Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005"

Transcrição

1 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

2 CÓDIGO ÍDICE 1. APROVAÇÃO HISTÓRICO DE REVISÕES PROCESSO ORIGEM E CÓDIGO DO PROCEDIMETO DE COMERCIALIZAÇÃO PÚBLICO ALVO OBJETIVO ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS DEFIIÇÕES FERRAMETAS DE SUPORTE PREMISSAS FLUXOGRAMA MATRIZ DE OPERACIOALIZAÇÃO CROOGRAMA GERAL AEXOS pdc_am_02_versao1 Página 2 de 15

3 CÓDIGO 1. APROVAÇÃO Início de Vigência do Procedimento de Comercialização:. Aprovado pelo Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de HISTÓRICO DE REVISÕES Elaborada versão inicial do documento. pdc_am_02_versao1 Página 3 de 15

4 CÓDIGO 3. PROCESSO ORIGEM Macro Processo: Acompanhar o Mercado 4. E CÓDIGO DO PROCEDIMETO DE COMERCIALIZAÇÃO ao Agente AM PÚBLICO ALVO 5.1. Agente Público em geral 6. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos relativos ao atendimento do público em geral, via Central de, desde a solicitação até a solução final do problema, diferenciando o atendimento aos Agentes. pdc_am_02_versao1 Página 4 de 15

5 CÓDIGO 7. ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS ão aplicável. 8. DEFIIÇÕES 8.1. Agente ou Agente: concessionário, permissionário, autorizado de serviços e instalações de energia elétrica e Consumidores Livres integrantes Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE): pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, que atua sob autorização do Poder Concedente e regulação e fiscalização da AEEL, segundo a Convenção de Comercialização, com a finalidade de viabilizar as operações de compra e venda de energia elétrica entre os Agentes, restritas ao Sistema Interligado acional (SI), cuja criação foi autorizada nos termos do artigo 4º da Lei nº , de 15 de março de 2004, e do Decreto nº 5.177, de 12 de agosto de Central de : é o canal de contato dos Agentes ou público em geral com a. Sua responsabilidade é promover o atendimento, registrando, esclarecendo, direcionando e/ou acompanhando as solicitações/dúvidas dos Agentes ou público em geral junto à CCEE Chamado: registro das solicitações efetuado no para o qual é atribuído um código para acompanhamento do processo tanto pela da CCEE quanto pelo Agente solicitante Consumidor Livre: aquele que, atendido em qualquer tensão, tenha exercido a opção de compra de energia elétrica, conforme definida nos arts. 15 e 16 da Lei nº 9.074, de 7 de julho de : data de ocorrência da atividade inicial do processo em questão Representante CCEE: até duas pessoas indicadas pelo(s) Representante(s) Legal(ais), com o objetivo de facilitar a comunicação entre a CCEE e o Agente. Trata-se do contato entre o Agente e a Senha de : senha disponibilizada pela ao Agente, com o objetivo de garantir a confiabilidade e a segurança na prestação da informação através da Central de : sistema de registro e acompanhamento de Chamados, utilizado pela equipe da : é o órgão executivo. 9. FERRAMETAS DE SUPORTE FERRAMETA DESCRIÇÃO Sistema onde são registradas as dúvidas, os esclarecimentos e as solicitações feitas para a, assim como todo o histórico do processo de resolução das mesmas. pdc_am_02_versao1 Página 5 de 15

6 CÓDIGO 10. PREMISSAS Para efeito do disposto no presente Procedimento de Comercialização, as referências a "Agente " ou "Agente" referem-se tanto aos concessionários, permissionários e autorizados de serviços e instalações de energia elétrica e Consumidores Livres quanto àqueles que adquirem energia elétrica na forma do 5º do art. 26 da Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de Este Procedimento de Comercialização também se aplica ao público em geral, com exceção das informações e documentos de acesso exclusivo aos Agentes Todos os contatos dos Agentes com a devem ser realizados através da Central de, pelo telefone , pelo pelo fax ou por carta, no endereço Alameda Santos, nº 745-9º andar Cerqueira César - São Paulo SP CEP: O contato direto entre um Agente e a(s) área(s) envolvida(s) da da CCEE só deverá ocorrer no caso de reuniões específicas Todos os contatos serão registrados no e um código será gerado e fornecido ao solicitante, para facilitar o acompanhamento/identificação do Chamado em contatos futuros O prazo para resposta/solução de um chamado registrado no será de 48 horas, exceto quando o grau de complexidade justificar sua ampliação, situação na qual o solicitante será informado As Senhas de são exclusivas dos Agentes. Tais senhas são geradas pela e enviadas aos Representantes CCEE no momento da adesão do Agente, e deverão ser informadas sempre que solicitadas pela Central de durante o processo de atendimento Caso a tenha dúvidas ou necessite de maiores esclarecimentos sobre o Chamado registrado, essa entrará em contato com o solicitante via Central de A poderá entrar em contato com o Agente via Central de para encaminhamento de informações e/ou para solicitação de envio de informações pelo Agente, em prazo específico a ser estabelecido pela A contagem dos prazos estabelecidos neste Procedimento de Comercialização é realizada observando-se apenas os dias úteis. pdc_am_02_versao1 Página 6 de 15

7 11. FLUXOGRAMA Contato Realizado pelo Agente Legenda: : data do contato realizado pelo Agente. pdc_am_02_versao1 Página 7 de 15

8 11.2. Contato Realizado pela Após ecessidade de Coletadas / Enviadas ecessidade de Contato/Envio de Informação/ Solicitação de Informação aos Agentes Identificada AM Registrar Chamado no AM Efetuar Contato com o Agente AM Fornecer / Esclarecimentos Adicionais AM Encerrar Chamado FIM AM AM AM Agente Receber e Analisar Chamado Solicitar / Esclarecimentos Adicionais, caso aplicável Encaminhar Solicitadas, caso aplicável Produtos Gerados Chamado Registrado no. Contato com o Agente realizado. Chamado recebido e analisado pelo Agente. Esclarecimentos / informações adicionais solicitadas pelo Agente, caso aplicável. Esclarecimentos/informações adicionais fornecidas pela. encaminhadas pelo Agente, caso aplicável. Chamado encerrado no Sistema de. Legenda: : data do contato realizado pela. pdc_am_02_versao1 Página 8 de 15

9 12. MATRIZ DE OPERACIOALIZAÇÃO Contato Realizado pelo Agente ATIVIDADE CÓDIGO RESPOSÁVEL DETALHAMETO FERRAMETA PRODUTOS GERADOS PRAZO Entrar em contato com a da CCEE via Central de através de: Contatar da CCEE AM Agente a) Telefone: ; b) Fax: ; c) Telefone, , fax ou carta Contato com a da CCEE realizado. d) Carta: Alameda Santos, 745-9º andar Cerqueira César - São Paulo SP CEP: Identificar Solicitante e Solicitação AM Identificar o solicitante e o tipo de informação/solicitação. Solicitante e solicitação identificados. Fornecer Senha de, caso aplicável AM Agente Fornecer a Senha de. ota: Para informações gerais, não é necessário senha; para informações específicas dos Agentes, é solicitada a Senha de. Senha de fornecida, no caso de solicitação de informação exclusiva para os Agentes da CCEE. Registrar Solicitação no AM Registrar as solicitações no. Chamado registrado no. Receber Confirmação de Registro do Chamado AM Agente Receber da a confirmação de registro do Chamado, com o código do mesmo. Este código será utilizado para consultas futuras referentes a este Chamado. Telefone ou Registro do Chamado no confirmado ao Agente. pdc_am_02_versao1 Página 9 de 15

10 ATIVIDADE CÓDIGO RESPOSÁVEL DETALHAMETO FERRAMETA PRODUTOS GERADOS PRAZO Analisar / Resolver Solicitação AM Resolver a solicitação ou buscar maiores informações para a solução do Chamado. ota: O solicitante será informado periodicamente quanto ao status da solicitação, até que o respectivo chamado seja solucionado. Solicitação resolvida ou colocada em análise. ecessárias Coletadas Informar Solução e Encerrar Chamado AM Informar a solução do Chamado ao solicitante. Encerrar Chamado no. Telefone, ou fax Resolução do Chamado informada ao solicitante, caso aplicável. Chamado encerrado no, caso aplicável. ecessárias Coletadas Legenda: : data do contato realizado pelo Agente. pdc_am_02_versao1 Página 10 de 15

11 12.2. Contato Realizado pela ATIVIDADE CÓDIGO RESPOSÁVEL DETALHAMETO FERRAMETA PRODUTOS GERADOS PRAZO Registrar Chamado no AM Registrar o chamado no. Chamado registrado no. Efetuar contato com o Agente via Central de. Efetuar Contato com o Agente AM ota: O contato com o Agente poderá ser efetuado para encaminhamento de informações (incluindo documentos eletrônicos) e/ou para solicitações de envio de informações pelo Agente à. Telefone, e/ou fax Contato com o Agente realizado. Após Receber e Analisar Chamado AM Agente Receber e analisar o chamado efetuado pela via Central de. ota: Caso necessário, o Agente poderá solicitar à, maiores esclarecimentos e/ou informações adicionais. Telefone, e/ou fax Chamado recebido e analisado pelo Agente. Após Solicitar Esclarecimentos / Adicionais, caso aplicável AM Agente Solicitar à, caso aplicável, maiores esclarecimentos e/ou informações adicionais referente ao chamado recebido. Telefone, e/ou fax Esclarecimentos / informações adicionais solicitadas pelo Agente, caso aplicável. Após pdc_am_02_versao1 Página 11 de 15

12 ATIVIDADE CÓDIGO RESPOSÁVEL DETALHAMETO FERRAMETA PRODUTOS GERADOS PRAZO Fornecer Esclarecimentos / Adicionais AM Fornecer ao Agente, caso aplicável, maiores esclarecimentos e/ou informações adicionais referente ao chamado efetuado. Telefone, e/ou fax Esclarecimentos / informações adicionais fornecidas pela. Após Encaminhar Solicitadas, caso aplicável AM Agente Encaminhar à, caso aplicável, as informações solicitadas através do chamado efetuado. Telefone, e/ou fax encaminhadas pelo Agente, caso aplicável. ecessidade de Encerrar Chamado AM Encerrar o chamado no. Chamado encerrado no. ecessárias Coletadas Legenda: : data do contato realizado pela. pdc_am_02_versao1 Página 12 de 15

13 13. CROOGRAMA GERAL Contato Realizado pelo Agente PRODUTO GERADO CROOGRAMA Contato com a realizado. Solicitante e solicitação identificados. Senha de fornecida, no caso de solicitação de informação exclusiva para os Agentes. Chamado registrado no. Registro do Chamado no confirmado ao Agente. Solicitação resolvida ou colocada em análise. ecessárias Coletadas Resolução do Chamado informada ao solicitante, caso aplicável. ecessárias Coletadas Chamado encerrado no, caso aplicável. ecessárias Coletadas Legenda: : data do contato realizado pelo Agente.. pdc_am_02_versao1 Página 13 de 15

14 13.2. Contato Realizado pela PRODUTO GERADO CROOGRAMA Chamado registrado no. Contato com o Agente realizado. Após Chamado recebido e analisado pelo Agente. Após Esclarecimentos / informações adicionais solicitadas pelo Agente, caso aplicável. Após Esclarecimentos / informações adicionais fornecidas pela. Após encaminhadas pelo Agente, caso aplicável. ecessidade de Chamado encerrado no. ecessárias Coletadas Legenda: : data do contato realizado pela pdc_am_02_versao1 Página 14 de 15

15 CÓDIGO 14. AEXOS ão aplicável. pdc_am_02_versao1 Página 15 de 15

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Educação Médica Independente

Educação Médica Independente Educação Médica Independente Guia para Solicitação de Apoio Educacional (GRANTS) Educação Médica Independente A missão de Educação Médica Independente (IME) da Bristol-Myers Squibb é apoiar estrategicamente

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 01/2016 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DO LEILÃO 01/2016 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DO LEILÃO 01/2016 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA O LEILÃO DE COMPRA e os procedimentos a ele relativos serão regidos pelas disposições deste EDITAL e seus Anexos. ÍNDICE Página 1 de 11 Capítulo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO DE ADIMPLEMENTO SGPCCEE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO DE ADIMPLEMENTO SGPCCEE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO DE ADIMPLEMENTO SGPCCEE Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE Setembro de 2014 SUMÁRIO 1. Apresentação... 3 1.1. Propósito... 3 1.2. Público

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Disciplinas de Estágio Supervisionado Art. 1º De acordo

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria

A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil. Ivan Camargo Assessor da Diretoria A ANEEL e o Marco Regulatório do Brasil Ivan Camargo Assessor da Diretoria Sumário 1. Marco Regulatório Brasileiro. Resultados. 2. Atuação da Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. Principais Desafios.

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão geral do procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais 03 Revisão geral do procedimento 04 Revisão

Leia mais

CFO Política de Voto

CFO Política de Voto POLÍTICA DE VOTO ÍNDICE POLÍTICA DE VOTO... 1 1. Introdução e Objetivo... 2 2. Exclusões... 2 3. Princípios Gerais... 2 4. Potencias situações de Conflito de Interesse... 2 5. Da Política de Voto... 3

Leia mais

BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS

BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO I Definição 1.1 A presente Política, adotada em conformidade com o Código de Auto-Regulação da ANBID para os Fundos de Investimento,

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 323, DE 3 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 323, DE 3 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 323, DE 3 DE ABRIL DE 2013 Dispõe sobre a instituição de unidade organizacional específica de ouvidoria pelas operadoras de planos privados de assistência saúde. [Correlações]

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CANEPA ASSET MANAGEMENT - CAM BRASIL GESTAO DE RECURSOS LTDA. Versão: Junho/2016 CAPÍTULO I Definição e Finalidade 1.1 A presente Política

Leia mais

Kimonos Torah Programa de fidelidade

Kimonos Torah Programa de fidelidade REGULAMENTO DO PROGRAMA FAXIA PRETA KIMONOS TORAH VERSÃO_4 JUN/2016 I DO PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH 1.1. O objetivo do PROGRAMA FAIXA PRETA - KIMONOS TORAH ( PROGRAMA ) é conceder benefícios

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 DE ACORDO Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 APROVADO POR Dr. Renato

Leia mais

Coordenação do Curso de Geografia - PCO

Coordenação do Curso de Geografia - PCO RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DE COORDENAÇÃO DIDÁTICA DO CURSO DE GEOGRAFIA PUC MINAS EM CONTAGEM N. 01/2007 Regulamenta os estágios curriculares obrigatórios e não obrigatórios, no âmbito do Curso de Geografia

Leia mais

Service Center Manual para Envio de Documentos Fiscais de Serviços

Service Center Manual para Envio de Documentos Fiscais de Serviços Service Center Manual para Envio de Documentos Fiscais de Serviços (01/09/2016) 1 2 Introdução Envio de Documentos Fiscais Objetivo O envio de documentos fiscais de serviços, através do Service Center,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS POLÍTICA DE VOTO DTVM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS POLÍTICA DE VOTO DTVM Página 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: FINALIDADE: ELABORADOR: APROVAÇÃO: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE POLÍTICA DE VOTO DTVM NORMA EXECUTIVA Promover as orientações para o exercício do

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E SUGESTÃO PARA MELHORIA

RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E SUGESTÃO PARA MELHORIA Página: 1/6 Elaborado: Verificado: Aprovado: Sabrina S. Lira (Diretora Administrativa) Rev. 00 Primeira edição Joaquim M. Alves (Diretor Técnico) HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES Joaquim M. Alves (Diretor Executivo)

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: /10/2015 OUTUBRO/2016 MKT. 02 CRIAÇÃO MACROPROCESSO MARKETING E COMUNICAÇÃO PROCESSO CRIAÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: /10/2015 OUTUBRO/2016 MKT. 02 CRIAÇÃO MACROPROCESSO MARKETING E COMUNICAÇÃO PROCESSO CRIAÇÃO 1 de 9 CRIAÇÃO MACROPROCESSO E COMUNICAÇÃO PROCESSO CRIAÇÃO CRIAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 Preenchimento do Formulário... 2 4.2 ANÁLISE

Leia mais

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3

APELAÇÕES E RECLAMAÇÕES 1. ESCOPO MANUTENÇÃO ALTERAÇÕES DEFINIÇÕES... 3 Página: 1 de 9 SUMÁRIO 1. ESCOPO... 3 2. MANUTENÇÃO... 3 3. ALTERAÇÕES... 3 4. DEFINIÇÕES... 3 5. PROCEDIMENTO... 3 5.1. GERAL... 3 5.2. APELAÇÃO... 4 5.3. ABERTURA E ANÁLISE CRÍTICA INICIAL DA RECLAMAÇÃO...

Leia mais

Para utilizar o Serviço de Solicitação de Pesquisa, é necessário concordar com o Regulamento abaixo:

Para utilizar o Serviço de Solicitação de Pesquisa, é necessário concordar com o Regulamento abaixo: Solicitação de Pesquisas - Regulamento Biblioteca Élcio Silva Endereço: Rua Álvares Penteado, 151-2º Andar - Centro - São Paulo cep 01012 905 Tel: (11) 3291 9200 Fax: (11) 3291 9243 E-mail: aasp.biblioteca@aasp.org.br

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD 1/6 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é estabelecer planos de contingência a serem aplicados nos casos de alteração das condições normais de operação do COD, seja por motivo de concentração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Fiscal da RECKITTPREV ( Regimento )

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E DISPUTA

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E DISPUTA Página 1 de 6 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO TRATAMENTO DE RECLAMAÇÃO, APELAÇÃO E DISPUTA Por ser parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS este documento tem vedada sua reprodução

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA

GESTÃO DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA Desenvolvimento: Lincoln Nakashima Revisão Técnica: Allan Gomes Cuypers Revisão Administrativa: Lidiane Garcia GESTÃO DA INFORMAÇÃO JULHO/2015 Página 1 de 18 Índice Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1 Início...

Leia mais

Manual do Usuário. Universidade Estadual de Roraima. Rua 7 de Setembro, 231, Canarinho. Boa Vista/RR. CEP:

Manual do Usuário. Universidade Estadual de Roraima. Rua 7 de Setembro, 231, Canarinho. Boa Vista/RR. CEP: Manual do Usuário Usando o Mantis para solicitar suporte Tela de Login Para ter acesso ao Mantis, você deverá digitar em seu navegador o link abaixo: http://intranet.uerr.edu.br. Basta digitar as mesmas

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO 2016 1 Política de Exercício do Direito de Voto Objeto A GERVAL INVESTIMENTOS LTDA. ( GESTOR ) adota a presente política ( POLITICA DE VOTO ), a qual tem por objeto

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. a partir de. 11/jan

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. a partir de. 11/jan UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 2016 a partir de 11/jan UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE FOMENTO À EXTENSÃO EDIÇÃO 2016 A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno

PREFEITURA MUNICIPAL DE PESQUEIRA CCI - Controladoria de Controle Interno SISTEMA DE CONTROLE INTERNO - SCI INSTRUÇÕES NORMATIVAS SCC Nº 001/2010-1 Aprovação em: 09/03/2010 Versão: 001 Ato de Aprovação: IN SCC n. 001/2010 Unidade Responsável: Sistema de Controle de Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Universidade Feevale é um serviço que tem por finalidade garantir a efetiva comunicação e o relacionamento com

Leia mais

1. O que é o Diário Eletrônico e qual o seu fundamento legal? 2. Quando a Secretaria da Fazenda criou o Diário Eletrônico?

1. O que é o Diário Eletrônico e qual o seu fundamento legal? 2. Quando a Secretaria da Fazenda criou o Diário Eletrônico? DIÁRIO ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é o Diário Eletrônico e qual o seu fundamento legal? O Diário Eletrônico da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo é o meio de comunicação pelo qual

Leia mais

O presente informativo dispõe sobre a norma interna a ser observada na concessão de diárias e passagens.

O presente informativo dispõe sobre a norma interna a ser observada na concessão de diárias e passagens. PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS INFORMATIVO CCF 01/2010 1ª EDIÇÃO 08 DE JANEIRO DE 2010 ASSUNTO O presente informativo dispõe sobre a norma interna a ser observada

Leia mais

ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS JANEIRO /2013 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS ARAMUS GESTORA DE ATIVOS LTDA.

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional APRESENTAÇÃO A Electra Comercializadora de Energia Ltda. é autorizada da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para comercialização de energia, pela Resolução n 487, de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016. Dispõe sobre regulamentação de normas e procedimentos para realização de eventos acadêmicos e administrativos, cerimonial e protocolo

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS

NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS NORMA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E COMBATE AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO NA GESTÃO DE RECURSOS DE TERCEIROS Versão: setembro/2016 1. OBJETIVO Em conformidade com as diretrizes de Prevenção à Lavagem

Leia mais

EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013

EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013 EDITAL CEMIG GT - CP 03/2013 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA DE CURTO PRAZO MARÇO/2013 A CEMIG Geração e Transmissão S.A. - CEMIG GT, conforme legislação aplicável (Lei nº. 10.438/ 2002, Lei nº. 10.848/2004,

Leia mais

REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE Aprovado pelo CAS Resolução nº 130/2016 REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I Art. 1º. Este Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 06 / 2011

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 06 / 2011 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 06 / 2011 TRANSFERÊNCIA DE PESSOAL Macro Processo: Processo: Subprocesso Origem: Suporte Gestão de Pessoas Transferência de Pessoal Unidade de Gestão de Pessoas Nº Revisão/Data:

Leia mais

2.1. Serão avaliados projetos com realização nos municípios de Catalão e Ouvidor, no Estado de Goiás; e Cubatão, no Estado de São Paulo.

2.1. Serão avaliados projetos com realização nos municípios de Catalão e Ouvidor, no Estado de Goiás; e Cubatão, no Estado de São Paulo. MANUAL PARA APOIO A PROJETOS SOCIAIS - SELEÇÃO 2016/2017 NEGÓCIOS NIÓBIO E FOSFATOS 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Iniciativas sociais são parte do compromisso dos negócios de Nióbio e Fosfatos com as comunidades

Leia mais

O Service Desk é a plataforma de atendimento a usuários de sistemas fornecidos pela Equipo.

O Service Desk é a plataforma de atendimento a usuários de sistemas fornecidos pela Equipo. Introdução O Service Desk é a plataforma de atendimento a usuários de sistemas fornecidos pela Equipo. Por ela é possível reportar erros, solicitar informações, esclarecer dúvidas e solicitar melhorias.

Leia mais

O valor atual da bolsa PMG é de R$ 400,00. A carga horária são 12 horas semanais, totalizando 48 horas mensais.

O valor atual da bolsa PMG é de R$ 400,00. A carga horária são 12 horas semanais, totalizando 48 horas mensais. INFORMES PMG - 2017 PROCEDIMENTOS SOBRE AS BOLSAS DO PROGRAMA DE MONITORIA DA GRADUAÇÃO O Programa de Monitoria da Graduação será regido pelas Diretrizes Gerais do Programa de Monitoria da Graduação e

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

MTA Monitor. Manual de Usuário. Transferência de Arquivos. Versão: Última modificação: 11/11/2014

MTA Monitor. Manual de Usuário. Transferência de Arquivos. Versão: Última modificação: 11/11/2014 7/4/2010 MTA 3.0.3 Monitor Transferência de Arquivos Manual de Usuário Versão: 3.0.3 Última modificação: 11/11/2014 Contato Área responsável pelo fornecimento do material: Suporte à Pós-Negociação Telefone:

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS MOGNO CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS MOGNO CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS MOGNO CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. Política de Exercício do Direito de Voto em Assembleias gerais relativas a ativos detidos pelos fundos de

Leia mais

1 GLOSSÁRIO Área de TI Catálogo de serviços de TI Solicitante Chamado Formulário...

1 GLOSSÁRIO Área de TI Catálogo de serviços de TI Solicitante Chamado Formulário... Pág.: 1 de 21 SUMÁRIO 1 GLOSSÁRIO... 3 1.1 Área de TI... 3 1.2 Catálogo de serviços de TI... 3 1.3 Solicitante... 3 1.4 Chamado... 3 1.5 Formulário... 3 1.6 Situação do Chamado... 3 2 CATALOGO DE SERVIÇOS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROVAS BIMESTRAIS, PROVAS SUBSTITUTIVAS, EXAMES E OUTRAS AVALIAÇÕES AOS ALUNOS

ELABORAÇÃO DE PROVAS BIMESTRAIS, PROVAS SUBSTITUTIVAS, EXAMES E OUTRAS AVALIAÇÕES AOS ALUNOS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO ELABORAÇÃO DE PROVAS BIMESTRAIS, PROVAS SUBSTITUTIVAS, EXAMES E OUTRAS AVALIAÇÕES AOS ALUNOS 1. OBJETIVOS Padronização do uso do impresso e dos critérios para elaboração

Leia mais

Relatório semestral Ouvidoria

Relatório semestral Ouvidoria Relatório semestral Ouvidoria Em atendimento à Resolução 4.433/2015 do Banco Central do Brasil e seus complementos, este relatório aborda os aspectos qualitativos e quantitativos da Ouvidoria da Cetelem,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR 1 CAPÍTULO I Objetivos e Forma de Atuação Art. 1º O Fórum Permanente em Defesa do Empreendedor, constituído por entidades da sociedade civil

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 6/2011 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL

EDITAL DO LEILÃO 6/2011 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DO LEILÃO 6/2011 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL O LEILÃO DE COMPRA e os procedimentos a ele relativos serão regidos pelas disposições deste EDITAL e seus Anexos. ÍNDICE Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

FIN. 12 CENTRO DE RECEITAS E DESPESAS MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO CENTRO DE RECEITAS E DESPESAS

FIN. 12 CENTRO DE RECEITAS E DESPESAS MACROPROCESSO FINANCEIRO PROCESSO CENTRO DE RECEITAS E DESPESAS 1 de 8 msgq FI. 12 CETRO DE RECEITAS E DESPESAS MACROPROCESSO PROCESSO CETRO DE RECEITAS E DESPESAS FI. 12 CETRO DE RECEITAS E DESPESAS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRAGÊCIA... 2 3. DOCUMETOS RELACIOADOS... 2

Leia mais

Relatório. Atividades

Relatório. Atividades Relatório Atividades da Ouvidoria Base Primeiro Semestre 2016 1 1 Introdução A Ouvidoria é o canal de atendimento em última instância para solução de conflitos, quando estes existirem, diante do posicionamento

Leia mais

Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício do Direito de Voto em Assembléias Gerais POLÍTICA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS 1. Objetivo A presente Política tem por objetivo estabelecer os princípios gerais,

Leia mais

PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012

PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012 1 PORTARIA Nº 063, DE 30 DE MAIO DE 2012 ESTABELECE NORMAS PARA A ELEIÇÃO DE DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP - CAMPUS DE MARÍLIA HERALDO LORENA GUIDA, Vice-Diretor

Leia mais

Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES

Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES Política do Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social - FATES Versão 1.0 Sumário Título 1 Apresentação... 2 Título: 2 Do Objetivo... 3 Título: 3 Do Acesso... 4 Título: 4 Dos dependentes... 5 Título:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS ABRIL 2010 1 INTRODUÇÃO O Serviço Técnico de Informática STI é responsável pela prestação de serviços relacionados com a informática para as áreas de Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART OBRA OU SERVIÇO/DEFENSORIA

MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART OBRA OU SERVIÇO/DEFENSORIA MANUAL DE PREENCHIMENTO DE ART OBRA OU SERVIÇO/DEFENSORIA A ART relativa à execução de obra ou à prestação de serviço, objeto de contrato único, deve ser registrada antes do início da respectiva atividade

Leia mais

Leilão Reverso - Monitor de Comercialização Proponente

Leilão Reverso - Monitor de Comercialização Proponente MT-212-00110-3 Última Atualização: 08/01/2015 Leilão Reverso - Monitor de Comercialização Proponente Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.004 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS

RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES E SUGESTÕES DE MELHORIAS Pág: 1/6 Itens de Revisão: 00 Inicial 01 Revisão Geral do Procedimento 02 Revisão no nome do PR e acréscimos dos itens 3.5 Disputas e 3.6 Informações Gerais. 03 Revisão Geral do Procedimento 04 Revisão

Leia mais

ASSUNTO: QUAL O PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DO ATESTADO MÉDICO DA CAT?

ASSUNTO: QUAL O PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DO ATESTADO MÉDICO DA CAT? 1 PARECER CRM/MS N 03/2007 PROCESSO CONSULTA CRM MS Nº 05/2007 ASSUNTO: QUAL O PROFISSIONAL RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DO ATESTADO MÉDICO DA CAT? RELATOR: CONS. MOACYR BATTISTETTI. SOLICITANTE DE VISTA:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR Versão 1.1 Histórico de Versão Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 14/09/2012 Documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 029

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 029 1/ 5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável Rubrica Diretoria de Engenharia

Leia mais

Orientações EBA/GL/2015/

Orientações EBA/GL/2015/ EBA/GL/2015/19 19.10.2015 Orientações sobre as notificações de passaporte de intermediários de crédito que intervenham em operações de crédito abrangidas pela Diretiva de Crédito Hipotecário 1 1. Obrigações

Leia mais

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC ANEXO 3 - Regulamento de TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Capítulo I Dos Objetivos Art. 1º - O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO I APLICAÇÃO, OBJETO E PRINCÍPIOS GERAIS

POLÍTICA DE VOTO I APLICAÇÃO, OBJETO E PRINCÍPIOS GERAIS POLÍTICA DE VOTO I APLICAÇÃO, OBJETO E PRINCÍPIOS GERAIS 1.1. O Modal Asset Management Ltda. ( Gestor ), em conformidade ao Código de Auto- Regulação da ANBIMA para os Fundos de Investimento, vem, através

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA]

PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA] 2013 CONSÓRCIO UNILANCE TRIXX CONSULTING [MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE OUVIDORIA] De forma a atender aos procedimentos de controle e Direção, bem como agir de acordo com a legislação o Consórcio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG ESCOLA DE QUÍMICA E ALIMENTOS EQA CURSO DE ENGENHARIA BIOQUÍMICA NORMAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG ESCOLA DE QUÍMICA E ALIMENTOS EQA CURSO DE ENGENHARIA BIOQUÍMICA NORMAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG ESCOLA DE QUÍMICA E ALIMENTOS EQA CURSO DE ENGENHARIA BIOQUÍMICA 1 NORMAS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Parágrafo único do Art. 7º da Resolução CNE/CES

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA FIDELIDADE PROTENSE

REGULAMENTO PROGRAMA FIDELIDADE PROTENSE REGULAMENTO PROGRAMA FIDELIDADE PROTENSE PROTENSE SOLUÇÕES EMPRESARIAIS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, devidamente inscrita no CNPJ/MF sob o nº 13.036.592/0001-43, com sede na Rua Santa Cruz,

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

CATEGORIAS DE RENDA BRUTA (Limites máximos) 100% 125% 150% 175% 185% 200% 250% 300% 400% 500%

CATEGORIAS DE RENDA BRUTA (Limites máximos) 100% 125% 150% 175% 185% 200% 250% 300% 400% 500% Assistência financeira - Sumário A Montefiore Medical Center reconhece que existem momentos em que os s terão dificuldades em pagar pelos serviços prestados. O Auxílio financeiro oferece descontos para

Leia mais

Manual de Apoio. Cadastro de Solicitação de Licenciamento Ambiental. Versão Janeiro /01/ :43

Manual de Apoio. Cadastro de Solicitação de Licenciamento Ambiental. Versão Janeiro /01/ :43 Manual de Apoio Cadastro de Solicitação de Licenciamento Ambiental Versão Janeiro.0 07 4/0/07-09:43 SOL - Solicitação Online de Licenciamento O empreendedor cadastra uma solicitação no SOL incluindo: Entrada

Leia mais

XP Investimentos CCTVM SA

XP Investimentos CCTVM SA Política de Exercício de Direito de voto XP Investimentos CCTVM SA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO E COMPANHIAS EMISSORAS DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO. Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management Partners Gestão de Recursos S.A.

CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO. Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management Partners Gestão de Recursos S.A. 10 CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO Credit Suisse Hedging-Griffo Asset Management Partners Gestão de Recursos S.A. Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais relativas a ativos detidos

Leia mais

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD.

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. Instituído pela Portaria nº 55 da Secretaria de Assistência a Saúde (Ministério da Saúde), é um instrumento legal que visa garantir, através do SUS, tratamento

Leia mais

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE SETEMBRO/2016 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Orientações Gerais... 4 2.1 Entrega de guias... 4 2.2 PACOTES - Autorização e cobrança... 4 3. Formulários... 4

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS G5 ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS G5 ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS G5 ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Leia mais

Instruções para Solicitações de Material de Consumo, Conserto e Manutenção de Equipamentos no PPGF

Instruções para Solicitações de Material de Consumo, Conserto e Manutenção de Equipamentos no PPGF Instruções para Solicitações de Material de Consumo, Conserto e Manutenção de Equipamentos no PPGF Seropédica, RJ, maio de 2014 Autores: Prof. Pedro Corrêa Damasceno Junior Coordenador do Programa de Pós-graduação

Leia mais

TUTORIAL. Padrão TISS Alterações no Portal Rede UNNA

TUTORIAL. Padrão TISS Alterações no Portal Rede UNNA TUTORIAL Padrão TISS 3.01.00 - Alterações no Portal Rede UNNA De acordo com a Resolução Normativa RN N 305 de 9 de outubro de 2012 editada pela Agência Nacional de Saúde - ANS, o Portal Rede UNNA passou

Leia mais

SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO Divisão de Arquivo e Protocolo Novembro 2011 1. Introdução: O presente manual tem por objetivo orientar a operação do novo sistema Controle de

Leia mais

Contratação de Agente Comercial no Exterior

Contratação de Agente Comercial no Exterior Unidade de Projetos Termo de Referência sobre Contratação de Agente Comercial no Exterior REVISTO E ATUALIZADO Março de 2013 Elaborado por: Apex-Brasil Pág: 1 GESTOR DE PROJETO Richard Sabah COORDENADOR

Leia mais

Políticas E-commerce

Políticas E-commerce Políticas E-commerce Entregas:... 2 Trocas / Devoluções e Reembolsos:... 3 Pedidos e Prazos:... 6 Pagamento, Preços e Promoções:... 7 Minha compra com cartão de crédito no Pagseguro foi cancelada o que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13/2016 Aprova a Sistemática para Registro e Acompanhamento das Atividades de Ensino do IFPE. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Leia mais

TUTORIAL - CONSULTA DE PROCESSO E ENVIO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS

TUTORIAL - CONSULTA DE PROCESSO E ENVIO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS TUTORIAL - CONSULTA DE PROCESSO E ENVIO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS Considerando a implantação da ferramenta que possibilita a consulta virtual dos processos, bem como o envio eletrônico de manifestações

Leia mais

SEBRAETEC SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PROCEDIMENTOS SISTEMA ELETRÔNICO INSTITUIÇÕES

SEBRAETEC SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PROCEDIMENTOS SISTEMA ELETRÔNICO INSTITUIÇÕES SEBRAETEC SERVIÇOS EM INOVAÇÃO E TECNOLOGIA PROCEDIMENTOS SISTEMA ELETRÔNICO INSTITUIÇÕES DEZEMBRO 2012 ÍNDICE A) INSTRUÇÔES... 5 B) ENQUADRAMENTO... 6 C) ACEITE DA ENTIDADE... 6 D) PREENCHIMENTO DO PLANO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OFICINAS NAS ÁREAS DE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OFICINAS NAS ÁREAS DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OFICINAS NAS ÁREAS DE ATUAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE HOMICÍDIOS FICA VIVO! REFERENTE AO TERMO DE PARCERIA N. 035/2016 O IJUCI, Instituto Jurídico para Efetivação

Leia mais

Catálogo de Serviços disponíveis ao Corretor MetLife

Catálogo de Serviços disponíveis ao Corretor MetLife Catálogo de Serviços disponíveis ao Corretor MetLife 2015 1 Central de Exclusiva ao Corretor 2 Catálogo de Serviços - ao Corretor Processo > Portal SERVIÇOS ON LINE - PORTAL E CENTRAL DE ATENDIMENTO EXCLUSIVA

Leia mais