O SIGNO DA LOUCURA EM FRANCISCO DE ASSIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SIGNO DA LOUCURA EM FRANCISCO DE ASSIS"

Transcrição

1 Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ O SIGNO DA LOUCURA EM FRANCISCO DE ASSIS Uilsiene Rosani de Souza Especialista em Lingüística e Literatura Aplicada Faculdade de São Lourenço Introdução No Prometeu de Ésquilo, Oceano dá ao protagonista este conselho atrevido: Parecer louco é o segredo do sábio No presente trabalho, cujo objetivo é o estudo sobre a vida de Francisco de Assis sob a ótica da loucura como signo, pretende-se realizar uma reflexão a cerca da vida dessa personalidade enfocando a visão que seus contemporâneos, erroneamente, tiveram dele ao tratá-lo como louco e, com isso, tentarem cercear seu discurso - sem, contudo, obterem sucesso. Para tanto, inicia com uma visão geral de Semiótica, base teórica. Parte para uma breve apresentação da personagem e seu contexto histórico. A partir da leitura das teorias de Foucault e outros autores abordamos a personagem Francisco no contexto de seu tempo e analisamos seus discursos e interdições feitas pela sociedade medieval. A personagem aqui abordada, Francisco de Assis, para muitos, simplesmente São Francisco foi considerado pela revista Times como O Homem do Milênio e imortalizado na frase de Dante Aliguieri como O Sol de Assis, tal personalidade fascinante e intrigante é corpus de estudo para a aplicação dos conceitos que serão abordados. Em seu discurso inaugural no Collége de France, Foucault fala sobre o discurso do louco, um discurso interditado de várias maneiras pela sociedade, mas que encontra brechas para infiltrar-se no seio hermético da sociedade. Francisco foi tido como louco pelos seus familiares, amigos e contemporâneos, mas o discurso desse louco arrebatou multidões de seguidores e arrebata ainda hoje. Não há quem, diante da vida coerente de Francisco, consiga seguir indiferente, ainda que a reação seja de desaprovação. Aquele que estiver lendo esse trabalho também será tocado por seu conteúdo e estou ciente dessa responsabilidade sem, no entanto, alimentar a ilusão de que posso controlar seu efeito. Como no discurso, sou res-

2 ponsável pelo enunciado, mas nunca sobre o efeito que ele vai produzir. De tão amplo que essa questão pode ser existe uma disciplina que trata especificamente desse efeito do discurso, a Estética da Recepção. Por limitação do recorte não aprofundarei essa discussão. Não é à toa que nos afrescos da basílica do Sacro Convento de Assis, Giotto começa a vida de Francisco pela cena do louco a estender o manto à passagem do jovem assisiense e o saúda exclamando: 1. Semiótica Tu és dos nossos, e nós, os loucos, sempre nos entendemos bem. (MERINO, José António, 133 pg) Segundo Barthes (1985) o objeto da semiótica é qualquer sistema de signos, independente de serem signos verbais. Não só sistemas que constituem linguagem, mas qualquer sistema de significação. Para Pignatari (1973), foi Peirce o primeiro a tentar uma sistematização científica do estudo dos signos e que cria a idéia de signo como um representante, ou seja, toda coisa que substitui outra, representando-a para alguém, sob certos aspectos e em certa medida (PIGNATARI, 1973, p.26-27). Conforme Pignatari (2000), semiótica, ou Teoria Geral dos Signos, é uma indagação sobre a natureza dos signos e suas relações, entendendo-se por signo tudo aquilo que represente ou substitua alguma coisa, em certa medida e para certos efeitos. Para Peirce, todo pensamento é um signo, e o próprio homem pode ser considerado assim: em qualquer momento, o homem é um pensamento, e como o pensamento é uma espécie de símbolo, a resposta geral à questão: Que é o homem? é que ele é um símbolo (apud PIGNATARI, 2000). A personagem central desse trabalho é um símbolo que ultrapassou gerações e que não foi compreendido em sua época e talvez ainda hoje não o seja. E, como signo, é uma resposta viva ao anseio de todo homem de saber qual a essência do ser humano. Ainda como signo, esse ser humano se torna o espelho de uma realidade que todo homem anseia atingir: o status de verdadeiro SER HUMANO. Segundo Pignatari (2000), o que caracteriza o fenômeno poético é a transformação de símbolos em ícones; baseando-se nesse e nos demais conceitos tomamos o signo da loucura em Francisco de Assis e analisamos as formas como a sociedade busca interditar seu discurso ao classificá-lo como louco. 2. Apresentando a personagem Segundo Jacques Le Goff (1924) Francesco Bernardone nasceu em 1181 ou 1182, não há um consenso sobre a data exata. Foi chamado de João pela mãe; 2

3 depois no entanto, o pai ao voltar da França, e em cuja ausência o filho nascera, deu-lhe o nome de Francisco, como nos prova a Legenda dos Três Companheiros: Francisco, oriundo da cidade de Assis, situada nos limites do vale de Espoleto, primeiramente, foi chamado de João pela mãe; depois no entanto, o pai ao voltar da França, e em cuja ausência o filho nascera, deu-lhe o nome de Francisco. (apud FASSINO, Pag. 20). A pequena Assis do centro da Itália, cercada de montanhas, envolta no verde dos Olivais e repleta de ruas estreitas e tortuosas. E como toda cidade medieval, Assis também tinha suas características: A cidade medieval não se perdia espalhada como as cidades de hoje, mas se apresentava compacta, fechada em suas muralhas, bem definida em seus limites, bem fortificada entre muros e torres (MAZZUCO, Pag. 42). O jovem Francisco levou uma juventude agitada e cheia de contradições. Foi pródigo nos gatos, levando a vida sem maiores preocupações. Francisco, depois que se tornou adulto, exerceu a arte do pai, o comércio, mas de maneira muito diferente, pois era muito mais hilariante e mais liberal, dado aos jogos e cantos, circundando de dia e de noite pela cidade de Assis, em companhia dos seus semelhantes; larguíssimo nos gastos, de modo que tudo que pudesse, ter ou lucrar consumia em comidas e outras coisas. (FASSINI, Pag. 20). A citação acima mostra-nos mais uma razão para o considerarem louco, pois como conceber que alguém tão dado a gastos e festas pudesse abandonar tudo e viver de forma totalmente controversa? As cidades de seu tempo viviam em constantes rixas e rivalidades, o que ocasionavam periódicas guerras. Assis entrou em guerra contra Perugia e o jovem Francisco foi, heroicamente defender sua cidade. Mas em 1202, caiu prisioneiro. No cativeiro, destilava ânimo e otimismo aos companheiros de infortúnio. Ao regressar, dormindo numa estalagem, durante o sono ouviu uma voz a questioná-lo sobre suas prioridades na vida. Assim relata Baggio (1972): - Francisco, o que é mais glorioso: Servir ao Senhor ou servir ao servo? - Servir ao Senhor, é claro respondeu prontamente. - Pois bem, por que então estás correndo atrás do servo? - Que devo então fazer? - Volta a Assis e te será dito. 3

4 Esse episódio foi um divisor de águas na vida de Francisco, pois a partir daí uma grande inquietação tomou conta dele e o impeliu a buscar um novo rumo em sua vida. A partir deste e de outros fatos que se sucederam, Francisco transforma sua vida e seus sonhos, mas de uma forma tão radical e contraditória que seus contemporâneos o consideram louco. Como nos prova a Legenda dos Três companheiros: Muitos, no entanto, ridicularizavam-no julgando-o insano (Legenda dos Três companheiros apud FASSINI, Pag. 248). Francisco começa a ficar reflexivo, deixa a vida boêmia e começa a dedicarse às coisas do espírito. Abdica de sua herança e entrega seus bens aos pobres. Deixa a casa dos pais com as vestes que veio ao mundo, nu. Passa a viver entre pobres e leprosos. 3. Contexto Histórico O contexto histórico nos permite compreender melhor uma personalidade, visto que a mesma pode ser produto do meio ou mesmo assumir uma personalidade que conteste o âmago dessa mesma sociedade. Francisco é um homem medieval e isso não é um simples acaso, traz implicações em sua personalidade, costumes e modo de pensar. Como veremos na citação a seguir, o homem medieval, especialmente da fase em que viveu Francisco, buscava dedicar-se a uma grande causa, a um ideal maior pelo qual até mesmo valeria dar a própria vida. O medieval constituiu um período orgânico na vida da humanidade: como todos os organismos poderosos começou com uma longa e misteriosa gestação, teve a sua juventude, a sua virilidade, a sua decrepitude. O fim do século XII e o i- nício do século XIII assinalam o seu definitivo desenvolvimento orgânico. São anos com sua própria poesia, sonhos, entusiasmo, generosidade e audácia. O amor era abundante em sua força; por toda parte os homens tinham um só desejo: dedicar-se a alguma grande e santa causa. (SABATIER, 1978, p.31) Como período orgânico, esse foi rico e fez germinar fortes personalidades que marcaram época. Como afirmou Sabatier na citação acima: por toda parte os homens tinham um só desejo: dedicar-se a alguma grande e santa causa. Francisco também sonhava alto, queria ser cavaleiro do rei, dedicar-se a uma causa acima da normalidade e mediocridade de cada dia. Ainda falando sobre a Idade Média, é importante notar que essa fase também sofreu mudanças ao longo dos anos e assumiu peculiaridades com o passar do tempo. Os séculos XII e XIII, em que viveu Francisco, foi um período de germinação e eclosão de novas tendências. Segundo Mazzuco: Queremos entender aqui a Idade do Meio como uma idade nuclear isto é, um período onde a humanidade viveu um 4

5 MEIO, Essencial, uma Raiz, uma Identidade e foi justamente o homem e santo Francisco de Assis quem melhor captou este núcleo da época. (MAZZUCO, 1994, p.49) Foi somente a partir do século XI que o comércio começou um reavivamento dentro da Europa. Reavivamento esse, grandemente influenciado pelas guerras contra muçulmanos e o fim das invasões escandinavas. Esses dois aspectos limitaram por um longo tempo as experiências econômicas na Europa Ocidental. Os povos muçulmanos e escandinavos foram grandes comerciantes e construíram diversas redes de influência e dominação dentro de toda a Europa. O fim de suas empreitadas culminou na desarticulação dessas redes. A partir de então, foram necessários outros meios para que tais transações voltassem a acontecer. Um movimento próprio da Europa ocidental na articulação dessas novas transações tem início juntamente com as cruzadas. Expedições são montadas por diversos nobres com o objetivo de alcançar outras terras. Francisco participa das Cruzadas de seu tempo. Os embates que se iniciaram em diversos pontos do mediterrâneo trouxeram diversos benefícios para os comerciantes europeus. Com novas relações exteriores, diversas características internas da própria Europa começam a ser formar. A partir do século XII dá-se início às conhecidas feiras medievais. Tais feiras tinham como um dos objetivos reunir diversos comerciantes das mais variadas condições num único local. Muitas cidades foram construídas ou começaram seu desenvolvimento a partir dessas feiras. A peregrinação também é um dos fatores-chave para a compreensão dessa articulação, pois tal característica influenciou a maior movimentação de indivíduos dentro do continente. Essa nova estruturação econômica traz também outros fatores importantes. É a partir desse momento que se iniciam, novamente, a cunhagem de moedas. Desde o fim do Império Romano, a circulação de moedas dentro da Europa Ocidental tinha perdido quase que completamente seu valor. As estruturas que foram se articulando após isso não privilegiavam tais transações. Mas no século XII é o início dessa nova fase comercial, a moeda começa, aos poucos, a ganhar novamente sua importância. Mesmo com todas essas transformações, o comércio ainda era uma relação que beneficiava os nobres. As grandes transações e movimentações comerciais e- ram estruturadas a partir dessas pessoas. Nessa época, a terra é que ainda representava poder. A riqueza material sem ter como apoio um título de nobreza não tinha consideração social. A riqueza por si só não se sustentava dentro dessa sociedade, até mesmo por que nem todas as transações eram feitas em espécie. Mas mesmo assim, ainda coexistia um comércio menor que tinha como objetivo transações mais simplificadas. As feiras medievais e grande parte do comércio móvel dessa época se apoiavam em características como essa. Devido ao recorte e sem a pretensão de fazer um tratado de história abstenho-me maiores informações por não ter propriedade suficiente para aprofundar a vastidão desse período. 4. O Louco e as interdições ao seu discurso pelo poder 5

6 Foucault (1970) supõe que a produção do discurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída pela sociedade na qual é produzido. Nela, há procedimentos que conjuram os poderes e perigos dos discursos dominando seu acontecimento aleatório. No início de sua mudança de vida, chamada também de conversão, os familiares e contemporâneos de Francisco se afastam dele e o chamam de louco. A sociedade da época com seus modos próprios de selecionar, organizar e redistribuir os discursos, vê no discurso de Francisco um perigo para a ordem e normalidade estabelecidas. Como os discursos são perigosos às sociedades, elas articulam procedimentos de exclusão. Dos quais, o mais conhecido possa ser a interdição, ou seja, não se tem o direito de dizer tudo, não se pode falar qualquer coisa, a ninguém é dado esse poder ou licença. (FOUCAULT, 1970, p. 9) Mas como reconhecer um louco? Pelas suas palavras, seu discurso conexo, às vezes desconexo, instigante, difícil de ser ouvido, compreendido e aceito, porque muito diferente. É curioso constatar que durante séculos na Europa a palavra do louco não era ouvida, ou então, se era ouvida, era escutada como uma palavra de verdade. Ou caía no nada rejeitada tão logo proferida; ou então nela se decifrava uma razão ingênua [...] De qualquer modo, excluída ou secretamente investida pela razão, no sentido restrito, ela não existia. Era através de suas palavras que se reconhecia a loucura do louco; elas eram o lugar onde se exercia a separação; mas não era nunca recolhidas nem escutadas. (FOUCAULT, 1970, p. 11) Segundo Foucault (1970) há interdições que cerceiam o discurso dos indivíduos, mas ainda que sejam fortes as suas grades, nelas encontram brechas, rachaduras por onde certos discursos, antes interditados, podem escoar. Nas regiões onde essa grade é cerrada encontram-se a sexualidade e a política, sendo assim, o discurso é um dos lugares onde essas duas forças exercem seus mais temíveis poderes. Os saberes são dominados pela ordem estabelecida e a partir disso recebem classificações como qualificável ou inqualificável; inferior ou superior, etc. [...] por saber dominado se deve entender outra coisa e, em certo sentido, uma coisa inteiramente diferente: uma série de saberes que tinham sido desqualificados como não competentes ou insuficientemente elaborados: saberes ingênuos, hierarquicamente inferiores, saberes abaixo do nível requerido de conhecimento ou de cientificidade. (FOUCAULT, 1976) 6

7 Conforme Foucault (1970) o discurso pode ser mínimo, mas são as interdições que revelam seu poder verdadeiro e sua ligação com o desejo. A força dos discursos não está naquilo que expressam, mas no que ocultam, é aquilo que o objeto deseja, o poder dos qual nos queremos apoderar. No caso de Francisco, seu discurso ameaçava a ordem natural das coisas, abalava a estrutura da burguesia medieval e da própria Igreja rica e poderosa. Como conceber que um jovem medieval, rico e cheio de mimos, possa despir-se de seus bens, cuspir na cara da soberania, recusar riqueza e poder, aquilo que a sociedade via como o valor máximo? Outro princípio de exclusão que podemos descortinar nas sociedades é a separação ou rejeição. Remontada da alta Idade Média, pensemos na oposição RAZÃO X LOUCURA. O louco é aquele cujo discurso não pode circular como o dos outros: pode ocorrer que sua palavra seja considerada nula e não seja acolhida, não tendo verdade nem importância, não podendo testemunhar na justiça, não podendo autenticar um ato ou um contrato, não podendo nem mesmo no sacrifício da missa, permitir a transubstanciação e fazer do pão um corpo; (FOUCAULT, 1970, p. 10) Visto que Francisco era um homem medieval, podemos deduzir a força com que esse discurso vinha de encontro ao seu. Nos primeiros dois anos de sua conversão, Francisco viveu só, isolado. Ninguém o procurava, nem mesmo lhe davam ouvidos, pois tratava-se de um louco e como tal não merecia crédito, seu discurso não era válido. Não havendo quem lhe desse ouvidos ele passa a pregar aos pássaros e outros animais, conforme atesta sua cronologia no início deste trabalho. Conforme Merino (2004) Francisco de Assis recorre também à loucura como metáfora e signo da sua própria existência. Teve clara consciência de trazer ao mundo um novo estilo de vida quando diz: O mesmo Senhor, que disse querer fazer de mim um novo louco no mundo, não quis levar-me por outra sabedoria senão esta. Francisco parecia comprazer-se em ser tido como um idiota, amante das coisas ignorante e simples, sem qualquer pretensão de fazer parte do grupo dos doutos e letrados, sem, no entanto, deixar de demonstrar por atos que possuía uma douta ignorância. O louco Francisco opõe-se com decisão visceral e apaixonada ao aparentemente razoável da sociedade. É a negação da negação dos verdadeiros valores. (MERINO 2004, p. 30) Maritain comenta um dos momentos mais marcantes e desconcertantes da vida de Francisco, quando, em um ato público e solene, despoja de suas vestes: 7

8 Imaginemos Francisco no exato momento em que arroja de si as próprias roupas e aparece nu diante do bispo: na raiz de gestos como este há algo de tão profundo na alma que não se consegue explicar. É aí que reside a loucura: é o irracional, o não definível, o não canônico, o herético. Digamos que é uma simples rejeição total, estável, supremamente ativa, mas nunca uma rejeição passiva ao aceitar as coisas como são. (apud MERINO 2004, p. 30) Com esse gesto, Francisco rompe com toda a normalidade da época e com tudo que pregava a sociedade de então: luxo, riqueza, poder, status, conquistas. Para quem estivesse presenciando essa cena só lhe restava pensar que estava diante de um espetáculo de loucura. E como se tratasse de um louco o melhor a fazer seria abandoná-lo, desacreditá-lo para que não possa vir novamente bater às portas da consciência e chamá-los a uma reflexão para a qual não estavam preparados. Merino comenta: Para ninguém são tão loucos os santos, os heróis e os redentores como para os mais próximos e os de casa. Francisco e, seu discurso, vem contra ordem vigente, é extremamente contraditório a ela quando se despoja de seus bens e renega sua herança. Isso para a sociedade e Igreja de então, só poderia ser qualificado como o discurso de um louco, alguém que está fora de consciência, agindo sem o auxílio da razão. O poder é essencialmente repressivo. O poder é o que reprime a natureza, os indivíduos, os instintos, uma classe. Quando o discurso contemporâneo define repetidamente o poder como sendo repressivo, isto não é uma novidade, Hegel foi o primeiro a dizê-lo; depois, Freud e Reich também o disseram. Em todo caso, ser órgão de repressão é no vocabulário atual o qualificativo quase onírico do poder. Não será, então, que a análise do poder deveria ser essencialmente uma análise dos mecanismos de repressão? (FOUCAULT, 1976) Vimos na citação que o poder reprime a natureza, os indivíduos, os instintos. O poder repreende o que vem de encontro aquilo que acredita ser a verdade ou se impõe como tal. Reprimir é ter poder, pois para fazê-lo é necessário estar investido de tamanha habilidade. Foucault chega a dizer ser órgão de repressão é no vocabulário atual o qualitativo quase onírico do poder. E um modo de repressão é a interdição de um discurso, no caso de Francisco ao desacreditar seu discurso o poder o reprime deixando-o à margem do que a sociedade prega como verdade. Os próprios seguidores de Francisco quando se investem de certo grau de poder dentro da Ordem reprimem-no junto com a Igreja ao negarem sua Regra de Vida exigindo que outra fosse escrita. Notamos, porém, que quanodo a sociedade não consegue cercear por definitivo determinado discurso ela encontra novos meios para tentar controlá-lo. Aco- 8

9 lhe-o como sendo aceito para que o mesmo não se volte contra ela e lhe tome o poder. A sociedade contemporânea de Francisco não meramente aceita seu discurso que antes não tinha crédito, mas como seu discurso já extrapolasse os limites físicos e contagiava multidões, a sociedade o aceita para assim mantê-lo sempre perto de seu controle. Ainda seguindo esse raciocínio em sua aula inaugural no Collége de France, Foucault ao deparar-se com o fato de ter que iniciar um discurso declara: E a instituição responde: Você não tem porque temer começar; estamos todos aí para lhe mostrar que o discurso está na ordem das leis; que a muito tempo se cuida de sua aparição; que lhe foi preparado um lugar que o honra, mas o desarma; e que se lhe ocorre ter algum poder, é de nós, só de nós que ele lhe advém (FOUCAULT 1970, p. 07) Foucault (1970) defende que ao discurso do louco também ocorria atribuir estranhos poderes, o de dizer uma verdade escondida, o de pronunciar o futuro, o de enxergar com toda ingenuidade aquilo que a sabedoria dos outros não pode perceber. Nela se decifrava uma razão mais razoável do que a das pessoas razoáveis. É curioso constatar que durante séculos na Europa a palavra do louco não era ouvida, ou então se era ouvida, era escutada como uma palavra de verdade, ou seja, nela poderia haver um lampejo de uma verdade escondida, a poucos revelada. Esse mesmo discurso poderia receber a reação proporcionalmente inversa rejeitado tão logo proferido. (FOU- CAUT 1970, p. 11) Aos poucos o louco Francisco foi sendo percebido com maior interesse e começou a despertar a atenção de seguidores que acreditavam que por trás daquele duro discurso poderia estar escondida uma verdade que nem todos podiam ver. O primeiro de seus seguidores foi Bernardo de Quintavalle, do qual a Legenda dos três companheiros relata: Bernardo, considerando a constância e o fervor no serviço divino do beato Francisco, isto é, o modo como com muito trabalho reparava as igrejas destruídas e levava uma vida áspera, sabendo que o mesmo vivera no século, propôs no seu coração distribuir aos pobres todas as coisas que tinha e aderir firmemente a ele na vida e no hábito. (apud FASSINI P. 280) Conforme Foucault (1970), o imenso discurso do louco retornava ao ruído, a palavra só lhe era dada simbolicamente, no teatro onde se lhe apresentava, desarmado e reconciliado, visto que representava aí o papel de verdade mascarada. 9

10 Algumas palavras de Foucalt caracterizam bem o que passou a ser o discurso de Francisco depois que as pessoas começam a lhe dar ouvidos: Sonho lírico de um discurso que renasce em cada um de seus pontos, absolutamente novo e inocente, e que reaparece sem cessar, em todo frescor, a partir das coisas, dos sentimentos ou dos pensamentos. Segundo Foucault (1970), a palavra do louco, excluída ou secretamente investida pela razão, no sentido restrito, ela carecia de existência. Através dela se reconhecia a loucura do louco. Suas palavras eram o lugar onde se exercia a separação (a interdição). Palavras nunca recolhidas, nem escutadas. Isso nos leva a um questionamento: por que então as palavras de Francisco foram ouvidas mesmo fora do contexto de sua cidade, atraindo multidões mesmo depois de sua morte? Será a verdade escondida, a razão mais razoável? 5. Conclusão Ora, eis que no século XVII a verdade, a mais elevada já não mais residia no que era o discurso, ou no que ele fazia, mas residia no que ele dizia: chegou o dia em que a verdade se deslocou do ato ritualizado, eficaz e justo, de enunciação para o próprio enunciado: para seu sentido, sua forma, seu objeto, sua relação a sua referência. (FOUCAULT, 1970) A personagem centro deste trabalho, Francisco de Assis, não foi um homem alheio ao seu tempo, mas trouxe novidade com seu novo estilo de vida. À luz da semiótica buscamos entender essa personalidade que se mostra ao mundo como símbolo de ser humano livre e completo, signo do desejo fundamental de todo ser humano de encontrar sua essência e fazê-la transbordar. Como demonstra o presente trabalho, a sociedade com seu imenso poder de controlar, selecionar, organizar e redistribuir os discursos tentou, de várias formas, impedir que o discurso de Francisco fosse ouvido e propagado. No entanto, por maiores que sejam as interdições dos discursos, os mesmos encontram brechas para evadir. A sociedade medieval teve medo do discurso do Pobre de Assis e o chamou de louco para que assim fosse desacreditado. Isto mostra que aquele discurso ameaçava algum valor importante para a sociedade de então, do contrário, nada fariam. Todo discurso é dotado de força. E o discurso do louco Francisco mostrouse mais forte que o discurso da própria sociedade e suas instituições de poder, pois até hoje causa incomodo e seduz grande número de pessoas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix,

11 FASSINI, Dorvalino. Legenda dos três companheiros. São Paulo: Edições Loyola FOUCAULT, Michel. A origem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, Microfísica do poder HEERS, Jacques. História medieval. São Paulo: Editora da USP, LE GOFF, Jacques. A civilização do ocidente medieval. São Paulo: Edusc, São Francisco de Assis. Rio de Janeiro: Editora Record, MAZZUCO, Vitório. Francisco de Assis e o modelo de amor cortês-cavaleiresco. cavaleiresco. Petrópolis: MERINO, José António. D. Quixote e S. Francisco: dois loucos necessários. São Paulo: Editorial Franciscana, PIGNATARI, Décio. Semiótica e Literatura. São Paulo: Ateliê Editorial,

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis)

Blog http://conquistadores.com.br. + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (mini e-book grátis) Blog http://conquistadores.com.br CONQUISTADORES + dinheiro + mulheres + sucesso social (Este

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 5

Ajuntai tesouros no céu - 5 "Ajuntai tesouros no céu" - 5 Mt 6:19-21 Temos procurado entender melhor através das escrituras, o que Jesus desejou ensinar aos seus discípulos nesta sequência de palavras, e pra isso, estudamos algumas

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62

PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 PREGAÇÃO DO DIA 08 DE MARÇO DE 2014 TEMA: JESUS LANÇA SEU OLHAR SOBRE NÓS PASSAGEM BASE: LUCAS 22:61-62 E, virando- se o Senhor, olhou para Pedro, e Pedro lembrou- se da palavra do Senhor, como lhe havia

Leia mais

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha.

igrejabatistaagape.org.br [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo concedeu-lhe liberdade de escolha. O Plano da Salvação Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 11 de outubro de 2009 Como o pecado entrou no mundo e atingiu toda a raça humana? [1] Deus criou o ser humano para ter comunhão com Ele, mas ao criá-lo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE "EMANUEL"

SEU NOME SERÁ CHAMADO DE EMANUEL Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel. Isaías 7.14 Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20).

A filha da mulher cananeia (Mateus 15:21-28). PREPARANDO MISSIONÁRIOS. O endemoniado gadareno (Marcos 5:1-20). Lição 8-22 de agosto de 2015 O plano de Jesus era preparar primeiro o povo judeu como base para as missões para outras culturas. Não obstante, não disperdiçou as oportunidades que se apresentaram para

Leia mais

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas?

Dia 24 - DOAR. Você consegue ver mudanças internas? Jesus deu a resposta aos fariseus naquele dia. Portanto, deem aos pobres o que está dentro dos seus copos e dos seus pratos, e assim tudo ficará limpo para vocês. (Lc 11.41). Com aquela Palavra, Ele tocou

Leia mais

Caminhando Com as Estrelas

Caminhando Com as Estrelas Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Com Alessandra França e Jaqueline Salles Caminhando Com as Estrelas Espiritualidade que Liberta Aula 1 Com Alessandra França Temas: O Reino dos Céus

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR

VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR 1 VOCÊ É MOTIVO DE LOUVOR? MARCAS DE LOUVOR Fp 1 3 Agradeço a meu Deus toda vez que me lembro de vocês. 4 Em todas as minhas orações em favor de vocês, sempre oro com alegria 5 por causa da cooperação

Leia mais

O Movimento de Jesus

O Movimento de Jesus O Movimento de Jesus Tudo começou na Galiléia Quando Jesus começou a percorrer a Palestina, indo das aldeias às cidades, anunciando a Boa Nova do Evangelho, o povo trabalhador ia atrás dele. A fama de

Leia mais

Músicos, Ministros de Cura e Libertação

Músicos, Ministros de Cura e Libertação Músicos, Ministros de Cura e Libertação João Paulo Rodrigues Ferreira Introdução Caros irmãos e irmãs; escrevo para vocês não somente para passar instruções, mas também partilhar um pouco da minha experiência

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL

AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL AS REFORMAS DA LOUCURA: DA CONSTRUÇÃO DO CONCEITO AOS EMPREGOS DA PSIQUIATRIA NO BRASIL SOTARELLI, Álvaro F. GRANDI, Ana Lúcia de. Universidade Estadual do Norte do Paraná Resumo: O presente estudo trabalha

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE

E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE E.E.I.E.F SÃO FRANCISCO ROTEIRO DO CURTA METRAGEM TEMA: A LENDA DA PEDRA DA BATATEIRA- MITO E REALIDADE 1ª PARTE De inicio nos reunimos com alguns monitores do Programa Mais Educação para realizarmos a

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER)

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER) REGÊNCIA DO ALÉM FADE IN SEQUÊNCIA # 01: CENA 01: EXT. IMAGENS DA CIDADE DE ARARAS DIA. Imagem do Obelisco da praça central da cidade, da igreja Matriz, Centro Cultural, rodoviária, Lago Municipal e cemitério.

Leia mais

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos)

A lenda do café. Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) A lenda do café Revista 24 horas, 28 de Julho de 2006 (excertos) Provavelmente já se questionou como é que o café foi descoberto. A história parece ser universal, já que tudo aponta para a Lenda de Kaldi,

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis

Por Rogério Soares Coordenador Estadual da RCC São Paulo Grupo de Oração Kénosis Grupos de Oração sem a experiência do Batismo no Espírito Santo, exercício dos carismas e o cultivo da vivência fraterna, revelam uma face desfigurada da RCC. Reflitamos a esse respeito tendo por base

Leia mais

Geração João Batista. Mc 1:1-8

Geração João Batista. Mc 1:1-8 Geração João Batista Mc 1:1-8 Conforme acabamos de ler, a Bíblia diz que João Batista veio ao mundo com o objetivo de "preparar o caminho do Senhor" - V3. Ele cumpriu a sua missão, preparou tudo para que

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

O MUNDO É A CASA DO HOMEM

O MUNDO É A CASA DO HOMEM O MUNDO É A CASA DO HOMEM Nichan Dichtchekenian Há dois motivos principais que me levam a fazer esta apresentação: O primeiro é fazer um esclarecimento e uma defesa da Fenomenologia, buscando, este esclarecimento,

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Para onde vou Senhor?

Para onde vou Senhor? Para onde vou Senhor? Ex 40:33-38 "Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim, Moisés acabou a obra. Então a nuvem cobriu a tenda da congregação,

Leia mais

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana:

9º Plano de aula. 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: 9º Plano de aula 1-Citação as semana: Não aponte um defeito,aponte uma solução. 2-Meditação da semana: Enraizando e criando raiz (CD-Visualização Criativa faixa 2) 3-História da semana: Persistência X

Leia mais

Recapitulando: quaresma. um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho. um tempo de preparação para a Páscoa

Recapitulando: quaresma. um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho. um tempo de preparação para a Páscoa Recapitulando: quaresma um tempo de preparação para a Páscoa um tempo de olhar pra dentro e para o evangelho Recapitulando: o caminho de Jerusalém Lc 9.51 Lc 19.41 perigos e distrações: esquecer o foco

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

LIBERTANDO OS CATIVOS

LIBERTANDO OS CATIVOS LIBERTANDO OS CATIVOS Lucas 14 : 1 24 Parábola sobre uma grande ceia Jesus veio convidar àqueles que têm fome e sede para se ajuntarem a Ele. O Senhor não obriga que as pessoas O sirvam, mas os convida

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Obedecer a Deus, Honrar aos pais e viver bem!

Obedecer a Deus, Honrar aos pais e viver bem! Obedecer a Deus, Honrar aos pais e viver bem! Obedecer. Palavra fácil de entender, mas muitas vezes difícil de colocar em prática. Principalmente quando não entendemos ou concordamos com a orientação dada.

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br Script de Terapia de Liberação Emocional (EFT) para desfazer crenças relativas aos clientes que você merece ter. Eu não consigo atrair clientes dispostos a pagar preços altos A Acupuntura Emocional é uma

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão Se m e s t re A r ua de José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão Se m e s t re A r ua de José Ricardo Moreira 2- Literatura, Leitura e Reflexão 2- ano o Se m e s t re A r ua de s o n s o d o t José Ricardo Moreira PEI_LLR_2ano_2S_H1.indb 1 12/06/2012 18:18:06 Capítulo 1 A sua rua tem calçada? A minha tem! A sua

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós:

Deus está implantando o Seu Reino aqui na Terra e Ele tem deixado bem claro qual é a visão dele para nós: Visão do MDa Na visão do MDA, é possível à Igreja Local ganhar multidões para Jesus sem deixar de cuidar bem de cada cristão é o modelo de discipulado um a um em ação. O MDA abrange diversos fatores desenvolvidos

Leia mais

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem.

O ARCO-ÍRIS. Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Origem do Arco-Íris O ARCO-ÍRIS Usado em tantas fotos, admirado quando aparece no céu, usado em algumas simbologias... e muitas vezes desconhecido sua origem. Quando eu era criança, e via um arco-íris,

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais