Continuidade digital: divulgação e comunicação - Normas. SOS Digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Continuidade digital: divulgação e comunicação - Normas. SOS Digital 2012-04-29"

Transcrição

1 Continuidade digital: divulgação e comunicação - Normas SOS Digital

2 Normas: identificadas Distribuição por CdP dados médicos 18% arquivos 39% 0% televisão 11% cinema 3% museus 29% Televisão: 6 Cinema : 2 Museus: 16 Arquivos: 22 Dados médicos: 10 Total: 56 (46)

3 Normas: identificadas Partilha entre CdP não partilhadas 82% partilhadas 2 CdP 18% Norma ISAD (G) EAD 2 ISAAR (CPF) ISDF ODA MEF NP NP EDM MIP CdP Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, D Médicos Arquivos, Museus Arquivos, Museus

4 Normas: analisadas ISDIAH ISBD CIDOC EBU-TECH 3293 MPEG 7 EAG ISAD (G) CIDOC-CRM N de inventário ISAD (G)? EAD 2 ISAAR (CPF) EAC (CPF) ODA v. 03 Dublin Core Outras normas ( )

5 caracterização descrição / codificação descrição e codificação centradas no objeto centrada no evento orientada para o objeto

6 multidomínios CIDOC-CRM eventos tempo pessoas objetos locais

7 objeto documentação contexto: produtores, detentores recursos publicados objetos e espécimes recursos áudio e vídeo imagens fixas, gráficos, modelos 3D, áudio, vídeo recursos heterogéneos (património cultural) informação contextual: histórica, geográfica, teórica descrição multinível descrição a vários níveis (partes do recurso / todo o recurso) objetos individuais ou conjuntos modelo hierárquico: níveis sucessivos

8 estrutura e conteúdo zonas / grupos, elementos / categorias de informação regras e conv. apresentação da informação terminologia a utilizar e respetivas definições sequência da informação, pontuação sep. metadados; esquema metadados; linguagem definição descrição (base Dublin Core) Dublin Core: ( ) CIDOC-CRM: ( )

9 estrutura e conteúdo multidomínios Dublin Core: - classes e propriedades - sintax genérica para os registos de metadados - linguagem - orientações para a implementação da codificação CIDOC-CRM: - ontologia formal: conceitos e relações classes, propriedades - terminologia de modelação orientada para o objeto

10 ZONA DA IDENTIFICAÇÃO Códigos de referência (O) Título (O) Datas (O) Nível de descrição (O) Dimensão (quantidade) (O) Suporte (material, meio e técnica) (O) ZONA DO CONTEXTO Nome do produtor (O) ( ) Normas / Orientações categoriais ISAD (G) ISAAR (CPF) ISDIAH ODA ISBD CIDOC Normas de inventário

11 Normas / Orientações combinatórias descrever o livro: elementos como título e idioma descrever a pessoa: elementos como nome e endereço In <http://dublincore.org/documents/profile-guidelines/> Dublin Core RDF In <http://www.w3.org/tr/2014/note-rdf11-primer /#section-data-model>

12 objetivo recuperação, troca e partilha informação entre diferentes sistemas informação, a nível nacional e internacional em cada domínio patrimonial articulação com outros domínios: formas normalizadas do nome de acordo com outras regras aumentar interoperabilidade com outras normas de conteúdo [FRBR] base comparação outras normas nacionais e internacionais entre diferentes domínios patrimoniais: museus, bibliotecas e arquivos. Harmonização modelos relações dos produtores com a doc. de arquivo e com outros recursos

13 elementos/categorias de info: detentor - E39 Actor - E74 Group - E40 Legal body - E21 Person - Identificador (O) - Entity - Identifier - E42 Identifier - Forma autorizada do nome (O) - Institution name - Entity (OP) - Organisation Details (OP) Organization Name - E82 Actor Appellation

14 elementos / categorias de informação: detentor - Tipo E detentora (OP) - Entity (OP) Role - E55 Type - Localização e morada(s) (OP) - Institution address - Address (OP) - E44 Place Appellation - E45 Address - Pessoas a contactar (OP) - Contact Details (OP) - E39 Actor - E82 Actor Appellation

15 elementos / categorias de informação: doc., rec. obj. algumas especificidades Zona de edição Zona de publicação, produção, distribuição, etc. - Nome do editor, produtor e/ou distribuidor (O) (R) -Data da publicação, produção e/ ou distribuição (O) - Publisher (OP) - Publisher - Publication Service (OP) - Publication Medium (OP) - Publication Channel (OP) - Date (OP)

16 elementos / categorias de informação: doc., rec. obj. algumas especificidades Zona da série e dos recursos monográficos em várias partes Image information group Object association information group - Associated place - Location (OP) -Places (basic - Region (OP) element) - Associated date - Period of Time (OP) -Time (basic element) -Time point - Duration -Time unit -Time base

17 elementos / categorias de informação: doc., rec. obj. algumas especificidades Intervenções de Conservação e Restauro - Executada por - Identificação do Processo - Data Exposições - Título - N.º catálogo - Local - Data - Financial: cost of production and the income resulting from content use -User Interaction: user preferences and usage history pertaining to the consumption of the multimedia material

Orientações para a descrição arquivística (ODA):

Orientações para a descrição arquivística (ODA): Orientações para a descrição arquivística (ODA): uma aposta da DGARQ na normalização Lucília Runa Normas e partilha de informação (DGARQ DSAAT) Lisboa, BNP, 14 de Outubro de 2010 Sumário: A DGARQ: enquadramento

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais

PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS

PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS PARÂMETROS NORMATIVOS DE PARTICIPAÇÃO NA EUROPEANA FORNECEDORES CONTEÚDOS SUBMISSÃO DE DADOS Helena Patrício Biblioteca Nacional de Portugal 1 Julho 2010 1. Fornecer conteúdos no contexto da Europeana

Leia mais

Workshop Descrição Arquivística e Arquivos de Fotografia. Porto - Junho 2007 DGARQ - CPF 1

Workshop Descrição Arquivística e Arquivos de Fotografia. Porto - Junho 2007 DGARQ - CPF 1 Workshop Descrição Arquivística e Arquivos de Fotografia Porto - Junho 2007 DGARQ - CPF 1 Descrição arquivística e arquivos de fotografia Tópicos em análise Normalização da descrição em arquivo Objectos

Leia mais

Nota Prévia PROCEDIMENTOS DE AJUDA NO ACESSO AO CONTEÚDO E ESTRUTURA DA BASE DE DADOS. 1º Procedimento

Nota Prévia PROCEDIMENTOS DE AJUDA NO ACESSO AO CONTEÚDO E ESTRUTURA DA BASE DE DADOS. 1º Procedimento PROCEDIMENTOS DE ACESSO AO CONTEÚDO E ESTRUTURA DA BASE DE DADOS DO PROJECTO DE INVENTARIAÇÃO DO EX-MINISTÉRIO DO ULTRAMAR, PRESERVADA NO REPOSITÓRIO DE OBJECTOS DIGITAIS AUTÊNTICOS (RODA): MANUAL DE APOIO

Leia mais

Continuidade digital Divulgação e comunicação. SOS Digital

Continuidade digital Divulgação e comunicação. SOS Digital Continuidade digital Divulgação e comunicação SOS Digital O que é o projeto? 1. A continuidade digital é um projeto de iniciativa da Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB). 2. este

Leia mais

Participar na Europeana: Requisitos Técnicos

Participar na Europeana: Requisitos Técnicos Participar na Europeana: Requisitos Técnicos Nuno Freire Biblioteca Nacional de Portugal nuno.freire@bnportugal.pt Agenda Participar na Europeana requisitos técnicos Objectos digitais, formatos de dados,

Leia mais

OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO

OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO Faro, 4 de Outubro 2013 OBJECTIVO Conhecer a situação real do património audiovisual nacional, nas suas mais variadas vertentes, desde o seu estado

Leia mais

Pedro Penteado (DGARQ) pedro.penteado@dgarq.gov.pt. Lisboa, BNP, 14 de Outubro de 2010

Pedro Penteado (DGARQ) pedro.penteado@dgarq.gov.pt. Lisboa, BNP, 14 de Outubro de 2010 Pedro Penteado (DGARQ) pedro.penteado@dgarq.gov.pt Lisboa, BNP, 14 de Outubro de 2010 1. Objectivos 2. Normalização: para um conceito alargado 3. Perspectiva histórica (até 2003) 4. Organismos internacionais

Leia mais

Da adoção de boas práticas ao Plano de Preservação Digital

Da adoção de boas práticas ao Plano de Preservação Digital Da adoção de boas práticas ao Plano de Preservação Digital Encontro Internacional de Arquivos Da Produção à Preservação Informacional: desafios e oportunidades Évora, 3 e 4 de outubro de 2014 1. Preservação

Leia mais

ARQUIVOS em LINHA. Rede Portuguesa de Arquivos (RPA): fundamentos para o seu desenvolvimento e gestão. Módulo 2: Modelo Lógico. Lisboa, 2008-07-24

ARQUIVOS em LINHA. Rede Portuguesa de Arquivos (RPA): fundamentos para o seu desenvolvimento e gestão. Módulo 2: Modelo Lógico. Lisboa, 2008-07-24 ARQUIVOS em LINHA. Rede Portuguesa de Arquivos (RPA): fundamentos para o seu desenvolvimento e gestão Módulo 2: Modelo Lógico Lisboa, 2008-07-24 Ficha técnica MIP Título: Rede Portuguesa de Arquivos (RPA):

Leia mais

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados

Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Um gato preto num quarto escuro falando sobre metadados Ana Alice Baptista Altamiro Barbosa Machado 1 Metadados significa, basicamente, dados sobre os dados. Num ambiente caótico como a Internet, os dados

Leia mais

MIG - Metadados para Informação Geográfica

MIG - Metadados para Informação Geográfica MIG - Metadados para Informação Geográfica Introdução à Norma ISO 19115 Henrique Silva, Instituto Geográfico Português, hsilva@igeo.pt Lisboa, 14 de Fevereiro de 2008 Metadados para Informação Geográfica

Leia mais

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO

TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO 9º ANO Ano Lectivo 2008/2009 TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO Em nenhuma época histórica o homem teve tantas possibilidades de transportar e comunicar ideias. Francisco Gutierrez Na

Leia mais

Interoperabilidade Semântica no LexML

Interoperabilidade Semântica no LexML Interoperabilidade Semântica no LexML João Alberto de Oliveira Lima Senado Federal do Brasil Brasília-DF joaolima@senado.gov.br Resumo. A interoperabilidade não se restringe apenas à capacidade de comunicação

Leia mais

Metadados e Dublin Core

Metadados e Dublin Core Metadados e Dublin Core Eloi Juniti Yamaoka 14 de Fevereiro de 2007 Meta Meta = sobre (about) Metadados Metametadados Metadata Meta data Metainformação Metadados? Dados sobre dados Informação sobre informações

Leia mais

1 - Meta-Informação. Meta-informação tradicional (descritiva)

1 - Meta-Informação. Meta-informação tradicional (descritiva) Meta-Informação Definição de meta-informação Informação acerca da informação Âmbito varia com comunidades profissionais : requerida para manter sistemas de informação e de património [2] eficazes, autorizados,

Leia mais

Principais funcionalidades. Arquitetura e requisitos técnicos. Modalidades de aquisição

Principais funcionalidades. Arquitetura e requisitos técnicos. Modalidades de aquisição Agenda Principais funcionalidades Arquitetura e requisitos técnicos Modalidades de aquisição Funcionalidades Descrição arquivística Gestão de coleções digitais Publicação em-linha Conservação & restauro

Leia mais

Programa de Treinamento do CIDOC Documentação em museus: princípios e práticas Catálogo de módulos do curso

Programa de Treinamento do CIDOC Documentação em museus: princípios e práticas Catálogo de módulos do curso Programa de Treinamento do CIDOC Documentação em museus: princípios e práticas Catálogo de módulos do curso Nicholas Crofts e Nicola Ladkin Comissão organizadora do curso no Brasil (versão em português)

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS. Livro

ÍNDICE DE TERMOS. Livro ÍNDICE DE TERMOS Acervo Bibliográfico Autor Bibliografia Base de dados Bibliográfica Bibliografia Bibliotecário Biblioteca Biblioteca digital, electrónica ou virtual Biblioteconomia Catálogo Catálogo coletivo

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

Sistema Integrado de Televisão Digital

Sistema Integrado de Televisão Digital Sistema Integrado de Televisão Digital Actividades no INESC Porto Artur Pimenta Alves Paula Viana {palves,pviana}@inescn.pt Problemas a Resolver Grandes quantidades de informação Diferentes tipos de formatos

Leia mais

Workshop sobre ''Normalização de TI - técnicas de segurança''

Workshop sobre ''Normalização de TI - técnicas de segurança'' Workshop sobre ''Normalização de TI - técnicas de segurança'' Apresentação do itsmf e reativação da CT 163 Mário Lavado Presidente ONS TIC - itsmf 19-12-2012 Agenda Apresentação do itsmf Portugal Apresentação

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 30.9.2014 L 284/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1029/2014 DA COMISSÃO de 26 de setembro de 2014 que altera o Regulamento (UE) n. o 73/2010 da Comissão, que estabelece os requisitos aplicáveis à qualidade

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MULTIMÉDIA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Multimédia Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL - AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DOS

Leia mais

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR

BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR BIBLIOTECA ANACOM MANUAL DO UTILIZADOR ÍNDICE Biblioteca ANACOM - Manual do utilizador... 2 Página de entrada... 3 Barra de menus da Biblioteca ANACOM... 3 Tipos de pesquisa... 3 Pesquisa simples... 3

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

OBOSHotel - Central de Reservas Online. Manual de Utilizador - Backoffice

OBOSHotel - Central de Reservas Online. Manual de Utilizador - Backoffice OBOSHotel - Central de Reservas Online Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 13-01-2008 1.0 Versão inicial Nelson Santos Índice Introdução... 3 Login de acesso... 4 Como criar um hotel?...

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração

Centro de Arqueologia de Almada Normas de Colaboração 1. Propriedade, Edição e Âmbito é uma publicação periódica do Centro de Arqueologia de Almada, proprietário e editor do título desde 1982. Tem por âmbito a promoção da cultura científica nas áreas da Arqueologia,

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO DE

SOFTWARE DE GESTÃO DE MUSEO SOFTWARE DE GESTÃO DE PATRIMÓNIO E MUSEU Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP13223.2 Aprovado por Luís Miguel Ferros Aprovado em 2014-01-03

Leia mais

A harmonização normativa em Instituições de Memoria: os desafios e dificuldades na interoperabilidade

A harmonização normativa em Instituições de Memoria: os desafios e dificuldades na interoperabilidade A harmonização normativa em Instituições de Memoria: os desafios e dificuldades na interoperabilidade Cristina Cortês Departamento de Comunicação e Arte, CETAC.MEDIA Universidade de Aveiro 3810-193 Aveiro

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo.

- relaciona informação de diferentes classes da CDU no tratamento de um tema -utiliza as funcionalidades de pesquisa avançada no catálogo. ÁREA: Conhecimento e utilização da Biblioteca Cumprir as regras de funcionamento da biblioteca - cumpre as regras de comportamento na BE - cumpre as regras de acesso, manipulação, preservação e arrumação

Leia mais

MIP METAINFORMAÇÃO PARA INTEROPERABILIDADE. Lisboa, 2012-10-03

MIP METAINFORMAÇÃO PARA INTEROPERABILIDADE. Lisboa, 2012-10-03 MIP METAINFORMAÇÃO PARA INTEROPERABILIDADE Lisboa, 2012-10-03 Avaliadores externos Grupo de trabalho reunido no âmbito do projecto da Secretaria-Geral da Presidência do Conselho de Ministros designado

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 13 de Maio a 25 de Junho de 2015 COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DOCUMENTAIS Organização e Recuperação da Informação

Leia mais

DGLAB, Março Abril de 2013 Sessões de apresentação. dsan@dglab.gov.pt

DGLAB, Março Abril de 2013 Sessões de apresentação. dsan@dglab.gov.pt DGLAB, Março Abril de 2013 Sessões de apresentação dsan@dglab.gov.pt RCM n.º 12/2012, de 7 fev. 2 - Racionalização/centralização de centros de dados - - Modelo de governação TIC - Racionalização ministerial

Leia mais

Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT

Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Elaboração do relatório Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Relatório O objectivo de um relatório é partilhar informação considerada relevante

Leia mais

Objectivos. Aplicação de tecnologias com vista à revitalização turística do património histórico-cultural. Escola Superior de Turismo e Hotelaria

Objectivos. Aplicação de tecnologias com vista à revitalização turística do património histórico-cultural. Escola Superior de Turismo e Hotelaria Aplicação de tecnologias com vista à revitalização turística do património histórico-cultural Adélia Godinho César Faria Manuel Salgado Escola Superior de Turismo e Hotelaria Objectivos Estrutura 1. Património

Leia mais

Política de Certificado de Validação on-line OCSP emitido pela EC AuC

Política de Certificado de Validação on-line OCSP emitido pela EC AuC Política de Certificado de Validação on-line OCSP emitido pela EC Políticas PJ.CC_24.1.2_0012_pt_.pdf Identificação do Projecto: Cartão de Cidadão Identificação da CA: Nível de Acesso: Público Data: 28/06/2012

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表. Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura. Academic Research Grant Application Form

學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表. Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura. Academic Research Grant Application Form 澳 門 特 別 行 政 區 政 府 Governo da Região Administrativa Especial de Macau 文 化 局 Instituto Cultural 學 術 研 究 獎 學 金 申 請 表 ( 根 據 學 術 研 究 獎 學 金 規 章 第 九 條 第 一 款 ) Bolsas de Investigação Académica Boletim de Candidatura

Leia mais

6. PROGRAMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL MAIS UTILIZADOS EM PORTUGAL

6. PROGRAMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL MAIS UTILIZADOS EM PORTUGAL 6. PROGRAMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL MAIS UTILIZADOS EM PORTUGAL CDS/ISIS CDS/ISIS (Computerized Documentation System/Integrated Set of Information System) é um software desenvolvido pela UNESCO que permite

Leia mais

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio

5 Exemplos. 5.1. Produção bibliográfica da PUC-Rio 5 Exemplos Foram desenvolvidas duas aplicações que exemplificam o uso e a utilidade das mudanças feitas no método SHDM e do ambiente de desenvolvimento Synth, apresentadas nas seções a seguir. 5.1. Produção

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

GUIÃO de APOIO à AVALIAÇÃO de PRODUTOS MULTIMÉDIA

GUIÃO de APOIO à AVALIAÇÃO de PRODUTOS MULTIMÉDIA GUIÃO de APOIO à AVALIAÇÃO de PRODUTOS MULTIMÉDIA Sistema de Avaliação, Certificação e Apoio à Utilização de Software na Educação e Formação Instruções Apresentação de Produtos a Certificação Formulário

Leia mais

Documentos Electrónicos

Documentos Electrónicos Documentos Electrónicos Define-se como Documento electrónico todo o documento produzido em computador integrado em sistemas e redes, não tendo existência própria se for deslocado do sistema de informação

Leia mais

Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de customização do DSpace

Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de customização do DSpace Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de customização do DSpace Cassandra Lúcia de Maya Viana Miguel Ángel Márdero Arellano Milton Shintaku INTRODUÇÃO Objetivo Customizar

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Aplicações Informáticas B

Aplicações Informáticas B Prova de Exame Nacional de Aplicações Informáticas B Prova 703 2008 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção-Geral

Leia mais

FINISTERRA ARRÁBIDA FILM ART & TOURISM FESTIVAL

FINISTERRA ARRÁBIDA FILM ART & TOURISM FESTIVAL FINISTERRA ARRÁBIDA FILM ART & TOURISM FESTIVAL REGULAMENTO Artigo 1 Organização 1. O Finisterra Arrábida Film Art & Tourism Festival, adiante identificado por Festival, é um evento anual promovido por

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Política de Certificado de Autenticação

Política de Certificado de Autenticação Política de Certificado de Autenticação Políticas PJ.CC_24.1.2_0011_pt_.pdf Identificação do Projecto: Cartão de Cidadão Identificação da CA: Nível de Acesso: Público Data: 28/06/2012 Identificador do

Leia mais

A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação

A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação A renovação e funcionamento actual da CT7 Comissão Técnica Portuguesa de Normalização em Informação e Documentação Sumário CT 7- O que é? Organização e funcionamento da CT 7 Produção normativa Disponibilização

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education

Redes de computadores e a Internet. Capítulo 9. Gerenciamento de rede 9-3. 2005 by Pearson Education Redes de computadores e a Internet Capítulo 9 Gerenciamento de rede 9-3 Gerenciamento de rede Objetivos do capítulo: Introdução ao gerenciamento de redes Motivação Componentes principais Ambiente de gerenciamento

Leia mais

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF

FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF FERRAMENTA DE CONVERSÃO DE METADADOS DE RECURSOS ELETRÔNICOS DO PADRÃO DUBLIN CORE PARA O PADRÃO RDF Arlindo L. Boiça Neto 1 ; Leandro H. de M. Oliveira 2 N 0803081 Resumo : Atualmente a descrição de recursos

Leia mais

4. PLACEMENT OFFERED Number of Placement offered: Two places in the Romantic Museum of Macieirinha Farm.

4. PLACEMENT OFFERED Number of Placement offered: Two places in the Romantic Museum of Macieirinha Farm. 1. COMPANY Porto City Hall - www.cm-porto.pt Municipal Department of Museums and Cultural Heritage 2. LOCATION Rua Entre Quintas, 219 4050-240 Porto Portugal 3. MAIN ACTIVITY The Municipal Department of

Leia mais

Porquê preservar? que se deve preservar, durante quanto tempo e como preservar? SOS Digital: Tópico 1

Porquê preservar? que se deve preservar, durante quanto tempo e como preservar? SOS Digital: Tópico 1 Porquê preservar? que se deve preservar, durante quanto tempo e como preservar? SOS Digital: Tópico 1 O que é preservar? 1. Conjunto de atividades desenvolvidas com o fim de aumentar a vida útil da informação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

DNS Parte 2 - Configuração

DNS Parte 2 - Configuração DNS Parte 2 - Configuração Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Revisão Prof. Dr.

Leia mais

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR

ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR ISO 22000 SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Os sistemas de segurança alimentar devem ser desenhados de forma a controlar o processo de produção e basearem-se em princípios e conceitos

Leia mais

Weslley da Silva Fernandes Mathias

Weslley da Silva Fernandes Mathias Weslley da Silva Fernandes Mathias 1 Biblioteca digital é a biblioteca constituída por documentos primários, que são digitalizados sob a forma material (disquetes, CD-ROM, DVD), ou online através da internet,

Leia mais

GESTÃO E DIFUSÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS. BND RNOD Europeana. Workshop Pré-Congresso BAD

GESTÃO E DIFUSÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS. BND RNOD Europeana. Workshop Pré-Congresso BAD GESTÃO E DIFUSÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS BND RNOD Europeana Workshop Pré-Congresso BAD SUMÁRIO: BND RNOD Europeana Conteúdos Estruturas de produção Serviços Objetivos Funcionalidades Requisitos Conteúdos

Leia mais

Primeiros anos do Arquivo do Técnico: memória e gestão da informação. Ana Silva Rigueiro

Primeiros anos do Arquivo do Técnico: memória e gestão da informação. Ana Silva Rigueiro Primeiros anos do Arquivo do Técnico: memória e gestão da informação Ana Silva Rigueiro Índice 1. Missão 2. Factos e números 3. Serviços 4. A história do Arquivo 5. Acervo documental 6. Os projectos de

Leia mais

51002 Análise e Linguagens Documentais II

51002 Análise e Linguagens Documentais II 51002 Análise e Linguagens Documentais II 9 a 15 de Maio de 2011 1 A acessibilidade nos documentos electrónicos é um aspecto fundamental que condiciona a descrição bibliográfica deste tipo de recursos.

Leia mais

Integrated Network Operations Support System ISO 9001 Certified A Plataforma Integradora Integrated Platform O INOSS V2 é uma poderosa plataforma de operação e gestão centralizada de redes e serviços de

Leia mais

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering.

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering. Parte I Requirement Engineering Gestão de Projectos Informáticos Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering Introduzir as noções requisitos de sistema e processo de engª de requisitos

Leia mais

USE CASES: continuação

USE CASES: continuação USE CASES: continuação Balcão de Companhia Aérea Fazer Check-in de Passageiro Funcionário Inserir Reserva de Voo Cancelar Reserva de Voo Os primeiros diagramas de Use Case (DUC) de um Sistema, descrevem

Leia mais

LUCIANA UMBURANAS NASCIMENTO UM PADRÃO DE METADADOS PARA INDEXAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE OBJETOS MULTIMÍDIA

LUCIANA UMBURANAS NASCIMENTO UM PADRÃO DE METADADOS PARA INDEXAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE OBJETOS MULTIMÍDIA LUCIANA UMBURANAS NASCIMENTO UM PADRÃO DE METADADOS PARA INDEXAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE OBJETOS MULTIMÍDIA CURITIBA 2008 LUCIANA UMBURANAS NASCIMENTO UM PADRÃO DE METADADOS PARA INDEXAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE

Leia mais

Política de Certificados de Servidor Web

Política de Certificados de Servidor Web Política de Certificados de Servidor Web Políticas PJ.CC_24.1.2_0008_pt_.pdf Identificação do Projecto: Cartão de Cidadão Identificação da CA: Nível de Acesso: Público Data: 10/03/2010 Identificador do

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Arquitetura Cliente-Servidor Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Cliente ( Navegador/Browser) - Internet

Leia mais

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos

Capítulo I Introdução à gestão da manutenção Capítulo II Terminologia, definições e conceitos Prefácio XIII Nota do Autor XV Capítulo I Introdução à gestão da manutenção 1 1.1. A manutenção 2 1.2. A gestão 4 1.3. Gestão da manutenção 5 1.4. Custos de manutenção 7 1.5. Software de gestão da manutenção

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO DE

SOFTWARE DE GESTÃO DE MUSEO SOFTWARE DE GESTÃO DE PATRIMÓNIO E MUSEU Características e requisitos técnicos WHITE PAPER SERIES Sobre o documento Identificador WP13223.7 Aprovado por Luís Miguel Ferros Aprovado em 2015-03-19

Leia mais

Comunicação Oral REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NO DOMÍNIO DA HISTORIA DA ARTE: UMA PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO DE UM BANCO DE DADOS E UMA BIBLIOTECA DIGITAL

Comunicação Oral REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NO DOMÍNIO DA HISTORIA DA ARTE: UMA PROPOSTA PARA A CONSTRUÇÃO DE UM BANCO DE DADOS E UMA BIBLIOTECA DIGITAL XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB 2013) GT 2 - Organização e Representação do Conhecimento Comunicação Oral REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NO DOMÍNIO DA HISTORIA DA ARTE: UMA

Leia mais

GRUPO TÉCNICO DE TRABALHO INSPIRE MADEIRA. 1º Reunião de Acompanhamento 26 de Setembro de 2011. Funchal

GRUPO TÉCNICO DE TRABALHO INSPIRE MADEIRA. 1º Reunião de Acompanhamento 26 de Setembro de 2011. Funchal INSPIRE MADEIRA 1º Reunião de Acompanhamento 26 de Setembro de 2011 Funchal ÍNDICE Definição da Diretiva: Objetivo; Vantagens e Custo/Benefício; Temas dos Conjuntos de Dados Geográficos; Infraestrutura

Leia mais

Metodologias de descrição de documentação fotográfica. Porto, 18 Outubro Lisboa, 25 Outubro 2007

Metodologias de descrição de documentação fotográfica. Porto, 18 Outubro Lisboa, 25 Outubro 2007 Metodologias de descrição de documentação fotográfica Porto, 18 Outubro Lisboa, 25 Outubro 2007 Descrição de fotografia Qual a prática até aqui? Quais os modelos? Que instrumentos de apoio à descrição?

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Mídias Digitais Apresentação A emergência de novas tecnologias de informação e comunicação e sua convergência exigem uma atuação de profissionais com visão

Leia mais

Rua Faria Guimarães, 494 2º Esq. 4000-205 Porto +351 965 371 568 olinda@mdemaria.com www.mdemaria.com

Rua Faria Guimarães, 494 2º Esq. 4000-205 Porto +351 965 371 568 olinda@mdemaria.com www.mdemaria.com CURRICULUM VITAE olinda martins 01.junho.2012 INFORMAÇÃO PESSOAL nome filiação data de nascimento naturalidade bilhete de identidade contribuinte estado civil carta de condução Maria Olinda Carneiro Martins

Leia mais

Entrevista a Patrick Le Boeuf (IFLA/Biblioteca Nacional de França)

Entrevista a Patrick Le Boeuf (IFLA/Biblioteca Nacional de França) Entrevista a Patrick Le Boeuf (IFLA/Biblioteca Nacional de França) Nota biográfica Patrick Le Boeuf é conservador na Biblioteca Nacional de França desde 1994. Desde 1999 tem vindo a especializar-se na

Leia mais

Distribuição de conteúdos multi-plataforma

Distribuição de conteúdos multi-plataforma Distribuição multi-plataforma e work-flow em cinema e televisão digitais Artur Pimenta Alves (INESC Porto/U.Porto) Ernesto Santos (MOG Solutions) Maria Teresa Andrade (INESC Porto/U.Porto) Distribuição

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA: DO SUPORTE CONVENCIONAL AO ELETRÔNICO

PRINCÍPIOS DA DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA: DO SUPORTE CONVENCIONAL AO ELETRÔNICO ARTIGO PRINCÍPIOS DA DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA: DO SUPORTE CONVENCIONAL AO ELETRÔNICO Por: Ana Paula de Moura Sousa anapans@yahoo.com.br Alécia Silva Rodrigues eusillva@yahoo.com.br Alex Silva Rodrigues allezinho2002@yahoo.com.br

Leia mais

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Agenda Novas formas de comunicação online Perspectivas e entendimentos O porquê da linguagem mais visual e cinestésica Inovar é preciso IPTV versus Web TV

Leia mais

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC

Web Semântica e PLN. Paulo Gomes DEI FCTUC Web Semântica e PLN Paulo Gomes DEI FCTUC 1 Sumário Motivação da Web Semântica Conceitos base da WS WS vs. PLN Sinergias entre WS e PLN Conclusão 2 Motivação Limitações da Web actualmente: Overflow de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C)

PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C) ESCOLA E.B. 2,3/S DE VILA FLOR Disciplina: Tecnologias da Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO DAS UNIDADES DIDÁTICAS DO MANUAL (8º ano Turmas A B e C) UNIDADES OBJETIVOS GERAIS CONTEÚDOS DESCRITORES

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação DOMÍNIOS (Unidades) UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Introdução Conteúdos Objetivos Estratégias/ recursos Conceitos fundamentais Teste e controlo de erros em algoritmia Estruturas de controlo Arrays

Leia mais

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores

Manual da Qualidade. Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores Manual da Qualidade Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social nos Açores EDIÇÃO 05 (ABRIL 2013) PÁGINA 2 DE 16 Índice Índice... Página 1 Promulgação do Manual... Página 2 Apresentação e gestão

Leia mais

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL RENOVADA

BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL RENOVADA BIBLIOTECA NACIONAL DIGITAL RENOVADA NOVOS SERVIÇOS, FUNCIONALIDADES E CONTEXTOS DE COOPERAÇÃO SUMÁRIO NOVA INTERFACE GRÁFICA DA BND COOPERAÇÃO RNOD REGISTO NACIONAL DE OBJETOS DIGITAIS PROJETOS EOD EBOOKS

Leia mais

Gerenciador de Conteúdo Magellan 2.0

Gerenciador de Conteúdo Magellan 2.0 Gerenciador de Conteúdo Magellan 2.0 Instalando o Gerenciador de Conteúdo Magellan. 1. Baixe o Gerenciador de Conteúdo Magellan de www.magellangps.com. 2. Dê um duplo clique no arquivo CM_Setup que foi

Leia mais

Orientações para a descrição arquivística: normalizar para partilhar e recuperar

Orientações para a descrição arquivística: normalizar para partilhar e recuperar Orientações para a descrição arquivística: normalizar para partilhar e recuperar Lucília Runa Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre do Tombo Alameda da Universidade 1649-010 Lisboa Tel: 217811500 E-mail:

Leia mais

Sistemas de Gestão de Arquivos

Sistemas de Gestão de Arquivos Sistemas de Gestão de Arquivos de acordo com o MoReq2010 Ricardo Vieira (rjcv@tecnico.ulisboa.pt) 6/14/2014 Workshop BAD - Sistemas de Gestão de Arquivos 1 De acordo com a ISO 15489 (NP4438) Terminologia

Leia mais

Unidade orgânica: Divisão de Bibliotecas e Arquivos Municipais / Sector do SABE. Data: Outubro de 2009 (Mês das Bibliotecas Escolares)

Unidade orgânica: Divisão de Bibliotecas e Arquivos Municipais / Sector do SABE. Data: Outubro de 2009 (Mês das Bibliotecas Escolares) Nome: II Formar Bibliotecas Leitores Unidade orgânica: Divisão de Bibliotecas e Arquivos Municipais / Sector do SABE Data: Outubro de 2009 (Mês das Bibliotecas Escolares) Objectivos: A formação dos profissionais

Leia mais

Apostila de criação de website

Apostila de criação de website Apostila de criação de website "Webnode" OBS: Informações e imagens retiradas do webnode O que é o WebNode : O WebNode é um sistema de criação de sites de fácil utilização. # Grátis. Sem burocracias, #

Leia mais

Tabela de pontos das regras antispam

Tabela de pontos das regras antispam Tabela de pontos das regras antispam Publicado em: 14/04/2008 Utilize as regras antispam ao seu favor Um dos fatores determinantes para a entrega de emails marketing nas caixas de entrada dos destinatários

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA

BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA BIBLIOTECA ESCOLAR CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS COMO FAZER UM TRABALHO DE PESQUISA Se pesquisares sobre os temas das aulas, serás um aluno de sucesso que saberá aprender e continuará a aprender pela vida

Leia mais

T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. WEB OF SCIENCE - Tutorial

T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL. Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS. WEB OF SCIENCE - Tutorial T U T O R I A I S WEB OF SCIENCE TUTORIAL Biblioteca da Escola de Engenharia da UFRGS WEB OF SCIENCE - Tutorial O que é? O Web of Science é uma base de dados que disponibiliza acesso a mais de 9.200 títulos

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais