MANUAL COMPRAS & SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL COMPRAS & SERVIÇOS"

Transcrição

1 MANUAL COMPRAS & SERVIÇOS

2 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO EQUIPE DE ELABORAÇÃO Jeremias da Cunha Lemos Garcia Clayton Franco Ribeiro Gabriel de Oliveira Miranda 1º Edição Manual de Compras e Serviços Rio de Janeiro, em 10 de outubro de

3 Sumário Sumário Esclarecimento Objetivo Definições Prévias Licitações Modalidades Processo de aquisição de material ou de contração de serviço Agente Público Termo de Referência Memorando de Solicitação de Compra e ou Serviço Fracionamento de Despesa Calendário de Compras e Serviços Elaboração do pedido Solicitação de Material e Serviço Do Material Do Serviço Descrição do Objeto Da Pesquisa de mercado Por onde anda o processo de compras Recebimento de Material e atestado de prestação de serviço Comissão de Recebimento Contratação de Serviço Legislação e normas Anexo I Modelo de memorando de solicitação de compras ou serviços Modelo: Formulário de compras ou serviços

4 10. Anexo II Classificação da despesa pública segundo a sua natureza Material de Consumo ( ) Material de Permanente ( ) Serviços de Terceiros Pessoa Física ( ) Serviços de Terceiros Pessoa Física ( ) Anexo III Termo de referência - MODELO Anexo IV Calendário de compras e serviços Bibliografia

5 1. Esclarecimento Considerando as mudanças e exigências impostas pelas leis aos gestores públicos, são necessárias alterações nos procedimentos administrativos, que busquem a adequação de ferramentas para melhor atender as demanda. Ressalta-se que, não raramente, os administradores estão sendo responsabilizados por falhas que ocorrem em suas gestões, principalmente as relacionadas com as finanças públicas, pois estas mexem com o dinheiro público, o qual deve ser utilizado para a satisfação do bem comum da população. Salientamos que este Manual não tem a pretensão de esgotar todas as dúvidas acerca dos procedimentos de compras e contratações de serviços efetuados pela Administração da UNIRIO, mas esclarecer aos solicitantes as questões básicas relacionadas ao assunto, a partir da experiência acumulada pelos setores envolvidos no processo de compras e contratações de serviços, que são a Pró-Reitoria de Administração, Departamento Financeiro, o Departamento de Atividade de Apoio e suas frações. 2. Objetivo Definir parâmetros para solicitação de compras de materiais e contratação de serviço, visando: a) À dinamização do processo; b) À racionalização dos trâmites; c) Minimização dos custos; d) À eficácia das aquisições e contratações da UNIRIO; e ainda, e) Cumprir as determinações legais, atendendo às orientações da Controladoria Geral da União e do Tribunal de Contas da União. 3. Definições Prévias 3.1. Licitações Licitação é o procedimento administrativo, por meio do qual a Instituição Pública seleciona a proposta mais vantajosa para a contratação de seu interesse; desenvolve-se através de uma 5

6 sucessão ordenada de etapas, o que propicia igual oportunidade a todos os interessados e atua como fator de eficiência e moralidade nos negócios administrativos. LEI Nº 8.666, DE 21 DE JUNHO DE Art. 3º: A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia e a selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos. A licitação é a regra, porém há casos específicos em que a lei de licitações entendeu por razoável desobrigar a Administração de utilizá-la, podendo essa também adotar para fins de contratação a dispensa de licitação (Lei 8.666/93, art. 17, I e II; art. 24, I a XX) ou a inexigibilidade de licitação (Lei 8.666/93, art. 25) Modalidades Segundo o Tribunal de Contas da União, a Modalidade de licitação é a forma específica de conduzir o procedimento licitatório, a partir de critérios definidos em lei. O valor estimado para contratação é o principal fator para escolha da modalidade de licitação, exceto quando se trata de Pregão, Concorrência, Concurso e Leilão os quais não estão limitados a valores. As modalidades de licitação que se referem às letras A, B e C são determinadas em função dos limites de valor estimado para a contratação (Lei 8.666/93). As modalidades de licitação que se referem às letras D e E são disciplinadas pelo artigo 22, 4 e 5 da Lei 8.666/93. A modalidade de pregão F é determinada pela Lei n /02, independentemente do valor do objeto a ser adquirido, restringindo-se a utilização desta 6

7 modalidade para compras e serviços de menor complexidade. Obras, por hora, ainda não possuem autorização legal para seguirem as regras do pregão. Então, vejamos: Os casos de dispensa e inexigibilidade (G e H) ( Lei 8666/96 em seus artigos 24 e 25). - Obras e Serviços de Engenharia: Modalidade de Licitação Valor Concorrência A partir de ,01 Tomada de Preço De ,01 até ,00 Convite Até ,00 Pregão Não há limite Dispensa Até ,00 - Compras e Serviços Comuns: Modalidade de Licitação Valor Concorrência A partir de ,01 Tomada de Preço De ,01 até ,00 Convite Até ,00 Pregão Não há limite Dispensa Até 8.000, Processo de aquisição de material ou de contração de serviço Simploriamente, o processo de compras e ou contratação de serviço pode ser definido como o conjunto de procedimentos documentados e circunstanciados por despacho escrito assinado e datado por agente público designado, em obediência estrita à legislação específica e aos Princípios da Administração Pública, organizado em ordem cronológica, com numeração crescente, com a capa de processo padrão, e autuado, isto é, uma organização segundo orientações do sistema de protocolo gerido pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG, conforme Portaria Normativa nº 05, de 19 de dezembro de O processo deverá conter os atos da Administração desde a solicitação do gasto até o pagamento da despesa, preferencialmente, encerrado com um parecer analítico do controle interno, ressalvando as falhas porventura cometidas com o fim de orientar o gestor e sua equipe a evitá-las em procedimentos futuros. Uma das finalidades da formalização do processo é servir de prova documental dos atos praticados pela Administração e seus agentes. Os autos do processo permitem deste modo a análise dos atos e identificação dos agentes, na ordem em que aconteceram, por parte dos órgãos de controle interno e externo e da sociedade em geral. 7

8 3.3. Agente Público É a pessoa física que exerce uma função pública no âmbito da sociedade. A função pública é a atribuição, o encargo ou a competência previamente definidos por lei, para o exercício de uma determinada atividade que tem por objetivo precípuo o interesse público. Dentre os agentes públicos figuram os agentes administrativos (servidores/empregados públicos), que mantêm com a Administração relação de trabalho remunerado, não eventual e com vínculo de subordinação Termo de Referência O Termo de referência é documento que antecede ao procedimento licitatório, ele serve de parâmetro para elaboração do edital na modalidade de Licitação Pregão Eletrônico, inclusive nessa modalidade sua confecção é obrigatória. Nele deve conter, dentre outros, os seguintes elementos: a descrição do objeto de forma precisa, suficiente e clara; os critérios de aceitação do objeto; os critérios de avaliação do custo do bem ou serviço pela Administração, em conformidade com os preços praticados no mercado; valor estimado em planilhas de quantitativos e preços unitários; prazo de execução do serviço ou de entrega do objeto; definição dos métodos e estratégia de suprimento; cronograma físicofinanceiro, se for o caso; deveres do contratado e do contratante; prazo de garantia, quando for o caso; procedimentos de fiscalização e gerenciamento do contrato; sanções por inadimplemento. Em nosso humilde entendimento, o Termo de Referência é um documento essencial para qualquer procedimento de compra ou contratação de serviço, até porque é nele que constam os principais dados do procedimento. Muito embora apenas apresente previsão literal na modalidade pregão eletrônico, as informações nele constantes afiguram-se como pressupostos lógicos para a boa contratação, razão pela qual devem compor a fase preparatória do certame, seja qual for à modalidade licitatória adotada. Nesse sentido são as palavras de Marçal JUSTEN FILHO, para quem a função e a natureza do termo de referência equivalem às do projeto executivo, previsto na Lei nº Aliás, é irrelevante a denominação atribuída, eis que o fundamental é a satisfação do dever administrativo de planejamento sério e satisfatório acerca da futura contratação. (JUSTEN FILHO, Marçal. Pregão - Comentários à Legislação do Pregão Comum e Eletrônico. 4. ed. São Paulo: Dialética, p. 71). Segundo a legislação vigente ele é um documento que deve ser elaborado pelo setor requisitante do objeto da licitação, em conjunto com a área de compras, e aprovado por quem autorizou a realização do procedimento licitatório; todavia, dada a peculiaridade de sua formalização, consideramo-lo um documento multissetorial, o que exige que cada setor envolvente do processo colabore para sua confecção. 8

9 Disponibilizamos no Anexo III o modelo que atualmente é adotado nos certames licitatório desta Entidade. Decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, Art. 9º: I - elaboração de termo de referência pelo órgão requisitante, com indicação do objeto de forma precisa, suficiente e clara, vedadas especificações que, por excessivas, irrelevantes ou desnecessárias, limitem ou frustrem a competição ou sua realização; II - aprovação do termo de referência pela autoridade competente; 3.5. Memorando de Solicitação de Compra e ou Serviço É o documento, emitido pelo Requisitante, contemplando a justificativa da aquisição ou contratação, a especificação do material ou serviço, o preço estimado (opcional) com os dados dos fornecedores consultados e o preenchimento do formulário em anexo. 4. Fracionamento de Despesa O fracionamento de despesas relativas a compras e contratações podem ser detectados a partir da constatação de sucessivas compras ou serviços que utilizem o mesmo elemento de despesa/sub-elemento de despesa, em determinado período, ao invés da realização de licitação única para oportunizar a compra destas mesmas mercadorias ou contratações durante o mesmo período, de um fornecedor selecionado a partir do certame público exigido em lei. Abaixo disponibilizamos o entendimento do Tribunal de Contas da União acerca desse assunto: A luz da Lei de Licitações, o fracionamento de despesa, caracteriza-se quando se divide a despesa para utilizar modalidade de licitação inferior a recomendada pela legislação para o total da despesa ou para efetuar contratação direta. Pela legislação pertinente, não se considera fracionamento a contratação de parcelas de natureza específica que possam ser executadas por pessoas ou empresas de especialidade diferente daquela do executor da obra ou serviço. 9

10 É comum o gestor público não saber, ao longo do exercício, quanto por exemplo vai ser gasto efetivamente na contratação de bens, de execução de obras ou de prestação de serviços. Não tem o hábito de planejar. Não raras vezes, ocorre fracionamento da despesa pela ausência de planejamento da Administração. O planejamento do exercício deve observar o princípio da anualidade do orçamento. Logo, não pode o agente público justificar o fracionamento da despesa com várias aquisições ou contratações no mesmo exercício, sob modalidade de licitação inferior àquela exigida para o total da despesa no ano, quando decorrente da falta de planejamento. Em resumo, se a Administração optar por realizar várias licitações ao longo do exercício financeiro, para um mesmo objeto ou finalidade, deverá preservar sempre a modalidade de licitação pertinente ao todo que deveria ser contratado. Vale dizer, ilustrativamente: se a Administração tem conhecimento de que, no exercício, precisará substituir cadeiras de um auditório, cujo preço total demandaria a realização de tomada de preços, não é lícita a realização de vários convites para compra das cadeiras, fracionando a despesa total prevista em várias despesas menores que conduzem à modalidade de licitação inferior à exigida pela lei. (Tribunal de Contas da União, revista Licitações e Contratos, Orientações e Jurisprudências, 4º edição). Com base nas decisões já proferidas pelo Tribunal de Contas da União, em especial o Acórdão 324/ Plenário, vislumbramos a necessidade de planejar as compras dessa Instituição utilizando como ferramenta primordial o Calendário de Compras (Anexo IV). Acórdão 324/2009: Planeje a atividade de compras, de modo a evitar o fracionamento na aquisição de produtos de igual natureza e possibilitando a utilização da correta modalidade de licitação, nos termos do art. 15, 7o, II, da Lei no 8.666/ Calendário de Compras e Serviços É uma ferramenta utilizada para reunir todos ou pelo menos boa parte das requisições que contemplem o mesmo sub-elemento de despesa, com vistas a não incorremos em fracionamento de despesa. Nessa esteira a Divisão de Material em conjunto com Serviço de Compras efetua a consolidação dos pedidos para posterior procedimento licitatório. 10

11 Considerando que o Fracionamento de Despesa está atrelado ao Exercício Financeiro, buscamos disponibilizar duas datas para aguardar as solicitações, conforme Anexo III. Ressalta-se que esse procedimento guarda plena conformidade como a legislação e orientações disponíveis para os Gestores Públicos, tendo por objetivo precípuo resguardar a Administração e atender ao Interesse Público. Partindo do princípio que o planejamento estratégico de compras foca sua atenção no desenvolvimento de estratégias que permitam melhorar a gestão das despesas da Instituição, acreditamos que poderemos obter os seguintes resultados: a) Racionalização e Padronização de processos de compras e de especificações de bens; b) Redução do tempo de análise e de tramitação de processos; c) Redução das despesas de custeio; d) Identificação das oportunidades de melhoria nos processos de compra e contratação; e) Diminuição de números de processos licitatórios; f) Redução dos índices de desabastecimento; g) Interação com o Mercado através das Audiências Públicas; h) Aquisição por menores preços - economia de escala. Porém, para que essa ferramenta funcione adequadamente, é necessário a colaboração de todos os setores envolvidos no procedimento. Destarte, o requisitante deve ter atenção às dataslimites, enviando sua demanda de forma correta e no prazo; e os demais setores devem ser céleres e eficientes em suas ações. Atenção: Os pedidos de compra ou serviços recebidos após a data-limite terão prosseguimento no período subseqüente. 5. Elaboração do pedido As solicitações de material de consumo, de material permanente e de serviços, no âmbito desta Universidade, serão realizadas em plena conformidade com este manual. O encaminhamento dos pedidos de compra e contratação de serviços compete ao Reitor, ao Vice-Reitor, à Chefia de Gabinete, aos Pró-Reitores, aos Decanos, aos Chefes de Departamento de Ensino, aos Diretores, aos Coordenadores, ao Chefe da Auditoria Interna e ao Procurador- Chefe, em se tratando de material não-estocável, de uso específico, e ao Chefe do Serviço de Suprimento, em se tratando de material estocável, de uso comum. 11

12 Os pedidos de contratação de obras e serviços de engenharia não estão sujeitos ao cumprimento das datas-limite fixadas no Calendário de Compras e Serviços, entretanto, os mesmos devem ser solicitados com o mínimo de 90 dias de antecedência, salvo casos excepcionais por situações que requeiram emergência de atendimento, a fim de evitar prejuízos ou comprometer a segurança de pessoas, equipamentos e outros bens. Em casos excepcionais a Pró-Reitora de Administração poderá autorizar o processamento de pedidos de compra e de contratação de serviços encaminhados em datas fora dos períodos estabelecidos neste Manual (Anexo IV), desde que justificados pela iminência de retardamento da execução de atividade essencial, ou, ainda, por situações que requeiram emergência de atendimento, a fim de evitar prejuízos ou comprometer a segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens. Todo processo administrativo de compras ou contratação de serviço se inicia e se fundamenta no Memorando de Solicitação de Compra ou Serviço e seus eventuais anexos. O êxito do processo depende das circunstâncias e termos em que foram realizados os procedimentos de descrição, condições de entrega e estimativa de custo do objeto a ser adquirido ou contratado. Atenção: O setor requisitante não é obrigado a enviar sua solicitação com a estimativa de custo. Porém, por experiências passadas, verificamos que os pedidos que já vem com preço estimado, tende a tramitar mais rápido, tendo em vista que um dos procedimentos mais demorados já foi efetuado Solicitação de Material e Serviço O responsável pelo setor Requisitante, verificando em seu planejamento a necessidade de aquisição de materiais ou contratação de serviço a fim de manter as condições adequadas de atividade do setor, deve emitir um memorando de compras ou serviço com seus anexos a seu superior hierárquico, que em continuidade encaminha ao seu superior até que se atinja o nível de cargo informado no item 4, que por conseguinte encaminhará o referido documento à Pró-Reitoria de Administração para autorizar o processo de atendimento. Depois de autorizado, a demanda é encaminhada ao Departamento de Atividade de Apoio que efetua o seguinte procedimento: a) Em se tratando de aquisição de MATERIAL encaminha ao Almoxarifado para conferir ausência do material pedido no estoque. 12

13 b) Em se tratando de contratação de SERVIÇO encaminha ao Setor Técnico ou aos Gestores de Contratos existentes para avaliar a possibilidade de executar os serviços sem a necessidade de instaurar um procedimento licitatório. No caso de impossibilidade de atendimento com os recursos disponíveis na Instituição, a solicitação é encaminhada ao Ordenador (a) de Despesa que pode autorizar a compra/serviço ou não. Entendendo que a solicitação é cabida e que pode ser atendida, o Ordenador (a) de Despesa encaminha o pedido para a Divisão de Material\Serviço de Compras, para consolidação de todos os pedidos pertencentes ao mesmo sub-elemento de despesa verificado no plano de classificação contábil do Governo Federal (Anexo II), podendo a natureza ser classificada como: a) Material de Consumo; b) Material Permanente; e, c) Serviço. Por conseguinte os expedientes consolidados são devolvidos ao Departamento de Atividade de Apoio, que em conjunto com o Serviço de Protocolo e Comunicação, abre, instrui e coordena a tramitação dos mesmos pelos setores envolvidos, de acordo com as peculiaridades que determinarão a forma de aquisição e ou contratação, a qual poderá ser: a) Contratação direta, isto é, por dispensa de licitação ou inexigibilidade, em casos e condições específicas permitidas pela legislação (Art. 24 e 25 da Lei de 1993); ou, b) Por licitação, em modalidade adequada que é definida pelo (a) Ordenador (a) de Despesa. Atenção: O procedimento de compra ou contratação de serviço somente é realizado quando constatada, para aquele, a inexistência ou insuficiência do material no Almoxarifado e, para este, a impossibilidade de ser efetuado pelos recursos já disponíveis nesta Instituição, o que deve ser devidamente justificado nos autos Do Material Por meio do memorando de solicitação de compra, o Requisitante solicita autorização para à aquisição do material de consumo (Natureza de despesa: ) ou material permanente 13

14 (Natureza de despesa: ); justificando a necessidade do gasto e se possível indicando o valor estimado da aquisição, bem como a fonte de consulta da pesquisa de mercado. Anexo ao memorando de solicitação de compras deve vir o formulário de compras ou contratação contemplando a relação dos bens com os seguintes elementos: dados do principal solicitante, justificativa, especificação detalhada, padrão de qualidade e desempenho, unidade de fornecimento, quantidade, se possível o preço estimado e, ainda, se necessário: condições de fornecimento, garantia, instalação, adequação a normas de padronização, acessórios ou itens inclusos etc. Deve ser emitido um memorando para cada grupo de material, conforme sua classificação de despesa pública que poderá ser identificada no Anexo II Do Serviço Por meio do memorando de serviço, o Requisitante solicita autorização para contratação de pessoa jurídica (Natureza de despesa: ) ou física (Natureza de despesa: ) para contratação do serviço almejado; justificando a necessidade do gasto e se possível indicando o valor estimado da contratação, bem como a fonte de consulta da pesquisa de mercado. Anexo ao memorando de solicitação de compras deve vir o formulário de compras ou contratação contemplando os seguintes aspectos: especificação detalhada, padrão de qualidade e desempenho, unidade de fornecimento, quantidade, se possível o preço estimado, e, ainda, se necessário: condições de fornecimento, garantia, instalação, adequação às normas de padronização. Atenção: Nos casos em que for necessária a visita técnica da pessoa jurídica ou física a ser contratada, deve ser indicado um (a) servidor (a), data e horários disponíveis para acompanhamento, sem essa indicação não haverá possibilidade de a solicitação ser atendida Descrição do Objeto. A descrição do objeto deve contemplar especificações técnicas detalhadas e precisas. Sua fidelidade é fator preponderante para a realização da despesa pública dentro dos parâmetros morais e legais da Administração, haja vista que a impessoalidade deve permear todo o processo de compra ou contratação, vedando a utilização de critério técnico seleção de proposta que não esteja expressamente previsto no memorando de compra ou serviço e em seus anexos. 14

15 A questão da descrição é fundamental, porque as melhores compras começam pela descrição detalhada do produto na sua solicitação, resultando na aquisição de bens de qualidade, melhor oferta de preços e adequação às necessidades do órgão solicitante. (SILVEIRA E CAMARGO. O processo de compras na prefeitura municipal de Santa Maria. Revista Eletrônica - Edição Especial -2006) Um dos fenômenos recorrentes constatado na prática é o desapontamento do solicitante ao concluir que o bem adquirido não corresponde às suas expectativas, quando é entregue. Na maioria dos casos, isso decorre da falta de correspondência entre as expectativas do solicitante e a descrição do objeto constante no pedido. Isso ocorre, aparentemente, porque o solicitante tende a conceituar mais e definir menos o objeto pretendido. (MONTEIRO. Sumário ou índice? Conceitos, definições e controvérsias. Acta Cirúrgica Brasileira. Vol. 13, n. 2, São Paulo. abr/maio/jun 1998.) Exemplo de descrição com tendência ao Conceito (subjetiva): Item Descrição Detalhada Unidade Quantidade Preço unitário (R$) Preço total (R$) 0 1 Bebedouro de garrafão com pé pintado. Unidade , ,00 Exemplo de descrição com tendência à Definição (impessoal e precisa): Item Descrição Detalhada Unidade Quantidade 1 Bebedouro de coluna, para garrafão de 20 litros, com duas torneiras, sendo uma para água em temperatura natural e outra para água gelada, com desempenho mínimo de 3,5 0 litros de água gelada por hora, cuba com capacidade de pelo menos 5 litros, bandeja coletora de água removível, baixo consumo de energia, tensão 220 Volts. Garantia de um ano. Prestação de Assistência Técnica. Preço unitário (R$) Preço total (R$) Unidade , ,00 Não há uma única forma de descrever um bem ou serviço, porém são comuns as descrições mais assemelhadas a um conceito e outras mais correspondentes a uma definição. A conduta mais afeita à Administração é aquela pautada no sentido da definição do objeto. Cabe ressaltar que um dos princípios basilares da Lei de Licitações e Contratos Administrativos (Lei nº de 1993) é o Julgamento Objetivo, que por si só explica a necessidade de termos uma descrição precisa, em caso contrário a administração não conseguirá avaliar de forma objetiva os procedimentos para uma compra ou contratação de serviço. 15

16 Acerca desse assunto, informa o Tribunal de Contas da União na revista Licitações e Contratos, Orientações e Jurisprudências, 4º edição, o seguinte: Experiências em licitações públicas tem demonstrado que os licitantes necessitam, para bem elaborar propostas, de especificações claras e precisas, que definam o padrão de qualidade e o desempenho do produto a ser adquirido. Se não for assim, corre-se o risco de o licitante ofertar o que tem de mais barato e não o que pode oferecer de melhor. Há de se observar ainda que na descrição do objeto não pode conter indicação de marca, muito embora essa possa constar como parâmetro de referência, sendo precedida das expressões: ou similar, ou equivalente e ou de melhor qualidade. Será admitida a indicação de marca como parâmetro de qualidade para facilitar a descrição do objeto a ser licitado, quando seguida das expressões ou equivalente, ou similar e ou de melhor qualidade. No caso, o produto deve ser aceito de fato e sem restrições pela Administração. O que a Lei de Licitações veda e os Tribunais de Contas condenam, especialmente o TCU, é a preferência por determinada marca ou indicação sem devida justificativa técnica nos autos. (Tribunal de Contas da União na revista 4º edição, orientações e jurisprudências sobre licitações e contratos). Consoante ao exposto, e visando um maior esclarecimento, segue abaixo outras descrições detalhadas: Aquisição de Material de Consumo Material de Expediente Código de Classificação de Despesa: Preço Item Descrição Detalhada Unidade Quantidade unitário (R$) 1 CANETA esferográfica, plástico, latão com esfera 0 de tungstênio, média, preta, material transparente e com orifício lateral (tipo BIC, Faber Castel ou similar com o mesmo padrão de qualidade). Preço total (R$) Unidade 500 0,50 250,00 16

17 Aquisição de Material de Consumo Material laboratorial Código de Classificação de Despesa: Preço Item Descrição Detalhada Unidade Quantidade unitário (R$) 1 BALÃO volumétrico, em polimetilpentano altamente resistente; medindo 143mm 0 (altura) - 46mm (diâmetro) - capacidade 50mL, autoclavável a temperaturas de até 170ºC, com tampa de encaixe, fundo chato, caixa com 10 unidades. Preço total (R$) Caixa 50 10,00 500,00 Aquisição de Material Permanente - máquinas, utensílios e equipamentos diversos Código de Classificação de Despesa: Item Descrição Detalhada Unidade Quantidade Preço Preço unitário (R$) total (R$) Bebedouro de coluna, para garrafão de 20 litros, com duas torneiras, sendo uma para água em temperatura natural e outra para 0 água gelada, com desempenho mínimo de 3,5 1 Unidade , ,00 litros de água gelada por hora, cuba com capacidade de pelo menos 5 litros, bandeja coletora de água removível, baixo consumo de energia, tensão 220 Volts. Contratação de Serviço - Pessoa Jurídica Manutenção e Conservação de Bens Imóveis Código de classificação de despesa: Preço Item Descrição Detalhada Unidade Quantidade unitário (R$) Fornecimento com Instalação de película protetora, tipo insulfilme, grau de tonalidade G5, cor preto, Para janela de 2m X 1,5m; Preço total (R$) 1 Localização Av. Pasteur, 296, Prédio da Nutrição, Sala 404 Urca Rio de janeiro/rj. 0 A visita técnica deverá ser programa para as terças-feiras ou quintas-feiras, nos horários de 10:00h as 12:00 e 14:00h às 17:00h. Contato para agendamento: Sr.. Telefone: Setor:. Serviço ,00 260,00 17

18 Atenção: I. Muito cuidado para descrição não ser direcionada para determinado fabricante; exceto quando se tratar da identificação de um equipamento, cuja manutenção ou peças de reposição constituam o objeto da despesa pretendida; II. Fazer um pedido para cada grupo de material (ex.: suprimento de informática, equipamento de informática, material de expediente, material de consumo laboratorial, material para manutenção elétrica, hidráulica e refrigeração, mobiliário, locação de veículo, limpeza e lubrificação de equipamento sem reposição de peças etc). Observação: Quando se tratar de serviço de manutenção de equipamento com reposição de peças, um mesmo processo abrigará as duas despesas: serviço de manutenção e aquisição de peças de reposição; III. IV. A especificação completa (sem determinação de marca ou modelo) do material ou serviço com o padrão de desempenho e de qualidade é fundamental para que você receba exatamente o que necessita, jamais esqueça que pensar é uma atividade psíquica abstrata bem diferente de escrever clara e objetivamente. Invariavelmente, você receberá o que escreveu e não o que imaginou; Pedidos de natureza complexos ou específicos devem ser elaborados ou, pelo menos, supervisionados por um profissional competente. Da seguinte forma: a) No caso de obra ou serviço de engenharia é imprescindível a participação circunstanciada de um engenheiro; b) No caso de equipamento e suprimento de informática, de um técnico da Área de Informática; c) No caso de equipamento e material de laboratório, do responsável pelo laboratório; d) No caso de equipamento e material médico hospitalar, do responsável pelo setor; Observação: Quem deve saber do que um setor precisa é o servidor (e profissional competente) responsável por suas atividades; 18

19 5.3. Da Pesquisa de mercado As aquisições ou contratações públicas somente poderão ser efetivadas após estimativa prévia do respectivo valor, que deve obrigatoriamente ser juntada aos autos do processo. Como vimos no subitem 3.2, a estimativa do valor da aquisição ou contratação é o principal fator para escolha da modalidade de licitação a ser adotada, exceto quanto ao Pregão, Concorrência, Concurso e Leilão, que podem ser utilizados independentemente do valor a ser contratado. A estimativa de custo tem por finalidade, especialmente, verificar se existem recursos orçamentários suficientes para o pagamento da despesa com a contratação e servir de parâmetro objetivo para julgamento das ofertas apresentadas. A pesquisa pode ser realizada com base nos preços obtidos em empresas do ramo pertinente ao objeto licitado ou por valores adjudicados em licitações de outros Órgãos ou Entidades Públicas. No caso de a Instituição adotar a pesquisa junto a empresas, deve instruir o processo com as respectivas propostas, que deve conter: a Razão Social, CNPJ, objeto detalhado, quantidade, valor unitário e total, validade de 60 dias, prazo de entrega, garantia e demais dados que o requisitante entender ser necessário. Acórdão 710/2007 Plenário: Faca, ao fixar o valor para a contratação, ampla pesquisa de mercado, a fim de estimar o custo do objeto a ser adquirido, definir os recursos orçamentários suficientes para a cobertura das despesas contratuais e servir de balizamento para a análise das propostas dos licitantes. Assim como orientado pelo Tribunal de Contas da União, o processo ser instruído com o mínimo de três propostas para o objeto a ser adquirido ou contratação e a partir destas efetuar a média de preços praticados pelo mercado nacional. Acórdão 127/2007 Plenário (Sumário): Deve ser estabelecido procedimento padronizado de pesquisa de preços, em que seja exigido o mínimo de três propostas e completo detalhamento da proposta pelo fornecedor, em conformidade com o solicitado e deve haver vinculação entre o valor indicado na proposta e o efetivamente contratado. 19

20 6. Por onde anda o processo de compras F A S E C O M U M F A S E E S P E C Í F I C A T R Â M I T E P R O C E S S U A L Passo Setor Ação 01 Requisitante Formaliza o Pedido 02 Superior hierárquico Ratifica o pedido e encaminha a PROAD 03 Pró-Reitor de Administração Encaminha ao DAA para verificação de atendimento com os recursos disponíveis na Universidade Departamento de atividade de Apoio - DAA Pró-Reitor de Administração (Ordenador da despesa) Divisão de Material / Serviço de compras Serviço de Protocolo e Comunicação Divisão de Material / Serviço de compras 09 Ordenador da despesa 10 Divisão de Material/Serviço de Compras ou Comissão de Licitações - CPL 11 Procuradoria Jurídica a) Quando Material encaminha ao Almoxarifado para conferir ausência do material pedido no estoque. b) Quando serviço encaminha ao Setor Técnico para avaliar a possibilidade de executar os serviços sem a necessidade de contratação de empresa. No caso de negativo para o item acima, a solicitação é encaminhada ao Ordenador (a) de Despesa que pode autorizar a compra/contratação do serviço ou não. No caso de positivo para o item acima, a solicitação é encaminhada para a DIVMAT que em conjunto com o Serviço de Compras, efetua a consolidação de todos os pedidos que utilizam o mesmo sub-elemento de despesa, conforme Calendário de Compras. Após a consolidação as requisições são encaminhadas para o DAA que em conjunto com o SCP: abre, instrui e coordena processo. O processo retorna para Pesquisa de Mercado. Indica a modalidade de licitação; ou, Autoriza a dispensa ou inexigibilidade de licitação. COMPRA DIRETA LICITAÇÃO Nos casos de dispensa ou inexigibilidade de licitação o processo é devolvido a DIVMAT/SC para formalizar a contratação do fornecedor, seja por meio de cotação eletrônica (quando material) ou por contratação direta (quando serviço ou Inexigibilidade). Analisa se todos os procedimentos efetuados para a contratação ou compra estão de acordo com a legislação. Elabora Edital de licitação de acordo com projeto básico ou termo de referência elaborado pelo Requisitante. Analisa e emite parecer acerca do edital, sugerindo, eventualmente, modificações a fim de adequá-lo à legislação. 20

FUNDO DE MODERNIZAÇÃO E APRIMORAMENTO FUNCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS RELATÓRIO ANALÍTICO DE PAGAMENTOS - NOVEMBRO 2010

FUNDO DE MODERNIZAÇÃO E APRIMORAMENTO FUNCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS RELATÓRIO ANALÍTICO DE PAGAMENTOS - NOVEMBRO 2010 SUPERINTENDÊNCIA DE FINANÇAS Rua 23 - Jardim Goiás - 74.805-100 - Goiânia/GO - Fones (62) 3243-8309 / 3243-8359 FUNDO DE MODERNIZAÇÃO E APRIMORAMENTO FUNCIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS RELATÓRIO

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS O Conselho de Administração do Instituto de Gestão em Saúde - Instituto Gerir, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PEDIDOS DE COMPRA E LICITAÇÃO Este roteiro objetiva descrever os procedimentos que devem ser adotados pelos Setores, Coordenações e Departamentos requisitantes na formulação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ MANUAL DE COMPRAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ MANUAL DE COMPRAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ MANUAL DE COMPRAS MARÇO, 2009 MANUAL DE COMPRAS I - ESCLARECIMENTO Este Manual não tem a pretensão de esgotar as dúvidas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Oeste do Pará Pró-Reitoria de Administração Diretoria de Compras e Serviços

Ministério da Educação Universidade Federal do Oeste do Pará Pró-Reitoria de Administração Diretoria de Compras e Serviços Ministério da Educação Universidade Federal do Oeste do Pará Pró-Reitoria de Administração Diretoria de Compras e Serviços MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE COMPRAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES - SECOL MANUAL E PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

SETOR DE COMPRAS E LICITAÇÕES - SECOL MANUAL E PROCEDIMENTOS DE COMPRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI - UFSJ INSTITUÍDA PELA LEI N O 10.425, DE 19/04/2002 D.O.U. DE 22/04/2002 PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD DIVISÃO DE MATERIAS E PATRIMÔNIO DIMAP SETOR DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARANÁ CAMPUS PARANAGUÁ DEPARTAMENTO DE COMPRAS E LICITAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARANÁ CAMPUS PARANAGUÁ DEPARTAMENTO DE COMPRAS E LICITAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARANÁ CAMPUS PARANAGUÁ DEPARTAMENTO DE COMPRAS E LICITAÇÃO DECOM - PGUA MANUAL PARA COMPRAS FEVEREIRO, 2010 CAMPUS PARANAGUÁ

Leia mais

MATERIAL DE EXPEDIENTE

MATERIAL DE EXPEDIENTE MATERIAL DE EXPEDIENTE Almofada para carimbo, cor azul, nº 04 Almofada para carimbo, cor preta, nº 04 Almofada para carimbo, cor vermelha, nº 04 Apagador para quadro branco Barbante Caixa para arquivo

Leia mais

Calendário de Compras de 2015 da UNIPAMPA

Calendário de Compras de 2015 da UNIPAMPA FL. nº Orientação Complementar 09 Calendário de Compras de 2015 da UNIPAMPA CONSIDERANDO: 1) O grande volume de itens já adquiridos nos últimos anos e os Pedidos de Compras de 2014 que ainda estão em processamento

Leia mais

resolve expedir a seguinte instrução normativa:

resolve expedir a seguinte instrução normativa: INSTRUÇÃO NORMATIVA PROAD Nº 003/2014 Dispõe sobre o Programa de Planejamento Anual de Compras de bens permanentes e de consumo no âmbito da Universidade Estadual de Santa Cruz O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO

RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUCÃO ADMINISTRATIVA N.o 13/2003-TCRO REGULAMENTA NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, OS PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS NAS LICITAÇÕES REALIZADAS

Leia mais

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC

Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC Orientações para Trâmites dos Projetos com recursos da UDESC 1. Introdução Serão considerados projetos com recursos da UDESC para fins destas orientações aqueles que integram: 1.1 Programa de Apoio à Pesquisa

Leia mais

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA 1 300 UN 2 200 L 3 100 UN 4 20 UN 5 2 UN 6 200 UN 7 200 UN 8 300 UN 9 250 UN 10 500 UN Água sanitária 1Lt, desinfetante e alvejante. Álcool Etílico Hidratado, 1Lt, mínimo de

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Administração Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 10 Glossário de Termos e Siglas CATMAT Sistema de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

ALMOXARIFADO MATERIAL DE CONSUMO

ALMOXARIFADO MATERIAL DE CONSUMO ALMOXARIFADO MATERIAL DE CONSUMO DEFINIÇÃO: O almoxarifado, em um órgão público, é a unidade administrativa responsável pelo controle e pela movimentação dos bens de consumo, que são registrados de acordo

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS ANEXO I AO DECRETO Nº 732, DE 6 DE MARÇO DE 2014. PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS Data: / / Nº: SECRETARIA MUNICIPAL DE SOLICITAÇÃO DE COMPRAS DE BENS E SERVIÇOS / TERMO DE REFERÊNCIA (art. 14 da Lei nº

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Operações de Rotina. 4.13 Arrumação da Loja

Operações de Rotina. 4.13 Arrumação da Loja 4.13 Arrumação da Loja Operações de Rotina O bem-estar na loja depende de muitos fatores. Um dos mais importantes é a arrumação, pois propicia uma boa impressão, tanto aos clientes quanto aos colaboradores.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES

REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES REGULAMENTO INTERNO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES ADITIVO (03) AO TERMO DE CONVÊNIO 3756/10 que entre si celebram a FUNDAÇÃO SOCIAL DE CURITIBA e a VIDA PROMOÇÃO SOCIAL (VPS) A ASSOCIAÇÃO VIDA PROMOÇÃO SOCIAL

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPPG

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPPG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPPG EDITAL INTERNO DE CONSULTA DE DEMANDA ORÇAMENTÁRIA PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE FOMENTO À PESQUISA EDITAL PROPPG 001/2014 CONSULTA DE DEMANDA PARA

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 01 Data de Aprovação: 21/10/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

MANUAL DE COMPRAS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS

MANUAL DE COMPRAS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS MANUAL DE COMPRAS SETEMBRO, 2010 MANUAL DE COMPRAS ESCLARECIMENTO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e

Considerando a necessidade de se buscar a redução de custos, em função do aumento da competitividade; e Página 1 de 5 PORTARIA Nº 306, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2001 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO GABINETE DO MINISTRO O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento).

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Lei Federal nº 4.320, de 17/03/1964 (Lei de Orçamento). Código: MAN-SADM-001 Versão: 00 Data de Aprovação: 28/04/2010 Elaborado por: Gerência de Contratação Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos para

Leia mais

Item do Anexo do Relatório de Auditoria: 6.1.1.1 Manutenção do risco de pagamentos a empresas cujos sócios sejam servidores da UNIFESP.

Item do Anexo do Relatório de Auditoria: 6.1.1.1 Manutenção do risco de pagamentos a empresas cujos sócios sejam servidores da UNIFESP. PLANO DE PROVIDÊNCIASDOS ITENSRELACIONADOS À COMPRAS Item do Anexo do Relatório de Auditoria: 6.1.1.1 Manutenção do risco de pagamentos a empresas cujos sócios sejam servidores da UNIFESP. Recomendação:

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS

CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS CADERNO DE QUESTÕES DO ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS QUESTÕES PARA O ENCARREGADO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS 1. Com relação à afirmação o convite é a modalidade de licitação, da Lei 8.666/93, que

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 31/07/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 O Reitor da Universidade Federal de UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições vem, nos termos do inciso XI do art. 26 do Regimento Geral da UNIFAL-MG e do art. 119

Leia mais

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Ordem ao caos...(p4) Tema 4: 1. Práticas de gestão governamental no Brasil e seus resultados: Gestão de suprimentos e logística

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara 1. Processo n.º: TC 05821/2008 2. Classe de Assunto: 09 Processo Licitatório / 04 Inexigibilidade 3. Responsável: Sandra Cristina Gondim Secretária da Administração

Leia mais

PISO BÁSICO DE TRANSIÇÃO - PBT PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PISO BÁSICO DE TRANSIÇÃO - PBT PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PISO BÁSICO TRANSIÇÃO - PBT PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Como utilizar o recurso do Piso Básico de Transição PBT? De acordo com a Portaria MDS n 442, de 26 de agosto de 2005, que regulamenta os Pisos de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 01/2014 CARGO E UNIDADES: Auxiliar de Serviços Gerais (Macaíba) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 2 (duas) horas.

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTO

NORMA DE PROCEDIMENTO de 06.11.2014 INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1. As solicitações para compra de materiais e/ou contratação de serviços deverão considerar os seguintes prazos de atendimento ao solicitado, contados a partir do

Leia mais

MANUAL DE COMPRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO NÚCLEO DE LICITAÇÕES

MANUAL DE COMPRAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO NÚCLEO DE LICITAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS BOM JESUS DA LAPA BR 349 - Km 14 Zona Rural - Caixa Postal 34

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS PUBLICADO NO DOMP Nº 954 DE: 20/02/2014 PÁG: 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 730, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o regulamento do Sistema de Registro de Preços e adota outras providências.

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo II Chapecó, março/2012 1 Aspectos Legais da Licitação de Obras Denise Regina Struecker Auditora

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

DETALHAMENTO DA NATUREZA DA DESPESA 339030 - MATERIAL DE CONSUMO

DETALHAMENTO DA NATUREZA DA DESPESA 339030 - MATERIAL DE CONSUMO DETALHAMENTO DA NATUREZA DA DESPESA 339030 - CONSUMO 01 02 03 COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES AUTOMOTIVOS COMBUSTÍVEIS E LUBRIFICANTES PARA OUTRAS FINALIDADES REGISTRA

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP

REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP REUNIÃO DE TRABALHO LICITAÇÕES CONTRATOS PREGÃO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP Agosto / 2013 LICITAÇÕES E CONTRATOS SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS SRP LEI Nº 8.666, DE 21 DE JUNHO DE 1993. Regulamenta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA Anexo II - TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higiene e desinfecção e Jardinagem com fornecimento de materiais e equipamentos, para

Leia mais

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO

ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ GABINETE DO REITOR INTRODUÇÃO 2 ERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INTRODUÇÃO Considerando os prazos fixados em lei para encerramento do exercício e a regulamentação que determina as datas para entrega dos BALANÇOS ORÇAMENTÁRIOS FINANCEIRO E PATRIMONIAL

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Ensino e Pós-Graduação Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo 1 de 6 Glossário de Termos: AGU Advocacia Geral

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE NOVA PRATA

ESTADO DO RIO GRANDE DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE NOVA PRATA EDITAL N.º 084/2015 - LICITAÇÃO N.º058/2015 - PREGÃO PRESENCIAL N.º 017/2015 REGISTRO DE PREÇOS N.º 022/2015 LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS OBJETIVANDO A AQUISIÇÃO DE

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Lote nº 01 01 Agenda permanente com fita em tecido para marcação de datas Unidade 50 02 Bobina para máquina de calcular em papel apergaminhado 57mm x 30m. Modelo de referência:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES. e-sfinge

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES. e-sfinge e-sfinge SISTEMA DE FISCALIZAÇÃO INTEGRADA DE GESTÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO ATOS JURÍDICOS 2009 1 APRESENTAÇÃO As informações contidas neste documento são amparadas por Resolução do Tribunal de Contas do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. Disciplina o recebimento, a armazenagem, a estocagem e a distribuição de materiais pelos almoxarifados da UDESC. O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. Institui o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 04-037/2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 053/2015

PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 04-037/2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 053/2015 PREGÃO ELETRÔNICO SRP Nº 04-037/2015 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 053/2015 Aos vinte e um dias do mês de setembro do ano de 2015 a, através da Comissão Especial de Registro de Preços, designada pela Portaria

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2013 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2013 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2013 CREMEB 1 - DO OBJETO Constitui objeto da presente Pregão a aquisição de materiais de limpeza. 2 JUSTIFICATIVA Os materiais objeto deste

Leia mais

Câmara Municipal de Guarapuava - 2016

Câmara Municipal de Guarapuava - 2016 Página:1 36 - ALMOXARIFADO 23 - LEITE UHT INTEGRAL 41 2,5500 1.060,80 (16) (415,65) 25 2,5500 645,15 24 - CAFÉ TORRADO E MOÍDO 500 GR 17 8,9000 1.557,50 (4) (382,70) 13 8,9000 1.174,80 25 - AÇÚCAR REFINADO

Leia mais

Relatório de Licitação Normal

Relatório de Licitação Normal FORNECEDOR STATUS UNIDADE UN. QTDE. PE-Pregão Eletrônico PE 105/16 5173 - CRACHÁ, Material: PVC flexível, Aplicação: identificação individual, Cor: em policromia de até 16 milhões de cores, Tipo Impressão:

Leia mais

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES O PRESIDENTE DA VIVA RIO, no uso de suas atribuições regimentais, torna público o anexo Regulamento para Aquisição

Leia mais

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios

Orientações básicas para a Prestaçã o de Contas de Convênios A elaboração da prestação de contas é sempre responsabilidade do gestor que está em exercício na data definida para sua apresentação, quer ele tenha assinado ou não o termo de convênio. Para a prestação

Leia mais

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor

Novas Atitudes. Novos. Estado Gestor Novas Atitudes Paradigmas 1 Procedimentos Estado G t Gestor Instrumentos 2 Sociedade Estado Necessidades Expectativas P i id d Prioridades Recebe a Recebe a pauta Deve se Deve se empenhar para atender

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS

RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI ÁRIDO SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS EMITIDO EM 04/03/2015 10:04 RELATÓRIO DE MATERIAIS/SERVIÇOS Grupo de Material: 3022 Somente Materiais

Leia mais

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un UASG UASG UASG 440001 UASG UASG UASG 130126 UASG Participante 170116 170386 183038 Participante 254420 443020 Ministério Participante Participante Participante Lavoura Participante itens material reciclado

Leia mais

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão

Ferramentas do Sistema de Registro de Preços. Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão Ferramentas do Sistema de Registro de Preços Intenção de Registro de Preços - IRP e Adesão OBJETIVO Divulgar ferramentas e alternativas que auxiliam os gestores no planejamento e execução das despesas:

Leia mais

REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES

REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES REGRAS PARA A UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS PROAP/CAPES Baseado no que determina a Portaria 64 da CAPES I) Informações gerais: Para entendimento e melhor uso dos recursos provenientes do Programa de Apoio a

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

Informática. Cartuchos de toner, preto, compatível, novo, primeiro uso, para impressora LaserJet HP 1022, Q2612A 13. Informática

Informática. Cartuchos de toner, preto, compatível, novo, primeiro uso, para impressora LaserJet HP 1022, Q2612A 13. Informática POSIÇÃO DE ESTOQUE EM 1 DE MARÇO DE 016 Itens Qtde. Grupo Estoque Açúcar cristal 5kg 39 Gêneros Alimentícios Café em pó 500g 86 Gêneros Alimentícios Adesivo Banheiro 49 Higiene e Limpeza Álcool Gel 500g

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009. (publicada no DOE nº 109, de 12 de junho de 2009) Dispõe sobre a Cotação Eletrônica

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE COMPRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE COMPRAS UFGD 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MANUAL ORIENTAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DE BENS OU SERVIÇOS Pró-Reitoria de Administração (PRAD) Coordenadoria de Compras (CCOMP) INSTRUÇÃO NORMATIVA PRAD Nº 1 DE 12 DE DEZEMBRO

Leia mais

REGULAMENTO DA LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO

REGULAMENTO DA LICITAÇÃO NA MODALIDADE PREGÃO Consolidação ao Regulamento da Licitação na Modalidade Pregão da Centrais Elétricas de Carazinho S/A ELETROCAR, aprovado pela Diretoria Executiva conforme Ordem de Serviço nº 03/12 de 09/03/2012, cuja

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS A ADQUIRIR

RELAÇÃO DE ITENS A ADQUIRIR AVALIAÇÃO COMPETITIVA IDSM/OS MCTI Nº 0001/2015 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO: 1.1. Aquisição de gêneros alimentícios e produtos de limpeza em geral para uso nas atividades desenvolvidas pelo CONTRATANTE

Leia mais

Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais

Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Orientações para preenchimento do Plano de Trabalho específico para o PRONAF Infra-Estrutura e Serviços Municipais Brasília, fevereiro de 2004

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 9, DE 2 DE MARÇO DE 2011 (*) Estabelece os procedimentos a serem adotados para aquisição de materiais e bens e contratação

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES

TERMO DE REFERÊNCIA. Diogo Campos Borges de Medeiros MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CDASTRO E LICITAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Diogo Campos Borges de Medeiros I SEMINÁRIO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DO DNIT OBJETIVOS Verificar o conceito, as aplicações

Leia mais

ENUNCIADO ORIENTATIVO 03/2015-TJMT TERMO DE REFERÊNCIA

ENUNCIADO ORIENTATIVO 03/2015-TJMT TERMO DE REFERÊNCIA ENUNCIADO ORIENTATIVO 03/2015-TJMT TERMO DE REFERÊNCIA Coordenadoria de Controle Interno Abril/2015 Página 1 de 12 ENUNCIADO ORIENTATIVO 03/2015-TJMT TERMO DE REFERÊNCIA ENUNCIADO ORIENTATIVO QUE DISPÕE

Leia mais

SIMCOMP SISTEMA DE COMPOSIÇÃO DE DESPESA PÚBLICA

SIMCOMP SISTEMA DE COMPOSIÇÃO DE DESPESA PÚBLICA 1 COMP SISTEMA DE COMPOSIÇÃO DE DESPESA PÚBLICA O COMP é um programa de computador que se insere no contexto geral de software cujo objetivo é o suporte ao trabalho administrativo em um órgão ou empresa

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES EM GESTÃO E PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES EM GESTÃO E PROCESSOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS PAU DOS FERROS COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE PESSOAS CURSO DE CAPACITAÇÃO NOÇÕES

Leia mais

EMPENHO. O pagamento de despesas através de empenho é composto de etapas esplanadas no fluxograma anexo.

EMPENHO. O pagamento de despesas através de empenho é composto de etapas esplanadas no fluxograma anexo. EMPENHO O empenho da despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição (Art 58 da Lei 4.320/64). Nos comentários à

Leia mais

COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS COMO AS LEIS LICITATÓRIAS NORTEIAM AS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Lilian Verônica Gusmão Miranda 1 Rafat Issa 2 Rosana Borges Silva 3 Francisco Del Ducca Corrêa 4 RESUMO As compras nos setores públicos têm passado

Leia mais

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública

ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública ENXOVAL PARA OS ALUNOS QUE IRÃO INICIAR O CURSO: Bacharelado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública 1. MATERIAL ESCOLAR BÁSICO - Caneta esferográfica azul, preta e vermelha; - lápis preto,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS Prefeitura Municipal de João Pessoa Fundação Cultural de João Pessoa PROGRAMA MAIS CULTURA PONTO DE CULTURA PONTOS DE CULTURA DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS ANEXOS

Leia mais

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS

CARTILHA INSTRUTIVA EM COMPRAS PÚBLICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO - UNIVASF PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E ORÇAMENTO - PROGEST Av. José de Sá Maniçoba, S/N Sala 30 Centro, Petrolina-PE - CEP. 56.304-205 Telefax: (87) 2101-6713

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Processo: 23083.007972/2015-42 Pregão: 25/2015 - IRP - UASG 153115 Vigência: 22/10/2015-21/10/2016 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Objeto: Material de expediente Nº Item Breve Descrição Valor Status 2 álcool

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

IMPUGNAÇÃO AO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO ILUSTRÍSSIMO SENHOR ABDIAS DA SILVA OLIVEIRA DESIGNADO PREGOEIRO PARA O PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR PREGÃO ELETRÔNICO: 4/2015 COQUEIRO &

Leia mais

TOTAL...R$155.330,14

TOTAL...R$155.330,14 ATO DE HOMOLOGAÇÃO EM: 29/04/2015 Processo n.º: 050/2015 Pregão Presencial nº: 019/2015 Objeto: REGISTRO DE PREÇOS para futura e eventual compra de material de higienização e produção de limpeza pelo período

Leia mais

CURSO GESTÃO DE COMPRAS POR REGISTRO DE PREÇOS

CURSO GESTÃO DE COMPRAS POR REGISTRO DE PREÇOS CURSO GESTÃO DE COMPRAS POR REGISTRO DE PREÇOS VA L D I R A U G U S T O D A S I LVA G e s t o r d o P o r t a l d e C o m p r a s F o r t a l e z a 0 4 a 0 6 / 0 9 / 2 0 1 3 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Evolução

Leia mais

Entrada de Material - Analítico - Por Entrada (Nota Fiscal)

Entrada de Material - Analítico - Por Entrada (Nota Fiscal) Entrada de - Analítico - Por Entrada (Nota Fiscal) Almoxarifado: 0012 - ALMOXARIFADO PR/BA Entrada: 2010/000219 Data: 10/11/2010 CNPJ - 05.336.923/0001-32 / LINHA FORTE COMERCIO LTDA Documentos: PROCESSO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA

TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA TERMO DE REFERÊNCIA CONSERVAÇÃO E LIMPEZA 1. OBJETO 1.1. Prestação de Serviços de Conservação e limpeza, higienização, desinfecção e limpeza de reservatórios de água e controle de pragas em geral, com

Leia mais

DECRETO Nº28.087, de 10 de janeiro 2006.

DECRETO Nº28.087, de 10 de janeiro 2006. DECRETO Nº28.087, de 10 de janeiro 2006. Dispõe sobre a regulamentação do uso do Sistema de Registro de Preços de que trata o artigo 15 da Lei Federal nº 8.666 de 21 de julho de 1993, e o artigo 11 da

Leia mais