Marinalva Silveira Lima A Relação dos Franciscanos com o Poder Papal Universidade de São Paulo (mestranda)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marinalva Silveira Lima A Relação dos Franciscanos com o Poder Papal Universidade de São Paulo (mestranda)"

Transcrição

1 Marinalva Silveira Lima A Relação dos Franciscanos com o Poder Papal Universidade de São Paulo (mestranda) Minha pesquisa, a ser aqui apresentada, terá como objetivo primordial investigar a relação da primitiva Ordem franciscana com o poder papal, na tentativa de compreender uma possível contribuição por parte da referida Ordem, no que tange a uma mudança de conduta, de reflexão e de posicionamento do papado frente às pregações dos franciscanos. O fio condutor de minha pesquisa será, sobretudo, uma breve análise dos trabalhos desenvolvidos por Pedro de João Olivi, Ubertino de Casale e Ângelo Clareno, além de abordar algumas das bulas papais assinadas por João XXII e Inocêncio IV. Conto ainda, com a ajuda da historiografia que trata do objeto em estudo. Em relação ao período a ser estudado, me focarei nos séculos XIII e XIV, já que meu estudo volta-se aos primórdios da Ordem Franciscana. Ao se pensar na atuação do movimento franciscano primitivo, na forma como os franciscanos se relacionavam com a sociedade da época - precisamente séculos XIII e XIV - e, por conseguinte, no surgimento de uma série de escritos relacionados à vida religiosa desses homens é inevitável pensar em algumas questões de fundamental importância para a compreensão do processo de desenvolvimento da cristandade latina, em especial, no que tange as mudanças processadas nas estruturas de poder da Igreja Católica, na medida em que houve uma forte necessidade de reformular a teoria tradicional acerca do poder papal 1, a qual pregava o poder incontestável do papado sobre toda a cristandade latina. Dentro desse contexto, São Francisco de Assis teve um papel de destaque, na medida em que ao abraçar a pobreza e dedicar boa parte de sua vida a Deus, aos pobres e necessitados em geral, fez despertar entre os adeptos dos movimentos mendicantes um forte sentimento de reforma íntima, colocando em xeque a conduta adotada pelo papado frente às questões que envolviam poder, bens materiais e a própria maneira como a Igreja lidava com os ensinamentos de Jesus Cristo. Pode-se afirmar que os franciscanos mais radicais deram um novo sentido a palavra pobreza, construindo ao longo dos séculos uma áurea em torno da pobreza de São Francisco, que será um dos grandes pontos de debates entre os franciscanos, em especial entre os chamados 1 FALBEL, Nachman. Os Espirituais Franciscanos. São Paulo, EDUSP, Cd-Rom.

2 espirituais 2, e o papado, já que boa parte desta preocupava-se muito mais com questões ligadas à sua própria constituição hierárquica, com as suas regras jurídicas, com os seus bens materiais, com o poder e a autoridade em si do que propriamente com o Evangelho de Cristo. Desse modo, a pregação dos franciscanos tornou-se alvo de estudos por parte de homens como Pedro de João Olivi, Ubertino de Casale e Ângelo Clareno, os quais propiciaram discussões calorosas e frutíferas em torno do mundo franciscano, tendo como debate principal a questão da pobreza, a verdadeira intenção de Francisco, a regeneração da Ordem e a necessidade de uma reforma na Igreja de Cristo - temas que causaram grandes polêmicas e dissensões dentro da Ordem e fora dela, influenciando pensadores políticos, tais como Guilherme de Ockham, Dante Alighieri e Marsílio de Pádua. Diante do exposto acima, surgem algumas questões de vital importância para se entender a relação dos franciscanos com o papado, sobretudo no que tange ao Poder Papal. Assim sendo, o que levou um grupo de homens, sobre a liderança de Francisco de Assis, a se dedicarem à pobreza, assim como tantos outros homens e grupos de seu tempo? Por que essa forte necessidade pela busca da pobreza material? O que estava acontecendo naquele momento, precisamente séculos XIII e XIV, para que isso acontecesse e esse tipo de conduta ganhasse força entre o povo? Será que essa conduta remete a uma busca por novas formas de religiosidade, uma vez que a Igreja já não mais atendia aos apelos religiosos do povo? Será que isso se relacionava com um tipo de protesto contra a Igreja Católica, centro das atenções do mundo medievo-ocidental e detentora de grande poder, do que realmente uma necessidade individual de elevação espiritual? Será que o homem medieval realmente sentia necessidade de se inserir no mundo religioso? Quais foram os verdadeiros anseios do povo, no que tange à religião? O que os atraía até homens como São Francisco de Assis? Quais foram as mudanças mais significativas no seio da Igreja Católica a partir de todo esse debate originado em torno da pessoa de São Francisco de Assis e do movimento franciscano, sobretudo no que diz respeito à pobreza? A Ordem Franciscana contribuiu para uma possível mudança de conduta, de reflexão e de posicionamento do papado frente às pregações dos franciscanos? Partindo das idéias desenvolvidas por Pedro de João Olivi - um frade franciscano que nasceu por volta de 1248/1249 e, que veio a ingressar na Ordem provavelmente em 1260 que versam, particularmente, sobre a questão da pobreza franciscana, deparamo-nos com trabalhos que 2 O termo espirituais, utilizado por muitos autores para designar a ala dos franciscanos que encaravam a pobreza como a essência do franciscanismo, está em oposição aos chamados conventuais, que, por sua vez, lidavam com a pobreza de forma mais amena. Entretanto, ambos os termos podem ser contestados, uma vez que se torna difícil especificar exatamente quem são os espirituais e quem são os conventuais. 2Cd-Rom.

3 se compõem de tratados, tais como o De Usu Paupere e o De Perfectione Evangelica, além de comentários como o Declaratio in Regulam, que se refere à Regra de São Francisco, entre outros trabalhos. Suas idéias influenciaram outros pensadores, sendo considerado uma das cabeças filosóficas mais lúcidas do século XIII 3. Seus estudos versam, particularmente, sobre a questão da pobreza franciscana. Neste ponto, a novidade de Olivi reside no fato deste tratar o tema da pobreza através de duas linhas de pensamento: a primeira em prol da pobreza, propriamente dita. Já a segunda, na defesa de que a pobreza contemplada no voto religioso dos franciscanos inclui tanto o não ter propriedade, como o uso pobre 4. O frade franciscano encabeça tal discussão partindo das controvérsias entre a Ordem Franciscana, precisamente os mendicantes, e o clero secular. Nesse sentido, ele recorre a pensadores da própria Ordem, como J. Peckham e Boaventura, para a formulação de sua tese que, entre outras coisas, diz o seguinte: é uma mentira imunda e profana dizer que se professou a pobreza, se não se deseja experimentar a falta de bens 5. Tal questão originou muitos debates em torno do que seria esse uso pobre, o que levou Olivi a escrever o tratado De Usu Paupere. Desse modo, a Igreja detectou em seus escritos idéias subversivas sobre a pobreza de Cristo e de Francisco 6, vindo a ser condenado, mesmo depois de morto. Diante de tais idéias, é significativa a quantidade de Bulas Papais que a Igreja emitiu em relação à questão da pobreza, ao longo dos séculos XIII e XIV, numa tentativa insistente de contradizer os pensadores franciscanos acerca de suas afirmativas, que giravam em torno da necessidade de se vivenciar a pobreza em sua totalidade, como fez São Francisco. Um bom exemplo disso refere-se à bula Cum inter nonnullos, assinada por João XXII no ano de 1322, que decidiu no sentido mais contrário à pobreza absoluta e às tendências espirituais 7. Outro exemplo vem do ano de 1245, pelas mãos de Inocêncio IV através da bula Ordinem vestrum, que vem para afirmar o compromisso da Igreja em assumir todos os bens usados pelos frades permitindo-lhes que pudessem ter não só o necessário, mas também o que fosse cômodo. Este 3 DE BONI, Luis Alberto. O debate sobre a pobreza como problema político nos séculos XIII e XIV. Porto Alegre: EDPUCRS, 2003, p. 33; 4 Idem, Ibidem; 5 Idem, Ibidem, p.34; 6 Idem, Ibidem, p LE GOFF, Jacques. São Francisco de Assis. Rio de Janeiro, Record, 2001, p.50; 3Cd-Rom.

4 mesmo papa assina em 1247 a bula Quanto studiosius que institui os síndicos apostólicos, encarregados de agir em nome do papa para atender às necessidades dos frades. Todas essas bulas evidenciam a vontade do papado em combater a idéia de uma pobreza absoluta ou de um uso pobre dos bens materiais e, mais do que isso, coloca a Ordem Franciscana totalmente submissa às decisões da Cúria Romana, como forma de controlar o caminhar dos frades. Assim, as idéias contidas nos escritos franciscanos irão bater de frente com a realidade de um mundo controlado, em grande medida, pela Igreja Católica. Além das bulas acima citadas, como indício de um distanciamento do corpo clerical em relação ao movimento franciscano, destaco também as perseguições promovidas pela Igreja contra muitos dos chamados espirituais franciscanos. Há diversos relatos de perseguições que culminaram tanto em prisões quanto em mortes. Um dos casos remete-se ao ano de 1318, em que quatro franciscanos foram queimados na cidade de Marselha, por pregarem uma prática de vida condizente com aquela vivida por São Francisco de Assis, em que a pobreza seria o alvo principal. Seguindo essa linha de raciocínio, é interessante nos questionarmos do porquê dessa insistência da Igreja em combater a questão da pobreza. Afinal, o que ela pretendia? Se analisarmos as práticas de grande parte do corpo clerical da Igreja Católica Apostólica Romana, desde a sua instituição como tal, cobrindo toda a Idade Média 8, veremos que o grande motivo de sua existência - Cristo - foi deixado, muitas vezes, de lado. Desse modo, viver o Evangelho de Jesus Cristo não foi a grande intenção da Igreja. As práticas realmente cristãs, tais como a misericórdia, a benevolência e a tolerância, muitas vezes não se fizeram presentes. Muito pelo contrário, a grande arma que a Cúria Romana utilizou para eliminar qualquer opinião contrária a sua, foi a Inquisição. Saliento ainda, o fato das ordens franciscana e dominicana, recém criadas, também terem sido empregadas tanto na pregação quanto no serviço da Inquisição. O Santo Ofício foi criado no ano de 1229, por Gregório IX, o mesmo papa que canonizou Francisco, além de ter sido amigo do referido frade quando ele, Gregório IX, era o então cardeal Hugolino e que veio a ser o protetor da Ordem a partir de criação da mesma. Desse modo, tanto a pregação quanto a inquisição andaram juntas, tendo em vista serem dois trabalhos complementares no sentido de assegurar a ortodoxia. Dentro desse quadro, não podemos nos esquecer que o inquisidor que acabou por ordenar a queima dos quatro franciscanos em Marselha era também franciscano, Miguel Lemoine. 8 É possível estender esse estudo para períodos posteriores. 4Cd-Rom.

5 Em relação aos escritos de Ubertino de Casale, assinalo a importância deste frade ao longo das duas primeiras décadas do século XIV - em relação à sua postura radical perante as idéias em voga naquele momento, no que tange à Ordem Franciscana. Ubertino contrapunha os eleitos, os chamados Espirituais, à Igreja Carnal, que seria a verdadeira Babilônia, e os papas a corporificação do Anticristo. Em sua obra Arbor Vitae Crucifixae Iesu, além de atacar a Igreja e os papas de seu tempo, profere uma ardorosa polêmica a respeito da decadência da Ordem Franciscana 9. Diante do exposto, o questionamento do posicionamento do papado frente a essas idéias, ainda permanece. Com isso, faz-se necessária uma breve análise historiográfica, o que torna possível perceber que as práticas da Igreja permaneciam as mesmas e, às vezes se enrijeciam. Nesse sentido, o papa João XXII foi um dos grandes inimigos das idéias franciscanas, emitindo uma série de bulas e modificando drasticamente a Regra de São Francisco de Assis. Assim, a violência foi muitas vezes utilizada e a intolerância fez-se presente de forma mais sentida. Este papa apontou como heréticas muitas das proposições em torno da pobreza, defendidas pelos tais Espirituais e pelos pensadores do movimento franciscano. Além disso, a própria sociedade colocou-se, muitas vezes, contra as idéias pregadas pelos franciscanos, vindo a demonstrar que o ideal de São Francisco dificilmente seria atingido. Uma outra postura de intolerância para com os franciscanos refere-se a atitude da Igreja em ordenar a queima dos diversos escritos sobre a vida de São Francisco de Assis, através de um Capítulo Geral celebrado no ano de A única biografia que seria aceita remete-se a de São Boaventura, a pedido da Igreja e intitulada Legenda ad usum chori, que posteriormente ficou conhecida como Legenda Maior. Com isso, muitos escritos foram perdidos e, mais uma vez, a Igreja ao impor a sua vontade nos tirou a chance de termos mais conhecimentos em torno da história da própria Igreja. Já o frade Ângelo Clareno, ingresso na Ordem no ano de 1274, contribuiu significativamente para o enriquecimento do pensamento franciscano que, segundo Felice Accrocca, juntamente com Ubertino de Casale deve ser considerado como o principal expoente do movimento espiritual franciscano entre os séculos XIII e XIV 10. Ângelo Clareno redigiu a 9 MAGALHÃES, Ana Paula Tavares. O movimento franciscano na França: Pedro de João Olivi e sua contribuição fundamental para o pensamento espiritual In Contribuição à questão da pobreza presente na obra Arbor Vitae Crucifixae Iesu, de Ubertino de Casale. São Paulo, 2004, p Tese de doutorado defendida na Universidade de São Paulo. 10 MAGALHÃES, Ana Paula Tavares. O movimento franciscano na França: Pedro de João Olivi e sua contribuição fundamental para o pensamento espiritual In Contribuição à questão da pobreza presente na obra Arbor Vitae 5Cd-Rom.

6 Expositio super Regulam Fratrum Minorum, um tratado enfocando a Regra Franciscana, o Chronicon seu Historia septem tribulationum Ordinis Minorum, considerada a sua obra mais importante, entre outros escritos. O frade franciscano procurou mostrar a verdadeira intentio de Francisco, a qual havia sido esquecida pelos frades franciscanos. Para ele, a Regra de São Francisco foi inspirada por Cristo e, dessa forma, não se deve negá-la e, nem tampouco modificá-la. Clareno ao levantar os acontecimentos da história inicial da Ordem, enxerga nela uma História marcada pelas tribulações nesse caso uma relação é estabelecida com a cruz de Cristo, um sinal de sofrimento. Em seus escritos, Clareno não ataca a Igreja, pelo contrário, ele enxerga nela o corpo místico de Cristo e, portanto, torna-se necessária segui-la e obedecê-la. Tendo em vista todos os elementos aqui apresentados, faz-se necessário entender de que forma tais idéias abalaram as estruturas do Pleno Poder Papal. Num primeiro momento, a Igreja não buscou mudar sua postura, como já foi aqui exposto. Entretanto, ela se viu, de certa forma, encurralada, já que sua conduta perante o Evangelho de Cristo passa a ser questionada. Questionada não só pelo círculo de letrados, mas também e, principalmente, pelo próprio povo, que exige a volta da primitiva Igreja de Cristo, uma exigência que toma corpo na pessoa de Francisco de Assis. Assim sendo, os escritos franciscanos propiciaram uma série de debates, os quais contribuíram significativamente para o entendimento da lógica de uma sociedade por demais injusta, tendo como expoente máximo a Igreja Católica Apostólica Romana. As idéias contidas nos escritos franciscanos deixam claro que a Igreja não atendia mais aos anseios da sociedade. Um sentimento de vazio pairava sobre as cabeças de um número infindável de homens. Dentro desse contexto, o povo sentia, cada vez mais, uma forte necessidade de se elevar espiritualmente. Prova disso refere-se a quantidade de imensos grupos, apontados pela Igreja como heréticos, que buscavam novas formas de religiosidade. Homens que vieram de diversos lugares e que queriam algo mais do que a Igreja tinha a oferecer. As estruturas do poder papal ficaram abaladas com tamanha dedicação, vontade e fervor de um grupo de homens que pregavam insistentemente o Evangelho de Cristo. Definitivamente, a grande contribuição ofertada pelo pensamento franciscano para uma mudança nas estruturas de poder da Igreja foi a de aspirar e, sobretudo, a de lutar por um mundo melhor. Um mundo em que a Igreja tivesse uma posição condizente com a prática de Jesus Cristo. Foi também o fato destes homens levantarem a bandeira Crucifixae Iesu, de Ubertino de Casale. São Paulo, 2004, p Tese de doutorado defendida na Universidade de São Paulo, p Cd-Rom.

7 em prol de uma verdadeira reforma a ser feita na Igreja, ocasionando debates, polêmicas e levando outros homens a desejarem o mesmo. Não dava mais para o papado utilizar o velho argumento da plenitude do poder, as bases dessa teoria tinham sido abaladas. 7Cd-Rom.

AS REPRESENTAÇÕES DE SANTIDADE NA HAGIOGRAFIA DE TOMAS DE CELANO.

AS REPRESENTAÇÕES DE SANTIDADE NA HAGIOGRAFIA DE TOMAS DE CELANO. AS REPRESENTAÇÕES DE SANTIDADE NA HAGIOGRAFIA DE TOMAS DE CELANO. Fernanda Amélia Leal Borges Duarte 1 RESUMO: A hagiografia de Tomas de Celano sobre São Francisco de Assis. Foi escrita em 1229, após a

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA A prova de História da UFPR foi equilibrada em relação ao programa proposto. Uma questão de História Antiga; duas de História Medieval; uma de História Moderna; duas de

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo 10.14 O batismo do Espírito Santo #61 Estudamos o novo nascimento e vimos como o Espírito Santo realiza essa obra juntamente com a Palavra de Deus. Tínhamos que entender o novo nascimento e como alguém

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

BATISMO E SANTA CEIA

BATISMO E SANTA CEIA BATISMO E SANTA CEIA INTRODUÇÃO (Seria interessante que neste dia houvesse a celebração de uma cerimônia batismal, ou então uma santa ceia...) O cristianismo é uma religião de poder! E o apóstolo S. Paulo

Leia mais

As reformas religiosas do século XVI

As reformas religiosas do século XVI As reformas religiosas do século XVI Crise na Igreja: a contestação e a ruptura Prof. Nilson Urias Crises religiosas na Europa No início do século XVI, a Igreja vivia uma época de profunda crise. Século

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração

Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração SANTA MARIA MÃE DE DEUS 01 de janeiro de 2015 Quanto à Maria, guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração Leituras: Números 6, 22-27; Salmo 67 (66), 2-3.5-6.8 (R/cf. 2a); Carta de São

Leia mais

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso Conselho Mundial das Igrejas Aliança Evangélica Mundial A missão pertence à essência da igreja. Proclamar a palavra de Deus e testemunhá-la ao mundo é

Leia mais

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5 ESTUDO 09-6:1-13 A MANIFESTAÇÃO DA IRA E DA GRAÇA DE DEUS : Existem aspectos no Evangelho de Cristo que são extremamente duros, e ao mesmo tempo consoladores. Quando pensamos na seriedade do pecado diante

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

MENSAGENS ESPÍRITAS 1

MENSAGENS ESPÍRITAS 1 MENSAGENS ESPÍRITAS 1 O Despertar para luz Psicografia de Paulo Gonçalves Pelo Espírito Tibérius Editora 2012 2 Nada no mundo acontece por acaso, porque o acaso não existe. Se existisse, então teria de

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

O cardeal protetor : Hugolino de Óstia e a Ordem dos Frades Menores nas primeiras hagiografias franciscanas. Victor Mariano Camacho

O cardeal protetor : Hugolino de Óstia e a Ordem dos Frades Menores nas primeiras hagiografias franciscanas. Victor Mariano Camacho http://www.revistahistoria.ufba.br/2011_1/a01.pdf O cardeal protetor : Hugolino de Óstia e a Ordem dos Frades Menores nas primeiras hagiografias franciscanas Victor Mariano Camacho Licenciado em História

Leia mais

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS.

PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. 1 PESQUISA: A PRIMEIRA EDUCAÇÃO NO BRASIL: GÊNESE E FUNDAMENTOS. Autora: SANDRA BOTELHO CHAVES Núcleo : História e Filosofia da Educação - Mestranda: Orientador: Profº Drº José Maria de Paiva A presente

Leia mais

O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado neste texto, mas a mensagem de hoje não é uma reedição.

O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado neste texto, mas a mensagem de hoje não é uma reedição. Lições essenciais para nos tornamos vitoriosos em 2011 Êxodo 17.8-16 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 09/01/2011 O primeiro sermão que preguei na PIB em Penápolis depois de empossado foi baseado

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos

História da Educação I. Prof. Fernando Roberto Campos História da Educação I Prof. Fernando Roberto Campos Reflexão A torneira seca (mas pior: a falta de sede). a luz apagada (mas pior: o gosto do escuro). a porta fechada (mas pior: a chave por dentro). José

Leia mais

Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros

Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros Lição 3 O Plano de Deus Para os Obreiros O António estudou as razões por que os crentes da Igreja primitiva se reuniam. Observou que muitos tipos de necessidades reuniam os crentes a necessidade de ensino,

Leia mais

13 SE VOCÊ CRÊ. Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você.

13 SE VOCÊ CRÊ. Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você. 13 SE VOCÊ CRÊ Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você. Isto é assim porque os seus pensamentos surgem de suas características

Leia mais

Estes 20 dons mencionados por Paulo não são os únicos existentes, há outros dons que você pode descobrir em sua vida ou em sua igreja.

Estes 20 dons mencionados por Paulo não são os únicos existentes, há outros dons que você pode descobrir em sua vida ou em sua igreja. Lição 3 para o dia 17 de janeiro de 2009 Paulo nos dá quatro listas de dons espirituais: Romanos, 12: 6-8 I Coríntios, 12: 8-10 I Coríntios, 12: 28-30 Efesios, 4: 11-12 Profecia Sabedoria Apostolado Apostolado

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO

O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO O ÓDIO E A EDUCAÇÃO NA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO SANTIN, Rafael Henrique 1 OLIVEIRA, Terezinha 2 INTRODUÇÃO Este texto apresenta algumas reflexões desenvolvidas durante nossa pesquisa de mestrado

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

PAIXÃO PELAS PESSOAS. Por Dione Oliveira FOCO NA PESSOA 40. www.foconapessoa.org.br

PAIXÃO PELAS PESSOAS. Por Dione Oliveira FOCO NA PESSOA 40. www.foconapessoa.org.br PAIXÃO PELAS PESSOAS Por Dione Oliveira FOCO NA PESSOA 40 TESTEMUNHO O que fazer hoje para trazer de volta o fôlego de vida às nossas igrejas? Esta foi a pergunta que iterou em minha mente durante os quatro

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

FRANCISCO DE ASSIS E AS CIDADES DO SÉCULO XIII Victor Augustus Graciotto Silva UFPR

FRANCISCO DE ASSIS E AS CIDADES DO SÉCULO XIII Victor Augustus Graciotto Silva UFPR FRANCISCO DE ASSIS E AS CIDADES DO SÉCULO XIII Victor Augustus Graciotto Silva UFPR Quando nos deparamos com os estudos de historiadores como Marc BLOCH, Fernand BRAUDEL, Jacques LE GOFF e Georges DUBY,

Leia mais

I - A NATUREZA DA IGREJA

I - A NATUREZA DA IGREJA I - A NATUREZA DA IGREJA Que é a igreja? A questão pode ser solucionada considerando:1) As palavras que descrevem essa instituição. 2) As palavras que descrevem os cristãos. 3) As ilustrações que descrevem

Leia mais

EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO

EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO EDUCAÇÃO E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO Fabio Luciano Bueno Coelho 1 Ricardo Antonio Rodrigues 2 Resumo: A proposta deste trabalho é levantar questionamentos a respeito do papel da educação, tendo por

Leia mais

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE

O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Jörg Garbres Ms. De Teologia O ANTIGO TESTAMENTO ENTRE PASSADO E ATUALIDADE Introdução ao AT e sua importância Introdução O AT faz parte do Cânon da cristandade! O AT abrange 4/5 da Bíblia! O AT é testemunho

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

O cristianismo que vivemos

O cristianismo que vivemos O cristianismo que vivemos TEXTO BÍBLICO BÁSICO Lucas 12.16-21,0-2 16 - E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 - E arrazoava ele entre si, dizendo:

Leia mais

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB

Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do SECATAB Programa semipresencial do Curso Bacharel em Teologia do O pauta suas ações partindo de um princípio interconfessional preparando ministros para a pregação do evangelho. ESTRUTURA DO CURSO O curso conta

Leia mais

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ O COMPORTAMENTO DAS CEB S NO MARANHÃO NO PERÍODO DE DITADURA MILITAR Camila da Silva Portela Graduanda em História pela UFMA

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

COMO E ONDE OS DONS DE PODER SE MANIFESTAM

COMO E ONDE OS DONS DE PODER SE MANIFESTAM DONS DE PODER Lição 4-27 de Abril de 2014 Texto Áureo: I Coríntios 2.4 A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito

Leia mais

Num domingo de agosto de 1617 aconteceu um fato que marcará toda a vida dele.

Num domingo de agosto de 1617 aconteceu um fato que marcará toda a vida dele. Réflexion Reflexão Riflessione Reflection Rozważanie 7 Sylvie Larminat, AIC França Tradução : P. Lauro Palú, CM - Província do Rio de Janeiro O Serviço dos Pobres São Vicente de Paulo e Santa Luísa de

Leia mais

O Cristianismo, Idade Média e Enfermagem Séc. I XVI

O Cristianismo, Idade Média e Enfermagem Séc. I XVI UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE BACHARELADO EM ENFERMAGEM HISTÓRIA E TEORIAS DA ENFERMAGEM Prof. Eurípedes Gil de França Aula 4 O Cristianismo, Idade Média e Enfermagem Séc. I XVI ...o diferencial

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

1. Fatos Espíritas através dos Tempos... 11 2. Kardec e a Codifi cação... 21 3. O Que o Espiritismo Prega... 29 4. Diferenças Fundamentais...

1. Fatos Espíritas através dos Tempos... 11 2. Kardec e a Codifi cação... 21 3. O Que o Espiritismo Prega... 29 4. Diferenças Fundamentais... CAMPINAS-SP 2003 Sumário A Doutrina 1. Fatos Espíritas através dos Tempos...11 O anúncio de uma nova era...12 Em Hydesville, o primórdio...13 O neo-espiritualismo...17 2. Kardec e a Codificação...21 Primeiras

Leia mais

SANTO TOMÁS DE AQUINO:

SANTO TOMÁS DE AQUINO: SANTO TOMÁS DE AQUINO: A Igreja e o pensamento ocidental Elaine Gai Torres* RESUMO Este artigo propõe uma visão de Santo Tomás de Aquino dentro da Escolástica, a influência de Aristóteles u em seus escritos,

Leia mais

REQUERIMENTO N.º, DE 2008

REQUERIMENTO N.º, DE 2008 REQUERIMENTO N.º, DE 2008 Requeiro, nos termos do artigo 222, e de acordo com as tradições da Casa, voto de congratulações pelo 70º aniversário do teólogo, professor e escritor LEONARDO BOFF. Justificativa

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Papa Bento XVI visita o Brasil

Papa Bento XVI visita o Brasil Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 No período de 09 a 13 de maio, o Papa

Leia mais

Funchal. 2 de Fevereiro de 2014

Funchal. 2 de Fevereiro de 2014 Funchal 2 de Fevereiro de 2014 Ex.mo e Rev.mo Senhor Bispo da Diocese do Funchal D. António José Cavaco Carrilho, Senhores Bispos Eméritos, Ex.mo Senhor Representante da República na Região Autónoma da

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA

A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA A TERMINOLOGIA 1ª COMPANHIA 1. Companhia quem escreveu foi Santo Inácio de Loyola que inventou e atribuiu para os jesuítas, o rigor e a disciplina militar. A Companhia de Jesus. 2. Toda a Itália do século

Leia mais

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015

Reforma Religiosa. Contra-Reforma. Crise da Igreja no séc. XVI. Crise da Igreja no séc. XVI. O Movimento Reformista - Início 30/01/2015 Crise da Igreja no séc. XVI Reforma Religiosa e Contra-Reforma Muitos Humanistas criticaram a Igreja de então devido ao comportamento dos seus membros: Os Papas estavam mais interessados no luxo e no seu

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes

Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Curso: Teologia Prof. Nicanor Lopes Fundamentos, conceitos e paradigmas da missão OBJETIVOS DA AULA Compreender as teses fundantes da missiologia; Analisar a presença religiosa no mundo no terceiro milênio;

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

EDUCAÇÃO JESUÍTICA RESUMO

EDUCAÇÃO JESUÍTICA RESUMO EDUCAÇÃO JESUÍTICA KARLA FERREIRA DOS SANTOS Profª. Maria Auxiliadora Freitas Pimenta de Araújo Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Licenciatura em Pedagogia (PED0545) HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 [Multimídia] Amados irmãos e irmãs, bom dia! Nos últimos domingos o evangelista Marcos tem-nos contado a acção de Jesus

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira

Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira Marista e Vaticano II: Eles não têm mais vinho? Márcio L. de Oliveira 1. Celebrar e (Re) Pensar Ensina-nos a contar os nossos dias, para que venhamos a ter um coração sábio (Sl 90,12). As palavras do salmista

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

I. Espiritualidade: um tema emergente

I. Espiritualidade: um tema emergente I. Espiritualidade: um tema emergente O Homem entra no século XX com grande otimismo nas suas capacidades! Em meados do século XX anunciava-se o fim da religião. Deus está morto! Deus continua morto! E

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

Pobreza e o desenvolvimento

Pobreza e o desenvolvimento Seção A1 Pobreza e o desenvol Descrição Esta seção fará uma introdução geral da pobreza e do desenvol. É provável que todos os participantes já usem estes termos, mas eles podem interpretá-los de maneiras

Leia mais

Vinho Novo, Odres Novos

Vinho Novo, Odres Novos Ministério de Pequenos Grupos 03 Guia de Estudo Este Guia de Estudo refere-se ao terceiro sermão da série, pregado pelo Pr. Ed René Kivitz em 28 de março de 2010 e disponível em áudio para download no

Leia mais

Fonte: Correio Cathólico 11 de maio de 1935

Fonte: Correio Cathólico 11 de maio de 1935 134 135 136 Fonte: Correio Cathólico 09 de novembro de 1935 Fonte: Correio Cathólico 08 de agosto de 1936 137 Fonte: Correio Cathólico 31 de outubro de 1936 A oposição do catolicismo à maçonaria é datada

Leia mais

PAPEL DA LIDERANÇA NA IGREJA

PAPEL DA LIDERANÇA NA IGREJA PAPEL DA LIDERANÇA NA IGREJA Em qualquer organização social existe a necessidade de um líder ou de uma equipe de liderança. A Igreja, não diferente das demais organizações, surgiu a partir de um líder.

Leia mais

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13)

O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) CONFISSÃO E ARREPENDIMENTO O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia. (Prov. 28:13) A consequência natural do arrependimento é a confissão.

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

O ser humano que, hoje, se abre para a fé, que escuta e responde à Palavra divina, descobre sua natureza filial e relacional, descobre a si mesmo

O ser humano que, hoje, se abre para a fé, que escuta e responde à Palavra divina, descobre sua natureza filial e relacional, descobre a si mesmo 1 INTRODUÇÃO A fé cristã como possibilidade de uma verdadeira existência humana, segundo Joseph Ratzinger, é o tema desta dissertação que almeja perscrutar a realidade e o dinamismo da fé nos dias de hoje,

Leia mais

Alma prospera, vida prospera. 3 João 1:2 Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma.

Alma prospera, vida prospera. 3 João 1:2 Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera a tua alma. Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 Alma prospera, vida prospera. 3 João 1:2 Amado, acima de tudo, faço votos por tua prosperidade e saúde, assim como é próspera

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS DONS ESPIRITUAIS

LEVANTAMENTO DOS DONS ESPIRITUAIS LEVANTAMENTO DOS DONS ESPIRITUAIS INSTRUÇÕES: I Nas páginas seguintes, responda a cada afirmação do Levantamento de Dons Espirituais, utilizando a escala abaixo: 3 = CONSTANTEMENTE, DEFINITIVAMENTE CERTO.

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997

A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 A Santa Sé DISCURSO DO CARDEAL ANGELO SODANO EM NOME DO PAPA JOÃO PAULO II NA ABERTURA DA XXIX CONFERÊNCIA DA FAO* 8 de Novembro de 1997 Senhor Presidente Senhor Director-Geral Ilustres Delegados e Observadores

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Copyright 2009 por Marcos Paulo Ferreira Eliézer dos Santos Magalhães Aridna Bahr Todos os direitos em língua portuguesa reservados por: A. D. Santos Editora Al. Júlia da Costa, 215 80410-070 - Curitiba

Leia mais

A Revelação. São José dos Campos, 30 de Junho 1995 numa sessão gravada.

A Revelação. São José dos Campos, 30 de Junho 1995 numa sessão gravada. A Revelação Esta comunicação é mediúnica e foi gravada, e nesta, se observa que nalguns pontos, há interferências do médium. Especialmente onde há referências aos milagres de Jesus, Ele mesmo, no livro

Leia mais

Historicismo. Cumprimento Contínuo

Historicismo. Cumprimento Contínuo Historicismo Cumprimento Contínuo Tempo do profeta 2º Advento Preterismo Cumprimento dentro dos limites do 1º Advento 2º Advento Daniel Apocalipse Nenhum cumprimento nos dias de hoje Futurismo 1º Advento

Leia mais

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante.

Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar perguntas durante a exibição; montar grupos de reflexão após a exibição, e assim por diante. O Catequista, coordenador, responsável pela reunião ou encontro, quando usar esse material, tem toda liberdade de organizar sua exposição e uso do mesmo. Poderá interromper e dialogar com o grupo; montar

Leia mais

Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo A VOCAÇÃO NO DOCUMENTO "PASTORES DABO VOBIS"

Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo A VOCAÇÃO NO DOCUMENTO PASTORES DABO VOBIS Congregação dos Sagrados Estigmas de Nosso Senhor Jesus Cristo 1 o Curso por Correspondência às Equipes Vocacionais Paroquiais SEGUNDO TEMA: A VOCAÇÃO NO DOCUMENTO "PASTORES DABO VOBIS" 1. Introdução É

Leia mais

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9

Os Legados da Reforma Protestante. Sobre o Indivíduo 2/9 Os Legados da Reforma Protestante Sobre o Indivíduo 2/9 Criado por Pedro Siena Neto em 03/2015 O legado da reforma sobre o indivíduo o trabalho a comunidade a intervenção divina a educação a economia o

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Como Falar e Fazer Missões Urbanas Hoje

Como Falar e Fazer Missões Urbanas Hoje Como Falar e Fazer Missões Urbanas Hoje Missão Urbana IGREJA BATISTA DA CONCÓRDIA Pr. Fernando Herculano Gonçalves 2 Introdução...04 A Urbanização...05 Como Falar de Missão Urbana...06 Como Fazer Missão

Leia mais

O Batismo Bíblico. Raymond C. Kelcy. g randes ensinamentos da Bíblia

O Batismo Bíblico. Raymond C. Kelcy. g randes ensinamentos da Bíblia g randes ensinamentos da Bíblia O Batismo Bíblico Raymond C. Kelcy Um dos grandes tópicos do Novo Testamento é o batismo. A palavra batismo, incluindo seus derivados, é mencionada mais de cem vezes no

Leia mais