FRANCISCO, O SANTO DO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRANCISCO, O SANTO DO"

Transcrição

1 Edição #124 Oásis FRANCISCO, O SANTO DO novo PAPA CHORAR FAZ BEM As lágrimas libertam o corpo e a alma 19 NOVOS TESOUROS Do patrimônio da humanidade O VIOLINO E A NOITE ESCURA DA ALMA A música foi capaz de salvar uma jovem violinista

2 por Luis Pellegrini Senhor, dai-me força para mudar o que pode ser mudado... Resignação para aceitar o que não pode ser mudado... E sabedoria para distinguir uma coisa da outra, São Francisco de Assis Editor Q uando o cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, membro da ordem jesuíta, recém eleito novo papa anunciou que adotaria o nome Francisco, surgiu a dúvida: era em homenagem a São Francisco de Assis, um dos santos mais populares e queridos da Igreja Católica, ou de São Francisco Xavier, também jesuíta? A diferença entre ambos é enorme. Xavier tem seu nome ligado a grandes campanhas de evangelização ao redor do mundo, notadamente em países da Ásia. É, portanto, um santo ligado aos processos de expansão da Igreja no mundo, cujos excessos às vezes a confundiram com alguma imensa potência imperialista. O outro Francisco, o poverello de Assis, situa-se na ponta oposta. Santo da renúncia aos bens e ao poder materiais, amigo dos pobres e dos fracos, da natureza e dos animais, dono de imensa compaixão por todos os seres viventes, Francisco de Assis enxergava muito à frente de seu tempo. Ecologista na sua adoração pela natureza, anticonsumista pela simplicidade, defensor da liberdade de oásis. Editorial 2/51

3 por Luis Pellegrini Editor espírito, da alegria e da vida comunitária. Além disso, foi um feminista de primeira hora na relação com Santa Clara e a ordem das clarissas. Se houve dúvida nas primeiras horas quanto ao verdadeiro Francisco homenageado, Bergoglio fez questão de esclarecer tudo bem rapidamente: era mesmo o santo de Assis. Desde então, verdade seja dita, o novo papa tem se comportado de maneira coerente com o seu patrono. Francesco di Pietro di Bernardone, filho de ricos comerciantes nasceu na cidade italiana de Assis, em cinco de julho de Visionário, mudou não só o conceito de santidade e devoção, mas a atitude da Igreja e dos leigos na virada do século 12 para o século 13. Teve uma juventude agitada e brilhante, nas festas em sua cidade era o vencedor em todos os torneios que participava. Entre os 22 e 24 anos, iniciou a sua lenta conversão para a religião. Neste período, lutou em defesa de Assis e ficou preso um ano em Peruggia. Escolhemos dois artigos sobre São Francisco para pontuar e homenagear a visita de Papa Francisco ao Brasil, para participar esta semana da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro. O primeiro artigo é assinado pelo teólogo Leonardo Boff, o segundo pela psicoterapeuta paulista Tereza Kawall. Para terminar, a citação de trecho de uma célebre oração de São Francisco, muito útil e necessária nos dias que correm: Senhor, dai-me força para mudar o que pode ser mudado... Resignação para aceitar o que não pode ser mudado... E sabedoria para distinguir uma coisa da outra. oásis. Editorial 3/51

4 FRANCISCO, O SANTO DO PAPA FRANCISCO espiritualidade oásis. espiritualidade

5 Por: Equipe Oásis D Papa Francisco chega ao Rio de Janeiro na tarde de segunda-feira, 22 de julho. Será recebido pela Presidente Dilma Rousseff e por todo um séquito de autoridades civis e eclesiásticas. Em tom de boas vindas trazemos dois textos, um do teólogo Leonardo Boff, o outro da psicoterapeuta Tereza Kawall, ambos sobre Francisco de Assis, o santo que lhe inspirou o nome ante Alighieri dizia que São Francisco era uma luz que brilhava sobre o mundo. Na verdade, poucas figuras das religiões cristãs apresentam uma unanimidade de aprovação como a do poverello de Assis. Considerado santo ainda em vida, homem simples e despojado, semianalfabeto, embora de família abastada, o que possuía Francisco para despertar tanto afeto e admiração? Essa pergunta de imediato enseja várias outras: Será a preocupação excessiva com os bens terrenos prejudicial à perfeição cristã e mais própria do espírito pagão? Sendo assim, por que a Igreja Católica se deixou levar por um modelo oposto, feito de glorificação da riqueza, da pompa e do esplendor? Será criticável a assim chamada Sociedade de Consumo de nossos dias, por preconizar a busca incessante do gozo das riquezas e dos bens materiais? Criará esse modelo de sociedade um ateísmo e um materialismo práticos? Todas essas são perguntas relevantes, que têm muito a ver com os atuais estudos e debates que visam a criação de um novo paradigma existencial. O da criação de uma sociedade mais espiritualizada, muito menos apegada aos vícios da matéria, embora não pauperista ou miserabilista. É justamente nesse momento de importante transição histórica que surge repentinamente um novo Papa, e o nome que ele escolhe é o de Francisco, o santo da humildade, da solidariedade, da compaixão, da pobreza e da devoção. O recado parece claro: este é o modelo que Papa Francisco preconiza. Significativamente a primeira viagem do seu papado é ao Brasil. Será importante prestarmos atenção a suas palavras. E enquanto elas não vêm, convém ler os escritos abaixo, de autoria de Leonardo Boff e de Tereza Kawall. oásis. espiritualidade 5/51

6

7 FRANCISCO SE FEZ NU, PARA COBRIR A NUDEZ DO PAPA Por: Leonardo Boff Sabem os historiadores que o Papa do tempo de São Francisco, Inocêncio III ( ), levara o Papado a um apogeu e esplendor como nunca antes na história eclesiástica. Hábil político, conseguiu que todos os reis, imperadores e senhores feudais, à exceção de apenas alguns, fossem seus vassalos. Sob a sua regência estavam os dois poderes supremos: o Império e o Sacerdócio. Era pouco ser sucessor do pescador Pedro. Declarou- -se representante de Cristo, não do Cristo pobre, andando pelas poeirentas estradas da Palestina, profeta peregrino, anunciador de uma radical utopia, a do Reino do amor incondicional ao próximo e a Deus, da justiça universal, da fraternidade sem fronteiras e da compaixão sem limites. Seu Cristo é o Pantocrator, o Senhor do Universo, cabeça da Igreja e do Cosmos, o Rei universal. Esta visão exaltatória favoreceu a construção de uma Igreja monárquica, poderosa e rica mas absolutamente secularizada, contrária a tudo o que é evangélico. Tal realidade só podia provocar uma reação contrária entre o povo. Surgiram os movimentos pauperistas, de pobres e de leigos ricos que se faziam pobres. Por sua conta pregavam o evangelho na língua popular: o evangelho da pobreza contra o fausto das cortes, da oásis. espiritualidade 7/51

8

9 simplicidade radical contra a sofisticação dos palácios, da adoração do Cristo de Belém e da Crucificação contra a exaltação do Cristo Rei todo poderoso. Eram os albigenses, os valdenses, os pobres de Lyon, os seguidores de Francisco, de Domingos e dos sete Servos de Maria de Florença, nobres que se fizeram mendicantes. Apesar deste fausto, Inocêncio III foi sensível a Francisco e aos doze companheiros que o visitaram, esfarrapados, em seu palácio em Roma, pedindo licença para viverem segundo o Evangelho. Comovido e com remorsos, o Papa lhes concedeu uma licença oral. Corria o ano Francisco nunca esquecerá este gesto generoso do Papa imperial. Mas a história dá as suas voltas. O que é verdadeiro e imperativo, chegado o momento de sua maturação, se revela com uma força vulcânica. Tal se revelou em 1216, em Peruggia, para onde fora o Papa Inocêncio III a um de seus palácios. Eis que ele morre subitamente, depois de 18 anos de pontificado triunfante. Logo sons lúgubres de canto gregoriano se fazem ouvir, vindos da catedral pontifícia. Executa-se o grave planctum super Innocentium ( o pranto sobre Inocêncio ). oásis. espiritualidade Mas nada detém a morte, senhora de todas as vaidades, de toda a pompa, de toda glória e de todo o triunfo. O esquife do Papa jaz à frente do altar-mor: coberto de ouropéis, joias, ouro, prata e os signos do duplo poder sagrado e secular. Cardeais, imperadores, príncipes, abades, longas filas de fiéis se sucedem na vigília. É o bispo Jacques de Vitry vindo de Namur e 9/51

10 depois feito Cardeal de Frascati que o conta. É meia-noite. Todos se retiram, pesarosos. Apenas o bruxulear das velas acesas projetam fantasmas nas paredes. O Papa, outrora, sempre cercado por nobres, está agora só com as trevas. Eis que ladrões penetram sorrateiramente na catedral. Em poucos minutos espoliam seu cadáver de todas as vestes preciosas, do ouro, da prata e das insígnias papais. Aí jaz um corpo desnudo, já quase em decomposição. Realiza-se o que Inocêncio deixara exarado num famoso texto sobre a miséria da condição humana. Agora ela é demonstrada com toda a sua crueza em sua própria condição. Um pobrezinho, fétido e miserável, se escondera num canto escuro da catedral para vigiar, rezar e passar a noite junto ao Papa que lhe aprovara seu modo de vida pobre. Ele tirou a túnica rota e suja, túnica de penitência. E com ela cobriu as vergonhas do cadáver violado. Era Francisco de Assis. Sinistro destino da riqueza, grandiosidade do gesto da pobreza. A primeira não o salvou do saque, a segunda o salvou da vergonha. Concluiu o Cardeal Jacques de Vitry: Entrei na igreja e me dei conta, com plena fé, o quanto é breve a glória enganadora deste mundo Aquele que todos chamavam de poverello e de fratello nada disse nem pensou. Apenas fez. Ficou nu para cobrir a nudez do Papa que um dia mostrou compreensão por sua decisão de viver segundo o evangelho da oásis. espiritualidade 10/51

11

12 pobreza radical. Esse Francisco de Assis emerge como fonte inspiradora de Francisco de Roma, o bispo da cidade e Papa. *Leonardo Boff é autor do livro Francisco de Assis: ternura e vigor (Vozes) 1999 FRANZINO, VESTE PUÍDA, CAJADO NA MÃO Por: Tereza Kawall Com suas vestes puídas e um cajado na mão, esse homem franzino e delicado passou boa parte de sua vida pregando nas cidades italianas. De suas palavras emanava uma força extraordinária que a todos encantava, tanto os mais miseráveis quanto os da mais alta nobreza da Europa medieval. Francisco amou, reverenciou e exaltou o Criador e toda sua criação, pregando a simplicidade e a beleza, deixando um legado extraordinário de virtudes como a humildade e a bondade que fizeram dele um ser extraordinário e inesquecível. Considerado santo já em vida, São Francisco foi canonizado pela Igreja Católica menos de dois anos após a sua morte. Giovanni di Pietro di Bernardone, mais conhecido como Francisco, nasceu em Assis no ano de 1182, numa família da alta burguesia italiana que desfrutava de boa situação financeira. Filho de um próspero comerciante de tecidos, o jovem Francisco gozava de boa vida, era muito popular entre seus amigos, oásis. espiritualidade 12/51

13 gostava de festas, bebidas e belas roupas. Viveu sem maiores preocupações nesse ambiente festivo e extravagante. Mas, desde muito jovem, mostrava sinais de amor pelos pobres; aproveitava-se da ausência de seu pai e trazia-os para casa para que pudessem comer. Em 1202, alistou-se como soldado numa guerra entre Assis e Peruggia, mas acabou sendo capturado e ficou preso por um ano. Em 1205, engajou-se novamente na carreira das armas. Nessa época teve visões que foram os primeiros chamados para a sua grande aventura mística. Nos séculos 12 e 13, época em que viveu Francisco, espalhava existia na Europa medieval o chamado movimento pauperista, que tomou todo o sul da França, sul da Alemanha e toda a Itália era constituído por homens leigos que levavam o Evangelho para todos, em linguagem popular. É importante lembrar que o poder cultural e social da Igreja nessa época era absoluto. Os mosteiros eram centros de cultura erudita, com suas maravilhosas bibliotecas. As ordens religiosas eram muito ricas, recebiam muitas doações do povo e da nobreza, possuíam tesouros e grandes extensões de terra. É nesse contexto histórico que vamos encontrar o jovem Francisco. Ele surpreendeu a todos quando deixou para trás a herança paterna e saiu em busca de seu próprio caminho. oásis. espiritualidade 13/51

14

15 Tradição e ruptura Aos poucos foi se retraindo, já não encontrava prazer nas festas e farras. Dizia estar enamorado da Dama Pobreza - e por ela renunciou drasticamente às riquezas e prazeres do mundo e aos inconformados amigos. Vai para os arredores da cidade e entra na Ordem dos Penitentes, uma das várias ordens de pobreza existentes na época; veste-se apenas com uma túnica rústico, leva um cajado, faz orações e penitências intermináveis. Embora pertencesse a uma família abastada, Francisco era semianalfabeto. Mas a grande ruptura se deu quando, um dia, encontrou e abraçou um leproso e, ao olhar para ele, viu Jesus Cristo em seu lugar. A partir daí vai morar com os leprosos ; cuida deles e come com eles, para escândalo de muitos. É importante lembrar que a lepra naquela época era símbolo do pecado, vale dizer que os leprosos, mais que doentes, eram considerados pecadores públicos e radicalmente excluídos do contato social. Fazia sua pregação de forma itinerante, dentro ou fora dos centros urbanos, e nunca esteve vinculado a nenhum núcleo religioso, pois suas convicções pessoais pregavam o distanciamento das instituições, fossem elas políticas ou religiosas. Renunciou à família, renunciou à segurança da diocese e a dos mosteiros de clausura, deixando claro que sua espiritualidade estava nos caminhos, entre os homens. Dizia: Onde eles estão, na poeira dos caminhos, aí estaremos nós. oásis. espiritualidade 15/51

16 Aos poucos foram se juntando a São Francisco outros homens e mulheres que se tornaram seus discípulos. Entre eles, Clara de Assis, que foi sua fiel confidente e companheira até a morte. Na época havia uma bula papal que proibia os leigos de pregarem e Francisco era um deles. Jamais pertencera a uma ordem religiosa, e por isso era ameaçado. Assim, pediu ao papa Inocêncio III uma ordem de diácono que lhe permitiria pregar o Evangelho, mas não aceitava benefícios nem títulos. O Papa o autorizou a fazer isso. Amor aos animais Francisco amava todos os animais, particularmente os passarinhos, e deliciava-se com o seu canto; em especial protegia também as ovelhas e as árvores. Há um episódio marcante em sua vida que deixou muito evidente a relação especial que tinha com os animais. Contam que São Francisco, ao passar pela cidade de Gubbio, soube de histórias terríveis de um lobo feroz que atacava e devorava pessoas nas estradas rurais, causando pânico e desespero entre os moradores que não saíam mais de casa. São Francisco apiedou-se do animal, e foi desarmado em direção ao lobo; alguns mais valentes o seguiram à distância, pela floresta. Ao ver aproximar-se a fera, fez o sinal da cruz e disse: Vem cá irmão lobo, ordeno-te da parte de Cristo que não faças mal nem a mim, nem a ninguém. Dizem que o animal estendeu oásis. espiritualidade 16/51

17 -se aos pés de Francisco, que continuou a conversar com ele, explicando que não mais poderia continuar matando as outras criaturas de Deus; e fez a ele a promessa de que, se seguisse a sua orientação, ele convenceria os homens de Gubbio a alimentarem-no diariamente, pois entendia que ele atacava inocentes por estar faminto. São Francisco estendeu-lhe a mão e o lobo estendeu-lhe a pata dianteira, para assombro maior dos poucos que por ali ainda estavam! Juntos, caminharam até a cidade, que já estava alertada e maravilhada com a novidade. Na praça central, São Francisco fez então uma vigorosa intermediação entre o animal e os homens da cidade, afirmando que eles também cometiam atos de violência e crueldade. Assim, ficou selado um acordo entre as duas partes: o animal não atacaria ninguém e a população se comprometeria a prover-lhe o alimento para pudesse viver. Dessa forma, o lobo e passa a ser um cidadão com livre trânsito na cidade. Contam que o lobo morreu depois de dois anos e foi sepultado dentro da igreja local, em homenagem ao santo. A respeito do santo tratar todas as criaturas com afeto e respeitosa delicadeza, diz Maria Sticco: Acontecia-lhe por isso o que não acontece a ninguém: sentindo-se amadas, as coisas o amavam. Não se sabe se era Francisco quem abria a inteligência dos animais ou se seriam eles que o entendiam e a ele somente, adivinhando-lhe por atração instintiva o amor e boa disposição do espírito para com eles. Amavam-no, dando- -se a ele como visivelmente o haviam feito a lebre, o faisão, o lobo, o falcão, os pássaros e como invisivel oásis. espiritualidade 17/51

18 mente faziam as flores, as ervas, a água e o sol. Francisco viveu com sua comunidade, e suas premissas espirituais e morais o impediam de ter ou acumular bens, dinheiro, roupas; desapegado ao extremo, em várias situações tirou o seu próprio manto e o deu para alguém que estivesse com frio. Amava profundamente a natureza em toda a sua extensão e complexidade, fosse uma abelha, uma minhoca, um pássaro, o fogo, a nuvem e a chuva; para São Francisco todos eram irmãos, filhos de um só e mesmo Pai. A ideia holística de que natureza e criação estão intimamente inter-relacionados e integrados, ideia à qual todos temos hoje fácil acesso, já era defendida por São Francisco. Ele concebia uma íntima e apaixonada comunhão com a natureza, e esta, para ele, era uma expressão onipresente da divindade. Leonardo Boff analisa essa filiação divina : Somos da casa de Deus, somos da sua família, somos filhos de Deus. A mística da filiação nos leva a viver uma dignidade fantástica. Os filhos juntos são irmãos e irmãs. Essa é a novidade espiritual de Francisco. Francisco não deduz isso racionalmente. Ele vive a filiação como experiência, como uma comoção do coração. Vive a experiência do irmão e universaliza essa experiência. Se todos vêm de Deus e todos são filhos de Deus, todos são irmãos, o Sol, a Lua, as árvores, as rochas. oásis. espiritualidade 18/51

19 Salvaguardando o contexto histórico, podemos pensar que São Francisco foi uma espécie de hyppie da Idade Média. Era um ser livre, carismático, dotado de valores humanitários sempre voltados para os pobres e excluídos. Renunciou à riqueza da família, pregou e viveu na mais absoluta simplicidade em comunidades com aqueles que o seguiam e partilhavam de sua forma de pensar. Profundamente inspirado pelas palavras de Jesus, praticou e ensinou até o final de seus dias a máxima cristã do amor ao próximo, fosse ele de natureza humana, mineral, animal ou vegetal. Ao final de sua vida já tinha mais de dois mil seguidores, mais ainda tinha dificuldade em aceitar que precisaria ser criada uma instituição em seu nome; apesar disso, foi criada a Ordem Terceira dos Franciscanos. Francisco morreu em 1226 com 44 anos. Estava cego e tinha dores terríveis no corpo. Pressentindo a chegada da Irmã Morte, pediu para ficar nu sobre a terra e, antes de morrer, em profundo êxtase, cantou o Cântico das Criaturas (abaixo), também chamado por muitos de Cântico do Irmão Sol. Atualidade e legado de São Francisco A figura de São Francisco permanece viva em sua dimensão simbólica ou arquetípica. A comovente história de sua vida e sua profunda identificação com as palavras de Jesus Cristo mantém vivo, até os dias de hoje, o verdadeiro espírito cristão. oásis. espiritualidade 19/51

20 Francisco é um símbolo do homem cordial, que nos inspira a prática da tolerância e da compaixão por todas as formas de vida. Tudo e todos foram tocados pela força de seu carisma e pela delicadeza de suas palavras. Ele é reverenciado como patrono da Itália e em 1987 foi proclamado por João Paulo II patrono da ecologia e do meio ambiente. É festejado no dia 4 de outubro. Com suas próprias mãos ele construiu a minúscula Capela da Porciúncula, hoje no interior da grande catedral de Santa Maria dos Anjos, em Assis; o contraponto entre a simplicidade da capela e a riqueza da catedral traduzem a grandeza da alma e do espírito de Francisco. A ética e a mística franciscana são sinônimos de bondade, simplicidade, gentileza e fraternidade. Não por acaso a importância de seu legado espiritual vem crescendo. Ele vem ao encontro das demandas do homem contemporâneo, cada vez mais distanciado da natureza, em busca de uma felicidade equivocada onde o ter é mais importante do que ser. Se estivesse vivo, certamente poderia afirmar aos quatro cantos do planeta que menos é mais! Bibliografia: Terapeutas do deserto: de Fílon de Alexandria a Francisco de Assis e Graf Dürckheim, Jean-Yves Leloup e Leonardo Boff, Editora Vozes oásis. espiritualidade

21 São Francisco de Assis, Maria Sticco, Editora Vozes *Tereza Kawall Terapeuta de linha junguiana em São Paulo, é responsável também pelo interessante blog oásis. espiritualidade 21/51

22 comportamento CHORAR FAZ BEM As lágrimas libertam o corpo e a alma oásis. comportamento

23 Muitos se sentem melhor depois de se desafogar com um pranto liberatório. Não hesite em chorar quando sentir necessidade. Reter as lágrimas pode levar a várias doenças Por: Equipe Oásis Sim, o choro pode fazer muito bem. Pode até evitar doenças e salvar vidas. Segundo William Frey, bioquímico da Minnesota University (USA), o pranto serve para expelir substâncias tóxicas que surgem no organismo quando se acumulam tensões emocionais. Com efeito, diferente das lágrimas que são geradas de modo natural, pela presença de corpos estranhos na superfície do globo ocular ou por irritações e alergias, as lágrimas do pranto são ricas de corticotropina e prolactina (hormônios cujos níveis aumentam em estado de estresse) e de manganês (presente em altas concentrações no cérebro dos deprimidos. Estudos psicológicos informam, por outro lado, que 88% das pessoas se sentem melhor depois de ter se desafogado com um choro copioso e liberatório. Inclusive os homens o fazem, embora apenas 7 vezes ao ano, contra 47 vezes para as mulheres. oásis. comportamento 2/6

24

25 Clubes do choro Os homens de negócios japoneses sabem muito bem que chorar descarrega o estresse, e por isso lançaram a moda, que já chegou na Europa, dos clubes de choro (crying clubs): locais onde a gente vai com a finalidade de chorar em companhia de pessoas completamente desconhecidas. Muitos desses lugares oferecem inclusive alguma ajuda aos que não têm as lágrimas fáceis: desde filmes comoventes até pires com cebola cortada e pimenta. Os seres humanos choram quando estão diante de uma forte emoção. Alguns animais superiores também choram, mas não com a mesma frequência. Ou, melhor dizendo, não sabemos sempre com precisão se se tratam de lágrimas emotivas. O caso mais conhecido é o dos elefantes, comentado inclusive no famoso livro Quando os elefantes choram, de Jeffrey Masson, no qual são analisados os sentimentos de muitos animais. Em particular, os elefantes produzem lágrimas quando entram em estado de estresse. Sempre segundo Masson, também lacrimejam em caso de fortes emoções o gorila, o chimpanzé, os cavalos e os ursos. Mas, apesar do velho ditado, os crocodilos não o fazem; eles soltam lágrimas apenas como relação a um intenso esforço. Opinião diversa, no entanto, tem Michael Trimble, neurologista do National Hospital de Londres. No livro Why humans like to cry (Por que os humanos gostam de chorar) indaga a respeito da origem das lágrimas emotivas. Segundo Trimble chorar é o traço distintivo que nos torna diversos dos demais mamíferos, os quais possuem outros para exprimir o próprio estado emotivo. Trimble conta que no zoo de Munster (Alemanha), em 2008, a gorila Gana perdeu um filhote de poucos meses. A mãe passou horas sacudindo o pequeno corpo do filhote, desesperada, mas sem derramar lágrimas. Os únicos a chorar eram os visitantes do zoo. Importantes para os olhos Muitos animais produzem lágrimas por meras questões fisiológicas. As lágrimas, com efeito, servem para manter úmidos os olhos. Elas mantêm o equilíbrio osmótico do bulbo ocular, removem as impurezas da córnea e contêm substâncias bactericidas que afastam o risco de infecções. No que diz respeito ao homem, a confirmação de que as lágrimas servem para aliviar o estresse vem do oásis. comportamento 25/51

26 fato de que nesse líquido foram encontrados traços de uma endorfina que é produzida no cérebro para aliviar a dor. As lágrimas emotivas possuem uma química diversa daquelas que são naturalmente versadas para manter os olhos úmidos. E servem sobretudo para se comunicar em nível inconsciente com os outros. Por que choramos de dor ou de felicidade? Quando se experimenta uma forte emoção, o sistema límbico do cérebro estimula o sistema nervoso central, e este, por sua vez, aciona uma série de reações fisiológicas, entre quais os batimentos cardíacos. Além disso, ocorrem alterações também no ritmo da respiração e as glândulas lacrimais.. Colocadas acima do arco superior do olho, as glândulas lacrimais produzem lágrimas. Quando choramos, o líquido jorra nos ângulos dos olhos e escorre sobre a conjuntiva, a membrana que recobre a parte interna das pálpebras, para terminar na cavidade nasal. A cada nova batida dos cílios o olho se lubrifica. Desse modo evita-se a desidratação do bulbo e se facilita o afastamento da poeira. As lágrimas também têm um poder desinfetante, pois elas contêm glucose, cloreto de sódio, proteínas, ureia e uma enzima bactericida, a lisozima. oásis. comportamento 26/51

27 unesco 19 NOVOS TESOUROS Do patrimônio da humanidade oásis. unesco 27/51

28 Da Sicília ao Japão, passando pela Índia, Canadá e Namíbia, eles compõem um elenco do que há de melhor no mundo do ponto de vista naturalístico e cultural. São as novas maravilhas que acabam de entrar na lista do Patrimônio da Humanidade, da Unesco Por: Equipe Oásis eunidos em Phnom Penh, no Camboja, durante o seu 37º Encontro Anual, os membros do Comitê do Patrimônio, da Unesco, avaliaram as características de alguns dos lugares mais encantadores do mundo e, ao final, aceitaram a entrada de 19 novos na lista do Patrimônio da Humanidade. 14 deles são culturais e 5 paisagísticos. RA galeria abaixo os apresenta, um a um. oásis. unesco

29 1 Obra-prima da agricultura Na foto, os terraços de arroz de Honghe Hani, na China, um ecossistema que integra água de irrigação, campos cultivados e trechos de floresta na província meridional de Yunan. oásis. unesco 29/51

30 2 Rios, montanhas e vales verdes As montanhas da cadeia de Xinjang Tianshan. Ela possui 2800 quilômetros de cadeias montanhosas, com picos altos de cerca 4 mil metros cada um, surgidos da colisão entre a placa tectônica indiana e a placa euroasiática. oásis. unesco 30/51

31 3 O vulcão e a neve O Monte Fuji, o cimo do Japão, com seus 3776 metros de altura. O vulcão, cujo cume permanece nevado 10 meses ao ano, é considerado uma montanha sagrada pelos seguidores da religião xintoísta. oásis. unesco 31/51

32 4 Agadez, a Porta do Deserto A foto mostra o centro histórico de Agadez, a mais importante cidade tuaregue, no Níger, com a Grande Mesquita construída com barro. oásis. unesco 32/51

33 5 Cherson, sobras de um passado glorioso As ruínas da antiga cidade de Cherson, uma colônia grega que foi conquistada pelos romanos e em seguida fez parte do Império Bizantino. Situa-se na atual Criméia, e é hoje conhecida pelo nome de Sebastopol, no atual território da Ucrânia oásis. unesco 33/51

34 6 O último baluarte de defesa As fortalezas sobre colinas do Rajastão, Índia: uma série de instalações militares situados sobre os montes Aravallis, com a finalidade de defender as cidades dos inimigos. Na foto, a fortaleza de Kumbhalgarh oásis. unesco 34/51

35 7 Bergpark, entre a arte e a natureza O Bergpark Wilhelmshöhe em Kassel, Alemanha. Construído sobre uma ampla colina entre 1696 e 1806, esse parque é a maior área verde sobre colina de toda a Europa. É conhecido sobretudo pelo monumento a Hércules e as cascatas de pedra criadas pelo arquiteto italiano Giovanni Francesco Guerniero. oásis. unesco 35/51

36 8 Vulcão Etna, orgulho italiano O maior vulcão e também o mais irrequieto da Europa acaba de entrar na lista do Patrimônio Mundial Natural. Suas erupções são cada vez mais espetaculares e frequentes: cerca de 35 ao ano. oásis. unesco 36/51

37 9 Coimbra, templo do saber A Universidade de Coimbra, em Portugal é uma das mais antigas instituições do gênero na Europa. Sua construção foi completada em Possui hoje cerca de 22 mil estudantes e é um importante centro internacional de pesquisa, sempre em funcionamento. oásis. unesco 37/51

38 10 Altar, um deserto habitado A Reserva da Biosfera de El Pinacate, junto ao Grande Deserto de Altar, entre o México e o Arizona: como na maioria das demais reservas da biosfera ao redor do mundo, essa área também é muito rica de biodiversidade. Hospeda centenas de espécies vegetais e animais, muitas delas ameaçadas de extinção. oásis. unesco 38/51

39 11 Fortaleza Zubarah, antes que o petróleo jorrasse O sírio arqueológico de Al Zubarah, no Qatar, é uma cidade fortificada e hoje deserta situada a 100 quilômetros da capital do emirado, Doha. Essas ruínas representam um testemunho excepcional da organização espacial das cidades do Golfo Pérsico entre os séculos 18 e 19, antes do advento na região das atividades de exploração petrolífera. No passado essa cidade se dedicava à pesca, ao comércio de pérolas e Às atividades portuárias. oásis. unesco 39/51

40 12 A mais bela flor de Teerã O Palácio Golestan, em Teerã, é o palácio real da dinastia Safávida que abarca um período compreendido entre os séculos 16 e 17. oásis. unesco 40/51

41 13 Montanhas do Pamir, no Tajiquistão As montanhas do Pamir, no Tajiquistão: no passado a região era atravessada pela Rota da Seda e graças a ela viveu séculos de grande prosperidade. Muito pouco povoada, abriga muitos lagos e alguns glaciares. oásis. unesco 41/51

42 14 Villa Caffagiolo, esplendor na Toscana As ville medicee, casas de campo mas também palácios periféricos da família Médici, na Toscana, guardam a memória do fausto daquele período histórico italiano. Na foto, a Villa Cafaggiolo, no município de Barberino del Mugello, propriedade da família Médici desde o ano oásis. unesco 42/51

43 15 Namib-Naukluft, o mar de dunas O parque nacional de Namib-Naukluft, no deserto da Namíbia, uma extensão de dunas de cerca 50 mil quilômetros quadrados (quase a área da Suíça). A cor alaranjada intensa das dunas dessa área natural protegida deve-se à oxidação das partículas de ferro presentes na areia. oásis. unesco 43/51

Entrevista com Volney José Berkenbrock

Entrevista com Volney José Berkenbrock Entrevista com Volney José Berkenbrock Volney José Berkenbrock é doutor em Teologia, professor do programa de pósgraduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

O que a Igreja precisa saber para ser

O que a Igreja precisa saber para ser O que a Igreja precisa saber para ser Atos 20.17-38 Israel Mazzacorati Ibaviva Julho 2015 De Mileto, Paulo mandou chamar os presbíteros da igreja de Éfeso. Quando chegaram, ele lhes disse: Vocês sabem

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos.

Músicas para Páscoa. AO REDOR DA MESA F Gm C C7 F Refr.: Ao redor da mesa, repartindo o pão/ A maior riqueza dos que são irmãos. Músicas para Páscoa AO PARTIRMOS O PÃO E C#m #m B7 E7 A C#M Refr.: Ao partirmos o pão reconhecemos/ Jesus Cristo por nós ressuscitado./ Sua paz B7 E A B7 E recebemos e levamos,/ Ao nosso irmão que está

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 [Multimídia] Amados irmãos e irmãs, bom dia! Nos últimos domingos o evangelista Marcos tem-nos contado a acção de Jesus

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

Perfil da Igreja que possui maturidade

Perfil da Igreja que possui maturidade Perfil da Igreja que possui maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Atos 2.7-45 7 - E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?

Leia mais

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior

No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS. Pr. Cristiano Nickel Junior No princípio era aquele que é a Palavra... João 1.1 UMA IGREJA COM PROPÓSITOS Pr. Cristiano Nickel Junior O propósito é que a Igreja seja um exército com bandeiras Martyn Lloyd-Jones No princípio era aquele

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

1Capítulo A SAUDADE DE DEUS

1Capítulo A SAUDADE DE DEUS 1Capítulo A SAUDADE DE DEUS Por intermédio de Jeremias, Deus traz uma palavra carregada de emoção. Em primeiro lugar, Deus sente saudade dos tempos áureos de afeição do seu povo por ele (Jr 2.2). Nos versículos

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

Etapas da maturidade de Eliseu

Etapas da maturidade de Eliseu Etapas da maturidade de Eliseu TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 2.5-11 5 - Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 INTRODUÇÃO: O texto bíblico registrado no capítulo 19 do evangelho de São Mateus, relata o diálogo do Senhor Jesus e um homem desejoso de alcançar a salvação.

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Nesta nova série Os Discursos de Jesus vamos aprofundar as Palavras de Jesus :- seus discursos, suas pregações e sermões. Ele falou aos seus

Nesta nova série Os Discursos de Jesus vamos aprofundar as Palavras de Jesus :- seus discursos, suas pregações e sermões. Ele falou aos seus Nesta nova série Os Discursos de Jesus vamos aprofundar as Palavras de Jesus :- seus discursos, suas pregações e sermões. Ele falou aos seus apóstolos na intimidade, falou a um grupo maior que se aproximava

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

UM NOVO JEITO DE ORAR!

UM NOVO JEITO DE ORAR! Semana 13 a 18 de Julho célula@pibnet.com.br Momento 1-30 min- Quebra-Gelo e Lanche. Líder: nesse momento de chegada das pessoas priorize servir o lanche e ter um momento de descontração. Momento 2 - NOVA

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus?

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? 2 Coríntios 5:18-20 Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber,

Leia mais

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS 1 A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS Is 56 10 As sentinelas de Israel estão cegas e não têm conhecimento; todas elas são como cães mudos, incapazes de latir. Deitam- se e sonham; só querem dormir. 11

Leia mais

III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A

III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A III Domingo da Quaresma de 2015. Ano A Caríssimos Irmãos e Irmãs: Neste ano, em nosso M osteiro, estamos celebrando o Tempo da Quaresma do Ano A, porque na Noite Santa da Páscoa, vamos ministrar os Sacramentos

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros

Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros Tema 8: Vocação - um novo relacionamento Deus se revela através dos outros DEUS SE REVELA ATRAVÉS DOS OUTROS Ser Marista com os outros: Experimentar caminhos de vida marista comunitariamente INTRODUÇÃO

Leia mais

O NASCIMENTO DO SALVADOR

O NASCIMENTO DO SALVADOR Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz no culto de natal na Igreja Batista Novo Coração, em 20 de dezembro de 2015. Evangelho de Lucas 2.8-20: 8 Havia pastores que estavam nos campos próximos

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

Associação Maria Aparição de Cristo Jesus

Associação Maria Aparição de Cristo Jesus Mensagem de Cristo Jesus para a Maratona da Divina Misericórdia em Ávila, Espanha Sexta-feira, 6 de junho de 2014, às 15h Essa segunda jornada da Maratona da Divina Misericórdia foi especial e diferente,

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015.

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION LIÇÕES DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS - 3 ano Semana de 23 a 27 de março de 2015. Leia o texto a seguir para realizar as lições de Matemática da semana. Os alunos do 3º ano foram

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural

Tesouro em vaso de barro. Quando o natural é visitado pelo sobrenatural Tesouro em vaso de barro Quando o natural é visitado pelo sobrenatural O paradoxo humano Dignidade x Depravação Virtude x pecado Beleza x feiura Consagração Enchendo o vaso com o tesouro - parte 1 Jz.

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

+ Orani João Tempesta, O. Cist. Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ AMAI-VOS Domingo passado, ao celebrar o tema da misericórdia, tive a oportunidade de estar com milhares de pessoas tanto na Catedral Metropolitana como no anúncio e instalação do Santuário da Misericórdia,

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins

Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mais do que Vencedores ou Mais do que Vencidos. Missionário Pastor Danny Hawkins Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Romanos 8:37 Todos os dias nós temos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Amor. Amor Livre. Amor Livre

Amor. Amor Livre. Amor Livre ...Se o desejo de ser amado for mais forte e você se prender a alguém com insistência, ele se aborrecerá e acabará se afastando de você. O primeiro estágio do amor é a simpatia. A simpatia aumenta e se

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Implantar o Seu Reino na Terra

Implantar o Seu Reino na Terra CHAMADOS PARA RESPLANDECER A LUZ DO SENHOR ENTRE TODOS OS POVOS Disse Jesus: Venham a mim todos que estão cansados e oprimidos e eu darei alivio para vocês Mat. 11.28 VISÃO DO MDA MÉTODO DE DISCIPULADO

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

UMA PEREGRINAÇÃO AOS SANTUÁRIOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

UMA PEREGRINAÇÃO AOS SANTUÁRIOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS UMA PEREGRINAÇÃO AOS SANTUÁRIOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS por Sri Daya Mata S E L F R E A L I Z A T I O N F E L L O W S H I P Fundada em 1920 por Paramahansa Yogananda Sri Daya Mata, Presidente UMA PEREGRINAÇÃO

Leia mais

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL

Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 1 Os encontros de Jesus O cego de nascença AS TRÊS DIMENSÕES DA CEGUEIRA ESPIRITUAL 04/03/2001 N Jo 9 1 Jesus ia caminhando quando viu um homem que tinha nascido cego. 2 Os seus discípulos perguntaram:

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25

Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25 1 Deus: Origem e Destino Atos 17:19-25 Domingo, 7 de setembro de 2014 19 Então o levaram a uma reunião do Areópago, onde lhe perguntaram: "Podemos saber que novo ensino é esse que você está anunciando?

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

Tens Palavras de Vida Eterna

Tens Palavras de Vida Eterna Catequese 40ano Tens Palavras de Vida Eterna Agenda da Palavra de Deus pela minha vida fora ANO A Durante as férias, mantenho-me em contato! CONTATOS DA PARÓQUIA Morada: Telefone: Correio eletrónico: Sítio:

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais