PARADISE: PRONTA PARA VOAR MAIS ALTO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARADISE: PRONTA PARA VOAR MAIS ALTO?"

Transcrição

1 Área Temática Educação, Pesquisa em Administração e Caso de Ensino # ID 1569 PARADISE: PRONTA PARA VOAR MAIS ALTO? Sergio Ricardo Goes Oliveira Universidade Salvador (UNIFACS) Leidiene Queiroz de Jesus Universidade Salvador (UNIFACS) Silvia Souza Gusmão Universidade Salvador (UNIFACS)

2 Área 4 Casos de Ensino PARADISE: PRONTA PARA VOAR MAIS ALTO? RESUMO A Paradise Indústria Aeronáutica iniciou suas atividades oficialmente no ano de 2001 fabricando pequenas aeronaves classificadas como experimentais. Atuando em um mercado que teve uma taxa de crescimento médio de 7,45% entre 2008 e 2013 no Brasil, a empresa possui uma estrutura fabril consolidada, portifólio de produtos e como muitas outras empresas levanta a questão se o processo de internacionalização deve ser uma de suas prioridades estratégicas. Deve a empresa continuar focada no mercado nacional? Se optar por um processo de internacionalização qual deve ser sua estratégia? Palavras-chave: Internacionalização. Expansão. Aeronave Experimental. Canais de Marketing 1 APRESENTAÇÃO O encanto pela aviação parece ser algo que acomete crianças e adultos. Não foi diferente com uma criança de 7 anos, filhos de agricultores do interior da Bahia. O encantamento ainda está presente na fala cheia de paixão do Sr. Noé de Oliveira Souza que mesmo depois de se tornar um empresário no ramo da metalurgia, nunca perdeu a motivação em realizar seu sonho de infância: construir seu próprio avião. No encalço desse sonho, Noé se dedicou a anos de pesquisas, com diversas excursões aos Estados Unidos com o objetivo de aprender a fabricar peças em fibra, desenvolvimento de perfis de asas e estruturas aeronáuticas. Tal esforço somado ao uso dos seus conhecimentos adquiridos nos anos de experiência no ramo da engenharia eletro-mecânica, Noé chegou ao seu primeiro projeto, a saber, o Paradise P1. Surge então, em 2001, a Paradise Indústria Aeronáutica, na Ilha de Itaparica, estado da Bahia, a partir da construção de uma aeronave segura, com boa velocidade de cruzeiro, boa autonomia e capacidade de carga. Apesar do início das atividades ter tido um caráter quase que artesenal, a empresa expandiu seus negócios e chegou a atender os mercados dos EUA, Austrália e África do Sul. Diante da expansão dos negócios e a necessidade de expandir sua capacidade produtiva, o empresário Nóe de Oliveira juntamente com seu sócio e neto, Bruno de Oliveira Neto, optaram por transferir suas operações em 2007 para a cidade de Feira de Santana na Bahia. Como qualquer empresa inserida em mercados competitivos, o processo de internacionalização aparece como uma alternativa à necessidade de crescimento, diversificação de mercados, riscos e acesso a novas tecnologias. O mercado nacional foi responsável pelo grande crescimento da empresa, a taxa de crescimento médio de 7,45% por ano no período de 2008 e 2013 é significativamente maior do que o crescimento do PIB brasileiro. Apesar dessa boa taxa, o crescimento de 2013 foi de 4,38% e aparentemente essa

3 taxa em decréscimo deve se acentuar com o maior enfraquecimento da economia brasileira em Dessa maneira a questão sobre a internacionalização volta a povoar a mente de seu corpo diretivo. O que a empresa teria aprendido com a sua primeira tentativa de internacionalização? Que alternativas poderia a empresa empreender para ter um processo de internacionalização positivo e duradouro? Os objetivos educacionais desse caso se concentram no processo de internacionalização de uma empresa familiar de porte médio, cujo mercado envolve produtos de média e alta complexidade tecnológica. As informações foram levantadas mediante entrevistas com os sócios da empresa e através de pesquisa documental em revistas, sites e documentos do setor aeronáutico. 2 DESCRIÇÃO DO CASO A Ilha de Itaparica (BA) se tornou uma localidade inviável para continuar as operações da Paradise em função de uma série de limitações que impossibilitava a ampliação da fábrica. A instalação da nova fábrica Paradise teve a duração de um ano e meio, com investimento em torno de R$ 1 milhão. Foi escolhido o município de Feira de Santana (BA) em razão da localização geográfica que liga o Nordeste ao Sul do país, proximidade do Porto de Salvador, o quê favorece suas operações logísticas; além disso, sua nova unidade localiza-se ao lado do Aeroporto João Durval Carneiro, onde funciona um posto de abastecimento de combustível para aeronaves, com fluxo, naquela ocasião, de até sete aviões passando pelo local por dia. Com essa nova estrutura, a fábrica teve sua capacidade ampliada para fabricação de dez aeronaves por mês, em contraste com seus primeiros momentos, onde eram necessários cerca de seis meses para a produção de apenas uma aeronave. Atualmente a empresa possui capacidade produtiva para fabricação de 50 aeronaves, além da capacidade de prestação de serviços de manutenção de cerca de 40 aeronovaes/ano. O Mercado de Aeronaves Experimentais A década de 1990 foi marcada pela introdução de novos modelos de regulação da atividade econômica no Brasil. Foi a introdução do modelo de Agências Reguladoras que no caso da aviação aconteceu em 2005, com a criação da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) pela Lei nº A ANAC substituiu o Departamento de Aviação Civil (DAC) que foi um departamento integrante da estrutura administrativa do Ministério da Aeronáutica. Nesta nova configuração reguladora, a ANAC está vinculada à Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. Entre seus principais objetivos estão a observação e implantação das orientações, diretrizes e políticas estabelecidas pelo governo federal. Basicamente a atividade regulatória da ANAC pode ser dividida em duas: a regulação técnica e a regulação econômica. A regulação técnica cuida da garantia da segurança aos passageiros e usuários da Aviação Civil, por meio de regulamentos que tratam sobre a certificação e fiscalização da indústria. A regulação econômica cuida do monitoramento e possíveis intervenções no mercado, abrangendo as empresas aéreas e os operadores de aeródromos. O Ministério da Defesa, através do Comando da Aeronáutica e do Departamento de Aviação Civil aprovou o Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica nº 37 (RBHA 37), que regulamenta a construção de aeronaves por amadores, com formatação não convencional. Esta norma trata de todas as questões relativas às categorias de aeronaves experimentais e montadas por amadores. De acordo com a RBHA nº 37 temos as seguintes definições:

4 Aeronove Experimental: é toda aeronave não homologada, compreendendo as aeronaves em processo de homologação, à destinadas a pesquisa e desenvolvimento para fins de homologação e as aeronaves contruídas por amadores. Aeronave construída por amadores: é uma aeronave experimental cuja maior parte foi contruída e montada por pessoas que empreenderam a contrução somente para sua própria educação e recreação. Outro elemento importante a ser destacado, principalmente para o leigo, é sobre o entendimento do que seja a categoria experimental. A RBHA nº 37 também esclarece seus tipos e as nomenclaturas de identificação dos mesmos: Tabela 1 Classificação e número de aeronaves Tipo Classe Tipo ICAO Número de Aeronaves Aviões e motoplanadores Várias ZZZZ 765 Aviões ultraleves autopropulsados Várias ULAC 3661 Anfíbios e Seaplanes A1P/A2P/S1P ZZZZ/ULAC 85 Balões L00 BALL 184 Dirigíveis L00 E L2P SHIP 0 Girocópteros G1P ZZZZ/ULAC 13 Helicópetero H1P ZZZZ/ULAC 6 Fonte: ANAC, 2012 Apesar do desconhecimento do grande público é significativo o tamanho e crescimento deste mercado no Brasil. Pode-se perceber nos dados da tabela 2 que a taxa de crescimento deste tipo de aeronave é maior do que as aeronaves consideradas convencionais (não experimentais). Tabela 2 Evolução Estatística da Frota por Categoria CATEGORIA DE REGISTRO Total Aeronaves Registradas Total (sem PET/PEX) Distribuição por categoria de registro Experimentais (PET/PEX) Privado (TPP) Transporte Público Não-Regular - Táxi Aéreo (TPX) Transporte Aéreo Público Regular, Doméstico ou Internacional (TPR) Instrução privada (PRI) Outras categorias Variação anual Total 5,53% 5,77% 6,55% 7,93% 5,66% 4,52% Experimentais (PET/PEX) 9,30% 6,78% 7,62% 10,44% 6,17% 4,38% Privado (TPP) 4,87% 6,50% 8,40% 8,37% 5,87% 5,16% Transporte Público Não-Regular - Táxi Aéreo (TPX) 4,75% 2,57% 1,39% 1,95% 0,77% -0,25% Transporte Aéreo Público Regular, Doméstico ou Internacional (TPR) 12,93% 8,97% 8,76% 7,25% 1,95% 0,88% Instrução privada (PRI) 0,15% 1,46% 1,44% 6,26% 11,58% 8,28% Fonte: Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) Estatísticas Aeronoves Legenda: PET Privada Experimental; PEX Pública Experimental O crescimento da categoria experimentais cresceu em média no período em torno de 7,45%. Porém é visível que nos dois últimos anos há um descréscimo de seu crescimento, sinalizando que o mercado interno começa a emanar sinais de enfraquecimento deste mercado no curto prazo. Em relação à distribuição de registro deste tipo de aeronaves o gráfico 1, percebe-se que a região sudeste representa cerca de metade do mercado. Destacando-se o estado de São Paulo com 33,45% de participação de registros.

5 Gráfico 1 Participação de Registro de Aeronaves por Estado Fonte: ANAC, No tocante a competição deste tipo de mercado há um grande número de competidores. Sendo que estes se dividem entre aqueles que apenas montam produtos importados de outros fabricantes e aqueles que além de montar kits importados, também fabricam os seus próprios projetos. De acordo com dados da ANAC foram registradas 220 aeronaves experimentais, sendo que 120 da categoria ICAO ZZZZ e 100 da categoria ICAO ULAC. A participação de registros por fabricantes está exposta na tabela 3. Tabela 3 Número de Aeronoves Registradas por Fabricantes FLYER EDRA INPAER AEROBRAVO PARADISE TRIKE AEROALCOOL Outros Total ZZZZ ULAC Total % total 20,45 11,36 7,27 6,82 5,91 4,09 2,73 41,36 Fonte: ANAC, Pode-se perceber que a empresa que tem maior participação desse mercado possui 20,45%. O mercado conta com muitas outras empresas que registram entre 2 a 3 aeronovaes por ano e são pouco representantivas. Vale a pena destacar que o banco de dados de registro dessas aeronaves possui registro de nomes de pessoa física, mas que sabidamente foram montadas em dessas fábricas da tabela 3, desta forma os números da tabela funcionam como uma boa estimativa. Vale acrescentar que entre as 25 aeronaves registradas pela EDRA, 10 delas são da categoria Seaplane. Em relação as principais empresas, as três primeiras colocadas possuem suas instalações no interior de São Paulo. A Aerobravo possui sede em Belo Horizonte MG. A Trike atua num mercado que para o leigo é reconhecido com ultraleves e não aviões, mas por estarem na mesma classificação aparecem no ranking. Portanto, a Paradise é a única das principais empresas do setor que está localizada fora do grande mercado do Suldeste. O que notadamente implica em algumas dificuldades quanto ao acesso de mão de obra qualificada, fornecedores especializados e proximidade com o maior mercado do país. Certificações Um dos organismos que servem como referência internacional no processo de certificações das aeronoves experimentais é a Federal Aviation Administration (FAA) dos EUA. Além desse órgão há uma outra entidade americana também importante no controle de

6 qualidade dos métodos e materiais usados para construção dessas aeronaves, American Society for Testing and Materials (ASTM). No Brasil, cabe a ANAC, o papel orientador e regulador da atividade. Desta forma a Paradise também segue os padrões construtivos da ANAC. Sendo que esta entidade certificou a Paradise com o Certificado de Autorização para Fabricação de Conjuntos (CAFC), atestando que a empresa apresenta um manual de controle de qualidade e aplicabilidade, apto ao acompanhamento dos processos produtivos e capaz de proporcionar maior segurança ao produto final, dando maior segurança ao usuário. A Paradise, conseguiu a certificação a aeronave Paradise P1 na FAA em 2007, enquadrando-a na categoria Light Sport Aircraft (LSA). Isso permitiu que essa aeronave fosse vendida nos EUA para escolas de pilotagem, profissionais liberais, fazendeiros, empresários e amantes da aviação em geral. A Paradise também conseguiu a convalidação da certificação na Austrália e na África do Sul. Atualmente, a empresa está fazendo a convalidação dessas certificações no Brasil. Produtos A Paradise possui duas linhas de produção de aeronaves: a linha de montagem e a linha de fabricação própria. Na linha de montagem, a empresa importa dos Estados Unidos os Kits de peças prontas, e realiza apenas a montagem na fábrica Paradise. Trata-se de aviões de asa baixa, que atingem uma velocidade média de 300km/h. Os modelos montados são: RV7, RV9 e RV10 (ver anexo). Curiosamente, o RV7 é um avião semi acrobático e o RV10 tem maior autonomia. A linha principal é a de fabricação própria da Paradise, com os seguintes modelos: Paradise P1 SLSA, Paradise P1 Special, Paradise P1 Executive, Paradise P2-S, Paradise P4, Paradise Eagle (ver anexo). Apesar do processo de dobre, corte, solda e montagem ser feito em Feira de Santana, grande parte dos itens de fabricação são importador, destaque para moteres e as peças mais complexas de aviação denominas de avionics. A seguir, serão detalhadas algumas informações a respeito dessa linha de fabricação, ressaltando que todas elas são monomotores. Paradise P1 SLSA, Special e Executive O P1, sucesso de vendas e carro-chefe da empresa, é um ultraleve avançado com autonomia de 7 horas e meia de vôo, com reserva, dando um alcance médio de 1500 km e velocidade média de 200km/h. É um avião de asa alta, com motor austríaco Rotax de 80 ou 100 HP. O processo de fabricação de chapeamento e estrutura é todo feito em tubo polimilênio e chapa aeronáutica. Em função do seu perfil de asa, desenvolvido pela NASA, essa aeronave possui uma estabilidade excepcional, proporcionando ao piloto um vôo confortável, sem necessidade de constantes correções durante o vôo de cruzeiro. Além disso, essa aeronave proporciona pousos curtos e mais seguros em razão de sua baixa velocidade de stoll, o que faz desse avião uma excelente opção para instrução e pousos em pistas curtas. O designer da aeronave é moderno, com formas arredondadas, aerodinâmicas, fazendo essa aeronave bastante atrativa aos interessados por aviação. Internamente, o avião é todo em couro, o que forma um conjunto bastante sedutor para seu público. O fator de segurança do P- 1 que sempre tem ocupado um lugar de destaque no quadro da Paradise, passou a um patamar praticamente fora daquele ocupado por aeronaves experimentais e equivalente ao das aeronaves convencionais. Paradise P2-S

7 O Paradise P2-S surge da necessidade de dar mais velocidade ao ultraleve avançado de asa alta e utilizar uma motorização diferenciada, com mais potência, utilizando um motor consagrado na aviação mundial, que são os motores Lycoming de 160 HP, com autonomia de 7 horas de vôo e velocidade média de 230 km/h. Os tanques, localizados nas asas totalizam 230 litros, com reserva, proporciona um alcance de Km. É uma aeronave que dispõe de todo luxo interno, desde bancos reclináveis, portas com descanso de braço, console central com disposição de manetes e apoio para o braço e flap elétrico. O teto e o revestimento lateral são em fibras moldadas, revestidos em couro, resultando numa aeronave visualmente harmônica. Importante destacar que a operação de vôo pode ser realizada em qualquer pista, devido ao fato de precisar de pouco espaço para pousos e decolagens. Paradise P4 O Paradise P4 surge em 2006, tentando suprir uma carência do mercado brasileiro de uma aeronave experimental para quatro passageiros, com uma motorização mais potente e com a mesma segurança, procedimentos e padrões construtivos de aeronaves homologadas, como é o caso do modelo Paradise P1. Como uma excelente opção, em razão de seu custobenefício, esta aeronave conta com uma autonomia de aproximadamente 6 horas de vôo, seus tanques possuem capacidade para 230 litros, com reserva, proporcionando um alcance de km, com velocidade média de 225km/h. Esta aeronave dispõe de todo luxo interno que uma aeronave desse porte pode oferecer, e semelhante ao Paradise P2-S, sua operação de vôo pode ser realizada em qualquer tipo de pista, pela robustez e pelo fato de precisar de pouco espaço para pousos e decolagens. Paradise Eagle Trata-se de uma aeronave LSA com asa baixa. Com designer futurista, o Paradise Eagle possui autonomia de 7 horas e meia de vôo. Seus tanques possuem capacidade de 150 litros, proporcionando um alcance em torno de km com uma velocidade média de aproximadamente 200km/h. A aeronave possui um excelente conforto, com isolamento acústico e bancos de couro em seu acabamento interno. A aeronave proporciona ao piloto a sensação de liberdade em razão de seu designer. Público-Alvo O perfil do comprador deste tipo de produto é formado em sua maioria por homens acima de 40 anos, geralmente profissionais liberais com considerável estabilidade financeira. Adquirem um avião para lazer, ou ainda, como meio de transporte, como é o caso de médicos e fazendeiros que utilizam no auxílio de suas atividades profissionais, dando maior agilidade e segurança em seus trajetos. Outro segmento importante são as escolas de aviação experimental. Inclusive, são praticados preços diferenciados para incentivo dessa comercialização. Além disso, o aluno dessa escola, é um cliente potencial em função de que o modelo da aeronave em que aprendem acaba se tornando uma importante influência em sua decisão de compra. O avião pode ser comprado via cartão BNDES, parcelado em 48 vezes. O bem não fica alienado ao cartão, também pode ser comprado por outras linhas de financiamento BNDES. Estratégias de Marketing

8 A empresa não possui um planejamento mercadológico formal, entretanto desenvolve algumas ações promocionais importantes. A empresa possui um website em que disponibiliza informações gerais sobre os seus produtos e formas de contato. Desenvolve algumas ações de comunicação em mídias especializadas como a Aero Magazine e Frequência Livre. Outro elemento promocional importante é a participação em feiras, exposições agraopecuária e outros eventos que contemplem uma certa concentração de aeronaves. Além desses esforços, a Paradise é bastante solicita e participa ativamente de boas chances de publicidade. Já participou de diversos programas de tv locais e nacionais. Força de Vendas As vendas são realizadas, em grande parte, por intermédio de representantes. Estes podem ser, tanto pessoas jurídicas, como pessoas físicas desde que sejam bem relacionadas. Nessa cadeia de distribuição, o representante se torna o elo entre a Paradise e seus clientes, sendo de sua responsabilidade fazer o pós-venda dando toda assistência necessária. Esse trabalho de vendas, passa em especial, pela formação de círculos de amizade, onde os clientes satisfeitos tornam-se importantes fontes de boca a boca, atraindo novos clientes para a empresa. As escolas de pilotagem também funcionam como representantes de vendas. No caso das escolas há um incentivo maior para uso das aeronaves, pois os alunos das escolas acabam se sentindo mais seguros comprando a aeronave em que eles aprenderam a voar. As vendas têm um caráter sazonal, sendo que há meses que são vendidas e produzidas entre oito e dez aviões. Assim, a Paradise fabrica e vende em torno de 50 aeronaves ao ano. Estas são comercializadas com valores que variam de R$ 200 mil a R$ 500 mil. Em geral, a demanda é maior que a oferta. Assim, a Paradise vende sob encomenda, não mantendo aeronaves em estoque. A entrega acontece num prazo de 60 a 70 dias. Experiência Internacional A primeira tentativa de entrar no mercado americano contou com a participação de um distribuidor local que fazia a parte das vendas. Entretanto, esta experiência foi encerrada pela crise econômica que fez com que a demanda americana despencasse.a Paradise chegou a exportar para os EUA, Austrálie e África do sul cerca de 19 aeronoves, sua maioria para o mercado americano, inclusive uma preparada para portadores de necessidades especiais. Além disso, o distribuidor não repassou os valores de duas aeronaves entregas. A prática era enviar o avião demontado em três grandes partes (corpo, asas e profundor) num contêiner. Pirmeiro enviavam o avião e recebiam quando o avião chegava lá. Era o próprio, senhor Noé, fundador da empresa, que se deslocava para terminar de montar lá que por sua vez era um processo muito simples. Desta forma incorriam despesas de transporte de pessoal para montagem do destino final. Desafios de Mercado A Paradise possui uma participação estimada em cerca de 6% num mercado que pode ser considerado pulverizado. De acordo com os dados levantados possui uma capacidade produtiva que atende ao seu mercado e que por conta disso, suas vendas são por encomenda. Ou seja, seu cliente tem que esperar por alguns meses para conseguir sua aeronave. Além da montagem e fabricação também presta serviços de manutenção. Está localizado numa região que representa 11% do mercado e dado a questões geográficas pode atender também com facilidade parte do norte e centro-oeste para os serviços de manutenção.

9 Como qualquer setor é natural haver a consolidação de mercados e um crescimento de competição, principalmente com altas taxas de crescimento. O seu fundador, apesar de avançados em seus mais de 70 anos, continua envolvido com o dia a dia da empresa, apesar de ser o seu neto, a pessoa a frente dos negócios. Como qualquer empresa familiar se chega o momento em que questões naturais de negócios surgem e cujas perguntas são cruciais para perpetuação da empresa. Quais seriam as principais alternativas de expansão de mercado da Paradise? Em decidindo por sua expansão apenas dentro do território nacional quais as estratégias? No caso de uma decisão por internacionalização quais as estratégias poderiam ser adotadas?

10 3 NOTAS DE ENSINO Resumo O presente caso traz uma realidade muito comum ao contexto da empresa familiar, a continuidade de um sonho e o processo de sucessão. Entretanto, o caso traz uma série de nuances e temas que podem ser explorados. Os autores do caso preferiram explorar a questão das possibilidades de expansão e experiência de internacionalização da empresa. Sendo este um elemento presente dentro das perspectivas de pequenas e médias empresa, independente de sua organização ser familiar, profissionalizada ou mista. O caso relata a trajetória empreendedora de um empresário apaixonado pelo ramo de aviação que inicia a realização de seu sonho com a abertura de sua empresa, a Paradise Indústria Aeronáutica, no ano de 2001 no sul da Bahia. Em pouco tempo a empresa transfere suas operações para outra cidade do interior baiano. Nesse interim consegue a homologação de seu primeiro projeto de aeronave (P1) junto Federal Aviation Administration (FAA) dos EUA. Além desse órgão, a Paradise também segue os padrões construtivos da ANAC. Sendo que esta entidade certificou a Paradise com o Certificado de Autorização para Fabricação de Conjuntos (CAFC). Contanto com um bom portifólio de produtos, a empresa se divide nas atividades de montagem de kits importados de aeronaves e na fabricação de seus próprios produtos. Ocupa uma posição intermediária no mercado nacional de aeronaves experimental e já passou por uma experiência de internacionalização mediante uso de um distribuidor local. Apesar do recente prejuízo há indícios que a empresa teve algum sucesso nessa empreitada. A empresa opera com seu limite de capacidade todo tomado, seja para a montagem e fabricação, seja para os serviços de manutenção. Não havendo espaço disponível para uma fácil expansão de atividades, não sem investimentos estruturais. Público-alvo: o texto pode ser aplicado em cursos de negócios de graduação e pósgraduação. Objetivos Educacionais Os objetivos educacionais aqui traçados podem ser completamente ou parcialmente atendidos com o caso. Fica a critério do professor usar casos adicionais para alcançar os objetivos aprendizados em sua disciplina/curso. A sugestão aqui apresentada se baseia na taxonomia de Bloom como elemento orientador dos objetivos educacionais. Quadro 1 Objetivos Educacionais e Sugestões de Uso e Conteúdos Estágio Objetivo Educacional Uso Conteúdo Conhecimento Lembrança Exemplo Processo de Internacionalização Canais de Marketing Compreensão Entendimento Exemplo Processo de Internacionalização Canais de Marketing Aplicação Ponto especifico e princípios gerais Ao final do capitulo de um livro Processo de Internacionalização Canais de Marketing Diferenças entre o marketing B2B e B2C Análise Trabalhando com informação Ao final do capitulo ou integrado Processo de Internacionalização Canais de Marketing Expansão de Mercado Coopetição Síntese Construindo uma Resolução de Processo de Internacionalização

11 Avaliação analise para criar uma nova perspectiva Julgamento; desenvolvimento de um critério para julgamento das sugestões criadas problemas Aprendendo como aprender Fonte: Adaptado de Naumes e Naumes, Canais de Marketing Expansão de Mercado Coopetição Processo de Internacionalização Canais de Marketing Expansão de Mercado Coopetição O desafio educacional do método do caso pode ser classificado em três dimensões, a saber: analítica, conceitual e de apresentação. Cada dimensão é composta por três subdimensões formando assim uma matriz com 27 (3 x 3 x 3) possibilidades de níveis de dificuldade de casos. Tal matriz também é denominada de cubo de dificuldade dado a idéia tridimensional da matriz (três dimensões de dificuldade) (MAUFFETTE-LEENDERS, ERSKINE e LEENDERS, 2007). No caso Paradise a dimensão de apresentação do caso pode ser considerada de nível 1 já que as informações estão bem organizadas no texto. Geralmente o uso de casos ocorre após a explicação ou apresentação dos conceitos, teorias ou ferramentas. Esta fase prévia pode ocorrer através de aulas expositivas, leituras ou conjunto das mesmas. Dois itens são fundamentais para determinação do nível de dificuldade conceitual. O primeiro diz respeito ao número de teorias, conceitos, ferramentas ou técnicas envolvidas na análise do caso. O segundo aspecto diz respeito ao nível de dificuldade em si do referencial teórico envolvido para análise do caso. A sugestão dos autores e seu nível de dificuldade estão apresetados no quadro 2 Quadro 2 Dificuldade Conceitual Grau de dificuldade conceitual Descrição Uma ou mais teorias, conceitos ou ferramentas de simples entendimento e/ou aplicação. Uma ou mais teorias, conceitos ou ferramentas que apresentam um nível moderado de dificuldade de entendimento. Complexo conjunto de teorias, conceitos ou ferramentas que necessitam de suporte pedagógico prévio e considerável tempo de dedicação dos alunos. Fonte: proposta dos autores Conceitos e Teorias Processo de Internacionalização ou Canais de Marketing Processo de Internacionalização Canais de Marketing combinado Processo de Internacionalização Canais de Marketing Expansão de Mercado Coopetição Finalmente a dificuldade analítica depende do nível de exposição das informações referentes ao processo de decisão (ou do problema em questão) e a escolha das teorias, conceitos, ferramentas ou técnicas podem ser usadas no entendimento ou resolução da situação. Aqui cabe um alerta, como o mercado do caso é de desconhecimento da maior parcela dos leitores, provavelmente será necessário de parte dos alunos uma investigação maior sobre os produtos, empresas e funcionamento do setor. Mesmo sendo apresentado no caso dados estatísticos e informações sobre produtos e concorrentes. Dessa maneira consideramos o caso como uma dificuldade moderada uma vez que as questões-chave estão explícitas, porém cabem aos alunos elaborar alternativas, apresentar critérios de decisão, tomar decisão e elaborar plano de ação. Questões Sugeridas para Discussão

12 Opção pelo Processo de Expansão do Mercado Que estratégias a empresa deve adotar para expandir seu mercado? Que opções seriam mais interessantes para expandir a capacidade produtiva? Destacando possíveis ganhos e riscos. Opção pelo Processo de Internacionalização Buscar esse mercado antes ou depois de explorar melhor o mercado interno? Em caso de busca do mercado externo que estratégias possíveis buscar para o processo de internacionalização? Quais questões de aprendizado a empresa pode tirar de sua primeira tentativa de internacionalização? Plano de Aula Sugerido Preparação prévia Prospecção de Dados do Mercado como se trata de um mercado desconhecimdo para a maioria do público esta é uma ótima oportunidade para discutir com os alunos os caminhos de pesquisa de dados e informações sobre o desafio do caso. 30 a 50 minutos Opção alternativa: estimulá-los numa busca de informações e compilação de dados em formato de gincana é uma opção interessante (espaço, tempo e recursos limitados). 2 horas Apresentação de conceitos introdutórios do processo de internacionalização e do marketing B2B. Na temática de marketing dar foco principalmente no tema canais e sua ligação com as alternativas de internacionalização minutos. Discussão do caso Dicas O mercado e a concorrência 30 minutos Diagnóstico da empresa 30 minutos Diagnóstico da maturidade de marketing 20 minutos Diagnóstico da experiência de internacionalização 20 minutos Discussão de alternativas estratégicas e critérios de decisão 40 minutos Discussão do plano de ação 30 minutos A proposta de discussão do caso sugerido envolve 2 temas que podem ser conujugados ou discutidos em separado, o que acarretaria diferentes focos. Outras alternativas de atividades é a solicitação dos alunos que apresentem estudos dos concorrentes e discutam as estratégias adotadas pelas empresas.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A.

Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica Especial n o 92A RBHA-E 92A. Este RBHA-E deve ser colocado junto ao RBHA 121 e revoga o RBHA-E 92 Este arquivo contém o texto do RBHA-E 92A no formato

Leia mais

Scoda aeronáutica, SuceSSora da edra aeronáutica 15

Scoda aeronáutica, SuceSSora da edra aeronáutica 15 Scoda Aeronáutica, SUCESSORA DA Edra Aeronáutica 15 INOVAR É FAZER. 22 CASOS EMPRESARIAIS DE INOVAÇÃO DE PEQUENAS, MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS 226 modelo de DESIGN BY CERTIFICATION para o DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE PROPOSIÇÃO DE UM PROGRAMA PARA FOMENTAR A ATIVIDADE DE CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AERONAVES DE PEQUENO PORTE NO BRASIL JUSTIFICATIVA

Leia mais

sistema de virtualizaçao de processos-vi 3r0c

sistema de virtualizaçao de processos-vi 3r0c sistema de virtualizaçao de processos-vi 3r0c V" n do processo: 5458369/2014 iioverno DO :stai>c do Ceará data:20/08/2014 hora:16:18 ORIGIA; PROCURADOR; A GERAL DO ESTADO ASSUNIC; LOTAÇÃO IMRJGNACAO OBSERVAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315

PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315 PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315 Reserva nº - Passo 1: Como reservar sua posição de entrega KRONOS 315. Com projeto de desenvolvimento e construção em

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

Apresentação de projetos na Bahiatursa

Apresentação de projetos na Bahiatursa Apresentação de projetos na Bahiatursa - Orientações - janeiro/2012 Apresentação A Bahiatursa, empresa oficial de turismo do Estado da Bahia, é vinculada à Secretaria de Turismo do Estado e tem como finalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação e remuneração de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD

Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD Mesas Temáticas Inovação e os Gargalos do Setor Equipamentos IVD Ref.: oct, 2012 Eliane Lustosa Labtest Diagnóstica SA 15 16 de abril de 2014 PERFIL DA EMPRESA LABTEST Fundada em 1971 Pioneira na produção

Leia mais

PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS

PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS Conheça as principais vantagens sobre o programa, informações sobre o mercado de trabalho, esclareça as suas dúvidas com as perguntas frequentes e confira o Edital.

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2

'(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2.,1752'8d 2 0,1,67e5,2'$$(521È87,&$ '(3$57$0(172'($9,$d 2&,9,/ 68%'(3$57$0(1727e&1,&2 6Ë0%2/2 '$7$ &$7(*25,$ ',675,%8,d 2,$& (;3(',d 2 ()(7,9$d 2 3130-121-1296 12/Dez/96 31/Dez/96 NOSER D - ET - X 7Ë78/2 352&(',0(1726

Leia mais

TÁXI AÉREO NO BRASIL

TÁXI AÉREO NO BRASIL TÁXI AÉREO NO BRASIL 1 TÁXI AÉREO NO BRASIL Número de empresas no Brasil : 177 ( ANAC) Frota: 510 aviões (monomotores, bimotores, turbo-hélices e jatos) 240 helicópteros (aeronaves leves, médias e de grande

Leia mais

Andressa Mundim Fontes

Andressa Mundim Fontes Andressa Mundim Fontes Marketing & Internacional Markets na Brasscom Consultoria de Marketing e Comunicação andressa_mundim@hotmail.com Resumo Graduada em Comunicação Social e em Relações Públicas pela

Leia mais

Demoiselle. Papel. Série: Formato... A4 Dificuldade... 03 Papel...120g/m² Por:

Demoiselle. Papel. Série: Formato... A4 Dificuldade... 03 Papel...120g/m² Por: Papel MOD Nº A02 - Mar.2007 - Papel Modelismo - 1/25 Série: Aviões do Brasil Modelo Grátis Formato... A4 Dificuldade... 03 Papel...0g/m² Por: ano 1908 0 1 2 3 4 5 cm Modelo de Papel: Série: Tipo: Alberto

Leia mais

www.nsclogistica.com.br

www.nsclogistica.com.br www.nsclogistica.com.br A Missão, Visão Valores Infra-Estrutura Nossa Frota Soluções Gris A A NSC logística atua no segmento de logística de telecomunicações desde 1988, estrategicamente situada as margens

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO À CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AVIÕES DE PEQUENO PORTE. ibr2020

PROGRAMA DE FOMENTO À CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AVIÕES DE PEQUENO PORTE. ibr2020 PROGRAMA DE FOMENTO À CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AVIÕES DE PEQUENO PORTE ibr2020 Anexo à Resolução nº 345, de 4 de novembro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 7 de novembro de 2014, Seção

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

Berçário de aviões. Yuri Vasconcelos

Berçário de aviões. Yuri Vasconcelos Berçário de aviões Yuri Vasconcelos 16 agosto DE 2015 capa Brasil tem cerca de 20 fábricas de pequenas aeronaves, que investem em inovações e na colaboração com universidades para crescer fotos léo ramos

Leia mais

Roteiro Aula 01 Saber Direito.

Roteiro Aula 01 Saber Direito. 1 Roteiro Aula 01 Saber Direito. O Direito aeronáutico Internacional, segundo Rodriguez Jurado: é o conjunto de princípios e normas de direito público e privado, de ordem interna e internacional, que regem

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Mercado de locadoras. Equipamentos leves para construção. Resp.: Vanderlei Florenzano

PESQUISA DE MERCADO. Mercado de locadoras. Equipamentos leves para construção. Resp.: Vanderlei Florenzano PESQUISA DE MERCADO Mercado de locadoras Equipamentos leves para construção Resp.: Vanderlei Florenzano AMBIENTE MERCADOLÓGICO Ambiente Mercadológico do mercado de locadoras de equipamentos para construção

Leia mais

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 1 1 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

Descritivo de Curso Pós-graduação

Descritivo de Curso Pós-graduação Descritivo de Curso Pós-graduação MBA Executivo em Gestão de Projetos Feira de Santana 2011 SENAI Serviço Nacional De Aprendizagem Industrial Departamento Regional da Bahia Rua Edístio Pondé, 342, STIEP

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CÓDIGO MATRIZ CURRICULAR: 109P1NB PLANO DE DISCIPLINA ANO LETIVO: 2011 2º SEMESTRE DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO DISC

Leia mais

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais.

BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. PORTUGUÊS BELL 206L4 Conceituado helicóptero capaz de realizar multi-missões com baixos custos operacionais. CORPORATIVO ENERGIA O Bell 206L4 foi projetado para ser o local de trabalho em voo ideal. Ele

Leia mais

A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA

A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA Central de Cases A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA www.espm.br/centraldecases Central de Cases A OPORTUNIDADE E A ESTRATÉGIA Preparado pelo Prof. Ricardo D Alò de Oliveira, da ESPM-RS. Recomendado para as

Leia mais

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA Relatório de Estágio São Paulo, 26 de agosto de 2011 Aluna: Michelle Moreira FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio Curricular

Leia mais

MBA em Gestão do Entretenimento

MBA em Gestão do Entretenimento MBA em Gestão do Entretenimento Entertainment Business Management Início em 25 de setembro de 2015 Aulas as quarta e sexta, das 7h às 9h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR

A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR A INDÚSTRIA BRASILEIRA E AS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR Prefácio As indústrias estão deixando de

Leia mais

ANEXO À PORTARIA Nº 2975, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. AGENDA REGULATÓRIA DA ANAC PARA O BIÊNIO 2015-2016

ANEXO À PORTARIA Nº 2975, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. AGENDA REGULATÓRIA DA ANAC PARA O BIÊNIO 2015-2016 ANEXO À PORTARIA Nº 2975, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014. AGENDA REGULATÓRIA DA ANAC PARA O BIÊNIO 2015-2016 de Tema Certificação basea em performance para organizações de projeto de aeronaves. Atualização

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAMPA Florida - EUA

UNIVERSIDADE DE TAMPA Florida - EUA -------------------------------------------------------- MBA EXECUTIVO INTERNACIONAL UNIVERSIDADE DE TAMPA Florida - EUA -------------------------------------------------------- 2010 A FUNDAÇÃO GETULIO

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional A EMPRESA Criada para atender à crescente demanda global de compra, venda, troca e manutenção de aeronaves, de forma responsável, ágil e integrada, a Global Aircraft atua nas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

O papel dos governos nacionais na promoção da integração na América do Sul Bruno Dalcolmo Superintendente de Relações Internacionais

O papel dos governos nacionais na promoção da integração na América do Sul Bruno Dalcolmo Superintendente de Relações Internacionais O papel dos governos nacionais na promoção da integração na América do Sul Bruno Dalcolmo Superintendente de Relações Internacionais Oficina sobre Integração Aérea 10 a 11 de setembro de 2014 Rio de Janeiro

Leia mais

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos -

COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM CONFIABILIDADE? Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - COMO MANTER AERONAVES VOANDO COM Eng. Luiz Fernando Salomão Gerente de Engenharia de Sistemas Fluído-Mecânicos - - A VEM - A VARIG ENGENHARIA E MANUTENÇÃO - VEM é uma empresa especializada em manutenção

Leia mais

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br

VIAJE LEGAL. www.viajelegal.turismo.gov.br Aqui você encontra dicas para viajar sem problemas. Afinal, uma viagem legal é aquela que traz boas recordações. Palavra do Ministro Prezado leitor, O turismo é uma atividade que envolve expectativas e

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 1. APRESENTAÇÃO: A Universidade Salvador UNIFACS torna público o seu Programa de Empreendedorismo desenvolvido pela Incubadora de Negócios da Unifacs como um instrumento de

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO Para o empresário do agronegócio, investir em uma aeronave particular, com características versáteis, representa economia de tempo e dinheiro Líder Aviação expõe avião Baron

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

Programa Intensivo de Educação Executiva

Programa Intensivo de Educação Executiva Programa Intensivo de Educação Executiva l A ESPM sabe que a formação de executivos é um processo contínuo e cada vez mais amplo. Por isso, o Sistema de Educação Continuada foi criado para oferecer a profissionais

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO. INDICADORES 2009 e 1º SEMESTRE 2010

ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO. INDICADORES 2009 e 1º SEMESTRE 2010 ABEMD ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MARKETING DIRETO INDICADORES 2009 e 1º SEMESTRE 2010 1 Outubro de 2010 AGRADECEMOS AOS CORREIOS POR VIABILIZAR ESTE ESTUDO 2 APOIO TECNOLÓGICO 3 INDICE Objetivo Metodologia

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/59. Foto: Stock.Schng 2/59 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/59 Foto: Stock.Schng

Leia mais

Informações: Inscrições no site até 30/08/2015. Início das Aulas: 02/09/2015. Dias e horários das aulas: Quartas e Quintas-feiras das 19h00 às 22h50

Informações: Inscrições no site até 30/08/2015. Início das Aulas: 02/09/2015. Dias e horários das aulas: Quartas e Quintas-feiras das 19h00 às 22h50 MBA Marketing Informações: Inscrições no site até 30/08/2015 Início das Aulas: 02/09/2015 Dias e horários das aulas: Quartas e Quintas-feiras das 19h00 às 22h50 Carga horária: 600 Horas O curso tem duração

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO FUMEC 2014, SEGUNDO SEMESTRE

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO FUMEC 2014, SEGUNDO SEMESTRE EDITAL DO PROCESSO SELETIVO FUMEC 2014, SEGUNDO SEMESTRE A Universidade FUMEC faz saber aos interessados, por meio do presente Edital, as normas de realização do Processo Seletivo 2014, segundo semestre,

Leia mais

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD)

5 Conclusões. Estratégias Café Verde. peneiras) peneiras) cereja descascado) - certificação orgânica internacional (IBD) 5 Conclusões A partir do objetivo principal deste estudo, que buscava identificar as estratégias de marketing adotadas pela empresas Alfa e Beta para comercializar o seu produto no exterior, bem como os

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO EM MARKETING DE SERVIÇOS E SOCIAL

Curso de Especialização em GESTÃO EM MARKETING DE SERVIÇOS E SOCIAL Curso de Especialização em GESTÃO EM MARKETING DE SERVIÇOS E SOCIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Gestão. Marketing. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em GESTÃO EM MARKETING DE SERVIÇOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO Processo nº: 00058.024009/2014-54 Unidade Responsável GCON/SRE (Sigla): Assunto do normativo: Regulamentar a aferição dos Indicadores de Qualidade

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 137.201-001 Revisão B Aprovado por: Portaria nº 69, de 10 de janeiro de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 11 de janeiro de 2013, Seção 1, página 2. Assunto:

Leia mais

V ENCONTRO DE TECNOLOGIA Período: 21, 22 E 23/ 10 /2014 AGENDA

V ENCONTRO DE TECNOLOGIA Período: 21, 22 E 23/ 10 /2014 AGENDA V ENCONTRO DE TECNOLOGIA Período: 21, 22 E 23/ 10 /2014 AGENDA 21/10/14 08H30 Prof. Dr. Lincoln Nogueira Marcellos Solenidade de abertura Diretor da Fatec Ipiranga 21/10/14 09H00 Leandro Silva Queiroz

Leia mais

Manutenção de aeronaves mercado e regulação no Brasil. 2º fórum de: Patrocínio. Apoio. 22 de Outubro de 2015 - Sorocaba - SP.

Manutenção de aeronaves mercado e regulação no Brasil. 2º fórum de: Patrocínio. Apoio. 22 de Outubro de 2015 - Sorocaba - SP. 2º fórum de: Manutenção de aeronaves mercado e regulação no Brasil Patrocínio PBUSINESS PARTNERS INSTITUTE i 22 de Outubro de 2015 - Sorocaba - SP Apoio Oficial Apoio Informações e inscrições 11 50961420

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

Mercado projeta crescimento sólido

Mercado projeta crescimento sólido Indicadores Mercado projeta crescimento sólido Receitas de serviços de Marketing Direto em 2009 atingem R$ 21,7 bilhões e crescem 11,3% com relação ao ano anterior. Projeção do mercado é de evolução de

Leia mais