UM TEATRO MORAL EM AZULEJOS: O CLAUSTRO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM TEATRO MORAL EM AZULEJOS: O CLAUSTRO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA BAHIA"

Transcrição

1 UM TEATRO MORAL EM AZULEJOS: O CLAUSTRO DO CONVENTO DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS DA BAHIA Humberto José FONSECA Uesb* Um dos maiores dramaturgos do Século de Ouro espanhol, Calderón de la Barca ( ), escreveu no preâmbulo a um de seus mais conhecidos autos: Comédia é a vida humana, onde cada qual representa o seu papel. O Mundo é o Teatro; o Autor é Deus, cuja Providência distribui os papéis e os trajes; os homens são os atores, e a Morte, a que desnuda igualmente a todos.[1] Para Calderón de la Barca, o mundo é um grande palco; nele entramos pela porta do nascimento e dele saímos pela porta da morte. O diretor desta Companhia do Grande Teatro do mundo ( o autor ) é nada menos do que Deus, criador do universo e juiz dos homens. A comparação da vida real com o teatro, segundo a qual os homens representam o drama da história do mundo, foi um modelo muito recorrente pelos fins do século XVI, por todo o século XVII e mesmo glosado tardiamente, no início do século XVIII. [2] O claustro do convento de São Francisco de Salvador, na Bahia, já foi chamado de Sermão de Azulejos.[3] Talvez fosse mais apropriado chamá-lo de Teatro em Azulejos. Ele possui em seu andar térreo um conjunto de azulejos que reproduz parcialmente as pinturas do artista holandês Otto van Veen. As estampas de Otto van Veen foram publicadas pela primeira vez em 1608, sob o título de Emblemas de Horácio, por ser fundados em los Versos Latinos de aquel author [4] e mais tarde, pouco depois de 1648, no Theatro Moral de la vida humana y toda la philosofia de los antiguos y modernos, editado por autor anônimo[5]. Os emblemas gravados nos azulejos, embora guardem o apelo moral, comum às obras artísticas, literárias ou pictóricas, característico do barroco, diferem dos sermões, das vânitas e das ars moriend. Os azulejos do claustro do Convento de São Francisco, à primeira vista, parecem destoar do ambiente claustral pela roupagem mitológica pagã greco-romana com que se revestem os seus personagens. Mas apenas a roupagem externa é pagã; seu conteúdo interno é profundamente cristão. O autor anônimo procurou cristianizar o poeta latino Quinto Horácio Flacco (165 a 8 a.c.) segundo ele, a sabedoria de Horácio muito se aproxima da sabedoria bíblica e a ética do estoicismo muito se assemelha às virtudes morais do cristianismo e escolheu bem o título de sua publicação: Theatro Moral de la vida humana e de toda la philosophia de los antiguos y modernos. Para expressar o Theatro Moral no Claustro do Convento de São Francisco foram Antiguidade e no Medievo. 1

2 encomendados em Portugal, em meados do século XVIII, azulejos especiais e selecionados 37 dos 103 Emblemas de Horácio. Não consta da documentação consultada os critérios desta seleção, mas quatro grandes temas surgem no conjunto, distribuídos nas quatro alas do claustro inferior do convento: a primeira ala, que fica ao lado da igreja e leva à Via Sacra, em direção ao Altar-mor, lembra que Deus é o princípio de toda sabedoria; a segunda, que dá para o cemitério dos frades, expressa a sabedoria do bem viver como único seguro face à morte; o terceiro conjunto, que fica na ala que leva ao convento, tem como enfoque a amizade recíproca, ou o convívio fraternal; e, por fim, o quarto conjunto, na ala que conduz à portaria (ao mundo exterior), retrata as vaidades do mundo insensato que busca mais a riqueza que a sabedoria. Um dos temas centrais do pensamento barroco refere-se à antítese vida-morte. Daí o sentimento da brevidade da vida, da angústia da passagem do tempo, que tudo destrói. O homem do barroco oscila entre a renúncia e o gozo dos prazeres da vida. Quando pensa no julgamento de Deus, foge dos prazeres e procura apoio na fé. Quando seu pensamento se afasta, a atração dos prazeres o envolve e cresce o desejo de desfrutar a vida. A consciência de que a vida se consome em direção à morte leva, assim, a dois tipos de atitudes. A primeira demonstra um forte apego à vida material e ao gozo mundano. Uma atitude hedonista se impõe, a afirmar o prazer no que é transitório, e que, por ser assim, deve ser usufruído e fruído até a exaustão. A esse tipo de comportamento chamamos de Tendência Epicurista. Na segunda, muito freqüente no declínio da Idade Média, e que se encontra exposta na obra Orto do Esposo, a vida humana é concebida como um combate, de cujo resultado dependem a salvação ou a danação eterna.[6] Encarar a vida humana como um combate era um lugar comum na mundividência do cristianismo e está presente em toda a literatura fundada sobre os moldes desta religião. Esta concepção já aparecera anteriormente no Livro de Job, na Psychomachia de Prudêncio, em S. Gregório Magno, na Regra dos Monges, no Livro da Vida Solitária de S. Lourenço Justiniano e impregnava os sermões medievais.[7] Para Portugal, os sermões de Frei Paio de Coimbra são ilustrativos a esse respeito.[8] A essa forma de comportamento chamamos de Tendência Estoicista. O objetivo deste trabalho é desenvolver uma leitura dos azulejos do Convento de São Francisco de Assis da Bahia a partir da sensibilidade de tendência estoicista. Aqui nos ocuparemos apenas do conjunto de azulejos que fica na ala que leva ao lugar que durante muito tempo serviu de cemitério dos frades, cujos azulejos representam cenas da morte. No centro de todos os painéis deste ala constam os dizeres: Caemiterium Fratrum. Segundo Huizinga, desde o final da Idade Média o contraste entre o sofrimento e a alegria, Antiguidade e no Medievo. 2

3 entre a adversidade e a felicidade, aparecia mais forte. Para o homem do período, segundo ele, todas as experiências possuíam o caráter direto e absoluto do prazer e da dor. Todas as ações, quotidianas ou esporádicas, integravam-se em formas expressivas e solenes, que elevavam à dignidade de um ritual. Porque não eram somente os grandes acontecimentos do nascimento, casamento e morte que, pela santidade do sacramento, eram elevados ao nível dos mistérios ; também incidentes menores, como visitas, viagens, um empreendimento, eram, da mesma forma, rodeados por mil formalidades: bênçãos, cerimônias, fórmulas.[9] O orgulho hierárquico, segundo Huizinga, continua forte no fim da Idade Média, ligado ao crescente pecado da cobiça, e é, segundo ele, a mistura dos dois que dá à Idade Média moribunda esse tom de paixão extravagante que nunca mais volta a aparecer.[10] É que, no declínio da Idade Média, para o autor, pesava na alma do povo uma tenebrosa melancolia, que ele descreve com cores fortes: Será de surpreender que o povo considere o seu destino e do mundo apenas como uma infinda sucessão de males? Mau governo, extorsões, cobiça e violência dos grandes, guerras, assaltos, escassez, miséria e peste a isto se reduz, quase, a história da época aos olhos do povo. O sentimento geral de insegurança causado pelas guerras, pela ameaça das campanhas dos malfeitores, pela falta de confiança na justiça, era ainda por cima agravado pela obsessão da proximidade do fim do mundo, pelo medo do Inferno, das bruxas e dos demônios. O pano de fundo de todos os modos de vida parecia negro. Por toda a parte as chamas do ódio se alteiam e a injustiça reina. Satã cobre com as suas asas sombrias a Terra triste. Em vão a Igreja militante combate e os pregadores fazem sermões; o mundo permanece inconvertido. Segundo uma crença popular, corrente nos fins do século XV, desde o começo do Grande Cisma do Ocidente que ninguém mais tinha entrado no Paraíso.[11] Ainda segundo Huizinga, mesmo com os humanistas o otimismo é ainda temperado com o velho desprezo dos cristãos estóicos do mundo. À época Moderna coube a grande tarefa de deixar de ser plenamente medieval, sem ser mais renascentista, para constituir uma outra cultura. Essa não prescindiu do passado acumulado pelo homem, mas introduziu certos valores que até então não haviam ocupado o centro de suas atenções. Essa cultura enfatizou com determinação uma questão que já ocupava a sensibilidade do fim do medievo: A efemeridade do tempo terreno e a eternidade do tempo espiritual. Coube aos homens da época Moderna captar esse sentido precário do tempo mundano, viver no cotidiano as reflexões agostinianas que demonstraram que o futuro passa pela brevidade do presente e que, deste, resulta a morte de tudo que já foi e não é mais: o passado. Daí, deste sentimento da brevidade da vida, da angústia da passagem do tempo, que tudo destrói, decorre que o carpe dies, expressão latina que quer dizer aproveita o dia (presente), tenha sido um dos temas freqüentes da arte barroca.[12] Além da espiritualidade, um dos traços fundamentais da cultura barroca é o Antiguidade e no Medievo. 3

4 sentimento da fragilidade humana e a ânsia desesperada pela salvação da alma. A profunda consciência da fugacidade do tempo mundano não está relacionada apenas com sua rigorosa mensuração e a busca de racionalização da produção material. Diz respeito, sobretudo, à aguda subjetividade que toma conta do homem moderno. Nessa consciência de ser, um relativo distanciamento psicológico permitiu ao homem refletir e até ironizar sua situação no mundo. A representação da Dança Macabra, em fins da Idade Média, é a estruturação primeira da reflexão e ironia que o homem faz de sua situação. Ela vem mostrar o quanto impotente é a vida diante da morte, que leva indistintamente reis, papas, pobres, ricos, velhos, crianças, que já venceram sua temporada na terra. Portanto, ela aponta para a desduração do tempo e para a fragilidade do homem.[13] Dos 37 emblemas dispostos nas quatro alas do Convento de São Francisco de Salvador, nove (da 10º a 19º) encontram-se na ala do cemitério e referem-se à desduração do tempo, às vanidades e à morte. Ao lado de cada uma deles vem sempre a explicação da cena, escrita pelo autor anônimo, e o texto de Horácio no qual se baseia o quadro. Tanto o texto em espanhol do Theatro moral quanto sua tradução, nos azulejos do claustro, encontram-se estragados em função do tempo, o que prejudica a leitura das explicações. Todavia, um supre as deficiências do outro. Por este motivo, não apresentamos as explicações tal como aparecem no Theatro ou nos azulejos, mas os resumimos, preservando, no entanto, a linguagem dos textos dos azulejos do claustro. Estampa 10: VOLAT IRREVOCABILE TEMPUS (Horat. Lib. 4, Od. 7). O Tempo Voa Irrevogavelmente. Uma criança, representando o tempo, voa conduzindo um relógio de sol. A inconstância e a fugacidade da vida estão figuradas pelo crescente e pelas asas da borboleta. As quatro figuras em marcha um menino, um adolescente, um adulto e um ancião representam, respectivamente, a Primavera, o Verão, o Outono e o Inverno. A serpente engolindo a própria cauda, que se vê no primeiro plano, representa o calendário, segundo os egípcios o simbolizaram, demonstrando que, no último dia de cada ano, começa imediatamente o outro. O tempo não para. Passa el Tiempo ligero, Dexandonos de si, memória escassa. Y sigue el mesmo fuero Todo lo humano, pues com el se passa, Antiguidade e no Medievo. 4

5 Y por vario modo, Todo lo acaba, y lo consume todo. (Theatro Moral, p. 169) Estampa 11: TEMPORA MUTANTUR ET NOS MUTATUR IN ILLIS (Horat. Lib. 3, Od. 2). O Tempo Muda e nós Mudamos com ele. O tempo, um ancião com grandes barbas e enormes asas, conduzindo uma ceifadeira, avança em pleno vôo. Traz pela mão uma criança com elmo e espada simbolizando a Virtude, à qual outras se agarram. Estas figuram a inveja, a vaidade, a lisonja, a avareza e a intemperança. Em torno, cidades e templos em ruínas mostram que nada resiste à ação do tempo. O homem, que em todas as idades paga o seu tributo às paixões, na velhice inclina-se à virtude, que só ela é eterna. Viendo la instabilidad, Huvo bastante razon, Para dezir com verdad, Que com el tiempo y la edad Muda el Hombre de passion. (Theatro Moral, p. 171) Estampa 12: MORTIS FORMIDO (Horat. Lib. 3, Od. 1). O Temor da Morte. O motivo deste painel foi tirado da história grega, e lembra as vaidades do mundo. Dionísio, o tirano, farto das adulações e da inveja de Dâmocles, quer mostrar-lhe a insegurança da sua própria glória e prega-lhe uma peça. Convida-o a ocupar o seu lugar em um banquete, ordenando que o sirvam e acatem como se fora este verdadeiramente o rei. No meio da abundância e da delícia dos manjares, no auge das honrarias, percebeu Dâmocles, aterrado, que sobre sua cabeça pendia, no centro do dossel, longa espada sustentada por um único fio de crina. O grande perigo despertou o cobiçoso para a grande verdade sobre a aparente felicidade dos prepotentes. Quien las vanas Riquezas apeteze, Ciego del lustre, e parezer hermoso, Com que el mundo a los néscios adormeze, Antiguidade e no Medievo. 5

6 Para despues privarlos del reposo; Viene a pagar la pena que mereze, Como se vèe em Damocles ambicioso, Que em médio de la esplendida comida Reconoze el peligro de su vida. (Theatro Moral, p. 85) Estampa 13: MORTE LINQUENDA OMNIA (Horat. Lib 2 Od. 14). Com a morte tudo se deve deixar. A morte arrasta o homem para longe da mulher e dos filhos que choram. O morto não leva consigo nada das riquezas; a morte só carrega um cipreste para plantá-lo sobre a sepultura. Numa taverna, ao fundo, estão alegres bebedores; são os companheiros do morto ou os herdeiros satisfeitos que esbanjam as riquezas dele; ou talvez a taverna indique o negócio do morto. Poco te importa el llorar La perdida de um Marido, Quo no puedes recobrar: Mas si supo bien obrar, No le llores por perdido. (Theatro Moral, p. 195) Estampa 14: MORS ULTIMA LÍNEA RERUM (Horat. Lib. 1, Ep. 16). A Morte é o último fim das coisas. Ante uma sepultura, sobre a qual está construído um mausoléu, jaz estendida a morte. Com ela, tudo tem seu fim: dominação, poder, riqueza e liberdade, prisão e opressão; também o trabalho e o esforço terminam. Só as virtudes ficam eternamente e triunfam da morte. Este es el fin de tu suerte. Peregrino! Si reparas, Que los Ceptros Y Tiaras, Todo jace com la Muerte, No pierdas tiempo, y advierte Que em lo que es mortal no esperes; Antiguidade e no Medievo. 6

7 Y que siempre consideres Em el Cadáver que vees; Que tu serás, logo lo que èl es, Com èl fue, lo que tu eres. (Theatro Moral, p. 207) Estampa 15: POST MORTEM CESSAT INVIDIA (Horat. Lib. 1, Ep. 1). Depois da morte cessa a inveja. Hercules, o herói dos doze trabalhos, vestindo a pele do leão de Nemea e armado de clava, pisa vitorioso sobre o dragão de Lerna. Mas ele não pôde vencer a inveja, durante a sua vida; por isso aponta para a morte, que sozinha põe por terra a inveja. De Alcides la Fortaleza Rinde a sus pies el infernal Cérbero; Y cede a sua destreza El Xavali montès, y el leon fiero. Mas la Embidia es tan fuerte, Que solo es el despojo de la muerte. (Theatro Moral, p. 167). Estampa 16: TUTE, SI RECTE VIXERES (Horat. Lib. 2, Od. 13). Estarás seguro, se viveres bem. O poeta trágico ateniense Ésquilo consultou, certa vez, uma advinha da Sicília; ela predisse que ele iria perder a vida na queda de uma caixa. Por este motivo, o poeta não quis mais viver na cidade e retirou-se para um lugar solitário. Acampado perto de um riacho, escrevia os seus poemas. Mas mesmo assim não escapou ao seu destino. Certo dia, veio voando sobre ele uma águia que carregava uma tartaruga. A águia tomou a careca do sábio por uma pedra e deixou cair a tartaruga, para arrebentá-la; mas com isso, quem morreu foi o poeta. A morte pode encontrar-nos em qualquer parte; por isso, só vive seguro quem vive bem. Si la anunciada cahida De la cassa te da pena; Tem por cosa muy sabida, Que qualquiera muerte es buena, De quien fue buena la vida. Antiguidade e no Medievo. 7

8 (Theatro Moral, p. 187). Estampa 17: VERA PHILOSOPHIA MORTIS EST MEDITATIO (Horat. Lib. 1, Ep. 4). A verdadeira filosofia é meditar sobre a morte. Um sábio e justo ancião, cujo fio da existência já se acha dentro da tesoura das Parcas, sentado medita... De um lado, a vida esperançosa em marcha e do outro, o pavor da morte. O tempo voa apresentando-lhe a cornucópia dos bens naturais e aos seus pés rosna o basilisco das paixões. Ao fundo, castelos em chamas e a figura da vingança, de espada em riste e facho erguido, não o desviam da sua meditação. O justo não tem de que temer. Aguardando que a Natureza conclua sua grande obra, nada lhe altera a calma filosófica. Al que em la Muerte piensa Iamas podrà cogerle descuydado; Porque advierte suspensa Nuestra vida de um hilo muy delgado: Y de la Parca el filo, Que à todas horas amenaza el hilo. (Theatro Moral, p. 181) Estampa 18: MORTIS CERTITUTO (Horat. Lib. 2, Od. 3). A certeza da morte. Jovens e velhos, sãos e enfermos, ricos e pobres, reis e vassalos, homens e mulheres, todos recebem da morte a moeda passaporte para o barqueiro do Aqueronte. A morte não falha, e os bens materiais da vida são inúteis na hora do eterno transporte. De que servirà el Caudal, Que amontonas de contino; Viendo que todo mortal, Lleva al porcion igual, Em el ultimo camino. (Theatro Moral, p. 199). Estampa 19: CUNCTOS MORS UNA MANET (Horat. Lib. 1. Od. 2). A Morte é igual para todos. A morte não faz exceções. Quer nas humildes oficinas dos operários ou nos palácios dos príncipes magnificentes; quer no campo aberto ou nas torres blindadas, ela se apresenta, imparcial e onipresente, zombando de qualquer veleidade de resistência. Antiguidade e no Medievo. 8

9 No es segura guarida, La Purpura Real, Ceptro, y Corona, Contra tal Homicida, Que de quanto al mortal, nada perdona; Pues su fatal azero, Iguala com el Rey el Zapattero. (Theatro Moral, p. 197) O Theatro Moral inspira, pois, o comportamento de tendência estoicista. Se a idéia de brevidade da vida fazia aumentar a sede de gozar a vida, nos emblemas dos azulejos do convento franciscano servia para chamar a atenção sobre a ilusão dos prazeres e a constante mudança das coisas do mundo. E se tudo passa, menos Deus, surge a advertência de que é preciso pensar no que pode acontecer depois da morte. O homem que adota a postura de tendência estoicista sofre profundamente com as mudanças do mundo sensível, que são vistas apenas em sua negatividade, por isso utiliza a reflexão para superar esse mundo feito de fragilidade. Desse modo ele se destemporaliza, escapando da concepção agostiniana do tempo. Vive em Deus e nele nada muda, portanto não há tempo. Essa postura manifesta uma intensa vontade de ser e uma carência ontológica do absoluto. A tendência estoicista não teve vigência apenas no ocaso da Idade Média, manifestando-se também na mentalidade do homem barroco, como em Calderon de La Barca, Padre Antônio Vieira, e de autores não tão moralistas, como o escritor português d. Francisco Manuel de Melo e o baiano Gregório de Matos, dentre outros. Remetido ao essencial a meditação sobre a sua condição o homem do barroco vai desempenhar o seu papel de ator num mundo que é um teatro, um labirinto confuso, pois tudo não passa de um jogo dramático. Consumido por uma constante luta interior, consciente da circunstancialidade da vida, a obsessão pela morte tornou-se um fato de natureza particular.[14] A este hábito de interiorização e de meditação moral (o que constitui uma espécie de retorno a uma certa linha da Idade Média que o Barroco tanto apreciou) deve juntar-se uma sofrida ânsia de evasão para outra realidade onde tudo é impreciso e misterioso. Acossado agora por uma solidão individual quase insuportável, o que poderia dizer-se uma volta do teocentrismo, resulta que, mais do que nunca, Deus está no centro de tudo no período barroco. Um tanto paradoxalmente, Ele é, de novo, esse pólo organizador e aglutinador da ordem social que nunca deixou de ser.[15] O pensamento de Calderon de La Barca, por exemplo, projeta o mundo como uma ilusão, Antiguidade e no Medievo. 9

10 uma sombra, que se aproxima da alegoria da caverna de Platão. O mundo sensível não é dono de uma inteligibilidade própria; essa reside no mundo das idéias, ou seja, em Deus. A vida, portanto, não tem um sentido imanente, não se justifica em si mesma, mas torna-se justa por ter tido sua origem em Deus. É ele o diretor desse teatro que é a vida, cujos papéis são representados pelos homens.[16] É Deus que faz a escolha dos papéis, introduzindo-os na cena, por meio do nascimento, e também quem os retira dela, por meio da morte. Aos que não desempenham bem o seu papel, Deus impinge-lhes o Purgatório, aos que se mortificam em vida, concede-lhes a companhia celestial. Mário Martins, referindo-se ao Grande Teatro do Mundo, em poucas palavras define o pensamento de Calderón de la Barca: Não eram. Representavam. Como todos nós, doutra maneira, desde o berço até a cova do cemitério, sob o signo do tempo que vai morrendo para nós e em nós, até morrermos de todo. E na morte, findará a representação. Então sentiremos, dramaticamente, a temporalidade de empréstimo. O rei porá de um lado o cetro e a coroa. O boieiro cá deixará os bois e a charrua. O professor, as lições e os livros. E o psiquiatra poderá verificar que também ele (como os loucos, embora doutro modo) vivem num reino de aparências e de sonhos. A morte será o acordar para a realidade autêntica la vida es sueño. Em ambos os significados: dormir e sonhar.[17] * Professor adjunto do Departamento de História da UESB. Doutor em História Social da Cultura pela FAFICH/UFMG. [1] Calderón de la Barca, El Gran Theatro del Mundo. In: Real, J. Alonso del (Org.) Calderón segun sus obras, sus críticos y sus admiradores y crônica del segundo centenário de su muerte. Barcelona, 1881, p [2] Um faz de rei. Outro faz de rico. Outro faz de pobre e outro de menino. Deus não representa. É Deus. Quanto aos homens, estão num mundo de fazer de conta. Desempenham um papel de teatro, bem ou mal. As insígnias do rei cá ficarão. E o rei passará as portas da morte, tão pobre como o mendigo. Sem coroa, nem cetro, nem manto de arminho. Martins. Mario (S.J.). Introdução histórica à vidência do tempo e da morte. v. 2. Braga: Cruz, p. 61. [3] Sinzig, Frei Pedro. Maravilhas da religião e da arte na Igreja e no Convento de S. Francisco da Bahia. Rio de Janeiro, Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, 1933, p [4] Theatro Moral, Proêmio 1, p [5] Não sabemos a data exata porque no exemplar do Convento de São Francisco falta o frontispício. Todavia, o autor diz, no Proêmio 10, ter assistido ao Congresso de Paz de Münster, em 1648, o que nos dá um ponto de referência para a determinação do ano de sua publicação. [6] E pore tu, Christaão cosura que es caualeyro de Jhesu Christo e que a vida do home he caualaria e lyde em quanto uiuer sobre a terra. Maler, Bertil (Ed.). Orto do Esposo. Rio de Janeiro, 1956, vol. I, p [7] Le Goff. Jacques. O Imaginário medieval. Lisboa: Ed. Estampa, [8] Sousa. Frei Luís de. Vida de D. Frei Bartolomeu dos Mártires. v. 1. In: Antologia Portuguesa. Antiguidade e no Medievo. 10

11 Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, [9] Huizinga, Johan. O declínio da Idade Média. São Paulo: Verbo;Edusp, p. 13 [10] Huizinga, Johan. Op. Cit. p. 29. [11] Idem, p. 30. [12] Ariès. Philippe. O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, v. 1. p [13] Martins, Mário (S. J.) Op. Cit. v. 1. p. 15. [14] Cf. Maravalll, José Antonio. A cultura do barroco, São Paulo: Edusp, cap. 6, p. 309 et all. [15] Cf. Chaunu, Pierre, A Civilização da Europa Clássica. cap. XII, p [16] Calderón de La Barca, El Gran Teatro del Mundo. Apud. Martins, v. 2 pp [17] Mário Martins (S.J.). Op. Cit. v. 2, p. 79. Antiguidade e no Medievo. 11

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder

Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder Regras para o bem viver IV laboriosidade, temor do Senhor, cuidado dos próximos e uso sensato do poder Segundo Tomo: Provérbios 10.1 a 22.16 LABORIOSIDADE Palavras chaves: trabalho diligente preguiçoso

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA 2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA traduzidos por Wanderson Lima VIVO SEM EM MIM VIVER Vivo sem em mim viver e tão alta vida espero Vivo já fora de mim depois que morro de amor, porque vivo no Senhor, que

Leia mais

Religião e Espiritualidade

Religião e Espiritualidade Religião e Espiritualidade Há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha vossa vã filosofia. Shakespeare A Mudança de Modelos Mentais O que é Religião? O que é espiritualidade? O que é Meditação? Como

Leia mais

DA TRISTEZA Á DEPRESSÃO

DA TRISTEZA Á DEPRESSÃO Mulher Vitoriosa http://mulher92.webnode.pt/ DA TRISTEZA Á DEPRESSÃO Mente saudável MULHER EM FORMA 1 Querida amiga visitante, o Espírito de Deus levou-me a escrever esta mensagem porque Ele sabe que algumas

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Apocalipse. Contexto:

Apocalipse. Contexto: Apocalipse Contexto: Última década do Século I Imperador Domiciano Culto ao Imperador Perseguição imperial Igreja de mártires João é o último apóstolo vivo João, o último apóstolo vivo, exilado na ilha

Leia mais

Distribuição Gratuita Venda Proibida

Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan 2009 www.estudosdabiblia.net Distribuição Gratuita Venda Proibida O Atalaia de Israel Um Estudo do Livro de Ezequiel Dennis Allan Introdução

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

Itália berço do Renascimento

Itália berço do Renascimento RENASCIMENTO CULTURAL XIV e XVI Itália berço do Renascimento How does Late Linha Gothic art create do the tempo bridge between Byzantine and Renaissance art? Bizantino Virgin and Child Gótico Virgin and

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

LIBERTANDO OS CATIVOS

LIBERTANDO OS CATIVOS LIBERTANDO OS CATIVOS Lucas 14 : 1 24 Parábola sobre uma grande ceia Jesus veio convidar àqueles que têm fome e sede para se ajuntarem a Ele. O Senhor não obriga que as pessoas O sirvam, mas os convida

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Você foi criado para fazer parte da família de Deus.

Você foi criado para fazer parte da família de Deus. 3ª Semana Você foi criado para fazer parte da família de Deus. I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Descreva

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR)

Princípios do Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) 1 Exposição concebida pelo Observatório para a Liberdade Religiosa (OLR) e parceiros, no âmbito do evento Terra Justa 2015 grandes Causas e Valores da Humanidade, para os quais a Religião assume um papel

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Pr. Jorge Luiz Silva Vieira P á g i n a 1 A origem do pecado: HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Deus não pode pecar Ele é Santo (I Pe 1.16; I Jo 1.5) e não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

Natividade de Nossa Senhora

Natividade de Nossa Senhora Rita de Sá Freire Natividade de Nossa Senhora 8 de setembro Na Igreja católica celebramos numerosas festas de santos. Entretanto, não se celebra a data de nascimento do santo, mas sim a de sua morte, correspondendo

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO João 6 Nesta Lição Estudará... Jesus Alimenta a Multidão Jesus Anda em Cima das Águas O Povo Procura Jesus Jesus, o Pão da Vida As Palavras de Vida Eterna JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO: Leia João 6:1-15. Mateus,

Leia mais

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar.

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. #101r Na aula passada, iniciamos o estudo do cap13 de Apocalipse, onde, como falamos de certa forma descreve o personagem mais importante da

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ).

( C A R TA DE N I C O L A U M A Q U I AV E L A F R A N C E S C O V E T T O R I, DE 10 DE D E Z E M B R O DE 1 51 3 ). Filosofia 3ª série E C O M O D A N T E D I Z QUE N Ã O SE FA Z C I Ê N C I A S E M R E G I S T R A R O QUE SE A P R E N D E, EU T E N H O A N O TA D O T U D O N A S C O N V E R S A S QUE ME P A R E

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria

A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria A 9ª Sinfonia de Beethoven e a Maçonaria Eduardo José Gomes No ano de 2004 nasceu entre mim e o valoroso Irmão Gilmar Fernandes da Silva, da Loja Mensageiros da Liberdade, a idéia da criação de um trabalho

Leia mais

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE 53 O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE Sidnei Shirosaki Faculdade Unida de Suzano(sidnei.shirosaki@uniesp.edu.br) Resumo A morte é tratada de forma diferente por diversos povos, mas sempre com

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: Este trabalho vai ao encontro da proposta de temática deste seminário de pensar novas alternativas provenientes da

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Bíblia para crianças apresenta UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Kerr; Sarah S. Traduzido por: Judith Menga Produzido

Leia mais

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22

UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 UM HOMEM DESEJOSO DE SALVAÇÃO Mt 19:16-22 INTRODUÇÃO: O texto bíblico registrado no capítulo 19 do evangelho de São Mateus, relata o diálogo do Senhor Jesus e um homem desejoso de alcançar a salvação.

Leia mais

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS TEMA CENTRAL Todos os direitos reservados por: MINISTÉRIO IGREJA EM CÉLULAS R. Ver. Antônio Carnasciali, 1661 CEP 81670-420 Curitiba-Paraná Fone/fax: (041) 3276-8655 trabalhoemconjunto@celulas.com.br edile@celulas.com.br

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

Desmistificando. a Nobre Instituição

Desmistificando. a Nobre Instituição Desmistificando a Nobre Instituição O que é a Maçonaria? - A Maçonaria é uma instituição essencialmente filosófica, filantrópica, educativa e progressista. Por que é Filosófica? -É filosófica porque em

Leia mais

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP

Depressão e Qualidade de Vida. Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP Depressão e Qualidade de Vida Dra. Luciene Alves Moreira Marques Doutorado em Psicobiologia pela UNIFESP 1 Percepções de 68 pacientes entrevistadas. 1. Sentimentos em relação à doença Sinto solidão, abandono,

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 724/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

Sete Trombetas (Lauriete)

Sete Trombetas (Lauriete) Sete Trombetas (Lauriete) Uma mistura de sangue com fogo A terça parte deste mundo queimará Eu quero estar distante, quero estar no céu Quando o anjo a primeira trombeta tocar Um grande meteoro vai cair

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

série de palestras: alma! da! de 30 de setembro a 18 de novembro

série de palestras: alma! da! de 30 de setembro a 18 de novembro série de palestras: 8 da! alma! de 30 de setembro a 18 de novembro 8 Evágrio Pôntico (345-399) A estrutura dos oito vícios se dá de acordo com a tríplice divisão da alma de Platão. Desejos: Cobiça, Luxúria

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Decida buscar o Senhor

Decida buscar o Senhor Decida buscar o Senhor Textos bíblicos: 2º Reis 22.8, 10-11; 23.1-3 e 24-25: 8. Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o Livro da Lei na Casa do Senhor. Hilquias entregou o livro

Leia mais

Escola Secundária da Ramada

Escola Secundária da Ramada Escola Secundária da Ramada Nome: Margarida Isabel dos Santos Fonseca Turma: 11ºI Número: 7 Disciplina: História da Cultura e das Artes Professora: Maria do Céu Pascoal Data: 09 de Junho de 2006 1/11 Introdução

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA

GANHADO O MUNDO SEM PERDER A FAMILIA TEXTO: 1 SAMUEL CAPITULO 3 HOJE NÃO É SOBRE SAMUEL QUE VAMOS CONHECER, SABEMOS QUE SAMUEL foi o último dos juízes e o primeiro dos profetas. Ele foi comissionado para ungir asaul, o primeiro rei, e a David,

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

LIÇÃO 06 O QUE VOCE VAI RECEBER NÃO É O QUE ESTÁ VENDO PROVERBIOS I TRIMESTRE

LIÇÃO 06 O QUE VOCE VAI RECEBER NÃO É O QUE ESTÁ VENDO PROVERBIOS I TRIMESTRE LIÇÃO 2015 O QUE VOCE VAI RECEBER NÃO É O QUE ESTÁ VENDO PROVERBIOS I TRIMESTRE RELEMBRANDO AS BÊNÇÃOS DO JUSTO A Justiça É holística O Justo: sua boca sua esperança sua verdade sua recompensa RELEMBRANDO

Leia mais

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Domingo XXXIV e último NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Solenidade LEITURA I 2 Sam 5, 1-3 «Ungiram David como rei de Israel» Leitura do Segundo Livro de Samuel Naqueles dias, todas as tribos

Leia mais

O texto representa uma cópia da carta ditada por Nosso Senhor Jesus Cristo as Santas: Matilda, Bridget e Isabel de Hungria, que pediam a Jesus

O texto representa uma cópia da carta ditada por Nosso Senhor Jesus Cristo as Santas: Matilda, Bridget e Isabel de Hungria, que pediam a Jesus O texto representa uma cópia da carta ditada por Nosso Senhor Jesus Cristo as Santas: Matilda, Bridget e Isabel de Hungria, que pediam a Jesus detalhes sobre sua Paixão antes da crucificação. Recebe o

Leia mais

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014) 1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus.

Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. Profeta Daniel Daniel fazia parte de uma grupo seleto de homens de Deus. Ele é citado pelo profeta Ezequiel e por Jesus. O livro de Daniel liga-se ao livro do Apocalipse do Novo Testamento, ambos contêm

Leia mais

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS Por Durval de Noronha Goyos Jr. O Instituto Português de Heráldica e a Universidade Lusíada de Lisboa reeditaram o Livro de linhagens de Portugal, em 2014, numa

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA INSTRUÇÃO: Para responder às questões de 41 a 44, leia atentamente o texto que se segue. PELÉ: 1000 5 10 15 20 25 44 O difícil, o e x t r a o r d i n

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

A VIDA DO REI SALOMÃO

A VIDA DO REI SALOMÃO Momento com Deus Crianças de 07 a 08 anos NOME: DATA: 17/08//2014 A VIDA DO REI SALOMÃO Versículos para Decorar: 1 - Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente,

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais