RESUMO. Palavras-chave: Educação, Ensino Religioso, Didática, Formação Docente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO. Palavras-chave: Educação, Ensino Religioso, Didática, Formação Docente."

Transcrição

1 O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA COLEÇÃO "REDESCOBRINDO O UNIVERSO RELIGIOSO" NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL DA ASSOCIAÇÃO FRANCISCANA DE ENSINO SENHOR BOM JESUS, UNIDADES DE CURITIBA * CLAUDINO GILZ - PUCPR RESUMO O presente artigo busca explicitar o processo de implementação da Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso" sob a ótica dos professores de Ensino Religioso da Educação Infantil e Ensino Fundamental da Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus, Unidades de Curitiba. Resgata o legado franciscano do acolhimento, do respeito e do diálogo para com o diferente. Relata as implicações históricas e pedagógicas que motivaram a construção da Coleção. Empreende uma análise a respeito da estruturação didática da Coleção, confrontando-a com o parecer dos professores de Ensino Religioso sobre critérios estabelecidos, a saber: a concepção de educação, a concepção religiosa, o conteúdo, a metodologia, a linguagem, as dificuldades encontradas e as conquistas obtidas na implantação. Palavras-chave: Educação, Ensino Religioso, Didática, Formação Docente. O Ensino Religioso tem procurado, no decorrer da história da educação brasileira, desempenhar a sua função. Tem procurado não só salvaguardar a sua incumbência na formação integral do ser humano dentro do espaço educacional como também ante os sinais dos tempos contextualizar seu encaminhamento didático (JUNQUEIRA, 2002, p.9-17). E, nesse processo histórico e pedagógico, qual tem sido a principal intencionalidade educativa do Ensino Religioso? O diálogo foi e continua sendo o caminho por excelência de tamanho e inadiável intento educacional. O presente trabalho busca explicitar como se deu o processo de * Graduando em Pedagogia (8º Período).

2 136 implementação da Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso" sob a ótica dos professores de Ensino Religioso da Educação Infantil e Ensino Fundamental da AFESBJ, Unidades de Curitiba. Em primeiro lugar, elege como propósito maior empreender sob a ótica dos professores de Ensino Religioso envolvidos uma análise de diferentes critérios didático-metodológicos da Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso". Em segundo lugar, visa levantar subsídios tanto para o realinhamento da proposta de abordagem didática da Coleção como reafirmar a importância de sua implantação nas escolas, sejam elas públicas ou privadas. As páginas que seguem, não têm outra pretensão que a de contribuir para a aurora de um novo tempo. Tempo esse em que as diferentes tradições religiosas possam celebrar - sob o altar do diálogo, da convivência respeitosa e fraterna a realização do sonho mais nobre e mais sublime da humanidade: a paz. Precedentes do Processo de Construção da Coleção na AFESBJ, Unidades de Curitiba O processo de construção da Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso" teve seus precedentes. Seria apenas a aprovação da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), Lei n.º de 20 de dezembro de 1996? Ou seria também a nova redação sancionada pelo presidente da República que o art. 33 da LDB de 1996 recebeu em 22 de julho de 1997, com a Lei n.º 9.475? Não só. A proposta pedagógica do Colégio Bom Jesus, que serviu de inspiração para a elaboração da Coleção, encontra-se permeada por uma história de mais de oitocentos anos. Não de existência da Associação, mas da vida e da trajetória de Francisco de Assis, cujo ideário humano-espiritual fundamenta os seus princípios pedagógicos. É impressionante a capacidade que algumas pessoas têm de tornar célebre o lugar onde nasceram. Francisco foi uma dessas pessoas. Nasceu por volta do ano 1182, em Assis, Itália, no seio de uma família rica e de alto prestígio social. No entanto, não seria pela riqueza paterna que o menino Francisco haveria de registrar a sua passagem por este mundo (SÃO BOAVENTURA, 1982, p.464). A espontaneidade, a alegria, a simpatia para com todos, o ser comedido nos costumes e nas palavras, a generosidade para com os pobres e amigos, a auto-crítica, a sensibilidade espiritual virtudes que cultivou desde a sua infância fizeram

3 137 Francisco tornar perene sua memória. Fizeram-no honrar e universalizar o lugar em que nasceu (CANONICI, 1985, p.17-27). Tanto isso se faz verdade que no mundo todo não mais se menciona Francisco e, sim, Francisco de Assis (ESSER, 1972, p.226). Autêntico e fiel a seus propósitos de vida, o jovem Francisco surpreende os pais, a juventude e o povo de Assis mostrando-se amigo, dado às pessoas, seresteiro, jovial, pródigo e sonhador. Não admitia que um gesto seu transcorresse na superficialidade. Tinha convicção de que o valor de uma pessoa não estava nas aparências e, sim, nos sonhos que pudesse acalentar. Vida e sonho, fatos e caminhos, individualidade e companheirismo, busca e nobreza de espírito... eis o dinamismo das pessoas que fazem história (SILESIUS, 1996, p.177). Quando Deus chama, já não é mais possível resistir. Ele começa por desinstalar as pessoas. Decifrar o sentido de tudo o que se passa consigo é a eterna sina de toda pessoa humana. Com Francisco essa experiência se deu inicialmente por meio de vários fatos e acontecimentos: o convite a compor o número de cavaleiros para defender sua cidade contra as afrontas dos habitantes de Perusa, a prisão, o sonho (a visão), a enfermidade, a inaudita alegria sentida em meio a um suntuoso banquete com os amigos, o encontro com o leproso, a fala do crucifixo de São Damião, a reconstrução da igrejinha em ruínas, o público despojamento de suas vestes e riquezas paternas perante o bispo e o povo de Assis (ANÔNIMO PERUSINO, 1982, p ). A pedagogia divina surpreende Francisco. A princípio não entende o que se passa. Retira-se para o ermo. Medita. Pondera a possibilidade de conformar os seus sonhos de outrora à revelação dos desígnios divinos. Pouco é o tempo de sua demora. Ao descobrir a riqueza de viver na simplicidade e de trilhar o caminho da verdadeira e perfeita alegria, a todos proclama: "É isso que eu quero, isso que procuro, é isso que eu desejo fazer de todo o coração" (CELANO, 1982, p.194). Francisco descobria no pouco, o bastante para ser feliz. No diálogo e no abraço ao leproso, a experiência transformadora do transcendente (BOFF, 1999, p.53). Deixou transparecer, em gestos e palavras, a inspiração que o iluminava interiormente. Tornouse, por isso mesmo, um caminho para a educação e a realização humana das gerações que o sucederam. Prova disso é o que Celano (1982, p ), um de seus mais respeitáveis biógrafos, deixou registrado: Dotado de especial discrição, sabia respeitar, em todos, os graus de seu valor [...] No décimo terceiro ano de sua conversão, foi para a Síria e,

4 138 apesar dos fortes e duros combates entre cristãos e pagãos [...] não teve medo de [...] se apresentar ao sultão dos sarracenos [...] Foi maltratado por muitos que eram hostis e adversos, mas o sultão o recebeu muito bem. Reverenciou-o quanto lhe foi possível e lhe ofereceu muitos presentes, tentando convertê-lo para o espírito mundano. Mas, quando viu que ele desprezava valentemente todas as coisas como se não passassem de esterco, ficou admiradíssimo e olhava para ele como um homem diferente. Ficou muito comovido com suas palavras e o ouviu de muito boa vontade. Há encontros em que o diálogo, apesar das diferenças culturais e religiosas, é possível porque neles as pessoas deixam transparecer o melhor de si. Deixam transparecer tanto a fidelidade à sua confissão religiosa como o respeito e a reverência pela grandeza alheia. Também referindo-se ao fato de Francisco ter ido por volta de 1216 ao encontro do Sultão Muçulmano, Melek-el-Kamel, Boff (2002, p.50-53) perfila em sete passos o caminho franciscano para o diálogo e a paz interreligiosa: Primeiro: tomar a iniciativa e não esperar que os outros venham a nós. Segundo: confiar nos outros porque são nossos irmãos. Terceiro: conviver com os outros no trabalho e na inserção em seu mundo. Quarto: colocar-se como menores e servidores e renunciar a qualquer pretensão de superioridade ou privilégio pelo fato de sermos cristãos. Quinto: antes compreender que ser compreendido, amar que ser amado, e fazendo-se sempre instrumento de paz. Sexto: inserir tudo numa atmosfera espiritual de oração [...]. Sétimo: sempre ligar a paz dos homens com a paz de Deus, para que a paz seja duradoura e completa. A proposta pedagógica da AFESBJ resulta desse dinamismo constante de articulação entre a história e a necessidade de contextualização. Da história, a identidade há de ser sempre preservada. Do contexto, as possibilidades de continuar fazendo valer a impostação formativa e pedagógica dentro de novos moldes. Longo é o espaço de tempo que separa a trajetória de Francisco de Assis das origens e dos desdobramentos históricos da AFESBJ. A inspiração, as motivações e os propósitos são, entretanto, os mesmos. Os séculos seguintes iriam registrar a fidelidade dos seguidores de Francisco de Assis no campo da educação. O legado histórico-pedagógico da AFESBJ é um deles. Uma história centenária de fidelidade às suas raízes históricas, educacionais e franciscanas. Uma história de adequação às novas legislações, aos avanços tecnológicos, econômicos, científicos e culturais (ARNS, 1997, p.221). Uma instituição

5 139 hoje a serviço de uma missão definida: "promover a formação do ser humano e a construção de sua cidadania de acordo com os princípios franciscanos, produzindo, sistematizando e socializando o saber científico, tecnológico e filosófico". É dessa herança franciscano-pedagógica que, na aurora do novo milênio (séc. XXI), o processo de construção da Coleção nasce e se apresenta como proposta metodológica para o Ensino Religioso. Um material didático construído com ousadia, visão de futuro e criatividade. O Processo de Construção da Coleção A década anterior à promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB n.º 9394/96) deixou registrado na história brasileira o acentuado "processo de rupturas com as concepções vigentes de educação pela dimensão da crise cultural que se instaura em todos os aspectos da sociedade" (FÓRUM NACIONAL..., 1998, p.17). Foi dentro desse cenário de incertezas e quebra de paradigmas que o Ensino Religioso veio a ser alvo de polêmicos debates. Educadores, líderes religiosos, pensadores, políticos, representantes das tradições religiosas trocavam idéias e pontos de vista a respeito. Haveria de ser o Ensino Religioso doravante uma preocupação apenas das igrejas ou também da escola? O foco das discussões concentrava-se na iminente necessidade de definição, seja enquanto compreensão de sua natureza e papel na escola, seja como inserção do Ensino Religioso enquanto disciplina regular do currículo. Fato é que o Ensino Religioso não mais poderia ser ministrado em sala de aula como uma abordagem estritamente doutrinária de uma determinada religião (JUNQUEIRA, 2002, p.17). Os tempos já não eram os mesmos de outrora. Fazia-se necessário educar agora para o diálogo e salvaguardar o respeito à diversidade cultural e religiosa de cada educando. Poderia a AFESBJ, como escola católica, deixar de promover a síntese entre cultura e fé, entre momentos de aprendizagem e momentos formativos? Consciente de seu legado confessional, a AFESBJ em momento algum se mostrou reticente em acolher alunos oriundos de diversas tradições religiosas, "colocando-se a serviço da pessoa, garantindo em seu interior o pluralismo cultural e Disponível em: <http://www.bomjesus.br/proposta/apresentacao.asp>. Acesso em: 15 nov

6 140 educativo" (OLENIKI, 2003, p. 59). Um Ensino Religioso não mais nos moldes formativos, catequéticos, e/ou doutrinário de uma determinada religião e, sim, interreligioso e com feições pedagógicas. Um Ensino Religioso regulamentado, a serviço da formação humano-religiosa do aluno, da socialização dos valores humanos fundamentais e do comprometimento cívico (JUNQUEIRA, 2002, p.11-31). A concepção de educação da Coleção resulta de um longo processo de elucidação da incumbência pedagógica do Ensino Religioso em âmbito escolar. Resulta da preocupação que, já na Semana Pedagógica de 1997, povoou a mente dos professores do Serviço de Orientação Religiosa (SOR) da AFESBJ: "adequar o planejamento, os conteúdos, os textos, o livro didático, as estratégias metodológicas e a avaliação às características próprias a cada faixa etária" (OLENIKI, 2003, p.89). As intenções do SOR nos anos seguintes iria se concentrar no redirecionamento do papel do Ensino Religioso com base nos seus respectivos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Enquanto a Pastoral Escolar assumia a dinamização da confessionalidade católica da Associação (catequese em preparação aos sacramentos, celebrações etc.), o Ensino Religioso enquanto área de conhecimento se responsabilizava por um agir pedagógico aberto às diferentes tradições religiosas presentes no mundo. Os livros didáticos de Ensino Religioso, oferecido pelas editoras, não mais atendiam a nova legislação e demanda educacional. A necessidade de elaborar um material didático próprio para o Ensino Religioso era, então, irrefutável. Seguindo uma metodologia de portfólio, elaborou-se primeiramente o material para a educação infantil, "pautado no respeito e acolhimento ao diferente" (DALDEGAN, 2003, p.95). Os resultados positivos obtidos com a nova metodologia foram motivos suficientes para que, no ano de 2001, ela fosse também implantada, mesmo que em caráter experimental, no Ensino Fundamental (1.ª à 8.ª série). As orientações do Fórum Permanente do Ensino Religioso (Fonaper), bem como os critérios para a organização/seleção de conteúdo e seus pressupostos didático-avaliativos dos PCNs foram determinantes para a construção e publicação da Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso": Educação Infantil (2001) e Ensino Fundamental (2002). Uma publicação em parceria entre a AFESBJ e a Editora Vozes Ltda. É importante destacar que a Coleção assume, desde a pré-escola até a 8.ª série, o compromisso de resgate e de estímulo ao cultivo da dimensão religiosa do ser humano. Assume a incumbência de reeducar, dentro de uma sensibilidade à pluralidade cultural e

7 141 religiosa, o ser humano a desfrutar saudável e plenamente do sentido da vida. Segundo Oleniki (2003, p.99), uma incumbência de: a) curar as feridas do individualismo exacerbado; b) aumentar os espaços de convivência; c) apostar na força do diálogo; d) acreditar no respeito como caminho para a paz entre as pessoas de diferentes confissões religiosas; e) combater o preconceito; f) abrir-se ao diferente; g) compreender que as diferenças não atrapalham; h) salvaguardar o ideal de fraternidade também àqueles que não têm opção religiosa. A Pesquisa e suas Constatações A AFESBJ enquanto lugar de pesquisa e análise do presente trabalho forma hoje um complexo educacional presente em vários Estados do Brasil. Define-se como uma Instituição Escolar de cunho confessional católica franciscana. A coleta de dados referente a esta pesquisa foi encaminhada por meio dos seguintes procedimentos: a) Visita à escola e contato com os professores de Ensino Religioso da AFESBJ; b) Observação do funcionamento e da rotina da escola (Apêndice B) e leitura dos desdobramentos históricos da Instituição de ensino; c) Estudo e análise do projeto pedagógico e dos 11 volumes da Coleção; d) Entrevista semi-estruturada com os professores de Ensino Religioso, escritores e não-escritores (Apêndice A); e) Descrição, análise e interpretação dos dados coletados à luz do referencial teórico. O tratamento de todos os procedimentos possibilitou a verificação de aspectos relevantes e ao mesmo tempo complexos. Como chave de leitura da contribuição de cada professor entrevistado, sete critérios de verificação e análise foram estipulados, a saber: concepção de educação, concepção religiosa, conteúdo, metodologia, linguagem, dificuldades na implantação e conquistas para o Ensino Religioso. Tendo em vista a proposição de possíveis subsídios tanto para o realinhamento da proposta de abordagem didática da Coleção, bem como a reafirmação da importância de sua implantação nas escolas, sejam elas públicas ou privadas, seguem abaixo algumas constatações: Os precedentes do processo de construção da Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso": a) A aprovação da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), Lei n de 20 de dezembro de 1996; b) A herança do respeito e do diálogo presente nas origens e nos fundamentos franciscanos da

8 142 proposta pedagógica da AFESBJ; c) O contexto histórico em que se deu o processo de construção da Coleção marcado por transições culturais, diluição da reverência ao sagrado, oscilações econômicas, ebulição de fanatismos religiosos, rupturas com as concepções de educação vigentes; d) A inserção do Ensino Religioso enquanto disciplina regular do currículo (não mais com uma abordagem doutrinária de uma determinada religião); e) A proposição do diálogo como caminho para o respeito à diversidade cultural e religiosa do aluno; f) A histórica fidelidade da AFESBJ ao seu legado franciscano de, em momento algum, mostrar-se reticente em acolher alunos oriundos de diversas tradições religiosas e, acima de tudo, colocar-se a serviço da formação integral da pessoa humana; g) A preocupação dos professores do Serviço de Orientação Religiosa da AFESBJ em 1997 de, na medida do possível, adequar o planejamento, os conteúdos, os textos, o livro didático, as estratégias metodológicas e a avaliação às características próprias de cada faixa etária; h) A distinção entre o trabalho de dinamização da confessionalidade católica da AFESBJ (catequese, pastoral escolar) e a disciplina de Ensino Religioso, responsável por um agir pedagógico aberto às diferentes tradições religiosas presentes no mundo; i) A publicação do Documento da Congregação da Educação Católica em 1998 que versava sobre a importância de esta ter como projeto educativo uma abordagem do saber à luz da fé, tornando-o sabedoria e visão da vida, da cultura e da história, um saber como fonte de valores a construir e verdades a descobrir. O Processo de construção, edição e implementação da Coleção, uma publicação em parceria entre a AFESBJ e a Editora Vozes: a) Os livros didáticos de Ensino Religioso, oferecidos pelas editoras, não mais atendiam à nova legislação e demanda educacional; b) O êxito alcançado com a metodologia de portfólio usada primeiramente na Educação Infantil, pautada no respeito e acolhimento ao diferente, abriu caminho para a sua abrangência às séries do Ensino Fundamental; c) As orientações do Fórum Permanente do Ensino Religioso (Fonaper) em 1998, bem como os critérios para a organização/seleção de conteúdo e seus pressupostos didático-avaliativos dos PCNs foram determinantes para a construção e publicação da Coleção (Educação Infantil/2001 e Ensino Fundamental/2002). A peculiaridade didática da Coleção: a) A intenção de educar para uma convivência pacífica por meio de metodologias inovadoras e, ao mesmo tempo, simples e acessíveis a cada faixa etária do aluno; b) A aposta no trabalho do

9 143 professor enquanto mediador e animador do processo de aprendizagem das manifestações culturais e religiosas das tradições; c) A abordagem de uma proposta de Ensino Religioso enquanto área de conhecimento, inserido no conjunto das propostas educacionais do projeto pedagógico da escola; d) O espaço de reflexão sobre a importância do acolhimento, do respeito, da convivência fraterna e do diálogo para com o diferente de si, seja quanto ao aspecto cultural ou religioso; e) A dinamização da pesquisa, estudo, troca de idéias e aprofundamento do conhecimento do aluno tanto sobre a sua tradição religiosa como quanto à forma de expressão religiosa de seus colegas; f) A contribuição para a construção da cidadania do educando; g) A parceria estabelecida com a família do aluno, incumbindo-a de educá-lo conforme a sua confissão religiosa, reservando ao professor o papel de mediador/animador educacional, responsável pelo ônus de educar para a diversidade cultural e religiosa; h) A relação com a vida, a importância da convivência com o outro e a leitura dos acontecimentos como aspectos a fomentar a capacidade imaginativa e curiosa do aluno na Educação Infantil; i) O desenvolvimento da dimensão religiosa, social, intelectual e física, o diálogo com o Transcendente, a aprendizagem sobre textos sagrados orais e escritos, a relação entre religiosidade, líderes e comunidades religiosas, o estudo sobre costumes, símbolos das tradições religiosas, a vocação humana para o bem e sua relação com o Transcendente como os principais temas de estudo do aluno no Ensino Fundamental. O impacto transformador da concepção inter-religiosa da Coleção: a) O compromisso de, desde a pré-escola até a 8.ª série, fomentar o resgate e o cultivo da dimensão religiosa do aluno; b) A incumbência de re-educar, dentro de uma sensibilidade à pluralidade cultural e religiosa, o ser humano a desfrutar saudável e plenamente do sentido da vida diante ao individualismo e do preconceito religioso; c) O esforço em suprir as lacunas do processo de ensino e aprendizagem em relação à formação integral do ser humano; d) O enunciado do respeito e da pré-disposição na convivência com o diferente como razão de ser da nova consciência religiosa. A linguagem vista por boa parte dos professores como adequada e, segundo uma pequena parcela do corpo docente, com resquícios de formas de expressão vinculadas ainda à tradição cristã. A imperiosa dificuldade em superar o ponto de vista confessional no escrever e

10 144 abordar os temas de estudo de uma Coleção de cunho inter-religiosa. A unanimidade em relação ao aspecto metodológico das conquistas obtidas com a implantação da Coleção em sala de aula. O Múnus da Educação Religiosa Trabalhar o respeito entre as tradições religiosas, o conhecer e o dialogar com o diferente sem menosprezar a própria identidade continua sendo um dos maiores desafios do contexto escolar. A educação religiosa escolar não é propriamente responsabilidade das instituições ou tradições religiosas. Às instituições religiosas cabe fomentar o ensino da doutrina, da crença, da prática ritual e introspectiva, além dos costumes que lhe são exclusivos e próprios. A educação religiosa escolar é tarefa eminentemente da escola. Para tanto, a escola, por meio do Ensino Religioso, pode: a) quebrar paradigmas; b) promover a valorização das múltiplas tradições religiosas, a consciência e a aceitação da diversidade religiosa existente em sala de aula; c) contribuir para o desenvolvimento da percepção da presença e influência da religiosidade nas mais variadas situações e ambientes sociais; d) possibilitar ao aluno fazer-se portador de uma visão da dimensão religiosa como orientadora da vida e, por isso mesmo, humanizadora e fonte de plenitude; e) buscar a meta da formação integral do ser humano. O viver humano é, essencialmente, uma expressão do mistério da vida que todos os dias não cessa de se manifestar. Aqui e acolá, o ser humano perambula à procura de tudo aquilo que lhe possa conferir sentido e plenitude. As tradições religiosas se apresentam como o "lugar" da mais sublime inspiração capaz de conferir sentido e plenitude à vida humana. Por sua vez, o entendimento universal entre elas há de sempre ter como finalidade maior a construção da paz: "não haverá paz entre as nações, se não existir paz entre as religiões. Não haverá paz entre as religiões, se não existir diálogo entre as religiões" (KÜNG, 2004, p.17). A pesquisa que aqui ganha suas últimas linhas lança e reitera uma meta que a precedeu e que se projeta para além dela: a meta de uma relação dialógica em prol de uma convivência respeitosa e pacífica entre as tradições religiosas. Educar as gerações presentes e futuras para isso se faz imprescindível. A Coleção "Redescobrindo o Universo Religioso" é, mesmo com alguns aspectos assinalados

11 145 pela pesquisa suscetíveis de re-elaboração, um material didático a ser implantado nas escolas, sejam elas públicas ou privadas. REFERÊNCIAS ANÔNIMO PERUSINO. São Francisco de Assis: escritos e biografias de São Francisco de Assis, crônicas e outros testemunhos do primeiro século franciscano. 2.ed. Petrópolis: Vozes-Cefepal, ARNS, J. C. Bom Jesus: uma escola centenária em sua moldura histórica. Curitiba: Departamento Gráfico, BOFF, L. Fundamentalismo: a globalização e o futuro da humanidade. Rio de Janeiro: Sextante, CANONICI, L., Francisco D Assisi. Assisi: DACA, CELANO, T., Vida I. SÃO Francisco de Assis: escritos e biografias de São Francisco de Assis, crônicas e outros testemunhos do primeiro século franciscano. 2.ed. Petrópolis: Vozes-Cefepal, DALDEGAN, V. M. Ações do ensino religioso In: OLINIKI, M. L. R. O modelo pedagógico e a formação do professor de ensino religioso na Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus. Mestrado em Educação PUCPR. Curitiba: No prelo. ESSER, K. Origens e espírito primitivo da Ordem Franciscana. Tradução de Pe. Henrique Antônio Steffen. Petrópolis: Vozes, FORUM NACIONAL PERMANENTE DO ENSINO RELIGIOSO. Parâmetros curriculares nacionais: ensino religioso. 3.ed. São Paulo: Ave-Maria, JUNQUEIRA, S. R. A. Ensino Religioso um histórico processo. In: ALVES, L. A. S.; JUNQUEIRA, S. R. A. (Org.), Educação religiosa: construção da identidade do ensino religioso e da pastoral escolar. Curitiba: Champagnat, O processo de escolarização do ensino religioso no Brasil. Petrópolis: Vozes, A face pedagógica do Ensino Religioso. In: JUNQUEIRA, S. R. A.; MENEGHETTI, R. G. K.; WASCHOWICZ, L. A., Ensino Religioso e sua relação pedagógica. Petrópolis: Vozes, KÜNG, H. Religiões do mundo: em busca dos pontos comuns. Trad.: Carlos A. Pereira. Campinas: Verus, OLENIKI, M. L. R. O modelo pedagógico e a formação do professor de ensino religioso na Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus. Dissertação (Mestrado em Educação) PUCPR. Curitiba: No prelo.

12 SÃO BOAVENTURA, Legenda Maior. SÃO Francisco de Assis: escritos e biografias de São Francisco de Assis, crônicas e outros testemunhos do primeiro século franciscano. 2.ed. Petrópolis: Vozes-Cefepal, SILESIUS, A. O pequeno querubínico. Tradução de Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, Bibliografia Complementar ALVES, L. A. S.; JUNQUEIRA, S. R. A. (Orgs.). Educação Religiosa: construção da identidade do Ensino Religioso e da Pastoral Escolar. Curitiba: Champagnat, BRAGA, V. M. NARLOCH, R. F. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental. Petrópolis: Vozes, v.4. BRASIL. Lei n.º de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. In: MENEZES, J. G. de C. et al. Estrutura e funcionamento da educação básica. São Paulo: Pioneira, Anexo 2, p CHARLESWORTH, M.; INGPEN, R. Religiões do Mundo. Tradução de: Elda Nogueira. São Paulo: Global, COLÉGIO BOM JESUS. Projeto pedagógico da Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus. Curitiba: Departamento Gráfico, COMISSÃO TEOLÓGICA INTERNACIONAL. O cristianismo e as religiões. Tradução de Gilmar Saint Clair Ribeiro. São Paulo: Loyola, CONFERENCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL. O que é ecumenismo? Ajuda para trabalhar a exigência do diálogo. São Paulo: Loyola, CONFERENZA MINISTRI PROVINCIALI DEI FRATI MINORI D ITALIA. Dialogo e identità franciscana. Roma: COMAS, CONGREGAÇÃO DA EDUCAÇÃO CATÓLICA. A escola católica no limiar do terceiro milênio. Caderno da AEC do Brasil, Brasília: AECBR, n.76, DALDEGAN, V. M. Redescobrindo o universo religioso: educação infantil. Petrópolis: Vozes, v. DELORS, J. et al. Educação: um tesouro a descobrir: Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a Educação para o século XXI. Porto: ASA, LONGEN, M. R. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental - 8ª série. Petrópolis: Vozes, v.8. MENEGHETTI, R. G. K. As contribuições do Ensino Religioso para a formulação do projeto político-pedagógico da escola. In: JUNQUEIRA, S. R. A.; MENEGHETTI, R. G. K.; WASCHOWICZ, L. A. Ensino religioso e sua relação pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2002.

13 147 NARLOCH, R. F. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental - 5ª série. Petrópolis: Vozes, v.5 NAUROSKI, E. A. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental - 7ª série. Petrópolis: Vozes, v.7 ORDINI DEI FRATI MINORI. La vocazione ecumênica del francescano: sussidio per la formazione. Roma: I.S.E. Venezia, REDESCOBRINDO O UNIVERSO RELIGIOSO. Petrópolis: Vozes, 2003, Vídeocassete (23 min), VHS, son., color. ROMANIO, A. M. Redescobrindo o Universo Religioso: ensino fundamental - 6ª série. Petrópolis: Vozes, v.6. ROMANIO, A. M. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental - 3ª série. Petrópolis: Vozes, v.3 SILVA, I. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental - 2ª série. Petrópolis: Vozes, v.2 SOUZA, G. S. Redescobrindo o universo religioso: educação infantil - Pré III. 2.ed. Petrópolis: Vozes, v.3. SOUZA, G. S. Redescobrindo o universo religioso: ensino fundamental - 1ª série. Petrópolis: Vozes, v.1.

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Educação Linha de Pesquisa Teoria e Prática na Formação de Professores Projeto de Pesquisa Identidade e Prática Pedagógica do Professor

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A coleção Redescobrindo o universo religioso

A coleção Redescobrindo o universo religioso 177-184-Doss2-Claudino.qxp 17-02-2008 16:47 Page 177 D E B A T E S A coleção Redescobrindo o universo religioso O quê? e o Para quê? do ensino de Religião na escola e na formação do professor O conhecimento

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 6ºs Anos PROFESSOR: André

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Período: Anual Professor: MARIA LÚCIA DA SILVA Série e segmento: 6º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE * Trabalhar a formação cidadã do aluno

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

O DESAFIO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA REFLEXÃO SOBRE A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DO EDUCADOR.

O DESAFIO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA REFLEXÃO SOBRE A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DO EDUCADOR. O DESAFIO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA REFLEXÃO SOBRE A FORMAÇÃO E A PRÁTICA DO EDUCADOR. Cornélia Fantini Kucek¹ Kizzy Feldkirker² Resumo A Educação Infantil é a primeira etapa do desenvolvimento

Leia mais

O ensino religioso em face do Projeto Político Pedagógico Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar

O ensino religioso em face do Projeto Político Pedagógico Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar O ensino religioso em face do Projeto Político Pedagógico Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar Resumo: Este artigo objetiva analisar a relação do ensino religioso junto ao Projeto Político Pedagógico destacando

Leia mais

Desafios do contexto histórico-legislativo da formação de professores de Ensino Religioso no Brasil

Desafios do contexto histórico-legislativo da formação de professores de Ensino Religioso no Brasil 185-192-Doss2-Sergio.qxp 17-02-2008 16:49 Page 185 D E B A T E S Desafios do contexto histórico-legislativo da formação de professores de Ensino Religioso no Brasil Enquanto área de Conhecimento, o ER

Leia mais

A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar

A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar Introdução Pretendemos apresentar neste artigo algumas ideias sobre a diferença da disciplina Ensino Religioso (ER) da tradicional

Leia mais

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE 5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE José Bizon dcj@casadareconciliacao.com.br 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo O ecumenismo é parte integrante da ação evangelizadora. De acordo com o Decreto Unitatis redintegratio,

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO COMO VIA PARA A CIDADANIA E CULTURA DE PAZ

O ENSINO RELIGIOSO COMO VIA PARA A CIDADANIA E CULTURA DE PAZ Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 O ENSINO RELIGIOSO COMO VIA PARA A CIDADANIA E CULTURA DE PAZ Andréa Cristhina Brandão TEIXEIRA 1 Resumo Sendo obrigatória

Leia mais

Projeto Educativo Franciscano Bonlandense

Projeto Educativo Franciscano Bonlandense Projeto Educativo Franciscano Bonlandense Irmãs Franciscanas da Imaculada Conceição de Maria, de Bonlanden Discípulas e seguidoras de Nosso Senhor Jesus Cristo, buscam viver o Evangelho em espírito e verdade.

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO

ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO ESTRATÉGIAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DUCADORAS DE BERÇÁRIO: EM FOCO O TRABALHO EDUCATIVO COM A LINGUAGEM MOVIMENTO NADOLNY, Lorena de Fatima PMC e UFPR lorenaedf@gmail.com GARANHANI, Marynelma Camargo-

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO

PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO PROJETO EDUCATIVO DO MOVIMENTO ESCOTEIRO Escritório Nacional Rua Coronel Dulcídio, 2107 - Bairro Água Verde CEP 80250-100 - Curitiba - PR Tel: (41) 3353-4732 Fax:

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

A educação em geral e a educação para a cidadania, em especial, devem se tornar uma questão de Estado. Xesús Jares. Entrevista Escuela. Número 3.

A educação em geral e a educação para a cidadania, em especial, devem se tornar uma questão de Estado. Xesús Jares. Entrevista Escuela. Número 3. Entrevista Escuela Número 3.734 1 de fevereiro de 2007 Xesús Rodrigues Jares, coordenador de Educadores para a Paz, há poucos meses lançou seu livro Pedagogia da Convivência, obra concebida a partir de

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DO BRASIL MARISTA

PROJETO EDUCATIVO DO BRASIL MARISTA PROJETO EDUCATIVO DO BRASIL MARISTA Escola, espaço privilegiado para evangelização (São Marcelino Champagnat) Facilitadores: Edineide Liberato, Josenildo Costa, Telma Pereira e Rozana Cabral QUADRO SÍNTESE

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

UM BREVE HISTÓRICO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA. (Ciências da Religião-UERN; Psicopedagogia-UCB/RJ; Mestrado Psicologia-UFRN)

UM BREVE HISTÓRICO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA. (Ciências da Religião-UERN; Psicopedagogia-UCB/RJ; Mestrado Psicologia-UFRN) UM BREVE HISTÓRICO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Professor Especialista Antonio Max Ferreira da Costa (Ciências da Religião-UERN; Psicopedagogia-UCB/RJ; Mestrado Psicologia-UFRN) RESUMO O

Leia mais

Entrevista com Volney José Berkenbrock

Entrevista com Volney José Berkenbrock Entrevista com Volney José Berkenbrock Volney José Berkenbrock é doutor em Teologia, professor do programa de pósgraduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP

Caderno de Estudo: Avaliação 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP Caderno de Estudo: Avaliação 7º Plano de Pastoral Orgânica (20102010-2013) 2013) Equipe Dinamizadora do 7º PPO Arquidiocese de Campinas - SP A p r e s e n t a ç ã o Eu vim, ó Deus, para fazer a Vossa

Leia mais

AS DIRETRIZES CURRICULARES DE ENSINO RELIGIOSO DO ESTADO DO PARANÁ COMO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO E ORIENTAÇÃO

AS DIRETRIZES CURRICULARES DE ENSINO RELIGIOSO DO ESTADO DO PARANÁ COMO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO E ORIENTAÇÃO AS DIRETRIZES CURRICULARES DE ENSINO RELIGIOSO DO ESTADO DO PARANÁ COMO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO E ORIENTAÇÃO NIZER, Carolina do Rocio - SEED/PR carolnizer@seed.pr.gov.br VIEIRA, Wilson José - SEED/PR wilsonjosevieira@seed.pr.gov.br

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE

O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares A ESPIRITUALIDADE DA UNIDADE O Movimento dos Focolares Movimento Internacional: Está presente em 182 países. Sede Central: Rocca di Papa (Roma), Itália No mundo: Membros: 120

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura)

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) PBCM COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO RIO DE JANEIRO RJ CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) II PARTE: VISÃO CRISTÃ DA EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

PROPOSTA PARA A POLITICA DE ENSINO DA REDE MUNICIPAL DO RECIFE 2.4. ENSINO RELIGIOSO. Prof. Gilbraz Aragão

PROPOSTA PARA A POLITICA DE ENSINO DA REDE MUNICIPAL DO RECIFE 2.4. ENSINO RELIGIOSO. Prof. Gilbraz Aragão PROPOSTA PARA A POLITICA DE ENSINO DA REDE MUNICIPAL DO RECIFE 2.4. ENSINO RELIGIOSO Prof. Gilbraz Aragão 2.4.1. Fundamentos teóricos do Ensino Religioso. Longe de se embasar no ensino de uma religião

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO RELIGIOSO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO

ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO RELIGIOSO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE ENSINO 1 Governo do Estado do Piauí Secretaria Estadual de Educação e Cultura - SEDUC 4ª Diretoria Regional de Educação - 4ª DRE Coordenação de Ensino e Aprendizagem Técnica de Ensino Religioso da 4ª DRE: Loise

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA A PARTIR DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

O ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA A PARTIR DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS O ENSINO RELIGIOSO NO BRASIL: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA A PARTIR DOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Rodrigo Augusto de Souza (PUCPR) rodrigoaugustobr@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho procura mostrar

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO

IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO IDEÁRIO DA INSTITUIÇÃO I Princípios Básicos - Todos os homens, têm direito a uma educação adequada e à cultura, segundo a capacidade de cada um, em igualdade de oportunidades e em relação a todos os níveis

Leia mais

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental.

DINÂMICA DE FUNCIONAMENTO: Horário matutino: de 5º ao 9 º ano do Ensino Fundamental. NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO: EDUCAÇÃO INFANTIL: Maternal III: 3-4 anos 1º Período: 4-5 anos 2º Período: 5-6 anos ENSINO FUNDAMENTAL: Novatos: 1º ano matrícula com 6 anos completos (até 31 de março)

Leia mais

O FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DO ENSINO RELIGIOSO (FONAPER) E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DO ENSINO RELIGIOSO

O FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DO ENSINO RELIGIOSO (FONAPER) E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DO ENSINO RELIGIOSO O FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DO ENSINO RELIGIOSO (FONAPER) E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DO ENSINO RELIGIOSO Kleberson M. Rodrigues - PUCPR * Léo Marcelo P. Machado - PUCPR ** Sérgio

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

PSICOLOGIA DAS IDADES

PSICOLOGIA DAS IDADES PSICOLOGIA DAS IDADES Pe. Fausto dos Santos Oliveira Mestre, em obediência à vossa Palavra, lançarei as redes Oração Vocacional Senhor da Messe e Pastor do rebanho, faze ressoar em nossos ouvidos teu forte

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. I Semana de Educação Matemática da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. Tema: Educação Inclusiva. Palestrante: Professor Nivaldo Vieira Santana Inicialmente desejo agradecer aos organizadores

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

DIVERSIDADE CULTURAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO DIVERSIDADE CULTURAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO MESTRANDA: LIDIA KADLUBITSKI ORIENTADOR: PROF. DR. SÉRGIO S ROGÉRIO RIO DE AZEVEDO JUNQUEIRA OBJETO DE PESQUISA Como a diversidade cultural está presente em

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

Juventude e Relações Humanas

Juventude e Relações Humanas SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO. 1º ao 9º ano

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO. 1º ao 9º ano PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO ENSINO RELIGIOSO 1º ao 9º ano 2010 1 PROGRAMA DE ENSINO INTRODUÇÃO O Programa de Ensino da Secretaria de Educação de Joinville

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo Marco Milani 2013 Dados Gerais Título: A confessionalidade espírita em Instituições de Ensino

Leia mais

PLANO DE PASTORAL UNIVERSITÁRIA

PLANO DE PASTORAL UNIVERSITÁRIA PLANO DE PASTORAL UNIVERSITÁRIA 2015 1. APRESENTAÇÃO O Pl de Pastoral Universitária tem por finalidade promover, articular e coordenar ações que desenvolvam processos de tomada de consciência e decisões

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ERROS E ACERTOS

O ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ERROS E ACERTOS O ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ERROS E ACERTOS Manuele Ceratti Silva 1 Resumo: Este estudo aborda a questão do Ensino Religioso na Educação Infantil, apresentando um resumo sobre o que a legislação

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira 1. Celebrar e (Re) Pensar Ensina-nos a contar os nossos dias, para que venhamos a ter um coração sábio (Sl 90,12). As palavras do salmista

Leia mais

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158.

MONTEIRO, Eduardo...[et al.]. Ensino Religioso Ensino Médio. A Vida é Mais educação e valores. Belo Horizonte: PAX Editora, 2010. p. 158. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: / / 03 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA.º ANO/EM PROFESSOR(A): VALOR: MÉDIA: RESULTADO: %

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO RELIGIOSO

O LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO RELIGIOSO O LIVRO DIDÁTICO E O ENSINO RELIGIOSO Claudino Gilz RESUMO A presente pesquisa tem como principal objetivo identificar a importância do livro didático tanto para o desenvolvimento das aulas de Ensino Religioso

Leia mais

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DEUS SE REVELA Revelação é o diálogo entre Deus e seus filhos, cuja iniciativa vem de Deus (8). A Palavra de Deus não se revela somente para

Leia mais

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso Conselho Mundial das Igrejas Aliança Evangélica Mundial A missão pertence à essência da igreja. Proclamar a palavra de Deus e testemunhá-la ao mundo é

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO ENTRADA EM AGOSTO DE 2014. Edital n.º 23.2014

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO ENTRADA EM AGOSTO DE 2014. Edital n.º 23.2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO ENTRADA EM AGOSTO DE 2014 Edital n.º 23.2014 I IDENTIFICAÇÃO E DADOS DO PPGT O Programa de Pós-Graduação em Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, vinculado

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Pastor Marco Feliciano)

PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Pastor Marco Feliciano) PROJETO DE LEI Nº /2011 (do Sr. Pastor Marco Feliciano) Altera o art. 33 da Lei n.º 9.394/96, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino do país. O Congresso Nacional

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação

O que é Catequese? Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação Paróquia Santo Cristo dos Milagres Fonseca Niterói RJ Pastoral da Comunicação contato@paroquiasantocristodosmilagres.org O que é Catequese? Segundo a exortação apostólica Catechesi Tradendae do Papa João

Leia mais

ENSINO RELIGIOSO: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO COMO ÁREA DE CONHECIMENTO.

ENSINO RELIGIOSO: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO COMO ÁREA DE CONHECIMENTO. 29369 ENSINO RELIGIOSO: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO COMO ÁREA DE CONHECIMENTO. Resumo NIZER, Carolina do Rocio 1 - DEB/SEED - PR SANTOS, Elói Corrêa dos 2 - ASSINTEC/SEED - PR Grupo de Trabalho Ensino

Leia mais

A coletividade de bens entre os cristãos do primeiro século Resumo Premissa

A coletividade de bens entre os cristãos do primeiro século Resumo Premissa A coletividade de bens entre os cristãos do primeiro século Valmir Medina Riga graduando Prof a. Dr a. Érica de Campos Vicentini orientadora Universidade do Oeste Paulista Resumo Essa pesquisa visa a investigação

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais