AGROINDÚSTRIA MULTIUSO E CASA DE FARINHA: Instrumentos de apoio ao desenvolvimento sustentável da agricultura familiar do município de Unaí, MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGROINDÚSTRIA MULTIUSO E CASA DE FARINHA: Instrumentos de apoio ao desenvolvimento sustentável da agricultura familiar do município de Unaí, MG"

Transcrição

1 Edital Chamada FAPEMIG Edital 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa Seleção Pública de Projetos de ECTIs para o Estado de Minas Gerais AGROINDÚSTRIA MULTIUSO E CASA DE FARINHA: Instrumentos de apoio ao desenvolvimento sustentável da agricultura familiar do município de Unaí, MG Profa. Dra. Elisângela Jaqueline Magalhães Professora Adjunta na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Campus Unaí Abril de 2014 Unaí-MG 0

2 1. EQUIPE DE EXECUÇÃO DO PROJETO Elisângela Jaqueline Magalhães (coordenadora) - CPF: Doutora em Ciências - Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012), mestre em Agroquímica pela Universidade Federal de Viçosa (2007) e graduada em Química pela Universidade Federal de São João Del Rei (2005). Atualmente é Professora Adjunta na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Unaí. Atua na área de Química Analítica com ênfase em Preparo de Amostras, Química Forense, Química Ambiental e Análise de Alimentos. Tem experiência nas técnicas de analíticas de Cromatografia Líquida, Cromatografia Gasosa e Espectrometria de Massas. Fernando França da Cunha (colaborador) CPF: , Engenheiro Agrônomo e Doutor em Engenharia Agrícola, Professor Adjunto no Instituto de Ciências Agrárias (ICA) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Possui várias publicações, incluindo capítulos de livros e artigos na área de Irrigação e Manejo de Culturas Irrigadas, incluindo hortaliças. Responsável pela elaboração, montagem e condução do projeto; análise e discussão dos resultados; elaboração de artigos científicos e apresentação dos resultados em Congressos e para assentados rurais. Fabrício Oliveira Leitão (colaborador) CPF: Graduado em Administração pelo Instituto de Ensino Superior Cenecista (2005), mestrado em Agronegócios pela Universidade de Brasília (2009) e doutorando em Transportes pelo departamento de Engenharia Civil da Universidade de Brasília (2011). Atualmente é professor do Instituto de Ensino Superior Cenecistas. Titular das disciplinas de Teorias da Administração, Gestão do Agronegócio, Complexos Agroindustriais e Cadeias Produtivas, Administração da Produção, Introdução à Engenharia de Produção e Logística nos cursos de Sistemas de Informação, Ciências Contábeis, Administração e Engenharia de Produção. Também é coordenador do curso de Engenharia de Produção do INESC, da Revista Científica do INESC e do INESC em Revista, fazendo parte do Conselho Editorial de ambas. Foi tutor de ensino a distância (UAB), e professor substituto do curso de Gestão do Agronegócio da Universidade de Brasília (Planaltina) das disciplinas de Nova Economia Institucional (NEI), Economia e Mercado e Sistemas de Informação no Agronegócio. Tem artigos publicados em Revistas Especializadas trabalhando principalmente com a temática da Nova Economia Institucional (NEI) e a Economia dos Custos de Transação (ECT) aplicados ao Agronegócio. É pesquisador do GPIT/UnB (Grupo de Pesquisa sobre Planejamento e Gestão em Transportes) e do GECOMP/UnB (Grupo de Estudos sobre a Sustentabilidade e Competitividade do Agronegócio/UnB). Também é parecerista de artigos do Congresso da SOBER. Ana Paula Pinto Viana (INESC) (colaboradora) - CPF: Graduado em QUÍMICA pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002), mestre em ENSINO DE QUÍMICA pela Universidade de Brasília (2010). Atualmente é professora do Instituto de Ensino Superior Cenecistas. Titular das disciplinas Química Geral, Ciência e Engenharia de Materiais, Cálculo Diferencial e Cálculo Integral e Séries. Professora responsável pelo Laboratório de Física e Química das Faculdades INESC. Marcelo Leite Gastal (colaborador) - Pesquisador da Embrapa Cerrados. CPF: Doutor em Desenvolvimento Sustentável pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS) da Universidade de Brasília (UnB) e Mestre em Sociologia pelo Departamento de Sociologia da UnB, e graduado em Agronomia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Têm experiência em pesquisa participativa com foco em métodos de apoio ao desenvolvimento rural sustentável da agricultura familiar. É líder do projeto de pesquisa e desenvolvimento Monitoramento e avaliação de espaços coletivos para a construção social de mercados pela agricultura familiar de Unaí, MG em parceria com a Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Unaí (STR), Escola Estadual Juvêncio Martins Ferreira (Escola Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [1]

3 Agrícola de Unaí) e a Cooperativa Mista dos Agricultores Familiares de Unaí e Noroeste de Minas Gerais (COOPERAGRO). Esse projeto se encerra em setembro de 2014 e faz parte das ações de pesquisa que a Embrapa Cerrados desenvolve com a agricultura familiar do município de Unaí desde o ano de Sonia Maria Costa Celestino (colaboradora) Pesquisadora da Embrapa Cerrados. CPF: Possui graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal de Uberlândia-UFU (1995), mestrado em Engenharia Química (Secagem de grãos) pela Universidade Federal de Uberlândia (1998) e doutorado em Biologia Molecular (Enzimas para a Indústria de Alimentos) pela Universidade de Brasília-UnB (2005). Atualmente é pesquisadora da Embrapa Cerrados na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos. José Humberto Valadares Xavier (colaborador) Pesquisador da Embrapa Cerrados. CPF: Possui graduação em Agronomia pela Universidade de Brasília (1990). É mestre em Desenvolvimento Sustentável pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS) da Universidade de Brasília (2003). É doutor em Ciências (Área de concentração Sistemas de Produção Agrícola Familiar) pela Universidade Federal de Pelotas - UFPel. Tem experiência em pesquisa na área de Agronomia, com ênfase em Desenvolvimento Rural e agricultura familiar, atuando principalmente nos seguintes temas: validação de tecnologias, avaliação de impacto ambiental por meio de Análise de Ciclo de Vida (ACV), pesquisa/desenvolvimento, sistemas de produção e organização de produtores. Érica Campos Ribeiro (colaboradora) Coordenadora da Assessoria Técnica, Social e Ambiental da Cáritas Diocesana de Paracatu. CPF: Graduada em Agronomia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia de Unaí FACTU (2009), pós-graduada em Georreferenciamento de imóveis rurais pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2010) e pós-graduanda em Agroecologia e Organização de Assentamentos pelo Curso de Especialização Residência Agrária: matrizes produtivas da vida no campo, do Programa de Pós Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural (PPG/MADER) pela Universidade de Brasília (Planaltina). Têm experiência em assessoria técnica em assentamentos de reforma agrária, atuando principalmente com enfoque sistêmico, fortalecimento de organizações sociais e produtivas, transição agroecológica e metodologias participativas. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [2]

4 2. JUSTIFICATIVA Unaí é um município com aproximadamente 70 mil habitantes. Localiza-se no Território de Águas Emendadas, na classificação do Ministério do Desenvolvimento Agrário, na região do Noroeste Mineiro na classificação do Ministério das Cidades e faz parte da Rede de Integração do DF e Entorno (RIDE). O Território de Águas Emendadas, único no país a reunir três unidades da Federação, está localizado no Planalto Central brasileiro, abrangendo todo o Distrito Federal, três municípios do noroeste do estado de Minas Gerais (dentre eles Unaí) e sete municípios do nordeste do estado de Goiás. Do ponto de vista agropecuário, a área municipal está dividida em duas partes, conhecidas como as terras da chapada e do vão. As primeiras são terras planas de Cerrado, ocupadas a partir da década de 1970 por empreendimentos de grande porte. Nessas unidades, destacam-se os cultivos de milho e soja. O vão localiza-se na parte mais baixa e possui relevo suave ondulado, está composto de estabelecimentos de tamanhos médio e pequeno, dedicando-se à pecuária, sobretudo, para produção de leite e a culturas de subsistência. A maior parte dos agricultores familiares está localizada nessa região. A agricultura familiar possui participação significativa em Unaí. De acordo com o IBGE (2011), existem estabelecimentos rurais no município, sendo que (76,1%) são de agricultura familiar. Nesse contexto, destacam-se os assentados de reforma agrária. Unaí possui 34 assentamentos, que totalizam famílias (INCRA, 2013). Unaí é uma importante bacia leiteira, a oitava de Minas Gerais (PINHEIRO, 2007), com produção diária de 340 mil litros. Para os agricultores familiares a produção de leite é estruturante nos estabelecimentos, portanto há um grande esforço para incrementar essa atividade (GASTAL et al., 2003; GREGOLIN, 2004). A grande participação da agricultura familiar na produção leiteira foi alcançada a partir de um forte processo de especialização e elevada dependência de insumos externos aos sistemas de produção (SOUZA et al., 2014). De acordo com levantamento realizado em 10 assentamentos do Município, o leite é a principal fonte de renda (Tabela 1). Ele responde por mais de R$ 6,7 milhões por ano. Logo após está a venda de bovinos (R$ 1 milhão), que pode se dizer que é uma consequência da produção de leite. Destaca-se que não é apenas a renda que demonstra a especialização. Chama à atenção a dependência da produção de leite na compra de insumos externos à propriedade. Os 10 assentamentos compram anualmente R$ ,24 em concentrado, significando 49,46% da despesa com a pecuária e 30,97% da despesa total da propriedade (SOUZA et al., 2014). Tabela 1 Participação das atividades produtivas na composição da renda bruta em 10 assentamentos do Município de Unaí-MG. Produtos Renda anual por produto % Leite R$ ,63 73% Bovinos R$ ,00 11% Aves R$ ,00 4% Processados R$ ,00 3% Queijo R$ ,42 3% Diversos R$ ,50 2% Olerícolas/Frutas R$ ,40 2% Milho R$ ,00 1% Ovos R$ ,00 1% TOTAL - 100% Fonte: Souza et al. (2014). Há também uma parcela de agricultores que praticamente não consegue inserir seus produtos em mercados. Nesses casos, o estabelecimento funciona apenas como residência e a renda da família é obtida por meio de venda de mão de obra e/ou rendas não agrícolas, como aposentadoria. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [3]

5 Complementarmente, há um baixo nível de organização social para diversificação e inserção de produtos em outros mercados ou para aproveitar a potencialidade de políticas públicas, tais como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o Programa Nacional Alimentação Escolar (PNAE), entre outras. Isso dificulta a implementação de alternativas para o aumento de renda das famílias. Frente a esses problemas, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Unaí, como instituição que representa a maioria dos agricultores familiares, vem estimulando uma reflexão coletiva de um processo para apoiar o desenvolvimento da agricultura familiar do município. Um dos resultados dessa reflexão foi a criação da Cooperativa Mista dos Agricultores Familiares de Unaí e Noroeste de Minas Gerais (Cooperagro). Criada em 17 de outubro de 2008, a Cooperagro tem como objetivo principal organizar a produção advinda da agricultura familiar e comercializar tais produtos quer sejam in natura e/ou industrializados. Em 2009, o STR e a Cooperagro formaram uma comissão de agricultores e técnicos, com o objetivo de formular uma proposta de atuação para apoio ao desenvolvimento da agricultura familiar do município. Esta proposta possui três eixos: a) Assistência Técnica; b) Organização da Produção; c) Comercialização. Atualmente, articulam-se em torno dessa proposta diversos parceiros, destacando-se a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Cerrados), a Escola Estadual Juvêncio Martins Ferreira (Escola Agrícola de Unaí), a Cáritas Diocesana (CARITAS). As ações desenvolvidas por cada parceiro encontram-se no Quadro 1. Quadro 1 Instituições parceiras e principais ações desenvolvidas Instituição COOPERAGRO / STR Embrapa Cerrados Escola Agrícola Cáritas Ações Apoio à inserção de produtos nos mercados, com destaque para Programa Nacional de Alimentação Escolar e criação da Feira da Agricultura Familiar de Unaí. Projetos de pesquisa com objetivo de gerar referências 1 sobre estratégias de desenvolvimento sustentável, adaptadas à realidade da agricultura familiar. Apoio a processos de capacitação e formação de técnicos e agricultores. Validação de dispositivo metodológico participativo para apoiar o desenvolvimento sustentável de assentamentos de reforma agrária. O método articula-se em torno de quatro aspectos complementares e indissociáveis: a) fortalecimento da organização dos agricultores por meio do planejamento participativo; b) melhoria do processo produtivo; c) manejo dos recursos naturais e da fertilidade do solo; d) estabelecimento de relações favoráveis com o mercado. Coordenação de processos de formação de técnicos. Destaca-se o curso para formação de agentes de desenvolvimento local, por meio da adaptação da pedagogia de alternância. Assistência técnica em 10 assentamentos de Unaí (523 famílias), por meio do Programa de Assessoria Técnica, Social e Ambiental à Reforma Agrária (ATES) do INCRA. Para isso, foi adaptado o dispositivo metodológico validado em Unaí. 1 Uma referência é entendida como o resultado da análise e atuação em determinada realidade, que podem ser feitas isoladamente pelos agricultores ou como resultado da interação com os técnicos e pesquisadores. Ela corresponde a uma informação contextualizada e sistematizada dessas intervenções, de natureza econômica, social ou técnica e relaciona-se a diferentes escalas, desde uma parcela de cultivo até a unidade de produção ou a organização de produtores. Uma referência agrega as práticas dos agricultores para solucionar determinada problemática, ou seja, ela faz parte de uma escolha feita por eles, considerando seus objetivos, os problemas enfrentados e os recursos potenciais (BONNAL et al., 1994; SABOURIN, XAVIER; TRIOMPHE, 2009). Os principais resultados da articulação dessas instituições são os seguintes: Dispositivo metodológico participativo para apoiar o desenvolvimento sustentável de assentamentos de reforma agrária validado em três assentamentos representativos da diversidade ambiental, econômica e social da região (SABOURIN; XAVIER; TRIOMPHE, 2009); 56 técnicos em agropecuária e desenvolvimento sustentável formados com perfil de agentes de desenvolvimento rural sustentável. Esses técnicos eram filhos de assentados ou assentados de 35 Assentamentos de 16 municípios da SR 28 do INCRA (ALMEIDA et al., 2009); Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [4]

6 Inovação em plantio direto em milho para Agricultura Familiar. O objetivo foi de melhorar a fertilidade solo e evitar perda de água e erosão. Entretanto, para a realidade da Agricultura Familiar que não dispõe de tratores, também foi necessário testar um maquinário adaptado para plantio direto com tração animal. Além do alcance dos objetivos propostos o uso da tração animal permitiu a autonomia dos agricultores em relação ao aluguel de tratores e possibilitou o plantio em épocas corretas, sem atrasos, resultando em aumentos de produtividade e rentabilidade (SILVA et al, 2009; OLIVEIRA et al., 2009; XAVIER et al., 2013); Venda de produtos da Agricultura Familiar para a alimentação escolar (PNAE), acompanhamento e sistematização do processo para geração de referência. Em 2013, participaram dessa venda 43 famílias (MENDONÇA et al., 2014). Criação da Feira da Agricultura Familiar de Unaí, da qual participam aproximadamente 20 agricultores. Instalação do Centro de Treinamento e da Agroindústria Multiuso nas dependências da Escola Agrícola de Unaí. Instalação de Galpão em um terreno da prefeitura instalado no bairro Canaã na sede do município, com previsão de entrega ainda em Construção de fábrica de farinha no assentamento Nova Califórnia, priorizado no plano participativo de desenvolvimento do assentamento assistido pela CARITAS, com previsão de entrega ainda em Em 2013, a Prefeitura Municipal de Unaí, a Cooperagro, a Cáritas Diocesana de Paracatu, a Escola Agrícola de Unaí, o STR do município e a Embrapa Cerrados iniciaram uma série de ações com o objetivo de incrementar a renda e melhorar a qualidade de vida dos assentados da reforma agrária e agricultores familiares do entorno dos assentamentos de Unaí, MG, por meio da otimização das estruturas de apoio a produção, agroindustrialização e comercialização existentes no município. Nessa parceria, a Cooperagro, como representante da agricultura familiar do município, ficou responsável pela operação e administração da Agroindústria Multiuso, do Centro de Treinamento e do Galpão. Na Agroindústria Multiuso da Agricultura Familiar já estão sendo processados em pequena escala, utilizando a mão de obra das mulheres cooperadas, produtos oriundos dos assentamentos da reforma agraria e da agricultura familiar do entorno dos mesmos. O objetivo da Cooperagro é ampliar a agroindústria para aumentar sua participação no mercado local e regional oferecendo um mix de produtos constituídos de: Polpas de Frutas congeladas; Geléias; Frutas desidratadas; Hortaliças e Saladas Prontas minimamente processadas embaladas à vácuo e em atmosfera modificada, e Conservas. No Galpão, será instalado o Mercado da Agricultura Familiar. Nele a Cooperagro receberá, armazenará, selecionará e embalará os produtos recebidos dos agricultores, para comercialização nos mercados institucionais e convencionais. No Centro de Treinamento da Agricultura Familiar estão sendo realizados cursos para os agricultores e eventos técnicos. Assim, com o início da operação da Agroindústria Multiuso na Escola Agrícola e a instalação da Casa de Farinha no PA Nova Califórnia a Cooperagro e o STR definem uma nova demanda às organizações: apoiar os agricultores familiares para operarem essas estruturas e para construírem mercados para os produtos nela processados de maneira que ela se torne um instrumento de apoio ao desenvolvimento rural sustentável. Consequentemente, também é necessário atuar na organização da produção por se tratar de um processo de diversificação. Os resultados já obtidos em Unaí pela Cooperagro na construção social de dois mercados para hortaliças, mandioca, frutas, polpa de frutas, temperos, entre outros mostram a viabilidade da diversificação. A venda de produtos da agricultura familiar para o Programa Nacional de Alimentação Escolar e a organização da Feira da Agricultura Familiar mostrou que é possível chegar a uma média de renda bruta mensal por família de R$ 1.053,55 na Feira, e de R$ 3.072,90 na venda para o PNAE (MENDONÇA et al., 2014; ZICA et al., 2014). Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [5]

7 No entanto, essas iniciativas alcançam um número limitado de famílias. Torna-se necessário, portanto, dinamizar as estruturas e os processos estabelecidos para ampliar os benefícios para um conjunto maior de agricultores. A operação destas estruturas para atender a maiores e mais exigentes mercados de modo a beneficiar mais famílias de agricultores familiares é um processo complexo de gestão que exige um grau de profissionalização. Para responder a esses desafios a Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - Campus Unaí (UFVJM Unaí) instalada recentemente no município, a Cooperativa Mista dos Agricultores Familiares de Unaí e Noroeste de Minas Gerais (COOPERAGRO), o Instituto de Ensino Superior Cenecistas (INESC), a Cáritas Diocesana de Paracatu Núcleo Operacional de Unaí, a Escola Estadual Juvêncio Martins Ferreira (Escola Agrícola de Unaí) e a Embrapa Cerrados formaram uma parceria para elaborar uma proposta de trabalho e apresentar no Edital Chamada FAPEMIG Edital 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa. Entendem que esse edital é uma oportunidade única para a parceria, pois se propõe a financiar projetos de extensão, em interface com a pesquisa científica e/ou com o desenvolvimento tecnológico, a serem executados em Minas Gerais, com a finalidade de fortalecer a ação transformadora da pesquisa sobre os problemas sociais e estabelecer uma relação de diálogo entre pesquisadores e sociedade. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [6]

8 3. OBJETIVOS 3.1. Objetivo Geral Transformar a Agroindústria Multiuso localizada na Escola Agrícola e a Casa de Farinha localizada no Assentamento Nova Califórnia em instrumentos de apoio ao desenvolvimento sustentável da agricultura familiar do município de Unaí, MG, apoiando a Cooperativa Mista dos Agricultores Familiares de Unaí e Noroeste Mineiro (COOPERAGRO) e a Associação dos Produtores Familiares do Assentamento na gestão e operação das mesmas e na construção social de mercados para os produtos nelas processados Objetivos Específicos a) Definir o processo de gestão da produção e operações da Agroindústria Multiuso e da Casa de Farinha com a participação dos agricultores familiares, para o processamento de geleias, polpas de frutas, sucos prontos, vegetais minimamente processados, frutas desidratadas, farinha de mandioca e polvilho. b) Organizar a produção nos estabelecimentos rurais dos agricultores familiares cooperados na Cooperagro e dos 10 (dez) assentamentos assessorados pela Cáritas Diocesana de Paracatu de forma a abastecer as duas agroindústrias e os mercados in natura, não somente em quantidade, mas principalmente, com produtos de qualidade. c) Conquistar novos mercados para inserção de produtos in natura e industrializados da agricultura familiar de Unaí. d) Gerar referências técnicas, econômicas e sociais sobre as estratégias, processos e tecnologias adaptados e utilizados para apoiar o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar de forma que possam ser disponibilizados para outros locais e regiões. e) Estimular a participação dos alunos em projetos de pesquisa como parte da formação científica e buscar o comprometimento da comunidade universitária com interesses e necessidades da sociedade, em todos os níveis, estabelecendo mecanismos que relacionem o saber acadêmico ao saber popular. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [7]

9 4. METODOLOGIA Para a definição do processo de gestão da produção e operações da Agroindústria Multiuso e da Casa de Farinha várias atividades serão necessárias. São elas: a) Desenvolvimento da marca dos produtos: Reunião com os agricultores para definir estratégia e posicionamento de marca, brainstorm coletivo envolvendo equipe de criação e clientes, processo de produção gráfica incluindo identidade visual e implantação no mercado local segundo metodologia apresentada por Michelena Munhoz (2009). b) Pesquisa de mercado para levantar potenciais demandas: Um dos principais objetivos da pesquisa de mercado consiste em levantar as opiniões, atributos e exigências dos consumidores acerca de um determinado produto. Assim, a pesquisa mercadológica embasará os demais processos que envolverão a linha de produção das Agroindústrias, tais como levantamento dos custos de produção, formação de preço de venda. Depois que os produtos forem lançados no mercado também será realizado uma pesquisa para saber a satisfação do cliente. c) Formação de preço dos produtos: A formação de preços é muito mais do que o simples processo de acumular custos e acrescentar uma margem de lucro. Para que o preço calculado produza consequências satisfatórias no curto, médio e longo prazo, alguns princípios devem ser observados. Tais princípios nortearão a definição deste preço de venda, adotando, contudo, metodologias que auxiliem nessa definição de preços, levando em consideração os custos de produção e transação envolvidos, a análise de valor agregado dos produtos e o preço praticado pela concorrência e seus respectivos mark-ups, conforme metodologia proposta por SEBRAE (2013). d) Análise da satisfação dos clientes: O feedback do consumidor é fundamental para gestão da qualidade dos produtos, assim como do processo de produção como um todo. Portanto, serão realizadas essas verificações com os consumidores sempre que necessário, visando à manutenção da qualidade dos produtos e garantindo, por consequência, a fidelização dos clientes. A participação dos alunos e professores possibilitará a realização desses estudos sistematicamente. e) Análise físico-química dos produtos para controle de qualidade: O processo de certificação sanitária de produtos alimentícios exige, entre outros, a análise físico-química que comprove as características da qualidade do produto. Estas análises geralmente envolvem determinação de ph, umidade, atividade de água, acides total titulável por titulação direta, proteína bruta, cinzas e carboidratos (AOAC, 1992). Tais análises serão realizadas no laboratório do INESC e da UFVJM com o auxílio de professores e alunos da área e de acordo com a demanda da Agroindústria. Serão empregadas metodologias descritas pelo Instituto Adalfo Lutz (2008). f) Análise microbiológica em alimentos: Entre os vários parâmetros que indicam a qualidade e a inocuidade de alimentos, os mais importantes são aqueles que definem as suas características microbiológicas. As análises são necessárias para a obtenção de informações sobre as condições de higiene durante sua produção, processamento, armazenamento, distribuição, sobre sua vida de prateleira e sobre o risco que pode representar à saúde. A análise microbiológica durante a fabricação de alimentos detecta contaminações antes, durante ou após o processamento do alimento. Parcerias serão estabelecidas para realizar as seguintes análises: Bacillus cereus; Listeria sp. e monocytogenes; Clostridium sulfito redutores; Clostridium perfringens; Coliformes totais; Coliformes termotolerantes; Bolores e leveduras; Contagem padrão (Mesófilos); Staphylococcus aureus; Salmonella sp.; Enterobactérias; Escherichia coli. Utilizando as metodologias descritas nas Normas Internacionais ISSO; no Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [8]

10 Compendium of Methods for the Microbiological examination of foods (4ª ed. 2001) e Methods of analysis of AOAC international sistema BAX (ANVISA, 2014). g) Criação de fluxograma de todos os processos dos produtos a serem produzidos: A técnica de fluxograma permite o conhecimento sintético de todo o processo de fabricação de um dado produto ou serviço. É, pois, uma ferramenta fundamental em toda linha de produção. Mediante essa importância notável, todos os processos de fabricação dos produtos terão um fluxograma que servirá de apoio ao processo em si. Estes fluxogramas serão desenvolvidos por meio de análises minuciosas do processo como um todo, mensurando inclusive os tempos e movimentos que serão necessários para cada linha de produção. h) Assistência na Logística e no desenvolvimento dos Layouts das Agroindústrias: Todo o processo que envolve a logística e a distribuição física dos produtos, bem como o desenvolvimento do layout da área de processamento serão feitos através de estudos sistemáticos com o auxílio e assistências dos alunos e professores de acordo com a demanda exigida pela frequência de produção a ser determinada. Para tanto, lançará mão da técnica do método dos elos para desenvolver os layouts das Agroindústrias. i) Planejamento e Controle da Produção. Formação de célula de fabricação, eliminação de gargalos, padronização de rotinas operacionais, e apuração do resultado operacional agroindustrial: Tais processos serão desenvolvidos baseados em metodologias específicas e com o auxílio de professores especializados na área. j) Adequação da Agroindústria à Legislação Ambiental e Sanitária: fazer a adequação da Agroindústria à Resolução do Conama nº 385/2006 (Legislação Ambiental), e à lei Lei Nº 9.712, de 20 de Novembro DE 1998, que Altera a Lei nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991, acrescentando-lhe dispositivos referentes à defesa agropecuária (Legislação Sanitária). k) Capacitação no tema processamento de alimentos: Com o funcionamento da Agroindústria Multiuso e da Casa Farinha haverá demanda de formação de mão de obra. Serão ministrados periodicamente cursos para aperfeiçoamento e melhoria contínua dos processos. O mesmo se aplica no caso de diversificação de produtos segundo a demanda identificada. Espera-se que a definição do processo de gestão da produção e operações da Agroindústria Multiuso e da Casa de Farinha, mais especificamente a pesquisa de mercado para levantar potenciais demandas, indique novas possibilidades de inserção dos produtos da agricultura familiar. Isso exigirá organizar a produção nos estabelecimentos rurais dos agricultores familiares para abastecer as duas agroindústrias e os mercados in natura. Em termos metodológicos, pretende-se gerar informações a partir do acompanhamento de uma rede de estabelecimentos de referência, representativa dos principais tipos de sistemas de produção de agricultura familiar identificados nos 10 assentamentos assessorados pela Cáritas em Unaí-MG. Esta Rede já se encontra instalada e é composta por 24 estabelecimentos. O método a ser empregado para atingir os objetivos da proposta será adaptado a partir dos procedimentos descritos em Bonnal et al. (1994), Gastal et al. (2002) e Soares Júnior, Fonseca e Feijó (2012). Será realizado um levantamento de dados baseado nas práticas dos agricultores. Serão acompanhadas variáveis estruturais, de funcionamento e de resultados, nos níveis técnico e socioeconômico. As primeiras serão coletadas anualmente e informarão sobre a situação patrimonial: a área da propriedade e sua distribuição, o tamanho do rebanho, os equipamentos, as benfeitorias, os estoques de produtos e insumos e a composição do núcleo familiar. As variáveis de funcionamento e de resultados serão coletadas mensalmente e dizem respeito à caracterização do processo produtivo. Serão levantados os seguintes itens: fluxo de caixa, itinerários técnicos dos cultivos, uso de mão de obra e manejo do rebanho. Serão coletados também dados pluviométricos. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [9]

11 Técnicos e agricultores participarão da coleta de informações. Ao final de cada ano agrícola serão feitas sínteses dos resultados técnico-econômicos dos estabelecimentos acompanhados, utilizando os indicadores descritos em Lima et al. (2005): Produto Bruto (PB), Valor Agregado Bruto (VAB) e Valor Agregado Líquido (VAL). A partir dessa análise, serão produzidas referências técnicas específicas. Uma referência é entendida como o resultado da análise e intervenção em determinada realidade, que podem ser feitas isoladamente pelos agricultores ou como resultado da interação com os técnicos e pesquisadores. Ela corresponde a uma informação contextualizada e sistematizada dessas intervenções, de natureza econômica, social ou técnica e relaciona-se a diferentes escalas, desde uma parcela de cultivo até a unidade de produção ou a organização de produtores (SABOURIN; XAVIER E TRIOMPHE, 2009). Segundo Bonnal et al. (1994), uma referência agrega as práticas dos agricultores para solucionar determinada problemática, ou seja, ela faz parte de uma escolha feita por eles, considerando seus objetivos, os problemas enfrentados e os recursos potenciais. Para isso, ela deve reunir de maneira sintética as seguintes informações: a) uma descrição da realidade na qual foi construída; b) a problemática enfrentada; c) as atividades estabelecidas para atuar em face dos problemas identificados; d) os resultados alcançados; e) as possibilidades de melhoria, isto é, as margens de progresso. As referências geradas, assim como outras informações, serão empregadas para apoiar a realização de atividades de capacitação com os agricultores, considerando os problemas e demandas identificados. Outra referência a ser construída como resultado do projeto será a descrição da estratégia (processo) de apoio ao desenvolvimento sustentável implantada de assessoria às organizações de agricultores familiares na viabilização da gestão e operação de agroindústrias e na construção social de mercados para os produtos processados. Para isso será utilizado o método de sistematização de experiência. Vários autores descrevem métodos de sistematização de experiência, dentre eles CHAVES (2007), HOLLIDAY (2006) E ECKERT (2008). Neste projeto será utilizado o método descrito por Holliday (2006), composto de cinco tempos: 1º tempo - O ponto de partida (reunião de atores, dados, informações e relatórios envolvidos na experiência); 2º tempo As perguntas iniciais (Para que queremos sistematizar? Quais aspectos centrais dessa experiência interessa sistematizar?); 3º tempo Recuperação do processo vivido; 4º tempo A reflexão de fundo (analisar, sintetizar e interpretar criticamente o processo); 5º tempo Os pontos de chegada (formular as conclusões e comunicar a aprendizagem). Para determinar do impacto dessa estratégia de desenvolvimento na qualidade de vida dos agricultores familiares envolvidos será utilizado o acompanhamento da rede de estabelecimentos de referência já descrito anteriormente. A integração das atividades propostas na metodologia geral da proposta é apresentada na Figura 1. Construção de Referência Descrevendo a Estratégia de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável Organização da Produção Acompanhamento da Rede de Estabelecimentos de Referência (RER). Geração de referências técnicas. Capacitação dos agricultores. Pesquisa de Mercado para Levantar Potenciais Demandas Conquista de Novos Mercados Formação do preço. Desenvolvimento da marca dos produtos. Análise físico-química dos produtos. Capacitação sobre processamento de alimentos. Análise de Satisfação dos Clientes Gestão das Agroindústrias Criação de fluxogramas dos processos. Logística e layout das agroindústrias. Planejamento e controle da produção. Adequação à legislação ambiental. Figura 1- Metodologia da proposta. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [10]

12 5. REFERÊNCIAS AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de Disponível em: Acesso em 10 de abril de ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS - AOAC - Official Methods of Analysis of the AOAC. 10.ed. Washington, p. ALMEIDA, S.C.R. de, DANSA, C. V. de A.; MOLINA, M. C.; XAVIER, J. H. V.; ZOBY, J. L. F. A formação de agentes de desenvolvimento local. In: OLIVEIRA, M.N. de; XAVIER, J.H.V.; ALMEIDA, S.C.R. de; SCOPEL, E. (Ed.). Projeto Unaí: pesquisa e desenvolvimento em assentamentos de reforma agrária. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p BONNAL, P.; XAVIER, J. H. V.; SANTOS, N. A. dos; SOUZA, G. L. C. de; ZOBY, J. L. F.; GASTAL, M. L.; PEREIRA, E. A.; PANIAGO JÚNIOR, E.; SOUZA, J. B. de. O papel da rede de fazendas de referência no enfoque de pesquisa - desenvolvimento: Projeto Silvânia. Planaltina, DF: EMBRAPA-CPAC, p. (EMBRAPA-CPAC. Documentos, 56). CHAVEZ-TAFUR, J. Aprender com a prática: uma metodologia para sistematização de experiências. Rio de Janeiro: AS-PTA, ECKERT, C. Orientações para elaboração de sistematizações de experiências. Porto Alegre: EMATER/RS ASCAR, p. GASTAL, M. L.; XAVIER, J. H. V.; ROCHA, F. E. de C.; MOLINA, M. C.; ZOBY, J. L. F. Método participativo de apoio ao desenvolvimento sustentável de assentamentos de reforma agrária. Planaltina: Embrapa Cerrados, p. (Embrapa Cerrados. Documentos, 74). GASTAL, M. L.; XAVIER, J. H. V.; ZOBY, J. L. F ; ROCHA, F. E. de C.; SILVA; M. A. da; RIBEIRO, C. F. D. de A.; COUTO, P. H. M. Projeto Unaí: diagnóstico rápido e dialogado de três assentamentos de Reforma Agrária. Planaltina: Embrapa Cerrados, p. (Embrapa Cerrados. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 118). GREGOLIN, A. C. A construção do mercado de leite: um estudo de caso dos agricultores familiares do assentamento Paraíso no município de Unaí, MG p. Dissertação. (Mestrado em Ciências Agrárias) Universidade de Brasília, Brasília, DF, HOLLIDAY, O. J. Para sistematizar experiências 2. ed., revista. Brasília: MMA, p. (Série Monitoramento e Avaliação, 2). INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA. Apresentação sobre a Assessoria Técnica, Social e Ambiental no município de Unaí (Relatório Interno). ZENEBON O.; PASCUET N. S.; TIGLEA, P (Coord.). Métodos físico-químicos para análise de alimentos, São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, p. LIMA, A.P. de.; BASSO, N.; NEUMANN, P.S.; SANTOS, A.C. dos; MULLER, A.G. Administração da unidade de produção familiar: modalidades de trabalho com agricultores. 3. ed. Ijuí: Editora UNIJUÍ, p. MENDONÇA, A.P.B.; XAVIER, J.H.V.; SILVA, W.H. da; SOUZA, S.V.; ZICA, K.D.N. A construção social de mercados: a venda para Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) em Unaí, MG e seus impactos na renda das famílias. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [11]

13 SISTEMAS DE PRODUÇÃO, 10., 2014, Foz do Iguaçu, PR, Brasil. 5 p. Artigo aprovado no congresso a ser realizado no período de 14 a 17/05/2014. MICHELENA MUNHOZ, D. R. Manual da Identidade Visual: guia para construção. Rio de Janeiro: 2AB, OLIVEIRA, M.N. de; XAVIER, J.H.V.; ALMEIDA, S.C.R. de. Ação coletiva para inserção de agricultores familiares na cadeia produtiva do leite: estudo de caso em um assentamento de reforma agrária. Planaltina: Embrapa Cerrados, p. (Embrapa Cerrados. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 265). OLIVEIRA, M. N. de; XAVIER, J. H. V.; SILVA, F. A. M. da, SCOPEL, E.; ZOBY, J. L. F. Efeitos da introdução do sistema de plantio direto de milho por agricultores familiares do município de Unaí-MG (Cerrado Brasileiro). Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 39, n. 1, p , 2009a. Disponível em: <http://www.revistas.ufg.br/index.php/pat/article/view/3953/4513>. Acesso em: 08 set PINHEIRO, M. E. F. Eficiência da produção familiar de leite: identificando benchmarks f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Brasília, DF. SABOURIN, E.; XAVIER, J.H.V.; TRIOMPHE, B. Um olhar sobre os enfoques e métodos no Projeto Unaí. In: OLIVEIRA, M.N. de; XAVIER, J.H.V.; ALMEIDA, S.C.R. de; SCOPEL, E. (Ed.). Projeto Unaí: pesquisa e desenvolvimento em assentamentos de reforma agrária. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p SEBRAE - Serviço Brasileiro De Apoio à Micro e Pequena Empresa - Formação de preços: vários fatores devem ser considerados para o estabelecimento de preços de produtos e serviços. Site disponível em: Acesso em 9 de Abril de SILVA, W.H. da; et al. Comercialização de produtos da agricultura familiar para a alimentação escolar: a experiência da Cooperagro, no município de Unaí-MG. In: Anais do I Seminário Internacional Inovação para a valorização dos Produtos da Agricultura Familiar e do Agroextrativismo no Cerrado. Planaltina-DF, de 4 a 6 de dezembro de SILVA, F.A.M. da; SCOPEL, E.; XAVIER, J.H.V.; TRIOMPHE, B. Processos de inovação em plantio direto no cultivo de milho grão sequeiro para agricultura familiar. In: OLIVEIRA, M.N. de; XAVIER, J.H.V.; ALMEIDA, S.C.R. de; SCOPEL, E. Projeto Unaí: pesquisa e desenvolvimento em assentamentos de reforma agrária. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, p SOARES JÚNIOR, D.; FONSECA, H.N.; FEIJÓ, J.C. Redes de referência para a agricultura familiar no território Norte Pioneiro do Paraná. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 29, n. 1, p.41-60, jan./abr., SOUZA, S.V.; SILVA, W.H. da; MENDONÇA, A.P.B.; ZICA, K.D.N.; GASTAL, M.L. Análise da composição da renda familiar em 10 assentamentos de reforma agrária em unaí, MG. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO, 10., 2014, Foz do Iguaçu, PR, Brasil. 5 p. Artigo aprovado no congresso a ser realizado no período de 14 a 17/05/2014. VOGT, S. P. C.; SOUZA, R.S. Mercados Institucionais Locais como instrumento de fortalecimento da agricultura familiar: uma análise do Programa de Aquisição de Alimentos na Região Celeiro UFSM, SANTA MARIA - RS - BRASIL Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [12]

14 XAVIER, J.H.V.; MACENA, F.A. da; SCOPEL, E.; MULLER, A.G.; ALMEIDA, S.C.R.; OLIVEIRA, M.N. de; SABOURIN,E.; TRIOMPHE, B.; CORBEELS, M.; SILVA, D. S.; LIMA, T.M.; RIBEIRO, C. F.D. de A. Plantio direto de milho grão sequeiro: referência construída com agricultores familiares assentados de reforma agrária do Município de Unaí, MG. Planaltina-DF: Embrapa Cerrados, 2013 (Série Documentos, 314). ZICA, K.D.N.; SILVA, W.H. da; MENDONÇA, A.P.B.; SOUZA, S.V.; GASTAL, M.L. A construção social de mercados: a implantação da Feira dos Agricultores Familiares de Unaí, MG e seus impactos na renda das famílias. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO, 10., 2014, Foz do Iguaçu, PR, Brasil. 5 p. Artigo aprovado no congresso a ser realizado no período de 14 a 17/05/2014. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [13]

15 6. CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS Atividades Desenvolvimento da marca dos 2; 4; 8 produtos Pesquisa de mercado para levantar 2; 4; 8 potenciais demandas 2; 4; 8 Formação de preço dos produtos 2; 4; 8 Análise da satisfação dos clientes Análise físico-química dos produtos 1; 3, 5 para controle de qualidade Criação de fluxograma de todos os 2; 4; 8 processos dos produtos Assistência na Logística e no desenvolvimento do Layout da 2; 4; 8 Agroindústria Planejamento e Controle da Produção 2; 4; 8 Capacitação em processamento de alimentos 5 Acompanhamento de uma rede de 7; 4; 6 estabelecimentos de referência 7; 4; 6 Produção de referências técnicas 7; 4; 6 Capacitação com os agricultores 4; TODA A Sistematização da Experiência EQUIPE. Mês de Execução Executores: 1 - Elisângela Jaqueline Magalhães 2 - Fabrício Oliveira Leitão 3 Ana Paula (INESC); 4 - Marcelo Leite Gastal; 5 - Sonia Maria Costa Celestino; 6 - José Humberto Valadres Xavier 7 - Érica Campos Ribeiro 8 - Estudantes. Sublinhado está o responsável pela atividade. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [14]

16 7. ORÇAMENTO 7.1. Material de Consumo: Item Especificação Unid. Quant. R$ Unit. R$ Total Não será necessário 7.2. Material Permanente: Item Especificação Unid. Quant. R$ Unit. R$ Total 1 Seladora à vácuo de aço inox com injeção de gás. Cuba com tampa de acrílico e dimensões aproximadas de: largura: 420mm; altura: 100mm; comp. 350mm. Largura aproximada do mordente: 40 cm com 02 unid , ,00 barramentos. Dimensões aproximadas do equipamento: 60 cm de comprimento; 50 cm de largura x 40 cm de altura. Voltagem 110V. 2 Nobreak de 1000 kva ou acima unid , ,00 Justificativa do Material Permanente Item Especificação Justificativa 1 2 Seladora à vácuo de aço inox com injeção de gás. Nobreak de 1000 kva ou acima Esse equipamento possibilita a comercialização de saladas de folhas prontas aumentando seu tempo de prateleira. Na primeira compra de equipamentos para a Agroindústria Multiuso não foi possível adquiri-lo. Já existe uma negociação com a Prefeitura Municipal, pois esse equipamento permitirá inserir na alimentação escolar (PNAE) folhagens o que no momento não é possível pela sua rápida perecebilidade. A Agroindústria Multiuso e o Centro de Treinamento estão localizados na Escola Agrícola que é no meio rural. Os equipamentos já adquiridos e instalados, a seladora a ser adquirida estão sujeitos a muitas oscilações de energia podendo causar sérios danos aos mesmos Serviço de Terceiros: Item Especificação Unid. Quant. R$ Unit. R$ Total Não será necessário 7.3. Passagens e Diárias: Item Especificação Unid. Quant. R$ Unit. R$ Total 1 Diárias* unid , ,00 *Necessária para os três (3) membros equipe que são da Embrapa Cerrados localizada em Planaltina e que residem em Brasília, DF. Estão previstas 2,5 diárias por mês para deslocamento dessa equipe a Unaí Bolsa de Iniciação Científica: Item Especificação Unid. Quant. R$ Unit. R$ Total 1 Bolsas de Iniciação Científica mês , ,00 2 Bolsas de Iniciação Científica mês , ,00 3 Bolsas de Iniciação Científica mês , , Resumo: Item Item financiável R$ Total 1 Material de Consumo 0,00 2 Material Permanente 8.500,00 3 Serviço de Terceiros 0,00 4 Passagens e Diárias ,00 5 Bolsas de Iniciação Científica ,00 6 Despesas Operacionais (5%) 2.375,00 TOTAL ,00 Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [15]

17 8. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS EXISTENTES OU A SEREM UTILIZADOS PARA A EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES PREVISTAS ATIVIDADES Agoindústria Multiuso da Agricultura Familiar Mercado da Agricultura Familiar Centro de Treinamento da Agricultura Familiar Laborátório de Análises físicoquímicas do INESC/CNEC Laboratório da UFVJM - Campus Unaí Casa de Farinha no PA Nova Califórnia MÊS DE EXECUÇÃO Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [16]

18 9. VALOR E IDENTIFICAÇÃO DOS ITENS QUE INTEGRARÃO A CONTRAPARTIDA DA PROPOSTA Item Especificação Contrapartida Fonte Estrutura Física (Área de Produção; Banheiros e Vestiários) R$ ,00 Equipamentos: Câmaras Frias; Balança eletrônica com capacidade para15 kg; Mesas de Prefeitura; Agroindústria manipulação em aço inox AISI 304, com Território da Multiuso da acabamento sanitário; Descascador de legumes, Cidadania 1 Agricultura capacidade nominal de 6kg com produção média Águas R$ ,00 Familiar de 120kg/h; Tacho para doce ou requeijão, Emendadas e camisado, basculante,com sistema de Cooperagro aquecimento a gás com termostato e chama piloto; Despolpadoras; Seladoras; Embaladoras; etc Centro de Treinamento da Agricultura Familiar Mercado da Agricultura Familiar Laborátório de Análises físicoquímicas Laborátório de Análises físicoquímicas Casa de Farinha Estrutura Física (Salas; Alojamentos e Banheiros). Equipamentos: Datashow; Cadeiras; Televisão 29'; Tela Projeção; Ventiladores; Camas e Armários. Estrutura Física (área de recepção; área de beneficiamento; área de estocagem e armazenamento. Equipamentos: Computadores; Impressoras; Prateleiras; Paletes; Balanças; etc. Estrutura Física (laboratório especializado) Equipamentos: pipetores automáticos; lavadores de pipetas; termômetros (de 0 a 150º); Bicos de bunsen; Suportes universais; Telas de amianto; Tripés de ferro; Espátulas; Lupas manuais; Destilador de água; Balanças analíticas; Balanças eletrônicas; Medidores de PH; Estufa de esterilização e secagem de 30 litros; Mantas aquecedoras e agitadoras; Kit de vidrarias; Agitador magnético com aquecimento; kit de reajentes Estrutura Física (laboratório especializado) Equipamentos: Agitador mecânico, Vortex e magnético com aquecimento; Autoclave Horizontal; Balança Analítica; Banho Maria; Bomba à váculo; Capela; Centrífuga; Chapa aquecedora; Deionizar de água; Espectrofotômetro; Estufa de secagem e esterilização; Geladeira; Medidor de Condutividade; Medidor de oxigênio dissolvido; Mufla, Osmose reversa; phmetro; Banho ultrassônico; Evaporador Rotativo; Refratômetro; Balança Semi-analítica. Estrutura Física (área de recepção; área de produção; área de estocagem Equipamentos: Ralador; Macaco Hidraúlico; Seladora e Embaladora; Balança Mecância e Eletrônica R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Prefeitura; Território da Cidadania Águas Emendadas e Cooperagro Prefeitura; Território da Cidadania Águas Emendadas e Cooperagro R$ ,46 INESC/CNEC R$ ,77 UFVJM R$ ,00 Associação do PA California e Cáritas Diocesana de Paracatu Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [17]

19 10. RELEVÂNCIA DA PROPOSTA, IMPACTOS E PRODUTOS GERADOS Segundo Vogt e Souza (2009), percebe-se o destacado papel que as cooperativas vêm exercendo na organização e na inserção dos agricultores familiares nos mercados locais. Isso pôde ser percebido no trabalho que a Cooperagro vem fazendo no município com a venda para o PNAE. Na Tabela 2, são apresentadas as receitas e despesas de nove (9) estabelecimentos (21%) representativos dos 43 que participaram da venda em 2013 que foram acompanhados para identificar o impacto dessa venda na renda das famílias. Observa-se que as vendas destinadas ao PNAE representaram 21,1% das receitas da agropecuária e 15,5% de todas as receitas dos estabelecimentos (receitas da agropecuária e outras rendas) (MENDONÇA et al., 2014). A média comercializada em cada estabelecimento foi de R$ 1.081,32. Esse valor representou apenas 5,4% do valor que poderia ser comercializado (R$ ,00 por agricultor). De acordo com Silva et al. (2013), os principais produtos ofertados para o PNAE em Unaí são abóbora, mandioca, milho verde, polpa de frutas e biscoitos caseiros. Tabela 2 - Demonstrativo geral de receitas e despesas de 9 estabelecimentos participantes do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) em Unaí-MG. Indicadores Valor (R$) Produtos vendidos ,52 Produtos vendidos para o PNAE ,80 Receitas da agropecuária ,32 Despesas da produção ,94 Valor agregado bruto (VAB) ,38 Depreciações (instalações, máq, veículos e equip.) ,54 Valor agregado líquido ,84 Outras rendas ,00 Renda total ,84 Apesar dos problemas identificados, destaca-se a significância da construção social para inserção no PNAE organizada pela Cooperagro, tanto pelo impacto positivo na renda das famílias, quanto pelo estímulo à diversificação produtiva. Isso se torna relevante porque o processo de comercialização na agricultura familiar apresenta-se como um dos principais dilemas. Além de diversos fatores, é difícil a realização das atividades de produção e comercialização concomitantemente, pois é evidente a escassez de mão de obra nos estabelecimentos da agricultura familiar. Este projeto pretende atuar nessa questão. Espera-se que transformando a Agroindústria Multiuso localizada na Escola Agrícola e a Casa de Farinha localizada no Assentamento Nova Califórnia em instrumentos de apoio ao desenvolvimento sustentável da agricultura familiar do município de Unaí, apoiando a Cooperagro e a Associação dos Produtores Familiares do Assentamento na gestão e operação das mesmas e na construção social de mercados para os produtos processados seja possível ampliar os benefícios da diversificação da produção e de mercados a um conjunto maior de agricultores. Edital Chamada FAPEMIG N 07/ Extensão em Interface com a Pesquisa [18]

RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA

RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA Obra resenhada: OLIVEIRA, Marcelo Nascimento de; XAVIER, José Humberto Valadares; ALMEIDA, Suênia Cibeli Ramos de; SCOPEL,

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE CASA DE FARINHA COMO OPÇÃO DE RENDA PARA OS REASSENTADOS DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO Abril de 2013 1 SUMÁRIO execução: INTRODUÇÃO

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL www.emater.pr.gov.br O QUE É CONSÓRCIO EMPRESARIAL É a união de várias empresas, com a finalidade de realizar

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

EDITAL 24/ 2013 CNPQ /MDS-SAGI

EDITAL 24/ 2013 CNPQ /MDS-SAGI Universidade Federal do Pará Programa de Pós Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos Faculdade de Engenharia de Alimentos EDITAL 24/ 2013 CNPQ /MDS-SAGI Implantação de Boas Práticas de Produção

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. Edital PROEX 01/2014, de 31 de janeiro de 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. Edital PROEX 01/2014, de 31 de janeiro de 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Edital PROEX 01/2014, de 31 de janeiro de 2014 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Federal da Integração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO Edital PROEX/UNILA nº 15/2014, 1º de setembro de 2014 A Pró-Reitora de Extensão da Universidade Federal

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

AGRICULTURA FAMILIAR NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Por meio da Lei nº 11.947/2009, a Agricultura Familiar passa a fornecer gêneros alimentícios a serem servidos nas escolas da Rede Pública de Ensino. Conheça a Lei: Lei nº 11.947/2009 Dispõe sobre o atendimento

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos

Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos Projeto MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011)

de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011) Seminário 4 Produção Orgânica: Organização produtiva versus Perspectiva de negócios na Amazônia (Versão 24/10/2011) Objetivo: Oferecer conhecimentos e informações para fortalecer as relações comerciais

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias (Tratamento de Resíduos)

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias (Tratamento de Resíduos) V1.2012 CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias (Tratamento de Resíduos) ESTUDO DE CASO - VIABILIDADE AMBIENTAL, ECONÔMICA E SOCIAL PARA IMPLANTAÇÃO DO MAQUINÁRIO NEWSTER 10 NA ESTERILIZAÇÃO DE RESÍDUOS

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com Segurança Alimentar e Agricultura Familiar: Análise do Programa da Gestão Integrada da Alimentação Escolar no Município de Goiânia-Go a Partir da Lei 11947/2009 Natalia Ferreira BARBOSA 1 Prof.º Dr. Luiz

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

Compra Institucional SESAN/MDS

Compra Institucional SESAN/MDS PAA Compra Institucional SESAN/MDS Apoio à agricultura familiar: produção Garantia Safra Assistência técnica (ATER/ATES) PRONAF Seguro Agrícola PGPAF PGPM 1ª e 2ª Água Melhoria da renda dos agricultores

Leia mais

Consolidação de parcerias para inclusão produtiva segura e viável.

Consolidação de parcerias para inclusão produtiva segura e viável. Consolidação de parcerias para inclusão produtiva segura e viável. SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA Inexistência de Serviços de Inspeção (SIM) Licitações de vários itens da alimentação escolar IMPEDIMENTO Fixação

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES DO PROGRAMA MAIS GESTÃO. Instituto de Assessoria a Cidadania e

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias

POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias POR UMA CIÊNCIA AGRONÔMICA: caminhos para a formação sistêmica nas ciências agrárias Aquiles Simões Universidade Federal do Pará COMPREENDER UMA REALIDADE AGRÁRIA EM SUA DIVERSIDADE, OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação. Marcel Francisco Alvim de Oliveira Abril 2013. Escolar PNAE

Programa Nacional de Alimentação. Marcel Francisco Alvim de Oliveira Abril 2013. Escolar PNAE Programa Nacional de Alimentação Marcel Francisco Alvim de Oliveira Abril 2013 Escolar PNAE ATENDIMENTO DO PNAE Recursos FNDE: Per capitas R$ 1,00 (creches) R$ 0,50 (pré escola) R$ 0,30 (EF, EM, EJA) R$

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS

Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Políticas Públicas operadas pela EMATER/RS-ASCAR no RS Crédito Rural - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - (Pronaf) Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) Assistência Técnica

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR PRODUTO PORTAL

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR PRODUTO PORTAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO GERÊNCIA DE AGROEXTRATIVISMO PROGRAMA DE APOIO AO AGROEXTRATIVISMO - PNUD BRA/08/012

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011 10540 - Pesquisas participativas, construção de conhecimentos e socialização de tecnologias de base agroecológica em Mato Grosso do Sul, através de arranjos com Escolas Famílias Agrícolas PADOVAN, Milton

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

COMÉRCIO JUSTO COMO GERAÇÃO DE RENDA PARA ASSENTADOS DA REFORMA AGRÁRIA: FEIRA PERMANENTE DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR.

COMÉRCIO JUSTO COMO GERAÇÃO DE RENDA PARA ASSENTADOS DA REFORMA AGRÁRIA: FEIRA PERMANENTE DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR. COMÉRCIO JUSTO COMO GERAÇÃO DE RENDA PARA ASSENTADOS DA REFORMA AGRÁRIA: FEIRA PERMANENTE DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR. Área Temática: Trabalho Maria Nezilda Culti (Coordenador da Ação de Extensão),

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

PARA GESTORES PÚBLICOS

PARA GESTORES PÚBLICOS UM BOM NEGÓCIO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL PARA GESTORES PÚBLICOS 1 2014 - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Minas Gerais - Sebrae. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

INSTITUTO MAYTENUS. Relatório de Atividades ... Ano 2002. Uma organização de interesse público. Julho/2003.

INSTITUTO MAYTENUS. Relatório de Atividades ... Ano 2002. Uma organização de interesse público. Julho/2003. INSTITUTO MAYTENUS Relatório de Atividades Ano 2002 Uma organização de interesse público. Julho/2003........... Apresentação O presente relatório descreve as ações realizadas pelo INSTITUTO MAYTENUS para

Leia mais

Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE

Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE Programa Nacional da Alimentação Escolar PNAE PROGRAMA NACIONAL DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE A compra de gêneros alimentícios da agricultura familiar para a alimentação escolar é uma conquista dos agricultores

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho dos Santos 1 Luiz Cláudio de Oliveira 2. Resumo

Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho dos Santos 1 Luiz Cláudio de Oliveira 2. Resumo AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS FINANCEIROS E AMBIENTAIS PARA O MANEJO FLORESTAL MADEIREIRO EM ÁREAS DE RESERVA LEGAL DE PEQUENAS PROPRIEDADES, NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Resumo Claudenor Pinho de Sá 1 Jair Carvalho

Leia mais

As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais

As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais As Compras Públicas da Agricultura Familiar para Programas Sociais INCLUSÃO PRODUTIVA RURAL Aumento da produção para segurança alimentar e ampliação de canais de comercialização Programa de Aquisição de

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR

AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR LUÍS ANTONIO GUERRA CONCEIÇÃO SILVA Consultor Legislativo da Área VI Direito Agrário e Política Fundiária SETEMBRO/2012 Luis Antonio Guerra Conceição 2 SUMÁRIO

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico.

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico. EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS Maykell Costa¹; Aline Guterres Ferreira²; Andréa Cristina Dörr³; Abel Panerai Lopes 4 ¹Acadêmico do Curso

Leia mais

ENTRE SONHOS E REALIDADE.

ENTRE SONHOS E REALIDADE. FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PISCICULTURA ENTRE SONHOS E REALIDADE. ESTUDO DE VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DA PISCICULTURA NO ASSENTAMENTO CELSO FURTADO NO MUNICÍPIO DE QUEDAS DO IGUAÇU, PARANÁ.

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Desenvolvimento de um software de baixo custo para o gerenciamento de bovinocultura de leite Miler Grudtner BOELL¹; Marcos Roberto RIBEIRO² 1 Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet e bolsista

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA n 49/13 Esta resolução tem por objetivo aplicar no âmbito da vigilância sanitária as diretrizes e os objetivos do Decreto nº 7.492,

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE FINANCEIRA DE UMA INDÚSTRIA DE VEGETAIS MINIMAMENTE PROCESSADOS NA CIDADE DE GOIÂNIA/GO

ESTUDO DA VIABILIDADE FINANCEIRA DE UMA INDÚSTRIA DE VEGETAIS MINIMAMENTE PROCESSADOS NA CIDADE DE GOIÂNIA/GO ESTUDO DA VIABILIDADE FINANCEIRA DE UMA INDÚSTRIA DE VEGETAIS MINIMAMENTE PROCESSADOS NA CIDADE DE GOIÂNIA/GO Mariana Ferreira Oliveira 1 ; Rafaela de Ávila 1 ; Lionora Francisca de Oliveira 1, Ricardo

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

3 Os atores: geradores e receptores da tecnologia

3 Os atores: geradores e receptores da tecnologia 3 Os atores: geradores e receptores da tecnologia Este capítulo pretende situar o leitor de forma breve sobre os dois atores estudados neste trabalho: a Embrapa como geradora e transferidora das tecnologias

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA DE PEQUENOS AGRICULTORES PARA A AGROINDUSTRIALIZAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS

CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA DE PEQUENOS AGRICULTORES PARA A AGROINDUSTRIALIZAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA DE PEQUENOS AGRICULTORES PARA A AGROINDUSTRIALIZAÇÃO DE FRUTAS E HORTALIÇAS Área temática: Tecnologia e Produção Carla Rosane Barboza Mendonça 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS EDITAL Nº 05/2009/BRA/06/032 CÓDIGO DEFESA AGROPECUÁRIA O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para assessorar

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional

Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Painel 1: Agricultura e Segurança Alimentar e Nutricional Relatora Elíria Alves Teixeira Engenheira Agrônoma, M.Sc. Coordenadora da Câmara Especializada de Agronomia CREA/GO Presidente do Colegiado de

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

BRASIL AGROECOLÓGICO

BRASIL AGROECOLÓGICO PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANAPO BRASIL AGROECOLÓGICO BALANÇO DO 1º ANO DO PLANAPO Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica CIAPO 1 Metodologia de elaboração

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO SEU MUNICÍPIO

O DESENVOLVIMENTO DO SEU MUNICÍPIO O DESENVOLVIMENTO DO SEU MUNICÍPIO Vencedores do 7º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor (2011-2012) PASSA PELAS SUAS MÃOS Vencedores do VII Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor 2011 2012 VENCEDOR ESTADUAL

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Política Agrícola - Análise da Conjuntura Agropecuária Setembro de 2012 A política agrícola anunciada para a agricultura empresarial se caracterizou por assegurar o necessário apoio ao produtor rural.

Leia mais

Frutas em Calda, Geléias e Doces

Frutas em Calda, Geléias e Doces Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um

Leia mais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Mostra Local de: Quatro Barras (Municípios de Quatro Barras, Piraquara, Pinhais e Campina Grande do Sul) Categoria do projeto:

Leia mais

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia.

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia. Experiências de Assessoramento a Fruticultores da Região de Itaberaí GO, realizado pelo Grupo de Ensino, pesquisa e Assistência à Agricultores Familiares. RIBEIRO, Gessyane Guimarães¹; HAROLD, Carlos Alexandre

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 05 DE JULHO DE 2005. Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão de uso do selo combustível social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, no

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS

A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS A PARTICIPAÇÃO DA AGROINDÚSTRIA DE BASE FAMILIAR NOS MERCADOS INSTITUCIONAIS Departamento de Geração de Renda Agregação de Valor Setembro de 2014 LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006 Art. 3º considera-se

Leia mais

Meritocracia na extensão rural: uma nova rede de gestão para resultados para o agronegócio

Meritocracia na extensão rural: uma nova rede de gestão para resultados para o agronegócio 1. Contextualizando 1.1. Histórico Meritocracia na extensão rural: uma nova rede de gestão para resultados para o agronegócio Matheus Campos Gilberto Porto Waldemar Lima Neto José de Araújo Cordeiro Um

Leia mais