Humano-Computador (IHC)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Humano-Computador (IHC)"

Transcrição

1 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza O Método M de Inspeção Semiótica (MIS) 2/2 26/04/2010

2 2 O MIS vai EXPLICITAR a mensagem DO DESIGNER Eis a minha visão de quem você é Usuário do Sistema Designer de IHC Sistema: Representante do designer durante a interação

3 3 O teor da mensagem de metacomunicação Eis a minha visão de quem você é, o que aprendi que você deseja ou precisa fazer, de que formas preferenciais e por quê. Este é o sistema que conseqüentemente entemente elaborei para você, e esta é a forma como você pode ou deve usá-lo para realizar um conjunto de objetivos que se enquadram nesta visão. Qual a diferença face ao UCD? Há CONFLITO?

4 4 O MIS analisa a EMISSÃO da mensagem de metacomunicação. Ou seja, ele foca a maneira como o designer está EXPRESSANDO o que ele tem a dizer. Há um outro método m de Engenharia Semiótica, chamado Método de Avaliação de Comunicabilidade,, que foca a maneira como o usuário está INTERPRETANDO (ou reagindo a) esta mensagem do designer.

5 5 Uma análise de signos estáticos, ticos, dinâmicos e metalinguísticos Estáticos ticos Signos que comunicam o seu significado integral em telas fixas (estáticas) do sistema. Dinâmicos Signos que comunicam o seu significado integral em seqüências de telas ou com o tempo (dinamicamente). Estaticamente não comunicam todo seu significado. Signo Dinâmico (cursor piscando): Comunica digite seu (c) texto SERG, 2010 aqui. Metalinguísticos Signos estáticos ou dinâmicos que explicam ou ilustram outros signos estáticos e dinâmicos. Signo Metalinguístico Dinâmico (desaparece com o tempo) : Comunica isto quer dizer Print Preview. Signo Estático: Comunica parágrafo alinhado à esquerda.

6 6 MIS Preparação e Etapas Centrais do MétodoM Meta-comunicação Designer-usuário (signos meta-lingüísticos) Comparação e Contraste entre P R E P A R A Ç Ã O Help e Documen - tação Meta-comunicação Designer-usuário (signos estáticos) Meta-comunicação Designer-usuário (signos dinâmicos) e Apreciação da qualidade da meta-mensagem

7 7 Exercício cio-exemplo: MIS com o AVI Trimmer

8 8 Preparação Preliminar 1 PREPARAÇÃO Escolha de um FOCO: que porção do artefato vai ser inspecionada e por quê? O programa têm poucas funcionalidades: vamos analisar a porção que permite ao usuário fazer um clip (ie. extrair um pedaço) de um filme AVI que ele já tenha gravado. Por quê? Para exercitar uma análise de comunicabilidade usando o Método de Inspeção Semiótica.

9 9 Preparação Preliminar 2 PREPARAÇÃO (Cont.) Estudo do Artefato: o que é o artefato, para que serve, como funciona? Que vantagens oferece? Que documentação está disponível e onde? Qual as expectativas dos consumidores/clientes que o adquirem/utilizam? De onde vêm? Veja a página do artefato na Web Assista ao vídeo demonstrando como o AVI Trimmer Funciona (demo-avi-trimming.avi e interface-portugues.avi) e confira os resultados das interações de cada um: demo-avi-trimming.avi clip-textpad.avi junta-segmentos-iuportugues.avi segmentos.avi Experimente usá-lo você mesmo. Depois de entender como funciona, siga para a última etapa de preparação.

10 10 Preparação Preliminar 3 PREPARAÇÃO (Cont.) Escolha de um Cenário rio: quem é o usuário pelo qual o avaliador está avaliando? Em que situação está, qual a sua motivação, seus recursos disponíveis, seu conhecimento? Tem obstáculos internos ou externos para usar o artefato? Quais e por quê? Como então ele se conduz? Alfredo é aluno de INF1403 e precisa preparar um relatório rio em CD para entregar na semana que vem. Ele tem de incluir clips que demonstrem problemas de IHC que ele observou durante uma sessão de uso do editore TextPad. Para isto, ele vai utilizar o AVI Trimmer, da Solveig. Ele nunca o utilizou antes, mas jáj sabe por colegas que é rápido de aprender e que o resultado dos clips é bom boa qualidade de vídeo v e mesma taxa de compressão razoável. Ele então baixa o programa e se põe direto a usá-lo, sem ler a documentação antes. DáD crédito a quem diz que o programa é fácil de aprender.

11 11 Análise segmentada dos signos Respeitando FOCO e CENÁRIO, Na etapa 1 tentamos preencher o template da metamensagem do designer, baseados SOMENTE em SIGNOS METALINGÜÍSTICOS. Na etapa 2 tentamos preencher o template da metamensagem do designer, baseados SOMENTE em SIGNOS ESTÁTICOS. Eis a minha visão de quem você é, o que aprendi que você deseja ou precisa fazer, de que formas preferenciais e por quê. Este é o sistema que conseqüentemente elaborei para você, e esta é a forma como você pode ou deve usá-lo para realizar um conjunto de objetivos que se enquadram nesta visão. Na etapa 3 tentamos preencher o template da metamensagem do designer, baseados SOMENTE em SIGNOS DINÂMICOS.

12 12 A cada etapa, preencha as partes relevantes do template 1. Quem é o usuário? 2. O que deseja fazer? 3. O que precisa fazer? [Pode ser o mesmo de 2, ou não.] 4. De que formas preferenciais? 5. Por quê? 6. Como o sistema pode/deve ser usado e para quais finalidades?

13 13 Comparação e contraste entre o que dizem os signos Respeitando FOCO e CENÁRIO, Na etapa 1 tentamos preencher o template da metamensagem do designer, baseados SOMENTE em SIGNOS METALINGÜÍSTICOS. Na etapa 2 tentamos preencher o template da metamensagem do designer, baseados SOMENTE em SIGNOS ESTÁTICOS. Na etapa 3 tentamos preencher o template da metamensagem do designer, baseados SOMENTE em SIGNOS DINÂMICOS. Eis a minha visão de quem você é, o que aprendi que você deseja ou precisa fazer, de que formas preferenciais e por quê. Este é o sistema que conseqüentemente elaborei para você, e esta é a forma como você pode ou deve usá-lo para realizar um conjunto de objetivos que se enquadram nesta visão. Na etapa 4, fazemos uma comparação para ver se os signos sempre comunicam conteúdos consistentes uns com os outros, e consistentes com as expectativas e necessidades do usuário pelo qual advogamos.

14 14 Perguntas de auxílio na análise da comunicação 1 O usuário que represento poderia ter interpretações diferentes das esperadas pelo designer para os signos metalingüísticos, estáticos e dinâmicos que analisei? Quais? Por quê? 2 Tais interpretações são plausíveis? Prováveis? 3 Ainda que diferentes, tais interpretações são consistentes com a intenção de design? O usuário conseguiria captar a essência da mensagem do desigern ainda assim? 4 Posso identificar padrões e classes de signos, que sistematicamente comunicam um mesmo tipo de conteúdo? Há algo de comum na forma, ou nos contextos de ocorrência destes signos? 5 Se não há exatamente uma SISTEMATICIDADE na correspondência entre formas, conteúdos e contextos de ocorrências de signos, isto pode confundir o usuário? Há cenários e justificativas para apoiar uma resposta positiva? 6 O usuário que represento teria facilidade em aprender e em usar esta linguagem de signos de interfaces (c) SERG, para 2010 interagir com o sistema? Se não, por quê?

15 15 Conclusão da Inspeção: Qualidade da Comunicação Relatório devidamente documentado contendo: Uma breve descrição do método (MIS) Uma definição e justificativa do foco e cenário de inspeção Uma apreciação geral da comunicabilidade do design de IHC O detalhamento dos pontos em que a comunicabilidade não está boa, identificando: Sintoma e ilustração do problema Explicação de como, quando e por que a comunicação pode estar falhando Uma recomendação de como melhorar a comunicação Anexos de Evidências Anexos de Evidências Imagens, filmes, trechos da ajuda online, do website do fabricante, etc. que demonstram pontos do relatório

Professora: Clarisse Sieckenius de Souza

Professora: Clarisse Sieckenius de Souza 1 INF1403 O Método M de Inspeção Semiótica (MIS) Professora: Clarisse Sieckenius de Souza 2 Caracterização de IHC A visão centrada na comunicação A idéia ia central de Engenharia Semiótica Os designers

Leia mais

Aplicação do Método M Exemplo: Bloco de Notas [Bim, 2009]

Aplicação do Método M Exemplo: Bloco de Notas [Bim, 2009] 1 Aplicação do Método M de Inspeção Semiótica (MIS) Exemplo: Bloco de Notas [Bim, 2009] Introdução a IHC 09/05/2013 2 MIS do Bloco de Notas - Etapa de Preparação (1/2) Porção do artefato inspecionada:

Leia mais

3 Sistemas de Monitoração

3 Sistemas de Monitoração 3 Sistemas de Monitoração Este capítulo apresenta o que são sistemas de monitoração, para que servem e quais são suas principais características. Na sequência, são apresentados, de forma geral, três sistemas

Leia mais

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Revisão para a P2 23/06/2010 Matéria da Prova Tudo o que não caiu na P1 1. Da aula do dia 05/05

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP Interação Humano-Computador Avaliação em IHC: Percurso Cognitivo www.inf.puc-rio.br/~inf1403 4 paradigmas para a avaliação de IHC 1. O rápido e rasteiro (que prima pela informalidade) 2. Os testes de usabilidade

Leia mais

CommEST Uma ferramenta de apoio ao método de Avaliação de Comunicabilidade

CommEST Uma ferramenta de apoio ao método de Avaliação de Comunicabilidade CommEST Uma ferramenta de apoio ao método de Avaliação de Comunicabilidade Luciana Cardoso de Castro Salgado, Clarisse Sieckenius de Souza Departamento de Informática / PUC-Rio SERG Semiotic Engineering

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE

UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE Juliano Ratusznei (BIC/UNICENTRO), Rodrigo Mattos Mengue (ICV/UNICENTRO), Lucélia de Souza (Orientadora Dep. de Ciência da Computação/UNICENTRO),

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Filmes e Discussões sobre a Experiência do Usuário com Software 10/Mar/2010 Nota: os filmes não

Leia mais

Engenharia Semiótica. Engenharia Cognitiva. Engenharia Cognitiva [Norman, 1986] Engenharia Semiótica [de Souza, 1993, 2005] Interface?

Engenharia Semiótica. Engenharia Cognitiva. Engenharia Cognitiva [Norman, 1986] Engenharia Semiótica [de Souza, 1993, 2005] Interface? Engenharia Cognitiva MODELO MENTAL DO SISTEMA: modelo de design MODELO MENTAL DO SISTEMA: modelo de uso contexto Elton José da Silva (UFOP) Milene Selbach (PUCRS) Ouro Preto- MG Março de 2012 imagem do

Leia mais

Teoria para IHC: Engenharia Semiótica

Teoria para IHC: Engenharia Semiótica Teoria para IHC: Engenharia Semiótica ERBASE EPOCA 2009 2010 Engenharia Semiótica: uma nova perspectiva A Engenharia Semiótica é uma abordagem para IHC na qual o design e a interação fazem parte de um

Leia mais

Introdução à Teoria e Prática da Interação Humano Computador fundamentada na Engenharia Semiótica

Introdução à Teoria e Prática da Interação Humano Computador fundamentada na Engenharia Semiótica Capítulo 6 Introdução à Teoria e Prática da Interação Humano Computador fundamentada na Engenharia Semiótica Raquel Oliveira Prates 1, Simone Diniz Junqueira Barbosa 2 Abstract The goal of this chapter

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 C 2 / 8 Fev e /20 2 1 0 1

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 C 2 / 8 Fev e /20 2 1 0 1 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WC Professor: Alberto Barbosa Raposo Interface e interação Qualidade da Experiência do Usuário Usabilidade, comunicabilidade, acessibilidade

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Modelagem de Interação

Modelagem de Interação 1 Modelagem de Interação Turma 3WA: Profa Clarisse de Souza Aula 16: 23/05/2012 Um cenário simples para pensar Aplicação: MS Word Função: Gravação e Uso de Macros Cenário em questão: Um usuário avançado

Leia mais

Prova 2. Olá! Meu nome é João. Sou professor da Universidade X. Eu queria de te dar os parabéns pelo seu trabalho. Gostei muito dele.

Prova 2. Olá! Meu nome é João. Sou professor da Universidade X. Eu queria de te dar os parabéns pelo seu trabalho. Gostei muito dele. INF1303 Introdução a Interação Humano-Computador Turma: 3VB, das 19 até 21 horas Professor: Bruno Santana da Silva Data: 09/05/2006 Aluno: Matrícula: Prova 2 Cenário da Prova: Site da SBC Suponha que você

Leia mais

I F N 1 F 4 1 0 4 3 0 3 In I t n r t o r d o u d ç u ã ç o ã o a a I n I t n e t r e a r ç a ã ç o ã

I F N 1 F 4 1 0 4 3 0 3 In I t n r t o r d o u d ç u ã ç o ã o a a I n I t n e t r e a r ç a ã ç o ã 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Interface e interação Qualidade da Experiência do Usuário Usabilidade, comunicabilidade, acessibilidade

Leia mais

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012 Clodis Milene Raquel Sílvia Simone 1 abril a junho de 2013 75 respondentes válidos cursos: graduação pós-graduação stricto sensu pós-graduação lato sensu avulsos

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

3 O Papel do Sistema de Ajuda na Teoria de Engenharia Semiótica

3 O Papel do Sistema de Ajuda na Teoria de Engenharia Semiótica 3 O Papel do Sistema de Ajuda na Teoria de Engenharia Semiótica A Engenharia Semiótica considera a interface de uma aplicação como uma mensagem do designer para o usuário (figura 3.1), representando a

Leia mais

Análise de um Ambiente de Apoio a Comunidades de Prática Utilizando o Método de Inspeção Semiótica

Análise de um Ambiente de Apoio a Comunidades de Prática Utilizando o Método de Inspeção Semiótica ISSN 0103-9741 Monografias em Ciência da Computação n 06/08 Análise de um Ambiente de Apoio a Comunidades de Prática Utilizando o Método de Inspeção Semiótica Francisco José Zamith Guimarães Clarisse Sieckenius

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Avaliação de Interfaces: Aplicação de método de comunicabilidade no ambiente amadeus

Avaliação de Interfaces: Aplicação de método de comunicabilidade no ambiente amadeus Avaliação de Interfaces: Aplicação de método de comunicabilidade no ambiente amadeus Jakeline Soares de Lima Josefa Marciele Ferreira do Ariane Nunes Rodrigues Victor Afonso dos Santos jakelline29@gmail.com

Leia mais

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Objetivos - por que avaliar? Critérios - o que avaliar? Métodos e técnicas - como avaliar? Forma - quando e onde avaliar?

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Design de IHC: Cenários de Projeto

Design de IHC: Cenários de Projeto 1 Design de IHC: de Projeto Aula 14 09/05/2012 2 Da aula passada: 1. Definição dos Grupos de Trabalho Quais são? 2. Visita ao Portal da Prefeitura do Rio de Janeiro 3. Levantamento Informal de questões

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

ArcSoft Total Media. HDCam 2.0

ArcSoft Total Media. HDCam 2.0 ArcSoft Total Media HDCam 2.0 1 Introdução Guia de Início Rápido O ArcSoft Total Media HDCam é um software de área de trabalho que combina gerenciamento de mídia e capacidades de reprodução. Gerenciamento

Leia mais

Chamados via web. Objetivos. Funcionamento. Índice TI HERMES PARDINI, MANUAL DO USUÁRIO. 1 Objetivos. [pag 1] 2 Funcionamento.

Chamados via web. Objetivos. Funcionamento. Índice TI HERMES PARDINI, MANUAL DO USUÁRIO. 1 Objetivos. [pag 1] 2 Funcionamento. TI HERMES PARDINI, MANUAL DO USUÁRIO Chamados via web Objetivos Índice 1 Objetivos. [pag 1] 2 Funcionamento. [pag 1] 3 Como acessar. [pag 2] 4 Dúvidas?. [pag 2] 5 Expectativas. [pag 2] 6 Passo 1: Apresente

Leia mais

Projeto Final de Engenharia de Computação

Projeto Final de Engenharia de Computação Orientações para Desenvolvimento do Projeto Final de Engenharia de Computação compilado por: Noemi Rodriguez texto baseado em: Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final, de Simone Barbosa

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal

Manual de uso do RM Portal Acessando o portal Manual de uso do RM Portal Acessando o portal 1º) Deve-se abrir um browser de internet (Utilizar o Internet Explorer para uma melhor visualização do portal). Após o browser aberto, deve-se digitar o endereço

Leia mais

Avaliação de comunicabilidade do Moodle para usuários surdos e ouvintes

Avaliação de comunicabilidade do Moodle para usuários surdos e ouvintes Avaliação de comunicabilidade do Moodle para usuários surdos e ouvintes Letícia Capelão 1 Flávio Coutinho 2 Koji Pereira 3 Raquel Prates 2 leticiacapelao@gmail.com flavioro@dcc.ufmg.br kojieumesmo@gmail.com

Leia mais

Construção de Wiki para a MISTOOL, uma Ferramenta de Aplicação do Método de Inspeção Semiótica

Construção de Wiki para a MISTOOL, uma Ferramenta de Aplicação do Método de Inspeção Semiótica Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Construção de Wiki para a MISTOOL, uma Ferramenta de Aplicação do Método de

Leia mais

Processos de Design de IHC (Parte I)

Processos de Design de IHC (Parte I) Interface Homem/Máquina Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

USANDO PROJEÇÃO POTENTE

USANDO PROJEÇÃO POTENTE A P Ê N D I C E V I N T E C USANDO PROJEÇÃO POTENTE C-1 AVISO Leia a seguinte informação de antemão cuidadosamente, antes de iniciar a instalação do Software Power Cinema. 1. Para instalar o Software Power

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

PRINCIPAIS DICAS Escute o Mister Maker e siga o seu conselho e sugestões. cada atividade para mais detalhes.

PRINCIPAIS DICAS Escute o Mister Maker e siga o seu conselho e sugestões. cada atividade para mais detalhes. P2 Entertainment Guia de Início Rápido do Aplicativo Mister Maker: Vamos fazer Arte! PARA OS PAIS Mister Maker: Vamos fazer Arte! contém muitas características únicas e divertidas e permite que as crianças

Leia mais

Notícia de privacidade da Johnson Controls

Notícia de privacidade da Johnson Controls Notícia de privacidade da Johnson Controls A Johnson Controls, Inc. e companhias filiadas (coletivamente, Johnson Controls, nós ou nossa) respeitam sua privacidade e estão comprometidas em processar suas

Leia mais

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Pró-Reitoria de Educação a Distância Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Como acessar o ambiente 1. Entre no Ambiente Virtual de Aprendizagem localizado na página principal do Portal

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 01 - Conceitos Iniciais Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br Introdução Relembrando aspectos da Engenharia de Software Ciclo de Vida de um Software

Leia mais

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade Introdução M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade - Demo Esta parte é baseada no video em http://www.doit.wisc.edu/accessibility/video Liste os principais problemas

Leia mais

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova.

Vamos criar uma nova Página chamada Serviços. Clique em Adicionar Nova. 3.5 Páginas: Ao clicar em Páginas, são exibidas todas as páginas criadas para o Blog. No nosso exemplo já existirá uma página com o Título Página de Exemplo, criada quando o WorPress foi instalado. Ao

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Índice Manual MySuite

Índice Manual MySuite Manual do Cliente Índice Manual MySuite 1) Introdução: O MySuite e este Manual... 3 2) Módulo Help Desk... 4 2.1) Abrindo um novo Ticket... 4 2.2) Cliente lendo e interagindo no ticket... 5 2.3) Cliente

Leia mais

INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB

INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo (abraposo@inf.puc-rio.br Sala 417 RDC) Aula Inaugural 29/Fev/2012 INF 1403 Site da disciplina SERG,

Leia mais

http://emailsgratis.net

http://emailsgratis.net E-book GRATUITO Brinde aos visitantes do site Copyright 2014 Daniel Neves Todos os Direitos Reservados REVENDA PROIBIDA Conteúdo Introdução... 3 Pronto pra aprender o método que aplicará a sua lista de

Leia mais

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem)

Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) Manual Operacional AVA (Ambiente Virtual de Aprendizagem) ead.clinicajulioperes.com.br Sumário navegável Como acesso o ambiente?... Como assisto aos vídeos?... Como preencher meu perfil?...

Leia mais

Laptop Piano X. Manual do Usuário CÓD. 3103

Laptop Piano X. Manual do Usuário CÓD. 3103 LaptopianoXuxa-Pag.qxd 20.06.07 11:31 Page 1 Laptop Piano X Manual do Usuário CÓD. 3103 LaptopianoXuxa-Pag.qxd 20.06.07 11:32 Page 2 Caros Pais, Nós, da Candide, sempre pensamos em um brinquedo seguro

Leia mais

Parte II. Usabilidade, Interatividade e Comunicabilidade na Web. Roteiro. z Usabilidade. z Interatividade. z Comunicabilidade. Conceitos Problemas

Parte II. Usabilidade, Interatividade e Comunicabilidade na Web. Roteiro. z Usabilidade. z Interatividade. z Comunicabilidade. Conceitos Problemas Parte II Usabilidade, Interatividade e Comunicabilidade na Web Roteiro z Usabilidade Conceitos Problemas z Interatividade Modelo teórico Técnicas e diretrizes z Comunicabilidade Modelo teórico Técnicas

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

editor Writer, do BrOffice

editor Writer, do BrOffice editor Writer, do BrOffice Utilizar o editor Writer, do BrOffice, para editar textos e inserir tabelas; Conscientizar sobre o cuidado com os direitos autorais, citando sempre as fontes de onde foram retirados

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Apostila de Windows Movie Maker

Apostila de Windows Movie Maker Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva 2 Índice Introdução ao Windows Movie Maker...03 O que é o Windows Movie Maker?...03

Leia mais

Avaliação de IHC - Introdução

Avaliação de IHC - Introdução 1 Avaliação de IHC - Introdução Aula 5 20/03/2013 2 Roteiro da Aula Preâmbulo Avaliação: aspectos subjetivos e objetivos Avaliação de IHC O que é Avaliação Profissional Exercício Entregar respostas até

Leia mais

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Surveys PROFESSORA CINTIA CAETANO Definição Um questionário é um formulário impreso ou on-line com perguntas que os usuários e demais participantes devem responder, a fim de

Leia mais

Intel Teach Program Essentials Course. Tutorial para wik.is

Intel Teach Program Essentials Course. Tutorial para wik.is Tutorial para wik.is Esse documento inclui os passos e sugestões para estabelecer um wiki site para o Curso Essencial do Programa Intel Educar ou para sua própria turma. Essas instruções se aplicam para

Leia mais

Índice. Tenho uma conta pessoal e uma conta da instituição em que dou aula, porém não consigo acessar a conta da escola. O que fazer?

Índice. Tenho uma conta pessoal e uma conta da instituição em que dou aula, porém não consigo acessar a conta da escola. O que fazer? Índice Acesso ao Super Professor Web Como recuperar a senha de acesso? Tenho uma conta pessoal e uma conta da instituição em que dou aula, porém não consigo acessar a conta da escola. O que fazer? Selecionando

Leia mais

HELP Fornecedores ATENÇÃO!!! IMPORTANTE: o acesso ao SIGA só poderá ser feito através do navegador Internet Explorer, versões 6 a 9.

HELP Fornecedores ATENÇÃO!!! IMPORTANTE: o acesso ao SIGA só poderá ser feito através do navegador Internet Explorer, versões 6 a 9. HELP Fornecedores IMPORTANTE: o acesso ao SIGA só poderá ser feito através do navegador Internet Explorer, versões 6 a 9. ATENÇÃO!!! Se a versão do seu navegador Internet Explorer for superior a 9, siga

Leia mais

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Esta adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10 abrange novas funcionalidades e outras alterações específicas ao ZoomText 10.1. Para obter instruções

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Objectivos As Tabelas: Aula 8 Sumário O Processador de Texto Word

Leia mais

DE JOIAS. Guia de Melhores Práticas FOTOGRAFIA. Domine a Técnica de Fotografia de Anéis em Apenas 4 Passos EDIÇÃO Nº 11 GRÁTIS

DE JOIAS. Guia de Melhores Práticas FOTOGRAFIA. Domine a Técnica de Fotografia de Anéis em Apenas 4 Passos EDIÇÃO Nº 11 GRÁTIS FOTOGRAFIA EDIÇÃO Nº 11 GRÁTIS DE JOIAS SOLUÇÕES PARA IMAGENS DE PRODUTO QUE CONQUISTARAM OS LÍDERES DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Guia de Melhores Práticas Domine a Técnica de Fotografia de Anéis em Apenas 4

Leia mais

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente!

SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! 1 SEO PARA INICIANTES Como otimizar um blog Guia passo a passo para fazer o seu blog otimizado e indexado corretamente! Fórmula Hotmart - www.formulahotmart.com 2 Este ebook pertence: Claudio J. Bueno

Leia mais

PEDIDO ON-LINE DE SUBSÍDIO GLOBAL

PEDIDO ON-LINE DE SUBSÍDIO GLOBAL Portuguese (PT) PEDIDO ON-LINE DE SUBSÍDIO GLOBAL As imagens a seguir mostram como navegar pelo nosso site para fazer um pedido de Subsídio Global. Para mais informações, visite www.rotary.org/pt/grants.

Leia mais

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS

OFICINA BLOG DAS ESCOLAS OFICINA BLOG DAS ESCOLAS Créditos: Márcio Corrente Gonçalves Mônica Norris Ribeiro Março 2010 1 ACESSANDO O BLOG Blog das Escolas MANUAL DO ADMINISTRADOR Para acessar o blog da sua escola, acesse o endereço

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual de instruções rápido para testar o sistema Graces

Manual de instruções rápido para testar o sistema Graces Manual de instruções rápido para testar o sistema Graces Gerenciar um salão de beleza usando o sistema Graces é muito fácil! Eis alguns passos que poderão lhe ajudar a realizar os testes. Lembre-se que

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

Avaliação Do Site EducaRede. Introdução

Avaliação Do Site EducaRede. Introdução 1 Ivan Ferrer Maia Pós-Graduação em Multimeios / Unicamp Disciplina Multimeios e Educação Prof. Dr. José Armando Valente Avaliação Do Site EducaRede Introdução A quantidade de Websites encontrada no universo

Leia mais

QUALIDADE EM REDES SOCIAIS ONLINE: UM ESTUDO DE CASO CONTRASTANDO PERSPECTIVAS DAS ÁREAS DE IHC E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO

QUALIDADE EM REDES SOCIAIS ONLINE: UM ESTUDO DE CASO CONTRASTANDO PERSPECTIVAS DAS ÁREAS DE IHC E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO QUALIDADE EM REDES SOCIAIS ONLINE: UM ESTUDO DE CASO CONTRASTANDO PERSPECTIVAS DAS ÁREAS DE IHC E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Maria Lúcia Bento Villela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9

ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9 ANDRÉ ALENCAR 1 INFORMÁTICA INTERNET EXPLORER 9 1. JANELA PADRÃO Importante: O Internet Explorer não pode ser instalado no Windows XP. 2. INTERFACE MINIMALISTA Seguindo uma tendência já adotada por outros

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET.

LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. Clique na guia SEGURANÇA, NÍVEL PERSONALIZADO. Ir até os ActiveX ( desenho

Leia mais

Fale Conosco Sala de Imprensa Suporte Login Enviar C

Fale Conosco Sala de Imprensa Suporte Login Enviar C Página 1 de 5 Fale Conosco Sala de Imprensa Suporte Login Enviar C > Esqueci minha senha Home Mais TI Artigos Entrevistas Notícias Artigos Entrevistas < Voltar Medindo a produtividade da equipe de software

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Prática 6 ActionScript

Prática 6 ActionScript Prática 6 ActionScript 1. Objetivos Se familiarizar com o ActionScript. Usar comandos e funções básicas. 2. Recursos Necessários Computador com o programa Macromedia Flash MX ou superior. 3. Conceitos

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

Manual do Usuário Network

Manual do Usuário Network Manual do Usuário Network Aluno Apresentação Apresentamos o manual de uso do site FGV Management Network. Espaço virtual criado com o objetivo de promover a integração, cooperação e convivência entre alunos,

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

ZoomText 10.1 para Windows. Apêndice ao Guia do Usuário

ZoomText 10.1 para Windows. Apêndice ao Guia do Usuário ZoomText 10.1 para Windows 8 Apêndice ao Guia do Usuário Copyrights Ampliador ZoomText Copyright 2013, Algorithmic Implementations, Inc. Reservados todos os direitos. Ampliador /Leitor ZoomText Copyright

Leia mais

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Anaís Schüler Bertoni Mestranda em Design Centro Universitário Ritter dos Reis anais@d750.com.br Silvia

Leia mais

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/

Aula 04 Word. Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Aula 04 Word Prof. Bruno Gomes bruno.gomes@ifrn.edu.br http://www.profbrunogomes.com.br/ Agenda da Aula Editor de Texto - Word Microsoft Office Conjunto de aplicativos para escritório que contém programas

Leia mais

ARQI. Arquitetura de Informação. Necessidades do usuário. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico

ARQI. Arquitetura de Informação. Necessidades do usuário. Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico ARQI Arquitetura de Informação Curso Superior de Tecnologia em Design Gráfico Necessidades do usuário Pois vocês conhecem a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, se fez pobre por amor de

Leia mais

2 Conceituação. 2.1 Engenharia Semiótica e Cultura

2 Conceituação. 2.1 Engenharia Semiótica e Cultura 2 Conceituação A pesquisa apresentada nessa dissertação tem como foco a exploração de novas dimensões do fenômeno de metacomunicação intercultural na atividade de avaliação de IHC de sistemas multiculturais.

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O trabalho prático da disciplina consiste em desenvolver um programa utilizando a linguagem de programação C. A seguir, encontram-se a descrição do problema, a forma de

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais