RACCI-SG1 - Micrometeorologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RACCI-SG1 - Micrometeorologia"

Transcrição

1 RACCI-SG1 - Floresta da Rebio Jaru / Pastagem da Fazenda Nossa Senhora Medições de longo prazo de variáveis meteorológicas, fluxos de energia, gás carbônico e vapor d água, respiração do solo, umidade do solo, perfil vertical de temperatura, CO 2 e H 2 O (somente floresta).

2 RACCI-SG1 - DRYTOWET Campanha micrometeorológica Pastagem / Fazenda Nossa Senhora (mesmos dados do monitoramento com possibilidade de aquisição de dados a cada 5 minutos)

3 RACCI-SG1 - DRYTOWET Floresta da Rebio Jaru torre de 70 metros (ampliação de 10 metros) fluxos de momentum, calor sensível, calor latente e gás carbônico (topo) - 4, 25, 40 e 71 metros variação dos fluxos com altura (dentro da copa e acima da copa) perfis verticais de temperatura e umidade do ar (dentro e acima da copa) e de velocidade do vento (principalmente acima da copa)

4 RACCI-SG1 - DRYTOWET Floresta da Rebio Jaru torre de 70 metros (ampliação de 10 metros) perfil de radiação fotossinteticamente ativa no interior da floresta (Márcia Yamasoe) armazenamento de energia na biomassa conteúdo de água no solo, perfil de temperatura do solo e respiração do solo (Humberto Rocha) fisiologia vegetal (?)

5 -Rebio Jaru objetivos científicos da campanha i) balanço de energia (radiação, partição de energia, armazenamento); ii) física do solo (energia e umidade); iii) do understore e overstore, com ênfase na compreensão dos processos próximo à superfície, inclusive fluxos. Isto prevê comparação dos fluxos em diversas alturas acima e dentro da copa; iv) Parametrização das difusividades de momentum à partir do perfil com ponto de inflexão; v) Determinação da altura da subcamada de transição rugosa e estudo de relações de matching entre as formulações próximo à copa e aquelas acima da subcamada rugosa. vi) Caracterização dos regimes de umidade nas CLAs instável e estável. (Precisa calcular zi/l e a razão de Bowen) tentando entender a influência dos processos do topo da CLA na turbulência próxima à copa. vii) Transição da CLA vespertina para noturna, eventual geração do jato de baixos níveis e sua influência nos processos à superfície. viii) Estudo das estruturas coerentes no nível do ponto de inflexão e análise de como a existência destas eventualmente inibe a existência de estruturasem outros níveis, acima e dentro da copa.

6 RACCI-SG1 - DRYTOWET Floresta da Rebio Jaru ( pessoal no campo ) Margarete Domingues Celso von Randow Regina Alvalá / Ralf Gielow Luiz Marcelo Zeri (aluno Leonardo) Paulo Rogério de Aquino Arlino Jorge Luiz Martins Nogueira Jorge Martins Melo Pessoal da UNIR - Ji-Paraná (Fernando Cardoso e alunos)

7 RACCI-SG1 - DRYTOWET Floresta da Rebio Jaru ( pessoal no campo ) Márcia Yamasoe e equipe Humberto Rocha e equipe

8 RACCI-SG1 - DRYTOWET Floresta da Rebio Jaru ( campanhas prévias ) Instalação das câmaras de respiração do solo e sensores de temperatura e umidade do solo (Helber, Fabrício, pessoal da UNIR) - entre julho e agosto Aumento da altura da torre (Jorge Nogueira, Jorge Melo, pessoal da UNIR) - entre julho e agosto

9 Radiossondagem Estação Davis Pressão, Temperatura, Umidade do ar, Velocidade e Direção do Vento R$2151,33

10 Radiossondagem 3 laptop / desktop 3 nobreak 1.2Kw R$1500,00 3 kg de sílica -- Labsynth R$150,00 Concerto 3 válvulas gás R$400,00 Confecção contra peso do balão R$500,00 (?) Materiais diversos (Pilhas, Lanternas, Chave inglesa, etc ) R$500,00

11 Experimento da Torre 2 Fontes Chaveadas 12V 30A Mctec R$1000,00 Gerador diesel 2KVA - (aluguel) 600 m Termopar Hamilton R$1500, m cabo 16 R$180,00 Materiais diversos ( corda, cano, abraçadeiras, fita isolante, etc) R$3000,00

12 Besta (ok) Ampliação da Torre 8 barras de cobre (aterramento) 200 m linha pesca 170 e corda polipropileno R$100, m tubo de aço para o perfil de CO 2 /H 2 O Aços Caporal, R$ 3,15 o metro. Furadeira sem fio 18V (R$650,00), 20 m fio múltiplo, esticador (R$50,00), etc

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto

Conger S.A. Equipamentos e Processos. Departamento de Engenharia do Produto Conger S.A. Equipamentos e Processos Departamento de Engenharia do Produto A Empresa 1962 2012 = 50 Anos Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Sucroalcooleiro Produtos -Química/Petroquímica/Papel

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE

COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE Rildo Gonçalves de Moura, rildo@cptec.inpe.br Antônio Ocimar Manzi, manzi@cptec.inpe.br

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

Identificação do Pessoal.

Identificação do Pessoal. Grupo Agro. Identificação do Pessoal. 1- Santiago Viana UFV Doutorando em Agrometeorologia (Marcos Costa) AGRO-IBIS (implementação da cana de açúcar) Codificação: Linux- S / Fortran- S Banco de Dados:

Leia mais

FLUXOS DE MASSA E ENERGIA EM UMA FLORESTA TROPICAL NO SUDOESTE DA AMAZÔNIA

FLUXOS DE MASSA E ENERGIA EM UMA FLORESTA TROPICAL NO SUDOESTE DA AMAZÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA E MEIO AMBIENTE FLUXOS DE MASSA E ENERGIA EM UMA FLORESTA TROPICAL NO SUDOESTE DA AMAZÔNIA

Leia mais

PLANO SIMPLES DE MANUTENÇÃO DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA ENERGÉTICA

PLANO SIMPLES DE MANUTENÇÃO DA ESTAÇÃO METEOROLÓGICA ENERGÉTICA ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (21) 2501-1998 / (21) 3797-9800 Fax: (21) 2241-1354 www.energetica.ind.br

Leia mais

Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica

Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica Semana da Engenharia 2014 Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica Celso Fabricio de Melo Junior IEP Dez/2014 Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica O PSE Paraná Conceito

Leia mais

Seasonal variations in the evapotranspiration of a transitional tropical forest of Mato Grosso, Brazil

Seasonal variations in the evapotranspiration of a transitional tropical forest of Mato Grosso, Brazil Seasonal variations in the evapotranspiration of a transitional tropical forest of Mato Grosso, Brazil www.caliandradocerrado.com.br Vourlitis, G. L.; Priante Filho N.; Hayashi M. M. S.; Nogueira J. S.;

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR RELATÓRIO SUCINTO DE CAMPO. PERÍODO: 13 de fevereiro a 11 de março de 2011

SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR RELATÓRIO SUCINTO DE CAMPO. PERÍODO: 13 de fevereiro a 11 de março de 2011 SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR RELATÓRIO SUCINTO DE CAMPO PERÍODO: 13 de fevereiro a 11 de março de 2011 INSTITUIÇÃO: IAG/USP RESPONSÁVEL: Dr. Amauri Pereira de Oliveira

Leia mais

Eficiência Energética na Indústria Indústria +Eficiente

Eficiência Energética na Indústria Indústria +Eficiente Eficiência Energética na Indústria Indústria +Eficiente Rogerio Iannaccaro Gerente Joinville, 19 de Outubro de 2014 0 1 VISÃO GERAL DA TUPY Líder no mercado de blocos e cabeçotes de motor em ferro fundido

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

Mudança do clima e acordos internacionais

Mudança do clima e acordos internacionais Mudança do clima e acordos internacionais FIESC Rodrigo F. Gatti Florianópolis, SC Setembro 2011 Mudanças Climáticas Clima X Tempo Ambos compreendem as varáveis que descrevem o estado da atmosfera: - temperatura;

Leia mais

Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios

Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios Poluição e necessidade de ventilação dos edifícios CO Ruídos Fungos Poluição industrial Umidade Bactéria Ozônio Produtos químicos Particulados Odores Poluição de tráfego VOCs Pólen Fumaça de tabaco CO

Leia mais

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO

PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO PARÂMETROS TÍPICOS PARA A OCORRÊNCIA DE NEVOEIRO DE RADIAÇÃO. Parte II: CARACTERÍSTICAS DO PERFIL VERTICAL. DURAÇÃO DO NEVOEIRO Abstract Everson Dal Piva* everson@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova natalia@cpmet.ufpel.tche.br

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO AERMET E CALMET

ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO AERMET E CALMET ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO E Davi Pegado Gomes, Mauricio Soares da Silva, Bruno D Aiuto da Cunha, José Francisco

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO PANTANAL - FASE ÚMIDA (IPE - 1)

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO PANTANAL - FASE ÚMIDA (IPE - 1) PROJETO INTERDISCIPLINAR DO PANTANAL - FASE ÚMIDA (IPE - 1) Regina C. Santos Alvalá; Antônio O. Manzi; Leonardo D. A. Sá; Kolavennu P. R.V. Murty, Ralf Gielow; Paulo R. A. Arlino; Plínio C. Alvalá; Ivan

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico.

Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Atmosfera terrestre: Descrição física e química; emissões atmosféricas naturais e antropogênicas; suas transformações. Transporte atmosférico. Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica

Leia mais

Transpiração: é a evaporação devida a ação fisiológica dos vegetais, ocorrida, principalmente, através dos estômatos.

Transpiração: é a evaporação devida a ação fisiológica dos vegetais, ocorrida, principalmente, através dos estômatos. CAPÍTULO 6. EVAPORAÇÃO E TRANSPIRAÇÃO 6.1. Introdução O conhecimento da perda d água de uma superfície natural é de suma importância nos diferentes campos do conhecimento científico, especialmente nas

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013

CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE. CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÃO AO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA n o 008/2013 ESTABELECER CONDIÇÕES E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS PARA INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTAÇÕES DE MEDIÇÃO

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

TEMA 3: Qual é o papel do desmatamento nas mudanças climáticas?

TEMA 3: Qual é o papel do desmatamento nas mudanças climáticas? INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I (TJ17) CADERNO DE

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA CAMADA LIMITE INTERNA NO CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA

DESENVOLVIMENTO DA CAMADA LIMITE INTERNA NO CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA DESENVOLVIMENTO DA CAMADA LIMITE INTERNA NO CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA Luciana B. M. Pires 1, Gilberto Fisch 2, Ralf Gielow. RESUMO - Esse trabalho tem como objetivo estudar a estrutura da turbulência

Leia mais

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás

Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás 5 Testando Nanotubos de Carbono : Sensores de Gás Nos últimos anos a investigação da estrutura eletrônica de nanotubos de carbono têm atraído crescente interesse, e recentemente a síntese de nanotubos

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Estação meteorológica artesanal: uma atividade interdisciplinar

Estação meteorológica artesanal: uma atividade interdisciplinar TÍTULO DO PROGRAMA Quanto pesa uma nuvem? SINOPSE DO PROGRAMA Uma das ciências mais comentadas no dia a dia, a Meteorologia é uma área do conhecimento que envolve a análise de dados atmosféricos, geográficos,

Leia mais

Energia Eólica. História

Energia Eólica. História Energia Eólica História Com o avanço da agricultura, o homem necessitava cada vez mais de ferramentas que o auxiliassem nas diversas etapas do trabalho. Isso levou ao desenvolvimento de uma forma primitiva

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

NEVOEIRO EM PORTO ALEGRE - PREDITORES.

NEVOEIRO EM PORTO ALEGRE - PREDITORES. NEVOEIRO EM PORTO ALEGRE - PREDITORES. Valdeci Donizeti J. França 1, Antônio Paulo de Queiroz 2, Paulo R. Bastos de Carvalho 3 1,2,3 Centro Nacional de Meteorologia Aeronáutica Centro Integrado de Defesa

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

Avaliação 1 o Bimestre

Avaliação 1 o Bimestre Avaliação 1 o Bimestre NOME: N º : CLASSE: 1. Complete as frases com as expressões abaixo: a) A Terra é dividida em duas partes pela linha do. b) A parte que vai do ao pólo Norte é chamada de. c) A parte

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de instalação, operação e manutenção do sistema de monitoramento de poços ECR. Cuidados

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

Características dos Balões

Características dos Balões METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I BALÕES METEOROLÓGICOS COMET Professor: Características dos Balões 1. Principais tipos de balão Os balões meteorológicos são utilizados para uma grande variedade de propósitos

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA

EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA EQUILÍBRIO DA ATMOSFERA AS CONDIÇÕES DE EQUILÍBRIO DO AR ATMOSFÉRICO. ESTÃO SEMPRE RELACIONADAS COM AS VARIAÇÕES DE TEMPERATURA DO AR AMBIENTE EM CONFRONTO COM A TEMPERATURA DE UMA PARCELA DE AR. VARIAÇÃO

Leia mais

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br.

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br. Aplicação do Método das Variáveis Conservativas no Estudo da Estrutura da Camada Limite Amazônica. Por Alexandre M. Casseb do Carmo, Sergio H. Franchito e V. Brahamananda Rao Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR

SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR SISTEMAS DE CALIBRAÇÃO PARA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR Todo programa de monitoramento contínuo da qualidade do ar precisa de algum sistema que forneça uma garantia de que os valores medidos são válidos.

Leia mais

METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE)

METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE) METEOROLOGIA AEROESPACIAL NO INSTITUTO DE AERONÁUTICA E ESPAÇO (IAE) Antônio Paulo de Queiroz 1, Cleber Souza Correa 2 1,2 Instituto de Aeronáutica e Espaço, São José dos Campos, Brasil email: 1 queirozapq@iae.cta.br,

Leia mais

MASSAS DE AR E FRENTES

MASSAS DE AR E FRENTES MASSAS DE AR E FRENTES MASSA DE AR MAIS OU MENOS 5 KM DE ALTURA MAIS OU MENOS 2000 KM DE DIÂMETRO MASSA DE AR UM VASTO VOLUME DE AR, COM CARACTERÍSTICAS DE PRESSÃO, TEMPERATURA E UMIDADE APROXIMADAMENTE

Leia mais

Ações dos Ventos nas Edificações

Ações dos Ventos nas Edificações Ações dos Ventos nas Edificações Cálculo da pressão do vento atuante nas estruturas FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva UFAM Ação do vento Vento = movimento de massas de ar É produzido

Leia mais

A Camada Limite da Amazônia e Circulações de Mesoescala

A Camada Limite da Amazônia e Circulações de Mesoescala Original em inglês: páginas 163 a 181. A Camada Limite da Amazônia e Circulações de Mesoescala A. K. Betts, 1 G. Fisch, 2 C. von Randow, 3 M. A. F. Silva Dias, 4 J. C. P. Cohen, 5 R. da Silva, 6 e D. R.

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

O Sol, a nossa fonte de energia

O Sol, a nossa fonte de energia TRANSFORMAÇÕES E TRANSFERÊNCIAS DE ENERGIA Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura O Sol, a nossa fonte de energia Tópico n º 11 do CBC de Ciências Habilidades Básicas recomendadas no CBC: Descrever

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ

Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Após correções, pode ser aceito AVALIAÇÃO DO POTENCIAL EÓLICO DO CAMPUS DA FACULDADE ASSIS GURGACZ FAG EM CASCAVEL PARANÁ Rafael Gonçalves dos Santos, Wesley Esdras Santiago, Patrick Diesel, Jair Antônio

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE COMPOSTAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS DO IFC CAMPUS CAMBORIÚ Autores : Nathan Willian DOS SANTOS, Thayna HACK, Daniel Ferreira de Castro FURTADO Identificação autores: Aluno

Leia mais

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas)

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas) A localização do nível do lençol freático e o conhecimento da sua variação devido às precipitações e outros agentes naturais é de extrema importância para entender a distribuição e abundancia de espécies.

Leia mais

Ação do vento. c) calcular a pressão dinâmica q:

Ação do vento. c) calcular a pressão dinâmica q: Ação do vento Neste item são apresentados os principais procedimentos para a determinação da ação do vento sobre edificações, extraídos da NBR 6123 (ABNT, 1988). 2.3.1 Procedimentos para o cálculo das

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

03. MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DO PROANTAR (METEORO).

03. MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DO PROANTAR (METEORO). 03. MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DO PROANTAR (METEORO). Este projeto também participa como subprojeto do projeto ATMANTAR, que visa estudar a interação entre as 3 camadas da atmosfera: do solo até 90Km

Leia mais

TORRE K34. Reserva Biológica do Cuieiras em Manaus - Torre K34. Fonte: Imbuzeiro, H. M. A. e Programa LBA

TORRE K34. Reserva Biológica do Cuieiras em Manaus - Torre K34. Fonte: Imbuzeiro, H. M. A. e Programa LBA TORRE K34 Dados gerais Local: A torre K34 encontra-se instalada em um platô de tamanho médio (Latitude: 2 36' 32.67" S; Longitude: 60 12' 33.48" W; altitude 130m) Araújo et al. JGR, 2002, na Reserva Biológica

Leia mais

Física 2ª série Ensino Médio v. 2

Física 2ª série Ensino Médio v. 2 ísica 2ª série Ensino Médio v. 2 Exercícios 01) Caloria é a quantidade de calor necessária para que um grama de água possa aumentar sua temperatura de 1,5 o C para 15,5 o C. 02) É o calor necessário para

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO

MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO PINHEIRO, M. 1 ; VILANI, M. T. 2 ; ALVES, L. S. 3 ; ANDRADE, N. L. R. 4 ; ALVES, M. C.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA E MEIO AMBIENTE UM ESTUDO SOBRE A DINÂMICA DE SISTEMAS COMPLEXOS A PARTIR DE SÉRIES TEMPORAIS

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas

Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação. Introdução a Hidrologia de Florestas Introdução a Hidrologia de Florestas Setembro 2004 João Vianei Soares 1 Capítulo 4 Umidade atmosférica e precipitação Introdução a Hidrologia de Florestas A. Umidade atmosférica A soma de todo o vapor

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão Um forno solar simples foi construído com uma caixa de isopor, forrada internamente com papel alumínio e fechada com uma tampa de vidro de 40 cm 50 cm. Dentro desse forno, foi colocada uma pequena

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE PESQUISA

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE PESQUISA RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE PESQUISA Projeto Agrisus No: 779/11 Título da Pesquisa: Influência do uso da terra sobre o funcionamento do solo e na sustentabilidade dos sistemas agroextrativistas da Amazônia

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO:

Bom trabalho! DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL. SÉRIE: 2 a EM NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FÍSICA PROFESSOR: Erich/ André DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2 a EM Circule a sua turma: Funcionários: 2 o A 2ºB Anchieta:2 o NOME COMPLETO:

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA.

TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA. TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA. PRODUTO SBF TTAS-18 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1. Finalidade da Torre A Torre Telescópica Auto

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Sandra Mazo-Nix SCS Engineers Consultora - US Environmental Protection Agency (US EPA) Sumário Conceitos Básicos

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Como funciona um aerogerador Componentes de um aerogerador Gôndola:contém os componentes chaves do aerogerador. Pás do rotor:captura o vento e transmite sua potência até o cubo que está acoplado ao eixo

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE NÍVEL Introdução A medição de nível.engloba, também, a medição do volume e do peso de líquidos e sólidos contidos em recipientes. Basicamente, a medição

Leia mais

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Conservação de Energia Sistemas físicos O que é um sistema físico? Um sistema físico é uma porção do universo que escolhemos para analisar e estudar. Sistema Fronteira Sistema Exterior Um sistema físico

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

Sol. O Balanço de Energia do Planeta

Sol. O Balanço de Energia do Planeta Sol O Balanço de Energia do Planeta Aquecimento desigual do Planeta...no tempo:...no espaço: BALANÇO DA RADIAÇÃO À ESCALA MENSAL Rad. de pequeno c.d.o. (recebida) Balanço da radiação (recebida-emitida)

Leia mais