Comunicação Organizacional na era digital: contextos, percursos e possibilidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Organizacional na era digital: contextos, percursos e possibilidades"

Transcrição

1 Comunicação Organizacional na era digital: contextos, percursos e possibilidades Margarida M. Krohling Kunsch 1 Resumo E s t e a r t i g o s i t u a a c o m u n i c a ç ã o n a s o r g a n i z a ç õ e s n o c o n t e x t o d a c o m p l e x i d a d e d a s o c i e d a c o n t e m p o r â n e a. D e s t a c a o p o d e r d a s i n o t v e a c ç n õ o e l s ó g i c a s d a i n f o r m a ç ã o e s e u s i m p a c t o s s o b r e a s o r g a n i z a ç õ e s. A p r e s e n t a r e f l e x õ e s s o b r e a e v o l u ç ã o d a c o m u n i c a ç ã o o r g a n i z a c i o n a l d e s d e o s c h a m a d o s f l u x o s i n f o r m a t i v o s a o s p r o c e s s o s i n t e r a t i v o s e e s t r a t é g i c o s p r h o j e n o f a z e r c o m u n i c a c i d o n a m l u n d o c o r p o r a t i v o. A n a l i s a a c o m u n i d a d e v i r t u a l c o m o u m p ú b l i c o e s t r a t é g i c o r e l e v a n t e e c h a m a a a t e n ç ã o p a r a a n e c e s s i d a d e d e a c o m u n i c a ç ã o d i g n a s o r g a n i z a ç õ e s t e r c o m o p a r â m e t r o a f i l o s o f i a d a c o m u n i c a ç ã o i n t e g r a d a p o r m e i o p l a n e j a m e n t o a d u e a q d o. Palavras-chave: sociedade; transformações; comunicação organizacional; comunicação corporativa; organizações; práticas; estratégias; conceitos; estudiosos; perspectivas; dimensões; era digital. 1 P r o f e s s o -t r i a t u l a r e p a e s d q a u i E s c a o d l o a r d e C o m u n i c a ç õ e s e A r t e s d a U n i v e r s i d a d e d e -S ã o P a u l o ( E C U S P ). T e m m e s t r a d o e d o u t o r a d o e m C i ê n c i a s d a -d o c C ê o n m c u i n a i c a e ç m ã o T e o r l i i a v r d e a C o m u n i c a ç ã o I n s t i t u c i o n a l : P o l í t i c a s e -U P r S P o. c e s A s u o t s, o r a P p e l d a e j n : a m E e C n A t o d e r s e l a p ç ú b õ l e i c a s n a c o m u n i c a ç ã o i n t e g r ; a d U a n i v e r s i d a d e e c o m u n i c a ç ã o n a e d i f i c a ç ã o d a ; s o R c i e l e d a ç d õ e e s p ú b l i c a s e m o d e r n i d a d e : n o v o s p a r a d i g m a s n a c o m u n i c a ç ã o o r g a n. i O z a r c g i a o n i a z l a d o r a d e, e n t r e m u i t o s o u t r a s c o l e t â n e a s d e c o m u n i c a ç ã O o b t s e n o d c o i e a r s l u l : t a d o s c o m r e l a ç úb õ e l s i p c ( a s 2 a. e d., R e l 2 0 a ç 0 õ 6 e ) s : p ú b l i c a s c o m u n i t á r i a s : a c o m u n i c a ç ã o e m u m a p e r s p e c t i v a d i a l ó g i c a e ( t 2 r 0 a 0 n 7 s ) f o ; G r m e s a t d ã e o r a e s t r a t é g i c a e m c o m u n i c a ç ã o o r g a n i z a c i o n a l e r e l a ç õ e s ( p ú 2 b 0 l 0 i 8 c ) a s. -p r e E s x i d e n t e d a I n t e r 1 c 9 o 8 m 7-1 ( ; ). E x -p r e s i s e n t e d a - A s l o a c i a c c i ó n L a t i n o a m e r i c a n a d e I n v e s t i g a d o r e s d e -2 l 0 a 0 2 ; C o m 2 u -0 n 0 i 2 c a c i ó n ( ). P r e s i d e n t e d a A b r - a p A c o s r s p o c i a ç ã o B r a s i l e i r a d e P e s q u i s a d o r e s d e C o m u n i c a ç ã o O r g a n R e l a ç õ e s P ú b l i D c i a r s e. t. o r a d e R e l a ç õ e s I n t e r n a c i o n a i s d a F e d e r a ç ã o B r a s i l e i r a d a s A s s o A c a d ê m i c a s d e C o m u n i c a ç ã o. M e m b r o d o C o n s e l h o C o n s u l t i v o - A d a s s o A c b i e r a j ç ã e o B r a s i l d e i C o m u n i c a ç ã o E m p r e. s a r E i. a l m a k i k l u n : s c u s p.. b r

2 Comunicação Corporativa na era digital: contextos, percursos e possibilidades Muito já se comentou sobre a complexidade da sociedade contemporânea e os desafios constantes a que estão sujeitas as organizações e todos os atores que dela fazem parte. Situar a sociedade onde estamos inseridos constitui condição sine qua non para análises de cenários e contextos, cujas leituras são objeto de interpretações para construção de diagnósticos situacionais e constituem subsídios indispensáveis no processo do planejamento e da gestão estratégica da comunicação corporativa. Neste sentido, não adianta as organizações utilizarem simplesmente as poderosas armas das novas tecnologias da informação e da comunicação, por modismos, sem antes terem consciência das bases que irão justificar a escolha de determinadas midias digitais. São reflexões que pretendemos tratar neste artigo. 1. Sociedade digital e sociedade midiática São inúmeros os autores que vêm trabalhando a sociedade da informação, do conhecimento ou digital e que analisam a sociedade midiática, mediatizada, transparente e da comunicação. Vamos fazer referência a alguns que consideramos importantes para fundamentar este estudo.as contribuições de Don Tapscott e Art Cston (1995), Pierre Lévy (1996) e Manuel Castells são ilustrativas. Castells, com seus três volumes sobre a sociedade-rede (1997, 1998, 1999 e 2006) e a galáxia da internet (2003) chama a atenção para a força da revolução tecnológica da informação, que está modificando a base material da sociedade em ritmo acelerado, e analisa o poder da internet como meio de comunicação para organizar a sociedade. Em Enigmas da modernidade-mundo, Octávio Ianni (2000, p. 155), reflete sobre o poder da mídia na sociedade contemporânea, usando a metáfora do príncipe eletrônico. Ele estabelece uma relação entre o príncipe de Maquiavel e o moderno príncipe de Gramsci. Gianni Vattimo, em A sociedade transparente (1991), fala do advento da sociedade da comunicação e do papel preponderante que exercem os mass media, fazendo com que tenhamos uma sociedade transparente e complexa ao mesmo tempo. Em La utopía de la comunicación (2000, p. 63), Philipe Breton destaca a 2

3 sociedade da comunicação, totalmente constituída por redes de informação e autoreguladas politicamente. Todas essas novas configurações do ambiente social global vão exigir das organizações novas posturas, necessitando elas de um planejamento mais apurado da sua comunicação para se relacionar com os públicos, a opinião pública e a sociedade em geral. Dentro do processo de globalização, as organizações privadas exercem um papel preponderante. Segundo Armand Mattelart (1994, p ), não somente a empresa se converteu em um ator social de pleno direito, exprimindo-se cada vez mais em público e agindo politicamente sobre o conjunto dos problemas da sociedade, mas, também, suas regras de funcionamento, sua escala de valores e suas maneiras de comunicar foram, progressivamente, impregnando todo o corpo social. O processo de globalização mundial delineia um novo perfil de agência de publicidade e propaganda e de uma empresa de comunicação corporativa do presente e do futuro. Todos esses fatores estão provocando novas formas de sociabilidade e novas posturas dos agentes responsáveis pelas comunicações, dos setores públicos e privados e de segmentos da sociedade civil, com fortes conseqüências sobre todas as organizações em geral. C o m o M a n u e l C a s t e l l s ( , p. 2 7 ), a c i m a m e n c i o n a d o, t a m b é m M i l t o n S ( ), a o a b o r d a r o s i s t e m a t é c n i c o a t u a l n o c o n t e x t o d a s o c i e d a d e e d o e s p a ç o g e o g e n f a t i z a q u e r a e d a i n f o r m a ç ã o é a m a -p t r é i r i m a d a r e v o l u ç ã o t e c n o l ó g i c a. O avanço tecnológico por que passam telecomunicações, imprensa, rádio, televisão, computadores, internet e transmissões via satélite impele a sociedade a um novo comportamento e, conseqüentemente, a um novo processo comunicativo social, com inúmeras implicações técnicas, éticas e morais. As tecnologias apontadas pela telemática estão definitivamente revolucionando as comunicações. Os exemplos são evidentes nas indústrias culturais, na multimídia, na televisão (interativa, digital, por cabo e de alta definição), nos aparelhos celulares e em todas as interações das mídias disponíveis. Toda essa convergência midiática é uma realidade presente nos dias de.hoje e acontece, também, nos processos comunicativos das organizações. Uma das forças dessa sociedade midiática é a web rede mundial de 3

4 computadores. Para Manuel Castells (2003, p. 287), estamos vivendo numa sociedade em rede e dominada pelo poder da internet: Esta sociedade em rede é a sociedade que eu analiso como uma sociedade cuja estrutura social foi construída em torno de redes de informação microeletrônica estruturada na internet. Nesse sentido, a internet não é simplesmente uma tecnologia; é um meio de comunicação que constitui a forma organizativa de nossas sociedades; é o equivalente ao que foi a fábrica ou a grande corporação na era industrial. A internet é o coração de um novo paradigma sociotécnico, que constitui na realidade a base material de nossas vidas e de nossas formas de relação, de trabalho e de comunicação. O que a internet faz é processar a virtualidade e transformá-la em nossa realidade, constituindo a sociedade em rede, que é a sociedade em que vivemos. É e x a t a m e n t e n o â m b i t o d e s s a n o v a s o c i e d a d e e d e c e n á r i o s m c o u m t p a n l t e e x s o s e q u e a s o r g a n i z a ç õ e s o p e r a m, l u t a m p a r a s e m a n t e r e p a r a c u m p r i r s u a m i s s ã o e v i s ã o e c u l t i v a r s e u s v a l o r e s. A c o m u n i c a ç ã o n e s t e c o n t e x t o t e m u m i m p o r t a n t e p a p e l a e x e c p a s s a a s e r c o n s i d e r a d a d e f o r m a m u i t o m a i s e s t r a t é g i c a d o s a d q o u. e Portanto, n o p a s ela ocorre em ambientes complexos onde o que predomina é a incerteza global, conforme Anthony Giddens (2003). Neste sentido, a comunicação precisa ser considerada não meramente como instrumento ou transmissão de informações, mas como processo social básico e como um fenômeno nas organizações. O poder que ela e a mídia exercem na sociedade contemporânea é uma realidade incontestável. Dominique Wolton, no livro Pensar a comunicação (2004, p. 27) enaltece este poder: A comunicação é um dos mais brilhantes símbolos do século XX; seu ideal de aproximar os homens, os valores e as culturas compensa os horrores e as barbaridades de nossa época. E, na sua mais recente obra, É preciso salvar a comunicação (2006, p. 9), o autor reafirma ser a comunicação uma das maiores questões do século XXI: Em menos de cem anos foram inventados e democratizados o telefone, o rádio, a imprensa de grande público, o cinema, a televisão, o computador, as redes, transformando definitivamente as condições de troca e de relação, reduzindo as distâncias e realizando a tão desejada aldeia global. Esta valorização da comunicação que ocorre na sociedade também acontece nas organizações. Toda a convergência midiática presente no dia-a-dia do cidadão percorre o fazer comunicacional das organizações com igual intensidade, pois estas são partes 4

5 integrantes da sociedade e formadas por pessoas que se interomunicam e se interrelacionam, por meio da comunicação interpessoal, grupal e de todas as suas midias tradicionais e inovadoras como as digitais. 2. As organizações na era digital Como partes integrantes da sociedade como um todo, as organizações estão sujeitas a todas as suas mudanças e a novas incorporações. Uma organização nessa perspectiva pode ser considerada uma micro-sociedade que opera nas mais diferentes dimensões sociais, econômicas, políticas e simbólicas. Para Robert Srour (1998, p. 27), as organizações não mais ocupam lugares específicos e tendem a tornarem-se virtuais, porque é mais fácil e mais barato transportar a informação do que as pessoas, através das tecnologias do teleprocessamento e da computação. A comunicação on-line, por meio das redes de computadores e de satélites, passa a fazer parte do cotidiano das pessoas e da vida das organizações. A s o r g a n i z a ç õ e s, m a i s d o q u e n u n c a, n ã o p o d e r ã o p r e s c i n d i r d e u m a c o m u n i c a ç v i v a e p e r m a n e n t e, s o b a ó t i c a d e u m a p o l í t i c a d e r e l a ç õ e s p ú b l i c a s. U m a f i l o s o f i a e r e s t r i t a a o m a r k e t i n g c e r t a m e n t e n ã o d a r á c o n t a d o e n f r e n t a m e s n t d o e s a d f o i s o s g r d a n d e atualidade. Elas terão que se valer de serviços integrados nessa -s área e p, o r pautando p o l í t i c a s q u e p r i v i l e g i e m o e s t a b e l e c i m e n t o d e c a n a i s e f e t i v o s d e d i á l o g o s c o m o s s e g m e n t o s a v i n c u l a d o s e, p r i n c i p a l m e n t e, a a b e r t u r a d a t s r a f n o s p n a t r e ê s n c e i a à d e s u a s a ç õ e s. S e r t r a n s p a r e n t e p a s s o u a s e r u m i m p e r a t i v o p a r a a s o r g a n i z a ç õ e s c o n t e m p o r â n e a s. D o n T a p s c o t t e D a v i d T i c o l A l, e m e p m r e s a t r a n s p a r e n ( t 2 e 0 0 5, p. 2 3 ), c h a m a m a a t e n ç ã o p a r a e s s a f o r ç a q u e é a t r a n s p a r ê n c i a -s. e T d r e a t a d i s p o b n i l i z a r a a c e s s i b i l i d a d e, p a r a o s s t a k e h o l d e r, s à s i n f o r m a ç õ e s i n s t i t u c i o n a i s r e f e r e n t e s a a s s u n t o s q u e a f e t e m s e u s i n t e r e s s e A t r a n s p a r ê n c i a, p o r t a n t o, v a i m u i t o a l é m d a o b r i g a ç ã o d e f o r n e c e r i n f o r m a ç õ e s f i n a n em balanços contábeis. Tudo isto implicará a necessidade de se planejar, pensar e administrar e s t r a t e g i c a m e n t e a c o m u n i c a ç ã o o r g a n i z a c i o n a l c o m t o d o s o s p ú b l i c o s e a o p i n i ã o p ú b l q u e s t ã o é t i c a e a r e s p o n s a b i l i d a d e s o c i a l d a s o r g a n i z a ç õ e s n o m u n d o c o n t e m p o r â n e o p a s a s e r a l g o q p u r e c i s a s e r c o n s i d e r c a o d m o o u m a f i l o s o f i a d e g e s t ã o. 3. Dos fluxos informativos aos processos interativos e estratégicos 5

6 A c o m u n i c a ç ã o o r g a n i z a c i o n a l, n a f o r m a e m q u e s e a c h a c o n f i g u r a d a h o j e e m d i f r u t o d e s e m e n t e s l a n ç a d a s n o p e r í o d o d a R I e n v d o u l s u t ç r ã i o a l, q u e e n s e j a r i a g r a n d e s e r á p i d a s t r a n s f o r m a ç õ e s e m t o d o o m u n d o. E s t a, c o m a c o n s e q ü e n t e e x p a n s ã o d a s e m p r e s p a r t i r d o s é c u l o X I X, p r o p i c i o u o s u r g i m e n t o d e m u d a n ç a s r a d i c a i s n a s r e l a ç õ e s d e t n a s m a n e i r a s d e p r o d u z i r e n o s p r d o e c e c s o s o m s e r c i a l i z a ç ã o. N e s s e c o n t e x t o é q u e s e d e v e m b u s c a r a s c a u s a s d o s u r g i m e n t o d a p r o p a g a n d a, d o j o r n a l i s m o e m p r e s a r i a l, d a s r e l p ú b l i c a s e d a p r ó p r i a c o m u n i c a ç ã o o r g a n i z a c i o n a l c o m o u m t o d o. A s m u d a n ç a s p r o v o c a d a s c o m o p r o c e s s o d e i n d u s t o r i o a b l r i z g a ç r ã a m a s e m p r e s a s a b u s c a r n o v a s f o r m a s d e c o m u n i c a ç ã o c o m o p ú b l i c o i n t e r n o, p o r m e i o d e p u b l i c d i r i g i d a s e s p e c i a l m e n t e a o s e m p r e g a d o s, e c o m o p ú b l i c o e x t e r n o, p o r m e i o d e p u b l c e n t r a d a s n o s p r o d u t o s, p a r a f a z e r f r e n t e à c o n c o r a r ê n u c i m a n e o v o p r o c e s s o d e c o m e r c i a l i z a ç ã o. A s s i m, a p r o p a g a n d a f o i p i o n e i r a e m b u s c a r f o r m a s d e c o m u n i c a ç ã m e r c a d o l ó g i c a c o m o m u n d o e x t e r i o r, e s p e c i a l m e n t e c o m o c o n s u m i d o r. A comunicação com o público interno inicia-se com um formato muito mais de ordem administrativa e de informações. Foram as primeiras iniciativas da existência de comunicação nas organizações a comunicação administrativa ou gerencial. É uma comunicação que assume um caráter funcional e instrumental. Este formato se estendeu também por muito tempo ao relacionamento com os públicos externos, enfatizando a divulgação dos produtos e da organização, sem uma preocupação com o retorno das percepções e dos interesses dos públicos, isto é, com a comunicação simétrica. Com a evolução do seu uso e com a importância cada vez mais crescente nos processos de gestão e na divulgação institucional propriamente dita, a comunicação foi assumindo novas características, sendo mais produzida, tecnicamente, e baseando-se em pesquisas de opinião junto aos diferentes públicos, até chegar ao estágio em que se encontra hoje em muitas organizações top e/ou modernas, onde atinge um grau de sofisticação na sua elaboração e, também, um caráter estratégico, tanto no âmbito dos negócios quanto no conjunto dos objetivos corporativos. As mudanças ocorridas, mundialmente, com o fim da guerra-fria, em 1989, e com a nova geopolítica fomentada, sobretudo, pelo fenômeno da globalização e da revolução tecnológica da informação e da comunicação, as organizações tiveram que enfrentar um novo cenário mundial, dominado pelos mercados globais e por uma economia marcada por uma competição sem precedentes na história da humanidade. 6

7 Todas essas transformações alteraram por completo o comportamento institucional das organizações e a comunicação passou a ser considerada de uma outra maneira. Assim como a propaganda teve um papel fundamental após a revolução industrial, a comunicação organizacional no sentido corporativo começou a ser encarada como algo fundamental e como uma área estratégica na contemporaneidade. As ações isoladas de comunicação de marketing são insuficientes para fazer frente aos novos mercados competitivos e para se relacionar com os públicos estratégicos. Estes são cada vez mais exigentes e cobram das organizações responsabilidade social, atitudes transparentes, comportamentos éticos, graças a uma sociedade mais consciente e uma opinião pública sempre mais vigilante. E, neste contexto, a comunicação passa a ser estratégica e a sua gestão tem que ser profissionalizada e dirigida com competência. Q u a l a i m p o r t â n c i a e a s p r i n c i p a i s c a r a c t e r í s t i c a s d e s s a c o m u n i c a ç ã o n a a t u a l i d a C o m o e s t a á r e a s e c o n f i g u r a n o m e r c a d o p r o f i s s i o n a l? A s o r g a n i z a ç õ e s e m g e r a l v a l o r i z a m c o m u n i c a ç ã o? Q u a i s s ã o a s r e a l i d a d e s m a i s p r e s e n t e s? e n I t n e f, e l i n z e m t o d a s a s o r g a n i z a ç õ e s a t r i b u e m à c o m u n i c a ç ã o a r e l e v â n c i a q u e e l a d e v e r i a m e r e c e r n e s t e i n í c i o s é c u l o X X I. M u i t a s s ó d e s c o b r e m a n e c e s s i d a d e d e i n v e s t i r n e s t a á r e a e m m o m e n t o s c r i s e s, u s a n d o e s t r a t é g i a s d e r e l a ç õ e s p ú b l i c a s e t é c r n e i n c a i s a m d e n t g o e d a c o m u n i c a ç ã o com os públicos e a opinião pública só para apagar incêndios. Por outro lado, percebe-se que, e m g e r a l, e s t á o c o r r e n d o u m a v a l o r i z a ç ã o d a c o m u n i c a ç ã o o r g a n i z a c i o n a l e m t e r m o m u n d i a i s, t a n t o n o m e r c a d o p r o f i s s i o n a l c o m c o a d n ê o m i m c e o i. o a 4. A comunicação digital e seus impactos nas organizações As profundas mudanças nas esferas econômicas, sociais, políticas, no mundo do emprego e, principalmente, relacionais, trazidas com a mudança de paradigma de um mundo analógico para o digital, com a aproximação cada vez mais veloz das tecnologias e, entre elas, as de informação e comunicação no nosso dia-a-dia são uma realidade incontestável. A c o m u n i c a ç ã o n a s o r g a n i z a ç õ e s, a s s i m c o m o a s o c i e d a d e, s o f r e t o d o s o s i m p a c t o s p r o v o c a d o s p e l v a o l r u ç ã o d i g i t a l. C o n s e q ü e n t e m e n t e, o m o d o d e p r o d u z i r e d e v e i c u l a r a s m e n s a g e n s o r g a n i z a c i o n a i s t a m b é m p a s s a m p o r p r o f u n d a s t r a n s f o r m a ç õ e s. O ambiente organizacional, principalmente a partir dos anos 1990, vem sendo afetado por esta nova dinâmica de processamento imposta por essas novas tecnologias da informação e da comunicação. 7

8 Os atores e produtores das indústrias das comunicações, bem como os agentes responsáveis pela comunicação corporativa/organizacional se deparam com novos instrumentos ou suportes, jargões e novas palavras, siglas etc. do mundo digital, como: , internet, blogs, fotologs, blogosfera, wiki s, wikipedia, sala de imprensa, chats, banco de dados, conectividade, interatividade, conexão, links, redes sociais de conversação orkut, MSN, Second Life, RSS, Web 2.0, Web 3.0, entre tantos outros meios e instrumentos disponíveis. Todos estes novos suportes podem e estão sendo utilizados por organizações e públicos.tudo vai depender das realidades sociais e da acessibilidade no contexto onde vivemos. Segundo Manuel Castells (2006, p. 233 e 225), se hoje a complexidade da tecnologia é imprescindível para as empresas, elas mesmas também foram motor, em certo sentido, da revolução digital. Além de ajudar a popularizar o microcomputador, a empresa em rede é a forma fundamental de concorrência na nova economia global. A empresa em rede concretiza a cultura da economia informacional/global: transforma sinais em commodities, processando conhecimentos Para o autor, as redes são e serão os componentes fundamentais das organizações. Neste sentido, a comunicação nas organizações opera sob novos paradigmas e a comunicação digital ocupa um espaço de destaque na convergência midiática pelo poder de interatividade que possui nos relacionamentos institucionais e mercadológicos com os públicos e a opinião pública. 5. Comunidades virtuais como público estratégico Muitos autores já escreveram sobre públicos em relações públicas. Numa visão contemporânea, temos que considerar as tipologias dos públicos dentro da dinâmica da história, levando em conta as forças sociais do macro-ambiente e os comportamentos dos grupos de interesses que podem vir a formar um novo público. Um público que praticamente nunca foi pensado como prioritário ou que não tem nenhum vínculo com a organização, dependendo dos acontecimentos, isto é, de como o comportamento institucional o afeta, pode vir a ser um público estratégico. M e n c i o n e-s e, a p r o p ó s i t o, o c o n c e s i t a o k e d h e o l d e r s, q u e h o j e m u i t o p s l e s i m e n t e u s a m n o l u g a r d e p ú b l i c o s. M a s e l e s ó n ã o p o d e s e r u s a d o p a r a q u a l q u e r t i p o d e p ú Diríamos que ele se refere somente a públicos realmente ic o s. estratég No. livro Relações públicas e modernidade (Kunsch, 1997, p. 119), mostramos a diferença que Hunt 8

9 e Grunig fazem entre público (genericamente) e stakeholders (uma espécie de acionistas, sem o serem de forma financeira). Para eles, a distinção é sutil, mas ajuda a entender o planejamento estratégico de relações públicas. Stakeholders são pessoas ou grupos que estão lincadas (linked, mais do que apenas ligados) a uma organização porque entre as duas partes há interesses recíprocos. Quem tem um link com uma organização tem um stake com ela, faz uma aposta nela, o que se pode entender como uma quota nela aplicada. Um stakeholder, portanto, é qualquer indivíduo ou grupo que pode afetar a organização ou é afetado por suas ações, decisões, políticas, práticas ou resultados, resumem Hunt e Grunig, citando Archie B. Carrol. Enfim, trata-se, para nós, dos públicos-alvos ou, numa linguagem mais moderna, públicos estratégicos. E, ainda com base em Grunig e Hunt (1994), acrescentávamos (Kunsch, 1997, p. 120): O primeiro passo, no gerenciamento estratégico de relações públicas, está em mapear os públicos que estão lincados a uma organização, plugados nela, poderíamos dizer. Nessa lista típica acabarão sendo arrolados: proprietários, advogados do consumidor, clientes, concorrentes, meios de comunicação, empregados, grupos de interesse especial, ambientalistas, fornecedores, governos e organizações da comunidade local. Uma comunicação permanente com esses públicos estratégicos ajuda a construir um relacionamento estável e de longo prazo, que facilitará a administração de conflitos que possam ocorrer.. Na era digital o conceito tradicional de públicos dimensionados por espaço geográfico, nas categorias de interno, misto e externo não dá conta de acompanhar a dinâmica dos dias de hoje. Os públicos se formam dependendo de como são afetados pelas instituições e organizações. Com a internet a formação de públicos virtuais é uma constante e incontrolável. Nesse contexto vale como recorte discorrer sobre as comunidades virtuais e as redes sociais como um público fundamental que não pode ser ignorado pelos setores de comunicação das organizações. Gilles Deleuze e Felix Guattari, no livro Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia (1995), apropriam-se do paradigma do rizoma (elemento da botânica) para nomear a sociedade rizomática, que atua como uma rede descentralizada, desterritorializada e 9

10 como uma forma democrática e construtiva das relações sociais, sem se prender às hierarquias e as convenções tradicionais da visão de sociedade e comunidade. A s a ç õ e s c o m u n i c a t i v a s d e u m a e m p r e s a e, x e p m o p r l o, d i r e c i o n a d a s p a r a a t i n g i r a s o c i e d a d e o u m e s m o u m a c o m u n i d a d e p r e c i s a m c o n s i d e r a r n o v o s f u n d a m e n t o s e c o n c e i t o s Entender sociedade como uma população que habita determinado território, cumprindo lei n o r m a s, s e a r t i c u l a n d o e m t o r n o d e e d i d r e e v i e r t e o s e t c é. u m a v i s ã o l i m i t a d a p a r a c o m p r e e n d e r a c o m p l e x i d a d e d a s o c i e d a d e g l o b a l n a q u a l O v m i v e s e m o s. s e d i g a d o c o n c e i t o d e c o m u n i d a d e, q u e h o j e t e m d e n o t a ç õ e s e c o n o t a ç õ e s b e m m a i s a m p l a s d o q u q u e v i g i a m a t é p o u c o t e m p o a t r á s, c o m ã o, a p c r o i r a ç e x e m p l o, d a s c h a m a d a s c o m u n i d a d e s v i r t u a i s. D i z, a p r o p ó s i t o, M a n u e l C a s t e l l s ( , p ) : A n o ç ã o d e c o m u n i d a d e s v i r t u a i s, p r o p o s t a p e l o s p i o n e i r o s d a i n t e r a ç ã o s o c i a l n a g r a n d e v i r t u d e : c h a m a v a a t e n ç i ã m o e n p t a o r a d e o n o s v u o r s g s u p o r t e s t e c n o l ó g i c o s p a r a a s o c i a b i l i d a d e d i f e r e n t e s d e f o r m a s a n t e r i o r e s d e i n t e r a ç ã o, m a s n ã o n e c e s s a r i a m e n t e i n f t a m b é m a u m g r a n d e e q u í v o c o : o t e r m o c o m u n i d a d e, c o m t o d a s a s s u a s f o r t e u s c o n o t a ç õ e s, f o r m a s d i f e r e n t e s i n t e d e r e l a ç ã o s o c i a l e e s t i m u l o u d i s c u s s ã o i d e o l ó g i c a, e n t r e c o m u n i d a d e, e s p e c i a l m e n t e l i m i t a d a, e o s d e f e n s o r e s e n t u s i á s t i c o s d a c o p o s s i b i l i t a d a p e l a i n t e r n e t. Na contemporaneidade, no contexto da comunicação corporativa, quando se trata de relações públicas comunitárias e com as comunidades como públicos estratégicos relevantes, há que se considerar novas configurações e novos conceitos, tais como capital social, comunidade virtual, redes sociais, redes digitais etc. Rogério da Costa (2005, p. 5), no artigo Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, inteligência coletiva 2, traz interessantes reflexões nesta direção. Com base em importantes autores, ele analisa as transformações por que passa o conceito de comunidade em razão da explosão das comunidades virtuais no ciberespaço e do dinamismo existente das redes de comunicação. Esse fato, segundo o autor, nos remete a uma transmutação do conceito de comunidade em rede social. Se solidariedade, vizinhança e parentesco eram aspectos predominantes quando se procurava definir uma comunidade, hoje eles são apenas alguns dentre os muitos padrões possíveis das redes sociais. 2 S u g e r i m o s c o n s u l t a r o a r t i g o n a í n t e g r a ( C o s t a, ). D i s p o n í v e l t a m b é m n a B a s e S c i e l o B r a s 10

11 Atualmente, o que os analistas estruturais procuram avaliar são as formas nas quais padrões estruturais alternativos afetam o fluxo de recursos entre os membros de uma rede social. Assim, ao se pensar em falar em relacionamento com os públicos, há que se levar em conta as comunidades virtuais e as diversas redes sociais que vêm sendo construídas em torno das redes digitais na internet. Os chats, os blogs, o orkut, o rss etc. são exemplos das inúmeras possibilidades de determinados grupos constituírem comunidades em torno de interesses específicos. Foi o jornalista norte-americano Howard Rheingold quem, em Comunidade virtual (1996), formulou o conceito que é título de sua obra.. Para ele, não se trata apenas de mediar contatos pelo computador. Uma verdadeira comunidade virtual supõe a existência de um grupo que participa interativamente em torno de idéias compartilhadas para atingir diversos fins. Costa (2005, p. 77 e 82) analisa a contribuição do autor, dizendo que R h e i n g o l d ( ) n ã o s ó c o n s t a t o u a e m e r g ê n c i a d e a s v c i o m r t u n a i d s a, d c o m o t a m b é m v i u n e l a s u m a r e l a ç ã o m a i s p r o f u n d a, m o t i v a d o e m e s p e c i a l p e l a q u e s t ã o d o e x c e s s o d e c a r a c t e r i z a v a a j o v e m w e b. C o m e f e i t o, u m d o s p r o b f l e r m t a s d e a m a s r i e d a e d a e r d e a o d i n f o r m a ç ã o e p o u c o s f i o s l t p r a o s s í e v f e i t s i v d e r e t e r e m o s d a d o s e s s e n c i a i s, ú t e i s e d o u m. [... ] M a s, e n q u a n t o o s p r o g r a m a d o r e s s e e s f o r ç a v a m p a r a d e s e n v o l v e r a g e n t e s i n t e l r e a l i z a s s e m a b u s c a e f i l t r a g e m d e t o n e l a d a s d e i n f o r m d e a, ç õ R e s h e i q n u g e o l d s e j á a c u m u l a v d e t e c t a v a a e x i s t ê c o n c t i r a t o d s e s o c i a i s e n t r e g r u p o s h i u m a e n o s a m e n t e m a i s s o f i s t i c a d o e m b o r a i n f o r m a i q s u e n o s p e r m i t e m a g i r c o m o a g e n t e s i n t e l i g e n t e s u n. s p a r a o s o u t r o s E m r e l a ç ã o a o u s o d o t e r m o c o m e u n v i d r a t d u a l, v a l e r e g i s t r a r a q u i u m a o b s e r v a ç ã o d o a u t o r J u l i a n o S p y e r ( , p. 2 6 ), q u e c h a m a a a t e n ç ã o p a r a o u s o g e c o m o f e r r a m e n t a p a r a c o m u n i c a ç ã o e m g r u p o e q u e a c a b o u a s s o c i a d o à n o ç ã o r o m â n t i c a i n g ê n u a d e u m c i b e r e s p a ç o p o l i t i c a m e p n e t n e d e i n t d e e. P a r a e l e, a i n t e r n e t e s t á l o n g e d e s e r u m a m b i e n t e p r o t e g i d o e q u e a r e d e m u n d i a l d e c o m p u t a d o r e s m u i t a s v e z e s p o t e n c i a l c o n f l i t o s a o a m p l i a r a s p o s s i b i l i d a d e s d e c o n t a t o e n t r e p e s s o a s d e s c o n h e c i d a s e n t r e s valores diferentes. A s s im, o t e m a d a s r e l a ç õ e s c o m c o m u n i d a d e s e / o u d e r e l a c i o n a m e n t o c o m p ú b l i e s t r a t é g i c o s u l t r a p a s s a f r o n t e i r a s g e o g r á f i c a s, e n v o l v e n d o a s r e d e s s o c i a i s c r i a d a s c i b e r e s p a ç o, q u e t a m b é m t ê m o p o d e r d e p r o v o c a r m u d a n ç a s c o m p o r t a m e n t a i s, i m p l i c a n o v a s f or m a s d e a t u a ç ã o p a r a a s r e l a ç õ e s p ú b l i c a s e a c o m u n i c a ç ã o d a s o r N g e a n s s i e z a ç õ e s. 11

12 t r a b a l h o o g e s t o r o u p r o f i s s i o n a l d e c o m u n i c a ç ã o d e v e v e r i f i c a r c o m o s e p r o c e s s a a d i s o c i a l i n t e g r a t i v a d o s s e u s m e m b r o s, s e j a n o e n t o r n o f i s i c a m e n t e d e l i m i t a d o c i b e r e s p a ç o. E m q u a l q u e r u m d o s c a s o s, e l a n ã o p o d e m a i s e n c a r a r a f c o r m u n a i d a d e d e e s t a n q u e, c o m o u m s i m p l e s a g l o m e r a d o d e p e s s o a s, s e m o m í n i m o d e p a r t i c i p a ç ã o a t s e u s c o m p o n e n t e s n a c o n s t r u ç ã o d e i d e a i s c o m u n s. 6. Comunicação digital nas organizações e a filosofia da comunicação integrada O conceito de comunicação organizacional integrada tem sido trabalhado por esta autora há quase trinta anos, talvez de forma pioneira no Brasil. Comunicação organizacional integrada precisa ser entendida de forma ampla e abrangente. Primeiro como uma disciplina que estuda como se processa o fenômeno comunicacional dentro das organizações no âmbito da sociedade global e como fenômeno inerente à natureza das organizações organizacional configura, também e aos agrupamentos de pessoas que a integram. A comunicação as diferentes modalidades comunicacionais que permeiam sua atividade. Compreende, dessa forma, a comunicação institucional, a comunicação mercadológica, a comunicação interna e a comunicação administrativa (Kunsch, 2003, p. 149). E s t a c o n c e p ç ã o p r o c u r a c o n t e m p l a r u m a v i s ã o a b r a n g e n t e d a c o m u n i c a ç ã o n a s e d a s o r g a n i z a ç õ e s, l e v a n d o e m c o n t a t o d o s a q u e l e s a s p e c t o s r e l a c i o n a d o s c o m a c o m p l e x i d a d f e n ô m e n o c o m u n i c a c i o n a l r i e n e t e à n a t u r e z a d a s o r g a n i z a ç õ e s, b e m c o m o o s r e l a c i o n a m e n t o s i n t e r p e s s o a i s, a l é m d a f u n ç ã o e s t r a t é g i c a e i n s t r -s u m e e n d t e a l u. m T r a t a e s t u d o a q u e e s t a m o s n o s d e d i c a n d o d e s d e o s a n o s e q u e c o n t i n u a e m c u r s o, b u s c a m o s s e m p r e f u n d a m e n t a r p e r e f e i ç o a r o s p o n t o s m a i s r e l e v a n t e s p a r a c o n s t r u ç ã o d e u m a t e o r i a n u m a p e r s p e c t i v a d o p e n s a m e n t o c o m u n i c a c i o n a l b r a s i l e i r o d e s s a á r e a d c o n h e c i m e n t o. Na verdade, o que defendemos é a adoção, por parte das organizações, de uma filosofia da comunicação integrada e a não-fragmentação dessa comunicação. Quando procuramos esboçar nossa proposta, não queremos dar a entender que tudo deva ocorrer de maneira tranqüila, sem conflitos e em compartimentos separados, conforme os diagramas. Esses têm como um propósito tornar os conceitos muito mais didáticos e compreensíveis. 12

13 Procuramos destacar duas áreas fundamentais para dirigir a comunicação organizacional: relações públicas e marketing. A primeira abarcaria, pela sua essência teórica, a comunicação institucional, a comunicação interna e a comunicação administrativa. O marketing responderia por toda a comunicação mercadológica 3. Como se pode notar, a comunicação organizacional, nessa perspectiva abrangente, é por si só complexa. Neste sentido a área da comunicação deixa de ter uma função meramente tática e passa a ser considerada estratégica. Isto é, ela precisa agregar valor às organizações. Ou seja, deve ajudar as organizações no cumprimento de sua missão, na consecução dos objetivos globais, na fixação pública dos seus valores e nas ações para atingir seu ideário de visão no contexto de uma visão de mundo, sob a égide dos princípios éticos. Ressalte-se, ainda, que as ações comunicativas precisam ser guiadas por uma filosofia e uma política de comunicação integrada que levem em conta as demandas, os interesses e as exigências dos públicos estratégicos e da sociedade. Isto é, deve haver total integração entre a comunicação interna, a comunicação institucional e a comunicação de negócios para a busca e o alcance da eficácia, da eficiência e da efetividade organizacional, em benefício dos públicos e da sociedade como um todo e não só da empresa isoladamente. Estudar, compreender e praticar a comunicação organizacional, portanto, é muito mais complexo do que se imagina. Paulo Nassar (2006, p ), ao falar da comunicação integrada virtual, apresenta um interessante quadro, onde descreve as modalidades comunicacionais, frentes de atuação e aplicações possíveis: Componentes do composto de comunicação integrada real e exemplos de suas aplicações no mundo virtual Relações públicas Comunicação institucional e suas áreas de atuação Jornalismo empresarial Relações com a imprensa Editoração multimídia Propaganda Institucional Exemplos de aplicações virtuais em sites ou portais voltados para inúmeros públicos e sociedade Posicionamento no espaço virtual da organização frente aos diferentes públicos, mercados e sociedade. E-publicações, agências de notícias on-line, atualização e manutenção de conteúdos em sites, blogs, portais, entre outros. Sala de imprensa virtual, web coletivas de imprensa, infoclippings, monitoramento da imagem junto à imprensa, entre outros. Web design. Vitrine virtual para as crenças, valores e tecnologias 3 Para maiores detalhes sobre os conceitos dessas modalidades comunicacionais, consultar Kunsch (2003, p ). 13

14 Responsabilidade histórica Responsabilidade social Responsabilidade cultural Comunicação interna e comunicação administrativa e suas áreas de atuação Relações públicas (ações para os colaboradores) Jornalismo empresarial Editoração multimídia Responsabilidade histórica (ações e divulgação para os colaboradores) Responsabilidade social (ações e divulgação para os colaboradores) Responsabilidade cultural (ações e divulgação para os colaboradores) Apoio à educação corporativa Ferramentas Gerenciais Marketing Comunicação mercadológica e suas áreas de atuação Publicidade e promoção Vendas Feiras e exposições Marketing direto Ferramentas de relacionamento e gerenciais Fonte: Nassar (2006, p organizacionais Vitrine virtual para a memória organizacional Vitrine virtual para programas e ações sociais Vitrine virtual para programas, patrocínios, ações culturais Aplicações virtuais em sites ou portais voltados para o público interno E-posicionamento da organização frente aos diferentes públicos, mercados e sociedade E-publicações internas, agências de notícias on-line. Web design Vitrine virtual para a memória organizacional Vitrine virtual para programas e ações sociais Vitrine virtual para programas, patrocínios e ações culturais E-learning Planejamento, operação e atualização de conteúdos de ferramentas gerenciais digitais Aplicações virtuais em sites ou portais voltados para inúmeros públicos, mercado e sociedade E- posicionamento mercadológico, e- pesquisas de mercado, políticas de segmentação e personalização de conteúdos. E-campanhas publicitárias e promocionais E-commerce, serviços de pré e pós venda. E-feiras, E-PDV. Marketing viral, marketing CRM, digitais call-centers, database (construção e manutenção) Elisabeth Saad (2005, p. 102), em artigo publicado na revista Organicom sob o título Comunicação digital: uma questão de estratégia e relacionamento com públicos, ao sistematizar os conceitos fundadores e norteadores das estratégias de comunicação digital e sua relação com as organizações, defende a importância de essa modalidade comunicacional estar inserida no composto da comunicação integrada e como fruto de um planejamento mais abrangente para poder chegar a um plano e de comunicação digital integrada. Para ela a comunicação digital pode ser conceituada como o uso das tecnologias digitais de informação e comunicação (TICs) e de todas as ferramentas delas decorrentes, para facilitar e dinamizar a construção de qualquer processo de comunicação integrada nas organizações. Conforme já destacamos no item quatro, sobre o impacto da comunicação digital nas organizações, são inúmeros os suportes digitais possíveis que poderão ser utilizados pelas empresas e organizações em geral. Juliano Spyer (2007), ao discorrer sobre projetos colaborativos e suas múltiplas possibilidades de aplicação, destaca o uso das relações públicas em ambientes colaborativos, mostrando como empresas e os profissionais desta área podem oferecer aos seus clientes o posicionamento da marca 14

15 em ambientes colaborativos como a Wikipedia (p.118). Outros destaques estão relacionados com a Web 2.0, como site colaborativo (p ) e o branding em mundos virtuais, sobretudo por meio do Second Life, que as empresas estabelecidas vêm utilizando para fazer campanhas e promoções aos residentes e que, dependendo da originalidade, se tornam notícia fora do site (p.160). Os blogs corporativos 4 constituem um meio hoje bastante utilizado pelas empresas e requerem certos cuidados não só ao se implantá-los, mas também no no seu monitoramento contínuo. Para Fábio Cipriani (2006, p. 91 e 90), a blogosfera é livre para que você possa expressar a sua opinião, mas isso deve ser feito com cuidados especiais quando a credibilidade de sua empresa está em jogo. O autor ressalta ainda que os blogs devem ser vistos como complemento para ferramentas como , mensagens instantâneas, mensagens de voz, serviço de atendimento ao consumidor (SACs), entre outras. Para ele os blogs são agentes criadores de comunidade, e não de direcionamento de mensagens pessoais, as quais muitas vezes são privadas e confidenciais. A eficácia e a efetividade do uso das mídias digitais dependem de um diagnóstico situacional correto da realidade comunicacional de uma determinada organização com a qual vamos trabalhar, bem como de um planejamento bem elaborado. Isto é, não adianta simplesmente ir implantando, por exemplo, intranet, blogs corporativos, Second Life, meios colaborativos em curso, Web2.0 etc., sem avaliar se há condições de viabilidade concreta. Ou se de fato é a melhor opção para aquela realidade. Em outras palavras, a incorporação e instalação de meios digitais nas organizações têm que levar em conta as diferentes situações, condições tecnológicas, pessoal técnico, formulador de conteúdos, facilidades de acesso dos públicos e serem definidas com base sólida em pesquisa, diagnósticos e, conseqüentemente, um processo de planejamento correto e não simplesmente por modismo. Ressaltamos, finalmente, que o poder da comunicação digital na sociedade contemporânea é uma realidade que as organizações e os agentes responsáveis pela gestão e produção da comunicação corporativa não podem ignorar. Isto faz com que o ato de pensar, planejar estrategicamente e executar esta comunicação no dia-a-dia das organizações mudem radicalmente. Além de todos os cuidados já mencionados, há que 4 Sobre blog corporativo consultar Cipriani (2006). 15

16 se fazer um monitoramento contínuo na rede mundial de computadores para acompanhar o que os públicos estão articulando, por meio dos mais diversos suportes e/ou ferramentas e como suas falas poderão atingir a imagem e a reputação das organizações. Fazer comunicação nas organizações na era digital é muito mais complexo do que se possa imaginar. Referências BRETYON, Philippe. La utopía de la comunicación: el mito de la aldea global. Trad. Paula Mahler. Buenos Aires: Nueva Visión, CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Economia, sociedade e cultura. 9. ed. - atualizada. Vol. 1. São Paulo: Paz e Terra, La era de la información. Economía, sociedad y cultura. Vol. 1 La sociedad red. Trad. De Carmen Martínez Gimeno. Madrid: Alianza Editorial, La era de la información Economía, sociedad y cultura. Vol. 2. El poder de la identidad. Trad. Carmen Martínez Gimeno. Madrid: Alianza Editorial, La era de la información Economía, sociedad y cultura. Vol. 3 Fim de milênio. Trad. de Klauss B. Gerhardt e Roneide V. Majer. São Paulo: Paz e Terra, A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Trad. Maria Luiz X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, CHANLAT, Jean-François. Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. Trad. de Ofélia de Lanna Sette Torres. São Paulo: Atlas, CIPRIANI, Fábio. Blog corporativo. São Paulo: Novatec Editora, COSTA, Joan. Comunicación corporativa y revolución de los servicios. Madrid: Ed. de las Ciencias Sociales,

17 COSTA, Rogério da. Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pessoais, inteligência coletiva. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, Unesp, v. 9, n. 17, mar./ago DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 1. Trad. de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, GRUNIG, James. A situational theory of publics: conceptual history, recent challenges and new research. In: MOSS, Danny, MacMANUS, Toby & Vercic, Dejan (eds.). Public relations research: an international perspective. London / Boston: International Thomson Business Press, p GRUNIG, James & HUNT, Todd. Identifying organizational linkages to publics. In: Managing public relations. USA: Holt, Rinehart and Winston, p HUNT, Todd & GRUNIG, James. Public relations techniques. New YorkBrace College Publishers, I A N N I, O c t á E v n i o g. m a s d a m o d e r n i d a -m d e u n d o.r i o d e J a n e i r o : C i B v r i a l s i l z e a i ç r ã a o, JABLIN, Frederic M. & PUTNAM, Linda L. (eds.). The n e w h a n d b o o k o f o r g a n i z a t i o n a l c o m m u n ic a t i o n: a d v a n c e s i n t h e o r y, r e s e a r c h, a n d T m h e o t u h s o a d n s d. O a k s : S a g e P ic u b a l t i o n s, KUNSCH, Margarida M. Krohling (org..). Obtendo resultados com relações públicas. 2. ed. revista e atualizada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4a. ed. revista, ampliada e atualizada. São Paulo: Summus, Relações públicas e modernidade: novos paradigmas na comunicação organizacional. São Paulo: Summus, Universidade e comunicação na edificação da sociedade. São Paulo: Loyola,

18 MATTELART, Armand..Comunicação-mundo:história das idéias e estratégias. Petrópolis, Vozes, N A S S A R, P a u l o. O u s o d a s n o v a s t e c n o l o g i a s d e a c e s s o I a o n :KUNSCH, v i r t u a l. Margarida M. Krohling (org..). Obtendo resultados com relações públicas. 2. ed. revista e atualizada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006, p L É V Y, P i e r O r e q. u e é o v i r t u T a r l a? d. d e P a u l o N e v e s. 4.. r e i m p r. R i o d e J a n e i r o : E d i t o r a 3 4, PUTNAM, Linda et al. Metáforas da comunicação e da organização. In: CLEGG, Stewart R. et al., CALDAS, Miguel et al. (eds.). Handbook de estudos organizacionais. Vol. 3 Ação e análise organizacionais. São Paulo: Atlas, p S A A D, E l i s a b e t h C o r r ê a. C o m u n i c a ç ã o d i g i t a l : u m a q u e s t ã o d e e s t r a t é g i a e d e r e p ú b l i c o s O. r g a n i c o m- R e v i s t a B r a s i l e i r a d e C o m u n i O c a r ç g ã a o n i z a c i o n a l e r e l a ç õ e s P ú b l S i ã c o a s. P a u l o : G e s -E t c C o A r p -U S P, a. 2, n. 3-1, 1 1 p, s e m S P Y E R, J u l i a n C o o. n e c t a d o :o q u e a i n t e r n e t f e z c o m v o c ê e o q u e v o c ê p o d e f a z e r c o m e l J a n e i r o : J o r g e Z a h a r, S R O U R, R o b e r P t o. d e r, c u l r t a e é t i c a n a s o r g a n i z. a ç õ S e ã s o P a u l o : E d i t o r a C a m p u s, T A P S C O T T, D o n & D a T v I i C d A O. L L e, m p r e s a t r a : n omo s c p a r a e era n t da e transparência revolucionará os negócios. São Paulo: Makron Books, VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Trad. de Carlos Aboim de Brito. Lisboa: Edições 70, WOLTON, Dominique. É preciso salvar a comunicação. São Paulo: Paulus, Pensar a comunicação. Trad. de Zélia Leal Adghirni. Brasília: Editora UnB,

Organizational Communication in the Digital Era: Contexts, Resources and Possibilities

Organizational Communication in the Digital Era: Contexts, Resources and Possibilities Organizational Communication in the Digital Era: Contexts, Resources and Possibilities Comunicación organizacional en la era digital: contexos, recursos y posiblidades This article places organizational

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial

Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu e MBA Planejamento Estratégico da Comunicação Empresarial Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Março e Abril de 2014 Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias Planejamento Estratégico

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 19-CEPE/UNICENTRO, DE 6 DE MARÇO DE 2009. Aprova o Curso de Especialização em Mercados Emergentes em Comunicação, modalidade modular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO. O

Leia mais

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br MARKETING DIGITAL Ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Jaqueline ECLISSI 2 Jesse James dos SANTOS 3 Sergio RODRIGUES 4 Daniele DOMINGOS 5 Drielle Ferreira de LIMA 6 Adriana

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005

http://www.bvs.br/ Projeto 4 Plano de Marketing e Divulgação da BVS-SP Brasil 18 de janeiro de 2005 http://www.bvs.br/ Projeto 4 18 de janeiro de 2005 Introdução Diante dos novos desafios e contínuas mudanças, as organizações precisam ser ágeis na tomada de decisão. Coordenar esforços de comunicação

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Aula 2. Comunicação Organizacional como ferramenta estratégica. Profa. Ms. Daniela Cartoni

Aula 2. Comunicação Organizacional como ferramenta estratégica. Profa. Ms. Daniela Cartoni Aula 2 Comunicação Organizacional como ferramenta estratégica Profa. Ms. Daniela Cartoni Conceito Comunicação Empresarial Comunicação Corporativa Comunicação Organizacional Comunicação Institucional Comunicação

Leia mais

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Ediane Barbosa Oliveira 2 ECOS/UCPel Resumo: O trabalho busca um estudo sobre uma ferramenta estratégica do ciberespaço no meio da comunicação

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa]

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] 1 Sumário O Surgimento do Analista de Redes Sociais... 2 O que é um Analista de Redes Sociais?... 5 Qual é o Perfil do Analista

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Comunicação Estratégica

Comunicação Estratégica Comunicação Estratégica Prof. Dr. João José Azevedo Curvello COMUNICAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES UCB Brasília (DF) Agosto/Setembro de 2006 Estratégia Uma forma de pensar no futuro; integrada no processo decisório;

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Palavras- Chave: Comunicação organizacional, evolução das tecnologias de informação e o uso da internet.

Palavras- Chave: Comunicação organizacional, evolução das tecnologias de informação e o uso da internet. A adequação da comunicação nas organizações de acordo com o progresso das novas tecnologias ¹ Vanessa Rodrigues Silveira² Universidade Católica de Pelotas Resumo: As mudanças ocorridas com a valorização

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

ACIMA DE TUDO COMUNICAÇÃO

ACIMA DE TUDO COMUNICAÇÃO ACIMA DE TUDO COMUNICAÇÃO 1ª. Edição Página 1 São Paulo-SP-2012 Nelson Batista de Sousa Página 2 Página 3 Página 4 Página 5 1ª. Edição 2011 Blog do Autor: http://nbdesousa.spaceblog.com.br/ Contato: nbs.administracao@gmail.com

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente

Índice. 03 A Empresa. 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente MÍDIA KIT 2014 Índice 03 A Empresa 04 Missão Visão Valores 05 Nossos Eventos 23 Corpbusiness - Patrocínio 24 Divulgação 25 Expediente A empresa Fundada em 2007, a empresa possui uma grade anual com diversos

Leia mais

Índice AGORA O MARKETING É DIGITAL. Introdução 15. Capítulo 1

Índice AGORA O MARKETING É DIGITAL. Introdução 15. Capítulo 1 Índice Introdução 15 Capítulo 1 AGORA O MARKETING É DIGITAL Internet e web é a mesma coisa? 19 Enquadramento 19 A Internet 19 A web 20 Então a web é um dos serviços da Internet? 20 A história é interessante,

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

Processos de planejamento de campanha publicitária

Processos de planejamento de campanha publicitária Processos de planejamento de campanha publicitária O que é planejar? Processo administrativo e sistemático para se atingir um determinado objetivo, coordenando a atuação do assunto em questão, para se

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática?

I. De uma maneira geral, do que trata a sua pesquisa? Qual é a área temática? 1 SITES GOVERNAMENTAIS ENQUANTO MECANISMOS DE INFORMAÇÃO, TRANSPARÊNCIA E PARTICIPAÇÃO: TEORIA, INSTITUIÇÕES E ATORES Joscimar Souza Silva 1 Mestrando Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Resumo:

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A EMPRESA CONTEMPORÂNEA 1 Wailton Fernando Pereira da Silva 2 e-mail: wailton@ubbi.com.br 1. Introdução O advento dos microprocessadores disseminou a informática a tal ponto

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação - Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Os sistemas de informação empresariais na sua carreira Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Aplicada ao Marketing

Gestão do Conhecimento. Aplicada ao Marketing Edson Roberto Scharf Gestão do Conhecimento Aplicada ao Marketing Visual Books Sumário Apresentação... 13 1 Marketing: A Empresa Conectada ao Futuro através do Conhecimento... 15 1.1 Conceito Central...15

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Como monitorar o que estão falando da minha empresa

Como monitorar o que estão falando da minha empresa http://www.tecnocratadigital.com.br/wp-content/uploads/2010/11/social-media-optimization.jpg Como monitorar o que estão falando da minha empresa nas Mídias Sociais de forma simples e direta. Paulo Milreu

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Marketing de Causas Sociais

Marketing de Causas Sociais Marketing de Causas Sociais Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br AEDB Lúcia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Vanderléia Duarte potter_van@yahoo.com.br AEDB Rayanna Mattos Viana rayannamviana@gmail.com

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

AUTORES. James E. Grunig, Ph.D. Professor emérito da University of Maryland, EUA; Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari ECA/USP

AUTORES. James E. Grunig, Ph.D. Professor emérito da University of Maryland, EUA; Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari ECA/USP MOTIVO DA OBRA Essa obra foi inspirada nos estudos e nas pesquisas realizadas por James E. Grunig em mais de trinta anos de atuação como professor da Universidade de Maryland e consultor de empresas na

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

MAPEAMENTO DE PÚBLICOS: ESTRATÉGIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA GESTÃO DE RELACIONAMENTOS. Paulo MARQUÊZ 1 (Universidade do Minho, Portugal)

MAPEAMENTO DE PÚBLICOS: ESTRATÉGIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA GESTÃO DE RELACIONAMENTOS. Paulo MARQUÊZ 1 (Universidade do Minho, Portugal) MAPEAMENTO DE PÚBLICOS: ESTRATÉGIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA GESTÃO DE RELACIONAMENTOS Paulo MARQUÊZ 1 (Universidade do Minho, Portugal) RESUMO: Este estudo é parte da pesquisa de mestrado sobre a gestão

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações

Administração e Planejamento em Serviço Social. Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Administração e Planejamento em Serviço Social Profa. Edilene Maria de Oliveira Administração em Serviço Social Conceitos e contextualizações Palavras chave: Administração, planejamento, organização 1

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais