UM TEATRO MORAL EM AZULEJOS: O CLAUSTRO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM TEATRO MORAL EM AZULEJOS: O CLAUSTRO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA BAHIA"

Transcrição

1 UM TEATRO MORAL EM AZULEJOS: O CLAUSTRO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA BAHIA Humberto José FONSECA Uesb* Um dos maiores dramaturgos do Século de Ouro espanhol, Calderón de la Barca ( ), escreveu no preâmbulo a um de seus mais conhecidos autos: Comédia é a vida humana, onde cada qual representa o seu papel. O Mundo é o Teatro; o Autor é Deus, cuja Providência distribui os papéis e os trajes; os homens são os atores, e a Morte, a que desnuda igualmente a todos.[1] Para Calderón de la Barca, o mundo é um grande palco; nele entramos pela porta do nascimento e dele saímos pela porta da morte. O diretor desta Companhia do Grande Teatro do mundo ( o autor ) é nada menos do que Deus, criador do universo e juiz dos homens. A comparação da vida real com o teatro, segundo a qual os homens representam o drama da história do mundo, foi um modelo muito recorrente pelos fins do século XVI, por todo o século XVII e mesmo glosado tardiamente, no início do século XVIII. [2] O claustro do convento de São Francisco de Salvador, na Bahia, já foi chamado de Sermão de Azulejos.[3] Talvez fosse mais apropriado chamá-lo de Teatro em Azulejos. Ele possui em seu andar térreo um conjunto de azulejos que reproduz parcialmente as pinturas do artista holandês Otto van Veen. As estampas de Otto van Veen foram publicadas pela primeira vez em 1608, sob o título de Emblemas de Horácio, por ser fundados em los Versos Latinos de aquel author [4] e mais tarde, pouco depois de 1648, no Theatro Moral de la vida humana y toda la philosofia de los antiguos y modernos, editado por autor anônimo[5]. Os emblemas gravados nos azulejos, embora guardem o apelo moral, comum às obras artísticas, literárias ou pictóricas, característico do barroco, diferem dos sermões, das vânitas e das ars moriend. Os azulejos do claustro do Convento de São Francisco, à primeira vista, parecem destoar do ambiente claustral pela roupagem mitológica pagã greco-romana com que se revestem os seus personagens. Mas apenas a roupagem externa é pagã; seu conteúdo interno é profundamente cristão. O autor anônimo procurou cristianizar o poeta latino Quinto Horácio Flacco (165 a 8 a.c.) segundo ele, a sabedoria de Horácio muito se aproxima da sabedoria bíblica e a ética do estoicismo muito se assemelha às virtudes morais do cristianismo e escolheu bem o título de sua publicação: Theatro Moral de la vida humana e de toda la philosophia de los antiguos y modernos. Para expressar o Theatro Moral no Claustro do Convento de São Francisco foram Antiguidade e no Medievo. 1

2 encomendados em Portugal, em meados do século XVIII, azulejos especiais e selecionados 37 dos 103 Emblemas de Horácio. Não consta da documentação consultada os critérios desta seleção, mas quatro grandes temas surgem no conjunto, distribuídos nas quatro alas do claustro inferior do convento: a primeira ala, que fica ao lado da igreja e leva à Via Sacra, em direção ao Altar-mor, lembra que Deus é o princípio de toda sabedoria; a segunda, que dá para o cemitério dos frades, expressa a sabedoria do bem viver como único seguro face à morte; o terceiro conjunto, que fica na ala que leva ao convento, tem como enfoque a amizade recíproca, ou o convívio fraternal; e, por fim, o quarto conjunto, na ala que conduz à portaria (ao mundo exterior), retrata as vaidades do mundo insensato que busca mais a riqueza que a sabedoria. Um dos temas centrais do pensamento barroco refere-se à antítese vida-morte. Daí o sentimento da brevidade da vida, da angústia da passagem do tempo, que tudo destrói. O homem do barroco oscila entre a renúncia e o gozo dos prazeres da vida. Quando pensa no julgamento de Deus, foge dos prazeres e procura apoio na fé. Quando seu pensamento se afasta, a atração dos prazeres o envolve e cresce o desejo de desfrutar a vida. A consciência de que a vida se consome em direção à morte leva, assim, a dois tipos de atitudes. A primeira demonstra um forte apego à vida material e ao gozo mundano. Uma atitude hedonista se impõe, a afirmar o prazer no que é transitório, e que, por ser assim, deve ser usufruído e fruído até a exaustão. A esse tipo de comportamento chamamos de Tendência Epicurista. Na segunda, muito freqüente no declínio da Idade Média, e que se encontra exposta na obra Orto do Esposo, a vida humana é concebida como um combate, de cujo resultado dependem a salvação ou a danação eterna.[6] Encarar a vida humana como um combate era um lugar comum na mundividência do cristianismo e está presente em toda a literatura fundada sobre os moldes desta religião. Esta concepção já aparecera anteriormente no Livro de Job, na Psychomachia de Prudêncio, em S. Gregório Magno, na Regra dos Monges, no Livro da Vida Solitária de S. Lourenço Justiniano e impregnava os sermões medievais.[7] Para Portugal, os sermões de Frei Paio de Coimbra são ilustrativos a esse respeito.[8] A essa forma de comportamento chamamos de Tendência Estoicista. O objetivo deste trabalho é desenvolver uma leitura dos azulejos do Convento de São Francisco de Assis da Bahia a partir da sensibilidade de tendência estoicista. Aqui nos ocuparemos apenas do conjunto de azulejos que fica na ala que leva ao lugar que durante muito tempo serviu de cemitério dos frades, cujos azulejos representam cenas da morte. No centro de todos os painéis deste ala constam os dizeres: Caemiterium Fratrum. Segundo Huizinga, desde o final da Idade Média o contraste entre o sofrimento e a alegria, Antiguidade e no Medievo. 2

3 entre a adversidade e a felicidade, aparecia mais forte. Para o homem do período, segundo ele, todas as experiências possuíam o caráter direto e absoluto do prazer e da dor. Todas as ações, quotidianas ou esporádicas, integravam-se em formas expressivas e solenes, que elevavam à dignidade de um ritual. Porque não eram somente os grandes acontecimentos do nascimento, casamento e morte que, pela santidade do sacramento, eram elevados ao nível dos mistérios ; também incidentes menores, como visitas, viagens, um empreendimento, eram, da mesma forma, rodeados por mil formalidades: bênçãos, cerimônias, fórmulas.[9] O orgulho hierárquico, segundo Huizinga, continua forte no fim da Idade Média, ligado ao crescente pecado da cobiça, e é, segundo ele, a mistura dos dois que dá à Idade Média moribunda esse tom de paixão extravagante que nunca mais volta a aparecer.[10] É que, no declínio da Idade Média, para o autor, pesava na alma do povo uma tenebrosa melancolia, que ele descreve com cores fortes: Será de surpreender que o povo considere o seu destino e do mundo apenas como uma infinda sucessão de males? Mau governo, extorsões, cobiça e violência dos grandes, guerras, assaltos, escassez, miséria e peste a isto se reduz, quase, a história da época aos olhos do povo. O sentimento geral de insegurança causado pelas guerras, pela ameaça das campanhas dos malfeitores, pela falta de confiança na justiça, era ainda por cima agravado pela obsessão da proximidade do fim do mundo, pelo medo do Inferno, das bruxas e dos demônios. O pano de fundo de todos os modos de vida parecia negro. Por toda a parte as chamas do ódio se alteiam e a injustiça reina. Satã cobre com as suas asas sombrias a Terra triste. Em vão a Igreja militante combate e os pregadores fazem sermões; o mundo permanece inconvertido. Segundo uma crença popular, corrente nos fins do século XV, desde o começo do Grande Cisma do Ocidente que ninguém mais tinha entrado no Paraíso.[11] Ainda segundo Huizinga, mesmo com os humanistas o otimismo é ainda temperado com o velho desprezo dos cristãos estóicos do mundo. À época Moderna coube a grande tarefa de deixar de ser plenamente medieval, sem ser mais renascentista, para constituir uma outra cultura. Essa não prescindiu do passado acumulado pelo homem, mas introduziu certos valores que até então não haviam ocupado o centro de suas atenções. Essa cultura enfatizou com determinação uma questão que já ocupava a sensibilidade do fim do medievo: A efemeridade do tempo terreno e a eternidade do tempo espiritual. Coube aos homens da época Moderna captar esse sentido precário do tempo mundano, viver no cotidiano as reflexões agostinianas que demonstraram que o futuro passa pela brevidade do presente e que, deste, resulta a morte de tudo que já foi e não é mais: o passado. Daí, deste sentimento da brevidade da vida, da angústia da passagem do tempo, que tudo destrói, decorre que o carpe dies, expressão latina que quer dizer aproveita o dia (presente), tenha sido um dos temas freqüentes da arte barroca.[12] Além da espiritualidade, um dos traços fundamentais da cultura barroca é o Antiguidade e no Medievo. 3

4 sentimento da fragilidade humana e a ânsia desesperada pela salvação da alma. A profunda consciência da fugacidade do tempo mundano não está relacionada apenas com sua rigorosa mensuração e a busca de racionalização da produção material. Diz respeito, sobretudo, à aguda subjetividade que toma conta do homem moderno. Nessa consciência de ser, um relativo distanciamento psicológico permitiu ao homem refletir e até ironizar sua situação no mundo. A representação da Dança Macabra, em fins da Idade Média, é a estruturação primeira da reflexão e ironia que o homem faz de sua situação. Ela vem mostrar o quanto impotente é a vida diante da morte, que leva indistintamente reis, papas, pobres, ricos, velhos, crianças, que já venceram sua temporada na terra. Portanto, ela aponta para a desduração do tempo e para a fragilidade do homem.[13] Dos 37 emblemas dispostos nas quatro alas do Convento de São Francisco de Salvador, nove (da 10º a 19º) encontram-se na ala do cemitério e referem-se à desduração do tempo, às vanidades e à morte. Ao lado de cada uma deles vem sempre a explicação da cena, escrita pelo autor anônimo, e o texto de Horácio no qual se baseia o quadro. Tanto o texto em espanhol do Theatro moral quanto sua tradução, nos azulejos do claustro, encontram-se estragados em função do tempo, o que prejudica a leitura das explicações. Todavia, um supre as deficiências do outro. Por este motivo, não apresentamos as explicações tal como aparecem no Theatro ou nos azulejos, mas os resumimos, preservando, no entanto, a linguagem dos textos dos azulejos do claustro. Estampa 10: VOLAT IRREVOCABILE TEMPUS (Horat. Lib. 4, Od. 7). O Tempo Voa Irrevogavelmente. Uma criança, representando o tempo, voa conduzindo um relógio de sol. A inconstância e a fugacidade da vida estão figuradas pelo crescente e pelas asas da borboleta. As quatro figuras em marcha um menino, um adolescente, um adulto e um ancião representam, respectivamente, a Primavera, o Verão, o Outono e o Inverno. A serpente engolindo a própria cauda, que se vê no primeiro plano, representa o calendário, segundo os egípcios o simbolizaram, demonstrando que, no último dia de cada ano, começa imediatamente o outro. O tempo não para. Passa el Tiempo ligero, Dexandonos de si, memória escassa. Y sigue el mesmo fuero Todo lo humano, pues com el se passa, Antiguidade e no Medievo. 4

5 Y por vario modo, Todo lo acaba, y lo consume todo. (Theatro Moral, p. 169) Estampa 11: TEMPORA MUTANTUR ET NOS MUTATUR IN ILLIS (Horat. Lib. 3, Od. 2). O Tempo Muda e nós Mudamos com ele. O tempo, um ancião com grandes barbas e enormes asas, conduzindo uma ceifadeira, avança em pleno vôo. Traz pela mão uma criança com elmo e espada simbolizando a Virtude, à qual outras se agarram. Estas figuram a inveja, a vaidade, a lisonja, a avareza e a intemperança. Em torno, cidades e templos em ruínas mostram que nada resiste à ação do tempo. O homem, que em todas as idades paga o seu tributo às paixões, na velhice inclina-se à virtude, que só ela é eterna. Viendo la instabilidad, Huvo bastante razon, Para dezir com verdad, Que com el tiempo y la edad Muda el Hombre de passion. (Theatro Moral, p. 171) Estampa 12: MORTIS FORMIDO (Horat. Lib. 3, Od. 1). O Temor da Morte. O motivo deste painel foi tirado da história grega, e lembra as vaidades do mundo. Dionísio, o tirano, farto das adulações e da inveja de Dâmocles, quer mostrar-lhe a insegurança da sua própria glória e prega-lhe uma peça. Convida-o a ocupar o seu lugar em um banquete, ordenando que o sirvam e acatem como se fora este verdadeiramente o rei. No meio da abundância e da delícia dos manjares, no auge das honrarias, percebeu Dâmocles, aterrado, que sobre sua cabeça pendia, no centro do dossel, longa espada sustentada por um único fio de crina. O grande perigo despertou o cobiçoso para a grande verdade sobre a aparente felicidade dos prepotentes. Quien las vanas Riquezas apeteze, Ciego del lustre, e parezer hermoso, Com que el mundo a los néscios adormeze, Antiguidade e no Medievo. 5

6 Para despues privarlos del reposo; Viene a pagar la pena que mereze, Como se vèe em Damocles ambicioso, Que em médio de la esplendida comida Reconoze el peligro de su vida. (Theatro Moral, p. 85) Estampa 13: MORTE LINQUENDA OMNIA (Horat. Lib 2 Od. 14). Com a morte tudo se deve deixar. A morte arrasta o homem para longe da mulher e dos filhos que choram. O morto não leva consigo nada das riquezas; a morte só carrega um cipreste para plantá-lo sobre a sepultura. Numa taverna, ao fundo, estão alegres bebedores; são os companheiros do morto ou os herdeiros satisfeitos que esbanjam as riquezas dele; ou talvez a taverna indique o negócio do morto. Poco te importa el llorar La perdida de um Marido, Quo no puedes recobrar: Mas si supo bien obrar, No le llores por perdido. (Theatro Moral, p. 195) Estampa 14: MORS ULTIMA LÍNEA RERUM (Horat. Lib. 1, Ep. 16). A Morte é o último fim das coisas. Ante uma sepultura, sobre a qual está construído um mausoléu, jaz estendida a morte. Com ela, tudo tem seu fim: dominação, poder, riqueza e liberdade, prisão e opressão; também o trabalho e o esforço terminam. Só as virtudes ficam eternamente e triunfam da morte. Este es el fin de tu suerte. Peregrino! Si reparas, Que los Ceptros Y Tiaras, Todo jace com la Muerte, No pierdas tiempo, y advierte Que em lo que es mortal no esperes; Antiguidade e no Medievo. 6

7 Y que siempre consideres Em el Cadáver que vees; Que tu serás, logo lo que èl es, Com èl fue, lo que tu eres. (Theatro Moral, p. 207) Estampa 15: POST MORTEM CESSAT INVIDIA (Horat. Lib. 1, Ep. 1). Depois da morte cessa a inveja. Hercules, o herói dos doze trabalhos, vestindo a pele do leão de Nemea e armado de clava, pisa vitorioso sobre o dragão de Lerna. Mas ele não pôde vencer a inveja, durante a sua vida; por isso aponta para a morte, que sozinha põe por terra a inveja. De Alcides la Fortaleza Rinde a sus pies el infernal Cérbero; Y cede a sua destreza El Xavali montès, y el leon fiero. Mas la Embidia es tan fuerte, Que solo es el despojo de la muerte. (Theatro Moral, p. 167). Estampa 16: TUTE, SI RECTE VIXERES (Horat. Lib. 2, Od. 13). Estarás seguro, se viveres bem. O poeta trágico ateniense Ésquilo consultou, certa vez, uma advinha da Sicília; ela predisse que ele iria perder a vida na queda de uma caixa. Por este motivo, o poeta não quis mais viver na cidade e retirou-se para um lugar solitário. Acampado perto de um riacho, escrevia os seus poemas. Mas mesmo assim não escapou ao seu destino. Certo dia, veio voando sobre ele uma águia que carregava uma tartaruga. A águia tomou a careca do sábio por uma pedra e deixou cair a tartaruga, para arrebentá-la; mas com isso, quem morreu foi o poeta. A morte pode encontrar-nos em qualquer parte; por isso, só vive seguro quem vive bem. Si la anunciada cahida De la cassa te da pena; Tem por cosa muy sabida, Que qualquiera muerte es buena, De quien fue buena la vida. Antiguidade e no Medievo. 7

8 (Theatro Moral, p. 187). Estampa 17: VERA PHILOSOPHIA MORTIS EST MEDITATIO (Horat. Lib. 1, Ep. 4). A verdadeira filosofia é meditar sobre a morte. Um sábio e justo ancião, cujo fio da existência já se acha dentro da tesoura das Parcas, sentado medita... De um lado, a vida esperançosa em marcha e do outro, o pavor da morte. O tempo voa apresentando-lhe a cornucópia dos bens naturais e aos seus pés rosna o basilisco das paixões. Ao fundo, castelos em chamas e a figura da vingança, de espada em riste e facho erguido, não o desviam da sua meditação. O justo não tem de que temer. Aguardando que a Natureza conclua sua grande obra, nada lhe altera a calma filosófica. Al que em la Muerte piensa Iamas podrà cogerle descuydado; Porque advierte suspensa Nuestra vida de um hilo muy delgado: Y de la Parca el filo, Que à todas horas amenaza el hilo. (Theatro Moral, p. 181) Estampa 18: MORTIS CERTITUTO (Horat. Lib. 2, Od. 3). A certeza da morte. Jovens e velhos, sãos e enfermos, ricos e pobres, reis e vassalos, homens e mulheres, todos recebem da morte a moeda passaporte para o barqueiro do Aqueronte. A morte não falha, e os bens materiais da vida são inúteis na hora do eterno transporte. De que servirà el Caudal, Que amontonas de contino; Viendo que todo mortal, Lleva al porcion igual, Em el ultimo camino. (Theatro Moral, p. 199). Estampa 19: CUNCTOS MORS UNA MANET (Horat. Lib. 1. Od. 2). A Morte é igual para todos. A morte não faz exceções. Quer nas humildes oficinas dos operários ou nos palácios dos príncipes magnificentes; quer no campo aberto ou nas torres blindadas, ela se apresenta, imparcial e onipresente, zombando de qualquer veleidade de resistência. Antiguidade e no Medievo. 8

9 No es segura guarida, La Purpura Real, Ceptro, y Corona, Contra tal Homicida, Que de quanto al mortal, nada perdona; Pues su fatal azero, Iguala com el Rey el Zapattero. (Theatro Moral, p. 197) O Theatro Moral inspira, pois, o comportamento de tendência estoicista. Se a idéia de brevidade da vida fazia aumentar a sede de gozar a vida, nos emblemas dos azulejos do convento franciscano servia para chamar a atenção sobre a ilusão dos prazeres e a constante mudança das coisas do mundo. E se tudo passa, menos Deus, surge a advertência de que é preciso pensar no que pode acontecer depois da morte. O homem que adota a postura de tendência estoicista sofre profundamente com as mudanças do mundo sensível, que são vistas apenas em sua negatividade, por isso utiliza a reflexão para superar esse mundo feito de fragilidade. Desse modo ele se destemporaliza, escapando da concepção agostiniana do tempo. Vive em Deus e nele nada muda, portanto não há tempo. Essa postura manifesta uma intensa vontade de ser e uma carência ontológica do absoluto. A tendência estoicista não teve vigência apenas no ocaso da Idade Média, manifestando-se também na mentalidade do homem barroco, como em Calderon de La Barca, Padre Antônio Vieira, e de autores não tão moralistas, como o escritor português d. Francisco Manuel de Melo e o baiano Gregório de Matos, dentre outros. Remetido ao essencial a meditação sobre a sua condição o homem do barroco vai desempenhar o seu papel de ator num mundo que é um teatro, um labirinto confuso, pois tudo não passa de um jogo dramático. Consumido por uma constante luta interior, consciente da circunstancialidade da vida, a obsessão pela morte tornou-se um fato de natureza particular.[14] A este hábito de interiorização e de meditação moral (o que constitui uma espécie de retorno a uma certa linha da Idade Média que o Barroco tanto apreciou) deve juntar-se uma sofrida ânsia de evasão para outra realidade onde tudo é impreciso e misterioso. Acossado agora por uma solidão individual quase insuportável, o que poderia dizer-se uma volta do teocentrismo, resulta que, mais do que nunca, Deus está no centro de tudo no período barroco. Um tanto paradoxalmente, Ele é, de novo, esse pólo organizador e aglutinador da ordem social que nunca deixou de ser.[15] O pensamento de Calderon de La Barca, por exemplo, projeta o mundo como uma ilusão, Antiguidade e no Medievo. 9

10 uma sombra, que se aproxima da alegoria da caverna de Platão. O mundo sensível não é dono de uma inteligibilidade própria; essa reside no mundo das idéias, ou seja, em Deus. A vida, portanto, não tem um sentido imanente, não se justifica em si mesma, mas torna-se justa por ter tido sua origem em Deus. É ele o diretor desse teatro que é a vida, cujos papéis são representados pelos homens.[16] É Deus que faz a escolha dos papéis, introduzindo-os na cena, por meio do nascimento, e também quem os retira dela, por meio da morte. Aos que não desempenham bem o seu papel, Deus impinge-lhes o Purgatório, aos que se mortificam em vida, concede-lhes a companhia celestial. Mário Martins, referindo-se ao Grande Teatro do Mundo, em poucas palavras define o pensamento de Calderón de la Barca: Não eram. Representavam. Como todos nós, doutra maneira, desde o berço até a cova do cemitério, sob o signo do tempo que vai morrendo para nós e em nós, até morrermos de todo. E na morte, findará a representação. Então sentiremos, dramaticamente, a temporalidade de empréstimo. O rei porá de um lado o cetro e a coroa. O boieiro cá deixará os bois e a charrua. O professor, as lições e os livros. E o psiquiatra poderá verificar que também ele (como os loucos, embora doutro modo) vivem num reino de aparências e de sonhos. A morte será o acordar para a realidade autêntica la vida es sueño. Em ambos os significados: dormir e sonhar.[17] * Professor adjunto do Departamento de História da UESB. Doutor em História Social da Cultura pela FAFICH/UFMG. [1] Calderón de la Barca, El Gran Theatro del Mundo. In: Real, J. Alonso del (Org.) Calderón segun sus obras, sus críticos y sus admiradores y crônica del segundo centenário de su muerte. Barcelona, 1881, p [2] Um faz de rei. Outro faz de rico. Outro faz de pobre e outro de menino. Deus não representa. É Deus. Quanto aos homens, estão num mundo de fazer de conta. Desempenham um papel de teatro, bem ou mal. As insígnias do rei cá ficarão. E o rei passará as portas da morte, tão pobre como o mendigo. Sem coroa, nem cetro, nem manto de arminho. Martins. Mario (S.J.). Introdução histórica à vidência do tempo e da morte. v. 2. Braga: Cruz, p. 61. [3] Sinzig, Frei Pedro. Maravilhas da religião e da arte na Igreja e no Convento de S. Francisco da Bahia. Rio de Janeiro, Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, 1933, p [4] Theatro Moral, Proêmio 1, p [5] Não sabemos a data exata porque no exemplar do Convento de São Francisco falta o frontispício. Todavia, o autor diz, no Proêmio 10, ter assistido ao Congresso de Paz de Münster, em 1648, o que nos dá um ponto de referência para a determinação do ano de sua publicação. [6] E pore tu, Christaão cosura que es caualeyro de Jhesu Christo e que a vida do home he caualaria e lyde em quanto uiuer sobre a terra. Maler, Bertil (Ed.). Orto do Esposo. Rio de Janeiro, 1956, vol. I, p [7] Le Goff. Jacques. O Imaginário medieval. Lisboa: Ed. Estampa, [8] Sousa. Frei Luís de. Vida de D. Frei Bartolomeu dos Mártires. v. 1. In: Antologia Portuguesa. Antiguidade e no Medievo. 10

11 Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, [9] Huizinga, Johan. O declínio da Idade Média. São Paulo: Verbo;Edusp, p. 13 [10] Huizinga, Johan. Op. Cit. p. 29. [11] Idem, p. 30. [12] Ariès. Philippe. O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, v. 1. p [13] Martins, Mário (S. J.) Op. Cit. v. 1. p. 15. [14] Cf. Maravalll, José Antonio. A cultura do barroco, São Paulo: Edusp, cap. 6, p. 309 et all. [15] Cf. Chaunu, Pierre, A Civilização da Europa Clássica. cap. XII, p [16] Calderón de La Barca, El Gran Teatro del Mundo. Apud. Martins, v. 2 pp [17] Mário Martins (S.J.). Op. Cit. v. 2, p. 79. Antiguidade e no Medievo. 11

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Itália berço do Renascimento

Itália berço do Renascimento RENASCIMENTO CULTURAL XIV e XVI Itália berço do Renascimento How does Late Linha Gothic art create do the tempo bridge between Byzantine and Renaissance art? Bizantino Virgin and Child Gótico Virgin and

Leia mais

Brasil. Alves de Melo, Antonio UM MESTRE NO OFÍCIO: TOMÁS DE AQUINO Interações: Cultura e Comunidade, vol. 8, núm. 13, enero-junio, 2013, pp.

Brasil. Alves de Melo, Antonio UM MESTRE NO OFÍCIO: TOMÁS DE AQUINO Interações: Cultura e Comunidade, vol. 8, núm. 13, enero-junio, 2013, pp. Interações: Cultura e Comunidade ISSN: 1809-8479 interacoes.pucminas@gmail.com Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Brasil Alves de Melo, Antonio UM MESTRE NO OFÍCIO: TOMÁS DE AQUINO Interações:

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA 2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA traduzidos por Wanderson Lima VIVO SEM EM MIM VIVER Vivo sem em mim viver e tão alta vida espero Vivo já fora de mim depois que morro de amor, porque vivo no Senhor, que

Leia mais

Apocalipse. Contexto:

Apocalipse. Contexto: Apocalipse Contexto: Última década do Século I Imperador Domiciano Culto ao Imperador Perseguição imperial Igreja de mártires João é o último apóstolo vivo João, o último apóstolo vivo, exilado na ilha

Leia mais

ECCE HOMO A Morte. Resumo. Palavras-chave. Nível de ensino. Modalidade. Componente curricular

ECCE HOMO A Morte. Resumo. Palavras-chave. Nível de ensino. Modalidade. Componente curricular ECCE HOMO A Morte Resumo Documentário que concebe o conceito da morte em diferentes momentos históricos e sociais. Apresenta comentários de estudiosos e especialistas, proporciona visualização de ritos

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos.

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. É uma honra ter a oportunidade de acompanhá-lo no desenvolvimento

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder

Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder Segundo Tomo: Provérbios 10.1 a 22.16 LABORIOSIDADE Palavras chaves: trabalho diligente preguiçoso

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

LIBERTANDO OS CATIVOS

LIBERTANDO OS CATIVOS LIBERTANDO OS CATIVOS Lucas 14 : 1 24 Parábola sobre uma grande ceia Jesus veio convidar àqueles que têm fome e sede para se ajuntarem a Ele. O Senhor não obriga que as pessoas O sirvam, mas os convida

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11 TEMPOS DE SOLIDÃO Jó 23:8-11 Na semana passada, eu falei muito sobre maldições, punições e castigos que Deus envia aos desobedientes e rebeldes. Falei sobre a disciplina Divina, cuja finalidade é o verdadeiro

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Sumário. Richard Baxter um cuidador de almas...7 Ageu Heringer Lisboa. Tristeza, melancolia, depressão...11 Uriel Heckert

Sumário. Richard Baxter um cuidador de almas...7 Ageu Heringer Lisboa. Tristeza, melancolia, depressão...11 Uriel Heckert Sumário Richard Baxter um cuidador de almas...7 Ageu Heringer Lisboa Tristeza, melancolia, depressão...11 Uriel Heckert Superando a tristeza e a depressão com a fé...21 Richard Baxter Quando a tristeza

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva

Entrevistada por Maria Augusta Silva ANA HATHERLY Entrevistada por Maria Augusta Silva Nesta cidade-mundo, num mundo terrível, quem pode criar o verso de júbilo? Todos os mundos têm sido terríveis, mas só falo daquele que diretamente conheço.

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO

HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PERÍODO PRÉ-HISTÓRICO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA INTRODUÇÃO A História da Educação Física relaciona-se com todas as ciências que estudam o passado e o presente das atividades humanas e a sua evolução. O homem, condicionado

Leia mais

Bíblia - para que estudar?

Bíblia - para que estudar? Bíblia - para que estudar? por que estudar a Bíblia estudar a Bíblia é envolvente Projeto de vida nunca acaba há sempre algo novo a descobrir: novo sentido, nova conexão, novos achados não há diploma,

Leia mais

A Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo Alegrias da Páscoa, prenúncio da nossa glória no Céu

A Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo Alegrias da Páscoa, prenúncio da nossa glória no Céu Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados 1º Mistério Glorioso Abril 2016 A Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo Alegrias da Páscoa, prenúncio da nossa glória no Céu Introdução: Atendendo

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar.

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. #101r Na aula passada, iniciamos o estudo do cap13 de Apocalipse, onde, como falamos de certa forma descreve o personagem mais importante da

Leia mais

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Ian Gibson, irlandes, mas desde 1984, cidadão espanhol. Hispanista internacionalmente reconhecido por

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque

Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque Paulo Henrique de Oliveira Maria Theresa Oliveira de Medeiros Albuquerque Pensamentos de São Josemaria Escrivá Um mês com Nossa Senhora Primeira Edição São Paulo 2012 PerSe Capa e seleção de figuras Paulo

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE

AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE AUTO DA BARCA DO INFERNO GIL VICENTE Para se compreender o Auto da Barca do Inferno deve-se ter em mente que essa obra foi escrita em um período da história que corresponde à transição da Idade média

Leia mais

Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita

Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita Simbologia Oculta Os 12 Trabalhos de Hércules Nono Trabalho: A Tomada do Cinturão de Hipólita A Coragem de Ser Autêntico O Cinturão de Hipólita: A Coragem de Ser Autêntico A missão do herói era conseguir

Leia mais

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus

Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus Tema 4: Espiritualidade Na densidade do humano emerge a vida de Deus NA DENSIDADE DO HUMANO EMERGE A VIDA DE DEUS, Nossa espiritualidade marista, aberta ao diálogo interreligioso, a quem está em busca

Leia mais

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014) 1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Leia mais

Mensagem de 20/02/2011 Pr. Jacson Andrioli

Mensagem de 20/02/2011 Pr. Jacson Andrioli Mensagem de 20/02/2011 Pr. Jacson Andrioli A Oração de Simeão Lucas 2.29-32 Esperando o cumprimento de uma promessa de Deus. (((Ler Texto de Lucas 2.25-35))) Texto chave v. 29-32 sua oração Quem foi Simeão?

Leia mais

Título original: Thomas Boston em: Por que os Homens não creem no Evangelho James A. Thomson Projeto Os Puritanos/CLIRE 2013 Todos os direitos

Título original: Thomas Boston em: Por que os Homens não creem no Evangelho James A. Thomson Projeto Os Puritanos/CLIRE 2013 Todos os direitos Título original: Thomas Boston em: Por que os Homens não creem no Evangelho James A. Thomson Projeto Os Puritanos/CLIRE 2013 Todos os direitos reservados ao Projeto Os Puritanos. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Você foi criado para fazer parte da família de Deus.

Você foi criado para fazer parte da família de Deus. 3ª Semana Você foi criado para fazer parte da família de Deus. I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Descreva

Leia mais

1. DINHEIRO TRAZ FELICIDADE?

1. DINHEIRO TRAZ FELICIDADE? Vencendo o dinheiro Eclesiastes 5 : 8-20 e 6: 1-9 1. DINHEIRO TRAZ FELICIDADE? I Timóteo 6: 9-10 : O amor ao dinheiro é a causa de todos os males. Amor : colocar em prática deliberados atos de honra, não

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C.

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C. FLORENÇA Data do Sec. I a. C. Cópia do Sec. XIX Pianta della Catena A cidade nasce da política, da observação do que existe, dos levantamentos feitos e da meditação na realidade a cidade não nasce, vai-se

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

CRISTO E NOSSA PLENITUDE

CRISTO E NOSSA PLENITUDE 1 CRISTO E NOSSA PLENITUDE e tendes a vossa plenitude nele, que é a cabeça de todo principado e potestade Col 2.10 OBJETIVO. O presente sermão trata do privilégio de nós termos em Jesus Cristo toda nossa

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h

Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h Programa do 2º Ano B do Curso Básico de Espiritismo - 2015 SÁBADO das 15:45h às 17:45h DATA TEMA EXPOSITOR Na terça, esta aula será/foi dada em: Aula1 Apresentação do curso e da casa 24/02 21/02 Aula 2

Leia mais

A atuação da força micaélica na biografia individual

A atuação da força micaélica na biografia individual A atuação da força micaélica na biografia individual Edna Andrade Na Biografia individual Micael pode ser considerado uma força arquetípica que impulsiona o nosso amadurecimento anímico: é a coragem de

Leia mais

História da arte. Um breve relato - vida e obra 10 artistas que mudaram o mundo

História da arte. Um breve relato - vida e obra 10 artistas que mudaram o mundo História da arte Um breve relato - vida e obra 10 artistas que mudaram o mundo 1.Praxíteles (390?-330 a.c) 2.Giotto (1266/677-1337) 3.Jan Eyck (1390?-1441) 4.Hugo Van Der Goes (1440?-1482) 5.Botticelli

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. All rights reserved. O ESPÍRITO DA NEVE

Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. All rights reserved. O ESPÍRITO DA NEVE Reservados todos os direitos de acordo com a legislação em vigor. All rights reserved. O Aqui o tema, como em muitos outros Nô, é inspirado na filosofia budista. Como se sabe, na geral crença budista,

Leia mais

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9

Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 Diálogo, bem comum, dignidade para todos - Papa no Congresso dos EUA 9 57 Imprimir 2015-09-24 Rádio Vaticana Francisco no Congresso Americano acolhido com grandes aplausos. É a primeira vez que um Papa

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

REQUERIMENTO N.º, DE 2008

REQUERIMENTO N.º, DE 2008 REQUERIMENTO N.º, DE 2008 Requeiro, nos termos do artigo 222, e de acordo com as tradições da Casa, voto de congratulações pelo 70º aniversário do teólogo, professor e escritor LEONARDO BOFF. Justificativa

Leia mais

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ).

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ). Filosofia 3ª série E C O M O D A N T E D I Z QUE N Ã O SE FA Z C I Ê N C I A S E M R E G I S T R A R O QUE SE A P R E N D E, EU T E N H O A N O TA D O T U D O N A S C O N V E R S A S QUE ME P A R E

Leia mais

Sete Trombetas (Lauriete)

Sete Trombetas (Lauriete) Sete Trombetas (Lauriete) Uma mistura de sangue com fogo A terça parte deste mundo queimará Eu quero estar distante, quero estar no céu Quando o anjo a primeira trombeta tocar Um grande meteoro vai cair

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Pr. Jorge Luiz Silva Vieira P á g i n a 1 A origem do pecado: HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Deus não pode pecar Ele é Santo (I Pe 1.16; I Jo 1.5) e não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta

Leia mais

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39

* Aparentemente, as primeiras páginas do diário perderam se. 1. Um Diário de Preces.indd 17 06/08/14 12:39 [entradas sem data] [ ] * esforço artístico neste domínio, ao invés de pensar em Ti e de me sentir inspirada pelo amor que tanto desejaria sentir. Meu bom Deus, não consigo amar Te como pretendo. És o

Leia mais

Viagem à Casa 9: Uma Jornada Humana i

Viagem à Casa 9: Uma Jornada Humana i Viagem à Casa 9: Uma Jornada Humana i Clélia Romano copyright 2012 Abu Mashar ii diz sobre a Casa 9: a nona, aquela de viagens e peregrinações, leis e contemplação divina, filosofia e artes, escritos e

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

A arte na Grécia. Capítulo 3

A arte na Grécia. Capítulo 3 A arte na Grécia Capítulo 3 Por volta do século X a. C, os habitantes da Grécia continental e das ilhas do mar Egeu formavam pequenas comunidades, distantes umas das outras, e falavam diversos dialetos.

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Tobias através de Geoffrey Hoppe www.crimsoncircle.com Inspirando Consciências OS DOZE SIGNOS DO SEU DESPERTAR DIVINO Tobias através de Geoffrey Hoppe Por favor,

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Autor: André Martinez

Autor: André Martinez Autor: André Martinez REFLEXÕES ESPÍRITAS: Salvação dos ricos! Capítulo 16 de "O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO, de Allan Kardec" Servir a Deus e a Mamon, itens 1 e 2 Salvação dos ricos. O QUE É MAMON?

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: Este trabalho vai ao encontro da proposta de temática deste seminário de pensar novas alternativas provenientes da

Leia mais

Aula 23- Renascimento cultural

Aula 23- Renascimento cultural FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 23- Renascimento cultural DeOlhoNoEnem H1 - Interpretar historicamente e/ou geograficamente fontes documentais acerca de aspectos da cultura. H3 - Associar as manifestações

Leia mais