A Ética Profissional na Informática em Saúde. Prof.Dr. Renato M.E.Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Diretor de Educação SBIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Ética Profissional na Informática em Saúde. Prof.Dr. Renato M.E.Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Diretor de Educação SBIS"

Transcrição

1 A Ética Profissional na Informática em Saúde Prof.Dr. Renato M.E.Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Diretor de Educação SBIS

2 Tópicos da apresentação Código de Ética Profissional: Definição, Finalidades O Código de Ética Médica Repercussões para a Informática em Saúde Código de Ética da Informática em Saúde Ética nos Sistemas de Apoio à Decisão Ética na Telemedicina Informação em Saúde na Internet Regulamentação atual

3 Ética A palavra Ética é originada do grego ethos, que significa modo de ser, caráter. Ética significa o que é bom para o indivíduo e para a sociedade, e seu estudo contribui para estabelecer a natureza de deveres no relacionamento indivíduo sociedade Todas as profissões devem ter um código de ética que norteiam seus comportamentos e relacionamentos entre si e com o restante da sociedade

4 Finalidades do Código de Ética Profissional Prover condutas éticas para os próprios profissionais Fornecer um conjunto de princípios com os quais as condutas profissionais possam ser comparadas Prover ao público uma declaração clara das considerações éticas que devem reger o comportamento destes profissionais.

5 Primeiro Código de Ética Profissional: O Juramento Hipocrático Primo non nocere: Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém. Confidencialidade: Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto.

6 Código de Ética Médica Ética médica é a disciplina que avalia os méritos, riscos e preocupações sociais das atividades no campo da Medicina, levando em consideração os princípios gerais da ética e a moral vigentes em determinado tempo e local Versões brasileiras mais recentes (Conselho Federal de Medicina): 1988 e 2009.

7 Capítulos do Código de Ética Médica 2009 I - Princípios Fundamentais II - Direitos do Médico III - Responsabilidade Profissional IV - Direitos Humanos V - Relação com Pacientes e Familiares VI - Doação e Transplante de Órgãos e Tecidos VII - Relações Entre Médicos VIII - Remuneração Profissional IX Sigilo Profissional X Documentos Médicos XI Auditoria e Perícia Médica XII Ensino e Pesquisa Médica XIII - Publicidade Médica

8 Código de Ética Médico 2009 e a É vedado ao médico: Informática em Saúde Art. 85. Permitir o manuseio e o conhecimento dos prontuários por pessoas não obrigadas ao sigilo profissional quando sob sua responsabilidade. Art. 87. Deixar de elaborar prontuário legível para cada paciente. Art. 88. Negar, ao paciente, acesso a seu prontuário, deixar de lhe fornecer cópia quando solicitada, bem como deixar de lhe dar explicações necessárias à sua compreensão, salvo quando ocasionarem riscos ao próprio paciente ou a terceiros. Art. 89. Liberar cópias do prontuário sob sua guarda, salvo quando autorizado, por escrito, pelo paciente, para atender ordem judicial ou para a sua defesa

9 Código de Ética para Profissionais de Informática em Saúde Elaborado pela American Medical Informatics Association (AMIA) Consta das seguintes partes: conjunto de princípios éticos fundamentais princípios gerais de ética em Informática regras de conduta para os profissionais de Informática em Saúde.

10 Ética da Informática: Caso 1 Uma conhecida empresa estatal desenvolveu um prontuário eletrônico para um hospital universitário. Em uma feira de software, o estande da empresa estava demonstrando o software, e o técnico de informática responsável pela demonstração acessava em tempo real as bases de dados do hospital e mostrava para visitantes o prontuário médico completo de um ilustre e conhecidíssimo Ministro de Estado, e sem que este sequer soubesse que seus dados estavam lá armazenados eletronicamente.

11 Ética da Informática: Caso 2 Na Califórnia, uma máfia chinesa conseguiu penetrar facilmente em um banco de dados clínicos de um hospital de São Francisco, localizou todos os pacientes com uma certa renda, portadores de HIV, e os chantageou. Embora tenha detectado a intrusão, o hospital não avisou os pacientes nem a polícia, e se negou a reconhecer sua responsabilidade no caso.

12 Princípios Gerais de Ética na Informática 1. Princípio da Informação Privacidade e Destinação Todas as pessoas têm um direito fundamental à privacidade, e por extensão ao controle sobre a coleta, armazenagem, acesso, uso, comunicação, manipulação, processamento e destinação de dados sobre si mesmas. 2. Princípio da Transparência A coleta, armazenagem, acesso, uso, comunicação, manipulação, processamento e disposição de dados pessoais deve ser comunicada de forma apropriada e num tempo razoavelmente curto à pessoa a quem se referem esses dados.

13 Princípios Gerais de Ética na Informática 3. Princípio da Segurança Dados que tenham sido legitimamente coletados a respeito de uma pessoa devem ser protegidos, por todos os meios razoáveis e apropriados, contra perda, degradação, destruição, acesso, uso, manipulação, modificação ou comunicação indevidos ou nãoautorizados. 4. Princípio do Acesso O indivíduo ao qual se refere um registro eletrônico de dados tem o direito de ter acesso àquele registro, e a corrigi-lo para torná-lo mais exato, completo e relevante.

14 Princípios Gerais de Ética na Informática 5. Princípio da Legitimidade O direito fundamental de controle sobre a coleta, armazenagem, acesso, uso, comunicação, manipulação e disposição de dados pessoais é condicionado somente pelas necessidades. 6. Princípio da Alternativa de Menor Intromissão Qualquer infração aos direitos de privacidade de um indivíduo e dos direitos deste de controlar os dados relativos à sua pessoa, conforme determinados pelo Princípio 1, somente poderá ocorrer com a menor intromissão possível, e com o mínimo de interferência nos direitos da pessoa em questão.

15 Princípios Gerais de Ética na Informática 7. Princípio da Justificativa Qualquer infração aos direitos de privacidade de um indivíduo e dos direitos deste de controlar os dados relativos à sua pessoa deve ser justificada perante a pessoa afetada num tempo razoável e de forma apropriada.

16 Ética da Conduta Caso 1 Ao tentar mudar para um novo plano de saúde, um paciente constatou, consternado, que foi denegado devido a vários dados incorretos sobre seus antecedentes familiares e problemas de saúde que constavam de um prontuário eletrônico, o qual ele não sabia a origem, quem tinha fornecido os dados, e como tinha vindo parar no plano de saúde

17 Profissionais de Informática em Saúde e Pacientes Os profissionais de Informática em Saúde têm a obrigação de assegurar que o paciente ao qual se refere a registro eletrônico tome conhecimento de: que um prontuário ou registro eletrônico foi estabelecido a respeito de sua pessoa; quem estabeleceu o registro ou prontuário, e quem continua a mantê-lo; que dados estão contidos no prontuário ou registro; a origem dos dados nele contidos a finalidade com a qual o prontuário ou registro foi estabelecido; os indivíduos, instituições ou agências que têm acesso ao prontuário ou registro, ou a quem este pode ser comunicado; onde o prontuário ou o registro eletrônico é mantido; a duração de tempo pela qual o prontuário ou registro será mantido; o destino final que o prontuário ou registro terá

18 Ética da Conduta Caso 2 Um médico foi punido pelo conselho de ética do seu hospital por ter demorado muito para atender a um paciente, devido à lentidão do acesso por computador. Além disso, um dado importante do paciente estava adulterado no PEP, causando um erro médico e seqüela no paciente. Em sua defesa, o médico alegou não saber que o sistema estava em manutenção e que a rede tinha caido pouco antes.

19 Profissionais de Informática e Profissionais de Saúde Os profissionais de Informática em Saúde têm a obrigação, em relação aos profissionais de Saúde: de auxiliá-los a terem acesso apropriado, num tempo razoável e com segurança a prontuários ou registros eletrônicos de assegurar as condições de uso, a integridade e a maior qualidade técnica possível desses registros; de fornecer os serviços de Informática que forem necessários para que eles possam desempenhar suas funções. de mantê-los informados sobre as condições dos serviços de Informática dos quais dependem, de informá-los imediatamente de quaisquer problemas associados a esses serviços de informá-los de quaisquer circunstâncias que possam prejudicar a objetividade da orientação que lhes oferecem, ou a natureza ou qualidade dos serviços que lhes prestam.

20 Processos Judiciais Relacionados à TI em Hospitais Um hospital perdeu um processo por imperícia médica nos EUA, por não ter registros médicos computadorizados em sua UTI Outro hospital em Chicago perdeu um processo em um caso de telediagnóstico de câncer de mama, por ter usado um método de compressão de imagens com perda de 1% na qualidade Um plano de saúde teve que pagar uma indenização milionária ao ter dados confidenciais de pacientes roubados de seu sistema

21 Conectividade: Alguns Fatos As redes globais de computadores dissolveram os limites geográficos, mas não os políticos e jurídicos Uma sociedade interconectada eletronicamente e sem fronteiras é uma experiência totalmente nova, e desafia as formas e o exercício do poder tradicional nas comunidades locais A responsabilidade civil de pessoas e empresas passa a ser um novo desafio

22 Os Pontos Fundamentais A existência das redes globais de informação permitiram pela primeira vez a prática médica à distância de maneira efetiva; Os problemas éticos e jurídicos são muito grandes e permanecem ainda largamente insolúveis, pois necessitam de uma nova cultura, novas práticas e novas leis.

23 Tipos Principais de Prática Médica à Distância Diagnóstico e tratamento Segunda opinião/seguimento Triagem e encaminhamento Monitoração Educação e orientação ao paciente

24 Ética na Telemedicina Caso 1 Um jovem paciente canadense consultava um psiquiatra da Califórnia on-line, para seu problema de depressão crônica. O médico receitou à distância um antidepressivo comum, que o paciente adquiriu em uma farmácia ilegal na Internet. Um dia o paciente suicidou-se. A polícia emitiu ordem de prisão contra o médico por exercício ilegal de medicina e a família o está processando em vários milhões de dólares por má-prática médica e danos morais. Nada pode ser feito contra a farmácia, pois era baseada em uma ilha do Pacífico.

25 Problemas e Barreiras para a Telemedicina A inexistência de leis e o desconhecimento das cortes de justiça impedem o processo jurídico e a implementação de metas éticas e legais; Licenciamento dos médicos e outros profissionais da saúde restritos geograficamente

26 Conselho Federal de Medicina e a Ética em Telemedicina Resolução CFM nº 1.643/2002 Baseada na Declaração de Telaviv da Associação Médica Mundial de 1999 instituiu a Resolução Define o que é Telemedicina e seus limites, regulamenta a prestação de serviços e reconhece oficialmente a nova modalidade. Definiu normas técnicas e responsabilidades

27 Resolução CFM 1643/2002 Em caso de emergência, ou quando solicitado pelo médico responsável, o médico que emitir o laudo a distância poderá prestar o devido suporte diagnóstico e terapêutico. A responsabilidade profissional do atendimento cabe ao médico assistente do paciente. Os demais envolvidos responderão solidariamente na proporção em que contribuírem por eventual dano ao mesmo.

28 Ensino Médico e Telemedicina Resolução CFM Nº 1.718/2004 Art. 1 É vedado ao médico, sob qualquer forma de transmissão de conhecimento, ensinar procedimentos privativos de médico a profissionais não-médicos. São exceções os casos envolvendo o atendimento de emergência a distância, através da Telemedicina, sob orientação e supervisão médicaaté que sejam alcançados os recursos ideais.

29 Sistemas de Decisão Caso 1 Uma grande empresa de aviação americana coloca desfibriladores automáticos de uma multinacional alemã de eletrônica médica em todos seus aviões. Eles funcionam à base de um software embutido que analisa o ECG, decide se há fibrilação e dispara o choque. Um paciente chinês faleceu a bordo de uma aeronave quando o software falhou ao ser aplicado pela comissária de bordo.

30 Ética nos Sistemas de Apoio à Decisão Médica De quem é a responsabilidade se um erro em um programa de diagnóstico leva à morte ou prejuízo para a saúde de um paciente? Do autor do software? De quem o comercializou? Da empresa que o usou? Do profissional de saúde que adotou a solução proposta pelo programa? De todos?

31 Ética na Internet Caso 1 Uma paciente de 70 anos apresentava um caso de adenocarcinoma de cólon em estado avançado, passível apenas de tratamento paliativo. Uma de suas filhas localizou na Internet um site que dizia que era possível curar o câncer apenas com mudanças na dieta, sendo a quimioterapia dispensável. O oncologista foi pressionado a aceitar diversas terapias alternativas ineficazes por pressão familiar, como ingestão de cogumelos de sol e homeopatia.

32 O Código HON de Ética para Sites Médicos Aconselhamento médico deve ser fornecido apenas por profissionais qualificados A informação deve apoiar e não substituir a atenção à saúde A confidencialidade do paciente é respeitada de acordo com as regras do país onde a informação é localizada Toda informação deve ter sua fonte referida Alegações de benefício ou desempenho são basedas em evidência científica Deve ser indicada informação de autoria e contato Os patrocinadores devem ser claramente identificados A política de propaganda deve ser claramente descrita e separada do conteúdo

33 CFM Nº 1.401/2002 Resolução CFM nº 1.331/89 determina a manutenção dos prontuários médicos por, pelo menos, dez anos a partir da data do último registro de atendimento ao paciente O prontuário médico pode ser arquivado eletronicamente, em meio óptico ou magnético Prontuários novos já poderão ser elaborados eletronicamente O PEP deverá ser confidencial e protegido por métodos de acesso e criptografia (nas transações e nos bancos de dados).

34 Eliminação do Papel no RES Resolução CFM Nº 1821/2007 O prontuário eletrônico deve atender aos requisitos da Certificação SBIS-CFM com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS2), para que se permita a substituição do papel e microfilme Documentos em papel podem ser destruidos depois de microfilmados ou escaneados digitalmente, mediante termo de lavratura Exigência de assinatura digital para o NGS2 segundo o Certificado Digital padrão ICP-Brasil, ou no futuro, o CRM Digital

35 Controle de Modificação, Acesso e Segurança do PEP Uma vez inserido o dado no sistema, nunca mais poderá ser alterado. Caso haja necessidade de fazê-lo, o sistema deverá garantir as retificações ou acréscimos, sem modificar o registro original. Deverá ter um controle de acesso restrito a cada usuário, e possuir atributos para identificar qualquer usuário que acesse o banco de dados (autenticação). Deverá realizar cópias de segurança dos registros, e também garantir a recuperabilidade imediata de qualquer informação ou documento pertencente ao prontuário O tempo de guarda dos prontuários microfilmados e eletrônicos passa a ser permanente,

36 Certificação SBIS/CFM O Processo de Certificação SBIS/CFM destina-se, genericamente, a Sistemas de Registro Eletrônico de Saúde (S-RES). É voluntária Qualquer sistema que capture, armazene, apresente, transmita ou imprima informação identificada em saúde Fase 1: Auto conformidade Fase 2: Auditoria de conformidade Fase 3: Auditoria de processo Válida por 2 anos, recertificação em caso de modificações no software

37 Conclusões A sociedade deve reconhecer como legítima e socialmente responsável a profissão de informata em saúde Devemos construir um código de ética profissional para esta área Esse código seria condicionado pelos códigos das profissões de saúde envolvidas, respeitando suas regras e restrições enquanto usuários de sistemas Muitas vezes esses códigos limitam muito o trabalho do informata em saúde, é preciso negociar Podemos adotar o código de ética profissional da AMIA, adaptando-as para nossa situação específica

38 Dados de contato Renato M.E. Sabbatini Instituto Edumed para Educação em Medicina e Saúde - R. Dona Anita Mayer, 85 Campinas, SP Tel. (19) Cel. (19) Site:

39 Copyright Copyright 2010 Renato M.E. Sabbatini Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução para fins comerciais e a cópia e utilização sem a autorização por escrito.

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006

CONGRESSO BRASILEIRO DE CBIS 2006 CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE CBIS 2006 Padrões e Certificação em Saúde Florianópolis, 16/10/06 A Certificação SBIS-CFM ROBERTO LUIZ d AVILAd Cardiologista Corregedor do Conselho Federal

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed

A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde. Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed A Informação e as Boas Práticas da Gestão na Saúde Prof. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP e Instituto Edumed Boas práticas em gestão da saúde Eficiência Qualidade Segurança Ética Humanização Sustentabilidade

Leia mais

O Código de Ética da IMIA para Profissionais de Informática em Saúde. Os códigos de ética profissional servem para diversas finalidades:

O Código de Ética da IMIA para Profissionais de Informática em Saúde. Os códigos de ética profissional servem para diversas finalidades: 1 O Código de Ética da IMIA para Profissionais de Informática em Saúde Preâmbulo Os códigos de ética profissional servem para diversas finalidades: 1. prover condutas éticas para os próprios profissionais,

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 (Publicado no D.O.U. de 17 dez 2014, Seção I, p. 157-158) Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2014, do Senador Roberto Requião, que autoriza o armazenamento eletrônico dos prontuários dos pacientes.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente?

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? CONCEITO Prontuário do Paciente é o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados ao registro dos cuidados profissionais, prestados ao paciente

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

Interesse. declarado.

Interesse. declarado. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a ser declarado. Ética em Medicina Laboratorial Ética no relacionamento inter-profissional Alvaro Rodrigues Martins Cenário Organizações Equipamentos\Insumos Mercado

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

CONSULTA Nº 157.262/2013

CONSULTA Nº 157.262/2013 1 CONSULTA Nº 157.262/2013 Assunto: Sobre armazenamento de imagens médicas usando sistema de cloud computing, e se é permitido o armazenamento em data center fora do País. Relator: Conselheiro Nacime Salomão

Leia mais

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou?

Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? CÓDIGO DE ÉTICA Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ruth Virgolino Chefe da DIPOC/DIRSAT/INSS CÓDIGO DE ÉTICA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA MÉDICA DO INSS Código de

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem ASSUNTO: Tempo de guarda de exames radiológicos; RELATOR: responsabilidade

Leia mais

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Aspectos do Prontuário Eletrônico Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Sumário Complexidade da Informação em Saúde Declaração de Convicção Aspectos Éticos

Leia mais

www.opiceblum.com.br

www.opiceblum.com.br www.opiceblum.com.br Aspectos legais da eliminação de papel: ambiente assistencial e administrativo Caio César Carvalho Lima caio@opiceblum.com.br Caio César Carvalho Lima Advogado Associado do Opice Blum,

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 157.177/11 Assunto: Sistema sem registro no Brasil, com servidor hospedado em outro país, para conter

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

Relação Médico Paciente: Segurança e risco

Relação Médico Paciente: Segurança e risco Relação Médico Paciente: Segurança e risco Tão importante quanto conhecer a doença que o homem tem, é conhecer o homem que tem a doença. (Osler) Conselheiro Fábio Augusto de Castro Guerra Vice-Presidente

Leia mais

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

Eliminação do Papel em Saúde

Eliminação do Papel em Saúde Eliminação do Papel em Saúde Luis Gustavo Kiatake kiatake@evaltec.com.br Coordenador GT Segurança do Comitê Informática em Saúde ABNT Representante ABNT TC-215 Health Informatics ISO Membro titular da

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet 1.1 O Portal Vets4Vet, encontrado na internet sob o domínio www.vets4vet.com.br, tem por objetivo aproximar

Leia mais

PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES?

PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES? VIII SIMPÓSIO MINEIRO DE INTERCORRÊNCIAS EM CIRURGIA PLÁSTICA OURO PRETO, 04 de abril de 2014 PUBLICIDADE E MARKETING MÉDICO NA ERA ELETRÔNICA: QUAIS OS LIMITES? EDUARDO SUCUPIRA Comissão de Marketing

Leia mais

Questões Éticas e Legais do Prontuário do Paciente

Questões Éticas e Legais do Prontuário do Paciente Questões Éticas e Legais do Prontuário do Paciente Prontuário Eletrônico Sistemas Jurídicos Norte-Americano: derivado do Direito Inglês (Common Law), tende a esperar os fatos e a eles se adaptar Brasileiro:

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL. Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 07 de Abril de 2011

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL. Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 07 de Abril de 2011 PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 07 de Abril de 2011 AGENDA Introdução Prontuário Eletrônico Assinatura Digital Implantação ICESP é um hospital que

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A FUNCIONAL, com o escopo de firmar o compromisso junto aos USUÁRIOS visando a segurança e privacidade das informações transitadas e recepcionadas através de seus sites www.funcionalcorp.com.br

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Parecer 006/2015 CREFITO-4

Parecer 006/2015 CREFITO-4 Parecer 006/2015 CREFITO-4 ASSUNTO: Parecer do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região acerca do prontuário fisioterapêutico e/ou multidisciplinar do paciente e do direito

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO PARANÁ PARECER Nº 2488/2015 ASSUNTO: CONVÊNIO DETERMINA FIM DE INTERNAÇÃO DE PACIENTE PSIQUIÁTRICO SEM CONDIÇÕES DE ALTA PARECERISTA: CONS. DR. MARCO ANTONIO S. M. RIBEIRO BESSA EMENTA: Prazo de Internação de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

Aplicação de técnicas e cultura de Segurança em Instituições de Saúde

Aplicação de técnicas e cultura de Segurança em Instituições de Saúde Aplicação de técnicas e cultura de Segurança em Instituições de Saúde Arlen Feitosa Gerente de Segurança da Informação e Compliance Hospital Albert Einstein Agenda Saúde no Brasil Segurança da Informação

Leia mais

DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho

DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho DIESAT Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambientes de Trabalho Novo Código de Ética Médica e a Saúde dos Trabalhadores: o que mudou? Ética Médica Código de Conduta do Médico

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009

RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 RESOLUÇÃO CFM Nº 1890/2009 (Publicada no D.O.U. de 19 jan 2009, Seção I, pg. 94-5) Define e normatiza a Telerradiologia O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela lei nº. 3.

Leia mais

Cremesp lança manual de ética para sites de medicina e saúde na Internet

Cremesp lança manual de ética para sites de medicina e saúde na Internet Cremesp lança manual de ética para sites de medicina e saúde na Internet Foi publicada nesta sexta-feira, dia 9 de março, no Diário Oficial do Estado, a Resolução nº 097/2001 do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Informações em Saúde Clínicas Administrativas Operacionais Financeiras Os Focos

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL. Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 16 de Setembro de 2011

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL. Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 16 de Setembro de 2011 PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 16 de Setembro de 2011 AGENDA Introdução Prontuário Eletrônico Assinatura Digital Implantação Perguntas e Curiosidades

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES RELATIVOS AO CADASTRO DOS USUÁRIOS NO SERVIÇO OI MAPAS

TERMOS E CONDIÇÕES RELATIVOS AO CADASTRO DOS USUÁRIOS NO SERVIÇO OI MAPAS TERMOS E CONDIÇÕES RELATIVOS AO CADASTRO DOS USUÁRIOS NO SERVIÇO OI MAPAS O presente termo tem por objetivo regular as condições relativas ao cadastro do USUÁRIO junto à Oi (Telemar Internet), cadastro

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Política de privacidade V2

Política de privacidade V2 Política de privacidade V2 Para os fins desta Política de Privacidade, as palavras grifadas em maiúsculo terão os seguintes significados: V2 é uma loja virtual disponibilizada na Internet para comercialização

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE. Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site.

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE. Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site. Este website (o "Site") é fornecido pela C.M.E. Blasting and Mining Equipment Ltd. ("Empresa"),

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Políticas de Segurança da Informação Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 4/2008 O Conselho de Administração, com base no disposto no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência, em reunião do dia 19 de fevereiro de

Leia mais

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho:

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Dispositivos legais que disciplinam a atuação dos profissionais e médicos do trabalho em conformidade com os princípios éticos. 1) OIT - Serviços

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades!

Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades! Bem-vindo à Política de Relacionamento do Click Oportunidades! Esta política reflete os valores e a cultura do CLICK OPORTUNIDADES no relacionamento com as empresas, os alunos e os ex-alunos do SENAC RJ.

Leia mais

Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website

Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website Ao acessar este website e quaisquer de suas páginas, você estará aceitando seus termos e condições de uso. Este website e os produtos através

Leia mais

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK

ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK ADENDO DE TREINAMENTO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE ao CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK Este Adendo de Treinamento de Cloud Services da Oracle (o "adendo") é firmado entre você e a entidade da Oracle com

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING O presente Convênio disciplina o uso do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING ) disponível na home page (www.br.bk.mufg.jp) de propriedade

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos:

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos: Imprimir PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 1.955/01 PC/CFM/Nº 10/2002 INTERESSADO: Sociedade Santamarense de Beneficência de Guarujá ASSUNTO: Reformulação da Resolução nº 1.076/81 RELATOR: Cons. Luiz Salvador de

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Médico. Presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS).

Médico. Presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). ARTIGO CRM Digital AUTOR Claudio Giulliano Alves da Costa Médico. Presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). INTRODUÇÃO A utilização da Tecnologia da Informação e Comunicação em

Leia mais

Para informações sobre as condições de uso das redes sociais da Abbott, por favor acesse os Termos de Uso para mídiais sociais.

Para informações sobre as condições de uso das redes sociais da Abbott, por favor acesse os Termos de Uso para mídiais sociais. TERMOS DE USO Estes Termos de Uso regulam o acesso a páginas de Internet controladas pela Abbott Laboratories, suas subsidiárias e afiliadas (doravante denominadas, em conjunto, Abbott ), e para as quais

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Manual do usuário Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Apresentação 03 O que é um Certificado Digital? 04 Instalando

Leia mais

Certificação SBIS/CFM. Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010

Certificação SBIS/CFM. Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010 Certificação SBIS/CFM Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010 Agenda Histórico Requisitos Categorias Processo Certificação Comparativo para Discussão Histórico Ano 2002 2003 2004 2005 Eventos/Documentos

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS PARA CONSULTA, COOPERAÇÃO E TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E AS AUTORIDADES ESTATUTÁRIAS

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA

SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA A ActivTrades Plc é autorizada e regulada pela Financial Conduct Authority SUPLEMENTO DE OPERAÇÃO ELETRÔNICA Estes termos suplementares devem ser lidos em conjunto com o Contrato de Cliente da ActivTrades.

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS.

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. MÓDULO SISTEMAS DE GESTÃO LTDA, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amapá, 309

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Página1 Certificado Digital e-cpf Manual do Usuário Página2 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?... 03 Instalando o Certificado... 04 Conteúdo do Certificado... 07 Utilização, guarda

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING (CORRETORA DE CÂMBIO) O presente Convênio disciplina o uso pela CORRETORA de CÂMBIO do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING CORRETORA

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1

TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE CADASTRAMENTO NO BANCO DE CONSULTORES DA ACOI EXPERT NETWORK 1 Os Termos e Condições abaixo dizem respeito aos requisitos exigidos dos profissionais especializados para seu cadastramento

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais