ia ganhando seu espaço. A juventude de Francisco, antes da sua conversão ou aceitação da pobreza, foi marcada pelas inúmeras viagens de negócios que fazia seu pai. Quando ficava em Assis, trabalhava na loja paterna. Nesse período, a religião tinha pouca importância para Francisco, embora ele freqüentar-se as religioso era marcado por duas faces de influência: a autoridade da Igreja Católica e o Sacro Império Romano-Germânico. A sociedade era sofria as divergências de poderes entre o papa e o imperador. Com relação à conversão de Francisco, são grandes os relatos históricos sobre a radical mudança de vida que aconteceu com ele. Uns defendem que partiu das experiências com prisioneiro de guerra, já que, Francisco serviu com cavalheiro nas Cruzadas. Outros defendem uma visão mais mística, ou seja, através de um sonho Francisco teria ouvido Cristo falar com ele. Seja qual foi o fator primordial, a verdade é que Francisco passou por uma mudança extremamente profunda a ponto de levá-lo a rejeitar os meios sociais, as festas, as batalhas e até mesmo a loja do pai. Uma das primeiras demonstrações da mudança interior de Francisco foi seu contato com os leprosos, já que estes eram excluídos da sociedade e considerados amaldiçoados. 8

9 Quando Francisco abraçou um leproso, teria ele posto em prática aquilo que seria o ideal de sua vida ascética; seguir o evangelho de Cristo na sua concretude, ou seja, amar ao próximo como a si mesmo. Logo que iniciou a missão de evangelizar e testemunhar a vida de Cristo, Francisco precisava da permissão papal, por isso ele teve de criar uma Ordem religiosa e submeter sua regra ao pontífice. Foi então, a Roma, acompanhado de seus seguidores maltrapilhos e consegui encontrar-se com o Papa Inocêncio III. Seu estatuto mal tinha normas, era composto por um conjunto de trechos do Novo Testamento escrito de maneira simples. A aprovação do papa a Ordem aconteceu em 1209, a partir de então o número de adeptos cresceu, passaram assim a ocupar uma pequena capela na região de Porciúncula, nas proximidades de Assis. Muito rapidamente surgiram mais seguidores sendo preciso abrigar e alimentar a todos; a solução encontrada foi estender os ideais de São Francisco criando conventos para abrigar e garantir a segurança de todos. No entanto, quando o próprio Francisco percebeu que seus ideais estavam sendo deturpados, já que ele pregava uma vida eremítica e não fechada em conventos buscou isolar-se nas florestas e ter como companhia seus irmão leprosos. Francisco nunca propôs uma reforma a Igreja Católica e nem inflamou rebeliões contra o poder político, mas sem dúvida a exemplo de Jesus também foi um homem revolucionário. Ele abandonou a vida burguesa para dedicar-se aos excluídos de seu tempo, mostrou que o amor fraterno deveria estar presente em cada ato do cotidiano. 9

10 São Domingos de Gusmão Nasceu em 1170 em Caleruega, interior do Reino de Castela. Filho de Joana de Aza e Felix de Gusmão, recebeu boa educação familiar. Sua família pertencia a uma pequena nobreza marcada por traços guerreiros, característica essa adquirida por conta do território espanhol e aumentando, ocasionado pelas conquistas cristãs frete aos mouros. Domingos, que teve desde cedo inclinação para a vida religiosa, vai em 1189 estudar para Palência, tornando-se, após conclusão dos estudos, em 1196 membro do cabido da sua Diocese natal, Osma; onde foi escolhido para comitiva do bispo Diogo, que foi enviado pelo rei a Dinamarca. Nessa viagem ficou impressionado com a falta de conhecimento da doutrina cristã por parte dos povos do Norte da Europa, ficando claro que precisavam serem evangrelizados. Em 1205, Domingos e Diogo, para conclusão do objectivo inicial, realizaram nova missão no Norte da Europa, indo também a Roma e a Cister. Nestas paragens até Toulouse, inseriu-se na atividade missionária promovida pelo Papa e pelos bispos, dedicou-se à pregação com tanto ardor que queria pronunciar a Palavra de Deus todo o tempo, tanto nas igrejas como nas casas. Em 1207 fundou a Ordem das Monjas Dominicanas, em Prouille, e dos Dominicanos em 1215, em Toulouse, tendo como pregadores diocesanos. O bispo Fulques, indo ao IV Concílio de Latrão, em 1215, juntou-se a Domingos, o auxiliando na aprovação pontifícia. Inocêncio III aceitou a fundação da nova Ordem, apenas mandou escolher uma Regra. Domingos volta a Toulouse e escolhe a Regra de Santo Agostinho. 10

11 Após esse reconhecimento Domingos enviou seus primeiros discípulos a fundar novas comunidades em Paris, Bolonha, Roma e Espanha. Ele acreditava que só com o estudo aprofundado da sagrada escritura poderia dar os meios necessários para uma pregação eficaz. Em 1220 na cidade de Bolonha organiza o primeiro capitulo da Ordem, com a presença frades de diferentes localidades, é adotado um modelo de governo democrático, pelo qual todos superiores de casas são eleitos por todos os mebros das comunidades.no ano seguinte funda em Roma um confento de monjas e realiza o segundo capítulo da Ordem, esta passou a está organizada agora em províncias.assim foram enviados irmãos pregadores para a Inglaterra, Escandinâvia, Pôlonia, Hungria e Alemanha. Devido a seus esforços constantes com a sua Ordem desgastou-se muito vindo a falecer a 6 de agosto, na cidade de Bolonha. Referências Bibliograficas: 11

FEUDALISMO PROF. OTTO TERRA

FEUDALISMO PROF. OTTO TERRA FEUDALISMO DIVISÃO HISTÓRICA ALTA IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA Inicia-se no século V até o século X; Inicia-se no século XI até o século XV; Acentua-se as principais características do feudalismo; Apresenta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

A formação da Europa medieval

A formação da Europa medieval A formação da Europa medieval Causas da crise do Império Romano: Crises e retomadas dos séculos III e IV; Anarquia militar; As complexas relações com os germânicos; Guerra civil (generais sem consenso);

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira

REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA. Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE E CONTRARREFORMA CATÓLICA Professor: Eduardo C. Ferreira REFORMA PROTESTANTE MOVIMENTO DE CONTESTAÇÃO AOS DOGMAS DA IGREJA CATÓLICA, APÓS SÉCULOS DE FORTE PODER INFLUÊNCIA NA EUROPA.

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA

A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA 1. Companhia quem escreveu foi Santo Inácio de Loyola que inventou e atribuiu para os jesuítas, o rigor e a disciplina militar. A Companhia de Jesus. 2. Toda a Itália do século

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

Forma de organização econômica e tutorial rural na qual o trabalhador arrenda uma porção de terreno sob condição de reservar parte de sua produção como pagamento ao proprietário. O colono é denominado

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

Entrevista com Volney José Berkenbrock

Entrevista com Volney José Berkenbrock Entrevista com Volney José Berkenbrock Volney José Berkenbrock é doutor em Teologia, professor do programa de pósgraduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

Aula 1414- Alta Idade Média - Feudalismo

Aula 1414- Alta Idade Média - Feudalismo Aula 14 - Feudalismo Aula 1414- Alta Idade Média - Feudalismo DeOlhoNoEnem H4 - Comparar pontos de vista expressos em diferentes fontes sobre determinado aspecto da cultura. (A boa e a má Idade Média).

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL CERTIFICADO

CONSTITUIÇÃO DA IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL CERTIFICADO CONSTITUIÇÃO DA IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL CERTIFICADO Certificamos que o presente texto é a nova Constituição da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil aprovado na 26ª Reunião do Sínodo da Igreja

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

Prof. Alexandre Goicochea História

Prof. Alexandre Goicochea História FRANCO Merovíngia Carolíngio ISLÂMICO Maomé Xiitas (alcorão) e Sunitas (suna e alcorão) BIZÂNTINO Justiniano Igreja Santa Sofia Iconoclastia Monoticismo (Jesus Cristo só espírito) Corpus Juris Civilis

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

PRINCÍPIOS DE LITURGIA

PRINCÍPIOS DE LITURGIA PRINCÍPIOS DE LITURGIA PRINCÍPIOS DE LITURGIA - PREÂMBULO - Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, nós, legítimos representantes da Igreja Presbiteriana do Brasil, reunidos em Supremo Concílio,

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XII: A VISÃO DE BERNARDO DE CLARAVAL A RESPEITO DA AQUISIÇÃO DO CONHECIMENTO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XII: A VISÃO DE BERNARDO DE CLARAVAL A RESPEITO DA AQUISIÇÃO DO CONHECIMENTO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XII: A VISÃO DE BERNARDO DE CLARAVAL A RESPEITO DA AQUISIÇÃO DO CONHECIMENTO doi: 10.4025/XIIjeam2013.goncalves.pizoli24 GONÇALVES, Marize Mota 1 PIZOLI, Rita de Cássia INTRODUÇÃO

Leia mais

Entre 18 e 20 de fevereiro será celebrado em Sassone (Itália) a XXIV Assembleia Nacional da Federação Italiana de Exercícios Espirituais (FIES).

Entre 18 e 20 de fevereiro será celebrado em Sassone (Itália) a XXIV Assembleia Nacional da Federação Italiana de Exercícios Espirituais (FIES). Entre 18 e 20 de fevereiro será celebrado em Sassone (Itália) a XXIV Assembleia Nacional da Federação Italiana de Exercícios Espirituais (FIES). O objetivo é a relação entre os Exercícios Espirituais e

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA PASTORAL É O HOJE DA IGREJA As mudanças sociais são desafios à Evangelização. A atualização da mensagem cristã nas diversas realidades e em diferentes tempos fez surgir a Pastoral. Hoje em nossas paróquias

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Sagrado Coração de Jesus

Sagrado Coração de Jesus Trezena em honra ao Sagrado Coração de Jesus Com reflexões sobre suas doze promessas a Santa Margarida Maria de Alacoque EDITORA AVE-MARIA Introdução Antes de o prezado leitor iniciar esta Trezena em honra

Leia mais

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal.

Conteúdo para recuperação do I Semestre. 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. Conteúdo para recuperação do I Semestre I Bimestre II Bimestre 7º ANO Feudalismo; A crise do sistema feudal. As Reformas Religiosas; A África. Feudalismo; Sistema político, econômico e social que se formou

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós:

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós: Visão do MDa Na visão do MDA, é possível à Igreja Local ganhar multidões para Jesus sem deixar de cuidar bem de cada cristão é o modelo de discipulado um a um em ação. O MDA abrange diversos fatores desenvolvidos

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Lição 8 Trabalhar com Líderes

Lição 8 Trabalhar com Líderes Lição 8 Trabalhar com Líderes Já havia mais de um ano que o António se tornara membro da sua igreja. Ele tinha aprendido tanto! Começou a pensar nos líderes da igreja que o tinham ajudado. Pensava naqueles

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ANTIGUIDADE PARA A IDADE MÉDIA NA EUROPA

TRANSIÇÃO DA ANTIGUIDADE PARA A IDADE MÉDIA NA EUROPA TRANSIÇÃO DA ANTIGUIDADE PARA A IDADE MÉDIA NA EUROPA O processo de transição Fim do Império Romano do Ocidente: diversos fatores; Cultura dos povos bárbaros + cultura dos povos romanos = base para as

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO

INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO SERIEDADE NA PALAVRA CURSO BÁSICO DE TEOLOGIA MÓDULO I 1º SEMESTRE DE 2015 INTRODUÇÃO AO NOVO TESTAMENTO PR. ROGÉRIO DE ANDRADE CHAGAS Introdução ao Novo Testamento. A nossa aula introduzirá a parte histórica

Leia mais

A missão no contexto asiático

A missão no contexto asiático A missão no contexto asiático Pe. Joachim Andrade SVD Introdução O continente asiático é tão grande e tão diverso é muito difícil dar uma visão clara e contextual da missão dentro de poucos minutos. Além

Leia mais

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014

Visão MDA. Sidnei Souza Hewlett-Packard 01/01/2014 2014 Visão MDA [Digite o subtítulo do documento] VI [Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um resumo é um apanhado geral do conteúdo do documento. Digite o resumo do documento aqui. Em geral, um

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL Instituição centralizada, poderosa, hierárquica, supranacional e autoritária Única instituição coesa com o fim do Império Romano Controle

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

Implantar o Seu Reino na Terra

Implantar o Seu Reino na Terra CHAMADOS PARA RESPLANDECER A LUZ DO SENHOR ENTRE TODOS OS POVOS Disse Jesus: Venham a mim todos que estão cansados e oprimidos e eu darei alivio para vocês Mat. 11.28 VISÃO DO MDA MÉTODO DE DISCIPULADO

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

Roteiro nº1. Breve História da Família Carmelita

Roteiro nº1. Breve História da Família Carmelita Roteiro nº1 Breve História da Família Carmelita Introdução Nos reinados dos reis de Israel, Acab (869 850 a.c.) e Ocosias (859 850 a.c.), surgiu na história de Israel um profeta muito importante: Elias.

Leia mais

ISSN 1806-7328 CADERNOS DA ESTEF. Revista Semestral N 45 2010/2 A TEIA DA ESPIRITUALIDADE ESTEF

ISSN 1806-7328 CADERNOS DA ESTEF. Revista Semestral N 45 2010/2 A TEIA DA ESPIRITUALIDADE ESTEF ISSN 1806-7328 CADERNOS DA ESTEF Revista Semestral N 45 2010/2 A TEIA DA ESPIRITUALIDADE ESTEF Escola Superior de Teologia e Espiritualidade Franciscana Porto Alegre (RS) Brasil SUMÁRIO A teia da espiritualidade...3

Leia mais

Centenário da Imigração Japonesa:

Centenário da Imigração Japonesa: Centenário da Imigração Japonesa: 2008 PODE SER O ANO DA BEATIFICAÇÃO DE MONS. NAKAMURA Álvares Machado, uma cidade batizada com o nome de Brejão em 1916, recebeu seus primeiros habitantes. Eram autênticos

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém,

Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, Uma leitura apressada dos Atos dos Apóstolos poderia nos dar a impressão de que todos os seguidores de Jesus o acompanharam da Galileia a Jerusalém, lá permanecendo até, pelo menos, pouco depois de Pentecostes.

Leia mais

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL

Processo de Iniciação na RCC. Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL MINISTÉRIO DE FORMAÇÃO Processo de Iniciação na RCC Renovação Carismática Católica do Brasil RCC BRASIL Conceito Por Iniciação Cristã se entende o processo pelo qual alguém é incorporado ao mistério de

Leia mais

Num domingo de agosto de 1617 aconteceu um fato que marcará toda a vida dele.

Num domingo de agosto de 1617 aconteceu um fato que marcará toda a vida dele. Réflexion Reflexão Riflessione Reflection Rozważanie 7 Sylvie Larminat, AIC França Tradução : P. Lauro Palú, CM - Província do Rio de Janeiro O Serviço dos Pobres São Vicente de Paulo e Santa Luísa de

Leia mais

IDADE MÉDIA OCIDENTAL

IDADE MÉDIA OCIDENTAL IDADE MÉDIA OCIDENTAL Idade Média: cronologia Início : 476 d.c.- queda do Império Romano do Ocidente Fim: 1453 d.c.- queda do Império Romano do Oriente (tomada de Constantinopla pelos Turcos). A Idade

Leia mais

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21 O NOVO NASCIMENTO Texto base: Jo 3: 1 a 21 I. INTRODUÇÃO II. QUEM ERA NICODEMOS? Povo de Deus JUDEU MEMBRO DO SINÉDRIO FARISEU COM POSSES Instruído na Lei de Deus e Tradição Oral. Conhecido por ser puro,

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 1

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 1 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 1 Nome: Data: Unidade 1 Recomendação ao aluno: Utilizar lápis de cor. 1. A fixação dos germânicos nas terras do Império Romano ocorreu em duas fases. Ligue

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

História e Teologia de Missões

História e Teologia de Missões MISSÕES BRASILEIRAS O Gigante começa a despertar Esta é uma área de pesquisa ainda com pouca exploração. Imigrantes forma os principais instrumentos de evangelização. O primeiro grupo veio em 1558, quando

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Feudalismo Europa Ocidental

Feudalismo Europa Ocidental IDADE MÉDIA Feudalismo Europa Ocidental No que diz respeito a Europa Ocidental, podemos afirmar que a Idade Média assistiu à formação do feudalismo, que nasceu em meio a desagregação do Império Romano

Leia mais

Acampamentos Católicos

Acampamentos Católicos Acampamentos Católicos O Acampamento Católico é uma nova forma de evangelizar. Utiliza uma metodologia de evangelização nascida na EVANGELIZAÇÃO 2000 (movimento católico da década de 80), como parte de

Leia mais

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos História da Educação I Prof. Fernando Roberto Campos Reflexão A torneira seca (mas pior: a falta de sede). a luz apagada (mas pior: o gosto do escuro). a porta fechada (mas pior: a chave por dentro). José

Leia mais

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO

DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO 6ª 3 P2 REVISÃO DISCIPLINA SÉRIE BIMESTRE PROVA MODELO História CONTEÚDO: CAP 3 - Islã CAP 4 Francos e Carolíngios 6ª 3 P2 REVISÃO 1. Na Arábia pré-islâmica, uma cidade em especial se transformou num ponto de encontro,

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A

III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A Caríssimos Irmãos e Irmãs: Neste ano, em nosso M osteiro, estamos celebrando o Tempo da Quaresma do Ano A, porque na Noite Santa da Páscoa, vamos ministrar os Sacramentos

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA A prova de História da UFPR foi equilibrada em relação ao programa proposto. Uma questão de História Antiga; duas de História Medieval; uma de História Moderna; duas de

Leia mais

23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões

23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões 23 Os jesuítas e os índios guaranis Estamos acostumados a ver na televisão, jornais e revistas, passeios para visitar as regiões das missões jesuíticas. Nos mostram fotografias de igrejas destruídas, em

Leia mais

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II

HISTÓRIA REVISÃO 1. Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Unidade II Civilização Greco Romana e seu legado. Aula 9 Revisão e avaliação da unidade II HISTÓRIA REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Expansionismo Romano - Etapas 1ª.

Leia mais

CONGRESSO EUCARÍSTICO. 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico

CONGRESSO EUCARÍSTICO. 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico CONGRESSO EUCARÍSTICO 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico O PADRE E A EUCARISTIA Eucaristia e Missão Consequência significativa da tensão escatológica presente na Eucaristia

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais