O SIGNO DA LOUCURA EM FRANCISCO DE ASSIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SIGNO DA LOUCURA EM FRANCISCO DE ASSIS"

Transcrição

1 Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ O SIGNO DA LOUCURA EM FRANCISCO DE ASSIS Uilsiene Rosani de Souza Especialista em Lingüística e Literatura Aplicada Faculdade de São Lourenço Introdução No Prometeu de Ésquilo, Oceano dá ao protagonista este conselho atrevido: Parecer louco é o segredo do sábio No presente trabalho, cujo objetivo é o estudo sobre a vida de Francisco de Assis sob a ótica da loucura como signo, pretende-se realizar uma reflexão a cerca da vida dessa personalidade enfocando a visão que seus contemporâneos, erroneamente, tiveram dele ao tratá-lo como louco e, com isso, tentarem cercear seu discurso - sem, contudo, obterem sucesso. Para tanto, inicia com uma visão geral de Semiótica, base teórica. Parte para uma breve apresentação da personagem e seu contexto histórico. A partir da leitura das teorias de Foucault e outros autores abordamos a personagem Francisco no contexto de seu tempo e analisamos seus discursos e interdições feitas pela sociedade medieval. A personagem aqui abordada, Francisco de Assis, para muitos, simplesmente São Francisco foi considerado pela revista Times como O Homem do Milênio e imortalizado na frase de Dante Aliguieri como O Sol de Assis, tal personalidade fascinante e intrigante é corpus de estudo para a aplicação dos conceitos que serão abordados. Em seu discurso inaugural no Collége de France, Foucault fala sobre o discurso do louco, um discurso interditado de várias maneiras pela sociedade, mas que encontra brechas para infiltrar-se no seio hermético da sociedade. Francisco foi tido como louco pelos seus familiares, amigos e contemporâneos, mas o discurso desse louco arrebatou multidões de seguidores e arrebata ainda hoje. Não há quem, diante da vida coerente de Francisco, consiga seguir indiferente, ainda que a reação seja de desaprovação. Aquele que estiver lendo esse trabalho também será tocado por seu conteúdo e estou ciente dessa responsabilidade sem, no entanto, alimentar a ilusão de que posso controlar seu efeito. Como no discurso, sou res-

2 ponsável pelo enunciado, mas nunca sobre o efeito que ele vai produzir. De tão amplo que essa questão pode ser existe uma disciplina que trata especificamente desse efeito do discurso, a Estética da Recepção. Por limitação do recorte não aprofundarei essa discussão. Não é à toa que nos afrescos da basílica do Sacro Convento de Assis, Giotto começa a vida de Francisco pela cena do louco a estender o manto à passagem do jovem assisiense e o saúda exclamando: 1. Semiótica Tu és dos nossos, e nós, os loucos, sempre nos entendemos bem. (MERINO, José António, 133 pg) Segundo Barthes (1985) o objeto da semiótica é qualquer sistema de signos, independente de serem signos verbais. Não só sistemas que constituem linguagem, mas qualquer sistema de significação. Para Pignatari (1973), foi Peirce o primeiro a tentar uma sistematização científica do estudo dos signos e que cria a idéia de signo como um representante, ou seja, toda coisa que substitui outra, representando-a para alguém, sob certos aspectos e em certa medida (PIGNATARI, 1973, p.26-27). Conforme Pignatari (2000), semiótica, ou Teoria Geral dos Signos, é uma indagação sobre a natureza dos signos e suas relações, entendendo-se por signo tudo aquilo que represente ou substitua alguma coisa, em certa medida e para certos efeitos. Para Peirce, todo pensamento é um signo, e o próprio homem pode ser considerado assim: em qualquer momento, o homem é um pensamento, e como o pensamento é uma espécie de símbolo, a resposta geral à questão: Que é o homem? é que ele é um símbolo (apud PIGNATARI, 2000). A personagem central desse trabalho é um símbolo que ultrapassou gerações e que não foi compreendido em sua época e talvez ainda hoje não o seja. E, como signo, é uma resposta viva ao anseio de todo homem de saber qual a essência do ser humano. Ainda como signo, esse ser humano se torna o espelho de uma realidade que todo homem anseia atingir: o status de verdadeiro SER HUMANO. Segundo Pignatari (2000), o que caracteriza o fenômeno poético é a transformação de símbolos em ícones; baseando-se nesse e nos demais conceitos tomamos o signo da loucura em Francisco de Assis e analisamos as formas como a sociedade busca interditar seu discurso ao classificá-lo como louco. 2. Apresentando a personagem Segundo Jacques Le Goff (1924) Francesco Bernardone nasceu em 1181 ou 1182, não há um consenso sobre a data exata. Foi chamado de João pela mãe; 2

3 depois no entanto, o pai ao voltar da França, e em cuja ausência o filho nascera, deu-lhe o nome de Francisco, como nos prova a Legenda dos Três Companheiros: Francisco, oriundo da cidade de Assis, situada nos limites do vale de Espoleto, primeiramente, foi chamado de João pela mãe; depois no entanto, o pai ao voltar da França, e em cuja ausência o filho nascera, deu-lhe o nome de Francisco. (apud FASSINO, Pag. 20). A pequena Assis do centro da Itália, cercada de montanhas, envolta no verde dos Olivais e repleta de ruas estreitas e tortuosas. E como toda cidade medieval, Assis também tinha suas características: A cidade medieval não se perdia espalhada como as cidades de hoje, mas se apresentava compacta, fechada em suas muralhas, bem definida em seus limites, bem fortificada entre muros e torres (MAZZUCO, Pag. 42). O jovem Francisco levou uma juventude agitada e cheia de contradições. Foi pródigo nos gatos, levando a vida sem maiores preocupações. Francisco, depois que se tornou adulto, exerceu a arte do pai, o comércio, mas de maneira muito diferente, pois era muito mais hilariante e mais liberal, dado aos jogos e cantos, circundando de dia e de noite pela cidade de Assis, em companhia dos seus semelhantes; larguíssimo nos gastos, de modo que tudo que pudesse, ter ou lucrar consumia em comidas e outras coisas. (FASSINI, Pag. 20). A citação acima mostra-nos mais uma razão para o considerarem louco, pois como conceber que alguém tão dado a gastos e festas pudesse abandonar tudo e viver de forma totalmente controversa? As cidades de seu tempo viviam em constantes rixas e rivalidades, o que ocasionavam periódicas guerras. Assis entrou em guerra contra Perugia e o jovem Francisco foi, heroicamente defender sua cidade. Mas em 1202, caiu prisioneiro. No cativeiro, destilava ânimo e otimismo aos companheiros de infortúnio. Ao regressar, dormindo numa estalagem, durante o sono ouviu uma voz a questioná-lo sobre suas prioridades na vida. Assim relata Baggio (1972): - Francisco, o que é mais glorioso: Servir ao Senhor ou servir ao servo? - Servir ao Senhor, é claro respondeu prontamente. - Pois bem, por que então estás correndo atrás do servo? - Que devo então fazer? - Volta a Assis e te será dito. 3

4 Esse episódio foi um divisor de águas na vida de Francisco, pois a partir daí uma grande inquietação tomou conta dele e o impeliu a buscar um novo rumo em sua vida. A partir deste e de outros fatos que se sucederam, Francisco transforma sua vida e seus sonhos, mas de uma forma tão radical e contraditória que seus contemporâneos o consideram louco. Como nos prova a Legenda dos Três companheiros: Muitos, no entanto, ridicularizavam-no julgando-o insano (Legenda dos Três companheiros apud FASSINI, Pag. 248). Francisco começa a ficar reflexivo, deixa a vida boêmia e começa a dedicarse às coisas do espírito. Abdica de sua herança e entrega seus bens aos pobres. Deixa a casa dos pais com as vestes que veio ao mundo, nu. Passa a viver entre pobres e leprosos. 3. Contexto Histórico O contexto histórico nos permite compreender melhor uma personalidade, visto que a mesma pode ser produto do meio ou mesmo assumir uma personalidade que conteste o âmago dessa mesma sociedade. Francisco é um homem medieval e isso não é um simples acaso, traz implicações em sua personalidade, costumes e modo de pensar. Como veremos na citação a seguir, o homem medieval, especialmente da fase em que viveu Francisco, buscava dedicar-se a uma grande causa, a um ideal maior pelo qual até mesmo valeria dar a própria vida. O medieval constituiu um período orgânico na vida da humanidade: como todos os organismos poderosos começou com uma longa e misteriosa gestação, teve a sua juventude, a sua virilidade, a sua decrepitude. O fim do século XII e o i- nício do século XIII assinalam o seu definitivo desenvolvimento orgânico. São anos com sua própria poesia, sonhos, entusiasmo, generosidade e audácia. O amor era abundante em sua força; por toda parte os homens tinham um só desejo: dedicar-se a alguma grande e santa causa. (SABATIER, 1978, p.31) Como período orgânico, esse foi rico e fez germinar fortes personalidades que marcaram época. Como afirmou Sabatier na citação acima: por toda parte os homens tinham um só desejo: dedicar-se a alguma grande e santa causa. Francisco também sonhava alto, queria ser cavaleiro do rei, dedicar-se a uma causa acima da normalidade e mediocridade de cada dia. Ainda falando sobre a Idade Média, é importante notar que essa fase também sofreu mudanças ao longo dos anos e assumiu peculiaridades com o passar do tempo. Os séculos XII e XIII, em que viveu Francisco, foi um período de germinação e eclosão de novas tendências. Segundo Mazzuco: Queremos entender aqui a Idade do Meio como uma idade nuclear isto é, um período onde a humanidade viveu um 4

5 MEIO, Essencial, uma Raiz, uma Identidade e foi justamente o homem e santo Francisco de Assis quem melhor captou este núcleo da época. (MAZZUCO, 1994, p.49) Foi somente a partir do século XI que o comércio começou um reavivamento dentro da Europa. Reavivamento esse, grandemente influenciado pelas guerras contra muçulmanos e o fim das invasões escandinavas. Esses dois aspectos limitaram por um longo tempo as experiências econômicas na Europa Ocidental. Os povos muçulmanos e escandinavos foram grandes comerciantes e construíram diversas redes de influência e dominação dentro de toda a Europa. O fim de suas empreitadas culminou na desarticulação dessas redes. A partir de então, foram necessários outros meios para que tais transações voltassem a acontecer. Um movimento próprio da Europa ocidental na articulação dessas novas transações tem início juntamente com as cruzadas. Expedições são montadas por diversos nobres com o objetivo de alcançar outras terras. Francisco participa das Cruzadas de seu tempo. Os embates que se iniciaram em diversos pontos do mediterrâneo trouxeram diversos benefícios para os comerciantes europeus. Com novas relações exteriores, diversas características internas da própria Europa começam a ser formar. A partir do século XII dá-se início às conhecidas feiras medievais. Tais feiras tinham como um dos objetivos reunir diversos comerciantes das mais variadas condições num único local. Muitas cidades foram construídas ou começaram seu desenvolvimento a partir dessas feiras. A peregrinação também é um dos fatores-chave para a compreensão dessa articulação, pois tal característica influenciou a maior movimentação de indivíduos dentro do continente. Essa nova estruturação econômica traz também outros fatores importantes. É a partir desse momento que se iniciam, novamente, a cunhagem de moedas. Desde o fim do Império Romano, a circulação de moedas dentro da Europa Ocidental tinha perdido quase que completamente seu valor. As estruturas que foram se articulando após isso não privilegiavam tais transações. Mas no século XII é o início dessa nova fase comercial, a moeda começa, aos poucos, a ganhar novamente sua importância. Mesmo com todas essas transformações, o comércio ainda era uma relação que beneficiava os nobres. As grandes transações e movimentações comerciais e- ram estruturadas a partir dessas pessoas. Nessa época, a terra é que ainda representava poder. A riqueza material sem ter como apoio um título de nobreza não tinha consideração social. A riqueza por si só não se sustentava dentro dessa sociedade, até mesmo por que nem todas as transações eram feitas em espécie. Mas mesmo assim, ainda coexistia um comércio menor que tinha como objetivo transações mais simplificadas. As feiras medievais e grande parte do comércio móvel dessa época se apoiavam em características como essa. Devido ao recorte e sem a pretensão de fazer um tratado de história abstenho-me maiores informações por não ter propriedade suficiente para aprofundar a vastidão desse período. 4. O Louco e as interdições ao seu discurso pelo poder 5

6 Foucault (1970) supõe que a produção do discurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída pela sociedade na qual é produzido. Nela, há procedimentos que conjuram os poderes e perigos dos discursos dominando seu acontecimento aleatório. No início de sua mudança de vida, chamada também de conversão, os familiares e contemporâneos de Francisco se afastam dele e o chamam de louco. A sociedade da época com seus modos próprios de selecionar, organizar e redistribuir os discursos, vê no discurso de Francisco um perigo para a ordem e normalidade estabelecidas. Como os discursos são perigosos às sociedades, elas articulam procedimentos de exclusão. Dos quais, o mais conhecido possa ser a interdição, ou seja, não se tem o direito de dizer tudo, não se pode falar qualquer coisa, a ninguém é dado esse poder ou licença. (FOUCAULT, 1970, p. 9) Mas como reconhecer um louco? Pelas suas palavras, seu discurso conexo, às vezes desconexo, instigante, difícil de ser ouvido, compreendido e aceito, porque muito diferente. É curioso constatar que durante séculos na Europa a palavra do louco não era ouvida, ou então, se era ouvida, era escutada como uma palavra de verdade. Ou caía no nada rejeitada tão logo proferida; ou então nela se decifrava uma razão ingênua [...] De qualquer modo, excluída ou secretamente investida pela razão, no sentido restrito, ela não existia. Era através de suas palavras que se reconhecia a loucura do louco; elas eram o lugar onde se exercia a separação; mas não era nunca recolhidas nem escutadas. (FOUCAULT, 1970, p. 11) Segundo Foucault (1970) há interdições que cerceiam o discurso dos indivíduos, mas ainda que sejam fortes as suas grades, nelas encontram brechas, rachaduras por onde certos discursos, antes interditados, podem escoar. Nas regiões onde essa grade é cerrada encontram-se a sexualidade e a política, sendo assim, o discurso é um dos lugares onde essas duas forças exercem seus mais temíveis poderes. Os saberes são dominados pela ordem estabelecida e a partir disso recebem classificações como qualificável ou inqualificável; inferior ou superior, etc. [...] por saber dominado se deve entender outra coisa e, em certo sentido, uma coisa inteiramente diferente: uma série de saberes que tinham sido desqualificados como não competentes ou insuficientemente elaborados: saberes ingênuos, hierarquicamente inferiores, saberes abaixo do nível requerido de conhecimento ou de cientificidade. (FOUCAULT, 1976) 6

7 Conforme Foucault (1970) o discurso pode ser mínimo, mas são as interdições que revelam seu poder verdadeiro e sua ligação com o desejo. A força dos discursos não está naquilo que expressam, mas no que ocultam, é aquilo que o objeto deseja, o poder dos qual nos queremos apoderar. No caso de Francisco, seu discurso ameaçava a ordem natural das coisas, abalava a estrutura da burguesia medieval e da própria Igreja rica e poderosa. Como conceber que um jovem medieval, rico e cheio de mimos, possa despir-se de seus bens, cuspir na cara da soberania, recusar riqueza e poder, aquilo que a sociedade via como o valor máximo? Outro princípio de exclusão que podemos descortinar nas sociedades é a separação ou rejeição. Remontada da alta Idade Média, pensemos na oposição RAZÃO X LOUCURA. O louco é aquele cujo discurso não pode circular como o dos outros: pode ocorrer que sua palavra seja considerada nula e não seja acolhida, não tendo verdade nem importância, não podendo testemunhar na justiça, não podendo autenticar um ato ou um contrato, não podendo nem mesmo no sacrifício da missa, permitir a transubstanciação e fazer do pão um corpo; (FOUCAULT, 1970, p. 10) Visto que Francisco era um homem medieval, podemos deduzir a força com que esse discurso vinha de encontro ao seu. Nos primeiros dois anos de sua conversão, Francisco viveu só, isolado. Ninguém o procurava, nem mesmo lhe davam ouvidos, pois tratava-se de um louco e como tal não merecia crédito, seu discurso não era válido. Não havendo quem lhe desse ouvidos ele passa a pregar aos pássaros e outros animais, conforme atesta sua cronologia no início deste trabalho. Conforme Merino (2004) Francisco de Assis recorre também à loucura como metáfora e signo da sua própria existência. Teve clara consciência de trazer ao mundo um novo estilo de vida quando diz: O mesmo Senhor, que disse querer fazer de mim um novo louco no mundo, não quis levar-me por outra sabedoria senão esta. Francisco parecia comprazer-se em ser tido como um idiota, amante das coisas ignorante e simples, sem qualquer pretensão de fazer parte do grupo dos doutos e letrados, sem, no entanto, deixar de demonstrar por atos que possuía uma douta ignorância. O louco Francisco opõe-se com decisão visceral e apaixonada ao aparentemente razoável da sociedade. É a negação da negação dos verdadeiros valores. (MERINO 2004, p. 30) Maritain comenta um dos momentos mais marcantes e desconcertantes da vida de Francisco, quando, em um ato público e solene, despoja de suas vestes: 7

8 Imaginemos Francisco no exato momento em que arroja de si as próprias roupas e aparece nu diante do bispo: na raiz de gestos como este há algo de tão profundo na alma que não se consegue explicar. É aí que reside a loucura: é o irracional, o não definível, o não canônico, o herético. Digamos que é uma simples rejeição total, estável, supremamente ativa, mas nunca uma rejeição passiva ao aceitar as coisas como são. (apud MERINO 2004, p. 30) Com esse gesto, Francisco rompe com toda a normalidade da época e com tudo que pregava a sociedade de então: luxo, riqueza, poder, status, conquistas. Para quem estivesse presenciando essa cena só lhe restava pensar que estava diante de um espetáculo de loucura. E como se tratasse de um louco o melhor a fazer seria abandoná-lo, desacreditá-lo para que não possa vir novamente bater às portas da consciência e chamá-los a uma reflexão para a qual não estavam preparados. Merino comenta: Para ninguém são tão loucos os santos, os heróis e os redentores como para os mais próximos e os de casa. Francisco e, seu discurso, vem contra ordem vigente, é extremamente contraditório a ela quando se despoja de seus bens e renega sua herança. Isso para a sociedade e Igreja de então, só poderia ser qualificado como o discurso de um louco, alguém que está fora de consciência, agindo sem o auxílio da razão. O poder é essencialmente repressivo. O poder é o que reprime a natureza, os indivíduos, os instintos, uma classe. Quando o discurso contemporâneo define repetidamente o poder como sendo repressivo, isto não é uma novidade, Hegel foi o primeiro a dizê-lo; depois, Freud e Reich também o disseram. Em todo caso, ser órgão de repressão é no vocabulário atual o qualificativo quase onírico do poder. Não será, então, que a análise do poder deveria ser essencialmente uma análise dos mecanismos de repressão? (FOUCAULT, 1976) Vimos na citação que o poder reprime a natureza, os indivíduos, os instintos. O poder repreende o que vem de encontro aquilo que acredita ser a verdade ou se impõe como tal. Reprimir é ter poder, pois para fazê-lo é necessário estar investido de tamanha habilidade. Foucault chega a dizer ser órgão de repressão é no vocabulário atual o qualitativo quase onírico do poder. E um modo de repressão é a interdição de um discurso, no caso de Francisco ao desacreditar seu discurso o poder o reprime deixando-o à margem do que a sociedade prega como verdade. Os próprios seguidores de Francisco quando se investem de certo grau de poder dentro da Ordem reprimem-no junto com a Igreja ao negarem sua Regra de Vida exigindo que outra fosse escrita. Notamos, porém, que quanodo a sociedade não consegue cercear por definitivo determinado discurso ela encontra novos meios para tentar controlá-lo. Aco- 8

9 lhe-o como sendo aceito para que o mesmo não se volte contra ela e lhe tome o poder. A sociedade contemporânea de Francisco não meramente aceita seu discurso que antes não tinha crédito, mas como seu discurso já extrapolasse os limites físicos e contagiava multidões, a sociedade o aceita para assim mantê-lo sempre perto de seu controle. Ainda seguindo esse raciocínio em sua aula inaugural no Collége de France, Foucault ao deparar-se com o fato de ter que iniciar um discurso declara: E a instituição responde: Você não tem porque temer começar; estamos todos aí para lhe mostrar que o discurso está na ordem das leis; que a muito tempo se cuida de sua aparição; que lhe foi preparado um lugar que o honra, mas o desarma; e que se lhe ocorre ter algum poder, é de nós, só de nós que ele lhe advém (FOUCAULT 1970, p. 07) Foucault (1970) defende que ao discurso do louco também ocorria atribuir estranhos poderes, o de dizer uma verdade escondida, o de pronunciar o futuro, o de enxergar com toda ingenuidade aquilo que a sabedoria dos outros não pode perceber. Nela se decifrava uma razão mais razoável do que a das pessoas razoáveis. É curioso constatar que durante séculos na Europa a palavra do louco não era ouvida, ou então se era ouvida, era escutada como uma palavra de verdade, ou seja, nela poderia haver um lampejo de uma verdade escondida, a poucos revelada. Esse mesmo discurso poderia receber a reação proporcionalmente inversa rejeitado tão logo proferido. (FOU- CAUT 1970, p. 11) Aos poucos o louco Francisco foi sendo percebido com maior interesse e começou a despertar a atenção de seguidores que acreditavam que por trás daquele duro discurso poderia estar escondida uma verdade que nem todos podiam ver. O primeiro de seus seguidores foi Bernardo de Quintavalle, do qual a Legenda dos três companheiros relata: Bernardo, considerando a constância e o fervor no serviço divino do beato Francisco, isto é, o modo como com muito trabalho reparava as igrejas destruídas e levava uma vida áspera, sabendo que o mesmo vivera no século, propôs no seu coração distribuir aos pobres todas as coisas que tinha e aderir firmemente a ele na vida e no hábito. (apud FASSINI P. 280) Conforme Foucault (1970), o imenso discurso do louco retornava ao ruído, a palavra só lhe era dada simbolicamente, no teatro onde se lhe apresentava, desarmado e reconciliado, visto que representava aí o papel de verdade mascarada. 9

10 Algumas palavras de Foucalt caracterizam bem o que passou a ser o discurso de Francisco depois que as pessoas começam a lhe dar ouvidos: Sonho lírico de um discurso que renasce em cada um de seus pontos, absolutamente novo e inocente, e que reaparece sem cessar, em todo frescor, a partir das coisas, dos sentimentos ou dos pensamentos. Segundo Foucault (1970), a palavra do louco, excluída ou secretamente investida pela razão, no sentido restrito, ela carecia de existência. Através dela se reconhecia a loucura do louco. Suas palavras eram o lugar onde se exercia a separação (a interdição). Palavras nunca recolhidas, nem escutadas. Isso nos leva a um questionamento: por que então as palavras de Francisco foram ouvidas mesmo fora do contexto de sua cidade, atraindo multidões mesmo depois de sua morte? Será a verdade escondida, a razão mais razoável? 5. Conclusão Ora, eis que no século XVII a verdade, a mais elevada já não mais residia no que era o discurso, ou no que ele fazia, mas residia no que ele dizia: chegou o dia em que a verdade se deslocou do ato ritualizado, eficaz e justo, de enunciação para o próprio enunciado: para seu sentido, sua forma, seu objeto, sua relação a sua referência. (FOUCAULT, 1970) A personagem centro deste trabalho, Francisco de Assis, não foi um homem alheio ao seu tempo, mas trouxe novidade com seu novo estilo de vida. À luz da semiótica buscamos entender essa personalidade que se mostra ao mundo como símbolo de ser humano livre e completo, signo do desejo fundamental de todo ser humano de encontrar sua essência e fazê-la transbordar. Como demonstra o presente trabalho, a sociedade com seu imenso poder de controlar, selecionar, organizar e redistribuir os discursos tentou, de várias formas, impedir que o discurso de Francisco fosse ouvido e propagado. No entanto, por maiores que sejam as interdições dos discursos, os mesmos encontram brechas para evadir. A sociedade medieval teve medo do discurso do Pobre de Assis e o chamou de louco para que assim fosse desacreditado. Isto mostra que aquele discurso ameaçava algum valor importante para a sociedade de então, do contrário, nada fariam. Todo discurso é dotado de força. E o discurso do louco Francisco mostrouse mais forte que o discurso da própria sociedade e suas instituições de poder, pois até hoje causa incomodo e seduz grande número de pessoas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix,

11 FASSINI, Dorvalino. Legenda dos três companheiros. São Paulo: Edições Loyola FOUCAULT, Michel. A origem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, Microfísica do poder HEERS, Jacques. História medieval. São Paulo: Editora da USP, LE GOFF, Jacques. A civilização do ocidente medieval. São Paulo: Edusc, São Francisco de Assis. Rio de Janeiro: Editora Record, MAZZUCO, Vitório. Francisco de Assis e o modelo de amor cortês-cavaleiresco. cavaleiresco. Petrópolis: MERINO, José António. D. Quixote e S. Francisco: dois loucos necessários. São Paulo: Editorial Franciscana, PIGNATARI, Décio. Semiótica e Literatura. São Paulo: Ateliê Editorial,

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons.

Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet Brasil licencia seus materiais de forma aberta através do Creative Commons. Olá, você esta acessando um dos materiais vencedores no concurso InternÉtica 2011, realizado pela SaferNet Brasil e o Instituto Childhood Brasil. Facilitando a criação e distribuição de conteúdos, a SaferNet

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20).

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20). Lição 8-22 de agosto de 2015 O plano de Jesus era preparar primeiro o povo judeu como base para as missões para outras culturas. Não obstante, não disperdiçou as oportunidades que se apresentaram para

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 5

Ajuntai tesouros no céu - 5 "Ajuntai tesouros no céu" - 5 Mt 6:19-21 Temos procurado entender melhor através das escrituras, o que Jesus desejou ensinar aos seus discípulos nesta sequência de palavras, e pra isso, estudamos algumas

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Janeiro 2016 Chamados a caminhar sempre em direção a Cristo Introdução: Quando apareceu em Fátima, Nossa Senhora pediu aos homens que fizessem uma

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

Julgamento e Juizo (Onde está o sangue?)

Julgamento e Juizo (Onde está o sangue?) Julgamento e Juizo (Onde está o sangue?) Quando Israel estava no Egito e a eles fora enviado um libertador (Moisés), na etapa da última praga que atingiu o Egito, a morte dos primogênitos; foi necessário

Leia mais

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE

LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE LEMA: EU VIM PARA SERVIR (Mc 10,45) TEMA: FRATERNIDADE: IGREJA E SOCIEDADE Introdução A CF deste ano convida-nos a nos abrirmos para irmos ao encontro dos outros. A conversão a que somos chamados implica

Leia mais

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas?

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas? Jesus deu a resposta aos fariseus naquele dia. Portanto, deem aos pobres o que está dentro dos seus copos e dos seus pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês. (Lc 11.41). Com aquela Palavra, Ele tocou

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo

#61. 10.14 O batismo do Espírito Santo 10.14 O batismo do Espírito Santo #61 Estudamos o novo nascimento e vimos como o Espírito Santo realiza essa obra juntamente com a Palavra de Deus. Tínhamos que entender o novo nascimento e como alguém

Leia mais

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO

MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO MARIA, MÃE DA MISERICÓRDIA! INTRODUÇÃO A pessoa de Maria foi desde os primeiros séculos do cristianismo uma grade fonte de inspiração para o povo cristão. De fato nas catacumbas de Roma, onde os cristãos

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

A NUVEM. O Sétimo Anjo

A NUVEM. O Sétimo Anjo A NUVEM O Sétimo Anjo PARADO NA BRECHA 1963 - Jeffersonville - Indiana - E.U.A. - Tradução: GO 82 E agora, eu não sabia naquela época, que eles estavam tirando fotos daquilo, os cientistas que estavam

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Entrevista com Volney José Berkenbrock

Entrevista com Volney José Berkenbrock Entrevista com Volney José Berkenbrock Volney José Berkenbrock é doutor em Teologia, professor do programa de pósgraduação em Ciência da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Geração João Batista. Mc 1:1-8

Geração João Batista. Mc 1:1-8 Geração João Batista Mc 1:1-8 Conforme acabamos de ler, a Bíblia diz que João Batista veio ao mundo com o objetivo de "preparar o caminho do Senhor" - V3. Ele cumpriu a sua missão, preparou tudo para que

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Depois de termos tratado de todos os temas da escatologia cristã, vamos falar sobre o purgatório.

Depois de termos tratado de todos os temas da escatologia cristã, vamos falar sobre o purgatório. A purificação após a morte: o estado purgatório Pe. Henrique Soares da Costa Depois de termos tratado de todos os temas da escatologia cristã, vamos falar sobre o purgatório. Nossos irmãos protestantes

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais

Prisões mentais. Escrito por Mário Moreno Dom, 05 de Junho de 2011 15:37. Prisões mentais Prisões mentais Hoje podemos afirmar que há satan o adversário conseguiu algo muito grande quando fez o homem pecar além de fazer dele um peregrino fora do Gan Éden e de tirar-lhe a imortalidade. O adversário

Leia mais

Recapitulando: quaresma. um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho. um tempo de preparação para a Páscoa

Recapitulando: quaresma. um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho. um tempo de preparação para a Páscoa Recapitulando: quaresma um tempo de preparação para a Páscoa um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho Recapitulando: o caminho de Jerusalém Lc 9.51 Lc 19.41 perigos e distrações: esquecer o foco

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Plano Pedagógico do Catecismo 6

Plano Pedagógico do Catecismo 6 Plano Pedagógico do Catecismo 6 Cat Objetivos Experiência Humana Palavra Expressão de Fé Compromisso PLANIFICAÇÃO de ATIVIDADES BLOCO I JESUS, O FILHO DE DEUS QUE VEIO AO NOSSO ENCONTRO 1 Ligar a temática

Leia mais

O rei Davi e o seu palácio

O rei Davi e o seu palácio O rei Davi e o seu palácio 2 Sm 11:1-5 Estes versículos registram um terrível e assustador período na vida do rei Davi que poderia ter sido evitado, se o mesmo não escolhesse desprezar suas responsabilidades

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO

2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO 2015 ANO DA CELEBRAÇÃO DO BICENTENÁRIO DO NASCIMENTO DE S. JOÃO BOSCO Na noite de quarta-feira, 16 agosto de 1815, na oitava da festa da Assunção, nascia o segundo filho de Francisco Bosco e Margarida

Leia mais

Lição 6 para 7 de novembro de 2015

Lição 6 para 7 de novembro de 2015 Lição 6 para 7 de novembro de 2015 «Falei aos profetas, e multipliquei a visão; e pelo ministério dos profetas propus símiles» (Oséias 12:10) Na Bíblia encontramos muitos símbolos. Cenas ou objetos que

Leia mais

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia.

Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Jesus e sua vida Segundo os Evangelhos, Jesus teria vivido toda sua infância, adolescência e juventude em Nazaré com sua família e com o povo dessa pequena aldeia. Seu nascimento foi no meio de muitas

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Princípios de Fé Estudo 1

Princípios de Fé Estudo 1 Estudo 1 1 Tema: A fé e a comunhão Texto Base: o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE

EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE EQUIPAS DE JOVENS DE NOSSA SENHORA O PAPEL DO CASAL ASSISTENTE A experiência de um casal cristão que acompanha a equipa traz aos seus membros uma riqueza complementar à que caracteriza a presença do padre.

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto.

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. <Os Inovadores> <Escola Profissional Atlântico> NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Dezembro de 2011 1 A

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais